Você está na página 1de 48

Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.

Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Um país onde as
escolas ainda são
muito desiguais
Há uma certeza que os alunos
podem ter: a maioria vai chumbar
Elitistas? Vias profissionais
resultam pior nos antigos liceus
Reportagem: luta para não perder
alunos e é a surpresa do ano
Onze escolas inflacionam
notas há nove anos seguidos

Listas e todas
r d e n a das d com
o escolas nos
as s alunos
o is
notasmd es nacionação publico.pt/ranking2017
exa racteriza
e a ca s famílias
PÚBLICO
da Católica
Porto
Business
School
DANIEL ROCHA

37e88b2a-b092-4c3f-9cb2-0e1e9f5091e0
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

2 • Público • Sábado, 3 de Fevereiro de 2018

RANKING BÁSICO E SECUNDÁRIO

“A nossa aposta é o colinho. Damos


o que já não existe noutras escolas”
A Escola Henrique Sommer, em Maceira,
constitui a surpresa do ranking
do ensino secundário. Aqui, luta-se
a cada ano para não perder alunos
para cidades (e escolas) maiores
os professores, houve uma “abertura
Secundário de horizontes”: a maioria dos finalis-
Margarida David Cardoso tas passou a ter o objectivo de seguir
para o ensino superior, algo que os
Sara Filipe começou a frequentar o pais não fizeram. E a escola subiu 194
Agrupamento de Escolas Henrique lugares no ranking face a 2016.
Sommer, na vila de Maceira, em Lei- Ana Paula Andrade, professora e
ria, muito antes de se poder dizer coordenadora do departamento de
que estava ali para estudar. Entrou Matemática da Henrique Sommer,
aos quatro anos no jardim-de-in- explica a evolução: “A nossa aposta
fância e agora está a poucos meses é o colinho. Não os levamos ao co-
de terminar o 12.º ano, aos 18 anos. lo, mas percebemos que podemos
Depois há-de seguir para o curso de dar um carinho e atenção que já não
Medicina. Não lhe faz confusão ter existe noutras escolas.”
apenas 25 colegas da mesma idade. Aqui o ensino “é mais humaniza-
“Já pensei mudar para uma escola do”, prossegue, enquanto os colegas
maior. Mas aqui tenho um nome, sentados à volta da mesa na pequena
uma história, não sou mais um nú- biblioteca anuem em aprovação. O
mero. E fiquei.” director do agrupamento, Jorge Ba-
Sara é uma espécie de aluna-tipo jouco, fez questão que todos viessem
da Escola Básica e Secundária Hen- explicar como “os resultados são fru-
rique Sommer, a cerca de 15 quiló- to do trabalho comum”. Dizem que
metros — e 15 minutos — de Leiria. é por isso que a escola, com 33 anos,
Com 12,25 valores de média, esta é foi também, no ano passado, a que
a escola-surpresa dos rankings deste mais superou a média de exames que
ano. Em dez anos nunca apareceu era esperada face ao seu contexto.
em lugares cimeiros até que em 2017 Esta é outra forma de olhar pa-
os seus alunos conseguiram a 2.ª me- ra o desempenho das escolas: em
lhor média das escolas públicas do colaboração com a Universidade
país. A melhor pertence a um esta- Católica, primeiro, e mais recente-
belecimento que não costuma sair-se mente com Católica Porto Business
mal: a Secundária Garcia de Orta, no School, o PÚBLICO tem analisado
Porto (12,42). ano após ano o desempenho das
Olhando para escolas públicas e escolas tendo em conta também as
privadas, sem distinção, o n.º 1 abso- características socioeconómicas dos
luto do ranking é pela sexta vez ocu- seus alunos, como, por exemplo, a
pado pelo Colégio Nossa Senhora percentagem dos que beneficiam
do Rosário, também no Porto: 14,92 de Acção Social Escolar (ASE) — o
de média. apoio do Estado que só é atribuído plicar o sucesso quando ele exis- A maioria dos finalistas passou so não tenho como os contrariar.”
A ordenação do melhor para o a estudantes oriundos de agregados te, também a coloca numa corda a ter o objectivo de seguir para o “Excelentes”, “focadíssimos”,
pior resultado é feita pelo PÚBLICO familiares que têm um rendimento bamba. Nos últimos anos, viu-se ensino superior “bons meninos”. Os professores
com base nas médias dos exames de mensal igual ou inferior ao salário a braços com a perda de alunos. repetem elogios aos finalistas do
oito disciplinas — aquelas em que mínimo nacional. Na mudança para o secundário, a ano passado — os que conseguiram
mais alunos são avaliados. Só são ti- As escolas do país são agrupadas maioria troca a vila da Maceira — EBS Henrique Sommer catapultar a escola para o topo do
das em conta as 593 escolas com 50 em três contextos: do “contexto 1”, que não chegava a ter 10 mil habi- LEIRIA ranking. A decisão de ir para a uni-
ou mais provas realizadas. o mais carenciado, ao 3, o mais fa- tantes nos censos de 2011 — pelos Contexto Intermédio versidade é determinante. E é o
vorecido. A escola de Maceira, com centros urbanos de Leiria, Batalha que melhor explica o facto de, num
“Abertura de horizontes” 22% dos alunos do 12.º ano benefi- ou Marinha Grande a pouco minu- Provas no secundário 89 ano, a escola quase ter duplicado
A maioria dos alunos da Henrique ciários da ASE em 2016, pertence tos de caminho. Todos os anos é Média (exames nacionais) 12,25 a média nos exames de Matemáti-
Sommer fez ali todo o seu percurso ao escalão intermédio (2). E quando uma luta, diz Jorge Bajouco. “Não ca (de 7,33 em 2016 para 13,64 va-
Média que seria de esperar 9,96
escolar, num agrupamento em que o se compara com outras semelhan- há bons exames que nos valham. face ao seu contexto lores em 2017). Melhorias também
pré-escolar, o básico e o secundário tes consegue melhores notas nos Quando eles me dizem que nou- sentidas a Português (de 11,56 para
formam uma escola única. Tanto no exames. tras escolas terão mais pessoas da Lugar (ranking dos exames) 37 13,47 valores), disciplina em que
ano passado, como este ano, dizem Se a pequena dimensão pode ex- mesma idade, fico sem armas. Nis- *com pelo menos 50 provas realizadas 593* obteve o terceiro melhor desem-
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Público • Sábado, 3 de Fevereiro de 2018 • 3

RANKING BÁSICO E SECUNDÁRIO

1.º
O Colégio Nossa Senhora do
Rosário, no Porto, volta a ser
o n.º 1 no ranking do ensino
Rankings do PÚBLICO/Católica Porto Business
School para as escolas do ensino básico e secundário.
Consulte online como se saem as escolas nos
exames nacionais, a que contexto socioeconómico
pertencem e quantos alunos chumbam.
Veja mais em publico.pt/ranking2017

secundário
SEBASTIÃO ALMEIDA
percebe? Porque muitas vezes não
caracteriza nada mesmo o trabalho
das escolas. E o mesmo direi agora. Colégios voltam a dominar
Claro que temos muito orgulho em
ter bons resultados, mas quem nos o ranking dos exames
garante que daqui a uns anos as coi-
sas não voltam a piorar?”
Os alunos já estão à porta quando
Ana Paula Andrade chega para a aula
do 12.º ano no bloco mais recuado Bárbara Wong
da escola. Aquele pequeno edifício e Clara Viana
branco, com beirais verdes e janelas
de madeira, é também o mais anti- A grande maioria das escolas con-
go. Fará quase 100 anos que Henri- tinuou em 2017 em terreno posi-
que Sommer o mandou construir, tivo nas médias que alcançaram
nos limites da antiga Companhia de nos exames do 9.º ano e do ensino
Cimentos de Leiria, da qual foi fun- secundário. No secundário, 76,2%
dador, para que fosse a escola dos das 626 escolas onde se realizaram
filhos dos operários. exames conseguiram 9,5 valores ou
Sentados ao fundo da sala, Fran- mais numa escala que vai de 0 a 20.
cisco Marques e Rafael Lopes, de É uma tendência que se tem vindo
17 anos, contam que, “se possível”, a consolidar desde 2015.
vão seguir para o ensino superior no No 9.º ano, das 1209 escolas onde
próximo ano. Francisco faz mesmo foram feitas provas finais de Portu-
questão de sair de Leiria, “conhecer guês e Matemática, os únicos exames
outras realidades” fora da freguesia deste nível de escolaridade, 87,5%
onde sempre viveu e da escola onde conseguiram ter 2,5 ou mais valores
estuda desde o 5.º ano. numa escala de 1 a 5. Tanto no bási- A maioria das escolas tem
Quando começou o secundário, co como no secundário os colégios média positiva nos exames
havia duas turmas de 10.º ano. Um voltam a dominar os lugares cimeiros
ano depois, o elevado número de re- destas listas em que as escolas são lugar pertence à Escola Secundária
provações fez com que se juntassem ordenadas apenas em função das Infanta D. Maria, em Coimbra, uma
numa única classe. médias dos exames. presença regular nos lugares cimei-
O PÚBLICO só atribui uma ordem ros dos rankings, tanto do básico co-
Muitos chumbos às 593 escolas secundárias que rea- mo do secundário.
De facto, apesar dos bons resultados lizaram 50 ou mais provas e apenas A Secundária Garcia da Orta é a
quando se fala de médias de exa- tem em conta as médias dos oito exa- escola sede de um agrupamento
mes, a escola está entre as últimas mes mais concorridos de um total que reúne outros quatro estabele-
naquele que pode ser considerado de 22 disciplinas para as quais este cimentos de ensino e que tem uma
um “ranking alternativo” — o “indica- tipo de avaliação existe. O primeiro oferta desde o ensino pré-escolar
dor global dos percursos directos de lugar do ranking volta a pertencer até ao 12.º ano. Esta é uma das “van-
sucesso” do Ministério da Educação pela sexta vez ao Colégio Nossa Se- tagens” apontadas pelo seu direc-
mede ao longo de três gerações de es- nhora do Rosário, no Porto. tor, Rui Fonseca: “A grande maioria
tudantes, entre 2015 e 2017, quantos No 9.º ano, com 1049 escolas or- dos nossos alunos está aqui desde
conseguem fazer o secundário sem denadas, por terem pelo menos 50 o pré-escolar, o que nos permite ir
chumbar um ano e ter positiva nas provas, o melhor resultado pertence colmatando as dificuldades que vão
provas essenciais no 12.º. ao Colégio Minerva, no Barreiro. surgindo.” Acrescenta que o agru-
Quando as coisas são postas nes- Ao contrário do que sucede ha- pamento se pauta pelo “rigor e pela
penho entre as escolas públicas. que eles aparecem todos ao apoio. tes termos, a Henrique Sommer fi- bitualmente, estes dados só foram excelência”, que conta com “alunos
“Aqui o facto de os alunos terem Se os pais não estivessem por trás, ca em 521.º em 542 escolas para as divulgados pelo Ministério da Edu- empenhados” e que em vez de “pen-
objectivos muito claros é uma gran- acha que eles vinham todos?” quais há estes dados. Isso significa cação em Janeiro, no ano seguinte sar só nos exames aposta em formar
de vitória. É um meio pequeno e em que chumba mais os seus alunos do ao da realização dos exames, e por cidadãos activos”.
que os encarregados de educação Para os filhos dos operários que seria de esperar face ao perfil essa razão a publicação dos rankings Já a direcção do Colégio Nossa
são muito dedicados, mas têm níveis Os resultados dependem também dos mesmos. só agora foi possível. Senhora do Rosário tem atribuí-
de escolaridade baixos”, sublinha das características dos alunos, que O foco de Sara, que desde cedo A primeira escola pública, no do a permanência na liderança do
Clara Abrantes, a professora que podem mudar de ano para ano, já tinha como objectivo entrar em Me- secundário, aparece em 32.º lugar ranking do secundário “à conju-
levou os estudantes do 12.º ano ao que a escola, garante o seu direc- dicina, “está no projecto académico” e no 9.º ano em 26.º. No primeiro gação de vários factores, entre os
exame de Matemática e os acompa- tor, “trabalha sempre com o mesmo e, nesse campo, acredita que “não caso trata-se de uma estreia, com a quais um corpo docente estável,
nhava desde o 7.º. método”. Isso não impediu que, há podia ter escolhido melhor”. Tanto Escola Secundária Garcia de Orta, alunos motivados com opções e
E há um apoio de retaguarda: os cerca de dez anos, “um ranking cor- pelos colegas, “todos se ajudam”, do Porto, a liderar pela primeira vez uma carga lectiva reforçada a vá-
jovens têm apoio semanal às disci- resse muito mal”. “A agência Lusa como pelos docentes: “Nós somos o batalhão das públicas. Nos últimos rias disciplinas”.
plinas de exame, voluntário e para ligou-me e foi uma dor muito gran- quase como os sobrinhos deles.” anos não se tinha saído mal (era 61.ª
toda a turma. “As colegas de outras de”, conta Jorge Bajouco. “Eu dizia no ano passado e 40.ª em 2015), mas bwong@publico.pt
escolas ficaram surpreendidas por- na altura que isto é muito injusto, margarida.cardoso@publico.pt não chegara ao topo. No 9.º ano este cviana@publico.pt
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

4 • Público • Sábado, 3 de Fevereiro de 2018

RANKING BÁSICO E SECUNDÁRIO

Há uma certeza que os alunos


podem ter: a maioria vai chumbar
São poucas as escolas que conseguem O que nos diz o indicador do sucesso do Ministério da Educação
garantir, em simultâneo, o sucesso
dos seus alunos do 3.º ciclo e do As três MELHORES As três PIORES
ESCOLAS
secundário, quando este é medido BÁSICO
PRIVADAS PÚBLICAS

Alunos não chumbam no 7.º e 8.º anos e têm positiva nos dois exames do 9.º ano
pela ausência de retenções
Lugar no ranking Percursos de sucesso Exemplo: 80,5% dos alunos tiveram um percurso de
semelhante à entrada do 3.º ciclo ou do sucesso na escola sucesso; a média nacional para alunos parecidos foi
Percursos de sucesso do secundário. Neste indicador glo- de 53,2%; a escola conseguiu a maior diferença
Clara Viana bal de percursos directos de suces- Lugar no ranking
tradicional, apenas
Diferença face à
média nacional
positiva, por isso está em 1.º lugar no ranking.
so, o nome que lhe foi dado pelo ME,
com base nas médias ...a escola conseguiu a
Quando entram no 3.º ciclo do ensi- quanto maior for aquela diferença dos exames maior diferença negativa...
no básico ou secundário, os alunos pela positiva, melhor a escola se sai
portugueses têm uma garantia à par- nesta forma de as avaliar.
1042 15,9% -26,4
tida: neste percurso a maioria vai É com base nos valores desta di- 1 n.a. 80,5% +27,3 n.a.
chumbar pelo menos uma vez. Esta ferença que o PÚBLICO ordena as Colégio do Vale ES de n.a.: têm menos de 50 provas
realidade, que na Europa e não só escolas no que chamou “ranking do Vila Verde e não entram no ranking dos
ALMADA exames
nos empurra para os piores lugares sucesso”, feito este ano pela segunda VILA VERDE
neste domínio, salta de novo à vista vez, acrescentando assim esta leitura
nos últimos dados divulgados pelo à da listagem que é feita tendo apenas
Ministério da Educação (ME) que dão em conta as médias dos exames.
conta do que aconteceu a três gera- O Colégio de S. Miguel, em Ou- 2 118 63,8% +22,1 1041 423 32,7% -25,7
EB n.º 2 de Pampilhosa EB Padre João
ções de estudantes: os que entraram rém, ocupa a primeira posição nes-
MEALHADA Rodrigues
(no 7.º e no 10.º) em 2012/13 e deviam te novo ranking no ensino secun-
SERNANCELHE
ter terminado em 2014/15; os que en- dário. No 3.º ciclo, onde são tidas
traram (no 7.º e no 10.º) em 2013/14 e em conta 1042 escolas, este lugar é
deviam ter saído em 2015/2016; e os também ocupado por um privado,
que entraram (no 7.º e no 10.º) em o Colégio do Vale, em Almada, que 3 39 88,6% +21,2 1040 558 44,7% -24,4
2014/15 e se esperava que tivessem o PÚBLICO visitou (ver reportagem Externato João XXIII EB Campo Aberto
terminado no ano lectivo passado. neste suplemento). LISBOA PÓVOA
E o que aconteceu então no per- DO VARZIM
curso destes três grupos de finalis- Melhores no secundário
tas? No conjunto, no 3.º ciclo, apenas Todos os 767 alunos do Colégio de S.
41,9% conseguiram ter aquilo a que o Miguel, do básico e do secundário,
ME chama “percursos directos de su- estão abrangidos pelos contratos de SECUNDÁRIO
cesso”. No secundário ainda foi pior: associação que esta instituição tem Alunos que não chumbam no 10.º e 11.º anos e têm positiva nos dois exames do 12.º ano
só 38,4%. Para chegar a estes dados, vindo a celebrar com o Estado para
foram analisados os percursos indi-
viduais de 175.246 estudantes do se-
suprir carências da rede pública e
assegurar ensino gratuito aos seus
1 28 63,9% +19,8 542 338 25% -21,5
Colégio de S. Miguel EBS de Forno
cundário e de 270.511 do 3.º ciclo. alunos, informa o director, Manuel de Algodres
OURÉM
O ministério considera que, no 3.º Lourenço. No ensino secundário, o FORNOS DE
ciclo, um aluno tem um percurso de colégio conseguiu que 63,9% dos ALGODRES
sucesso quando não reprova nem no seus alunos tivessem percursos de
7.º nem no 8.º ano e consegue nota sucesso, quando a média de escolas
positiva nos dois exames do 9.º. No semelhantes foi de 44,1%. 2 283 49,1% +17,6 541 403 29,5% -18,5
secundário os critérios são os mes- Para o responsável do colégio, o EBS de Arga e Lima ES de Moledos
mos: não chumbar nem no 10.º nem sucesso obtido tem na sua base o VIANA DO CASTELO TONDELA
no 11.º e ter positiva nos dois exames facto de o aluno ser visto “na sua
das disciplinas trienais do 12.º ano. individualidade específica” e de a
Como se constata pelos dados ante- escola apostar em desenvolver as
riores, mais de metade dos alunos
destes dois níveis de escolaridade
“múltiplas dimensões” que devem
compor o processo de formação. Tal
3 69 61,1% +16,9 540 201 33,8% -17,9
ES de Porto de Mós EBS de Fajões
não alcançaram este patamar. concretiza-se, por exemplo, através
PORTO DE MÓS OLIVEIRA DE
A informação relativa aos percur- de uma série de actividades de en-
AZEMÉIS
sos individuais dos alunos começou a riquecimento curricular e a colabo-
ser disponibilizada em 2015. Olhando ração, “de forma permanente, do
para as escolas que estes alunos fre- Serviço de Psicologia e Orientação O indicador de sucesso avalia a percentagem de alunos por escola que não chumbaram ao longo do 3.º ciclo (7.º e 8.º anos) ou do secundário
quentavam, o ministério foi compará- e do Núcleo de Apoio Educativo Es- (10.º e 11.º anos) e chegaram ao fim do ciclo de estudos (9.º ou 12.º) com nota positiva nos principais exames. Mas faz mais do que isso: os alunos
las de seguida com os outros estabele- pecializado que, em articulação com de cada escola são comparados com os do resto do país que à entrada do ciclo de estudos tinham o mesmo perfil em termos de resultados
escolares. O PÚBLICO ordenou as escolas em função da variação que apresentam quando comparadas com outras semelhantes.
cimentos escolares que tinham estu- o corpo docente, estão atentos a si-
Fonte: PÚBLICO a partir dos dados do Ministério da Educação
dantes com um desempenho escolar tuações mais complexas que exijam
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Público • Sábado, 3 de Fevereiro de 2018 • 5

RANKING BÁSICO E SECUNDÁRIO

17 escolas fazem parte do top 100 do Ranking do Sucesso


No básico e no secundário

Colégio Amor de Deus Cascais Colégio de S. Tomás Lisboa


12 ES de Campo Maior Campo Maior Col. Nossa Sra. da Bonança V. N. Gaia ES Severim de Faria Évora
5 Colégio de Stª Doroteia Lisboa Externato Ribadouro Porto ES Nuno Álvares Castelo Branco
Colégio Novo da Maia Maia Col. Oficinas de S. José Lisboa ES Póvoa do Lanhoso P. do Lanhoso
Colégio da Rainha Stª Isabel Coimbra Colégio de S. João de Brito Lisboa Col. D. Diogo de Sousa Braga
Privadas Públicas ES Tomaz Pelayo Santo Tirso Colégio Luso-Francês Porto NOBEL- Int. School Algarve Lagoa

uma intervenção necessariamente gulho. E é também uma escola 100% A Escola Secundária de Campo mais alunos a frequentá-lo”, resume,
atempada”, refere. “Penso que os inclusiva e os alunos estão conscien- Maior, no Alentejo, é uma delas. frisando que o objectivo da escola é
nossos alunos podem encarar o fu- tes disso”, explica Manuel Gomes. Situa-se num contexto socioeconó- agora o de baixar a percentagem de
turo com liberdade e confiança.” mico intermédio, com uma “econo- chumbos.
No colégio, acrescenta Manuel Disparidades internas mia activa, muitas respostas sociais Portugal é na Europa o país onde a
Concelhos em destaque Lourenço, “10% dos alunos têm Ne- Também a Escola Secundária de Vi- e as várias instituições do concelho associação entre chumbos e pobreza
(ordenados pela diferença entre a %
de percursos directos de sucesso
cessidades Educativas Especiais ou la Verde, no distrito de Braga, está a funcionarem em rede, em vez de é maior. Mas uma terceira realidade
no concelho e a média nacional) são crianças institucionalizadas”. inserida no contexto socioeconómi- cada uma ficar no seu cantinho, o que volta a saltar à vista dos dados
Apesar de continuar a distanciar-se co mais desfavorecido. Com apenas que tem ajudado muito”, diz o seu divulgados pelo ME é a que mostra
pela positiva da média, o lugar do 15,9% dos alunos do 3.º ciclo a con- director, José Pernas. No 3.º ciclo, o esforço que as escolas do contexto
Os que mais superam colégio no ranking do sucesso do 3.º seguirem fazer um percurso sem encontra-se em 7.º lugar no ranking mais desfavorecido estão a fazer para
(20% melhores)
ciclo desce para 254.º. O director ex- chumbos, quando a média de escolas do sucesso, com 48,2% de percursos puxar pelos seus alunos do secun-
Intermédios plica esta diferença pela maior ma- semelhantes foi de 42,3%, ficou em livres de chumbos face a uma média dário. Nos 50 primeiros lugares do
turidade dos alunos do secundário, último lugar no ranking do sucesso de 30,9% de escolas semelhantes. No ranking do sucesso encontram-se 23
Os que mais ficam aquém
já que “o perfil dos alunos não é di- deste nível de escolaridade em que secundário, desce para 68.º lugar, escolas públicas, e a maioria destas
(20% piores)
ferente no ensino básico e no secun- estão ordenadas 1042 escolas. No en- com 39,5% destes percursos. (15) são de meios carenciados. Já no
BÁSICO dário”. Também as “metodologias sino secundário sobe para a posição O alargamento da escolaridade básico, há 19 escolas públicas nesta
e processos pedagógicos são seme- 115, com 41,5% dos alunos a garanti- obrigatória até aos 18 anos é uma das posição, mas só seis são de meios
lhantes” nos dois níveis, frisa. rem percursos de sucesso. razões apontadas por José Pernas pa- desfavorecidos.
Manuel Gomes, o director da Esco- “Recebemos os alunos que as ou- ra estes resultados. “É mais difícil ter
la Básica e Secundária de Arga e Lima, tras escolas não querem”, refere o bons resultados no secundário com cviana@publico.pt
O melhor em Póvoa dos Lanheses, aponta igual- seu director, João Graça, a propósito PUBLICIDADE
O pior Sernancelhe mente para a maior maturidade dos do 3.º ciclo. “São alunos mais velhos,
alunos do secundário para explicar porque já tiveram retenções anterio-
a grande diferença que ali se regista res, com baixo nível de motivação e
quando estão em causa os percursos que na região não têm outras opções
dos alunos do 3.º ciclo ou os do secun- senão prosseguir no ensino regular”,
dário. No primeiro caso, esta escola prossegue, para frisar que os profes-
Marvão ocupa, tal como no ano passado, o sores do 3.ºciclo são os mesmos do
segundo lugar no ranking do sucesso secundário no qual, no entanto, o
com 49,1% de percursos sem chum- panorama muda. Razões apontadas
bos, enquanto no 3.º ciclo desce para por João Graça: “No secundário os
a posição 909, com apenas 36,8% de alunos já fizeram as suas opções. Os
trajectos sem retenções. que têm menos propensão para os
“A escola é a mesma, porque a estudos e ambicionam entrar cedo
maior parte dos alunos do secundá- na vida activa optam pelos cursos
rio frequentaram aqui no 3.º ciclo, os profissionais. E os que ficam nos
professores também são os mesmos e cursos científico-humanísticos es-
o mesmo acontece com as famílias”, colhem as áreas tendo em conta o
descreve este director. A única dife- seu desempenho escolar anterior nas
SECUNDÁRIO rença que sobressai é a que tem que disciplinas.”
Ponte da Barca ver com a maturidade dos alunos: Na situação inversa encontra-se a
“Temos feito mil e uma análises a Escola Básica e Secundária de Fornos
esta situação e é a razão que vemos. de Algodres, no distrito da Guarda,
Os alunos do 3.º ciclo não levam o também ela num contexto desfavo-
O melhor estudo tão a sério como os do secun- recido. É a última no ranking do su-
O pior dário, estão mais despegados.” cesso no secundário, mas no 3.º ciclo
Forno de A escola de Arga e Lima fica nu- está em 11.º lugar. O seu director, Ar-
z

Agodres
ma zona rural do distrito de Viana tur Silva, atribui esta diferença ao fac-
do Castelo, situando-se no contexto to de, nos últimos dois anos, terem
socioeconómico mais desfavorecido saído “uma série de bons alunos”
dos três que o PÚBLICO estabelece, que foram frequentar o secundário
tendo em conta as habilitações dos noutras escolas, por estas terem mais
pais e a percentagem de alunos com ofertas de cursos.
apoios sociais. Neste contexto é a es- Estas quatro escolas não consti-
cola que mais se supera a nível nacio- tuem excepção a outra realidade
nal no que diz respeito a conseguir que salta também à vista dos dados
percursos de sucessos para os seus divulgados pelo ME: são muito pou-
alunos. “Não valorizamos em exces- cas as que conseguem destacar-se em
so os exames, mas sim a formação simultâneo nos rankings de sucesso
Não há
dados integral do indivíduo. Tentamos ser do 3.º ciclo e do secundário. Apenas
uma escola onde os alunos se sintam 17 têm lugar entre as 100 melhores
bem, com a qual desenvolvam um posicionadas nestas duas listas e des-
PÚBLICO
sentimento de pertença e até de or- tas apenas cinco são públicas.
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

6 • Público • Sábado, 3 de Fevereiro de 2018

RANKING BÁSICO E SECUNDÁRIO

O segredo do sucesso
está dentro da biblioteca
A Escola Básica e Secundária de Ponte da Barca está no top 5 das que no secundário mais se distinguem
no “ranking alternativo”. A leitura é aposta central do seu projecto educativo
Sobre estas prateleiras assenta leitura através de um programa qual os estudantes de Ponte da
Reportagem a estratégia da escola para obter semanal na Rádio Barca — a única
EBS de Ponte da Barca
PONTE DA BARCA
Barca têm chegado quase sempre
Samuel Silva bons resultados. “O bom aluno emissora local — que já tem mais de
Contexto Mais desfavorecido
às finais nacionais nos últimos
tem de compreender bem o que lê 200 emissões. A iniciativa valeu o anos.
“O direito de não ler.” “O direito e saber expressar-se. Também só prémio Ideias com Mérito da Rede “Participar no concurso de
Provas no secundário 245
de saltar páginas.” “O direito de consegue ser bem sucedido se for Nacional de Bibliotecas Escolares leitura ajuda-nos a todos”, avalia
não acabar um livro.” No bloco C capaz de interpretar a realidade”, há dois anos. Média (exames nacionais) 10,72 João Ramos. Tem 17 anos, cabelo
da Escola Básica e Secundária de observa o director, Carlos Alberto Lugar no ranking do sucesso 5 curtíssimo e um discurso fluido.
Ponte da Barca é o colorido dos Louro. Ensino personalizado em 542 escolas Quer seguir Engenharia Mecânica
“Direitos Inalienáveis do Leitor”, Foi esta a visão que a escola Também é pela biblioteca que ou Industrial e está a terminar o
Lugar (ranking dos exames) 197
enunciados por Daniel Pennac, construiu nos últimos 13 anos. A passa a organização de feiras do secundário na área de Ciências
*com pelo menos 50 provas realizadas 593*
que quebra a monotonia da parede biblioteca é a primeira das Medidas livro, encontros com escritores, e Tecnologias. Tem participado
amarelada. As frases são pintadas a Estruturais de Acção Educativa concursos de escrita e o muito Alunos com percursos sem 48,79% regularmente nos concursos de
grenat, com excepção da primeira definidas pela comunidade escolar. concorrido concurso de leitura. chumbos (para as quais o ME forneceu dados) leitura e essa experiência permite-
letra de cada uma delas, que surge Desde Novembro de 2012, alunos, Quase todos os alunos da escola lhe perceber que, para quem não
destacada numa pequena tela professores e pais promovem a participam nesta competição, na está habituado a ler, a competição
ornamentada como uma iluminura NELSON GARRIDO
dos escritos clássicos.
Um dos “O” está cortado a
meio e o director, Carlos Alberto
Louro, nota-o: “Às vezes algum
engraçadinho estraga isto e é
preciso voltar a fazer.” A escola
de Ponte da Barca é a 5.ª melhor
do ensino público no ranking do
sucesso (a 3.ª, se forem tidas em
consideração exclusivamente
as escolas públicas). Mas, como
todas as escolas, não é perfeita:
“Também há quem se porte mal.”
Na hora em que os alunos
regressam às aulas depois de um
curto intervalo, não há ruído
no amplo pátio entre as salas. O
bloco C é 20 anos mais novo do
que o resto da escola, construída
em 1983. É aqui que estão os
laboratórios, o auditório e também
a biblioteca, que é uma espécie
de “menina dos olhos” para a
direcção e os professores.
A biblioteca escolar é igualmente
uma peça fundamental para
esta escola no Alto Minho que,
desde que o Governo começou a
divulgar o indicador de sucesso
— que assinala escolas onde mais
alunos conseguem fazer todo o
ciclo de estudos sem chumbar e
que permite fazer um “ranking
alternativo” ao das médias de
exame —, tem estado entre as
melhores do país.
Criada em 2004, a biblioteca
da escola tem hoje mais de 17 mil
títulos listados e é um ponto de
encontro para os alunos dos vários
níveis de ensino — aqui, cruzam-
se alunos do 7.º ao 12.º ano. A escola de Ponte da Barca tem 211 alunos inscritos no ensino secundário
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Público • Sábado, 3 de Fevereiro de 2018 • 7

RANKING BÁSICO E SECUNDÁRIO

Tivemos quase sempre


os mesmos professores
e isso é muito positivo
João Ramos
Aluno do 12.º ano

“é uma altura em que os alunos entre as 200 melhores do país Os indicadores do Ministério sublinha Carlos Alberto Louro. O recursos económicos e por isso
podem investir um bocadinho numa outra disciplina, História. da Educação mostram ainda que director está nas funções desde elegíveis para os apoios da Acção
mais e descobrir” os livros. Para uma das marcas desta escola é a 1992 e, por isso, conhece bem o Social Escolar. No ano passado, os
quem já é leitor assíduo, “há Contexto difícil estabilidade do corpo docente, contexto em que trabalha, que alunos apoiados pelo Estado foram
sempre a possibilidade de ir às Além da aposta na leitura, o com 93,8% dos professores a apresenta dificuldades de base a 43,8% do total.
fases seguintes — e isso é sempre que explica o bom desempenho pertencerem ao quadro. Este facto que a escola tem de responder. A escolaridade média dos pais
bom”, comenta. da escola de Ponta da Barca permitiu à direcção ter estabelecido O agrupamento de Ponte da é também baixa. As mães chegam
A aposta na promoção da no ranking do sucesso? Dá-se a que, em regra, o mesmo professor Barca é o único num concelho ao 9.º ano; os pais têm o 7.º. De
leitura deu frutos, sobretudo a palavra aos alunos. “Tivemos acompanhe uma turma ao longo pequeno (cerca de 12 mil resto, apenas no último censo,
Português, que, com uma média quase sempre os mesmos dos 10.º, 11.º e 12.º anos. habitantes) e disperso, porque, em 2011, o concelho ultrapassou
de 12,3 valores, é a disciplina professores e isso é muito A escola é também relativamente embora a maioria da população os dois dígitos na percentagem da
em que os alunos de Ponte da positivo”, sublinha João Ramos, pequena — tem 211 inscritos no viva na vila que é sede do população com habilitações de
Barca têm melhores resultados. aluno do 12.º B. Colega da mesma ensino secundário — e as turmas município, chegam ali alunos que nível superior. Por isso, o director
Essa classificação média vale- turma, Rúben Lima antecipa um não têm mais do que 22 ou 23 vêm desde a aldeia de Lindoso, no da escola de Ponte da Barca
lhes mesmo um lugar entre as 40 futuro na investigação — “talvez estudantes. Ainda assim, nas Parque Nacional da Peneda-Gerês, considera que o facto de 60% a
melhores escolas do país nessa Biotecnologia” — e vê o facto de disciplinas que estão sujeitas até aos limites do concelho de 70% dos alunos que completam o
disciplina nos exames nacionais as turmas não serem demasiado a exames nacionais, os alunos Ponte de Lima. secundário seguirem para o ensino
de 2017. Nas restantes matérias, grandes como uma mais-valia são divididos em grupos mais A realidade socioeconómica superior deve ser encarado “como
os alunos da escola minhota não daquele estabelecimento de pequenos. dos alunos é também diversa. uma grande conquista”.
conseguem ter resultados tão ensino: “Temos um ensino quase “Os bons resultados são uma Em regra, cerca de metade são
positivos e só conseguem estar individualizado.” preocupação transversal”, oriundos de famílias de baixos samuel.silva@publico.pt
PUBLICIDADE
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

8 • Público • Sábado, 3 de Fevereiro de 2018

RANKING BÁSICO E SECUNDÁRIO

Um colégio de turmas pequenas onde


se transmite “segurança e bem-estar”
Entre 2015 e 2017, 80,5% dos alunos que concluíram o 9.º ano no Colégio do Vale fizeram-no sem nenhum
chumbo no currículo. Neste indicador, esta escola privada de Almada é a primeira a nível nacional
SEBASTÃO ALMEIDA

Reportagem
Rita Marques Costa
Para o Ministério da Educação há
uma maneira sólida de avaliar o
desempenho das escolas, que não
premeia as que preferem chumbar
os alunos mais fracos para que eles
não estraguem a média do exame,
que é consistente, porque leva em
conta o percurso de três gerações
consecutivas de estudantes, e
que também considera o perfil
dos alunos à entrada do ciclo de
ensino. E que maneira é essa?
Respondendo a uma pergunta —
na verdade, a mais do que uma:
quantos estudantes em cada escola
conseguiram terminar o 9.º ano
entre 2015 e 2017 sem chumbar no
7.º, nem no 8.º e tendo positiva nos
exames finais? E como foi noutras
escolas que receberam alunos com
o mesmo nível escolar no 7.º ano?
O percurso dos seus alunos foi
mais ou menos atribulado?
Nenhuma outra escola do 3.º
ciclo do ensino básico se sai tão
bem neste “indicador global dos
percursos directos de sucesso”
— assim lhe chama o ministério O colégio é frequentado por 500 crianças. A propina mensal ronda os 500 euros
— como o Colégio do Vale, na
Charneca da Caparica, Almada. fornecidos pelo ministério. da família é “fundamental”. E conseguiu uma média global de se confessar nervosa com os
É frequentado por 500 crianças. A directora pedagógica e tudo isto “acaba por transmitir de 3,83. Um número acima do exames do fim de ciclo, diz-se
A propina mensal ronda os professora de Matemática Cristina segurança e bem-estar” à criança. alcançado pelos privados de todo o confiante. “Vamos ter apoio [dos
500 euros, o que inclui várias Raposo diz que fundamental para Se estiverem motivadas, está país — 3,43 valores. professores].”
actividades de enriquecimento este sucesso é a “continuidade”: criado um ambiente propício à Há duas estratégias específicas Tanto a professora Cristina
curricular, como a informática, “A maior parte dos alunos está aprendizagem. para promover o sucesso no Raposo como a directora do
a educação musical, a educação connosco desde muito cedo.” “Procuramos não ter turmas exame, explica Cristina Raposo: Colégio do Vale, Magda Gonçalves,
física ou a natação, mais outras “Há muito trabalho por parte de muito grandes”, prossegue. São “Todos os nossos instrumentos reconhecem que estes jovens
tantas opções extracurriculares, todos.” Do lado dos professores, cerca de 25 alunos em cada uma. de avaliação têm uma estrutura vivem num ambiente “muito
como karaté, ginástic acrobática há um acompanhamento E até há casos em que se tenta que semelhante à do exame.” Além particular”. Por isso, têm feito
ou dança. E sempre a garantia de “muito individual de cada o número de estudantes por sala disso, quando terminam as aulas, um esforço para os aproximar
acompanhamento “permanente” e aluno”. Depois, a colaboração seja menor, de modo a facilitar a “há um período de preparação e de outras realidades. É o caso
“personalizado” dos alunos. aprendizagem em determinadas acompanhamento dos alunos para do projecto Mundos para além
Dados: nos últimos três anos, áreas. É o caso do Português, da esclarecerem dúvidas”. do Meu em que as crianças são
80,5% dos alunos chegaram ao fim Colégio do Vale Matemática, do Inglês (na hora de Da parte dos alunos, também envolvidas em iniciativas de
do 9.º ano sem chumbar nem no ALMADA praticar a oralidade) e das Ciências parece haver um sentimento de voluntariado e acção social.
7.º nem no 8.º e tiveram positiva (quando chega o momento de fazer pertença à escola. Sara Coelho, “Seleccionamos uma instituição
Privada
nos exames finais de Português experiências). estudante do 8.º ano, tem 13 anos por ano e desenvolvemos um
e Matemática. A percentagem de Provas no básico 46 e explica: “Ando aqui há um ano e conjunto de estratégias para
estudantes com o mesmo perfil Actividades de voluntariado meio e é como uma segunda casa angariarem verbas e ajudarem
Média (exames nacionais) 3,83
que a nível nacional conseguiu o Nos exames, os alunos também para mim.” Crê que não é tanto quem mais precisa”, explica Magda
feito idêntico foi de 53,2%. Esta Lugar no ranking do sucesso 1 foram bem sucedidos. Esta assim noutras escolas, de outros Gonçalves. O objectivo é claro:
diferença (muito) positiva coloca em 1042 escolas privada, que não figura no ranking amigos. Aqui, as relações são “mais fazer com que percebam que
o Colégio do Vale no topo da lista Alunos com percursos 80,52% dos exames do PÚBLICO, uma vez pessoais”. “vivem num espaço privilegiado”.
deste “ranking alternativo” que é sem chumbos que fez menos de 50 provas, tanto Margarida Baixinho é outra
possível construir com os dados (para as quais o ME forneceu dados) a Português como a Matemática, das alunas do 8.º ano. Apesar rita.costa@publico.pt
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Público • Sábado, 3 de Fevereiro de 2018 • 9

