Você está na página 1de 42

Didática e Prática de Ensino: diálogos sobre a Escola, a Formação de Professores e a Sociedade

Que papel tem a Didática Geral e as didáticas específicas na


construção da identidade profissional docente?

Cristina Maria d’Ávila 1


Universidade do Estado da Bahia - UNEB
Universidade Federal da Bahia- UFBA
cristdavila@gmail.com

Resumo

O objetivo deste artigo é possibilitar reflexões sobre o problema da identidade


profissional docente e o papel da Didática geral e das Didáticas específicas neste
processo. Para tal arte, buscamos no nosso argumento compreender o processo de
identidade entrecruzado com o conceito de identificação, tomando como principais
referências os estudos freudianos e a sociologia do trabalho de Claude Dubar (1991).
Compreendemos, como pano de fundo, este processo imiscuído na compreensão da
subjetividade humana interligada às condições objetivas de realização do trabalho do
professor e de sua formação. Para dar concretude ao trabalho, trazemos à baila
resultados de pesquisas realizadas sobre o sujeito, sob a forma de análise de histórias de
vida em que modelos e contramodelos de docência são apresentados e compreendidos à
luz das teorias mencionadas. Concluímos a favor das disciplinas didáticas no processo
de construção identitária docente, compreendendo que, para tal mister, tais disciplinas
devem se ocupar tanto de um trabalho voltado à compreensão das subjetividades
humanas (escuta e tradução das representações dos alunos sobre a docência), quanto à
mediação de saberes necessários à docência. Consideramos que a mobilização de
saberes pedagógicos e didáticos são condições fundamentais à construção da identidade
profissional docente.

Palavras-chave: identidade profissional; identificação profissional; didática;


subjetividade; formação.

Introdução

Primeiramente convém indagarmos sobre o papel das Didáticas, da Didática geral e das
específicas, na construção identitária de professores em seus processos formativos. Embora


Pós-Doutora pela Universidade de Montréal, Canadá. Professora Titular do Departamento de Educação
– Universidade do Estado da Bahia. Professora Associada da Faculdade de Educação da Universidade
Federal da Bahia.

EdUECE - Livro 4
00208
Didática e Prática de Ensino: diálogos sobre a Escola, a Formação de Professores e a Sociedade

não seja foco deste artigo, defendemos a posição em favor da Didática Geral e das Didáticas
específicas, cada uma cumprindo seu papel na formação de professores para a educação
básica. A Didática Geral, como conhecimento de iniciação e de mediação, tem a função de
inaugurar os estudantes no terreno pedagógico, trazendo à luz teorias pedagógicas,
concepções epistemológicas, teorias de ensino e aprendizagem, concepções sobre
planejamento e mediação dos processos formativos. E as didáticas específicas com a função
de, pormenorizando o trabalho inicial da Didática geral, iniciar o estudante no ensino de sua
matéria específica a partir da mobilização de saberes, habilidades hábitos e atitudes
pertinentes e características a cada área de conhecimento. Uma didática não implica a
negação da outra. E ambas devem desenvolver papel preponderante no processo de
identificação dos estudantes com a profissão, constituição de suas identidades e de sua
profissionalidade docente.

Outro ponto do nosso argumento diz respeito à força da subjetividade na constituição do


ser e/ou tornar-se professor, e neste âmago, na construção da identidade profissional
docente. Sem desmerecer a força das condições objetivas no processo de profissionalização
docente – questões salariais, formativas e de condições materiais de funcionamento das
escolas – a subjetividade do professor – sua singularidade, seus sentimentos, saberes
didático e pedagógicos, profissionalidade e sua identidade profissional – é fundante para a
sua constituição como ser profissional. Porque sem reconhecimento de seus saberes não há
como mobilizá-los e sem o desenvolvimento de um sentimento de estima e identificação
com a causa, não há como se constituir identidade com a profissão.

Vamos com este artigo nos ocupar da subjetividade do professor sem desvinculá-la das
condições objetivas de sua existência na sociedade brasileira. Por este motivo,
começaremos a exposição com uma breve explanação sobre o panorama educacional
brasileiro e nele vislumbrar os espaços para compreensão da constituição de sua identidade
profissional.

O recorte que fazemos aqui se dá no âmago de um panorama educacional problemático:


as condições de trabalho, os magros salários, a desvalorização social que concorrem
para a desprofissionalização docente no Brasil, em que pesem os movimentos de
educadores e estudantes, os fortes debates acadêmicos e as mais recentes publicações
sobre a formação de professores e o trabalho docente (Veiga, 2000, 2002; Libâneo,

EdUECE - Livro 4
00209
Didática e Prática de Ensino: diálogos sobre a Escola, a Formação de Professores e a Sociedade

2000, 2006; Nóvoa, 2002, Pimenta, 2000; Tardif, 2002; Tardif e Lessard, 2005, dentre
outros). Em reportagem recente publicada pelo blog Ultimo segundo2, no capítulo
Educação, datado de 11 de junho deste ano de 2014:

“a remuneração média dos professores brasileiros é equivalente a 51% do valor


médio obtido, em 2012, pelos demais profissionais com nível superior completo.
Há sete anos, esse porcentual era de 44%. Atualmente, o salário médio do
docente daeducação básica no País é de R$ 1.874,50. Essa quantia é 3 vezes
menor que o valor recebido por profissionais da área de Exatas, como por
exemplo, os engenheiros.” (Disponível
(http://ultimosegundo.ig.com.br/educacao/2014-06-11/).

Não obstante, uma das metas previstas no Plano Nacional de Educação (PNE), que
aguarda sanção presidencial, é equiparar o rendimento médio dos profissionais do
magistério das redes públicas com as outras categorias.

O currículo dos cursos de licenciatura reproduz o que historicamente significou a magra


fatia destinada à formação de professores. Com o processo de elaboração das Diretrizes
curriculares nacionais (DCN) para a graduação, conduzido pela SESu/MEC no ano de
2001, a Licenciatura ganhou terminalidade e integralidade própria em relação ao
Bacharelado, constituindo-se em um projeto específico, rompendo com a antiga formação
de professores que ficou caracterizada como modelo “3+1”. A proposta incluiu a discussão
das competências e áreas de desenvolvimento profissional, sendo, assim, flexível para
abrigar diferentes desenhos institucionais. Atualmente a carga-horária de estágio é de 400
horas, o que consideramos ainda uma carga horária pequena como período de exercício da
prática pedagógica. O art. n° 1 da Resolução do CNE 2/2002 regulamenta as dimensões dos
componentes comuns com a seguinte configuração: 400 horas de prática como componente
curricular (mas não estabelece se se trata de prática de ensino); 400 horas de estágio
curricular supervisionado a partir da segunda metade do curso; 1800 horas para o conteúdo
disciplinar específico (científico-cultural); 200 horas para outras formas de atividades
acadêmicas. Bem, cada IES estabelece a carga horária de seu currículo e , portanto, a

2
Disponível em http://ultimosegundo.ig.com.br/educacao/2014-06-11/, acesso em 02 de julho de 2014.

EdUECE - Livro 4
00210
Didática e Prática de Ensino: diálogos sobre a Escola, a Formação de Professores e a Sociedade

distribuição entre os componentes disciplinares específicos e os pedagógicos.


Comparativamente as disciplinas pedagógicas tem carga horária mínima em relação aos
demais componentes.

Como bem afirmou Nóvoa (2002, p. 22): «os professores nunca viram seu conhecimento
específico devidamente reconhecido. Mesmo quando se insiste na importância da sua
missão, a tendência é sempre considerar que lhes basta dominar bem a matéria que ensinam
e possuírem um certo jeito para comunicar e para lidar com os alunos. O resto é
dispensável.» A problemática mencionada e tomada ao apreço pelo autor, sem dúvida,
conduz ao desprestígio da profissão: «‘semi-ignorantes’, os professores são considerados as
pedras-chave da nova ‘sociedade do conhecimento’» (Idem). Reduz-se assim a nobre
profissão ensinante a um estatuto de profissão sem importância. “Profissão sem saberes
especializados, qualquer um pode ser professor”. Esta realidade tem que mudar. Precisa
mudar.

A discussão em torno da dicotomia teoria-prática nos cursos de licenciatura continua. No


âmbito desses cursos é frequente colocar-se o foco quase que exclusivamente nos
conteúdos específicos das áreas em detrimento de um trabalho sobre os conteúdos que
serão desenvolvidos no ensino fundamental e médio. A relação entre o que o estudante
aprende na licenciatura e o currículo que ensinará no segundo segmento do ensino
fundamental e no ensino médio continua abissal. Concorre para isso também uma visão
simplificadora da prática. E como bem assinalamos anteriormente, o desprestígio que
acomete o conhecimento didático pedagógico nas universidades. Tal visão parece bem
arraigada na no meio acadêmico que compartilha de uma cultura universitária - um conjunto
de significados, representações e comportamentos – um tanto desqualificadora do próprio
meio profissional. Segundo Libâneo em prefácio à obra de Guimarães (2004, p 13), são
traços dessa cultura, a prevalência dos discursos teóricos, a hipervalorização da pesquisa em
detrimento do ensino, desvalorização das práticas profissionais e da licenciatura,
individualismo exacerbado. Infelizmente são traços que nutrem também o imaginário do
estudante de licenciatura que passa «naturalmente» a rejeitar a docência ou a menosprezar a
formação.

Assim, com base nos resultados de pesquisas que vimos realizando desde o ano de 2007,
2011, 2013 sobre identidade, profissionalidade e saberes profissionais docentes, apoiados

EdUECE - Livro 4
00211
Didática e Prática de Ensino: diálogos sobre a Escola, a Formação de Professores e a Sociedade

em estudos de autores, como, Dubar, 1991; Cattonar, 2005, Gauthier, 2006, podemos
afirmar que o curso de licenciatura tem tido um peso limitado sobre a construção da
identidade profissional docente. E, dentro dele, questionamos o papel das disciplinas
didático-pedagógicas, sobretudo, da disciplina Didática nesse processo.

Em suma, temos um quadro que caracteriza a formação inicial de professores como


problemático diante do qual concebemos como principais hipóteses: a) o peso diminuto da
formação inicial no processo de construção da identidade profissional dos futuros
professores; b) o papel preponderante que devem ter as disciplinas didáticas na constituição
desta identidade. Diante do exposto nos indagamons: Como se constrói a identidade
profissional docente? Que condições, no curso de formação inicial, podem favorecer a
construção dessa identidade? Qual o papel das disciplinas de formação pedagógica,
especificamente, da Didática geral e didáticas específicas, nesse processo?

Identificação e identidades – dois conceitos que se fundem

Antes de entrar no conceito de identidade profissional cabe discutirmos a diferença entre


este conceito e o de identificação.

Como a entendemos, da pesquisa bibliográfica que envidamos a partir de estudiosos da


teoria freudiana e da sociologia do trabalho (a partir de Claude Dubar, 1991), o processo
de identificação antecede a constituição de uma identidade – uma espécie de
personalidade, de singularidade própria que constitui e caracteriza cada ser humano. A
identificação é um processo psicológico através do qual o sujeito assimila um aspecto,
propriedade ou atributo do outro e se transforma. A identidade vai assim se constituindo.

O processo de identificação sustenta os mecanismos de inserção do sujeito em


determinado grupo. É um processo que se constrói a partir de laços emocionais do sujeito
em relação ao objeto (sejam pessoas, coisas ou situações). Freud considera que um grupo
se mantém unido " por um poder de alguma espécie; e a que poder poderia essa façanha
ser mais bem atribuída do que a Eros?" (Freud, 1921/1976, p. 117 apud Guimarães e

EdUECE - Livro 4
00212
Didática e Prática de Ensino: diálogos sobre a Escola, a Formação de Professores e a Sociedade

Celes, 2007, p. 2). os laços emocionais, constituem a essência da mente grupal. Conclui
o cientista.

Os três conceitos mais importantes de identificação, como descrito por Freud são: a
identificação primária, identificação (secundária), narcisista e identificação (secundária)
parcial. Um assunto bastante complexo, mas que tentaremos explicitar aqui.

A primeira forma de identificação - identificação primária - desempenha uma função no


complexo edipiano. “Nesse momento, o menino " toma o pai como seu ideal" (Freud,
1921/1976, p. 133), quer ser o pai. Essa atitude, segundo o autor, é tipicamente
masculina e ajuda a preparar o menino para o complexo de Édipo”. (Guimarães e
Celes, 2007, p. 2).

