Você está na página 1de 11

EDUARDO VIANA

Doutorando e Mestre em Direito Penal pela Universidade


do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)
Professor de Direito Penal e Criminologia da Universidade
Estadual de Santa Cruz (UESC)
Professor da Faculdade Independente do Nordeste (FAINOR)
Vice-presidente da OAB (subseção Vitória da Conquista-BA)

www.eduardoviana.com.br

Criminologia

3ª edição
2015
A E scola de C hicago e a explicação ecológica do crime

C A P Í T U L O I V

A Escola de Chicago
e a explicação
ecológica do crime
Sumário • 1. Introdução; 2. Objeto e método; 3. Principais repre-
sentantes; 4. Consequências político-criminais; 5. Críticas; 6. Con-
clusões; Quadro sinótico; Questões.

1. INTRODUÇÃO
Respeitável setor da doutrina considera a Escola de Chicago um
dos focos de expansão mais poderosos e influentes da Sociologia cri-
minal1. A razão para a denominação Escola de Chicago, e não ecologia
criminal, é dupla: por um lado deriva da explosão urbana na cidade de
Chicago; por outro, da criação do primeiro departamento de sociologia
do mundo na Universidade de Chicago.
No tocante ao primeiro aspecto, Park, um dos principais teóricos
da escola, jornalista de formação, com vinte e cinco anos de observação
e coleta de dados, constatou que a população de Chicago, entre os anos
de 1860 e 1910, dobrava a cada dez anos, com as ondas de imigração2.
Evidente que um salto demográfico dessa natureza, potencializado
pela diversidade cultural, proporciona uma série de problemas sociais,
especialmente os de índole criminal. Por outro lado, esta multifaceta-
da realidade social que emergia na cidade desperta o departamento de
Sociologia da Universidade de Chicago para a investigação sociológica.
Dentro da perspectiva da Escola de Chicago, a compreensão do
crime sistematiza-se a partir da observação de que a gênese delitiva

1. Garcia-Pablos de Molina, Antonio. Tratado...Op. cit., p. 679. Para aprofundar Tangeri-


no, Davi de Paiva Costa. Crime e Cidade: violência urbana e a Escola de Chicago. Rio de
Janeiro: Editora Lúmen Júris, 2007.
2. Cf. Vold, George B; Bernard, Thomas J; Snipes, Jeffrey B. Theoretical criminology. New
York: Oxford University Press, 1998, p. 141.

167
E duardo V iana

relacionava-se diretamente com o conglomerado urbano que,


muitas vezes, estruturava-se de modo desordenado e radial, o que fa-
vorecia a decomposição da solidariedade das estruturas sociais. Não
por outra razão, seus teóricos desenvolviam uma “sociologia da
grande cidade”.
Fazendo uma espécie de paralelo entre a distribuição das plantas
na natureza e organização humana nas sociedades, a principal tese da
Escola de Chicago fazer referência diz respeito às zonas de delinqu-
ência, ou seja, espaços geográficos com determinadas características
que, em tese, não só explicariam o crime como também a sua própria
distribuição nestas áreas. E isto parece bastante óbvio, eis que, natural-
mente, aquele quadro social de heterogeneidade cultural coloca a cida-
de no centro das investigações sociológicas.

2. OBJETO E MÉTODO
O poderoso processo de industrialização do século XX promoveu
o quadro de explosão demográfica retratado acima, transformando a
cidade de Chicago, já naquela época, em uma cidade cosmopolita, um
caldeirão de etnias, culturas e religiões aglomeradas em guetos, regi-
ões, pois, marcadas pela desordem e conflito. Não bastasse a desordem
típica desta nova grande cidade, também houve o êxodo rural, cidades
com economias de estrutura agrícola perdiam população para os gran-
des centros industriais.
Este é o cenário onde se desenvolve a ideologia do mellting pot,
no qual os elementos mais heterogêneos e conflitivos devem fun-
dir-se para criar uma nova sociedade, um novo mundo para viver3.
Daí o porquê da Escola de Chicago constituir uma sociologia da
cidade ou ecologia social da cidade, concentrando-se no estudo
da distribuição das zonas de trabalho e residência, distribuição de
serviços, estrutura dos lugares públicos e privados e na profusão de
doenças.