RANKING BÁSICO E SECUNDÁRIO

Onze escolas inflacionam


notas dos alunos
há nove anos seguidos
NUNO FERREIRA SANTOS

Acesso ao superior Alinhamentos entre nota interna e exames


Samuel Silva
As escolas que deram sempre notas mais ALTAS do que o esperado
Ministério da Educação entre 2012/13 e 2016/17
garante ter emitido RANKING
recomendações depois de EM 2017 CONCELHO
inspecção a escolas com Privada 24 Col. das Terras de Santa Maria SANTA MARIA DA FEIRA
maiores desalinhamentos Privada 2 Col. D. Diogo de Sousa BRAGA
Privada 271 Ext. Carvalho Araújo BRAGA
Há três anos que o Ministério da Pública 438 ES de Fafe FAFE
Educação (ME) mede a consistên-
Privada 54 Ext. Camões GONDOMAR
cia entre as notas dadas aos alunos
Privada 27 Ext. Liceal Paulo VI GONDOMAR
pelos seus professores e as que os
alunos conseguem nos exames. Os Privada 517 Col. D. Duarte PORTO
dados mais recentes confirmam um Privada 8 Col. Luso-Francês PORTO
padrão que já se vinha desenhando: Privada 25 Col. Novo da Maia MAIA
há 11 escolas que estão sistematica- Privada 1 Col. Nossa Senhora do Rosário PORTO
mente entre as que atribuem clas- Privada 35 Col. da Trofa TROFA
sificações desalinhadas para cima Pública 124 ES Dr. Joaquim Gomes Ferreira Alves V. N. DE GAIA
(ou seja, classifi cações internas
Pública 272 ES de Monção MONÇÃO
superior às das provas nacionais).
São todas do Norte do país. Apenas Privada 52 Col. do Minho VIANA DO CASTELO
duas são públicas. Privada 302 Col. de Lamego LAMEGO
Os primeiros dados do ME sobre Privada 10 Ext. Ribadouro PORTO
o alinhamento nas notas foram di-
As escolas que deram sempre notas mais BAIXAS do que o esperado
vulgados em 2015 e baseavam-se entre 2012/13 e 2016/17 Escolas rejeitam a ideia de que haja inflação nas notas
nos exames de 2009 a 2013. A in-
formação mais recente, que agora é RANKING obtiveram classificação superior a da amostra das escolas interven-
EM 2017 CONCELHO
publicada, diz respeito aos anos de 9,5 valores e não a totalidade dos cionadas” em cada ano pela IGEC.
Pública 122 ES de Arganil ARGANIL
2013 a 2017 — ou seja, hoje é possí- exames realizados. “É uma questão Em 2017, foram feitas 12 inspecções
vel analisar os desvios às notas in- Pública 217 ES Dr. Francisco Fernandes Lopes OLHÃO estatística. Não há qualquer inflação por causa das avaliações, das quais
ternas dos alunos ao longo de um Privada 66 Col. Rainha D. Leonor CALDAS DA RAINHA de notas da nossa parte.” resultaram “recomendações”, cujo
período de nove anos. Privada 63 Col. Dr. Luís Pereira da Costa LEIRIA Por seu turno, a directora da Se- acatamento por parte das escolas
E há 11 escolas que têm estado sem- Privada 13 Salesianos do Estoril - Escola CASCAIS cundária de Fafe, Natália Correia, está ainda a ser avaliado.
pre, ao longo destes nove anos, na Pública 384 EBS Ibn Mucana CASCAIS explica que, naquela escola, são A inflação das notas internas dos
lista daquelas que dão notas internas Pública 208 ES de São João do Estoril CASCAIS as notas dos alunos com maiores alunos coloca também questões do
mais altas do que as que os alunos dificuldades a explicar os desali- ponto de vista da entrada num cur-
Pública 60 ES do Restelo LISBOA
conseguem ter nos exames nacionais. nhamentos. “Temos um grupo de so superior. Em 2016, um grupo de
Duas são públicas, as secundárias de Pública 88 ES Rainha Dona Amélia LISBOA alunos que estão entre os melhores trabalho nomeado pelo Ministério
Monção e de Fafe, ambas no Minho. Pública 387 ES D. Pedro V LISBOA do país e que conseguem manter as do Ensino Superior defendeu a cria-
As restantes são colégios: D. Diogo de Privada 15 Col. Bartolomeu Dias LOURES notas nos exames. E há um grande ção de um mecanismo de regulação
Sousa e Carvalho Araújo, de Braga; D. Pública 241 ES da Ramada ODIVELAS grupo que não consegue transpor que permitiria reduzir o peso das
Duarte, Ribadouro e Luso-Francês, Pública 203 ES Dr. António Carvalho Figueiredo LOURES para os exames muitas das coisas notas internas na média de aces-
no Porto; Camões e Paulo VI, ambos Pública 264 ES José Saramago MAFRA que valorizamos ao longo do ano so para os alunos provenientes de
em Gondomar; e ainda o Colégio da na escola”, contextualiza. escolas que persistissem no desa-
Privada 34 Col. Santo André MAFRA
Trofa e o Colégio de Lamego. linhamento das notas.
Pública 383 EBS Gama Barros, Cacém SINTRA Inquéritos às escolas
Estes dados vão ao encontro da As medidas propostas não conse-
ideia de que há uma “inflação” de Pública 291 ES de Santa Maria de Sintra SINTRA Em 2015, quando foram divulgados guiram recolher o consenso pretendi-
notas em algumas escolas que é Pública 492 ES de Mem Martins SINTRA os primeiros dados que estudavam do pelo ministro do Ensino Superior,
“sistemática”, como tem vindo a Pública 277 ES Gago Coutinho, Alverca do Ribatejo V. F. DE XIRA o fenómeno, o ME prometeu que a Manuel Heitor, que decidiu colocar
ser referido nos últimos anos por Pública 301 ES de Cacilhas-Tejo ALMADA Inspecção-Geral de Educação e Ci- o assunto em stand-by. O PÚBLICO
diferentes especialistas. As escolas Pública 105 ES Dr.ª Felismina Alcântara MANGUALDE ência (IGEC) iria analisar os maiores questionou este ministério acerca
rejeitam, porém, essa ideia. A posi- desvios. Nessa altura, foram levanta- do impacto dos desalinhamentos
ção do Colégio D. Diogo de Sousa en- O indicador de alinhamento apresentado pelo Ministério da Educação compara as notas internas dos inquéritos a dez de 24 escolas, de notas no acesso às licenciaturas.
atribuídas pelos professores de uma dada escola aos seus alunos com as notas que foram atribuídas
tre as escolas desalinhadas “tem que noutras escolas do país a alunos que obtiveram resultados semelhantes nos exames nacionais.
garante agora fonte da tutela. Essas A resposta do gabinete de Heitor foi
ver com a forma como se constrói o Objectivo: perceber se os professores estão a usar critérios de avaliação menos exigentes do que os acções deram origem a “recomenda- lacónica: “A questão das notas de in-
indicador” que analisa os desalinha- utilizados em média noutras escolas. Ao comparar alunos que obtêm resultados semelhantes nos ções”, que as escolas “acolheram”, e gresso no ensino superior não é re-
exames nacionais, pode perceber-se se há desalinhamentos entre escolas nos critérios de atribuição das
mentos e que é da responsabilida- notas internas. As escolas destas listas estiveram em todos os anos em análise no grupos dos maiores “correcções de procedimentos”. levante.” Diz que está antes “focado
de do ME, assegura o administrador desvios (os 10% maiores) para cima ou para baixo. Nos maiores desvios para cima estão escolas onde O ME assegura também que o na abertura da base social das insti-
poderá haver sobreavaliação dos alunos por parte dos professores, nos maiores desvios para baixo
António Araújo. Dá como exemplo poderá estar a haver subavaliação dos alunos pelos professores. seu indicador do desalinhamento tuições de ensino superior”.
o facto de apenas serem tidos em das notas internas “constituiu o
Fonte: Direcção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência PÚBLICO
conta os exames em que os alunos principal critério para a selecção samuel.silva@publico.pt
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

10 • Público • Sábado, 3 de Fevereiro de 2018

RANKING BÁSICO E SECUNDÁRIO

Inflação de notas:
para além das médias
NUNO FERREIRA SANTOS
Tabela 2 As escolas que menos sobreavaliam
Análise e as que mais sobreavaliam
Conceição A. Silva Distrito N.º Média Média Dif.
provas exames interna
A comparação das notas internas
Colégio São João de Brito PRI Lisboa 242 14,52 14,65 0,127
das escolas com as notas em exame
Colégio Bartolomeu Dias PRI Lisboa 177 13,52 13,68 0,167
dá-nos uma ideia quanto à sua
Colégio de Santa Doroteia PRI Lisboa 270 14,23 14,79 0,563
concordância e à possibilidade de
estas estarem inflacionadas. Essa Colégio Integrado de Monte Maior PRI Lisboa 84 13,93 14,5 0,57

inflação existirá necessariamente, Colégio Manuel Bernardes PRI Lisboa 192 14,52 15,22 0,709
porque os critérios de avaliação Colégio St. Peter's School PRI Setúbal 176 14,08 14,82 0,744
interna não contemplam apenas EBS da Ponta do Sol PUB R. A. M. 164 8,9 14,35 5,45
dados objectivos relativos ao EBS Prof. António da Natividade,
desempenho académico do aluno. Mesão Frio PUB Vila Real 102 8,58 14,13 5,55
A questão que se coloca é perceber EBS de Nordeste PUB R. A. A. 112 7,39 12,96 5,57
se essa inflação acontece em Colégio da Associação Cultural e
algumas escolas para além do limite Recreativa de Fornelos PRI Braga 158 10,68 16,29 5,61
do razoável (e qual é esse limite?) A sobreavaliação é muito forte em algumas disciplinas EBS de Santo António PUB Setúbal 128 7,08 12,91 5,83
e se a inflação é generalizada a
Figura 1 Classificação interna às oito disciplinas vs exames nacionais ES da Baixa da Banheira PUB Setúbal 75 6,51 12,83 6,31
todas as disciplinas ou prevalece
apenas em algumas. Esta questão 18 Média no exame e classificação interna (CIF) Tabela 3 Escolas com mais de 50 provas e pelo menos 13 de média
é de extrema importância, porque no exame com as maiores diferenças entre notas de exame e internas
a classificação interna é tida em 16 Distrito N.º Média Média Dif.
conta na média de candidatura ao provas exames interna
ensino superior e, como tal, pode Colégio São
14 João de Brito Colégio Casa Mãe PRI Porto 130 13,15 16,8 3,65
criar claras injustiças no acesso.
Colégio Externato Ribadouro PRI Porto 1753 13,59 17,13 3,54
A correcta análise da inflação
12 Bartolomeu Col. Internato dos Carvalhos PRI Porto 377 13,25 16,77 3,53
de notas deve ser feita a partir de Dias
dados dos alunos e considerando Grande Colégio Universal PRI Porto 103 13,33 16,58 3,25
diferenças entre classificações 10 Colégio D. Diogo de Sousa PRI Braga 534 14,27 17,23 2,96
internas e em exame para alunos Média dos oito exames Colégio Luso-Francês PRI Porto 244 13,77 16,49 2,72
do mesmo nível de desempenho. O 8 Externato Frei Luís de Sousa PRI Setúbal 78 13,18 15,65 2,48
indicador de alinhamento das notas Col. Nossa Sra. do Rosário PRI Porto 434 14,92 17,33 2,41
internas no Infoescolas é calculado 6 Col. da Rainha Santa Isabel PRI Coimbra 342 13,67 15,97 2,3
dessa forma. Aqui analisamos 0 100 200 300 400 500 600 700 Col. Sagrado Coração de Maria PRI Lisboa 299 13,11 15,32 2,21
dados das escolas e não dos alunos, Escola Colégio de São Teotónio PRI Coimbra 85 13,16 15,05 1,89
pelo que as conclusões não têm em Colégio Pedro Arrupe PRI Lisboa 228 13 14,64 1,64
conta o nível de desempenho dos Tabela 1 Diferenças entre estes desvios são tendencialmente Colégio São Tomás PRI Lisboa 244 13,17 14,8 1,63
alunos da escola. classificações internas e exame abaixo do esperado (subavaliação
final por disciplina Colégio Nova Encosta PRI Porto 108 14,09 15,69 1,61
Considerando apenas de notas), quando as notas médias
Colégio Moderno PRI Lisboa 379 13,58 15,14 1,56
alunos internos (para os quais de exame são elevadas (destacam-
Total Privadas Públicas Salesianos do Estoril-Escola PRI Lisboa 371 13,59 14,67 1,08
a comparação entre notas de se aqui os colégios S. João de
Física-Química 4,4 3,96 4,51 Salesianos de Lisboa PRI Lisboa 527 14,01 15,07 1,06
exame e classificações internas faz Brito, em Lisboa, e Bartolomeu
sentido), para o conjunto das oito Biologia 4,01 3,83 4,05 Dias, em Loures, onde em média Colégio Valsassina PRI Lisboa 192 13,7 14,63 0,93
disciplinas do secundário e todas as Matemática Apl. 3,77 3,98 3,73 as classificações em exame são Colégio St. Peter's School PRI Setúbal 176 14,08 14,82 0,74
escolas a média de exames é 10,6 e Filosofia 3,49 3,35 3,52 praticamente coincidentes com Colégio Manuel Bernardes PRI Lisboa 192 14,52 15,22 0,71
a média das classificações internas História 2,69 2,3 2,75 as avaliações internas). De notar Col. Integrado de Monte Maior PRI Lisboa 84 13,93 14,5 0,57
finais (CIF) é 13,6. Existe em média Matemática 2,46 2,25 2,51 que esta análise não entra em Colégio de Santa Doroteia PRI Lisboa 270 14,23 14,79 0,56
uma sobrevalorização de cerca de Português 2,36 2,39 2,36 conta com o nível socioeconómico Colégio Bartolomeu Dias PRI Lisboa 177 13,52 13,68 0,17
três pontos. Se ordenarmos todas Geografia 2,28 2,33 2,28 dos alunos que tendencialmente Colégio São João de Brito PRI Lisboa 242 14,52 14,65 0,13
as escolas por ordem crescente é mais elevado quando as notas
da média nas oito disciplinas, as escolas sobreavaliassem os seus de exame também o são (83% das (FQ) — eventualmente devido ao internas a FQ e BG. Mais uma vez
mais concorridas, em exame alunos em três pontos. Verificam- escolas com média acima de 12 são facto de os exames não avaliarem este facto estará influenciado
nacional (com mais de 50 exames) se alguns aspectos interessantes privadas). a componente laboratorial pelo contexto das escolas
e colocarmos no mesmo gráfico neste gráfico. Primeiro, as escolas A análise acima é feita ao importante nesta disciplina —, públicas que é, no geral, mais
as suas classificações internas, que obtêm classificações em agregado das oito disciplinas, seguida de Biologia e Geologia (BG). desfavorável, levando a que os
obtemos a Figura 1 (ver nesta exame abaixo de dez valores são escondendo a diversidade da A disciplina com menor diferença seus alunos apresentem piores
página). as que mais sobreavaliam os seus eventual “sobreclassificação” entre notas internas e classificações resultados médios em exame (e
A linha contínua representa as alunos (a maior parte dos pontos ou “subclassificação” em cada em exame é Geografia. como tal maior probabilidade de
classificações em exame nacional. está acima da linha esperada, disciplina. Há algumas diferenças na sobreavaliação).
Traçou-se uma linha paralela a se a sobreavaliação fosse de três Analisando as diferenças por sobreavaliação interna entre Mais importante do que a
esta cerca de três pontos acima pontos). Segundo, para todos os disciplina na Tabela 1, verificamos públicas e privadas, com as análise geral é, contudo, a análise
que deveria corresponder às níveis de notas em exame há claros que a disciplina com maior públicas a sobreavaliarem mais do individual, escola a escola. Olhando
classificações internas, caso todas desvios face ao esperado. Terceiro, diferença é Física e Química que as privadas as classificações para as seis escolas (com mais de
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Público • Sábado, 3 de Fevereiro de 2018 • 11

RANKING BÁSICO E SECUNDÁRIO

A inflação das notas pode A sobre ou subavaliação


conduzir a injustiças graves dos alunos depende
no acesso ao ensino superior, essencialmente dos critérios
em que o mérito do aluno de exigência do docente
assume um papel secundário ou equipa de docentes
face à sua escola de origem de uma disciplina

50 exames) que mais sobreavaliam Figura 2 Figura 3 disciplinas esconde. A sobre ou que poderá ser superior a um valor.
os alunos e as seis escolas que Colégio São João de Brito Colégio Bartolomeu Dias subavaliação dos alunos depende De acordo com um estudo do CNE
menos o fazem (na Tabela 2), Rank CIF Rank Exame Rank CIF Rank Exame essencialmente dos critérios de (Acesso ao ensino superior: desafios
podemos observar perfis muito Port. Port. exigência do docente ou equipa de do século XXI), diferenças de um
300
diferentes para cada disciplina. 400 docentes de uma disciplina. Assim, valor na nota de acesso significam,
250
Considerando o Colégio S. João MACS Mat. A MACS 300
Mat. A falar em sobreavaliação de notas nos cursos mais competitivos,
200
de Brito e analisando o lugar que 150 200 numa escola pode ser claramente um salto entre 80% e 90% na lista
ocupa no ranking nacional das CIF 100 injusto para alguns docentes que já ordenada de candidatos — isto
100
50
e no ranking nacional dos exames, Fil. 0 BG Fil. 0 BG têm elevados critérios de exigência é, em 100 candidatos o salto no
para cada disciplina, temos o perfil e ter o efeito contraproducente de ranking que corresponde a um
de escola na Figura 2. aumentar ainda mais os mesmos. valor pode ser de cerca de 80 ou 90
Verificamos que em todas Os exemplos dados mostram lugares na lista ordenada.
as disciplinas o seu lugar no Hist. FQ Hist. FQ também que a sobreavaliação O problema da sobrevalorização
ranking dos exames é melhor Geo. Geo.
pode ser, de facto, muito forte das notas é claramente visível
do que o que ocupa no ranking em algumas disciplinas, o que quando se analisam dados
da CIF (o que significa critérios Figura 4 Figura 5 significa que alunos provenientes relativos ao sucesso dos alunos
internos de exigência elevados, Colégio St. Peter’s School ES da Baixa da Banheira de escolas onde exista esta universitários no seu primeiro ano
já que os alunos estão mias Rank CIF Rank Exame Rank CIF Rank Exame clara sobreavaliação a uma ou de faculdade e se comparam as
bem posicionados no universo Port.
700
Port. várias disciplinas acabam por suas escolas de origem em alguns
de todos os alunos nacionais 400 600 entrar com vantagem no ensino indicadores de sucesso. Num
em exame do que quando os MACS 300
Mat. A MACS 500 Mat. A superior relativamente aos seus estudo que está a ser levado a
400
posicionamos em termos de CIF). 200 300 colegas provenientes de escolas cabo pela Católica Porto Business
200
A maior discrepância observada 100
100
onde os critérios de avaliação School e pela Faculdade de
é na disciplina de FQ, na qual os Fil. 0 BG Fil. 0 BG interna são mais exigentes. Engenharia do Porto constata-se
alunos obtêm uma classificação Claramente a vantagem existe que os alunos que entraram em
interna que os coloca no lugar 258 apenas à entrada, porque alunos vantagem no ensino superior (com
do ranking nacional, enquanto provenientes de escolas mais médias de acesso mais elevadas)
Hist. FQ Hist. FQ
em exame os mesmos alunos se exigentes têm maior probabilidade não têm necessariamente o
posicionam no lugar 17. Geo. Geo. de sucesso no ensino superior. melhor desempenho universitário
Já no Colégio Bartolomeu Porém, enquanto os critérios (medido pelo número de
Dias (Fig. 3) a discrepância entre Figura 6 Figura 7 de acesso ao ensino superior disciplinas feitas e pelo score da
rankings é ainda maior e verifica-se EBS de Santo António EBS da Ponta do Sol se basearem nas classificações média obtida ao fim do primeiro
para mais disciplinas (na FQ está no Rank CIF Rank Exame Rank CIF Rank Exame de exame ponderadas com ano), principalmente quando
lugar 441 no ranking das CIF e em 700
Port. 700
Port. classificações internas a questão provenientes de certas escolas
22.º no ranking dos exames; na BG 600 600 de sobreavaliação de notas é um que tendencialmente inflacionam
é 402.º no ranking das CIF e 83.º MACS 500 Mat. A MACS 500 Mat. A aspecto de extrema importância. as notas. Nota-se, por exemplo,
400 400
no ranking dos exames, etc.) 300 300 Se olharmos para as escolas num universo de mais de 10.000
200 200
No Colégio St Peter’s School, 100 100
(com mais de 50 exames) cuja alunos da Universidade do Porto
em Palmela, o perfil é diferente Fil. 0 BG Fil. 0 BG média nos exames nacionais e da Universidade Católica no
(Figura 4). Este colégio apresenta é superior a 13 — aquelas que Porto, que os alunos provenientes
uma grande discrepância em em principio colocarão mais das escolas privadas entram
duas disciplinas, mas em sentidos alunos no ensino superior — (Ver na universidade em vantagem
Hist. FQ Hist. FQ
inversos. Em História é 5.º no Tabela 3), verificamos que alunos (posicionados acima da média
ranking dos exames e 419.º no Geo. Geo. provenientes das escolas no topo de entrada do curso num
ranking das CIF — mostrando uma da lista (as que mais sobreavaliam determinado ano), mas terminam
clara discrepância entre critérios que esta diferença ocorre os alunos encontram-se no ranking os alunos) entrarão muito mais o primeiro ano em desvantagem
de avaliação interna (muito essencialmente devido a duas 365 e em exame sobem para o lugar facilmente na universidade do que (com menos disciplinas feitas
exigentes) e em exame. No caso da disciplinas (já que nas restantes 235. os provenientes de escolas no fim em média, com notas abaixo da
Matemática Aplicada às Ciências os rankings dos exames e das CIF Na Escola Básica e Secundária da lista (nas quais as médias das CIF média do curso e com uma menor
Sociais há uma clara sobreavaliação estão bastante alinhados): BG e da Ponta do Sol, na Madeira (Fig. são claramente mais baixas, mas os percentagem de alunos no top 10
interna da escola. No ranking das Geografia. Por exemplo, em BG 6) há duas disciplinas em que os alunos obtêm melhores resultados do curso). Estes resultados são
CIF os alunos ficam em 47.º lugar, os alunos desta escola estão no critérios internos parecem ser em exame nacional). preliminares e agrupam as escolas
mas quando avaliados em exame lugar 75 das notas internas, mas mais exigentes do que os critérios Comparem-se, por exemplo, os em públicas e privadas (e dentro
descem para o lugar 208. apresentam-se no lugar 581 dos em exame (Matemática Aplicada alunos provenientes do Colégio S. de cada grupo há escolas bastante
Olhando agora para as escolas exames nacionais. e Geografia). Assim, o elevado João de Brito com os provenientes diferentes). Contudo, ilustram
cuja diferença média nas oito Na Escola Básica e Secundária desalinhamento das notas nesta do Externato Ribadouro, no Porto. que de facto a inflação das notas
disciplinas é maior, verificamos de Santo António, no Barreiro, há escola (reflectido numa diferença Os primeiros (com uma média de conduz, ou pode conduzir, a
perfis de sobre/subavaliação uma situação semelhante (Fig. 5), média entre a CIF e a classificação exame de 14,52) apresentam em injustiças graves no acesso ao
diferentes. A Escola Secundária com a sobreavaliação a acontecer em exame elevada) não espelha a média mais um ponto em exame ensino superior em que o mérito
da Baixa da Banheira é a que essencialmente na disciplina exigência em algumas disciplinas. nacional do que os segundos do aluno assume um papel
apresenta uma maior diferença de Português e de Matemática Muitos outros exemplos (13,59), mas quando se trata de secundário face à sua escola de
média nas oito disciplinas. Todavia, Aplicada às Ciências Sociais. Nesta poderiam ser analisados, mas entrar na universidade estes alunos origem.
quando analisamos os rankings escola a disciplina de Geografia é o objectivo principal é mostrar apresentam uma desvantagem
a cada uma delas percebemos na prática subavaliada, pois na CIF aquilo que o agregado de oito relativamente aos do Ribadouro Católica Porto Business School
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

12 • Público • Sábado, 3 de Fevereiro de 2018

RANKING BÁSICO E SECUNDÁRIO

As escolas são todas diferentes.


Os exames são iguais para todas
A rede de ensino é heterogénea
Públicas, privadas. Em contextos pobres Diferentes contextos socioeconómicos ainda por mais uma razão. O sector
privado está representado de modo
ou em bairros de classe média. Com mais O contexto socioeconómico é ditado pela percentagem de alunos com acção muito diferente nas diferentes regi-
ões do país. Há zonas onde não há
ou menos professores efectivos. Com social escolar e pela habilitação média dos pais
colégios a prestar provas no ensino
No básico: No secundário: secundário (pelo menos as que são
taxas de chumbo de zero a elevadas. Alunos com acção social escolar Alunos com acção social escolar tidas em conta no ranking do PÚBLI-
A rede escolar é cheia de disparidades 58,16% 43,99% 29% 43,33% 25,99% 16,1%
CO, as principais), caso dos distritos
de Portalegre e Guarda, e outras on-
estabelecimentos onde todos conse- de o peso dos colégios é bem signifi-
Rede escolar guiram acabar o 12.º ano. Aconteceu 1 2 3 1 2 3 cativo, não faltando hipóteses de es-
Andreia Sanches em 18. Só uma destas “escolas zero colha — olhando apenas para os oito
chumbos” é pública, fica em Nelas. exames mais concorridos, 21% das
As escolas são muito diferentes umas No básico a taxa de retenção Habilitações médias dos pais Habilitações médias dos pais provas realizadas no distrito do Porto
das outras. O número de alunos nacional no 9.º ano ronda os 9%. (anos de escolaridade) (anos de escolaridade) foram feitas em estabelecimentos pri-
abrangidos pelos apoios do Estado Mas há uma escola (nas 1128 para 11,29 11,59 vados e é também no Porto que está
aos mais carenciados é um primeiro as quais há dados) onde chega aos 8,06 9,46 8,19 9,71 a segunda escola do país com mais
indicador ilustrativo das disparida- 66%, enquanto em 168 não se re- provas nacionais realizadas, privada
des. Há 11 secundárias públicas no gistam chumbos. também: o Externato Ribadouro (a
país onde ninguém, no 12.º ano, pre- Fonte: PÚBLICO a partir dos dados do Ministério da Educação primeira em termos de estudantes a
cisa de Acção Social Escolar (ASE). Públicas vs privadas fazer provas é a pública Jaime Moniz,
Isto em 463 para as quais esta infor- As diferenças dentro da rede de esco- na Madeira, com 1811 provas). Já em
mação está disponível. las começam logo pelo estatuto das Lisboa o peso dos privados é de 17%
Já noutras 30, pelo menos meta- mesmas: há escolas públicas e priva- Valor esperado do contexto a cada disciplina e em Évora de apenas 0,6%.
de dos estudantes tem rendimen- das e, dentro das privadas, algumas Independentemente das diferen-
tos tão baixos que precisa de ajuda que têm contratos de associação com Básico Contextos 1 2 3 Privadas Açores Madeira Total ças, uma coisa é certa: os alunos do
e há uma, na Lousada, onde 74% o Estado, o que significa que não po- 9.º ano Total de escolas 305 324 315 207 31 27 1209 ensino regular têm todos de fazer
cumprem os critérios para receber dem fazer selecção de alunos na hora Valor esperado 2,91 2,96 3,1 3,35 2,77 2,93 3,05
exames nacionais para concluir o
Português
apoio. Em média, neste nível de en- das matrículas, porque são financia- Exames 19.423 22.831 32.578 12.292 2146 2173 91.443 9.º do ensino básico e o 12.º ano do
sino, 28,5% dos estudantes estão das para suprir necessidades da re- secundário. Estas provas são iguais
abrangidos pela ASE. No ensino de estatal. Nas públicas a lei manda Matemática Valor esperado 2,64 2,69 2,95 3,51 2,5 2,62 2,88 para todos e contam 30% para a nota
Exames 19.585 22.991 32.666 12.318 2154 2181 91.895
básico, cerca de um terço das esco- que também não haja selecção, mas final. E, no caso do secundário, são
las (em mais de 900 para as quais o há, desde logo, uma regra (entre ou- Dois Valor esperado 2,78 2,82 3,03 3,43 2,63 2,77 2,96
também decisivas para quem quer
Ministério da Educação disponibili- tras) que obriga a dar prioridade aos exames Exames 39.008 45.822 64.244 24.610 4300 4354 182.338 entrar no ensino superior, porque
za dados) estão inseridas em agru- alunos que moram perto, o que faz servem como provas de acesso.
pamentos em que 50% ou mais alu- com que a população de uma escola Ensino Contextos 1 2 3 Privadas Açores Madeira Total
nos do 9.º ano têm acção social. Em oficial na Avenida de Roma, em Lis- secundário Total de escolas 156 154 157 123 21 14 625 Caracterizar contextos
apenas três ninguém recebe apoio. boa, seja necessariamente diferente Matemática Valor esperado 10,34 10,34 10,86 12,37 9,96 10,46 10,86 Nenhuma das diferenças entre esco-
A média nacional é de 43,3%. da que fica perto de um bairro social, A Exames 6468 8616 15.688 5871 827 958 38.428 las, como as mencionadas, se faz assi-
Outro exemplo ainda: em muitos em Chelas. % escolas 96,15% 99,35% 98,73% 95,93% 100% 100% 97,76% nalar quando comparamos estabele-
agrupamentos todos, ou quase to- Para tentar combater aquilo que Português Valor esperado 10,83 10,74 11,05 12,15 10,29 10,68 11,05 cimentos com base no indicador mais
dos, os professores são do quadro. parece ser um sistema que promove Exames 10.031 13.957 23.068 7149 1330 1493 57.028 simples e imediato: os resultados que
E outros há (13) em que entre 50% alguma concentração de estudantes % escolas 96,79% 99,35% 99,36% 95,12% 100% 100% 97,92% os alunos têm nos exames nacionais.
e 70% dos profissionais mudam to- com determinadas características, Biologia Valor esperado 9,88 9,93 10,25 11,27 9,15 9,11 10,20 Os exames são cegos às diferenças. E
dos os anos. em vez de promover a diversidade, Exames 5308 6688 10.093 4090 519 665 27.363 é por isso que, em colaboração, pri-
% escolas 97,44% 100% 98,73% 96,75% 100% 100% 98,40%
Quanto às famílias dos alunos, um Alexandra Leitão, secretária de Es- meiro com a Universidade Católica e
dado mais sobre como tudo pode tado adjunta da Educação, disse no Física e Valor esperado 9,02 9,16 9,62 11,11 8,41 8,56 9,59 depois com a Católica Porto Business
Química Exames 5283 7012 11332 4593 551 728 29.499
mudar de uma escola para a outra: início deste ano ao Jornal de Notícias % escolas 96,79% 100% 98,73% 95,93% 100% 100% 98,08% School, o PÚBLICO tem procurado
há agrupamentos nos quais, em mé- que o Governo iria estudar a possi- definir nos últimos anos diferentes
Geografia Valor esperado 10,67 10,84 11,11 11,98 9,56 11,17 10,99
dia, os pais têm, no mínimo, o 12.º bilidade de introduzir quotas que Exames 3587 4794 7454 1615 484 431 18.365
grupos de escolas em função do con-
ano; e outros há em que essa média permitissem “furar” a regra da prio- % escolas 87,82% 94,16% 98,09% 69,92% 100% 100% 89,12% texto social e económico em que se
não vai além dos cinco ou seis anos ridade à zona geográfica. O ministé- Valor esperado 9,91
inserem. No essencial, o objectivo é
História 10,1 10,4 10,89 9,03 9,94 10,19
de escolaridade. Podemos prosse- rio não adiantou informação, mas Exames 3413 4662 5975 1082 513 488 16.133 este: comparar as notas dos alunos
guir com as taxas de retenção. Os à partida resultaria nisto: um aluno % escolas 84,62% 94,16% 91,72% 59,35% 100% 100% 84,64% de cada escola com a média nacional
dados mais recentes, de 2016, que “de Chelas” poderia ingressar numa Matemática Valor esperado 9,66 9,54 10,08 10,62 8,37 9,64 9,81
— porque os exames partem do pres-
o Ministério da Educação acaba de “escola da Avenida de Roma” — pa- Aplicada às Exames 1852 2275 3031 689 331 264 8442 suposto de que todos devem atingir
disponibilizar, dizem que no 12.º lavras de Alexandra Leitão. “Pensá- C. Sociais % escolas 64,10% 74,68% 86,62% 45,53% 95,24% 92,86% 70,40% um certo nível de conhecimentos,
ano a média nacional é esta: 30% mos que uma forma de combater o Filosofia Valor esperado 9,73 10,22 10,75 11,56 9,61 9,7 10,44 independentemente do sítio onde
dos alunos chumbaram. Mas em 45 contexto geográfico em que a escola Exames 2265 2959 4568 1247 286 454 11.779 estudam — mas também com a média
% escolas 94,23% 98,70% 98,73% 81,30% 95,24% 100% 94,08%
escolas (em 567 para as quais há in- se encontra poderá ser a introdução das escolas inseridas em contextos
formação) pelo menos 50% dos alu- de um outro factor de prioridade, no- Oito Valor esperado 10,15 10,22 10,61 11,79 9,52 10,01 10,54 socioeconómicos parecidos.
exames Exames 38.207 50.963 81.209 26.336 4841 5481 207.037
nos ficaram retidos: 42 são públicas meadamente os alunos beneficiários Esta comparação de escolas do
e três privadas. Reverso da medalha: de Acção Social Escolar.” Fonte: PÚBLICO a partir dos dados do Ministério da Educação mesmo contexto social permite
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Público • Sábado, 3 de Fevereiro de 2018 • 13

RANKING BÁSICO E SECUNDÁRIO

Como são as nossas escolas?


(2015/16)
Professores no quadro Públicas e privadas Idade dos alunos Retenções
Privadas Privadas Média 9.º ano 12.º ano
Mais Agrup. de Escolas 17,5
docentes Martinho Árias, Soure 100% 16,9% 19,6% 14,5 Escola com mais chumbos Escola com mais chumbos
anos
Escolas Escolas anos ES Fonseca Benevides, Lisboa 66% EBS Fontes Pereira de Melo, Porto 76,2%
Média 82,3% básicas secundárias
8,9% Taxa média de chumbos 29,7% Taxa média
Menos Agrup. de Escolas 83,1% 1209 80,4% 626
29,2% de Barrancos Públicas Escolas com zero chumbos Escolas com zero chumbos
docentes Públicas
Nota: são tidas em conta as escolas onde houve exames na 1.ª fase do leque dos escolhidos pelo PÚBLICO para o ranking 9.º ano 12.º ano 93 Privadas 75 168 17 1 18

perceber se uma escola com alunos tros 25%. Tudo isso pode ser observa- dos alunos — pelo que criámos den- mo Filosofia continua a ser no secun- tério não fornece dados para contex-
com certas características se está a do nas tabelas que acompanham este tro deste grupo dos “sem contexto” dário a disciplina em que o contexto tualizar as escolas. Na prática, este
sair pior, melhor ou em linha com texto. Um exemplo de leitura: as 305 três subgrupos: o das “privadas” e socioeconómico mais se faz sentir VE corresponde à média das notas
outras escolas que têm alunos com básicas do “contexto 1” pertencem a um por cada região autónoma. nos resultados: escolas públicas mais de exame registada no conjunto das
características socioeconómicas se- agrupamentos nos quais, em média, desfavorecidas (“contexto 1”) apre- privadas, no das escolas madeirenses
melhantes. 58% dos alunos do 9.º ano são apoia- O que se espera? sentam uma média de exame de 9,7 e no das açorianas, ponderada pelo
Como fazemos isto? Usamos o in- dos pelo Estado; as 315 do “contexto Temos assim todas as escolas do país valores; escolas públicas do “contex- número de exames feitos. Permite
dicador dos alunos abrangidos pela 3” estão inseridas num agrupamento onde se realizaram exames distribuí- to 3”, mais favorecidas, 10,75; escolas ver, por exemplo, se a escola “A” pri-
ASE e o indicador da escolaridade em que 29% são apoiados. das por seis grupos: 1, 2, 3, privadas, privadas 11,56. Também calculámos vada se saiu melhor ou pior nos exa-
dos pais. No “contexto 1”, o contexto Os dados fornecidos pelo minis- Açores e Madeira. Feita esta distribui- um VEC para a média global (às oito mes do que as restantes privadas; ou
mais desfavorecido, ficam cerca de tério com os chamados “dados de ção, calculámos para cada escola um do secundário e às duas do básico). se a escola “Y” da Madeira está acima
um quarto das escolas onde há mais contexto”, como os da ASE ou as “valor esperado de contexto” — use- E uma vez mais: o que se espera de ou abaixo das outras do arquipéla-
alunos apoiados pelo Estado e as ha- habilitações dos pais dos alunos, se a sigla VEC — que é a média pon- uma secundária, por exemplo, do do. É este exercício — comparar os
bilitações médias dos pais desses alu- não contemplam, contudo, escolas derada das notas obtidas pelos alu- “contexto 1” (10,15 valores) é diferen- resultados de escolas de diferentes
nos são mais baixas. O “contexto 2” privadas e também não há dados pa- nos nos exames que o PÚBLICO tem te do que uma escola do “contexto 3” contextos com as notas que seria de
é um contexto intermédio, pelo qual ra nenhuma escola das regiões autó- em conta nesta análise. No ensino consegue em média (10,61). esperar que obtivessem face ao perfil
distribuímos mais 25% de escolas; no nomas, pública ou privada. Assim, secundário são oito, das disciplinas Por fim, para as escolas privadas dos seus alunos — que é possível fazer
“contexto 3”, aquele em que os in- para a última fatia de 25% de escolas com mais inscritos; no básico, dois, e para as das regiões autónomas da nas listas de escolas que encontrará
dicadores mostram uma população que faltava para caracterizar a rede Português e Matemática. Madeira e dos Açores calculámos não ao longo deste suplemento.
menos carenciada, e proveniente de escolar não há dados que permitam Nas tabelas que acompanham este um VEC mas apenas um VE (Valor
famílias mais escolarizadas, estão ou- traçar o contexto social e económico texto é possível ver, por exemplo, co- Esperado), porque, lá está, o minis- asanches@publico.pt
PUBLICIDADE
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

14 • Público • Sábado, 3 de Fevereiro de 2018

RANKING BÁSICO E SECUNDÁRIO

EBS de Escariz las extras”, diz a directora do Agru- tivos e videoconferência.” R.M.C.
pamento de Santo André, Manuela
Um “centro de explicações”
Teixeira. Os alunos tiveram mais EB de Fragoso
A Escola Básica e Secundária de Es- percursos limpos do que era espe-
Um “trabalho estrondoso”
cariz, no concelho de Arouca, é a que rado face ao seu perfil — ainda que cola” que justificou o agravamento
mais sobe no ranking dos exames do em 2016 40% tenham reprovado no das reprovações. Nesta escola, inse- Esta escola de Barcelos fez uma su-
ensino secundário. Nas quatro disci- 12.º ano — e melhoraram nos exames rida num contexto socioeconómico bida de 654 lugares no ranking do
plinas em que prestou provas, passa a todas as disciplinas, à excepção de intermédio, já é habitual que mais de PÚBLICO. Em 2016, a média dos dois
de uma média de 9,52 para 11,39 va- História A e Física e Química. Diz a di- metade dos alunos finalistas reprove exames foi de 2,58 (numa escala de 1
lores, o que lhe permitiu subir 379 rectora que está há cinco anos à fren- — 60% em 2015 e 54% em 2013. a 5), no ano seguinte subiu para 3,52
lugares, para a 89.ª posição na lista. te desta escola, onde a “maioria dos “Até ao ano passado não tínhamos (quase mais um ponto), sendo que a
Pela primeira vez — sabendo que o professores tem mais de 50 anos”, alunos de secundário que tivessem média interna foi de 3,50, ou seja, os
secundário nesta escola só existe des- que Física e Química “sempre foi o feito o básico connosco, por isso o alunos superaram-se nos exames. Es-
de 2013/2014 — os alunos superaram calcanhar de Aquiles” desta escola, seu percurso fugia ao nosso alcance. ta é uma escola de “meio totalmente
aquilo que deles seria esperado dado situada num contexto socioeconómi- Mas a última turma [a terminar o 12.º flexibilidade curricular — e “alternati- rural, com alunos com dificuldades
o seu contexto socioeconómico. co favorecido do distrito de Setúbal. ano] veio connosco desde o 5.º e aí já vas viáveis” nos cursos profissionais. económicas, e os resultados devem-
A subida é simbólica, diz a sua Razão pela qual, nos últimos anos, temos um resultado bem superior”, Para quem segue no ensino regular, se às condições proporcionadas”,
vice-presidente, Eugénia Costa, por cada vez mais alunos têm trocado es- suporta Ana Alonso, justificando que “os problemas desembocam nos exa- defende o director Manuel Amorim.
se tratar de uma escola do contexto se exame pelo de Filosofia. A média estes alunos tiveram praticamente mes”, diz José Lourenço. “Nada neste Há mais horas de Matemática, Por-
mais desfavorecido entre os três que nas provas desta disciplina subiu de os mesmos professores desde que sistema é feito para estes miúdos. Há tuguês e Inglês. A delegada de Ma-
o PÚBLICO estabelece, que se sente 13 valores (62.º lugar) em 2016 pa- entraram na Fontes Pereira de Melo. que perceber que, aqui, o contexto temática, Isabel Rodrigues, informa
afastada de tudo e todos. “Costuma- ra 15,36 no ano passado, a terceira Em virtude disto, “quando chegam social europeu em que parte do país que, “por norma”, a escola tem bons
mos brincar e dizer que estamos no melhor do país (a média nacional é ao secundário as lacunas que teriam vive é uma coisa muito longínqua.” resultados à sua disciplina. Este ano,
fundo da vila.” Ao passo que “em 10,45). M.D.C. já foram trabalhadas por alguém que M.D.C. a média foi de 3,7 (média nacional
Arouca é tudo mais diferenciado, realmente os conhece”, sublinha, é de 2,88). “Mesmo quando o gru-
aqui, com poucos alunos e famílias EBS Eng. Dionísio esperando que no próximo ano os ES Fonseca Benevides po é fraco, ficamos acima da média
com poucos recursos, tem de ser a dados mostrem como “a escola tem nacional”, afirma a docente, classi-
Augusto Cunha Aprender à distância
própria escola a ajudar para que não um novo rumo”. M.D.C. ficando a sua equipa como fazendo
haja ainda mais desfasamento face à Interioridade A Escola Secundária Fonseca Benevi- um “trabalho estrondoso”. “Traba-
vila”, descreve. Por isso, existe des- e despovoamento ES Baixa da Banheira des, em Lisboa, tem a maior taxa de lhamos muito os erros dos alunos, as
de o ano lectivo passado um “centro A Básica e Secundária Eng. Dioní- chumbos no básico (66%) e também aulas são muito preparadas. Tudo o
“Fazer milagres”
de explicações” interno — “natural- sio Augusto Cunha, em Canas de está no topo da lista das retenções que vai de trabalho para casa tem de
mente grátis e voluntário” — para as Senhorim, no concelho de Viseu, é A escola da Moita, em Setúbal, volta no secundário (50%). A maioria dos ser corrigido, se não conseguirmos
disciplinas a que se faz exame. Foi a única pública entre as 18 institui- a ter a média mais baixa nos exames alunos que frequentam o ensino re- em sala de aula, então digitalizamos
no de Português que a escola mais ções onde nenhum aluno reprovou do secundário, depois de no ano pas- gular está integrada no sistema de a resolução e enviamos por email”,
se destacou: com uma média de 12,5 no 12.º ano, em 2016. “Procuramos sado não ter entrado no ranking do aprendizagem à distância. “Estes descreve. “O difícil é ensinar o que
valores (11,05 é a média nacional), dar todo o apoio aos nossos alunos PÚBLICO. Nesta escola apenas 2% são miúdos que de manhã estão nas não é simples de forma simples e nós
subiu 491 lugares no ranking e ficou e incutimos-lhes ritmo de trabalho”, dos alunos fazem um percurso lim- aulas e à tarde estão na roulotte das temos conseguido.” B.W.
entre as 60 melhores do país nesta sublinha António Araújo, o director. po de chumbos nos três anos de se- farturas ou no trampolim do circo”,
disciplina. A “continuidade” do gru- Beneficiando de ter apenas uma tur- cundário. E quase 70% reprovam no exemplifica o director, João Santos, EBS Miguel Torga
po de professores foi determinante, ma por ano, os professores, “pessoas 12.º Mas, internamente, as coisas são para falar sobre o tipo de estudan-
“Formar bons cidadãos”
diz. Um triunfo que a escola pode ter do quadro com muita experiência”, postas em perspectiva: “Tínhamos tes que frequentam o ensino à dis-
perdido, depois de neste ano lectivo, têm “facilidade em chegar aos alu- um aluno que não falava, gritava. tância — especialmente desenhado A escola de Bragança galgou 637 lu-
na sequência de mais um concurso nos e motivá-los”. O director elogia Agora é um dos melhores da turma. para os filhos de pais itinerantes e gares no ranking, é a segunda maior
de colocação de professores, “uma ainda “boa relação” que a escola tem Não falta a uma aula. Chegamos a fa- circenses (que entretanto já recebe ascensão, a média de 2,43 em 2016
parte significativa” dos docentes do com a comunidade, as empresas e a zer milagres com alunos que noutras um perfil mais amplo de alunos). É subiu para 3,12 nos exames nacio-
secundário ter mudado. M.D.C. autarquia de Nelas. M.D.C. escolas partiam tudo. Este é o nos- por isso que “não podemos esperar nais de 2017. A directora, Fátima
so ranking”, explica o director José o mesmo tipo de aproveitamento do Fernandes, conta que o trabalho
ES Padre António Macedo EBS Fontes Pereira de Melo Lourenço, para quem o combate ao ensino presencial”. começa “muito antes do 9.º ano”,
abandono escolar é o objectivo pri- O responsável pela escola declara: onde existem apenas duas turmas,
Dupla de professores “Um novo rumo”
meiro. Antes das notas dos exames “Estes números são a pior coisa que e descreve alguns dos projectos que
Desde o 10.º ano que os alunos da A Escola Básica e Secundária Fon- há que lidar com “um dos contextos podemos ter. Estamos a trabalhar contribuem para o sucesso escolar:
Secundária Padre António Macedo, tes Pereira de Melo, no Porto, subiu socioeconómicos mais vulneráveis para os melhorar.” Por exemplo, ao as duplas pedagógicas, a TurmaMais
em Santiago do Cacém, têm dois pro- 223 lugares no ranking dos exames do país”. oferecer melhores condições tecno- (com alunos que precisam de mais
fessores nas aulas de Matemática. Foi e, num ano, mais do que duplicou a Numa escola onde mais de 60% lógicas para que as aulas à distância apoio), a oferta complementar do 2.º
o que aconteceu nas duas turmas de média a Matemática — passou de 5,91 dos alunos são acompanhados pela possam parecer-se o mais possível ciclo de uma disciplina criada pela
Ciências e Tecnologias, que em 2017 valores para 13,35 (média nacional é psicóloga e assistente social, ques- com as sessões presenciais. Mas “a escola que se chama Entre Ciências
prestaram provas na disciplina e aju- 10,86), entrando para o top 50 nessa tões como a legalização no país são dificuldade maior [ainda] é a falta de e Letras, a oferta de uma segunda
daram a catapultar a escola para a disciplina. No entanto, esta escola quotidianas. Não são raros os que recursos”. As parcerias com algumas língua estrangeira nesse ciclo. Uma
149.ª posição no ranking global dos de Ramalde herda de 2016 a maior chegam de outros países com equi- empresas têm, ainda assim, permi- vez por semana, os alunos fazem
exames, com uma média de 10,99 taxa de retenção entre os alunos do valências, mas não falam português. tido melhorar as sessões do ensino exercícios de exame, continua. E os
valores. “Com um programa que é de 12.º ano: cerca de 76% não passaram. A escola procura diferentes modelos à distância. “Há dois anos, as aulas projectos continuam no secundário,
loucos, tivemos também de reforçar Para a directora, Ana Alonso, foi a de avaliação — agora é uma das esco- funcionavam em texto escrito. Entre- por exemplo com o programa Eras-
alguns anos com um tempo de au- falta de “continuidade dentro da es- las que integram o projecto-piloto de tanto passámos a ter quadros interac- mus. “Esta é uma escola virada para
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Público • Sábado, 3 de Fevereiro de 2018 • 15

