Você está na página 1de 10

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA


DEAAD – Diretoria de Educação Aberta e a Distância
Disciplina: Gestão Logística
Docente: Sérgio Servilha de Oliveira

FRANCISCO CHARLES SILVA

Gestão Logística

Caucaia
2017
2

SUMÁRIO

01. INTRODUÇÃO .............................................................................................. 04

02. DESENVOLVIMENTO .................................................................................. 05

2.1. Gestão de logística...................................................................................... 05

2.2. Os fornecedores e os clientes ................................................................... 05

2.3. Origem das matérias-primas e o destino dos produtos .......................... 06

2.4. Atividades da logística e atividades complementares ............................ 06

2.5. Estrutura da administração de materiais .................................................. 07

2.6. Distribuição física ....................................................................................... 08

2.7. Programação linear na construção de uma Unidade Social ................... 09

03. CONSIDERAÇÕES FINAIS .......................................................................... 10

04. BIBLIOGRAFIA ............................................................................................ 10


3

Listas de Figuras

Figura 01 ............................................................................................................ 06

Figura 02 ............................................................................................................. 07

Figura 03 ............................................................................................................ 08

Figura 04 ............................................................................................................ 08

Figura 05 ............................................................................................................ 09

Figura 06 ............................................................................................................ 09
4

01. INTRODUÇÃO
Uma das maneiras para conceituar-mos a administração é sendo como um
processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso dos recursos a fim de
alcançar os objetivos organizacionais.
No caso de uma organização pública esse processo também é realizado, ela
além de executar o serviço, ela dirige, governa e exerce a vontade com o objetivo de
obter um resultado útil para a sociedade.
Como resultado destas atividades gera-se o movimento de bens e serviços ao
público-alvo, ocorrendo como decorrência a geração das chamadas utilidades de
tempo e/ou de lugar, que por sua vez são fatores fundamentais para a aplicação das
funções logísticas na organização, tanto pública quanto privada.
A gestão eficiente do fluxo de bens e serviços requer de maneira seqüencial, o
planejamento, a programação e o controle de um conjunto de atividades que
reúnem: matérias-primas, materiais em processamento, materiais acabados,
serviços e informações disponíveis.
Para a administração pública, tanto recursos quanto o público-alvo
organizacional estão espalhados em áreas de distintos tamanhos, além da
diversidade sócio-cultural dos residentes locais.
Esse é o problema que a logística têm a missão de resolver. Ou seja, diminuir o
hiato entre o resultado do processo de transformação da organização e a demanda,
de modo que os consumidores, cidadão-cliente/sociedade/usuário, tenham bens e
serviços quando e onde quiserem, na condição que desejarem, e com o menor
custo.
O objetivo deste trabalho é apresentar como esse processo acontece na
gestão pública em uma de suas secretarias do município de Caucaia, mostrando os
fornecedores, os clientes.
5

02. DESENVOLVIMENTO

2.1. Gestão de logística


Logística é um ramo da gestão cujas atividades estão voltadas para o
planejamento da armazenagem, paras as formas de circulação (terra, ar e mar) e
para a distribuição dos produtos. Um dos objetivos mais importantes da logística é
conseguir criar mecanismos para entregar os produtos ao destino final num tempo
mais curto possível, reduzindo os custos.
Para isso, os especialistas em logística estudam rotas de circulação, meios de
transportes, locais de armazenagem (depósitos) entre outros fatores que influenciam
na área. Com o desenvolvimento do capitalismo mundial, sobretudo a partir da
Revolução Industrial, a logística tornou-se cada vez mais importante para as
empresas num mercado competitivo.
Isto ocorreu, pois a quantidade de mercadorias produzidas e consumidas
aumentou muito, assim como o comércio mundial. Segundo Rodrigo Alvarenga
(2010) a gestão de logística pode ser entendida "como a coordenação das diferentes
atividades componentes da logística, tornando-as um conjunto harmonioso que visa
a obter os menores custos logísticos que atendam ao Nível de Serviço que o cliente
contratou".
A Gestão Logística é a parte da cadeia de abastecimento que planeja,
implementa e controla de forma eficiente e eficaz os fluxos diretos e os fluxos
inversos, bem como os pontos de paragem desses fluxos, quer se trate de bens,
serviços ou, ainda, informações relacionadas, desde os pontos de origem até os de
consumo, esperando-se, por meio desta gestão, um elevado serviço ao cliente.
A Gestão Logística procura assim, gerir um conjunto de atividades que
permitem fazer chegar o produto certo, na quantidade certa, no local certo (destino),
no tempo certo e ao custo mínimo (Rodrigo Alvarenga 2010).

