Você está na página 1de 12

MATERIAIS DE PLÁSTICOS

CONSTRUÇÃO

O" s e u" p r i n c i p a l" m a t e r i a l" c o n s 0 t u i n t e" é" o"


Hidrocarbonetos
hidrocarboneto.

Hidrocarboneto-."é"um"composto"químico"cons0tuído"
Para1nicos Ole1nicos Na5énicos Aromá:cos
por" carbono" e" hidrogénio." A" maioria" das" substâncias"
no"petróleo"e"no"gás"natural"são"hidrocarbonetos.

Estes"são"os"que"interessam

PARAFÍNICOS
Por"exemplo:
Hidrocarbonetos"para@nicos"A"CnH2n+2

Parafinas-." as" mais"pesadas"são"usadas"nos"asfaltos"e"


São"acíclicos"e"saturados."São"rela0vamente"inertes"do" as"mais"leves"como"combusKveis"para"aquecimento;
ponto"de"vista"químico. Etano-.-podeAse"fazer"o"polie0leno;
Butano-."é"conver0do"em"bu0leno"ou"butadieno,"para"
f a b r i c a r" a s" b o r r a c h a s" b u 0 l i c a s" ( p a r a"
impermeabilização).
OLEFÍNICOS

Hidrocarbonetos"oleo@nicos"A"CnH2n/CnH2nA2 As" oleofinas"são"quimicamente" reac0vas," servindo" de"


matéria"prima"para:
São"compostos"insaturados.
O" petróleo" apresenta" um" número" reduzido" de" • plás0cos;
oleofinas. • borrachas;
• entre"outros...

AROMÁTICOS POLÍMEROS

Hidrocarbonetos"aromá0cos A"produção"dos"materiais-poliméricos"em"geral"e"dos"
produtos" plás0cos" em" par0cular" tem" como" base" as"
Como"exemplo"temos"o"benzeno. indústrias"de"refinação"e"petroquímica,"que"têm"como"
base" o" Petróleo" Bruto" uma" mistura" complexa" de"
A" fonte" principal" destes" hidrocarbonetos" foi" durante" hidrocarbonetos" e" impurezas," que" dependendo" do"
muitos"anos"a"hulha"(carvão"de"pedra). processo"de"tratamento"e"transformação"originam"um"
grande"variedade"de"matérias"primas"para"o"fabrico"de"
polímeros.

São" cons0tuídos" por" uma" associação" química" de" Tipos"de"polímeros:


nanómeros" (pequenas" moléculas" de" base)," que"
encadeadas"entre"si"formam"macromoléculas. ✤ polímeros"lineares;
✤ polímeros"ramificados;
✤ polímeros"trifuncionais;
✤ polímeros"tridimensionais.
Classificação"dos"polímeros: Termoplás:cos-.- são" aqueles" que"com" o" aumento" da"
temperatura," as" cadeias" são" lineares" ou" ramifocadas"

✤ termoplás0cos; mas" não" ligadas" entre" si" transversalmente," podem"


✤ termoendurecíveis. moverAse" umas" em" relação" a" outras," deixando" o"
polímero" de" ter" forma" constante," isto" é," amolece" ou"
funde." Ex:" polie0leno," policloreto" de" vinilo" (PVC),"
polies0reno,"etc.

MÓDULO-DE-ELASTICIDADE-E-TEMPERATURA

Termoendurecíveis- ." são" polímeros" que" possuem" Conforme" o" módulo" de" elas0cidade" e" temperatura"
estrutura" molecular" tridimensional," aquando" a" assim"se"obtêm"materiais"diferentes.
aplicação" do"calor," não"resulta" a" mobilidade" das"suas"
moléculas" como" nos" termoplás0cos," não" fundindo" e" Quando" os" módulos" de" elas0cidade" são" baixos,"
sendo" portanto" destruída" a" sua" rede" estrutural." Ex:" quando" estão" acima" da" temperatura- de- transição-
poliuretanos"e"poliésteres"insaturados. vitrosa-(Tg),"o"comportamento"será"o"dum"elastómero"
(borracha).

