Você está na página 1de 38

MANUAL DE

METODOLOGIA

CIENTÍFICA

FACULDADE CAMPOS ELÍSEOS


2006
2

“ EU NÃO ACREDITO EM INSPIRAÇÃO. ESCREVER É UM TRABALHO, TEM QUE SER


FEITO TODOS OS DIAS. COSTUMO DIZER QUE A PRIMEIRA CONDIÇÃO PARA
ESCREVER É SENTAR. DEPOIS DE SENTAR, ESCREVER.”

JOSÉ SARAMAGO
3

SUMÁRIO
4
1 OBJETIVO DO MANUAL
4
1.1 O QUE É UMA MONOGRAFIA? .................................................................................................
6
1.2 ESTRUTURA DE UMA MONOGRAFIA..........................................................................................
2 ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS 7

2.1 CAPA E FOLHA DE ROSTO....................................................................................................... 7

2.2 DEDICATÓRIA ....................................................................................................................... 12

2.3 12
AGRADECIMENTOS.................................................................................................................
2.4 EPÍGRAFE............................................................................................................................. 13

2.5 RESUMO .............................................................................................................................. 13

2.6 LISTAS ................................................................................................................................. 15

2.7 SUMÁRIO ............................................................................................................................. 15

3 ELEMENTOS TEXTUAIS 16

3.1 INTRODUÇÃO ....................................................................................................................... 16

3.2 DESENVOLVIMENTO (CAPÍTULOS) .......................................................................................... 17

3.3 18
CONCLUSÃO..........................................................................................................................
4 ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS 19

4.1 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS.............................................................................................. 19

4.2 APÊNDICE ............................................................................................................................ 27

4.3 ANEXOS ............................................................................................................................... 27

4.4 GLOSSÁRIO .......................................................................................................................... 27

5 APRESENTAÇÃO GRÁFICA 28

5.1 FORMATO DE TEXTO, MARGENS E PAPEL................................................................................. 28

5.2 PAGINAÇÃO .......................................................................................................................... 29

5.3 TÍTULOS E SUBTÍTULOS ......................................................................................................... 29

5.4 NUMERAÇÃO ........................................................................................................................ 30

5.5 TABELAS, QUADROS, FIGURAS E GRÁFICOS ............................................................................ 30

5.6 ABREVIATURAS E SIGLAS ....................................................................................................... 31

6 CITAÇÕES 31

6.1 TIPOS DE CITAÇÃO ................................................................................................................ 32

6.2 TIPOS DE REFERÊNCIA EM CITAÇÃO 34


........................................................................................
6.3 NOTAS DE RODAPÉ ............................................................................................................... 36

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 38
4

1. OBJETIVO DO MANUAL

Este manual teve seu início a partir da necessidade de dar aos alunos da
Faculdade Campos Elíseos uma obra que tratasse da elaboração de uma
monografia de forma didática , passo a passo.
Desta forma, o manual tem a finalidade de proporcionar ao aluno,
pesquisador, a possibilidade de ter acesso a uma fonte de consultas sobre os
principais aspectos conceituais e gráficos para elaboração da Monografia.

Profa Cristiane Ap. Stella

1.1 O QUE É UMA MONOGRAFIA?

É um tipo especial de trabalho científico de conclusão de curso de


graduação ou especialização que foca sua abordagem a um assunto específico e
Designa os limites da investigação.
É um trabalho: pessoal, autônomo, criativo, rigoroso, interpretativo,
argumentativo, dissertativo e deve cumprir as exigências da estrutura de um
trabalho científico.
Monografia significa: mono= único; grafia = escrita, ou seja, a escrita de um
único assunto. Sendo assim, a monografia deve ter por objeto um assunto ou
tema específico (o mais focado possível).
Enfim, “Monografia é um trabalho acadêmico que objetiva a reflexão sobre
um tema ou problema específico e que resulta de um procedimento de
investigação sistemática”.(Bastos et al., 1996)
A expressão metodologia, deriva de método que significa caminho e, num
trabalho científico como é a monografia é imperioso que o desenvolvimento da
pesquisa seja orientado pelo melhor caminho para atingir o objetivo a que se
destina a pesquisa.
5

Necessariamente o texto do trabalho científico deve apresentar uma


seqüência lógica onde se visualize nitidamente o seu início, meio e fim, nessa
ordem, por similitude; INTRODUÇÃO, DESENVOLVIMENTO E
CONCLUSÃO.Trata-se, na verdade, de uma seqüência lógica, racional e
sacramentada pelas normas específicas que regem a formalização dos trabalhos
científicos (Normas da ABNT).
A escolha da metodologia a ser aplicada em cada pesquisa é tarefa a ser
determinada conforme as peculiaridades de cada fenômeno ou problema a ser
estudado.
6

1.2 ESTRUTURA DE UMA MONOGRAFIA

CAPA

FOLHA DE ROSTO

BANCA EXAMINADORA

DEDICATÓRIA

AGRADECIMENTOS ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS


Folhas contadas e numeradas com
EPÍGRAFE algarismos romanos minúsculos (ii, iii,
iv...). A capa é contada (i), mas não recebe
RESUMO número.

