Você está na página 1de 47

BEIJOS SOMBRIOS, FELICIDADE SOMBRIA

Disponibilização e Revisão Inicial: Mimi

Revisão Final: Angéllica

Gênero: Hetero / Contemporâneo


Empurrada para uma situação onde lágrimas de Deirdre à parte, ela rezava para

que suas suspeitas sobre o marido estivessem erradas. Visões de um poderoso, belo negro

a atormentam, e sua voz profunda vem a ela em momentos inesperados. Quem é este

estranho e como é que ele parece saber sempre quando ela precisa dele? Quanto mais

Malachi segue seu coração errante, mais Deirdre se vê atraída para seu companheiro

fantasmagórico.

Logo fica claro que seu marido não tem a intenção de corrigir os seus caminhos de

playboy, assim Deirdre vira o livro de Voodoo e magia das fadas de sua avó para obter

ajuda. Ela pode convocar o poder de manter Malachi com ela ... Ou será que o

verdadeiro amor e magia de há muito tempo lançarão um novo e poderoso amor?

Página 2
COMENTÁRIOS DA REVISÃO

MIMI
Pára tudo.... Ah, se toda mulher que é ou já foi traída pudesse fazer com seu

canalha, ou melhor, marido, o que Deirdre fez com o dela. Não haveria um só tronco de

árvore seguro na Terra. Kkkkkk

P.s.: Meninas não façam isso em casa!!!!!!

ANGÉLLICA
Preciso pegar a receita com a colega. Eita, garota preparada!!

Ela também é uma safadinha, o cama nem esfriou do marido....

Momentos de T... muito T. Enormes T. kkkkkkk

Página 3
Capítulo Um

A brisa da noite trouxe o cheiro de flores de amora e feno ceifado a Deirdre. Ela

sentou-se na varanda com uma caldeira no colo, o fundo da panela coberta por uma espessa

camada de corpos quebrados verdes. Cordas de feijão verde e caiu despercebido para as

tábuas da varanda, em vez de para o saco de papel por sua cadeira.

O celular tocou. Ela recuperou de seu lugar entre sua cadeira e seu quadril. Não

precisava olhar para o identificador de chamadas para saber quem era.

"Eu não disse que ele estava com ela de novo?" Sua voz grave enviou uma emoção

através dela.

"Sim." Respondeu ela, seu coração pesado. "Você disse."

"Faça-o hoje à noite, Deirdre."

"Eu não posso." Ela balançou a cabeça. “Eu simplesmente não posso... Eu me casei com

ele, e deve ter uma chance para mudar seus modos."

"Você só está se torturando. Ele não te ama... Que outra prova você precisa?"

"Todo mundo merece uma segunda chance." Ela piscou as lágrimas.

Um suspiro pairava sobre a linha telefônica. “Eu te amo.”

"Malachi é meu marido. Eu nunca vi você."

"Você me ama. Você sabe que sim. Eu sou o único que te escuta, que se preocupa com

seus sentimentos. Ele está sempre lá quando precisa dele?"

A linha clicou, e ela colocou o telefone com um suspiro perturbado.

No mês passado, o marido tinha chegado em casa duas vezes por volta da meia

noite. Em cinco outras noites, chegou durante as primeiras horas da manhã. Esta noite fez a

oitava promessa quebrada.

Terminou com o feijão verde, ela se levantou e pisou na casa com a caldeira e bolsa. A

porta de tela bateu fechada, ecoando o seu mau humor. Estirpes fracas de música bluegrass1

tocaram na rádio pequeno montado sob o armário de especiarias. Ela deixou o feijão em uma

1
Antigo estilo de musica country.

Página 4
peneira e virou a torneira em plena explosão para lavar a sujeira, insetos, e algumas de sua

raiva.

Ela olhou para suas mãos marrons profundas com suas unhas cor de rosa quando

jogou o feijão. Pessoas em Ohio Appalachians gostavam de fofocas como em qualquer outro

lugar. Os moradores locais haviam dito que seu casamento com Malachi Dempsey nunca iria

durar. Ela o conheceu no buraco na parede onde atendia no bar em Woodsfield, mas todos

disseram que relações nascidas em bares nunca duraram muito.

Homens regularmente elogiaram seu rosto suave e figura agradável. Claro, ela tinha

um pouco mais de traseiro do que a maioria dos homens brancos gostavam, mas seios fartos

e cintura fina equilibravam o seu físico. Seu corpo de lado, o que as pessoas primeiro

observavam sobre Deirdre era os olhos: um verde e um dourado.

Mamaw Pearl era uma mulher sábia e a tinha criado desde que tinha seis meses de

idade. Ela disse-lhe que o sangue branco residia em sua família, e que seus olhos desiguais

eram um sinal de magia.

A velhota não tinha nada contra Malachi Dempsey, mas ela sabia que ele não era o

homem certo para a neta. Em uma noite de sexta-feira, há dois anos, Deirdre voltou para casa

a partir de um encontro com Malachi. A avó tinha lhe dado uma olhada e perguntou se eles

haviam definiram a data do casamento.

"Eu sei que, olhando em seus olhos você não vai ouvir qualquer coisa que eu tenha a

dizer, criança." Mamaw Pearl disse quando se sentou rasgando uma bainha de um

vestido. "Basta prestar atenção a essas palavras, se você ouve qualquer coisa. Vá em frente e

se case com o rapaz. Ele é bom o suficiente e irá proporcionar uma boa vida para você, mas

ele é amaldiçoado com um coração errante."