A segunda forma de identificação – secundária narcisista - é compreendida tal como


ocorre na neurose, como processo de formação dos sintomas. Como no caso citado pelo
autor de uma menina que assimila a tosse da mãe (o sintoma). Neste caso, a
identificação pode advir do complexo de Édipo, que significa o desejo em tomar o lugar
da mãe. Por outro lado ainda, o sintoma pode ser o mesmo que o da pessoa amada.
Assim, “essas identificações destinam-se a internalizar um só traço do objeto, por meio
do processo de regressão”. (Idem, p.2)

A terceira forma de identificação – secundária parcial - não contempla uma relação de


objeto com a pessoa que está sendo imitada. Essa terceira modalidade é a responsável
pela formação de coletividades, por ligar entre si os membros de um grupo. Freud
afirmara, a uma certa altura, que a psicologia individual era ao mesmo tempo psicologia
social (Freud, 1921/1976 apud Guimarães e Celes, 2007, p. 3). Não há como se
compreender um processo individual de identificação sem que se lhe articule à
dimensão social que envolve o ser. São pontos em comum como uma pessoa que não é
objeto sexual, mas se a comunhão é significativa vai promover outros laços sociais (a
relação com os pares, com as autoridades, a simpatia compreensão intelectual). “Nesse
sentido, pode-se dizer que a identificação é um processo indispensável para a
constituição do humano, ou seja, é por intermédio da identificação que a relação com o
outro efetiva-se em busca de individuação e de socialização.” (Guimarães e Celes, 2007,
p. 3).

EdUECE - Livro 4
00213
Didática e Prática de Ensino: diálogos sobre a Escola, a Formação de Professores e a Sociedade

E nesse ponto podemos começar a falar, então, em identidade.

Identidade é o reconhecimento de que o indivíduo é o próprio. É o conjunto


de caracteres particulares, que identificam uma pessoa. E antes de falarmos de
identidade profissional, devemos compreender o sentido das identidades sociais.

Identidade social designa o sentimento de pertença a determinados grupos (segmentos,


categorias) sociais. O conceito da identidade social parte da constatação de que o
indivíduo enquadra, mais ou menos automaticamente, as outras pessoas e a si próprio
nas mais variadas categorias de classificação – objetivas e manifestas (ser baiano,
brasileira, ser homem brasileiro, ser mulher, ser profissional). O individuo sente-se
como parte dessas categorias. Portanto, o sentimento de pertença é fundante nessa
conceituação.

Identidade profissional : uma identidade socialmente condicionada

A identidade profissional docente deve ser entendida como prática social construída pela
ação de influências e grupos que configuram a existência humana. A prática educativa é
uma prática social; assim sendo, a constituição da identidade docente só acontece no
âmago dessa prática e em relação com outros, com o grupo de pertença. Assim,
compreender esse processo passa pela compreensão do seu próprio caráter intersubjetivo
e relacional.

Segundo Dubar (1991) há dois processos convergentes ou não que concorrem para a
constituição das identidades: um processo biográfico (identité pour soi) e um processo
relacional, sistêmico e comunicacional (identité pour autrui). O primeiro está ligado à
trajetória de cada um (o que inclui múltiplas esferas, seja da família, da formação escolar
e profissional, do trabalho, etc.); o segundo, relacional, está ligado às relações partilhadas
em atividades coletivas, organizações, instituições etc. Neste sentido, não há como se
pensar numa disjunção possível entre identidade individual e identidade coletiva.

No caso da identidade profissional docente, o sujeito do trabalho é o ser humano,


portanto sua característica mais marcante é a interrelação entre as partes (aquele que

EdUECE - Livro 4
00214
Didática e Prática de Ensino: diálogos sobre a Escola, a Formação de Professores e a Sociedade

ensina e aquele que aprende). Nesse sentido, é um trabalho interativo, por definição. Um
trabalho que conduz à interação no seio de uma organização. Como tal, os professores
constroem e reconstroem uma identidade profissional pertinente a um grupo, ou ainda, a
subgrupos específicos, a depender do segmento ao qual pertençam (educação infantil,
ensino fundamental, ensino médio) e de suas características específicas. Existe uma
dinâmica identitária significativa nesse contexto (Lessard e Tardif, 2003, p. 15). A
identidade também se constitui de forma relacional Ou seja, refere-se à relação do sujeito
consigo mesmo e também com o outro. É a um só tempo uma relação de identidade e de
alteridade, construída através de um processo contínuo de identificação e de
diferenciação imbricado na experiência com o próximo. Nesse particular é muito
importante o papel conferido ao ambiente de trabalho e a relação entre os professores e
seu meio. É na relação com os pares que a identidade profissional ganha forma:
observando, refletindo, discutindo para se compreender os afazeres do métier e assumir,
assim, um certo perfil singular de ser professor, uma identidade, porém construída na
relação e no contexto do trabalho.

A identidade profissional resulta, portanto, de uma socialização própria ao grupo de


pertença profissional. Significa dizer que as experiências comuns são importantes, assim
como o próprio processo de formação inicial. Tal socialização, portanto, significa, para
os professores em formação, um processo de identificação ligada a tipos identitários
específicos, disponíveis e definidos como ideais (Dubar, 1991).

Uma identidade ao mesmo tempo pessoal

A identidade é também uma construção pessoal, singular e complexa, o que não nega
todas as suas implicações sociais. Ela é ao mesmo tempo estável e provisória, individual
e coletiva, subjetiva e objetiva; multirreferencializada, pois resultante de múltiplas
interfaces; contextualizada e situada pois enraízada em espaços/tempos determinados e
determinantes. O processo de construção identitária é um processo biográfico contínuo “e
a identidade pode ser vista como o resultado de uma transação entre uma identidade
herdada do passado e uma identidade visada pelo indivíduo ou imposta pela situação
presente” (Cattonar, 2005, p. 197).

EdUECE - Livro 4
00215
Didática e Prática de Ensino: diálogos sobre a Escola, a Formação de Professores e a Sociedade

Portanto não se pode reduzir as identidades sociais às determinações do campo


profissional e da formação porque, segundo Dubar (1991, p. 119), desde a infância o
indivíduo herda uma identidade de gênero, uma identidade étnica e uma identidade de
classe social – identidades essas ligadas à família. Entretanto, é na escola que a criança
vive a experiência de sua primeira identidade social.

A construção da identidade profissional tem estreita relação com a profissionalidade,


entendendo este conceito como «conjunto de conhecimentos, capacidades,
habilidades, isto é, competências gerais, para além da disciplina que ensina. Corresponde
a um modo de ser, a qualidades que identificam os elementos necessários à profissao. A
profissionalidade está articulada à formação inicial, à experiência que resulta da prática
e à formaçao continuada. Ao identificar-se com a profissão, o sujeito passa a desenvolver
um perfil, um modo de ser, ganha, por assim dizer, uma nova estatura diante da qual se
posta como profissional. Desenvolve a sua profissionalidade.

Etapas do desenvolvimento profissional

A capacidade de refletirmos sobre os desafios apresentados no nosso dia-a-dia e,


particularmente, no dia-a-dia da profissão nos obriga à revisão constante de conceitos.
Assim, a identidade profissional está calcada em superações de problemas de vida. Essas
transformações paradigmáticas, levam, por assim dizer, a mudanças de necessidades e
aspirações dos indivíduos. Portanto as identidades nunca se encontram prontas, estão em
constante construção, o que se exprime pelo seu caráter processual e auto-reflexivo. Em
suma, advogamos aqui que a identidade é um processo construtivo e em permanente
transformação.

Para falarmos deste processo, antes de mais nada, desejamos situar o leitor no terreno em
que o mesmo adquire raiz. Para compreendermos esse contexto, tenhamos em mente,
breve, o ciclo de vida da profissão docente a partir das seguintes etapas que sintetizamos
a partir da literatura consultada: Socialização preprofissional; Socialização profissional :
formação inicial; Inserção no meio profissional (entrada); Estabilidade profissional
(Dubar, 1991; Cattonar, 2005; Riopel 2006).

Socialização pré-profissional

EdUECE - Livro 4
00216
Didática e Prática de Ensino: diálogos sobre a Escola, a Formação de Professores e a Sociedade

10

O que significa a socialização pré-profissional? Esta é uma socialização, antes de tudo,


subjetiva, complexa e informal. O que significa dizer que diz respeito à trajetória de cada
um, portanto ela se desenvolve de forma particular em cada sujeito. A identidade
profissional docente se encontra ancorada em experiências ancestrais, em grande parte,
na experiência de vida de cada um como estudante em nível primário e/ou secundário.
Esse período portanto, vivido pelas pessoas pode lhes fazer eclodir as primeiras
identificações com a profissão. É nesse momento portanto que se iniciam as primeiras
identificações e que o sujeito pode vir a elaborar seus modelos ideais de ensino e de
como vir a ser professor. É um tipo de identificação antecipada para o grupo dos
professores, porque enquanto estudantes vão adquirir normas, valores, crenças e modelos
comportamentais dos membros do seu “grupo de referência”, ou seja de seus professores.
Muitas vezes essas normas são reproduzidas em jogos infantis, e mais tarde postas em
prática no meio profissional, de modo inconsciente (Cattonar, 2005). Desta forma, a
socialização profissional parece acontecer antes da entrada no ofício. Mesmo os docentes
que escolheram a profissão como segunda opção, contam histórias que remontam à
infância e, nestas, o despertar do gosto pelo ensino.

Os estudantes em formação, assim como professores já na ativa, vão nos contar histórias
em que os modelos de professores vêm à tona como sujeitos que marcaram suas vidas. E
o interessante é que as qualidades que os primeiros atribuem aos seus professores
marcantes são aquelas que eles próprios pretendem ou reproduzem no exercício da
profissão, denotando assim um certo sentimento de filiação. Tem ainda aqueles que são
considerados contramodelos, ou aqueles professores dos quais não se guarda boas
memórias e que não se pretende reproduzir. São exemplos fortes de como não fazer ou
de como não ser. Enfim, são modelos diversos que marcam porque não correspondem
aos ideais da profissão concebidos pelos estudantes.

As histórias de cada um, portanto, se constituem em material nuclear se quisermos


refletir sobre o processo identitário em qualquer profissão; por esta razão e para melhor
compreendermos o processo de construção da identidade profissional docente,
recorremos à análise de escritos autobiográficos dos estudantes. Os relatos
autobiográficos, segundo Catani (et al. 1997, p. 40), ajudam a compreender como os
sujeitos reconfiguram suas identidades. A reconfiguração do passado com os olhos do

EdUECE - Livro 4
00217
Didática e Prática de Ensino: diálogos sobre a Escola, a Formação de Professores e a Sociedade

11

presente, sem dúvida, possibilita uma compreensão mais larga da experiência e uma
inserção mais clara na profissão.

Socialização profissional

O curso de formação inicial inaugura o momento da profissionalização na docência. É


uma fase instituída e também instituinte de uma identidade profissional que se estrutura a
partir de saberes teóricos e práticos da profissão; de modelos didáticos de ensino e de
uma primeira visão sobre o meio profissional docente. É um momento importante na
construção da identidade docente, já que os sujeitos se transformam nas interrelações que
ali se estabelecem. Considerada como uma fase de socialização mais formal, é na
formação inicial que o futuro docente vai se deparar com os chamados conhecimentos
teóricos ou saberes curriculares acadêmicos (Tardif, 2002) e também com modelos ideais
de profissionalidade, advindos muitas vezes das teorias educacionais.

Segundo Pimenta e Lucena (2004, p. 64), os cursos de formação de professores são


fundamentais no fortalecimento da identidade “à medida em que possibilitam a reflexão e
a análise crítica das diversas representações sociais historicamente construídas e
praticadas na profissão”. Então, é no confronto entre o “eu profissional” e “o outro” que
se estabelecem as diferenças e as possibilidades de análise crítica referente às posturas
assumidas nas práticas educativas. É na relação com o outro que o processo de
individuação se consolida – no não querer fazer assim, ou, na melhor das hipóteses, na
admiração do exercício profissional de quem já se encontra na profissão (o olhar sobre as
práticas de professores regentes de disciplinas, seja num passado remoto, seja na própria
formação universitária). É sem dúvida um processo sofrido de decepções, muito esforço
pessoal, solidariedade, abandono, solidão e compartilhamento que o exercício docente
abre brechas para a constituição da identidade profissional. Muito embora os estudantes
de licenciatura possuam críticas quanto a esse processo de formação, não há como negar
que este incida, positiva ou negativamente, sobre a construção da identidade nos futuros
professores.