LISTAS

SUMÁRIO

ELEMENTOS TEXTUAIS
INTRODUÇÃO As folhas são numeradas com algarismos
arábicos (1,2,3...) e a primeira folha é
CAPÍTULOS contada, mas não recebe número.

CONCLUSÃO

REFERÊNCIAS ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS


As folhas são numeradas com algarismos
APÊNDICE arábicos e a primeira folha é contada, mas
ANEXOS não recebe número.

GLOSSÁRIO

CAPA (folha em branco)

A seguir explicaremos cada um dos itens citados acima.


7

2. ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS

2.1 CAPA e FOLHA DE ROSTO


É a folha que contém os elementos essenciais à identificação do trabalho,
isto é: autor; título; subtítulo (se houver e precedido de dois pontos); nota
indicando a natureza acadêmica do trabalho (grau, área e/ou disciplina, a unidade
de ensino departamento, curso, setor, escola ou instituto, entre outros e a
instituição em que é apresentado); nome do orientador ou professor da disciplina;
local da instituição e ano.
Além da capa e folha de rosto, há também a folha da banca examinadora e,
no verso desta, a folha de autorização xerográfica.
Segue, a seguir, modelo de capa, folha de rosto, folha da banca
examinadora e da autorização xerográfica1:

1
Estas folhas devem ser numeradas em algarismos romanos minúsculos, iciciando em ii (na folha de rosto)
8

NOME

TÍTULO DO TRABALHO

INSTITUIÇÃO
ANO
9

NOME

TÍTULO DO TRABALHO

Monografia apresentada à Banca Examinadora da


Faculdade Campos Elíseos como exigência parcial
para obtenção do título de Bacharel em
Administração de Empresas.
Orientador(a):

INSTITUIÇÃO
ANO
10

Banca Examinadora

____________________________________

____________________________________

____________________________________
11

Autorizo, exclusivamente para fins acadêmicos e científicos, a

reprodução total ou parcial desta Dissertação por processos de

fotocopiadoras ou eletrônicos.

Assinatura: _______________________________________ Local e Data: ______________


12

2.2 DEDICATÓRIA
É opcional. É o momento em que o autor presta homenagem ou dedica o
trabalho a alguém.
Aparece em folha distinta, na parte inferior da folha e alinhada à direita.

DEDICATÓRIA

Aos meus pais.

2.3 AGRADECIMENTOS
Também é opcional e é o espaço em que o autor agradece as pessoas e/ou
instituições das quais recebeu apoio durante o desenvolvimento do trabalho.
Deve constar em folha distinta.
Exemplo:

AGRADECIMENTOS

Muitas pessoas me ajudaram na construção deste


trabalho e na realização dessa etapa da minha vida,
dando-me um pouco de conhecimento, apoio, carinho e
amizade que me foram vitais. Ao citar de modo especial
algumas delas, não significa falta de reconhecimento da
colaboração das demais. Registro aqui meus
agradecimentos àquelas pessoas ou instituições que, a
meu ver, participaram mais diretamente dessa minha
formação.
.
.
.
Enfim, a todas as pessoas que de alguma forma
acreditaram e contribuíram para a conquista e a
realização deste trabalho.
13

2.4 EPÍGRAFE
É opcional e trata-se de uma inscrição de um trecho em prosa ou
composição poética que de certa forma embasou a construção do trabalho.

EPÍGRAFE

Pouco conhecimento faz que as criaturas se sintam


ORGULHOSAS.
Muito conhecimento, que se sintam HUMILDES.
É assim que as espigas sem grãos erguem
Desdenhosamente a cabeça para o céu, enquanto que
As cheias a baixam para a terra, sua mãe.
Leonardo da Vinci

2.5 RESUMO
É a apresentação concisa do texto, destacando os aspectos de maior
relevância. Apresentar com um entrelinhamento menor (1.0), em um único
parágrafo, de 150 a 500 palavras, evitando o uso de citações e ressaltando
objetivos, os métodos, os resultados e as conclusões do trabalho. Ao final do
resumo acrescentar palavras-chave (de três a cinco palavras).
Como sugestão, pode-se seguir o seguinte desenvolvimento:

1a frase: situar o trabalho;


Este trabalho demonstra aos alunos de graduação e pós-graduação as
regras e normas pertinentes ao processo de elaboração e formatação de
trabalhos acadêmicos.

2a frase: expor os objetivos;


O objetivo é contribuir para a precisão na apresentação de trabalhos de
conclusão de curso ou monografias.
3ª frase: desenvolver a metodologia utilizada (método e material);
O método empregado foi o de pesquisa bibliográfica junto ao órgão gestor de
normas técnicas.
a
4 frase: expor a própria experiência;
14

No processo de elaboração da obra pode ser observado um enorme número


de regras e organizações que lhes dão suporte, havendo, inclusive,
algumas divergências entre elas.
5a frase: apresentar os resultados;
Os resultados obtidos foram compilados neste manual, o qual também foi
comparado aos seus similares existentes nas diversas Instituições de
Ensino Superior.
6a frase: conclusão (aspectos positivos, avanços).
Os resultados desse trabalho são de relevante importância para direcionar
todas as pesquisas científicas dos alunos de graduação e pós-graduação.

