Você está na página 1de 4

O artigo analisado foca-se na interação musical entre os bebés e as suas mães.

O
artigo encontra-se dividido em vários pontos, sendo o primeiro sobre a
fundamentação teórica.
A autora descreve aqui a importância dos estímulos que são vivenciados pelos
recém nascidos através das suas experiências de vida e que podem auxiliar o seu
desenvolvimento físico, motor, emocional e psicológico. A criança responde a esses
estímulos através da sua expressividade começando a ser estabelecida uma
comunicação entre a mãe e o filho.
Segundo Janine Levy, além das respostas aos estímulos as mães conseguem
distinguir o choro do bebé consoante as suas necessidades. Dei foco a este ponto
porque quando entrei na aventura da paternidade ensinaram-me a identificar os
diferentes choros do bebé e isso foi extremamente útil nos primeiros meses de vida
do meu rebento.
Quando uma criança se manifesta através de sons, espera uma resposta dos seus
progenitores. A resposta dada pelos pais ajuda a estimular a linguagem da criança
criando assim uma expressão própria, sendo de extrema importância este jogo de
comunicação entre pais e filhos, onde ambos se influenciam, dando lugar a uma
forma de comunicação e interação muito pessoal e de criação de laços afectivos. É
aqui que a música virá a tornar-se também uma ferramenta comunicativa de
extrema importância.
Um bebé está sempre alerta a todos os movimentos ou sons que o rodeiam, assim,
IDS (infant directed speech) Moyhrese e baby talk são termos associados à fala dos
bebés que envolvem enunciados curtos e simples, assim como a presença de
gestos que dão auxilio à comunicação, passando informações às crianças através
de um padrão marcado de entoação, de simplicidade na forma e no conteúdo da
fala e de uma intenção comunicativa, ou seja, numa fala mais pausada, com frases
pequenas e com contornos específicos cuja função será a de transmitir alguma
ação.
A linguagem dos bebés tem uma grande influência sobre a linguagem da mãe, e
vice-versa, gerando um jogo de comunicação que funciona como espelho.
Falando em termos de linguagem musical, quando ouvem uma canção entoada
pelas mães e dirigida a eles, a sua atenção é captada de uma forma mais eficaz do
que se apenas ouvirem a sua mãe falar. Este tipo de canto materno caracteriza-se
por ter uma maior expressividade emocional, e também pode indicar ações no seu
conteúdo.
Frequentemente as mães cantam para os seus filhos aquilo que as mães já
cantaram para elas, algo que neste momento pode estar a perder-se no tempo,
estando o reportório infantil a tornar-se mais escasso, pois os pais têm vindo a
perder a noção do que será ou não o reportório infantil. Na minha opinião, não é só
uma questão de escassez, pois com todos os meios comunicativos existentes a
quantidade de oferta em termos de programas e criações de cariz infantil tem
aumentado, mas a qualidade musical tem vindo a decrescer com o tempo, sendo
necessário selecionar e supervisionar aquilo que a criança ouve.
Para além dos benefícios de desenvolvimento físico, psicológico e emocional, a
prática de audição de música tem influência na redução do stress infantil, e dá
auxilio na recuperação de crianças doentes e prematuras, tornando necessária a
análise da influência da música no quotidiano das crianças.
Este estudo tem como objectivos a análise do contexto musical em que se insere e
a experiência musical da mãe e dos que o cercam; a análise da preferência musical
da mãe, e se isso se reflete no uso da música com o seu filho; uma reflexão sobre a
linguagem musical da mãe e a influência que exerce sobre o desenvolvimento do
seu filho; por ultimo a analise da aproximação e relação mãe/filho por meio de
atividades musicais e relatos da frequência do uso da música na educação.
Para esta pesquisa as mães responderam a questões relacionadas com o uso de
música no seu dia-a-dia com o seu filho, sobre a sua opinião sobre a importância da
música para os bebés, sobre a sua vivência musical, e também sobre a família, a do
bebé e questões pessoais. A análise foi feita através de testes estatísticos
qualitativos, que resultaram numa listagem de informações dividida pelos seguintes
temas:
 Informações demográficas
 Experiência musical da Família
 Preferência Musical
 A criança e a Música
 Os pais e a música

A partir dos dados recolhidos, verifica-se que o grupo de mães que foi entrevistada
era bastante homogéneo, e de acordo com os resultados, as mães de todas as
idades, casadas ou solteiras, formadas ou sem formação e com filhos de diferentes
idades, cantam para os seus bebés, preocupando-se em escolher e aprender
canções apropriadas para cantar. Esta será então uma atividade natural entre mães
e filhos, que quem tem o privilégio de assistir, verifica a olho nu a criação de uma
relação emocional.