Você está na página 1de 32

www.cers.com.

br
1
APELAÇÃO

1. HIPÓTESES DE CABIMENTO DA APELAÇÃO

Antes de iniciar nossa abordagem sobre a elaboração da peça prático-profissional de


apelação, queremos que você dê uma lida rápida no capítulo 18.1 da Parte II deste livro.
Assim você estará embasado e compreenderá melhor como elaborar o recurso de Apelação,
muito exigido nas provas da OAB.
Feita a leitura, você poderá perceber que o recurso de Apelação, de forma diversa do que
ocorre com o Recurso em Sentido Estrito, não é taxativo. Ao contrário, será possível contra sentenças
condenatórias e absolutórias proferidas pelo juiz singular (art. 593, inciso I, do CPP) e pelo Tribunal do
Júri (art. 593, III, do CPP), mas também será cabível de qualquer decisão terminativa ou com força de
definitiva da qual não seja cabível o recurso em sentido estrito (art. 593, II), este sim taxativo.
Art. 593. Caberá apelação no prazo de 5 (cinco) dias:
I - das sentenças definitivas de condenação ou absolvição proferidas por juiz
singular;
II - das decisões definitivas, ou com força de definitivas, proferidas por juiz
singular nos casos não previstos no Capítulo anterior;
III - das decisões do Tribunal do Júri, quando:
a) ocorrer nulidade posterior à pronúncia;
b) for a sentença do juiz-presidente contrária à lei expressa ou à decisão dos
jurados;
c) houver erro ou injustiça no tocante à aplicação da pena ou da medida de
segurança;
d) for a decisão dos jurados manifestamente contrária à prova dos autos.
§ 1o Se a sentença do juiz-presidente for contrária à lei expressa ou divergir das
respostas dos jurados aos quesitos, o tribunal ad quem fará a devida retificação.
§ 2o Interposta a apelação com fundamento no n o III, c, deste artigo, o tribunal ad
quem, se Ihe der provimento, retificará a aplicação da pena ou da medida de
segurança.
§ 3o Se a apelação se fundar no n o III, d, deste artigo, e o tribunal ad quem se
convencer de que a decisão dos jurados é manifestamente contrária à prova dos
autos, dar-lhe-á provimento para sujeitar o réu a novo julgamento; não se admite,
porém, pelo mesmo motivo, segunda apelação.
§ 4o Quando cabível a apelação, não poderá ser usado o recurso em sentido
estrito, ainda que somente de parte da decisão se recorra.

Assim, são exemplos de cabimento de apelação, dentre outros:

Hipótese de cabimento da Apelação Fundamentação legal

contra sentença condenatória ou absolutória proferida pelo juiz singular art. 593, inciso I, do CPP
contra sentença condenatória ou absolutória proferida no julgamento pelo
art. 593, inciso III, CPP
Tribunal do Júri, ainda que haja desclassificação em plenário e o juiz

www.cers.com.br
2
presidente julgue como se singular fosse
contra a decisão de absolvição sumária do art. 397 do CPP, em qualquer
art. 593, inciso I, CPP
se seus incisos
contra a decisão de absolvição sumária, ao final da 1a. fase do Júri (art. art. 416 c/c art. 593, inciso I,
415 CPP) CPP
contra a decisão de impronúncia, ao final da 1a. fase do Júri (art. 414 art. 416 c/c art. 593, inciso II,
CPP) CPP
contra a decisão que reconhece a ausência de condição objetiva de
art. 593, inciso II, CPP
punibilidade
contra a decisão que julga o pedido de restituição de coisas apreendidas
art. 593, inciso II, CPP
(art. 120, § 1o., CPP)
contra a decisão que ordena ou não o sequestro de bens (art. 127 CPP) art. 593, inciso II, CPP
contra a decisão que autoriza ou não o levantamento do sequestro (art.
art. 593, inciso II, CPP
131 CPP)
contra a decisão que acolhe ou não o pedido de especialização e registro
art. 593, inciso II, CPP
de hipoteca legal ou de arresto (arts. 134 a 137 CPP)
contra a decisão que remete as partes ao juízo cível no pedido de
art. 593, inciso II, CPP
restituição de coisas apreendidas (art. 120, § 4o., CPP)

 OBS. Contra a decisão que declara a extinção da punibilidade pela prescrição ou outro
motivo, o recurso cabível será o RESE, na forma do art. 581, VIII, do CPP. Contudo, quando o juiz
reconhecer a extinção da punibilidade na própria sentença, após verificar a procedência ou improcedência
do pedido, em face do princípio da unirrecorribilidade, o recurso cabível será a Apelação, como se verifica
do § 4o. do art. 593 do CPP.
Além das hipóteses de apelação acima indicadas, existe a possibilidade da Apelação
Subsidiária, ou seja, a apelação interposta pela vítima ofendida, quando, em processo de ação penal
pública, o MP não recorre. Tal recurso está previsto no art. 598 do CPP, podendo ser interposto pela
vítima habilitada ou não como assistente de acusação. No caso da vítima habilitada, entretanto, doutrina
e jurisprudência são uníssonas no sentido de que o prazo para a interposição será de 5 (cinco) dias, e
não de 15 (quinze), como prevê o art. 598 do CPP, em respeito ao princípio da isonomia.

2. APELAÇÃO NA LEGISLAÇÃO EXTRAVAGANTE

Além da apelação no CPP, devemos ter atenção às hipóteses de apelação previstas na


legislação extravagante.
Em se tratando de Apelação nos Juizados Especiais Criminais, o fundamento será o art. 82
da Lei 9.099/95. Lembre-se que, neste caso, o prazo será de 10 dias. Vejamos o referido artigo:

www.cers.com.br
3
Lei 9.099/95
Art. 82. Da decisão de rejeição da denúncia ou queixa e da sentença caberá
apelação, que poderá ser julgada por turma composta de três Juízes em
exercício no primeiro grau de jurisdição, reunidos na sede do Juizado.
§ 1º A apelação será interposta no prazo de dez dias, contados da ciência da
sentença pelo Ministério Público, pelo réu e seu defensor, por petição escrita, da
qual constarão as razões e o pedido do recorrente.
§ 2º O recorrido será intimado para oferecer resposta escrita no prazo de dez
dias.
§ 3º As partes poderão requerer a transcrição da gravação da fita magnética a
que alude o § 3º do art. 65 desta Lei.
§ 4º As partes serão intimadas da data da sessão de julgamento pela imprensa.
§ 5º Se a sentença for confirmada pelos próprios fundamentos, a súmula do
julgamento servirá de acórdão.

Ressalte-se que, nos Juizados Especiais, a apelação também será cabível contra a decisão
que homologa a transação penal (art. 76, § 5o., da Lei 9.099/95).
Assim, caso interposta apelação nos Juizados Especiais Criminais, Estaduais ou Federais, a
fundamentação legal será o art. 82 da Lei 9.099/95, e o prazo será de 10 dias, e não de cinco, como
ocorre no CPP.
Além disso, devemos ter atenção também aos crimes previstos Lei 8.666/93 (Lei de
Licitações). Neste caso, a apelação será fundamentada no art. 107 da Lei, e não no CPP. Vejamos:

Lei 8.666/93
Art. 107. Da sentença cabe apelação, interponível no prazo de 5 (cinco) dias.

Da mesma forma, da sentença proferida nos processos por crimes eleitorais, a apelação terá
fundamento na legislação específica e não no CPP. Dispõe o art. 362 do Código Eleitoral (Lei 4.737/65):

Lei 4.737/65
Art. 362. Das decisões finais de condenação ou absolvição cabe recurso para o
Tribunal Regional, a ser interposto no prazo de 10 (dez) dias.