RESUMO

Este trabalho demonstra aos alunos de graduação e pós-


graduação as regras e normas pertinentes ao processo de
elaboração e formatação de trabalhos científicos. O objetivo é
contribuir para a precisão na apresentação de trabalhos de
conclusão de curso e monografias. O método empregado foi o de
pesquisa bibliográfica, junto aos principais órgãos gestores de
normas técnicas. No processo de elaboração da obra pode ser
observado um enorme número de regras e organizações que lhes
dão suporte, havendo, inclusive, algumas divergências entre elas.
Os resultados obtidos foram compilados neste manual, o qual foi
comparado aos similares, existentes nas diversas Instituições de
Ensino Superior. Os resultados desse trabalho são de relevante
importância para determinar as normas para elaboração da
pesquisa científica.
Palavras-Chave: Normas, Pesquisa, Regras, Trabalho
Científico
15

2.6 LISTAS
Trata-se das listas de ilustrações, relação de tabelas, quadros e figuras que
constam no trabalho, ou listas de abreviaturas2, siglas e símbolos empregados no
trabalho. Por exemplo:

LISTA DE FIGURAS

Figura 1 – Esquema ilustrativo de lançamentos das operações......................................10

Figura 2 – Representação do custo da mão de obra por produto....................................12

Outro exemplo:

LISTA DE TABELAS

Tabela 1 – Valores do crescimento da população brasileira ..........................................10

Tabela 2 – Evolução do PIB brasileiro ..........................................................................12

2.7 SUMÁRIO
É a enumeração dos capítulos, seções ou partes do trabalho, na ordem em
que aparecem no texto, indicando as folhas em que se iniciam. Relacionar os
títulos dos elementos pré-textuais, dos elementos textuais (dos capítulos, das
seções ou das partes) e dos elementos pós-textuais com o mesmo padrão gráfico
empregado no texto. Em cada capítulo, seção ou parte deve apresentar os
seguintes dados: indicativo numérico (quando houver), título, número da folha
inicial, ligado ao título por uma linha pontilhada.

2
A lista de abreviaturas e siglas (opcional) é elaborada na relação alfabética das abreviaturas e siglas
utilizadas no texto, seguidas das palavras ou expressões correspondentes grafadas por extenso.
16

SUMÁRIO
INTRODUÇÃO
1
1.1 PROBLEMÁTICA E OBJETIVO .................................................................................................
1.2 DESCRIÇÃO DA DISSERTAÇÃO ............................................................................................... 3

CAPÍTULO 1: QUADRO TEÓRICO DE REFERÊNCIA 4

CAPÍTULO 2: LOGÍSTICA 15

2.1 INTRODUÇÃO ....................................................................................................................... 15

2.2 O QUE É LOGÍSTICA .............................................................................................................. 16

...

CONCLUSÃO 70

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 76

ANEXOS 80

Anexo 1 – Medidas de Assimetria e Curtose 82


ELEMENTOS TEXTUAIS

3. ELEMENTOS TEXTUAIS

3.1 Introdução
Nela você deve mostrar para o leitor que o tema da sua pesquisa é
relevante, por isso tanto faz começar pelo objetivo ou pela problematização do
tema. Discuta o problema que será pesquisado deixando claro para o leitor qual o
objetivo da sua pesquisa e apresente as hipóteses do seu trabalho, bem como a
sua questão de pesquisa. Deve-se ainda na introdução, justificar o estudo
apontando alguns estudos importantes sobre o tema. Finalize a introdução com
uma descrição da sua monografia, isto é, explicando como a mesma está
organizada e o que será apresentado em cada capítulo. Portanto, na Introdução
deverão constar: OBJETIVO, PROBLEMATIZAÇÃO, JUSTIFICATIVA, QUESTÃO
17

DE PESQUISA, HIPÓTESE e DESCRIÇÃO DA MONOGRAFIA. Ao todo, a


introdução deve ter cerca de 5 ou 6 páginas.

3.2 Desenvolvimento (Capítulos)


Constitui-se no elemento principal da pesquisa, pois compreende a
demarcação e delimitação do conteúdo da pesquisa, isto é, tem como propósito
realizar a apresentação minuciosa do assunto. Seu conteúdo deverá ser dividido
em seções e subseções, que variam em função da abordagem do tema e de seu
desenvolvimento.
Sugestão de estrutura:

CAPÍTULO I – geralmente é um capítulo teórico, onde você deve fazer uma


revisão da literatura. Neste capítulo você fará referência a trabalhos anteriormente
publicados, situando a evolução do assunto e limitando-se às contribuições mais
importantes diretamente ligadas ao assunto. Deixar claro para o leitor, qual a
importância dessas leituras para o seu trabalho. Você pode ainda neste capítulo
apresentar uma seção para explicar algum ponto específico do seu trabalho, e se
for o caso, fazer até um outro capítulo.
CAPÍTULO II e III – Pode ser um capítulo teórico, sobre as idéias de autores
consagrados sobre o tema pesquisado, ou sobre as pesquisas relevantes sobre o
tema, ou ainda um capítulo histórico sobre o desenvolvimento e/ou origem do
tema pesquisado. Dependendo do assunto, pode ter até mais que dois capítulos
teóricos. Nestes capítulos deve-se discutir aspectos relevantes para que o leitor
consiga entender sua pesquisa.
CAPÍTULO IV3 – é o capítulo que descreve o material e métodos utilizados na
pesquisa. Neste capítulo você deve justificar o método escolhido, explicando
porque o mesmo foi adequado para o seu propósito. Deve-se apresentar uma
descrição concisa dos métodos, materiais, técnicas e equipamentos utilizados no
estudo, de modo que se outro pesquisador desejar repetir a pesquisa seja
possível repetir o experimento com a mesma exatidão.
3
Isto para quem for fazer coleta de dados
18