"Oh, Mamaw, a sua magia não é forte o suficiente para ver o futuro!" Ela riu.

"Vamos ver, menina." A avó respondeu sabiamente. "Vamos ver."

Não muito tempo depois Deirdre e Malachi foram casados, Mamaw Pearl morreu em

seu sono. A velha deixou a sua neta um livro de magia Voodoo, e seu diário manuscrito de

feitiços das fadas. Ela havia testemunhado a prática de feitiços de sua avó dos dois livros,

Página 5
mágica branca, mas não tinha ideia de que Mamaw Pearl possuía tal baú, tronco

monstruoso. Um ano atrás, enquanto na limpeza do armário do quarto de reposição, ela

encontrou um painel escondido na parte de trás, quando tinha caído sobre uma cesta de

costura e surpreendeu-se contra a parede. Levou um monte de grunhidos e suor para

Malachi e ela puxarem a caixa do espaço de armazenamento escondido. Incapaz de abri-la,

eles decidiram colocá-la na sala de estar, jogou um pano sobre ele, e era usado como uma

mesa de café.

Semanas mais tarde, as chamadas de voz e de telefone tinham começado. Ela deveria

ter estado assustada, mas sua voz aveludada acalmou. A pessoa misteriosa no final da linha

sempre parecia saber o desejo do seu coração, quando ela estava triste, quando precisava dar

prazer a si mesma, porque Malachi nunca estava lá....

Seus pensamentos se voltaram para a tarefa em mãos. Ela não deveria insistir em uma

voz. Tinha um marido... Bem, talvez apenas no nome, mas ele ainda era seu marido.

Deirdre encheu sacos plásticos com feijão verde e depositou-os no

congelador. Acabado, ela carregou uma vassoura para a varanda. Embora esperasse ver

faróis no crepúsculo, ela sabia que Malachi foi correndo no jogo2.

Por um momento, seus pensamentos se voltaram para Mamaw. Um lugar vazio

residia em seu coração por sua avó, mas pela primeira vez estava feliz que não teria de ouvi-

la dizer 'eu te disse' em sua contundente maneira que tudo sabia. Com o aprofundamento dos

roxos no céu de escuridão total, a vassoura apertou levemente em suas mãos, rezou que suas

suspeitas sobre o marido estivessem erradas, mas ela sentiu que tinha perdido a seu coração

errante.

E a misteriosa voz masculina que guiou estava sempre certa.

2
O ramo de caras em sedução que usam para marcar bunda das meninas de forma rápida e eficiente.

Página 6
Faróis varreram a casa, e o escapamento alto de uma picape retumbou na

unidade. Deirdre assustou acordada na cadeira da varanda, o coração batendo

dolorosamente. Antes das luzes se apagarem, ela olhou para o relógio de pulso. Era um

pouco depois de uma da manhã.

Um xale estava caído sobre o corpo dela. Ela puxou-o bem ao seu redor como se fosse

conter seus sentimentos feridos de explodir em Malachi.

Seu marido subiu os degraus e parou quando percebeu que a porta não foi fechada

para a noite.

"Você está atrasado." Disse ela com calma, apesar de querer gritar com ele.

Malachi quase pulou da varanda. "Você assustou o inferno fora de mim! O que está

fazendo aqui fora tão tarde?"

"Eu deveria perguntar-lhe a mesma coisa."

“Oh, entendo. Você está chateada de novo."

“Você me culpa?”

“Não.” Ele chegou dentro da porta e acendeu a luz da varanda. “Entendo.”

"Você está correndo o jogo?" Ela odiava o desespero em sua voz, mas o amava e queria

o seu amor em troca. Se apenas fosse um bêbado. Ela poderia tolerar um homem que amava

cerveja ou uísque, mas nunca um homem com um coração errante. "Seja sincero comigo,

Malachi."

"Não, eu não estou vendo outra mulher, bebê."

Ela sentou-se para frente, fazendo sinal para ele se aproximar. "Deixe-me ver seus

olhos."

Página 7
Ele permaneceu ao lado da porta. "Ah, vamos lá, Deirdre! Eu disse que não estou te

traindo!"

"Se você não estiver correndo jogo, então me deixe ver seus olhos!"

Suspirando, ele se ajoelhou ao lado de sua cadeira. Deirdre colocou dois dedos sob o

queixo e ergueu a cabeça para que a luz revelasse claramente seus olhos. Ela deixou seu olhar

vagar até os planos bonitos de seu rosto ao nariz um pouco torto e sobrancelhas grossas. Ela

viu as mentiras, o engano. A dor que a atravessou quase a deixou ofegante.

"Ok." Ela soltou, olhou para que ele não pudesse ver a agonia dentro dela, e inclinou-

se para perto, o nariz a uma polegada de seu pescoço.

Ele levantou uma sobrancelha. "Agora você está cheirando a minha roupa?" Malachi

riu, mas acalmou instantaneamente na expressão tempestuosa que ela lhe ofereceu. "Sally

não lhe disse o que estamos fazendo na carpintaria?"

“Não.”