RANKING BÁSICO E SECUNDÁRIO

Como se explicam as subidas e as descidas nos rankings de 2017? Porque se


destacam algumas disciplinas? Porque têm algumas escolas poucos chumbos
e outras mais? O PÚBLICO falou com várias. Por Bárbara Wong, Margarida David
Cardoso, Rita Marques Costa

os alunos e para as suas necessida- uma linguagem própria”. A escola uma escola privada que o Estado pa- alunos. “Estamos numa zona rural, mas também nos pais. “A professora
des. Damos-lhes competências para faz parte do grupo de 200 estabeleci- ga para receber os alunos. Em 2016, recebo todos, os de etnia cigana têm de Matemática refere que os pais são
o sucesso académico, mas também mentos de ensino que aderiram à fle- a média dos exames nacionais era conseguido evoluir, às vezes há um muito presentes no acompanhamen-
queremos formar bons cidadãos”, xibilidade curricular, o que permite de 2,45, no ano passado foi de 3,21, ou outro que acaba por sair, mas mui- to dos alunos, temos todos [escola e
resume. B.W. ter dinâmicas locais. “Esforçamo-nos o que fez a escola subir 686 posições tos chegam ao 9.º ano.” B.W. encarregados de educação] o mes-
muito para que os nossos alunos te- no ranking. Algumas explicações: au- mo discurso”, declara Conceição
EBS Moimenta da Beira nham igualdade de oportunidades”, las de apoio, apoio individualizado, EB n.º 2 de São Silvestre Gomes. Esta escola ganhou com o
continua o director, acrescentando substituição de professores quando cancelamento dos contratos de asso-
“Boa colheita” “Pais são muito presentes”
que a escola procura ser inclusiva e estes faltam — “não há aulas perdi- ciação, pois passou a receber alunos
De 2,47 (2016), a escola subiu para que tem alunos de etnia cigana que das”, afirma Rui Ferro, director pe- Esta escola sobe no ranking até ao dos colégios. São diferentes? “Ainda
3,09, ascendendo 573 lugares, para chegam ao secundário — “já tivemos dagógico e filho do fundador daquela lugar 164. Em 2016, a média foi de é difícil fazer um balanço”, responde.
a posição 153. “Não trabalhamos pa- uma aluna que tirou a carta de con- escola que recebe 300 alunos dos 2.º 2,55; um ano depois, de 3,28. “3,55 a Para Conceição Gomes, o que faz a
ra os rankings mas para os alunos, dução”, orgulha-se. B.W. e 3.º ciclos. E depois existe “exigên- Matemática!”, orgulha-se a directora diferença são as aulas coadjuvadas,
e essa era a razão por que nunca cia”. “Temos de ser exigentes”, diz. do agrupamento de escolas Coimbra ou seja, onde estão dois professores,
estávamos bem posicionados. Ti- Externato António Sérgio E o grupo do ano em que a média foi Centro, um mega-agrupamento com porque “o ritmo dos alunos é respei-
vemos uma boa colheita”, caracte- negativa? “Não conseguimos agarrá- 28 unidades, do jardim-de-infância tado”. Infelizmente, este ano lecti-
“Não há aulas perdidas”
riza Alcides Sarmento, director do los, não conseguimos que percebes- ao secundário. vo não teve recursos humanos, mas
agrupamento em Viseu. A colheita Situado na vila de Beringel, entre Fer- sem que tinham de se dedicar, e eu O segredo está não só na oferta da para 2018/2019 já sonha com essa
só foi possível porque se introduziu reira do Alentejo e Beja, o externato sou o primeiro responsável [pelo in- escola — sequencialidade do corpo possibilidade, não só para o 3.º ci-
um tempo por semana em que “só se é dos poucos contratos de associação sucesso]”, responde, acrescentan- docente desde o 7.º ano, salas de es- clo, mas também para o secundário.
resolvem exames, porque estes têm ainda existentes na região, ou seja, é do que não há qualquer selecção de tudo, coadjuvação na sala de aula —, “Funciona muito bem.” B.W.
PUBLICIDADE
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

16 • Público • Sábado, 3 de Fevereiro de 2018

RANKING BÁSICO E SECUNDÁRIO

Elitistas? Ensino profissional


resulta pior nos antigos liceus
A maior parte Os melhores e os piores cinco desempenhos nos cursos profissionais
da oferta está Ano lectivo 2015/2016 (105.654 alunos inscritos no ensino profissional a nível nacional)
concentrada na rede As cinco escolas com MELHOR desempenho no ensino profissional Alunos com 18 anos ou menos Mais de 18 anos Raparigas Rapazes
pública, mas nas
EBS Dr. Manuel EP de Viticultura e EPTOLIVA - EP de Oliveira EP Bento Jesus Caraça, ES de Sabugal,
taxas de conclusão Fernandes, Abrantes Enologia da Bairrada do Hospital/Tábua e Arganil Seixal Sabugal
são as escolas 10 61 68 255 68 48 25 139 22 36
alunos
profissionais, na
maioria privadas,
71 323 174 184 58
que se destacam inscritos inscritos inscritos inscritos inscritos

Formação
Clara Viana 45% 55% 48% 52% 34% 66% 46% 54% 40% 60%

Os alunos do ensino secundário ins- Indicador de desempenho: como se saíram os alunos que entraram nos cursos profissionais em 2013-2014
critos em cursos profissionais têm
Taxa de conclusão no tempo normal (três anos) Taxa nacional de conclusão no tempo normal*
mais sucesso nas escolas onde exis-
te apenas esta oferta do que aque-
les que estão em estabelecimentos 95% 91% 84% 86% 70%
onde coexistem vários tipos de cur- 58% 55% 49% 52% 38%
sos, como acontece nas secundárias
públicas. Esta é uma das conclusões
que sobressaem dos novos dados As cinco escolas com PIOR desempenho Alunos com 18 anos ou menos Mais de 18 anos Raparigas Rapazes
disponibilizados pela Direcção-Ge-
ral de Estatísticas da Educação e ES de Alcochete, EBS do Cadaval, ES Dr. José Macedo ES Leal da Câmara, Esc. Artística Soares
Ciência (DGEEC) que, pela primeira Alcochete Cadaval Fragateiro, Ovar Rio de Mouro, Sintra dos Reis, Porto
vez, permitem espreitar, escola a 154 24 21 4 82 5 248 45 44 10
escola, quais as características e o alunos
desempenho dos alunos dos cursos
profissionais.
Um exemplo: dos cem estabele-
cimentos com ensino profissional 178 25 87 293 54
inscritos inscritos inscritos inscritos inscritos
com melhor desempenho, 65 são
escolas exclusivamente profissio-
nais — que na maior parte dos casos
são privadas. É este o caso da Esco- 33% 67% 56% 44% 60% 40% 14% 86% 63% 37%
la de Viticultura e Enologia da Bair-
rada que o PÚBLICO visitou (ver re-
portagem nestas páginas).
Indicador de desempenho: como se saíram os alunos que entraram nos cursos profissionais em 2013-2014
Em 2015/2016, ano a que repor- Taxa de conclusão no tempo normal (três anos) Taxa nacional de conclusão*
tam estes dados, existiam cursos
profissionais no ensino secundário 8% 4% 14% 27% 18%
em 687 escolas de Portugal conti- 57% 45% 53% 65% 55%
nental, das quais 224 eram escolas
profissionais. Destas últimas, só 16 *no tempo normal de alunos com o mesmo perfil em termos de idades e de apoios da Acção Social Escolar

eram públicas. Fonte: PÚBLICO a partir dos dados do Ministério da Educação PÚBLICO

Para o presidente da Associação


Nacional de Escolas Profissionais directamente das empresas para as- Educação, é que esta oferta come- inscritos nestes cursos 105.684 estu- de cursos em todas as escolas do pa-
(Anespo), José Presa, o facto de os segurarem as formações mais técni- çou também a existir nas escolas dantes — 60% frequentavam secun- ís. Aconteceu o que seria previsível:
alunos terem mais sucesso na con- cas”. “É o resultado de 28 anos de secundárias públicas, o que levou dárias públicas. muitas delas, antigos ‘liceus’ e que
clusão do secundário nestes esta- investimento”, frisa. a que o número de alunos inscri- “Quando este modelo específico nunca abandonaram essa matriz
belecimentos deve-se sobretudo à As escolas exclusivamente profis- tos em cursos profissionais dispa- de ensino, desenvolvido em escolas educacional elitista, viram nos cur-
existência de “instalações e equipa- sionais começaram a ser criadas em rasse em flecha, uma tendência de próprias, que só têm olhos para ele sos profissionais uma oportunidade
mentos adequados às necessidades 1989. Só a partir do ano lectivo de crescimento que só começou a ser e tudo fazem para o seu sucesso, mi- óptima que a tutela lhes oferecia pa-
das diferentes áreas” e também por 2006/2007, com Maria de Lurdes invertida a partir do ano lectivo de grou para as escolas secundárias, isso ra ‘colocar’ nessa gaveta os meninos
disporem de “professores que vêm Rodrigues à frente do Ministério da 2014/2015. Em 2015/2016, estavam fez-se à pressa e impondo a abertura que por lá andavam, mas indesejados
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Público • Sábado, 3 de Fevereiro de 2018 • 17

RANKING BÁSICO E SECUNDÁRIO

Distribuição por idades (por tipo de curso, em %) Total de alunos As cinco áreas mais procuradas no ensino profissional
Profissionais Científico-Humanísticos N.º de alunos (%)
Até 15 anos 10,45 28,53 Ciências Informáticas 13.640 (12,91%)
16 20,51 29,49 13.307 (12,59%)
195.182 Hotelaria e Restauração
17 27,82 28,35 105.654 11.023 (10,43%)
Audiovisuais e Produção dos Media
18 22,47 10
19 11,76 2,89 Turismo e Lazer 9089 (8,6%)
20 ou + 6,94 0,7 Profissionais Científico- Comércio 6782 (6,42%)
Fonte: DGEEC -Humanísticos

e não aptos para o ‘ensino de primei- de 65%. Foi uma das escolas que pior melhor desempenho mostrou. Teve que se detecta dificuldades, acudi- esta se situava em 17,9% no ensino
ra’, o ensino geral”, aponta o inves- se saíram neste indicador. Para o seu uma taxa de conclusão em três anos mos logo à situação”, explica. regular e baixava para 11,2% no en-
tigador da Universidade Católica do director, Jorge Lemos, uma das prin- de 95%, sendo que a média das es- sino profissional.
Porto Joaquim Azevedo, a propósito cipais razões para estes resultados colas semelhantes foi de 58%. “São Mais retenções Para concluir o ensino secundário
das diferenças de desempenho entre tem que ver, precisamente, com o alunos que estão à partida motiva- O que os novos dados divulgados pe- nesta via, os alunos não necessitam
as escolas profissionais e as secundá- processo de adaptação deste antigo dos, porque vão para os cursos que la DGEEC também vêm confirmar é de realizar exames nacionais. Mas
rias públicas. “Como, ao mesmo tem- liceu à diversificação da oferta que mais se adequam à sua vocação”, que, em média, a idade dos alunos não é só a ausência de exames que
po, tornámos compulsiva a frequên- começou ali a ser uma realidade a explica o director, Alcino Hermínio. dos cursos profissionais é superior à garante o sucesso. Joaquim Azevedo
cia do nível secundário, isso ainda partir do ano lectivo de 2006/2007. São também em número reduzido dos seus colegas do ensino regular. destaca, entre outros factores, o facto
acentuou mais a orientação coerciva (71 inscritos), o que garante “um E isso acontece porque chegaram ao de estes cursos estarem organizados
dos jovens para essa gaveta.” Alta empregabilidade maior acompanhamento”. Em re- ensino secundário com mais chum- por módulos. Deste modo, exempli-
“Esta diversificação teve de ser assi- sumo, “são bem tratados”. bos do que estes, refere o presidente fica, “o aluno, e não apenas o profes-
Mais de metade com sucesso milada pelas práticas docentes. E este A pequena dimensão é também um da Anespo, no que é secundado por sor, sabe bem o que tem de realizar
Para averiguar que desempenhos é um processo que leva tempo”, diz. dos “factores de sucesso” apontados outros directores. Mas uma vez che- no decurso de cada um, sendo que
têm os alunos nesta via, a DGEEC Os professores tiveram de se “adap- pelo director da Escola Secundária gados ao secundário, quando com- cada módulo constitui uma unida-
foi ver quantos tinham entrado em tar a novos processos e critérios de do Sabugal, João Vila Flor. A escola parados com os alunos do ensino de curricular de pequena dimensão
2013/2014 para os cursos profissio- avaliação, novos currículos e novas ficou em 5.º lugar entre os melhores regular, são mais os que conseguem (por exemplo, 30h), com objectivos
nais vindos directamente do 3.º ci- perspectivas de formação”. Isto no desempenhos. Existem apenas três concluir os cursos profissionais no e tarefas muito claros, o que facilita o
clo do ensino básico e quantos des- que diz respeito aos docentes dos cur- turmas do ensino profissional, o que tempo normal. trabalho e a implicação pessoal.”
tes estavam em 2015/2016 no último sos científico-humanísticos, que têm garante “uma maior proximidade”. Os dados existentes para a reten-
ano desta oferta. Dos 105.654 alunos também leccionado as disciplinas da “Sempre que surgem problemas ou ção mostram que, em 2015/2016, cviana@publico.pt
que então estavam inscritos nos cur- componente de formação geral dos
PUBLICIDADE
sos profissionais, 29.600 cumpriam cursos profissionais, como Português

Colégio de Nossa
aqueles dois requisitos. ou Matemática. “Estes professores
Foi com base neste universo que a têm de ter uma perspectiva muito
DGEEC calculou qual a taxa de con- concreta do que é fundamental para
Nossa Senhora

da Bonança - Ga

clusão destes cursos em três anos, um aluno dos cursos profissionais,


que é o tempo previsto para o efeito. que são uma modalidade de ensino

Senhora da Bonança
io de

Não foram tidas em conta as escolas orientada muito mais para a vida acti-
lég

a i
Co

com menos de 20 alunos inscritos va do que aquela que é praticada nos


no ensino profissional, nem as que cursos científico-humanísticos, onde
tinham menos de 15 estudantes no a maior parte dos alunos pretende
universo seleccionado, o que reduziu prosseguir estudos para o superior”,
a amostra para 28.686 estudantes. aponta Jorge Lemos.
Destes, 56% conseguiram concluir o Com cerca de 300 alunos inscritos
secundário em três anos. Outros 15% nesta via, o objectivo já está traça-
abandonaram os estudos. do: até ao final de 2018/2019, a es-
Os critérios fixados pelo DGEEC cola pretende abater para metade a
levaram a que o universo das escolas sua taxa de insucesso nesta oferta.
consideradas passasse de um total de O que Jorge Lemos nega é que estes
687 (todas as que têm ensino profis- cursos sejam ainda “um refugo pa-
sional) para 589. Nestas, as taxas de ra os alunos que não tiveram antes
conclusão em três anos oscilam entre um percurso ‘normal’ de escolari-
95% e 4%. Tanto no primeiro como dade”. “São escolhidos por estudan-
no segundo caso, dizem respeito a tes que pretendem assegurar uma
escolas secundárias públicas. entrada mais rápida no mercado de
Para calcular o sucesso de uma es- trabalho”, acrescenta, para infor-
cola, a DGEEC não teve apenas em mar também o seguinte: “A taxa de

CNSB
conta a taxa de conclusão de cada empregabilidade dos nossos cursos
escola, mas também o modo como oscila entre 80% e 90%.” O mesmo é
este se compara com o valor alcan- referido pelos outros directores con-
çado por escolas que têm um perfil tactados pelo PÚBLICO.
semelhante de alunos, em termos A Escola Secundária de Alcochete
de idade e de apoios da Acção Social foi a que se saiu pior na comparação
Escolar. Considera-se que, quanto com outros estabelecimentos que
maior for a diferença positiva entre tinham um perfil de alunos seme-
aquelas duas percentagens, melhor lhante. A adjunta da direcção, Ana
é o desempenho da escola. Guerreiro, explica que as razões es-

a educar para humanizar


Na Escola Secundária Leal da Câ- tão ainda a ser analisadas pela nova
mara, em Sintra, apenas 27% dos alu- liderança da escola, que assumiu
nos conseguiram concluir os cursos funções este ano lectivo.
profissionais em três anos, sendo
que a média para os estabelecimen-
Em Abrantes, a Escola Secundária
Manuel Fernandes está na posição
creche e pré-escolar ensino básico ensino secundário
tos com estudantes semelhantes foi oposta à de Alcochete. Foi a que www.cnsb.pt | Vila Nova de Gaia | Porto
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

18 • Público • Sábado, 3 de Fevereiro de 2018

RANKING BÁSICO E SECUNDÁRIO

Assim se aprende: “Digo-lhes sempre


que estão no sítio certo para errar”
A Escola de Viticultura da Bairrada está no pódio das que melhor se saem no ensino profissional. Mais de
90% dos alunos concluem cursos no tempo normal, mas o caminho para ali chegarem é exigente
ADRIANO MIRANDA
Vitivinícola da Bairrada, uma
Reportagem instituição centenária onde
Samuel Silva nasceu o espumante em Portugal.
A Comissão Vitivinícola da
O burburinho na copa parece o de Bairrada é actualmente uma
uma cozinha profissional. Há um das associadas da instituição
corrupio de gente vestindo jalecas que gere o estabelecimento de
brancas à volta dos pequenos ensino, juntamente com a Câmara
pratos que serão a entrada do Municipal da Anadia e um grupo
menu e pedidos que chegam em de empresas da região ligadas ao
pequenos papéis. Outros dois sector vinícola.
grupos aguardam pelas primeiras Apesar da ligação história ao
ordens de carne e peixe. Estamos, vinho, o curso de Técnico de
porém, numa escola profissional, Enologia e Viticultura é o menos
em Anadia. procurado da escola. “Há muitos
“Tentamos colocá-los em anos que temos apenas meia
situações o mais próximo possível turma”, reconhece o director,
do que vão encontrar no mercado Adriano Aires. Ao todo, estão
de trabalho”, explica Nuno Cabral, inscritos neste momento 35
chef de cozinha e professor na alunos nessa formação. A oferta
Escola de Viticultura da Bairrada, da escola é diversificada e inclui o
que é um dos estabelecimentos de curso de Cozinha e Pastelaria, que
ensino profissional com melhor Diogo Cruz está a terminar, bem
desempenho no país, segundo os como Restaurante/Bar, Gestão
indicadores que pela primeira vez e Construção e Mecânicas, na
o Ministério da Educação divulga variante de moldes, a oferta mais
sobre o sucesso e insucesso das recente do portfólio.
escolas que oferecem esta via. A escola profissional de Anadia
Para concretizar o objectivo de A escola criou um restaurante pedagógico onde todos os dias podem almoçar alunos e professores tem também uma baixa taxa de
colocar os jovens mais próximos desistência (6%) — a média para os
do contexto de trabalho, a escola ainda que continue a pensar em A Escola de Viticultura da que não podem prosseguir para estabelecimentos de ensino com o
criou um restaurante pedagógico prosseguir estudos para o ensino Bairrada tem uma das mais altas a formação em contexto de mesmo perfil é de 16%. Há outros
onde todos os dias podem almoçar superior. “Assim, se não entrar, já taxas de conclusão no tempo trabalho — estágio de um mês que indicadores de sucesso da escola,
professores e alunos. A lotação tenho uma profissão.” normal (três anos) de todo o têm no final de cada ano lectivo como o facto de, ao fim de um ano,
está limitada a 16 pessoas e é ensino profissional: 91%. A taxa —, nem começar a fazer a prova todos os alunos que completam
raro o dia em que não esgota. A Taxa de conclusão de 91% nacional de conclusão no tempo de aptidão profissional, a última um curso profissional estarem
azáfama é a de um restaurante Vai no bom caminho: está normal de alunos com o mesmo etapa do ensino profissional, com ocupados, ou a trabalhar (dois
comercial, com uma pitada menos no último ano do curso de perfil não vai além dos 55%. qualquer módulo em atraso. “Isto terços na sua área de formação) ou
de pressão. “Digo-lhes sempre que restaurante e pastelaria e não Para chegar até aqui, teve foi capaz de os motivar. Com esta prosseguindo estudos.
estão no sítio certo para errar”, tem nenhum módulo atrasado. de apertar os seus critérios de exigência, quer os alunos quer os Em média, 30% dos alunos
sublinha o professor. Nunca chumbou, sublinha: “Já exigência. Nos primeiros anos professores tiveram de trabalhar desta escola seguem para o ensino
Diogo Cruz, 18 anos, gosta, sabemos que a escola é muito após a sua criação, em 1991, havia mais.” superior, para fazerem um curso
porém, da adrenalina. Por isso exigente com isso.” alunos que chegavam ao último Para garantir que os alunos técnico superior profissional ou
é que o seu lugar favorito é nas ano do curso com 35 módulos em conseguem completar os uma licenciatura. E essa é uma
entradas: “São os primeiros a atraso — no ensino profissional módulos, os horários semanais preocupação da escola desde
Escola Profissional de Viticultura
sair e é muito maior a pressão. e Enologia da Bairrada, Anadia
as disciplinas dividem-se em têm tempos destinados a reforço o início. Logo no primeiro ano
Isso faz-nos crescer.” Desta vez módulos, que são avaliados de de aprendizagem, que podem ser de cada curso profissional, os
foi o responsável pelo rodovalho, ANADIA forma independente. “Isso usados para fazer recuperação, directores de turma fazem o
colocado sobre um puré de Alunos que concluem significava que nunca mais iam mas também podem ser levantamento dos alunos que
91%
inhame, que era o prato de peixe em 3 anos conseguir fazer o curso no tempo solicitados para reforçar matérias querem prosseguir estudos assim
do dia. previsto”, comenta Maria Júlia que já foram leccionadas nas aulas. como as áreas pretendidas.
Alunos com o mesmo perfil 55%
Já tinha terminado o 10.º ano que concluem em 3 anos Barbosa, que desde então é a A escola não está ali só para
num curso científico-humanístico no resto do país directora pedagógica. Percebeu Enologia pouco procurada ensinar, defende o director.
quando decidiu inscrever-se na Posição na lista das que 2 que precisava de mudar de Criada há 26 anos, esta escola “Nós somos responsáveis pela
escola profissional de Anadia. mais superam o esperado em 569* estratégia. Agora cada estudante nasceu para dar formação construção de projectos de vida
“Passei de ano, mas pus-me a *quando se compara a % de alunos desta escola só pode transitar para o período profissional na fileira da vinha de jovens que ainda têm uma vida
pensar: será que este curso me que fazem o curso no tempo normal com os lectivo seguinte com um máximo e do vinho, onde a Bairrada inteira à sua frente.”
alunos do resto do país com o mesmo perfil esta
serve?”, conta Diogo. Decidiu escola tem o 2.º melhor desempenho do país em de dois módulos em atraso. tem grande tradição. Na base
mudar para o ensino profissional, 569 para as quais há dados Os alunos sabem também da sua criação está a Estação samuel.silva@publico.pt
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Público • Sábado, 3 de Fevereiro de 2018 • 19

RANKING BÁSICO E SECUNDÁRIO

Receita para a retenção: isolamento,


turmas mistas, alunos desinteressados
É no 2.º ano que mais se chumba no 1.º ciclo. Os alunos voltam a repetir quando chegam ao 5.º.
Falta articulação, alerta David Justino. E intervenção, acrescenta Maria de Lurdes Rodrigues
NUNO FERREIRA SANTOS
da quebra no 4.º ano, esta volta a su-
1.º e 2.º ciclos bir no 5.º. “É a passagem de ciclo, o
Bárbara Wong que significa que o salto do 1.º para
o 2.º é muito grande e os alunos não
Em que ano é que os alunos do 1.º estão preparados. Falta articulação
ciclo mais reprovam? No 2.º. Cerca entre os ciclos para superar essas di-
de 9% ficam retidos. E se à medida ficuldades”, defende o ex-ministro,
que vão progredindo a taxa vai cain- acrescentando que no 7.º ano esta
do, volta a subir no 5.º ano para 7%, taxa volta a crescer.
um valor que se mantém no 6.º ano, Segundo os dados do ME, as es-
revelam os dados que o Ministério colas com maiores taxas são de en-
da Educação (ME) divulgou sobre o sino especial, com meninos que não
1.º e o 2. º ciclos do ensino básico. fazem o currículo normal. “Não há
Dizem respeito a quatro anos lecti- comparação possível. Está mal se os
vos, reportando-se os mais recentes nossos dados influenciam a média
a 2015/2016. geral”, alerta Maria João Gouveia, di-
Além das taxas de retenção, as ba- rectora da Eduardo Claparede, em
ses de dados mostram ainda o núme- Lisboa. Seguem-se as básicas Fon-
ro de alunos, idades e género. E os seca Benevides (46%), em Lisboa; a
alunos são cada vez menos. Em qua- Pintor Almada Negreiros (38%), em
tro anos, no 1.º ciclo, o número caiu Lisboa; e a Nicolau Nasoni (36%),
de 413.759 para 382.317; ou seja, me- no Porto. A primeira responde a
nos 31.442. No 2.º ciclo, em 2012/2013 um público muito específico (ver
eram 231.161, e em 2015/2016 ficavam- texto nestas páginas), os alunos de
se pelos 208.981, menos 22.180. As famílias itinerantes; a segunda não
meninas estão em minoria, em am- respondeu ao PÚBLICO; e a terceira
bos os ciclos: representam 48% dos prestou informações por escrito. As
alunos nas 4033 escolas do 1.º ciclo Em quatro anos, no 1.º ciclo, o número de alunos caiu de 413.759 para 382.317; ou seja, menos 31.442 turmas de 6.º ano da Nicolau Nasoni
e nas 1108 do 2.º existentes. tinham um “elevado número de alu-
Voltando às taxas de retenção, es- Ensino Básico aluno; na segunda eram três. Ape- nos de etnia cigana, que registam,
tas são inexistentes no 1.º ano, por- Taxas de retenção por ano de escolaridade sar de localizadas em concelhos di- de uma maneira geral, uma taxa de
que a lei não permite que se chumbe Em percentagem ferentes, estão em contexto rural e absentismo muito relevante”, outros
mal se entre na escola. No entanto, as turmas eram mistas. A directora “são provenientes de famílias pouco
um estudo revelado em Maio, coor- 15 do agrupamento de Grândola, Ana estruturadas e outros ainda, tendo já
denado pela ex-ministra da Educa- 12 Lúcia Almeida, confirma que é no 2.º sido retirados à sua família, vivem em
ção, Maria de Lurdes Rodrigues, para 11 ano que mais meninos chumbam. instituições”.
10 10
a associação EPIS, revelava que, por 9 9 9 9 “Temos um plano de acção estraté- Mas estas são escolas que traba-
vontade dos docentes, o chumbo de- 8 gica e de melhoria”, avança. “[Mas] o lham para melhorar os resultados.
7 7
veria ser possível logo nesse ano. “A peso do contexto é grande, com pais Na Nicolau Nasoni existe um gabine-
5 5
retenção não é vista como um pro- 4 4 4 com escolarização baixa e desinte- te de apoio ao aluno e à família, dois
blema, mas como uma coisa natural,
3 resse pela escola.” Contudo, não se psicólogos e uma mediadora. Nas au-
2 2
e isso é crítico”, alerta a investigado- conforma: “Não podemos subjugar- las de Português e de Matemática há
ra em declarações ao PÚBLICO. 2.º 3.º 4.º 5.º 6.º 2.º 3.º 4.º 5.º 6.º 2.º 3.º 4.º 5.º 6.º 2.º 3.º 4.º 5.º 6.º
nos ao peso do contexto.” um professor coadjuvante e quatro
A ex-governante defende que o 2.º 2012/2013 2013/2014 2014/2015 2015/2016
A EB Fonte Santa (Almada) e a Oli- tempos semanais de tutoria.
ano deveria ser “objecto de interven- veira de Barreiros (Viseu) tiveram ta- Regressemos ao 1.º ciclo, porque
Fonte: PÚBLICO a partir dos dados do Ministério da Educação
ção” da própria escola. “Quando os xas de retenção de 60% e 57%. Mais é aqui que a retenção pode marcar
directores dos agrupamentos chama- uma vez, são escolas rurais, isoladas o futuro dos alunos. David Justino
ram a si a responsabilidade, os casos Mal um professor detecta dificulda- de Lurdes Rodrigues nota ainda que e com turmas mistas. À primeira só defende que é preciso evitar a en-
resolveram-se”, acrescenta. Em últi- des, logo no 1.º período do 1.º ano, é a retenção se verifica muito em es- se chega de carro; a segunda tem trada precoce no 1.º ano, fazer uma
ma instância, a tutela deve ter uma preciso actuar de imediato.” colas isoladas, com turmas mistas, crianças de etnia cigana. “Há pais sinalização dos que têm problemas
palavra a dizer junto dessas escolas, Nos últimos anos, o CNE mostrou onde podem estar alunos de vários que preferem que fiquem retidas”, de visão e audição e mudar os mé-
por exemplo com o reforço da equi- grande preocupação com as taxas anos de escolaridade. explica a direcção do agrupamento, todos de ensino da leitura. Porque
pa dos professores, sugere. de retenção, e em Janeiro de 2016, E assim é, verificou o PÚBLICO no que diz que tem apostado no traba- os custos de retenção são altos,
Também David Justino, ex-minis- num estudo feito em parceria com a contacto com as escolas do 1.º ciclo lho com esta comunidade (há uma “mas os custos do insucesso na vida
tro e ex-presidente do Conselho Na- Fundação Francisco Manuel dos San- com as taxas mais altas de retenção mediadora que vai aos acampamen- pessoal dos alunos são muitíssimo
cional de Educação (CNE), se mostra tos, concluía que Portugal era o país no 4.º ano. Por exemplo, a EB de tos falar com as famílias e há pais que maiores”, diz. “É um desperdício
preocupado: “Não há uma cultura de da Europa onde mais se associava o Grândola e a do Penteado (Moita) estão na escola, a estudar). de capital humano.”
equidade, de compreender que esses chumbo a um baixo estatuto socioe- tiveram uma taxa de retenção de No 2.º ciclo, a taxa de retenção é
alunos precisam de um maior apoio. conómico e cultural da família. Maria 100%. Na primeira havia apenas um de 7%. David Justino nota que, depois bwong@publico.pt
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

20 • Público • Sábado, 3 de Fevereiro de 2018

RANKING BÁSICO E SECUNDÁRIO

Quando o professor dá a matéria como


se fosse a “8.ª maravilha do mundo”
A sul do país, a Básica Sebastião da Gama, em Estremoz, foi a escola de contexto desfavorecido que mais
superou o que dela se esperava, tendo em conta as características socioeconómicas dos seus alunos
NUNO FERREIRA SANTOS
Isabel Rebocho, a professora,
Reportagem destaca o trabalho prévio que
Carlos Dias foi feito com os alunos. Os que
compuseram a turma no 7.º ano,
À volta de um aquecedor eléctrico, e que permaneceram juntos
para não enregelar, professores e com os mesmos professores até
alunos até parecem surpreendidos ao 9.º, “já vinham munidos de
com a atenção que estão a receber. pré-requisitos, embora houvesse
Por que melhorou o resultado da diferenciação entre eles a nível de
escola? Talvez seja o empenho conhecimentos assimilados”.
dos professores, dizem os
alunos. Talvez os alunos tenham Fazer parte da escola
mudado de “atitude”, apontam os O mérito da Sebastião da Gama
professores. Estão satisfeitos, claro, residiu no trabalho realizado
mas são contidos na manifestação no sentido “da interiorização
do entusiasmo. do conceito da partilha e da
Localizada no interior entreajuda” entre alunos. Sobre
alentejano, inserida num os conteúdos programáticos, os
contexto social marcado conhecimentos e a interpretação
por franjas de população do Português incidiram
desfavorecidas, cerca de 60% sobretudo “no saber interpretar”
dos alunos do 9.º ano da Escola o que se lia e os textos que
Básica Sebastião da Gama, em elaboravam, motivando-os a
Estremoz, recebem apoio social. requisitar livros na biblioteca da
No ano lectivo de 2016 ocupavam escola e a fazer “com agrado”
a 886.ª posição no ranking dos trabalhos em casa.
exames do 9.º ano. Em 2017 O trabalho de equipa recebeu
alcançaram o 447.º lugar num ainda o apoio da coordenadora
universo composto por 1049 Na Matemática, alunos e professores chegaram mesmo a ir “além do programa na matéria dada” de Matemática e Ciências, Rosário
estabelecimentos de ensino a Aldeagas. “Semanalmente,
nível nacional com pelo menos de famílias desestruturadas e No entanto, outros factores reunia-me uma hora com os
50 provas nacionais realizadas. de fracos recursos, o que leva a foram determinantes: os
Cerca de 60% professores para a planificação
Pelas características da sua que o estabelecimento integre professores de Português e dos alunos do dos conteúdos programáticos de
população escolar (taxa de um Território Educativo de Matemática mantiveram-se Português e Matemática.” Há três
alunos abrangidos por acção Intervenção Prioritária — programa na mesma turma do 7.º ao 9.º
9.º ano da Escola anos que trabalham em conjunto
social escolar e escolaridade criado em 1996 para combater o ano, “sempre em continuidade Básica Sebastião e com resultados que realçaram
dos pais dos alunos), esta é uma insucesso e a indisciplina em zonas pedagógica, o que assegurou a o trabalho da escola, pelas boas
escola do “contexto 1”, o mais mais carenciadas do ponto de vista coesão neste grupo de alunos, a
da Gama recebem razões.
desfavorecido dos três definidos social e económico. quem foi sempre garantido um apoio social Os depoimentos de Maria Lopes
pelo PÚBLICO com base nos Jorge Baltazar, professor de suporte de retaguarda”, enfatiza. e Bernardo Clímaco, alunos do
dados fornecidos pelo Ministério Matemática, natural do Norte 7.º ano, mostram que houve
da Educação. A média esperada do país, corrobora a afirmação O interesse dos “gaiatos” mudança de testemunho para
nos exames nacionais para uma expressa pelo director da escola: O facto de os alunos terem estado, professor de Matemática atenua o o ano lectivo de 2018 e que o
escola com estas características “O que mudou foi a postura dos durante três anos, com os mesmos brilhantismo que lhe é atribuído, modelo implementado prossegue.
seria de 2,78 valores, numa escala gaiatos. Sem eles não haveria professores deixou os jovens realçando antes o interesse que os “Nós não temos medo de falar
que vai até 5. Alcançou 2,95. Pode resultados.” “à vontade”, lembra Margarida “gaiatos” mantinham pela matéria: com os professores, nem temos
não parecer brilhante, mas esta Almeida, uma das alunas que “Nunca vi nenhum deles arrumar receio de perguntar ou de pedir
foi a escola de “contexto 1” que, a fizeram parte da turma que os materiais antes de a aula esclarecimentos depois das aulas”,
Sul do Tejo, mais superou o que EB Sebastião da Gama mereceu destaque no ranking. terminar”, diz, demonstrando, dizem, assumindo que as linhas
dela era esperado. ESTREMOZ A jovem elogia o ambiente com este exemplo, como o programáticas que estão a ser
“Se não houvesse partilha entre Contexto Mais desfavorecido “desinibido” das aulas. E o entusiasmo e a dedicação dos seguidas na escola têm este efeito:
alunos e professores, não haveria empenho dos professores. O de alunos acabaram por valorizar o “Transmitem-nos a ideia que
método ou projecto de ensino Provas no básico 88 Matemática, por exemplo. “O seu próprio trabalho. Chegaram fazemos parte dela.”
que resultasse” assegura, com Média (exames nacionais) 2,95 professor parecia que estava a mesmo a ir “além do programa na E o espírito de entreajuda
realismo, o director da escola apresentar a 8.ª maravilha do matéria dada”. persiste: um colega pediu a
Média que seria de esperar 2,78
com pouco mais de 400 alunos, face ao seu contexto mundo” quando estava a dar a O progresso na disciplina de Bernardo Clímaco se podia ajudá-
José João Espadinha. O panorama matéria. “Era empolgante porque Português, igualmente valorizada lo em Matemática. “Fiquei muito
social da população escolar é Lugar (ranking dos exames) 477 nos incutia confiança.” na subida de classificação em 2017, satisfeito por ele ficar a perceber o
elucidativo: muitos alunos vêm *com pelo menos 50 provas realizadas 1049* Na resposta ao elogio, o também não foi fruto do acaso. que lhe parecia difícil.”
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

22 • Público • Sábado, 3 de Fevereiro de 2018

RANKING BÁSICO E SECUNDÁRIO

As escolas públicas e privadas no ranking do básico de 2017

Universo de escolas no ranking Escolas com média global Médias no público e no privado Médias de exame às duas disciplinas por sexo
(com mais de 50 provas) negativa
2017 3,06
2,81 2,93
(abaixo de 2,5 valores) 2,9 2,87
2017 2,72
146 21,8% Média privado 3,44
PRIVADAS 17,5%
Média geral 2,97
12,8%
Total Média público 2,90
1049
3,3% 3,5% N.º de provas 155.236 22.694 Total
903 0,7%
PÚBLICAS
2015 2016 2017
177.930 2015 2016 2017

As três melhores e as três piores do ranking geral Médias por concelho Taxa de retenção
Col. Minerva, por concelho**
Concelhos com as
Barreiro
melhores médias (20%)
Média dos Col. Nossa Senhora Concelhos com
exames 4,41 da Paz, Porto as menores taxas
Grande Colégio Intermédios
1 Classificação Média dos de retenção (20%)
interna* 4,34 exames 4,30 Universal, Porto
2 Classificação Média dos Intermédios
Ranking do sucesso 24 Concelhos com
interna* 3,66 exames 4,23 as piores médias
Ranking do sucesso 36 3 Classificação (20%) Concelhos com
EB de Paredes, interna* 4,04 as maiores taxas
Sem dados ou escolas de retenção (20%)
Paredes Ranking do sucesso 180 fizeram menos
Média dos EB Bairro do
de 50 provas
1047 exames 1,94 Padre Cruz, Lisboa
Classificação Média dos ES Matias Aires,
interna* 2,72 exames 1,94 Sintra
1048 Classificação Média dos
Ranking do sucesso 954 interna* 2,51 exames 1,92
Classificação
Ranking do sucesso 464 1049 interna* 2,61
* Ao contrário da média dos exames, que inclui alunos internos e autopropostos que
fizeram parte da escola ao longo do ano, a nota interna só tem em conta os internos Ranking do sucesso 1024