CAPÍTULO V – é o capítulo da análise dos resultados no qual são apresentados


os dados obtidos de forma concisa e clara. Essa análise pode ser só quantitativa ,
só qualitativa ou ainda mista. É importante que seja qual for o tipo de análise
escolhida, você analise tais resultados à luz das teorias e pesquisas citadas nos
capítulos teóricos, relacionando o seu trabalho com os demais que existam sobre
o assunto.
Obs: O número de capítulos difere de monografia para monografia e a estrutura
dos capítulos vai depender do tipo de estudo a ser realizado: estudo de campo ou
estudo bibliográfico, por exemplo.
Para o desenvolvimento dos capítulos pode-se pensar na seguinte
estrutura:
• Fundamentação teórica
• Metodologia
• Resultados
• Discussão
• Conclusão
Para os estudos bibliográficos, a metodologia não ocupará um capítulo e
poderá ser feita na Introdução.

3.3 Conclusão
Cabe neste capítulo você retomar o objetivo da pesquisa, fazer uma breve
retrospectiva do caminho percorrido durante a mesma, e principalmente,
responder a questão de pesquisa, que motivou o desenvolvimento do estudo (não
esqueça de validar ou não as hipóteses). Não deixe de responder a questão
apresentada na introdução! A conclusão deve estar fundamentada nos capítulos
teóricos e sobretudo, nos resultados da sua pesquisa. Finalize esse capítulo com
recomendações para novos estudos que venham a complementar/ aprofundar a
pesquisa realizada por você.
19

4. ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS

4.1 Referências Bibliográficas4


Todos os documentos mencionados no trabalho devem obrigatoriamente figurar
na lista de referências. Outros documentos lidos para enriquecer o conhecimento
do autor, porém não citados, podem ser referenciados em outras listas,
denominadas BIBLIOGRAFIA RECOMENDADA, DOCUMENTOS
CONSULTADOS ou OBRAS CONSULTADAS (opcionais), as quais podem figurar
logo após a lista de referências.
A seguir destacamos alguns exemplos de referências bibliográficas.

Referência de livro com um autor apenas;


IUDÍCIBUS, Sérgio de.Teoria da Contabilidade. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1997.

Referência de livro com dois autores;


PARRA FILHO, Domingos; SANTOS, João Almeida.Monografia e Apresentação
de Trabalhos Científicos. 2. ed. São Paulo: Terra, 1997.

Referência de livro com três autores;


LONGARAY, André Andrade, RAUPP, Fabiano Maury, SOUSA, Marco Aurélio
Batista de.Como Elaborar Trabalhos Monográficos em Contabilidade, São Paulo:
Atlas, 2003.

Referência de livro com mais de três autores;


ABREU, Marcelo de Paiva et al. A ordem do progresso: Cem anos de política
econômica republicana, 1889 – 1989.Rio de Janeiro: Campus, 1999.

Observe que no exemplo acima, a expressão outros é substituída pela expressão,


em latim, et al.

4
Entre uma referência e outra utilizar espaçamento duplo. Na referência utilizar espaçamento 1,5.
20

Sem indicação intelectual destacada


No caso de não haver indicação de responsabilidade, a entrada é feita pelo título.

DIAGNÓSTICO do setor editorial brasileiro. São Paulo: Câmara Brasileira do


Livro, 1993. 64p.

Autores entidades: Instituição(ões), organização(ões), empresa(s), comitê(s),


comissão(ões), entre outros, responsável(eis) por documentos de natureza técnica
ou administrativa, que tratam da própria entidade, da sua política interna, de
procedimentos, de finanças e/ou operações, enfim, que registram o pensamento
coletivo da entidade (NBR 6023:2000).
As obras de responsabilidade de entidade têm entrada pelo nome por extenso.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6023: informação e


documentação - referências - elaboração. Rio de Janeiro, 2000.

Quando a obra não for paginada ou referir paginação irregular, deve constar
nota na referência

DONE, S. H. et al. Dog & cat. Londres: Mosby, 1996. Não paginado.

Artigo com autoria específica

ANDRADE, J. Mecanismo de participação popular. Rev. Procura. Geral do Est.


S. Paulo, São Paulo, v.6, n.1, p.17-25, jan./jun. 1982.

Artigo sem autoria específica


UM PROJETO na Amazônia para salvar tartarugas. Geográfica universal, Rio de
Janeiro, n.141, p.94-95, fev. 1995.
21

Artigos de jornal
· Com indicação de autoria

MORAES, Andréa Licht. Artes plásticas ilustram cardápio da Esplanada Grill.