"Estamos apoiadas em ordens de verão. Temos tantos contratos para passarelas,

balanços, planadores, gazebos, e faróis de jardim que tivemos que colocar em algumas horas

extras. O irmão de Sally contratou dois caras mais, para ajudar com as entregas." Ele levou

uma de suas mãos e apertou-a. "Isso perturba-me que ela não disse a você. Ela e seu irmão

entregaram um gazebo a nossos vizinhos há vários dias. Eles deveriam parar e deixar o que

está acontecendo."

“Quando?”

"A primeira noite que eu voltei para casa tarde. Vamos ter longas noites até diminuir a

demanda de verão." Ele a puxou para seus pés e recolheu o xale. "De qualquer forma, eu não

vaguei até a madrugada em algumas noites, porque fiz uma pausa e adormeci. É melhor do

que dirigir para casa exausto e destruir o caminhão."

Ela poderia estar errada sobre ele depois de tudo?

"Se vai fazer você se sentir melhor, bebê, chame a loja e verifique as horas."

Ela balançou a cabeça, sentindo-se boba e esperançosa. "Eu realmente sinto muito que

pulei em cima de você, querido."

Página 8
Ele sorriu, levou-a para dentro, e fechou a porta de tela. Ele desligou a luz da

varanda. O xale caiu em uma pilha descartada. Malachi segurou um dos seios, seus lábios

pastando os dela. Desejo floresceu dentro dela.

"Você se preocupa demais, querida." Ele murmurou, seu polegar acariciando o pico de

seu peito através de sua fina camisola.

"Eu sei." Ela suspirou. "Eu sinto tanto sua falta quando se vai." Ela se derreteu contra

ele, divertindo-se com a sensação de sua boca viajando para baixo nas cordas tensas de seu

pescoço e sobre o inchaço de seus seios. "Eu quero você dentro de mim. Eu preciso sentir

você duro e latejante, e quero ouvir você gritar meu nome." Ela gemeu quando a boca fechou

para um mamilo, atormentando-o através do material.

Malachi não teve tempo para abrir seu vestido. Ele puxou o tecido e rasgou a roupa de

seu corpo. Botões bateram o tapete, o seu som fraco quando eles se dispersaram. O desejo de

Deirdre inflamou a urgência e impaciência para tê-lo bombeando nela. Ele empurrou o

algodão fino livre de seu corpo, deslizou um braço ao redor da cintura dela e puxou seus

quadris com o seu. Dobrando-a ligeiramente para trás, ele aproveitou o pico de uma mama

rodada. Um incêndio começou a queimar nas profundezas de sua barriga. Ela arqueou,

apreciando a textura áspera de sua língua em toda a delicadeza que amamentou.

"Dá-me seus lábios suculentos." Ele ordenou quando sua boca desceu sobre a dela.

Suas línguas duelaram como duas serpentes em um ritual de acasalamento. Ela

suspirou contra os lábios e colocou os braços ao redor de seu pescoço. Fazia muito tempo que

tinham feito amor, semanas de fato. Para estar em seus braços novamente quando ele a

beijava era maravilhoso. A maneira como a acariciou acalmou seu coração e alimentou a

fome por ele. Ele deslizou as mãos pelas costas até chegar a bunda dela, colocando-a e

puxando-a com força para ele. Seu pênis pressionado ansiosamente contra ela através de seus

jeans.

"Tire a roupa." Disse ela, sem fôlego. "Eu quero você agora."

Ela saiu de sua calcinha, e ele rapidamente se despiu. Luar transmitia através das

janelas, dourando a sua forma em prata como se fosse esculpido em pedra. Ela avaliou seu

Página 9
traseiro como um homem faria com um carro caro. Ele teve boas nádegas apertadas que ela

amava cavar as unhas quando ele empurrava profundamente entre suas pernas.

Ela estendeu a mão para levá-lo até o quarto, mas ele balançou a cabeça. "Não, vamos

fazê-lo aqui, agora." Ele caminhou em direção a ela, seu pau duro com o desejo, uma vez que

balançava contra sua barriga.

"No chão ou no sofá?" Perguntou ela, querendo-o tão mal que cada nervo em sua

boceta vibrou.

Ele agarrou seus quadris simultaneamente erguendo-a.

Ela gritou de surpresa e expectativa, tirando as pernas ao redor de sua cintura. "Tem

certeza de que quer fazer isto assim?"

Ele a penetrou repentinamente. Surpresa, ela engasgou, arregalando os olhos. Relaxou,

permitindo que a segurasse. Ela vagamente envolveu seus braços sobre os ombros e olhou

em seus olhos envoltos em sombra, um vislumbre de dentes brancos quando ele sorriu de

satisfação. Seu membro deslizou mais profundo em seu núcleo, seu corpo ajustando quando

ela o aceitou.

"Oh, Malachi." Ela murmurou, fechando os olhos e saboreando a sensação de seu eixo

rígido enchendo-a. "Faz..." Ela gemeu quando ele empurrou gentilmente. "... tanto tempo

desde que temos desfrutado um do outro."

"Há muito tempo." Ele resmungou.

Ele saltou-a gentilmente, seu pau batendo a abertura de seu ventre. Levou uma coceira

irresistível dentro dela. Ela levantou-se, apertando os seios contra seu rosto, e foi

recompensada com um rosnado faminto no fundo de sua garganta. Ele trancou em um

mamilo. Ela jogou a cabeça para trás e gritou, mas ele continuou chupando avidamente, sua

língua circulando uma forma, então a outra.

O som de algo batendo por trás deles assustou Malachi. Ele endureceu e depois virou-

se com ela em seus braços. “Que diabos foi isso?”

