Você está na página 1de 84

Setembro 2016

UNIVERSIDADE DE COIMBRA

CARACTERIZAÇÃO FÍSICO - MECÂNICA DOS ARENITOS DE OLHO MARINHO - VILA NOVA DE POIARES
FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA
Departamento de Ciências da Terra

CARACTERIZAÇÃO FÍSICO - MECÂNICA DOS ARENITOS DE


OLHO MARINHO - VILA NOVA DE POIARES

LUCAS JORDÃO SIMOCO

MESTRADO EM ENGENHARIA GEOLÓGICA E DE MINAS


SETEMBRO, 2016

Lucas Jordão Simoco


UNIVERSIDADE DE COIMBRA

FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA

DEPERTAMENTO DE CIÊNCIAS DA TERRA

CARACTERIZAÇÃO FÍSICO - MECÂNICA DOS ARENITOS DE


OLHO MARINHO - VILA NOVA DE POIARES

LUCAS JORDÃO SIMOCO

DISSERTAÇÃO APRESENTADA À FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DA


UNIVERSIDADE DE COIMBRA PARA OBTENÇÃO DO GRAU DE MESTRE EM
ENGENHARIA GEOLÓGICA E DE MINAS

Orientadores científicos

Prof. Doutor Fernando Pedro Ortega de Oliveira Figueiredo

Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra

Prof. Doutor Pedro Gomes Cabral Santarém Andrade

Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra

Setembro de 2016
I.AGRADECIMENTOS
Desejo expressar o meu agradecimento e reconhecimento a todas as pessoas que
de uma forma direta ou indireta, contribuíram para a materialização do presente
trabalho. De modo particular, o meu agradecimento vai para:
Aos meus orientadores, Professor Doutor Fernando Pedro Ortega de Oliveira
Figueiredo e professor Doutor Pedro Gomes Cabral Santarém Andrade, pela
orientação, pelas sugestões dadas, pela paciência, disponibilidade e incentivo não
apenas durante a realização deste trabalho mas também ao longo de todo o curso.
A professora Doutora Lídia Maria Gil Catarino, pela disponibilidade e explicação que
me providenciou na descrição petrográfica.
Ao senhor João Moura, funcionário do Departamento de Ciências da Terra da
Universidade de Coimbra, pela disponibilidade e apoio prestados na instalação e
manutenção de alguns equipamentos usados na preparação e realização de alguns
ensaios laboratoriais deste trabalho.
Aos meus amigos e colegas do curso, pela amizade e apoio moral que me deram ao
longo desta etapa do percurso académico.
A toda a minha família pelo apoio material e moral incondicionais que me deram ao
longo de toda a minha vida.
A direção do Instituto Superior Politécnico de Tete, pela oportunidade e apoio
financeiro para a continuação dos meus estudos.
A toda comunidade académica da Universidade de Coimbra pelo apoio direto e
indireto na resolução de vários problemas académicos que tive ao longo do meu
curso nesta Universidade.
Por último, a todos, o meu MUITO OBRIGADO.

i
II.RESUMO
O presente trabalho pretende contribuir para a caracterização física e mecânica dos arenitos
localizados nas proximidades do Olho Marinho, Vila Nova de poiares.
Neste contexto, avaliaram-se as principais propriedades físicas e mecânicas de um conjunto
de 20 amostras, obtidas a partir de uma recolha realizada num afloramento situado numa
antiga pedreira que se localiza a cerca de 2 km a sudeste da povoação de Olho Marinho.
As amostras colhidas foram preparadas nos laboratórios do Departamento de Ciências da
Terra e posteriormente, foram realizados os ensaios de caracterização das mesmas.
O trabalho inicia-se por um enquadramento geográfico e geológico do local de estudo, o
qual, geologicamente está inserido, de forma geral, na formação de Choisa e de Picadouro.
Procede-se a uma breve descrição das principais propriedades físicas e mecânicas das
rochas em estudo.
Apresenta-se por conseguinte, a metodologia adotada para os ensaios laboratoriais
efetuados.
De seguida, são apresentados os resultados de 8 ensaios laboratoriais realizados. Depois,
faz – se a discussão dos resultados obtidos por meio de tabelas e gráficos de correlações de
algumas propriedades ensaiadas.
Por último, efetua-se a síntese das principais conclusões obtidas e estabelecem-se algumas
considerações finais sobre o trabalho.

Palavras-chave: Arenitos, caracterização física e mecânica, ensaios laboratoriais.

ii
III.ABSTRACT
This study aims to contribute to the physical and mechanical characterization of sandstones
located nearby Olho Marinho, Vila nova de Polaris, Portugal.
Several tests of 20 samples are carried out. The samples were collected from an outcrop
located in an old quarry, which is situated about 2 km southeast of the Olho Marinho locality.
These samples were prepared and tested in the laboratories of the Department of Earth
Sciences.
This study begins with a geographical and geological description of the studied location. The
rock material belongs to the Choisa and Picadouro Formation.
The main mechanical properties of the studied rocks and the laboratory tests procedures are
presented.
The results of the several laboratory tests are then shown. Next, there is a discussion about
the results obtained, through tables and graphs of the estimated correlations between some
of the properties tested.
Finally, a summary of the main conclusions and some final considerations are stablished.

Keywords: Sandstones, physical and mechanical characterization, laboratory tests.

iii
IV.INDICE
I.AGRADECIMENTOS i
II.RESUMO ii
III.ABSTRACT iii
1 – INTRODUÇÃO 10
2 - ENQUADRAMENTO GEOGRÁFICO E GEOLÓGICO 12
2.1 - Enquadramento Geográfico 12
2.2 - Enquadramento geológico 12
3. CARACTERIZAÇÃO DE ENSAIOS LABORATORIAIS 19
3.1 - Ensaio de determinação da massa volúmica aparente e da porosidade aberta 20
3.1.1.Procedimento 21
3.3 - Ensaio com o esclerómetro ou martelo de Schmidt 26
3.3.1 – Procedimento de utilização 27
3.4 - Ensaio de carga pontual (“Point load test”) 28
3.5 - Ensaio de desgaste em meio húmido, ‘‘Slake durability test’’ 31
3.6 - Ensaio de resistência à compressão uniaxial 32
3.6.1 - Procedimentos 33
3.7 - Ensaio de deformabilidade 34
3.7.1 - Módulo de elasticidade 35
3.8 - Ensaio Brasileiro 37
4. ENSAIOS LABORATORIAIS: RESULTADOS E TRATAMENTO DE DADOS 40
4.1. Amostragem 40
4.2. Preparação dos provetes 41
4.3. Descrição petrográfica macroscópica das 20 amostras 42
4.3.1. Amostra OMF1 a OMF10 42
4.3.2. Amostra OMG1 a OMG10 43
4.4. Ensaio de massa volúmica aparente e porosidade aberta 44
4.5. Ensaio para determinação da velocidade de propagação de ondas por ultrassons 47
4.6. Ensaio com o esclerómetro ou martelo de Schmidt 52
4.7. Ensaio de carga pontual (Point Load Test) 53
4.8. Ensaio de desgaste em meio húmido (Slake Durability Test) 56
4.9. Ensaio de resistência à compressão uniaxial (RCU) 57
4.10. Ensaio de deformabilidade 59
4.10.1. Deformabilidade elástica dinâmica 59
4.10.2. Deformabilidade estática 61
5. DISCUSSÃO DE RESULTADOS 64
5.1. Correlação entre os parâmetros determinados nos ensaios 66
6. CONCLUSÕES 73
6.2. Sugestões para trabalhos futuros 77
7.REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 78

iv
V. Índice de figuras
Figura 2.1 - Mapa de Portugal continental B) Localização da área de estudo a partir do
Google Earth (2014) ............................................................................................................. 12
Figura 2.2 - Carta geológica simplificada da área entre Coimbra e Lousã, retirado de Rola
(2014) a partir de Oliveira et al. (1992). ................................................................................ 14
Figura 2.3-Enquadramento geológico da área de estudo e respetiva legenda, extrato da
folha 19D (Coimbra - Lousã) da carta Geológica de Portugal na escala 1: 5000 ( Instituto
Nacional de Engenharia, Tecnologia e Inovação - Departamento de Geologia (2005) ......... 16
Figura 2.4 - Sequência deposicional de idade cretácica (Grés Buçaco), extrato da folha 19D
(Coimbra - Lousã) da carta geológica de Portugal na escala 1: 50000 (Instituto Nacional de
Engenharia, Tecnologia e Inovação - Departamento de Geologia, 2005) ............................. 17
Figura 2.5 - A) Área de estudo, B) amostra do material rochoso.. ........................................ 17
Figura 3.1 - Gráfico relativo a classificação da qualidade dos materiais rochosos em função
do seu estado de fissuração ( Formaintrax, 1976). ............................................................... 24
Figura 3.3 - Representação esquemática do ensaio com o equipamento Pundit Lab
conectado ao computador de modo a visualizar a onda através do software Pundit Link (
Lab, 2011). ........................................................................................................................... 25
Figura 3.4 - Disposições de conexões dos transdutores ( Lab, 2011). .................................. 25
Figura 3.5 - Correlação entre a resistência a compressão uniaxial com a dureza de Schmidt
(DEERE and Miller, 1966). ................................................................................................... 27
Figura 3.6 - Representação esquemática do Esclerómetro Schmidt - tipo L (Malhotra, 1985).
............................................................................................................................................. 28
Figura 3.7 - Ensaio de resisténcia a carga pontual, adaptado de Franklin (1985). ................ 28
Figura 3.8 - Relação de dimensões dos provetes a utilizar nos ensaios de carga pontual
(Franklin, 1985). ................................................................................................................... 29
Figura 3.9 - Fraturas válidas e não válidas nos ensaios de carga pontual (Franhlim, 1985). 30
Figura 4.1 - Vista geral da pedreira onde foi feita a colheita das amostras. Pode - se
observar que a pedreira está cheia de água o que prejudicou a recolha das amostras. B)
pormenor do arenito explorado na pedreira. ......................................................................... 41
Figura 4.2 - A) Serragem da amostra B) Carotagem da amostra. ......................................... 42
Figura 4.3 - A) Aspeto da amostra OMF2, onde os graos são homogéneos, geralmente
arredondados, embora por vezes apareçam não arredondados de coloração escura, sem
fissuração. B) 11 Amostra OMF6 na qual são visíveis os grãos de granulometria superior a 2
mm, avermelhado ................................................................................................................. 43

v
Figura 4.4 – A) Aspeto da amostra onde é visíivel o grão hialino de quartzo (Qh) de
dimensão superior a 2 mm. B) amostra OMF9 na qual são visíveis os grãos de quartzo
esbranquiçados (Qb). ........................................................................................................... 44
Figura 4.5 - A) Aspecto da amostra OMG5, onde são visíveis os graos de tamanho
diferenciado, com espaços vazios ( poros). B) amostra OMG10 na qual são visíveis os grãos
grosseiros de quartzo acastanhados. ................................................................................... 44
Figura 4.6 - A) Estufa ventilada utilada para a secagem dos provetes. B) Exsicador utilizado
para o ensaio de porosidade. ............................................................................................... 45
Figura 4.7 - Sistema de vácuo, composto por um exsicador mais uma bomba de vácuo. .... 45
Figura 4.8 - Balança digital acoplada a um dispositivo de pesagem hidrostática. ................. 46
Figura 4.9 - A) Conexões dos transdutores de 54 kHz(ONDAS P). B)Conexões dos
transdutores de 250 kHz (ondas S). ..................................................................................... 48
Figura 4.10 - Calibrador Rod - 25us, port n 710028 Proceq SA, Pundit Lab/Instrumento
ultrassónico (2011). .............................................................................................................. 48
Figura 4.11 - A) Transdutores liogados ao equipamento. B)Trandutores acoplados ao
provete. C) visualização dos resultados. .............................................................................. 49
Figura 4.12 - Medição das velocidades das ondas S. ........................................................... 50
Figura 4.13 - Exemplo de registo obtido através do software Pundit Link para as ondas
longitudinais e transversais. ................................................................................................. 50
Figura 4.14 - Martelo de Schmidt, modelo L, usado no trabalho de campo. ......................... 52
Figura 4.15 - A) provetes antes da aplicaçao da carga. B) Equipamento utilizado. C) provetes
depois da carga. ................................................................................................................... 53
Figura 4.16 - Equipamento utilizado para o ensaio de desgaste em meio húmido. ............... 56
Figura 4.17 - Resultados do Índice de durabilidade dos arenitos estudados. ....................... 57
Figura 4.18 - Prensa Matest utilizada para o ensaio de resistência à compressão uniaxial. . 58
Figura 4.19- A) amostra antes do ensaio. B) amostra depois do ensaio, onde pode se ver a
fractura resultante do ensaio de compressão uniaxial. ......................................................... 58
Figura 4.20- Provete instrumentado e com os topos capeados. ........................................... 62
Figura 4.21- Prensa e provete colocado diametralmente para o ensaio. .............................. 63
Figura 5.1 - Gráfico das velocidades de propagação das ondas longitudinais (máximo,
mínimo e médio) para os arenitos finos e grosseiros, considerando-se igualmente os
provetes secos e saturados. ................................................................................................. 64
Figura 5.2 - Gráficos das diferentes velocidades (máximo, mínimo e médio) de propagação
das ondas transversais para os arenitos finos e grosseiros, considerando-se igualmente os
provetes secos e saturados. ................................................................................................. 65

vi
Figura 5.3 - Gráfico dos diferentes valores (máximo, mínimo e médio) dos módulos de
elasticidade dinâmico para os arenitos grosseiros e finos, e distinguidos em amostras secas
e saturadas. ......................................................................................................................... 65
Figura 5.4 - Gráficos dos diferentes valores (máximo, mínimo e médio) dos coeficientes de
poisson dinâmico para as duas granulometrias divididas em seca e saturada. .................... 66
Figura 5.5 - Gráfico dos diferentes valores (máximo, mínimo e médio) da resistência à
compressão uniaxial para os arenitos de granulometria fina e graosseira. ........................... 66
Figura 5.6 - Relação entre a velocidade das ondas transversais e a velocidade das ondas
longitudinais para os provetes de granulometria fina da amostra seca. ................................ 67
Figura 5.7- Relação entre as velocidades das ondas transversais e velocidades das ondas
longitudinais para os provetes de granulometria fina da amostra saturada. .......................... 67
Figura 5.8- Relação entre o coeficiente de Poisson e o módulo de elasticidade dinámica
para os provetes de granulometria fina da amostra seca...................................................... 68
Figura 5.9 - Correlação entre a velocidade de propagação das ondas longitudinais e o
coeficiente de poisson para os provetes de granulometria fina da amostra saturada. .......... 69
Figura 5.10 - Correlação entra a velocidade de propagação das ondas longitudinais (Vp) e
módulo de elasticidade dinâmico (Ed) para os provetes de granulometria fina da amostra
saturada..................................................................................................................................69
Figura 5.11- Relação entra o módulo de elasticidade dinâmico e a porosidade aberta para os
provetes de granulometria grosseira da amostra saturada. .................................................. 69
Figura 5.12 - Relação entre a resistência à compressão uniaxial e a porosidade aberta da
amostra de granulometria grosseir.................................................................................................70

vii
VI. Índice de tabelas
Tabela 3.1 – Principais propriedades físicas e mecânicas do material rochoso intacto (Furrer,
2011) .................................................................................................................................... 20
Tabela 3.2 - Classificação da massa volúmica aparente (adaptado de IAEG (1979)) .......... 20
Tabela 3.3 - Classificação da porosidade (adaptado de IAEG (1979)) ................................. 21
Tabela 3.4 - Classificação dos valores dos Ultrassons para ondas longitudinais, por IAEG
(1979) ................................................................................................................................... 23
Tabela 3.5 - Classificação do material rochoso intacto, adaptado de Bieniawiski (1971) ...... 31
Tabela 3.6 - Classificação de Gamble (1971) para o índice de durabilidade do 2º ciclo ....... 32
Tabela 3.7 - Classificação de Aufmuth (1974), para o 1º ciclo .............................................. 32
Tabela 3.8 - Classificação das rochas tendo em atenção a resistência à compressão
uniaxial, adaptado de Valejo et al, (2002) ............................................................................. 33
Tabela 3.9 - Classificação do coeficiente de Poisson por Gercek (2007).............................. 37
Tabela 4.1 - Valores da massa volúmica aparente e da porosidade aberta das amostras de
granulometria grosseira. ....................................................................................................... 46
Tabela 4.2 - Valores da massa volúmica aparente e da porosidade aberta das amostras de
granulometria fina. ................................................................................................................ 46
Tabela 4.3 - Resultados médios da massa volúmica aparente e da porosidade aberta em
função da classificação das dimensões do grão da amostra ................................................ 46
Tabela 4. 4 - Especificações técnicas do Pundit Lab utilizado para medição das velocidades
das ondas P e S. .................................................................................................................. 47
Tabela 4.5 - Resultados de medição das velocidades das ondas longitudinais (Vp) das
amostras grosseiras saturadas e secas................................................................................ 49
Tabela 4.6 - Resultados de medição das velocidades das ondas longitudinais (Vp) das
amostras finas saturadas e secas. ....................................................................................... 49
Tabela 4.7 - Resultados de medição das velocidades das ondas transversais (Vs) das
amostras grosseiras saturadas e secas................................................................................ 51
Tabela 4.8 - Resultados de medição das velocidades das ondas transversais (Vs) das
amostras finas saturadas e secas. ....................................................................................... 51
Tabela 4.9 - Resumo dos resultados obtidos na medição das velocidades de propagação
das ondas de ultrassons. ...................................................................................................... 51
Tabela 4.10 - Resultados da dureza de Schmidt por granulometria e da estimativa da
resistencia a compressao uniaxial através do ábaco de Deere and Miller (1966). ................ 52
Tabela 4.11 - Dimensões dos provetes e respetivos calculos do Is(50) da primeira série de
provetes de granulometria fina. ............................................................................................ 54
Tabela 4.12 - Dimensões dos provetes e respetivos calculos do Is(50) da segunda série de
granulometria fina. ................................................................................................................ 54

viii
Tabela 4.13 - Valores médios de Is(50) das duas séries (S1 e S2) de provetes de
granulometria fina. ................................................................................................................ 54
Tabela 4.14 - Dimensões dos provetes e respetivos calculos do Is(50) da primeira série de
provetes de granulometria grosseira. ................................................................................... 54
Tabela 4.15 - Dimensões dos provetes e respetivos calculos do Is(50) da segunda série de
provetes de granulometria grosseira. ................................................................................... 55
Tabela 4.16 - Valores médios de Is(50) das duas séries (S2 e S2) de provetes de
granulometria grosseira. ....................................................................................................... 55
Tabela 4.17 - Síntese dos resultados do ensaio de carga pontual em função das séries. .... 55
Tabela 4.18 - Síntese dos resultados de carga pontual em função da granulometria. .......... 55
Tabela 4.19 - Resultados do ensaio de desgaste em meio húmido. ..................................... 56
Tabela 4.20 - Valores do índice de durabilidade do material rochoso por granulometria e por
ciclo. ..................................................................................................................................... 57
Tabela 4.21 - Resultados obtidos nos ensaios de resistência à compressão uniaxial para os
arenitos de granulometria grosseira. .................................................................................... 59
Tabela 4.22 - Resultados obtidos nos ensaios de resistência à compressão uniaxial para os
arenitos de granulometria grosseira. .................................................................................... 59
Tabela 4.23 - Resultados da determinação do Coeficiente de Poisson e do módulo de
elasticidade dinâmico das amostras de arenitos de granulometria fina seca. ....................... 60
Tabela 4.24 - Resultados da determinação do Coeficiente de Poisson e do módulo de
elasticidade dinâmico das amostras de arenitos de granulometria fina saturada. ................. 60
Tabela 4.25 - Resultados da determinação do Coeficiente de Poisson e do módulo de
elasticidade dinâmico das amostras de arenitos de granulometria grosseira saturada. ........ 60
Tabela 4.26 - Resultados da determinação do Coeficiente de Poisson e do módulo de
elasticidade dinâmico de arenitos de granulometria grosseira seca. .................................... 60
Tabela 4.27 - Resumo dos resultados obtidos na determinação do Coeficiente de Poisson e
do módulo de elasticidade dinâmico. .................................................................................... 61
Tabela 4.28 - Resultados do ensaio do módulo de elasticidade estática e do coeficiente de
Poisson estático. .................................................................................................................. 62
Tabela 4.29 - Valores da resistência à tração obtidos no ensaio Brasileiro. ......................... 63
Tabela 5.1 - Síntese dos resultados obtidos nos ensaios físicos e mecânicos efetuados com
amostras de arenitos de grão fino e grosseiro, e também em amostras secas e saturadas. 64
Tabela 5.2 - Resumo das correlações entre parâmetros estudados da amostra de
granulometria fina com os da granulometria grosseira nos estados seco e saturado. .......... 71
Tabela 5.3 - Resumo das correlações entre a resistência à compressão uniaxial e outros
parâmetros estudados. ......................................................................................................... 71

ix
1 – INTRODUÇÃO
A mecânica das rochas apresenta vários domínios de aplicação e estudo: o material rochoso
que constitui a principal estrutura (execução de túneis, galerias, poços, cavernas, taludes), o
material rochoso que corresponde ao suporte de outras estruturas (fundações de edifícios e
de barragens) e ainda as situações em que as rochas são utilizadas como material de
construção (agregados, esporões, pavimentos, enrocamentos) (Jaeger et al., 2008).