Gazeta Mercantil, São Paulo, 28 fev. 1997. Caderno Empresas & Negócios, p.c-8.

ALMEIDA, Luiz Carlos de, A Perícia contábil e o Real. Notícias Forenses. São
Paulo, novembro/1994, ano XVII, nº 196, p.19.

· Sem indicação de autoria

4ª guerra terá matemáticos na linha de frente. O Estado de São Paulo, São


Paulo, p.A16, 16 jan. 1998.

A PERÍCIA CONTÁBIL E O REAL. Notícias Forenses. São Paulo,ano XVII,nº


196, p. 19, novembro/1994.

Observe que a referência acima é relativa a um artigo em jornal


especializado e, difere dos demais, pois; o nome que aparece em negrito ou itálico
e o título do jornal. Nas revistas ocorre a mesma modificação em relação aos
livros. Ainda, é importante observar que a data nos artigos de jornais é
apresentada logo em seguida ao nome da cidade (local).

Artigos de revistas

· Com indicação de autoria

ANDRADE, J. Mecanismo de participação popular. Rev. Procura. Geral do Est.


S. Paulo, São Paulo, v.6, n.1, p.17-25, jan./jun. 1982.
22

· Sem indicação de autoria

UM PROJETO na Amazônia para salvar tartarugas. Geográfica universal, Rio


de Janeiro, n.141, p.94-95, fev. 1995.

Referências Legislativas

BRASIL, Lei n.7.679 de 23 de novembro de 1988. Dispõe sobre a proibição da


pesca de espécies em períodos de reprodução. Diário Oficial da União, Brasília, 5
dez. 1988. Seção 1, p.10.

Outro exemplo:

BRASIL. Lei das Sociedades por Ações, Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de


1976. Dispõe sobre as sociedades por ações. Manuais de Legislação Atlas, 6. ed.
São Paulo, Atlas,1999.v.28.

Referência de artigo extraído da Internet

VIRTUOSO, Carlos Henrique.Balanço Social: essa idéia deve continuar. Jornal


Nota 10. Rio de Janeiro, maio/jul. 2002. Disponível em: http://www.crcrj.org.br .
Acesso em: 21 jan.2003.

Referência de dissertação extraída da Internet

SANTOS, Marly da Silva. Metodologia da resolução de problemas como atividade


de investigação: um instrumento de mudança didática. 1993. 235f. Tese
(Doutorado) - Universidade de São Paulo, 1993. Disponível em
<http://www.ct.ibict.br:81/site/owa/si-resultado>. Acesso em: 22 jan. 2001.
23

Referência de artigo sem autor extraído da Internet

ANATEL aprova reorganização societária de empresas telefônicas, Rede Contábil,


Brasília, 16 jan. 2003. Disponível em: http://www.redcontábil.com.br/noticias .
Acesso em: 21 jan. 2003.

Considerada no todo
VIRTUAL JOURNAL OF ORTHODONTICS. Florence: VJCO, 1996. Irregular.
Disponível em: <http://ww.vjco.it/024/mip.html>. Acesso em 16 jun. 1999.

Considerada em parte
JADA: The Journal of the American Dental Association. Chicago: American Dental
Association, v.131, july 2000. Disponível em: <http://www.ada.org/adapco/ Jada/j-
menus.html>. Acesso em 19 jul. 2000.

Referência de artigo ou texto extraído de CD-ROM

FULANO, José Ciclano. O planejamento do trabalho pericial contábil. In:


CONGRESSO DE PERÍCIA CONTÁBIL, 10, 2002, São Paulo. Anais do CPC. São
Paulo: APEJESP, 2002.CD-ROM

Referência de Congressos ou eventos especializados

NOME DO CONGRESSO, nº , ano , local de realização (cidade). Título :


subtítulo da publicação. Local de Publicação: Editora, data nº (de páginas ou
volume)

Referência de Monografias, Dissertações ou Teses


24

SOBRENOME, Nome do Autor. O título deve ser em itálico ou em negrito. ano ,


nº de pgs. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis) – Nome da Instituição
de Ensino Superior, Nome da Cidade, ano.

Exemplo de Tese
ARAÚJO, A. P. Formação do professor de matemática: realidade e tendências.
1996. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade de São Paulo, São Paulo,
1996.

Parte da Monografia: Inclui capítulo, volume, fragmento e outras partes de


uma obra, com autor(es) e/ou títulos próprios.

Folheto

KASANSKI, V. Corel Draw: guia de consulta. Rio de Janeiro: Autec, 1997. 20p.

Dicionários

HOUAISS, A. (Ed.). Novo dicionário Folha Webster’s: inglês / português,


português / inglês. Co-editor Ismael Cardim. São Paulo: Folha da manhã, 1996.

Parte da Coletânea

CARRASCO, A. Imagens do mundo. In: LORACA, M.; COSTA, Eduardo (Org.).


Viagem através dos séculos. São Paulo: EAM, 1991. p.28-37.

Capítulo do Livro

CASSONE, V. Imposto sobre a propriedade territorial rural. In: Direito tributário.


