Você está na página 1de 39

Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Departamento Interdisciplinar
DIL01150 – Circuitos Elétricos II

Análise de Potência em C.A.

Professor: Pablo Leonardelli


Maio, 2017
Conteúdos:

• Potência instantânea;
• Potência média e reativa;
• Máxima transferência de potência média;
• Valores eficazes RMS;
• Potência aparente e fator de potência;
• Correção do fator de potência;
• Potência complexa;
• Conservação de potência CA;
Introdução:

• A gama de problemas que trata do fornecimento de energia elétrica para


produzir trabalho é considerável, desde determinar a potência nominal de
um eletrodoméstico para o seu funcionamento seguro e eficiente, até o
projeto de grandes conjuntos geradores , transformadores e linhas de
transmissão que fornecem energia elétrica a consumidores residenciais e
industriais.
• Praticamente toda forma de energia elétrica é entregue na forma de
tensões e correntes senoidais. Por isso, será estudada a potência em regime
permanente senoidal.
Potência instantânea:

Potência instantânea em um circuito em Onde a tensão e corrente no domínio do


regime permanente senoidal: tempo são dadas por:

𝑝 𝑡 =𝑣 𝑡 𝑖 𝑡 (1) 𝑣 𝑡 = 𝑉𝑚 𝑐𝑜𝑠 𝜔𝑡 + 𝜃𝑣 (2)


𝑖 𝑡 = 𝐼𝑚 𝑐𝑜𝑠 𝜔𝑡 + 𝜃𝑖 (3)
Em regime permanente, as Equações 2 e 3
podem ser reescritas como:
𝑣 𝑡 = 𝑉𝑚 𝑐𝑜𝑠(𝜔𝑡 + 𝜃𝑣 − 𝜃𝑖 )
𝑖 𝑡 = 𝐼𝑚 𝑐𝑜𝑠(𝜔𝑡)
Potência instantânea: Relações trigonométricas utilizadas:

1 1
(a) 𝑐𝑜𝑠𝛼𝑐𝑜𝑠𝛽 = cos 𝛼 − 𝛽 + cos(𝛼 + 𝛽)
Logo, a potência 𝒑 𝒕 = 𝒗𝒊 é dada por: 2 2
(b) cos 𝛼 + 𝛽 = 𝑐𝑜𝑠𝛼𝑐𝑜𝑠𝛽 − 𝑠𝑒𝑛𝛼𝑠𝑒𝑛𝛽
𝑝 𝑡 = 𝑉𝑚 𝑐𝑜𝑠(𝜔𝑡 + 𝜃𝑣 − 𝜃𝑖 )𝐼𝑚 𝑐𝑜𝑠(𝜔𝑡)

Utilizando a identidade trigonométrica (a) utilizando 𝛼 = 𝜔𝑡 + 𝜃𝑣 − 𝜃𝑖 e 𝛽 = 𝜔𝑡 podemos


reescrever a equação como:
𝑉𝑚 𝐼𝑚 𝑉𝑚 𝐼𝑚
𝑝 𝑡 = cos 𝜃𝑣 − 𝜃𝑖 + cos(2𝜔𝑡 + 𝜃𝑣 − 𝜃𝑖 )
2 2
Aplicando-se a identidade trigonométrica (b) ao segundo termo da equação acima com 𝛼 =
𝜃𝑣 − 𝜃𝑖 e 𝛽 = 2𝜔𝑡 , obtém-se a equação para potência instantânea comumente utilizada:

𝑉𝑚 𝐼𝑚 𝑉𝑚 𝐼𝑚 𝑉𝑚 𝐼𝑚
𝑝 𝑡 = cos 𝜃𝑣 − 𝜃𝑖 + cos 𝜃𝑣 − 𝜃𝑖 cos 2𝜔𝑡 − se𝑛 𝜃𝑣 − 𝜃𝑖 𝑠𝑒𝑛(2𝜔𝑡)
2 2 2
Exemplo:
𝑣 𝑡 = 10cos(60 2𝜋 𝑡 + 0)
𝑖 𝑡 = 2cos(60 2𝜋 𝑡 − 𝜋/3)
Potência média (ativa) e potência reativa:
Como os ângulos da tensão e corrente não se alteram ao longo do tempo, o termo 𝒄𝒐𝒔(𝜃𝑣 − 𝜃𝑖 ) é
constante. Com isso, define-se duas constantes de potência: P e Q. O primeiro termo se refere à
potência média ou ativa , o segundo à potência reativa.