3. Pavarini, Massimo. Control y dominación: teorías criminológicas burguesas y proyeto


hegemónico; trad. Ignacio Muñagorri. Buenos Aires: Siglo XXI, 2002, p. 67.

168
A E scola de C hicago e a explicação ecológica do crime

Naturalmente que esse interesse etiológico de marco social condi-


ciona, por um lado, o objeto de investigação às condições sociais; por
outro, para levar adiante as pesquisas, os métodos utilizados foram
empíricos, com recurso às técnicas estatísticas.

3. PRINCIPAIS REPRESENTANTES
Inicialmente, as investigações desenvolvidas pelo Departamento
de Sociologia da Universidade de Chicago eram pouco rigorosas cien-
tificamente, de modo que, apenas em 1910, com William I. Thomas,
tem-se início pesquisas mais comprometidas, consolidando-se, já nos
anos de 1920, com os trabalhos desenvolvidos por Robert Park e Er-
nest Burgess, além de Clifford R. Shaw e Henry D. Mckay.
De Thomas, para além da utilização da metodologia estatística, a
Escola de Chicago retira o conceito fundamental de desorganização
social, compreendido, segundo ele, como impossibilidade de definir
modelos e padrões de condutas coletivas, decorrendo daí a ausência de
limites para o indivíduo expressar suas inclinações4.
Park apropria-se dos conceitos fundamentais da ecologia. Com
efeito, para ele, a cidade representava um organismo vivo, que, à
semelhança, cresce, invade determinadas áreas, as domina e expulsa
outras formas de vida existentes. Isto ficou claro, por exemplo, nos
estados do sul estadunidense, primeiro ocupados apenas por árvo-
res, vegetação perene, pinheiros, estabilizando, finalmente, com car-
valhos-nogueira. Este processo, que os ecologistas descrevem como
“invasão, dominação e sucessão”, foi transplantado por ele para ex-
plicar similarmente a história das Américas e a invasão, dominação e
sucessão no território dos nativos americanos5.
O processo de crescimento descrito por Park foi apropriado e sis-
tematizado com Burgess, na famosa teoria das zonas concêntricas.
Explicava ele que a cidade expande-se radialmente, de dentro para
fora, em círculos concêntricos, descritos como zonas.

4. Dias, Jorge de Figueiredo; Andrade, Manoel da Costa. Criminologia...Op. cit., p. 274.


5. Vold, George B; Bernard, Thomas J; Snipes, Jeffrey B. Theoretical...Op. cit., p. 142.

169
E duardo V iana

ZONA ZONA ZONA ZONA ZONA


i ii iii iv v

Gráfico de crescimento das cidades

A Zona I, também chamada de Loop, é o centro da cidade, o seu


coração comercial, onde se situam os principais bancos e lojas. A Zona
II, geralmente a parte mais antiga e degradada da cidade, forma a cha-
mada zona de transição, essencialmente habitada pela população
mais pobre, que não pode adquirir moradias melhores. A Zona III é
formada pela população de trabalhadores que possui melhores con-
dições financeiras e, por isto mesmo, afasta-se do deteriorado centro
para moradias e apartamentos mais modestos. A Zona IV corresponde
à chamada zona de residências, habitada pela classe média, e é integra-
da por melhores moradias. Finalmente, áreas mais afastadas e até fora
das cidades (cidades satélite), ocupadas pelas classes altas constituem
a Zona V.
A análise da delinquência juvenil é contribuição de Shaw e
Makay. Nas primeiras investigações estatísticas, que também tiveram
como base as zonas concêntricas, contatou-se a correlação entre a loca-
lização da residência em cada uma daquelas áreas e o respectivo índi-
ce de criminalidade. Recolhendo dados entre os anos de 1900 e 1940,

