Você está na página 1de 17

SESI PROCEDIMENTO REVISTO EM: nov

SEGURANÇA DIAGNÓSTICO INICIAL 2006


E SAÚDE NO VERSÃO Nº: 4
TRABALHO PSST Nº 2

NOME DA ATIVIDADE: ELABORAÇÃO DE DIAGNÓSTICO INICIAL PARA SEGURANÇA E


SAÚDE, COLETA DE DADOS SOBRE ACIDENTES, ÓBITOS E ABSENTEÍSMO E SOLUÇÃO DE
SITUAÇÕES CRÍTICAS.
RESULTADOS ESPERADOS:
- COLETA DE DADOS DE: Nº de ACIDENTES, ÓBITOS, E ABSENTEÍSMO.
- ELABORAÇÃO DE UM RELATÓRIO PARA O EMPREGADOR CONTEMPLANDO UM
DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO ATUAL DA EMPRESA EM RELAÇÃO A SEGURANÇA E
SAÚDE NO TRABALHO.
- LEVANTAMENTO E SUGESTÃO DE SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS EMERGÊNCIAIS EM
SST NA EMPRESA.
DEFINIÇÕES
• SOLUÇÃO DE SITUAÇÃO CRÍTICA – A situação crítica pode estar vinculada a um
problema encontrado na empresa que pode levar a um risco grave e eminente, podendo
causar morte, lesão grave ou intervenção do organismo fiscalizador. Além disso, solucionar
uma situação crítica pode significar também atender a uma autuação, já existente, do órgão
fiscalizador na empresa.
INSUMOS NECESSÁRIOS:
DESCRIÇÃO DESCRIÇÃO
- COMPUTADOR - MATERIAL DE EXPEDIENTE
-LISTA DOS DOCUMENTOS SOLICITADOS À EMPRESA (VER
ITEM REALIZAÇÃO DA ATIVIDADE – O QUE FAZER)

REALIZAÇÃO DA ATIVIDADE
O QUE FAZER QUEM É O QUANDO REALIZAR A
RESPONSÁVEL PELA ATIVIDADE
EXECUÇÃO

1.Realizar leitura prévia de material bibliográfico sobre o Equipe de SST do SESI Antes da primeira visita à
processo produtivo, riscos doenças relacionadas ao trabalho e empresa.
medidas de controle. (ver fontes no anexo 2.1)

2.Solicitar à empresa o preenchimento do cadastro da Equipe de SST do SESI. Na elaboração do


empresa Anexo 1.1, caso não tenha sido feito no PSST1 e diagnóstico.
cadastro de cada trabalhador/ seção 1 do PPP, anexo 1.2.
Solicitar ainda, informações prévias à empresa. (Ver lista de
solicitações no anexo 2.2). Essas informações devem estar
disponíveis para a equipe do SESI antes da primeira visita à
empresa para elaboração do diagnóstico. Analisar as
informações enviadas visando se preparar para o visita na
empresa e para as entrevistas que serão realizadas com os
funcionários. Durante a primeira visita, deve-se checar se todas
as informações foram fornecidas. Caso não tenham sido
fornecidas por completo, a equipe do SESI deverá coletá-las
pessoalmente. Equipe de SST do SESI. Na elaboração do
diagnóstico.

3.Solicitar ao representante da empresa que marque entrevistas


com algumas pessoas chave (responsável pela produção,
diretor da empresa, responsável pela SST, representante da
CIPA, se houver, e um operador). Essas entrevistas objetivam
fazer com que a equipe do SESI tenha uma visão geral de
como o tema SST é considerado na empresa.

4.Na primeira visita à empresa deve-se: (ver no anexo 2.3 Equipe de SST do SESI. Após coleta de
algumas perguntas que podem ser utilizadas nas entrevistas e informações e visita à
tipos de informações que podem ser coletadas) empresa
4.1.Realizar visita em todos os setores para conhecer o
processo produtivo, ter uma visão geral dos problemas
existentes. A visita deve ser feito em companhia do responsável
pela SST na empresa, para que o mesmo possa esclarecer
algumas dúvidas da equipe do SESI.
4.2. Realizar as entrevistas previamente agendadas com os
funcionários.
4.3 Treinar o representante da empresa na atividade 1 – coleta
de dados de acidente, absenteísmo e óbitos.
SESI PROCEDIMENTO REVISTO EM: nov
SEGURANÇA DIAGNÓSTICO INICIAL 2006
E SAÚDE NO VERSÃO Nº: 4
TRABALHO PSST Nº 2
4.4. Preencher o formulário para situações críticas que se
encontra no anexo 2.4, caso seja detectada alguma situação
crítica na visita ou na análise da documentação da empresa.
Entregar formulário preenchido para o empregador e em
conjunto definir solução para o problema. O SESI deve guardar
uma cópia do(s) formulário (s) preenchido(s) assinada pelo
responsável legal da empresa (empregador) visando
resguardar-se de questões judiciais no futuro.

