Você está na página 1de 7

2 EQUILÍBRIO IÔNICO NA ÁGUA/pH E pOH

Introdução
À idéia de ácido está associado o sabor azedo, como acontece com o vinagre e o limão; e, à idéia de
base (ou álcali), estão associados um sabor adstringente e uma sensação semelhante à provocada pelo
sabão, ao tato. Os chamados ácidos de Arrhenius, por ionização, produzem H +, e as bases de Arrhenius
produzem OH —. O confronto ácido × base é muito importante para compreender o comportamento das
substâncias químicas.

EDUARDO SANTALIESTRA / CID


Várias vezes, temos insistido na impor-
tância das medições na ciência. Pois bem,
neste item vamos falar exatamente como se
mede esse caráter ácido-básico. Esse assun-
to é de grande importância, não só nos traba-
lhos científicos como também no cotidiano.
Nos clubes, é muito comum a medida do pH
da água das piscinas; muitas vezes, é necessá-
rio corrigi-lo, com a adição de produtos quí-
micos apropriados. O mesmo acontece com
os aquários para criação de peixes. É comum
também o controle da acidez do solo, para
possibilitar certas culturas agrícolas. E grande,
atualmente, é a preocupação com as chama-
das chuvas ácidas e suas conseqüências. Kit utilizado para medir o pH e a concentração de cloro em piscinas.
A vida dos animais é condicionada pela maior ou menor acidez ou basicidade do ambiente; certos
peixes, por exemplo, toleram águas mais ácidas do que os camarões e as lagostas podem suportar. O
sangue humano deve ter um equilíbrio perfeito entre o caráter ácido e o básico, pois, caso contrário, a
própria vida corre perigo.
HAGAR Chris Browne

2004 KING FEATURES /


INTERCONTINENTAL PRESS
Equilíbrio iônico na água/produto iônico da água
A água pura se ioniza segundo a equação:
+ —
H2 O H + OH

Na verdade, esse processo é mais bem explicado pela auto-ionização da água:


+

H O H + H O H H O H + OH—

Veja que a primeira molécula de água provocou a ruptura da segunda molécula, formando os íons
H 3O+ (hidrônio) e OH— (oxidrila). Abreviadamente, podemos escrever:
+ —
2 H2O H3O + OH

Apesar de esta última equação ser mais correta do que a primeira, vamos, como é usual, continuar
usando a equação abreviada (H2O H+ + OH—).
Assim como acontece com todas as ionizações, também a da água é reversível e vai atingir um
equilíbrio, que é denominado equilíbrio iônico da água, em que teremos, como sempre:
• o grau de ionização ();
 [H+][OH— ] 

• a constante de ionização  K = .
 [H2O] 
Acontece que a ionização da água pura é extremamente baixa. Na montagem da página 219, por
exemplo, a lâmpada nem iria acender. Com montagens mais sofisticadas, porém, pode-se medir a
condutividade elétrica da água pura e chegar aos seguintes valores aproximados:
• grau de ionização:  q 1,81 · 10—9 (o que equivale a dizer que, de cada 555.000.000 de molécu-
las de água, apenas uma se ioniza);
[H+][OH— ]
• constante de ionização: K = q 1,81 · 10—16 (a 25 C).
[H2O]
Nessa última fórmula, podemos fazer a seguinte simplificação: se, no equilíbrio iônico da água
HO H+ + OH—, temos apenas 1 molécula de H O dissociada em cada 555.000.000 de
2 2
moléculas de H2O iniciais, podemos concluir que a quantidade e a concentração da água — [H2O] —
são praticamente as mesmas, antes e depois da ionização. Em outras palavras, podemos concluir que
[H2O] é constante. Sendo assim, teremos:
K · [H2O] = [H+][OH—] = 1,81 · 10—16
Constante

226
Esse produto constante é chamado de produto iônico da água e é representado por K (ow índice
w vem da palavra inglesa water).
Considerando a densidade da água pura igual a 1 g/mL, concluiremos que 1 litro de água pesa
1.000 g e contém:
= 1.000  n = 55,5 mols de H2O
m
n=
M 18
Uma vez que estamos falando em 1 litro de água, temos: [H2O] = 55,5 mol/L. Levando esse valor
à expressão de Kw, teremos:
Kw= K · [H O]
2 = 1,81 · 10
—16
· 55,5  K = w1,00 · 10—14 (a 25 C)

Produto iônico da água: Kw = 1,00 · 10


—14
(a 25 C)

Assim como acontece com todas as constantes de equilíbrio, também Kw varia com a temperatu-
ra, como mostramos na tabela:
Temperatura Kw

0 C 0,11 · 10—14
25 C 1,00 · 10—14
40 C 3,0 · 10—14
100 C 51,3 · 10—14

Vejamos agora o que acontece com os valores das concentrações de H+ e OH— em água pura, em
soluções ácidas e em soluções básicas.