Por um instante, ela pensou ter visto um homem Afro-Americano grande de pé na

porta da cozinha, mas tão rapidamente como o viu, ele se foi. No entanto, no chão, perto da

Página
10
mesa estava uma caixa derramando jogo de cartas, canetas e um isqueiro no tapete, e ao lado

deles estavam dois de seus romances favoritos.

Ele riu e começou a bombear dentro dela novamente. "Eu devo ter batido em cima da

mesa e bati essas coisas fora."

Ela tinha visto...?

O pensamento explodiu à parte, quando um orgasmo colidiu com ela. A sensação

varreu para longe como uma enchente. Ele balançou-a inesperadamente, e Malachi grunhiu

de surpresa. Ele parou de empurrar, enquanto ela cavalgava seu clímax. Agarrou-a com

força, seu corpo tremia.

“Por que você não gozou?” Ela ofegou quando tremores de prazer zumbiram através

dela.

"Eu quero mais." Ele murmurou e acariciou seus seios.

"Oh, sério?" Ela sorriu, imenso prazer varrendo-a de ambos o brilho no escuro e suas

palavras.

“Você vai ver.” Ele caminhou até a porta da frente com ela em seus braços, seu pênis

ainda duro dentro dela.

"Aonde você vai?" Deirdre riu quando empurrou a tela com ela. "Malachi?"

Sua atenção pousou em uma silhueta grande na porta da cozinha. Desta vez, ela

conteve um suspiro. Ela viu o suficiente do rosto do homem, antes que ele desaparecesse,

para saber que ele não estava feliz.

Nos degraus da varanda, ele lentamente se sentou no degrau mais alto com ela em

seus braços.

“Aqui?” Ela riu e empurrou a imagem do homem negro de sua mente.

"Por que não?"

Ele ajustou os pés em um degrau inferior, o colo embala seu fundo, como uma cadeira

projetada especificamente para ela. Quando ele puxou seus quadris apertados e enfiou os

dedos em suas nádegas, ela gemeu, sua respiração acelerando.

"Oh, glória." Disse asperamente e abriu as pernas em torno de sua cintura. Ela colocou

Página
11
seus pés sobre as tábuas de madeira lisa atrás dele e recostou-se no suporte de suas mãos

quando deslizou até a cintura. Seu pênis resolvido mais profundo dentro dela, empurrando o

botão de seu sexo interior, sondando-o até o formigamento a obrigar a furtar impaciente no

colo.

"Devagar, querida." Malachi sussurrou. “Demore o necessário. Eu quero ouvir você

gritar meu nome."

Uma brisa carregada com o cheiro das flores de amora e de orvalho da noite sussurrou

sobre o pórtico. Deirdre respirou fundo, o intoxicante aroma. Ele acariciou sua pele, úmida

febril, então levou seus murmúrios, gemidos, gritos guturais a distância para a paisagem

escura. Grilos cantavam no gramado alto, incontrolável, e vaga-lumes vagaram os passos,

suas luzes estroboscópicas minúsculas aumentando o humor. Em algum lugar um coiote

latiu.

"Prove dos meus seios." Ela sussurrou em seu ouvido.

"Se eu fizer, vai ser isso. Eu gozo." Disse ele. "Você tem os mais redondos, mais escuros

seios." Seus olhos reverteram. "Eles me lembram gotas de mocha3."

Ela mexeu o traseiro um pouco mais vigorosamente. "Eu quero você, Malachi." Ela

colocou as mãos em cada lado do rosto liso, forçando-o a olhá-la. Ele continuou empurrando,

deslizando as mãos de sua pele suada para preparar-se sobre as tábuas da varanda. Cada

impulso levantou-a no ar. Ele empalou seu sexo, pastando o colo do útero quando um

orgasmo construindo nela iria entrar em erupção a qualquer momento.

Ela se inclinou para frente, sua posição obrigando-o a deitar na varanda. Deslizou sua

ereção, até que apenas a ponta do seu pênis permaneceu dentro dela. Pronta, ela deixou seus

seios pendurados em seu rosto como dois melões maduros. Ela escovou o mamilo de um

contra seus lábios e moveu para cima e para baixo sobre ele, ao mesmo tempo. Malachi

aceitou sua oferta como um doce oferecido e jogou a ponta.

"Oh, querida." Ele gemeu contra seu peito. "Eu fico ocupado e esqueço que amante

incrível que você é. Você sabe o que isso faz para mim. Eu estou gozando.”

3
Uma mistura de café e chocolate.

Página
12
Ela se afastou, balançando para trás em seu colo tão duro e rápido que ele desenhou

uma respiração afiada. Ele levantou-se nos cotovelos e gritou para a escuridão, seguindo

sentado. Ele agarrou seus quadris e empurrou para frente e para trás em golpes duros. Ela

manteve as solas dos seus pés firmemente contra as tábuas da varanda, as mãos em seus

ombros. Seus seios bateram contra seu peito musculoso enquanto seu pau duro dirigiu

contra o mais profundo local, construindo a sensação, até que ela começou a gritar de forma

cantante.

“Diga.” Malachi aterrar fora. "Eu quero... ungh... ouvir... ungh... grite o meu nome!"

Seu pênis pulsou uma vez, duas vezes, seus gritos alcançaram a borda do

arrebatamento. A sensação de seu orgasmo atirou uma lança de eletricidade através

dela. Onda após onda de prazer correu por ela. Apertando a boceta, ela montou seu marido

com abandono e apertou a cabeça, pressionando-a contra o peito.