11. ed. São Paulo: Editora Atlas, 1999. cap.17, p.285-289.
25

Publicação Periódica: Inclui a coleção como um todo, fascículo ou número de


jornal, caderno etc. na íntegra, e a matéria existente em um número, volume ou
fascículo de periódico (artigos científicos de revistas, editorais, matérias
jornalísticas, seções, reportagens, etc.).

· Consideradas no todo

GRAGOATÁ: REVISTA DO INSTITUTO DE LETRAS. Niterói: Ed. EFF, 1996-.


Semestral.

· Consideradas em parte
DINHERO: REVISTA SEMANAL DE NEGÓCIOS. São Paulo: Ed. Três, n.148, 28
jun. 2000.

Documentos eletrônicos
Inclui base de dados, listas de discussão, BBS (site), arquivos em disco
rígido, disquetes, programas e conjuntos de programas, mensagens eletrônicas
entre outros.

Banco de dados
BIRDS from Amapá: banco de dados. Disponível em :
<http://www.bdt.org/bdt/avifauna/aves>. Acesso em: 25 nov. 1998.

Lista de discussão
BIBOLINE Discussion List. List maintained by the Bases de Dados Tropical, BDT
in Brasil. Disponível em :<lisserv@bdt.org.br>. Acesso em: 25 nov. 1998.

Homepage institucional
GALERIA virtual de arte Vale d Paraíba. São José dos Campos, Fundação
Cultural Cassiano Ricardo, 1998. Apresenta reproduções virtuais de obras de
26

artistas plásticos do Vale do Paraíba. Disponível em:


<http://www.virtualvale.com.br/galeria>. Acesso em: 27 nov. 1998.

Catálogo Comercial em Homepage


BOOK ANNOUNCEMENT 13 MAY 1997. Produce by J. Drummond. Disponível
em: <http://www.bdt.org.br/bioline/DBSearch?BIOLINE-L+READC+57>. Acesso
em: 25 nov. 1998.

Arquivo em disquete
UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. Biblioteca Central. Normas.doc. normas
para apresentação de trabalhos. Curitiba, 7 mar. 1998. 5 disquetes, 3 ½ pol. Word
for Windows 7.0

Base de dados
UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. Biblioteca de Ciência e Tecnologia.
Mapas. Curitiba, 1997. Base de Dados em MicroIsis, versa 3.7.

Programa (software)
MICROSOFT Project for Windows 95, version 4.1: project planning software. [S.I.]:
Microsoft Corporation, 1995. Conjunto de programas. 1 CD-Rom.

E-mail
ACCIOLY, F. Publicação eletrônica [mensagem pessoal]. Mensagem recebida por
<mtmendes@uol.com.br> : em 26 jan. 2000.

Brinquedo interativo - CD-ROM


ALLIE’S play house. Palo Alto, CA: MPC/Opcode Interactive, 1993. 1 CD-ROM.
Windows 3.1.

Software Educativo - CD-ROM


PAU no gato! Por quê? Rio de Janeiro: Sony Music Book Case Multimídia
Educacional, [1990]. 1 CD-ROM. Windows 3.1.
27

4.2 APÊNDICE
Elemento opcional, que consiste em um texto ou documento elaborado pelo
autor, a fim de complementar sua argumentação, sem prejuízo da unidade nuclear
do trabalho. Os apêndices são identificados por letras maiúsculas consecutivas,
travessão e pelos respectivos títulos.

Exemplo:
APÊNDICE A - Avaliação numérica de células inflamatórias totais aos quatro dias
de evolução.

Observação: Roteiros de entrevistas, de questionários ou fichas de observação,


elaborados pelo autor também vêm como apêndice.

4.3 ANEXOS
São os documentos não elaborados pelo autor, que servem de
fundamentação, comprovação ou ilustração, como mapas, leis, estatutos, entre
outros. Os anexos devem ser numerados seqüencialmente.
A identificação do anexo é feita da mesma forma que a identificação do
apêndice.
Quando, no corpo do texto, fizermos a citação de um anexo, devemos
acrescentar a palavra (ANEXO A) entre parênteses.

4.4 GLOSSÁRIO (opcional)


É a relação, em ordem alfabética, de palavras ou expressões de uso restrito
ou de sentido obscuro, acompanhadas das respectivas definições, com o objetivo
de esclarecer o leitor sobre o significado dos termos empregados no trabalho.
28

5. APRESENTAÇÃO GRÁFICA

De acordo com as recomendações da ABNT, órgão responsável pela


edição de normas técnicas, algumas informações são importantes para a
padronização de trabalhos científicos, sejam eles monografias, dissertações ou
teses.
Estas informações estão listadas abaixo de forma sintética para que o
usuário desse material possa aplicá-las de forma simples e objetiva.

5.1 Formato de Texto, Margens e Papel

Papel e Impressão:

Papel branco;

Formato A4 (210mm x 297mm);

Impresso em uma única face.

Obs: Não serão utilizados papel carta, nem o recurso de cabeçalho e


rodapé.

Texto:

Espaçamento entre linhas: 1,5

Texto justificado.

Parágrafo no início do período de 1,5 cm.

Tipologia de letras: Times New Roman (14) ou Arial (12)

Tamanho de letras para texto: 12 (Arial)

Margens:
Superior: 3 cm;
Inferior: 2 cm;
29

Esquerda 3 cm;
Direita: 2 cm.