O desenvolvimento da mecânica das rochas está relacionado com a construção de obras de


engenharia superficiais e subterrâneas, bem como com a exploração de recursos minerais
(Rocha, 1981).
O estudo geomecânico do material rochoso permite o conhecimento e a previsão do
comportamento dos materiais rochosos. As características da resistência e de deformação
do material rochoso são condicionadas pela sua composição mineralógica, densidade,
estrutura e textura, porosidade, permeabilidade, alterabilidade e dureza. Estas
características são, por sua vez, o resultado das condições de génese e dos processos
geológicos e tectónicos a que foram submetidas as rochas (Vallejo et al,, 2002).
No campo da Engenharia Geológica e de Minas, bem como da Engenharia Civil, a
caracterização das propriedades físicas e mecânicas dos materiais rochosos é de crucial
importância, designadamente em projetos relacionados com a abertura de cavidades
(galerias, túneis e poços), barragens, estabilidade de taludes, estabilidade geotécnica de
estruturas e explorações mineiras (Brown,1999).
Algumas obras de engenharia apresentam problemas graves e/ou tempos de vida mais
curtos, devido à falta de conhecimento das propriedades físico-mecânicas dos materiais
rochosos empregues na sua construção ou utilizados como fundação dessas obras.
No presente trabalho pretende-se efetuar a caracterização físico–mecânica dos arenitos
localizados nas proximidades de Olho Marinho, Vila Nova de Poiares.
Neste estudo foram realizados vários ensaios laboratoriais: porosidade aberta, massa
volúmica, velocidade de propagação das ondas de ultrassons longitudinais e transversais,
resistência à carga pontual, resistência à compressão uniaxial, determinação do módulo de
elasticidade e desgaste em meio húmido. Procedeu-se, igualmente, à execução in situ do
ensaio de determinação de dureza com o martelo de Schmidt.

Importa salientar que os principais objetivos desta dissertação estão relacionados com o
estudo e caracterização do comportamento físico e mecânico de uma formação arenítica de
idade do Cretácico Superior, existente nas imediações do Olho Marinho (Vila Nova de

10
Poiares); pretendendo-se igualmente estabelecer correlações entre os resultados obtidos
nos ensaios e com outras propriedades do material rochoso.
Os resultados dos ensaios realizados neste estudo, a sua interpretação e a utilização da
informação bibliográfica, bem como as diversas correlações entre ensaios e propriedades,
permitiram efetuar a caraterização geomecânica do objeto de estudo e o estabelecimento de
conclusões.

1.1 - Organização do trabalho


De modo a tornar as informações contidas neste trabalho mais claras e percetíveis, a
presente dissertação foi dividida em seis capítulos:
Capítulo 1. Neste capítulo, mencionam-se os vários objetivos do presente trabalho, bem
como a metodologia utilizada para atingir esses fins.
Capítulo 2. Efetua-se o enquadramento da área de estudo: a localização geográfica e o
enquadramento geológico.
Capítulo 3. Procede-se a uma descrição dos ensaios de caracterização efetuados. São
descritos os procedimentos, as normas e as recomendações utilizadas para a realização dos
ensaios.
Capítulo 4. São apresentados os resultados obtidos nos ensaios de caracterização
realizados.
Capítulo 5. É efetuada a interpretação e a discussão dos resultados dos ensaios realizados.
Procede-se à comparação e avaliação dos vários resultados obtidos através dos ensaios de
caracterização e são discutidas as hipóteses de correlações entre si.
Capítulo 6. São apresentadas as conclusões e as considerações finais do trabalho.

11
2 - ENQUADRAMENTO GEOGRÁFICO E GEOLÓGICO

2.1 - Enquadramento Geográfico


A área de estudo localiza-se na região do Pinhal Interior Norte, no distrito de Coimbra, nas
proximidades da povoação do Olho Marinho (concelho de Vila Nova de Poiares) e na
confluência dos limites dos concelhos de Lousã, Góis e Vila Nova de Poiares (Figura 2.1). A
referida área está representada na folha 242 da Carta Militar de Portugal na escala 1/25000
(Serviços Cartográficos do Exército, 1982) e na folha 19D (Coimbra – Lousã) da Carta
Geológica de Portugal na escala 1/50000 (Instituto Nacional de Engenharia, Tecnologia e
Inovação - Departamento de Geologia, 2005).

O local de estudo situa-se a cerca de 30 km de Coimbra, sendo o trajeto até à área de


estudo ser efetuado pela Estrada Nacional 17 (EN 17), vulgarmente designada por Estrada
da Beira, e depois dirigindo-nos para Góis através da estrada N2. O local de recolha das
amostras localiza-se aproximadamente a 2 km a sudeste da povoação de Olho Marinho.

Figura 2.1 - A) Mapa de Portugal continental; B) Localização da área de estudo a partir do Google Earth (2014).

2.2 - Enquadramento geológico


A área de estudo situa-se na depressão da Lousã, localizando-se esta na parte norte do
planalto central da Península Ibérica. Verifica-se a presença de unidades de origem detrítica
e de idade cretácica ou terciária, no maciço Hespérico, que se encontram em depressões
tectónicas de dimensões relativamente reduzidas ou constituindo a cobertura de plataformas
de aplanação (Almeida et al., 2000). A depressão da Lousã possui uma origem relacionada

12
com a deposição de leque aluvial (Cunha, 2000) e apresenta várias unidades litológicas,
muitas vezes limitadas por superfícies de descontinuidades de dimensão regional (Soares et
al. 2007).
O local de estudo encontra-se situado num graben que é limitado pelos falhamentos Porto-
Tomar e Lousã-Góis, estas estruturas correspondem a fraturas de extensão muito
considerável e definem o contacto dos sedimentos da depressão com o Complexo
Cristalofílico (Série Negra) e com o Complexo Xisto-Grauváquico (Grupo das Beiras) (Figura
2.2). A falha Lousã-Góis, delimita a bacia da Lousã, e é parte constituinte da falha da
Nazaré. A sul da depressão, localiza-se a serra da Lousã, que é constituída, de modo geral
por xistos e metagrauvaques ante-ordovícicos, pertencentes ao Grupos das Beiras e
apresentando um grau de metamorfismo baixo de fácies dos xistos verdes (Sequeira &
Sousa, 1991; Soares et al., 2007).
Os materiais presentes na bacia da Lousã têm uma espessura máxima de 440 m e na sua
parte inferior correspondem ao denominado “Grupo do Buçaco” que assenta de modo
discordante sobre o Grupo das Beiras e os quartzitos de idade ordovícica, sendo ainda de
referir que na parte meridional da depressão as formações gresosas do Triásico e rochas
carbonatadas do Jurássico inferior correspondem ao substrato (Trincão et al., 1989).
Os quartzitos do Ordovícico nas proximidades da área de estudo correspondem à Formação
de quartzito armoricano que se enquadra no Ordovício inferior (Arenigiano) e são parte
integrante do sinclinal do Buçaco, este possui um eixo de direção NW-SE que é intersectado
pelo rio Mondego (Figura 2.2). No flanco oriental do sinclinal, a presença de duas famílias de
fracturas tardi-hercínicas permite de modo determinante a percolação subterrânea (Vieira da
Silva et al., 2000). Os quartzitos apresentam intercalações de metapelitos, constituindo
sequência detríticas, e evidenciam-se na paisagem sob a forma de cristas salientes na
paisagem.

13
Figura 2.2 - Carta geológica simplificada da área entre Coimbra e Lousã, retirado de Rola (2014) a partir de Oliveira et al.
(1992).

Os materiais do “Grupo do Buçaco” correspondem a materiais siliciclásticos,


designadamente arcosarenitos e quartzarenitos, com uma origem predominantemente
granítica. De acordo com Reis & Cunha (1989) compreende três unidades litostratigráficas,
desde a mais antiga até à mais recente:

Formação de Lomba do Alveite, que evidencia uma fácies de cone aluvial na base e de
rede fluvial na parte superior; Formação de Choisa (Arenitos de Choisa), de fácies fluviais e
níveis carbonosos e a Formação de Picadouro (Conglomerados de Picadouro), que
apresenta fácies grosseiras, verificando-se a transição de um modelo fluvial (na base) para
um modelo de cone aluvial (no teto).
A Formação de Lomba do Alveite (C1-2), de idade do Aptimiano (?) – Cenomaniano, tem
aproximadamente uma espessura máxima de 80 m, é composta essencialmente por
arcosarenitos de grão grosseiro, imaturos, e de cor esbranquiçada a rosada, por vezes
violácea, apresentando estruturas entrecruzadas côncavas. Na base ocorrem
conglomerados geralmente oligomíticos em quartzo e quartzito. No topo apresenta materiais
rochosos de granulometria mais fina, em que se verifica a presença de intercalações
pelíticas de coloração acinzentada e com vegetais fósseis.
O desenvolvimento de investigações com palinomorfos de um nível em Papanata, na parte
inferior da unidade, permitiram definir uma idade correspondente ao Albiniano Médio
(Trincão et al., 1989), enquanto na parte superior, e em Vila Flor, definiu-se uma idade do
Cenomaniano Superior (Kedves & Diniz, 1979). A Formação de Lomba do Alveite apresenta
fácies siliciclásticas e é correspondente à Formação da Figueira da Foz.

14
Na Formação da Lomba de Alveite são desenvolvidas duas explorações de recursos
geológicos (areias e argilas), sendo que uma delas se situa no Vale do Arinto (Godinhela) e
a outra localiza-se no Olho Marinho.
As Formações de Choisa e de Picadouro (C2PC) não aparecem de forma individualizada na
folha 19D (Coimbra – Lousã) da Carta Geológica de Portugal na escala 1/50000 (Instituto
Nacional de Engenharia, Tecnologia e Inovação - Departamento de Geologia, 2005), como
se pode observar na Figura 2.3.
A Formação de Choisa pertencente ao Coniaciano – Santoniano, tem uma espessura
compreendida entre 10 a 20 m. A formação é composta essencialmente por arcosarenitos
tabulares de granulometria grosseira a fina, apresentando camadas pelíticas contendo
vegetais fósseis (Figura 2.4). Os arenitos são geralmente laminados, apesar das
granulometrias mais grosseiras serem maciças ou com estratificação entrecruzada. A
transição para as unidades enquadrantes é efetuada de modo gradual e com uma
diminuição acentuada da presença de micas.
A Formação de Picadouro tem uma espessura máxima na serra do Bidoeiro com
aproximadamente 130 m nas proximidades da crista quartzítica. Em áreas mais afastadas
da referida crista, a sua espessura não é superior a 30 m. A Formação de Picadouro é
essencialmente constituída por quartzarenitos grosseiros, imaturos e em que estão
presentes, de modo abundante, seixos e calhaus de quartzo e quartzito. Verifica-se a
presença de estratificação entrecruzada, o que está relacionado com a sedimentação de
origem fluvial (Figura 2.4). Nos materiais sobrepostos à crista quartzítica do Ordovícico
ocorre uma forte cimentação siliciosa, bem como a presença de macrorrestos vegetais
fósseis que permitem a definir a pertença ao Cretácico Superior (Lima, 1900; Teixeira &
Pais, 1976).

15
Figura 2.3 - Enquadramento geológico da área de estudo e respetiva legenda, extrato da folha 19D (Coimbra – Lousã) da Carta
Geológica de Portugal na escala 1/50000 (Instituto Nacional de Engenharia, Tecnologia e Inovação - Departamento de
Geologia, 2005).

16
Figura 2.4 - Sequência deposicional de idade cretácica (Grés Buçaco), extrato da folha 19D (Coimbra – Lousã) da Carta
Geológica de Portugal na escala 1/50000 (Instituto Nacional de Engenharia, Tecnologia e Inovação - Departamento de
Geologia, 2005).

Os Arenitos estudados, são de idade do Cretácico Superior e enquadram-se na Formação


de Picadouro (C2PC), do Coniaciano – Santoniano, pertencendo ao Grupo de Buçaco descrito
anteriormente.
Foram observados no local de estudo predominantemente arenitos e também
conglomerados, neste último caso a granulometria de mais de 50% dos grãos é igual ou
superior a 2 mm, sendo mais rara a presença de materiais pelíticos. Os materiais rochosos
apresentam uma coloração rosada e são ricos em quartzo e em seixos e calhaus de
quartzito. Os grãos constituintes de quartzo podem ser hialinos, podendo também ter
tonalidades brancas, avermelhadas e escuras, as suas dimensões variam entre 0,125 mm e
0,25 mm (granulometria fina), e entre 0,25 mm a mais de 2 mm (granulometria grosseira).
Nos arenitos de granulometria fina que foram observados não se verificou a existência de
matriz, registando-se a presença de cimentação siliciosa. Geralmente, predomina nas
rochas de granulometria grosseira uma matriz feldspática com cimentação de sílica e textura
granular.

Figura 2.5 - A) Aspeto geral da área de estudo. B) amostras do material rochoso.

17
O local de recolha das amostras situa-se numa pequena pedreira abandonada, localizada
num terreno aplanado a uma cota média de 350m. O desenvolvimento da pedreira é feito
através de uma única frente de desmonte, com um degrau de cerca de 6m.

18
3. CARACTERIZAÇÃO DE ENSAIOS LABORATORIAIS

A caracterização física e mecânica dos maciços rochosos é efetuada através de ensaios in-
situ, mas também pode ser realizada de uma forma indireta, recorrendo, nesse caso, aos
ensaios em laboratório com o material rochoso e também nas superfícies de
descontinuidades (Miranda et al., 2006).
A composição, as características e as propriedades das rochas intactas são muito variáveis.
Como resultado disso, esses materiais naturais, apresentam muitas vezes características
anisotrópicas e heterogéneas, que dificultam o estudo do seu comportamento em
laboratório, sendo igualmente difícil a obtenção de amostras representativas a várias
escalas.
Os materiais rochosos são igualmente afetados por processos geológicos e ambientais que
provocam a sua fracturação, alteração e meteorização (Ferrer, 2011).
Os ensaios de laboratório podem ser realizados sobre amostras colhidas no local ou em
provetes obtidos a partir de testemunhos de sondagem.
A desvantagem dos ensaios laboratoriais de material rochoso está relacionada com a sua
limitação em termos de dimensão (amostras muito pequenas) e com a seleção da massa
rochosa de onde elas foram retiradas.
Nos projetos de engenharia, as amostras ensaiadas em laboratório correspondem apenas
uma pequena parte (inferior a 1%) do volume do maciço rochoso. Somente as amostras que
sobrevivem ao processo de recolha e preparação são ensaiadas, pelo que os resultados
destes testes constituem uma amostra limitada (Hoek, 1993).
Os ensaios físicos, não só permitem determinar as propriedades dos materiais rochosos
mas também possibilitam estabelecer correlações das características mecânicas, muitas
vezes através da utilização de equipamentos simples e de baixo custo (Dusseault et al.,
1983). Os ensaios físicos permitem definir as propriedades básicas relacionadas com as
características primárias da rocha e que influenciam diretamente as restantes características
(Oliveira, 1993).
As principais propriedades índice são: massa volúmica, porosidade, alterabilidade,
resistência, permeabilidade e velocidade de propagação dos ultrassons.
Os ensaios mecânicos das rochas possibilitam o estudo das propriedades e o
comportamento dos maciços rochosos submetidos a tensões ou variações das suas
condições iniciais. Entre as principais propriedades mecânicas das rochas destacam-se: a
resistência à compressão uniaxial, a resistência à tração e a deformabilidade (Ferrer, 2011).

19
As características e o comportamento mecânico das rochas dependem de fatores tais como
a composição mineralógica, textura, temperatura e presença de água.
Na Tabela 3.1, estão indicadas as principais propriedades físicas e mecânicas das rochas
intactas, bem como os respetivos métodos de determinação.

Tabela 3.1 - Principais propriedades físicas e mecânicas do material rochoso intacto (Ferrer, 2011).

Propriedades Método de determinação


Composição mineralógica Descrição visual
Textura e estrutura Microscópios óticos e eletrónicos
Tamanho dos grãos Difração de raio X
Cor
Porosidade
Propriedades físicas Peso específico Técnicas laboratoriais
Massa volúmica
Teor em água
Permeabilidade Ensaio de permeabilidade
Durabilidade Ensaio de alterabilidade
Alterabilidade
Ensaio de compressão uniaxial
Resistência à compressão uniaxial Ensaio de carga pontual
Martelo de Schmidt
Resistência à tração Ensaio de tensão direta
Propriedades Mecânicas Ensaio de tensão indireta
Velocidade de ondas sónicas Medição laboratorial da velocidade de ondas elásticas
Força de tração Ensaio de compressão triaxial
Deformabilidade Ensaio de compressão uniaxial
(Módulo de deformação elástica, estática e dinâmica) Ensaios da velocidade de ondas sónicas

3.1 - Ensaio de determinação da massa volúmica aparente e da


porosidade aberta
A massa volúmica e a porosidade, correspondem a propriedades índice e condicionam as
características mecânicas das rochas. Uma menor porosidade e um aumento da massa
volúmica do material rochoso correspondem, de modo geral, a uma maior resistência e a
uma menor deformabilidade.
A massa volúmica aparente de uma dada rocha, é o quociente entre a massa do provete
seco e o seu volume aparente (volume limitado pela superfície externa do provete, incluindo
os vazios), os seus valores estão diretamente relacionados com o tipo litológico que constitui
o material rochoso. A massa volúmica dos arenitos varia de 23 a 26 kN/m3 (Ferrer, 2011).
De acordo com a IAEG (1979), a massa volúmica pode ser classificada de acordo com os
valores apresentados na Tabela 3.2.

Tabela 3.2 - Classificação da massa volúmica aparente (adaptado de IAEG (1979)).


3
Classe Massa volúmica aparente (kg/m ) Descrição
1 < 1835 Muito baixa
2 1835 - 2243 Baixa
3 2243 - 2599 Média
4 2599 - 2803 Elevada
5 > 2803 Muito elevada

A porosidade aberta corresponde ao quociente, em termos percentuais, entre o volume dos


poros abertos e o volume aparente de um dado provete.
Para Berg (1986) com o incremento dos teores de sílica, a porosidade tende a reduzir-se.

20
Os valores da porosidade dos arenitos estão compreendidos entre 5% e 25% (Rocha, 1981).
Os valores da porosidade são classificados de acordo com a IAEG (1979) tendo em atenção
o exposto na Tabela 3.3.
Tabela 3.3 - Classificação da porosidade ( adaptado de IAEG (1979)).

Classe Porosidade (%) Descrição


1 > 30 Muito baixa
2 15 - 30 Elevada
3 5,0 - 15 Média
4 1,0 - 5,0 Baixa
5 <1 Muito baixa

A massa volúmica aparente é um parâmetro do material rochoso que está relacionado com
a porosidade aberta e a absorção de água. A norma portuguesa NP EN 1936 (IPQ, 2008)
regula a determinação da massa volúmica aparente e da porosidade aberta, e preconiza a
definição simultânea destas duas características físicas.
O ensaio requer no mínimo 6 provetes obtidos a partir de uma amostragem representativa
do material a ensaiar. Os provetes podem ser cubos, cilindros ou prismas obtidos por
serragem diamantada, ou por carotagem, o seu volume aparente deve ser superior ou igual
a 60 ml. Os provetes dos ensaios de determinação da resistência à compressão ou à flexão
podem ser empregues, desde que a relação área/volume esteja compreendida entre 0,08
mm-1 e 0,20 mm-1.