As melhores e piores a Português e Matemática


Português Matemática
Média de exame Média de exame
Colégio Minerva Colégio Horizonte
4,57 4,64
Barreiro Vila Nova de Gaia
Colégio Barufeira Acad. Música Sta. Cecília
4,13 4,55
Cascais Lisboa
Col. Lourdes 4,12 Col. Nossa Sra da Bonança 4,54
Santo Tirso Vila Nova de Gaia

EB Bairro Padre Cruz 2,18 EB Trafaria 1,41


Lisboa Almada
EB da Apelação 2 ES Matias Aires 1,40
Loures Sintra ** Todas as escolas para
as quais há dados são
ES de Figueiró dos Vinhos 2 ES de Vila Verde 1,38 consideradas,
Figueiró dos Vinhos Vila Verde independentemente do
número de provas
Ranking inclui todas as escolas independentemente do número de provas

As melhores e piores de cada contexto no ranking geral


Ranking Contexto 1 Ranking Contexto 2 Ranking Contexto 3
Exames Sucesso Exames Sucesso Exames Sucesso

77 12 EB Dr. Carlos Pinto Ferreira 3,55 73 656 EB n.º 2 de Avelar 3,58 26 87 ES Infanta D. Maria 4
Vila do Conde Ansião Coimbra
87 489 EB de Fragoso 3,53 79 133 ES de Alcanena 3,55 32 132 EA Cons. Música C. Gulbenkian 3,92
Barcelos Alcanena Braga
100 130 EB António Correia Oliveira
3,47 91 403 EBS de Ourique
3,51 46 201 ES Dr. Mário Sacramento
3,81
Esposende Ourique Aveiro

1046 515 EB do Miradouro de Alfazina


1,95 1029 583 EBS Passos Manuel
2,22 972 203 EB D. João II
2,43
Almada Lisboa Portimão
1047 954 EB de Paredes 1030 762 EB Visconde de Juromenha 993 950 EB Maria Lamas
Paredes 1,94 Sintra 2,21 Porto 2,36
1048 464 EB Bairro do Padre Cruz 1049 1024 ES Matias Aires 1020 767 EB de S. Vicente
Lisboa 1,94 Sintra 1,92 Lisboa 2,27
Fonte: PÚBLICO a partir dos dados do Ministério da Educação Infografia: Célia Rodrigues e Rita Marques Costa
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Público • Sábado, 3 de Fevereiro de 2018 • 23

RANKING BÁSICO

directos de sucesso

esperado contexto
Como ler a lista do básico

Lugar no Ranking

social escolar (%)


Var. face ao valor

Habilitações pais
exames em 2016
Tipo de Escola

dos percursos

retenção por
dos exames

Sem acção
de exames

escola (%)
Média de
Lugar no

Taxas de
em 2017

Ranking
Provas
Escola

(anos)
Média
Escola e tipo de escola em 13/14 e os que entraram em 14/15
As escola aparecem identificadas pelo (sendo expectável que acabassem o 9.º em
AVEIRO
Águeda nome e pelo tipo (pública ou privada) e 2016/17). Quantos tiveram percursos sem
ES Adolfo Portela PUB 156 3.20 222 276 3.00 + 10.37 74.80 1.80 estão ordenadas por distrito e concelho, por chumbos?
ES Marques de Castilho PUB 155 3.15 250 447 2.98 + 8.89 61.90 6.35
EB Professor Artur Nunes Vidal PUB 56 3.07 338 88 2.98 + 8.89 61.90 2.78
ordem alfabética. O ME calcula a diferença entre a
Instituto Duarte Lemos PRI 212 2.94 499 534 3.06 - 0.00 percentagem de “percursos de sucesso” em
EB de Valongo do Vouga PUB 76 2.92 520 453 2.88 + 8.45 60.50 8.00 Provas cada escola, entre 2015 e 2017, e a média
EB de Aguada de Cima PUB 98 2.59 866 688 2.83 - 8.89 61.90 3.85
EB Fernando Caldeira PUB 42 2.19 988 2.29 - 9.01 37.50 33.33 O Ministério da Educação (ME) faculta aos nacional dos alunos com desempenho
Albergaria-a-Velha órgãos de comunicação social uma base anterior semelhante ao longo desses três
EB de Branca PUB 108 3.21 208 651 3.12 + 9.09 57.90 12.90
de dados da qual constam as notas de anos. Um exemplo: imagine uma escola
Colégio de Albergaria PRI 102 3.12 291 570 2.93 - 0.00
ES de Albergaria-a-Velha PUB 250 2.54 905 1006 2.50 - 9.17 52.70 3.28 todos os alunos que em 2016/17 fizeram “A” que recebe alunos que trazem grandes
Anadia exames nacionais no 9.º ano, a Português dificuldades na Matemática e poucas bases
Colégio de Nossa Senhora da Assunção PRI 178 4.01 24 343 3.78 + 0.00
EB de Vilarinho do Bairro PUB 68 3.16 237 650 3.08 + 9.10 54.50 6.67
e Matemática. Estas provas contam 30% a Português. A probabilidade de esta escola
EB e Sec. EB e Sec. de Anadia PUB 176 3.08 329 838 2.88 + 9.10 54.50 14.00 para a nota final. O ranking do ensino básico ver muitos deles chumbarem — logo ali, no
Salesianos de Mogofores - Colégio PRI 66 2.80 665 675 2.86 - 9.52 reflecte os resultados dos alunos internos final do 7.º, ou pouco depois, no 8.º ano —,
Arouca
ES de Arouca PUB 321 2.98 444 820 2.56 + 8.35 37.60 7.05 que se apresentam a exame tendo em vista é alta. Imagine agora que nesta escola “A”,
EB e Sec. de Escariz PUB 142 2.85 616 380 2.92 + 7.00 44.80 9.43 aprovação e os dos alunos autopropostos 40% dos alunos passam o 7.º e o 8.º ano
Aveiro
que tenham frequentado a escola nesse sem chumbos e, uma vez postos à prova nos
ES Dr. Mário Sacramento PUB 196 3.82 46 201 3.48 + 12.09 80.20 0.75
EB Castro Matoso, Oliveirinha PUB 96 3.34 136 585 2.76 + 7.84 52.20 9.52 ano lectivo — ou seja, alunos que estiveram exames nacionais do 9.º ano, conseguem
ES José Estevão PUB 404 3.24 191 192 3.19 + 12.43 78.50 1.44 na escola ao longo do ano todo, ainda que positiva a Português e a Matemática. Se
EB e Sec. Dr. Jaime Magalhães Lima PUB 257 3.16 243 693 2.90 + 10.99 74.80 1.53
EB Rio Novo do Príncipe, Cacia PUB 66 3.14 266 169 2.88 + 8.91 65.00 1.85
tenham desistido da matrícula antes de nas outras escolas do resto do país, que
EB de Aradas PUB 100 3.12 288 558 2.70 + 12.09 80.20 6.06 prestarem provas nacionais. Apenas são lidaram com estudantes que à partida
ES Homem Cristo PUB 114 3.05 357 2.90 + 12.50 69.40 consideradas as provas feitas na 1.ª fase tinham o mesmo nível dos da escola “A”, a
EB de Eixo PUB 68 3.00 425 279 2.83 + 8.66 58.50 0.00
Colégio D. José I PRI 138 2.80 663 477 2.95 - 19.30 de exames. Na coluna “Provas”, informa-se percentagem de crianças a fazer o mesmo
Estabelecimento de Ensino Santa Joana PRI 30 2.97 351 3.25 - 17.65 quantos exames a Português e a Matemática caminho for mais baixa, para o ME, a escola
Castelo de Paiva
(as duas disciplinas a que os alunos prestam “A” é uma escola que promove o sucesso.
EB de Couto Mineiro do Pejão, Raiva PUB 85 2.93 509 544 2.56 + 7.82 39.60 7.69
EB e Sec. de Castelo de Paiva PUB 302 2.78 682 509 2.83 + 7.82 41.20 6.62 provas no 9.º ano) foram realizados em cada O PÚBLICO ordenou as escolas da que
Espinho escola. apresenta a maior diferença positiva para
EB e Sec. Dr. Manuel Laranjeira PUB 518 3.28 171 546 3.00 + 10.78 60.40 5.83
EB e Sec. Dr. Manuel Gomes Almeida PUB 315 2.99 432 628 2.86 + 9.51 52.10 9.30
a que tem a maior diferença negativa — ou
Estarreja Média dos exames seja, estão nos primeiros lugares as que
ES de Estarreja PUB 260 3.14 258 72 2.91 + 9.30 71.20 6.32 Média das notas obtidas pelos alunos da mais superaram a média de percursos
EB Professor Doutor Egas Moniz, Avanca PUB 77 2.99 440 824 2.63 + 9.30 71.20 21.05
EB de Pardilhó PUB 54 2.63 841 687 2.80 - 7.34 56.20 13.33 escola nos dois exames, numa escala que directos e nos finais as que ficaram mais
Ílhavo vai até cinco valores. aquém. Este indicador leva em conta o
ES de Gafanha da Nazaré PUB 199 2.94 492 218 2.83 - 9.81 71.70 9.57
número de alunos que cada escola tem
EB de Gafanha da Encarnação PUB 111 2.94 500 630 2.53 + 9.27 72.90 13.56
ES Dr. João Carlos Celestino Gomes PUB 188 2.85 605 681 2.73 + 9.59 68.00 6.00 Lugar no ranking dos exames e considera os resultados agregados de
Mealhada Lugar ocupado pela escola no ranking 2015 a 2017 o que “valoriza também a
EB n.º 2 de Pampilhosa PUB 88 3.41 118 2 2.79 + 9.96 70.50 8.77
EB n.º 2 de Mealhada PUB 84 3.07 337 696 2.64 + 9.96 70.50 13.33
do ensino básico — que ordena os consistência de resultados na escola”,
ES da Mealhada PUB 128 2.95 491 685 2.93 - 9.96 70.50 13.64 estabelecimentos de ensino do que tem explica uma nota metodológica do ME. Para
Murtosa melhor média nos exames de Português e além disso, sublinha o ME, “ao valorizar o
EB e Sec. Padre António Morais da Fonseca PUB 115 3.00 420 359 2.72 + 7.99 51.10 15.63
EB da Torreira PUB 24 3.46 841 2.59 + 7.99 51.10 5.26 Matemática para o que tem o pior resultado. sucesso durante todo o percurso no 3.º
Oliveira de Azeméis O PÚBLICO só atribui uma posição no ciclo, não premeia a retenção”, ou seja, não
EB e Sec. de Fajões PUB 92 3.38 126 347 2.77 + 8.16 59.00 11.11
ranking às escolas onde se realizaram pelo se saem melhor neste ranking escolas que
EB de Loureiro, Alumieira PUB 78 3.26 183 299 3.05 + 8.58 52.40 8.57
EB Dr. J. Pereira Tavares, Pinheiro da Bemposta PUB 94 3.26 184 165 2.86 + 8.58 52.40 4.26 menos 50 provas. eventualmente chumbem mais e só levem
EB e Sec. Ferreira de Castro PUB 183 3.14 265 239 2.82 + 9.43 72.60 2.75 a exame os “melhores” estudantes. Por fim,
EB e Sec. Dr. Ferreira da Silva, Cucujães PUB 130 3.11 301 325 2.55 + 8.03 65.20 1.28
EB de Carregosa PUB 72 3.07 342 589 2.44 + 8.16 59.00 3.64
Lugar no ranking dos percursos directos “combina as avaliações interna e externa”.
EB Comendador Ângelo Azevedo PUB 118 3.01 407 646 2.93 + 8.03 65.20 3.57 de sucesso Nota: podem existir alunos que mudaram de
ES Soares Basto PUB 307 2.99 441 754 2.70 + 9.24 67.60 6.38 Neste ranking não são as médias nos escola durante o período em análise e que
Oliveira do Bairro
Instituto de Promoção Social de Bustos PRI 145 3.12 292 368 2.97 - 6.15 exames que contam. O nome técnico que o não estão reflectidos no resultado da escola
ES de Oliveira do Bairro PUB 183 2.98 442 2.75 + 9.08 53.40 11.11 ME lhe dá é “indicador global dos percursos medido por este indicador.
EB Dr. Fernando Peixinho PUB 64 2.80 674 1005 2.63 - 9.08 53.40 6.25
directos de sucesso”, considerando
Ovar
ES Júlio Dinis PUB 158 3.14 261 288 3.20 + 9.25 57.90 3.48 que este é o indicador mais “robusto” e Média de exames em 2016
ES Dr. José Macedo Fragateiro PUB 303 3.12 290 669 2.69 + 10.11 64.70 6.67 “consistente” para analisar o sucesso escolar Neste coluna, pode ver qual a classificação
EB Monsenhor Miguel de Oliveira PUB 88 3.08 330 340 2.79 + 9.25 57.90 3.03
ES de Esmoriz PUB 320 2.90 540 2.84 + 9.08 56.10 12.78
dos alunos em todas as escolas, públicas e média nos exames obtida pela escola no ano
EB de São Vicente de Pereira Jusã PUB 48 2.94 924 2.70 + 9.25 57.90 8.33 privadas. O que se mede exactamente? Em anterior e comparar com a de 2017.
Santa Maria da Feira primeiro lugar, a percentagem de alunos
Colégio das Terras de Santa Maria PRI 92 4.12 12 300 3.72 + 0.00
EB de Corga do Lobão PUB 187 3.22 201 111 2.98 + 7.60 40.20 1.03 da escola que obtiveram positiva nas Contexto
EB de Argoncilhe PUB 134 3.22 203 704 2.70 + 8.04 32.90 13.95 duas provas finais do 3.º ciclo (Português O ME faculta uma série de dados que
Colégio Liceal de Santa Maria de Lamas PRI 429 3.02 398 638 2.87 - 2.80
e Matemática), após um percurso sem dão algumas pistas sobre o contexto
EB e Sec. de Santa Maria da Feira PUB 409 2.92 514 327 2.77 + 9.38 57.50 10.00
EB Fernando Pessoa PUB 334 2.91 534 663 2.99 - 10.37 70.40 1.49 retenções nos 7.º e 8.º anos de escolaridade socioeconómico das escolas não agrupadas
EB e Sec. Coelho e Castro, Fiães PUB 210 2.88 573 683 2.71 + 8.44 49.20 2.73 — para o ME, é isso que define um “percurso e dos agrupamentos de escolas que
EB de Paços de Brandão PUB 164 2.85 601 273 2.65 + 8.74 67.30 16.96
EB de Canedo PUB 164 2.84 623 786 2.81 + 7.49 38.80 0.00
de sucesso” no 3.º ciclo. Depois, compara- existem no país. Os dados publicados no
EB António Alves de Amorim, Lourosa PUB 139 2.52 923 778 2.56 - 7.95 49.10 6.49 se essa percentagem de percursos directos ranking do básico, que pode ser consultado
EB de Arrifana, Santa Maria da Feira PUB 190 2.48 947 1037 2.47 - 6.94 60.90 15.38 com a média de percursos de sucesso que nestas páginas, caracterizam o universo
São João da Madeira
ES João Silva Correia, São João da Madeira PUB 158 3.46 102 445 3.17 + 10.82 60.50 5.77 se verifica entre os alunos do resto do país dos alunos do ensino básico em cada um
EB e Sec. Oliveira Júnior, São João da Madeira PUB 331 3.10 314 773 2.84 + 10.35 76.20 1.67 que, quando ingressaram nas suas escolas, dos agrupamentos onde houve exames
EB de São João da Madeira PUB 170 2.93 508 597 3.04 - 10.82 60.50 4.76
tinham um nível de desempenho escolar no 9.º ano. Para caracterizar o contexto de
EB e Sec. Dr. Serafim Leite, São João da Madeira PUB 115 2.50 929 623 2.12 - 8.40 48.80 12.82
Centro de Educação Integral PRI 32 3.41 281 2.88 - 0.00 semelhante à entrada do 3.º ciclo (7.º ano). cada escola, seleccionámos os seguintes
Sever do Vouga Por fim, analisa-se o que aconteceu com indicadores: percentagem de alunos que,
EB e Sec. de Sever do Vouga PUB 220 3.07 335 346 2.88 + 9.59 55.70 3.19
Vagos
três gerações sucessivas de alunos: os que no agrupamento em que a escola se insere,
ES de Vagos PUB 174 3.21 209 3.02 + 9.33 59.40 4.07 entraram no 7.º em 2012/13, os que entraram ou na escola isolada, não c Cont. pág.31
C. Diocesano de Nossa Senhora Apresentação PRI 208 2.90 539 468 2.61 - 9.32
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

24 • Público • Sábado, 3 de Fevereiro de 2018

RANKING BÁSICO

directos de sucesso

directos de sucesso
esperado contexto

esperado contexto
Lugar no Ranking

Lugar no Ranking
social escolar (%)

social escolar (%)


Var. face ao valor

Var. face ao valor


Habilitações pais

Habilitações pais
exames em 2016

exames em 2016
Tipo de Escola

Tipo de Escola
dos percursos

dos percursos
retenção por

retenção por
dos exames

dos exames
Sem acção

Sem acção
de exames

de exames
escola (%)

escola (%)
Média de

Média de
Lugar no

Lugar no
Taxas de

Taxas de
em 2017

em 2017
Ranking

Ranking
Provas

Provas
Escola

Escola
(anos)

(anos)
Média

Média
Vale de Cambra EB da Mota PUB 78 2.51 925 1028 2.40 - 7.74 24.50 2.94
EB e Sec. de Búzio PUB 339 3.07 343 485 2.90 + 9.15 73.60 3.09 Esposende
BEJA EB Antonio Correia Oliveira PUB 113 3.48 100 130 3.05 + 8.88 43.50 21.28
Aljustrel EB de Forjães PUB 88 3.18 227 126 3.26 + 8.31 45.80 8.89
ES de Aljustrel PUB 99 2.55 902 2.57 - 10.24 62.50 30.30 ES Henrique Medina PUB 228 3.18 229 283 3.01 + 9.51 64.70 2.80
Almodôvar EB de Apúlia PUB 126 3.00 419 113 3.12 + 8.88 43.50 9.86
EB e Sec. Dr. João Brito Camacho PUB 64 2.64 827 634 2.73 - 9.20 66.70 9.52 EB António Rodrigues Sampaio PUB 128 2.91 526 206 2.73 + 8.31 45.80 5.41
Alvito Fafe
EB n.º 1 de Alvito PUB 28 2.46 2.29 - 9.11 75.00 0.00 EB Prof. Carlos Teixeira PUB 410 2.89 559 567 2.76 + 9.22 53.10 1.45
Barrancos EB de Montelongo PUB 154 2.78 690 900 2.54 + 7.40 36.10 24.30
EB de Barrancos PUB 19 2.26 3.00 - 9.64 33.30 0.00 EB Padre Joaquim Flores, Revelhe PUB 150 2.75 724 271 2.60 - 7.40 36.10 11.32
Beja EB de Arões - Santa Cristina PUB 155 2.66 807 975 2.42 - 7.00 44.20 3.66
ES D. Manuel I PUB 101 3.56 76 34 3.75 + 12.12 75.60 2.70 EB de Silvares, São Martinho PUB 82 2.45 966 298 2.82 - 9.22 53.10 6.52
Externato António Sérgio PRI 66 3.21 210 818 2.45 - 0.00 C. da Ass. Cultural e Recreativa de Fornelos PRI 42 3.55 1014 3.50 + 0.00
ES Diogo de Gouveia PUB 84 3.00 422 402 3.51 - 10.97 73.80 14.29 Guimarães
EB Mário Beirão PUB 113 2.89 549 580 3.13 - 12.12 75.60 2.67 Colégio Nossa Senhora da Conceição PRI 76 4.21 6 49 + 0.00
EB de Santiago Maior PUB 126 2.85 610 516 2.62 - 10.97 73.80 7.55 Colégio do Ave PRI 62 3.85 42 63 + 0.00
EB de Santa Maria PUB 75 2.57 878 437 2.42 - 10.97 73.80 11.11 EB Egas Moniz PUB 157 3.43 115 17 3.02 + 10.25 73.80 2.08
Castro Verde EB Virgínia Moura, Moreira de Cónegos PUB 144 3.29 162 721 2.72 + 7.29 54.10 4.41
ES de Castro Verde PUB 101 3.00 421 2.60 - 10.08 71.20 0.00 EB Professor João de Meira PUB 318 3.29 163 483 3.15 + 12.50 79.60 1.72
Cuba EB Arqueólogo Mário Cardoso, Ponte PUB 154 3.27 177 446 3.02 + 7.96 50.30 2.97
EB Fialho de Almeida PUB 68 2.66 802 974 2.18 - 9.90 61.00 20.00 EB Gil Vicente, Urgeses PUB 144 3.13 273 184 2.72 + 7.05 53.80 22.83
Ferreira do Alentejo EB de Pevidém, Selho - São Jorge PUB 163 3.11 299 308 2.73 + 8.30 49.20 11.83
EB e Sec. José Gomes Ferreira PUB 47 2.38 660 2.41 - 9.58 34.30 7.50 EB e Sec. Santos Simões PUB 239 3.09 323 501 2.66 + 8.73 59.90 4.17
Mértola EB das Taipas, Caldas das Taipas PUB 282 3.06 351 344 2.97 + 8.88 49.10 1.44
EB e Sec. de São Sebastião PUB 50 2.36 995 745 2.60 - 8.49 52.30 6.25 EB Professor Abel Salazar PUB 212 3.05 363 609 2.85 + 7.99 57.00 10.61
Moura EB D. Afonso Henriques, Creixomil PUB 198 3.01 409 415 3.03 + 9.34 59.40 0.00
ES de Moura PUB 136 2.79 677 350 2.41 - 10.33 71.70 10.42 EB do Vale de São Torcato PUB 157 2.99 426 491 2.74 + 7.07 45.20 9.78
EB de Amareleja PUB 72 2.25 1025 521 2.34 - 6.98 53.10 6.82 EB Arquiteto Fernando Távora, Fermentões PUB 108 2.82 643 401 2.96 + 7.29 48.10 27.03
EB n.º 1 de Moura PUB 53 2.19 1032 689 2.27 - 7.04 36.20 26.79 EB de Briteiros PUB 148 2.66 811 958 2.67 - 7.08 53.90 19.23
Odemira EB de Abação PUB 146 2.53 913 932 2.68 - 6.59 36.60 9.47
Colégio Nossa Senhora da Graça PRI 91 2.85 615 790 2.99 - 13.21 Colégio Arautos do Evangelho PRI 6 4.00 3.38 +
EB Eng. Manuel Rafael Amaro da Costa PUB 80 2.73 746 984 2.39 - 9.90 66.00 16.98 Póvoa de Lanhoso
EB Damião de Odemira PUB 91 2.54 911 987 2.81 - 10.93 65.10 1.59 EB Gonçalo Sampaio PUB 142 3.05 360 444 2.61 + 7.92 44.50 17.65
EB Aviador Brito Paes, Colos PUB 46 2.61 951 2.44 - 8.86 75.00 20.83 ES de Póvoa de Lanhoso PUB 152 2.99 429 69 2.79 + 7.89 50.00 10.00
EB n.º 1 de Sabóia PUB 24 2.96 2.54 + 9.26 53.80 20.00 EB do Ave PUB 102 2.64 830 339 2.50 - 7.89 50.00 18.00
Ourique Terras de Bouro
EB e Sec. de Ourique PUB 51 3.51 91 403 2.83 + 9.54 60.00 9.68 EB e Sec. de Terras de Bouro PUB 60 2.47 955 872 2.73 - 8.41 31.70 2.04
Serpa EB e Sec. de Rio Caldo PUB 38 2.68 833 3.00 - 8.41 31.70 23.68
EB de Pias PUB 52 3.23 195 449 2.57 + 8.93 61.40 14.81 Vieira do Minho
EB Abade Correia da Serra PUB 83 2.86 599 622 2.65 + 8.93 61.40 2.00 EB e Sec. Vieira de Araújo PUB 240 2.70 777 991 2.63 - 8.18 55.80 9.17
EB n.º 1 de Vila Nova de São Bento PUB 54 2.35 999 890 2.48 - 8.30 46.90 10.53 Vila Nova de Famalicão
ES de Serpa PUB 24 2.54 2.57 - 8.30 46.90 7.14 Externato Delfim Ferreira PRI 292 3.30 157 584 3.16 - 8.82
Vidigueira EB Júlio Brandão PUB 257 3.27 176 238 3.10 + 11.65 67.00 7.08
EB Frei António das Chagas PUB 52 2.48 946 1039 2.38 - 8.71 48.80 11.11 ES Padre Benjamim Salgado PUB 348 3.13 271 2.86 + 8.39 52.90 7.22
BRAGA EB de Ribeirão PUB 282 3.10 315 179 2.78 + 8.20 54.20 4.10
Amares Cooperativa Vale São Cosme PRI 418 3.09 319 101 3.03 - 2.11
ES de Amares PUB 196 3.04 377 454 2.68 + 10.08 40.80 15.50 Cooperativa de Ensino Didáxis - Riba D’ Ave PRI 316 3.05 362 490 2.92 - 6.97
EB de Amares PUB 85 2.65 822 652 2.52 - 10.08 40.80 11.11 ES D. Sancho I PUB 313 2.97 461 673 2.81 + 9.13 60.10 4.94
Barcelos EB D. Maria II, Gavião PUB 126 2.89 554 32 3.26 + 8.61 46.10 6.94
EB de Fragoso PUB 104 3.53 87 489 2.58 + 7.59 44.80 11.43 EB de Gondifelos PUB 120 2.81 660 725 2.90 + 7.54 36.70 3.92
Colégio La Salle PRI 151 3.38 123 100 3.42 - 9.88 EB de Pedome PUB 90 2.71 758 881 3.12 - 8.23 35.80 3.51
Cooperativa de Ensino Didálvi PRI 380 3.37 129 135 3.17 - 2.94 EB de Vale do Este, Arnoso - Santa Maria PUB 34 3.00 678 2.50 + 8.61 46.10 3.70
EB e Sec. de Vila Cova PUB 111 3.36 132 220 3.56 + 7.54 45.20 11.32 Vila Verde
ES de Barcelinhos PUB 114 3.34 138 503 2.73 + 7.61 44.40 5.17 EB de Vila Verde PUB 238 3.26 180 421 2.90 + 8.90 40.30 4.62
EB Rosa Ramalho, Barcelinhos PUB 134 3.32 146 19 3.07 + 7.63 47.30 5.94 EB de Prado PUB 136 2.94 494 392 2.62 + 8.17 33.70 8.60
ES de Barcelos PUB 157 3.26 179 145 2.97 + 7.89 58.10 10.26 EB Monsenhor Elísio Araújo PUB 158 2.91 538 85 2.72 + 8.90 40.30 11.96
EB Abel Varzim, Barrancos PUB 162 2.99 438 527 2.84 + 7.89 58.10 4.72 EB de Moure e Ribeira do Neiva, Ribeira PUB 138 2.41 982 559 2.56 - 7.24 29.70 23.17
EB de Manhente PUB 138 2.93 502 26 2.89 + 8.64 50.30 7.35 EB de Ribeira do Neiva PUB 48 2.29 766 2.47 - 7.24 29.70 0.00
ES Alcaides de Faria PUB 273 2.90 544 566 2.95 + 8.64 50.30 7.50 ES de Vila Verde PUB 42 1.93 1042 2.33 - 8.21 5.17
EB e Sec. Vale D Este, Viatodos PUB 184 2.69 784 595 2.94 - 7.96 52.90 5.71 Vizela
EB e Sec. de Vale do Tamel, Lijó PUB 179 2.64 832 888 2.73 - 7.33 50.50 2.15 EB e Sec. de Ínfias PUB 152 2.98 446 917 2.61 + 7.21 47.30 3.74
EB Gonçalo Nunes, Arcozelo PUB 121 2.58 874 618 2.41 - 8.58 48.30 10.61 Colégio de Vizela PRI 96 2.96 471 758 2.73 - 5.88
Conservatório de Música de Barcelos PRI 28 3.75 + EB de Caldas de Vizela PUB 212 2.86 586 990 2.62 + 7.78 48.20 13.68
Braga BRAGANÇA
Colégio D. Diogo de Sousa PRI 304 4.21 5 79 4.01 + 0.00 Alfândega da Fé
Colégio Teresiano PRI 112 4.11 15 78 3.69 + 0.00 EB e Sec. de Alfândega da Fé PUB 72 2.26 1021 985 2.67 - 8.91 39.40 10.00
E. Art. Cons. de Música Calouste Gulbenkian PUB 104 3.92 32 132 3.71 + 14.69 88.40 0.00 Bragança
Externato Paulo VI PRI 56 3.68 61 114 3.12 + 0.00 ES Emídio Garcia PUB 239 3.32 145 110 2.90 + 11.14 71.90 6.57
Colégio João Paulo II PRI 87 3.48 97 576 3.39 + 5.56 EB e Sec. Miguel Torga PUB 63 3.13 278 188 2.44 + 11.61 66.70 13.89
ES Carlos Amarante PUB 112 3.36 133 212 3.60 + 10.75 67.70 5.26 ES Abade de Baçal PUB 141 2.94 501 123 2.78 + 10.01 51.70 11.96
Externato Infante D. Henrique PRI 346 3.31 149 181 2.92 - 3.98 EB Augusto Moreno PUB 20 2.05 955 - 10.01 51.70
ES Alberto Sampaio PUB 104 3.30 159 129 3.53 + 9.81 61.70 0.00 EB de Izeda PUB 12 2.42 2.71 - 10.01 51.70 0.00
EB de Gualtar PUB 296 3.22 204 364 2.91 + 10.75 67.70 17.29 Carrazeda de Ansiães
ES D. Maria II PUB 85 3.21 211 664 3.10 + 11.09 67.00 10.00 EB e Sec. de Carrazeda de Ansiães PUB 83 2.48 945 159 2.74 - 8.51 39.00 14.55
EB de Braga Oeste, Cabreiros PUB 142 3.21 212 102 2.90 + 7.91 48.60 7.00 Freixo de Espada à Cinta
EB André Soares PUB 350 3.21 216 379 2.77 + 10.91 64.80 2.21 EB de Freixo de Espada à Cinta PUB 30 2.47 607 2.13 - 7.75 48.10 18.52
EB Frei Caetano Brandão, Maximinos PUB 100 3.14 260 349 2.82 + 8.89 60.40 4.65 Macedo de Cavaleiros
EB de Lamaçães PUB 248 3.13 269 194 3.06 + 11.09 67.00 4.28 EB e Sec. de Macedo de Cavaleiros PUB 155 2.99 427 577 2.95 + 9.98 56.20 9.00
EB de Mosteiro e Cávado, Panóias PUB 198 3.13 281 412 2.65 + 8.35 52.50 9.57 Colégio Ultramarino de Nossa Senhora da Paz PRI 42 2.60 2.39 - 20.00
EB de Trigal de Santa Maria PUB 98 3.10 312 352 3.15 + 8.37 56.50 0.00 Miranda do Douro
EB de Real PUB 344 3.06 347 1007 2.79 + 9.97 62.90 3.25 EB e Sec. de Miranda do Douro PUB 66 2.65 816 795 2.54 - 9.73 49.10 23.53
EB de Celeirós PUB 180 3.03 385 602 2.41 + 7.75 46.80 7.22 EB de Sendim PUB 32 3.25 749 3.07 + 9.73 49.10 10.53
EB de Palmeira PUB 198 3.00 413 263 2.82 + 8.80 53.00 5.17 Mirandela
EB de Nogueira PUB 194 2.91 531 553 2.75 + 9.81 61.70 0.00 ES de Mirandela PUB 299 2.63 837 388 2.63 - 9.98 62.00 8.18
EB Dr. Francisco Sanches PUB 335 2.81 658 226 2.99 - 9.23 52.90 3.29 Colégio Torre Dona Chama PRI 46 2.59 896 - 9.09
ES Sá de Miranda PUB 97 2.73 740 394 2.52 - 8.80 53.00 20.00 Mogadouro
ES de Maximinos PUB 113 2.66 800 496 2.59 - 8.89 60.40 17.24 EB e Sec. do Mogadouro PUB 100 2.93 507 832 2.47 + 8.93 40.70 11.29
Externato Carvalho Araújo PRI 26 2.54 2.68 - 0.00 Torre de Moncorvo
Cabeceiras de Basto EB e Sec. Dr. Ramiro Salgado PUB 60 3.13 268 730 2.65 + 8.46 35.40 14.29
EB e Sec. de Cabeceiras de Basto PUB 251 2.83 636 624 2.54 + 7.88 33.80 7.75 Vila Flor
EB do Arco de Baúlhe PUB 104 2.54 910 713 2.50 - 7.88 33.80 7.14 EB e Sec. de Vila Flor PUB 100 2.66 804 797 2.53 - 9.09 31.80 18.60
Celorico de Basto Vimioso
EB e Sec. de Celorico de Basto PUB 185 2.65 813 469 2.62 - 7.74 24.50 12.22 EB de Vimioso PUB 38 2.55 768 2.35 - 8.57 21.70 14.29
EB de Gandarela PUB 74 2.64 833 677 2.31 - 7.74 24.50 14.29 Vinhais
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Público • Sábado, 3 de Fevereiro de 2018 • 25

RANKING BÁSICO

directos de sucesso

directos de sucesso
esperado contexto

esperado contexto
Lugar no Ranking

Lugar no Ranking
social escolar (%)

social escolar (%)


Var. face ao valor

Var. face ao valor


Habilitações pais

Habilitações pais
exames em 2016

exames em 2016
Tipo de Escola

Tipo de Escola
dos percursos

dos percursos
retenção por

retenção por
dos exames

dos exames
Sem acção

Sem acção
de exames

de exames
escola (%)

escola (%)
Média de

Média de
Lugar no

Lugar no
Taxas de

Taxas de
em 2017

em 2017
Ranking

Ranking
Provas

Provas
Escola

Escola
(anos)

(anos)
Média

Média
EB e Sec. D. Afonso III, Vinhais PUB 60 2.60 861 152 2.71 - 8.47 50.00 18.92 EB n.º 2 de Arazede PUB 58 2.91 528 121 2.92 - 9.91 67.00 5.88
CASTELO BRANCO EB de Pereira PUB 36 2.61 294 3.61 - 9.91 67.00 0.00
Belmonte Oliveira do Hospital
EB e Sec. Pedro Álvares Cabral PUB 89 2.66 801 1038 2.66 - 8.94 44.20 7.14 ES de Oliveira do Hospital PUB 195 2.87 581 2.67 + 8.78 46.70 14.91
Castelo Branco EB de Ponte das Três Entradas PUB 26 2.65 977 2.30 - 8.78 46.70 3.70
EB Afonso de Paiva PUB 188 3.20 221 161 2.88 + 12.18 61.80 27.38 EB de Cordinha PUB 45 2.49 840 2.89 - 8.78 46.70 0.00
EB e Sec. de Alcains PUB 120 3.05 359 52 3.11 + 9.73 59.70 18.52 EB de Lagares da Beira PUB 28 3.21 150 2.59 + 8.78 46.70 25.00
EB Cidade de Castelo Branco PUB 135 3.01 401 529 2.85 - 11.42 75.20 5.48 Pampilhosa da Serra
ES Amato Lusitano PUB 170 3.01 408 2.99 - 11.89 65.80 4.71 EB e Sec. Escalada PUB 40 2.45 875 2.36 - 8.60 57.10 0.00
ES Nuno Álvares PUB 102 2.98 445 67 2.95 - 11.42 75.20 0.00 Penacova
EB Prof. Dr. António Sena Faria de Vasconcelos PUB 83 2.77 697 245 3.01 - 11.42 75.20 34.62 EB e Sec. de Penacova PUB 98 2.85 613 473 2.92 + 9.09 59.20 0.00
Covilhã EB Integrada de São Pedro de Alva PUB 44 3.07 936 3.10 + 9.09 59.20 8.33
ES Quinta das Palmeiras PUB 268 3.54 83 82 3.14 + 12.74 85.10 3.68 Penela
EB n.º 2 de Teixoso PUB 68 3.31 152 369 2.68 + 8.80 50.00 0.00 EB Infante D. Pedro PUB 78 3.33 143 158 3.02 + 9.13 49.10 0.00
ES Campos de Melo PUB 79 3.06 348 306 2.84 + 9.87 50.00 0.00 Soure
ES Frei Heitor Pinto PUB 106 2.62 845 680 2.98 - 9.41 45.90 19.35 EB e Sec. Martinho Árias PUB 144 3.08 332 138 2.98 + 10.01 74.00 0.00
EB n.º 2 de Paúl PUB 50 2.60 862 549 2.72 - 9.41 45.90 28.57 Instituto Pedro Hispano PRI 95 2.97 460 462 3.04 - 4.76
EB de Tortosendo PUB 95 2.48 942 390 2.95 - 9.41 45.90 8.93 Tábua
EB de São Domingos, Cantar-Galo PUB 44 2.77 422 2.52 - 9.53 56.80 8.16 ES de Tábua PUB 109 2.98 443 373 2.94 + 8.79 43.40 24.66
Fundão EB Margarida Fierro Caeiro da Matta, Midões PUB 40 2.75 94 2.93 - 8.79 43.40 8.70
EB Serra da Gardunha PUB 138 3.22 200 456 2.89 + 9.74 52.00 5.95 Vila Nova de Poiares
ES do Fundão PUB 183 3.05 356 2.88 + 10.23 56.20 6.31 EB e Sec. Dr. Daniel de Matos PUB 104 3.07 344 282 2.88 + 8.83 52.90 12.28
Externato Capitão Santiago de Carvalho PRI 38 2.76 587 2.96 - 3.70 ÉVORA
EB de Silvares PUB 28 2.82 942 2.55 - 9.74 52.00 9.09 Alandroal
Idanha-a-Nova EB Diogo Lopes Sequeira PUB 64 2.80 673 937 2.80 + 8.62 40.00 8.00
EB e Sec. José Silvestre Ribeiro PUB 74 2.55 897 217 2.56 - 7.88 50.00 13.46 Arraiolos
Oleiros EB e Sec. Cunha Rivara PUB 90 3.14 255 265 2.80 + 9.72 58.20 23.73
EB e Sec. Padre António de Andrade PUB 46 2.93 522 2.81 + 8.63 39.10 0.00 Borba
Penamacor EB Padre Bento Pereira PUB 89 2.93 505 573 2.82 + 9.57 63.00 1.92
EB e Sec. Ribeiro Sanches, Penamacor PUB 66 2.95 478 66 3.03 + 8.78 37.10 10.00 Estremoz
Proença-a-Nova EB Sebastião da Gama PUB 88 2.95 477 162 2.46 + 9.14 41.00 12.12
EB e Sec. Pedro da Fonseca PUB 103 2.90 541 757 2.92 + 10.14 60.80 3.51 ES Rainha Santa Isabel PUB 140 2.91 536 73 2.96 + 11.48 51.60 3.53
Sertã Évora
Instituto Vaz Serra PRI 82 2.98 449 644 2.69 - 0.00 Colégio Salesianos - Évora PRI 97 3.77 55 83 3.62 + 0.00
EB Padre António Lourenço Farinha PUB 184 2.96 473 207 3.05 + 9.55 54.40 0.00 ES Gabriel Pereira PUB 282 3.28 170 2.90 + 12.75 70.80 4.41
Vila de Rei EB de Santa Clara PUB 98 3.07 336 793 2.70 + 11.84 73.40 7.89
EB e Sec. do Centro de Portugal PUB 46 2.93 267 2.74 + 9.23 50.00 14.29 ES Severim de Faria PUB 210 2.97 456 65 3.13 - 11.84 73.40 5.75
Vila Velha de Ródão EB Conde de Vilalva PUB 158 2.92 515 620 2.75 - 10.89 63.00 4.42
EB de Vila Velha de Ródão PUB 30 2.17 2.94 - 9.56 55.60 0.00 EB Manuel Ferreira Patrício PUB 108 2.47 951 839 2.24 - 10.56 53.70 3.77
COIMBRA ES André de Gouveia PUB 36 2.06 2.45 - 10.89 63.00 22.22
Arganil Montemor-o-Novo
EB n.º 2 de Arganil PUB 116 2.66 812 277 2.77 - 9.12 56.70 1.69 ES de Montemor-o-Novo PUB 186 3.05 361 2.89 + 10.13 68.40 6.19
EB Professor Mendes Ferrão, Coja PUB 40 2.95 98 2.50 + 9.12 56.70 0.00 Mora
Cantanhede EB e Sec. de Mora PUB 44 2.59 929 2.37 - 9.10 61.90 13.64
EB e Sec. João Garcia Bacelar, Tocha PUB 106 3.31 150 235 3.26 + 8.81 64.40 2.94 Mourão
EB Marquês de Marialva PUB 219 3.23 194 232 2.88 + 10.88 65.10 6.85 EB de Mourão PUB 28 2.61 911 2.78 - 8.11 23.50 3.23
Escola Pedro Teixeira PRI 74 2.97 452 293 2.81 - 4.35 Portel
EB Carlos de Oliveira, Febres PUB 87 2.85 606 486 3.19 + 9.28 50.00 2.56 EB D. João de Portel PUB 94 2.50 933 759 2.52 - 8.81 70.40 6.00
Centro de Estudos Educativos de Ançã PRI 120 2.82 650 315 2.63 - 8.33 Redondo
Coimbra EB e Sec. Dr. Hernâni Cidade PUB 84 2.73 745 257 2.65 - 8.81 33.90 29.55
Colégio Rainha Santa Isabel PRI 182 4.12 13 21 3.99 + 2.15 Reguengos de Monsaraz
Escola de Música São Teotónio PRI 54 4.07 20 142 3.52 + 0.00 ES Conde de Monsaraz PUB 146 2.78 688 2.52 - 10.03 57.80 16.33
ES Infanta D. Maria PUB 148 4.01 26 87 3.72 + 15.25 96.30 0.00 Vendas Novas
Colégio de São Teotónio PRI 154 3.75 60 213 3.28 + 0.00 ES de Vendas Novas PUB 201 2.42 975 - 9.70 58.30 9.89
EB Eugénio de Castro PUB 165 3.61 69 440 2.80 + 13.29 76.60 16.67 Colégio Laura Vicuña PRI 16 3.63 3.11 + 5.26
EB e Sec. da Quinta das Flores PUB 134 3.52 88 71 3.55 + 14.39 87.20 0.00 Viana do Alentejo
EB Martim de Freitas PUB 330 3.48 96 204 3.22 + 12.82 74.80 0.00 EB e Sec. Dr. Isidoro de Sousa PUB 62 2.66 803 399 2.71 - 9.16 60.30 12.50
EB Inês de Castro, S. Martinho PUB 96 3.45 108 117 3.18 + 11.20 62.40 12.50 EB de Alcáçovas PUB 38 3.05 168 2.50 + 9.16 60.30 11.76
ES D. Duarte PUB 84 3.33 142 + 11.20 62.40 Vila Viçosa
EB n.º 2 de São Silvestre PUB 80 3.29 164 105 2.56 + 8.00 46.60 7.14 ES Públia Hortênsia de Castro PUB 150 2.80 668 1034 2.56 - 9.51 67.90 6.06
ES José Falcão PUB 157 3.25 188 76 3.19 + 13.48 80.40 0.00 FARO
EB Dr.ª Maria Alice Gouveia PUB 266 3.24 193 377 3.09 + 12.15 70.30 4.39 Albufeira
C. Apost. Imac. Conceição - Inst. Inácio Loyola PRI 165 3.22 205 174 3.27 - 0.94 EB Professora Diamantina Negrão PUB 156 2.87 577 414 2.39 + 10.44 60.30 4.23
Instituto Centro Educativo de Lordemão PRI 166 3.13 280 568 2.83 - 9.32 EB e Sec. de Albufeira PUB 254 2.83 630 789 2.55 - 10.02 65.20 30.43
EB n.º 2 de Taveiro, Coimbra PUB 51 2.92 518 507 3.08 - 11.20 62.40 9.09 EB D. Martim Fernandes PUB 129 2.81 653 755 2.63 - 10.71 69.10 11.69
Instituto Educativo de Souselas PRI 127 2.79 680 354 2.40 - 18.06 EB de Ferreiras PUB 75 2.73 737 405 2.60 - 10.44 60.30 2.78
EB Rainha Santa Isabel, Pedrulha PUB 114 2.74 732 953 2.54 - 9.62 55.80 5.97 EB da Guia PUB 75 2.64 828 520 2.42 - 10.71 69.10 13.51
EB Poeta Manuel da Silva Gaio, Santa Clara PUB 29 2.52 2.25 - 8.00 46.60 15.00 EB de Paderne PUB 38 3.11 215 2.40 + 10.44 60.30 26.09
Instituto de Almalaguês PRI 46 2.61 143 2.59 - 2.63 Alcoutim
Colégio de São Martinho PRI 44 2.89 154 3.27 - 12.00 EB Prof. Joaquim Moreira, Martinlongo PUB 26 2.77 2.75 - 9.10 54.50 0.00
Colégio de São José PRI 21 3.14 3.40 - 0.00 EB de Alcoutim PUB 8 3.13 2.25 + 9.10 54.50
Colégio Bissaya Barreto PRI 46 3.65 556 3.76 + 0.00 Aljezur
Condeixa-a-Nova EB de Aljezur PUB 58 2.83 640 931 2.53 + 10.38 57.90 6.25
ES de Fernando Namora (Condeixa-a-Nova) PUB 168 3.13 283 2.80 + 10.99 69.40 3.96 Castro Marim
Figueira da Foz EB de Castro Marim PUB 57 2.81 661 321 2.45 - 9.45 46.50 16.13
ES Dr. Joaquim de Carvalho, Figueira da Foz PUB 247 3.54 81 89 3.28 + 12.96 89.20 0.89 Faro
EB João de Barros, Figueira da Foz PUB 150 3.44 111 155 3.29 + 11.48 64.00 1.16 Colégio de Nossa Senhora do Alto PRI 56 4.07 21 136 3.66 + 5.00
EB Infante D. Pedro, Buarcos PUB 89 3.30 155 86 3.02 + 10.07 60.70 2.17 EB Dr. Joaquim R. Peixoto Magalhães PUB 316 3.44 110 459 3.26 + 12.60 75.40 3.60
EB Dr. Pedrosa Veríssimo, Paião PUB 146 3.14 256 47 3.04 + 10.11 77.00 7.41 EB Dr. José de Jesus Neves Júnior PUB 118 3.03 379 160 2.72 - 10.26 66.20 5.33
ES Cristina Torres, Figueira da Foz PUB 113 2.95 488 196 2.79 + 9.17 73.40 9.72 EB D. Afonso III PUB 96 3.02 392 807 2.68 - 10.86 73.50 4.65
EB Pintor Mário Augusto, Alhadas PUB 101 2.81 655 361 2.71 - 9.17 73.40 1.56 EB de Santo António PUB 280 2.93 512 823 2.89 - 11.02 59.20 13.39
Colégio de Quiaios PRI 58 2.78 693 877 2.62 - 16.28 EB de Montenegro PUB 138 2.91 530 629 2.67 - 11.72 73.30 15.19
ES Dr. Bernardino Machado PUB 44 2.20 2.21 - 10.07 60.70 5.56 EB Poeta Emiliano da Costa PUB 88 2.70 765 903 2.44 - 10.26 66.20 5.41
Góis Lagoa
EB de Góis PUB 23 2.30 505 2.55 - 8.32 47.90 0.00 Escola Nobel International School Algarve PRI 58 3.29 161 80 3.21 - 0.00
Lousã ES Padre António M. Oliveira PUB 186 2.76 705 2.52 - 10.37 62.50 15.53
ES da Lousã PUB 320 2.96 469 964 2.71 - 10.49 64.10 10.75 EB Professor João Cónim PUB 74 2.73 742 661 2.56 - 9.73 65.60 11.11
Mira EB Rio Arade PUB 82 2.71 762 769 2.88 - 9.73 65.60 2.53
ES Dr.ª Maria Cândida PUB 152 2.82 644 96 2.93 - 10.42 56.30 4.76 Lagos
Miranda do Corvo ES Júlio Dantas PUB 296 2.86 589 2.53 + 10.06 45.60 14.36
EB e Sec. José Falcão PUB 134 3.34 137 33 2.77 + 9.60 55.60 1.06 ES Gil Eanes PUB 189 2.78 691 2.73 - 10.69 58.80 4.81
EB Prof. Dr. Ferrer Correia, Senhor da Serra PUB 48 2.75 22 2.69 - 9.60 55.60 8.82 Loulé
Montemor-o-Velho EB Prof. Dr. Aníbal Cavaco Silva PUB 96 3.02 393 884 2.67 - 11.06 65.30 12.12
EB Dr. José dos Santos Bessa, Carapinheira PUB 64 3.20 220 471 3.14 + 9.91 67.00 0.00 EB Engº Duarte Pacheco PUB 182 2.91 537 700 3.02 - 11.06 65.30 8.51
EB e Sec. de Montemor-o-Velho PUB 160 3.04 366 256 3.22 + 9.91 67.00 6.17 EB Professor Sebastião José Pires Teixeira PUB 57 2.89 547 488 3.00 - 10.08 68.50 0.00
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