5.2 Paginação

Posição: parte inferior direita da página

Início da contagem: a partir das folhas pré-textuais do trabalho (folha


de rosto, folha de aprovação, dedicatória, agradecimentos, epígrafe, resumo de
vernáculo, resumo em língua estrangeira, sumário) em algarismos romanos
minúsculos;

Início da paginação: a partir da parte textual (a primeira folha de cada


capítulo é contada, mas não é numerada);

Obs.:
Para trabalhos com mais de um volume, a numeração deverá ser
seqüencial do primeiro para o último volume.
A numeração de apêndices e anexos devem ser seguimentos dos textos
originais.

5.3 Títulos e subtítulos

Para os títulos de capítulos, utilize corpo de letra tamanho 16 em negrito.Os


títulos devem ser centralizados na página. Já os subtítulos deverão ter corpo de
letra 14 em negrito e marginados a esquerda da área de texto. O mesmo deve ser
observado para um segundo subtítulo ou seções, porém em corpo de letra
tamanho 12.
Os capítulos devem ser iniciados sempre em uma nova página.
30

5.4 Numeração

Visando a melhor organização e visualização do trabalho, recomenda-se o


uso de numeração progressiva para as seções do texto. Utiliza-se recursos de
formatação de texto, tais como, negrito, itálico, sublinhados, caixa alta ou normal,
para o destaque dos títulos das seções.

Abaixo um exemplo de numeração:

1. SEÇÃO PRIMÁRIA – (CAIXA ALTA E NEGRITO)


1.1. SEÇÃO SECUNDÁRIA – (CAIXA ALTA SEM NEGRITO)
1.1.1. Seção Terciária – (Caixa Baixa e Negrito)
1.1.1.1. Seção quartenária – (Caixa Baixa sem Negrito)
1.1.1.1.1. Seção quinária – (Caixa Baixa e Itálico)

5.5 Tabelas, quadros, figuras e gráficos

A ilustração deve estar o mais próximo possível do trecho a que se refere.


Exemplo:

QUADRO l EVOLUÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO DE RH NO BRASIL: DATAS


MARCANTES DO TRABALHISMO BRASILEIRO

FONTE: AQUINO. C.P. Administração de Recursos Humanos. São Paulo: Atlas, 1980, p.73.
31

5.6 Abreviaturas e siglas

Quando as abreviaturas ou siglas são citadas pela primeira vez, estas


devem ser colocadas por extenso e ao final a abreviatura ou sigla entre
parênteses.

Veja o exemplo abaixo:


Associação Brasileira de Educação a Distância (ABED)

6. CITAÇÕES

Citação é a menção no texto de uma informação colhida de outra fonte


(em documentos pesquisados).
Sua função consiste em sustentar o raciocínio do autor no decorrer do
trabalho.
32

As citações podem aparecer no texto ou em notas de rodapé, ou seja, no


sistema autor-data5 ou pelo sistema Numérico (citação-nota);

6.1 Tipos de citação

• Diretas: transcrição literal de um texto ou parte dele. Conserva-se a grafia,


a pontuação,o uso de maiúsculas;
- Menor que 3 linhas
- Maior que 3 linhas
• Indiretas: redigidas pelo autor do trabalho com base em idéias de outros
autores (ou paráfrases)
• As citações podem ser obtidas de livros, revistas, internet ... ou por canais
informais (palestras, debates, conferências, entrevistas, entre outros)

Citação direta de até 3 linhas

Exemplos:
1) Bornheim (2003, p. 34) descreve: “Sendo em si, o ser exclui atividade e
passividade: estas são noções humanas relativas ao comportamento do homem”

Ou

“Sendo em si, o ser exclui atividade e passividade: estas são noções humanas
relativas ao comportamento do homem”
(BORNHEIM, 2003, p.34)

2) Segundo Chiavenato (1992, p. 125), “treinamento é o ato intencional de


fornecer os meios para proporcionar a aprendizagem”.

Citação direta com mais de 3 linhas

5
Este tipo é mais usual em trabalhos de graduação da área de Administração. O sistema citação-nota é muito
utilizado em Direito.
33

Exemplos:

Para Pasquali et al. (1981, p. 55):


A satisfação na tarefa depende de uma série de fatores: parte
deles devido a características pessoais do indivíduo (auto-estima);
parte a características peculiares da própria tarefa (dificuldade; e
parte a fatores de experiência do indivíduo com a tarefa ou tarefas
similares (satisfação inicial, expectativa)

Note que não se usa aspas, é preciso diminuir a fonte, o espaçamento


e a margem esquerda (esta será apresentada isolada, utilizando-se recuo de
margem à esquerda de 4cm, tendo como limite a margem direita do trabalho).