5.Elaborar relatório do diagnóstico (ver modelo no anexo 2.5)

Equipe de segurança e
6.Encaminhar e apresentar o relatório do diagnóstico para
saúde do SESI
equipe de saúde ocupacional do SESI caso a mesma não Após coleta de
esteja presente na elaboração do diagnóstico. informações e visita à
empresa
Equipe de segurança do
7.Fazer apresentação do diagnóstico para o empregador e SESI
entregar cópia do documento. Para apresentação sugere-se Após elaborar relatório
que seja elaborado um jogo de transparências objetivo e sucinto
para que o empregador visualize claramente o diagnóstico de
SST. Equipe de segurança e
saúde do SESI
Após elaborar relatório.

OBSERVAÇÕES E CUIDADOS:
 A sugestão de elaborar o diagnóstico pode ser uma forma do SESI conseguir fechar
contrato com a empresa para implementar o modelo. O SESI sugere que fará um diagnóstico inicial
e caso a empresa fique satisfeita com o trabalho realizado e concorde em implementar o modelo, o
diagnóstico poderia ter um desconto. Caso a empresa, após a elaboração do diagnóstico, não tenha
interesse em implementar o modelo, o SESI cobraria o valor integral do diagnóstico.
 Pelo exposto anteriormente, pode-se verificar a importância que terá a etapa -
Apresentação do diagnóstico para o empregador. É na apresentação que o profissional do SESI irá
mostrar, de forma ética e sem denegrir a imagem da empresa:
- quais os principais problemas encontrados;
- como o modelo SESI poderá beneficiar a empresa e solucionar seus problemas;
- o diferencial de um trabalho em SST realizado pelo SESI.
Caso tenha sucesso na apresentação, conseguirá fechar contrato de um ano com a empresa.

 Só iniciar as atividades de diagnóstico após ter sido feito contato com o responsável pela
empresa e receber indicação de pessoa para acompanhar e dar suporte a equipe do SESI.

 Seria ideal que a equipe de elaboração do diagnóstico contemplasse um profissional da


área de saúde e um profissional da área de segurança. Caso o Departamento Regional não tenha
disponibilidade de pessoal da área de saúde para elaborar o diagnóstico, sugere-se que o mesmo
seja feito pela equipe de segurança, que posteriormente fará uma apresentação para os
profissionais da área de saúde, que irão trabalhar na implementação do modelo SESI em SST
dentro da empresa.

 Não esquecer de preencher a planilha de acompanhamento dos indicadores do programa


SESI que encontra-se na IT 2.1.
ELABORAÇÃO E REVISÃO: GRUPO TÉCNICO DO SISTEMA DE GESTÃO EM SST
SESI INSTRUÇÃO DE TRABALHO - REVISTO EM: nov
SEGURANÇA COLETA DE DADOS PARA 2006
E SAÚDE NO VERSÃO Nº: 4
INDICADORES PRÓ-ATIVOS E IT Nº 2.1
TRABALHO REATIVOS

REALIZAÇÃO DA 1ª ATIVIDADE - Treinar o representante da empresa, visando a coleta de dados de


acidentes, doenças, óbitos, nº médio de empregados e nº de dias de afastamento por acidente do trabalho,
doença do trabalho e tratamento de saúde.

1. Informar ao representante da empresa que todos os acidentes, doenças e óbitos devem ser registrados de
acordo com instruções do anexo 2.6.

2. -O profissional do SESI deverá treinar uma pessoa da empresa, na rotina de trabalho abaixo, para coletar
as informações sobre acidentes, doenças e óbitos ocorridos no dia a dia, visto que o SESI não estará presente
na empresa com uma constância suficiente para realizar esse monitoramento de forma eficaz.

2.1. Criar um livro de registros no ambulatório para anotar todos os atendimentos oriundos de acidentes,
doenças e óbitos relacionados ao trabalho. Caso a empresa não possua ambulatório, o livro de registros deve
ficar com o representante da empresa e os funcionários devem ser informados que caso aconteça algum
acidente, doença ou óbito devem informá-lo.

2.2. Sempre que um funcionário for atendido no ambulatório ou procurar o representante da empresa numa
das situações citadas no item 1 desta atividade, o mesmo deve ser encaminhado ao departamento de pessoal
para preenchimento da CAT. Caso a empresa não possua Departamento de Pessoal, o representante da
empresa deverá se encarregar dessa tarefa.

2. 3. Não esquecer que a CAT deve ser emitida e entregue ao posto do seguro social até o 1º dia útil após a
ocorrência do acidente e no caso de morte a comunicação deve ser feita imediatamente.

2. 4. Repassar as instruções do anexo 2.6 informando que ele deverá compilar as informações mensalmente e
encaminhar ao SESI.

3. Alimentar mensalmente a planilha de acompanhamento dos indicadores do programa SESI Segurança e


Saúde do Trabalho para a indústria (exemplo da planilha encontra-se no anexo 2.7 desta instrução de trabalho
ou no Software de SST com base no Modelo SESI em SST).
OBSERVAÇÕES E CUIDADOS:
-Os indicadores pró ativos devem ser coletados nos momentos de implementação dos procedimentos PSST
Nº 4, PSST Nº 5 e PSST Nº 7, conforme especificação constante nos mesmos.

