Você está na página 1de 20

Planejamento e Gestão

em Serviço Social
Autor: Maria de Fátima Bregolato Rubira de Assis

Tema 01
Planejamento: fundamentos
e interpretações
Tema 01
Planejamento: fundamentos e interpretações

Como citar este material:


seções
ASSIS, Maria de Fátima Bregolato Rubira de.
Planejamento e Gestão em Serviço Social:
Planejamento: fundamentos e interpretações.
Caderno de Atividades. Valinhos: Anhanguera
Educacional, 2014.
S e ç õ e s
Tema 01
Planejamento: fundamentos e interpretações
Introdução ao Estudo da Disciplina

Caro(a) aluno(a).

Este Caderno de Atividades foi elaborado com base no livro A prática do planejamento
participativo, do autor Danilo Gandin, editora Vozes, 2011, Livro-Texto n. 432.

Roteiro de Estudo:

Planejamento e Gestão em Maria de Fátima Bregolato


Serviço Social Rubira de Assis

CONTEÚDOSEHABILIDADES
Conteúdo
Nessa aula você estudará:

• Os principais fundamentos do planejamento.

• A relação escola–sociedade.

• A sociedade existente, a hierarquia de valores e a importância de uma visão crítica.

• A realidade e a construção de uma sociedade desejada.

5
CONTEÚDOSEHABILIDADES
Habilidades
Ao final, você deverá ser capaz de responder as seguintes questões:

• Quais as correntes de pensamento que interpretam a relação escola–sociedade?

• Qual a importância do planejamento educacional?

• Qual a dialética entre a realidade existente e a realidade desejada?

• Qual a vinculação do texto ao serviço social?

LEITURAOBRIGATÓRIA
Planejamento: fundamentos e interpretações
Este tema foi elaborado tendo como base a Parte I, Fundamentos, de seu Livro-Texto,
A prática do planejamento participativo, do autor Danilo Gandin, p. de 13 a 20. O autor
trata da importância do planejamento educacional, mas destaca que, ao tratar da escola,
refere-se aos demais setores da ação social, ou seja, a política, o sindicalismo, a religião e
suas manifestações, e o governo. Para o autor, quando se pensa a relação da escola com
a sociedade, são diversos os pensamentos que surgem e estes representam correntes
filosóficas, científicas, ideológicas ou simplesmente o senso comum. Tais pensamentos
podem ser completos e globalizantes ou restritos, porém, todos possuem verdades que
contribuem para explicar a realidade.

Ao fundamentar a necessidade de planejamento, principalmente no âmbito educacional,


o autor discorre sobre pensamentos que pontuam diferentes visões de educação, escola
e sociedade. Uma interpretação ingênua e bastante usual pode ser exemplificada com
a afirmação ”boa escolarização produz bons cidadãos, boas pessoas”. Ou seja, boa
educação – boa sociedade. “Como não há uma boa educação, não há uma boa sociedade”.
Essa corrente expressa o pensamento conservador, em que a boa sociedade é aquela
na qual a harmonia prevalece acima de tudo e o conflito não aparece sob forma alguma.

6
LEITURAOBRIGATÓRIA
Acreditam que a desigualdade entre as pessoas faz parte da natureza humana. Nessa linha
de pensamento, “a pirâmide social não deve ser questionada”, porque é “assim mesmo”.
A função da educação é contribuir para que o educando possa ascender nessa pirâmide
com o próprio esforço, reforçando a tese de que um bom sistema escolar constrói uma
sociedade boa.

Uma segunda interpretação da relação escola–sociedade parte de um critério, ou seja, uma


finalidade: o desenvolvimento. Nessa linha de pensamento encontram-se os economistas e
demais profissionais, que consideram que a “educação é investimento, porque a sociedade
cresce, desenvolve-se na proporção direta do investimento em educação”. Dessa forma,
a escola é indicada como investimento para a formação de mão de obra, com vistas ao
desenvolvimento da sociedade.