3.1.1.Procedimento

Após a secagem até à temperatura de (70 ± 5) ºC, os provetes são pesados e são
colocados no recipiente de vácuo, procedendo-se à diminuição gradual da pressão até que
esta atinja os (2 ± 0,7) kPa, este valor é mantido durante um mínimo de 2 horas, no sentido
de eliminar o ar existente nos poros abertos dos provetes. Mantendo o vácuo, introduz-se
água destilada até à completa submersão dos provetes. Os provetes continuam imersos
durante mais um período de 24 horas, mas à pressão atmosférica normal, posteriormente
determina-se o seu peso imerso, recorrendo a uma balança hidrostática. O peso saturado de
cada provete é, igualmente, determinado após remoção da água superficial com um pano
húmido.
A massa volúmica aparente (pb) pode ser expressa em kg/m3 e é determinada a partir da
expressão 1:

𝑚𝑑
𝜌𝑏 = 𝑚 × 𝜌𝑟ℎ (kg/m3) (1)
𝑠 − 𝑚ℎ

Onde:
𝑚𝑑 é a massa do provete seco (g);

21
𝑚𝑠 é a massa do provete saturado (g);
𝑚ℎ é a massa do provete imerso (g);
𝜌𝑟ℎ é a massa volúmica da água (kg/m3; para efeitos de cálculos)
A norma portuguesa EN 1936 (IPQ, 2008) estipula que para 20 ºC, o valor de 𝜌𝑟ℎ é de 998
kg/m3.

O volume de poros abertos (em mililitros), que é utilizado na determinação da porosidade


aberta, é definido a partir da expressão 2:
𝑚𝑠 − 𝑚𝑑
𝑉𝑂 = 𝜌𝑟ℎ
× 1000(ml) (2)

A porosidade aberta (Po) é determinada pela expressão 3:


𝑚 −𝑚
𝑃𝑜 = 𝑚𝑠 − 𝑚𝑑 × 100 (3)
𝑠 ℎ

Quer a massa volúmica, quer a porosidade aberta são definidas através da média aritmética
dos resultados obtidos com os vários provetes utilizados.

3.2. Ensaio de velocidade de propagação de ultrassons

Os Ultrassons correspondem a ondas mecânicas que têm uma frequência superior a 20 000
Hz. Nos ensaios de determinação de propagação dos ultrassons, as ondas longitudinais e
transversais atravessam a rocha que se pode apresentar seca ou saturada em água. As
ondas são emitidas a determinadas velocidades (m/s) por um transdutor e registadas por um
transdutor recetor.
Para Chong & Low (1983), a velocidade dos ultrassons nos arenitos varia entre 2550 e 4230
m/s.
A velocidade de propagação das ondas elásticas através das rochas depende da densidade
e das propriedades elásticas, bem como da fissuração do material, a sua determinação
fornece informações sobre algumas características, como a porosidade.
As velocidades de propagação das ondas sónicas são usadas para descobrir a existência de
superfícies nas descontinuidades no material rochoso e proceder à sua quantificação
(Rocha, 1981).
A velocidade das ondas longitudinais é utilizada como índice de classificação e seu valor é
indicativo da qualidade da rocha, podendo ser correlacionada com a resistência à
compressão simples. A velocidade das ondas longitudinais apresenta, de modo geral, uma
variação de valores entre 1000 e 6000 m/s. Para rochas alteradas podem obter-se valores
abaixo de 900 m/s, e se a rocha se encontrar muito decomposta, estes valores podem
situar-se entre 700 – 800 m/s (Valejo et al., 2002).

22
Nestes ensaios procede-se à medição do tempo que as ondas longitudinais demoram a
percorrer o provete. De igual forma registam-se os tempos de chegada das ondas
transversais. As velocidades correspondentes a VP (velocidades de ondas longitudinais) e as
velocidades Vs (velocidades de ondas de cizalhamento/ transversais), são calculadas a partir
dos tempos de chegada e da extensão dos provetes. A velocidade das ondas de corte (vs) é
aproximadamente 2/3 da velocidade das ondas longitudinais (Vp).
A velocidade de propagação das ondas longitudinais e transversais calcula-se pela
expressão 4:
V = L/t (m/s) (4)
Onde:
L é o comprimento do provete;
t é o tempo que as ondas longitudinais e transversais demoram a percorrer o provete.

Pode existir uma atenuação nas velocidades das ondas elásticas devido às
descontinuidades presentes no provete, porosidade, dimensões dos grãos e meios gasosos
(Pinto,1985).
O ensaio possui algumas vantagens como: não é destrutivo, é muito sensível à anisotropia
da material testado; sendo igualmente de aplicação fácil e expedita (Velho & Gomes, 1997).
Alguns fatores que podem influenciar negativamente os resultados deste tipo de ensaio são:
problemas na calibração do tempo antes do ensaio, erros na medição do comprimento da
amostra, dificuldade nos contactos entre os transdutores e a amostra, falta de paralelismo
entre as extremidades da amostra, erros na medição do tempo de propagação (Akai,1997).

Na Tabela 3.4 é apresentada a classificação dos valores dos ultrassons para ondas
longitudinais, por IAEG (1979).

Tabela 3.4 - Classificação dos valores dos Ultrassons para ondas longitudinais, por IAEG (1979).

Velocidade dos ultrassons Descrição (m/s)


Muito baixa < 2500
Baixa 2500 - 3500
Média 3500 - 4000
Elevada 4000 - 4500
Muito elevada > 4500

Os provetes utilizados podem ser cilíndricos ou blocos retangulares, é recomendado que a


sua extensão seja pelo menos 10 vezes o comprimento da onda (ISRM, 1981).
A velocidade padrão das ondas longitudinais nos materiais rochosos (V*p) é determinada
pela expressão 5:

23
1 𝐶𝑖
= ∑𝑖 (5)
𝑉𝑝∗ 𝑉𝑝,𝑖

Onde 𝐶𝑖 é a percentagem em termos de volume do constituinte mineral (i) do material


rochoso e Vp,i a velocidade respetiva das ondas longitudinais no mineral (i).
A qualidade do material rochoso, tendo em atenção o seu estado de alteração e fraturação,
pode ser avaliada pelo índice de qualidade de rocha que é definido na expressão 6:
𝑉𝑝
IQ= 𝑉 ∗ × 100% (6)
𝑝

O gráfico da Figura 3.1 representa a classificação proposta por Formaintraux (1976) que
permite avaliar a qualidade da rocha, em termos da fissuração, em função do índice de
qualidade (IQ), este é determinado pela expressão 7.
IQ = 100 –1,6 x np . (7)
Em que np corresponde à porosidade do material rochoso (valor percentual do quociente
entre o volume de vazios da rocha e o seu volume total).

Figura 3.1 - Gráfico relativo à classificação da qualidade dos materiais rochosos em função do seu estado de fissuração
(Formaintraux, 1976).

Segundo a EN 14579 (IPQ, 2007) podem ser usados provetes preparados para ensaios
destrutivos posteriores, como é o caso do ensaio da determinação da resistência à
compressão uniaxial. As dimensões laterais mínimas dependem do comprimento de onda da
transmissão e da velocidade do impulso. A extensão mínima do trajeto deve ser igual ou
maior ao comprimento de onda da transmissão, caso contrário poderá verificar-se uma
redução significativa da velocidade do impulso.

A velocidade de propagação dos ultrassons pode ser determinada pelo equipamento


PUNDIT - Portable Ultrasonic Non-Destructive Digital Indicating Tester (Lab, 2011).
Nas medições básicas com o Pundit Lab não existe a necessidade de reposicionamento dos
transdutores. Pode proceder-se à medição de parâmetros como: velocidade do impulso,

24
extensão do trajeto, avaliação da uniformidade, velocidade da superfície, velocidade das
ondas P e S, profundidade das fissuras. Permite igualmente estimar-se o módulo de
elasticidade dinâmico de uma dada amostra, o coeficiente de Poisson e a resistência à
compressão.
O equipamento Pundit Lab é composto por uma unidade funcional, um transdutor emissor,
um transdutor recetor e um dispositivo de visualização, como ilustra a Figura 3.3.
O transdutor é um dispositivo eletrónico que converte a energia elétrica em energia
mecânica, por meio de impulsos eletrónicos de alta voltagem, que posteriormente são
transformados em energia de frequência ultrassónica. O transdutor emissor emite e
direciona a energia sonora que se vai propagando em forma de ondas ao longo do provete.
Com o Pundit Lab utilizado no trabalho de laboratório foram utilizados dois pares de
transdutores, de 54 kHz, para medição de propagação das ondas P e 250 kHz para medição
de propagação das ondas S.
O transdutor recetor, capta as ondas e efetua a sua conversão novamente em sinal elétrico,
cuja amplitude e frequência são visíveis no dispositivo de visualização (Velho & Gomes,
1997).

Figura 3.3 - Representação esquemática do ensaio com o equipamento Pundit Lab conectado ao computador, de modo a
visualizar a onda através do software Pundit Link (Lab, 2011).

Normalmente são usadas três disposições dos transdutores: direto, semidirecto e indireto ou
superficial (Figura 3.4).

Figura 3.4 – Disposições de conexão dos transdutores (Lab, 2011).

Sempre que possível deve utilizar-se a disposição direta, já que assegura a transmissão
máxima do sinal entre os transdutores. O método indireto é particularmente útil na

25
determinação da profundidade das fissuras ou nas situações onde é possível aceder apenas
a uma superfície.
Dever ter-se em atenção que se forem usados cabos de diferentes tamanhos, deve ser o
mais longo a ser conectado ao transmissor (Lab, 2011).
Um correto acoplamento entre as faces dos transdutores e da amostra é essencial para se
obter uma melhoria da transmissão de energia e um incremento do sinal ultrassónico e
consequentemente melhores resultados. O material acoplante que se pode colocar entre os
transdutores e a amostra incrementa a energia sonora e o respetivo sinal os ultrassons,
pode ser utilizado um material de alta viscosidade como a glicerina, vaselina ou uma pasta
viscosa.
O Pundit Lab permite a determinação da velocidade das ondas P e S. Para as ondas
transversais (S) recorreu-se aos transdutores de 250 kHz. O equipamento Pundit Lab
permite igualmente a definição dos valores do coeficiente de Poisson dinâmico (νd), e do
módulo de elasticidade dinâmico (Ed), sendo necessário introduzir os valores da massa
volúmica dos provetes no software de modo a obter diretamente os valores dos parâmetros
elásticos da rocha.

3.3 - Ensaio com o esclerómetro ou martelo de Schmidt

Os ensaios com o Esclerómetro (Martelo) de Schmidt podem ser realizados tanto ‘‘in situ’’
como no laboratório.
Os ensaios de determinação da dureza das rochas através da utilização do Martelo de
Schmidt correspondem a ensaios não destrutivos, nos quais as amostras não devem sofrer
roturas ou fissuras.
Neste tipo de ensaios determinando-se o ressalto de uma haste de aço quando o martelo é
percutido contra uma dada superfície, obtendo-se deste modo a dureza de Schmidt (R).
Corresponde a um teste índice muito expedito e simples, podendo o equipamento
transportar-se facilmente para o campo (Andrade, 2004).
Um das suas principais limitações é a sua falta de sensibilidade em rochas muito brandas
e/ou quando realizado próximo das superfícies de descontinuidades (Brown, 1981).
Os valores da dureza de Schmidt (R) permitem definir a resistência à compressão simples
do material rochoso através da utilização do ábaco de Deere & Miller (1966) (Figura 3.5).
Outras aplicações têm sido utilizadas como a relação entre os valores da dureza de Schmidt
e o grau de alteração (White et al.,1998), bem como o espaçamento das descontinuidades
(Greco & Sorriso-Valvo 2005) e a resistência à abrasão das rochas.

26
Figura 3.5 - Estimativa da resistência à compressão uniaxial através da dureza de Schmidt (Deere & Miller, 1966).

3.3.1 – Procedimento de utilização

As amostras a ensaiar devem ser intactas, sem fraturas e representativas do material


rochoso a ser caracterizado. Tanto a superfície do material a ensaiar como a ponta da haste
de aço do martelo de Schmidt, devem ser limpas e livres de poeiras ou de outras partículas.
Deve ser utilizado a peça de material abrasivo, localizada na tampa da embalagem do
martelo, de modo a diminuir a rugosidade da superfície do material rochoso a ensaiar, o que
permite um melhor contacto entre a ponteira do martelo e o maciço.
A direção do impacto do martelo de Schmidt dever ser, sempre que possível, perpendicular
à superfície do material a ensaiar, de modo a evitar o risco de escorregamento da ponteira
de aço do martelo e evitar uma transferência parcial da energia da haste do martelo para a
superfície da rocha a ensaiar.
Nos ensaios efetuados utilizou-se o Martelo de Schmidt do tipo L, onde a energia de impacto
é de 0,735 N.m. Quando o ensaio é feito sobre provetes cilíndricos, estes devem ter um
diâmetro não inferior a 54,7 mm, para os ensaios com o Martelo de Schmidt do tipo L e não
27
inferior a 84 mm para o Martelo do tipo N, onde a energia de impacto é de 2,207 N.m.
Os ensaios foram realizados tendo em atenção as recomendações da ISRM (1978), no
presente trabalho foram efetuadas 20 medições por cada ensaio, destas só se consideraram
as 10 medições mais elevadas, efetuando-se posteriormente a média destes valores.

Figura 3.6 – Representação esquemática do Esclerómetro de Schmidt - Tipo L (Malhotra, 1984). Os seus principais
componentes do martelo de Schmidt apresentado são: Êmbolo de impacto (1); Superfície do material a testar (2); Cursor para
leitura (3); Barra guia do martelo (4); Mola de compressão (5); Massa do martelo (6); Mola de retenção (7); Mola para impacto
(8); Leitura é efetuada numa escala linear de 10 a 100 (9).

3.4 - Ensaio de carga pontual (“Point load test”)


O ensaio de carga pontual permite a determinação indireta da resistência à compressão
uniaxial. Neste ensaio, uma amostra de material rochoso é colocada entre duas ponteiras
metálicas do equipamento da carga pontual (Figura 3.7). A força (P), para a qual a amostra
atinge a rotura, é obtida a partir da força de pico lida no equipamento do ensaio de carga
pontual (Brown, 1999).
Nos processos de rotura regista-se o desenvolvimento de fissuras de tração paralelas ao
eixo da carga (Franklin, 1985).

Figura 3.7 – Ensaio de resistência à carga pontual, adaptado de Franklin (1985).

Como padrão, o índice de carga pontual é definido para o ensaio realizado sobre provetes
cilíndricos de rocha com diâmetro (D) igual a 50 mm, em que a aplicação da carga P é
efetuada na direção diametral, procedendo-se ao cálculo pela expressão 8:
𝑃
ls = 𝐷2 (8)

Onde:
ls(50) é o índice de resistência à carga pontual;

28
Quando o ensaio é realizado sobre provetes cilíndricos com outros diâmetros, a relação P/D2
deve ser multiplicada por um facto corretivo (F) por forma a conseguir se o índice de
resistência à carga pontual corrigido para um diâmetro de 50 mm (ls(50)), ver expressão 9.
𝑃 𝐷 0,45
ls(50) = F𝐷2 F= (50) (9)

Neste ensaio, os provetes cilíndricos podem ser comprimidos diametralmente, mas também
axialmente, é possível utilizar provetes com outras formas, regulares ou irregulares, desde
que obedeçam aos critérios indicados na Figura 3.8. Para isso, é necessário definir-se um
diâmetro equivalente (De) correspondente a uma secção circular com área igual à da secção
transversal do provete ensaiado (expressões 10 a 12).

Figura 3.8 - Relação de dimensões dos provetes a utilizar nos ensaios de carga pontual (Franklin, 1985).

𝜋 4 𝑊𝐷 𝐷𝑒 0,45
𝐴 = 𝑤𝐷 = 4
𝐷𝑒2 (10) De = √ 𝜋
(11) F= ( 50 ) (12)

Geralmente, em rochas isotrópicas, são necessários 10 ensaios válidos por cada


tipo/qualidade de rocha que se pretende caracterizar, mas quando a dispersão dos
resultados for pequena, pode usar-se um número inferior.

29
Devem ser considerados válidos somente os resultados dos ensaios nos quais a superfície
de rotura contém os pontos de aplicação da carga (Figura 3.9).
No cálculo do valor representativo da resistência à carga pontual com 10 ensaios, é usual
eliminarem-se os dois resultados mais elevados e os dois mais baixos, determinando-se de
seguida a média dos restantes 6 valores.
É usual efetuar a correlação entre o resultado final obtido com o valor da resistência à
compressão simples (Rc) por meio da relação linear apresentada na expressão 13.

Rc = 𝛼ls(50) (13)

Os valores mais frequentes de 𝛼 estão compreendidos entre 20 e 25.

Figura 3.9 - Fraturas válidas e não válidas nos ensaios de carga pontual (Franklin, 1985).

Em rochas anisotrópicas, o parâmetro que relaciona a resistência à compressão simples


com o índice de resistência à carga pontual tem uma variabilidade maior do que nas rochas
isotrópicas, devendo neste caso, quando o estudo o justifique, realizar alguns ensaios de
resistência à compressão uniaxial por forma a estabelecer correlações mais confiáveis com
os valores obtidos nos ensaios de carga pontual (Franklin, 1985).

Na Tabela 3.5 é apresentada a classificação do material rochoso intacto de acordo com os


valores da resistência à carga pontual, adaptado de Bieniawski (1971).

30
Tabela 3. 5 - Classificação do material rochoso intacto, adaptado de Bieniawiski (1971).

Resistência à Descrição Resistência à Carga pontual


Compressão (Mpa) Is50 (MPa)
0,0 - 1,0 Extremamente branda -
1,0 - 5,0 Muito branda -
5,0 - 25,0 Branda < 1,0
25,0 - 50,0 Moderada 1,0 -2,0
50,0 - 100,0 Elevada 2,0 - 4,0
100,0 - 250,0 Muito elevada 4 ,0 - 10,0
> 250,0 Extremamente elevada > 10,0

Nem sempre existe uma boa corelação entre o índice de resistência à carga pontual (Is(50)) e
a resistência à compressão uniaxial (Rc) pois para o mesmo tipo de rochas podem existir
variações, por vezes, em volumes rochosos adjacentes (Hawkins & Oliver,1986).

3.5 - Ensaio de desgaste em meio húmido, ‘‘Slake durability test’’


A durabilidade de um material rochoso está relacionada com a resistência aos processos de
desintegração e desagregação quando o material é submetido a dois ciclos de secagem e
molhagem, no decorrer de um determinado período de tempo.
O ensaio de desgaste em meio húmido “slake durability test”, consiste em sujeitar o material
rochoso previamente selecionado a processos de molhagem-secagem e ação mecânica.
Esses processos (molhagem - secagem, e ação mecânica) ocorrem dentro de malhas
metálicas cilíndricas nas quais as amostras são colocadas. Os cilindros metálicos contendo
as amostras, são parcialmente imersos na água, e giram em torno de um eixo horizontal. A
ação da água e o choque entre as amostras e com a superfície dos cilindros, favorecem a
sua desagregação e alteração. A secagem dos fragmentos é feita por meio de estufas.
Este ensaio, é de simples execução e não necessita de grandes quantidades de material.
Os ensaios foram realizados de acordo com as recomendações da ISRM (1979). Para a
realização do ensaio deve proceder-se à seleção de uma amostra representativa composta
por 10 porções de rocha a ensaiar, tendo o conjunto uma massa compreendida entre 450 –
550 g.
O equipamento é constituído por dois tambores cilíndricos com uma malha metálica de 2
mm de abertura. Os tambores são colocados num recipiente com água, esta deve localizar-
se a um nível de 20 mm abaixo dos eixos do tambor.
Um motor que produz a rotação do tambor a uma velocidade de 20 rpm. A velocidade deve
ser mantida constante num período de 10 minutos. Deve utilizar-se, para a secagem dos
provetes antes e posteriormente aos vários ciclos, uma estufa capacitada para manter uma
temperatura de 105 ºC durante um período não inferior a 12 horas, e finalmente uma
balança para a pesagem do tambor + amostra com uma precisão de 0,5 g.

31
No ensaio de desgaste em meio húmido, obtém-se um índice quantitativo (Morgenstern &
Eigenbrod, 1974). O Índice de durabilidade (ld) está relacionado com a percentagem da
massa do material rochoso seco que permanece nos tambores de rede metálica após 1 ou 2
ciclos completos, de acordo com a expressão (14):

𝑃𝑒𝑠𝑜 𝑠𝑒𝑐𝑜 𝑑𝑒𝑝𝑜𝑖𝑠 𝑑𝑒 𝑢𝑚 𝑜𝑢 𝑑𝑜𝑖𝑠 𝑐𝑖𝑐𝑙𝑜𝑠


Id (%) = × 100 (14)
𝑝𝑒𝑠𝑜 𝑖𝑛𝑖𝑐𝑖𝑎𝑙 𝑑𝑎 𝑎𝑚𝑜𝑠𝑡𝑟𝑎

O índice de durabilidade (Id) é expresso em valores percentuais e pode variar entre 0 –


100%.
Nas Tabelas 3.6 e 3.7 está representada a classificação da durabilidade baseada,
respetivamente, no índice de durabilidade do 2º ciclo e na percentagem de material perdido
no final do 1º ciclo.
Tabela 3.6 - Classificação de Gamble (1971) para o índice de durabilidade do 2ᴼ ciclo.