Neste último caso, da mesma forma que na Lei 9.099/95, o prazo da apelação será de 10
dias.

www.cers.com.br
4
3. FUNDAMENTO LEGAL E PRAZO DE INTERPOSIÇÃO

FUNDAMENTO DA
DECISÃO PRAZO
APELAÇÃO
Sentença condenatória ou absolutória proferida pelo
art. 593, inciso I, CPP 5 dias
juiz singular
Decisão terminativa ou interlocutória mista da qual
art. 593, inciso II, CPP 5 dias
não caiba recurso em sentido estrito
art. 593, inciso III, alínea a,
em que há nulidade após a pronúncia 5 dias
CPP
em que a decisão do Juiz Presidente é
Sentenças art. 593, inciso III, alínea b,
contrária à lei ou ao veredicto dos 5 dias
proferidas no CPP
jurados
julgamento
pelo Tribunal art. 593, inciso III, alínea c,
onde há erro na aplicação da pena 5 dias
do Júri CPP
cuja decisão dos jurados é
art. 593, inciso III, alínea d,
manifestamente contrária à prova dos 5 dias
CPP
autos
5 dias (vítima
art. 593 (indicando o inciso habilitada)
Apelação do assistente de acusação aplicável) c/c art. 598 do
CPP 15 dias (vítima não
habilitada)
Decisão do juiz do Juizado Especial Criminal que art. 82 c/c art. 76, § 5o.,
10 dias
homologa a transação penal ambos da Lei 9.099/95
Decisão do juiz do Juizado Especial Criminal que
art. 82 da Lei 9.099/95 10 dias
rejeita a denúncia ou a queixa
Sentença do Juizado Especial Criminal art. 82 da Lei 9.099/95 10 dias
art. 362 da Lei 4.737/65
Sentença em crimes eleitorais 10 dias
(Código Eleitoral)
Sentença em crimes da lei de licitações art. 107 da Lei 8.666/93 5 dias

4. FORMA E ENDEREÇAMENTO

Da mesma forma que no RESE, o recurso de Apelação é peça dúplice, com petição de
interposição e razões recursais. De acordo com o CPP, a interposição deverá ser feita em 5 dias (art.
593), endereçada ao juiz prolator da decisão atacada. Após admitido o recurso pelo juiz a quo, a parte
recorrente será intimada para a apresentação das razões recursais, no prazo de 8 (oito) dias (art. 600).
Apresentadas as razões, a parte recorrida será intimada para a apresentação das contrarrazões, também
em 8 (oito) dias (art. 600).

www.cers.com.br
5
Razões e contrarrazões devem ser endereçadas ao Tribunal competente para o julgamento
do recurso, ou seja, TJ, TRF ou TRE.
No caso dos Juizados Especiais Criminais, interposição e razões são apresentadas
simultaneamente, em 10 dias, como estabelece o art. 82 da Lei 9.099/95. Contudo, mantém-se o padrão:
interposição endereçada ao juiz a quo, e razões e contrarrazões ao juízo ad quem, que, no caso, é a
Turma ou Colégio Recursal.

5. ELABORANDO A APELAÇÃO – REGRA GERAL

5.1. SOBRE AS PRELIMINARES NA APELAÇÃO

Da mesma forma que nos Memoriais, devemos buscar todo e qualquer fundamento que
possa levar à nulidade do processo, incluindo-se, neste caso, as hipóteses que deveriam ter levado à
rejeição da peça acusatória, bem como aquelas que prejudicam ou retardam o processo. Igualmente,
devemos apresentar cada uma das preliminares eventualmente existentes em parágrafos distintos,
apontando qual a preliminar, justificando-a e indicando os dispositivos legais pertinentes e eventuais
súmulas relacionadas.
Assim, em preliminares, devemos indicar as falhas processuais relevantes, seguindo o
mesmo PASSO A PASSO PRELIMINAR (PPPx2), motivo pelo qual remetemos novamente o leitor ao
item 5.3.2, do capítulo 5, em que abordamos a Resposta à Acusação.

Relembrando:
- Causas extintivas da punibilidade (art. 107 do CP etc)
- Prejudiciais de mérito (arts. 92 e 93 do CPP)
- Preliminares processuais (art. 95 do CPP)
- Outras nulidades (art. 564 III e IV do CPP) – neste caso, fique atento principalemente às
eventuais nulidades da sentença
- Ausência dos requisitos necessários ao recebimento da denúncia ou queixa (art. 395 do CPP)
- Ausência de proposta suspensão condicional do processo (art. 89 da Lei 9.099/95) ou de outros
benefícios despenalizadores
Lembre-se: À exceção das causas extintivas da punibilidade, os aspectos arguidos em sede
de preliminar, são, em regra, aspectos processuais.

5.2. SOBRE AS TESES DE MÉRITO NA APELAÇÃO

Aqui deverão ser arguidas as teses de Direito Material (Direito Penal). É importante alegar
cada uma das teses de forma estruturada, com a apresentação de cada uma delas da mesma forma que
fizemos nos memoriais. Contudo, agora será ainda mais fácil, pois você terá a sentença proferida pelo
juiz, ora atacada, como base neste caso.
Novamente, em um mesmo caso concreto, podem estar presentes diversas teses defensivas,
e neste caso, o espelho de correção provavelmente cobrará todas elas.

www.cers.com.br
6
Então pergunte-se: o que, na sentença, merece reparo?
Parta da premissa maior: O que é mais benéfico ao réu? Provavelmente, a reforma da
decisão para que o mesmo seja absolvido. Então, qual a tese de direito material que pode levar a sua
absolvição? Este será seu pedido principal.
Em seguida, avalie as premissas menores. Ou seja, se não houver jeito e a condenação for
mantida, o que podemos pedir em seu favor, de forma a reduzir os gravames da condenação?
Na apresentação de cada uma das teses, esclareça o que será alegado como mecanismo de
defesa. Mas como devem ser apresentadas essas teses defensivas?
Vamos utilizar a mesma sequência adotada para os memoriais, certo? Lógico que, no caso,
somente utilizaremos as teses que deveriam ter sido consideradas pelo juiz na sentença e não foram.
Mas a ordem do raciocínio é a mesma. Verifique qual das hipóteses, dentre as indicadas no quadro
abaixo, deve ser apresentada no caso concreto.

1a. tese de mérito: CONCEITO ANALÍTICO DE CRIME

• ausência de previsão legal;


• ausência de dolo;
• falta de nexo de causalidade;
Há circunstância que exclua a tipicidade?
• erro de tipo essencial;
• princípio da insignificância;
• hipótese de crime impossível etc.
• estado de necessidade;
• legítima defesa;
Existem excludentes de ilicitude? • estrito cumprimento do dever legal;
• exercício regular do direito;
• consentimento do ofendido.
• inimputabilidade;
Há alguma excludente de culpabilidade? • erro de proibição inevitável;
• inexigibilidade de conduta diversa.

2a. tese de mérito (subsidiária)


É possível a desclassificação da conduta para crime menos grave?

3a. tese de mérito (subsidiária): DOSIMETRIA DA PENA


Vamos tentar manter a pena base no
Circunstâncias judiciais previstas no artigo
mínimo legal. Ex.: afastamento dos maus
59 do CP
antecedentes.
Circunstâncias agravantes (artigos 61 e 62 Vamos tentar afastar a incidência de
do CP) agravantes. Ex.: não há reincidência
Circunstâncias atenuantes (artigos 65 e 66 Reforçar a existência de atenuantes.

www.cers.com.br
7
do CP) Exs.: houve confissão ou o agente era
menor de 21 anos na data do fato, ou já
possui 70 anos
Reforçar a existência de causas de
diminuição. Exs.: tentativa (artigo 14, II
Causas de diminuição
do CP) e arrependimento posterior (artigo
16 do CP)
Vamos tentar afastar a incidência de
Ausência de causas de aumento
causas de aumento.

4a. tese de mérito (subsidiária): BENEFÍCIOS DESPENALIZADORES


Direito aos benefícios da Lei 9.099/95, em especial a suspensão condicional do processo
Direito à substituição da pena privativa de liberdade pela restritiva de direitos (art. 44 do CP)
Direito ao sursis penal (arts. 77 e 78 do CP)

5a. tese de mérito (subsidiária): CAUSAS EXTINTIVAS DA PUNIBILIDADE

Busque, primeiro, a reforma da decisão para que o réu seja absolvido. Lembre-se de que a
absolvição, em regra, se dará na forma do art. 386 do CPP:

Art. 386. O juiz absolverá o réu, mencionando a causa na parte dispositiva,


desde que reconheça:
I - estar provada a inexistência do fato;
II - não haver prova da existência do fato;
III - não constituir o fato infração penal;
IV – estar provado que o réu não concorreu para a infração penal;
V – não existir prova de ter o réu concorrido para a infração penal;
VI – existirem circunstâncias que excluam o crime ou isentem o réu de pena (arts.
20, 21, 22, 23, 26 e § 1o do art. 28, todos do Código Penal), ou mesmo se houver
fundada dúvida sobre sua existência;
VII – não existir prova suficiente para a condenação.