𝑉𝑚 𝐼𝑚 𝑉𝑚 𝐼𝑚 𝑉𝑚 𝐼𝑚
𝑝 𝑡 = cos 𝜃𝑣 − 𝜃𝑖 + cos 𝜃𝑣 − 𝜃𝑖 cos 2𝜔𝑡 − se𝑛 𝜃𝑣 − 𝜃𝑖 𝑠𝑒𝑛(2𝜔𝑡)
2 2 2

Potência média ou ativa:


𝑉𝑚 𝐼𝑚
𝑃= cos 𝜃𝑣 − 𝜃𝑖
2
𝑝 𝑡 = 𝑃 + 𝑃 cos 2𝜔𝑡 − 𝑄𝑠𝑒𝑛(2𝜔𝑡)
Potência reativa :
𝑉𝑚 𝐼𝑚
𝑄= 𝑠𝑒𝑛(𝜃𝑣 − 𝜃𝑖 )
2
Potência média (ativa) e potência reativa:
Potência média (ativa) :
É a potência que efetivamente realiza trabalho gerando calor, luz, movimento, etc. Pode ser obtida
pela média da potência instantânea e é medida em watts (W).
1 𝑡0 +𝑇
𝑃= න 𝑝 𝑡 . 𝑑𝑡
𝑇 𝑡0
0 0

𝑡0 +𝑇 𝑡0 +𝑇 𝑡0 +𝑇
1 𝑉𝑚 𝐼𝑚 𝑉𝑚 𝐼𝑚 𝑉𝑚 𝐼𝑚
𝑃= න cos 𝜃𝑣 − 𝜃𝑖 𝑑𝑡 + න cos 𝜃𝑣 − 𝜃𝑖 cos 2𝜔𝑡 𝑑𝑡 − න se𝑛 𝜃𝑣 − 𝜃𝑖 𝑠𝑒𝑛(2𝜔𝑡) 𝑑𝑡
𝑇 𝑡0 2 𝑡0 2 𝑡0 2

𝑉𝑚 𝐼𝑚
𝑃= cos 𝜃𝑣 − 𝜃𝑖
2
Potência média (ativa) e potência reativa:
Potência reativa:
É a potência usada apenas para criar e manter os campos eletromagnéticos das cargas indutivas e
capacitivas, ou seja, é uma consequência da presença de elementos indutivos ou capacitivos nos
circuitos. Não é utilizada para gerar transformar energia elétrica em algum outro tipo de energia (calor,
luz, movimento, etc.). É medida em var (volt-amp reativo, ou VAR)

𝑉𝑚 𝐼𝑚
𝑄= 𝑠𝑒𝑛(𝜃𝑣 − 𝜃𝑖 )
2
Potência média (ativa) e potência reativa:

P
Potência média (ativa) e potência reativa:
Circuito puramente resistivo:
Se o circuito for puramente resistivo, a
tensão e a corrente estarão em fase, o que
significa que 𝜃𝑣 = 𝜃𝑖 . Então a potência
instantânea se resume à:

𝑝 𝑡 = 𝑃 + 𝑃𝑐𝑜𝑠(2𝜔𝑡)

A figura ao lado mostra o gráfico da


equação acima considerando 𝝎 = 𝟑𝟕𝟕𝒓𝒂𝒅/𝒔 e
P=1 W. Pode-se observar que a potência neste
caso nunca é negativa, ou seja não é possível
extrair potência de uma rede puramente
resistiva. Toda energia elétrica é dissipada em
forma de calor.
Potência média (ativa) e potência reativa:
Circuito puramente indutivo:
Se o circuito for puramente indutivo, a
corrente está atrasada em 90° da tensão, o que
significa que 𝜃𝑣 − 𝜃𝑖 = 0 − −90 = +90° .
Então a potência instantânea se resume à:

𝑝 𝑡 = −𝑄𝑠𝑒𝑛(2𝜔𝑡)

Neste caso, a média da potência é 0 e a


potência instantânea é positiva quando a
energia está sendo armazenada nos campos
magnéticos associados a elementos indutivos e
é negativa quando a energia está sendo
extraída dos mesmos campos magnéticos.
Potência média (ativa) e potência reativa:
Circuito puramente capacitivo:
No caso do circuito puramente capacitivo,
temos que a corrente está adiantada em
relação a tensão e 𝜃𝑣 − 𝜃𝑖 = 0 − 90 = −90°.

𝑝 𝑡 = −𝑄𝑠𝑒𝑛(2𝜔𝑡)

A média da potência continua sendo zero,


porém Q assume o valor negativo.
Fator de potência: F.P.
O ângulo 𝜃𝑣 − 𝜃𝑖 desempenha um papel importante no cálculo da potência média e reativa e é
denominado ângulo de fator de potência. O cosseno deste ângulo é denominado fator de potência.

