Você está na página 1de 6

TANATOLOGIA

Conceito de morte:

- “morte não é ausência de vida e sim sua interrupção definitiva” (Bernard Knight)
- “morte é a cessação total e permanente das funções vitais” (Genival Veloso)
- Juridicamente: “extinção do sujeito de direito” ou o término legal da existência civil da
pessoa humana.

Morte Encefálica:
- A morte encefálica deve ser consequência de processo irreversível e de causa conhecida
- Parâmetros clínicos a serem observados: coma aperceptivo com ausência de atividade
motora supra-espinhal e apnéia
- Intervalos mínimos entre duas avaliações:
a)de 7dias a 2 meses incompletos: 48 horas
b) de 2 meses a 1 ano incompleto; 24 horas
c) de 1 ano a 2 anos incompletos :12 horas
d) acima de 2 anos: 6 horas

Destino do cadáver:
• Inumação simples
• Inumação pós necropsia
• Imersão
• Destruição
• Cremação

Diagnóstico da realidade de morte:


• Cessão os sinais vitais pela parada a função cerebral, respiratória e circulatória.
• A morte não é um momento ou instante, mas um processo gradativo.
• Para se ter certeza é necessária a observação cuidadosa dos fenômenos cadavéricos.

Fenômenos cadavéricos:
a- abióticos • Perda da consciência
• Perda da sensibilidade
- Imediatos • Abolição do tônus muscular e da motilidade
• Cessação da respiração, circulação e da atividade cerebral.

• Desidratação cadavérica
- Consecutivos > Decréscimo do peso
> Pergaminhamento da pele
> Dessecamento das mucosas labiais
> Modificação dos globos oculares
• Esfriamento cadavérico
>Média de 1,5ºC / hora
>Temperatura retal(termômetros especiais/ haste longas)
>Rentoul/Smith propuseram a seguinte regra:
>H= N – C N : temperatura corporal normal 37,2ºC
• Manchas de hipóstase cutânea
> Realidade de morte, tempo de morte e posição do corpo
> Iniciam-se após 2 horas da morte
> Intensidade variável (asfixias por maior fluidez do sangue)
> Fixam após 12 horas
> Pode ser visto em órgãos internos (pulmões, fígado, rins e baço)
• Rigidez cadavérica:
> Fenômeno físico-químico (hipóxia, acidez tissular, permeabilidade de membranas, desnaturação
da actinomiosina)
> Diagnóstico e na determinação do tempo de morte.
> Posição “atlética”
Inicia-se pela face, mandíbula e pescoço entre 1 a 2 h e atinge o máximo com 8 horas e desfaz-se na mesma
sequência finalizando-se com o início da putrefação.
• Espasmos cadavéricos:
> Rigidez abrupta, generalizada e violenta
> Não há o relaxamento muscular que precede a rigidez comum.
> Os cadáveres guardam a postura que adotavam no momento da morte.
> É raro e não bem explicado e controverso
> Não tem importância médico-legal
b- transformativos
> Autólise: - Destrutivos
• Primeira fase (latente) acomete o citopalsma
• Segunda fase (necrótica) envolve o núcleo
• Sinal de Lecha-Marzo: coloca-se papel azul-de-tornassol sob as pálpebras e após 2 a 3min observa-se o resultado. No caso de morte a tonalidade fica
vermelha.

> Putrefação:
• Período de coloração
- Inicia-se pela mancha verde abdominal na fossa ilíaca direita(24h)
- Fetos e afogados pela cabeça e tórax
- A tonalida de verde escura é consequente a formação do do hidrogênio sulfurado que se combina com a hemoglobina dando a sulfametemoglobina

• Período gasoso
- Do interior do corpo surgem os gases da putrefação com bolhas na epiderme.
- Nota-se projeção dos olhos e da língua , distensão do abdome .Toma um aspecto gigantesco e adota a postura de lutador
- Circulação póstuma de Brouardel

• Período coliquativo
- Dissolução pútrida do cadáver e o corpo vai se desintegrando e perdendo a sua forma.
- Surgem um grande número de larvas
- Esse período varia de acordo com a condição do terreno.
- Nessa fase ainda pode-se evidenciar sinais provenientes da ação violenta.

• Período de esqueletização
- Os ossos com a atuação do meio ambiente e dos elementos que surgem no trabalho da desintegração vão ficando livres.
- Decorre pelo menos 3 anos.

> Maceração:
• É um processo especial de transformação do cadáver onde o corpo perde a consistência inicial,o ventre se achata e os ossos se livram dos tecidos como se
estivessem soltos.
• Há destacamento de amplos retalhos epidérmicos
• É encontrado em fetos retirados do útero pós-mortem e em cadáveres afogados

- Conservadores
• Mumificação
 Artificial
 Natural : clima seco e quente. Há desidratação rápida
 Reduzido de peso,pele dura, seca, enrugada , com aspecto de couro e de tonalidade enegrecida e há conservado vagamente os traços
fisionômicos.
 Importância médico-legal : existe uma maior facilidade no diagnóstico da causa da morte e a identificação do cadáver.