3
SESI ANEXOS DO REVISTO EM: nov
SEGURANÇA PROCEDIMENTO 2006
E SAÚDE NO DIAGNÓSTICO INICIAL E DA VERSÃO Nº: 4
TRABALHO INSTRUÇÃO DE TRABALHO - PSST Nº 2 e IT 2.1
COLETA DE DADOS PARA
INDICADORES PRÓ ATIVOS E
REATIVOS

ANEXO 2.1
INFORMAÇÕES SOBRE O PROCESSO PRODUTIVO PODEM SER ENCONTRADAS NAS
SEGUINTES FONTES:

• Enciclopédias técnicas (ex. Enciclopédias de tecnologia química Kirk Othmer,


Ullmann), geralmente encontradas em bibliotecas de universidades e institutos
técnicos.
• Livros técnicos sobre processos produtivos ou operações (metalúrgica, mineração,
pintura, solda)
• Publicações específicas de associações do setor produtivo (ex. publicação da
ABIGRAF sobre indústria gráfica, Revista Tratamento de Superfícies)
• Manuais e catálogos de fabricantes do setor.
• Páginas da Internet: em geral, nos portais de associações de classe ou mesmo de
empresas do setor, encontram-se muitas informações sobre o processo produtivo.
Para localizar essas páginas faça uma busca (search) usando “buscadores”.
www.altavista.com.br ou www.google.com.br são os mais indicados. Selecione a
palavra chave ou expressão adequada e a(s) língua(s) desejada(s).

INFORMAÇÕES SOBRE RISCOS E MEDIDAS DE CONTROLE PODEM SER


ENCONTRADAS NAS SEGUINTES FONTES:

• Enciclopédia da OIT – Ela está disponível em espanhol no site www.mtas.es/insht .


• Burgess, W. Identificação de possíveis riscos à saúde do trabalhador nos diversos
processos industriais. Belo Horizonte: Ergo Editora, 1997.
• Mendes, R. Máquinas e Acidentes de Trabalho, Brasília, Ministério da Previdência e
Assistência Social, 2001
• Pontos de Verificação Ergonômica. São Paulo: Fundacentro, 2001, ou listas
encontradas nas páginas da Internet de organizações especializadas e reconhecidas
em SST, ou ainda listas específicas preparadas pelo próprio pessoal do SESI.
• Publicações sobre riscos e medidas de controle por ramo de atividade: Fundacentro;
OIT, ISSA (em geral publicados em espanhol).
• Ver principais leis, normas e decretos relacionados à atividade da empresa.
• Páginas da Internet de organizações especializadas em Segurança e Saúde no
Trabalho: OIT (www.ilo.org em inglês, francês e espanhol), OSHA (www.osha.gov
em inglês e algum material em espanhol, contém páginas por setores produtivos ou
agentes), NIOSH (www.cdc.gov/niosh em inglês e algum material em espanhol,
contém principalmente fichas sobre produtos químicos, métodos analíticos para
contaminantes químicos), INSHT (www.mtas.es/insht em espanhol, que disponibiliza
a Enciclopédia da OIT, ferramentas de avaliação de riscos, fichas de produtos
químicos), HSE (www.hse.gov.uk em inglês), ISTAS (www.ccoo.es/istas em
espanhol).

Para levantamentos mais aprofundados ou muito especializados recomenda-se utilizar


indexadores como o CIS-ILO, NIOSH e CCOHS (disponíveis nas bibliotecas da Fundacentro
– CTN e unidades regionais), LILACS na BIREME (acesso pela Internet www.bireme.br ) ou
outros indexadores da área de saúde ou tecnologia, em geral disponíveis nas bibliotecas
das grandes universidades.

INFORMAÇÕES SOBRE SAÚDE DO TRABALHADOR

• Enciclopédia da OIT – Ela está disponível em espanhol no site www.mtas.es/insht

4
SESI ANEXOS DO REVISTO EM: nov
SEGURANÇA PROCEDIMENTO 2006
E SAÚDE NO DIAGNÓSTICO INICIAL E DA VERSÃO Nº: 4
TRABALHO INSTRUÇÃO DE TRABALHO - PSST Nº 2 e IT 2.1
COLETA DE DADOS PARA
INDICADORES PRÓ ATIVOS E
REATIVOS
• Livro Doenças Relacionadas ao Trabalho, Manual de Procedimentos para os
Serviços de Saúde do Ministério da Saúde, 2001
• Aspectos conceituais da Patologia do Trabalho, R. Mendes, Editora Atheneu, 1995
• Doenças Profissionais ou do Trabalho, S. M. Bellusci, Editora SENAC/SP 3ª edição,
2001.
• Verificar principais normas, leis, decretos que tragam informações sobre acidentes e
doenças afetos à empresa.
• Páginas da Internet de organizações especializadas em Saúde no Trabalho (ver
sugestões de organismos e sites no item anterior)

5
SESI ANEXOS DO REVISTO EM: nov
SEGURANÇA PROCEDIMENTO 2006
E SAÚDE NO DIAGNÓSTICO INICIAL E DA VERSÃO Nº: 4
TRABALHO INSTRUÇÃO DE TRABALHO - PSST Nº 2 e IT 2.1
COLETA DE DADOS PARA
INDICADORES PRÓ ATIVOS E
REATIVOS

ANEXO 2.2
LISTAGEM DE DOCUMENTOS A SEREM SOLICITADOS À EMPRESA ANTES DA
PRIMEIRA VISITA PARA REALIZAÇÃO DO DIAGNÓSTICO

Atividades, organização e instalações.


