Você está na página 1de 5

Congregacionalismo Brasileiro:

Do Pioneirismo do Dr. Kalley à UIECB Ary Queiroz Jr.

Capítulo 10

Influências Estranhas na Igreja

Sei que, depois da minha partida, lobos vorazes penetrarão no meio de vocês e não pouparão o rebanho. E dentre vocês mesmos se levantarão homens que torcerão a verdade, a fim de atrair os discípulos(At 20.29,30).

Os primórdios da Igreja Fluminense foram praticamente livres de crises doutrinárias, além de questões pontuais envolvendo a recepção de crentes batizados na infância e a escravatura. A exceção deve-se ao conflito que desembocaria no primeiro cisma da igreja evangélica brasileira, causado pelas ideias novas que surgiam na época com todo o ímpeto. Tratava-se do darbyismo e do dispensacionalismo, doutrinas relacionadas a John Nelson Darby, seu maior sistematizador (1800-1882). Até lá, entretanto, vejamos como os acontecimentos se desenvolveram.

No início de dezembro de 1866, Sarah recebeu a triste notícia do falecimento do seu pai, ocorrido no mês anterior. Não bastasse isso, a saúde de Kalley não estava na melhor forma e tendia a declinar, em parte pelo excesso de trabalho, em parte pelo clima quente e úmido do Rio de Janeiro. Por fim, um ataque de coração foi o fator determinante para que seu médico lhe recomendasse repouso absoluto e uma viagem à Grã-Bretanha, para tratamento. Assim, não sem enorme relutância, Kalley começou a preparar-se para deixar o Brasil, talvez imaginando que o faria definitivamente. Despediu-se da Igreja Fluminense em momentos de muita emoção pregando um sermão em At 20:17-38 e, em 2 de dezembro de 1868, ele e D. Sarah embarcaram no navio Panamá para a Europa.

No Velho Mundo, após sentir-se plenamente recuperado, os Kalleys deram início ao planejamento de uma viagem à Palestina, o que de fato fizeram com grande proveito. Durante a excursão, correspondiam-se com o Rev. Holden, por meio de quem recebiam ótimas notícias da Igreja Fluminense, sempre dando conta da recepção de novos membros.

Todavia, algo parecia não estar bem. Forsyth comenta que “Lendo nas entrelinhas de inúmeras cartas que o Sr. Holden enviou ao doutor, parecia que ele não pretendia permanecer muito tempo como pastor auxiliar na Igreja Fluminense”. Mas, qual seria o problema? É que, Forsyth esclarece, “Como muitos bons homens de seus dias, ele foi grandemente influenciado pelas doutrinas dos Irmãos de Plymouth e sentiu que não poderia mais servir como pastor nos atuais termos e receber salário mensal da igreja” 1 . Para entendermos o que se passava naqueles dias - e especialmente com Holden -,

1 FORSYTH, William B. Jornada no Império: Vida e Obra do Dr. Kalley no Brasil. p. 186

Congregacionalismo Brasileiro:

Do Pioneirismo do Dr. Kalley à UIECB Ary Queiroz Jr.

são adequadas umas breves palavras sobre John Nelson Darby e os Irmãos de Plymouth.

Darby nasceu em Londres e foi educado na Irlanda. Estudou direito

e teologia. Em 1825 foi ordenado ministro da Igreja Anglicana, mas, em 1828,

desiludido com o formalismo da Igreja, abandonou o anglicanismo e se uniu a grupos de irmãos que se reuniam em lares para oração e estudos bíblicos. Não demorou a que Darby se tornasse um líder respeitado do movimento e, em Plymouth, na Inglaterra, viesse a fundar o grupo que tomaria o seu nome os Irmãos de Plymouth ou Darbyitas. Em 1948 o movimento sofreu dura divisão e

Darby permaneceu como o único líder da facção mais exclusivista, que se recusava a ter contatos com “não-irmãos”, adotando posturas cada vez mais legalistas 2 .