Se houver mais de uma tese defensiva, siga a sequência apresentada neste artigo. Por
exemplo, se sua tese é a de negativa de autoria, sustente a necessidade de reforma da decisão para
absolver o réu com fundamento no art. 386, IV do CPP. Mas também formule pedidos subsidiários com
fundamento nos incisos V e VII do mesmo artigo.
Somente após formular os pedidos de absolvição, passe aos pedidos subsidiários, sempre
seguindo os passos anteriormente indicados.
Parágrafo único. Na sentença absolutória, o juiz:

www.cers.com.br
8
I - mandará, se for o caso, pôr o réu em liberdade;

II – ordenará a cessação das medidas cautelares e provisoriamente aplicadas;

III - aplicará medida de segurança, se cabível.

5.3. DOS PEDIDOS

Devemos nos lembrar de que o pedido na apelação sempre será o de conhecimento do


recurso e, no mérito, seu provimento.
Falamos em conhecimento do recurso porque existe, por parte do tribunal, um segundo juízo
de admissibilidade, no qual são novamente analisados os pressupostos recursais. O Tribunal somente
analisará o mérito do recurso após verificar que o mesmo preenche todos os requisitos. Portanto, ao
formular o pedido, devemos pedir inicialmente que o recurso seja conhecido.
Em seguida devemos pedir o provimento do recurso. Recursos são providos quando o que
pedimos é deferido.
Assim, o pedido nas razões recursais deve partir da seguinte frase:
"Diante de todo o exposto, pede o apelante o conhecimento e o provimento do presente
recurso, para ..."

A partir daí formulamos os pedidos de forma específica, ou seja, da premissa maior para a
menor, com o pedido principal, que, na apelação da defesa, será, à exceção do rito do Júri, sempre o de
absolvição do apelante, na forma do art. 386 do CPP (com a indicação do(s) inciso(s) pertinente(s)).
Após pedir a reforma com a consequente absolvição, lembre-se do que dispõe o parágrafo
único do art. 386 do CPP:
Parágrafo único. Na sentença absolutória, o juiz:
I - mandará, se for o caso, pôr o réu em liberdade;
II – ordenará a cessação das medidas cautelares e provisoriamente aplicadas;
III - aplicará medida de segurança, se cabível.

Passe, então, aos pedidos subsidiários.


Novamente: um bom advogado não poupará esforços para conseguir o melhor possível para
o seu cliente. Buscaremos sua absolvição, mas, se não for possível, devemos buscar a condenação mais
branda, e isso inclui desde a fixação da pena base no mínimo legal até a substituição da pena por
benefícios como a pena restritiva de direitos.
Os pedidos devem ser formulados na ordem das teses preliminares e de mérito
apresentadas, tal como fizemos nos memoriais. Portanto, se a hipótese é possível, elabore o pedido que
lhe convém.

www.cers.com.br
9
Assim, vejamos a ordem de pedidos a seguir:
1. Pedidos PRELIMINARES (utilize o PPPX2)
2. Pedido principal: CONHECIMENTO E PROVIMENTO DO RECURSO, COM A
CONSEQUENTE ABSOLVIÇÃO DO APELANTE, NA FORMA DO ART. 386 CPP (verifique o inciso ou
incisos aplicáveis)
3. Pedidos subsidiários:
a) pena mínima
b) afastar agravantes
c) reconhecer atenuantes
d) afastar aumento
e) reconhecer causa de diminuição
f) regime de pena
g) pena restritiva de direitos
h) sursis

Redigindo os pedidos nas razões de apelação:

DOS PEDIDOS
Diante de todo o exposto, requer o apelante o conhecimento e provimento do presente
recurso, de forma a que seja declarada:
- a nulidade do processo desde (indicar o ato viciado), com fundamento no art. 564, inciso
____, do Código de Processo Penal;
- a extinção da punibilidade pela ________ (prescrição da pretensão punitiva ou outra causa
extintiva da punibilidade), com fundamento no(s) art(s). _____ do Código Penal (ou legislação
extravagante);
Contudo, não reconhecendo esse Egrégio Tribunal as preliminares acima indicadas, requer
seja dado provimento ao recurso, com a reforma da decisão proferida e consequente ABSOLVIÇÃO
do(a) recorrente, com fundamento no art. 386, inciso ___, do Código de Processo Penal.
Por fim, considerando o critério da eventualidade, em sendo mantida a decisão proferida, o
que não se espera, requer, subsidiariamente:
- que seja a pena base reduzida para o mínimo legal;
- o afastamento da agravante do(a) __________________ (verificar os arts. 61 e 62 do CP), e o
reconhecimento da atenuante do(a) __________________ (verificar os arts. 65 e 66 do CP);
- aplicação da causa de diminuição do art. ___________ (Exemplos: art. 33, § 4º da Lei nº 11.343;
forma privilegiada do furto, prevista no art. 155, §2º, do Código Penal etc.);
- a fixação do regime _________ para início do cumprimento de pena, com base no art. 33, inciso
____ , do Código Penal;
- a substituição da pena privativa de liberdade por restritiva de direitos, na forma do art. 44 do

www.cers.com.br
10
Código Penal; ou ainda, em último caso, uma vez que preenchidos os requisitos dos arts. 77 e 78
do mesmo Código, que seja aplicado o benefício da suspensão condicional da pena.

6. APELAÇÃO NO JÚRI

Sabemos que dois são os momentos em que o recurso de apelação poderá ser utilizado no
procedimento do Tribunal do Júri.
O primeiro ocorre ao final da primeira fase, quando da prolação das decisões de absolvição
sumária (art. 415 do CPP) ou de impronúncia (art. 414 do CPP). Nestes casos, será possível a
interposição da Apelação com fundamento no art. 416 do CPP, embora tal dispositivo deva ser conjugado
ao art. 593, incisos I e II, respectivamente, e seguintes do mesmo código.
O segundo surge com o julgamento em plenário. Proferida sentença pelo Tribunal do Júri,
condenatória ou absolutória, será possível Apelação com fundamento no art. 593, inciso III, do CPP.
Muitos possuem dúvida sobre qual seria o recurso cabível quando, durante a sessão de
julgamento, os jurados desclassificam a infração. Sabemos que neste caso, desclassificada a conduta
para crime não doloso contra a vida, o Juiz Presidente do Júri proferirá a sentença, em regra definindo o
crime praticado (hipótese a que chamamos desclassificação própria) e, em seguida, condenando ou
absolvendo o acusado. Ainda que a conduta seja desclassificada, da decisão ali proferida será cabível
Apelação, com base no mesmo art. 593, III, do CPP.
Como vimos no capítulo 18.1 da Parte II, esta modalidade de apelação (inciso III do art. 593)
é denominada apelação limitada, uma vez que a parte recorrente, ao interpor o recurso, deverá indicar em
qual das alíneas do inciso III está fundamentando seu recurso. A relevância da interposição limitada está
relacionada à fixação do efeito devolutivo, uma vez que estamos diante de hipótese na qual vigora a
soberania dos veredictos.
Assim, ao interpor o recurso contra a decisão proferida pelo Júri Popular, será necessário
indicar, desde logo. se o tribunal, ao julgar o recurso, estará restrito à desconstituição da decisão
proferida (jus rescidens), ou se poderá avaliar e, se for o caso, reformar, a parte da decisão adstrita ao
Juiz Presidente (jus rescisorium).
O efeito devolutivo adstrito ao fundamento indicado na interposição foi consagrado na Súmula
713 do STF, que dispõe:

Súmula 713. O efeito devolutivo da apelação contra decisões do Júri é adstrito


aos fundamentos da sua interposição.