“Diga.” Ele raspou com o rosto entre seus seios.

"Malachi!" Ela gritou, o orgasmo piscando através de seu fluidos tão duro e quente,

que o sentiu onde eles se juntaram. Ela continuou montando-o como se estivesse em uma

sela, encontrando seu impulso com uma selvageria que a surpreendeu. "Malachi!" Ela gritou

novamente quando sentiu seu pênis surtar ritmicamente dentro dela. A última onda de

orgasmo acariciou seu interior e queimou suas coxas e seios com espinhos deliciosos.

Por fim, ela relaxou. Caiu peito a peito com ele a tempo de ouvir o último eco do nome

de seu marido em deterioração nas madeiras escuras nas proximidades.

Página
13
Capítulo Dois

Deirdre acordou para a luz do sol fluindo sobre a cama. Ela desejou que Malachi

tivesse ficado e comido o café da manhã com ela, mas ele saiu às sete horas, insistindo que

precisava voltar para a oficina.

Abafamento encheu a sala. Ela olhou para o relógio de cabeceira e gemeu. Isto já

estava quente às oito da manhã. A este ritmo, seria um longo dia de verão miserável.

Nua, ela se levantou e puxou o cabo de ventilador de teto. Com o ar um pouco mais

frio girando em torno dela, ela se dirigiu para o banheiro, mas uma voz a deteve.

"Você tem alguma ideia do que faz comigo, quando o vejo fazer amor com você?"

"Você não deveria olhar-nos." Ela respondeu. Incapaz de ver o dono da voz, pegou um

roupão ao pé da cama.

“Pare! Você tem um corpo bonito."

Seu elogio aqueceu seu interior. Malachi nunca elogiou seu corpo, a menos que fosse

durante o sexo. Ela se permitiu desfrutar um momento e então disse: "Eu sou uma mulher

casada."

"Então você continua me dizendo isso." Amargura residia em sua voz.

O som de uma batida rápida na porta da frente da casa penetrou.

Ela franziu a testa e vestiu uma camisa e calcinhas. "Quem poderia pagar-me uma

visita tão cedo?"

"Você não vai ficar feliz com esse visitante." Disse a voz.

"Como você sabe tanto?"

“Magia. Quando você está confinado como eu estou, você encontra outras maneiras de

escapar."

Antes que ela pudesse refletir sobre sua resposta, outra série de batidas estourou. Ela

pegou um par de shorts de um cesto de roupa que se desenrolava, pulando em um pé e

depois no outro pela casa, enquanto ela puxava-os.

Uma vez que abriu a porta da frente, a abriu e olhou para fora. A pequena loura

Página
14
platinada ficou nos degraus da varanda.

"Deirdre?"

“Sim.” Um mau pressentimento mexeu com ela.

"Sou Sally Bakerfield. Eu trabalho com Malachi."

“Ah!” Portanto, esta foi a mulher que ela suspeitava que estava dormindo com o

marido. Sally não era mesmo o tipo de Malachi. Então, novamente, a partir de todos os

rumores que tinha ouvido sobre Malachi, seu tipo era nada atraente, quente e disposto.

"Desculpe-me, eu não parei no outro dia como Malachi me pediu." Sally começou.

A voz de boneca da mulher ralou em seus nervos. Ela queria bater nela.

"Estamos tão ocupados na carpintaria..." Sally continuou. "... que o meu único

pensamento foi em estar voltando para carregar mais entregas." Ela fez um gesto

descontroladamente e depois enganchou seus polegares em seus bolsos frontais do jeans. "Eu

nem percebi que tinha me esquecido de parar, até Malachi mencionar esta manhã."

Cética, ela estudou Sally. O mal estar da mulher derramou sobre ela como um balde

de fuligem quente. Sally encontrou seu olhar e depois desviou.

"Eu realmente sinto muito pelo mal entendido." Seu olhar azul-claro desnatou no rosto

de Deirdre uma segunda vez, antes de precipitadamente ir para a horta nas proximidades.

Ela avaliou os jeans de Sally com um joelho rasgado, botas de trabalho, uma blusa

cobrindo os seios pequenos, e o longo cabelo pálido escuro com raízes-puxadas em um rabo

de cavalo. "Não precisa se preocupar." Disse ela. "Malachi explicou tudo ontem à noite e,

depois, duas rodadas de sexo grande mascaram." Ela sorriu para Sally e riu como se

envergonhada com o que ela havia dito.

“Você está bem?” A expressão de dor atravessou o rosto de Sally, mas tão depressa

como apareceu, desapareceu. "Malachi... uh... vocês dois...."

Rindo, ela respondeu: "Bem, você sabe como é com os casais."

“Ah, Sim. Certo.” Ela olhou com desconfiança, com os olhos vidrados.

Ainda assim, algo sobre a maneira que Sally olhou para ela, ou não a olhou muito, fez

a sua voz interior sussurrar desconfiada.

Página
15
"Olha que horta!" Sally cantou em um tom tão falso quanto à cor do cabelo. "É verdade

o que as pessoas por aqui dizem sobre a sua avó?"

"Que ela praticava magia Voodoo e se comunicava com o Daoine Sidhe?"

Uma expressão em branco caiu sobre o rosto de Sally.