Índice de Durabilidade Classificação


(%)
0 - 30 Muito baixo
30 - 60 Baixo
60 - 85 Médio
85 - 95 Médio alto
95 - 98 Alto
98 - 100 Muito alto

Tabela 3.7 - Classificação de Aufmuth (1974), para o desgaste do material no primeiro ciclo.

Categoria Descrição
A Alta durabilidade ( menos de 1% do material perdido)
B Durabilidade média (menos de 3,5% mais de 1% do material perdido)
Categoria Baixa durabilidade ( mais de 3,5% do material perdido)

3.6 - Ensaio de resistência à compressão uniaxial


A resistência à compressão uniaxial corresponde à máxima tensão que um provete de
material rochoso pode suportar quando é carregado axialmente, na direção perpendicular
aos topos do provete (Hoek, 2000).
O valor da resistência à compressão uniaxial fornece informações acerca das propriedades
do material rochoso em obras de engenharia. A resistência à compressão uniaxial pode
estimar-se, de forma aproximada, a partir de índices obtidos nos ensaios de carga pontual e
o do Martelo de Schmidt.
Segundo Vallejo et al. (2002), o valor médio da resistência à compressão uniaxial dos
Arenitos, situa-se entre 550 – 1 400 kg/cm2, equivalente a 53,9 – 137,3 MPa.
Alguns dos principais fatores que influenciam de modo determinante a resistência das
rochas são: a temperatura, a presença da água e a anisotropia.

32
A resistência das rochas pode ser enfraquecida com o aumento quer da temperatura quer
do teor em água (Hudson & Harrison, 1997).
A alteração das rochas provoca muitas vezes a diminuição das suas propriedades físicas e
mecânicas, o que se processa muitas vezes ao longo de planos de anisotropia (Douglas &
Voight, 1969).
A anisotropia, pode ser gerada durante o processo de formação da rocha (anisotropia
primária) ou pode ser gerada por processos tanto externos como posteriores à sua formação
(anisotropia secundária).

Na Tabela 3.8 são apresentadas várias classificaçõs das rochas de acordo com os seus
valores da resistência à compressão uniaxial.

Tabela 3.8 - Classificação das rochas tendo em atenção a resistência à compressão uniaxial, adaptado de Valejo et al, (2002).

Resistência à compressão ISRM (1981) Geological Society Bieniawski (1973)


simples( MPa) of London (1970)
1,0 - 5 Muito branda Branda >1,25
5- 12,5 branda Moderadamente branda Muito baixa
12,5 - 25
25 - 50 Moderadamente branda Moderadamente dura Baixa
50 - 100 Dura Dura Media
100 - 200 Muito dura Alta
> 200 Muito dura Extrmamente dura Muito alta
> 250 Extrmamente dura

3.6.1 - Procedimentos
A norma NP EN 1926/2000 (IPQ, 2000), refere que os provetes devem ter uma forma cúbica
com 70 ± 5 mm ou 50 ± 5 mm de aresta ou uma forma cilíndrica reta com uma base circular
plana e com um diâmetro e altura iguais a 70 ± 5 mm ou 50 ± 5 mm.
Tanto a dimensão lateral como o diâmetro do provete estão relacionados com o tamanho do
maior grão da rocha através de uma proporção de, no mínimo, 10:1. Deve ensaiar-se um
maior número de provetes se a máxima dimensão observada dos graus exceder 7 mm, de
forma a obterem-se resultados representativos.
A carga deve ser aplicada a provetes com superfícies planas, cuja tolerância deve ser de 0,1
mm, e em que as superfícies devem ser perpendiculares em relação ao eixo do provete. As
faces laterais dos provetes devem ser lisas, sem irregularidades consideráveis, com um
desvio máximo de 0,3 mm ao longo do comprimento total do provete.
Os provetes antes da execução do ensaio devem ser secos à temperatura de
(70 ± 5) ºC, até à obtenção de massa constante.
Após a secagem dos provetes, estes devem ser colocados num exsicador, de modo a
arrefecerem a uma temperatura de 20º ± 5 ºC.

33
Deve proceder-se à determinação das dimensões da secção transversal dos provetes de
ensaio (dimensão lateral nos provetes cúbicos ou diâmetro nos provetes cilíndricos) com
uma precisão de 0,1 mm. A dimensão média do lado ou do diâmetro médio deverão ser
definidos para determinar a superfície da secção transversal. As dimensões de cada provete
devem ser determinadas com um paquímetro.
Devem observar-se alguns cuidados na colocação dos provetes no equipamento de
carregamento: proceder à limpeza dos pratos de apoio e de carga; retirar impurezas das
superfícies de carga do provete. Alinhar e colocar o provete no centro do prato inferior da
máquina de ensaio para se conseguir um apoio uniforme em todos os provetes.
A carga deve ser exercida de forma contínua sobre os provetes, com aumento constante a
uma taxa de compressão de (1 ± 0,5) MPa/s. Regista-se a carga máxima que o provete
suporta, com uma aproximação de 1KN.
A resistência de compressão uniaxial (R), de cada provete é definida pelo quociente entre a
carga de rotura (F) do provete e a área da secção transversal determinada anteriormente ao
ensaio, de acordo com a expressão (15):

𝐹
R= 𝐴
(15)

3.7 - Ensaio de deformabilidade


A deformabilidade é a propriedade das rochas que está relacionada com a modificação da
sua forma como resposta à atuação de forças. Em função da intensidade da força exercida,
do modo como é aplicada e das características mecânicas do material rochoso, a
deformação pode ter características permanentes ou não permanentes; neste último caso, o
corpo rochoso recupera a forma original posteriormente à atuação da força exercida. A
deformabilidade das rochas é expressa pelas suas constantes elásticas: Módulo de Young
(E), e coeficiente de Poisson (v) (Vallejo et al., 2002).
O módulo de Young (E) corresponde à relação linear elástica entre a força aplicada e a
deformação que é originada ao longo da direcção de aplicação da carga.
O coeficiente de Poisson (v), traduz a razão existente entre a deformação transversal e a
axial. E e v são obtidos pelo ensaio de compressão simples e também através do ensaio de
ultrassons.
A determinação da deformabilidade de um maciço rochoso pode ser efetuada por métodos
diretos e por métodos indiretos, nos primeiros são de referir os ensaios in situ e laboratoriais,
nos métodos indiretos são de salientar os ensaios geofísicos.

34
3.7.1 - Módulo de elasticidade

A elasticidade das rochas é condicionada por 3 fatores principais: homogeneidade, isotropia


e a continuidade.
Num corpo rochoso homogéneo os constituintes apresentam uma distribuição que garante a
permanência das características desse material.
Um corpo será considerado isotrópico se as suas propriedades elásticas são consideradas
iguais em todas as direções.
A continuidade está relacionada com a quantidade de descontinuidades e poros na rocha.
Esta característica afeta a coesão e a propagação da energia na rocha. Uma maior
porosidade resulta numa elasticidade mais reduzida.

3.7.1.1 - Módulo de elasticidade dinâmico

Conhecidas as velocidades de propagação das ondas P e S e o peso específico dos


provetes utilizados, pode proceder-se à determinação das constantes elásticas.
Para Lab (2011), o coeficiente de Poisson dinâmico (vd), é calculado pela expressão (16):
V2P −2V2s
vd = (16)
2(V2p −V2s )

Onde
vp é a velocidade de propagação das ondas de compressão ou longitudinais (m/s);
vs é a velocidade de propagação das ondas secundárias (m/s);

O módulo de elasticidade dinâmico (Ed) é definido pela expressão (17):

Ed = 2ρVs2 (1 + 𝑣) em MPa. (17)

Onde:
𝜌 é a massa volúmica da amostra (Kg/m3);
v
sé a velocidade de propagação das ondas transversais(m/s);
v é o coeficiente de Poisson.
O módulo de elasticidade dinâmica dos arenitos apresenta valores de (0,5 – 5,6) x 105
kg/cm2 e o coeficiente de Poisson entre 0,1- 0,4 (Vallejo et al., 2002).

35
3.7.1.2 - Módulo de elasticidade estático

Uma rocha quando submetida a uma força de compressão uniaxial sofre uma deformação
que, de modo geral, não é reversível e é função da direção e da carga aplicada (Hudson et
al., 1972).
A deformação axial (𝜀𝑎𝑥 ) e a deformação transversal (𝜀𝑡 ), para a ISRM (1999), são definidas,
respetivamente, pelas expressões (18) e (19).
A deformação axial (𝜀𝑎𝑥 ) pode ser determinada através da utilização de um extensómetro
colocado longitudinalmente no provete.
∆𝑙
𝜀𝑎𝑥 = (18)
𝑙𝑜
Onde:
∆𝑙 é variação do comprimento do provete e 𝑙𝑜 é o comprimento inicial do provete antes de
ser submetido à carga.
A deformação diametral ou transversal (𝜀𝑡 ) pode ser determinada através da variação do
diâmetro do provete por meio de um extensómetro colocado transversalmente e a metade
da altura do provete.

∆𝑡
𝜀𝑡 = (19)
𝑡𝑜
Onde:
to corresponde ao diâmetro inicial do provete e ∆𝑡 é é variação inicial do provete nessa
direção.
O coeficiente de Poisson (v) é a relação entre a deformação lateral (t) e a deformação
longitudinal (𝜀𝑎𝑥 ) do material rochoso. Este pode ser determinado pela expressão (20):

εt deformação diametral ou transversal


V= = (20)
εax deformação axial

O valor do módulo de elasticidade estática dos arenitos está compreendido entre (0,3 - 6,1)
x 105 kg/cm2 e o coeficiente de Poisson entre 0,1- 0,4 (Vallejo et al., 2002).
Segundo a norma EN 14580 (IPQ,2007), o ensaio consiste na medição das deformações
longitudinais de um provete submetido a tensões compressivas uniaxiais na sua base e
topo. O módulo de elasticidade estática é calculado a partir destes valores.
De acordo com a ISRM (1981,1999), os extensómetros a utilizar na determinação das
deformações longitudinais devem ser posicionados entre 25% e 75% de altura dos provetes
e numa posição diametralmente oposta.

36
Para além da utilização dos extensómetros podem medir-se as deformações através dos
designados Linear Variable Differential Transformers (LVDT).
Os extensómetros elétricos (Strain-Gauge) baseiam-se na relação entre a resistência
elétrica e algumas propriedades físicas de um condutor, segundo a expressão (21):

𝜌×𝐿
R= (21)
𝐴

Onde:

R é a resistência elétrica, 𝜌 é a constante de condutividade, L é o comprimento do condutor


e A é a área da seção transversal deste. A resistência é diretamente proporcional ao
comprimento e inversamente proporcional à área da seção transversal. Quando a amostra é
comprimida, a resistência diminui devido ao aumento da área transversal e diminuição do
comprimento.

A ISRM (1981), recomenda a aplicação de uma carga de 0,5 a 1 MPa/s. O ensaio foi
realizado com aplicação da resistência do pico de rotura de 10%.
A Tabela 3.9 apresenta a classificação dos valores do coeficiente de Poisson proposto por
Gercek (2007).
Tabela 3.9 - Classificação do coeficiente de Poisson por Gercek (2007).

Categoria Coef. Poisson


Muito baixo 0 ≤ v < 0,1
Baixo 0 ,1≤ v < 0,2
Médio 0,2 ≤ v < 0,3
Elevado 0,3 ≤ v < 0,4
Muito elevado 0,4 ≤ v < 0,5

3.8 - Ensaio Brasileiro

O ensaio Brasileiro, também conhecido por ensaio de resistência à tração indireta ou ensaio
de compressão diametral, foi utilizado pela primeira vez por Fernando Carneiro para verificar
a capacidade de cilindros de betão a utilizar no deslocamento, em 1943, da igreja de São
Pedro localizada no Rio de Janeiro, tendo em atenção a Teoria da Elasticidade (Metha &
Monteiro, 2008).
Com o decorrer do tempo, o ensaio começou a ser também utilizado em rochas e solos
compactos (Favaretti, 1995).
O ensaio consiste na aplicação de uma carga vertical de compressão sobre o provete
cilíndrico, colocado horizontalmente entre duas placas através das quais se transmite a força
até se atingir a rotura do provete (ISRM, 1981).

37
A rotura verifica-se ao longo do plano vertical diametral, intersectando os dois lados
carregados. Destacam–se algumas vantagens deste ensaio, como uma fácil preparação das
amostras, o ensaio ser efetuado com o mesmo equipamento usado para o ensaio de
determinação de resistência à compressão uniaxial, e a rotura não é muito influenciada
pelas condições da superfície de contato da amostra (Krishhnayya & Eisenstein, 1974).
Para Rocha (1981), os valores da resistência à tração obtidos pelo ensaio brasileiro, são em
regra, superiores aos determinados pelo ensaio de tração simples. Neste ensaio, é imposta
a secção de rotura, enquanto que a rotura no ensaio de tração simples ocorre pela secção
mais fraca.

3.8.1 - Procedimentos
O ensaio está relacionado com a determinação não direta da resistência à tração uniaxial de
um provete de rocha, considerando que a rotura é originada por tração, quando a rocha é
submetida a um estado de tensão biaxial, verificando-se a presença de uma força principal
de tração e outra de compressão de magnitude não superior a 3 vezes a força de tração
(Vallejo et al., 2002).
Para se obter uma média significativa, são necessários pelo menos 10 provetes. Mas se o
coeficiente de variação for inferior a 5%, um menor número de amostras é aceitável (ASTM,
2001).
O provete cilíndrico sobre o qual se aplica a carga vertical de compreessão, deve ser
assente numa posição horizontal sobre duas placas através das quais se transmite a força
até se conseguir a sua rotura. Devem ser usadas placas planas ou esféricas concâvas para
transmitir as cargas. As placas, devem ser rigorosamente paralelas e a carga deve ser
aplicada de tal forma que se consiga a rotura da rocha entre os 15 a 30 segundos (ISRM,
1981).
Para Krishhnayya & Eisenstein (1974), a resistência à tração é determinada pela expressão
(22):
2𝑃
𝜎1 = (22)
𝜋𝐷𝐿
Onde:
P é a carga de rotura;
D é o diâmetro do provete;
L é o comprimento do provete.

Segundo a norma D 3967 – ASTM (2001), deve aplicar-se uma carga de compressão com
um aumento contínuo, de modo a produzir uma razão aproximadamente constante e a
rotura ocorre entre 1 a 10 min da aplicação da carga .

38
Deve existir um cuidado especial nos contactos entre o provete e as placas e ou discos de
carga para evitar a ocorrência de roturas precoces. Geralmente, utilizam-se peças metálicas
para distribuirem a carga aplicada uniformemente em toda a faixa delimitada pela largura de
contacto com o provete (Kennedy, 1968).

39
4. ENSAIOS LABORATORIAIS: RESULTADOS E
TRATAMENTO DE DADOS

Para alcançar os objetivos definidos nesse trabalho, foram realizados oito conjuntos de
ensaios laboratoriais, que permitiram caracterizar algumas das propriedades físicas e
mecânicas dos arenitos estudados.
Esses ensaios foram realizados com base nas normas e recomendações descritas no
capítulo 3.

4.1. Amostragem
As amostras foram colhidas num afloramento localizado nas proximidades da povoação do
Olho Marinho (concelho de Vila Nova de Poiares), como já foi referenciado no subcapítulo
2.1. Neste local, existem duas pedreiras de dimensão reduzida (320 e 600m2), onde se
efetua a extração de blocos irregulares de material rochoso, de uma forma artesanal, e que
são utilizados no fabrico de mós. As duas pedreiras desenvolvem-se em avanço superficial,
explorando a parte superior do maciço arenítico.
As pedreiras estão abandonadas e sem recuperação paisagística. A pedreira de maior
dimensão localiza-se num terreno aplanado a uma cota média de 350m. O desenvolvimento
desta pedreira é efetuado através de uma única frente de desmonte, com um degrau de
cerca de 4 m, como se pode observar na Figura 4.1A.
Devido às condições meteorológicas que ocorreram este ano (pluviosidade intensa) as
pedreiras estavam parcialmente submersas, o que impediu o acesso à frente de desmonte,
facto que contribuiu negativamente no acesso ao afloramento e na caracterização das
descontinuidades do maciço
Devido a esse impedimento as amostras foram recolhidas na pedreira de maior dimensão,
numa zona lateral que foi recentemente desmontada por uma pá mecânica, para fornecer
material rochoso para a indústria das mós.
A amostragem foi feita tendo em atenção a granulometria, o grau de alterabilidade das
rochas, e a sua estratificação, de modo a poder correlacionar estes fatores com os
resultados nos ensaios, tendo em consideração que o arenito poderá apresentar anisotropia,
consoante a orientação em que são efetuados os ensaios de laboratório. Na Figura 4.1
podemos observar uma panorâmica geral da pedreira e um bloco do arenito, desmontado
por uma pá mecânica.

40
Figura 4.1- A) Vista geral da pedreira onde foi feita a colheita das amostras. Pode-se observar que a pedreira está cheia de
água o que prejudicou a recolha das amostras. B) Pormenor do arenito explorado na pedreira.

4.2. Preparação dos provetes


O trabalho de laboratório iniciou-se com a lavagem das amostras, de modo a permitir uma
boa observação dos grãos e da estratificação, permitindo fazer a sua seleção e separação
por granulometria e tamanho dos blocos, de modo a conseguir obter provetes através da
caroteadora e fragmentos de rocha para outros ensaios, em função das recomendações
e/ou normas usadas. Foram preparados 20 provetes dos quais 10 de granulometria fina e os
restantes 10 de granulometria grosseira. Todos esses provetes foram preparados no
laboratório de Geotecnia do Departamento de Ciências da Terra.
Numa fase inicial as amostras foram obtidas mediante o uso da serra de corte (Figura 4.2).
Esse corte teve como objetivo, obter as dimensões e formas geométricas desejadas para as
amostras, e que permitam ser inseridas na caroteadora para extração de carotes de
diversos diâmetros, através do acoplamento de brocas de vários diâmetros (Figura 4.2). As
amostras foram cortadas perpendicularmente ao plano de estratificação.
Na Figura 4.2 podemos observar a serra de corte e a caroteadora utilizadas na preparação
das amostras.

41
Figura 4.2 - A) Serragem da amostra. B) Carotagem da amostra.

4.3. Descrição petrográfica macroscópica das 20 amostras


As descrições seguem a norma EN 932-3 (IPQ, 2000) que está relacionada com a descrição
petrográfica simplificada dos materiais rochosos, sendo as amostras examinadas a olho nu e
observadas em lupa estereográfica (6,3x), bem como com lupa de mão. Para auxiliar a
observação e descrição, foram também usados outros acessórios como agulha, faca e ácido
clorídrico.
O conjunto das 20 amostras consideradas apresenta um aspeto homogéneo, evidenciando-
se a cristalização uniforme, de cor hialina, acastanhada e por vezes escura, não
apresentando fissuração.
Com base na observação das amostras e atendendo à sua composição e a faixa
granulométrica dos materiais constituintes bem como o tipo de cimentação, considerou-se,
que todas as amostras correspondem à designação geológica de Arenitos de acordo com a
referência A.2.1.1. do anexo da norma EN 932-3 (IPQ,2000).

4.3.1. Amostra OMF1 a OMF10


As amostras OMF1-OMF10, apresentam granulometria homogénea quer no topo quer na
base, onde os grãos apresentam um brilho vítreo, com uma dureza aproximada de 7 na
escala de Mohs. Os grãos de quartzo apresentam-se desde hialinos e com cores que variam
entre o branco, rosa, vermelho e tonalidades escuras (Figura 4.3) com dimensão máxima de
0,25 mm, formas esféricas, subarredondados de acordo com a classificação de Powers
(1982), não tendo sido observada nenhuma matriz. Os grãos estão fortemente unidos com
cimentação de sílica de coloração avermelhada a acastanhada.