Assim, duas são as possíveis formas de elaboração da apelação no procedimento dos crimes
dolosos contra a vida: contra decisão de impronúncia ou de absolvição sumária (ao final da 1a fase), e
contra a sentença proferida em plenário (ao final da 2a. fase).

www.cers.com.br
11
Lembre-se, contudo, que as hipóteses acima consistem em apelação interposta contra o réu,
portanto, pela acusação. Vale lembrar aquela fórmula (vogal com vogal / consoante com consoante):

Portanto, em relação às decisões proferidas na 1a fase do Júri, será mais provável uma peça
defensiva, ou seja, a cobrança do Recurso em Sentido Estrito, uma vez que este é o recurso cabível
contra a decisão de pronúncia. Mas nada impede que seja também cobrada a apelação contra a
impronúncia ou contra a absolvição sumária, esta última, inclusive, como peça do assistente de acusação,
foi exigida no VII Exame de Ordem, ao qual, na Parte IV deste livro, remetemos o leitor.
Passamos então à análise da Apelação contra a sentença proferida pelo Tribunal do Júri.

www.cers.com.br
12
Assim, temos que nos lembrar que, no caso do Júri, a finalidade da peça prático profissional
NÃO será a de reforma da decisão para absolver o acusado, mesmo porque o Tribunal, ao julgar o
recurso, jamais poderia absolver o réu, em face do preceito constitucional que garante a soberania dos
veredictos.
Então, quando interposta apelação contra sentença no Júri, a interposição deverá indicar,
necessariamente, a alínea em que baseamos a impugnação; e o pedido nas razões estará adstrito à
alínea então indicada.
Outro detalhe importante diz respeito à possibilidade de combinação das alíneas do art. 593,
III do CPP.
Repare que a alínea 'a' refere-se à eventual nulidade. Nulidades são preliminares, motivo pelo
qual esta alínea podefá ser combinada com todas as demais. Exemplo: podemos interpor o recurso de
Apelação com fundamento no art. 593, III, alíneas 'a' e 'b', ou no art. 593, III, alíneas 'a' e 'c', ou mesmo
no art. 593, III, alíneas 'a' e 'd'.
Contudo, jamais será possível combinar a alínea 'd', em que atacamos o veredicto do próprio
Júri, pr ser ele contrário à prova produzida, com as alíneas 'b' e 'c', em que indicamos erro por parte do
Juiz Presidente.
Quando alegamos as alíneas 'b' e 'c', estamos dizendo: "olha! o Júri está certo, mas o Juiz
Presidente errou..." Temos que nos lembrar disso!

Portanto, a alínea 'a' (nulidade após a pronúncia) deverá consistir em nossa preliminar. E
neste caso vamos novamente recorrer ao PPPx2.
As demais alíneas estarão no mérito de nossas razões recursais.

www.cers.com.br
13
E como serão os pedidos nas razões de apelação do Júri?

Se você indicar a alínea 'a':

Diante de todo o exposto, requer o apelante o conhecimento e provimento do presente


recurso, de forma a que seja declarada:
- a nulidade do processo desde (indicar o ato viciado), com fundamento no art. 564, inciso
____, do Código de Processo Penal, com a consequente remessa dos autos ao Tribunal do Júri, para
novo julgamento;

Se houver causa extintiva da punibilidade (que pode ser reconhecida a qualquer tempo),
inclua após a arguição da preliminar de nulidade:

Diante de todo o exposto, requer o apelante o conhecimento e provimento do presente


recurso, de forma a que seja declarada:
- a nulidade do processo desde (indicar o ato viciado), com fundamento no art. 564, inciso
____, do Código de Processo Penal, com a consequente remessa dos autos ao Tribunal do Júri, para
novo julgamento;
- a extinção da punibilidade pela ________ (prescrição da pretensão punitiva ou outra causa
extintiva da punibilidade), com fundamento no(s) art(s). _____ do Código Penal (ou legislação
extravagante);

No mérito, o pedido dependerá, como já dito, da alínea indicada na interposição.


Se indicada a alínea 'b', indique:

Contudo, não reconhecendo esse Egrégio Tribunal as preliminares acima indicadas, requer
seja dado provimento ao recurso, com a reforma da decisão proferida e sua consequente retificação e
adequação ao veredicto proferido pelo Tribunal Popular, conforme art. 593, III, b, e § 1o. do Código de
Processo Penal.

Se a apelação tiver por fundamento a alínea 'c', utilize o pedido a seguir:

Não reconhecendo esse Egrégio Tribunal as preliminares acima indicadas, requer seja dado
provimento ao recurso, com a reforma da decisão proferida, de forma a que seja corrigida a pena
aplicada pelo juiz presidente, com fundamento no art. 593, III, c, e § 2o. do Código de Processo Penal.

www.cers.com.br
14
Já no caso de apelação interposta com fundamento na alínea 'd', o recorrente estará
atacando o veredicto do próprio Júri, motivo pelo qual se busca a desconstituição da decisão, com a
remessa dos autos à 1a. instância, de forma a que o réu seja submetido a novo julgamento perante o
Tribunal Popular. Assim, elabore da seguinte forma o seu pedido:

Não reconhecendo esse Egrégio Tribunal as preliminares acima indicadas, requer seja dado
provimento ao recurso, com a desconstituição da decisão proferida e consequente remessa dos autos ao
Tribunal do Júri, para novo julgamento, na forma do art. 593, III, d, e § 3o. do Código de Processo Penal.

 LEMBRE-SE: Não se pode pedir ao Tribunal que absolva o réu neste caso. O Júri é
soberano.

7. ESTRUTURA DA APELAÇÃO

1ª. PEÇA: PETIÇÃO DE INTERPOSIÇÃO

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA _____ VARA CRIMINAL DA COMARCA DE


____________________ (Regra Geral)
EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA _____ VARA CRIMINAL DA SEÇÃO
JUDICIÁRIA DE ________ (Crimes da competência da Justiça Federal)
EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA _____ VARA DO TRIBUNAL DO JÚRI DA
COMARCA DE ____________________ (ou EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DO
_____ TRIBUNAL DO JÚRI DA COMARCA DE ____________________) (Crimes de competência do Tribunal
do Júri)
EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA _____ VARA DO TRIBUNAL DO JÚRI DA
SEÇÃO JUDICIÁRIA DE ____________________ (ou EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ
FEDERAL DO _____ TRIBUNAL DO JÚRI DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DE ____________________) (Crimes
dolosos contra a vida de competência da Justiça Federal)
EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DO _____ JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL DA
COMARCA ____________________ (Endereçamento do Juizado Especial Criminal da Justiça Estadual)
EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DO JUIZADO ESPECIAL FEDERAL DA SEÇÃO
JUDICIÁRIA DE ____________________ (Crimes de Competência de Juizado Especial Criminal Federal)
EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA _____ ZONA ELEITORAL DA COMARCA DE
____________________ (Crimes Eleitorais)

Processo número:

www.cers.com.br
15
NOME DO RECORRENTE, já devidamente qualificado nos autos do processo em epígrafe, por
seu advogado regularmente constituído, que esta subscreve, inconformado com a sentença de fls. _____,
vem tempestivamente perante Vossa Excelência interpor o presente

RECURSO DE APELAÇÃO (OU APELAÇÃO)

com fundamento no art. 593, inciso_____ do Código de Processo Penal.


OBS. 1: No caso de apelação contra a decisão absolvição sumária ou impronúncia (1 a. fase
do Júri), indicar também o artigo 416 do CPP.
OBS. 2: A apelação contra a decisão proferida em plenário do Júri deve indicar a(s) alínea(s)
do inciso III que fundamentam o pedido.
OBS. 3: Em se tratando de Apelação nos Juizados Especiais Criminais, o fundamento será o
art. 82 da Lei 9.099/95. Lembre-se que, neste caso, o prazo será de 10 dias.
OBS. 4: Nos crimes previstos na Lei 8.666/93 (Lei de Licitações), a apelação será
fundamentada no art. 107 desta Lei 8.666/93.
OBS. 5: No caso de crimes eleitorais, fundamentar no art. 362 do Código Eleitoral (Lei
4.737/65).

Assim, requer seja o presente recurso recebido e, após as formalidades de praxe, seja remetido
com suas inclusas razões ao Egrégio Tribunal de Justiça (ou Tribunal Regional Federal ou Turma Recursal ou
Tribunal Regional Eleitoral).

Nestes termos
Pede deferimento.

Comarca, data.
Advogado, OAB
ATENÇÃO: Provavelmente a questão indicará a necessidade de interposição no último dia do prazo, para o
que devemos utilizar o art. 798 do CPP.