2.2. Os fornecedores e os clientes


A logística, independentemente da atividade principal do órgão público, é uma
dessas áreas críticas para qualquer gestor e acaba tornando-se um dos processos
mais carentes de pessoas capacitadas para atuarem no poder público.
Ela é a chave para uma estratégia de sucesso, capaz de prover uma
multiplicidade de maneiras para satisfazer ao interesse público.
6

No município de Caucaia a gestão pública vem procurando tratar esse tema


com mais seriedade, procurando mostrar mais transparência em seus atos. Na figura
01 mostraremos os fornecedores e os clientes da gestão pública, no que diz respeito
à logística do fornecimento de gêneros alimentícios. Neste caso especificamente
trataremos da Secretaria de Desenvolvimento Social.

Figura 01 – Relação de fornecedores e Clientes


Fonte: Secretaria de Desenvolvimento Social de Caucaia

2.3. Origem das matérias-primas e o destino dos produtos.


A Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social adquire alguns produtos
como frutas, legumes, leite, doces e bolos diretamente de produtores cadastrados
no Programa de Aquisição de Alimentos – PAA, que utilizam matérias primas
extraídas e/ou produzidas na própria localidade dos produtores. E quanto a outros
tipos de gêneros alimentícios, bem como os materiais de expedientes advêm de
indústrias as quais utilizam matérias-primas de produtores específicos conforme a
necessidade da fabricação dos produtos.
Já quanto a água mineral tem sua matéria-prima extraída de uma fonte de
água localizada na Serra de Maranguape, região metropolitana de Fortaleza-CE.

2.4. Atividades da logística e atividades complementares


Em resumo a Secretaria Municipal compra do Fornecedor, o mesmo entrega os
produtos no Almoxarifado da própria Secretaria para estocagem e distribuição
mediante demanda informada pelas Coordenações das Unidades Sociais (Abrigo,
CRAS, CREAS, Pólo de Convivência), pelo Conselho Tutelar, bem como da própria
Secretaria. Quanto a atividades complementares é solicitado no almoxarifado a
7

situação do estoque, e na falta de algum produto é realizado pedido ao fornecedor e


a entrega do produto. Veja figura 02.

Figura 02 – Atividades complementares


Fonte: Elaborado pelo autor

2.5. Estrutura da administração de materiais


No cenário atual, onde encontramos à nossa frente um mercado globalizado e
extremamente competitivo, surge a necessidade de aplicação das melhores práticas
dentro das organizações, desde o recebimento da matéria prima até a entrega do
produto ou serviço e manutenção dos clientes, o que chamamos de administração
de materiais.
Para podermos entender como funciona a estrutura da administração de
materiais precisamos compreender o seu conceito. Essa área visa dimensionar os
materiais da organização de forma que sejam fáceis de localizar e ser utilizados, seja
para a contagem do estoque, venda e compra de fornecedores O objetivo da
administração de materiais é usar os recursos, nesse caso, os materiais, para que
sejam otimizados, diminuindo o custo e aumentando a economia em relação à
logística.
Nesse conceito, incluem-se os recursos materiais e os recursos patrimoniais.
Enquanto o primeiro são materiais que têm vida útil estipulada, como o caso de
materiais físicos que são utilizados pela organização, o segundo são bens que são
permanentes.
Em ambos os casos, a administração de materiais busca evitar o desperdício
do material e maximizar a sua utilidade, esse conhecimento específico atua em três
aspectos no processo de produção, a quantidade que deve atender à necessidade
do cliente e empresa, o tempo, que se refere à disponibilidade de material e a
localização, ou seja, as ferramentas devem estar no ambiente perto do local que se
utiliza o material, para a sua produção
No caso específico da Secretaria de Desenvolvimento Social a administração
de materiais é estruturada da seguinte forma, veja figura 03.
8