42
4.3.2. Amostra OMG1 a OMG10
As amostras OMG1-OMG10, apresentam alguma variação na granulometria tanto no topo
como na base, onde os grãos são facilmente visíveis (Figura 4.4). Os grãos de quartzo
apresentam-se desde hialinos até com cores a variarem entre o branco, rosa, avermelhada
e escura, com dimensão máxima de 2 mm, e formas esféricas, por vezes angulosas,
subarredondados e por vezes arredondados de acordo com a classificação de Powers
(1982), sendo claramente visível a matriz feldspática de coloração esbranquiçada. Por vezes
apresentam granulometria superior a 2 mm (até 3 mm). Os grãos estão fortemente unidos
com cimentação de sílica, com textura granular. Existem pequenas cavidades por vezes não
preenchidas (Figura 4.5) e algumas vezes preenchidas por materiais argilosos com óxido de
ferro hidratado, de coloração avermelhada e por vezes amarelada (Ocre), e sem fissuração.
Os grãos, em relação à matriz, apresentam uma percentagem superior a 50%, de acordo
com a classificação de Folk (1970).

Figura 4.3 - A) Aspeto da amostra OMF2, onde os grãos são homogéneos, geralmente arredondados, embora por vezes
apareçam não arredondados de coloração escura, sem fissuração. B) Amostra OMF6 na qual são visíveis os grãos de
granulometria superior a 2mm, avermelhado (QA), esbranquiçados (QB) e hialinos (Qh).

43
Figura 4.4 – A) Aspeto da amostra onde é visível o grão hialino de quartzo (Qh) de dimensão superior a 2 mm. B) Amostra
OMF9 na qual são visíveis os grãos de quartzo esbranquiçados (Qb).

Figura 4.5 - A) Aspeto da amostra OMG5, onde são visíveis os grãos de tamanho diferenciado, com espaços vazios (poros). B)
Amostra OMG10 na qual são visíveis os grãos grosseiros de quartzo acastanhados.

4.4. Ensaio de massa volúmica aparente e porosidade aberta


Este ensaio, foi realizado com base na norma EN 1936 (IPQ, 2008), descrita no subcapítulo
3.1.
As amostras foram secas até a massa constante numa estufa ventilada (Figura 4.6) a uma
temperatura de (70ᴼC ± 5) ºC durante 24 h. Após as amostras serem retiradas da estufa,
foram arrefecidas num exsicador durante 24h até atingirem a temperatura ambiente 22 ºC
(Figura 4.6), sendo de seguida pesadas.

44
Figura 4.6 - A) Estufa ventilada utilizada para secagem dos provetes. B) Exsicador utilizado para ensaio de porosidade.

Determinou-se a massa de cada provete seco (md), sendo apresentados os valores nas
Tabelas 4.1 e 4.2.
De seguida os provetes, foram colocados num recipiente de vácuo composto por um
exsicador mais uma bomba de vácuo (Figura 4.7) e baixou-se gradualmente a pressão no
vácuo até (2 ± 0,7) kPa = (15 ± 5) mmHg, seguindo-se a metodologia explicitada no
subcapítulo 3.1.1.

Figura 4.7 - Sistema de vácuo, composto por um exsicador mais uma bomba de vácuo.

Procedeu-se à determinação da massa imersa dos provetes (mh), por meio de uma balança
digital acoplada ao dispositivo que permite fazer a pesagem hidrostática (Figura 4.8).

45
Figura 4.8 - Balança digital acoplada a um dispositivo de pesagem hidrostática.

De seguida determinou-se a massa saturada (ms) de cada provete utilizando-se a balança


da Figura 4.8, cujos resultados estão indicados nas Tabelas 4.1, 4.2 e 4.3.
O volume de poros abertos, a massa volúmica aparente e a porosidade aberta, foram
calculados, respetivamente, mediante as expressões 2,1 e 3, presentes no subcapítulo
3.1.1.

Tabela 4.1 - Valores da massa volúmica aparente e da porosidade aberta das amostras de granulometria grosseira.

Massa seca - Massa saturada - Massa imersa - Massa volúmica da volume de poros Volume aparente Massa volúmica Porosidade
3 3
Amostra md ( kg) ms ( kg) mh ( kg) água - prh (kg/m ) aberto - vo (ml) vb (ml) aparente - pb (kg/m ) aberta - po (%)
OMG1 0,58871 0,60952 0,36609 1000 20,81 609,15 2418,4 8,55
OMG2 0,69303 0,72426 0,43220 1000 31,23 723,83 2372,9 10,69
OMG3 0,57645 0,59601 0,35762 1000 19,56 595,65 2418,1 8,21
OMG4 0,57223 0,58402 0,35193 1000 11,79 583,67 2465,6 5,08
OMG5 0,61617 0,63286 0,38226 1000 16,69 632,48 2458,8 6,66
OMG6 0,62922 0,65530 0,39152 1000 26,08 654,91 2385,4 9,89
OMG7 0,61951 0,64080 0,38284 1000 21,29 640,42 2401,6 8,25
OMG8 0,23172 0,24625 0,14542 1000 14,53 246,10 2298,1 14,41
OMG9 0,72535 0,74978 0,45246 1000 24,43 749,33 2439,6 8,22
OMG10 0,47603 0,48786 0,29540 1000 11,83 487,56 2473,4 6,15

Tabela 4.2 - Valores da massa volúmica aparente e da porosidade aberta das amostras de granulometria fina.

Massa seca - Massa saturada - Massa imersa - Massa volúmica da volume de poros Volume aparente Massa volúmica Porosidade
3 3
Amostra md ( kg) ms ( kg) mh ( kg) água - prh (kg/m ) aberto - vo (ml) vb (ml) aparente - pb (kg/m ) aberta - po (%)
OMf1 0,78010 0,80173 0,48023 1000 21,63 801,25 2426,4 6,73
OMf2 0,77369 0,79767 0,48030 1000 23,98 797,19 2437,8 7,56
OMf3 0,69506 0,71446 0,42798 1000 19,40 714,03 2426,2 6,77
OMf4 0,72468 0,75014 0,44585 1000 25,46 749,69 2381,5 8,37
OMf5 0,66488 0,68836 0,40942 1000 23,48 687,95 2383,6 8,42
OMf6 0,56471 0,58487 0,34679 1000 20,16 584,52 2371,9 8,47
OMf7 0,60506 0,62372 0,37251 1000 18,66 623,35 2408,6 7,43
OMf8 0,43074 0,44439 0,26531 1000 13,65 444,12 2405,3 7,62
OMf9 0,37282 0,38426 0,22940 1000 11,44 384,03 2407,5 7,39
OMf10 0,34270 0,35062 0,21072 1000 7,92 350,41 2449,6 5,66

Tabela 4.3 - Resultados médios da massa volúmica aparente e da porosidade aberta em função da classificação das
dimensões do grão da amostra

Granulometria Massa volúmica Média Desvio padrão Coef. de Porosidade Média Desvio padrão Coef. de
aparente (kg/m 3) (kg/m 3) variação aberta (%) (%) (%) variação
Fina 2371,93 - 2449,61 2386,10 25,52 0,01 5,66 - 8,47 7,40 0,88 0,12
Grosseira 2298,13 - 2473,402413,20 47,40 0,02 5,08 - 14,41 8,60 2,40 0,27

Como se pode observar na Tabela 4.3, verifica-se uma maior dispersão dos valores da
massa volúmica aparente para os arenitos de grão mais grosseiro, constatando-se que o

46
valor médio da massa volúmica é superior para os arenitos de granulometria grosseira
comparativamente ao valor apresentado pelos arenitos de grão mais fino.
Observou-se, de modo geral, que a porosidade aberta apresenta valores mais elevados com
o incremento da dimensão granulométrica dos arenitos.
A massa volúmica dos arenitos estudados (tanto da granulometria fina como da grosseira)
classifica-se como sendo de classe 3, portanto média, segundo a IAEG (1979) (Tabela 3.2).
Relativamente à porosidade dos arenitos, os valores permitiram a sua classificação como
pertencente à classe 3, sendo enquadrada como média, ainda de acordo com a IAEG (1979)
(Tabela 3.3).

4.5. Ensaio para determinação da velocidade de propagação de


ondas por ultrassons

Este ensaio foi realizado em conformidade com os procedimentos estabelecidos pela norma
EN 14579 (IPQ, 2007), descritos no subcapítulo 3.2.
Utilizou-se um equipamento Pundit Lab da Proceq, com o software Pundit Link, versão 2.3.0,
da série PL01- 002-0152 cujas especificações técnicas estão indicadas na Tabela 4.4.
Tabela 4.4 - Especificações técnicas do Pundit Lab utilizado para medição das velocidades das ondas P e S.

Medição do tempo
de trânsito
Faixa 0,1 - 9999 μs auto seleção
Resolução 0,1 μs

Display 79 x 21 mm OLED de matriz passiva


Transmissor Pulso de excitação optimizado 125V, 250V,350V,500V
Receptor
Passos de ganho Pundit lablab 1x,10x, 100x,AUTO
Passos de ganho Pundit lablab+ 1x,2x,5x,10x,20x,50x,100x,200x,500x,1000x, AUTO
Largura da banda 20kHz - 500kHz
Memória Não volátil, > 500 valores medidos
Configurações regionais Suporta unidades de medida do sistema métrico e imperial
Alimentação eléctrica
Bateria 4 x pilhas AA (> 20 horas de uso contínuo
Alimentação 5v, > 500mA via carregador USB
Computador 5v, > 500mA diretamente via cabo USB
Mecânica
Dimensões 172 x 55 x 220 mm
Peso 1,3 kg ( incluindo pilhas)
Condições ambientais
Temperatura operacional menos 10ᴼ - 60ᴼC ( 0ᴼ a 140ᴼ F)
Umidade > 95% UR, sem condensação

Foram ensaiados 20 provetes (dos quais 10 são de granulometria fina e os restantes 10 de


granulometria grosseira), preparados para o ensaio de resistência à compressão uniaxial.
Como os ensaios de ultrassons não são destrutivos, esses provetes, foram usados neste

47
ensaios e posteriormente nos ensaios destrutivos de resistência à compressão. Os ensaios
foram efetuados tanto em amostras secas como em amostras saturadas em água.
Para a medição da velocidade das ondas de ultrassons, fez-se a conexão dos transdutores
na parte frontal da unidade de leitura usando-se cabos do tipo BNC (conector Bayonet Neill
Concelman) que apresentam um comprimento de 1,5 m, tendo sido conectados antes de
ligar o aparelho Pundit Lab (Figura 4.9).

Figura 4.9 - A) Conexão dos transdutores de 54kHz (ondas P). B) Conexão dos transdutores de 250 kHz (ondas S).

Ao ligar-se o equipamento, seguiu-se a seguinte sequência: Ligar o computador; proceder à


execução do software; ligar o Pundit e conectar o cabo USB (Universal Serial Bus) ao
computador.
Antes do início da medição nos provetes, procedeu-se à calibração do aparelho utilizando
um bloco de calibração (Figura 4.10), que regista um valor temporal de 25,4 𝜇s.

Figura 4.10 - Calibrador Rod - 25,4 μs, port nᴼ 71010028 Proceq SA, Pundit Lab/instrumento ultra - sónico (2011).

Para a determinação da velocidade ultrassónica (impulsos), mediu-se primeiro o


comprimento de cada provete a ensaiar por meio de um paquímetro.
Para se garantir um acoplamento acústico adequado entre os transdutores e as amostras,
aplicou-se uma fina camada de vaselina, na superfície de contacto dos transdutores, do
calibrador (no momento da calibração) bem como dos provetes. Os transdutores foram
acoplados nos topos dos provetes de modo a ser utilizada a técnica da onda direta.

48
Para a medição da velocidade das ondas longitudinais (Vp), recorreu-se aos transdutores de
54 kHz (Figura 4.11) e um sinal de transmissão de 250 V.
De seguida foram feitas as medições, tendo sido visualizados os resultados das velocidades
medidas bem como os seus respetivos gráficos, no ecrã do software Pundit Link.

Figura 4.11 - A) Transdutores ligados ao equipamento. B) transdutores acoplados ao provete. C) visualização dos resultados.

Os resultados das medições das ondas Vp nos provetes ensaiados bem como os respetivos
tempos de medição (T1), estão indicados nas Tabelas 4.5, 4.6 e 4.9.

Tabela 4.5 - Resultados de medição das velocidades das ondas longitudinais (VP) das amostras grosseiras saturadas e secas.

Amostra Distância Ondas P Amostra Distância Ondas P


saturada (m) Vp(m/s) T1 (μs) seca (m) Vp(m/s) T1 (μs)
OMG1 0,104 5361 19,4 OMG1 0,104 4776 20,9
OMG2 0,12 4633 25,9 OMG2 0,12 4633 25,9
OMG3 0,103 6437 16 OMG3 0,103 6280 16,4
OMG4 0,098 5632 17,4 OMG4 0,098 5976 16,4
OMG5 0,105 5707 18,4 OMG5 0,105 5707 18,4
OMG6 0,103 4813 21,4 OMG6 0,103 4813 21,4
OMG7 0,108 5806 18,6 OMG7 0,108 5714 18,9
OMG8 0,042 4719 8,9 OMG8 0,042 4719 8,9
OMG9 0,127 5000 25,4 OMG9 0,127 5205 24,4
OMG10 0,089 5973 14,9 OMG10 0,089 5779 15,4
Média 5408,1 Média 5360,2
Desvio padrão 603,15 Desvio padrão 601
v. Máximo 6437 v. Máximo 6280
v. Mínimo 4633 v. Mínimo 4633

Tabela 4.6 - Resultados de medição das velocidades das ondas longitudinais (VP) das amostras finas saturadas e secas.

Amostra Distância Ondas P Amostra Distância Ondas P


saturada (m) Vp(m/s) T1 (μs) seca (m) Vp(m/s) T1 (μs)
OMf1 0,133 5684 23,4 OMf1 0,133 6018 22,1
OMf2 0,141 5444 25,9 OMf2 0,141 5381 26,2
OMf3 0,123 5748 21,4 OMf3 0,123 6150 20
OMf4 0,132 5301 24,9 OMf4 0,132 5410 24,4
OMf5 0,122 5471 22,3 OMf5 0,122 5596 21,8
OMf6 0,104 5652 18,4 OMf6 0,104 5506 18,9
OMf7 0,105 5469 19,2 OMf7 0,105 5710 18,4
OMf8 0,078 6240 12,5 OMf8 0,078 5000 15,2
OMf9 0,068 6239 10,9 OMf9 0,068 3778 18
OMf10 0,061 6421 9,5 OMf10 0,061 3935 15,5
Média 5766,9 Média 5248,4
Desvio padrão 393,36 Desvio padrão 802,63
v. Máximo 6421 v. Máximo 6150
v. Mínimo 5301 v. Mínimo 3778

49
Para a medição da velocidade das ondas de ultrassons transversais (Vs), usou-se os
transdutores de 250 kHz (Figuras 4.9B e 4.12) e um sinal de transmissão de 500 V.

Figura 4.12 - Medição das velocidades das ondas S.

De referir que na determinação das velocidades das ondas Vs, o equipamento determina
igualmente a velocidade das ondas P e apresenta o respetivo gráfico. No monitor do
computador, estão indicados por T1 e V (o tempo e a velocidade para as ondas P) e T2 e V2
(o tempo e a velocidade para as ondas S), como se pode observar na Figura 4.13.

Figura 4.13 – Exemplo de registo obtido através do software Pundit Link para as ondas longitudinais e transversais.

O equipamento usou a expressão 4 do subcapítulo 3.2., para a determinação da velocidade


das ondas ultrassónicas.
As Tabelas 4.7, 4.8 e 4.9 apresentam os resultados das ondas Vs e dos respetivos tempos
de medição.

50
Tabela 4.7 - Resultados de medição das velocidades das ondas transversais ( VS) das amostras grosseiras saturadas e secas.
Amostra Distância Ondas S Amostra Distância Ondas S
saturada (m) Vs(m/s) T2 (μs) seca (m) Vs(m/s) T2 (μs)
OMG1 0,104 2667 39 OMG1 0,104 2773 37,5
OMG2 0,12 2830 42,4 OMG2 0,12 2500 48
OMG3 0,103 2470 41,7 OMG3 0,103 3444 29,9
OMG4 0,098 3063 32 OMG4 0,098 2390 41
OMG5 0,105 2800 37,5 OMG5 0,105 2893 36,3
OMG6 0,103 2500 41,2 OMG6 0,103 2470 41,7
OMG7 0,108 3086 35 OMG7 0,108 2880 37,5
OMG8 0,042 2320 18,1 OMG8 0,042 2333 18
OMG9 0,127 2854 44,5 OMG9 0,127 2880 44,1
OMG10 0,089 2947 30,2 OMG10 0,089 2908 30,6
Média 2753,7 Média 2747,1
Desvio padrão 258,6 Desvio padrão 334,3
v. Máximo 3086 v. Máximo 3444
v. Mínimo 2320 v. Mínimo 2333

Tabela 4.8 - Resultados de medição das velocidades das ondas transversais (VS) das amostras finas saturadas e secas.

Amostra Distância Ondas S Amostra Distância Ondas S


Saturada (m) Vs(m/s) T2 (μs) seca (m) Vs(m/s) T2 (μs)
OMf1 0,133 3129 42,5 OMf1 0,133 3252 40,9
OMf2 0,141 3324 43,6 OMf2 0,141 3065 46
OMf3 0,123 3091 39,8 OMf3 0,123 3271 37,6
OMf4 0,132 2986 44,2 OMf4 0,132 3021 43,7
OMf5 0,122 2961 41,2 OMf5 0,122 3096 39,4
OMf6 0,104 3291 31,6 OMf6 0,104 2873 36,2
OMf7 0,105 2672 39,3 OMf7 0,105 3116 33,7
OMf8 0,078 3498 22,3 OMf8 0,078 2764 27,5
OMf9 0,068 3636 18,7 OMf9 0,068 2244 30,3
OMf10 0,061 3836 15,9 OMf10 0,061 2328 26,2
Média 3242,4 Média 2903
Desvio padrão 347,6 Desvio padrão 359,81
v. Máximo 3836 v. Máximo 3271
v. Mínimo 2672 v. Mínimo 2244

Tabela 4.9 - Resumo dos resultados obtidos na medição das velocidades de propagação das ondas de ultrassons.

VP (m/s) VS(m/s)
Transdutor 54 kHz 250 kHz
Transmissor 250 V 500 V
Seco Saturado Seco Saturado
Média 5248,4 5766,9 2903 3242,4
Fina V. Max 6150 6421 3271 3836
V. Min 3778 5301 2244 2672
Amostra Desv pad 802,63 393,36 359,81 347,6
Média 5360,2 5408,1 2747,1 2753,7
Grosseira V. Max 6280 6437 3444 3086
V. Min 4633 4633 2333 2320
Desv pad 601 603,15 334,3 258,6

Da análise dos resultados apresentados na Tabela 4.9, verifica-se, que tanto os valores de
Vp como de Vs, aumentam com a saturação em água.
A Vp dos arenitos de granulometria fina e grosseira (tanto seca como saturada) classifica-se
como muito elevada, de acordo com a classificação da IAEG (1979), apresentada na Tabela
3.4, no subcapítulo 3.2.

51
4.6. Ensaio com o esclerómetro ou martelo de Schmidt
Este ensaio foi realizado no campo e em conformidade com as recomendações da ISRM
(1978). Utilizou-se um Martelo de Schmidt do modelo L, com uma energia de impacto de
0,735 N.m, (Figura 4.14).

Figura 4.14 Martelo de Schmidt, modelo L, usado no trabalho de campo.

O ensaio foi realizado em superfícies de blocos de arenitos, in situ, tendo sido efetuadas
duas séries de 20 medições em superfícies de blocos de granulometria fina num ângulo de
45º com a horizontal, procedendo-se igualmente à realização de outras duas séries de
medições em superfícies de blocos de granulometria grosseira, nas quais uma foi realizada
num ângulo de 45º com a horizontal e a outra num ângulo de 0º com esta última. As
superfícies dos blocos dos arenitos ensaiadas foram escolhidas devido a serem lisas,
aplanadas, limpas e relativamente afastadas de superfícies de descontinuidades.
Os valores das medições obtidos nesses ensaios, foram dispostos em ordem crescente,
procedendo-se à rejeição dos 10 valores mais baixos. De seguida foi determinada a média
com os restantes 10 valores, de modo a definir o valor da dureza de Schmidt (R). Não foi
necessário utilizar um fator de correção, dado que o martelo estava devidamente calibrado.
A Tabela 4.10 ilustra os resultados da dureza de Schmidt por granulometria e da estimativa
da resistência à compressão uniaxial (RCU) efetuada através do ábaco de Deere & Miller
(1966), o qual foi apresentado no subcapítulo 3.3.
Os valores de RCU obtidos a partir do ábaco de Deere & Miller (1966) foram obtidos
considerando o valor da dureza de Schmidt e o valor da massa volúmica do material
rochoso ensaiado.
Tabela 4.10 -Resultados da dureza de Schmidt por granulometria e da estimativa da resistência à compressão uniaxial através
do ábaco de Deere & Miller (1966).