Um" elastómero" abaixo" da" sua" Tg," comportaAse" como"


Quando" estão" abaixo" da" temperatura- de- transição- um"plás0co"rígido"e"flexível"e,"se"u0lizado"um"plás0co"
vitrosa- (Tg)," o" comportamento" será" o" dum" polímero" acima"da"sua"Tg,"ele"comportaAse"como"uma"borracha.
(plás0co).
ver"gráfico"1"e"2
Curvas"Kpicas"de"ensaios"de"tracção:
Temperaturas"de"transição"vitrosa"de"alguns"plás0cos:

gráfico"3
• polie0leno:"A120ºC;
• poliisupreno"(borracha"sinté0ca):"A73ºC;
• polibutadieno"(borracha"sinté0ca):"A80ºC;
• policloreto"de"vinilo"(PVC):"+87ºC;
• poliamidas"(nylons):"+60ºC.

Principais"processos"de"moldação"de"polímeros: Principais"adi0vos:

• por"compressão; • an0oxidantes;

• por"transferência; • corantes;
• plas0ficantes;
• por"extrusão;
• estabilizadores;
• por"injecção;
• redutores"de"inflamabilidade;
• por"insuflação; • absorventes"de"radiação"ultraAvioleta;
• por"calandragem. • cargas"e"inertes.

Outros"plás0cos:
Principais"técnicas"de"união:

• plás0cos"reforçados"com"fibras;
• peças"acessórias;
• plás0cos"celulares;
• colagem;
• reves0mentos"plás0cos"de"piso;
• soldadura.
• geosinté0cos.
Processos de Construção
Docente: Pedro Lança MATERIAIS:
GEOTÊXTEIS (III)
Capítulo 6 – Impermeabilização de caves

Dentro dos plásticos também temos os geosintéticos, que podem ser:


• O tubo drenante e a PRINCIPAIS-NORMAS
brita são colocados
✤depoisgeotexteis;
do geotêxtil;
✤esta colocação é feita
geomembranas; Consultar:
de modo a deixar
✤geotêxtil livre para se
compostos;
✤sobrepor (o mínimo é
geopolímeros.
de 0.30 m)

hfp://www.lnec.pt/servicos/ensaios/
• Deve-se evitar também
que o material drenante Processos de Construção
MATERIAIS: prod_mat_plas0cos
(brita) intercale entre a Docente: Pedro Lança

vala e o geotêxtil. REDES DRENANTES (II)


Capítulo 6 – Impermeabilização de caves

Escola Superior de
9 Tecnologia e Gestão
Aplicados em:
✤ impermeabilização; filtragem; separação; reforço.

(Fonte: www.cosella-dorken.com/)

Escola Superior de
11 Tecnologia e Gestão

Geomembranas Geotêxteis

Geogrelhas Geocompósitos
FORMAÇÃO-DA-MADEIRA

Quanto ao crescimento:

✤ rápido desenvolvimento;
MADEIRAS ✤ lento desenvolvimento.

Rápido desenvolvimento: Lento desenvolvimento:

✤ menor densidade; ✤ maior densidade;


✤ menor resistência mecânica em geral; ✤ melhores características mecânicas;
✤ retracções menores; ✤ maiores retracções;
✤ maior rapidez de secagem; ✤ menos permeável;
✤ mais permeável. ✤ menor rapidez de secagem.

Secção radial, tangencial e transversal:


Secção transversal:
Algumas definições:
Aneis:

✤ casca: conjunto de tecidos que envolvem o câmbio


vascular;
✤ ritidoma: conjunto de tecidos mortos da parte externa
da casca;
✤ entrecasco: parte interna da casca;
✤ câmbio vascular: assentada geradora de células que
está envolvida pela casca e envolve o lenho;

HUMIDADE

✤ lenho: conjunto de tecidos envolvidos pelo câmbio


vascular; É uma propriedade que condiciona grandemente o
✤ borne (mais clara): parte externa do lenho comportamento do material durante as fases de laboração,
compreendida entre o câmbio vascular e o cerne; secagem, preservação e ainda influi de maneira notável nas
✤ cerne (mais escura): parte interna do lenho, circundada características de resistência mecânica dos elementos
pelo borne; estruturais e sua durabilidade.
✤ medula: núcleo do lenho.