26 • Público • Sábado, 3 de Fevereiro de 2018

RANKING BÁSICO

directos de sucesso

directos de sucesso
esperado contexto

esperado contexto
Lugar no Ranking

Lugar no Ranking
social escolar (%)

social escolar (%)


Var. face ao valor

Var. face ao valor


Habilitações pais

Habilitações pais
exames em 2016

exames em 2016
Tipo de Escola

Tipo de Escola
dos percursos

dos percursos
retenção por

retenção por
dos exames

dos exames
Sem acção

Sem acção
de exames

de exames
escola (%)

escola (%)
Média de

Média de
Lugar no

Lugar no
Taxas de

Taxas de
em 2017

em 2017
Ranking

Ranking
Provas

Provas
Escola

Escola
(anos)

(anos)
Média

Média
EB Padre João Coelho Cabanita PUB 225 2.89 551 375 2.94 - 10.08 68.50 8.25 Colégio São Mamede PRI 106 2.69 787 178 2.88 - 21.67
EB Dr. António de Sousa Agostinho PUB 134 2.86 598 928 2.47 + 9.72 53.80 26.04 Bombarral
EB D. Dinis PUB 129 2.72 753 731 2.55 - 9.65 57.90 24.14 EB e Sec. Fernão do Pó PUB 213 2.70 766 939 2.64 - 9.27 53.00 19.81
ES Drª Laura Ayres PUB 210 2.63 842 2.43 - 10.14 48.00 15.38 Caldas da Rainha
Colégio Internacional de Vilamoura PRI 48 3.79 3.66 + ES Raúl Proença PUB 343 3.26 182 147 3.19 + 11.08 64.10 7.46
Monchique Colégio Raínha D. Leonor PRI 247 3.24 192 190 3.13 - 16.42
EB Manuel Nascimento PUB 57 2.70 772 95 2.61 - 9.32 56.70 5.26 Colégio Frei São Cristóvão PRI 124 3.02 388 1027 2.79 - 10.94
Olhão EB D. João II (Caldas da Rainha) PUB 181 2.63 839 596 2.87 - 10.49 71.30 5.41
EB José Carlos da Maia PUB 211 2.88 567 242 2.82 + 10.31 56.70 19.80 EB de Santo Onofre PUB 50 2.58 872 966 2.47 - 11.08 64.10 20.00
EB Prof. Paula Nogueira PUB 145 2.71 759 784 2.60 - 10.31 56.70 7.25 EB de Santa Catarina PUB 60 2.48 944 636 2.79 - 8.06 47.10 0.00
EB Dr. Alberto Iria PUB 122 2.61 858 665 2.49 - 8.38 40.60 15.46 ES Rafael Bordalo Pinheiro PUB 73 2.12 1040 1019 2.19 - 8.06 47.10 12.28
EB João da Rosa PUB 124 2.55 899 441 2.55 - 9.40 40.40 16.39 Castanheira de Pêra
EB Dr. António João Eusébio PUB 94 2.40 984 705 2.69 - 9.68 44.70 28.13 EB Dr. Bissaya Barreto PUB 15 2.80 835 2.70 + 8.51 54.50 31.25
EB Dr. João Lúcio PUB 28 2.64 633 2.38 - 9.68 44.70 22.22 Figueiró dos Vinhos
Colégio Bernardette Romeira PRI 24 3.46 3.78 + 0.00 ES de Figueiró dos Vinhos PUB 33 2.36 322 3.31 - 9.17 36.40 0.00
Portimão Leiria
EB e Sec. da Bemposta PUB 187 3.04 374 442 2.83 - 10.15 63.40 8.26 Colégio Nossa Senhora de Fátima PRI 110 4.11 14 6 4.07 + 0.00
EB Professor José Buísel PUB 161 3.00 416 934 2.56 - 10.89 63.30 15.25 Colégio Conciliar Maria Imaculada PRI 152 3.88 38 270 3.48 + 0.00
EB D. Martinho Castelo Branco PUB 282 2.95 479 732 2.68 - 11.30 63.10 13.14 EB e Sec. Henrique Sommer, Maceira PUB 116 3.28 166 474 3.02 + 9.87 75.90 7.25
EB José Sobral, Mexilhoeira Grande PUB 74 2.59 864 976 2.46 - 10.15 63.40 24.14 EB Dr. Correia Alexandre, Caranguejeira PUB 92 3.23 198 171 3.11 + 8.93 58.90 5.88
EB Júdice Fialho PUB 172 2.56 891 940 2.69 - 10.01 65.90 2.38 EB Dr. Correia Mateus PUB 155 3.16 238 581 2.88 + 10.80 56.60 3.53
EB D. João II PUB 53 2.43 972 203 2.44 - 10.15 63.40 0.00 Colégio Senhor dos Milagres PRI 150 3.15 253 97 2.79 - 1.33
EB Engº Nuno Mergulhão PUB 117 2.32 1006 723 2.47 - 8.37 51.30 1.72 EB José Saraiva PUB 321 3.14 257 284 3.04 + 10.84 70.00 4.57
São Brás de Alportel EB Rainha Santa Isabel, Carreira PUB 122 3.12 285 14 3.18 + 9.38 48.60 0.00
EB Poeta Bernardo de Passos PUB 198 2.83 637 386 3.05 + 11.02 53.10 5.61 EB D. Dinis PUB 240 3.10 304 268 2.90 + 12.38 73.00 2.19
Silves EB de Santa Catarina da Serra PUB 71 3.07 340 134 2.92 + 8.93 58.90 17.65
EB João de Deus PUB 90 3.12 286 383 2.60 + 9.48 57.00 7.69 EB de Colmeias PUB 78 3.04 373 944 2.51 + 9.13 63.60 7.02
EB Dr. Garcia Domingues PUB 143 3.00 417 481 2.74 + 9.48 57.00 12.94 EB n.º 2 de Marrazes PUB 82 2.94 497 555 3.12 + 9.96 60.40 17.24
EB Dr. António da Costa Contreiras PUB 148 2.71 761 865 2.85 - 10.13 50.40 10.53 Colégio Dr. Luís Pereira da Costa PRI 112 2.89 553 605 2.98 - 12.86
EB de Algoz PUB 72 2.58 868 808 2.84 - 10.13 50.40 13.89 ES de Afonso Lopes Vieira PUB 145 2.80 669 433 2.60 - 9.80 63.60 4.00
Tavira Colégio Dinis de Melo PRI 174 2.75 722 930 2.73 - 2.22
EB D. Paio Peres Correia PUB 122 2.89 550 498 3.04 - 10.53 67.00 18.75 Marinha Grande
EB D. Manuel I PUB 276 2.87 575 512 2.69 - 10.81 59.40 8.78 EB Prof. Alberto Nery Capucho PUB 88 2.91 535 1013 2.82 - 10.71 68.90 0.00
Vila do Bispo ES Engº Acácio Calazans Duarte PUB 406 2.89 548 2.49 - 10.70 69.30 11.49
EB de S. Vicente PUB 74 2.42 979 1002 2.17 - 9.90 59.40 18.18 ES de Pinhal do Rei PUB 140 2.71 763 952 2.63 - 10.71 68.90 6.78
Vila Real de Santo António ES José Loureiro Botas, Vieira de Leiria PUB 114 2.70 770 724 2.62 - 9.53 63.30 3.51
ES de Vila Real de Santo António PUB 116 2.83 639 674 2.51 - 10.55 68.10 25.42 Nazaré
EB Infante D. Fernando PUB 60 2.82 651 542 2.64 - 10.55 68.10 9.38 Externato D. Fuas Roupinho PRI 56 2.96 465 115 3.05 - 10.64
EB D. José I PUB 100 2.49 937 788 2.58 - 9.27 50.50 25.53 EB Amadeu Gaudêncio PUB 126 2.57 882 771 2.40 - 9.02 60.00 1.10
EB de Monte Gordo PUB 53 2.36 996 989 2.44 - 9.27 50.50 21.43 Óbidos
GUARDA EB e Sec. Josefa de Óbidos PUB 196 2.50 932 796 2.49 - 8.87 55.80 7.29
Aguiar da Beira Pedrógão Grande
EB e Sec. Padre José Augusto da Fonseca PUB 66 2.73 744 428 2.98 - 8.48 47.70 6.82 EB Miguel Leitão de Andrada PUB 25 2.76 706 2.23 + 8.70 45.50 16.22
Almeida Peniche
EB e Sec. de Vilar Formoso PUB 52 3.13 267 286 3.03 + 9.35 51.20 0.00 EB da Atouguia da Baleia PUB 196 2.92 523 637 2.78 + 9.20 52.70 5.77
EB e Sec. Dr. José Casimiro Matias PUB 28 2.75 816 2.73 - 9.35 51.20 0.00 EB de Peniche PUB 87 2.63 836 996 2.49 - 9.08 57.80 8.06
Celorico da Beira EB D. Luís de Ataíde PUB 102 2.54 907 726 2.52 - 9.33 57.10 1.69
EB e Sec. Sacadura Cabral PUB 90 2.89 555 962 2.52 + 8.39 62.50 4.55 Pombal
Figueira de Castelo Rodrigo Externato Liceal de Albergaria dos Doze PRI 70 3.59 71 170 3.49 + 9.09
ES de Figueira de Castelo Rodrigo PUB 42 2.38 635 2.67 - 7.86 56.20 7.89 EB Gualdim Pais, Pombal PUB 88 3.20 219 185 3.06 + 10.24 67.90 0.00
Fornos de Algodres ES de Pombal PUB 256 3.02 399 3.14 - 10.86 68.40 5.33
EB e Sec. de Fornos de Algodres PUB 60 3.38 124 11 2.80 + 8.03 48.80 4.88 Instituto D. João V PRI 138 3.00 418 291 2.63 - 12.36
Gouveia EB e Sec. da Guia, Pombal PUB 145 2.87 580 915 2.66 + 8.78 69.00 4.60
ES de Gouveia PUB 118 2.77 696 536 3.14 - 9.26 50.00 2.50 Colégio João de Barros PRI 165 2.84 628 385 3.02 - 4.94
EB de Vila Nova de Tazém PUB 22 3.09 906 2.22 + 9.26 50.00 4.00 Colégio Cidade Roda PRI 80 2.65 818 995 2.32 - 22.50
Guarda Porto de Mós
ES Afonso de Albuquerque, Guarda PUB 274 3.38 127 329 3.08 + 12.26 67.50 4.58 ES de Porto de Mós PUB 162 2.86 584 919 2.52 + 9.36 46.70 3.26
Escola Regional Dr. José Dinis da Fonseca PRI 90 3.16 244 234 3.18 - 5.71 Instituto Educativo do Juncal PRI 234 2.85 614 810 2.46 - 8.62
EB e Sec. da Sé, Guarda PUB 96 3.10 306 264 3.21 + 10.05 55.20 2.99 EB e Sec. de Mira de Aire PUB 40 2.75 863 2.79 - 9.36 46.70 0.00
EB Carolina Beatriz Ângelo, Guarda PUB 88 3.05 365 112 3.22 + 10.05 55.20 6.25 LISBOA
EB de São Miguel, Guarda PUB 106 3.02 395 613 2.53 + 10.05 55.20 10.00 Alenquer
Manteigas EB Pêro de Alenquer PUB 344 3.01 402 214 2.81 - 10.56 70.30 9.41
EB e Sec. EB e Sec. de Manteigas PUB 52 3.17 233 1018 2.85 + 9.74 50.00 5.88 EB da Abrigada PUB 112 2.88 561 191 3.00 + 9.45 62.70 10.87
Meda EB do Carregado PUB 175 2.83 631 586 2.68 - 9.61 70.00 5.15
EB e Sec. de Mêda PUB 52 2.58 875 426 2.69 - 7.56 37.50 6.67 EB Visconde de Chanceleiros PUB 117 2.45 965 780 2.36 - 8.19 48.50 10.94
Pinhel Amadora
ES de Pinhel PUB 108 2.87 579 371 2.68 + 9.20 50.00 0.00 EB Almeida Garrett PUB 108 3.43 116 625 2.92 + 11.01 69.10 6.10
Sabugal Escola Luís Madureira PRI 62 3.23 199 31 - 0.00
ES de Sabugal PUB 68 2.91 532 647 2.78 + 9.52 43.10 4.17 EB Roque Gameiro PUB 384 3.04 371 564 3.06 + 11.49 76.40 12.83
Escola Regional Dr. José Dinis da Fonseca PRI 30 3.23 141 3.04 - 0.00 EB Cardoso Lopes PUB 94 2.87 576 297 2.63 + 9.64 46.80 1.33
Externato do Soito PRI 25 2.64 3.05 - 21.43 ES Fernando Namora (Amadora) PUB 260 2.77 694 431 2.68 - 9.82 59.40 13.56
Seia Colégio D. Filipa PRI 56 2.71 755 552 2.95 - 6.90
EB Dr. Guilherme Correia de Carvallho PUB 100 3.16 240 243 3.13 + 10.85 77.00 0.00 EB José Cardoso Pires PUB 144 2.70 773 908 2.33 - 9.73 59.80 14.49
EB Dr. Abranches Ferrão, Seia PUB 52 3.12 294 153 3.13 + 8.21 39.20 7.69 ES Seomara da Costa Primo PUB 252 2.54 906 947 1.91 - 8.78 58.40 17.02
Escola Evaristo Nogueira PRI 74 2.80 671 1003 2.31 - 16.13 EB e Sec. D. João V PUB 77 2.49 935 312 2.70 - 8.75 63.40 39.06
EB de Tourais, Paranhos, Seia PUB 38 2.89 467 2.81 + 8.21 39.20 0.00 EB de Alfornelos PUB 122 2.48 943 588 2.73 - 9.97 56.80 5.33
Trancoso EB Prof. Pedro d’ Orey da Cunha PUB 212 2.46 956 945 2.52 - 9.83 55.30 6.86
ES Gonçalo Anes Bandarra, Trancoso PUB 116 2.99 430 3.13 + 9.61 55.20 13.33 EB Miguel Torga PUB 176 2.42 978 695 2.37 - 8.91 42.60 16.49
Vila Nova de Foz Côa ES com 2º e 3º Ciclos Mães d’Água PUB 96 2.32 1007 737 2.25 - 7.55 100.00 14.04
EB e Sec. Tenente Coronel Adão Carrapatoso PUB 90 2.88 571 619 2.66 + 8.16 39.60 30.00 EB e Sec. Dr. Azevedo Neves PUB 102 2.23 1028 943 2.21 - 8.85 40.40 32.61
LEIRIA Arruda dos Vinhos
Alcobaça Externato João Alberto Faria PRI 388 3.65 67 671 3.50 + 9.33
EB de Pataias, Alcobaça PUB 57 3.30 158 227 2.76 + 9.54 62.30 17.65 Azambuja
EB e Sec. D. Pedro I PUB 190 2.92 525 410 2.65 + 9.54 62.30 9.89 EB de Vale de Aveiras PUB 68 2.93 511 241 2.50 + 9.04 51.60 15.91
EB Frei Estevão Martins, Alcobaça PUB 292 2.82 648 849 3.07 - 9.54 62.30 9.52 ES da Azambuja PUB 207 2.64 825 502 2.65 - 10.58 68.40 6.42
Ext. Coop. Benedita - Inst. Nª Srª da Encarnação PRI 368 2.76 704 458 2.73 - 9.64 EB de Manique do Intendente PUB 46 3.02 711 2.25 + 9.59 52.90 6.67
EB e Sec. de São Martinho do Porto PUB 74 2.62 846 543 2.60 - 9.66 46.90 6.98 Cadaval
Alvaiázere EB e Sec. Cadaval PUB 176 2.56 888 830 2.50 - 9.34 57.60 10.00
EB e Sec. Dr. Manuel Ribeiro Ferreira PUB 88 2.80 676 801 2.79 + 8.56 50.00 10.26 Cascais
Ansião Salesianos do Estoril - Escola PRI 282 3.93 31 74 3.89 + 0.00
EB n.º 2 de Avelar, Ansião PUB 50 3.58 73 656 3.08 + 10.08 59.80 0.00 Colégio Marista de Carcavelos PRI 272 3.89 37 107 3.67 + 0.00
EB e Sec. Dr. Pascoal José de Mello PUB 98 3.45 106 365 2.63 + 10.08 59.80 0.00 Externato Primário 31 de Janeiro PRI 86 3.76 59 62 3.50 + 0.00
Instituto Vasco da Gama PRI 70 3.23 197 326 2.82 - 9.68 Externato Nossa Senhora do Rosário PRI 158 3.68 62 30 3.43 + 0.00
Batalha Colégio Amor de Deus PRI 176 3.35 135 4 3.29 - 2.00
EB e Sec. da Batalha PUB 225 3.15 248 356 2.90 + 9.97 66.90 2.38 Escola Salesianos de Manique PRI 565 3.19 224 260 2.96 - 2.30
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Público • Sábado, 3 de Fevereiro de 2018 • 27

RANKING BÁSICO

directos de sucesso

directos de sucesso
esperado contexto

esperado contexto
Lugar no Ranking

Lugar no Ranking
social escolar (%)

social escolar (%)


Var. face ao valor

Var. face ao valor


Habilitações pais

Habilitações pais
exames em 2016

exames em 2016
Tipo de Escola

Tipo de Escola
dos percursos

dos percursos
retenção por

retenção por
dos exames

dos exames
Sem acção

Sem acção
de exames

de exames
escola (%)

escola (%)
Média de

Média de
Lugar no

Lugar no
Taxas de

Taxas de
em 2017

em 2017
Ranking

Ranking
Provas

Provas
Escola

Escola
(anos)

(anos)
Média

Média
ES Fernando Lopes Graça PUB 180 3.14 262 855 2.66 + 12.40 75.30 14.71 Colégio Cesário Verde PRI 64 3.55 80 287 2.95 + 0.00
EB de Santo António (Parede) PUB 206 3.11 295 610 2.66 + 12.40 75.30 0.00 EB de Bucelas PUB 70 3.04 368 216 2.93 + 10.45 66.50 35.00
EB e Sec. de Carcavelos PUB 416 2.96 470 289 2.82 - 12.24 74.40 2.98 EB da Bobadela PUB 165 3.04 375 409 2.65 - 11.09 62.40 12.61
Colégio Senhora da Boa Nova PRI 58 2.91 529 853 2.80 - 7.69 EB Gaspar Correia PUB 83 2.98 448 969 2.51 - 11.96 78.00 20.00
EB e Sec. Ibn Mucana PUB 352 2.83 634 774 2.61 - 11.21 63.30 15.14 EB de Santa Iria de Azóia PUB 250 2.92 516 278 2.75 - 10.79 78.60 8.63
EB da Alapraia PUB 213 2.74 729 899 2.69 - 11.31 71.20 9.46 EB João Villaret PUB 214 2.92 521 408 2.74 - 10.88 60.80 23.85
EB de S. João do Estoril- Galiza PUB 88 2.68 790 707 2.36 - 11.52 54.00 11.32 EB Maria Veleda PUB 212 2.90 543 682 2.98 + 10.61 56.50 14.85
EB de Cascais PUB 194 2.62 847 562 2.56 - 10.94 72.30 16.43 ES do Arco Iris PUB 300 2.86 585 727 2.85 - 11.96 78.00 10.98
EB e Sec. Frei Gonçalo de Azevedo PUB 241 2.62 848 649 2.49 - 9.79 63.90 11.26 EB de Camarate PUB 99 2.80 670 316 2.64 + 7.87 44.10 8.26
EB e Sec. da Cidadela PUB 151 2.49 936 860 2.70 - 12.67 68.60 14.47 EB Luís de Sttau Monteiro PUB 238 2.71 760 775 2.40 - 9.32 49.20 17.17
EB e Sec. Matilde Rosa Araújo PUB 235 2.37 992 905 2.41 - 9.38 45.50 8.70 EB do Catujal PUB 122 2.68 791 523 2.52 - 8.43 51.90 7.06
EB e Sec. de Alvide PUB 129 2.29 1014 802 2.43 - 9.53 45.90 11.43 EB General Humberto Delgado PUB 96 2.61 851 557 2.24 - 9.41 51.50 12.68
EB de Alcabideche PUB 63 2.03 1044 892 2.50 - 7.85 44.30 33.33 ES Dr. António Carvalho Figueiredo PUB 264 2.61 856 907 2.52 - 10.45 66.50 13.67
Colégio Inglês de São Julião PRI 34 4.26 4.00 + EB de S. João da Talha PUB 112 2.54 912 898 2.33 - 10.07 67.90 8.22
Colégio da Bafureira PRI 46 4.02 305 3.26 + 0.00 ES de São João da Talha PUB 113 2.52 920 193 2.56 - 10.07 67.90 7.69
Colégio Quinta do Lago PRI 46 3.65 672 3.57 + 0.00 ES de Sacavém PUB 100 2.46 958 831 2.23 - 9.75 46.10 16.87
Colégio D. Luísa Sigea PRI 30 3.27 197 3.32 - 0.00 ES de Camarate PUB 115 2.18 1033 812 2.28 - 7.25 45.70 18.57
Lisboa ES José Cardoso Pires PUB 41 2.10 606 2.32 - 9.41 51.50 21.43
Colégio Moderno PRI 293 4.18 7 116 3.89 + 2.92 EB da Apelação PUB 35 1.71 1.88 - 6.57 27.30 31.25
Colégio do Sagrado Coração de Maria PRI 286 4.08 18 39 3.95 + 0.00 Lourinhã
Academia de Música de Santa Cecília PRI 88 4.08 19 20 3.95 + 0.00 EB de Ribamar PUB 88 2.95 476 1035 2.59 + 9.36 45.20 9.09
Colégio São João de Brito PRI 242 4.03 22 57 3.84 + 3.20 EB Dr. Afonso Rodrigues Pereira PUB 158 2.75 723 938 2.67 - 8.64 54.70 2.22
Colégio Mira Rio PRI 50 4.00 28 244 4.25 + 0.00 EB Dr. João das Regras PUB 141 2.62 849 803 2.53 - 9.36 45.20 11.11
Salesianos de Lisboa PRI 474 3.89 35 50 3.88 + 0.00 Mafra
Externato São José PRI 130 3.89 36 229 3.56 + 0.00 Colégio Santo André PRI 354 3.77 54 131 3.71 + 10.18
Externato João XXIII PRI 54 3.87 39 3 3.58 + 0.00 Colégio Miramar PRI 313 3.23 196 960 3.13 - 4.92
Colégio Manuel Bernardes PRI 180 3.87 40 140 3.80 + 0.97 EB de Mafra PUB 419 2.97 457 627 2.79 - 11.30 73.40 9.76
Colégio Santa Doroteia PRI 226 3.86 41 8 3.73 + 2.94 EB da Venda do Pinheiro PUB 224 2.96 475 511 3.07 - 10.73 65.90 9.90
ES Artística Música do Conservatório Nacional PUB 62 3.81 47 186 3.29 + 15.38 100.00 3.23 EB Professor Armando de Lucena PUB 141 2.77 701 285 2.91 - 10.04 67.70 10.00
Colégio de Santa Maria PRI 61 3.79 50 109 3.35 + 0.00 EB António Bento Franco PUB 225 2.73 743 997 2.71 - 11.33 59.00 14.74
Colégio S. Tomás PRI 198 3.77 56 35 3.62 + 2.78 Odivelas
Externato Marista PRI 246 3.76 57 139 3.39 + 0.00 ES da Ramada PUB 411 3.03 378 563 2.80 - 11.87 77.90 6.70
Colégio Valsassina PRI 187 3.76 58 77 3.78 + 3.19 Instituto de Ciências Educativas PRI 106 3.02 396 224 3.07 - 0.00
Externato da Luz PRI 132 3.67 65 90 3.95 + 0.00 EB Vasco Santana PUB 211 2.92 522 518 2.60 - 12.08 77.80 5.26
EB Vasco da Gama PUB 219 3.58 74 274 3.53 + 14.55 80.70 5.00 EB António Gedeão - Arroja PUB 222 2.90 545 146 2.76 - 10.99 62.10 8.46
Colégio do Bom Sucesso PRI 76 3.58 75 16 3.59 + 3.03 EB dos Moinhos da Arroja PUB 143 2.89 556 716 2.64 - 9.88 72.60 18.28
EB de Telheiras PUB 206 3.55 78 103 3.47 + 13.13 82.00 2.65 ES de Caneças PUB 318 2.83 641 572 2.53 - 10.00 67.30 13.50
EB e Sec. D. Filipa de Lencastre PUB 312 3.53 84 99 3.45 + 14.98 92.10 0.69 ES Braamcamp Freire PUB 327 2.71 756 992 2.37 - 8.65 53.70 17.39
Colégio Militar PRI 164 3.51 89 330 3.31 + 1.75 ES Pedro Alexandrino PUB 258 2.62 844 578 2.55 - 9.78 64.50 12.82
Conservatório Nacional de Dança PUB 56 3.48 99 68 3.38 + 14.90 82.60 0.00 Externato Flor do Campo PRI 50 2.52 922 1000 2.71 - 14.29
Colégio Pedro Arrupe PRI 244 3.42 117 314 3.61 - 0.00 ES de Odivelas PUB 172 2.44 971 799 2.33 - 9.62 57.70 26.61
ES Rainha D. Leonor PUB 491 3.39 122 233 3.07 + 13.75 81.60 0.83 EB D. Dinis PUB 185 2.34 1000 753 2.60 - 10.20 44.00 15.89
ES Vergílio Ferreira PUB 218 3.38 125 255 3.21 + 13.13 82.00 3.57 Oeiras
ES de Pedro Nunes PUB 235 3.37 128 166 3.09 + 15.00 90.60 5.22 ES da Quinta do Marquês PUB 334 3.51 90 251 3.34 + 14.97 88.80 0.00
EB e Sec. Josefa de Óbidos PUB 205 3.34 139 167 3.13 + 11.84 70.20 12.07 ES Prof. José Augusto Lucas PUB 295 3.28 169 514 3.00 + 11.18 82.90 4.89
EB Fernando Pessoa PUB 202 3.30 160 148 2.92 + 11.17 73.50 20.91 EB Professor Noronha Feio PUB 120 3.15 249 690 + 11.18 82.90
ES Rainha D. Amélia PUB 284 3.15 245 295 3.01 + 13.49 86.80 1.14 ES de Miraflores PUB 371 3.13 272 748 2.95 + 13.70 84.20 4.40
ES do Restelo PUB 323 3.11 296 533 2.95 + 13.03 83.60 8.40 EB São Bruno PUB 114 3.11 302 461 2.87 + 11.50 67.60 11.65
ES José Gomes Ferreira PUB 446 3.10 309 328 3.01 + 11.99 81.90 10.39 EB e Sec. Amélia Rey Colaço PUB 248 3.05 358 742 2.91 + 12.17 69.70 14.81
Instituto Militar dos Pupilos do Exército PRI 66 3.06 350 590 2.48 - 4.35 EB Conde de Oeiras PUB 186 3.00 414 108 2.91 - 13.43 56.20 4.55
EB das Piscinas PUB 228 3.03 386 668 2.74 - 10.96 81.30 1.06 ES Sebastião e Silva, Oeiras PUB 401 2.93 504 508 3.00 - 13.21 76.10 9.82
EB Nuno Gonçalves, Lisboa PUB 114 2.99 431 413 + 10.80 57.70 8.00 ES Camilo Castelo Branco (Carnaxide) PUB 347 2.84 622 814 2.95 - 12.12 68.50 11.82
ES D. Luísa de Gusmão PUB 143 2.96 472 311 2.63 + 10.80 57.70 19.46 ES Luís de Freitas Branco PUB 335 2.84 625 741 2.59 - 11.93 65.00 12.37
EB Quinta de Marrocos PUB 158 2.95 485 569 2.69 + 11.84 50.70 16.09 EB e Sec. Aquilino Ribeiro PUB 193 2.50 930 548 2.37 - 9.52 47.40 11.63
EB Professor Delfim Santos PUB 355 2.84 621 334 2.85 - 12.54 73.90 10.31 EB Sophia de Mello Breyner PUB 50 2.06 1042 648 2.23 - 6.42 40.90 20.69
EB Luís de Camões PUB 163 2.81 657 933 2.54 - 12.25 72.90 12.73 Sintra
EB dos Olivais PUB 111 2.67 798 873 2.45 - 10.75 60.80 18.03 Colégio dos Plátanos PRI 132 4.14 8 319 4.13 + 0.00
ES Eça de Queirós (Lisboa) PUB 118 2.65 815 772 2.88 - 14.55 80.70 29.89 Colégio Vasco da Gama PRI 94 3.59 72 429 3.36 + 1.27
ES Padre António Vieira PUB 219 2.63 838 957 2.60 - 11.31 75.30 4.04 Colégio de São José - Ramalhão PRI 92 3.25 187 59 3.13 - 0.00
ES António Damásio PUB 105 2.57 883 626 2.58 - 10.75 60.80 16.25 EB D. Pedro IV PUB 282 3.18 231 857 2.87 + 11.43 69.90 3.18
ES do Lumiar PUB 277 2.52 917 2.23 - 9.40 51.20 14.84 EB Alto dos Moinhos PUB 216 3.11 297 378 2.97 + 10.31 62.90 8.33
EB Marquesa de Alorna PUB 216 2.52 918 876 2.39 - 9.36 48.30 15.13 ES Stuart de Carvalhais PUB 474 3.04 372 517 3.15 + 12.31 84.60 9.43
EB e Sec. Gil Vicente PUB 183 2.49 940 889 2.17 - 10.04 56.70 21.30 EB D. Fernando II PUB 251 3.04 376 332 2.99 - 11.93 75.20 11.02
EB Luís António Verney PUB 67 2.36 997 776 2.25 - 8.57 44.20 5.41 EB Alfredo da Silva - Albarraque PUB 270 2.96 474 592 2.64 - 10.77 71.80 13.82
ES D. Dinis (Lisboa) PUB 274 2.34 1001 878 2.15 - 8.46 50.00 20.83 EB D. Carlos I PUB 268 2.92 517 269 2.82 - 12.28 72.90 2.56
EB das Olaias PUB 96 2.31 1009 894 2.16 - 7.89 56.00 32.93 EB Colares PUB 134 2.90 546 787 2.80 - 11.93 75.20 1.90
EB Patrício Prazeres PUB 115 2.30 1011 922 2.09 - 8.29 52.90 30.65 EB Professor Egas Moniz - Massamá PUB 76 2.88 566 631 2.99 - 12.31 84.60 8.77
EB de S. Vicente-Telheiras PUB 100 2.27 1020 767 2.85 - 13.13 82.00 13.16 EB e Sec. Mestre Domingos Saraiva PUB 199 2.85 609 231 2.68 + 10.14 60.10 10.58
EB e Sec. Passos Manuel PUB 180 2.22 1029 583 2.14 - 9.42 53.60 15.09 EB Dr. Rui Grácio PUB 208 2.84 624 828 2.60 + 9.25 54.50 6.45
EB Alto do Lumiar PUB 55 2.16 1035 746 2.00 - 6.71 26.50 28.57 ES Ferreira Dias PUB 300 2.76 706 643 2.68 - 9.97 72.40 5.18
EB Francisco de Arruda PUB 87 2.15 1037 965 2.18 - 8.33 38.40 11.48 EB D. Domingos Jardo PUB 194 2.66 799 868 2.51 - 9.79 58.90 9.57
EB Manuel da Maia PUB 132 2.09 1041 887 2.53 - 8.07 35.60 38.46 EB e Sec. Gama Barros PUB 248 2.64 826 697 2.52 - 9.99 67.80 18.71
EB Bairro do Padre Cruz PUB 67 1.94 1048 464 2.35 - 7.14 35.40 10.42 EB Ferreira de Castro PUB 398 2.64 829 848 2.52 - 10.17 64.60 6.96
Colégio Académico PRI 32 2.94 3.03 - 0.00 EB Professor Agostinho da Silva PUB 118 2.63 843 851 2.53 - 8.72 50.90 10.34
Instituto Jacob Rodrigues Pereira PRI 12 2.67 2.67 - 13.33 EB Padre Alberto Neto, Rio de Mouro PUB 281 2.58 871 593 2.58 - 9.65 63.80 12.69
Colégio N. Senhora da Conceição (Casa Pia) PRI 46 2.67 1033 2.52 - 9.09 EB Escultor Francisco dos Santos PUB 243 2.57 880 829 2.48 - 10.07 53.90 18.82
Colégio D. Nuno Álvares Pereira PRI 21 2.43 1032 2.14 - 33.33 EB Ruy Belo PUB 217 2.54 904 736 2.65 - 9.64 64.50 7.97
ES Fonseca Benevides PUB 31 1.94 1.85 - 6.15 69.80 66.67 ES Miguel Torga (Queluz) PUB 186 2.53 915 760 2.29 - 11.43 69.90 6.42
Externato As Descobertas PRI 26 4.19 4.50 + 0.00 ES de Mem Martins PUB 299 2.52 921 2.44 - 10.31 67.20 15.96
Esc. Grémio Instrução Liberal Campo Ourique PRI 32 3.16 2.73 - 6.67 EB Rainha D. Leonor de Lencastre PUB 198 2.50 931 874 2.46 - 9.55 61.90 8.85
Colégio Planalto PRI 46 3.96 236 3.54 + 4.00 ES Padre Alberto Neto PUB 230 2.46 963 916 2.40 - 9.46 52.10 20.00
Colégio Amadeu Andrés PRI 26 3.38 151 3.34 - 5.00 EB António Sérgio PUB 236 2.39 988 809 2.21 - 8.92 57.90 17.98
Externato Nossa Senhora Penha de França PRI 16 3.38 2.71 - 6.67 EB Professor Galopim de Carvalho PUB 205 2.29 1016 822 2.44 - 9.46 52.10 28.71
Centro Helen Keller PRI 44 3.57 182 2.93 + 0.00 EB Visconde de Juromenha PUB 266 2.21 1030 762 2.18 - 9.19 49.40 24.09
Externato Marcelino Champagnat PRI 34 3.44 893 3.45 + 0.00 ES Matias Aires PUB 125 1.92 1049 1024 2.10 - 9.79 58.90 15.31
EB Pintor Almada Negreiros PUB 39 2.00 971 1.89 - 6.05 23.30 12.77 Colégio D. Afonso V PRI 32 3.28 247 3.27 - 0.00
Colégio Oriente PRI 38 3.37 4.23 - 0.00 Sobral de Monte Agraço
Escola São Francisco Xavier PRI 32 3.56 3.10 + 0.00 EB e Sec. Joaquim Inácio da Cruz Sobral PUB 200 2.77 703 751 2.88 - 9.24 71.30 7.48
Colégio Real Colégio de Portugal PRI 36 2.67 - 0.00 Torres Vedras
Externato da Casa de São Vicente de Paulo PRI 28 3.50 + Escola Internacional de Torres Vedras PRI 56 3.46 101 205 3.24 + 0.00
Externato Educação Popular PRI 22 2.27 986 2.25 - 0.00 ES Madeira Torres PUB 374 3.13 276 2.85 + 11.42 68.20 2.14
Colégio Maria Pia (Casa Pia de Lisboa) PRI 43 2.23 980 - 29.41 EB de São Gonçalo PUB 239 3.12 293 761 2.67 + 9.63 57.50 7.21
Loures Externato de Penafirme PRI 465 2.94 493 709 2.78 - 6.82
Colégio Integrado de Monte Maior PRI 122 3.93 30 336 3.97 + 0.00 EB de Freiria PUB 170 2.71 757 1022 2.57 - 9.63 57.50 8.33
Colégio Bartolomeu Dias PRI 142 3.68 63 309 3.43 + 0.00 ES Henriques Nogueira PUB 162 2.69 782 999 2.44 - 8.76 61.40 8.86
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