Granulometria Série V.mín V.max Desv. Pad R.médio Média R Massa Volúmica média Massa Volúmica média
RCU(MPa)
(Kg/m3) (KN/m3)
Fina 1ª (45ᴼ) 40 51 4,3 44,9 40,9 2386,1 22,7 75
2ª (45ᴼ) 32 46 4,3 37
Grosseira 1ª (45ᴼ) 38 52 4,9 41,4 42,3 2413,2 23,0
2ª (0ᴼ) 38 55 5,3 43,2 78

52
Analisados os resultados da Tabela 4.10, pode referir-se que a dureza Schmidt é
ligeiramente superior nos arenitos de grão grosseiro comparativamente aos de grão fino, o
que igualmente se verifica nos valores estimados da resistência à compressão uniaxial
através do ábaco de Deere & Miller (1966), em que se consideram igualmente os valores da
massa volúmica.

4.7. Ensaio de carga pontual (Point Load Test)


Para o ensaio de resistência à carga pontual, foram preparadas quatro séries de provetes,
cada uma com um total de 12 provetes de formas irregulares e que obedecem às
recomendações da ISRM (1985), que já foram referenciadas no subcapítulo 3.4. Das quatro
séries de provetes utilizadas, duas são de granulometria fina, e as outras duas de
granulometria grosseira.
A carga nos provetes foi aplicada perpendicularmente ao plano de estratificação
(anisotropia) e verificou-se que a totalidade dos ensaios foi considerada válida.
Utilizou-se neste ensaio, um equipamento com dois manómetros, um com um valor máximo
de medição de 5,6 kN e o outro de 60 kN. Este equipamento possui ainda duas ponteiras
cónicas e uma bomba hidráulica.
A Figura 4.15, ilustra os provetes antes da aplicação da carga, o respetivo equipamento de
carga e os provetes posteriormente à aplicação da carga.

Figura 4.15 – A) Provetes antes da aplicação da carga, B) equipamento utilizado e C) provetes depois da aplicação da carga.

As dimensões e os cálculos do índice de carga pontual estão indicados nas Tabelas 4.11 a
4.18. Para o cálculo do Is(50), de cada série, foram retirados os dois valores mais elevados
bem como os dois valores mais baixos.

53
Tabela 4.11 - Dimensões dos provetes e respetivos cálculos do Is (50) da primeira série de provetes de granulometria fina.

Tabela 4.12 - Dimensões dos provetes e respetivos cálculos do Is(50) da segunda série de granulometria fina.

Tabela 4.13 - Valores médios de Is(50) das duas séries (S1 e S2) de provetes de granulometria fina.

Série1: Is(50) = 6,12


Série2: Is(50) = 5,59
Média S1 e S2 Is(50) = 5,85

Tabela 4.14 - Dimensões dos provetes e respetivos cálculos do Is(50) da primeira série de provetes de granulometria grosseira.

54
Tabela 4.15 - Dimensões dos provetes e respetivos cálculos do Is(50) da segunda série de provetes de granulometria grosseira.

Tabela 4.16 - Valores médios de Is(50) das duas séries (S2 e S2 ) de provetes de granulometria grosseira.

Série1: Is(50) = 7,91


Série2: Is(50) = 8,05
Média S1 e S2 Is(50) = 7,98

A síntese dos resultados do ensaio de Carga Pontual em função da granulometria, estão


apresentados na Tabela 4.17.

Tabela 4.17 - Síntese dos resultados do ensaio de carga pontual em função das séries.

Tabela 4.18 - Síntese dos resultados de carga pontual em função da granulometria.

Is(50)
fina 5,93
Grosseira 7,87

De acordo com os valores médios obtidos e apresentados nas Tabelas 4.17 e 4.18, os
resultados de Is(50) apresentam um incremento com o aumento da dimensão da
granulometria, ou seja quanto maior é o tamanho dos grãos dos arenitos estudados, mais
elevado o valor da resistência à carga pontual.

55
Esses arenitos, tanto de granulometria fina como de granulometria grosseira, classificam-se
como de resistência muito elevada de acordo com a classificação de Bieniawski (1971),
apresentada na Tabela 3.5, do subcapítulo 3.4.

4.8. Ensaio de desgaste em meio húmido (Slake Durability Test)


O ensaio, realizou-se segundo as recomendaçoes do ISRM (1979), descrito no subcapítulo
3.5.
Foram ensaiadas quatro séries, das quais duas de granulometria fina e as outras duas de
granulometria grosseira.
Para a realização deste ensaio, foi usado um equipamento Wykeham Farrance (Figura
4.16).

Figura 4.16 - Equipamento utilizado para o ensaio de desgaste em meio húmido.

O equipamento foi acoplado a dois tambores e em cada um destes, foram colocadas 5


porções de uma determinada amostra.

A ISRM (1979), propõe a realização de dois ciclos, mas no presente trabalho, foram
realizados três ciclos, cujos resultados são apresentados na Tabela 4.19. O índice de
durabilidade (Id) foi definido pela expressão 14, presente no subcapítulo 3.5.

Tabela 4.19 - Resultados do ensaio de desgaste em meio húmido.

Amostra Massa (A) Massa seca (B) Massa seca (C) Massa seca (E) Massa (D) ld1 ld2 ld3
seca inicial (g) 1ᴼ cíclo (g) 2ᴼ cíclo (g) 3ᴼ cíclo (g) tambor (g) (%) (%) (%)
Fina 1 1503,07 1499,96 1498,61 1497,65 999,6 99,38 99,11 98,92
Fina 2 1477,59 1475,09 1473,56 1472,56 999,6 99,48 99,16 98,95
Grosseira1 1479,03 1476,31 1475,22 1474,51 999,6 99,43 99,21 99,06
Grosseira 2 1499,29 1496,48 1492,4 1491,4 999,6 99,44 98,62 98,42

Na Tabela 4.20 e no gráfico da Figura 4.17, estão indicados os índices de durabilidade dos

56
três ciclos realizados para os vários arenitos.

Tabela 4.20 -Valores do índice de durabilidade do material rochoso por granulometria e por ciclo.

Granulometria ld1 (%) ld2 (%) ld3 (%)

Fina 99,42 99,13 98,93


Grosseira 99,41 98,91 98,73

Figura 4.17 – Resultados do Índice de durabilidade (Id) dos arenitos estudados.

Pela análise dos resultados apresentados nas Tabelas 4.19, 4.20 e no gráfico da Figura
4.17, constatou-se que os valores do Id para os diferentes arenitos são similares,
verificando-se que os resultados do Id médio para os segundo e terceiro ciclos dos arenitos
mais grosseiros são ligeiramente inferiores aos dos arenitos mais finos.
Baseando-se na classificação Gamble (1971), dos resultados do segundo ciclo, e de acordo
com o expresso na Tabela 3.6 do subcapítulo 3.5, os arenitos estudados (tanto de
granulometria fina como da grosseira), classificam-se como de durabilidade muito alta.
Segundo a classificação de Aufmuth (1974), baseada nos resultados do primeiro ciclo, de
acordo com a Tabela 3.7 do subcapítulo 3.5, os arenitos (tanto de granulometria fina como
da grosseira) apresentam menos de 1% do material perdido, enquadrando-se na categoria
A (Alta durabilidade).

4.9. Ensaio de resistência à compressão uniaxial (RCU)


O ensaio de resistência a compressão uniaxial (RCU), foi realizado de acordo com a norma
EN 1926/2000 (IPQ, 2000), descrita no subcapítulo 3.6.
Foram ensaiados 14 provetes cilíndricos, dos quais, seis de granulometria grosseira e oito
de granulometria fina. Os provetes têm um diâmetro de 55 mm e comprimentos que variam
entre 68 e 133 mm.
As faces dos provetes foram retificadas através de uma máquina rebarbadora do tipo
Dewalt, com uma potência de 2000 W, que utiliza discos abrasivos para desgaste dos topos.
Esse desgaste foi efetuado devido às extremidades dos provetes apresentarem faces não

57
paralelas entre si e que excediam os valores indicados na norma utilizada. Depois da
retificação ainda foi verificado que as superfícies das extremidades dos provetes não
estavam completamente paralelas entre si, o que justificou a utilização de discos neoprene,
com uma resistência de 60 shore, como é recomendado neste tipo de ensaio.
Na realização dos ensaios foi utilizada uma prensa do tipo servo S.p.A. Treviolo da Matest,
de 2000KN de capacidade, controlada por um software através da consola da prensa ou
através de um computador (Figura 4.18).

Figura 4.18- Prensa Matest utilizada para o ensaio de resistência à compressão uniaxial.

A prensa foi configurada de modo a terminar o ensaio após 30% de aplicação da força
exercida para provocar a rotura da amostra. Depois do provete estar devidamente limpo, foi
posicionado no cento dos discos da prensa, tendo sido colocados os dois discos de
neoprene nas extremidades do provete, iniciando-se o ensaio, como se ilustra na Figura
4.19.

Figura 4.19 – A) Amostra antes do ensaio. B) amostra depois do ensaio, onde se pode ver a fractura resultante do ensaio de
compressão uniaxial.

58
Nas Tabelas 4.21 e 4.22, apresentam-se os resultados obtidos nos ensaios de resistência à
compressão uniaxial para as duas granulometrias dos arenitos (grosseira e fina).

Tabela 4.21 - Resultados obtidos nos ensaios de resistência à compressão uniaxial para os arenitos de granulometria
grosseira.
Granulometria Amostra Secção (mm2) Carga máx (KN) RCU (Mpa)
OMF1 4578,12 214,809 90,41
OMF2 4578,12 172,149 72,46
OMF3 4578,12 250,296 105,35
Fina OMF4 4578,12 191,864 80,76
OM76 4578,12 170,676 71,84
OMf7 4578,12 171,674 72,26
OMF8 4578,12 184,739 77,76
OMF9 4578,12 173,669 73,10
V. Máximo 105,35
V. Mínimo 71,84
Média 80,49
Desv. Padrão 11,86

Tabela 4.22 - Resultados obtidos nos ensaios de resistência à compressão uniaxial para os arenitos de granulometria
grosseira.
Granulometria Amostra Secção (mm2) Carga máx (KN) RCU (Mpa)
OMG1 4578,12 137,439 57,85
OMG2 4578,12 93,281 39,26
Grosseira OMG3 4578,12 170,241 71,66
OMG4 4578,12 169,446 71,32
OMG6 4578,12 141,119 59,40
OMG7 4578,12 144,345 60,76
V. Máximo 71,66
V. Mínimo 39,26
Média 60,04
Desv. Padrão 11,83

Os arenitos estudados classificam-se como sendo uma rocha considerada dura, em termos
de resistência, de acordo com ISRM (1981), de acordo com o apresentado na Tabela 3.8 do
subcapítulo 3.6.
Verifica-se, que a resistência a compressão uniaxial é mais elevada para as amostras de
grão mais fino em comparação com os resultados obtidos para as amostras de grão mais
grosseiro.

4.10. Ensaio de deformabilidade


4.10.1. Deformabilidade elástica dinâmica
Neste ensaio, foram determinados o coeficiente de Poisson (vd) e o módulo de elasticidade
dinâmico (Ed), através das velocidades das ondas P e S obtidas por propagação dum
impulso de ondas de ultrassons. Essas grandezas, foram determinadas, respetivamente,
com base nas expressões 16 e 17, presentes no capítulo 3.7.
Nas Tabelas 4.23 a 4.27 são apresentadas os resultados das determinações do coeficiente
de Poisson e do módulo de elasticidade dinâmico.

59
Tabela 4.23 - Resultados da determinação do Coeficiente de Poisson e do módulo de elasticidade dinâmico das amostras de
arenitos de granulometria seca.

Amostra Comprimento Ondas P Ondas SDensidade''ᵟ'' Coef de Poisson Módulo elast/Young


do provete(m) Vp(m/s) T1 (μs) Vs(m/s) T2 (μs) (kg/m3) dinámico(vd) dinámico( ed) Mpa
OMf1 0,133 6018 22,1 3252 40,9 2426 0,29 66387
OMf2 0,141 5381 26,2 3065 46 2437 0,26 57686
OMf3 0,123 6150 20 3271 37,6 2426 0,3 67631
OMf4 0,132 5410 24,4 3021 43,7 2381 0,27 55344
OMf5 0,122 5596 21,8 3096 39,4 2383 0,28 58449
OMf6 0,104 5506 18,9 2873 36,2 2371 0,31 51390
OMf7 0,105 5710 18,4 3116 33,7 2408 0,29 60226
OMf8 0,078 5000 15,2 2764 27,5 2405 0,28 47035
OMf9 0,068 3778 18 2244 30,3 2407 0,23 29755
OMf10 0,061 3935 15,5 2328 26,2 2449 0,23 32671
Média 0,27 52657
Desvio padrão 0,03 12881
v. Máximo 0,31 67631
v. Mínimo 0,23 29755

Tabela 4.24 - Resultados da determinação do Coeficiente de Poisson e do módulo de elasticidade dinâmico das amostras de
arenitos de granulometria fina saturada.
Amostra Comprimento Ondas P Ondas S Densidade''ᵟ'' Coef de Poisson Módulo elast/Young
do provete (m) Vp(m/s) T1 (μs) Vs(m/s) T2 (μs) (kg/m3) dinámico(vd) dinámico( ed) Mpa
OMf1 0,133 5684 23,4 3129 42,5 2426 0,28 60929
OMf2 0,141 5444 25,9 3324 43,6 2437 0,23 62564
OMf3 0,123 5748 21,4 3091 39,8 2426 0,3 60106
OMf4 0,132 5301 24,9 2986 44,2 2381 0,27 53822
OMf5 0,122 5471 22,3 2961 41,2 2383 0,29 54024
OMf6 0,104 5652 18,4 3291 31,6 2371 0,24 63866
OMf7 0,105 5469 19,2 2672 39,3 2408 0,34 46186
OMf8 0,078 6240 12,5 3498 22,3 2405 0,27 74798
OMf9 0,068 6239 10,9 3636 18,7 2407 0,24 79099
OMf10 0,061 6421 9,5 3836 15,9 2449 0,23 86694
Média 0,27 64209
Desvio padrão 0,04 12500
v. Máximo 0,34 86694
v. Mínimo 0,23 46186

Tabela 4.25 - Resultados da determinação do Coeficiente de Poisson e do módulo de elasticidade dinâmico das amostras de
arenitos de granulometria grosseira saturada.
Amostra Distância Ondas P Ondas S Densidade''ᵟ'' Coef de Poisson Módulo elast/Young
(m) Vp(m/s) T1 (μs) Vs(m/s) T2 (μs) (kg/m3) dinámico(vd) dinámico( ed) Mpa
OMG1 0,104 5361 19,4 2667 39 2418 0,34 45941
OMG2 0,12 4633 25,9 2830 42,4 2372 0,2 45684
OMG3 0,103 6437 16 2470 41,7 2418 0,41 41709
OMG4 0,098 5632 17,4 3063 32 2465 0,29 59666
OMG5 0,105 5707 18,4 2800 37,5 2458 0,34 51703
OMG6 0,103 4813 21,4 2500 41,2 2385 0,32 39211
OMG7 0,108 5806 18,6 3086 35 2401 0,3 59594
OMG8 0,042 4719 8,9 2320 18,1 2298 0,34 33164
OMG9 0,127 5000 25,4 2854 44,5 2473 0,26 50696
OMG10 0,089 5973 14,9 2947 30,2 2473 0,34 57522
Média 0,31 48489
Desvio padrão 0,07 8983,37
v. Máximo 0,41 59666
v. Mínimo 0,2 33164

Tabela 4.26 - Resultados da determinação do Coeficiente de Poisson e do módulo de elasticidade dinâmico de arenitos de
granulometria grosseira seca.
Amostra Distância Ondas P Ondas S Densidade''ᵟ'' Coef de PoissonMódulo elast/Young
(m) Vp(m/s) T1 (μs) Vs(m/s) T2 (μs) (kg/m3) dinámico(vd) dinámico( ed) Mpa
OMG1 0,104 4776 20,9 2773 37,5 2418 0,27 47405
OMG2 0,12 4633 25,9 2500 48 2372 0,29 38385
OMG3 0,103 6280 16,4 3444 29,9 2418 0,28 73705
OMG4 0,098 5976 16,4 2390 41 2465 0,4 39560
OMG5 0,105 5707 18,4 2893 36,3 2458 0,33 54602
OMG6 0,103 4813 21,4 2470 41,7 2385 0,32 38450
OMG7 0,108 5714 18,9 2880 37,5 2401 0,33 51962
OMG8 0,042 4719 8,9 2333 18 2298 0,34 33477
OMG9 0,127 5205 24,4 2880 44,1 2439 0,28 51764
OMG10 0,089 5779 15,4 2908 30,6 2473 0,33 55648
Média 0,32 48496
Desvio padrão 0,04 11815,17
v. Máximo 0,4 73705
v. Mínimo 0,27 33477

60
Tabela 4.27 - Resumo dos resultados obtidos na determinação do Coeficiente de Poisson e do módulo de elasticidade
dinâmico.
Arenitos Finos Arenitos Grosseiros
Coefic Poisson (v d ) Ed (Mpa) Coefic Poisson (v d ) Ed (Mpa)
Seca Saturada Seca Saturada Seca Saturada Seca Saturada
Média 0,274 0,270 52657 64209 0,32 0,31 48496 48489
Desv. Padrão 0,03 0,04 12881 12500 0,04 0,06 11815 8983
Mín 0,23 0,23 29755 46186 0,27 0,20 33477 33164
Máx 0,31 0,34 67631 86694 0,40 0,41 73705 59666

A partir dos dados representados na Tabela 4.27, observa-se, que o módulo de elasticidade
dinâmico é maior para os arenitos finos.
Em relação ao Coeficiente de Poisson, este, diminui com o aumento do grau de saturação e
apresenta-se mais elevado com o aumento da dimensão granulométrica dos arenitos.
O Coeficiente de Poisson dos arenitos de granulometria fina, classifica-se como sendo
médio e para a granulometria grosseira como elevado, de acordo por Gercek (2007) e como
se pode verificar na Tabela 3.9. do subcapítulo 3.7.1.

4.10.2. Deformabilidade estática


O ensaio de deformabilidade estática foi realizado de acordo com a norma NE 14580 (IPQ,
2007). Procedeu-se à determinação das constantes de elasticidade tais como o módulo de
elasticidade estático e o coeficiente de Poisson estático. Foi usada o mesmo equipamento
da determinação da resistênca à compressão uniaxial. No provete utilizado foram colocados
dois extensómetros elétricos (Strain Gauges) do tipo PL-60-11, de 60 mm de comprimento e
de resistência elétrica de 120 ± 0,3 Ω com um fator de correção de 2.07 ± 1%.
As faces dos provetes, depois de limpas, foram retificadas por meio de uma mistura de
enxofre com argila (massa de capeamento da Forney), que permitiu efetuar o capeamento
do provete. Fundiu-se a mistura por meio de aquecimento a 130 ºC. A mistura de enxofre
com argila fundida, foi colocada num molde sendo posteriormente, disposta nos provetes na
posição vertical até a mistura solidificar. Desta forma, ficaram retificadas as faces dos
provetes que estão em contacto com a mistura. Repete-se este procedimento para com a
outra extremidade do provete.
De seguida, configurou-se o equipamento para o ensaio em causa. O equipamento foi
configurado de modo que o ensaio termine após 10% da carga de quebra de energia.
A instrumentação de cada provete foi efetuada através de um extensómetro colocado
longitudinalmente e o outro colocado transversalmente no provete para medir,
respetivamente, a deformação longitudinal e axial (Figura 4.20).

61
Figura 4.20 - Provete instrumentado e com os topos capeados.

O provete foi colocado na prensa, devidamente centrado. De seguida, o equipamento foi


configurado, escolhendo-se o tipo de ensaio de deformação, a tensão inicial de 100 KN,
início da carga a 30 KN e de 2 de ciclos, com um intervalo de 60s.
Foi aplicada uma carga de resistência à compressão uniaxial e a deformação foi controlada
por meio da taxa constante de carregamento.
Os módulos de deformação axial e lateral bem como o coeficiente de Poisson estático,
foram obtidos mediante as equações 20, 21 e 22 do subcapítulo 3.7, respetivamente.
Os resultados obtidos nesse ensaio, estão apresentados na Tabela 4.32.