• Organograma da empresa (se disponível)
• Relação e descrição dos processos produtivos e respectivas operações unitárias (caso a
empresa não possua por escrito, o profissional do SESI deverá elaborá-las após o primeiro
tour pela empresa)
• Relação das atividades de apoio direto à produção; (manutenção elétrica, manutenção
mecânica, tratamento de água e efluentes, produção de vapor, coleta de resíduos industriais,
reforma de prédios e equipamentos, laboratórios etc)
• Relação das atividades ocasionais (não rotineiras) relacionadas à produção (limpeza eventual
de máquinas, descargas de produtos químicos, troca de produtos).
• Relação das situações de emergências típicas e mais freqüentes (se aplicável)
• Relação de outras atividades complementares à produção e de apoio administrativo (cozinha
industrial, ambulatório, setores administrativos, serviços gerais, segurança patrimonial)
• Relação de funcionários – cargos ou funções, local e jornada de trabalho.
• Planta baixa e características das instalações. Se a empresa não possuir uma planta
disponível, durante a primeira visita a equipe do SESI deverá coletar informações suficientes
para elaborar uma planta simplificada (desenho) utilizando aplicativos do Microsoft Office ou
equivalentes.
• Inventário de matérias primas, insumos e resíduos, com indicação dos processos ou
operações onde são usados ou gerados.
• Fichas de informação sobre segurança dos produtos químicos - FISPQ (Quando não
conseguir a FISPQ tentar coletar informações sobre os produtos químicos com o fornecedor)
• Relação das principais máquinas e equipamentos de maior porte
• Relação e descrição sucinta de atividades das empresas contratadas, caso a empresa tenha
trabalhadores de outras empresas realizando atividades em seu estabelecimento
(terceirizadas).
• Se a empresa for contratada por outra e desenvolver suas atividades no interior do
estabelecimento da contratante, deverão ser solicitadas também informações sobre os
ambientes de trabalho, em particular sobre os fatores de riscos e medidas de controle
existentes nesses ambientes.
• Organização: Apresentar ou descrever o organograma geral da empresa, incluindo o
processo produtivo e outras atividades complementares. Informar como estes processos
estão organizados e relacionam entre si, se há divisão em unidades, departamentos ou
setores, e quais são eles, e qual o arranjo físico desses processos.
Informações sobre SST
• PPRAs e PCMSOs anteriores.
• Avaliações quantitativas já realizadas.
• CATs, atestados médicos, registros de faltas relacionadas ao trabalho (solicitar ao
representante da empresa que deixe disponível, para a primeira visita do diagnóstico:
informações sobre acidentes, doenças relacionadas ao trabalho, dados sobre dias e horas
perdidas. Essas informações devem ser referentes aos últimos 12 meses).
• Mapa de riscos.
• Problemas identificados pelos trabalhadores (solicitar ao representante da empresa que deixe
disponível, para a primeira visita do diagnóstico, as atas de reunião da CIPA (quando houver)
visando verificar se há registros de queixas ou problemas relacionados aos ambientes de
trabalho feitos pelos seus membros).
• Levantamentos anteriores sobre o ambiente: solicitar cópias de relatórios de avaliações
anteriores, em particular avaliações quantitativas das exposições.
• Programas de segurança em andamento ou propostos anteriormente.

6
SESI ANEXOS DO REVISTO EM: nov
SEGURANÇA PROCEDIMENTO 2006
E SAÚDE NO DIAGNÓSTICO INICIAL E DA VERSÃO Nº: 4
TRABALHO INSTRUÇÃO DE TRABALHO - PSST Nº 2 e IT 2.1
COLETA DE DADOS PARA
INDICADORES PRÓ ATIVOS E
REATIVOS
ANEXO 2.3
Coleta de informações na 1ª visita para elaboração do diagnóstico