Dos momentos mais importantes no processo de construção identitária profissional,


encontram-se a saída do sistema escolar e a entrada e confrontação no mercado de
trabalho. A entrada numa especialização disciplinar constitui-se assim em ato

EdUECE - Livro 4
00218
Didática e Prática de Ensino: diálogos sobre a Escola, a Formação de Professores e a Sociedade

12

significativo para a identidade do profissional, mas é na confrontação com o mercado de


trabalho que se localiza o aspecto identitário mais importante; é lá, nessa primeira
confrontação que se vai constituir uma identidade profissional de base, uma projeção de
si para o futuro, enfim, a colocação em prática de uma certa lógica de aprendizagem e
também de formação. A entrada na profissão domina um modelo prático concernente às
tarefas cotidianas, ao trabalho duro que tem pouco a ver com o modelo idealizado
caracterizado pela dignidade da profissão e sua valorização simbólica provinda da
formação inicial (Dubar, 1991, p 146).

Decorre desse processo, as projeções pessoais pela profissão a partir de uma identificação
com os membros que pertencem a um «grupo de referência» (o que inclui a imagem de
si, apreciação de suas próprias capacidades, realizações de desejos, choques, frustrações,
projeções para o futuro profissional etc.). No caso da formação inicial para a docência
são os mestres/professores, essa referência. Uma referência antecipada que pode nascer
desde a mais tenra idade em modelos de professores da infância. Convém assinalar, que
tal processo não se encerra aí - será regularmente confrontado com as transformações
tecnológicas, organizacionais e políticas, implicando sempre em projeções para o futuro.
Assim, essa primeira identidade profissional está marcada pela incerteza e parafraseando
Dubar (Ibid.) podemos mesmo compará-la à passagem da adolescência para a vida adulta
e, portanto, a uma forma de estabilização social.

Neste artigo vamos apresentar, a título de exemplificação, excertos de falas de estudantes


– colaboradores da pesquisa realizada sobre identidade profissional docente em cursos de
licenciatura na Universidade federal da Bahia. Nestes excertos demonstraremos
exemplos de modelo e contramodelos de docência realizados pelos estudantes em suas
histórias de vida. Foram colhidas narrativas de 39 estudantes de 19 cursos de
licenciatura.

O que podemos retirar como lição dessas narrativas? Primeiro, a de que se encontra em
modelos do passado, principalmente no ensino primário (de 1ª à 4ª séries) o principal
referente de identificação com a profissão; segundo, de que os contramodelos de
professores e de docência são mais fortes ou reverberam mais nas suas memórias que os
modelos positivos. Efetivamente, dos 39 memoriais escritos, 28 se referem às

EdUECE - Livro 4
00219
Didática e Prática de Ensino: diálogos sobre a Escola, a Formação de Professores e a Sociedade

13

experiências negativas ou contramodelos de ensino, ou seja praticamente 72% do total


contra 28% que se referiram a modelos positivos de docência.

Os modelos fortes do passado estão localizados, a partir da escrita dos estudantes,


sobretudo no nível primário, vejamos alguns extratos:

« [...] Será que essas aulas sempre iguais onde o professor é a autoridade máxima e se
impõe sem se importar em consultar nossas opiniões e necessidades se fixam na nossa
lembrança de forma a nunca se perder ? Com certeza não são essas as recordações que
quero perpetuar quando for atuar em sala de aula, mas sim os passeios pelo
desconhecido, as minhas descobertas pessoais, meus olhos espantados por ver saltar dos
livros didáticos coisas que eu não lembraria se não as tivesse vivenciado. Aliás, essa é a
palavra mágica que guardo da parte boa da escola: vivência»

« Tudo isso faz parte do meu processo educativo e vou guardar isso sempre. Cada dia
que conheço mais a educação percebo como foi importante passar por essas fases...»

« Descrever parece simples, mas para mim marcou toda a minha vida escolar e eu fui
evoluindo à medida que me debatia como novos desafios e obstáculos...»

Os contramodelos têm muita força também na constituição de um perfil profissional. E


no ensino fundamental, é capaz de deixar marcas indeléveis (dos 39 escritos, 28 se
referem a experiências negativas de ensino). Dentre os contramodelos flagrados e
registrados pelos nossos alunos em seus escritos autobiográficos, podemos elencar
como atitude mais marcante, o autoritarismo revelado sob diferentes ângulos, dentre os
quais destacam-se os métodos conservadores da pedagogia tradicional; a
desqualificação (ou violência moral); e a punição (violência física). São, em síntese e
não sem dor, as lições apreendidas pelos estudantes (extratos de seus escritos a seguir):

«Eu me recordo que a professora na ocasião ainda não havia completado a licenciatura e
provavelmente não tinha cursado a disciplina de didática (ou ao menos não parece tê-la
usado quando deveria), posto que mostrou incompetência na direção da sala de aula. [...]
Não se pode crucificá-la por tal ato impensado, mesmo porque isso não era recorrente,
todavia é importante apontá-lo como uma falha no exercício da docência e uma
experiência ímpar que me permite hoje afirmar que me policiarei para não fazer o

EdUECE - Livro 4
00220
Didática e Prática de Ensino: diálogos sobre a Escola, a Formação de Professores e a Sociedade

14

mesmo quando lecionar, pois senti as consequências que tais atos podem provocar no
aluno»

« O ponto crucial dessa história reside no fato de que havia outras formas de lidar com a
situação, mas a professora, tradicionalíssima, preferiu não “destruir” sua postura
dominadora [...] escolhendo escorraçar de sua sala, durante um bom tempo, um aluno
que sempre gostou de estar ali»

Certamente essas experiências reverberaram em suas vidas e ainda irão se repercutir em


suas práticas profissionais e, na melhor das hipóteses, surgirão como negação do que foi
vivido ou como uma outra forma de desenvolver-se na profissão.

Dos modelos positivos na universidade (três num total de 39 relatos - ou menos de 10%
do total), os estudantes enalteceram as qualidades: lúdica, sensível (relacional),
comprometida e competente de engajamento dos professores na prática profissional:

«Eu ia tranquilo para as aulas, feliz com minha professora, animado com a idéia dela ter
me enxergado e se preocupado com meu aprendizado no meio de tantos outros alunos.
Ela particularizou o olhar dela, individualizou o ensino, desceu do salto, iniciou um
processo de construção do meu saber e conversou comigo como se fôssemos iguais.
Como se fôssemos... [...] Pedagogias à parte, a relação professor-aluno é uma relação de
poder assimétrica, mas não pode ser marcada por uma distância abissal. Diminuir a
assimetria é objetivo das mais variadas abordagens, independente do conteúdo e da
instituição. Estamos lutando contra séculos de tradição (ainda em vigor) e sinais de
mudança aparecem tímida e esporadicamente. A professora não tinha um discurso
democrático,... e talvez nem conhecesse as abordagens pedagógicas a fundo, mas ela
estava se tornando menos tradicional do que podia perceber. Tudo bem, ela não foi
intencionalmente construtivista, mas a experiência serviu para a reconstrução de um
novo esquema em mim. Não sobre a teoria, mas sobre o professor» (T.).

«Foi proposta como uma das formas de avaliação seminários em grupo. [...] Observei
que nesses momentos a professora apresentava uma atitude muito atenta: circulava
pelos grupos, esclarecia dúvidas e observava... [...] Apesar das primeiras avaliações
seguirem os moldes tradicionais ... a última abria espaço para a pesquisa em grupo e o
desenvolvimento da expressão oral. [...] Acredito que a professora teve uma postura
muito sensível as minhas necessidades naquele momento... » (S.).

EdUECE - Livro 4
00221
Didática e Prática de Ensino: diálogos sobre a Escola, a Formação de Professores e a Sociedade

15

Dos contramodelos de docência em nível superior revelados nas narrativas dos alunos
(cinco num total de 39 relatos), temos como marcas preponderantes, o autoritarismo, a
displicência e a indiferença:

« Durante meu curso de história na universidade tive alguns professores que atuaram
apenas como palestrante, simples fornecedores de informações. Eram displicentes e
indiferentes aos alunos em suas diversas necessidades. Irresponsáveis na execução de sua
função, negligenciavam o papel de educador na formação de novos educadores. Foi para
mim marcante o Doutor (como ele mesmo gostava de lembrar) em história. Trago-o
como exemplo de uma catástrofe na sala de aula a partir de um fato acontecido que
demonstra perfeitamente a sua falta de preparo e sua postura tradicionalista-ditatorial».
(Estudante I.).

« Foi em época de final de semestre em um seminário e minha equipe estava


conversando com a tal professora. Ela adotou um método em que todas as pessoas da sala
tinham que julgar as equipes, dando seu ponto de vista de como a equipe apresentada se
saíra, mas eu não concordava de jeito nenhum, pelo fato de que na minha opinião, uma
pessoa no ‘mesmo barco’ que você te julgando seria antiético, o mesmo que um atrista
plástico falar para outro que sua obra é uma porcaria, ou seja, colegas, futuros
educadores, falarem para a equipe que sua apresentação foi o máximo ou até mesmo um
lixo (na maioria!). [...] Ela não concordou comigo, tentou de todas as formas mudar
minha opinião e disse ironicasarcasticamente: Coitadinha, tão nova e já é do sistema...
[...] Moral da história: tenha opinião própria, não se intimidando por achar o que você
acha ir contra o que seu professor acha» (L.).

As idéias herdadas e provindas do seu meio e sua história pessoal refletem um retrato
idealizado da organização escolar e da profissão docente. Constituem-se assim em
referência importante situada no coração da motivação para tornar-se docente (Tardif e
Lessard, 1999). Formam, por assim dizer, um quadro de referência de identidade
profissional idealizada pelo futuro docente. Esssas visões, trazidas pelo estudante podem
tanto facilitar a aprendizagem do meio profissional - quando estes compreendem os
saberes da ação, o reconhecimento de situações típicas, etc - como podem também não
estar bem ajustadas à realidade onde se encontram os estudantes, tornando-se assim um
obstáculo à aprendizagem (Riopel, 2006). É no seio da formação inicial, sobretudo no

EdUECE - Livro 4
00222
Didática e Prática de Ensino: diálogos sobre a Escola, a Formação de Professores e a Sociedade

16

ensino das didáticas (geral e específicas) que se encontra o momento adequado para se
identificar essas representações, compreendê-las e, também, transformá-las.

Em prol da Didática no processo de construção das identidades profissionais


docnetes

É preciso que repensemos os programas de formação de professores em termos de seus


objetivos, conteúdos e formatos de aplicação didático-pedagógicas. No processo de
construção da identidade e profissionalidade docentes é inegável a importância de uma
Didática geral – sem que se destitua do terreno as didáticas específicas com suas
singularidades epistemológicas e pedagógico-didáticas - erigida enquanto conhecimento
de iniciação e de mediação. Longe de se constituir em disciplina prescritiva, a didática
tem um papel na iniciação desses sujeitos no seu processo de construção identitária e,
como conhecimento de mediação, tem o papel de tradução das representações, desejos e
crenças dos futuros professores em outras e novas competências profissionais. Nessa
abordagem o trabalho formativo voltado à construção da identidade profissional é
objetivo precípuo.

Ouvir os alunos, futuros mestres, suas representações sobre o ato de ensinar e de


aprender, sobre prática de ensino, ser professor, planejamento, disciplina, etc., é uma
maneira de nos aproximarmos da classe e de conhecermos mais de perto essas pessoas.
Além disto, a didática como conhecimento de mediação deve propiciar a necessária
passagem dos saberes trazidos pelos alunos, ainda em formação, em saberes
pedagógicos necessários à profissão.

Um trabalho voltado à construção da identidade docente não pode estar somente


assentado sobre modelos teóricos, tem que se voltar para o desenvolvimento dos saberes
específicos da profissão. Identidade e profissionalidade docentes são dois conceitos que
aí se encontram. Na mobilização dos saberes didáticos e pedagógicos é que os futuros
professores poderão desenvolver o processo de identificação e futura identidade
profissional. A identidade só se consolida no exercício da profissão. Mas, não temos
duvidas, que é no seio da Didática geral que encontraremos seu gene fundamental.

EdUECE - Livro 4
00223
Didática e Prática de Ensino: diálogos sobre a Escola, a Formação de Professores e a Sociedade

17

Os saberes pedagógicos são aqueles voltados às competências do ser professor, do pensar


largamente a educação e a escola na sociedade, suas teorias, concepções epistemológicas
e metodológicas. Os saberes didáticos são aqueles voltados ao exercício das
competências do ensino. São exemplos de saberes didáticos: o saber planejar, mediar,
avaliar, gerir a classe, etc. E esses saberes só poderão ser vicejados no curso
primeiramente no seio da Didática Geral. Em qual outro componente curricular os alunos
irão conhecer as principais teorias pedagógicas, concepções epistemológicas, teorias de
aprendizagem e princípios metodológicos - numa visão de conjunto - a reger a docência
como profissão?