2ª. PEÇA: RAZÕES DA APELAÇÃO- REGRA GERAL (EXCETO JÚRI)

EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA (OU TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL OU TRIBUNAL REGIONAL


ELEITORAL)
COLENDA CÂMARA
EXCELENTÍSSIMOS DESEMBARGADORES

No caso de apelação contra decisão dos Juizados Especiais Criminais, indicar:


COLENDA TURMA RECURSAL (ou COLÉGIO RECURSAL)
EXCELENTÍSSIMOS JUÍZES

www.cers.com.br
16
Processo número:
Apelante:
Apelado:

Embora considerado notável o saber jurídico do juízo a quo, impõe-se a reforma da sentença
proferida contra o apelante, pelas razões de fato e de direito a seguir expostas.

DOS FATOS

Narrar o que o caso expõe, de forma breve e sucinta. Seja bem objetivo no resumo dos fatos.
Descreva que o réu foi denunciado, processado e condenado pelo juízo de primeiro grau. Indique por qual
crime houve a condenação. Não afirme que o réu praticou a conduta. Você pode valer-se da expressão
“supostamente”
Exemplo: O apelante foi denunciado, processado e condenado pelo juízo a quo pela prática do crime previsto
no artigo 155 do Código Penal, já que supostamente teria....
Após a narrativa suscinta dos fatos, indicar:
“A respeitável decisão proferida não merece ser reformada pelos motivos de fato e direito a seguir
aduzidos”.

DO DIREITO
PRELIMINARMENTE

Se for o caso, deve-se alegar preliminares. Utilize o PPPx2 específico para recursos.
Da mesma forma que nos Memoriais, devemos buscar todo e qualquer fundamento que possa levar à
nulidade do processo, incluindo-se, neste caso, as hipóteses que deveriam ter levado à rejeição da peça
acusatória, bem como aquelas que prejudicam ou retardam o processo. Igualmente, devemos apresentar cada
uma das preliminares eventualmente existentes em parágrafos distintos, apontando qual a preliminar,
justificando-a e indicando os dispositivos legais pertinentes e eventuais súmulas relacionadas.
Assim, em preliminares, devemos indicar as falhas processuais relevantes, seguindo o mesmo PASSO A
PASSO PRELIMINAR (PPPx2), motivo pelo qual remetemos novamente o leitor ao item 5.3.2, do capítulo 5,
em que abordamos a Resposta à Acusação.
Relembrando:
- Causas extintivas da punibilidade (art. 107 do CP etc)
- Prejudiciais de mérito (arts. 92 e 93 do CPP)
- Preliminares processuais (art. 95 do CPP)
- Outras nulidades (art. 564, III e IV, do CPP) – neste caso, fique atento principalemente às
eventuais nulidades da sentença
- Ausência dos requisitos necessários ao recebimento da denúncia ou queixa (art. 395 do CPP)
- Ausência de proposta suspensão condicional do processo (art. 89 da Lei 9.099/95) ou de outros
benefícios despenalizadores
Lembre-se: À exceção das causas extintivas da punibilidade, os aspectos arguidos em sede de preliminar,
são, em regra, aspectos processuais.

www.cers.com.br
17
NO MÉRITO

Primeiro, pergunte-se: o que, na sentença, merece reparo?


Parta da premissa maior: O que é mais benéfico ao réu? O que pretendemos, inicialmente, é
a reforma da decisão para que o réu seja absolvido. Então, qual a tese de direito material que pode levar
a sua absolvição? Esta é a sua tese principal (e, consequentemente, o pedido). A absolvição pretendida
é aquela do art. 386 do CPP. Portanto, analise cada um dos seus incisos.
1o.) Verifique se é possível requerer a reforma da sentença para absolver o réu com
fundamento no inciso I ou II do art. 386 do CPP, ou seja, se existir prova de que o fato não existiu, ou
não haver prova de sua existência;
2o.) em seguida, observe se há elementos que levem à atipicidade da conduta (ausência de
dolo, falta de nexo de causalidade, erro de tipo essencial, princípio da insignificância, ausência de
previsão legal, hipótese de crime impossível etc). Neste caso, deve-se buscar a reforma da sentença
para absolver o réu com fundamento no inciso III do art. 386 do CPP;
3o.) se a tese defensiva é de negativa de autoria, deve-se buscar a reforma da decisão sob o argumento de
que há prova de que o réu não concorreu para a infração penal (art. 386, IV), ou ainda, subsidiariamente, de
que sua absolvição deva se dar por não existir prova de ter concorrido para a infração (art. 386, V);
4o.) após análise das teses de inexistência do fato, atipicidade e negativa de autoria, devemos verificar se
existem outras circunstâncias que excluam o crime ou isentem o réu de pena. Assim, busque a existência de
excludentes de ilicitude (estado de necessidade, legítima defesa, estrito cumprimento do dever legal, exercício
regular do direito ou consentimento do ofendido) e de excludentes de culpabilidade (inimputabilidade, erro de
proibição inevitável e inexigibilidade de conduta diversa). Se presentes excludentes de ilicitude ou de
culpabilidade, busque a reforma para absolver o réu com fundamento no inciso VI do art. 386 do CPP;
5o.) finalmente, em último caso, e ainda em caráter subsidiário às teses anteriores, sustente e requeira a
absolvição por insuficiência de provas (art. 386, VII, do CPP). Lembre-se de que, no processo penal, em face
do princípio da presunção de inocência, vigora o in dubio pro reo.

Após análise das teses principais, que levariam à absolvição. devemos passar às premissas menores. Ou
seja, se a condenação for mantida, o que podemos pedir em favor do acusado de forma a reduzir os
gravames da condenação?
Vamos utilizar a mesma sequência adotada para os memoriais, contudo, agora, após a sentença, devemos
verificar apenas as teses que deveriam ter sido consideradas pelo juiz na sentença e não foram. Mas a ordem
do raciocínio é a mesma. Verifique qual das hipóteses, dentre as abaixo, deve ser apresentada no caso
concreto.
Pedidos subsidiários:
a) pena mínima (art. 59 do CP)
b) afastar agravantes
c) reconhecer atenuantes
d) afastar aumento
e) reconhecer causa de diminuição
f) regime de pena
g) pena restritiva de direitos
h) sursis

www.cers.com.br
18
DOS PEDIDOS

Lembre-se que os pedidos devem estar relacionados às teses sustentadas em sede de mérito. Seguem
abaixo exemplos de como requer cada um deles:
Diante de todo o exposto, requer o apelante o conhecimento e provimento do presente
recurso, de forma a que seja declarada:
- a nulidade do processo desde (indicar o ato viciado), com fundamento no art. 564, inciso
____, do Código de Processo Penal;
- a extinção da punibilidade pela ________ (prescrição da pretensão punitiva ou outra causa
extintiva da punibilidade), com fundamento no(s) art(s). _____ do Código Penal (ou legislação
extravagante);
Contudo, não reconhecendo esse Egrégio Tribunal as preliminares acima indicadas, requer
seja dado provimento ao recurso, com a reforma da decisão proferida e consequente ABSOLVIÇÃO
do(a) recorrente, com fundamento no art. 386, inciso ___, do Código de Processo Penal.
Por fim, considerando o critério da eventualidade, em sendo mantida a decisão proferida, o
que não se espera, requer, subsidiariamente:
- que seja a pena base reduzida para o mínimo legal;
- o afastamento da agravante do(a) __________________ (verificar os arts. 61 e 62 do CP), e o
reconhecimento da atenuante do(a) __________________ (verificar os arts. 65 e 66 do CP);
- aplicação da causa de diminuição do art. ___________ (Exemplos: art. 33, § 4º da Lei nº 11.343;
forma privilegiada do furto, prevista no art. 155, §2º, do Código Penal etc.);
- a fixação do regime _________ para início do cumprimento de pena, com base no art. 33, inciso
____ , do Código Penal;
- a substituição da pena privativa de liberdade por restritiva de direitos, na forma do art. 44 do
Código Penal; ou ainda, em último caso, uma vez que preenchidos os requisitos dos arts. 77 e 78
do mesmo Código, que seja aplicado o benefício da suspensão condicional da pena.

Caso o réu esteja preso, ou se existirem medidas cautelares aplicadas, inserir ainda:
Requer ainda, na forma do art. 386, parágrafo único, inciso I, do Código de Processo Penal, seja
o apelante restituído imediatamente à liberdade, expedindo-se alvará de soltura (e/ou "que seja ordenada a
cessação das medidas cautelares anteriormente decretadas").