CHECKLIST DE AVALIAÇÃO PRÉVIA DA EMPRESA


S/N/
AVALIAÇÃO PRÉVIA DA EMPRESA P/
(S - Sim; N – Não; P – Parcialmente; NA – Não se aplica) NA
1 A empresa possui condições satisfatórias de ordem, arrumação e limpeza?
2 As áreas de circulação estão desobstruídas?
3 Existem áreas de circulação demarcadas no piso?
4 As ferramentas manuais estão em bom estado de conservação?
5 O material em estoque está armazenado adequadamente e em local apropriado?
6 É utilizado EPI adequado ao risco?
7 A empresa está equipada com material de primeiros socorros?
8 As instalações elétricas são adequadas?
9 As máquinas estão providas de dispositivos de segurança adequados?
10 Existem riscos de queda nos pisos?
11 O local de instalação da caldeira atende às exigências da NR-13?
12 Existem abrigos para proteção dos trabalhadores contra intempéries?
13 As portas de emergência estão destrancadas, desobstruídas e abrem no sentido da saída?
14 Existem extintores apropriados, com carga dentro do prazo de validade?
15 Há saídas de emergência em conformidade com a NR-23?
16 As condições de higiene sanitária e de conforto no local de trabalho são satisfatórias?
17 A ventilação é adequada?
18 A empresa possui algum tratamento para os resíduos sólidos, líquidos e gasosos?
19 Possui boa sinalização de segurança em seus setores, com caracterização dos riscos?
20 A empresa precisa constituir SESMT?
21 A empresa precisa constituir CIPA?
22 A empresa possui PPRA atualizado?
23 A empresa possui PCMSO atualizado?
24 A empresa possui política de Ergonomia para os postos de trabalho?
25 Os empregados são informados sobre os perigos/fatores de risco de suas atividades?
Recebem treinamento?
26 As instalações sanitárias estão em número adequado para a quantidade de trabalhadores?
27 A higiene e conservação das instalações sanitárias estão adequadas?
28 O número de armários no vestiário está adequado?
29 A higiene e conservação dos vestiários está adequada?
30 Os equipamentos de água potável e do refeitório estão adequados?
31 A higiene e conservação do refeitório e dos equipamentos de água potável são observadas?
32 Os bebedouros estão limpos?
Obs.:

7
SESI ANEXOS DO REVISTO EM: nov
SEGURANÇA PROCEDIMENTO 2006
E SAÚDE NO DIAGNÓSTICO INICIAL E DA VERSÃO Nº: 4
TRABALHO INSTRUÇÃO DE TRABALHO - PSST Nº 2 e IT 2.1
COLETA DE DADOS PARA
INDICADORES PRÓ ATIVOS E
REATIVOS
Coleta de Informações – Visita a empresa e entrevistas
Método de coleta Tipo de informação a ser coletada
Visita à empresa (percorrer o -Tipos de operações
ambiente de trabalho) -Funcionamento do processo produtivo
-Tarefas e atividades de cada cargo
-Fontes de perigo/fatores de risco ou causas potenciais de acidentes.
-Medidas de controle coletivas
-Práticas de trabalho
-EPIs utilizados
-Organização e divisão do trabalho
-Equipamentos e instalações potencialmente perigosos
-Situações críticas
-Notificações dos agentes de inspeção: consultar o livro de registro de
inspeções e levantar as notificações feitas pelos auditores fiscais do trabalho.
-Problemas identificados pelos trabalhadores
-Observações sensoriais (olfativas e auditivas) para os agentes ambientais,
fontes e trajetórias de espalhamento de contaminantes no ambiente.
Entrevista com o Diretor Sugestão de perguntas
1. Qual a importância da SST para sua empresa e como ela está
inserida no planejamento estratégico?
2. Quais os benefícios que um programa eficiente de SST poderia
trazer para sua empresa?
 Algo mais que o Sr. gostaria de mencionar em relação a SST na
sua empresa?
Entrevistas com: operador, Sugestão de perguntas
responsável pelo processo 1. O que significa SST para você?
produtivo (gerente) e 2. Qual a sua contribuição em relação a SST no seu setor e na
representante de empresas empresa?
contratadas (se houver). 3. Quais os principais perigos/fatores de risco que estão relacionados
a sua atividade?
4. Você acredita que a empresa que você trabalha realiza ações
efetivas em SST?
5. Você recebeu treinamentos em SST?
1. Algo mais que você queira mencionar em relação a SST na
empresa em que você trabalha?
Entrevistas com representante Sugestão de perguntas
do setor de pessoal ou de 1. Qual a política de recursos humanos da empresa?
recursos humanos 2. Quais as notificações de agentes de inspeção a empresa já recebeu?
3. Existe algum problema trabalhista ou previdenciário?
4. O que significa SST para você?
5. Qual a sua contribuição em relação a SST no seu setor e na empresa?
6. Quais os principais perigos/fatores de risco que estão relacionados a sua
atividade?
7.Você acredita que a empresa que você trabalha realiza ações efetivas em
SST?
8. Algo mais que você queira mencionar em relação a SST na empresa em
que você trabalha?
Entrevistas com a equipe de Sugestão de perguntas
segurança e saúde no trabalho 1. O que significa SST para você?
da empresa e responsável pela 2. Qual a sua contribuição em relação a SST na empresa?
CIPA 3. Quais os principais perigos/fatores de risco que estão relacionados a
empresa que você trabalha?
4. Você acredita que a empresa que você trabalha realiza ações efetivas em
SST ?
5. Quais os principais problemas de saúde registrados ou freqüentemente
relatados?
6. Além dos problemas de saúde, quais outros são mais freqüentemente
relatados pelos trabalhadores?
7. Existe algum tipo de treinamento ou programa de sensibilização do
trabalhador para contribuir com os programas de SST da empresa?
8. Os perigos/fatores de risco dos ambientes de trabalho são informados aos
trabalhadores, bem como as formas dele contribuir para diminuir sua
exposição a esses perigos/fatores de risco?