Mas não bastam conteúdos do como fazer, é necessário aplicação, reinvenção. Neste
sentido é que apostamos no caminho da pesquisa-ação que, no seio dessas disciplinas –
da Didática geral e das específicas – poderão os alunos mobilizar, experimentar, aplicar
tais saberes por meio de pequenas intervenções na escola.

Concluindo

Cremos ter respondido às nossas principais indagações presentes no começo deste trabalho:
Como se constrói a identidade profissional docente? Que condições, no curso de formação
inicial, podem favorecer a construção dessa identidade? Qual o papel das disciplinas de
formação pedagógica, especificamente, da Didática geral e didáticas específicas, nesse
processo?

Como afirmado na problemática deste artigo, os licenciandos passam nos seus cursos por
uma formação demasiado fragmentária e isso reverbera fortemente na constituição de
suas identidades: de um lado, a ênfase dos bacharelados nos programas de pesquisa e um
certo ar de superioridade desta formação em detrimento do conhecimento didático-
pedagógico. De inicio parecem sentir-se mais especialistas em suas áreas disciplinares do
que propriamente professores. E de outro lado, a formação que passam a adquirir nas
faculdades e institutos de educação a partir das disciplinas pedagógicas que lhes colocam
diante do inevitável abismo: como sentir-se preparado para a hora do estágio e entrada na
profissão com uma formação assim dicotomizada?

EdUECE - Livro 4
00224
Didática e Prática de Ensino: diálogos sobre a Escola, a Formação de Professores e a Sociedade

18

O tempo destinado às matérias pedagógicas e estágios (as decantadas 400 horas de


estágio) a partir da metade do curso, não parece ainda suficiente para a preparação dos
futuros professores para o enfrentamento de problemáticas complexas que se assomam
no cenário educacional atual: a violência, bulling, a baixa qualidade do ensino, a precária
formação dos alunos, o desânimo e a desestrutura física da escola pública. Claro que há
exceções. Mas o que vemos grassar, mormente no Nordeste brasileiro, é uma educação
pública de baixa qualidade que apela por transformações estruturais e por professores
bem formados. Isso amplia o choque no momento da entrada na profissão. E para se
atenuar este choque, os professores precisam se sentir identificados e comprometidos
com a profissão docente.

Bem, diante disso é normal que os alunos se queixem da formação que adquirem na
universidade. Em recente pesquisa realizada sobre constituição da profissionalidade
docente, no ano de 2011-2012, atestamos que os alunos criticam sobremaneira a
dicotomia ressaltada anteriormente e a ambiguidade na constituição de suas identidades:
o curso é excessivamente teórico e há pouco mergulho nas práticas de ensino. Além
disso, nos próprios institutos ou faculdades de educação as disciplinas didáticas são
excessivamente teóricas. Há que se pensar então na diminuição destas dificuldades
mediante o oferecimento de Didáticas e outros componente curriculares mais assentados
sobre o terreno pedagógico e mais aliados das escolas básicas.

Defendemos diante desta realidade o ensino de uma Didática transversalizada pelo saber
sensível e pela ludicidade e atravessada pelo método da pesquisa. Professores e alunos
juntos pensando a problemática escolar à luz das teorias pedagógicas mais significativas,
em busca de respostas para os desafios de ordem pedagógica e didática que atravessam a
escola pública na atualidade.

Referências

BRASIL. L.D.B- Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: Lei 9394 de 20/12/96.
Brasília: Ministério da Educação, 1996.
BRASIL. Proposta de Diretrizes para a Formação inicial de Professores da Educação
Básica, em cursos de nível superior. Brasília: Ministério da Educação, 2000.

EdUECE - Livro 4
00225
Didática e Prática de Ensino: diálogos sobre a Escola, a Formação de Professores e a Sociedade

19

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação


Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena, Brasília: Ministério da
Educação, Conselho Nacional de Educação, 2001.
BRZEZINSKI, Iria (org.). Profissão professor: identidade e profissionalização docente.
Brasília: Plano Editora, 2002, 196 p.
CANDAU, V. M. (org.) et al. A didática em questão. 4ª edição. Petrópolis: Vozes, 1985.
CANDAU, Vera (org) et al. Didática, currículo e saberes docentes. Rio de Janeiro: DPeA
Editora, 2002.
CATANI, Denice et al. Docência, memória e gênero. São Paulo: Escrituras editora, 1997.
CATTONAR, Branka. L’identité professionnelle des enseignants du secondaire. Dissertation
doctorale. Université Catholique de Louvain, Belgique, 2005.
CATTONAR, Branka. Convergence et diversité de l’identité professionnelle des enseignantes e
des enseignants du secondaire en communauté française de Belgique: tensions entre le vrai
travail et le sale boulot. In: Éducation et francophonie. Revue scientifique virtuelle ACELF,
Vol. 34:1, Printemps 2006. (193 – 212 p.).
DAMIS, Olga T. Formação pedagógica do profissional da educação no Brasil: uma perspectiva
de análise. In: VEIGA, Ilma Passos Alencastro e AMARAL, Ana Lucia (orgs.). Formação de
professores: políticas e debates. São Paulo, SP: Papirus, 2002, pp. 97-130.
D’ÁVILA, Cristina M. Decifra-me ou te devoro: o que pode o professor frente ao manual
escolar? 2ª Ed. Salvador, EDUNEB/EDUFBA, 2013.
D’ÁVILA, Cristina M. (org) Anais do II Coloquio Formação de Educadores: ressignificar a
profissão docente. Salvador, PPGEDUC/UNEB, 2006.
DUBAR, Claude. La socialisation. Construction des identités sociales et professionnelles.
Paris : Armand Colin, 1991.
ENGUITA, Mariano Fernandez. A ambigüidade da docência: entre o profissionalismo e a
proletarização. Revista Teoria da educação, n. 4, Porto Alegre: Pannonica, 1991. p. 41-61.
GAUTHIER, Clermont et al. Por uma teoria da pedagogia: pesquisas
contemporâneas sobre o saber docente. 2ª Ed. Ijuí: Editora UNIJUÍ. 2006.
GERALDI, C., FIORENTINI, D., PEREIRA, E. (orgs.). Cartografias do trabalho docente:
professor(a)-pesquisador(a). 2. ed. São Paulo, SP: Mercado de Letras, ALB, 2001.

GUIMARÃES, Veridiana; CELES, Luiz Augusto M. O psíquico e o social numa perspectiva


metapsicológica: o conceito de identificação em Freud. In Psicologia: Teoria e
Pesquisa. vol.23 no.3 Brasília July/Sept. 2007. Disponível em
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-37722007000300014 Acesso
em: 27 de junho de 2014.
JOSSO, Christine (1991). Cheminer vers soi. Suisse: Éditions l’Age d’home, 1991.
____________________. Experiências de vida e formação. Lisboa: EDUCA, 2002.
LESSARD, C. et TARDIF, M. Les identités enseignantes. Analyse de facteurs de
différenciation du corps enseignant québécois 1960 – 1990. Sherbrooke : Éditions du CRP,
Université de Sherbrooke, 2003.
LIBÂNEO, José Carlos. «Que destino os educadores darão à pedagogia?» In: PIMENTA, Selma
(org). Pedagogia, ciência da educação? São Paulo: Cortez Editora, 1996
LIBÂNEO, José Carlos. «Educação, pedagogia e Didática – o campo investigativo da pedagogia
e da Didática no Brasil: esboço histórico e buscas de identidade epistemológica e profissional.»
In: PIMENTA, Selma (org). et al. Didática e formação de professores: percursos e
perspectivas no Brasil e em Portugal. 3ª edição. São Paulo: Cortez Editora, 2000.
LIBÂNEO, José Carlos. Didática e didáticas específicas: questões de pedagogia e epistemologia.
In: D’Ávila, Cristina M. (org) Anais do II Coloquio Formação de Educadores: ressignificar a
profissão docente. Salvador, PPGEDUC/UNEB, 2006.
NÓVOA, António. Formação de professores e trabalho pedagógico. Lisboa: Educa, 2002.

EdUECE - Livro 4
00226
Didática e Prática de Ensino: diálogos sobre a Escola, a Formação de Professores e a Sociedade

20

PIMENTA, Selma. «Panorama atual da Didática no quadro das ciências da educação: educação,
pedagogia e Didática.» In: PIMENTA, Selma (org). Pedagogia, ciência da educação? São
Paulo: Cortez Editora, 1996.
PIMENTA, Selma (org). et al. Didática e formação de professores: percursos e perspectivas
no Brasil e em Portugal. 3ª edição. São Paulo: Cortez Editora, 2000.
___________________. «Para uma ressignificação da Didática – ciências da educação,
pedagogia e didática.» In: PIMENTA, Selma (org). Didática e formação de professores:
percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. 3ª edição. São Paulo: Cortez Editora, 2000.
PIMENTA, S. e LUCENA. Estágio e docência São Paulo: Cortez, 2004. 196 p.
RIOPEL, Marie Claude. Apprendre à enseigner: une identité professionnelle à développer.
Laval: Les presses de l’Université Laval, 2006. 206 p.
SCHEIBE, Leda. Formação dos profissionais da educação pós-LDB: vicissitudes e perspectivas.
VEIGA, Ilma Passos Alencastro e AMARAL, Ana Lucia (orgs.). Formação de professores:
políticas e debates. São Paulo, SP: Papirus, 2002, pp. 47-61.
SCHÖN, Donald A. (1992) Formar professores como profissionais reflexivos. In Nóvoa, A.
(org.). Os professores e sua formação. Lisboa : Dom Quixote.
TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2002.
TARDIF, Maurice e LESSARD, Claude. Le travail enseignant au quotidien. Contribution à
l’étude du travail dans les métiers et les professions d’interactions humaines. Laval,
Canada : Les presses de l’université Laval, 1999.
TARDIF, Maurice e LESSARD, Claude. Trabalho docente. Petrópolis: Vozes, 2005.
VEIGA, Ilma Passos Alencastro (org.). Repensando a Didática. São Paulo: Papirus, 1994.
VEIGA, Ilma Passos Alencastro (org.). Didática: o ensino e suas relações. São Paulo: Papirus,
1996.
VEIGA, Ilma Passos Alencastro e CASTANHO (org.). Pedagogia universitária: a aula em
foco. São Paulo, SP: Papirus, 2000.
VEIGA, Ilma Passos Alencastro e AMARAL, Ana Lucia (orgs.). Formação de professores:
políticas e debates. São Paulo, SP: Papirus, 2002.

EdUECE - Livro 4
00227
Didática e Prática de Ensino: diálogos sobre a Escola, a Formação de Professores e a Sociedade

Mulheres Professoras a Busca dos seus Processos de Subjetivação a Luz da Teoria


de João dos Santos

Patrícia Helena Carvalho Holanda-UFC1


profa.patriciaholanda@gmail.com

A verdadeira higiene mental diz respeito


à educação, à introdução duma nova pedagogia.
A Higiene Mental é um mito, a Pedagogia é o futuro.
João dos Santos – ensaios sobre educação II, 1983

O trabalho trata de percursos de mulheres professoras, para entender algumas


mudanças, em curso quanto ao papel da mulher na sociedade brasileira, em face dos
diversos desafios postos pelo mundo atual. Parte da problemática histórica da função e
redefinição da família e da escola como nos mostram João dos Santos (2010), Del
Priore (2006), Roudinesco (2003), Tedesco (2008), entre outros, em face da crise social
do sistema tradicional de educação, ante a oferta ampliada de escolarização, as novas
tecnologias de comunicação, os conflitos de identidade de gênero, reformas educativas
ditadas pelo poder estatal e redefinição dos papéis de pais e professores.

Com base na literatura consultada, examina vários aspectos relacionados: 1) ao


papel atribuído à mulher na família e na escola; 2) aos novos arranjos familiares, onde
figuram distintas dinâmicas afetivas, funções sociais e regras de autoridade, que
envolvem crianças e adolescentes; 3) à transferência do papel educativo da família para
a escola; 4) ao crescente número de mulheres como chefe de família.