Em água pura
Na ionização H 2O H+ + OH—, vemos que 1 mol de H+ forma-se junto com 1 mol de
OH ; temos, pois, [H ] = [OH ], e como K =
— + —
w [H ] [OH ] = 10
+ — —14
, resulta que:

[H+] = [OH—] = 10—7

Em soluções aquosas ácidas


Juntando-se à água um ácido (como o HCl, por exemplo), teremos a seguinte situação:
• o HCl é forte, e se ioniza bastante: HCl H+ + Cl—;
• os H+ do ácido, que são muito numerosos, vão se confundir com os poucos H+ da água, aumen-
tando a concentração de H+;
• o aumento da quantidade total de H+ desloca o equilíbrio:
H2O H+ + OH—
no sentido do H2O (efeito do íon comum, ou seja, princípio de Le Chatelier);
• com o deslocamento do equilíbrio para a esquerda, o processo consome OH—, diminuindo a
concentração de OH—.
Resumindo, teremos em soluções aquosas ácidas:
• [H+] aumenta  [H+] > 10—7;
• [OH—] diminui  [OH—] < 10—7;
• desse modo, permanece constante o produto: Kw = [H+] [OH—] = 10—14.

Em soluções aquosas básicas


Adicionando à água uma base, podemos concluir, por idêntico raciocínio, que:
• [OH—] aumenta  [OH—] > 10—7;
• [H+] diminui  [H+] < 10—7;
• produto [H+] [OH—] continua constante (10—14).

Capítulo 6 • EQUILÍBRIOS IÔNICOS EM SOLUÇÕES AQUOSAS 227


Essas conclusões podem ser resumidas pelas seguintes escalas:
Água pura ou
solução neutra

100 10 –1 10 –2 10 –3 10 – 4 10 –5 10– 6 10 –7 10– 8 10 –9 10 –10 10 –11 10 –12 10 –13 10 –14


[H+]
10–14 10 –13 10 –12 10 –11 10 – 10 10 – 9 10– 8 10 –7 10– 6 10 –5 10 – 4 10 –3 10 –2 10 –1 100

[OH ]

Soluções ácidas Soluções básicas

Caráter ácido crescente

Caráter básico crescente

Os conceitos de pH e de pOH
Nas escalas acima, vimos que os valores de [H+] e de [OH—], que indicam o caráter ácido ou básico
das soluções aquosas, são expressos por números com expoentes negativos (como 10—3 ou 10—10, por
exemplo). Considerando que o uso de expoentes negativos não é cômodo, o químico dinamarquês
Soren Sörensen (1868-1939) propôs, em 1909, o uso de logaritmos para transformar aqueles valores
em números mais cômodos. Surgiram então as seguintes definições:

pH = —log [H+] e pOH = —log [OH—]

A letra p minúscula que aparece nessas notações deriva de potência, lembrando o expoente que
aparece na definição dos logaritmos. Sendo assim, costuma-se também dizer que:
• pH é a potência hidrogeniônica;
• pOH é a potência hidroxiliônica.
REVISÃO MATEMÁTICA — LOGARITMOS

Faremos agora uma rápida revisão do conceito de logaritmo, que será de grande importância para a
continuação do assunto que estamos desenvolvendo. Lembramos que os logaritmos foram introduzi-
dos na Matemática no século XVII pelo matemático escocês John Napier (1550-1617), para simplificar
as operações de multiplicação, divisão, potenciação e radiciação.
Assim, por exemplo, na igualdade 1.000 = 103, o expoente 3 é chamado de logaritmo do número
na base 10 e se escreve:
log 10 1.000 = 3 ou log 10103 = 3

No estudo geral dos logaritmos são consideradas outras bases, diferentes de 10, para generalizar a defi-
nição acima. A base 10, porém, é bastante comum; nela os logaritmos são chamados de decimais e, por
comodidade, omite-se o número 10, junto ao símbolo log; assim, escrevendo-se apenas log 1.000, já se
subentende tratar-se da base 10. Em nosso estudo, vamos considerar somente os logaritmos decimais.
Em Matemática, demonstram-se quatro propriedades operatórias dos logaritmos, que serão im-
portantes para nosso estudo, a saber:
• logaritmo de um produto: log (a · b) = log a + log b

a
• logaritmo de um quociente: log   = log a — logb
 b 

• logaritmo de uma potência: log ab = b · log a

log a
• logaritmo de uma raiz: log b a =
b

Com o uso dos logaritmos decimais, todas as considerações feitas no item anterior se simplificam.
De fato, no tocante ao produto iônico da água (K =w [H+][OH—] = 10—14), temos:

• do produto: [H+][OH—] = 10—14

• extraindo os logaritmos: log [H+] + log [OH—] = —14


• e trocando os sinais: —log [H+] — log [OH—] = 14

• chegamos a: pH + pOH = 14

Sem dúvida, esta última expressão é mais simples que as primeiras.