28 • Público • Sábado, 3 de Fevereiro de 2018

RANKING BÁSICO

directos de sucesso

directos de sucesso
esperado contexto

esperado contexto
Lugar no Ranking

Lugar no Ranking
social escolar (%)

social escolar (%)


Var. face ao valor

Var. face ao valor


Habilitações pais

Habilitações pais
exames em 2016

exames em 2016
Tipo de Escola

Tipo de Escola
dos percursos

dos percursos
retenção por

retenção por
dos exames

dos exames
Sem acção

Sem acção
de exames

de exames
escola (%)

escola (%)
Média de

Média de
Lugar no

Lugar no
Taxas de

Taxas de
em 2017

em 2017
Ranking

Ranking
Provas

Provas
Escola

Escola
(anos)

(anos)
Média

Média
EB Padre Vítor Melícias PUB 147 2.65 823 397 2.37 - 8.91 50.00 6.90 Maia
EB do Maxial PUB 74 2.27 1019 983 2.33 - 8.76 61.40 2.70 Colégio Novo da Maia PRI 100 4.09 16 15 4.31 + 0.00
Vila Franca de Xira ES da Maia PUB 300 3.53 86 198 3.52 + 12.14 74.20 6.20
EB Soeiro Pereira Gomes PUB 126 3.21 207 487 2.75 + 9.85 65.70 10.81 EB de Gueifães PUB 318 3.09 318 811 2.86 + 12.14 74.20 12.00
Colégio José Álvaro Vidal PRI 126 3.21 217 419 3.07 - 1.56 ES do Castêlo da Maia PUB 406 2.99 434 2.74 + 10.07 62.00 3.85
EB e Sec. Prof. Reynaldo dos Santos PUB 228 3.08 326 173 2.64 + 11.61 68.30 6.03 EB e Sec. de Águas Santas PUB 569 2.95 483 827 2.69 - 10.91 68.70 19.00
EB e Sec. D. Martinho Vaz de Castelo Branco PUB 530 2.86 592 920 2.67 - 11.60 75.60 10.82 EB Gonçalo Mendes da Maia, Vermoim PUB 314 2.91 527 654 3.05 - 10.82 65.30 6.51
EB Pedro Jacques de Magalhães PUB 420 2.73 736 717 2.62 - 11.64 71.40 4.98 EB e S. Dr. Vieira de Carvalho, Moreira da Maia PUB 287 2.77 700 764 2.76 - 10.74 63.20 4.92
EB D. António de Ataíde PUB 117 2.69 781 869 2.72 - 9.83 65.30 6.58 EB de Pedrouços, Maia PUB 218 2.73 735 845 2.48 - 8.06 43.20 14.29
EB Padre José Rota PUB 154 2.54 908 885 2.66 - 9.79 68.30 8.99 EB e Sec. do Levante da Maia, Nogueira da Maia PUB 203 2.67 794 961 2.82 - 9.23 43.60 15.22
ES Alves Redol PUB 152 2.45 968 847 2.55 - 10.19 60.70 10.17 Marco de Canaveses
EB do Bom Sucesso PUB 140 2.41 983 785 2.28 - 9.50 63.10 20.00 EB de Marco de Canaveses PUB 234 3.13 277 435 2.68 + 7.88 27.70 12.90
EB de Vialonga PUB 310 2.31 1010 722 2.37 - 9.68 63.60 9.76 ES de Marco de Canaveses PUB 212 2.80 672 667 2.75 + 7.01 42.00 10.22
PORTALEGRE ES de Alpendurada, Marco de Canaveses PUB 306 2.76 708 2.63 - 7.31 38.40 6.85
Alter do Chão EB de Sande, Marco de Canaveses PUB 192 2.59 865 817 2.32 - 6.71 26.20 2.04
EB e Sec. Padre José Agostinho Rodrigues PUB 22 2.77 382 2.48 - 8.96 61.30 8.70 EB de Toutosa, Marco de Canaveses PUB 138 2.51 927 532 2.57 - 7.01 42.00 2.47
Arronches Matosinhos
EB Nossa Senhora da Luz PUB 37 2.65 219 2.76 - 8.99 55.60 0.00 EB da Senhora da Hora PUB 197 3.26 181 333 3.07 + 11.34 64.40 6.06
Avis ES João Gonçalves Zarco PUB 364 3.18 225 451 3.06 + 12.28 76.20 6.16
EB Mestre de Avis PUB 42 2.40 733 2.33 - 8.64 43.20 13.64 ES Augusto Gomes PUB 196 3.10 311 124 3.18 + 11.46 75.00 2.26
Campo Maior ES Abel Salazar, São Mamede de Infesta PUB 262 3.04 370 2.49 + 10.56 53.70 0.00
ES de Campo Maior PUB 136 3.03 383 7 3.05 + 9.69 56.40 1.37 ES da Boa Nova, Leça da Palmeira PUB 50 2.94 495 2.38 + 11.61 44.00 16.00
Castelo de Vide EB Engº Fernando Pinto de Oliveira PUB 355 2.88 560 632 2.77 - 10.66 72.90 14.67
EB Garcia da Orta PUB 42 2.71 396 2.57 - 10.01 60.00 11.11 EB e Sec. de Padrão da Légua PUB 192 2.86 596 475 2.85 + 9.22 68.80 2.83
Crato EB Dr. José Domingues dos Santos, Cabanelas PUB 198 2.86 597 525 3.07 + 9.96 58.20 15.66
EB Ana Maria Ferreira Gordo PUB 45 2.96 417 2.82 + 9.78 63.60 0.00 EB de Custóias PUB 148 2.85 604 551 2.70 + 8.77 59.80 12.35
Elvas ES de Senhora da Hora PUB 218 2.85 611 335 3.30 - 11.34 64.40 19.23
Colégio Luso Britânico - Elvas PRI 54 3.44 109 9 + 0.00 EB de Leça do Balio PUB 131 2.68 792 714 2.87 - 9.22 68.80 0.00
EB n.º 1 de Elvas PUB 180 2.93 503 338 2.98 + 9.99 54.60 11.11 EB Irmãos Passos, Guifões PUB 100 2.61 854 871 2.25 - 8.77 59.80 22.00
EB de Vila Boim PUB 68 2.57 877 591 2.41 - 8.85 30.60 2.22 EB Professor Óscar Lopes PUB 56 2.61 857 1011 1.92 - 7.20 33.30 32.43
EB n.º 2 de Elvas PUB 68 2.25 1026 712 2.27 - 7.29 34.40 8.47 EB de Perafita PUB 169 2.59 867 639 2.42 - 7.91 46.30 11.82
Fronteira EB de Matosinhos PUB 170 2.26 1022 864 2.17 - 9.12 36.90 35.09
EB Frei Manuel Cardoso PUB 36 2.83 460 2.46 + 9.86 64.10 29.03 Externato São João Bosco PRI 26 3.27 528 3.53 - 4.76
Gavião Colégio EFANOR PRI 22 2.91 3.72 - 0.00
EB de Gavião PUB 48 2.79 163 2.83 - 8.90 68.40 16.00 Colégio Euro-Atlântico PRI 12 3.58 177 3.46 + 0.00
Marvão Paços de Ferreira
EB de Ammaia, Portagem PUB 36 2.81 2.96 + 9.04 31.80 0.00 ES de Paços de Ferreira PUB 251 3.10 307 248 3.05 + 8.29 46.10 6.85
Monforte EB de Paços de Ferreira PUB 244 3.10 310 407 2.76 + 7.71 36.80 16.28
EB n.º 1 de Monforte PUB 38 2.53 703 2.44 - 7.96 37.90 4.55 EB de Frazão PUB 124 3.02 389 684 3.00 + 6.63 26.70 20.99
Nisa EB de Eiriz, Paços de Ferreira PUB 221 2.72 747 504 2.64 - 6.77 37.20 13.04
EB e Sec. Prof. Mendes dos Remédios PUB 60 2.63 834 972 2.52 - 9.32 54.50 9.38 ES D. António Taipa, Freamunde PUB 324 2.69 789 2.64 - 7.12 47.70 8.51
Ponte de Sor Colégio Marca d’Água PRI 32 2.81 -
ES de Ponte de Sor PUB 202 2.87 582 740 2.81 + 9.24 48.00 2.20 Colégio Nova Encosta PRI 37 3.38 2.33 - 0.00
EB n.º 1 de Montargil PUB 50 2.30 1013 662 2.46 - 9.24 48.00 7.69 Paredes
Portalegre Colégio Casa Mãe PRI 78 3.82 45 137 3.97 + 0.00
ES Mouzinho da Silveira PUB 230 3.13 282 296 2.76 + 12.09 71.40 4.42 EB de Baltar PUB 183 3.07 346 657 2.48 + 7.78 40.10 13.04
ES São Lourenço PUB 130 2.75 715 470 2.76 - 11.12 60.50 24.29 ES de Paredes PUB 546 3.02 390 738 2.84 + 7.87 51.80 17.42
EB José Régio PUB 113 2.64 831 897 2.56 - 9.93 53.20 4.55 EB de Sobreira PUB 238 2.92 524 104 2.83 + 7.48 48.90 22.73
Sousel EB e Sec. de Rebordosa PUB 224 2.73 739 600 2.57 - 7.38 27.20 2.35
EB Padre Joaquim Maria Fernandes PUB 54 2.56 895 701 2.64 - 8.53 42.30 0.00 EB e Sec. de Lordelo PUB 180 2.67 797 946 2.44 - 6.78 24.00 16.41
PORTO EB de Cristelo PUB 203 2.46 962 484 2.68 - 5.99 19.40 10.64
Amarante EB e Sec. de Vilela PUB 177 2.38 989 692 2.65 - 7.38 27.20 13.33
Colégio São Gonçalo PRI 201 3.15 246 228 2.95 - 2.15 ES Daniel Faria, Baltar PUB 152 2.34 1003 1023 - 7.78 40.10 36.36
EB de Amarante PUB 144 3.14 263 387 2.84 + 8.37 30.40 11.59 EB de Paredes PUB 54 1.94 1047 954 2.25 - 7.75 13.60 2.63
ES de Amarante PUB 216 2.97 454 393 2.63 + 9.21 43.00 0.00 Penafiel
EB Amadeo de Souza Cardoso, Telões PUB 153 2.75 716 750 2.74 - 7.49 32.60 10.00 ES de Penafiel PUB 406 3.15 254 450 2.94 + 8.93 55.80 11.80
Externato Vila Meã PRI 426 2.73 738 904 2.51 - 12.11 EB de Penafiel Sul PUB 162 3.02 397 561 2.84 + 8.07 49.70 7.21
EB de Vila Caiz PUB 74 2.65 819 949 2.74 - 7.49 32.60 5.77 EB de Paço de Sousa PUB 240 2.83 635 844 2.39 + 7.67 42.90 10.69
EB do Marão, Várzea PUB 44 2.77 230 2.31 - 8.37 30.40 7.14 EB e Sec. de Pinheiro PUB 298 2.60 860 710 2.39 - 7.22 25.00 3.50
Baião EB D. António Ferreira Gomes, Milhundos PUB 106 2.56 893 970 2.46 - 7.35 36.00 6.33
EB do Sudeste de Baião PUB 66 2.53 914 187 2.31 - 6.63 28.80 7.27 EB de Penafiel Sudeste PUB 229 2.46 960 698 2.25 - 6.69 32.50 7.55
EB e Sec. do Vale de Ovil, Baião PUB 154 2.46 957 867 2.40 - 8.42 36.90 20.51 ES Joaquim de Araújo, Guilhufe PUB 72 2.18 1034 815 2.57 - 8.07 49.70 12.00
EB de Eiriz, Baião PUB 88 2.43 973 913 2.38 - 6.51 36.20 3.45 Porto
Felgueiras Colégio Nossa Senhora da Paz PRI 92 4.30 2 36 4.17 + 0.00
ES da Lixa, Felgueiras PUB 307 2.88 563 2.75 + 8.20 38.20 8.82 Colégio Grande Colégio Universal PRI 98 4.23 3 180 4.05 + 0.00
EB e Sec. de Airães, Felgueiras PUB 146 2.84 620 715 2.69 + 6.77 35.00 5.36 Colégio Luso-Francês PRI 206 4.22 4 64 4.17 + 0.00
EB D. Manuel de Faria e Sousa, Margaride PUB 148 2.70 767 252 2.86 - 8.33 48.30 10.42 Colégio Nossa Senhora do Rosário PRI 277 4.13 9 118 + 0.00
ES de Felgueiras PUB 208 2.63 840 655 2.70 - 7.72 72.00 7.69 Externato Escravas Sagrado Coração de Jesus PRI 70 4.09 17 183 4.31 + 0.00
EB e Sec. de Felgueiras PUB 120 2.53 916 743 2.62 - 6.42 50.80 15.91 Colégio Nossa Senhora de Lourdes PRI 92 3.93 29 61 3.88 + 1.56
EB e Sec. de Idães, Felgueiras PUB 170 2.51 928 1017 2.65 - 6.80 43.30 8.00 Externato Ribadouro PRI 191 3.82 44 48 3.46 + 0.00
EB de Lagares, Felgueiras PUB 158 2.49 939 1021 2.48 - 6.42 50.80 19.72 E. Artística Conservatório de Música do Porto PUB 78 3.79 49 84 3.58 + 15.27 85.50 1.41
Gondomar EB Francisco Torrinha PUB 288 3.49 94 337 3.08 + 13.77 84.20 5.80
Colégio Paulo VI PRI 220 3.79 51 119 3.57 + 0.00 EB e Sec. Fontes Pereira de Melo PUB 274 3.45 104 430 2.90 + 10.94 66.70 5.61
Externato Camões PRI 78 3.54 82 400 3.11 + 0.00 ES Garcia de Orta PUB 210 3.43 114 457 3.16 + 13.77 84.20 1.60
EB Infanta D. Mafalda, Rio Tinto PUB 247 3.10 313 374 2.87 + 10.67 65.60 14.77 Colégio Nossa Senhora da Esperança PRI 69 3.36 130 5 2.83 - 5.88
EB e Sec. À Beira Douro PUB 206 3.09 316 317 2.74 + 8.34 42.70 5.66 ES Aurélia de Sousa PUB 283 3.33 144 476 3.21 + 10.99 66.00 1.60
EB Frei Manuel de Santa Inês, Baguim do Monte PUB 237 3.04 369 615 2.46 + 9.02 62.90 17.89 EB e Sec. Clara de Resende PUB 331 3.25 186 852 3.10 + 13.68 80.10 5.23
EB de Jovim e Foz do Sousa PUB 118 3.03 380 720 2.53 + 8.92 53.60 18.60 Instituto Educação e Desenvolvimento (INED) PRI 86 3.21 214 436 3.64 - 0.00
EB e Sec. de Rio Tinto PUB 227 3.00 411 249 3.05 + 9.02 62.90 8.00 ES Filipa de Vilhena PUB 274 3.07 345 324 2.93 + 12.76 78.10 1.45
ES de Gondomar PUB 199 3.00 412 482 2.83 + 8.92 53.60 2.94 Colégio Júlio Dinis PRI 92 2.97 463 539 2.80 - 2.17
EB Júlio Dinis PUB 275 2.95 481 341 2.98 + 9.79 48.30 6.92 EB e Sec. Carolina Michaelis PUB 203 2.83 633 2.64 + 10.70 58.80 16.00
EB Marques Leitão, Valbom PUB 102 2.85 602 895 2.36 + 8.89 53.70 4.92 ES António Nobre PUB 138 2.69 788 2.54 - 9.28 51.10 12.50
ES de Valbom PUB 110 2.78 686 886 2.17 - 8.89 53.70 9.84 EB Eugénio de Andrade PUB 88 2.66 805 495 2.46 - 9.78 50.80 25.53
EB de Rio Tinto PUB 290 2.69 785 423 2.72 - 9.39 48.50 14.41 EB e Sec. Rodrigues de Freitas PUB 233 2.65 820 603 2.52 - 10.54 51.50 6.59
EB de São Pedro da Cova PUB 187 2.57 879 670 2.28 - 6.91 42.50 19.00 EB e Sec. do Cerco PUB 160 2.58 870 910 2.20 - 7.87 32.40 18.10
EB Santa Bárbara, Fânzeres PUB 222 2.55 896 1015 2.58 - 8.15 39.90 9.73 EB Augusto Gil PUB 146 2.49 941 837 2.62 - 10.99 66.00 36.49
ES de São Pedro da Cova PUB 54 2.24 1027 541 2.49 - 7.25 34.50 7.14 EB do Viso PUB 90 2.42 976 679 2.85 - 7.42 38.80 23.26
Lousada EB Pêro Vaz de Caminha PUB 85 2.39 986 979 2.47 - 9.03 43.80 16.49
Externato Senhora do Carmo PRI 54 4.13 10 58 3.74 + 0.00 EB Maria Lamas PUB 74 2.36 993 950 2.50 - 10.94 66.70 13.04
EB e Sec. de Lousada Norte PUB 164 2.82 649 358 2.67 + 6.65 38.40 17.11 ES Infante D. Henrique PUB 65 2.34 1002 - 10.57 52.00
ES de Lousada PUB 292 2.81 656 424 2.58 - 8.59 55.30 15.71 EB Manoel de Oliveira PUB 108 2.31 1008 531 2.01 - 8.26 59.30 25.42
EB e Sec. Dr. Mário Fonseca, Nogueira PUB 184 2.79 679 777 2.55 + 6.65 38.40 32.05 ES Alexandre Herculano PUB 252 2.28 1017 1012 2.17 - 8.40 38.50 13.95
EB de Lousada Este PUB 120 2.76 709 856 2.53 - 6.60 27.90 5.88 EB Leonardo Coimbra Filho PUB 63 2.13 1039 718 2.41 - 6.73 23.50 11.63
EB e Sec. de Lousada Oeste PUB 122 2.75 714 956 2.63 - 7.29 29.80 2.75 Centro Estudos Básicos e Secundários (CEBES) PRI 40 2.88 2.97 - 0.00
EB de Lousada Centro PUB 74 2.47 949 1020 2.05 - 8.59 55.30 28.57 Externato Nossa Senhora do Perpétuo Socorro PRI 18 2.67 3.07 - 0.00
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Público • Sábado, 3 de Fevereiro de 2018 • 29

RANKING BÁSICO

directos de sucesso

directos de sucesso
esperado contexto

esperado contexto
Lugar no Ranking

Lugar no Ranking
social escolar (%)

social escolar (%)


Var. face ao valor

Var. face ao valor


Habilitações pais

Habilitações pais
exames em 2016

exames em 2016
Tipo de Escola

Tipo de Escola
dos percursos

dos percursos
retenção por

retenção por
dos exames

dos exames
Sem acção

Sem acção
de exames

de exames
escola (%)

escola (%)
Média de

Média de
Lugar no

Lugar no
Taxas de

Taxas de
em 2017

em 2017
Ranking

Ranking
Provas

Provas
Escola

Escola
(anos)

(anos)
Média

Média
Colégio D. Duarte PRI 44 2.52 2.12 - 0.00 Ponta Delgada
Salesianos do Porto Colégio PRI 48 3.50 120 2.81 + Colégio do Castanheiro PRI 67 3.28 167 3.14 -
Colégio Liverpool PRI 28 2.14 2.25 - 10.53 ES Antero de Quental PUB 372 3.09 325 2.91 +
Academia de Música Costa Cabral PRI 38 3.50 46 3.82 + 0.00 ES Domingos Rebelo PUB 371 2.76 710 2.53 +
Póvoa de Varzim EB Integrada de Vila de Capelas PUB 184 2.47 950 2.47 -
Colégio de Amorim PRI 98 3.81 48 54 3.15 + 0.00 EB Integrada de Arrifes PUB 135 2.46 959 2.53 -
ES Eça de Queirós, Póvoa de Varzim PUB 112 3.67 64 53 3.41 + 12.17 82.10 0.00 EB Integrada de Ginetes PUB 66 2.36 994 2.41 -
ES Rocha Peixoto, Póvoa de Varzim PUB 280 3.48 98 164 3.08 + 11.22 72.30 8.73 ES das Laranjeiras PUB 157 2.19 1031 2.09 -
EB Dr. Flávio Gonçalves, Povoa de Varzim PUB 302 3.35 134 432 3.09 + 11.47 72.90 3.48 Povoação
EB de Rates, Póvoa de Varzim PUB 166 3.20 218 463 2.88 + 7.64 48.50 7.69 EB e Sec. da Povoação PUB 98 2.47 952 2.52 -
EB de Aver-o-Mar, Póvoa de Varzim PUB 189 3.14 264 240 2.67 + 7.16 38.20 7.63 Praia da Vitória
EB Campo Aberto, Beiriz, Póvoa de Varzim PUB 192 2.89 558 1040 2.86 + 8.54 48.30 7.14 ES Vitorino Nemésio PUB 344 2.65 817 2.49 +
EB Cego do Maio, Póvoa de Varzim PUB 166 2.49 934 914 2.29 - 7.77 43.90 15.22 EB Integrada dos Biscoitos PUB 48 2.81 2.73 +
Santo Tirso Ribeira Grande
Colégio Santa Teresa de Jesus PRI 64 3.63 68 44 4.00 + 0.00 ES da Ribeira Grande PUB 277 2.70 776 2.32 +
ES Tomaz Pelayo, Santo Tirso PUB 284 3.31 151 29 3.04 + 8.96 52.70 5.34 EB Integrada de Maia PUB 109 2.52 919 2.43 -
Instituto Nun’Alvares da Companhia de Jesus PRI 295 3.25 190 175 3.09 - 6.67 EB Integrada de Rabo de Peixe PUB 158 2.02 1045 1.93 -
EB da Agrela e Vale do Leça, Santo Tirso PUB 128 3.13 284 465 2.97 + 8.74 55.10 4.84 Santa Cruz da Graciosa
EB de São Martinho, São Martinho do Campo PUB 248 3.09 322 389 2.86 + 7.29 58.00 4.32 EB e Sec. da Graciosa PUB 74 2.70 768 2.71 +
ES de D. Afonso Henriques PUB 250 2.83 638 + 8.40 56.10 Santa Cruz das Flores
EB e Sec. D. Dinis, Santo Tirso PUB 131 2.70 769 313 2.83 - 8.74 55.10 11.90 EB e Sec. das Flores PUB 49 3.10 3.00 +
EB de Santo Tirso PUB 26 2.23 222 2.00 - 8.96 52.70 38.89 São Roque do Pico
EB da Ponte, Vila das Aves, Santo Tirso PUB 18 2.78 2.60 - 10.99 46.40 0.00 EB e Sec. de S. Roque do Pico PUB 46 2.78 2.50 +
Colégio Lourdes PRI 35 4.14 41 3.03 + 5.00 Velas
Trofa EB e Sec. de Velas PUB 103 2.45 969 2.62 -
Colégio da Trofa PRI 88 3.78 52 25 3.55 + 0.00 Vila do Porto
EB do Castro, Alvarelhos, Trofa PUB 148 3.17 234 404 2.92 + 7.84 45.80 14.00 EB e Sec. de Santa Maria PUB 132 2.61 852 2.49 -
ES da Trofa PUB 324 2.95 487 805 2.75 + 8.69 59.50 8.96 Vila Franca do Campo
EB e Sec. Coronado e Castro PUB 212 2.61 853 967 2.74 - 7.84 45.80 4.65 EB e Sec. de Vila Franca do Campo PUB 132 2.70 775 2.80 +
Valongo EB Integrada Ponta Garça PUB 49 2.04 1.92 -
Colégio Ermesinde PRI 86 3.91 34 42 3.79 + 0.00 R. A. MADEIRA
Externato de Santa Joana PRI 56 3.50 93 292 3.75 + 0.00 Calheta (R.A.M.)
EB de São João do Sobrado, Sobrado PUB 144 3.10 305 438 2.59 + 7.97 44.90 17.07 EB e Sec. da Calheta PUB 154 2.84 617 2.65 +
EB de Vallis Longus PUB 317 3.08 331 565 2.91 + 10.48 48.80 12.43 EB 1º, 2º e 3º Cic. Pré-Esc. P. Fran. M. S. Barreto PUB 32 3.00 2.47 +
ES de Valongo PUB 186 2.86 594 729 2.55 + 7.97 44.90 7.69 Câmara de Lobos
EB de São Lourenço, Ermesinde PUB 274 2.84 629 842 2.69 + 9.93 57.80 10.14 EB e Sec. Dr. Luís Maurílio da Silva Dantas PUB 163 2.88 572 2.38 +
EB e Sec. de Campo PUB 206 2.78 687 621 2.66 + 8.55 39.40 10.75 EB2+3 do Estreito de Câmara de Lobos PUB 235 2.58 873 2.52 -
EB e Sec. de Ermesinde PUB 325 2.70 778 770 2.79 - 9.39 53.20 7.74 EB2+3 da Torre PUB 159 2.33 1004 2.29 -
ES de Alfena PUB 253 2.56 892 2.55 - 8.61 64.80 9.91 EB dos 1º, 2º e 3º Ciclos Pré-Esc. Curral Freiras PUB 28 3.18 3.40 +
Vila do Conde Funchal
EB Dr. Carlos Pinto Ferreira, Junqueira PUB 153 3.56 77 12 3.31 + 7.77 48.60 7.87 Externato da Apresentação de Maria PRI 134 3.78 53 3.67 +
EB Maria Pais Ribeiro - A Ribeirinha, Macieira PUB 216 3.31 148 156 2.84 + 8.64 57.00 7.09 Colégio Santa Teresinha PRI 146 3.45 105 3.38 +
EB D. Pedro IV, Mindelo PUB 261 3.02 400 189 2.62 + 8.64 57.00 2.94 Colégio Infante D. Henrique PRI 92 3.03 381 2.61 -
EB Frei João de Vila do Conde PUB 221 2.97 453 1008 3.00 + 9.63 61.80 13.04 Escola Salesiana de Artes e Ofícios PRI 293 3.01 406 3.12 -
ES José Régio PUB 293 2.95 490 935 2.57 + 7.89 73.50 24.66 EB2+3 de Dr. Horácio Bento Gouveia PUB 577 2.86 587 3.03 +
ES D. Afonso Sanches PUB 212 2.66 809 2.63 - 9.52 60.90 EB2+3 de Santo António (Funchal) PUB 186 2.78 681 2.79 +
Vila Nova de Gaia EB 1º, 2º e 3º Cic. Pré-Escolar Bart. Perestrelo PUB 309 2.74 726 2.89 -
Colégio Nossa Senhora da Bonança PRI 98 4.01 25 45 3.92 + 2.44 EB2+3 dos Louros PUB 101 2.72 748 2.43 -
Academia de Música de Vilar do Paraíso PRI 142 3.82 43 91 3.57 + 0.00 EB e Sec. Dr. Ângelo Augusto Silva PUB 258 2.65 821 2.59 -
EB D. Pedro I, Canidelo PUB 194 3.53 85 195 3.16 + 10.82 67.80 2.63 EB e Sec. Gonçalves Zarco PUB 232 2.59 863 2.54 -
Colégio Internato dos Carvalhos PRI 234 3.45 103 27 3.31 + 4.90 EB2+3 Dr. Eduardo Brazão de Castro PUB 80 2.51 926 2.68 -
EB Soares dos Reis PUB 286 3.43 113 513 3.06 + 11.72 67.30 7.27 Machico
Colégio de Gaia PRI 96 3.33 140 348 3.48 - EB e Sec. de Machico PUB 318 2.84 619 2.82 +
ES Almeida Garrett PUB 401 3.30 156 416 3.12 + 12.17 72.80 1.90 EB2+3 do Caniçal PUB 72 2.65 814 2.66 -
ES Dr. Joaquim Gomes Ferreira Alves, Valadares PUB 427 3.25 185 391 2.84 + 11.03 58.70 13.07 EB 1º, 2º e 3º Ciclos Pré-Escolar Porto da Cruz PUB 46 3.98 3.53 +
EB Sophia de Mello Breyner, Corvo PUB 218 3.12 289 259 3.10 + 10.31 48.10 0.00 Ponta do Sol
EB Anes de Cernache, Vilar de Andorinho PUB 172 2.97 458 645 2.43 + 8.47 48.70 15.71 EB e Sec. da Ponta do Sol PUB 171 2.81 654 2.45 +
EB de Valadares PUB 160 2.95 484 781 2.70 + 9.09 44.90 21.69 Porto Moniz
EB Dr. Costa Matos PUB 214 2.80 664 366 2.73 - 10.19 65.70 11.21 EB e Sec. do Porto Moniz PUB 42 2.50 2.92 -
EB da Madalena PUB 76 2.80 666 880 2.49 - 10.16 59.20 5.77 Porto Santo
ES com 2º e 3º Ciclos de Carvalhos PUB 301 2.74 727 747 2.69 - 8.36 50.00 8.00 EB e Sec. Prof. Dr. Francisco Freitas Branco PUB 104 2.88 574 2.76 +
ES Diogo de Macedo, Olival PUB 320 2.74 728 2.54 - 8.40 40.90 6.04 Ribeira Brava
EB Júlio Dinis, Grijó PUB 124 2.68 793 804 2.59 - 8.08 32.00 23.81 EB e Sec. Padre Manuel Álvares PUB 185 2.97 462 2.49 +
EB e Sec. de Canelas PUB 325 2.58 869 547 2.58 - 8.52 49.10 17.54 EB2+3 de Cón. João Jacinto Gonçalves Andrade PUB 129 2.77 699 2.32 -
EB Adriano Correia de Oliveira, Avintes PUB 136 2.57 876 826 2.55 - 8.47 48.70 13.83 Santa Cruz
EB de Vila D`Este, Vilar de Andorinho PUB 168 2.49 938 466 2.61 - 7.85 39.20 10.20 EB2+3 do Caniço PUB 322 3.05 364 2.66 +
ES Inês de Castro, Canidelo PUB 394 2.41 981 982 2.48 - 8.50 57.70 11.25 EB e Sec. de Santa Cruz PUB 154 2.78 689 2.66 +
EB Escultor António Fernandes Sá, Gervide PUB 116 2.39 987 1026 2.44 - 8.26 46.70 12.60 EB2+3 Dr. Alfredo Ferreira Nóbrega Júnior PUB 122 2.25 1024 2.39 -
ES António Sérgio, Vila Nova de Gaia PUB 266 2.38 990 499 2.52 - 8.77 65.30 15.67 Santana
ES Arquitecto Oliveira Ferreira, Praia da Granja PUB 251 2.25 1023 998 1.99 - 8.03 35.40 18.64 EB e Sec. Bispo D. Manuel Ferreira Cabral PUB 78 2.99 439 2.85 +
ES de Gaia Nascente PUB 24 2.46 783 2.64 - 8.47 48.70 20.51 EB2+3 de S. Jorge Cardeal D. Teodósio Gouveia PUB 16 2.63 2.34 -
Colégio Cedros PRI 44 3.84 4.08 + 0.00 São Vicente
Colégio Horizonte PRI 28 4.32 4.36 + 0.00 EB e Sec. D. Lucinda Andrade PUB 81 2.44 970 2.52 -
Colégio Adventista de Oliveira do Douro PRI 35 3.20 - 0.00 SANTARÉM
R. A. AÇORES Abrantes
Angra do Heroísmo ES Dr. Solano de Abreu PUB 296 2.78 684 699 2.57 - 9.53 62.80 17.95
EB e Sec. Tomás de Borba PUB 184 2.95 482 2.63 + EB e Sec. Dr. Manuel Fernandes PUB 271 2.70 774 834 2.72 - 10.75 68.10 6.25
ES Jerónimo Emiliano de Andrade PUB 241 2.82 646 2.65 + Alcanena
EB Integrada Francisco Ferreira Drummond PUB 94 2.33 1005 2.24 - ES de Alcanena PUB 116 3.55 79 133 2.96 + 9.98 59.00 8.33
Calheta (R.A.A.) EB de Minde PUB 32 3.34 13 2.94 + 9.98 59.00 4.76
EB Integrada de Vila do Topo PUB 22 2.91 2.52 + Almeirim
EB e Sec. da Calheta PUB 40 2.23 2.92 - EB de Fazendas de Almeirim PUB 98 3.08 328 93 2.50 + 8.90 48.70 12.12
Corvo ES Marquesa de Alorna (Almeirim) PUB 242 2.75 721 2.70 - 11.17 55.70 13.25
EB Integrada Mouzinho da Silveira PUB 15 2.07 2.17 - Alpiarça
Horta EB e Sec. José Relvas PUB 104 2.96 467 493 2.68 - 10.39 69.80 0.00
ES Manuel de Arriaga PUB 175 2.77 702 2.26 + Benavente
Lagoa (R.A.A) EB de Porto Alto PUB 72 2.85 612 870 2.36 + 9.95 61.00 10.42
EB Integrada Água de Pau PUB 81 2.40 985 1.99 - ES de Benavente PUB 228 2.84 626 2.55 - 9.99 70.30 17.16
ES da Lagoa PUB 258 2.36 998 2.01 - EB Prof. João Fernandes Pratas PUB 242 2.77 698 813 2.87 - 9.95 61.00 8.26
Lajes do Pico Cartaxo
EB e Sec. das Lajes do Pico PUB 66 2.56 889 2.48 - ES do Cartaxo PUB 270 3.09 321 2.84 + 10.57 79.90 10.78
Madalena EB D. Sancho I, Pontével, Cartaxo PUB 104 2.72 752 272 2.26 - 9.03 63.80 15.22
EB e Sec. da Madalena PUB 110 2.95 489 2.62 + Chamusca
Nordeste EB e Sec. da Chamusca PUB 114 2.92 519 538 3.03 + 9.13 56.90 7.41
EB e Sec. de Nordeste PUB 110 2.67 795 2.52 + Constância
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

30 • Público • Sábado, 3 de Fevereiro de 2018

RANKING BÁSICO

directos de sucesso

directos de sucesso
esperado contexto

esperado contexto
Lugar no Ranking

Lugar no Ranking
social escolar (%)

social escolar (%)


Var. face ao valor

Var. face ao valor


Habilitações pais

Habilitações pais
exames em 2016

exames em 2016
Tipo de Escola

Tipo de Escola
dos percursos

dos percursos
retenção por

retenção por
dos exames

dos exames
Sem acção

Sem acção
de exames

de exames
escola (%)

escola (%)
Média de

Média de
Lugar no

Lugar no
Taxas de

Taxas de
em 2017

em 2017
Ranking

Ranking
Provas

Provas
Escola

Escola
(anos)