• Saponificação ou adipocera
 Enzimas bacterianas da putrefação hidrolisam gorduras neutras dando origem a ÁCIDOS GRAXOS. Em contato com elementos minerais da argila
se transformam em ésteres.
 É raro o cadáver ser totalmente envolvido nesse processo. A água(estagnada) e o solo(argiloso e úmido) facilitam essa transformação.
 Certas condições individuais: idade(crianças), sexo(predomínio em mulheres),obesos( raro em magros).

• Calcificação
 caracteriza-se pela petrificação ou calcificação do corpo.
 ocorre mais frequente em fetos mortos e retidos na cavidade uterina.
 surge quando as partes moles desintegram-se pela putrefação rápida e o esqueleto absorve grande quantidade de sais calcários.

• Corificação
 Muito raro e foi descrito em 1985
 Urnas metálica (zinco) fechadas hermeticamente.
 A pele parece couro curtido
 Há preservação de músculos e órgãos.
 Há inicial processo de putrefação que é interrompido (não sabe explicar por que)dando origem a um processo de mumificação.

• Congelação
 Temperaturas de -40 graus pode-se obter uma preservação quase indefinida, inclusive permitindo a conservação em condições vitais de ossos,
tecidos e espermatozoides.

Cronotanatognose:
• Esfriamento do cadáver (12 a 15h)
• Rigidez cadavérica
• Mancha verde abdominal
• Conteúdo estomacal
• Conteúdo vesical
• Fundo de olho
LESÕES IN VITAM:
• MEIOS TRADICIONAIS

a) Infiltração hemorrágica.
 Contusões quando in vitam promovem infiltrados hemorrágicos porém após a mortes
são lesões brancas. Hemorragia ,quando projetado à distância , e nas cavidades
quando de grande volume.
 Coagulação é um sinal vital. Até 6 horas após a morte pode haver coagulação.
 Equimose apresenta-se com a mesma tonalidade fixada em vida.

b) Retração tecidual
 Ferimentos em vida mostram as bordas afastadas pela retração. O mais e o menos
retrátil é o pescoço e o couro cabeludo respectivamente.

c) Escoriação
 Com o desnudamento da derme há coagulação da linfa e formação de crosta.

d) Queimaduras
 Eritema cutâneo, flictenas com líquido seroso rico em albuminas e leucócitos,
pequenas hemorragias cutâneas oriundas de rotura capilar.

MEIOS SUBSIDIÁRIOS:
a) PROVA DE VERDERAU
 Compara a contagem das hemácias e leucócitos da ferida com os de outras áreas do
corpo. Se na ferida for maior(lesão in vitam).
b) PROVA HISTOLÓGICA
 Retira-se fragmento tecidual da lesão e pesquisa-se ; congestão vascular, elementos
fagocitários, marginação leucocitária intravascular, neoformação vascular, diapedese.
c) MICROSCOPIA ELETRÔNICA
 Estuda a fibrina presente no coágulo.(calibre,disposição,orientação,tipo de ligação,
ligação com plaquetas)

EMBALSAMAMENTO:
 Método artificial e permanente de conservação do cadáver
 Lavagens e fricções com substâncias aromáticas e balsâmicas

EXUMAÇÃO:
 Consiste em desenterrar após requisição da Justiça para averiguar a exata causa da
morte passada despercebida, no esclarecimento de um detalhe, na identificação,
numa grave contradição ou na confirmação de um diagnóstico.
 Cuidados; confirmar a hora e data do exame, certificar-se do local do sepultamento,
convocar a autoridade policial local, familiares e testemunhas para se identificar
corretamente a cova.

ENERGIAS FÍSICAS
Calor:
• Difuso: • Calor ambiental em locais abertos
- Insolação • Ação dos raios solares, elevada temperatura, pouca renovação do ar
• Há de se levar em conta alguns fatores intínsicos como atividade física, patologias do sistema circulatório,
respiratório e endócrino.

• Excesso de calor em lugares mal-arejados, confinamento.


- Intermação • Geralmente acidental
• Nesses casos observa-se na necropsia : secreção espumosa e sanguinolenta em vias respiratórias, rigidez e
putrefação antecipadas, congestão e hemorragia visceral.
• Direto:
- Queimaduras: 1º. Grau:
• Eritema simples (sinal de Christinson)
• Queimaduras pelos raios solares
• Ocorre descamação, mas não há cicatriz
2º. Grau:
• eritema e flictenas
• líquido rico em albumina, leucócitos, cloretos.
3º. Grau:
• coagulação necrótica dos tecidos
• incide até os planos musculares
• há cicatriz que pode ser retrátil e queloidiana
• maior facilidade para infectar-se e é menos dolorosa.
4º. Grau:
• carbonização do corpo
• local ou generalizada
• há condensação dos tecidos
• Posição de boxer, opistótomo, cabelos crestados, abrem-se fendas no couro cabeludo que mostra os
ossos da calota, fissuras torácicas e abdominais, amputação de pés e mãos, fissuras e fratura em
ossos longos. Raramente os dentes estão calcinados.