O texto é um recorte de uma pesquisa que se encontra vinculada a um projeto


maior de investigação, que configura-se mais claramente como um conjunto integrado
de estudos, que procura associar as investigações da Linha de História da Educação
Comparada (LHEC). Esta constituída por pesquisadores-orientadores e orientandos do
Programa de Pós-Graduação em Educação Brasileira da UFC e pesquisadores
colaboradores de uma rede interinstitucional articulada e em processo de expansão. O
referido conjunto é composto por vários subprojetos, que têm como propósito dar
continuidade ao trabalho iniciado em 2011 e também ampliar suas possibilidades de

1
Professora Associada da Faculdade de Educação da UFC e do Programa de Pós-Graduação em
Educação.

EdUECE - Livro 4
00228
Didática e Prática de Ensino: diálogos sobre a Escola, a Formação de Professores e a Sociedade

investigação, ao adotar como temática de estudo Família, Educação, Mulher e


Sexualidade.

O nosso interesse em desenvolver uma investigação como professoras e


pesquisadoras da Linha História da Educação Comparada, especificamente, no eixo
Família, Sexualidade e Educação, contemplando a temática acima descrita, resulta de
um acúmulo de experiências que tivemos, quando da elaboração das nossas pesquisas
de mestrado, doutorado e pós-doutorado, assim como da nossa história de vida e prática
docente, as quais explicitaram a necessidade de, como intelectuais, estudarmos o
desenvolvimento de novos perfis da profissional do magistério, consciente do seu papel
e da exigência crescente, de que seja um agente capaz de desenvolver uma educação de
qualidade.

As discussões aqui desenvolvidas, tiveram início em nossa dissertação de


mestrado (HOLANDA, 1996)2, quando fizemos uma análise da aprendizagem da leitura
e da escrita, levando em conta, tanto os aspectos cognitivos inerentes a ela, mas também
considerando a aprendizagem como uma atividade inscrita, para além da esfera
cognitiva, no campo da afetividade, que pode ser alvo de distúrbios, no transcorrer do
seu desenvolvimento. Nesta pesquisa são levantados aspectos de ordem cognitiva e
subjetiva da aprendizagem, discutindo se os professores da escola se encontravam
preparados para lidar com questões afetas ao âmbito da Psicologia. Busca-se, ainda, a
necessidade de refletir sobre a relação entre a educação e a família, no sentido de
compreender algumas mudanças assinaladas pela literatura, nos anos 1990 e buscar uma
articulação entre economia e sociedade, em face dos desafios postos para a educação no
terceiro milênio.

A preocupação com as questões relacionadas ao papel educativo da família e


aos papéis assumidos pelas mulheres, na sociedade atual, tem permeado algumas
discussões realizadas no âmbito das instituições escolares, como nos mostra TEDESCO
(2008), em face da “crise do sistema tradicional” de educação, ante a necessidade de

2
Esta dissertação de mestrado foi publicada, em 1998, pela editora Unijuí no livro intitulado,
Alfabetização: uma visão construtivista e psicanalítica.

EdUECE - Livro 4
00229
Didática e Prática de Ensino: diálogos sobre a Escola, a Formação de Professores e a Sociedade

oferta de acesso e educação de qualidade ampliada, as novas tecnologias, os conflitos de


identidade, reformas educativas e redefinição dos papéis de pais e professores.

No Brasil, com a expansão das “políticas de inclusão”, por parte do Ministério


da Educação, que veicula um discurso em defesa da “educação como direito de todos” e
do processo de inclusão educacional, numa perspectiva coletiva3, as instituições de
ensino ficaram em evidência. Tal situação coloca em xeque, se os procedimentos dos
professores em sala de aula, por terem uma formação pedagógica deficitária, tendem a
repetir as práticas pedagógicas dos seus antigos mestres. Essa avaliação negativa teve
repercussão na teoria, na metodologia, na prática educativa, na relação professor-aluno
e, em última instância, na sala de aula, gerando novos sentidos e significados que estão
intrinsecamente relacionados à história de vidas de seus atores, ou seja, na relação entre
objetividade e subjetividade.

Destarte, retomamos o enfoque psicossocial desenvolvido na nossa dissertação


de mestrado e o ampliamos, no sentido de compreender como as mulheres professoras
estão lidando com as questões relativas à sexualidade e às políticas de inclusão social,
em face da problemática das diferentes origens sociais e configurações familiares,
refletidas nos seus discursos de construção de identidade.
Adicione-se a isso a indagação sobre o tipo de sujeito feminino e sexuado
enfocado na constituição de discursos socialmente produzidos sobre o papel das
mulheres e delas próprias sobre si mesmas. E por último, intencionamos responder
como essas representações sociais produzem efeitos nos próprios discursos produzidos
por mulheres professoras nos seus processos de construção de sua subjetivação no
âmbito de sua sexualidade e profissão.
Essa opção deve-se, ao fato, do papel da mulher na família ser considerado,
ainda hoje, parte fundamental. Essa situação se repete no debate sobre a educação
escolar nas sociedades atuais, em face dos novos arranjos familiares que envolvem
crianças e adolescentes, da transferência do papel educativo da família para a escola e
do crescente número de mulheres como chefe de família. Isso tem despertado a queixa
por parte do professorado, de que este estaria assumindo certas tarefas de socialização,
antes creditada à família e, em última instância, à mãe. Trata-se de um fenômeno que

3 Consulta Documento subsidiário à política de inclusão do MEC

EdUECE - Livro 4
00230
Didática e Prática de Ensino: diálogos sobre a Escola, a Formação de Professores e a Sociedade

parece evidenciar que, apesar das mulheres nos dias atuais terem ampliado a sua
inserção no mercado de trabalho, tal fato não representa uma mudança ideológica
significativa, ao ponto de incidir sobre conquistas de direitos e valorização social
efetiva.
Para tanto, fizemos uma opção preferencial pelo referencial psicanalítico
privilegiando a teoria do psicanalista, médico e educador João dos Santos (1913-1987)4,
que pertence à segunda geração de psicanalistas ligados a Freud, considerado hoje um
dos introdutores da Psicanálise e um dos fundadores do Grupo de Estudos Português de
Psicanálise. Sua obra nos coloca diante de uma visão integrada de desenvolvimento
humano, que envolve a educação na família, na escola e na comunidade, ao propor uma
pedagogia terapêutica. Nossa fonte de consulta foi à tese de doutoramento de Maria
Eugenia Carvalho e Branco e a obra de sua autoria intitulada, João dos Santos: a saúde
mental em Portugal – uma revolução de futuro. Nesse trabalho, a autora dá continuidade
de forma primorosa à divulgação da obra do psicanalista e humanista português que foi
o responsável pelo “enraizamento da Psiquiatria Infantil na Psicanálise” em Portugal
(Branco 2013, p. 13). O autor aludido adota uma posição de vanguarda, ao defender um
“avanço para a Psicologia e a Educação, quando propõe uma teoria do indivíduo e uma
Pedagogia que abrange as dimensões cognitiva e afetiva” (Holanda e Cavalcante, 2013,
p.166).

Ao adotar tal referencial fizemos uma opção pela pesquisa qualitativa, o que se
deve ao fato de nossa abordagem incidir sobre o universo psicossocial, fenomenológico
e multidisciplinar, na qual serão tratados de forma articulada: Laços Familiares,
Inserção no Trabalho, Constituição do Sujeito e Processo Educacional. O enfoque
interdisciplinar envolve a Sociologia, a Psicologia, a Educação, a Demografia e a
História. Sem esquecer, da preocupação de buscar os significados atribuídos pelos
sujeitos da investigação sobre família, trabalho, educação e sexualidade.

Por se tratar de um estudo sobre mudança social, envolve ainda uma dimensão
de historicidade, o que exige alguma incursão no campo da História, no que se refere ao

4
No exílio em Paris, durante o regime salazarista, terá convivido com psicanalistas franceses importantes
e se aproximado dos estudos de Piaget (1896-1980) e Wallon (1879-1963).

EdUECE - Livro 4
00231
Didática e Prática de Ensino: diálogos sobre a Escola, a Formação de Professores e a Sociedade

traçado genealógico da instituição familiar e ao entendimento do sentido da


transformação e diferenciação do significado social da família contemporânea.

No momento, apresentamos conclusões parciais da nossa investigação, que tem


como objetivo compreender a constituição de sujeitos, no âmbito de uma família que
parece ter deixado de ser patriarcal, para ingressar numa configuração de ascensão do
papel do feminino em sua regulação.

O Referencial Santiano

A teoria de João dos Santos aborda a relação entre a subjetividade e a


objetividade. Para ele, a subjetividade é o processo que constitui o indivíduo de modo
singular. É a trama psicológica de cada ser humano, como se dão as relações internas
destes, demonstrado que o educador tem que estar atento tanto nos alunos quanto em si
mesmo não só ao consciente, mas também, e principalmente, ao inconsciente, onde está
a sua maior força psíquica. A dimensão objetiva foi estudada por ele em autores como
Piaget por possibilita a compreensão biológica da gênese do conhecimento oferecendo
ao professor ferramentas para lidar com as particularidades de cada fase de
aprendizagem que o educando passa, explorando as possibilidades e respeitando os
limites de cada uma delas. Em seus estudos no laboratório de Psicobiologia criado por
Wallon, compreendeu que a formação da subjetividade do ser possui fortes e
determinantes influências dos meios sociais a que estes estejam inseridos. Dessa forma,
esses estudiosos despertaram o educador para o aspecto de que as diferenças sociais
podem vir a interferir no processo de aprendizagem de seus educandos, oferecendo
suporte teórico para lidar com elas, buscando mecanismos de superá-la. Para ele, “os
melhores educadores são os que actuam espontaneamente no plano que é social, porque
a educação não pode fazer-se somente na escola mas na comunidade integrada”
(Branco, 2010, p. 108).
João dos Santos critica essa pedagogia que apregoa um distanciamento da
família demonstrando a articulação da cognição com a subjetividade no registro que
Branco (2010) faz do seu pensamento quando escreveu, ao demonstrar a importância do
conhecimento psicanalítico para a educação, sobretudo, na ênfase que faz sobre a
importância da infância.

EdUECE - Livro 4
00232
Didática e Prática de Ensino: diálogos sobre a Escola, a Formação de Professores e a Sociedade

O preconceito escolar que fez da educação uma técnica pedagógica levou


a esquecer que a criança aprende com a mãe, antes dos três anos, tudo o
que há de essencial ao homem: a dominar-se, a andar, a manipular, a falar
e a pensar. O desconhecimento de que não se aprende com a mãe, não é
susceptível de ser aprendido didacticamente, leva muitos a considerar e
ânimo leve as relações amorosas, o casamento, o divórcio e o destino dos
filhos (p. 456)

Como diz Branco (2010) o ser humano para João dos Santos tem uma dívida
impagável para com a mãe, no que é importante destacar que nesse aspecto ele vai ao
encontro do pensamento de Winnicott (1896 -1971). Para ele as bases da saúde mental
estavam na primeira infância. Ele é conhecido pela famosa frase “não há uma coisa
chamada bebê” ao intencionar dizer não há criança sem a mãe (que não precisa
necessariamente ser a biológica).

Para ele, o processo de subjetivação da criança depende de múltiplos fatores, tais


como, a relação mãe-bebê- pai, a família alargada, o meio, a educação, a
hereditariedade, os casos da vida. Tal processo vai constituir sua forma de pensar, se
comportar, sentir, reagir, ou seja, seu modo de ser que em última instância é a
subjetividade. Branco (2010) ilustra essa apropriação do material do mundo cultural e
social, ao referir-se como espaços que vão ser usado pela a criança para a construção de
si próprio. Para tanto, destaca a evocação autobiográfica de João dos Santos sobre a
importância do apoio da família alargada na constituição da subjetividade da criança e
do seu mundo subjetivo em movimento:

São as pessoas que nos permitem o deslocamento dos afetos mais diretos que
actuámos, primeiro, para com os pais, depois, para com os outros personagens
privilegiados, como os avós e os tios (...). Que os homens da família, os meus
inúmeros tios, tiveram uma importância grande na minha formação, é um facto
para mim ausente. Com a tia Elvira aprendi a comunicar na espiritualidade poética.
Com a tia Virgínia, a apreciar a inteligência dos homens cultos e a cultura que vem
nos livros. Com a tia Virgínia Farpelinha aprendi o catecismo. Com a tia Cecília, o
amor pelos animais. Com a tia Ermelinda aprendi a apreciar os petiscos; fazia
filhós, na véspera de Natal, quando eu ia almoçar com ela. Com a tia Aurora
aprendi a ler, como já contei, e outras coisas da vida, que talvez venha a contar.
Com a prima Amélia, que era como se fosse minha tia, aprendi a povoar o meu
espaço e a minha imaginação com aquilo que eu próprio crio e com as obras de
criação que me oferecem aqueles que estimo ( p. 104-105).