(anos)
Média

Média
EB e Sec. Luís de Camões PUB 76 2.88 565 38 2.59 - 9.86 79.60 6.67 ES Poeta Joaquim Serra PUB 321 2.77 695 510 2.52 - 10.50 62.10 5.07
Coruche EB de Pegões, Canha e Stº Isidro PUB 101 2.46 964 794 2.44 - 8.32 56.50 25.49
ES de Coruche PUB 272 2.69 779 2.82 - 9.24 66.20 7.32 EB D. Pedro Varela PUB 46 2.24 659 2.27 - 9.73 51.20 10.71
EB do Couço PUB 28 2.71 2.04 - 9.24 66.20 26.67 Palmela
Entroncamento Colégio Saint Peter’s II School PRI 174 4.03 23 149 + 1.41
ES do Entroncamento PUB 252 3.15 252 406 2.97 + 11.47 79.10 7.24 ES de Palmela PUB 278 3.04 367 357 2.92 + 12.35 78.60 8.53
EB Dr. Ruy de Andrade PUB 112 3.09 320 653 2.87 + 11.47 79.10 0.00 EB Hermenegildo Capelo PUB 158 2.91 533 381 2.62 - 11.24 72.10 6.67
Ferreira do Zêzere ES de Pinhal Novo PUB 493 2.88 564 209 2.66 - 10.68 73.40 13.97
EB e Sec. Pedro Ferreiro PUB 95 2.99 437 310 2.90 + 8.25 46.90 4.84 EB José Saramago PUB 111 2.66 808 843 2.42 - 7.68 44.00 12.33
Golegã EB José Maria dos Santos PUB 70 2.51 924 616 2.62 - 9.81 56.20 3.85
EB e Sec. Mestre Martins Correia PUB 84 2.75 717 320 2.97 - 10.57 55.20 10.00 Santiago do Cacém
Mação ES Manuel da Fonseca PUB 216 3.27 175 23 2.95 + 10.93 71.90 5.66
EB e Sec. Mação PUB 80 3.03 387 411 2.95 + 9.30 57.50 4.35 ES Padre António Macedo PUB 136 2.81 659 342 2.75 - 11.00 74.00 17.00
Ourém EB Professor Arménio Lança, Alvalade do Sado PUB 46 2.74 694 2.52 - 9.05 43.30 17.39
Colégio Sagrado Coração de Maria PRI 160 3.09 324 43 2.81 - 2.44 EB n.º 1 de Cercal do Alentejo PUB 26 3.73 157 3.06 + 9.25 60.00 28.57
EB de Freixianda PUB 50 3.06 352 575 2.93 + 9.58 64.40 8.33 Seixal
EB e Sec. de Ourém PUB 158 3.02 394 144 2.78 + 9.58 64.40 17.86 Colégio Guadalupe PRI 131 3.59 70 122 + 0.00
EB 4.º Conde de Ourém, Ourém PUB 154 2.99 428 425 3.12 + 9.73 52.50 6.76 Colégio Atlântico PRI 120 3.39 120 75 - 0.00
Centro de Estudos de Fátima PRI 206 2.99 433 479 2.99 - 6.36 EB Vale de Milhaços PUB 165 3.22 202 127 2.86 + 11.90 75.00 5.21
Colégio de S. Miguel PRI 250 2.97 455 254 2.95 - 1.43 ES Dr. José Afonso PUB 256 3.14 259 208 3.16 + 11.92 87.90 4.70
EB Cónego Dr. Manuel Lopes Perdigão PUB 80 2.84 627 262 2.52 + 8.65 51.00 0.00 EB Carlos Ribeiro PUB 303 3.02 391 420 2.65 - 11.07 74.50 4.14
Rio Maior ES João de Barros PUB 343 2.80 675 545 2.61 - 10.55 69.60 11.76
EB de Marinhas do Sal - Rio Maior PUB 120 3.41 119 353 2.82 + 9.34 50.70 1.33 EB Paulo da Gama PUB 131 2.79 678 56 2.74 - 9.32 62.40 7.45
EB Fernando Casimiro Pereira da Silva PUB 141 2.88 570 434 3.05 + 10.32 57.40 5.41 ES Manuel Cargaleiro PUB 151 2.75 720 574 2.60 - 11.23 77.10 0.00
ES Dr. Augusto César da Silva Ferreira PUB 84 2.48 948 994 2.54 - 9.00 45.50 3.70 EB de Corroios PUB 183 2.72 754 891 2.59 - 10.55 69.60 30.85
Salvaterra de Magos EB da Cruz de Pau PUB 132 2.64 824 763 2.65 - 10.40 67.10 10.61
EB e Sec. Salvaterra de Magos PUB 172 2.82 647 658 2.56 - 9.09 62.30 11.76 EB2+3 Pedro Eanes Lobato PUB 175 2.57 881 918 2.43 - 9.62 67.10 10.53
EB de Marinhais PUB 141 2.61 855 735 2.45 - 9.33 56.80 3.03 EB Dr. António Augusto Louro PUB 99 2.55 901 686 2.40 - 10.46 63.20 15.28
Santarém ES de Amora PUB 162 2.47 953 455 2.13 - 9.19 56.10 22.12
Colégio Infante Santo PRI 132 4.13 11 825 3.81 + 21.51 ES Alfredo dos Reis Silveira PUB 205 2.47 954 862 2.66 - 9.81 100.00 28.30
EB D. Manuel I PUB 62 3.27 173 666 2.75 + 8.92 69.30 0.00 EB Nun’ Álvares - Seixal PUB 73 2.14 1038 765 1.89 - 8.20 42.10 20.69
ES Sá da Bandeira PUB 158 3.21 215 427 3.50 + 12.07 75.10 12.35 Sesimbra
EB Alexandre Herculano PUB 131 3.13 274 250 2.82 + 10.92 72.50 5.00 EB Navegador Rodrigues Soromenho PUB 117 2.97 451 993 2.83 + 10.37 56.50 12.26
ES Dr. Ginestal Machado PUB 304 2.92 513 367 2.54 - 11.93 67.50 7.76 ES de Sampaio PUB 229 2.86 593 2.50 - 10.91 62.00 6.62
EB de Alcanede PUB 78 2.87 578 275 3.07 + 8.92 69.30 1.67 EB e Sec. Michel Giacometti PUB 164 2.66 806 779 2.76 - 10.51 67.40 12.50
EB D. João II (Santarém) PUB 202 2.85 603 912 2.94 - 12.07 75.10 8.82 EB da Quinta do Conde PUB 180 2.66 810 792 2.50 - 9.88 62.80 6.10
Sardoal EB da Boa Água PUB 192 2.55 898 734 2.67 - 11.15 61.60 6.32
EB e Sec. Dra. Maria Judite Serrão Andrade PUB 68 3.03 384 125 3.02 + 9.66 50.00 14.29 Setúbal
Tomar ES du Bocage PUB 441 3.49 95 237 3.44 + 14.04 88.10 3.06
EB de Santa Iria PUB 56 3.20 223 926 2.67 + 9.61 53.60 12.50 EB de Azeitão PUB 295 2.88 568 303 2.85 - 12.14 79.60 11.95
ES Jácome Ratton PUB 189 3.15 251 372 2.66 + 9.61 53.60 5.71 ES Sebastião da Gama PUB 339 2.86 583 921 2.82 - 11.55 72.00 10.95
ES de Santa Maria do Olival PUB 328 2.89 552 210 2.90 - 11.33 66.00 2.47 EB Luísa Todi PUB 155 2.72 749 854 2.89 - 10.18 63.60 9.20
EB Gualdim Pais PUB 116 2.86 588 579 2.71 + 9.61 53.60 3.70 EB de Aranguez, Setúbal PUB 140 2.72 751 1009 2.46 - 11.55 72.00 24.62
Torres Novas ES D. João II PUB 437 2.57 885 927 2.27 - 9.95 66.20 19.71
EB e Sec. Artur Gonçalves PUB 188 3.13 270 601 3.01 + 11.57 70.70 4.96 EB Barbosa de Bocage PUB 135 2.56 894 1036 2.36 - 11.81 57.80 5.21
EB Dr. António Chora Barroso PUB 108 3.08 327 452 2.73 + 11.57 70.70 0.00 EB e Sec. Lima de Freitas PUB 175 2.37 991 362 2.59 - 9.10 53.00 17.65
ES Maria Lamas PUB 218 2.78 683 1031 2.77 - 10.41 70.90 6.67 ES D. Manuel Martins PUB 116 2.30 1012 973 2.07 - 9.41 63.60 6.12
Vila Nova da Barquinha EB e Sec. da Ordem de Santiago PUB 166 2.16 1036 791 2.21 - 7.55 50.00 25.74
EB e Sec. D. Maria II PUB 91 3.26 178 540 2.82 + 10.77 61.20 5.00 Colégio São Filipe PRI 14 3.43 2.50 - 0.00
SETÚBAL Sines
Alcácer do Sal ES Poeta Al Berto PUB 115 2.97 464 550 2.41 + 10.09 63.00 14.71
ES de Alcácer do Sal PUB 162 2.72 750 560 2.62 - 9.35 64.90 9.64 EB Vasco da Gama PUB 84 2.75 718 439 2.78 - 9.32 60.00 6.78
EB Bernardim Ribeiro PUB 22 2.55 2.15 - 8.96 53.30 13.33 VIANA DO CASTELO
Alcochete Arcos de Valdevez
EB El-Rei D. Manuel I PUB 367 2.86 591 530 2.86 - 12.07 74.40 5.00 EB e Sec. de Valdevez, Arcos de Valdevez PUB 282 2.78 692 331 2.82 + 8.47 49.70 10.99
Almada Caminha
Colégio Campo de Flores PRI 162 3.91 33 40 3.43 + 1.18 EB e Sec. Sidónio Pais, Vilarelho PUB 224 3.13 275 480 2.99 + 10.42 56.20 2.67
ES Fernão Mendes Pinto PUB 157 3.28 168 202 2.86 + 11.88 73.70 13.49 Melgaço
Externato Frei Luís de Sousa PRI 62 3.27 174 106 3.29 - 2.00 EB e Sec. de Melgaço PUB 119 3.16 241 200 2.87 + 9.63 55.40 2.00
EB Carlos Gargaté PUB 190 3.11 298 376 3.14 + 12.62 81.70 10.10 Monção
ES Daniel Sampaio PUB 266 3.06 353 612 2.86 + 11.85 76.10 4.14 ES de Monção PUB 227 2.98 447 2.86 + 9.54 48.70 3.96
EB Elias Garcia PUB 208 3.01 403 594 2.68 - 11.52 63.90 3.85 Paredes de Coura
EB D. António da Costa PUB 228 3.01 404 598 2.73 - 12.12 73.90 13.76 EB e Sec. de Paredes de Coura PUB 150 2.74 730 345 2.83 - 8.65 37.90 2.63
ES Emídio Navarro PUB 203 2.99 435 211 3.08 - 12.12 73.90 5.31 Ponte da Barca
ES António Gedeão PUB 220 2.78 685 836 2.67 - 11.52 69.00 11.76 EB e Sec. de Ponte da Barca PUB 170 3.18 232 199 2.75 + 9.01 49.50 0.87
EB do Vale Rosal PUB 156 2.76 707 497 2.64 - 11.85 76.10 6.45 Ponte de Lima
EB e Sec. Anselmo de Andrade PUB 197 2.76 712 948 2.83 - 11.74 64.50 13.38 ES de Ponte de Lima PUB 124 3.27 172 280 2.93 + 8.55 45.40 2.33
ES Romeu Correia PUB 326 2.75 725 2.70 - 11.48 70.90 11.63 EB da Correlhã, Ponte de Lima PUB 128 3.21 213 60 2.65 + 8.55 45.40 3.13
EB do Monte da Caparica PUB 110 2.69 783 253 2.52 - 9.01 44.40 19.23 EB António Feijó PUB 316 3.17 235 92 3.04 + 9.52 49.30 1.07
EB da Costa da Caparica PUB 208 2.54 909 448 2.48 - 10.64 57.20 18.18 EB e Sec. de Arcozelo, Ponte de Lima PUB 120 2.88 562 756 2.76 + 7.50 35.30 11.63
EB e Sec. Professor Ruy Luís Gomes PUB 111 2.41 980 846 2.38 - 8.71 49.10 10.59 EB de Freixo, Ponte de Lima PUB 114 2.70 771 384 2.25 - 7.14 36.60 6.49
EB e Sec. Francisco Simões PUB 140 2.27 1018 850 2.63 - 9.61 49.20 5.81 Valença
EB da Trafaria PUB 54 2.04 1043 901 2.00 - 8.84 20.00 30.30 EB e Sec. de Muralhas do Minho PUB 164 2.85 600 739 2.58 + 9.87 60.60 17.36
EB do Miradouro de Alfazina PUB 63 1.95 1046 515 2.15 - 7.56 34.20 17.78 Viana do Castelo
Colégio do Vale PRI 46 3.83 1 3.72 + 0.00 EB Frei Bartolomeu dos Mártires PUB 197 3.39 121 55 2.98 + 11.99 64.50 2.06
Barreiro EB da Abelheira PUB 269 3.36 131 70 3.29 + 12.20 78.40 5.49
Colégio Minerva PRI 56 4.41 1 24 + 4.35 EB e Sec. de Monte da Ola PUB 149 3.25 189 941 2.81 + 8.68 44.00 9.23
EB Quinta da Lomba PUB 308 3.18 226 225 2.87 + 11.93 75.20 3.65 Colégio do Minho PRI 87 3.16 239 304 3.37 - 2.78
EB e Sec. Alfredo da Silva PUB 108 2.81 652 702 2.82 - 11.91 71.90 10.20 EB Dr. Pedro Barbosa, Viana do Castelo PUB 185 3.07 341 258 2.71 + 10.61 53.90 3.16
EB Padre Abílio Mendes PUB 212 2.81 662 902 2.70 - 11.00 71.40 8.93 EB e Sec. P. J. Brito, Sta Marta de Portuzelo PUB 166 3.00 415 728 2.46 + 9.43 53.40 5.26
ES de Casquilhos PUB 218 2.63 835 - 11.48 59.30 EB e Sec. de Barroselas PUB 174 2.95 486 708 2.66 + 8.59 54.00 2.15
EB D. Luís Mendonça Furtado PUB 219 2.57 884 492 2.64 - 11.20 72.40 6.73 EB da Foz do Neiva, Castelo do Neiva PUB 98 2.94 498 500 3.18 + 8.68 44.00 11.36
EB e Sec. de Santo Antonio PUB 162 2.57 886 782 2.43 - 9.37 68.00 2.00 EB e Sec. de Arga e Lima, Lanheses PUB 158 2.88 569 909 2.65 + 7.82 44.30 6.06
EB Álvaro Velho PUB 368 2.55 900 676 2.49 - 10.47 71.60 10.42 EB de Darque PUB 78 2.62 850 925 2.72 - 8.68 44.00 17.24
Grândola Vila Nova de Cerveira
ES António Inácio da Cruz PUB 191 2.56 890 2.47 - 9.57 54.30 10.48 EB e Sec. de Vila Nova de Cerveira PUB 94 2.73 734 524 2.88 - 9.91 52.80 0.00
Moita Colégio Campos PRI 76 2.29 1015 923 2.46 - 22.03
EB D. João I PUB 137 2.86 590 608 2.47 + 9.55 57.10 24.39 VILA REAL
EB Fragata do Tejo PUB 166 2.85 608 571 2.49 - 10.38 61.70 11.71 Alijó
EB D. Pedro II PUB 221 2.80 667 611 2.46 - 10.08 60.90 15.91 EB e Sec. D. Sancho II PUB 100 2.99 436 323 2.49 + 8.13 37.80 20.69
EB José Afonso PUB 187 2.75 719 554 2.43 - 10.21 61.90 6.48 EB do Pinhão PUB 18 2.72 2.59 - 8.13 37.80 16.67
EB Mouzinho da Silveira PUB 171 2.54 903 719 2.45 - 9.49 54.30 1.65 Boticas
EB do Vale da Amoreira PUB 39 2.36 800 1.88 - 6.94 21.80 23.53 EB Gomes Monteiro, Boticas PUB 58 2.93 506 1010 2.45 + 7.61 17.60 2.94
Montijo Chaves
ES Jorge Peixinho PUB 423 3.15 247 640 2.76 + 11.72 76.10 3.57 EB e Sec. Fernão de Magalhães PUB 145 3.45 107 370 3.19 + 10.52 73.50 1.72
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Público • Sábado, 3 de Fevereiro de 2018 • 31

RANKING BÁSICO

directos de sucesso

directos de sucesso
esperado contexto

esperado contexto
Lugar no Ranking

Lugar no Ranking
social escolar (%)

social escolar (%)


Var. face ao valor

Var. face ao valor


Habilitações pais

Habilitações pais
exames em 2016

exames em 2016
Tipo de Escola

Tipo de Escola
dos percursos

dos percursos
retenção por

retenção por
dos exames

dos exames
Sem acção

Sem acção
de exames

de exames
escola (%)

escola (%)
Média de

Média de
Lugar no

Lugar no
Taxas de

Taxas de
em 2017

em 2017
Ranking

Ranking
Provas

Provas
Escola

Escola
(anos)

(anos)
Média

Média
ES Dr. António Granjo, Chaves PUB 144 3.06 354 172 3.12 + 9.56 53.90 1.22 Colégio da Via-Sacra PRI 154 4.01 27 28 3.74 + 0.00
ES Dr. Júlio Martins, Chaves PUB 258 3.00 410 526 3.05 + 10.15 45.40 9.70 ES Alves Martins PUB 108 3.66 66 360 3.00 + 13.11 72.70 0.00
EB de Vidago, Chaves PUB 48 2.63 418 2.44 - 10.52 73.50 5.71 EB Grão Vasco PUB 320 3.44 112 494 3.34 + 11.86 77.80 11.17
Mesão Frio EB Infante D. Henrique, Repeses PUB 244 3.32 147 363 3.36 + 10.92 60.00 4.13
EB e Sec. Professor António da Natividade PUB 60 2.45 967 981 2.04 - 7.21 26.20 2.04 E. S. Emídio Navarro PUB 188 3.18 228 506 2.98 + 11.47 70.70 6.00
Mondim de Basto E. S. Viriato, Abraveses PUB 86 3.16 236 614 2.50 + 9.74 67.20 30.95
EB e Sec. de Mondim de Basto PUB 136 2.71 764 537 2.74 - 7.66 42.90 16.46 EB Dr. Azeredo Perdigão, Abraveses PUB 154 3.11 300 861 3.03 + 9.43 53.10 19.78
Montalegre EB D. Duarte, Vil de Soito PUB 86 3.10 303 752 2.45 + 9.43 53.10 14.29
EB e Sec. Dr. Bento da Cruz, Montalegre PUB 80 2.74 731 968 2.51 - 7.94 30.00 2.13 EB de Viso PUB 185 3.08 334 744 3.05 + 9.97 65.00 8.46
EB e Sec. do Baixo Barroso, Venda Nova PUB 42 2.69 641 2.61 - 7.94 30.00 28.00 EB n.º 3 de Mundão PUB 84 3.01 405 1016 2.80 + 8.56 63.30 1.30
Murça EB Integrada com Ens. Sec. Jean Piaget PRI 100 2.85 607 1004 2.44 - 20.00
EB e Sec. de Murça PUB 90 2.82 645 642 2.30 + 8.56 31.70 0.00 Colégio da Imaculada Conceição PRI 31 3.97 10 3.71 + 4.76
Peso da Régua EB D. Luís Loureiro, Silgueiros PUB 42 2.62 176 2.76 - 10.92 60.00 13.51
ES Dr. João de Araújo Correia PUB 221 3.13 279 223 2.76 + 9.03 45.90 3.23 Vouzela
Salesianos de Poiares Colégio PRI 96 2.97 459 398 2.75 - 4.62 E. S. de Vouzela PUB 93 3.33 141 599 3.03 + 8.23 48.60 11.11
EB de Peso da Régua PUB 20 2.50 819 2.22 - 9.03 45.90 14.29 EB de Campia PUB 30 2.93 821 2.66 + 8.23 48.60 14.29
Ribeira de Pena
EB e Sec. de Ribeira de Pena PUB 66 2.94 496 246 2.44 + 7.36 28.30 17.24

Como ler a lista do básico


EB de Cerva, Ribeira de Pena PUB 44 2.32 879 2.57 - 7.36 28.30 13.33
Sabrosa
EB e Sec. Miguel Torga, Sabrosa PUB 102 2.84 618 806 2.61 + 8.91 38.80 22.86
Santa Marta de Penaguião
EB de Santa Marta de Penaguião PUB 90 2.57 887 1001 2.50 - 7.14 34.60 36.36
Valpaços recebem apoio no âmbito da Acção Social das suas famílias, há, por vezes, variações
ES de Valpaços PUB 128 2.67 796 519 2.40 - 8.08 30.60 13.48 Escolar e habilitação média dos pais dos significativas entre o universo dos alunos
EB José dos Anjos, Carrazedo de Montenegro PUB 39 2.79 18 2.49 + 8.08 30.60 17.07
Vila Pouca de Aguiar alunos (em número médio de anos de que frequentam o básico e o dos que
EB de Pedras Salgadas, Vila Pouca de Aguiar PUB 81 3.00 424 798 2.91 + 8.75 50.00 0.00 escolaridade). estão no secundário. É frequente um
EB e Sec. de Vila Pouca de Aguiar - Sul PUB 118 2.75 713 307 2.63 - 8.75 50.00 3.08
A partir destas informações, elaborou- agrupamento ter alunos do básico que têm
Vila Real
ES São Pedro PUB 272 3.31 154 221 3.31 + 12.58 81.70 2.74 se uma variável de contexto — que características mais “desfavorecidas” do
ES Camilo Castelo Branco PUB 228 3.29 165 266 2.90 + 12.42 71.60 2.06 permite caracterizar o contexto. Cada que os seus colegas do secundário.
Colégio Nossa Senhora da Boavista PRI 134 3.22 206 81 2.80 - 8.33
EB Diogo Cão PUB 107 2.76 711 582 2.74 - 10.50 46.60 14.29
escola aparece identificada com uma cor,
ES Morgado de Mateus PUB 246 2.61 859 2.80 - 9.98 61.10 5.88 conforme o contexto a que pertence: Variação face ao valor esperado
VISEU Contexto 1, assinalado a AMARELO, de contexto
Armamar
EB e Sec. Gomes Teixeira, Armamar PUB 106 2.69 786 604 2.55 - 7.90 30.00 4.41 escolas com valores mais desfavoráveis Conhecido o contexto de cada escola,
Carregal do Sal nas duas variáveis de contexto (pais menos calculamos o valor esperado das
ES de Carregal do Sal PUB 106 3.18 230 3.25 + 9.14 53.80 19.05
escolarizados e mais alunos abrangidos por classificações para escolas do mesmo
EB Aristides de Sousa Mendes PUB 27 3.41 883 3.06 + 9.14 53.80 5.00
Castro Daire apoios do Estado). contexto. Ao contrário do que acontece no
EB de Mões, Castro Daire PUB 65 2.95 480 1030 2.45 + 8.56 42.30 11.54 Contexto 2, assinalado a ROXO, com ranking do ensino secundário, que pode
EB n.º 2 de Castro Daire PUB 112 2.90 542 1025 3.09 + 8.56 42.30 9.09
ES de Castro Daire PUB 40 3.03 959 2.90 + 8.56 42.30 19.51
valores intermédios (menos jovens consultar algumas páginas à frente, não
Cinfães abrangidos pela Acção Social Escolar do publicamos no ranking do básico o valor
EB General Serpa Pinto PUB 208 2.69 780 858 2.56 - 7.33 24.30 0.00 que no contexto 1 e pais mais escolarizados) esperado de contexto (VEC) para cada
EB de Souselo PUB 153 2.42 974 1029 2.45 - 6.75 22.20 7.04
ES Professor Doutor Flávio F. Pinto Resende PUB 28 2.64 443 2.39 - 12.43 22.90 13.64 Contexto 3, assinalado a VERDE, escolas escola: por uma questão de economia de
Lamego com valores mais favoráveis nas duas espaço e por não haver grandes diferenças
ES Latino Coelho PUB 246 2.89 557 2.91 + 9.07 44.40 17.58
variáveis. Para as escolas privadas e algumas entre escolas, limitamo-nos a indicar se o
EB e Sec. da Sé PUB 222 2.83 632 301 2.56 + 8.08 42.30 9.35
Colégio Lamego PRI 26 3.73 51 3.17 + 0.00 públicas, nomeadamente as das regiões valor da classificação média obtida pela
Mangualde autónomas, o ME não disponibiliza dados de escola (que se pode consultar na coluna
ES Dr.ª Felismina Alcântara, Mangualde PUB 302 3.08 333 2.89 + 9.75 64.60 9.64
Moimenta da Beira
contexto, pelo que essas escolas aparecem “Média de Exames”) está acima (sinal “+”) ou
EB e Sec. de Moimenta da Beira PUB 153 3.09 317 355 2.48 + 8.16 48.40 4.90 a PRETO. Não foi possível caracterizá-las. abaixo (sinal “-”) do valor esperado para o
Mortágua Os dados socioeconómicos têm contexto no qual ela se insere.
ES Dr. João Lopes de Morais PUB 125 2.93 510 2.98 + 8.85 61.50 4.41
Nelas algumas características e limitações que
ES de Nelas PUB 148 3.06 349 2.90 + 9.85 63.30 0.00 o leitor deve ter em conta: desde logo, Habilitações dos pais
EB e Sec. Eng. Dionísio Augusto Cunha PUB 100 3.03 382 37 3.32 - 10.21 68.90 0.00
são relativos ao ano lectivo 2015/2016 O valor que aparece nesta coluna é o
Oliveira de Frades
EB e Sec. de Oliveira de Frades PUB 174 3.10 308 535 2.70 + 8.63 52.80 12.15 (o ME não faculta dados mais recentes). número médio de anos de escolaridade dos
Penalva do Castelo Já os dados relacionados com as notas pais e mães dos alunos do ensino básico do
EB e Sec. de Penalva do Castelo PUB 83 3.12 287 290 2.87 + 8.33 48.10 6.82
Penedono
obtidas pelos alunos nos exames, que agrupamento a que pertence a escola.
EB Álvaro Coutinho - o Magriço, Penedono PUB 52 2.73 741 302 3.02 - 8.18 34.40 3.23 constam das mesmas tabelas nestas
Resende páginas, são relativos a 2016/2017. O ME Percentagem de alunos sem Acção Social
Externato D. Afonso Henriques PRI 74 2.96 468 978 2.93 - 15.38
ES de Resende PUB 120 2.46 961 963 2.45 - 6.51 20.30 5.56 acredita, contudo, que não há diferenças Escolar
Santa Comba Dão significativas, de um ano lectivo para o Percentagem de alunos do agrupamento
ES de Santa Comba Dão PUB 156 2.97 450 128 3.01 + 9.13 57.70 6.10
outro, nas características essenciais do a que pertence a escola não abrangidos
São João da Pesqueira
EB e Sec. de São João da Pesqueira PUB 98 2.73 733 691 2.73 - 7.86 39.30 16.67 universo de alunos em cada agrupamento. pelo apoio dado pelo Estado (ou seja, que
São Pedro do Sul Note-se ainda que uma escola que não cumprem os requisitos de carência
EB de Santa Cruz da Trapa PUB 56 3.07 339 472 2.98 + 7.75 33.30 0.00
ES de São Pedro do Sul PUB 182 3.05 355 2.96 + 9.15 53.30 10.75
no secundário aparece catalogada económica para ter Acção Social Escolar).
Sátão como sendo de um determinado tipo
ES Frei Rosa Viterbo PUB 183 3.16 242 261 2.64 + 9.16 41.50 12.00 de contexto (2, por exemplo) pode, no Taxas de retenção
Sernancelhe
EB Padre João Rodrigues, Veiga PUB 82 3.00 423 1041 2.08 + 8.44 47.60 12.00 básico, ser considerada uma escola de Percentagem de alunos dos cursos do
Tabuaço outro contexto (1, por exemplo). A razão ensino básico geral e artístico que não
EB e Sec. Abel Botelho PUB 50 2.86 595 318 2.54 + 8.00 40.40 20.45
é esta: sendo os contextos “desenhados” concluem o 9.º ano (os dados mais recentes
Tarouca
EB e Sec. Dr. José Leite de Vasconcelos PUB 114 2.42 977 882 2.39 - 7.52 32.40 5.26 com base nas características dos alunos e que o ME disponibiliza são de 2015/16). A.S.
Tondela
ES de Tondela PUB 157 3.51 92 478 2.81 + 8.88 62.30 5.56
EB de Campo de Besteiros PUB 104 3.31 153 617 2.95 + 8.88 62.30 5.45
ES de Molelos PUB 83 2.96 466 859 3.02 + 9.45 62.20 0.00 FICHA TÉCNICA Director David Dinis Coordenação Nuno Pacheco Textos Andreia Sanches,
EB Prof. Dr. Carlos Mota Pinto, Lajeosa do Dão PUB 26 2.62 866 2.60 - 9.45 62.20 6.67 Bárbara Wong, Carlos Dias, Clara Viana, Conceição A. Portela, Margarida David Cardoso,
EB do Caramulo PUB 44 3.18 395 2.64 + 8.88 62.30 8.33
Vila Nova de Paiva
Rita Marques Costa, Samuel Silva Infografia Célia Rodrigues, , José Alves Tratamento de
ES de Vila Nova de Paiva PUB 86 2.83 642 3.06 + 8.52 44.20 12.50 dados Elisabeth Fernandes, Pedro Vasques Fotografia Adriano Miranda, Nelson Garrido,
Viseu
Nuno Ferreira Santos, Paulo Pimenta,Sebastião Almeida
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

32 • Público • Sábado, 3 de Fevereiro de 2018

RANKING BÁSICO E SECUNDÁRIO

As escolas públicas e privadas no ranking do secundário de 2017

Universo de escolas no ranking Escolas com média global Médias no público e no privado Médias de exame às duas disciplinas por sexo
(com mais de 50 provas) negativa
(abaixo de 9,5 valores) 2017 10,49 10,97 10,35 10,7 10,28 10,75
2017
104 24,3% Média privado 11,82
PRIVADAS 21,9%
19,1% Média geral
10,54
Média público
12,6% 13,4% 10,36
Total
593 7,2%
N.º de provas 180.461 25.807
489 Total
PÚBLICAS
2015 2016 2017
206.268 2015 2016 2017

As três melhores e as três piores do ranking geral Médias por concelho Taxa de retenção
Col. Nossa Sra. do
por concelho**
Concelhos com as
Rosário, Porto melhores médias (20%)
Média dos Colégio D. Diogo Concelhos com
exames 14,92 de Sousa, Braga as menores taxas
Colégio Manuel Intermédios de retenção (20%)
1 Classificação Média dos
interna* 17,33 exames 14,24 Bernardes, Lisboa
Intermédios
Ranking do sucesso 6 2 Classificação Média dos Concelhos com
interna* 17,23 exames 14,14 as piores médias
Ranking do sucesso 33 3 Classificação (20%) Concelhos com
EBS de Santo interna* 15,22 as maiores taxas
Sem dados ou escolas de retenção (20%)
António, Barreiro Ranking do sucesso 97 fizeram menos
Média dos Col. Torre Dona
de 50 provas
591 exames 7,08 Chama, Mirandela
Classificação Média dos ES da Baixa da
interna* 12,91 exames 6,78 Banheira, Moita
592 Classificação Média dos
Ranking do sucesso 286 interna* 12,57 exames 6,47
Classificação
Ranking do sucesso 481 593 interna* 12,83
* Ao contrário da média dos exames, que inclui alunos internos e autopropostos que
fizeram parte da escola ao longo do ano, a nota interna só tem em conta os internos Ranking do sucesso 527

As melhores e piores a Português e Matemática


Português Matemática
Média de exame Média de exame
Col. São João de Brito Col. D. Diogo de Sousa
14,67 16,16
Lisboa Braga
Col. Nossa Sra. do Rosário Col. de Santa Doroteia
14,53 15,59
Porto Lisboa
Col. de Amorim 14,5 Col. Nossa Sra. do Rosário 15,59
Póvoa de Varzim Porto

EBS de Santo António 7,12 Col. Torre Dona Chama 5,18


Barreiro Mirandela
EBS Gil Vicente 6,98 EBS de Santo António 4,81
Lisboa Barreiro ** Todas as escolas para
as quais há dados são
ES da Baixa da Banheira Col. D. Filipa 3,82 consideradas, Sem
Moita 5,43 Amadora independentemente do dados
número de provas

As melhores e piores de cada contexto no ranking geral

Ranking Contexto 1 Ranking Contexto 2 Ranking Contexto 3


Exames Sucesso Exames Sucesso Exames Sucesso

58 123 ES da Trofa 11,8 37 521 EBS Henrique Sommer 12,25 32 66 ES Garcia de Orta 12,42
Trofa Maceira Porto
87 67 ES de Ponte de Lima 11,43 46 104 ES Eça de Queirós 12,03 41 145 ES Infanta D. Maria 12,12
Ponte de Lima Póvoa de Varzim Coimbra
89 312 EBS de Escariz
11,39 65 340 ES Adolfo Portela
11,70 43 137 EBS Clara de Resende
12,08
Arouca Águeda Porto

589 95 ES de Camarate
7,51 564 510 EBS Passos Manuel
8,52 554 339 EBS Anselmo de Andrade
8,63
Lisboa Lisboa Setúbal
591 286 EBS de Santo António 565 105 ES José Cardoso Pires 562 132 ES de Alcácer do Sal
Setúbal 7,08 Loures 8,51 Alcácer do Sal 8,53
593 527 ES da Baixa da Banheira 582 508 ES do Lumiar 584 417 ES D. Manuel Martins
Moita 6,47 Lisboa 8,10 Almada 8,02
Fonte: PÚBLICO a partir dos dados do Ministério da Educação Infografia: Célia Rodrigues e Rita Marques Costa
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Público • Sábado, 3 de Fevereiro de 2018 • 33

RANKING SECUNDÁRIO

directos de sucesso

Taxas de retenção
Como ler a lista do secundário

Valor esperado de
contexto (VEC) ou
Média de Exames

Sem acção social


Lugar no Ranking

Lugar no Ranking

Média de exames

Habilitações pais
Var. face ao VEC
valor esperado
Tipo de Escola

dos percursos

por escola (%)


dos exames

escolar (%)
Concelho

em 2016
em 2017
Provas
Escola

(anos)
Escola e tipo de escola no âmbito da Acção Social Escolar e habilitação
Nome da escola (pública ou privada) e localização. média dos pais dos alunos do secundário (em
Col. Nossa Senhora do Rosário PRI Porto 434 14.92 1 6 14.98 11.95 + 1.75 número médio de anos de escolaridade). A partir
Col. D. Diogo de Sousa PRI Braga 537 14.24 2 33 14.34 11.83 + 0.00 Provas destas informações, caracterizou-se o contexto.
Col. Manuel Bernardes PRI Lisboa 216 14.14 3 97 13.68 11.76 + 0.00 Número de provas feitas na escola pelo universo Cada escola aparece identificada com uma cor,
Col. de S. Doroteia PRI Lisboa 288 14.09 4 20 13.37 11.83 + 10.47
de alunos considerado pelo PÚBLICO: os que conforme o contexto a que pertence:
Col. S. João de Brito PRI Lisboa 292 14.05 5 49 13.94 11.89 + 15.38
Salesianos de Lisboa PRI Lisboa 570 13.78 6 47 13.91 11.88 + 7.87 em 2017 foram à 1.ª fase dos exames nacionais Contexto 1, assinalado a AMARELO, escolas com
Col. St. Peter’s School PRI Palmela 192 13.77 7 52 14.65 11.79 + 0.00 para fazer as oito provas (ou pelo menos algumas valores mais desfavoráveis nas duas variáveis de
Col. Luso-Francês PRI Porto 247 13.76 8 16 14.11 11.73 + 0.00 delas) mais concorridas. A saber: Português, contexto (pais menos escolarizados e mais alunos
Col. Nova Encosta PRI P. de Ferreira 113 13.69 9 11.89 11.86 + 14.81
Matemática A, História A, Biologia e Geologia, Física abrangidos por apoios do Estado).
Externato Ribadouro PRI Porto 1762 13.54 10 19 13.14 11.83 + 1.84
Col. da Rainha S. Isabel PRI Coimbra 352 13.53 11 4 13.78 11.84 + 4.04
e Química A, Geografia A, Filosofia e Matemática Contexto 2, assinalado a ROXO, com valores
Col. Integrado de Monte Maior PRI Loures 89 13.52 12 12.46 11.84 + Aplicada às Ciências Sociais. Não consideramos intermédios (menos jovens abrangidos pela Acção
Salesianos do Estoril PRI Cascais 390 13.50 13 131 14.30 11.75 + 2.94 os alunos autopropostos que só vão à escola para Social Escolar do que no contexto 1 e pais mais
Col. Moderno PRI Lisboa 384 13.50 14 134 13.06 11.87 + 13.46 fazer exames, apenas os internos (aqueles que escolarizados).
Col. Bartolomeu Dias PRI Loures 184 13.40 15 64 13.46 11.83 + 9.23
frequentam a escola ao longo de todo o ano lectivo) Contexto 3, assinalado a VERDE, escolas com
Col. Valsassina PRI Lisboa 226 13.14 16 121 13.40 11.88 + 1.64
Col. do Sagrado Coração de Maria PRI Lisboa 300 13.08 17 111 13.38 11.82 + 4.21 e alguns autopropostos: os que frequentaram a valores mais favoráveis nas duas variáveis.
Col. Casa Mãe PRI Paredes 132 13.00 18 69 13.81 11.81 + 7.14 escola ao longo de todo o ano lectivo e, chegando Para as escolas privadas e algumas públicas,
Externato Frei Luís de Sousa PRI Almada 80 12.99 19 275 11.47 11.67 + 15.38 muito perto do fim do 3.º período, anularam a nomeadamente as das regiões autónomas, o
Col. São Tomás PRI Lisboa 257 12.95 20 37 12.99 11.82 + 4.17
matrícula, inscrevendo-se nos exames; e os que ME não disponibiliza este tipo de indicadores
Col. Vasco da Gama PRI Sintra 123 12.92 21 72 12.44 11.70 + 16.67
Col. Internato dos Carvalhos PRI V. N. de Gaia 393 12.89 22 12.59 11.74 + frequentaram a escola até ao final do ano lectivo, socieoconómicos. Essas escolas aparecem
Col. Pedro Arrupe PRI Lisboa 239 12.87 23 42 12.38 11.90 + 10.00 mas não obtiveram uma classificação interna final assinaladas a PRETO.
Col. Terras de Sta. M. da Feira PRI Sta. M. da Feira 104 12.77 24 13 13.88 11.87 + 0.00 de pelo menos 10 valores, pelo que tiveram de se Os dados socioeconómicos têm algumas
Col. Novo da Maia PRI Maia 166 12.76 25 10 12.84 11.83 + 0.00 candidatar como externos a exame. limitações: são relativos ao ano lectivo 2015/2016
Grande Col. Universal PRI Porto 114 12.74 26 271 13.75 11.75 + 0.00
Col. Paulo VI PRI Gondomar 516 12.66 27 119 13.49 11.80 + 0.00
(o ME não faculta mais recentes). Já as notas
Col. São Miguel PRI Ourém 340 12.60 28 1 12.27 11.70 + 14.63 Média dos exames obtidas pelos alunos nos exames são de 2016/2017.
Col. de Nossa Senhora da Assunção PRI Anadia 188 12.58 29 36 12.94 11.81 + 7.27 Média dos exames realizados na escola em 2016/17, O ME acredita, contudo, que não há diferenças
Externato Senhora do Carmo PRI Lousada 68 12.56 30 11.86 11.61 + 7.14 numa escala que vai até 20. significativas, de um ano lectivo para o outro, nas
Col. Maristas de Carcavelos PRI Cascais 400 12.50 31 26 13.79 11.76 + 7.69
características essenciais do universo de alunos.
E. S. Garcia de Orta PUB Porto 665 12.42 32 66 11.84 10.64 + 14.34 85.90 19.35
Col. de Amorim PRI P. de Varzim 164 12.41 33 435 11.33 11.84 + 11.63 Lugar no ranking dos exames Note-se ainda que uma escola que no secundário
Col. Santo André PRI Mafra 469 12.39 34 418 13.39 11.70 + 5.83 O PÚBLICO apenas ordenou, da que teve melhor aparece como sendo de um determinado contexto
Col. da Trofa PRI Trofa 464 12.38 35 103 11.90 11.78 + 13.28 média de exames para a que pior se saiu, as escolas pode, no básico, ser considerada uma escola de
Col. de São Teotónio PRI Coimbra 101 12.32 36 35 12.51 11.64 + 13.64 onde se realizaram pelo menos 50 provas. As outro contexto. A razão é esta: sendo os contextos
E. B. e S. Henrique Sommer PUB Leiria 89 12.25 37 521 10.55 9.96 + 8.81 77.80 37.04
Col. Vizela PRI Guimarães 68 12.24 38 11.66 12.15 + 20.00
escolas com menos de 50 provas aparecem no final “desenhados” com base nas características dos
Col. Nossa Senhora da Paz PRI Porto 60 12.22 39 13.46 11.98 + 0.00 desta lista, com todos os indicadores que para elas alunos e das suas famílias, há, por vezes, variações
Col. São Gonçalo PRI Amarante 101 12.18 40 98 12.15 11.61 + 0.00 foram disponibilizado pelo Ministério da Educação entre o universo dos que frequentam o básico
E. S. Infanta D. Maria, Coimbra PUB Coimbra 861 12.12 41 145 12.48 10.61 + 14.28 90.40 20.71 (ME), mas sem ordem atribuída no ranking. e o dos que estão no secundário. É frequente
Col. La Salle PRI Barcelos 103 12.10 42 159 12.71 11.76 + 5.56
um agrupamento ter alunos do básico com
E. B. e S. Clara de Resende PUB Porto 509 12.08 43 137 11.96 10.62 + 14.05 86.50 22.58
Externato Delfim Ferreira - Delfinopolis PRI V. N. Famalicão 333 12.06 44 63 11.35 11.72 + 4.59 Lugar no ranking dos percursos directos de características mais “desfavorecidas”.
Col. Campo de Flores PRI Almada 164 12.05 45 170 12.56 11.82 + 13.79 sucesso
E. S. Eça de Queirós PUB P. de Varzim 952 12.03 46 104 11.66 10.20 + 10.60 67.40 19.94 Neste ranking não são as médias nos exames Valor Esperado de Contexto (VEC) e Valor
Col. Cebes PRI Porto 268 12.02 47 12 12.02 11.84 + 5.95 que contam. O nome técnico que o ME lhe dá Esperado
Externato Infante D. Henrique PRI Braga 352 12.01 48 61 11.78 11.80 + 21.36
E. S. de Raúl Proença PUB C. da Rainha 569 11.99 49 221 11.86 10.69 + 12.01 79.60 16.75
é “indicador global dos percursos directos de O valor apresentado na coluna VEC/VE permite
Externato João Alberto Faria PRI A. dos Vinhos 530 11.97 50 318 12.05 11.78 + 32.34 sucesso”, considerando que este é o indicador saber que médias de exames (às 8 disciplinas
E. B. e S. D. Filipa de Lencastre PUB Lisboa 601 11.96 51 365 11.91 10.57 + 14.92 94.00 35.33 mais “robusto” e “consistente” para analisar o consideradas) seriam expectáveis na escola tendo
Col. do Minho PRI Viana Castelo 138 11.95 52 28 12.24 11.71 + 12.00 sucesso escolar dos alunos em todas as escolas, em conta o contexto socioeconómico a que esta
E. S. Carlos Amarante PUB Braga 1373 11.93 53 81 11.30 10.54 + 11.23 74.50 25.47
públicas e privadas. O que se mede exactamente? pertence. Este valor esperado faz um ajustamento
Externato Camões PRI Gondomar 392 11.92 54 89 11.52 11.83 + 8.93
Col. Mira Rio PRI Lisboa 111 11.91 55 179 13.28 11.79 + 12.50 Em primeiro lugar, a percentagem de alunos tendo em conta a proporção de exames feitos em
E. S. Alves Martins PUB Viseu 1668 11.87 56 190 12.07 10.58 + 12.49 87.00 21.23 da escola que obtiveram positiva nos exames cada disciplina em cada escola. Para as escolas
Instituto Nun’Álvares - Santo Tirso PRI Santo Tirso 356 11.83 57 203 11.37 11.75 + 21.05 nacionais de duas disciplinas trienais do 12.º ano privadas, as das regiões autónomas da Madeira e
E. S. da Trofa PUB Trofa 385 11.80 58 123 11.79 10.23 + 8.56 64.00 17.39 (Português e Matemática, ou Português e História as dos Açores calculámos não um VEC mas apenas
Col. Nossa Senhora da Bonança PRI V. N. de Gaia 129 11.79 59 11 12.72 11.90 - 12.90
E. S. do Restelo PUB Lisboa 759 11.79 60 230 11.85 10.64 + 14.90 95.90 11.38
ou Português e Desenho, conforme os cursos), um Valor Esperado (VE) porque o ME não fornece
Externato Marista de Lisboa PRI Lisboa 447 11.79 61 76 12.69 11.78 + 2.42 após um percurso sem retenções nos 10.º e 11.º dados para contextualizar as escolas. Na prática
E. S. Arco-Irís PUB Loures 474 11.75 62 163 11.75 10.67 + 12.74 100.00 23.08 anos — para o ME, é isso que define um percurso de este VE corresponde à média das classificações
Col. Dr. Luís Pereira da Costa PRI Leiria 184 11.73 63 22 11.86 11.63 + 14.00 sucesso no secundário. Depois, compara-se essa de exame registada no conjunto das escolas
Instituto Educativo de Lordemão PRI Coimbra 93 11.71 64 10.21 11.66 + 7.14
percentagem de percursos directos com a média privadas e no conjunto das escolas madeirenses
E. S. Adolfo Portela PUB Águeda 438 11.70 65 340 11.34 10.21 + 9.81 76.20 26.98
Col. Rainha D. Leonor PRI C. da Rainha 235 11.67 66 375 12.26 11.86 - 16.19 de percursos de sucesso que se verifica entre os e açoreanas, ponderada pelo número de exames
E. S. da Quinta do Marquês PUB Oeiras 558 11.65 67 154 11.53 10.61 + 14.67 87.70 16.20 alunos do resto do país que, quando ingressaram feitos em cada escola. O que o valor esperado nos
Col. de São Martinho PRI Coimbra 52 11.64 68 11.85 12.30 - no ensino secundário, nas suas escolas, tinham diz neste caso é apenas se a escola “A” privada se
E. S. de Porto de Mós PUB Porto de Mós 201 11.62 69 3 12.12 10.24 + 8.83 81.80 14.63
um nível de desempenho escolar semelhante. saiu melhor ou pior em termos de exames do que
E. S. Aurélia de Sousa PUB Porto 631 11.61 70 117 11.55 10.61 + 12.31 79.40 26.29
E. B. S. Eng. Dionísio Augusto Cunha PUB Nelas 68 11.61 71 488 11.88 10.41 + 10.88 80.00 0.00
Por fim, analisa-se o que aconteceu com três as restantes privadas; ou se a escola “Y” da Madeira
E. S. de Almeida Garrett PUB V. N. de Gaia 768 11.59 72 160 10.99 10.62 + 12.35 74.70 19.53 gerações sucessivas de alunos: os que entraram está acima ou abaixo das outras do arquipélago.
E. S. Dr. Mário Sacramento PUB Aveiro 586 11.59 73 295 11.49 10.60 + 12.82 90.70 22.16 no secundário em 2012/13, os que entraram em
E. S. Dr.ª Maria Cândida PUB Mira 215 11.57 74 195 11.61 10.14 + 10.01 76.20 16.67 13/14 e os que entraram em 14/15. Quantos tiveram Variação face ao Valor Esperado de Contexto
Nobel International School Algarve PRI Lagoa 78 11.56 75 15 10.30 11.89 - 0.00
percursos sem chumbos? O ME calcula a diferença Diz-nos se o valor da classificação média de facto
E. S. Quinta das Palmeiras PUB Covilhã 436 11.56 76 210 10.65 10.51 + 11.93 84.60 23.08
Col. João Paulo II PRI Braga 78 11.52 77 12.70 11.88 - 0.00 entre a percentagem de “percursos de sucesso” em obtida pelos alunos nos exames (que consta da
E. S. de Sta. M. Maior PUB V. do Castelo 576 11.51 78 254 11.70 10.64 + 11.63 77.80 23.71 cada escola, entre 2015 e 2017, e a média nacional coluna “Média de Exames”) está acima (sinal “+”) ou
Col. de Ermesinde PRI Valongo 99 11.50 79 185 10.74 11.80 - 21.74 dos alunos com desempenho anterior semelhante abaixo (sinal “-”) do Valor Esperado de Contexto ou
E. S. Manuel da Fonseca PUB Sant. Cacém 255 11.47 80 366 10.91 10.67 + 11.02 90.80 22.37
ao longo desses três anos. O PÚBLICO ordenou do Valor Esperado.
E. S. Miguel Torga, Bragança PUB Bragança 113 11.47 81 502 10.65 10.63 + 11.80 100.00 36.21
E. S. de José Gomes Ferreira PUB Lisboa 937 11.46 82 181 11.73 10.65 + 13.71 92.80 36.00 as escolas da que apresenta a maior diferença
E. S. Sebastião e Silva PUB Oeiras 829 11.46 83 353 11.46 10.65 + 13.70 100.00 23.90 positiva para a que tem a maior diferença negativa Habilitações dos pais
Instituto de Promoção Social de Bustos PRI O. do Bairro 221 11.46 84 85 10.62 11.90 - 20.27 — ou seja, estão nos primeiros lugares as que mais Número médio de anos de escolaridade dos pais e
E. S. com 3º Ciclo Pedro Nunes PUB Lisboa 625 11.44 85 368 11.79 10.63 + 14.70 90.30 35.08 superaram a média nacional de percursos directos mães dos alunos da escola.
E. B. e S. Fernão de Magalhães PUB Chaves 333 11.43 86 317 10.94 10.57 + 11.16 78.20 17.95
E. S. de Ponte de Lima PUB Ponte de Lima 735 11.43 87 67 11.41 10.10 + 8.82 63.90 21.76
e nos lugares finais as que ficaram mais aquém.
E. S. Rainha D. Amélia PUB Lisboa 476 11.39 88 323 11.03 10.68 + 13.79 92.10 31.75 Percentagem de alunos sem Acção Social Escolar
E. B. e S. de Escariz PUB Arouca 58 11.39 89 312 9.52 10.13 + 7.22 58.30 20.83 Média de exames em 2016 Percentagem de alunos não abrangidos pelo apoio
E. S. da Maia PUB Maia 1054 11.39 90 231 10.92 10.58 + 11.63 79.50 22.90 Nesta coluna, pode ver qual a classificação média dado pelo Estado a alunos carenciados.
E. B. e S. Pintor José de Brito PUB Viana Castelo 58 11.36 91 189 12.06 10.03 + 9.12 58.80 23.53
da escola no ano anterior.
E. S. Dr. Joaquim de Carvalho PUB Figueira da Foz 627 11.36 92 204 11.71 10.61 + 12.02 84.80 15.66
E. B. e S. Ferreira de Castro PUB O. de Azeméis 317 11.36 93 135 11.40 10.26 + 9.21 80.20 36.94 Taxas de retenção
E. S. de Barcelinhos PUB Barcelos 351 11.31 94 175 10.90 10.15 + 7.95 64.10 21.74 Contexto Percentagem de alunos dos cursos científico-
E. B. e S. de Aguiar da Beira PUB Aguiar da Beira 94 11.31 95 82 10.46 10.21 + 7.66 62.10 37.93 Seleccionámos os seguintes indicadores humanísticos que não concluem o 12.º (os dados
E. S. João Silva Correia PUB S. João Madeira 309 11.30 96 40 11.49 10.17 + 10.21 68.60 16.28 fornecidos pelo ME: percentagem de alunos que, mais recentes que o ME disponibiliza são de
E. S. Alcaides de Faria PUB Barcelos 762 11.29 97 302 10.42 10.20 + 8.92 66.00 25.63
E. S. de Monserrate PUB V. do Castelo 830 11.28 98 158 11.47 10.20 + 9.69 74.10 32.22
no agrupamento da escola, não recebem apoio 2015/16). A.S.
E. S. Rainha D. Leonor PUB Lisboa 863 11.27 99 332 10.80 10.61 + 14.14 92.60 31.99
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