Para Gandin (2011, p. 14), essas duas correntes, com possibilidades de várias subdivisões,
acreditam basicamente que a relação entre a escola e a sociedade é a de que são possíveis
transformações sociais a partir de mudanças na escola, que é possível introduzir alterações
significativas na escola sem que tais alterações estejam antes na sociedade.

A terceira interpretação apresentada pelo autor é completamente oposta no que diz


respeito ao entendimento sobre a relação escola–sociedade. Enquanto as duas primeiras
sublinham a força da escola, esta terceira diz que a escola é simplesmente uma função
da sociedade ou reflexo dessa sociedade em um determinado momento. Tal pensamento
nasce da reflexão dos sociólogos, cujo critério é a busca da igualdade social. Os adeptos
dessa corrente questionam: “as escolas podem ajudar na igualdade social numa sociedade
de desigualdades?”. A resposta encontrada é que nenhum sistema educativo pode ser
significativamente diferente, melhor ou pior do que é esta mesma sociedade. Gandin (2011,
p. 16) pontua a questão da reprodução, de forma que os processos educacionais podem ser
entendidos como reflexos da hierarquia de valores de uma dada sociedade, independente
desta ser socialista ou capitalista. Isso vale para outras instituições além da escola e para
outros setores além do educativo. Nessa perspectiva, o processo de reprodução pode ser
consciente ou não, tendo um discurso diferente de sua prática.

Para o autor, as pessoas que trabalham em educação podem ser caracterizadas tendo
como critérios o modo como percebem essa situação e a prática que nela realizam. De
forma resumida, seguem as características apontadas por Gandin (2011, p. 16):

7
LEITURAOBRIGATÓRIA
1. Os que não se dão conta da incoerência entre o que se diz e o que se faz. Pertencem
ao grupo dos conservadores.

2. Os que se dão conta dessa situação, mas que, por comodismo, por interesse, por “boa
vontade” ou por convicção, desejam que tudo siga como está.

3. Os que se dão conta dessa prática reprodutiva, estudam-na e querem transformações


de maior ou menor envergadura.

Para Gandin, do ponto de vista prático e incluindo todas as possibilidades – dos que se dão
conta e dos que nem suspeitam que não fazem o que querem –, há três tipos de ações:

a) Dos extremos conservadores: para os quais não há distinção entre a realidade desejada
e a existente.

b) Dos extremos revolucionários: para os quais não há ponto de contato entre a realidade
desejada e a realidade existente.

c) Dos que querem mudanças a partir do que existe: para os quais a realidade desejada e
a realidade existente têm pontos discordantes.

Para se pensar no planejamento político-social, as pessoas que se encontram representadas


pela alternativa C são as mais propensas a buscar uma ação transformadora, tendo como meio
o campo de trabalho em que se atua. Gandin assevera que se trata de uma transformação que
envolve o crescimento da consciência crítica. Assim, o grupo, o movimento ou a instituição
deve compreender que se encontra, sempre, num processo de reproduzir. Se as pessoas
envolvidas não querem viver essa função sem questionamento, é radicalmente importante
um posicionamento firme, claro e eficaz de impor a seu trabalho um cunho transformador.
Para o autor, a forma de fazer isto é reproduzindo. Mas não se trata de uma reprodução
ingênua, com base no senso comum ou na ideologia, mas reproduzindo o que se escolheu,
com firmeza da opção crítica, teórica e com metodologias eficazes.

Como isso pode ser feito? Gandin afirma que pode ser feito por meio de um processo de
planejamento no qual o mais importante seja a tensão, a dialética entre a realidade existente
e a realidade desejada. Nessa perspectiva, a possibilidade de transformação em dada
sociedade se dá por meio das ideias divergentes e na hierarquia de valores contraditórios.
Assim, para Gandin, é possível cultivar o que já está em semente ou em surgimento nessa
mesma sociedade, através do processo de reprodução consciente e livre. Entende-se,

8
LEITURAOBRIGATÓRIA
por esse processo de reprodução, que a sociedade desejada exige um projeto educativo
novo para atingir uma prática transformadora; é um processo de construção cujo caminho
perpassa pelo planejamento.