Nestes termos
Pede deferimento.

Local, data.
Advogado, OAB

ATENÇÃO: Provavelmente a questão indicará a necessidade de interposição no último dia do prazo, para o
que devemos utilizar o art. 798 do CPP. Considere, para fins do Exame da OAB, a mesma data de

www.cers.com.br
19
interposição como data das razões, salvo disposição expressa no enunciado da questão.

2ª. PEÇA: RAZÕES DE APELAÇÃO CONTRA SENTENÇA PROFERIDA PELO TRIBUNAL DO JÚRI

EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA (OU TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL, em caso de Júri Federal)
COLENDA CÂMARA
EXCELENTÍSSIMOS DESEMBARGADORES

Processo número:
Apelante:
Apelado:

Em que pese o veredicto proferido pelo Júri Popular, não merece prosperar a sentença proferida
contra o apelante, pelas razões de fato e de direito a seguir expostas.

DOS FATOS

Narrar o que o caso expõe, de forma breve e sucinta. Seja bem objetivo no resumo dos fatos.
Descreva que o réu foi denunciado, processado e condenado pelo Tribunal do Júri. Indique por qual crime
houve a condenação. Não afirme que o réu praticou a conduta. Você pode valer-se da expressão
“supostamente”
Exemplo: O apelante foi denunciado, pronunciado e condenado pelo Júri pela prática do crime previsto no
artigo 121 do Código Penal, já que supostamente teria....
Após a narrativa suscinta dos fatos, indicar:
“A respeitável decisão proferida não merece ser reformada pelos motivos de fato e direito a seguir
aduzidos”.

DO DIREITO
PRELIMINARMENTE
Lembre-se que, no Júri, a apelação é limitada. Assim, se a apelação foi interposta com fundamento no art.
593, III, a, do CPP, isoladamente, ou junto a qualquer das demais alíneas do inciso III, devemos arguir,
preliminarmente, a nulidade do julgamento.
Utilize o PPPx2 específico para recursos, e observe com atenção as hipóteses de nulidade inerentes ao
procedimento do Tribunal do Júri (art. 564, III, alíneas f a l, do CPP), dentre outras.

www.cers.com.br
20
NO MÉRITO

Se a apelação foi interposta nas alíneas b, c, ou d, do art. 593, III do CPP, passe a
apresentar as teses que levam ao reconhecimento da alínea indicada.
Se interposta com fundamento na alínea b: sustente que, embora correto o veredicto do Júri,
o Juiz Presidente proferiu decisão diversa ao veredicto, ou contrária à lei, merecendo a mesma ser
reformada de forma a adequá-la ao veredicto ou à lei (conforme o caso).
Se interposta na alínea c: neste caso, demonstre o erro na pena aplicada pelo Juiz
Presidente, e busque sua reforma por parte do Tribunal.
Por fim, se a apelação foi interposta com fundamento na alínea d, devemos demonstrar que
a prova produzida levava a uma tese diversa daquela adotada pelo veredicto popular, ou seja, o Júri
proferiu decisão contrária à prova produzida, motivo pelo qual o réu deve ser submetido a novo
julgamento.

DOS PEDIDOS

Lembre-se que os pedidos devem estar relacionados às teses sustentadas em sede de mérito. Seguem
abaixo exemplos de como requer cada um deles:
Diante de todo o exposto, requer o apelante o conhecimento e provimento do presente recurso,
de forma a que seja declarada:
(alínea a) - a nulidade do processo desde (indicar o ato viciado), com fundamento no art. 564,
inciso ____, do Código de Processo Penal, com a consequente remessa dos autos ao Tribunal
do Júri, para novo julgamento;
- a extinção da punibilidade pela ________ (prescrição da pretensão punitiva ou outra causa
extintiva da punibilidade), com fundamento no(s) art(s). _____ do Código Penal (ou legislação
extravagante).
(alínea b) Contudo, não reconhecendo esse Egrégio Tribunal as preliminares acima indicadas,
requer seja dado provimento ao recurso, com a reforma da decisão proferida e sua consequente retificação e
adequação ao veredicto proferido pelo Tribunal Popular, conforme art. 593, III, b, e § 1 o. do Código de
Processo Penal.
(alínea c) Não reconhecendo esse Egrégio Tribunal as preliminares acima indicadas, requer seja
dado provimento ao recurso, com a reforma da decisão proferida, de forma a que seja corrigida a pena
aplicada pelo juiz presidente, com fundamento no art. 593, III, c, e § 2 o. do Código de Processo Penal.
(alínea d) Não reconhecendo esse Egrégio Tribunal as preliminares acima indicadas, requer seja
dado provimento ao recurso, com a desconstituição da decisão proferida e consequente remessa dos autos
ao Tribunal do Júri, para novo julgamento, na forma do art. 593, III, d, e § 3o. do Código de Processo Penal.

Nestes termos
Pede deferimento.

Local, data.
Advogado, OAB

www.cers.com.br
21
ATENÇÃO: Provavelmente a questão indicará a necessidade de interposição no último dia do prazo, para o
que devemos utilizar o art. 798 do CPP. Considere, para fins do Exame da OAB, a mesma data de
interposição como data das razões, salvo disposição expressa no enunciado da questão.

CONTRARRAZÕES DE APELAÇÃO - PETIÇÃO DE JUNTADA

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA _____ VARA CRIMINAL DA COMARCA DE


____________________ (Regra Geral)
EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA _____ VARA CRIMINAL DA SEÇÃO
JUDICIÁRIA DE ________ (Crimes da competência da Justiça Federal)
EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA _____ VARA DO TRIBUNAL DO JÚRI DA
COMARCA DE ____________________ (ou EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DO
_____ TRIBUNAL DO JÚRI DA COMARCA DE ____________________) (Nos casos de sentença de
pronúncia e de desclassificação nos casos de Crimes de competência do Tribunal do Juri)
EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA _____ VARA DO TRIBUNAL DO JÚRI DA
SEÇÃO JUDICIÁRIA DE ________ (ou EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DO _____
TRIBUNAL DO JÚRI DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DE ________) (Crimes da competência do Tribunal do Júri
Federal)
EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DO _____ JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL DA
COMARCA ____________________ (Endereçamento do Juizado especial criminal)

Processo número:

Nome do recorrente, já devidamente qualificado nos autos do processo em epígrafe, por seu
advogado regularmente constituído, que esta subscreve, inconformado com o recurso interposto pelo
Ministério Público, vem tempestivamente perante Vossa Excelência, com fundamento no artigo 600 do Código
de Processo Penal, apresentar suas
CONTRARRAZÕES AO RECURSO DE APELAÇÃO (ou CONTRARRAZÕES DE APELAÇÃO)
requerendo, desde logo, sua juntada aos autos, e objetivando a manutenção da decisão proferida às fls.
_____.
Nestes termos
Pede deferimento.

Comarca, data.
Advogado, OAB
ATENÇÃO: Provavelmente a questão indicará a necessidade de interposição no último dia do prazo, para o
que devemos utilizar o art. 798 do CPP.

www.cers.com.br
22
PEÇA DAS CONTRARRAZÕES DE APELAÇÃO:

CONTRARRAZÕES DO RECURSO DE APELAÇÃO

Recorrente:
Recorrido:
Processo número:

EGRÉGIO TRIBUNAL (DE JUSTIÇA OU TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL OU REGIONAL ELEITORAL)


COLENDA CÂMARA
ÍNCLITOS DESEMBARGADORES

Inconformado com o recurso interposto pelo respeitável Representante do Ministério Público,


objetivando a manutenção da decisão recorrida, vem apresentar CONTRARRAZÕES, pelos fatos e
fundamentos a seguir:

DOS FATOS
Narrar o que o caso expõe, de forma breve e sucinta. Seja bem objetivo no resumo dos fatos.
Narre ainda como se chegou até a decisão recorrida e o que levou ao recurso interposto pelo Ministério
Público/Querelante.

DAS PRELIMINARES
Analise se o recurso interposto pela parte contrária preenche os requisitos de admissibilidade, objetivos e
subjetivos. Se qualquer um deles estiver ausente, alegue em preliminar.