Obs: et al. é utilizado quando se tem em uma única referência, mais que 3
autores)

Citação indireta ou paráfrase

Exemplo:
Segundo Krugman (2001), não existe uma forma universalmente aceita
para se definirem as crises monetárias.
Obs: Incoerências e incorreções em citação utiliza-se a palavra sic6, entre
colchetes, imediatamente após a ocorrência, por exemplo:

“Essa noção de História contraria Foucault porque complementa a da fundação do


sujeito pela transcedência [sic] de sua consciência...” (MAGALHÃES; ANDRADE,
1989, p. 19)

Citação de citação

6
[sic], do latim, quer dizer “assim mesmo”
34

• O uso do apud ou citado por


Korman (1968) citado por Pasquali et al (1981, p. 54), afirma que outra variável
que tem importância especial como característica de personalidade é a auto-
estima, isto é, a extensão em que o indivíduo se percebe como competente, capaz
e que pode prover a satisfação de suas necessidades.
Somente o autor da obra consultada vai para referência bibliográfica. A
referência do documento do autor citado deve figurar em nota de rodapé7
(Korman)

Citação de internet

No texto segue as mesmas orientações; a mudança é na referência


bibliográfica:
ROBIN, B. Electronic scholary publishing: today’s technical alternatives.
Disponível em: http://www.coe.uh.edu/~brobin/Educam95/EducomBR/tech.html
Acesso em 20 nov. 1995

6.2 Tipos de referências em citação

Documentos de autoria da administração direta de um governo


A referência deverá ser feita pelo nome geográfico correspondente à
jurisdição, onde está localizada a instituição, seguida da data do documento.

Exemplo:
Os problemas do cotidiano das empresas e a procura por soluções contidas em
tecnologias habituais, aquelas amplamente dominadas e que não exigem novas
pesquisas, representam cerca de 70% das consultas recebidas ao longo da
existência do DT/USP (UNIVERSIDADE SÃO PAULO, 1997).
7
As notas de rodapé serão utilizadas para explicações que não são incluídas no texto para evitar prejuízos à
explicação.
35

Referência de periódicos
As referências de periódicos devem ser citados iniciando-se pelo título do
periódico, seguidas da data e página(s) correspondente(s), caso não haja autor do
artigo e/ou matéria.

Exemplo:
Em nenhum momento, porém, a tese da municipalização efetiva foi além de
alguns comentários. Na verdade, os executivos estaduais estavam ali para
pressionar o governo federal por mais recursos (FOLHA DE SÃO PAULO, 13 dez.
1992, p.5).

As citações de fontes com mais de um autor, segue as normas de


referências de autores apresentada nos itens anteriores (referente a referência
bibliográfica).

Sinais e convenções

Colchetes [ ]
Indicam acréscimos, supressões, incorreções, ênfases, destaques,
dúvidas ou quaisquer explicações necessárias compreensão do texto citado.

Exemplo:
Horkheimer (1971, p.194), por sua vez, escreveu enquanto ainda existia o
socialismo histórico, o do Leste Europeu: os estudantes fugidos do Leste, nos
primeiros meses depois da sua chegada à Alemanha [federal] são felizes porque
há mais liberdade, mas logo se tornam melancólicos porque não há amizade
alguma.

Colchetes com reticências [...]


36

Utilizado quando são omitidas palavras ou trechos do texto original.

Exemplo:
Assim, não se pode imaginar um docente responsável e comprometido com a
tarefa de educar e que não se preocupe com as questões sociais mais amplas que
envolvem e condicionam o seu próprio trabalho, assim como o de seu alunado.
“[...] a educação é compromisso, é ato, é decisão. Educar-se é tomar posição,
tomar partido. E o educador educa educando-se, isto é, tomando partido,
posicionando-se”(GADOTTI, 1983, p.143).

6.3 Notas de rodapé

Notas de rodapé são indicações que devem ser colocadas na parte inferior
da página, abaixo do texto. As notas de rodapé têm os seguintes fins:

1. Fazer a referência de autor, obra e lugar das citações utilizadas no texto;


2. Apresentar uma tradução de uma citação feita, ou apontar a versão
original;
3. Fazer comentários suplementares que poderiam interromper a seqüência
lógica do texto;
4. Indicar informações obtidas de maneira informal;
5. Indicar fontes que não foram publicadas;
6. Remeter o leitor a outras partes do trabalho.

Por fim, lembramos ao aluno que a consulta ao professor orientador e/ou


Normas da ABNT são sempre necessárias em casos não previstos neste manual
e no caso de dúvidas específicas.
Esperamos que este manual possa trazer um norte a cada um de nossos
alunos da FAESP que desenvolverão sua pesquisa.
37

Salientamos que não existe fórmula ou modelo padrão para se fazer


pesquisa. Dessa forma, toda a estruturação da pesquisa dependerá da escolha do
tema, do tipo de pesquisa e da metodologia utilizada. Entretanto, a idéia geral é:

PROBLEMA PROPOSTO→ PESQUISA → SOLUÇÃO DESEJADA


38

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ACEVEDO, Claudia Rosa; NOHARA, Jouliana Jordan. Monografia no curso de


administração: guia completo de conteúdo e forma: inclui normas
atualizadas da ABNT, TCC, TGI, trabalhos de estágio, MBA, dissertações,
teses. São Paulo: Atlas, 2004

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS.

LAKATOS, E. M. e MARCONI, M. A - Metodologia do trabalho científico - São


Paulo, Editora Atlas. 2001.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. Biblioteca Central. Normas para


apresentação de trabalhos. Curitiba: Ed. Da UFPR, 1992. v. 7: Citações e notas
de rodapé.