8
SESI ANEXOS DO REVISTO EM: nov
SEGURANÇA PROCEDIMENTO 2006
E SAÚDE NO DIAGNÓSTICO INICIAL E DA VERSÃO Nº: 4
TRABALHO INSTRUÇÃO DE TRABALHO - PSST Nº 2 e IT 2.1
COLETA DE DADOS PARA
INDICADORES PRÓ ATIVOS E
REATIVOS
Método de coleta Tipo de informação a ser coletada
9. Os trabalhadores aceitam o uso de EPI? Foram treinados para usá-lo de
forma correta?
10. Qual a forma de investigação de acidentes e doenças ocorridos?
11. A equipe de SST procura se atualizar em relação às mudanças na
legislação de SST afetas à empresa? (caso afirmativo pedir para explicar
como é feita essa atualização)
11. Algo mais que você queira mencionar em relação a SST na empresa em
que você trabalha?
(Fonte: algumas informações foram retiradas de Mulhausen & Damiano, 1998).
As entrevistas irão proporcionar a equipe do SESI uma visão geral do comprometimento e das ações
da empresa em SST.
O objetivo de repetir algumas perguntas para pessoas diferentes é o de conhecer os vários pontos de
vista sobre o mesmo assunto.
A análise dos resultados das entrevistas irá compor um item no relatório do diagnóstico, o qual será
elaborado após conclusão de toda a fase de diagnóstico inicial.

9
SESI ANEXOS DO REVISTO EM: nov
SEGURANÇA PROCEDIMENTO 2006
E SAÚDE NO DIAGNÓSTICO INICIAL E DA VERSÃO Nº: 4
TRABALHO INSTRUÇÃO DE TRABALHO - PSST Nº 2 e IT 2.1
COLETA DE DADOS PARA
INDICADORES PRÓ ATIVOS E
REATIVOS

ANEXO 2.4– MODELO DE FORMULÁRIO PARA REGISTRO DE SITUAÇÃO


CRÍTICA

REGISTRO DE SITUAÇÃO CRÍTICA


Nome da empresa- Nº do registro-
Endereço-
Tel- Data-
Registrado por - (inserir nome e assinatura do profissional do SESI)
DESCRIÇÃO DA SITUAÇÃO

LOCAL (QUANDO APLICÁVEL)

AÇÃO DA EMPRESA E PRAZO PARA SOLUCIONAR O PROBLEMA

Nome do responsável (empregador) -

Assinatura (empregador) -

10
SESI ANEXOS DO REVISTO EM: nov
SEGURANÇA PROCEDIMENTO 2006
E SAÚDE NO DIAGNÓSTICO INICIAL E DA VERSÃO Nº: 4
TRABALHO INSTRUÇÃO DE TRABALHO - PSST Nº 2 e IT 2.1
COLETA DE DADOS PARA
INDICADORES PRÓ ATIVOS E
REATIVOS

ANEXO 2.5 – MODELO DE RELATÓRIO PARA O DIAGNÓSTICO INICIAL NA


EMPRESA

1 Dados de Identificação da empresa


Inserir os dados solicitados no anexo II.

2. Introdução
Escrever sobre como foi realizado o trabalho na empresa (período, técnicos participantes,
metodologia utilizada), falar sobre o objetivo do diagnóstico.

3. Descrição da empresa
Fazer um breve descritivo sobre as características da empresa tais como: principal produto
produzido, tempo de funcionamento, número de funcionários, localização, situação atual em
relação ao mercado, principais clientes, inserir um quadro com a estrutura organizacional
incluindo os cargos, números de funcionários por setor e se possível o nome do responsável
por cada setor.

4. Resumo do processo produtivo


Com base no tour realizado na empresa e nos documentos analisados, fazer de forma
resumida a descrição do processo produtivo englobando: insumos, matéria prima, principais
máquinas utilizadas nos setores, principais riscos ambientais (que puderem ter sido
visualizados no tour) e lay out do processo.

5. Resultado das entrevistas realizadas na empresa.


Escrever a metodologia utilizada nas entrevistas e as perguntas realizadas.
Em seguida fazer um resumo do que foi apurado nas entrevistas inserindo observações
técnicas sobre o que foi dito pelos funcionários em relação a SST na empresa.

6. Avaliação da documentação fornecida pela empresa.

Redigir uma avaliação técnica sobre a análise dos documentos fornecidos pela empresa,
bem como sua situação atual em relação a SST: principais problemas em SST visualizados
no tour e na análise da documentação, análise do número de acidentes, óbitos, dias e horas
perdidas, descrição da situação legal da empresa em relação ao MTE e INSS (o que deve
ser feito para atender as exigências legais).