170
A E scola de C hicago e a explicação ecológica do crime

verificaram que era na Zona II o maior índice de criminalidade; mais


ainda, quanto mais afastada dos centros, menor o índice de criminali-
dade. Essas áreas, na caracterização de Dias e Andrade, são fisicamen-
te degradadas, segregadas economicamente, ética e racialmente, bem
como sujeitas às doenças6. Correlacionando as características traçadas
por Shaw e Mackey com o índice de desenvolvimento humano (IDH),
pode-se dizer que o índice de criminalidade, neste âmbito sociológico,
é inversamente proporcional ao ótimo IDH, ou seja, regiões com o IDH
baixo têm maiores taxas de criminalidade; regiões com IDH ótimo,
menores índices de criminalidade7.
Os estudos foram publicados em obras diversas, destacando-se
“Delinquency Areas” e, posteriormente, a biografia “The Jackrol-
ler”. Nelas, basicamente, fica consignado que: 1. Nas áreas criminais,
a opinião pública (o controle social informal) possui débil eficiência
na formação do comportamento dos jovens. Familiares e vizinhos
geralmente aprovam o comportamento do jovem; 2. Alguns bairros
oferecem oportunidades à delinquência, como, por exemplo, pessoas
dispostas a adquirir bens roubados; 3. As atividades delinquenciais co-
meçam muito cedo, como uma parte de um jogo das ruas; 4. As taxas de
delinquência são mais elevadas na zona de transição8.
Se é assim, possível perguntar: A exemplo do determinismo
biológico, seria a Escola de Chicago um retorno ao princípio de-
terminista? Haveria um determinismo geográfico? Seria um erro
responder positivamente a tal indagação. Com efeito, o propósito do
estudo foi demonstrar que existe uma tendência que um tipo de cri-
minalidade ocorra naquelas áreas, mas a delinquência não é causada
pelo simples fato da localização geográfica. As taxas de criminalidade
estão diretamente relacionadas com a proximidade do centro, quanto
mais próximo do centro, mais elevadas, contribuindo para o fenômeno
a ruptura dos instrumentos de controle que da desorganização social
derivam9.

6. Op. cit., p. 276.


7. Conferir importante recolhida de dados em Shecaira, Sérgio Salomão. Criminologia...
Op. cit., p. 148 e ss.
8. Cf. Vold, George B; Bernard, Thomas J; Snipes, Jeffrey B. Theoretical...Op. cit., p. 146
9. Cfr. Mannheim, Hermann. Criminologia Comparada; trad. J.F. Faria da Costa e M.
Costa Andrade. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1985, vol.II, p. 840.

171
E duardo V iana

4. CONSEQUÊNCIAS POLÍTICO-CRIMINAIS

A compressão da dupla criminalidade versus cidade, dentro


da moldura fenomenológica do crime, proporciona profundas alte-
rações do ponto de vista político criminal, especialmente no que se
refere ao controle social informal. Com efeito, a Escola de Chicago
atribui sobrepeso à desorganização social, elevando-a à categoria de
fator criminógeno. Parece claro, então, que o sucesso no enfrenta-
mento da criminalidade, para além da intervenção urbana, passa
pelo controle social informal, como instrumento eficaz para refor-
çar e inibir a ruptura dos valores culturais. Essa é a razão pela qual
os criminólogos de Chicago atribuem à vizinhança, igreja, família
e escola importante papel para obstar a desorganização social, re-
construir a coesão sobre os valores e, consequentemente, controlar a
criminalidade.

Considerando que a Escola de Chicago também eleva a cidade à


condição de fator criminógeno, não há dúvida em perspectivar que o
sucesso da política criminal no enfrentamento da criminalidade de-
correrá, também, da adoção de medidas de intervenções urbanas
como, por exemplo, planejamento das cidades, estética das constru-
ções, revitalização de áreas degradas e proteção do patrimônio pú-
blico.

