Você está na página 1de 35

Universidade Federal de Goiás - Regional Catalão

Unidade Acadêmica Especial de Química

ÁLCOOIS E ÉTERES

Disciplina: Química Orgânica 2


Profa. Dra. Lorena Ramos Freitas de Sousa
lorennarf@yahoo.com.br
lorennarf@ufg.br
2017
ÁLCOOIS E ÉTERES

- Sabores e aromas;

- Natureza: importante fonte de álcoois e éteres

- Etanol: produzido por fermentação

- Vanila: isolada do grão de baunilha

- Mentol: encontrado no óleo de menta (flavorizante e


finalidade medicinal)

2
ÁLCOOIS

 Álcoois: possuem grupo hidroxila (–OH)


ligado a um átomo de C saturado
(hibridizado sp3)

OH OH OH
1o 2o 3o
etanol 2-propanol 2-metil-
(álcool isopropílico) 2-propanol
(álcool terc-butílico) 3
ÁLCOOIS
carbono do álcool saturado de um grupo
alquenila ou alquinila
Fenóis
Compostos que possuem um grupo
hidroxila ligado diretamente a um anel
benzênico
OH

H3C

Phenol 4-Meth

OH OH Cl OH

H3C
4-Metilfenol 2-Clorofenol 4
Phenol 4-Methylphenol 2-Chlorophenol
Nomenclatura
 Álcoois:
- Nomenclatura IUPAC: Em geral, a numeração da cadeia sempre
começa na ponta mais próxima do grupo denominado como sufixo:

localizador prefixo localizador principal sufixo

5
Nomenclatura de Álcoois

3-cloro-1-propanol
ou 4,4-dimetil-2-pentanol
3-cloropropan-1-ol ou
4,4-dimetilpentan-2-ol

6
 Álcoois simples geralmente são chamados por nomes
comuns de sua classe funcional;
 Tais nomes são aprovados pela IUPAC;

Álcool propílico Álcool butílico Álcool sec-butílico

Álcool tert-butílico Álcool isobutílico Álcool neopentílico

7
Nomenclatura de Éteres

 Éteres Simples:
- Os 2 grupos que estão ligados ao átomo de oxigênio são listados
em ORDEM ALFABÉTICA, adicionando-se o sufixo ICO ao
último, precedidos pela palavra ÉTER

Éter etil metílico Éter dietílico Éter fenil tert-butílico


8
Nomenclatura de Éteres

9
Nomenclatura de Éteres
(IUPAC)
-ALCOXIALCANOS, ALCOXIALCENOS E ALCOXIALCINOS;
- O grupo RO – é um grupo alcoxila

2-Metoxipentano 1-Etoxi-4-metilbenzeno 1,2-Dimetoxietano


10
Nomenclatura de
Éteres Cíclicos

- Podem receber nomes de várias maneiras;


- Maneira mais comum: NOMENCLATURA DE
SUBSTITUIÇÃO;
- Relaciona-se o éter cíclico ao sistema de anel do
hidrocarboneto correspondente e usa-se o
PREFIXO OXA – para indicar que um átomo de
oxigênio substitui um grupo CH2;
11
Exemplos:

Oxaciclopropano Oxaciclobutano
ou Oxirano ou Oxetano
(nome comum: óxido de etileno)

Oxaciclopentano 1,4-dioxacicloexano
[nome comum: tetraidrofurano (THF)] (nome comum: 1,4-dioxano)
12
12
Propriedades Físicas dos Éteres
PONTO DE EBULIÇÃO (P.E.):
 Éteres têm P.E. similares aos dos hidrocarbonetos de mesma
massa molecular (MM);
 Por exemplo:
- Éter dietílico (MM=74) é 34,6 ºC;
- Pentano (MM=72) é de 36 ºC
SOLUBILIDADE:
 Éteres são capazes de formar LIGAÇÕES DE HIDROGÊNIO
com compostos como a água e por isso são MUITO SOLÚVEIS
em tais compostos;
 Por exemplo:
- Éter dietílico tem solubilidade em água de 8 g por 100 mL à
temperatura ambiente;
- Pentano é insolúvel em água 13
Propriedades Físicas dos Álcoois
PONTO DE EBULIÇÃO:
 Álcoois têm P.E. bem mais elevados que éteres ou
hidrocarbonetos comparáveis;
 Por exemplo:
- Álcool butílico (MM=74) é 117,7 ºC;
- Pentano (MM=72) é de 36 ºC
- Éter dietílico (MM=74) é 34,6 ºC;
 Isso porque as moléculas de álcoois podem se associar entre si
através de LIGAÇÕES DE HIDROGÊNIO

14
14
Álcoois x Éteres

15
SÍNTESE DE ÁLCOOIS
A PARTIR DE ALCENOS
 Reações importantes:

1- Hidratação de Alcenos Catalisada por Ácidos;