O darbyismo, em nome do desejo de retornar ao cristianismo simples do Novo Testamento, insistia no compartilhar semanal do pão

eucarístico, em rejeitar o ministério cristão ordenado, em fugir das liturgias fixas

e em enfatizar a iminente volta de Jesus 3 . Em nome do sacerdócio dos crentes,

todos os ministérios formais deveriam ser rejeitados e todos os credos, abolidos, uma vez que é o Espírito Santo quem guia todos os verdadeiros crentes e os une na fé e no culto. Darby também não aceitava a noção de igreja visível, além de ensinar que os cristãos participavam da natureza divina e de ser o maior expositor e sistematizador do dispensacionalismo sistema teológico que divide a história em dispensações estanques.

No esquema dispensacionalista, predomina a defesa da existência de sete dispensações. Ensina-se que Deus possui programas distintos para Israel e para a Igreja e, em consequência, nem a Igreja começou no Antigo Testamento, mas no Pentecoste, nem cumpre as promessas feitas a Israel. A escatologia dispensacionalista afirma que a vinda de Cristo se dará em duas etapas, consistindo a primeira de um arrebatamento secreto e iminente dos verdadeiros crentes, que porá fim à era (ou parêntese) da Igreja, iniciada quando os judeus rejeitaram seu Messias. Com o arrebatamento, Deus retomaria o trato com os judeus e daria cumprimento literal às profecias do Antigo Testamento a respeito de Israel, profecias que tinham sido apenas suspensas durante a era da Igreja. Sete anos após o arrebatamento, Cristo completaria Sua segunda vinda e estabeleceria um Reino terreno de mil anos com sede em Jerusalém.

Entre os anos de 1862 e 1877, Darby, com o propósito de popularizar suas ideias, realizou uma série de excursões pelos Estados Unidos

2 L. GONZÁLEZ, Justo (Editor). Dicionário Ilustrado dos Intérpretes da Fé: Vinte Séculos de Pensamento Cristão. São Paulo: Hagnos, 2008. p. 211, 212

3 Op. Cit.

Congregacionalismo Brasileiro:

Do Pioneirismo do Dr. Kalley à UIECB Ary Queiroz Jr.

e Canadá, Europa e Nova Zelândia, influenciando grandemente o evangelicalismo da época que, por fim, predominaria no século seguinte.

Forsyth registra que Kalley manteve uma discussão com Darby por carta após seu retorno da Palestina, ainda em Crieff, porque não podia “concordar com os pontos de vista dele a respeito da igreja e seus ministros, especialmente sobre o chamado e manutenção do pastor. Ele também discordava dos desvios do Sr. Darby sobre justificação e santificação” 4 .

Em 29 de abril de 1871, os Kalley embarcaram para a viagem de volta ao Brasil e, após uma estada de um mês em Portugal, chegaram ao Rio, ocasião em que foram recebidos com lágrimas pela igreja. Os trabalhos foram retomados e a Escola Bíblica Dominical, com novo formato agora produzindo lições adequadas para adultos, jovens e crianças -, foi inaugurada em 16 de julho de 1871, com cerca de duzentos alunos matriculados.

Por essa época, D. Sarah organizou uma sociedade de senhoras, vez que podia contar com três mulheres alemãs que se recusavam a submeter- se à restrição imposta às mulheres da época de não poderem sair sozinhas à rua, sem um homem da família. Como ela percebeu que onze mulheres estavam de acordo com a ideia, iniciou a sociedade, que na segunda reunião já contava com quatorze senhoras.

Em junho de 1871, foi a vez do Rev. Holden seguir viagem para a Inglaterra. De lá, em uma carta a Kalley datada de dezembro daquele ano, informou que não retornaria à Igreja Fluminense, tanto por diferenças doutrinárias com o doutor quanto por julgar que um pastor não deveria receber remuneração por seus serviços. Eram as influências do darbyismo sendo colhidas! A Igreja Fluminense sentiu profundamente a notícia, porque muito o estimava e porque era-lhe grata por seus valiosos serviços, e decidiu enviar-lhe uma carta na qual expressou essa gratidão e o desejo que Holden reconsiderasse sua posição. Nova carta de Holden a Kalley, entretanto, trazia o comunicado que ele havia se encontrado com Darby e Kelly e abraçado as doutrinas e práticas dos Irmãos de Plymouth.

Kalley, por sua vez, não tardou em providenciar o preparo de outro pastor para a Igreja Fluminense e, depois de corresponder-se com Spurgeon, enviou para a escola do “príncipe dos pregadores” João Manoel Gonçalves dos Santos, que viajou para Londres em 8 de agosto de 1872, com trinta anos de idade. Após seus estudos, Santos serviria à Igreja Fluminense por trinta e nove anos.

