Você está na página 1de 5

História da Cultura e das Artes I

Profª Marta Esteves

A POLIFONIA
 O invento mais significante da música ocidental foi a invenção da Polifonia, quando passámos a
considerar a simultaneidade de duas ou mais melodias.
 A polifonia surge inicialmente com a função de embelezar a liturgia. Começou como uma
elaboração do cantochão e foi sendo utilizada como um meio de aumentar o esplendor e a
solenidade dos serviços da igreja entre o séc.IX e o séc.XIII.
 Os locais onde esta se inicia e desenvolve são os mesmos locais que produziram os novos e
tardios repertórios dos tropos e das sequências. Ambos surgiram da mesma necessidade criativa
de expandir e enriquecer o único repertório musical que havia – o cantochão.
 Logo que a polifonia foi aceite pelos compositores e teóricos, a organização vertical da música
tornou-se a maior preocupação destes.

 Depois do séc.XI, a Europa está a recuperar socialmente e culturalmente da época do feudalismo,


das cruzadas, das doenças e das guerras. Dá-se um grande desenvolvimento do comércio e das
cidades, cresce a classe burguesa e são criadas as universidades.
 Na Arte assiste-se a uma passagem do estilo Românico para o estilo Gótico. Esta, deixa de ser
anónima e aparecem os primeiros autores identificados de obras literárias, escultura, música, etc.
surgindo já as primeiras obras em línguas vernáculas (dialetos locais).

 A música irá seguir as linhas da arquitetura, ou seja, deixará as linhas horizontais do Românico -
cantochão - e desenvolverá as linhas verticais do Gótico – polifonia -, sendo o principal centro de
produção musical da época, a França.
 Algumas mudanças e novidades irão ser determinantes na evolução da polifonia, nomeadamente,
o aparecimento das primeiras figuras de notação mensural, a predominância dos ritmos de
acentuação ternária e o uso das consonâncias perfeitas com os intervalos de 8ª, 5ª e 4ª a serem
os mais usuais.
 Continuará a haver pouco uso dos instrumentos musicais.
 Paralelamente a este desenvolvimento polifónico iremos ter, na mesma altura, o
desenvolvimento da monodia profana – o movimento trovadoresco.

A origem da polifonia

 Os primeiros exemplos que chegaram até nós são curtos e, muitas vezes, fragmentados.
Dependemos dos tratados teóricos para percebermos como era executado, o que cria algumas
dificuldades, pois os autores falam sempre de forma muito ambígua e pouco explícita, o que não
ajuda à reconstrução destas práticas.
 Sabemos que a polifonia vocal começou por ser um acompanhamento do cantochão que não era
escrito mas, só no séc.XI encontramos documentos que falam de polifonia e que descrevem
partes cantadas a que davam o nome de Organum.

1
 Regino de Prüm (m.915) e Hucbaldo (840-930) escreveram dois tratados com o mesmo título –
De harmonia institutione – onde pela primeira vez usam o termo Organum (pl. Organa) e onde
definem já as consonâncias e dissonâncias.
 Hucbaldo deixa bem claro que o Organum envolve a simultaneidade de sons diferentes.

Os primeiros exemplos

 Os primeiros exemplos de polifonia foram encontrados nos dois tratados mais importantes da
época (séc.IX) onde se descreve o fenómeno polifónico e se transcrevem com notação, os
primeiros exemplos de polifonia:
o Musica Enchiriadis (Manual de Música)
o Scholia Enchiriadis (Manual Escolar)
 São considerados anónimos mas pensa-se que poderão ser de Hucbaldo.
 Mais recentemente foi encontrada uma peça que se pensa ser a mais antiga peça polifónica
encontrada até hoje. Foi encontrada na Biblioteca Britânica de Londres, no final de um
manuscrito sobre a vida de um bispo - Maternianus de Reims.

1ª Fase de Evolução – Organum paralelum (séc.IX)

 De acordo com os tratados da época, o organum deriva de uma duplicação do cantochão que já
existia, em movimento paralelo, fazendo intervalos de 8ª, 5ª ou 4ª, rigidamente mantido.
 A voz superior chama-se vox principalis e corresponde à voz do cantochão que já existia.
 A voz inferior chama-se vox organalis e corresponde à nova voz acrescentada.

 O autor do tratado Musica Enchiriadis descreve diferentes tipos de organum paralelo:

o Organum simples - temos apenas duas vozes e uma das vozes canta invariavelmente em
quintas ou quartas paralelas abaixo da melodia de cantochão.

2
o Organum composto - As duas vozes são dobradas à oitava, resultando em intervalos de
oitava, quinta e quarta paralelos.

2ª Fase de Evolução – Organum livre ou modificado (séc.XI e XII)

 Durante os dois séculos seguintes foram poucas as modificações sofridas por esta polifonia
rudimentar. A evolução virá apenas com Guido d’Arezzo no seu tratado Micrologus.
 Os exemplos do séc.XI mostram que foram dados passos importantes no sentido da
independência e importância das vozes.
 Se compararmos os dois tipos de organum paralelo descritos anteriormente com os de Guido
D’Arezzo (995-1050) notaremos que, neste último, há já um aumento do predomínio do
movimento contrário entre as vozes, o que significa, um avanço na independência destas.
 O movimento das vozes estritamente paralelo não oferecia muito estímulo aos compositores e
não permitia grandes desenvolvimentos, começando então a ser variado com movimentos
contrário ou oblíquo ou com cruzamento das vozes, muitas vezes com as frases a começarem e a
acabarem em uníssono.

 São estas as alterações que levarão ao desenvolvimento da verdadeira polifonia, começando


também a surgir novos intervalos de 2ª e 3ª em organum simples e 6ª e 7ª em organum
composto.
 A esta 2ª fase dá-se o nome de Discante – correspondente ao movimento contrário e
cruzamento de vozes. A voz principalis continua a ser a superior e a voz organal a inferior,
embora se passe a chamar voz Discante.

O Contraponto

 Nesta altura começa-se a desenvolver o contraponto – punctum-contra-punctum (nota-contra-


nota).
 Em vez de termos uma nota contra uma nota, passamos a ter 2 notas no discante contra uma
nota na voz principalis ou 5 ou 3 no discante contra 3 ou 2 na Voz principalis.

 Principais centros de desenvolvimento do contraponto:


o St.Martial de Limoges
o Winchester
3
o Tours
o Fleury

 Guido d’Arezzo limita-se a usar cada vez mais as 4ªP, 3ªM e m e as 2ªM e rejeita as 5ª e as 2ªm e
os seus exemplos mostram uma polifonia baseada no contraponto.
 Por volta do ano 1100 surgem outros 2 tratados com desenvolvimentos do Organum:
o Tratado de John Cotton – usa as 5ª e as 7ª.
o Ad organum faciendum – anónimo.

 Em ambos os tratados há uma indicação clara de que há elementos de escolha por parte dos
compositores ao nível das consonâncias e movimentos, passando a composição a ser um ato
criativo e uma nova forma de arte musical.

3ª Fase de Evolução – Organum melismático (séc.XII)

 Nesta fase, temos uma inversão das vozes com a passagem da voz principalis para voz inferior e a
voz organal para voz superior. Também o nome das vozes se altera passando a chamar-se Tenor
(Tener = sustentar) à voz principalis e duplum à voz organal.
 Por esta razão, também se chama a este tipo de organum – Organum duplum.

 Este tipo de organum consiste em fazer corresponder a uma só nota da voz principalis, várias ou
muitas notas da voz organal, cantadas sobre uma sílaba, a que se dá o nome de melisma. Daí
este organum também se chamar - organum melismático.
 O organum melismático irá fazer aumentar o tamanho das peças e retirar à voz original de
cantochão o carácter de melodia.

 Este tipo de organum vai-se desenvolver em dois centros de música da época:


o St. Martial de Limoges (1ªmet. Séc.XII)
o Notre Dame de Paris (finais séc.XII) – a catedral foi iniciada em 1163.
4
Documentos

 Da 1ª fase de evolução da polifonia o único manuscrito ou documento musical que nos chegou é
o Tropário de Winchester – documento inglês (c.1000) que contém cerca de 150 cantos em
organum que incluem muitos tropos, sequências, responsórios, etc.
 Alguns dos cantos ainda aparecem com notação em neumas, sem linhas e outros têm notação
mais precisa.
 Da 2ª fase de evolução encontramos o Livro de Santiago – norte da Península Ibérica - com uma
peça a 3 vozes.