Para relacionar a discussão por ele apresentada ao serviço social, reporta-se a Faleiros
(2009), que situa sua análise em uma perspectiva de totalidade e essa análise implica a
busca de contradições e determinações fundamentais de uma problemática, que em outra
perspectiva seria fragmentada. Sendo assim, a atuação profissional, vista sob a ótica da
totalidade, coloca-se na mediação entre forças sociais e de forma comprometida com uma
delas na solução de problemas.

Para Faleiros (2009),

Essas forças constituem-se a partir de suas praticas, que, por sua vez, inserem-
se e explicam-se pela própria produção do capital e dos homens nesse
modo de produção. A produção dos homens e sua reprodução, a produção e
reprodução de seus problemas não são isoladas da produção e da reprodução
do próprio capital e das relações de dominação que isso implica. (FALEIROS,
2009, p. 88).

Ao tratar a relação meio–fim no trabalho social, Faleiros (2009) afirma que a opção objetiva
por determinados fins profissionais implica, portanto, sua situação nessa relação de poder
e saber dentro do contexto social global, do desenvolvimento do estado e de suas políticas.

Nesse sentido,

A atividade humana e as relações entre os indivíduos implicam relações de


forças e portanto estratégias e táticas [...], o estabelecimento do fim e dos
objetivos profissionais supõe uma análise das condições em que se realiza
a própria atuação. Entre elas estão os limites institucionais como também
os espaços aí disponíveis e as estratégias possíveis. [...] Numa sociedade
complexa é preciso determinar, portanto, quais são os interesses em jogo em
relação ao problema específico e assim as funções profissionais podem ser
teoricamente esclarecidas. (FALEIROS, 2009, P. 89).

Considerando o contexto brevemente pontuado, assevera-se que a ação social ou a


intervenção profissional do assistente social insere-se em uma sociedade permeada por
relações complexas. As problemáticas por ele enfrentadas são polos em torno dos quais há
interesses em questão. Nesse sentido, Faleiros afirma que:

9
LEITURAOBRIGATÓRIA
A modificação e a transformação dessas problemáticas não depende, portanto,
de soluções exclusivamente tecnocráticas, de recursos específicos, mas de
transformação ou relações que vão além da simples relação profissional. Essa
perspectiva é que pode permitir a renovação do trabalho social. Com isto
pode-se superar as visões gerais dos problemas, assim como a submissão
ao pragmatismo imediatista e ao oportunismo paternalista. As funções do
Serviço Social não se fundam, portanto, numa simples sociologia ou numa
historiografia, mas numa análise das forças em presença no desenvolvimento
global da sociedade. (FALEIROS, 2009, p. 91).

Resumindo, para que o profissional de Serviço Social tenha uma atuação profissional
competente, é preciso que traga em sua bagagem o conhecimento histórico da sociedade
capitalista, bem como das lutas e das forças que comandam a vida em sociedade, de forma
que seu conhecimento técnico tenha respaldo teórico e compromisso com o projeto ético-
político da profissão.

LINKSIMPORTANTES
Quer saber mais sobre o assunto?
Então:
Artigos
Acesse o artigo de Vicente de Paula Faleiros, O que Serviço Social quer dizer. Este
artigo vai lhe dar subsídios para o entendimento do Serviço Social e dos pressupostos
que historicamente foram construídos para o estabelecimento de uma definição de Serviço
Social. Revista Serv. Social & Sociedade. n. 108, São Paulo Oct./Dec. 2011. Disponível
em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0101-66282011000400010&script=sci_arttext>.
Acesso em: 2 jan. 2014.

Leia o artigo de Priscila Cardoso; Keli Regina Dal Prá. Disponível em: <http://revistaseletronicas.
pucrs.br/ojs/index.php/fass/article/viewFile/9551/8057>. Acesso em: 2 jan. 2014. O artigo
trata da intervenção profissional do assistente social no eixo de planejamento e gestão, e
vai contribuir para o entendimento do tema desta aula.

