Você está na página 1de 1

Barroso mant�m suspens�o de indulto natalino concedido por Temer

Benef�cios haviam sido suspensos em decis�o provis�ria pela ministra C�rmen L�cia
no fim do ano passado. Decis�o final ser� do plen�rio do Supremo Tribunal Federal.
Por Renan Ramalho, G1, Bras�lia

01/02/2018 12h33 Atualizado h� 2 horas

Ministro Barroso mant�m suspens�o de indulto natalino concedido por Temer


O ministro Lu�s Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), manteve
suspensos trechos do decreto editado em dezembro pelo presidente Michel Temer que
abrandavam as regras para concess�o do indulto de Natal.

Os benef�cios foram suspensos no final do ano passado, durante o recesso do


Judici�rio, pela presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra C�rmen
L�cia. Ela acolheu, em decis�o liminar (provis�ria) questionamentos da procuradora-
geral da Rep�blica, Raquel Dodge.

O indulto havia reduzido o tempo de cumprimento das penas a condenados por crimes
cometidos sem viol�ncia ou grave amea�a.

Relator do processo, Barroso manteve a suspens�o sob o argumento de que o Poder


Executivo n�o pode dispor sobre mat�ria penal, que houve viola��o � �efetividade
m�nima do Direito Penal� e que o decreto produz efeitos que �vulneram o interesse
p�blico e frustram as demandas m�nimas da sociedade por integridade no trato da
coisa p�blica�.

O ministro tamb�m quer discutir a regra do decreto que permite o livramento


condicional do preso ap�s cumprir 1/5 da pena e n�o 1/3 como previam os indultos
anteriores.

A decis�o ainda ser� objeto de an�lise do plen�rio do STF, formado pelos 11


ministros da Corte.

>>> Veja os pontos do indulto suspensos:


Diminui��o do tempo exigido de cumprimento da pena para o condenado receber o
indulto (de 1/4 para 1/5 da pena)
Perd�o do pagamento de multas relacionadas aos crimes pelos quais os presos foram
condenados
Concess�o do benef�cio mesmo quando ainda h� recursos em andamento em inst�ncias
judiciais
Possibilidade de indulto a pessoas que estejam respondendo a outro processo