"O Reino das Fadas." Deirdre forneceu, restringindo seu aborrecimento. Ela não

deveria sentir irritação por falta de conhecimento da mulher, mas algo sobre Sally definiu

seus dentes na borda.

Sally assentiu, enquanto olhava para a horta viçosa persistente, meros dias de

rendimento total tão cedo no verão.

"Este é um problema." A voz masculina falou baixinho em seu ouvido. "Não confie

nela."

Ela endureceu.

“Você disse algo?” Sally questionou.

“Não.” Assustada que Sally tinha ouvido seu amigo misterioso, ela escondeu sua

surpresa por pegar uma cesta resistente à porta. "Quanto à sua pergunta, a minha avó tinha

um inferno de um polegar verde e ensinou-me seus segredos."

"Realmente?" Sally finalmente olhou para ela, mas se retirou dos degraus quando

Deirdre desceu-os no quintal.

Ela olhou nos olhos de Sally e recebeu uma visão do passado da família

Bakerfield. Homens furiosos em capuzes brancos e lençóis em conjunto em chamas, cães de

caça uivando...

"Sim." Ela detestava mentir. "Uma dica é nunca usar estrume de vaca. É muito

forte. Fertilize um jardim com esterco de cavalo."

Sally virou-se para a picape com o Studio Montanha Saw estampado em vermelho em

suas portas. “Eu me lembrarei disso.” Ela riu nervosamente. "Preciso voltar para a loja. Até

mais.”

Ela viu a cabeça de Sally caminhar de volta para baixo da pista. Descontentamento

escorregou em sua alma.

Página
16
"Independentemente do tipo de merda que você espalha, ainda é uma merda." Ela

sussurrou.

"É verdade."

"Você arrisca muito, permitindo que outros o ouçam." Deirdre repreendeu. Ela

caminhou para o jardim. "Deixou-a ouvir você, mas não pode mostrar-se a mim?"

"Eu tenho que esperar a hora certa."

"Onde você está, realmente?"

"Eu estou perto."

"Você soa como a minha avó. Quando não era brutal, ela foi todos os enigmas e

respostas vagas."

"Eu garanto a você que não sou nada como Mamaw Pearl."

Uma risada baixa e quente cercava. Quase caindo à cesta, ela recuperou e agarrou-a

contra o peito. "Você conhecia a minha avó?"

"De uma forma indireta." A voz respondeu, o baixo profundo embalando-a em um

casulo de conforto.

"Oh.”

"Nós nunca fomos formalmente apresentados." Continuou a voz. "Acho que você

poderia dizer que eu a conhecia. Ela era uma mulher forte e poderosa apenas como você."

Ela se agachou e começou a pegar pimentas, suas peles vibrantes uma profusão de

cores na cesta. "Eu não sou forte."

"Ah, mas você é, Deirdre. Muito em breve vai descobrir a sua força."

"Eu gostaria que você se mostrasse." Disse ela.

Uma abelha zumbiu de uma flor branca para outra. Ela esperou que se movesse antes

de perturbar a planta novamente, seu olhar vagando de um lugar para o outro, enquanto

procurava por algum sinal de seu misterioso amigo estar por perto.

"É solitário aqui quando Malachi está longe, mas se você estiver aqui... eu seria

tentada."

"Tentada?" Ele repetiu. "Você está sempre dizendo que é uma mulher casada."

Página
17
“Eu sei!” Ela suspirou, desejando... Não, ele estava certo. Ela era uma esposa amorosa

e carinhosa. Era apenas uma questão de mostrar a Malachi que vida boa que tinha.

"Você não estava sozinha na noite passada." Ciúme crivado na voz. "Um dia você vai

gritar meu nome em vez do seu."

Ofegante, ela deixou cair uma pimenta. "Você assustou ambos de nós."

"Sim, eu estava com raiva. Eu amo você.”

"Ele é meu marido."

"Malachi não é fiel."

"Mas eu sou." Respondeu ela.

“Eu sei!” Ele parecia melancólico.

"Mas..."

“Não se preocupe! As coisas vão ser diferentes, uma vez que esteja liberado, mas só

você pode fazer isso."

"Por que não estou com medo de você?" Ela levou um momento para refletir sobre sua

pergunta, uma pergunta que ela refletia sobre muitas vezes. "Eu não deveria ter medo de sua

voz? O conhecimento de que você está em algum lugar desconhecido e ainda pode falar

comigo?"

Riso suave acariciou seus ouvidos. "Uma razão que você está sem medo é porque

cresceu com Mamaw Pearl. Você já viu muitas coisas estranhas."

Ela assentiu. "Verdade."

"A outra razão se tornará clara para você em breve. Quando, eu não sei, mas com

certeza, chegará o tempo."

"Você não está fazendo nenhum sentido." Disse ela. "O que quer dizer com isso?"

"Eu tenho que ir, meu amor. Meu tempo terminou por agora."

“Qual o seu nome?” Chamou ela. "Você não pode pelo menos me dizer isso?"

Silêncio.

“Maldição.” Ela se acomodou em seu traseiro entre duas linhas. Agitando com um

voar para longe, olhou para fora através do jardim. Incomodava-lhe que não temia a voz

Página
18
masculina. Qualquer pessoa racional que conversasse com uma pessoa invisível poderia

pensar que ele ou ela estava ficando louco. Pior ainda, por que ela sentia vergonha de que ele

a tinha visto com Malachi? Ela refletiu sobre isso por vários minutos. As abelhas zumbiam

nas flores, e o vento suspirou por entre as árvores, enquanto ponderava, mas não houve

resposta para ela.