A quantidade máxima de água que uma dada madeira pode


conter no estado verde está relacionada pela maior ou menor
Em que: r0 é a humidade a 0% para a madeira em questão.
quantidade de substância lenhosa presente na unidade de
volume dessa madeira, isto é, com a sua massa específica. Exemplos:
Madeira de pinho (r0 aprox. 0,50) - Hmáx = 160%
Madeira de criptoméria (r0 aprox. 0,20) - Hmáx = 460%
Madeira de azinho (r0 aprox. 0,90) - Hmáx = 70%
RETRACÇÃO
Uma madeira considera-se seca quando contém uma
humidade entre 18 e 20%.
Durante a secagem, enquanto o valor da humidade se
E por seca ao ar, a que atingiu a humidade de equilíbrio mantiver acima da saturação das fibras (22 a 30%) não são
correspondente às condições médias de temperatura e verificadas quaisqueres alterações nas dimensões da madeira.
humidade relativa do ar sob coberto, em Portugal é:
Inverno: 15 a 18%; Quando humidade desce abaixo desse valor as paredes das
Verão: 12 a 15%. células lenhosas começam a diminuir de espessura por perda
de água.
Em ensaios a humidade normal adoptou-se que é de 12%.

RETRACÇÃO

A uma maior densidade:

✤ há maior dificuldade na laboração e secagem;


✤ maior resistência mecânica;
Exercício da retracção, pág. 43.
✤ menor permeabilidade;
✤ maiores retracções;
✤ maior durabilidade;
✤ menor permeabilidade.

RESISTÊNCIA-MECÂNICA RESISTÊNCIA-MECÂNICA

Humidade: Inclinação do fio:

Quanto mais seca está a madeira maiores são as suas O ângulo que a direcção das fibras faz com a direcção de
tensões, ou seja, a 1% da humidade corresponde aplicação da carga a que a madeira está sujeita, influi na
sensivelmente um diferencial de 25 kg/cm2. resistência das peças.
PRINCIPAIS-DEFEITOS

Ataque de fungos causadores de podridões: é grave


Bolsas de resina: são de pequenas dimensões e o efeito é
quando as peças vão ser utilizadas em ambientes húmidos.
pequeno.

Ataque de insectos e moluscos: é grave, se o agente


Ardido: é um ataque dum fungo, diminuição da resistência
xilófago se encontra em actividade. No caso dos moluscos os
mecânica, cessa quando a árvore é abatida.
ataques são geralmente irreversíveis.

Cardido: é um ataque dum fungo, diminuição da resistência


Nós: são os defeitos que mais influência têm na resistência
mecânica, não é permitido o uso dessas madeiras.
mecânica.

MADEIRAS-PORTUGUESAS
Designação Densidade Cor
Acácia 0,57 castanhoAavermelhada
Azinho 1,07 acastanhada
Carvalho"português 0,78 acastanhada
Carvalho"roble 0,80 acastanhada
Casquinha 0,50 pálida
Castanho 0,58 acastanhada
Choupo
Cipreste"de"Buçaco
0,47
0,56
pálida
pálida
DERIVADOS DA MADEIRA
Criptoméria 0,27 castanhoArosada
Eucalipto 0,80 amarelada
Freixo 0,66 pálidaAamarelada
Nogueira 0,68 castanho"com"laivos
Pinho"bravo 0,53 pálidaAcastanhoAavermelhada
Pinho"manso 0,58 pálidaAcastanhoAavermelhada
Pinho"de"Alepo 0,62 pálida
Plátano 0,72 pálidaAacastanhada
Ulmo 0,70 castanhoAavermelhada

Tipos de derivados da madeira: Aglomerados de fibras:

✦ aglomerados: aglomerados de fibras, ✤ material é triturado;

aglomerados de partículas; ✤ aquecido em autoclave;


✤ colocados em camadas em moldes;
✦ contraplacados;
✤ são comprimidas (as camadas) até atingir a espessura
✦ lamelados.
desejada;
✤ são introduzidas numa prensa hidráulica, submetidos a
uma tensão de 120 Kg/m2 durante 7 min. à temperatura
de 120ºC.
Exemplos de aglomerados de fibras: o chamado Aglomerados de partículas:
“platex”, MDF (medium density fireboard).
✤ partículas após secagem são aglomeradas com cola e
depositadas em moldes;
✤ comprimidas a uma temperatura à volta dos 90ºC.