DO MÉRITO
Argumente de forma contrária as alegações de mérito do recurso interposto pelo Ministério
Público/Querelante.
Apoie seus argumentos nos fundamentos da decisão que objetiva ver mantida.
Indique os dispositivos legais aplicáveis aos seus argumentos, sempre contra atacando os argumentos
apresentados pelo recorrente.

DO PEDIDO
Diante do exposto, requer o não conhecimento e o improvimento do recurso interposto, com a
consequente manutenção da decisão proferida em favor do apelado, como medida da mais inteira justiça.

www.cers.com.br
23
Nestes termos
Pede deferimento.

Comarca, data.
Advogado, OAB
ATENÇÃO: Provavelmente a questão indicará a necessidade de interposição no último dia do prazo, para o
que devemos utilizar o art. 798 do CPP.

APELAÇÃO DO ASSISTENTE DE ACUSAÇÃO

Interposição – Vítima não habilitada

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA ____ VARA CRIMINAL DA COMARCA DE


_______________________ (Regra Geral)
EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA ____ VARA CRIMINAL FEDERAL DA SEÇÃO
JUDICIÁRIA DE _______________________ (Crimes da Competência da Justiça Federal)
EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA ____ VARA DO TRIBUNAL DO JÚRI DA
COMARCA DE _________________ (ou EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DO ____
TRIBUNAL DO JÚRI DA COMARCA DE _________________) (Crimes da Competência do Tribunal do Júri)
EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DO ____ TRIBUNAL DO JÚRI DA SEÇÃO
JUDICIÁRIA DE ______________ (Crimes da Competência da Justiça Federal)
EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DO ____ JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL DA
COMARCA DE ___________________ (Crimes de Competência do Juizado Especial Estadual)
EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DO ___ JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL FEDERAL
DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DE _____________________ (Crimes de Competência de Juizado Especial Federal)
EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DO ___ JUIZADO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E
FAMILIAR CONTRA A MULHER DA COMARCA _____________________ (crimes praticados contra a
mulher no âmbito da violência doméstica e familiar)
EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA ___ ZONA ELEITORAL DA COMARCA DE
____ (crimes eleitorais)

Processo número:

(Nome da VÍTIMA ou de seu sucessor), nacionalidade, estado civil, profissão, identidade


nº ___________, inscrito no CPF sob o nº __________, residência e domicílio, por seu advogado abaixo
assinado, conforme procuração em anexo, vem respeitosamente à presença de Vossa Excelência, requerer
antecipadamente, com fundamento no art. 268 do Código de Processo Penal, sua habilitação como assistente
de acusação, e, inconformado com a sentença de fls. _____, interpor, tempestivamente, a presente
APELAÇÃO

www.cers.com.br
24
com fundamento nos artigos 593, I c/c 598, ambos do Código de Processo Penal.
OBS. 1: No caso de apelação contra a decisão absolvição sumária ou impronúncia (1 a. fase
do Júri), a petição deverá ser fundamentada no art. 416 c/c art. 598 do CPP.
OBS. 2: A apelação contra a decisão proferida em plenário do Júri deverá indicar a(s)
alínea(s) do inciso III que fundamentam o pedido. Assim, a fundamentação será, por exemplo,
"art. 593, III, 'a' e 'd', e 598, ambos do CPP".
OBS. 3: Em se tratando de Apelação nos Juizados Especiais Criminais, o fundamento será o
art. 82 da Lei 9.099/95, c/c art. 598 do CPP. Lembre-se que, neste caso, o prazo será de 10
dias.
OBS. 4: Nos crimes previstos na Lei 8.666/93 (Lei de Licitações), a apelação será
fundamentada no art. 107 desta Lei 8.666/93 c/c art. 598 do CPP.
OBS. 5: No caso de crimes eleitorais, fundamentar no art. 362 do Código Eleitoral (Lei
4.737/65) c/c art. 598 do CPP.

Assim, requer seja o presente recurso recebido e, após as formalidades de praxe, seja remetido
com suas inclusas razões ao Egrégio Tribunal de Justiça (ou Tribunal Regional Federal ou Turma Recursal ou
Tribunal Regional Eleitoral).

Nestes termos
Pede deferimento.

Comarca, data.
Advogado, OAB
ATENÇÃO: O prazo do recurso de apelação, neste caso (vítima não habilitada) será de 15 (quinze) dias,
contado do esgotamento do prazo do MP.
Provavelmente a questão indicará a necessidade de interposição no último dia do prazo, para o que devemos
utilizar o art. 798 do CPP.

Interposição – Vítima habilitada

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA ____ VARA CRIMINAL DA COMARCA DE


_______________________ (Regra Geral)
EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA ____ VARA CRIMINAL FEDERAL DA SEÇÃO
JUDICIÁRIA DE _______________________ (Crimes da Competência da Justiça Federal)
EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA ____ VARA DO TRIBUNAL DO JÚRI DA
COMARCA DE _________________ (ou EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DO ____
TRIBUNAL DO JÚRI DA COMARCA DE _________________) (Crimes da Competência do Tribunal do Júri)
EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DO ____ TRIBUNAL DO JÚRI DA SEÇÃO
JUDICIÁRIA DE ______________ (Crimes da Competência da Justiça Federal)
EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DO ____ JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL DA
COMARCA DE ___________________ (Crimes de Competência do Juizado Especial Estadual)

www.cers.com.br
25
EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DO ___ JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL FEDERAL
DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DE _____________________ (Crimes de Competência de Juizado Especial Federal)
EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DO ___ JUIZADO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E
FAMILIAR CONTRA A MULHER DA COMARCA _____________________ (crimes praticados contra a
mulher no âmbito da violência doméstica e familiar)
EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA ___ ZONA ELEITORAL DA COMARCA DE
____ (crimes eleitorais)

Processo número:

(Nome da VÍTIMA ou de seu sucessor), nacionalidade, estado civil, profissão, identidade


nº ___________, inscrito no CPF sob o nº __________, residência e domicílio, por seu advogado abaixo
assinado, conforme procuração em anexo, vem respeitosamente à presença de Vossa Excelência,
inconformado com a sentença de fls. _____, interpor, tempestivamente, a presente
APELAÇÃO
com fundamento nos artigos 593, I c/c 598, ambos do Código de Processo Penal.
OBS. 1: No caso de apelação contra a decisão absolvição sumária ou impronúncia (1 a. fase
do Júri), a petição deverá ser fundamentada no art. 416 c/c art. 598 do CPP.
OBS. 2: A apelação contra a decisão proferida em plenário do Júri deverá indicar a(s)
alínea(s) do inciso III que fundamentam o pedido. Assim, a fundamentação será, por exemplo,
"art. 593, III, 'a' e 'd', e 598, ambos do CPP".
OBS. 3: Em se tratando de Apelação nos Juizados Especiais Criminais, o fundamento será o
art. 82 da Lei 9.099/95, c/c art. 598 do CPP. Lembre-se que, neste caso, o prazo será de 10
dias.
OBS. 4: Nos crimes previstos na Lei 8.666/93 (Lei de Licitações), a apelação será
fundamentada no art. 107 desta Lei 8.666/93 c/c art. 598 do CPP.
OBS. 5: No caso de crimes eleitorais, fundamentar no art. 362 do Código Eleitoral (Lei
4.737/65) c/c art. 598 do CPP.

Assim, requer seja o presente recurso recebido e, após as formalidades de praxe, seja remetido
com suas inclusas razões ao Egrégio Tribunal de Justiça (ou Tribunal Regional Federal ou Turma Recursal ou
Tribunal Regional Eleitoral).
Nestes termos
Pede deferimento.

Comarca, data.
Advogado, OAB
ATENÇÃO: O prazo do recurso de apelação, neste caso (vítima habilitada) será de 5 (cinco) dias, contado do
esgotamento do prazo do MP, exceto nos juizados especiais criminais e nos crimes eleitorais, hipóteses em
que o prazo será de 10 dias, face o princípio da especialidade.
Provavelmente a questão indicará a necessidade de interposição no último dia do prazo, para o que devemos
utilizar o art. 798 do CPP.

www.cers.com.br
26
RAZÕES DO ASSISTENTE DE ACUSAÇÃO OU DO QUERELANTE EM AÇÃO PENAL PRIVADA

RAZÕES DE APELAÇÃO

Recorrente:
Recorrido:
Processo Número:

EGRÉGIO TRIBUNAL (TRIBUNAL DE JUSTIÇA OU TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL OU ELEITORAL)


COLENDA CÂMARA
ÍNCLITOS DESEMBARGADORES

No caso de apelação contra decisão dos Juizados Especiais Criminais, indicar:


COLENDA TURMA RECURSAL (ou COLÉGIO RECURSAL)
EXCELENTÍSSIMOS JUÍZES

Processo número:
Apelante:
Apelado:

Embora considerado notável o saber jurídico do juízo a quo, impõe-se a reforma da sentença
proferida contra o apelante, pelas razões de fato e de direito a seguir expostas.