No fundo de sua mente, ouviu o mantra de Mamaw Pearl. "Ele tem um coração

errante, criança."

Página
19
Capítulo Três

Deirdre olhou para seu relógio de pulso, enquanto estava na porta da frente. Foi um

pouco depois das nove horas. Malachi ainda não estava em casa. Dor apertou seu coração, e

um nó se formou em sua garganta. Ela olhou para o céu cor de rosa e roxo. Sozinha por ainda

outra noite. Lentamente, fechou a porta, em seguida, acendeu a luz da varanda para quando

ele finalmente voltasse.

Ela fixou-se um lanche de legumes com molho do rancho e se estabeleceu no sofá para

assistir televisão. Após várias reprises de Criminal Minds, ela desligou a televisão e definiu o

prato no baú de sua avó. Ela olhou para o peito grande, a sua presença estranhamente

reconfortante.

Foi tão difícil para o marido chamá-la? Solidão a assaltou, lágrimas brotaram de seus

olhos, e logo ela se sentou chorando.

"Deixe-me te confortar."

Ela olhou para cima, mas não viu nada. "Você não pode me segurar. Você é apenas

uma voz."

"Eu posso te confortar, se me permitir."

“Mas você não pode. Você não é real."

"Ah, mas eu sou."

Ela soluçou mais duro. "Não... não, você não é. Você é simplesmente uma invenção da

minha imaginação, porque eu sou tão miserável."

Um suspiro derivou para o seu silêncio em seguida.

Ela não sabia quanto mais poderia levar a forma insensível de Malachi. Como ela

chorou e finalmente relaxou, se aconchegou mais profundo nas almofadas do sofá. Alguma

coisa tinha que mudar.

Parecia que apenas momentos tinham passado quando um tilintar a assustou

acordada. Ela sentou-se, piscando até que sua visão clareou. Pálida luz filtrava pelas janelas,

e a luz digital no telefonou mostrou que era alguns minutos passado das seis horas da

Página
20
manhã.

Ela pegou o telefone. “Olá!”

"Hey, bebê." Malachi cumprimentou. "Nós trabalhamos até quatro horas." Um bocejo

flutuava em toda a linha. "Eu vou dormir na sala de estar dos empregados até às 10, depois

voltar para o trabalho. Sam trará rosquinhas para o café da manhã."

"Você poderia ter me ligado!" Ela sentou-se, alívio e raiva correndo por ela. "Teria sido

tão difícil?"

"Eita, bebê! Eu estava tão ocupado que nunca pensei sobre isso!" Ele bocejou

novamente. "Vou estar em casa às seis esta noite. Eu prometo.”

A linha clicou.

Totalmente acordada e fervendo, ela bateu o receptor em sua base, jogou de volta ao

dispositivo, caminhou até a cozinha para começar um pote de café.

"Incomoda-me quando você está chateada."

"Sim?" Ela limpou-se a borra de café derramada sobre o balcão. "Bem, isso me

incomoda também. Como posso ser casada com uma bunda tão egoísta, insensível?"

"Já me perguntei isso há muitos meses."

"Ah, cala a boca!"

“Eu peço desculpas.”

"Eu quero dizer, cala a boca! Se você não pode me ajudar ou se revelar, então eu estou

convencida de que você é tudo na minha mente. Eu estou aqui fora sozinha na fazenda, sem

vizinhos, então não é de admirar que eu sonhasse com um homem imaginário!"

Ela virou-se e abriu o armário da pia onde armazenava materiais de limpeza. Se nada

mais, a raiva lhe daria a energia para limpar a casa de alto a baixo.

O tempo passou rapidamente, e Deirdre pensou muito sobre sua vida, enquanto ela

limpou, lavou, esfregou, varreu e poliu. Ela queria um homem que lhe prestasse atenção, um

que respeitasse seus sentimentos, gostos e desgostos que ela respeitasse o seu. O que ela não

daria para sentar e ver a chuva cair, enquanto discutiam o seu dia, o seu futuro, ou mesmo o

mais recente filme que tinham desfrutado juntos. Ela queria confortá-lo quando ele estivesse

Página
21
perturbado, e para que ele fizesse o mesmo por ela. E seria bom ter um homem que a queria

fisicamente, também.

Claro, sexo com Malachi foi grande, mas raramente aconteceu mais. Ela agora

percebeu que a tinha aplacado com uma noite de amor, para que se calasse. Sempre que fazia

compras na cidade e as pessoas a viam, ela ignorou os rumores que ouvia falar sobre

ele. Pequenas cidades eram notórias por mexericos sujos. Cidades do interior tiveram pouco

de entretenimento, por isso os moradores faziam o seu, certo? Mas agora, ela mordeu o lábio

inferior para não chorar após a visita de Sally, ela sabia que a mulher estava apaixonada por

seu marido. Mas o que tem ele? Será que ele sentia o mesmo com seu novo sabor do mês?

E o que ela deveria fazer com seu coração errante? Como poderia mostrar-lhe que era

a única mulher que ele precisava?

Terminando a limpeza, colocou tudo a perder e depois tomou banho. Vapor subia

para o teto e sobre a parte superior da porta do chuveiro. Rangido no vidro a assustou. Ela

lavou o sabão de seu rosto e piscou a água para fora de seus olhos. Lá, escrito na

condensação, foram às palavras.