Figura 03 – Estrutura da administração de materiais


Fonte: Elaborado pelo autor

2.6. Distribuição Física


A distribuição física vem a ser a movimentação de produtos acabados para
entrega aos clientes como seu destino final.
O transporte e o armazenamento são os principais processos que compõem a
distribuição física, movimentando os produtos desde o fim da produção até o os
clientes.
A distribuição física é vital para as nossas vidas, até porque muitas vezes os
fabricantes, clientes e clientes potenciais estão geograficamente mal distribuídos,
ocasionando sérios transtornos logísticos. Quando os intermediários atendem
apenas a seu mercado local, acabam restringindo seu potencial de crescimento.
Logo, pode-se afirmar que a distribuição física agrega valor de lugar e tempo,
colocando os produtos em mercados onde eles ficam disponíveis para os clientes no
momento em que desejarem.

ABRIGO, CRAS, CREAS, PÓLO,


CADÚNICO, CASA DOS
CONSELHOS, CONSELHOS
TUTELARES E SECRETARIA

Verificação do Estoque; Enviar Requisições


Separar Mateiral; Definir (Dias 24 ou 25 de cada mês)
Rota para Entrega ; para consumo mensal
Providenciar entrega dos com definição da
Materiais solicitados até
forma do abastecimento
5º dia útil de cada mês
(quinzenal ou mensal)

ALMOXARIFADO

Figura 04 – Distribuição física


Fonte: Elaborado pelo autor
9

2.7. Programação Linear na construção de uma Unidade Social


A Secretaria de Desenvolvimento Social programou a construção uma Unidade
Social (U.S.) que fosse suficiente para que atender as comunidades da região da BR
020. Para tanto, entregou ao técnico responsável pela coordenação de projetos dois
terrenos baldios da prefeitura. Após várias pesquisas, a coordenação definiu para
cada terreno quais são as comunidades que poderiam ser atendidas se a Unidade
Social fosse ali construída. Veja como ficou o planejamento na figura 05.

Figura 05 – Construção de U.S.


Fonte: Elaborado pelo autor

A solução encontrada é apresentada na figura 06, onde vemos que o terrenos


2 foi o escolhido e atende a um maior numero de comunidades. Portanto, faz-se
necessário a construção de uma Unidade Social naquela região.

Figura 06 – Solução usando Solver.


Fonte: Elaborado pelo autor
10

No que se refere às informações históricas do município de Caucaia com as


quais poderíamos encontrar alguma correlação por meio da Regressão Linear, não
foi possível encontrarmos face à nova gestão que se encontra em implantação.

03. CONSIDERAÇÕES FINAIS


Como vimos logística é o processo de planejamento, implementação e controle
eficiente e eficaz do fluxo e armazenagem de mercadorias, serviços e informações
relacionadas desde o ponto de origem até o ponto de consumo, com o objetivo de
atender as necessidades do cliente (Rodrigo Alvarenga 2010).
Este conceito de logística é adequado aos mais diversos segmentos de
negócios no setor privado e também à logística do setor público. Na logística do
setor público os gestores de logística devem respeitar as principais restrições
logísticas no modelo em que atuam e identificar quais são os modelos logísticos que
teriam maior aderência.
A reflexão que fica neste sentido é como, por meio dos conceitos gerais e
específicos de logística, os gestores da logística do setor público poderão contribuir
para uma conquista evolutiva de obtenção de uma logística cada vez mais eficiente e
eficaz, onde, na melhor forma de gestão do dinheiro público, poderão implantar dia a
dia as boas práticas de logística, atendendo aos níveis de serviços desejados pelos
seus clientes nos menores custos logísticos totais.

04. BIBLIOGRAFIA
Rosa, Rodrigo de Alvarenga - Gestão logística / Rodrigo de Alvarenga Rosa. –
Florianópolis : Departamento de Ciências da Administração / UFSC; [Brasília] :
CAPES : UAB, 2010.
Administração de Materiais. Disponível em: <http://www.portal-
administracao.com/2013/12/administracao-de-materiais-conceito.html>. Acesso em
09/11/2017