DOS FATOS

Narrar o que o caso expõe, de forma breve e sucinta. Seja bem objetivo no resumo dos fatos.
Descreva que o réu foi denunciado, processado e condenado pelo juízo de primeiro grau. Indique por qual
crime houve a condenação. Não afirme que o réu praticou a conduta. Você pode valer-se da expressão
“supostamente”
Exemplo: O apelante foi denunciado, processado e condenado pelo juízo a quo pela prática do crime previsto
no artigo 155 do Código Penal, já que supostamente teria....
Após a narrativa suscinta dos fatos, indicar:
“A respeitável decisão proferida não merece ser reformada pelos motivos de fato e direito a seguir
aduzidos”.

www.cers.com.br
27
DO DIREITO
PRELIMINARMENTE

Se for o caso, deve-se alegar preliminares, principalmente eventuais nulidades.


CONTUDO, LEMBRE-SE DE QUE, NESTE CASO, VOCÊ ESTARÁ ATUANDO COMO ÓRGÃO DE
ACUSAÇÃO. Portanto, somente argua preliminares que sejam de interesse da acusação.

DO MÉRITO

Novamente: é um recurso da acusação.


O que você pretende? Se o réu foi absolvido, demonstre o erro da sentença e demonstre que se encontravam
presentes provas para sua condenação. Relacione essas provas ao crime praticado. Faça a via oposta às
hipóteses anteriores. Demonstre que a conduta ocorreu, que o fato é típico, ilícito e culpável, e que o réu foi o
infrator.
Da mesma forma, se for o caso, demonstre a presença de qualificadoras, causas de aumento, agravantes e
da necessidade de aumento de pena. Isso vale também para os casos em que houve condenação na
sentença, mas você está apelando para buscar o aumento da pena.

Se a apelação estiver sendo interposta contra a decisão de impronúncia ou de absolvição sumária, demonstre
a presença da prova da infração e dos indícios de autoria necessários à pronúncia do acusado. Apresente a
argumentação jurídica necessária a demonstrar que, no caso concreto, incabível a decisão proferida.

No caso de apelação do assistente ou do querelante contra a sentença do Júri, seus argumentos dependerão
da alínea indicada. Mas sempre buscando teses acusatórias.

DO PEDIDO

REGRA GERAL:
Lembre-se que os pedidos devem estar relacionados às teses sustentadas em sede de mérito. Seguem
abaixo exemplos de como requer cada um deles:
Diante de todo o exposto, requer o apelante o conhecimento e provimento do presente recurso,
de forma a que seja declarada:
- a nulidade do processo desde (indicar o ato viciado), com fundamento no art. 564, inciso ____,
do Código de Processo Penal;
Contudo, não reconhecendo esse Egrégio Tribunal as preliminares acima indicadas, requer seja
dado provimento ao recurso, com a reforma da decisão proferida e consequente CONDENAÇÃO do(a)
recorrido, por medida de Justiça.
Caso o réu tenha sido condenado na sentença e o recurso tenha por finalidade aumentar a pena aplicada:
Diante de todo o exposto, requer o apelante o conhecimento e provimento do presente recurso,
de forma a que seja aumentada a pena base aplicada, uma vez que assim demonstram as circunstâncias
judiciais do art. 59 do Código Penal, bem como reconhecida a qualificadora prevista no art. ____ (ou causa de
aumento ou agravantes), por medida de Justiça.

www.cers.com.br
28
APELAÇÃO CONTRA DECISÃO DE IMPRONÚNCIA OU DE ABSOLVIÇÃO SUMÁRIA:
Diante de todo o exposto, requer o apelante o conhecimento e provimento do presente recurso,
com a consequente reforma da decisão proferida, para que seja PRONUNCIADO o acusado nos exatos
termos da denúncia (ou como incurso no art. ____ do Código Penal).

APELAÇÃO CONTRA A SENTENÇA DO JÚRI:


Diante de todo o exposto, requer o apelante o conhecimento e provimento do presente recurso,
de forma a que seja declarada:
(alínea a) - a nulidade do processo desde (indicar o ato viciado), com fundamento no art. 564,
inciso ____, do Código de Processo Penal, com a consequente remessa dos autos ao Tribunal
do Júri, para novo julgamento
(alínea b) Contudo, não reconhecendo esse Egrégio Tribunal as preliminares acima indicadas,
requer seja dado provimento ao recurso, com a reforma da decisão proferida e sua consequente retificação e
adequação ao veredicto proferido pelo Tribunal Popular, conforme art. 593, III, b, e § 1 o. do Código de
Processo Penal.
(alínea c) Não reconhecendo esse Egrégio Tribunal as preliminares acima indicadas, requer seja
dado provimento ao recurso, com a reforma da decisão proferida, de forma a que seja corrigida a pena
aplicada pelo juiz presidente, com fundamento no art. 593, III, c, e § 2 o. do Código de Processo Penal.
(alínea d) Não reconhecendo esse Egrégio Tribunal as preliminares acima indicadas, requer seja
dado provimento ao recurso, com a desconstituição da decisão proferida e consequente remessa dos autos
ao Tribunal do Júri, para novo julgamento, na forma do art. 593, III, d, e § 3o. do Código de Processo Penal.

Termos em que,
Pede deferimento.

Comarca, data
Advogado, OAB

ATENÇÃO: O prazo do recurso de apelação será:


- no caso de vítima habilitada: 5 (cinco) dias, contado do esgotamento do prazo do MP, exceto nos juizados
especiais criminais e nos crimes eleitorais, hipóteses em que o prazo será de 10 dias, face o princípio da
especialidade;
- no caso de vítima não habilitada, 15 (quinze) dias, contado do esgotamento do prazo do MP;
- no caso de querelante (ação penal privada): 5 (cinco) dias, contado da intimação do advogado, exceto nos
juizados especiais criminais e nos crimes eleitorais, hipóteses em que o prazo será de 10 dias, face o princípio
da especialidade;
Provavelmente a questão indicará a necessidade de interposição no último dia do prazo, para o que devemos
utilizar o art. 798 do CPP.

www.cers.com.br
29
8. MAPAS MENTAIS E QUADROS SINÓTICOS

PEDIDOS NAS RAZÕES DE APELAÇÃO – REGRA GERAL

FUNDAMENTO
TESE PEDIDO
DA APELAÇÃO
... requer seja declarada a nulidade do
Em caso de preliminar que enseje nulidade processo desde (indicar o ato viciado),
(PPPx2) com fundamento no art. 564, inciso ____,
do Código de Processo Penal.
... requer seja declarada a extinção da
punibilidade pela ________ (prescrição da
pretensão punitiva ou outra causa extintiva
Se houver causa extintiva da punibilidade
da punibilidade), com fundamento no(s)
art(s). _____ do Código Penal (ou
legislação extravagante).
Apelação
tese principal: ABSOLVIÇÃO ... requer o conhecimento e provimento do
art. 593, I
(discorrer no mérito sobre os motivos que recurso, com a consequente absolvição do
justificam a absolvição do acusado numa das apelante, na forma do art. 386 CPP
hipóteses do art. 386 do CPP) (verifique o inciso ou incisos aplicáveis).
teses subsidiárias, verifique a possibilidade
de redução da pena para o mínimo legal,
afastar agravantes, reconhecer atenuantes, ... subsidiariamente, requer seja ... (indicar
afastar causas de aumento, reconhecer cada uma das hipóteses, da mesma forma
causas de diminuição, alterar o regime de que nos memoriais).
pena, e/ou substituir a pena pela restritiva de
direitos ou conceder o sursis

www.cers.com.br
30
PEDIDOS NAS RAZÕES DE APELAÇÃO CONTRA SENTENÇA DO JÚRI

www.cers.com.br
31
www.cers.com.br
32