34 • Público • Sábado, 3 de Fevereiro de 2018

RANKING SECUNDÁRIO

Taxas de retenção

Taxas de retenção
rectos de sucesso

rectos de sucesso
Valor esperado de

Valor esperado de
contexto (VEC) ou

contexto (VEC) ou
Média de Exames

Média de Exames
Sem acção social

Sem acção social


Lugar no Ranking

Lugar no Ranking

Lugar no Ranking

Lugar no Ranking
Média de exames

Média de exames
dos percursos di-

dos percursos di-


Habilitações pais

Habilitações pais
Var. face ao VEC

Var. face ao VEC


valor esperado

valor esperado
Tipo de Escola

Tipo de Escola
por escola (%)

por escola (%)


dos exames

dos exames
escolar (%)

escolar (%)
Concelho

Concelho
em 2016

em 2016
em 2017

em 2017
Provas

Provas
Escola

Escola
(anos)

(anos)
E. S. do Fundão PUB Fundão 348 11.27 100 236 10.88 10.14 + 10.47 73.60 16.36 E. S. de Montemor-o-Velho PUB Mont.-o-Velho 240 10.71 199 374 10.13 10.57 + 9.74 100.00 35.82
E. S. Domingos Sequeira PUB Leiria 799 11.27 101 215 11.07 10.62 + 11.63 82.50 36.58 E. S. Viriato, Viseu PUB Viseu 339 10.71 200 144 10.73 10.22 + 10.00 76.80 26.79
E. S. Padre Benjamim Salgado, Joane PUB V. N. Famalicão 576 11.27 102 118 10.92 10.20 + 7.93 68.20 26.47 E. B. e S. de Fajões PUB Oli. de Azeméis 85 10.71 201 540 9.00 10.22 + 7.97 64.00 44.00
E. S. de Sertã PUB Sertã 144 11.27 103 235 10.94 10.00 + 9.24 57.10 19.48 E. B. e S. de Vila Pouca de Aguiar - Sul PUB V. P. de Aguiar 215 10.70 202 73 10.11 10.15 + 8.71 63.30 22.45
Col. Guadalupe PRI Seixal 159 11.27 104 110 12.42 11.83 - 11.43 E. S. Dr. António Carvalho Figueiredo PUB Loures 615 10.70 203 458 10.83 10.58 + 11.32 85.20 37.32
E. S. Dra. Felismina Alcântara PUB Mangualde 281 11.26 105 278 11.13 10.22 + 9.55 78.80 32.69 E. S. de Severim de Faria PUB Évora 492 10.70 204 44 11.13 10.59 + 12.71 88.10 20.98
Instituto Educativo do Juncal PRI Porto de Mós 174 11.25 106 50 10.85 11.81 - 26.98 E. B. e S. de Valdevez PUB Arcos Valdevez 398 10.69 205 59 10.65 10.14 + 8.88 62.10 33.98
E. B. e S. de Ínfias, Vizela PUB Vizela 179 11.24 107 272 10.46 10.09 + 7.46 72.70 25.00 Col. da A. Cultural e Rec. de Fornelos PRI Fafe 158 10.68 206 342 13.10 11.79 - 0.00
E. B. e S. de Anadia PUB Anadia 274 11.24 108 382 10.62 10.25 + 9.38 76.20 33.66 E. S. Abade de Baçal PUB Bragança 241 10.66 207 464 10.46 10.68 - 10.75 78.10 36.99
E. B. e S. Dr. Manuel Gomes Almeida PUB Espinho 515 11.24 109 157 11.51 10.22 + 10.21 74.50 12.99 E. S. de S. João do Estoril PUB Cascais 905 10.66 208 93 10.86 10.68 - 14.35 87.30 32.19
Col. Nossa Senhora da Esperança PRI Porto 98 11.23 110 130 10.63 11.68 - 0.00 E. S. Dr. Augusto César S. Ferreira PUB Rio Maior 370 10.66 209 437 10.84 10.63 + 10.09 82.90 30.77
E. S. Bocage PUB Setúbal 700 11.22 111 140 10.99 10.59 + 14.64 85.10 32.31 E. S. de Miraflores PUB Oeiras 598 10.66 210 338 10.93 10.66 - 14.42 93.90 39.23
E. B. e S. de Mação PUB Mação 60 11.22 112 155 10.36 10.23 + 8.82 58.30 25.00 E. S. Madeira Torres PUB Torres Vedras 880 10.66 211 454 10.45 10.59 + 10.81 78.10 22.71
Col. Miramar PRI Mafra 199 11.22 113 493 11.77 11.63 - 12.20 E. S. de Silves PUB Silves 407 10.65 212 400 10.91 10.29 + 9.93 69.60 40.00
E. S. de Albergaria-a-Velha PUB Alb.-a-Velha 219 11.22 114 325 10.71 10.17 + 8.97 75.80 27.27 E. S. de Coruche PUB Coruche 350 10.64 213 188 10.44 10.59 + 10.34 83.20 27.37
E. S. José Falcão PUB Coimbra 641 11.20 115 150 12.13 10.64 + 13.95 90.30 32.74 E. S. de Vila Verde PUB Vila Verde 663 10.64 214 115 10.89 10.22 + 8.88 52.10 29.59
E. S. Artur Gonçalves PUB Torres Novas 261 11.20 116 162 11.03 10.55 + 11.85 86.80 25.47 E. B. e S. de Mondim de Basto PUB Mon. de Basto 130 10.63 215 277 9.52 10.19 + 7.61 52.30 31.82
E. B. e S. da Batalha PUB Batalha 242 11.20 117 138 11.81 10.12 + 9.67 81.20 11.59 E. S. Camilo Castelo Branco PUB Vila Real 573 10.63 216 297 10.33 10.23 + 11.47 68.40 18.13
E. S. Stuart Carvalhais PUB Sintra 785 11.19 118 475 10.91 10.62 + 12.59 90.70 28.79 E. S. Dr. Francisco Fernandes Lopes PUB Olhão 504 10.63 217 337 10.45 10.28 + 9.94 68.60 29.65
E. S. de Vouzela PUB Vouzela 154 11.19 119 452 10.17 10.08 + 8.20 62.70 35.29 E. S. de Montemor-o-Novo PUB Mont.-o-Novo 268 10.62 218 141 10.29 10.65 - 10.10 79.10 35.82
Cooperativa de Ensino Didáxis PRI V. N. Famalicão 273 11.18 120 149 10.94 11.87 - 33.33 E. B. e S. Joaquim Inácio da Cruz Sobral PUB S. Mon. Agraço 159 10.62 219 39 10.78 10.28 + 8.65 75.60 4.88
Cooperativa de Ensino DIDALVI PRI Barcelos 365 11.18 121 51 11.73 11.72 - 21.28 E. S. Gabriel Pereira PUB Évora 482 10.62 220 91 10.34 10.66 - 12.20 85.60 34.76
E. S. de Arganil PUB Arganil 163 11.17 122 17 10.82 10.05 + 8.70 53.30 20.00 E. S. Lima de Faria PUB Cantanhede 518 10.62 221 378 10.81 10.56 + 10.43 78.40 29.33
Externato de Penafirme PRI Torres Vedras 424 11.17 123 281 10.70 11.66 - 34.82 E. S. de Penafiel PUB Penafiel 1217 10.62 222 106 10.68 10.16 + 8.10 57.10 29.87
E. S. Dr. Joaquim Gomes Ferreira Alves PUB V. N. de Gaia 918 11.16 124 83 11.76 10.54 + 11.21 72.90 21.61 E. S. de Felgueiras PUB Felgueiras 502 10.62 223 399 10.71 10.20 + 7.62 100.00 23.36
E. S. Dr. Ginestal Machado PUB S.rém 575 11.15 125 225 10.94 10.68 + 11.55 76.80 36.95 E. S. D. Manuel I PUB Beja 516 10.62 224 326 10.56 10.64 - 11.89 91.50 36.44
E. S. de Estarreja PUB Estarreja 369 11.15 126 408 10.44 10.13 + 9.57 83.20 10.28 E. S. de Alcanena PUB Alcanena 224 10.61 225 321 10.55 10.26 + 9.96 74.60 42.86
E. S. Rafael Bordalo Pinheiro PUB C. da Rainha 358 11.14 127 498 10.68 10.24 + 9.93 75.80 43.16 E. B. e S. Dr. Daniel de Matos PUB V. N. de Poiares 69 10.61 226 473 10.06 10.18 + 8.90 71.00 29.03
E. S. Nuno Álvares PUB Castelo Branco 620 11.14 128 78 11.96 10.64 + 12.35 91.80 14.47 E. S. da Azambuja PUB Azambuja 243 10.61 227 396 9.79 10.63 - 10.54 87.70 38.36
E. B. n.º 2 de Manteigas PUB Manteigas 59 11.14 129 10.84 10.16 + 9.28 54.20 8.33 E. S. Antero de Quental PUB Ponta Delgada 699 10.61 228 11.12 9.51 +
E. B. e S. Quinta das Flores PUB Coimbra 577 11.13 130 198 10.80 10.60 + 12.80 84.50 16.06 Col. de Albergaria PRIAlbergaria-a-Velha 196 10.61 229 217 11.30 11.75 - 30.00
E. B. e S. de Arcozelo PUB Ponte de Lima 84 11.12 131 142 11.45 10.22 + 7.47 42.30 26.92 E. B. e S. José Falcão PUB Mir. do Corvo 192 10.61 230 384 10.32 10.00 + 9.29 63.30 30.00
E. S. D. Inês de Castro PUB Alcobaça 575 11.12 132 164 10.62 10.24 + 9.77 75.80 36.12 E. B. e S. de Salvaterra de Magos PUB Sal. de Magos 409 10.61 231 256 10.43 10.18 + 9.89 80.00 28.70
E. S. Henrique Medina PUB Esposende 676 11.11 133 14 11.61 10.14 + 8.83 63.30 24.47 E. B. e S. da Calheta PUB Calheta (R.A.M.) 198 10.60 232 10.29 9.98 +
E. INED - Nevogilde PRI Porto 150 11.11 134 38 12.05 11.86 - 19.15 E. B. e S. de Macedo de Cavaleiros PUB Mac. Cavaleiros 275 10.60 233 216 10.85 10.20 + 10.10 66.20 23.38
Centro de Educação Integral PRI S. J. da Madeira 50 11.10 135 11.33 11.68 - 0.00 E. B. e S. de Lousada Oeste, Nevogilde PUB Lousada 116 10.59 234 32 9.35 10.03 + 6.10 26.10 26.09
E. S. D. Maria II PUB Braga 925 11.10 136 125 11.08 10.26 + 10.90 72.10 23.15 E. B. e S. de Moimenta da Beira PUB Moi.da Beira 307 10.59 235 199 10.48 10.09 + 8.33 54.80 21.51
E. S. do Cartaxo PUB Cartaxo 423 11.05 137 264 11.34 10.66 + 10.77 79.20 30.69 E. B. e S. de Ribeira de Pena PUB Ribeira de Pena 121 10.59 236 268 9.11 10.07 + 7.45 44.70 36.84
E. B. e S. de Felgueiras PUB Felgueiras 107 11.04 138 70 10.46 10.25 + 6.12 59.30 49.15 E. S. de Alcochete PUB Alcochete 529 10.59 237 107 10.70 10.71 - 11.80 85.80 40.43
E. S. de S. Comba Dão PUB S. Comba Dão 184 11.03 139 60 10.59 10.08 + 8.45 65.20 24.24 E. S. da Sé PUB Guarda 451 10.59 238 310 9.90 10.67 - 11.22 80.60 29.14
E. S. de Oliveira do Bairro PUB Oli. do Bairro 235 11.03 140 303 10.51 10.21 + 9.45 69.80 25.58 E. S. Tomás Cabreira PUB Faro 602 10.58 239 407 10.31 10.68 - 11.70 77.60 35.00
E. S. do Entroncamento PUB Entroncamento 506 11.03 141 124 11.09 10.56 + 12.16 83.10 33.10 E. S. de Esmoriz PUB Ovar 277 10.58 240 328 10.22 10.13 + 8.98 73.30 29.33
E. S. Francisco Rodrigues Lobo PUB Leiria 1058 11.01 142 274 10.80 10.61 + 10.99 82.20 28.92 E. S. da Ramada PUB Odivelas 689 10.58 241 334 10.86 10.62 - 11.65 85.30 40.09
Instituto de Ciências Educativas PRI Odivelas 180 11.01 143 23 11.98 11.77 - 8.33 E. B. e S. de S. Sebastião de Mértola PUB Mértola 115 10.57 242 116 10.08 10.12 + 8.82 75.00 27.78
E. S. de Tábua PUB Tábua 139 11.01 144 453 10.33 10.19 + 8.49 100.00 26.67 E. S. de Amares PUB Amares 382 10.56 243 419 10.98 10.23 + 9.69 60.60 33.33
E. S. Augusto Gomes PUB Matosinhos 555 11.00 145 433 10.74 10.21 + 10.32 75.10 32.49 E. S. Jaime Moniz PUB Funchal 1811 10.55 244 10.43 10.02 +
E. S. Cristina Torres PUB Figueira da Foz 424 11.00 146 173 10.31 10.64 + 10.16 85.90 32.81 E. S. de Marco de Canaveses PUB M. Canaveses 655 10.55 245 120 10.16 10.15 + 7.41 60.10 29.82
E. S. de Nelas PUB Nelas 178 11.00 147 447 10.98 10.12 + 9.53 76.00 16.00 E. S. João Gonçalves Zarco PUB Matosinhos 702 10.54 246 415 11.25 10.27 + 11.01 68.10 30.81
E. B. e S. da Guia PUB Pombal 113 11.00 148 9 10.42 10.06 + 9.02 84.60 34.62 E. B. e S. de Ermesinde PUB Valongo 596 10.54 247 122 9.92 10.21 + 9.86 70.20 33.06
E. S. Padre António Macedo PUB Sant. do Cacém 157 10.99 149 222 9.31 10.59 + 11.44 80.00 40.00 E. B. e S. de Rio Tinto, Gondomar PUB Gondomar 1012 10.54 248 467 10.09 10.16 + 9.38 64.30 31.80
E. B. e S. de Penalva do Castelo PUB Penalva Castelo 127 10.99 150 96 11.24 10.22 + 8.02 84.20 21.05 E. S. Abel Salazar PUB Matosinhos 216 10.54 249 517 9.64 10.24 + 10.10 68.10 36.17
E. B. e S. de Búzio, Vale de Cambra PUB Vale de Cambra 390 10.99 151 54 10.83 10.10 + 9.01 86.20 22.76 E. S. Frei Rosa Viterbo PUB Sátão 288 10.53 250 100 12.12 10.14 + 8.64 74.30 24.32
E. S. de Loulé PUB Loulé 647 10.99 152 316 11.23 10.62 + 10.28 79.10 43.02 E. S. Júlio Dantas PUB Lagos 401 10.53 251 345 9.93 10.25 + 9.91 69.30 46.72
E. S. Sá da Bandeira PUB Santarém 710 10.99 153 313 10.86 10.56 + 11.94 79.70 23.96 E. S. Daniel Sampaio PUB Almada 625 10.53 252 208 10.54 10.65 - 12.37 94.30 30.57
Inst. Inácio Loyola/Col. I. Conceição PRI Coimbra 219 10.98 154 444 10.39 11.82 - 1.35 E. B. e S. de Oliveira de Frades PUB Oli. de Frades 195 10.52 253 29 10.29 10.15 + 9.27 64.30 30.36
E. S. da Lousã PUB Lousã 222 10.98 155 270 10.93 10.26 + 10.01 71.60 28.40 E. S. Poeta Al Berto PUB Sines 177 10.51 254 525 10.73 10.57 - 10.86 79.60 40.82
E. B. e S. Dr.ª M. Judite Serrão Andrade PUB Sardoal 76 10.98 156 94 10.18 10.09 + 9.02 55.60 22.22 E. S. Martins Sarmento PUB Guimarães 1066 10.50 255 413 10.60 10.23 + 8.83 78.40 22.62
E. S. Afonso de Albuquerque PUB Guarda 593 10.97 157 87 10.96 10.57 + 11.56 80.00 22.42 E. S. José Loureiro Botas PUB Marinha Grande 136 10.50 256 258 9.91 10.23 + 9.71 76.20 21.43
E. S. José Estevão PUB Aveiro 647 10.97 158 455 11.11 10.54 + 11.96 84.40 22.02 E. S. Dr. Manuel Candeias Gonçalves PUB Odemira 267 10.50 257 451 9.54 10.25 + 10.07 76.80 36.36
E. B. e S. Pedro Ferreiro PUB Fer. do Zêzere 78 10.97 159 90 10.31 10.06 + 7.59 51.60 19.35 E. S. D. António Taipa, Freamunde PUB P. de Ferreira 394 10.49 258 101 10.33 10.22 + 6.75 54.60 40.34
E. S. Diogo de Gouveia PUB Beja 388 10.96 160 350 10.92 10.58 + 12.17 82.10 40.65 E. S. João de Deus PUB Faro 648 10.49 259 428 9.96 10.60 - 12.28 81.40 43.33
E. Cooperativa Vale S. Cosme (Didaxis) PRI V. N. Famalicão 290 10.95 161 237 10.55 11.75 - 18.64 E. S. Santo André-Barreiro PUB Barreiro 724 10.49 260 112 10.50 10.60 - 12.19 84.70 33.47
E. B. e S. de Águas S.s PUB Maia 555 10.95 162 376 10.24 10.26 + 10.53 68.50 45.24 E. S. Alberto Sampaio PUB Braga 1082 10.48 261 206 10.85 10.65 - 10.62 78.80 34.71
E. S. Dr. Manuel Fernandes PUB Abrantes 383 10.94 163 247 9.55 10.65 + 11.17 74.40 44.87 E. B. e S. de Machico PUB Machico 334 10.48 262 10.18 10.06 +
E. S. Vergílio Ferreira PUB Lisboa 1036 10.94 164 187 11.18 10.65 + 13.78 90.80 27.94 E. S. de Aljustrel PUB Aljustrel 115 10.47 263 77 9.52 10.25 + 10.13 71.80 28.21
E. S. Amato Lusitano PUB Castelo Branco 322 10.93 165 314 10.31 10.64 + 11.13 89.80 32.12 E. S. José Saramago, Mafra PUB Mafra 1229 10.47 264 370 10.27 10.62 - 11.04 74.20 31.79
E. B. e S. Dr. Ferreira da Silva PUB Oli. de Azeméis 119 10.92 166 530 10.40 9.94 + 7.88 68.80 25.00 E. S. da Senhora da Hora PUB Matosinhos 267 10.47 265 457 10.09 10.12 + 10.26 72.90 38.54
Col. do Amor de Deus PRI Cascais 229 10.92 167 21 11.64 11.91 - 19.09 E. B. e S. da Cidadela PUB Cascais 176 10.46 266 336 10.06 10.57 - 12.06 84.80 67.39
E. S. de S. Pedro do Sul PUB S. Pedro do Sul 309 10.91 168 294 10.77 10.16 + 9.10 59.70 11.11 E. B. e S. Pedro da Fonseca PUB Proença-a-Nova 151 10.46 267 280 11.23 10.24 + 9.36 76.70 13.95
E. Salesiana de Manique PRI Cascais 533 10.90 169 293 11.36 11.71 - 20.86 E. S. Soares Basto PUB O. de Azeméis 436 10.46 268 180 10.30 10.11 + 9.09 80.10 24.82
E. B. e S. D. Dinis PUB Santo Tirso 323 10.90 170 193 10.28 10.20 + 8.79 71.90 28.95 E. S. de Vagos PUB Vagos 166 10.45 269 92 11.11 10.18 + 8.69 68.40 19.30
Centro de Estudos de Fátima - CEF PRI Ourém 523 10.89 171 71 10.77 11.78 - 21.79 E. S. Sta. M. do Olival PUB Tomar 568 10.44 270 200 10.86 10.17 + 11.00 73.30 25.00
E. S. Professor José Augusto Lucas PUB Oeiras 558 10.89 172 177 11.09 10.59 + 13.77 91.50 23.16 Externato Carvalho Araújo PRI Braga 434 10.43 271 139 10.42 11.90 - 21.77
E. S. D. Sancho I PUB V. N. Famalicão 599 10.88 173 246 10.66 10.18 + 9.53 60.80 34.54 E. S. de Monção PUB Monção 289 10.42 272 329 10.02 10.33 + 9.08 70.00 38.00
E. S. Emídio Navarro, Viseu PUB Viseu 532 10.88 174 143 10.90 10.23 + 9.44 74.20 43.94 E. S. Camões PUB Lisboa 909 10.41 273 234 10.85 10.61 - 13.06 83.90 37.50
E. B. e S. de V. N. de Cerveira PUB V. N. Cerveira 128 10.87 175 226 11.01 10.18 + 9.31 78.10 12.50 E. B. e S. Prof. Reynaldo dos Santos PUB V. Franca Xira 341 10.41 274 380 10.05 10.64 - 11.33 78.00 40.37
Instituto D. João V PRI Pombal 232 10.87 176 24 11.31 11.57 - 30.43 E. B. e S. Dr. Jaime Magalhães Lima PUB Aveiro 433 10.41 275 410 10.01 10.57 - 10.90 82.30 37.69
E. S. Tomaz Pelayo PUB Santo Tirso 408 10.86 177 18 11.32 10.12 + 9.03 66.30 24.75 E. B. e S. Sidónio Pais, Caminha PUB Caminha 237 10.40 276 31 10.64 10.31 + 10.07 55.80 27.91
E. S. de Tondela PUB Tondela 399 10.86 178 209 11.14 10.19 + 9.41 67.50 23.81 E. S. Gago Coutinho PUB V. Franca Xira 899 10.40 277 243 10.67 10.67 - 10.82 86.00 37.74
E. S. de Carregal do Sal PUB Carregal do Sal 149 10.85 179 518 11.48 10.16 + 9.95 72.40 10.34 E. S. Marques de Castilho PUB Águeda 329 10.38 278 359 10.48 10.19 + 9.36 80.70 35.23
E. S. Rocha Peixoto PUB P. de Varzim 747 10.84 180 344 10.71 10.23 + 8.90 62.60 38.01 E. B. e S. de Muralhas do Minho PUB Valença 182 10.37 279 147 9.43 10.15 + 9.54 68.80 16.67
E. S. Poeta António Aleixo PUB Portimão 613 10.83 181 259 10.19 10.72 + 11.31 72.80 40.95 Col. Militar PUB Lisboa 130 10.37 280 535 10.81 26.19
E. S. de Campo Maior PUB Campo Maior 149 10.81 182 68 10.73 10.20 + 9.56 82.40 35.29 E. S. Emídio Garcia PUB Bragança 357 10.36 281 426 9.93 10.15 + 10.91 73.80 34.23
E. S. Camilo Castelo Branco PUB V. N. Famalicão 585 10.81 183 182 10.41 10.17 + 9.86 70.20 33.03 E. B. e S. Dr. Manuel Laranjeira PUB Espinho 453 10.36 282 201 10.42 10.23 + 10.58 73.30 26.67
E. B. e S. Coelho e Castro PUB Sta. M. da Feira 274 10.80 184 8 10.23 10.21 + 7.65 54.30 22.86 E. B. e S. Arga e Lima, Lanheses PUB V. do Castelo 152 10.35 283 2 10.48 9.94 + 7.68 55.60 5.56
E. S. José Régio PUB Vila do Conde 815 10.78 185 319 10.35 10.18 + 9.04 75.60 36.67 E. B. e S. à Beira Douro PUB Gondomar 141 10.34 284 263 10.21 10.27 + 8.44 69.00 14.29
E. S. Maria Lamas PUB Torres Novas 469 10.78 186 219 10.79 10.60 + 11.39 81.50 43.08 E. S. da Póvoa do Lanhoso PUB P. de Lanhoso 441 10.33 285 46 9.64 10.08 + 7.44 53.20 28.44
E. B. e S. das Flores PUB S. Cruz Flores 59 10.77 187 9.53 9.43 + E. B. e S. D. Maria II de V. N. Barquinha PUB V. N. Barquinha 104 10.33 286 88 10.26 10.61 - 11.17 85.70 28.57
E. B. e S. Josefa de Óbidos PUB Lisboa 152 10.77 188 474 11.15 10.46 + 11.89 75.00 35.71 E. S. António Inácio da Cruz PUB Grândola 209 10.33 287 245 9.81 10.29 + 10.56 72.50 22.50
E. S. de Valpaços PUB Valpaços 156 10.75 189 62 9.52 10.17 + 8.09 53.30 35.56 E. S. Jácome Ratton PUB Tomar 414 10.33 288 296 9.72 10.70 - 9.94 95.00 16.83
E. B. e S. Frei Gonçalo de Azevedo PUB Cascais 170 10.74 190 393 9.76 10.26 + 9.53 70.60 41.18 E. B. e S. Dr. Hernâni Cidade PUB Redondo 95 10.33 289 57 10.44 10.13 + 9.19 59.30 14.81
E. S. Filipa de Vilhena PUB Porto 697 10.74 191 260 10.66 10.61 + 12.57 73.40 27.05 E. S. de José Belchior Viegas PUB S. Brás Alportel 202 10.32 290 331 10.94 10.12 + 10.70 63.80 24.14
E. B. e S. de Ourique PUB Ourique 58 10.74 192 523 11.65 10.30 + 9.78 80.00 25.00 E. S. Sta. M. de Sintra PUB Sintra 1275 10.32 291 284 10.26 10.63 - 12.31 80.20 36.83
E. B. e S. de Ourém PUB Ourém 381 10.73 193 436 10.39 10.27 + 9.77 71.50 25.32 E. S. de Paços de Ferreira PUB P. de Ferreira 740 10.31 292 211 10.74 10.17 + 7.54 54.50 27.87
E. S. de Pinheiro e Rosa PUB Faro 252 10.73 194 113 10.16 10.52 + 10.81 86.40 34.85 E. B. e S. Fontes Pereira de Melo PUB Porto 149 10.31 293 324 9.16 10.34 - 10.86 71.40 76.19
E. B. e S. Oliveira Júnior PUB S. João Madeira 620 10.73 195 108 11.17 10.64 + 10.22 78.00 14.69 E. B. e S. de Sever do Vouga PUB Sever do Vouga 239 10.30 294 240 10.33 10.12 + 9.62 74.10 23.46
E. B. e S. Fernão do Pó PUB Bombarral 190 10.73 196 86 11.61 10.24 + 9.64 62.50 28.57 E. S. Dr. António Granjo PUB Chaves 281 10.30 295 99 10.79 10.12 + 9.68 64.40 38.98
E. B. e S. de Ponte da Barca PUB Ponte da Barca 245 10.72 197 5 10.67 9.86 + 8.81 53.80 24.61 E. S. de Pombal PUB Pombal 568 10.30 296 351 10.55 10.31 - 10.66 75.10 33.73
E. S. de Barcelos PUB Barcelos 655 10.72 198 178 11.10 10.27 + 9.24 71.50 26.95 E. B. e S. Martinho Árias PUB Soure 180 10.30 297 148 10.23 10.55 - 9.76 89.20 15.38
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

Público • Sábado, 3 de Fevereiro de 2018 • 35

RANKING SECUNDÁRIO

Taxas de retenção

Taxas de retenção
rectos de sucesso

rectos de sucesso
Valor esperado de

Valor esperado de
contexto (VEC) ou

contexto (VEC) ou
Média de Exames

Média de Exames
Sem acção social

Sem acção social


Lugar no Ranking

Lugar no Ranking

Lugar no Ranking

Lugar no Ranking
Média de exames

Média de exames
dos percursos di-

dos percursos di-


Habilitações pais

Habilitações pais
Var. face ao VEC

Var. face ao VEC


valor esperado

valor esperado
Tipo de Escola

Tipo de Escola
por escola (%)

por escola (%)


dos exames

dos exames
escolar (%)

escolar (%)
Concelho

Concelho
em 2016

em 2016
em 2017

em 2017
Provas

Provas
Escola

Escola
(anos)

(anos)
E. S. Afonso Lopes Vieira PUB Leiria 381 10.30 298 398 9.52 10.19 + 9.12 71.40 31.43 E. B. e S. Vieira de Araújo PUB Vieira do Minho 277 10.18 335 53 10.57 10.05 + 7.67 55.00 36.25
E. S. António Sérgio PUB V. N. de Gaia 450 10.29 299 327 10.18 10.35 - 10.55 64.90 38.51 E. S. de Alfena PUB Valongo 210 10.18 336 282 9.81 10.25 - 9.27 72.40 32.76
E. B. e S. do Levante da Maia PUB Maia 103 10.29 300 519 9.78 10.15 + 8.70 54.20 25.00 E. S. de Castro Daire PUB Castro Daire 298 10.18 337 438 10.02 10.12 + 8.04 50.60 35.29
E. S. Cacilhas - Tejo PUB Almada 435 10.29 301 197 10.46 10.30 - 10.65 73.50 49.24 E. B. e S. de Fornos de Algodres PUB Fornos Algodres 62 10.17 338 542 8.81 9.94 + 8.47 43.50 26.09
Col. de Lamego PRI Lamego 92 10.29 302 430 10.96 11.67 - 30.77 E. S. D. Afonso Sanches PUB Vila do Conde 346 10.17 339 218 9.96 10.13 + 8.71 63.90 42.86
E. S. de José Afonso, Loures PUB Loures 530 10.29 303 402 10.45 10.64 - 10.49 78.60 57.74 E. S. de Lousada PUB Lousada 749 10.17 340 391 9.95 10.15 + 7.68 60.30 28.50
E. B. e S. Dr. Pascoal José de Mello PUB Ansião 275 10.29 304 406 10.49 10.18 + 9.78 71.60 11.94 E. B. e S. do Vale de Ovil PUB Baião 313 10.17 341 151 9.59 10.06 + 7.14 43.80 41.25
E. B. e S. Padre António de Andrade PUB Oleiros 62 10.29 305 11.70 10.12 + 8.19 58.30 8.33 E. S. Prof. Dr. Flávio F. Pinto Resende PUB Cinfães 282 10.17 342 361 10.41 10.17 - 9.33 39.70 27.40
E. S. de Castro Verde PUB Castro Verde 129 10.28 306 183 9.79 10.42 - 10.59 77.80 30.56 E. S. de Cascais PUB Cascais 412 10.16 343 290 10.09 10.69 - 13.19 85.80 41.53
E. S. de Gafanha da Nazaré PUB Ílhavo 281 10.28 307 529 10.79 10.58 - 9.91 86.80 26.37 E. S. Camilo Castelo Branco PUB Oeiras 468 10.15 344 276 10.54 10.58 - 12.66 82.50 26.32
E. S. de Paredes PUB Paredes 871 10.28 308 440 10.52 10.17 + 7.96 60.50 27.20 E. S. do Castêlo da Maia PUB Maia 358 10.15 345 205 10.07 10.22 - 9.23 81.50 32.31
E. S. Dr. Jorge Augusto Correia PUB Tavira 470 10.28 309 356 9.98 10.29 - 10.28 67.40 30.94 Externato Flor do Campo PRI Odivelas 66 10.15 346 102 9.80 11.64 - 54.55
E. B. e S. Vila Cova PUB Barcelos 80 10.27 310 7 11.57 9.88 + 7.46 52.20 21.74 E. S. Francisco de Holanda PUB Guimarães 1186 10.14 347 363 10.32 10.19 - 8.78 69.90 28.61
E. S. de Amarante PUB Amarante 654 10.27 311 355 10.62 10.21 + 8.40 49.80 25.36 E. B. e S. de Barroselas PUB V. do Castelo 101 10.13 348 43 10.59 10.20 - 8.86 46.20 7.69
E. B. e S. Sacadura Cabral PUB Cel. da Beira 137 10.26 312 414 10.37 10.12 + 8.70 63.90 13.89 E. S. de Alpendurada PUB M. Canaveses 495 10.13 349 191 10.63 10.19 - 6.94 40.50 17.79
E. B. e S. de Vilela PUB Paredes 378 10.26 313 287 10.36 10.18 + 6.77 35.60 30.10 E. S. da Mealhada PUB Mealhada 326 10.12 350 461 10.06 10.54 - 10.23 86.90 33.33
E. S. Avelar Brotero PUB Coimbra 746 10.26 314 463 10.07 10.63 - 11.37 100.00 34.94 E. B. e S. de Lousada Norte PUB Lousada 111 10.12 351 30 9.42 9.99 + 6.23 33.30 27.27
E. S. Fernão Mendes Pinto PUB Almada 517 10.26 315 379 10.06 10.63 - 12.29 81.20 43.65 Externato D. Afonso Henriques PRI Resende 124 10.12 352 385 10.59 11.78 - 31.03
E. S. Dr. Solano de Abreu PUB Abrantes 427 10.26 316 166 10.71 10.65 - 10.24 79.50 37.18 E. S. da Drª Laura Ayres PUB Loulé 384 10.12 353 288 9.68 10.25 - 10.12 68.10 48.28
E. S. de Pinhel PUB Pinhel 153 10.26 317 308 11.15 10.17 + 8.70 68.00 32.00 E. S. António Gedeão PUB Almada 247 10.11 354 357 9.60 10.63 - 11.17 79.40 42.16
E. B. e S. Dr. Ramiro Salgado PUB T. de Moncorvo 108 10.25 318 239 9.93 10.20 + 8.84 59.50 8.11 E. S. de Gondomar PUB Gondomar 887 10.11 355 421 9.91 10.19 - 9.50 72.50 24.15
E. S. Dr. João Carlos Celestino Gomes PUB Ílhavo 205 10.25 319 80 9.69 10.40 - 9.52 100.00 28.40 E. S. de Serpa PUB Serpa 192 10.11 356 478 10.19 10.18 - 9.86 72.90 25.71
E. S. de S. Pedro PUB Vila Real 669 10.25 320 273 10.79 10.51 - 12.75 76.90 26.04 E. S. Henriques Nogueira PUB Torres Vedras 462 10.10 357 494 9.63 10.28 - 9.70 70.60 38.13
E. S. Emídio Navarro PUB Almada 534 10.25 321 495 10.07 10.61 - 12.71 87.70 30.25 Col. Liceal de Sta. M. de Lamas PRI Sta. M. da Feira 769 10.09 358 133 10.16 11.76 - 28.03
E. S. Francisco Franco PUB Funchal 1605 10.25 322 10.17 9.99 + E. S. Morgado de Mateus PUB Vila Real 282 10.08 359 48 11.15 10.12 - 10.13 72.90 18.64
E. S. Jorge Peixinho PUB Montijo 483 10.25 323 255 10.29 10.69 - 11.67 82.90 35.53 E. S. da Amadora PUB Amadora 854 10.08 360 412 10.33 10.62 - 11.71 85.30 29.43
E. S. José Afonso PUB Seixal 728 10.24 324 405 10.32 10.59 - 11.95 86.70 37.44 E. S. Latino Coelho PUB Lamego 456 10.07 361 56 10.93 10.14 - 8.90 67.60 20.14
E. B. e S. Dr. Manuel Ribeiro Ferreira PUB Alvaiázere 59 10.24 325 425 10.34 9.95 + 8.08 40.90 36.36 E. B. e S. D. Sancho II PUB Alijó 147 10.07 362 224 8.74 10.12 - 8.12 56.70 37.31
E. B. e S. Vale do Tamel , Lijó PUB Barcelos 91 10.23 326 347 10.56 10.13 + 6.41 55.90 32.35 Col. Júlio Dinis PRI Porto 168 10.06 363 207 9.34 11.69 - 5.13
E. S. Gonçalo Anes Bandarra PUB Trancoso 220 10.23 327 309 9.94 10.11 + 9.19 50.80 38.46 E. S. de Mirandela PUB Mirandela 396 10.06 364 349 9.44 10.58 - 10.43 100.00 34.96
E. B. e S. Cunha Rivara PUB Arraiolos 131 10.23 328 253 9.24 10.22 + 9.10 68.80 53.13 E. S. de Peniche PUB Peniche 391 10.05 365 381 9.92 10.27 - 10.40 70.60 26.14
E. S. de Caldas das Taipas PUB Guimarães 707 10.23 329 34 10.56 10.22 + 7.67 58.10 33.64 E. S. do Pinhal Novo PUB Palmela 576 10.05 366 172 10.23 10.61 - 10.88 79.20 43.62
E. B. e S. Dr. Serafim Leite PUB S. João Madeira 101 10.22 330 194 10.27 10.16 + 8.22 59.10 38.64 E. S. António Damásio PUB Lisboa 1105 10.04 367 422 10.26 10.55 - 11.80 85.20 41.33
E. S. Júlio Dinis PUB Ovar 357 10.22 331 343 10.36 10.15 + 9.85 69.40 32.41 E. B. e S. de Sta. M. da Feira PUB Sta. M. da Feira 947 10.04 368 279 10.04 10.17 - 9.52 74.40 27.37
E. B. e S. de Terras de Bouro PUB Terras de Bouro 72 10.20 332 469 10.13 10.10 + 7.89 52.90 52.94 E. S. de Maximinos PUB Braga 210 10.03 369 58 10.10 10.02 + 7.92 83.30 33.33
E. S. de Padrão da Légua PUB Matosinhos 385 10.20 333 377 10.45 10.55 - 9.97 81.70 19.72 E. S. D. Luísa de Gusmão PUB Lisboa 215 10.03 370 446 8.40 10.20 - 10.36 65.20 46.38
E. S. da Lixa PUB Felgueiras 333 10.19 334 168 11.34 10.07 + 8.44 51.60 19.35 E. S. Domingos Rebelo PUB Ponta Delgada 714 10.02 371 9.79 9.57 +
Os direitos de propriedade intelectual de todos os conteúdos do Público – Comunicação Social S.A. são pertença do Público.
Os conteúdos disponibilizados ao Utilizador assinante não poderão ser copiados, alterados ou distribuídos salvo com autorização expressa do Público – Comunicação Social, S.A.

36 • Público • Sábado, 3 de Fevereiro de 2018

RANKING SECUNDÁRIO

Taxas de retenção

Taxas de retenção
Valor esperado de

Valor esperado de
contexto (VEC) ou

contexto (VEC) ou
Média de Exames

Média de Exames
Sem acção social

Sem acção social


Lugar no Ranking

Lugar no Ranking
Média de exames

Média de exames
recursos directos

recursos directos
Habilitações pais

Habilitações pais
Var. face ao VEC

Var. face ao VEC


valor esperado