7. Situações Críticas (caso seja detectada alguma na fase de diagnóstico)


Caso o profissional do SESI verifique a ocorrência de uma situação crítica, deve preencher o
formulário que se encontra no anexo deste procedimento e encaminhar imediatamente para
o responsável pela empresa. Deve-se inserir cópia do formulário neste item do diagnóstico e
ao final esclarecer que o documento foi entregue ao responsável legal pela empresa para
que as devidas providências fossem tomadas.

8 Cronograma de atividades
Inserir um cronograma com as atividades a serem realizadas pelo SESI na empresa durante
o ano de vigência do contrato.

9. Conclusão
Análise dos itens 4, 5 e 6, resumindo o que a empresa deverá fazer para melhorar o seu
desempenho em relação a SST.

11
SESI ANEXOS DO REVISTO EM: nov
SEGURANÇA PROCEDIMENTO 2006
E SAÚDE NO DIAGNÓSTICO INICIAL E DA VERSÃO Nº: 4
TRABALHO INSTRUÇÃO DE TRABALHO - PSST Nº 2 e IT 2.1
COLETA DE DADOS PARA
INDICADORES PRÓ ATIVOS E
REATIVOS
10. Equipe de elaboração
Nome dos participantes na elaboração do diagnóstico, com suas profissões e respectivos
registros nos órgãos de classe.

11. Anexos
Inserir cópia de tabelas e listagens utilizadas na elaboração do diagnóstico e outros
documentos relevantes para o diagnóstico. Tomar cuidado para não inserir anexos
desnecessários.

12
SESI ANEXOS DO REVISTO EM: nov
SEGURANÇA PROCEDIMENTO 2006
E SAÚDE NO DIAGNÓSTICO INICIAL E DA VERSÃO Nº: 4
TRABALHO INSTRUÇÃO DE TRABALHO - PSST Nº 2 e IT 2.1
COLETA DE DADOS PARA
INDICADORES PRÓ ATIVOS E
REATIVOS
ANEXO 2.6 – INDICADORES REATIVOS (opcional)

A coleta de indicadores não é obrigatória, neste momento. Foi estabelecida a meta de


coleta dos indicadores reativos para no mínimo 30% das empresas atendidas pelo DR,
até julho de 2007.
Atenção - Os dados sobre indicadores reativos devem alimentar, a planilha que se
encontra neste anexo e no Sistema de informação em SST, que fará automaticamente
os cálculos dos indicadores.
Os indicadores pró ativos: IQAT e Índice de Conformidade Legal encontram-se
detalhados nos procedimentos PSST 4 e PSST 7 respectivamente.
Indicadores reativos

1. Índice de Freqüência acidentes e doenças do trabalho


(Somatório do nº de acidentes e doenças do trabalho) x 100
nº médio de empregados no período considerado

Fonte: Anuário Estatístico de Acidentes do Trabalho, 2000, MTE e MPAS.

Indicadores de desempenho:
20% a menos que o valor inicial no primeiro ano de implementação
20% a menos que o valor do ano anterior no segundo ano de implementação do modelo

obs: Para cálculo do nº médio de empregados nos últimos 12 meses, deve -se somar o número
de empregados em cada mês e dividir por 12.

2. Taxa de mortalidade
(Somatório do nº de óbitos por acidentes e doenças do trabalho no período considerado)x100
nº médio de empregados no período considerado

Fonte: http://www.mte.gov.br/Temas/SegSau/estatisticas/acidentes/conteudo/infbasicas.pdf

Indicadores de desempenho:
20 % menos óbitos até o final do primeiro ano de implementação do modelo
20% menos óbitos (em relação ao valor do ano anterior) até o segundo ano de implementação
do modelo.

obs: Para cálculo do nº médio de empregados nos últimos 12 meses, deve -se somar o número
de empregados em cada mês e dividir por 12.

3. Absenteísmo por causa do trabalho

13
SESI ANEXOS DO REVISTO EM: nov
SEGURANÇA PROCEDIMENTO 2006
E SAÚDE NO DIAGNÓSTICO INICIAL E DA VERSÃO Nº: 4
TRABALHO INSTRUÇÃO DE TRABALHO - PSST Nº 2 e IT 2.1
COLETA DE DADOS PARA
INDICADORES PRÓ ATIVOS E
REATIVOS
Absenteísmo é toda ausência do trabalho aceita como atribuível à incapacidade.
Usualmente é referida como ausência coberta por atestado médico.

