Você está na página 1de 2

Rudolf

Von Laban, considerado por muitos como “o mestre do movimento”, foi


bailarino, coreógrafo, arquiteto e estudioso do movimento humano, o qual
desenvolveu um método pensando na melhora do desenvolvimento global das
pessoas.

Método este, conhecido por Coreologia, que serviu e serve de inspiração para
muitos profissionais que se utilizam do movimento, como ferramenta de
trabalho. O presente trabalho tem por objetivo compreender os estudos de
Rudolf Laban, mais especificamente a Coreologia. Para o presente estudo foi feito
uma revisão de literatura a partir dos livros de Laban, seus discípulos e alguns
autores que escreveram sobre ele e seu método. Para desenvolver seu estudo
sobre o movimento, Laban criou uma espécie de gramática da linguagem do
movimento chamada de Coreologia. Laban explicou a coreologia como a lógica ou
a ciência dos círculos, que se entendia não só como um estudo geométrico, mas
também como um tipo de gramática e sintaxe da linguagem do movimento, pela
qual se compreende além da forma externa, o conteúdo mental e emocional.
Todo esse processo desenvolvido por Laban divide-se em três grandes áreas: a
Eucinética, a Corêutica e a Kinetographie (MOMMENSOHN e PETRELLA, 2006).
De acordo com os autores supracitados, na Eucinética, Laban fez um estudo
aprofundado das dinâmicas e do ritmo do movimento.

Percebendo a semelhança rítmica entre a dança e a música e também suas
diferenças, concluiu que embora muitos passos de dança possam ser contados
seguindo um ritmo métrico, o mesmo não acontece com os gestos. Laban
percebeu que as ações do corpo, tanto as posturas como os gestos, se originam
de impulsos internos. Estes, por sua vez, possuem qualidades reconhecíveis,
sendo constituídos por quatro fatores: espaço, peso, tempo e fluência. O
movimento desenhado no espaço pode ter várias direções e planos e o corpo por
ser tridimensional e com diversas articulações, quando se movimenta criando
formas, nunca forma somente uma figura, isto depende em que ritmo o esforço é
feito e a maneira que estas articulações do corpo ajudam nesta movimentação
(LABAN, 1990).

Rudolf Laban chama de Corêutica o estudo do movimento no espaço, seja para
movimentos perceptíveis ou imperceptíveis. A Corêutica também é conhecida
como “arquitetura do movimento”. Usando o corpo e o seu espaço externo, a
Corêutica tem como ferramenta de exploração a Cinesfera, que por meio do
estudo de suas dimensões espaciais e planos, surge o estudo de formas do corpo
no espaço, que são as cinco formas geométricas: tetraedro, octaedro, cubo,
icosaedro e dodecaedro (TOURINHO, 2004).

Laban terminaria de desenvolver o seu sistema de escrita de dança anos mais
tarde, com a Kinetographie, também conhecida como Labanotation. Ele desejava
fundamentar as leis da dança por meio do estudo de seu principal elemento: o
movimento (MOMMENSOHN e PETRELLA, 2006).

O registro prevê o uso de posteriores símbolos, além daqueles de base e suas
modificações para consentir a descrição precisa com todas as formas de flexões,
extensões, rotações, contatos, relações e outros (BARBACCI, 2002, tradução
nossa). De acordo com Godoy (2003), o contato com a teoria do método Laban
pode contribuir para a formação do professor, instrumentalizando-a a contribuir
para o aprendizado dos alunos, fazendo com que estes reconheçam seu corpo
juntamente com suas possibilidades de movimento e assim certificando um
aperfeiçoamento motor maior para estes alunos.