No que diz respeito aos valores de [H+] e de [OH—] em água pura, em soluções ácidas e em solu-
ções básicas, eles também se simplificam, pois:

a) em água pura: pH = pOH = 7

b) em soluções ácidas:
[H+] > 10—7  log [H+] > —7  —log [H+] < 7  pH < 7

[OH—] < 10—7  log [OH—] < —7  —log [OH—] > 7  pOH > 7

c) em soluções básicas:
[H+] < 10—7  log [H+] < —7  —log [H+] > 7  pH > 7

[OH—] > 10—7  log [OH—] > —7  —log [OH—] < 7  pOH < 7

Em resumo:
Água pura pH = 7 pOH = 7
Soluções ácidas pH < 7 pOH > 7
Soluções básicas pH > 7 pOH < 7

Água pura ou
solução neutra

0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14
pH

14 13 12 11 10 9 8 7 6 5 4 3 2 1 0
pOH

Soluções ácidas Soluções básicas

Caráter ácido crescente

Caráter básico crescente

Reprodução proibida. Art.184 do Código Penal e Lei 9.610 de 19 de fevereiro de 1998.


Enfim, a escala de pH é bem mais cômoda para medir a acidez ou basicidade de uma solução.
Ressaltamos que a escala de pH é usada com muito mais freqüência que a escala de pOH.
Abaixo mostramos o pH de alguns produtos de uso diário, entre outras soluções incluídas
como referência.

pH
14 Solução 1 mol/L de NaOH (14)

13
Caráter básico

12 Material de limpeza com amoníaco (11,8 - 12,4)

11
Leite de magnésia (10,5 - 10,6)
10
Creme dental (9,8 - 9,9)
9
Água do mar (8,2 - 8,3)
8
Sangue humano (7,3 - 7,5)
7 Água pura (7)
Leite de vaca (6,3 - 6,6)
6

5 Café (5,0 - 5,1)

4 Suco de tomate (4,1 - 4,2)


Suco de laranja (3,0 - 4,0)
Caráter ácido

3
Vinagre (2,6 - 3,0)
2 Suco de limão (2,2 - 2,4)
Suco gástrico (1,6 - 1,8)
1

0 Solução 1 mol/L de HCl (zero)

Em agricultura, o conhecimento do pH do solo é de grande importância. No Brasil, predominam os


solos ácidos, com pH variando entre 4,5 e 5,9. Cada cultura, por sua vez, exige um pH adequado para
seu melhor desenvolvimento (por exemplo: arroz, 5,0 a 6,5; café, 5,5 a 7,0; milho de 5,5 a 7,5; etc.).
Daí a necessidade que existe, em muitas ocasiões, de corrigir o pH do solo, com a adição, por exemplo,
de calcário (CaCO3), que é um sal de reação básica (esse processo é chamado calagem).

230
OBSERVAÇÕES

1ª Quanto maior for a acidez de uma solução, maior será a concentração de H+, porém menor será o
pH. Por exemplo:

Água pura [H+] = 10—7 pH = 7

decrescente
crescente
Acidez
Solução HCl 0,0001 mol/L [H+] = 10—4 pH = 4

pH
Solução HCl 0,1 mol/L [H+] = 10—1 pH = 1

Para grandes variações na concentração de H+, resultam pequenas variações do pH: se [H+] passa de
0,0001 para 0,1 mol/L, então o pH passa de 4 para 1.
Note ainda que, se a acidez aumentar demasiadamente (solução concentrada de ácido), de modo que
[H+] > 1 mol/L, resultará pH < 0.
Por isso dizemos que somente tem sentido falar em pH para soluções aquosas e diluídas.

2ª Considere um ácido fraco HA e admita os valores da tabela abaixo, apenas como exemplo:

HA H+ + A—

Molaridade inicial 0,050 Zero Zero

Ionizaram-se 0,001 0,001 0,001

Molaridade no equilíbrio 0,049 0,001 0,001

No exemplo, temos:
[H+] = 0,001 = 10—3  pH = 3

Note que o pH = 3 indica a concentração dos H+ que realmente estão ionizados no equilíbrio; por
isso se costuma dizer que o pH indica a acidez real ou acidez atual da solução.
O valor 0,049 mol/L indica a concentração dos HA não ionizados, mas que poderão ionizar-se no
futuro, isto é, indica a acidez potencial da solução.
Por fim, a soma 0,001 + 0,049 = 0,050 (veja que é a própria molaridade inicial ou total, da solução)
indica a acidez total da solução. É esse valor que deverá ser levado em conta, na hora em que o ácido
HA reagir com uma base forte.

3ª Em decorrência do uso do pH, a letra p minúscula passou a significar, em Química, —log. Assim, é
comum aparecer:
pKw= —log K =
w —log 10
—14
= 14 (para a água)
pKa = —log Ka (para os ácidos)
pKb = —log Kb (para as bases)