10
LINKSIMPORTANTES
Vídeos
Para uma reflexão acerca da educação e sociedade, do papel da escola e dos educadores,
assista aos vídeos, com temas afins, que estão disponíveis no seguinte endereço: <http://
www.youtube.com/watch?v=TFWFcJ0Xw2o&feature=autoplay&list=SP369D7EF754D629
40&playnext=5>. Acesso em: 2 jan. 2014.

AGORAÉASUAVEZ
Instruções:
Chegou a hora de você exercitar seu aprendizado por meio das resoluções
das questões deste Caderno de Atividades. Essas atividades auxiliarão
você no preparo para a avaliação desta disciplina. Leia cuidadosamente
os enunciados e atente-se para o que está sendo pedido e para o modo de
resolução de cada questão. Lembre-se: você pode consultar o Livro-Texto
e fazer outras pesquisas relacionadas ao tema.

Questão 1: ção produz bons cidadãos, boas pessoas”.


Ou seja, boa educação – boa sociedade.
No texto de Danilo Gandin você pode ve-
“Como não há uma boa educação, não há
rificar a intenção de fundamentar a neces-
uma boa sociedade”. Essa corrente ex-
sidade de planejamento, principalmente no
pressa o pensamento conservador, em que
âmbito educacional. O autor discorre sobre
a boa sociedade é aquela na qual a har-
pensamentos que pontuam diferentes vi-
monia prevalece acima de tudo e o confli-
sões de educação e sociedade. Uma das
to não aparece sob forma alguma. O autor
visões apresentadas, cuja interpretação é
acrescenta ainda que nessa linha de pen-
ingênua e bastante usual, pode ser exem-
samento, “a pirâmide social não deve ser
plificada com a afirmação ”boa escolariza-

11
AGORAÉASUAVEZ
questionada”, porque é “assim mesmo”. A Questão 3:
função da educação é contribuir para que o
Uma segunda interpretação da relação es-
educando possa ascender nessa pirâmide
cola–sociedade, na visão de Danilo Gan-
com o próprio esforço, reforçando a tese de
din, é feita a partir de um ponto de vista,
que um bom sistema escolar constrói uma
de um critério, ou seja, uma finalidade:
sociedade boa.
________________________. Assinale a
alternativa correta que completa a frase.
Considerando sua visão de mundo e da
sociedade, sua vivência como estudante
a) a igualdade.
e sua experiência enquanto acadêmico
na modalidade a distância, descreva b) o desenvolvimento.
sua opinião sobre a visão conservadora
da educação, bem como sobre o futuro c) o crescimento econômico.
da educação e qual o papel do educador d) a escolarização.
na atualidade (mínimo de 15 linhas).
e) o planejamento.

Questão 2:
Questão 4:
A afirmação ”boa escolarização produz
bons cidadãos, boas pessoas”, representa Assinale as alternativas com V para verda-
uma das visões de educação e sociedade, deiro e F para falso.
apresentada por Danilo Gandin. Assinale a
De acordo com Faleiros:
alternativa que indica qual é a corrente de
pensamento que essa visão expressa: ( ) A atividade humana e as relações entre
os indivíduos implicam relações de forças
a) Conservador. e, portanto, estratégias e táticas.

b) Moderno. ( ) O estabelecimento do fim e dos obje-


tivos profissionais supõe uma análise das
c) Desenvolvimentista. condições em que se realiza a própria atu-
d) Transformação social. ação.

( ) Numa sociedade complexa é preciso


e) Globalizante.
determinar, portanto, quais são os interes-
ses em jogo em relação ao problema es-
pecífico, e assim as funções profissionais
podem ser teoricamente esclarecidas.