Tabela 4.28 - Resultados do ensaio do módulo de elasticidade estática e do coeficiente de Poisson estático.

Amostra Módulo deformação axial Módulo deformação Coeficiente Poisson


ɛax (Gpa) transversal ɛt (Gpa) v
OMF 13 161,027 1676,891 0,096
OMG 13 92,254 1089,118 0,085

De acordo com os resultados apresentados na Tabela 4.28, os módulos de elasticidades


(axial e transversal), bem como os seus respetivos coeficientes de Poisson estáticos, são
mais elevados para os arenitos mais finos.
O coeficiente de Poisson das duas amostras ensaiadas, tanto de granulometria fina como
grosseira, é classificada como baixa, de acordo com a classificação proposta por Gercek
(2007), na Tabela 3.9 do subcapítulo 3.7.

4.11.Ensaio Brasileiro (Ensaio indireto de tração)


Este ensaio, foi realizado na base dos procedimentos sugeridos pela ISRM (1981) e pela
norma ASTM (2001).
O provete a ser ensaiado, foi colocado horizontalmente sobre duas placas da prensa, por
meio de um dispositivo metálico preparado para distribuir a carga aplicada uniformemente
em toda a faixa delimitada pela largura de contacto com o provete.

62
De seguida, configurou-se o equipamento para o ensaio em causa, escolheu-se a forma
geométrica dos provetes (cilíndrica) e foram introduzidos o diâmetro e o comprimento do
provete a ensaiar.
De igual modo, o equipamento foi configurado de modo que o início da carga fosse a 2kN e
com uma taxa de aplicação de carga de 1 kN/s. Exerceu-se a carga vertical de compressão
de forma contínua sobre o provete cilíndrico, até se conseguir a sua rotura. O equipamento
define o valor da resistência à tração através da expressão 22 do capítulo 3.8.
A Figura 4.21 mostra a prensa e o provete colocado diametralmente para o ensaio
Brasileiro.

Figura 4.21 - Prensa e provete colocado diametralmente para o ensaio.

Os valores médios por granulometria obtidos no ensaio Brasileiro e os valores estimados da


resistência a tração direta, estão apresentados na Tabela 4.29.

Tabela 4.29 - Valores da resistência a tração obtidos no ensaio Brasileiro.

Granulometria Resistência a tração brasileiro (Mpa)


Grosseira 11,9
Fina 8,2

De acordo com os resultados apresentados na Tabela 4.29, observa-se, que os valores das
resistências à tração obtidos pelo ensaio diametral, diminuem com a redução da
granulometria do arenito.

63
5. DISCUSSÃO DE RESULTADOS
Neste capítulo procede-se à apresentação, correlação e discussão de resultados obtidos
através dos ensaios realizados. De modo a tornar mais fácil a leitura e interpretação dos
dados foram elaboradas tabelas e gráficos de correlação e comparação entre os vários
parâmetros de várias grandezas físicas e mecânicas.
As correlações e comparações efetuadas permitiram em certos casos, estabelecer a partir
dos resultados de um determinado parâmetro, os valores de outro parâmetro. A síntese dos
resultados obtidos nos ensaios é apresentada na Tabela 5.1.

Tabela 5.1 - Síntese dos resultados obtidos nos ensaios físicos e mecânicos efetuados com amostras de arenitos de grão fino e
grosseiro, e também em amostras secas e saturadas.
Vp Vs MVA P.A Ed Vd Is (50) R Id2 RCU σ3 ɛax ɛt V
3
(m/s) (m/s) (kg/m ) (%) (MPa) (%) (MPa) (MPa) (GPa) (GPa)
Fina Seca 5248 2903 2386,1 7,4 52657 0,27 5,89 41 99,1 71,8 8,2 160 168 0,10
Saturada 5767 3242 64209 0,27
GrosseiraSeca 5360 2747 8,6 48496 0,32 7,87 42 98,9 60 11,9 92,3 1089 0,09
Saturada 5408 2754 2413,2 48489 0,31
Vp - velocidade das ondas longitudinais; Vs – velocidade das ondas transversais;
MVA – massa volúmica aparente; P.A - porosidade aberta; Ed – módulo de elasticidade dinâmico; Is(50) – índice de resistência à
carga pontual; Id2 – índice de durabilidade do 2ᴼ ciclo;
RCU – resistência à compressão uniaxial; 𝜎3 - resistência à tração do ensaio brasileiro;
𝜀𝑎𝑥 – deformação axial; 𝜀𝑡 – deformação transversal ou diametral; v – coeficiente de Poisson estático.

Procedeu-se à definição das possíveis correlações dos parâmetros obtidos nos ensaios dos
arenitos finos e grosseiros.
Na Figura 5.1, são representadas as velocidades de propagação das ondas longitudinais
(Vp) (máxima, mínima e média) para os provetes dos arenitos grosseiros e finos,
considerando-se igualmente os resultados dos provetes secos e saturados. Observa-se um
aumento dos valores de Vp para os arenitos de grão grosseiro, bem como para os provetes
saturados em comparação com os secos.

7000
6500
6000
Vp (m/s)

5500 Máximo
5000 Minimo
4500 Médio
4000
3500
Fino-seco Fino-saturado Grosseiro-seco Grosseiro-saturado

Figura 5.1 - Gráfico das velocidades de propagação das ondas longitudinais (máxima, mínima e média) para os arenitos finos e
grosseiros, considerando-se igualmente os provetes secos e saturados.

Na Figura 5.2, apresenta-se o gráfico das diferentes velocidades de propagação das ondas
transversais (Vs) (máxima, mínima e média) para os arenitos de grão grosseiro e fino, e

64
também para as situações dos provetes secos e saturados. Constata-se um incremento dos
valores de Vs com o aumento da dimensão granulométrica nas amostras secas e uma
diminuição dos valores de Vs com o incremento do tamanho dos grãos para as amostras
saturadas.

4200

3700
Vs (m/s)

Máximo
3200
Minimo

2700 Médio

2200
Fino-seco Fino-saturado Grosseiro-seco Grosseiro-saturado

Figura 5.2 - Gráfico das diferentes velocidades (máxima, mínima e média) de propagação das ondas transversais (Vs) para os
arenitos finos e grosseiros, considerando-se igualmente os provetes secos e saturados.

Na Figura 5.3, é exibido um gráfico com os valores dos módulos de elasticidade dinâmico
(Ed) (máximo, mínimo e médio) para as duas granulometrias dos arenitos e são
considerandos os resultados com os provetes secos e saturados. Verifica-se um aumento,
em termos gerais, dos valores de Ed com o aumento da dimensão dos grãos nas amostras
secas. Para as amostras saturadas, regista-se uma diminuição de Ed com o aumento da
dimensão granulométrica.

100000
90000
80000
Ed (Mpa)

70000
60000 Máximo
50000
40000 Minimo
30000 Médio
20000
Fino-seco Fino-saturado Grosseiro-seco Grosseiro-saturado

Figura 5.3 - Gráfico dos diferentes valores (máximo, mínimo e médio) dos módulos de elasticidade dinâmicos (Ed) para os
arenitos grosseiros e finos, e distinguidos em amostras secas e saturadas.

Na Figura 5.4, apresenta-se o gráfico com os diferentes valores dos Coeficientes de Poisson
(vd) (máximo, mínimo e médio) para as duas granulometrias dos provetes secos e saturados.
Observa-se um aumento dos valores de vd, tanto com o aumento da dimensão
granulométrica como com a saturação das amostras de grão fino.

65
0.44

0.39

0.34 Máximo
vd

0.29 Minimo
Médio
0.24

0.19
Fino-seco Fino-saturado Grosseiro-seco Grosseiro-saturado

Figura 5.4 - Gráfico dos diferentes valores (máximo, mínimo e médio) dos coeficientes de Poisson (vd) para as duas
granulometrias divididas em seca e saturada.

Na Figura 5.5, apresenta-se o gráfico para os valores da resistência à compressão uniaxial


(RCU) (máximo, mínimo e médio) para os arenitos de grão grosseiro e fino. Observam-se
valores da RCU mais elevados para as amostras de arenitos de grão fino. Nos ensaios de
RCU só foram ensaiadas amostras secas.

120

100

80
RCU (Mpa)

Máximo
60
Mínimo
40 Médio

20

0
Fina Grosseira

Figura 5.5 - Gráficos dos diferentes valores (máximo, mínimo e médio) da resistência à compressão uniaxial (RCU) para os
arenitos de granulometria fina e grosseira.

5.1. Correlação entre os parâmetros determinados nos ensaios


Na Figura 5.6, apresenta-se a possível relação entre Vs e Vp para os provetes de
granulometria fina com os provetes secos. Verifica-se, que há um aumento proporcional, ou
seja ao incremento dos valores de Vs corresponde um aumento dos valores de Vp
(correlação positiva). Sendo o coeficiente de correlação, R igual a 0,98, o que corresponde a
um valor muito elevado.

66
6700

6200 y = 2,1949x - 1123,3


R² = 0,9681
5700

VP (m/s)
5200
Fina - seca
4700 Linear (Fina - seca)

4200

3700
2200 2400 2600 2800 3000 3200 3400
VS (m/s)

Figura 5.6 - Relação entre a velocidade das ondas transversais (Vs) e a velocidade das ondas longitudinais (Vp) para os
provetes de granulometria fina da amostra seca.

Na Figura 5.7, é exibida a relação entre Vs e a Vp para os provetes de granulometria fina da


amostra saturada. Constata-se a presença de uma relação positiva, deste modo ao aumento
sucessivo dos valores de Vs, regista-se também um aumento dos valores de Vp. A
correlação é classificada como sendo positiva forte, visto que o coeficiente de correlação, R
tem o valor de 0,85.

6500
y = 0,9635x + 2642,9
6300 R² = 0,7251

6100
VP (m/s)

5900
Fina - saturada
5700 Linear (Fina - saturada)

5500

5300
2671 2871 3071 3271 3471 3671 3871 4071
VS (m/s)

Figura 5.7 - Relação entre a velocidade das ondas transversais (Vs) e a velocidade das ondas longitudinais (Vp) para os
provetes de granulometria fina da amostra saturada.

Na Figura 5.8, apresenta-se a relação entre o Coeficiente de Poisson (vd) e o módulo de


elasticidade dinâmico (Ed) para os provetes de granulometria fina da amostra seca. As duas
grandezas apresentam uma relação direta. A correlação é classificada como sendo
moderada, dado que o coeficiente de correlação é igual a 0,79.

67
69700

64700 y = 375216x - 50152


R² = 0,626
59700
Ed(MPa)

54700

49700
Fina - seca
44700
Linear (Fina - seca)
39700

34700

29700
0,22 0,24 0,26 0,28 0,3 0,32
vd

Figura 5.8 - Relação entre o Coeficiente de Poisson (vd) e o módulo de elasticidade dinâmico (Ed) para os provetes de
granulometria fina da amostra seca.

A relação entre Vs e o coeficiente de Poisson para os provetes de granulometria fina da


amostra saturada é exibido na Figura 5.9. Foi verificada a existência de uma relação
negativa, ao aumento sucessivo dos valores de Vs corresponde uma diminuição dos valores
do coeficiente de Poisson. A correlação é classificada como sendo elevada, visto que o
coeficiente de correlação tem o valor de - 0,82.

0,36

0,34

0,32

0,3 y = -8E-05x + 0,5418


vd

R² = 0,6819
0,28 Fina - saturada
Linear (Fina - saturada)
0,26

0,24

0,22
2670 3170 3670 4170
Vs (m/s)

Figura 5.9 - Relação entre a velocidade de propagação das ondas transversais (Vs) e o coeficiente de Poisson para os
provetes de granulometria fina da amostra saturada.

Na Figura 5.10, é possível visualizar a relação entre Vp e o Módulo de elasticidade dinâmico


para os provetes de granulometria fina da amostra saturada. Verifica-se uma correlação

68
positiva, com o incremento dos valores de Vp, regista-se um aumento sucessivo dos valores
do módulo de elasticidade dinâmico. Definiu-se um coeficiente de correlação elevado, R=
0,92.

91185

86185
y = 29,361x - 105113
81185 R² = 0,8537

76185
Ed (Mpa)

71185

66185 Fina - saturada

61185 Linear (Fina - saturada)

56185

51185

46185
5300 5500 5700 5900 6100 6300 6500
Vp (m/s)

Figura 5.10 - Correlação entra a velocidade de propagação das ondas longitudinais (Vp) e módulo de elasticidade dinâmico
(Ed) para os provetes de granulometria fina da amostra saturada.

Na Figura 5.11, representa-se a relação entre o módulo de elasticidade dinâmico e a


porosidade aberta (P.A.) para os provetes de granulometria grosseira da amostra saturada.
Observa-se uma relação inversa entre essas duas grandezas. O coeficiente de correlação é
igual a - 0,83.

15
14 y = -0,0002x + 20,353
13 R² = 0,6841
12
11
P. A (%)

10 Grosseira - saturada
9
8 Linear (Grosseira -
7 saturada)
6
5
33160 38160 43160 48160 53160 58160 63160
Ed (Mpa)

Figura 5.11 - Relação entre o módulo de elasticidade dinâmico e a porosidade aberta para os provetes de granulometria
grosseira da amostra saturada.

69
A relação entre a resistência à compressão e a porosidade aberta das amostras de
granulometria grosseira é evidenciada na Figura 5.12. Observa-se uma relação negativa,
para a qual se obteve um coeficiente de correlação, R= - 0,70.

12
11
Porosidade aberta (%)

10
9
8 Grosseira
y = -0,1221x + 15,512
7 R² = 0,4942 Linear (Grosseira)

6
5
39 49 59 69 79
RCU (Mpa)

Figura 5.12 - Relação entre a resistência á compressão uniaxial e a porosidade aberta da amostra de granulometria grosseira.

Os resultados dos ensaios laboratoriais das propriedades físicas e mecânicas estudadas,


mostram que os arenitos de grão fino e grosseiro que foram estudados evidenciam
comportamentos algo diferenciados.
A Tabela 5.2, apresenta o resumo das correlações entre alguns parâmetros estudados das
amostras de granulometria fina e grosseira, divididas em amostras secas e saturadas.

70
Tabela 5.2 - Resumo das correlações entre parâmetros estudados da amostra de granulometria fina com os da granulometria
grosseira nos estados seco e saturado.
Granulometria fina Granulometria grosseira
Estado Parâmetros Correlação Correlação
correlacionados (R) (R)
Vp - Vs 0,98 0,63
Coef. P - Vp 0,88 0,32
Coef. P - Vs 0,78 -0,51
Coef. P - Porosidade 0,41 -0,26
seco Porosidade - Vp 0,3 -0,51
Porosidade - Vs 0,28 -0,39
Ed - Porosidade 0,22 -0,83
Ed - Coef. P 0,79 -0,39
Ed - Vp -0,82 0,73
M.v - Vp -0,22 0,65
M.v - Vs -0,14 0,43
Vp - Vs 0,85 0,27
Coef. P - Vp -0,42 0,65
Coef. P - Vs -0,82 -0,47
Coef.P- Porosidade 0,08 -0,09
Porosidade - Vp -0,61 -0,67
saturado Porosidade - Vs -0,45 -0,71
Ed - Porosidade -0,53 -0,83
Ed - Coef. P 0,73 -0,24
Ed - Vp 0,92 0,48
M.v - Vp 0,42 0,61
M.v - Vs 0,41 0,66

Da observação da Tabela 5.2 é de salientar que os coeficientes de correlação apresentam-


se muito variáveis, sendo de destacar que são elevados entre as velocidades longitudinais e
transversais para as amostras de grão fino secas e saturadas.
O módulo de deformabilidade dinâmico e as velocidades das ondas longitudinais obtidos
para as amostras de grão fino secas e saturadas evidenciam uma forte correlação.
Para os resultados dos arenitos do grão grosseiro e saturados definiu-se um valor do
coeficiente de correlação elevado entre os valores do módulo de deformabilidade dinâmico e
os da porosidade.
A Tabela 5.3 evidencia as possíveis relações entre a resistência à compressão uniaxial e
outros parâmetros estudados.
Tabela 5.3 - Resumo das correlações entre a resistência à compressão uniaxial e outros parâmetros estudados.

Parâmeteros Fina Grosseira


correlacionados Correlação( R) Correlação( R)
RCU - VS (seca) 0,79 0,38
RCU - VS (saturada) 0,18 0,11
RCU - VP (seca) 0,8 0,79
RCU - VP (saturada) 0,08 0,79
RCU - M.V.A 0,46 0,64
RCU - Vd (seca) 0,36 0,41
RCU - Vd (saturada) 0,36 0,41
RCU - ed(seca) 0,6 0,41
RCU - ed (saturada) 0,6 0,23
RCU - P.A. -0,71 -0,7

Das correlações entre a resistência à compressão uniaxial (RCU) e os vários parâmetros


determinados, destacam-se os valores de correlações mais elevados e que são definidos

71
entre a RCU e as velocidades das ondas longitudinais e transversais para as amostras finas
dos provetes secos, são igualmente de destacar, como elevados, os valores das correlações
entre a RCU e a velocidade das ondas longitudinais para as amostras grosseiras de
provetes secos e saturados.

72
6. CONCLUSÕES

6.1. Considerações finais


A caracterização física e mecânica dos arenitos localizados nas proximidades de Olho
Marinho, efetuada através dos ensaios in situ e laboratoriais realizados nesse estudo,
permitiu conhecer melhor as propriedades deste tipo de formação e caracterizar o seu
comportamento geomecânico.
Os arenitos estudados enquadram-se, de forma genérica, na Formação de Choisa e de
Picadouro (C2PC), do Coniaciano – Santoniano, pertencentes ao Cretácico Superior. Da
observação macroscópica do arenito que possui uma cor avermelhada e por vezes
amarelada, definiram-se duas classes: uma de grão fino e outra de grão grosseiro.
Da análise à lupa das amostras de grão fino verificou-se que o arenito é essencialmente
constituído por grãos de quartzo hialinos, apresentando alguns tonalidades que variam entre
o branco, rosa e avermelhado, com dimensão máxima de 0,25 mm, sendo a sua forma
predominantemente esférica e subarredondada, não tendo sido observada a presença de
matriz. Os grãos estão fortemente agregados por um cimento de sílica de coloração
avermelhada a acastanhada.
Para as amostras de grão grosseiro a composição mineralógica é semelhante, bem como a
tonalidade dos grãos de quartzo, no entanto a dimensão dos grãos atinge 2-3 mm, com
formas esféricas, por vezes angulosas, subarredondadas e por vezes arredondadas. Os
grãos estão fortemente unidos com cimentação de sílica, de textura granular, verifica-se a
presença de pequenas cavidades que por vezes não são preenchidas ou podem conter
alguns materiais argilosos com óxido de ferro hidratado, de coloração avermelhada-
amarelada. Os grãos apresentam uma percentagem superior a 50%, em relação à matriz.
A massa volúmica dos arenitos de grão fino varia entre 2372 e 2450 kg/m3 com um valor
médio de 2386 kg/m3 e uma porosidade aberta média de 7,40%.
Os arenitos de grão grosseiro têm uma massa volúmica que varia entre 2298 e 2473 kg/m 3,
com um valor médio de 2413 kg/m3 e uma porosidade média de 8,60%
A maior porosidade nas amostras de grão grosseiro é justificada pelos vazios, não
preenchidos, que se observaram na análise à lupa binocular.
Relativamente à velocidade de propagação das ondas longitudinais (Vp) dos arenitos
estudados, mediram-se as velocidades em amostras secas e saturadas.
Para as amostras de grão grosseiro saturadas e secas obtiveram-se os valores médios de
5408 m/s e 5360 m/s, respetivamente. Para as amostras de grão fino saturadas e secas
obtiveram-se os valores médios 5766 m/s e 5248 m/s, respetivamente.
Como seria de esperar as amostras saturadas apresentam uma velocidade maior, visto que
os poros estão preenchidos com água.