A convicção de que deveria trabalhar para a saúde mental e educação da criança


coloca João dos Santos sintonizado com a multiplicidade das maneiras de abordar a
criança e se debruça na compreensão da família. Para ele, não existia receita miraculosa

EdUECE - Livro 4
00233
Didática e Prática de Ensino: diálogos sobre a Escola, a Formação de Professores e a Sociedade

para compreender a criança, pois sua formação psicanalítica estava ali para demonstrar
que essa compreensão viria, por vias que se recortam e se complementam. Desenvolve o
conceito de Pedagogia Terapêutica na mesma linha de pensamento que solicitava aos
psiquiatras e pedopsiquitaras, que tivessem uma intencionalidade pedagógica, por
considerar suas intervenções terem tanta importância que se localizavam antes como
condição possibilitante da ajuda terapêutica. Branco (2013) revela que nessa tônica ele

pede aos pedagogos que partindo da observação e estabelecendo com ela


uma relação de empatia e interesse pela pessoa que ela é, antes de se
interessarem pelas suas dificuldades, se apoiem em conhecimentos
teóricos, técnicos e em práticas de psicologia desenvolvimental, a que
chama <<Pedagogia Terapêutica>>. Conceito através do qual mostra que
esta Pedagogia, investida com espontaneidade e autenticidade no sucesso
da aprendizagem e no interesse pelo bem-estar e alegria dos educandos,
tem igualmente efeitos terapêuticos podendo mesmo, se necessário
<<voltar atrás e retomar o fio da meada>>, para ajudar a reparar as falhas
precoces que dificultam o seu desenvolvimento. (p. 84)

Como se pode observar a visão integrada de desenvolvimento da criança de João


dos Santos, coloca para os psiquiatras, pedopsiquiatras, psicólogos, a importância de
trabalharem em equipe, com o intuito de promover a criança. Em sua orientação
recomenda que os profissionais que lidam com a criança adotem uma postura de
humildade, lucidez, humanismo e colaboração científica e faz a seguinte afirmação no
Seminário Introdução à Clínica Pedopsiquiátrica. Motivação e Seguimento de Caso,
1976,

A psicologia deve enriquecer-se coma experiência pedagógica, como a


pedagogia com a psicologia. O trabalho que se propõe à criança não é
fecundo se não corresponder a uma necessidade de seu desenvolvimento.
A pedagogia terapêutica deve ser integrada na “arte de curar” o que
corresponde a um certo regresso às origens, visto que medicina,
compreensão psicológica e educação familiar estiveram sempre ligadas
desde a antiguidade. A pedagogia terapêutica é uma orientação que, na
base dos grandes inovadores da psicologia e da pedagogia fornece uma
orientação metodológica susceptível de abrir novos caminhos para uma
psicologia ao serviço de todas as crianças. Assim, a partir de uma ‘arte de
curar’ bloqueios no processo de aprendizagem de certas crianças,
conseguem-se afinar métodos capazes de prevenir as dificuldades
escolares. A pedagogia terapêutica averigua e aprecia o ponto de fractura
que entrava o processo de aprendizagem e intervém a esse nível. Inspira-
se numa concepção genética e dinâmica do desenvolvimento para se
decidir por onde se pode pegar no caso (João dos Santos apud Branco,
2013, p. 86)

Desse modo, João dos Santos demonstra que a Pedagogia pode ser reconhecida
como uma área de conhecimento abrangente que pode atuar em diversos âmbitos da

EdUECE - Livro 4
00234
Didática e Prática de Ensino: diálogos sobre a Escola, a Formação de Professores e a Sociedade

vida, a partir do momento que compreendemos a que a educação é um fenômeno


inerente a vida humana. Portanto, ela ocorre na vida e não apenas na escola.

Vele destacar, ainda, que o psicanalista português compreendeu que o arcabouço


teórico da psicanálise responsável para explicar a subjetividade, continua atual a
despeito do quadro cultural contemporâneo. Fundamentalmente, há uma recusa radical
em identificá-la com a consciência, ao situar a psicanálise no eixo descentramento
copernicano e darwiniano. Sintonizada com essas ideias vamos encontrar o pensamento
de Garcia-Roza (1983), que ao afirma que a psicanálise,

....não vai colocar a questão do sujeito da verdade mas a questão da


verdade do sujeito. Ela vai perguntar exatamente por esse sujeito do
desejo que o racionalismo recusou. (...) Paralelamente à clivagem da
subjetividade em Consciente e Inconsciente, dá-se uma ruptura entre
enunciado e enunciação, o que implica admitir-se uma duplicidade de
sujeitos numa mesma pessoa (p. 23).

Ao usar tal tipo de argumento, o autor demonstra, que Freud rompe com a
concepção de subjetividade identificada com a consciência submetida à razão, na qual a
verdade residia no cogito cartesiano – penso, logo sou – para ser o lugar do ocultamento
de acordo com o cogito freudiano, como nos diz Lacan (apud Garcia-Roza, 1983, p. 23):
penso, onde não sou, portanto sou onde não penso. Ao deixar de privilegiar o Eu, Freud
faz uma ruptura com a filosofia moderna.

O referencial santiano evidência a convergência de suas ideias com o


pensamento de Freud e Garcia-Roza ao defender que para ensinar ou ser psicoterapeuta
é preciso que o profissional reflita sobre a sua história de vida e sobre sua infância.

Nos seus escritos o leitor pode perceber que o autor anteviu um dos grandes
debates da atualidade sobre as novas configurações familiares, isto é, novas formas de
estabelecimento de parentalidade que não correspondem ao tradicional. Pois, como
psicanalista tinha consciência do debate que vinha ocorrendo desde o século XIX acerca
do lugar do lugar dos homens e das mulheres nas relações sociais, no trabalho e na
reprodução, nas questões demográficas que para Ceccarelli, (2007) “uma das
consequências desse reposicionamento social foi à emergência de um discurso, sem
dúvida revolucionário, a respeito do sexual cujo um dos expoentes é a psicanálise: Os
Três ensaios”. Nos três ensaios Freud defende a tese de que a sexualidade humana não

EdUECE - Livro 4
00235
Didática e Prática de Ensino: diálogos sobre a Escola, a Formação de Professores e a Sociedade

é natural. A observação permitiu a Freud mostrar que a vida sexual da criança tem um
relevante papel na constituição da sua subjetivação.

No entanto, João dos Santos não se deixa aprisionar pela dificuldade de assimilar
as mudanças que não vão de encontro do modelo da família patriarcal estudada por
Freud. Nos seus escritos deixa transparecer que as dificuldades das pessoas de lidar com
as mudanças, nas relações interpessoais na família, sobretudo, ao relembrar seu passado
através das memórias da infância, se encontram relacionadas às questões narcísicas. Na
obra de Freud (1939) existe uma alusão sobre o “encantamento de [nossa] infância, que
nos é apresentada por [nossa] memória não imparcial como uma época de interrupta
felicidade” (p. 89). Em outras palavras, isso pode ser relacionado à dificuldade que as
pessoas possuem de lidar com a mudança, o novo, que está acontecendo e com
limitações de avaliar a violência do passado. Por esse motivo, Ceccarelli (2007) nos
adverte que as novas configurações familiares são consideradas ameaçadoras, devido
trazer o diferente, que por sua vez provoca o estranhamento. Por via de consequência,
podemos deduzir que esse estranhamento também chega na escola, nos seus gestores,
professores indo repercutir nos alunos.

Por enfoque genealógico

Ao traçarmos uma breve genealogia da família ocidental, vemos, com a ajuda de


GIDDENS (2005), que esta passou de um formato patriarcal, herdado de séculos
passados, alcançou em espaços urbano-industriais um delineamento nuclear e esteve
inserida num contexto de mudanças lentas. Nesse momento a família se caracterizava
por uma prole numerosa e a mulher estava submetida ao poder masculino, com a vida
econômica ocorrendo fora do espaço doméstico, mas, ainda, sendo possível ocorrer uma
convivência em tempos bastante significativos entre pais e filhos.

A família contemporânea, sob o impacto de diferentes fases da industrialização,


vem atravessando grande transformação, face ao crescimento da urbanização, do êxodo
rural, do consumo, do ingresso da mulher no mercado, dos meios de informação e
comunicação e da mobilidade geográfica. Tais processos, formam um conjunto de
fatores que têm contribuído para a quebra dos padrões tradicionais no modo de
organização das famílias, que resultam, por exemplo, na diminuição da autoridade
paterna, na expectativa de aumento da responsabilidade do Estado como poder

EdUECE - Livro 4
00236
Didática e Prática de Ensino: diálogos sobre a Escola, a Formação de Professores e a Sociedade

10

disciplinador das relações sociais básicas e, no âmbito jurídico-social, a


responsabilidade da família vem sofrendo um movimento de transferência para
instituições como a escola, os institutos de previdência social, o juizado de menores,
dentre outros.

Na contemporaneidade, portanto, a família surge com novas configurações,


levando estudiosos, como Carvalho (2003), a discutir o significado da família atual,
adotando como uma de suas premissas que

As expectativas em relação à família estão, no imaginário coletivo, ainda


impregnadas de idealizações, das quais a chamada família nuclear é um dos
símbolos. A maior expectativa é de que ela produza cuidados, proteção,
aprendizados dos afetos, construção de identidades e vínculos relacionais de
pertencimento, capazes de promover melhor qualidade de vida a seus membros e
efetiva inclusão social na comunidade e sociedade em que vivem. No entanto,
estas expectativas são possiblidades e não garantias. A família vive num dado
contexto que pode ser fortalecedor ou esfacelador de suas possibilidades e
potencialidades (p. 15).

Araújo (2003), ao elaborar sua dissertação de mestrado, contribui para o debate,


apresentando sua compreensão de família, começando por defini-la como uma
instituição que possui processos e práticas sociais, que delimitam sua dinâmica e
organização. Para ele, a família encontra-se em crise devido à mudança de seu modelo,
antes patriarcal, ocorrida mais fortemente nas últimas décadas, apontando como causa
dessas mudanças os processos sociais, econômicos, culturais, inerentes a uma
instituição que sofre constantes mutações em sua função social. Para o autor, esses
fatores vão interferir na dinâmica familiar, provocando alterações na sua organização,
em especial, à medida que tenta assimilar o novo papel social da mulher, a
representação dos papéis, que os diversos membros da família vão assumindo,
relacionados ao perpassar de gerações e estabelecimento dos valores veiculados no seu
âmbito.

As mudanças supracitadas convergem para basear a formulação da questão


principal desta pesquisa, nos seguintes termos: como as instituições de educação estão
lidando com as novas configurações familiares, sabendo-se que estas estão refletidas,
por sua vez, na subjetividade dos seus atores sociais, bem como implicadas, de alguma
maneira, nas políticas de inclusão, em curso no Brasil?

A modernidade, sobretudo, entre o século XVIII e XIX, na Europa, se


caracteriza pelo surgimento do feminino na cena social, que vai crescendo, com o passar

EdUECE - Livro 4
00237
Didática e Prática de Ensino: diálogos sobre a Escola, a Formação de Professores e a Sociedade

11

do tempo e atinge hoje uma dimensão mais considerável, o que nos leva a refletir sobre
as mudanças que vem ocorrendo na sociedade atual. Estas influenciam diretamente o
significado da família como instituição social, de modo que não podemos alimentar a
ilusão de que haja famílias passam à margem disso; ou seja, vivam sem interação com
essas mudanças, ao considerar que a tradicional configuração da família burguesa -
constituída pelo pai provedor, a mãe infatigável, carinhosa, dedicada aos trabalhos
domésticos e à educação dos filhos; sejam crianças ou adolescentes que, por sua vez,
entre o aconchego do lar e a escola, brincam e aprendem, felizes e despreocupadas - vai
deixando rapidamente de fazer parte do cenário atual da nossa sociedade. Como fica a
educação nesse novo contexto social? A elucidação do seu rumo e dinâmica social
necessita seguramente estabelecer pontos de conexão entre Família – Escola e Estado,
para que possamos entender hoje o seu significado social.