12
AGORAÉASUAVEZ
( ) Numa sociedade complexa as funções Questão 6:
profissionais são teoricamente resolvidas,
pois não existem interesses em jogo. Gandin (2011, p. 16) pontua a questão da
reprodução, de forma que os processos
a) F, V, V, F. educacionais podem ser entendidos como
reflexos da hierarquia de valores de uma
b) V, F, V, V. dada sociedade, independente desta ser
c) V, V, V, F. socialista ou capitalista. Isso vale para
outras instituições além da escola e para
d) V, V, F, F. outros setores além do educativo. Nessa
perspectiva, o processo de reprodução
e) V, F, F, F.
pode ser consciente ou não, tendo um
discurso diferente de sua prática.
Questão 5:
Para Gandin, as pessoas que trabalham em
Em uma segunda interpretação da relação educação podem ser caracterizadas tendo
escola–sociedade, apresentada por Dani- como critérios o modo como percebem
lo Gandin, encontram-se os economistas essa situação e a prática que nela realizam.
e demais profissionais, que consideram
que a “educação é _______________, Descreva as características apontadas por
porque a _______________cresce, Gandin.
desenvolve-se na proporção direta do
___________________ em educação”. Questão 7:
Assinale a alternativa que completa as la-
Para Gandin, para os grupos, movimentos
cunas de acordo com o texto.
ou instituições que compreendem que
a) desenvolvimento, população, se encontram sempre num processo
investimento. de reproduzir, torna-se radicalmente
importante um posicionamento firme,
b) necessária, população, investimento. claro e eficaz de impor a seu trabalho um
cunho transformador. Para o autor, a forma
c) imprescindível, sociedade,
de fazer isso é reproduzindo, já que não
investimento.
existe outra alternativa possível. Mas não
d) o futuro, a população, investimento. se trata de uma reprodução ingênua, com
base no senso comum ou na ideologia,
e) investimento, sociedade, investimento. mas reproduzindo o que se escolheu, com

13
AGORAÉASUAVEZ
firmeza da opção crítica, teórica e com Na visão do autor, qual é a perspectiva que
metodologias eficazes. pode permitir uma renovação do trabalho
social?
Com base no texto, responda como isso
pode ser feito?

Questão 8:

Faleiros (2009) apresenta uma discussão


cuja análise situa-se em uma perspectiva
de totalidade.

A análise sob essa perspectiva implica o


quê?

Questão 9:

A atuação profissional do assistente social,


vista sob a ótica da totalidade, coloca-se na
mediação entre forças sociais e de forma
comprometida com uma delas na solução
de problemas.

Para Faleiros (2009), como se constituem


essas forças?

Questão 10:

Para Faleiros (2009), a intervenção


profissional do assistente social insere-se
em uma sociedade permeada por relações
complexas. As problemáticas por ele
enfrentadas são polos em torno dos quais
há interesses em questão.

14
FINALIZANDO
Neste tema, você pôde aprender e refletir sobre os fundamentos do planejamento,
as correntes de pensamento que interpretam a relação escola–sociedade, a sociedade
existente, o processo de reprodução e as características e as principais ações das pessoas
que atuam na educação ou em áreas afins. Viu que é fundamental a conquista de uma visão
crítica da realidade para uma prática transformadora e a construção de uma sociedade
desejada. Também pode refletir nas relações que envolvem a atuação do assistente social,
que atua com as problemáticas oriundas de uma sociedade complexa, e que, segundo
Faleiros (2009), “a modificação e a transformação dessas problemáticas não depende de
soluções exclusivamente tecnocráticas, de recursos específicos, mas de transformação ou
relações que vão além da simples relação profissional. Essa perspectiva é que pode permitir
a renovação do trabalho social”.

Caro aluno, agora que o conteúdo dessa aula foi concluído, não se esqueça de acessar
sua ATPS e verificar a etapa que deverá ser realizada. Bons estudos!

REFERÊNCIAS
FALEIROS, Vicente de Paula. Metodologia e Ideologia do Trabalho Social. 11. ed. – São
Paulo: Cortez, 2009.

GANDIN, Danilo. A prática do planejamento participativo: na educação e em outras


instituições, grupos e movimentos dos campos cultural, social, político, religioso e
governamental. 19. Ed. - Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

15
GLOSSÁRIO
Planejamento: planejamento é um processo contínuo e dinâmico que consiste em um
conjunto de ações intencionais, integradas, coordenadas e orientadas para tornar realidade
um objetivo futuro, de forma a possibilitar a tomada de decisões antecipadamente.

Estratégia: arte de aplicar os meios disponíveis ou explorar condições favoráveis com vista
a objetivos específicos.