5. CRÍTICAS

A primeira reflexão crítica que se tem em relação aos estudos


apresentados, como também em relação às conclusões a que chega-
ram alguns membros da Escola de Chicago, é a limitação da pró-
pria investigação. Em particular, em relação a algumas conclusões
de Shaw, por exemplo, fica evidente que ele se preocupou em estudar
as áreas da residência dos delinquentes e não as áreas onde os crimes
ocorriam. E isto, inequivocamente, compromete a “pureza” dos dados
estatísticos.

Para além disto, parte da doutrina põe objeções no que se refere


ao desenvolvimento radial das cidades. Com efeito, a teoria das zo-
nas concêntricas não representava a maioria das cidades americanas;

172
A E scola de C hicago e a explicação ecológica do crime

pelo contrário, o desenvolvimento das cidades polarizava-se em tor-


no das principais ruas e não a partir do centro10.
Finalmente, a última objeção é metodológica. De fato, efeti-
vamente, ao considerar apenas as cifras oficiais, as conclusões tor-
nam-se altamente questionáveis, eis que a atuação das agências de
controle social formal é discriminatória e com alvos bem definidos; a
vigilância é muito mais ostensiva em determinados bairros11.

6. CONCLUSÕES
Evidente que a Escola de Chicago não foi um rotundo fracasso,
muito pelo contrário. Apesar das críticas, as repercussões da Socio-
logia urbana foram extremamente positivas, especialmente pelo seu
empirismo e espírito reformista.
Não pode ser negado o avanço que a escola implementa ao com-
preender a cidade como campo de interações, ou seja, compreendê-
-la como algo muito além da simples estrutura material. Daí
porque, também deve-se à escola o mérito de incentivar programas
de intervenção urbana, a exemplo dos já mencionados programas de
revitalização de áreas degradadas.
Contudo, talvez, a contribuição mais significativa da explicação
ecológica foi a utilização do método qualitativo de investigação e
de outros métodos de investigação como a análise de documentos,
mapa social, análise documental, os quais permanecem largamente
aceitos.

10. Cf. Mannheim, Hermann. Criminologia...Op. cit., p. 842.


11. Crítica em Garcia-Pablos de Molina, Antonio. Tratado...Op. cit., p. 699.

173
E duardo V iana

QUADRO SINÓTICO

CAPÍTULO IV – ESCOLA DE CHICAGO

INSTITUTO CONTEÚDO ITEM

A principal tese para explicação do crime reside na ideia de


zonas de delinquência, espaços geográficos que explicam
Conceito 1
o crime e também sua distribuição pela área. Em termos
gerais, explica o crime através da ecologia da cidade.

O objeto de investigações são as condições sociais, e o mé-


todo utilizado foi o empírico, com recurso a dados esta-
Objeto tísticos. O cerne das investigações da Escola foi constituir
2
e Método uma ecologia social da cidade, atentando-se para fatores
como: as zonas de trabalho e residência, distribuição de
serviços, profusão de doenças, entre outras.

Robert Park, Ernst Burgess, Clifford R. Shaw, Henry D.


Representantes 3
Mckay.

As principais críticas feitas dizem respeito à investigação.


Shaw, por exemplo, preocupou-se muito mais em inves-
tigar os locais de residência dos criminosos do que onde
efetivamente ocorriam os crimes. Outra crítica diz respei-
Críticas 5
to à teoria das zonas concêntricas, que não representava a
realidade das cidades americanas. Finalmente, a utilização
de dados oficiais é altamente questionável, pois os siste-
mas de controle e vigilância são discriminatórios.

Apesar das críticas, a escola teve o mérito principal de uti-


lizar o método qualitativo de investigação com a análise
Conclusões 6
de mapas, dados estatísticos, análise de documentos, que
continuam aceitos até os dias atuais.