Alguns elementos do referencial teórico

Laços Familiares

Estudos investigativos já realizados no âmbito da temática que relaciona família


e educação revelam a necessidade das investigações levarem em conta o caráter
histórico e social da família, uma vez que o seu surgimento e ordenamento é fruto de
certas condições tipicamente culturais, que caracterizam as coletividades humanas.
Portanto, é sensato ao nos referirmos à família, adjetivá-la e/ou, situá-la no tempo e no
espaço.
Diante disso, a presente pesquisa toma como ponto de partida de sua
retrospectiva histórica a família burguesa do século passado, vendo o seu processo de
mudança até os dias atuais, no sentido de compreender como novas configurações
familiares afetam os indivíduos na construção da sua subjetividade. Para tanto, se busca
um aprofundamento do conhecimento sobre as principais propostas teóricas no âmbito
da sociologia e psicologia da família, que se produziram, desde a viragem do século
XIX para o século XX, até às teorias mais marcantes do século XX e aos recentes
contributos teóricos do século XXI. Ressalte-se a necessidade de dar atenção aos
núcleos e dilemas do debate contemporâneo, no âmbito da regulação jurídica das
relações familiares, e veiculado nos meios de comunicação social.

EdUECE - Livro 4
00238
Didática e Prática de Ensino: diálogos sobre a Escola, a Formação de Professores e a Sociedade

12

Para compreender, as relações interpessoais no âmbito familiar adotamos aqui o


conceito de laço social, que foi desenvolvido a partir da tradição sociológica iniciada
por Durkheim, para explicar um tipo de família, como uma instituição definida pela
existência de um laço entre a mãe e o pai, e destes com sua prole, firmado por meio de
um sentido social de vida comum e em valores morais partilhados. Esse conceito tem
sido atualizado por BAUMAN (2004), quando discute a fragilidade das relações sociais
e afetivas no mundo atual.

No campo da Psicologia, tomamos a vertente da Psicanálise como referencial a


ser utilizado para um confronto com o surgimento das novas configurações familiares,
que envolvem, por exemplo: segundo casamento de pais e mães separadas,
homossexuais, pais idosos com filhos produtos de inseminação artificial, pai ou mãe
celibatário, com filho adotado, etc. Isso, sem falar na situação de inúmeras famílias
cuidadas pelas mães, ordenadas sem a presença da figura do pai e vice-versa.

No âmbito psicológico, consideramos o fato de que o fundamento teórico


freudiano, a sustentar a constituição do inconsciente por meio do complexo de Édipo,
traça um drama que se desenrola necessariamente no seio de um triângulo que é
familiar: no inter-jogo dos papéis encenados por indivíduos que ocupam as funções de
pai, mãe e filho, onde um indivíduo aprende a articular seu desejo com uma lei que opõe
a esse desejo, um freio, constitui-se num importante referencial, por destacar a
importância do Édipo, o que leva Freud (1905) a afirmar a sua universalidade: “a todo
ser humano é imposta a tarefa de dominar o complexo de Édipo”. Antes de saber o
alcance desse fundamento hoje, quando a família burguesa estudada por Freud está
dando lugar a outros arranjos e configurações familiares, pretendo usá-lo para entender
o alcance da mudança vivida hoje pela instituição familiar.

Constituição do Sujeito

Para a elucidação deste aspecto, usamos o referencial psicanalítico, clássico e


atualizado, no sentido de tentar efetuar uma integração das instituições escolares e da
família, e assim descobrir caminhos da subjetivação de professores e alunos,
respeitando as suas singularidades. Com o intuito de que alunos e professores não sejam
vistos apenas como seres produtivos ou portadores de cidadania, com base numa ideia
restrita de utilidade social.

EdUECE - Livro 4
00239
Didática e Prática de Ensino: diálogos sobre a Escola, a Formação de Professores e a Sociedade

13

Com referência à teoria Psicanalítica, relacionamos, ainda, os tempos do Édipo,


eixo central e arcabouço teórico da Psicanálise. Este complexo é aqui retomado, para
mostrar que, em tese, ele pode servir de paradigma para a análise de toda estrutura e
dinâmica da sociedade, tanto em relação ao nível pessoal, como grupal, conforme a
literatura mais atual sobre o assunto.

No entanto, cabe aqui uma ressalva, que nos recomenda lembrar a posição de
Freud a respeito do tema Educação. Pois embora Freud tenha se preocupado com essa
dimensão da vida social no decorrer da sua obra, o número de páginas por ele escritas
em torno desse assunto não ultrapassa a marca de duas centenas. No início de sua obra,
Freud defendia a importância da Psicanálise para a Educação, e transmitia a crença de
que os ensinamentos psicanalíticos, transmitidos aos educadores, poderiam se constituir
em valioso instrumento de profilaxia das neuroses. Entretanto, no final da sua obra,
Freud já não defende mais esse pressuposto, ao concluir que não havia como prevenir o
aparecimento da neurose, através de boas orientações educacionais. Nesse sentido, a
educação existiria socialmente para normalizar as relações sociais, ou seja, para
imprimir-lhes direção e significação. Uma vez que o processo educacional, ao trabalhar
a construção do tipo psicológico padrão, não estará fazendo outra coisa, além de
reproduzir as normas sociais vigentes, abrindo assim, como nos ensina Foucault (2002)
o horizonte de instalação da anormalidade.

Da Normalista à Comerciária

Apesar das previsões alvissareiras divulgadas no livro Megatrends 2000,


defendendo os anos 90 como a “década das mulheres na liderança”, ao afirmar que, “a
medida que a década de 90 progredir, o senso comum admitirá que mulheres e homens
atuam igualmente bem como líderes no trabalho, e as mulheres alcançaram as posições
de liderança que lhes forma negadas no passado (Naisbitt e Aburdene 1990, p. 255),
parece ser necessário contextualizar essa constatação.
No caso do Brasil, em especial, a ocupação de cargos de poder ainda não se
mostra alterada de tal maneira, na proporção apresentada por seus autores, se
restringindo, quantitativamente, a um segmento minoritário de mulheres altamente
qualificadas profissionalmente ou pertencentes a estruturas familiares de poder. Isso
vem sendo perpetuado na nossa sociedade, colocando a mulher na inferioridade

EdUECE - Livro 4
00240
Didática e Prática de Ensino: diálogos sobre a Escola, a Formação de Professores e a Sociedade

14

econômica. Isso contribui para a conservação e/ou perpetuação de atitudes


preconceituosas e de cunho machista e sexista. Tal situação, dificulta sobremaneira a
possibilidade da mulher concorrer em pé de igualdade, situação que é por vezes
justificada por meio da alegação de que seu lugar é no lar cuidando dos filhos.
Por outro lado, não podemos esquecer - como defende a famosa tese
antropológica de Mead (2000), concebida há mais de meio século, que a essas
diferenças entre homem e mulher se devem em quase sua totalidade a condicionamentos
sociais e culturais. Em outras palavras, a Sociologia, a Antropologia e a Psicologia
parecem concordar que cada ser humano é produto de uma transmissão genética e de
uma influência social, sendo que a herança genética não impõe um padrão de conduta
cultural, nem exclui outros.
Ao que podemos acrescentar que as características atribuídas tradicionalmente às
mulheres não são naturais e sim impostas. Portanto, a imagem da mulher vai depender
da cultura. Podemos apoiar tal assertiva no estudo da autora acima referida, publicada
em 1949 sob o título, Male and Female, que afirma ter encontrado diferenças
impressionantes nos papéis de homem e mulher em três povos da Nova Guiné: os
Arapesh, os Mundugumor e os Tchambuli.5
(...) Cada uma dessas tribos dispunha, como toda sociedade humana, do ponto de
diferença de sexo para empregar como tema na trama da vida social, que cada um
desses povos desenvolveu de forma diferente. Comparando o modo como
dramatizaram a diferença de sexo, é possível perceber melhor que elementos são
construções sociais, originalmente irrelevantes aos fatos biológico do gênero
humano. (Idem, ibidem, p. 22)

Se fizermos, então, um recorte de classe social, com base em dados


demográficos, encontraremos, que as profissões mais procuradas pelas mulheres das
classes populares é o de comerciárias e professoras, contribuindo essa tendência para a
preservação de uma estrutura de poder, onde aquelas mulheres permanecem sem ter
acesso aos bens econômicos e aos cargos de liderança, sobretudo, devido aos baixos
salários, mesmo quando comparadas aos homens de sua classe social.

5
Tanto os homens quanto as mulheres Arapesh são seres pacíficos e segunda a antropóloga não existia
nenhuma distinção entre o comportamento masculino e feminino como se designa na cultura ocidental,
enquanto os Mundugumor os homens e as mulheres se desenvolviam como indivíduos agressivos. E por
último, os Tchambuli Margaret Mead se deparou com o inverso das características sexuais concernente a
uma cultura ocidental, pois as mulher exercia o papel de dominadora e responsável enquanto o homem
encarna o papel da submissão emocional.

EdUECE - Livro 4
00241
Didática e Prática de Ensino: diálogos sobre a Escola, a Formação de Professores e a Sociedade

15

Tais aspectos são retratados na pesquisa do DIEESE realizada em 20096, ao


divulgar que 60% das mulheres comerciárias eram assalariadas, forma de inserção que
registra menor proporção na Região Metropolitana de Fortaleza (41,4%) e maior na de
Belo Horizonte (71,3%). Os dados da referida pesquisa revelaram que quase metade dos
assalariados no comércio são mulheres, o que corresponde a cerca de 840 mil
comerciárias nas regiões analisadas. Porto Alegre apresenta a maior proporção de mão
de obra feminina (45,6%) e Fortaleza, a menor (38,2%). Vale destacar, que 15% dessas
mulheres exercem o papel de chefe de família nas regiões pesquisadas e a maioria é mãe
independentemente da configuração familiar que ela integra.
Outro aspecto relevante, este divulgado pela Pesquisa Nacional por Amostra de
Domícilio (Pnad) 2011, incide sobre a mudança da predominância do trabalho
doméstico como ocupação da mulher, que sai dele para o comércio, uma vez que, no
período de 2009 a 2011, o percentual de domésticas caiu de 17% para 15,7% das
trabalhadoras. Enquanto isso, o de mulheres no varejo subiu de 16,5% para 17,6%7
A tendência do predomínio do segmento feminino na docência pode ser
constatada nos dados da Sinopse do Professor da Educação Básica divulgados pelo
Ministério da Educação, no final de 2010, ao revelar que as mulheres compõem 81,5%
do total de professores da Educação Básica no Brasil. E acrescentou, ainda, que nesse
período existem quase 2 milhões de professores, onde mais de 1,6 milhão são do sexo
feminino8.
No que toca às professoras, vamos perceber, que apesar das novas propostas
políticas apresentarem um discurso de capacitação e a valorização salarial 9 proposto na
LDB e FUNDESP, em favor de novas políticas de formação de professor, ainda não é

6
Boletim Trabalho no Comércio intitulado, Mulher Comerciária: Trabalho e Família, nº 5, Departamento
Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos, 2010, que apresentou como objetivo analisar as
desigualdades entre homens e mulheres no espaço de trabalho e ao exame das diferentes faces da
trabalhadora e seus arranjos familiares. O referido boletim foi elaborado utilizando os dados da Pesquisa
de Emprego e Desemprego - PED, resultante do convênio DIEESE/Seade/MTE – FAT e de parcerias
regionais no Distrito Federal e nas regiões metropolitanas de Belo Horizonte, Porto Alegre, Recife,
Salvador, Fortaleza e São Paulo.

7
http://www.sinprocampinas.org.br. Consultado em 06/11/2012.
8
http://educacao.uol.com.br/noticias/2011/03/03/brasil-8-em-10-professores-da-educacao-basica-sao-
mulheres.htm. Site consultado em 06/11/2012.
9
Lei de Diretrizes e Bases da Educação – LDB

EdUECE - Livro 4
00242
Didática e Prática de Ensino: diálogos sobre a Escola, a Formação de Professores e a Sociedade

16

palpável essa valorização social da mulher professora, especialmente, da que lida com
crianças e adolescentes.
Reporto às reflexões de Libâneo (2008) para auxiliar a compreensão da atual
circunstância do trabalho docente implementada pelas ultimas políticas educacionais,
que contribui para a sua precarização, ao afirmar em seu artigo intitulado alguns
aspectos da política educacional do governo lula e sua repercussão no funcionamento
das escolas

Estamos, efetivamente, frente a uma pedagogia de resultados: põem-se as


metas, e as escolas que se virem para atingi-las. Mas se virar com que
meios? Onde estão as instalações físicas? O material didático? O
atendimento à saúde das crianças? Os salários e as condições de trabalho
dos professores? Onde estão as professoras que dominam os conteúdos,
que sabem pensar, raciocinar, argumentar e têm uma visão critica das
coisas? Não contamos, para isso, com um sistema nacional de educação, na
forma de um sistema único de educação pública, com metas pedagógicas
consequentes. O que temos são metas econômicas, burocráticas (p. 175 e
176)

Sobre essa questão há de se considerar o peso da tradição, já que temos o


testemunho de uma tendência inscrita na nossa história educacional, onde sempre houve
uma desvalorização da profissão docente, notadamente, quando o ensino primário, antes
atividade entregue aos homens, foi passando para a esfera do trabalho feminino. A
historiografia mostra que, a partir das décadas de 1920 e 30, pode-se perceber, como
predomina ainda hoje, que a opção de mulheres professoras pela docência deveu-se ao
fato de eles viverem excluídos e não contarem com outras opções de emprego, que não
aquelas ligadas, na família e na escola, com os cuidados com a educação de crianças.
Daí serem mulheres em sua maioria, as professoras do ensino básico, em virtude
também de pertencerem a famílias de classes desfavorecidas, o que provoca uma
desigualdade permanente, responsável por quem vai ter acesso à instrução, que por sua
vez constitui uma hierarquia de acesso às profissões.
A expressiva e coincidente presença feminina no magistério e no comércio
chama sobremaneira a nossa atenção, recomenda um estudo comparado e exige algumas
formulações prévias. Uma explicação possível seria a necessidade de compor a renda
familiar, ao lado da busca da independência profissional e financeira dessas mulheres, o
que coloca a necessidade de se discutir mais profundamente o papel da mulher, sua
sexualidade, a família e as estruturas de poder.

