Você está na página 1de 6

SISTEMA EDUCACIONAL GALILEO

Fundação Saint Pastous

Ovide Decroly – Tudo por uma nova escola

Porto Alegre, 21 de Agosto de 2010


Decroly surge na história da pedagogia como um dos fundadores do
movimento da escola nova, levante intelectual que contesta o sistema de
ensino que perpetuava os métodos clássicos de aprendizagem. Baseando seus
pensamentos e teorias em experimentos científicos de experimentação e
observação do comportamento de crianças com dificuldades de aprendizagem,
ou anormais, como denominadas na época, Jean-Ovide Decroly defende uma
escola em que o centro do conhecimento deve estar em cima da figura do
aluno e não do professor ou da escola. Isso é justificado pela argumentação
que a criança deve ser preparada para uma vida com verdadeira inserção na
sociedade e não um simples acúmulo de conhecimentos direcionados apenas
para a profissionalização.

Jean-Ovide Decroly nasceu em 1871, na cidade de Renaix, na


Bélgica e faleceu em 1932, em Bruxelas. Oriundo de uma família de origem
francesa, formou-se em medicina na Universidade de Gand e fez estudos de
pós-graduação em Berlim e em Paris. Regressado à Bélgica, fundou, em
Bruxelas, com a sua mulher, uma escola para crianças diminuídas mentais.
Seis anos mais tarde, em 1907, fundou um novo estabelecimento, a escola da
Ermita, destinado igualmente à educação de crianças "normais". A escola, que
se tornou célebre em toda a Europa, serviu de espaço de experimentação para
o próprio Decroly.

Na Escola da Ermita, ou École de l’Ermitage, os alunos participam


da construção do próprio currículo, segundo os próprios interesses e
curiosidades. Não existe a tradicional separação entre as disciplinas. Da
necessidade de comer pode decorrer o estudo dos alimentos, da história de
seu preparo, dos mecanismos econômicos da agricultura e do comércio, etc.
Para os estudantes, os centros de interesse se estruturam como oficinas. As
salas de aulas são verdadeiros laboratórios e oficinas de aprendizagem,
contendo materiais diversos que poderão ser utilizados nos centros de
interesse.
A idéia dos centros de interesse é a base de toda a teoria
educacional de Decroly, eles são agrupamentos de conteúdos e atividades
educativas realizadas em torno de temas centrais de grande significação para a
criança, como comida, limpeza, etc. Ele propõe que todo conhecimento surja
de forma natural, assim que estimulada. Esse método sugere e necessita de
uma integração entre profissionais docentes e supervisores escolares e alunos
para fazer com que as idéias seja favoráveis e difundidas.

Em suma, a idéia básica de Decroly é criar um laço entre as


disciplinas, fazendo-as convergir ou divergir para um mesmo centro, dentro do
interesse da criança. A criança estuda os conteúdos de forma totalmente
integrada e com grande interesse e participação. Um centro de interesse dá
origem a outros, que a ele se prendam: o estudo da alimentação leva ao do
pão, do leite, da manteiga, do arroz, etc.

O trecho foi retirado do artigo “Ovide Decroly – O primeiro a tratar o


conhecimento como um só”,

Da necessidade de comer pode decorrer o estudo dos


alimentos, da história de seu preparo, dos mecanismos econômicos
da agricultura e do comércio etc. Para os estudantes, os centros de
interesse se estruturam como oficinas. As atividades manuais – entre
elas os jogos e as brincadeiras – têm destaque especial. Os
exercícios, ao ar livre e em grupo, são estimulados. Decroly criticava
a supervalorização do trabalho intelectual e da expressão verbal. “A
escola (tradicional) engorda fisicamente e entorpece mentalmente”,
escreveu

,
A figura 1 mostra o logotipo de uma escola decroliana, abaixo
podemos ler o lema de Decroly:

“A escola para a vida, através da vida”

Decroly estabeleceu os 4 centros de interesse (necessidades de alimentação;


de lutar contra as intempéries; de agir e trabalhar, descansar, divertir-se; de
defesa contra perigos e inimigos), entendeu que por meio deles deveria fluir
todo o ensino proposto pelo professor.
A figura 1 a seguir foi extraída de artigo da Revista do Professor, edição de
abril/junho de 2004, escrito por Nora Cecília Bocaccio Cinel e ilustra a idéia dos
centros de interesses, elaborado por Declory no século 19.

Figura 1 - Quadro de interesse humano

Decroly propõe três etapas de evolução dos conhecimentos nos


centros de interesse:

a) OBSERVAÇÃO: os exercícios de observação, dizia ele, são para


mim o meio de pôr em movimento as demais atividades mentais e formam a
base racional de todos os exercícios. Observar leva a comparar, a medir, a
pesar, a contar; são os exercícios satélites, como lhes chama Decroly, e de que
o mestre deve saber utilizar-se com proveito.
"Os exercícios de observação consistem em fazer trabalhar a
inteligência com material recolhido em primeira mão, isto é, pelos sentidos da
criança, tendo em conta os interesses nela existentes, e associando, ao
mesmo tempo, a esse trabalho, a aquisição do vocabulário e, por conseguinte,
os elementos básicos da leitura e da escrita, assim como exercícios de
comparação, dos quais boa parte servirá para o cálculo e, finalmente exercícios
de crítica que fornecerão à memória maior bagagem de idéias."

b) ASSOCIAÇÃO: depois de observar, levar a associar as noções


recebidas. Os exercícios de associação podem abranger 4 aspectos:
1. Os que se refiram a objetos e fatos considerados do ponto de
vista atual, mas longínquos. Por exemplo: o estudo da habitação pode levar a
pensar nas casas dos chineses e dos esquimós e nos arranha-céus da
América. Aparece a orientação e o mapa, e assim os estudos da Geografia via
interesses.
2. Os que se refiram ao exame da matéria do ponto de vista
temporal, permitindo a comparação do estado presente com o de nossos
antepassados. São os exercícios de associação no tempo, ou seja, da história.
O estudo da habitação pode levar a indagar como eram as casas de outrora,
cinqüenta, cem ou mais anos atrás.
3. Os que se refiram às associações relativas à adequação do meio
às necessidades do homem, as matérias-primas, sua utilização e aplicações
industriais.
4. Finalmente as que se referem às questões de causa e efeito, às
indagações do porquê e como irão assim se impondo aos hábitos de pensar
dos alunos.

c) EXPRESSÃO: a expressão, para Decroly, significa tudo que


permite a manifestação do pensamento de modo acessível aos demais. A
palavra, a escrita, o desenho, o trabalho manual, as dramatizações em geral.
São formas de expressão, quando relacionadas com um centro.

Portanto, o grande legado de Decroly para nossa sociedade são os


centros de interesse. E com eles novas características no sistema educacional.
Que passa a ver o aluno de uma forma global e inserido na sociedade, sendo
ele na verdade um somatório de experiências e conclusões. Desse modo, deve
ser tratado como tal no momento da sua formação.
Referências:

CINEL, Nora Cecília B. Centros ·de Interesse: Estratégia utiliza multidiscipli-


naridade para desenvolvimento global, Revista do Professor, Abril/Junho, Porto
Alegre : 2004.

Grandes Pensadores, Revista Escola , Ovide Decroly: O primeiro a tratar o


saber como um só.

Você também pode gostar