2- Oximercuração-Desmercuração
3- Hidroboração-Oxidação

16
SÍNTESE DE ÁLCOOIS A PARTIR DE ALCENOS

 Hidratação de alcenos catalisada por ácido

● Regiosseletividade Markovnikov

● Carbocátion intermediário favorece rearranjos


17
Mecanismo:
Etapa 1:
lenta

O alceno doa um par de elétrons para um próton


para formar o carbocátion 3º mais estável

Etapa 2:

rápida

O carbocátion reage com uma molécula de água para


formar um álcool protonado 18
Mecanismo:

Etapa 3:

rápida

Uma transferência de um próton para uma molécula de água leva


ao produto

19
 Hidroboração-oxidação

1) Anti-Markovnikov e adição sin

2) –OH substitui o boro com a retenção da


configuração

3) Produto: mistura de enantiômeros 20


 Mecanismo de Hidroboração:

 Hidreto de Boro é adicionado successivamente às


ligações duplas de três moléculas do alceno para formar
o alquilborano

Esta reação é útil quando deseja-se um produto que NÃO SIGA A


REGRA DE MARKOVNIKOV;

21
 Mecanismo de Hidroboração:

Adição ocorre através da formação inicial de um complexo π, o qual muda para um estado cíclico
de quatro membros com o boro sendo adicionado ao átomo de C menos impedido. As ligações
pontilhadas no estado de transição representam ligações parcialmente formadas ou
parcialmente quebradas. O E.T. resulta em uma adição sin do hidrogênio e do grupo boro,
levando a um alquilborano. As outras ligações B-H do alquilborano podem sofrer adições
similares, levando finalmente ao trialquilborano alquilborano

Adição ocorre através da formação inicial de um complexo π, o


qual muda para um estado cíclico de quatro membros com o boro
sendo adicionado ao átomo de C menos impedido.

O E.T. resulta em uma adição sin do hidrogênio e do grupo boro,


levando a um alquilborano. 22
22
Uma visão orbitalar da adição Syn via hidroboração:

Adição syn
Complexo π (doação da (mesmo lado) de
densidade eletrônica π hidrogênio e boro
E.T. sincronizado de
Orbital p vazio do alceno para o orbital
4 átomos (resulta em
do boro p vazio do boro)
adição syn)

23
Estereoquímica da Hidroboração:

 O boro e o hidreto se adicionam com estereoquímica syn

24
 Oxidação dos Trialquilboranos:
 Oxidação e hidrólise ocorrem com retenção de
configuração:

Trialquil- Íon
borano hidroperóxido Intermediário Instável Éster borato

O átomo de boro recebe Um grupo alquila migra para o


um par de elétrons do átomo de oxigênio adjacente à
íon hidroperóxido para medida que um íon hidróxido
formar um sai. A configuração no carbono
intermediário instável que está migrando permanece
inalterada.

25
 Oxidação dos Trialquilboranos:
 Oxidação e hidrólise ocorrem com retenção de
configuração:

A transferência do próton
O ânion hidróxido Um ânion
completa a formação de uma
ataca o átomo de alcóxido sai do
molécula de álcool. A seqüência se
boro do éster ânion borato,
repete até que todos os 3 grupos
borato reduzindo a carga
alcóxido sejam liberados como
formal no boro
álcoois e o borato inorgânico
para zero.
permaneça.

26
 Oximercuração-Desmercuração

OH OH
Hg(OAc)2 NaBH4
C C C C C C
H2O, THF NaOH
HgOAc H

● Regiosseletividade Markovnikov

● Sem rearranjos

● Hidratação global não é estereosseletiva, pois a


desmercuração não é estereosseletiva (mistura de
produtos sin e anti)
27
Mecanismo da Oximercuração:

Etapa 1:

O acetato de mercúrio dissocia-se para formar o cátion e o ânion


Etapa 2:

O alceno doa um par de elétrons para o cátion eletrofílico HgOAc+ para


formar um CARBOCÁTION DE MERCÚRIO EM PONTE.

28
28
Etapa 3:

Uma molécula de água ataca o carbono do íon mercurínio que é mais


capaz de conter a carga parcial positiva

Etapa 4:

Uma reação ácido-base transfere um próton para outra molécula de


água (ou para um íon acetato). Esta etapa produz o composto
(hidroxialquil) mercúrio

29
Desmercuração:
 Nesta etapa, o boroidreto de sódio reduz o grupo
acetoximercúrio e o substitui com o hidrogênio

30
• Exercícios

31
• Síntese (1)
H
OH

● anti-Markovnikov (adição H–OH)

● Hidroboração e oxidação
H
OH
1. BH3 • THF
2. H2O2, NaOH
 Hidratação por catálise ácida
HO


H

H2O

H
Rearranjo de
o carbocátion
(2 cation)
• Síntese (2)
OH
H

● Adição Markovnikov (H–OH)


 Hidratação por catálise ácida
 Oximercuração-desmercuração

● Hidratação por catálise ácida haverá rearranjo de


carbocátion então não seria uma boa opção.
 Oximercuração-Desmercuração
OH
H

Hg(OAc)2 OH NaBH4
H2O, THF NaOH

HgOAc