EdUECE - Livro 4
00243
Didática e Prática de Ensino: diálogos sobre a Escola, a Formação de Professores e a Sociedade

17

Uma rápida e esparsa alusão sobre o papel da mulher, ao longo do tempo e em


diversas sociedades, conforme a literatura aqui referida, nos leva-nos a destacar que
cada cultura ou momento histórico encara a sexualidade de forma diferenciada, devido
uma variação de contorno da função institucional da família e educação. Na Grécia
Clássica, por exemplo, que trazia como uma de suas características culturais a
predominância da razão, do pensamento crítico defendendo a personalidade livre,
vamos encontrar uma aceitação social da bissexualidade e homossexualidade. Já para os
Indus e os Arianos, à mulher pertencia o lugar do chefe da família, devido sua
capacidade de gerar a vida. Na modernidade, o papel da mulher no Ocidente aparece
vinculado a estruturas patriarcais de poder, que disseminadas pelo domínio europeu,
permanecem sólidas pelo menos, até final do século XIX e ao longo do século XX. Pois
a partir desse momento, movimentos feministas em prol de direitos políticos e liberdade
profissional começam a colocar esse poder em questão de forma crescente.
Sem esquecer, que a família, sob o regime patriarcal, desenvolve a função de
reprodução social, influencia na constituição da personalidade dos filhos, à medida que
os educa, sendo responsável pela transmissão de valores tais como, o da convivência
civil e de uma moralidade a ser cultivada, pautada na dignidade, no bom uso da
liberdade, no diálogo, na obediência e respeito às regras de solidariedade social. Exerce
ainda influência nas opções dos seus membros, no que se refere à carreira profissional,
círculo de amizades, uso do tempo livre e nas relações sociais, em geral.

Considerações Finais

A presente pesquisa nos mostra que a opção pela investigação do complexo


“família, trabalho, sexualidade, educação e cidadania” justifica-se por se constituírem
tais contextos institucionais, instâncias primordiais e inter-relacionadas para a
compreensão da subjetividade dos sujeitos da educação, que são mulheres professoras,
em sua maioria. Tal opção, é dada a sua importância nos mecanismos de socialização e
profissionalização, que estão inscritos nas transformações econômicas, políticas,
sociais, culturais e tecnológicas em curso, as quais, se por um lado têm causado grande
impacto no ordenamento simbólico dos diversos agentes e instituições educativas, nas
sociedades do conhecimento e da comunicação acelerada da atualidade, por outro,
alteram as relações de autoridade entre pais e filhos, professores e alunos.

EdUECE - Livro 4
00244
Didática e Prática de Ensino: diálogos sobre a Escola, a Formação de Professores e a Sociedade

18

Para João dos Santos, cabe a Pedagogia se definir em relação à sociedade na


qual se encontra, tal como ele fez, permanecendo como psicanalista. Sua ação foi
desconstruir um sistema de valores que permanecia em Portugal fruto do governo
salazarista, realizando uma crítica radical em relação ao modelo de educação português.
Ele desconstruiu todo o sistema pedagógico português, denunciando através de uma
prática pedagógica preconceitos que impediam o crescimento de seres livres.

Ao contemplar a dimensão subjetiva e objetiva na formação docente transparece um


avanço na formação dos professores, e na visão da sala de aula, no que se diz respeito
ao relacionamento professor-aluno, e, também, como uma semente que se desenvolveu
para que atualmente a subjetividade do professor e aluno sejam exploradas nos cursos
de Pedagogia em todos os seus aspectos constituintes, tais como, o social, o psicológico
e biológico. Esses são aspectos importantes para a reflexão sobre a constituição da nossa
identidade de docente, para além do que afeta cada professor individualmente, porque
possibilita compreender que a questão posta é uma questão bem maior do que as
angústias pessoais possam indicar, quando se examina no âmbito do conjunto da
categoria.

Destarte, a pesquisa se dedica, no momento, à escuta dos discursos das mulheres


comerciárias e professoras acerca das mudanças em curso. Afinal, as crescentes
transformações pelas quais a família e em particular a mulher vem passando, em meio à
busca da construção de sua identidade pessoal e profissional, parecem questionar os
padrões tradicionais de casamento, pautados em funções fixas para o homem provedor e
a mulher cuidadora da casa e das crianças. Há tempos, a exemplo de Carl Rogers 10, o
casamento tradicional é visto na perspectiva da psicologia social como uma forma de
viver que decaiu. Por esse motivo, propõe como forma de solução que as pessoas
aceitem experiências novas em termo de vida conjugal e relacionamento, para se evitar
a repetição de erros passados.

A mulher que emerge nesta pesquisa tem sua subjetividade marcada pela busca
de um lugar social de maior autonomia profissional e de provedora da família. Ao lado
disso, já não aceita ser alvo de sujeição ao autoritarismo de homens educados na cultura

10
http://www.psiqweb.med.br/site/?area=NO/LerNoticia&idNoticia=188 Consultado em 10/06/2013.

EdUECE - Livro 4
00245
Didática e Prática de Ensino: diálogos sobre a Escola, a Formação de Professores e a Sociedade

19

herdada de um patriarcalismo decadente, mas que mesmo assim ainda é capaz de


exercer algum tipo de opressão e violência.

REFERÊNCIAS

ARAÚJO, Walter da Rocha. Representações sociais sobre família e classes sociais.


Recife, 2003, 113 p. Dissertação (Mestrado em Serviço Social), Centro de Ciências
Sociais e Aplicadas, Universidade Federal de Pernambuco.

ARIÈS, P. História social da criança e da família. Rio de Janeiro, Guanabara-Koogan,


1981.

AQUINO, Julio Gropa, SAYÃO, Rosely, RIZZO, Sérgio, La Taille, Yves. Família e
Educação: quatro olhares. São Paulo: Papirus, 2011.

BAUMAN, Zygmunt. Amor líquido – sobre a fragilidade dos laços humanos. Rio de
Janeiro: ZAHAR, 2004.

BRANCO, Maria Eugenia Carvalho. Vida, Pensamento e Obra de João dos Santos.
Lisboa, Livros Horizonte, 2010.

______________________________. João dos Santos: a saúde mental infantil em


Portugal – uma revolução do futuro. Lisboa: Coisas de Ler, 2013.

CAMPBELL, Colin. A Ética Romântica e o Espírito do Consumismo Moderno.


Tradução: Mauro Gama. Rio de Janeiro, 2001.

CARVALHO, Mª do Carmo Brant de. O lugar da família na política social. In.


CARVALHO, Mª do Carmo Brant de (org.) A família contemporânea em debate. São
Paulo: EDUC/Cortez, 2003.

CAVALCANTE, Maria Juraci Maia; HOLANDA, Patrícia Helena Carvalho e outros


(org.) História da Educação Comparada: discursos, ritos e símbolos da educação
popular, cívica e religiosa. Fortaleza, Edições UFC, 2011.

COSTA, Jurandir Freire. Sem fraude nem favor: estudos sobre o amor romântico. Rio
de Janeiro: Rocco, 1998.

EdUECE - Livro 4
00246
Didática e Prática de Ensino: diálogos sobre a Escola, a Formação de Professores e a Sociedade

20

DEL PRIORE, Mary. História do Amor no Brasil. São Paulo. Contexto: 2006.

DEMO, Pedro. Dureza: pobreza política de mulheres pobres. São Paulo: Autores
Associados, 2005.

FREUD, Sigmund. Sobre as Teorias Sexuais Infantis (1908). Rio de Janeiro: Ed. Imago,
1980. (Edições Standard Brasileira Obras Completas de Sigmund Freud, v.9)

_______________ . Algumas Reflexões sobre a Psicologia Escolar (1914). Rio de


Janeiro: Ed. Imago, 1980. (Edições Standard Brasileira Obras Completas de Sigmund
Freud, v.12).

________________. Conferências Introdutórias sobre a Psicanálise (1916-1917). Rio de


Janeiro: Ed. Imago, 1980. (Edições Standard Brasileira Obras Completas de Sigmund
Freud, v.16).

________________. Sexualidade Feminina (1931). Rio de Janeiro: Ed. Imago, 1980.


(Edições Standard Brasileira Obras Completas de Sigmund Freud, v.19).

FOUCAULT, Michel. Os Anormais. São Paulo, Martins Fontes, 2002.

GIDDENS, Anthony. Sociologia. Porto Alegre, Artmed, 2005. 598 p.

______________ . A Transformação da Intimidade: sexualidade, amor e erotismo nas


sociedades modernas. Tradução: Magda Lopes. São Paulo: Editora da Universidade
Estadual Paulista, 1993.

HOLANDA, Patrícia Helena Carvalho. Alfabetização: uma visão construtivista e


Psicanalítica. Fortaleza: UFC, 1996 (dissertação de mestrado)

__________________________________. Alfabetização: uma visão construtivista e


Psicanalítica. Unijuí: Ijuí, 1998.

___________________________________. Currículo de Formação de Professores do


Litoral ao Pé da Serra: um perfil desconhecido. Fortaleza: UFC, 2002.

KÜHNER, Maria Helena (org.). Feminino Masculino: no imaginário de diferentes


épocas. Rio de Janeiro: Bertrand, 1998.

EdUECE - Livro 4
00247
Didática e Prática de Ensino: diálogos sobre a Escola, a Formação de Professores e a Sociedade

21

LIBÂNEO, José Carlos. Adeus Professor, Adeus Professora? : novas exigências


educacionais e profissão docente. 2ª edição. São Paulo: Cortez, 1998.

LOPES, Antonio de Pádua e STAMATTO, Mª Inês Sucupira (org.) O ofício de docente


no Norte e Nordeste. São Luís: EDUFAMA:UFPB: Café & Lápis, 2011.

MEAD, Margaret. Sexo e Temperamento. São Paulo, Editora Perspectiva, 2000.

MILLOT, Catherine. Freud Antipedagogo. Tradução: Ari Roitman. Rio de Janeiro:


Zahar, 1987.

NAISBITT, John e ABURDENE, Patricia M., 2000 - Dez Novas Tendências de


Transformação da Sociedade nos Anos 90. São Paulo: Amana-Key, 1990.
NERI, Regina. A Psicanálise e Feminino: um horizonte na modernidade. Rio de
Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

PAÍN, Sara. Subjetividade e objetividade: relação entre desejo e conhecimento.


Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

PAULON, Simone Mainieri Documento subsidiário à política de inclusão / Simone


Mainieri Paulon, Lia Beatriz de Lucca Freitas, Gerson Smiech Pinho. –Brasília:
Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, 2005 48 p.

ROUDINESCO, Elisabeth. A Família em Desordem. Tradução: André Telles. Rio de


Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

SÓFOCLES, O mito do Édipo. In: Mitologia. São Paulo: Abril Cultural, 1973.

TEDESCO, Juan Carlos. O Novo Pacto Educativo: educação, competitividade e


cidadania na sociedade moderna. Vila Nova de Gaia/Portugal, FML, 2008.

WAGNER, Adriana e colaboradores. Desafios Psicossociais da Família


Contemporânea: pesquisa e reflexões. Porto Alegre: Artmed, 2011.

EdUECE - Livro 4
00248
Didática e Prática de Ensino: diálogos sobre a Escola, a Formação de Professores e a Sociedade

22

EdUECE - Livro 4
00249

Você também pode gostar