Portanto, devemos considerar no cálculo do indicador absenteísmo, os dias de afastamento


relacionados com:
Licença por motivo de Acidente do Trabalho
Licença por motivo de Tratamento de Saúde
Licença por motivo de Tratamento de Doença do Trabalho

Não devem ser consideradas no cálculo do indicador absenteísmo os seguintes dias de


afastamento:
Licença por motivo de Doença em Pessoa da Família
Licença à gestante
Licença adotante
Licença paternidade
Licença amamentação
Casamento
Luto
Férias
Licença-Prêmio por Assiduidade
Falta injustificada
Atraso
Suspensão
Serviço Militar
Atividade Política
Afastamento do Cônjuge (no caso do marido ou esposa acompanhar o cônjuge que está sendo
transferido ou afastado)
Tratar de interesses particulares
Doação de Sangue
Alistar-se como eleitor
Afastamento preventivo (suspeita de irregularidade no trabalho)
Júri e outros serviços obrigatórios
Período de Trânsito (mudança de um órgão para outro)
Participar de desporto nacional ou integrar representação nacional
Prestar depoimento como testemunha
Prisão em flagrante ou preventivo
Afastamento por condenação
Servir outro órgão ou entidade
Cursos

Para cálculo do absenteísmo no mês


Legenda da fórmula:
D = Nº total de dias de afastamento
M= Nº médio de empregados

(nº total de dias de afastamento X 8 horas x 1000) / (nº médio de empregados no período (um
mês) x 8 horas x 22 dias). 8 x 22 = 176
D x 8 x 1000
M x 176

14
SESI ANEXOS DO REVISTO EM: nov
SEGURANÇA PROCEDIMENTO 2006
E SAÚDE NO DIAGNÓSTICO INICIAL E DA VERSÃO Nº: 4
TRABALHO INSTRUÇÃO DE TRABALHO - PSST Nº 2 e IT 2.1
COLETA DE DADOS PARA
INDICADORES PRÓ ATIVOS E
REATIVOS

Para cálculo do absenteísmo dos últimos 12 meses usar a seguinte fórmula:


(nº total de dias de afastamento X 8 horas x 1000) / (nº médio de empregados no período (um
ano) x 8 horas x 264 dias). 8x 264=2112
D x 8 x 1000
M x 2112

Fonte: Encyclopedia of Occupational Health and Safety, ILO, 1989. Bulletin of Labour Statistics, ILO, 1990.

obs: Para cálculo do nº médio de empregados nos últimos 12 meses, deve -se somar o número
de empregados em cada mês e dividir por 12.

Atenção – Caso a empresa possua trabalhadores em turnos de 6 horas, deve-se também incluí-los no
somatório da média de trabalhadores, como se fizessem 8 horas, conforme padronização do Ministério
do Trabalho e Emprego.

Indicadores de desempenho:
10% a menos que o valor inicial no primeiro ano de implementação
10% a menos que o valor do ano anterior no segundo ano de implementação do modelo.

15
SESI ANEXOS DO REVISTO EM: nov
SEGURANÇA PROCEDIMENTO 2006
E SAÚDE NO DIAGNÓSTICO INICIAL E DA VERSÃO Nº: 4
TRABALHO INSTRUÇÃO DE TRABALHO - PSST Nº 2 e IT 2.1
COLETA DE DADOS PARA
INDICADORES PRÓ ATIVOS E
REATIVOS
ANEXO 2.7 - PLANILHA DE ACOMPANHAMENTO DOS INDICADORES DO PROGRAMA SESI
SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO PARA A INDÚSTRIA.

Tabela para inserção de dados indicadores reativos


Dados para os indicadores reativos
Mês Mês Mês Mês
Mês 1 Mês 2 Mês 3 Mês 4 Mês 5 Mês 6 Mês 7 Mês 9 Total anual
8 10 11 12

nº de acidentes relacionados
ao trabalho

nº de doenças relacionadas ao
trabalho

nº de óbitos relacionados ao
trabalho

nº de empregados no mês

nº de dias de afastamento por


motivo de acidente do
trabalho, doença do trabalho e
tratamento de saúde**

Consideram-se como dias de afastamento aqueles dias cobertos por atestado médico e relacionados a: acidentes do trabalho, doenças do trabalho
e tratamento de saúde. Ver no anexo 2.6 informações sobre os afastamentos que não devem ser considerados no somatório do dado.

Tabela para inserção de dados de acordo com os indicadores coletados nos procedimentos 4 e 7

Dados para os indicadores pró ativos

Coletar dados
coletar dados
após 12 meses
referentes a
de trabalho do
situação atual
SESI na
da empresa
empresa

Somatório do nº de requisitos
legais atendidos pela empresa

Somatório do nº de requisitos
legais avaliados na empresa

Somatório dos riscos irrelevantes

Somatório dos riscos baixos

Somatório dos riscos médios

16
SESI ANEXOS DO REVISTO EM: nov
SEGURANÇA PROCEDIMENTO 2006
E SAÚDE NO DIAGNÓSTICO INICIAL E DA VERSÃO Nº: 4
TRABALHO INSTRUÇÃO DE TRABALHO - PSST Nº 2 e IT 2.1
COLETA DE DADOS PARA
INDICADORES PRÓ ATIVOS E
REATIVOS

Somatório dos riscos altos

Somatório dos riscos críticos

Tabela para apresentação de resultados indicadores


Resultados indicadores próativos e reativos
Indicador Indicador Indicador
Ano 1 para o ano Ano 2 para o ano Ano 3 para o ano
1 2 3
Índice de Frequencia acidentes e
doenças do trabalho

Taxa de mortalidade

Absenteísmo por causa do


trabalho

Índice de conformidade legal

Índice de qualidade no ambiente


de trabalho

17