4 FORSYTH, William B. Jornada no Império: Vida e Obra do Dr. Kalley no Brasil. p. 186

Congregacionalismo Brasileiro:

Do Pioneirismo do Dr. Kalley à UIECB Ary Queiroz Jr.

Nada obstante, enquanto esteve à liderança da Igreja Fluminense, Holden levou muitos dos seus membros ao darbyismo, tanto que após sete anos de sua saída houve um movimento cismático, segundo registra Nassif, do qual saíram vinte e seis membros da Igreja para formarem a Igreja dos Irmãos Unidos do Rio de Janeiro 5 . Os prejuízos haviam sido plantados e teriam que ser colhidos 6 .

Kalley, é de rigor que frisemos, jamais aderiu ao darbyismo, nem tampouco ao dispensacionalismo. Escrevendo a James Fanstone, em 30 de novembro de 1878, Kalley respondeu a pergunta se pertencia ao grupo dos Irmãos Unidos com as seguintes palavras:

Graças a Deus, não pertenço aos tais irmãos! Uma de suas práticas é recusarem-se a publicar uma declaração fiel das doutrinas que, conforme ensinam, estão estabelecidas na Palavra de Deus: uma tal recusa deixa a porta aberta à disseminação de qualquer heresia! A Igreja Evangélica Fluminense tem uma Exposição das Doutrinas Fundamentais, que ela aceita e subscreve

Um dos pontos nos quais Kalley e Holden discordaram foi quanto à ideia darbyista de que o crente pode vir a ser participante da natureza divina. Holden argumentava a favor de tal noção comparando o crente com uma mula, que, segundo ele, tem duas naturezas, a do cavalo e a da jumenta. Kalley, de seu turno, retrucava dizendo que tal doutrina muito se assemelhava ao panteísmo e que somente Jesus tem duas naturezas – “a natureza do eterno e invisível Deus e a natureza de perfeito homem, criado pelo poder do Espírito Santo, no ventre da Virgem Maria, descendente do Rei Davi”. Também o dispensacionalismo introduzido por Holden na Igreja Fluminense foi fortemente resistido por Kalley, inclusive em seu aspecto escatológico.

7

Por fim, não poderíamos deixar para trás este capítulo da história do pioneirismo kalleyano sem ponderar sobre a importância de uma igreja ser bem fundamentada nas doutrinas bíblicas. Com efeito, temos diante de nós uma história que muito nos alerta sobre a necessidade de cada crente da igreja conhecer bem as razões de sua fé e esperança, tanto para estar pronto a expô- las em momento oportuno quanto para não seguir a próxima grande novidade doutrinária que chegará com ares de solução para todos os males da Igreja de

5 NASSIF CARDOSO, Douglas. Práticas Pastorais do Pioneiro na Evangelização do Brasil e de Portugal. p.

61

6 Mesmo à distância, Holden permaneceu se correspondendo com amigos da Igreja Fluminense, fato que certamente contribuiu para o cisma. Para saber mais sobre o desenvolvimento posterior do movimento, consultar o artigo “Os Irmãos Unidos no Brasil”, de Francisco Genciano Junior. <http://www.academia.edu/9519267/Os_Irm%C3%A3os_Unidos_no_Brasil> Acesso em 04 de março de

2017.

7 NASSIF CARDOSO, Douglas. Práticas Pastorais do Pioneiro na Evangelização do Brasil e de Portugal. p.

61

Congregacionalismo Brasileiro:

Do Pioneirismo do Dr. Kalley à UIECB Ary Queiroz Jr.

Cristo. Um pouco de darbyismo, ou de quaisquer outras heresias, nós o vimos, tem potencial para levedar toda a massa.

Quanto ao dispensacionalismo, é mesmo difícil exagerar ao falar sobre as suas consequências nefastas de um século de reinado desse sistema teológico que a um só tempo dividiu o povo e a revelação de Deus, e que influenciou com suas sutilezas e esquemas praticamente todas as denominações. De mais a mais, aqui residem as origens da forte presença dispensacionalista e pré-milenista nas igrejas kalleyanas: com os serviços do Sr. Richard Holden.