Você está na página 1de 1

O PATINHO FEIO que mais na vida lhe resta?

(livre adaptação para cordel) - Final Que majestosas figuras


Antes que o sol despontasse de porte tão elegante
sua trouxinha amarrou sim, enormes, bem charmosas
Querendo saber o motivo olhou para a mãe e seus irmãos que fascínio mais tocante
de tanta discriminação "oh que insuportável dor!" "parecem alguém que já vi
junto à margem do laguinho ainda tentou segurar será impressão que senti?"
tentando a melhor posição mas não pode aguentar pensou o patinho distante
procurou ver seu semblante enquanto se ia, chorou
e naquele mesmo instante "Saia de trás desse mato"
compreendeu a situação Passou longe do laguinho perto dele alguém falou
não pretendia mais olhar "por que não brinca conosco?"
Não era igual aos demais porque a água lhe mostrava A voz gentil ele escutou
isso ele compreendeu sua feiúra sem par não conseguindo entender
tinha muitas diferenças pra que sofrer novamente? que nada havi'a temer
doía, mas reconheceu Era mesmo diferente só amizade encontrou
melhor ir logo embora melhor não se reencontrar
ir pelo mundo afora "Quem são e de onde vieram?"
esse lugar não era seu Foi seguindo seu caminho Ele pode balbuciar
não tinha um rumo certo o outro pensou admirado:
Não queria despedida qualquer lugar serviria "estranho modo de falar"
aumentaria mais o sofrer o matagal, um pobre teto "somos cisnes, você também
juntaria seus trapinhos e pensou firme no coração venha, vamos lá brincar, vem!
partindo ao amanhecer de sua mãe e nenhum irmão logo ao Sul vamos voltar"
por ser um feio patinho não chegaria mais perto
viveria tão sozinho O triste pretenso patinho
talvez fosse melhor morrer Próximo a um grande rio compreendeu de repente
um alvoroço escutou por que daquela família
Mas não pensaria nisso escondeu-se no matagal ele era diferente
andaria na floresta temeroso ele olhou e veio a verdade de fato
no anelo de esquecer vendo pássaros, milhares era um cisne, não pato
um dia tudo foi festa brancos, lindos, aos pares e lá se foi ele contente
quem ele tinha amado tanta beleza o encantou
o havia desprezado Gilbamar de Oliveira Bezerra
Extraído de: http://linguagemeafins.blogspot.com.br/2013/08/o-patinho-feio-em-cordelestimulos.html acesso em 20 de jan. 2016.