Regra de Pulaski:

PERÍCIA:
• identificar o corpo
• morreu durante o incêndio
• monóxido de carbono no sangue
• fuligem ao longo da via respiratória (sinal de Montalti)
• origem e modo de distribuição das queimaduras

PROGNÓSTICO QUANTO A PORCENTEGEM DA ÁREA DE QUEIMADURA:

• < 15%: diz-se que o acidentado é, simplesmente,portador de queimaduras .


• > 15% (cerca de15 palmos): pode-se considerá-lo como grande queimado .
• > 40%: pode provocar a morte.
• > 70%: as chances de sobreviver são mínimas.

Frio:
• geladura a ação localizada
• geralmente é acidental mas pode ser suicídio ou homicídio.
• há alterações do SNC, isquemia visceral.
Classificadas como:
• 1º : eritema
• 2º : eritemas e bolhas
• 3º :necrose dos tecidos moles
• 4º gangrena e desarticulação

ENERGIA DE ORDEM QUÍMICA

Cáusticos:
• Coagulantes:
desidratam os tecidos, causam escaras diversas (nitrato de prata)
• Liquefacientes:
escaras úmidas (soda cáustica, amônia).
• Mais comum acidental ou criminosa raro voluntária.
• Quando criminosa a sede das lesões é a face, pescoço e tórax
• São conhecidas como VITRIOLAGEM pois antigamente se usava nesse tipo de ação o
ácido vitríolo(ac. Sulfúrico)
• Para distinguir a lesão em vida da pós morte usamos a prova histológica

Venenos:

- Definição: “Qualquer substância que introduzida no organismo pelas as mais diversas vias
mesmo em pequenas dosagens danifique a saúde”. (Genival Veloso)

- Classificação:
• estado físico: líquido, sólido e gasoso
• origem: animal , mineral, vegetal e sintético
• funções químicas: óxidos, ácidos, bases, sais(inorgânicas), álcoois, hidrocarbonetos,
acetonas (orgânicos)
• uso: doméstico, agrícola, industrial, medicinal, cosmético.

- Envenenamento:
• agudo / crônico
• manifestações inespecíficas / específicas

> Herbicidas:
ORGANOFOSFORADOS:
• inibem a ação da acetilcolinesterase
• acúmulo de acetilcolina
• excitação vagal e desporalização dos músculos esqueléticos
• a morte advém de insuficiência respiratória
• A pesquisa toxicológica é realizada no sangue,urina e vísceras.

CARBAMATOS:
• Agem de forma semelhante aos organofosforados
• Essa inibição da enzima acetilcolinesterase é menos estável, e muito mais rápido
• São metabolizados e eliminados na urina e não se acumulam no organismo.
• Tem efeito bioquímicos na inibição da função hepática e da tireóide.
• O mais conhecido é o aldicarb(Temik 150) “chumbinho”
- Perícia:
• Colhemos sangue, urina.
• Vísceras: estômago inteiro, cérebro(barbitúricos), vesícula biliar(morfina),
pulmão(anestésicos), fígado, rins.

ELETRICIDADE:
• ENERGIA FÍSICA
• NATURAL OU CÓSMICA
• ARTIFICIAL OU INDUSTRIAL

- Eletricidade natural:
• FULMINAÇÃO : letalidade
• FULGURAÇÃO: lesões corporais

O diagnóstico das lesões é dado pelos comemorativos


originados das descargas elétricas naturais(tempestades) e pelo
exame das próprias lesões.
As lesões externas tomam a forma arboriforme (sinal de
LICHTENBERG)

Sinal de Lichtenberg
• As lesões produzidas têm variações as mais diversas.
• Variam desde lesões cutâneas até queimaduras graves.
• Asfixia ,mas pode ter traumatismo(arremesso do corpo)

- Eletricidade Artificial:
• Tem por ação uma síndrome chamada de ELETROPLESSÃO
• Qualquer efeito proporcionado pela energia industrial com ou sem êxito letal.
• A lesão mais simples é conhecida como marca de Jellineck

> Marca de Jellineck:


 Verifica-se, visualmente, que a vítima sofreu eletroplessão, pela marca de
Jellineck, que resulta da faísca elétrica que salta do condutor para a pele,
antes de se estabelecer o perfeito contato entre esta e aquele.
 As vezes aparece como lesão em saca bocado, indolor, asséptica , leito
deprimido de fácil cicatrização.
 A marca de Jellineck denuncia que a vítima foi afetada pela eletricidade
industrial.

- Queimaduras:
• Resultam do calor de uma corrente elétrica
• Têm forma de escara pardacenta ou escura, apergaminhada, bordas nítidas, sem áreas
de congestão e sem flictenas.
• As lesões podem ser graves chegando a amputação de membros ou secção do corpo

CAUSA DA MORTE:
• Pulmonar
Tensões que variam de 120 a 1200 volts
Decorre da tetanização dos músculos respiratórios
• Cardíaca
Tensões abaixo de 120 volts
Decorre de fibrilação ventricular
• Cerebral
Tensões acima de 1200volts
Decorre de lesão bulbar