Planejamento estratégico: é uma metodologia gerencial que permite estabelecer a direção


a ser seguida pela organização e a definição de meios para se realizar um objetivo.

Reprodução social: processo mediante o qual uma sociedade, através de diversos


mecanismos, reproduz a sua própria estrutura.

Totalidade: perspectiva de trabalho para compreender a realidade nas suas contradições


e transformá-las praticamente.

Pragmatismo: doutrina segundo a qual as ideias são instrumentos de ação que só valem
se produzirem efeitos práticos.

16
GABARITO
Questão 1

Resposta: Nesta questão a resposta é livre, pois pretende-se que o aluno relate, considerando
seu conhecimento e sua vivência.

Questão 2

Resposta: Alternativa A.

Justificativa: Ao fundamentar a necessidade de planejamento, principalmente no âmbito


educacional, o autor discorre sobre pensamentos que pontuam diferentes visões de
educação, escola e sociedade. A interpretação pontuada nesta questão expressa o
pensamento conservador, onde a boa sociedade é aquela em que a harmonia prevalece
acima de tudo e o conflito não aparece sob forma alguma.

Questão 3

Resposta: Alternativa B.

Justificativa: A frase completa consta no texto. Segundo o autor, o desenvolvimento é posto


como um critério ou finalidade. Nessa linha de pensamento encontram-se os economistas e
demais profissionais, que consideram que a “educação é investimento, porque a sociedade
cresce, desenvolve-se na proporção direta do investimento em educação”.

Questão 4

Resposta: Alternativa C.

Justificativa: As frases consideradas verdadeiras constam no texto do autor e estão


contempladas também no item Leitura Obrigatória deste caderno. A única frase falsa não
consta no texto.

17
GABARITO
Questão 5

Resposta: Alternativa E.

Justificativa: A questão 5 solicita o preenchimento das lacunas. A frase completa consta no


texto do autor e no item Leitura Obrigatória.

Questão 6

Resposta: As características apontadas por Gandin são:

1. Os que não se dão conta da incoerência entre o que se diz e o que se faz. Pertencem ao
grupo dos conservadores.

2. Os que se dão conta dessa situação, mas que, por comodismo, por interesse, por “boa
vontade” ou por convicção, desejam que tudo siga como está.

3. Os que se dão conta dessa prática reprodutiva, estudam-na e querem transformações de


maior ou menor envergadura.

Questão 7

Resposta: Gandin afirma que pode ser feito por meio de um processo de planejamento, no
qual o mais importante seja a tensão, a dialética entre a realidade existente e a realidade
desejada. Nessa perspectiva, a possibilidade de transformação em dada sociedade se
dá por meio das ideias divergentes e na hierarquia de valores contraditórios. Assim, para
Gandin, é possível cultivar o que já está em semente ou em surgimento nesta mesma
sociedade, através do processo de reprodução consciente e livre.

Questão 8

Resposta: A análise sob a perspectiva de totalidade implica na busca de contradições


e determinações fundamentais de uma problemática, que em outra perspectiva seria
fragmentada.

Questão 9

Resposta: Essas forças constituem-se a partir de suas práticas, que, por sua vez, inserem-
se e explicam-se pela própria produção do capital e dos homens nesse modo de produção.
A produção dos homens e sua reprodução, a produção e reprodução de seus problemas não

18
GABARITO
são isoladas da produção e da reprodução do próprio capital e das relações de dominação
que isso implica. (FALEIROS, 2009, p. 88).

Questão 10

Resposta: Segundo Faleiros, a modificação e a transformação dessas problemáticas não


dependem de soluções exclusivamente tecnocráticas, de recursos específicos, mas de
transformação ou relações que vão além da simples relação profissional. Essa perspectiva é
que pode permitir a renovação do trabalho social. Com isso se pode superar as visões gerais
dos problemas, assim como a submissão ao pragmatismo imediatista e ao oportunismo
paternalista. As funções do serviço social não se fundam, portanto, numa simples sociologia
ou numa historiografia, mas numa análise das forças em presença no desenvolvimento
global da sociedade. (FALEIROS, 2009, p. 91).

19

Você também pode gostar