QUESTÕES

01. (MPE-SC - 2012 - MPE-SC - Promotor de Justiça)


I. Entre os princípios fundamentais da Escola de Chicago, liderada por Marc Ancel,
encontra-se a afirmação de que o crime é um ente jurídico, o fundamento da pu-
nibilidade é o livre-arbítrio, a pena é uma retribuição ao mal injusto causado pelo
crime e nenhuma conduta pode ser punida sem prévia cominação legal.
II. São princípios informadores do direito penal mínimo: insignificância, intervenção
mínima, proporcionalidade, individualização da pena e humanidade.
III. A Criminologia Crítica, além da consideração de um determinismo econômico,
introduz o contexto sociológico, político e cultural para explicar a delinqüência e
também o próprio direito penal.

174
A E scola de C hicago e a explicação ecológica do crime

IV. A Teoria da Retribuição, também chamada absoluta, concebe a pena como o mal
injusto com que a ordem jurídica responde à injustiça do mal praticado pelo crimi-
noso, seja como retribuição de caráter divino (Stahl, Bekker), ou de caráter moral
(Kant), ou de caráter jurídico (Hegel, Pessina).
V. A Escola de Política Criminal ou Escola Sociológica Alemã reúne entre os seus pos-
tulados a distinção entre imputáveis e inimputáveis - prevendo pena para os "nor-
mais" e medida de segurança para os "perigosos" - e a eliminação ou substituição
das penas privativas de liberdade de curta duração.
a) Apenas as assertivas I, II e III estão corretas.
b) Apenas as assertivas III e V estão corretas.
c) Apenas as assertivas I, II e IV estão corretas.
d) Apenas as assertivas III, IV e V estão corretas.
e) Todas as assertivas estão corretas.

02. (FCC - 2013 - AL-PB – Procurador) A avaliação do espaço urbano é especial-


mente importante para compreensão das ondas de distribuição geográfica
e da correspondente produção das condutas desviantes. Este postulado é
fundamental para compreensão da corrente de pensamento, conhecida na
literatura criminológica, como
a) teoria da anomia.
b) escola de Chicago.
c) teoria da associação diferencial.
d) criminologia crítica.
e) labelling approach.

03. (PC-SP - 2011 - Delegado de Polícia). O efeito criminógeno da grande cidade,


valendo-se dos conceitos de desorganização e contágio inerentes aos mo-
dernos núcleos urbanos, é explicado pela:
a) Teoria do Criminoso Nato.
b) Teoria da Associação Diferencial.
c) Teoria da Anomia.
d) Teoria do Labelling Aproach.
e) Teoria Ecológica.

GABARITO
01 D 02 B 03 E

175
Í ndice analítico

Índice analítico

Abolicionismo
• anômico » 184, 288, 289.
• estigmatizante » 138, 236, 242, 243, 288.
• eventos criminalizáveis » 129, 287, 288.
• seletivo » 236, 260, 288, 289, 292.
Anomia
• estrutura social defeituosa » 185, 186, 187, 195.
• função da pena » 182, 262, 263, 278.
• solidariedade mecânica » 179.
• solidariedade orgânica » 179.
• utilidade do crime » 180, 181, 182.
Associação diferencial
• aprendizagem » 207, 208, 215, 217, 221, 222, 223, 224, 225, 268.
• crime de colarinho branco » 213, 218, 219.
• danosidade social » 143, 144, 219, 222.
• leis da imitação » 209, 210.
• organização social diferencial » 216.
Cifras
• cifra negra » 141, 289.
• cifras douradas » 141, 221.
• cifras ocultas » 268.
• criminalidade legal » 140.
Criminologia
• acadêmica » 149.
• analítica » 150.
• aplicada » 149
• científica » 149
• clínica » 150.
• conflito » 87, 88, 91.
• consenso » 130, 143, 147.
• controle social formal » 99, 146, 147, 173, 294.
• controle social informal » 146, 147, 171, 172.
• interdisciplinaridade » 126.
• método » 121, 122, 123, 124, 125, 127, 148, 150
• microcriminologia » 150.
• multidisciplinaridade » 126.
• objeto » 121, 122, 123, 124, 125, 127, 128, 129, 130, 132, 138, 139, 147, 148.
• sistema » 126, 131, 132, 133, 134, 139, 144, 146, 148, 149.

333