73
Em relação à velocidade de propagação das ondas transversais (Vs), para as amostras de
grão grosseiro saturadas e secas obtiveram-se os valores médios de 2754 m/s e 2747 m/s,
respetivamente. Para as amostras de grão fino saturadas e secas obtiveram-se os valores
médios 3242 m/s e 2903 m/s, respetivamente.
Verifica-se que as amostras de grão fino apresentam, de um modo geral, valores de
velocidade mais elevados quer nas amostras secas quer saturadas, podendo esses valores
serem justificados pela sua maior massa volúmica.
Os resultados obtidos, in situ, pelo ensaio de dureza de Schmidt, permitem aferir uma
resistência à compressão uniaxial, inferida, compreendida entre 75 e 78 MPa, o que justifica
a velocidade elevada na propagação das ondas de ultrassons.
Os resultados do ensaio do índice de carga pontual, com os valores médios de Is(50) de 5,93
MPa e 7,97 MPa, para as amostras de grão fino e grosseiro, respetivamente, estes valores
se correlacionados com à resistência a compressão uniaxial, segundo a classificação de
Bieniawski (1979) indicam que os arenitos, têm uma resistência à compressão entre 100 e
250 MPa. Da observação e análise dos ensaios efetuados este valor parece ser excessivo
para o tipo de rocha estudado.
O índice de durabilidade dos arenitos (2º cíclo) é muito alto, segundo a classificação de
Gamble (1971). Estes resultados estão de acordo com os valores dos ensaios anteriores
que nos indicam que os arenitos têm uma boa resistência mecânica.
Os arenitos de grão fino apresentam uma resistência à compressão uniaxial que varia entre
72 MPa e 105 MPa, com um valor médio de 80 MPa. Nas amostras de grão grosseiro foi
registado valores entre 39 MPa e 72MPa, com um valor médio de 60 MPa. Estes valores
poderão ser justificados com os valores de velocidade de ondas P e com a maior densidade
que os arenitos de grão fino apresentam em relação aos de grão grosseiro.
Os valores médios do coeficiente de Poisson e do módulo de elasticidade dinâmico obtidos
através das velocidade das ondas Vp e Vs, medidas através de ultrassons, para os dois
tipos de arenitos em condições secas e saturadas variam, em termos médios, entre 0,27 e
0,32 (coeficiente de Poisson) e de 48,5 GPa a 64,2 GPa (módulo de elasticidade dinâmico).
Estes valores estão dentro dos valores médios de outros tipos de arenitos similares.
O ensaio efetuado para determinar a deformação dos arenitos com extensómetros (Módulo
de elasticidade estático e coeficiente de Poisson) não foi conclusivo devido a só terem sido
ensaiadas duas amostras.
Os valores das resistências à tração obtidos pelo ensaio diametral (ensaio Brasileiro),
diminuem com a redução da granulometria do arenito, tendo-se obtido o valor de 11,9 MPa
para o arenito de grão grosseiro e 8,2 MPa para o arenito de grão fino.
A relação entre as tensões de rutura à compressão e tração para os arenitos de grão fino e
grosseiro é de 9,8 (80MPa/8,2MPa) e 5,04 (60MPa/11,9MPa), respetivamente, valores

74
superiores aos que se consideram empiricamente (geralmente a tensão de rutura à tração
corresponde a um terço da tensão de rotura à compressão). Esses valores podem ser
justificados por terem sido ensaiados poucos provetes.
De um modo geral podemos considerar que os valores da massa volúmica, da porosidade,
da dureza de Schmidt, do índice de resistência à carga pontual, da resistência à tração
obtidos pelo ensaio diametral e do coeficiente de Poisson dinâmico apresentam valores que
tem uma relação direta com a dimensão do grão do arenito, ou seja, os valores medidos
destas propriedades, são mais elevados para os arenitos de grão grosseiro.
O índice de durabilidade, a resistência à compressão uniaxial, o módulo de elasticidade
dinâmico, os módulos de elasticidades estáticos (axial e lateral), bem como os seus
respectivos coeficientes de Poisson estáticos, têm uma relação inversa com a dimensão
granulométrica, ou seja, os valores dessas grandezas, diminuem nos arenitos de grão
grosseiro.
A velocidade de propagação das ondas longitudinais e a velocidade de propagação das
ondas transversais têm uma relação direta com a saturação, ou seja, aumentam com o grau
de saturação da rocha.
O coeficiente de Poisson dinâmico, tem uma relação inversa com a saturação, ou seja,
diminui com a saturação.
Das correlações entre parâmetros medidos, revelaram-se correlações robustas (0,8 ≤ R <1),
as seguintes correlações:
 entre a velocidade de propagação das ondas longitudinais e a velocidade de
propagação das ondas transversais (amostra seca) de granulometria fina (R= 0,98);
 entre o coeficiente de Poisson e a velocidade de propagação das ondas longitudinais da
granulometria fina seca (R= 0,88);
 entre a velocidade de propagação das ondas longitudinais (Vp) e a velocidade de
propagação das ondas transversais (Vs) da granulometria fina da amostra saturada (R=
0,85);
 entre o módulo de elasticidade dinâmica (Ed) e a velocidade de propagação das ondas
longitudinais (Vp) granulometria fina da amostra saturada (R= 0,92);
 entre Ed e porosidade aberta da granulometria grosseira da amostra saturada (R=
- 0,83);
 entre o módulo de elasticidade dinâmica (Ed) e a velocidade de propagação das ondas
longitudinais (Vp) da granulometria fina da amostra seca (R= - 0,82);
 entre o Coeficiente de Poisson (vd) e a velocidade de propagação das ondas
transversais (Vs) da granulometria fina da amostra saturada (R= - 0,82).

75
De todas as correlações estabelecidas, destaca-se a correlação com R elevado, entre a
velocidade de propagação das ondas longitudinais e velocidade de propagação das ondas
transversais da granulometria fina seca (R= 0,98). Esta correlação permite a validação dos
dados de Vp e Vs obtidos através de ondas de ultrassons (a medição das ondas S é difícil
devido a problemas de acoplamento amostra/transdutor e definição do tempo de chegada da
onda S).
A velocidade das ondas P e a tensão de rotura à compressão (RCU) podem ser
relacionadas com as seguintes equações:
RCU = 0,0137. Vp - 13,682 (R=0,79, n=6, Arenito grosseiro seco)
RCU = 0,009. Vp + 32,129 (R=0.80, n=8, Arenito fino seco)

Os ensaios laboratoriais efetuados nos arenitos, permitiram evidenciar algumas


características que ajudaram a compreender a variação das suas propriedades físicas e
mecânicas em função da granulometria e o seu estado seco ou saturado.
Ambos os tipos de rocha, arenito grosseiro e arenito fino têm boas características físicas e
mecânicas para poderem ser usadas para talhar pedras de mó.
Em termos de trabalhabilidade da rocha o arenito grosseiro, será mais fácil de trabalhar visto
que tem uma resistência á compressão uniaxial menor que o arenito fino.
Outra propriedade importante para a utilização das mós será o seu desgaste, valor que foi
obtido pelo ensaio de Slake Durability Test. Ambos os tipos de arenito apresentam
durabilidades muito elevadas, podendo ambos ser utilizados no fabrico das mós.

76
6.2. Sugestões para trabalhos futuros
Em trabalhos futuros devem ser ensaiados mais provetes, de modo a melhorar alguns
valores obtidos nos ensaios e a torná-los mais representativos para o arenito estudado.
Para correlacionar todos os parâmetros medidos, sugere-se, que nos trabalhos futuros, os
ensaios com o Martelo de Schmidt e o de desgaste em meio húmido, sejam efetuados num
maior número de amostras.
Seria interessante fazer ensaios de resistência à compressão triaxial, para avaliar a sua
resistência num ambiente mais próximo da realidade do maciço.
Recomenda-se que no futuro sejam realizados ensaios de deformabilidade estática e
Brasileiro com um número mínimo de 6 provetes para se obter resultados mas fiáveis e
permitir estabelecer correlações com os resultados de outros ensaios realizados.

77
7.REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. AKAI, K. (1997) – Testing methods for indurated soils and soft rocks - Interim report.
ISSMFE - TC 22 - Technical Committee on Indurated Soils and Soft Rocks.
Geotechnical Engineering of Hard Soils – Soft Rocks, Proc. Int. Symp. ISSMFE / IAEG
/ ISRM, Athens, Greece, 1993, vol. 3, pp. 1707-1737.
2. Almeida, C.; Mendonça, J.J.L.; Jesus, R.M.; Gomes, A.J. (2000) – Sistemas Aquíferos
de Portugal continental. ING / CGUL, Lisboa. 661p.
3. Andrade, P.S. (2004) - Carcterização geomecânica e análise da estabilidade em
maciços rochosos anisotrópicos, Taludes do IP3 e da EN234 (Portugal Central),
dissertação apresentada à Universidade de Coimbra para obtenção do grau de Doutor,
Departamento de Ciências da Terra da Faculdade de Ciências e Tecnologia da
Universidade de Coimbra, pp.182- 183.
4. ASTM (2001) - Standard test Method for Splitting Tensile Strenght of intact rock core
specimen.
5. Aufmuth, R.E. (1974) - Site engineering index of rock. ASTM Spec. Tech. Publ., 54, pp.
81 – 99.
6. Berg, R.R. (1986) - Reservoir Sandstones. Pentice Hall, Inc., Englewood Cliffs, 481 p.
7. Bieniawski, Z.T. (1971) - The Point Load Test in Geotechnical Practice. Eng. Geol.,
Sept., 1971, pp. 1-11.
8. Brown, E.T. (1999) - Rock mechanics for underground mining, second edition, Boston,
London, pp. 99.
9. Carta Militar de Portugal, Escala 1:25.000, 2ª edição, (1982), folha 242, Foz de Arouce
(Lousã), Serviço Cartográfico do Exército, Lisboa.
10. Cunha, P. P. (2000) - Litostratigrafia do Terciário da Região Miranda do Corvo -Viseu
(Bacia do Mondego-Portugal). 1° Congresso sobre o Cenozóico de Portugal, Lisboa,
pp. 129-144.
11. Dusseaut, M.B.; Cimolini, P.; Soderberg, H.; Scafe, D. W. ( 1983) - Rapid index tests
for transicional materials. Geoth. Testing JR., GTJODJ, 6 (2), pp.64 – 72.
12. EN 14579 (2007) - Norma Portuguesa, Métodos de ensaio para a pedra natural.
Determinação da velocidade de propagação do som, Instituto Português de qualidade,
Portugal.
13. EN 14580 (2007) - Norma Portuguesa, Métodos de ensaio para a pedra natural.
Determinação do módulo de elasticidade estática, Instituto Português de qualidade,
Portugal.

78
14. EN 1926 (2000) - Norma Portuguesa, Métodos de ensaio para a pedra natural.
Determinação da resistência à compressão, Instituto Português de qualidade, Portugal.
15. EN 1936 (2008) - Norma Portuguesa, Métodos de ensaio para a pedra natural.
Determinação da massa volúmica real e aparente e das porosidades total e aberta,
Instituto Português de qualidade, Portugal.
16. EN 932 - 3 (2000) - Norma Portuguesa, Ensaio para determinação das propriedades
gerais dos agregados parte 3: Procedimentos e terminologia para a descrição
petrográfica simplificada, Instituto Português de qualidade, Portugal.
17. Favaretti, M. (1995) - Tensile strength of compacted clays. Proc. First Int. Conf. On
Unsaturated Soils, UNSAT95. Paris, pp. 51 - 56.
18. Ferrer, L. I. (2011) - Geological Engineering, London, 678 9.
19. Folk, R.; Andrews, P.B.; Lewis, D. W (1970) - Detrital sedimentary rock classification
and nomenclature for use in New Zeland. N.Z.J. Geol. Geophys, 13, pp. 937 – 968.
20. Formaintraux, D. (1976) - Characterization of rocks; laboratory tests, Chapter IV in la
Mecânique des Roches appliqué aux ouvrages du génie: Ecole Nationale des ponts et
Chaussée, Paris.
21. Franklim, J.A. (1985) - Suggested method for determining Point Load, vol 22,
International Society for Rock Mechanics Commission on testing methods working
group on revision of the Point load test method, Great Britain, pp. 51 -60.
22. Gamble, J. C. (1971) - Durability – plasticity classification of Shales and other
Argilaceous rocks. PhD Thesis. University of Illinois, Urbana.
23. Gercek, K. (2007) - Poissons ratio value for rocks. International Journal of rock
mechanics and mining sciences, 44(1), pp.1- 13.
24. Greco, R.; Sorriso–Valvo, M. (2005) – Relationships between joint apparent separation,
Schimdt hammer rebound value, and distance to faults, in rocky outcrops, Calabria,
Southern Italy. Engineering Geology 78(3-4), pp. 309-320.
25. Hawkins, A. B.; Oliver, J. A. G. (1986) – Point Load Tests: Correlation Factors and
Contractual Use. An Example from the Corallian at Weymouth. Site Investigation
Practice.
26. Hoek, E. (1993) - Pratical Rock Engineering, revised in 2000, Vancouver – Canada.
Engineering-Full-Text.pdf.
27. Hudson, J. A.; Harrison, J. P. (1997) - Engineering Rock mechanics. An Introduction of
the principles. Univ. London, UK. Pergmon press, pp. 444.
28. Hudson, J. A.; S.L.; Fairhurst, C. (1972) - Soft, stiff ans servo- controlled testing
machines: A review with reference to rock failure. Eng. Geol. 6(3), pp. 155 – 189.

79
29. IAEG (1979) - Classification of rocks and soils for engineering geological mapping, Part
1 – rock and soils materials. Bulletin of the International Association Engineering
Geology, 19, pp. 364-371.
30. Instituto Nacional de Engenharia, Tecnologia e Inovação, Departamento de Geologia
Lisboa (2005) - Carta geológica de Portugal, Escala 1:50.000, folha 19-D, Coimbra
31. ISRM (1979) - Suggested Methods for Determining Water Content, Porosity, Density,
Absorption and Related Properties and Swelling and Slake- Durability Index Properties,
Reprinted from International journal of Rock Mechanics & Geomechanics Abstracts, 16
(2), pp. 141 – 156.
32. ISRM (1981) - Basic geotechnical description of rock masses. Int. Society of Rock
Mechanics, Commission on the Classification of Rocks and Rock Masses. Int. J. Rock
Mechanics Min. Sci. Geomech. Abst.,18, pp. 85-110.
33. ISRM (1985) - Suggested method for determining point load strength. Int. J. Rock
Mechanics Min. Sci. Geomech. Abstr., 22, pp. 54-60.
34. ISRM (1999) - Suggested methods for laboratory testing of swelling rocks. Int. J. Rock
Mechanics and Mining Sciences, 36, pp. 291-306.
35. Jaeger, J.C.; Cook, N.G.W.; Zimmerman, R. (2008) - Fundamentals of Rock
Mechanics. Blackwell Publishing, 488 p.
36. Katz, O.; Reches, Z.; Roegiers, J.C. (2000) - Evaluation of mechanical rock properties
using a Schmidt Hammer. Int. J. Rock mechanics and mining Science and Geomech.
Technical Not.37, pp. 723- 728.
37. Kedves, M.; Diniz, F. (1979) - Les pollens d’angiospermes du Crétacé de Vila
Flor,Portugal. Genres de formes Atlantopollis et Limaipollenites. Bol. Soc. Geol.
Portugal, 21, 2- 3, pp. 203 – 216.
38. Kennedy, T. W.; Hudson, W. R. (1968) - Application of the indirect tensile test to
stabilized materials. Highway Research Record, Washington, 235, p 37 – 49.
39. Krishnayya, A. V. G. & Einsenstein, Z. (1974) - Brazilian tensile test for soils.
Canadian Geotech. Journal, 11, pp. 632-642.
40. Lab (2011) – Operating Instructions, Pundit Lab/ Pundit Lab + Ultrasonic Instrument.
Proceq AS, Schwerznbach part number: 82032601E.
41. Lima-Wenceslaude (1900) – Notícia sobre alguns vegetais fosseis da flora senoniana
(ensunlato) do solo portuguez. Com. Dir. Trab. Geol. Portugal, 4, pp. 1 – 12.
42. Malhotra, V.M. (1984) - Study of the Stress Waves in the Plunger of a Rebound
Hammer at the Time of Impact, American Concrete Institute – Special, p 82.
43. Metha, P.K.; Monteiro, P.J.M (2008), Concreto – microestrutura, propriedades e
materiais. Instituto Brasileiro do Concreto São Paulo.

80
44. Miranda, T., Correia, A., Sousa, Luís., Determinação de Parâmetros Geomecânicos em
Formações Rochosas e Maciço Heterogéneos. Revista de Engenharia Civil da
Universidade do Minho, Janeiro/2006, pp. 17-40.
45. Morgenstem; N.R.; Eigenbrod, K.D.E. (1974) - Classification of argillaceous soil and
rocks. Journal of the technical division. ASCE. VOL. 100 GT 10. October, pp. 1137 –
1156.
46. Norbury, D. R.; Child, G. H.; Spink, T. W. (1986) – A critical review of section 8 (BS
5930) – Soil and Rock Description. In: A. B. Hawkins (editor), Site Investigation
Practice: Assessing BS 5930. Geological Society, Engineering Geology Special
Publication, 2, pp. 331-342.
47. Oliveira, R. (1993) - Weak rock material - The Engineering Geology of weak rock. Proc.
26th Annual conference of the Engineering group of the Geological society, United
Kingdom, 1990, pp. 5- 15.
48. Pearson, K.; Fisher, R.; Inman, H.F. (1994) - Karl Pearson and R. A. Fisher on
Statistical Tests: A 1935 Exchange from Nature”. The American Statistician, 48, pp. 2-
11.
49. Pena dos Reis, R.; Proença Cunha, P. (1986) - A organização sedimentológica e
litostratigráfica do enchimento detrítico basal da Bacia da Lousã (Portugal).
Comunicação apresentada no 2º Congresso Nacional de Geologia, Lisboa.
50. Pinto, J. L. (1985) - Determination of the deformability modulus of weak rock masses by
means of large flat jacks (LFJ). ISRM Int. Symp. On Weak Rocks, Tokyo, Japan.
51. Powers, M.C. (1982) - Comparison chart for estimating roundness and sphericity. AGI
Data Sheet 18. American Geological Institute.
52. Rola, A.I.S. (2014) – O contexto Geológico de Coimbra – Lousã, atividades práticas
para o ensino da Geologia.Tese de Doutoramento em Gelogia, especialidade em
História e Metodologia das Ciências Geológicas. Faculdade de Ciências e Tecnologia
da Universidade de Coimbra.
53. Repette, W. L. (1991) - Contribuição à inspeção e à avaliação da segurança de
estruturas acabadas de concreto armado. Dissertação de Mestrado, Universidade
Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 169 p.
54. Rocha, M. (1981) - Mecânica das Rochas, Laboratório Nacional de Engenharia Civil,
Lisboa, pp. 29 – 31.
55. Sequeira, A.J.D.; Sousa, M.B. (1991) - O Grupo das Beiras (Complexo Xisto-
Grauváquico) da região de Coimbra-Lousã. Memórias e Notícias. Publ. Mus. Lab.
Minera. Geol. Universidade de Coimbra, 112, pp. 1-13.

81
56. Soares, A. F.; Marques, J. F.; Sequeira, A.J.D. (2007) - Notícia Explicativa da Folha 19-
D Coimbra-Lousã. Instituto Nacional de Engenharia, Tecnologia e Inovação, I.P.,
Lisboa, pp. 5-10, 16-22, 35-37, 39-46.
57. Teixeira, C.; Pais, J. (1976) – Introdução à paleobotânica. As grandes fases da
evolução dos vegetais. Lisboa, 211p.
58. Trincão P.; Pais, J.; Reis, R. Pena; Cunha, P.P., (1989) - Palinomorfo ante –
Cenomaniano do Grés do Buçaco, ciências da terra (UNL), Lousã - Portugal, vol. 10,
pp. 51 – 64.
59. Vallejo, L. G.; Ferrer, M.; Ortuṅo, L.; Oteo, C. (2002) – Inginiería Geológica. Prentice
Hall.
60. Velho, J.; Gomes, C. (1997) - Aplicação de ultrassons na caracterização de corpos
rochosos: O caso de Quartzitos. Geociências, Rev. Universidade de Aveiro, volume 11
(fasc. 1 e 2), pp. 171 – 178.
61. Vieira da Silva, A. M.; Condesso de Melo, M.T.; Marques da Silva, M, A. (2000) -
Modelo conceptual e caracterização Hidrogeológica preliminar do sistema Aquífero da
Serra do Buçaco. Jornadas Luso – Espanh. sobre as Águas subterrâneas no nordeste
da península Ibérica. Corunha.
62. White, K.; Bryant, R.; Drake, N. (1998) – Technique for measuring rock weathering:
Application to a dated fan segment sequence in Southern Tunisia. Earth Surface
Processes and Landforms, 23, pp.1031 – 1043.

Sítios consultados na Internet:


1. Proceq, acedido em julho de 2016: http://www.Proceq. Com/po/produtos/teste – de
concreto/ ultrasonic – testing.html.

82