𝐹𝑃 = cos(𝜃𝑣 − 𝜃𝑖 ) 0 < 𝐹𝑃 < 1

O fator de potência deve estar acompanhado de sua denominação : atrasado ou adiantado.

• Fator de potência atrasado – Significa que a corrente está atrasada em relação a tensão, daí um
circuito com cargas indutivas.
• Fator de potência adiantado – Significa que a corrente está adiantada em relação a tensão, daí um
circuito com cargas capacitivas.
• FP=1 – Um fator de potência unitário representa um circuito com cargas puramente resistivas, já
que a corrente está em fase com a tensão.
• FP=0 – Significa que só há a presença de cargas indutivas e/ou capacitivas no sistema.
Exemplo:

a) Calcule a potência média e a potência reativa nos terminais do circuito abaixo


b) O circuito dentro da caixa está absorvendo ou fornecendo potência ativa? (na convenção adotada
na figura)
c) O circuito dentro da caixa está absorvendo ou fornecendo vars? (na convenção adotada na figura)

+ 𝑣 𝑡 = 100 cos 𝜔𝑡 + 15° 𝑉

𝑖 𝑡 = 4sin(𝜔𝑡 − 15°) 𝐴
-
Valor eficaz (RMS):
• Além do valor médio, outra característica de sinais periódicos é o
seu valor RMS ou valor eficaz. Ele consiste na raiz da média do
sinal elevado ao quadrado.

T
1
Yef  . [ y (t )] .dt
2

T 0

• Se tratando de eletricidade o valor RMS nos fornece o valor de


tensão (ou corrente) em um circuito de corrente alternada que se
equivale ao mesmo circuito com tensão e corrente contínua.
Valor eficaz (RMS):
• No caso da tensão senoidal:
T
1 Vm
Vef  . Vm cos (t   v ).dt 
2 2

T 0 2

• De maneira análoga, a corrente senoidal é:

Im
I ef 
2
Valor eficaz (RMS):

• As potências com valores eficazes são dadas por:


Exemplo de dissipação de potência em um resistor:
Máxima transferência de potência média:

• Certos sistemas operam com uma


perspectiva de se poder transferir
uma quantidade máxima de
potência da fonte pra carga;

• Para o cálculo de máxima


transferência de potência deve-se
determinar a carga 𝒁𝑳 a qual esta
condição aconteça.
Máxima transferência de potência média:
Qualquer rede linear pode ser vista a partir
dos terminais da carga como um circuito
equivalente de Thévenin. Assim torna-se
necessário apenas determinar o valor de 𝒁𝑳
que resulta em máxima potência média a ser
fornecida .
Máxima transferência de potência média:
Máxima transferência de potência média:

A primeira derivada parcial é zero quando:


Máxima transferência de potência quando:
A segunda derivada parcial é zero quando:
Máxima transferência de potência média:
Quando 𝒁𝑳 = 𝒁𝑻𝒉∗ a máxima potência transferida é dada por:
Máxima transferência de potência média:
Exemplos:
Potência Complexa
A potência complexa é dada pela soma complexa da potência média ou
ativa com a potência reativa:

𝑆 = 𝑃 + 𝑗𝑄 [𝑉𝐴]

A potência complexa, representada na equação pelo termo “S” se chama


POTÊNCIA APARENTE. Ela possui dimensão igual a potência ativa e reativa,
porém, para diferenciar das outras duas, sua unidade é o VA (Volt-Aparente).
Potência Complexa
Relembrando:

Potência média ou ativa: Potência reativa :


𝑃 = 𝑉𝑒𝑓 𝐼𝑒𝑓 cos 𝜃𝑣 − 𝜃𝑖 𝑄 = 𝑉𝑒𝑓 𝐼𝑒𝑓 𝑠𝑒𝑛(𝜃𝑣 − 𝜃𝑖 )

Potência aparente:

𝑆 = 𝑉𝑒𝑓 𝐼𝑒𝑓 cos 𝜃𝑣 − 𝜃𝑖 + 𝑗𝑉𝑒𝑓 𝐼𝑒𝑓 𝑠𝑒𝑛 𝜃𝑣 − 𝜃𝑖 [𝑉𝐴]

Ainda:
𝑃 = ℜ{𝑆} 𝑄 = ℑ{𝑆}
Potência Complexa:
Resumo dos 3 tipos de potência em circuitos de corrente alternada:

𝑃 𝑃 = 𝑉𝑒𝑓 𝐼𝑒𝑓 cos 𝜃𝑣 − 𝜃𝑖 𝑊


𝑄 𝑄 = 𝑉𝑒𝑓 𝐼𝑒𝑓 𝑠𝑒𝑛(𝜃𝑣 − 𝜃𝑖 ) 𝑉𝐴𝑅
𝑆 𝑆 = 𝑃 + 𝑗𝑄 𝑉𝐴
Potência Complexa: Triângulo de potência

É possível analisar a potência complexa através de uma análise trigonométrica


no plano real-imaginário.
𝑆= 𝑃2 + 𝑄 2

S 𝑃 = 𝑆𝑐𝑜𝑠(𝜑) 𝑄 = 𝑆𝑠𝑒𝑛(𝜑)
Q
𝜑 = 𝜃𝑣 − 𝜃𝑖 𝑃

P
𝐹𝑃 = 𝑐𝑜𝑠 𝜑 =
𝑆

𝑄
𝜑 = 𝑎𝑟𝑐𝑡𝑔
𝑃
Potência complexa:
Exemplos:
Potência Complexa: cálculo de potência
Agora possuímos todas ferramentas para
deduzir equações adicionais que podem ser
usadas para calcular as potências ativas,
reativas e aparentes.
Potência Complexa: cálculo de potência
Ainda é possível calcular a potência Exemplo:
aparente da seguinte maneira:

𝑃 𝑄
Potência Complexa: cálculo de potência
Se considerarmos o circuito da figura, onde uma fonte fornece tensão e corrente
alternada para uma carga genérica, chamada de Z, podemos dizer que a potência
em Z é dada por:
∗ 2 2 𝐼𝑒𝑓
𝑆 = 𝑍𝐼𝑒𝑓 𝐼 = 𝐼𝑒𝑓 𝑍 = 𝐼𝑒𝑓 (𝑅 + 𝑗𝑋)
2 2 +
= 𝐼𝑒𝑓 𝑅 + 𝑗 𝐼𝑒𝑓 𝑋 = 𝑃 + 𝑗𝑄
𝑉𝑒𝑓 𝑍 = 𝑅 + 𝑗𝑋
2 2
𝑃 = 𝐼𝑒𝑓 𝑅 𝑄 = 𝐼𝑒𝑓 𝑋 -

𝑉𝑒𝑓 =𝑍𝐼𝑒𝑓
Como seria a mesma análise considerando a
tensão ao invés da corrente?
Potência complexa:
Exemplos:
Potência Complexa: correção do FP
As plantas industriais normalmente demandam uma grande quantidade de energia
elétrica e possuem cargas dos mais variados tipos. Normalmente, a natureza destas
cargas é indutiva, fazendo com que o fator de potência seja atrasado. Com a
presença de um número elevado de cargas indutivas, decorrentes de: motores,
compressores, transformadores, máquinas de solda, entre outros, o fator de
potência pode ser baixo, ou seja, há uma grande quantidade de potência reativa
sendo demandada da rede.

S
𝜑 = 𝜃𝑣 − 𝜃𝑖 Q

P

Potência Complexa: correção do FP
Consequências de um baixo fator de potência:

• Perdas na rede.
• Queda de tensão.
• Subutilização da capacidade instalada
• Cobrança de excedentes reativos, aplicação de multas.

No Brasil, a Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL estabelece que o


fator de potência, indutivo ou capacitivo, nas unidades consumidoras, não
deve ser inferior a 0,92. Esse limite é determinado pelo Artigo nº 64 da
Resolução ANEEL nº456 de 29/11/2000.
Potência Complexa: correção do FP
Para corrigir um baixo fator de potência, normalmente são introduzidos no sistema
bancos de capacitores em paralelo com a carga. Sabe-se que cargas indutivas
produzem um valor de Q positivo e cargas capacitivas um valor de Q negativo.
Portanto, a introdução de capacitores contrabalança o valor de Q,
consequentemente aumentando o Fator de Potência.
Potência Complexa: correção do FP
Para uma mesma potência ativa, aumentar o fator de potência significa diminuir a
potência reativa e, consequentemente, a potência aparente necessária.

Os cálculos de correção de um fator de potência original para um novo


normalmente se dão em 4 etapas:

1. Calcula-se o ângulo do novo fator de potência.


2. Calcula-se um novo valor para Q.
3. A diferença entre o Q novo e o Q antigo é o Q capacitivo necessário para
aumentar o fator de potência.
4. Com base no Q capacitivo necessário, calcula-se o valor do valor do capacitor
necessário.
Potência Complexa: correção do FP
Potência complexa: correção do FP
Exemplos: