Você está na página 1de 10

A HORA DO JOGO PSICOPEDAGÓGICO

COMO USAR A CAIXA LÚDICA

Técnica desenvolvida por Sain Pain que envolve o jogo, a imitação e a


linguagem.

 Objetivos:

1- Verificar na criança a inter-relação que estabelece com o


desconhecido e o tipo de obstáculos dessa relação;
2- Possibilitar uma leitura dos aspectos relacionados à função
semiótica da criança e verificar os níveis de acomodação e
assimilação da criança;
3- Fazer uma leitura dos conteúdos manifestos pela criança com
relação aos aspectos afetivos- emocionais, relacionando-os com
aprendizagem.
 Consigna: Aqui está uma caixa com muitas coisas e você
pode brincar com tudo o que quiser, enquanto isso eu vou
anotar o que você irá fazer, quando terminar o tempo eu te
aviso.
 Duração: 1h.
 Desenvolvimento:
1- Inventário: classificação dos materiais pela
criança(manipulando e olhando);
2- Organização: a utilização do material pela criança;
3- Integração: joga, brinca de verdade e o mostra seu
conhecimento.

Quadro de Avaliação do Jogo.

ASPECTOS AÇÃO DO SUJEITO POSSÍVEIS CAUSAS


INVENTÁRIO

ORGANIZAÇÃO

FUNÇÃO SEMIÓTICA

PROCESSOS
ASSIMILATIVOS

MODELAGENS DE
APRENDIZAGENS

HIPOTÉSES
DELINEAMENTO DA
INVESTIGAÇÃO
Referências: CHAMAT, LEILA. S.JOSÉ. Teste de diagnóstico psicopedagógico. O diagnóstico clínico na
abordagem interacionista. Editora Vetora, São Paulo, 2004.
TÉCNICA PAR EDUCATIVO FAMILIAR

Técnica desenvolvida na Argentina e adaptada por Olivero Palacius.

 Objetivos:
1- Conhecer as relações vinculares familiares sob ótica do sujeito
e como este se coloca tanto geograficamente como
afetivamente no contexto escolar;
2- Levantar o tipo de vinculo que permeia tanto geograficamente
como afetivamente;
3- Detectar outros fatores, oriundos da dinâmica familiar que
possam vir a auxiliar a construção ou confirmação das
hipóteses;
4- Analisar o desenho e a escrita do ponto de vista cognitivo e
motor;
 Material:
1. Folhas sulfites
2. Lápis
3. Borracha

Orientação:

Desenhe sua família e uma família que você gostaria de ter.

Quadro de Avaliação

Roteiro para analises Conteúdo manifesto Conteúdo latente


(ação do sujeito) (significado da ação)
Dinâmica da aplicação
Predisposição da tarefa
Presença dos processos de
recalque
Envolvimento com a tarefa
Desenho
Maturidade cognitiva
Presença de afetividade
Indicador de vinculação
Indicador de
desenvolvimento
Aspectos Moraes
Relato oral
Função
semiótica(elaboração
significativa)
Cognição- esquemas ou
estruturas de pensamentos
compatíveis com a idade
Relato escrito
Erros com
cometidos
Indicadores de problemas
emocionais
Outros dados detectados
Síntese de interpretação
Hipóteses
Delineamento de
investigação
Referências: CHAMAT, LEILA. S.JOSÉ. Teste de diagnóstico psicopedagógico. O diagnóstico clínico na
abordagem interacionista. Editora Vetora, São Paulo, 2004.
TÉCNICA PAR EDUCATIVO

Técnica desenvolvida na Argentina e adaptada por Olivero Palacius.

 Objetivos:
1- Verificar vínculos que a criança estabelece com a aprendizagem
por meio de leitura da relação vincular do ser que ensina com o
ser que aprende;
2- Analisar a produção gráfica e o relato nos seus aspectos
afetivos, cognitivos e motores;
3- Efetuar uma analise do relato verbal e do grafismo do sujeito,
buscando estabelecer uma correlação entre os mesmos
verificando se há um vínculo parcial, ausente ou afetivo.

 Material:
1-Folhas sulfites
2-Lápis
3-Borracha

Orientação:

Desenhe duas pessoas um que está ensinando e outra que está


aprendendo. (No final pedir para dar os nomes e idade das pessoas).
Pedir para desenhar ou escrever uma história a partir di desenho feito
(não esquecer o título).

Quadro de Avaliação

Roteiro para analises Conteúdo manifesto Conteúdo latente


(ação do sujeito) (significado da ação)
Dinâmica da aplicação
Predisposição da tarefa
Presença dos processos de
recalque
Envolvimento com a tarefa
Desenho
Maturidade cognitiva
Presença de afetividade
Indicador de vinculação
Indicador de
desenvolvimento
Aspectos Moraes
Relato oral
Função
semiótica(elaboração
significativa)
Cognição- esquemas ou
estruturas de pensamentos
compatíveis com a idade
Relato escrito
Erros cometidos
Indicadores de problemas
emocionais
Outros dados detectados
Síntese de interpretação
Hipóteses
Delineamento de
investigação
Referências: CHAMAT, LEILA. S.JOSÉ. Teste de diagnóstico psicopedagógico. O diagnóstico clínico na
abordagem interacionista. Editora Vetora, São Paulo, 2004.
TÉCNICA SESSÃO LÚDICA MÃE E FILHO

Técnica apoiada na teoria das relações de Pichon-Rivière

 Objetivos:

1- Levantar modelos de aprendizagem internalizados pelo sujeito


com a leitura dos aspectos manifestos e latentes presentes na
interação mãe-filho durante atividade.
2- Verificar a forma pela qual ambos se vinculam a situações
novas e desconhecidas com o conhecimento;
3- Pesquisar esquemas de pensamentos;
4- Detectar o tipo de vinculo que predomina nessa relação e a
forma pela qual a mãe ensina o filho.

 Material:
Jogos diversos ou materiais para desenho livre.

Orientação:

Este material está à disposição de vocês usem como


quiseram. Estarei aqui observando, alguma dúvida me
perguntem. (Observar um pouco afastado).

Quadro de Avaliação

ASPECTOS A SEREM CONTEÚDO CONTEÚDO LATENTE


OBSERVADOS MANIFESTADO
Modelo de aprendizagem
internalizado do sujeito
A forma de vinculação com
situações novas
A forma de vinculações com
o desconhecido
Esquemas e estruturas de
pensamento-sujeito
Esquemas de estruturas de
pensamento-mãe
Tipo de vinculo mãe-filho

Dinâmica de aplicação
Outros aspectos
Sinais de Interpretação
Hipótese
Referências: CHAMAT, LEILA. S.JOSÉ. Teste de diagnóstico psicopedagógico. O diagnóstico clínico na
abordagem interacionista. Editora Vetora, São Paulo, 2004.
Técnica Coleção de Bonecas

 Objetivos:

1- Verificar a criança a vinculação com a situação nova


desconhecida e com instrumento que gera confusão,
consequentemente observar a presença de elementos de recalque;
2- Levantar os esquemas de pensamentos que a criança dispõe,
tais como classificação, seriação, conservação, lateralidade, tempo-
espaço, etc.

 Material:
36 cartelas com figuras de bonecas semelhantes
agrupadas em 3 grupos de 12 (loiras, ruivas e
morenas) 6 de cabelos compridos e 6 de cabelos
curtos.
Obs: Sempre tem que ser figura de um jeito e a
outra igual sem alguns elementos.

Orientações:

Pedir à criança que organize a boneca agrupando os


pares. Depois peça para ela explicar como fez.

Quadro de Avaliação

Sintomas Possíveis Causas


Presença de estado confessional

Presença de processos de
recalque
Superação de equilíbrio dando um
o desfecho ao conflito
Utilização de mecanismos
antecipatórios
Presença de ausência de
vinculação a situação
desconhecida
Classificação de objetos

Nível de operatoriedade

Percepção de detalhes,
semelhanças e diferenças
Cumprimento da orientação

Fatores emocionais que impede


da tarefa
Dinâmica na aplicação
Interpretação dos dados

Hipóteses
Delineamento da
investigação
Referências: CHAMAT, LEILA. S.JOSÉ. Teste de diagnóstico psicopedagógico. O diagnóstico clínico na
abordagem interacionista. Editora Vetora, São Paulo, 2004.
TÉCNICA DO DESENHO LIVRE

 Objetivos:

1- Verificar no desenho os aspectos afetivos, cognitivos, motores e


emocionais;
2- Analisar a produção do sujeito em relação a outros alunos do
mesmo nível;
3- Observar o desenho como um todo;

 Material;
1- Folhas de Sulfites
2- Lápis
3- Borracha

Orientações:

Gostaria que você me mostrasse desenhando como você gostaria de ser;


Fale sobre seu desenho;
Agora gostaria que você desenhasse como você é;
Fale sobre seu desenho;

Quadro de Avaliação

Roteiro para analises Conteúdo manifesto (ação do sujeito)


A forma pela qual o sujeito vincula-se
com o aprendizado
Níveis de estrutura do pensamento
Maturidade cognitiva e afetiva
Defctismotores (escrita)

Problemas orgânicos

Dificuldades de construção das frases

Dificuldades orais

Síntese de interpretação

Hipótese

Delineamento da investigação

Referências: CHAMAT, LEILA. S.JOSÉ. Teste de diagnóstico psicopedagógico. O diagnóstico clínico na


abordagem interacionista. Editora Vetora, São Paulo, 2004.