Contraplacados:
Exemplos de aglomerados de partículas: o
chamado “tabopan” e no caso da cola ser de ureia- ✤ são utilizados toros de diâmetro superior a 12 mm após
formol chamam-se “aglomerado UF”. serem tratados por vapor durante 48 horas;

✤ São formados por um número impar de folhas


sobrepostas e coladas umas sobre as outras sob forte
pressão;

✤ as espessuras das mesmas ronda os 0,4 a 3 mm;

✤ Tem as mesmas características da madeira em relação Exemplo de contraplacado: é aplicado em


à elasticidade e ao peso. Apresenta, porém, maior
cofragens
resistência e homogeneidade, o que permite o fabrico
de peças de grandes dimensões.
Lamelados, vantagens em relação à madeira:
Lamelados:

✤ maior estabilidade ao fogo;


✤ Painel constituído por réguas de madeira maciça de
✤ maior resistência a elementos agressivos;
baixa densidade cujo veio é cruzado com o da folha de
✤ consegue-se controlar os defeitos da madeira;
madeira adjacente.
✤ mais barato;
✤ maior variedade de formas;
✤ fácil execução;
✤ consegue vencer vãos maiores.

4. A produção e aplicação do lamelado colado em Portugal


Em Portugal, existe actualmente uma unidade de fabrico instalada (operando com pinho importado) e diversas
outras empresas de importação e montagem. Existem já diversas obras realizadas com este material, muitas
delas anteriores a 1998, essencialmente de edifícios públicos. No entanto, a cobertura do Pavilhão Multiusos
em Lisboa, executada em 1998, será com certeza a grande obra impulsionadora da aplicação dos lamelados
colados. Esse era, à data em que foi montado, o maior vão da Europa em madeira, medindo 113 m. Após essa
obra, tem sido registada bastante curiosidade por parte de construtores e de pessoas singulares no que respeita

Exemplos de lamelados:
ao material lamelado colado.

Derivados da madeira são utilizados em:

✦ cofragens;
✦ vigas;
✦ pilares;
Figura 4 – Sala Atlântico do Pavilhão Multiusos – Parque das Nações - Lisboa
✦ estruturas de madeira;
No entanto, crê-se que a utilização desse material no nosso país, será sobretudo possível ao nível dos
elementos planos. Se se analisar a evolução das tendências actuais, ver-se-á que por toda a Europa central se ✦ mobiliário;
deu desde meados dos anos oitenta uma grande diminuição da aplicação de vigas curvas, que constituiam as
coberturas de edifícios de prestígio e sua substituição por vigas planas e pelos pequenos elementos ligados em ✦ etc.
treliças. Esta nova utilização dos lamelados colados, tem vindo a conquistar um tipo de construção
tradicionalmente reservada ao aço e betão, como sejam os armazéns industriais, os edifícios comerciais e a
habitação. A referida evolução foi possível, graças ao abaixamento dos custos de produção dos produtos
planos resultante do desenvolvimento da sua automação industrial e da produção em série. Este tipo de
indústria é perfeitamente possível de incrementar em Portugal, seja com pinho nórdico, seja com o pinho
português, desde que seja seguida uma correcta política de reflorestação.
No que respeita à agressividade do nosso clima, sobretudo de Verão, que se apresenta demasiado sêco para as
madeiras brandas como são os pinhos, ela obriga a que a utilização deste material em estruturas fique
confinada aos interiores das construções, devidamente protegidas do exterior.

Pág 7/8

OUTROS-DERIVADOS

Tipos de cortiça:

Consultar esta web, para mais informação:


✦ aglomerado negro;
✦ aglomerados brancos ou compostos.
www.globaldis.pt
Aglomerado negro:
Aglomerados brancos ou compostos:
✦ aglutinação de granulados de cortiça em
autoclave, pelo efeito da pressão e temperatura. ✦ aglutinação dos granulados por efeito
conjugado da pressão, temperatura e de um
aglutinante.

Cortiça é utilizada em: Caso de estudo:

Pavimento em tacos de madeira de eucalipto


✦ isolamento térmico e acústico; Colados sobre a betonilha do anterior pavimento e sobre laje nova

✦ pavimentos; Passados poucos semanas:

✦ etc.

Anterior pavimento: tacos de pinho colados