Eu te amo.

Emoção formou um nó na garganta. Se ele a amava, por que não podia lhe contar seu

nome?

"Eu sou uma sonhadora." Ela sussurrou. "Eu estou ansiando por alguém que não é

mesmo real."

O som de um dedo deslizando sobre vidro forçando sua atenção de volta para a

porta. Lentamente, um rosto sorridente grande apareceu sobre as palavras. Ele a tinha

ouvido falar.

"Você não é real!" Ela gritou por cima da água tamborilando.

Terminou de enxaguar o corpo dela, desligou a água. Depois que se secou, escolheu

um vestido e sandálias, sua mente mais uma vez centrada na chamada de seu marido do

telefone naquela manhã. Se ela não ficasse pensando em Malachi e suas dúvidas sobre o seu

casamento, a sua mágoa e raiva, obteria o melhor dela e faria algo estúpido.

Página
22
Determinada a tratar-se de um almoço na cidade e executar uns poucos recados, ela

deu uma última olhada no espelho do banheiro, antes de sair correndo pela porta. Olhou

para seu cabelo despojado de perto e cara limpa.

Malachi tinha visto algo especial nela para fazê-lo querer propor, então o que havia

acontecido nos últimos meses a mudar de ideia sobre ela? Sua pele era muito escura? Achou

seu único olho verde e um olho dourado desconcertante? Era muito para o balanço da

varanda de volta?

Algo caiu na cozinha. Assustada, correu pela casa. Um homem alto, musculoso preto

ficou ao lado da mesa, a sua forma transparente e brilhante, e então ele desapareceu. Ela

engasgou, batendo as duas mãos sobre a boca. Sua atenção se voltou para o chão, onde os

pedaços de sua caneca de café quebrada deitavam.

“Olá!” Ela olhou ao redor da sala, além do copo quebrado, tudo parecia como deveria

ser.

"Você ainda acredita que eu sou uma parte de sua imaginação?" Sua voz quente e

aveludada fluiu sobre ela.

"Não importa se você é real ou não." Deirdre respondeu com voz trêmula. Ela abaixou-

se e pegou a cerâmica quebrada em seguida, jogou-a na lata de lixo. "Eu sou casada."

"Só no papel."

"Eu vou mostrar a Malachi que ele precisa de mim."

Calor fluiu sobre e em torno dela. A respiração em seu ouvido pediu arrepiando sobre

seu corpo. "Você me ama, não é?" Ele perguntou.

“Eu...“ Ela engoliu em seco quando desejo lavou através dela. "Malachi é carne e

sangue. Você não.”

"Eu sou."

Ela balançou a cabeça. “Não é verdade. Você me provoca com palavras doces, mas

você me deixa, também."

"Só porque os meus momentos com você são limitados."

Ela podia jurar que um par de mãos traçaram suas costelas e então se estabeleceram

Página
23
em sua cintura. Uma conexão zumbiu entre eles. Sua frequência cardíaca saltou e calor

resolveu em sua fenda. Algo sobre este homem ou entidade sempre agitava seu sangue.

"Fique." Ele insistiu.

Não, isso era errado e estranho. "Só porque Malachi é infiel não me dá o direito de

fazer o mesmo com ele. Eu acredito em segundas chances."

"Ele teve sua segunda chance, assim como a terceira, quarto, quinta..." Um suspiro

atravessou a cozinha, o ar dele beijando sua nuca nua. "Meu amor, quando você finalmente

perceber a verdade, eu estarei esperando por você."

"Diga-me seu nome."

"Eu não posso até que esteja liberado. É parte do preço."

Incapaz de suportar mais, ela disse: "Eu tenho que ir."

Deirdre girou sobre seus calcanhares e quase correu pela casa, jogando sua bolsa e

telefone celular de uma mesa em seu caminho para a porta.

Página
24
Capítulo Quatro

Ela se dirigiu para a cidade, depois que terminou seus recados, colocou as compras no

carro e atravessou a rua para um pequeno café, onde muitas vezes tinha almoçado. Observou

que a execução estava quase no fim e escolheu uma cabine na parte de trás. A garçonete

apareceu para pegar o pedido, e quando a comida chegou, comeu lentamente, permitindo

finalmente sua mágoa e raiva em Malachi a diminuir para o momento. Relaxando, ela

assistiu as garçonetes limparem as mesas desordenadas.

Sua fome saciada, ela pegou o pedido. Entregou a anfitriã uma de 20 e esperou que a

mulher corresse para fazer o troco.

"Você está falando sério?" Uma voz feminina pairava sobre o encosto alto de uma

cabine próxima. "Ela não tem ideia?"

"Nenhuma." Uma mulher deu uma risadinha.

"O que ele diz a ela?"

"Ele diz que os pedidos são substituídos e que temos que trabalhar longas horas para

sermos pego."

Deirdre cresceu de repente paralisada da cabeça aos pés. De todos os bares e

restaurantes da cidade, ela só tinha que escolher o que Sally estava almoçando.

A primeira mulher titulou. "Eu nunca teria coragem de mexer com um homem

casado! E se ela descobrir? Você já ouviu as histórias sobre sua avó."

Com lágrimas picando seus olhos, ela estendeu a mão quando a garçonete contou as

notas e deu para ela. Sangue bateu em seus ouvidos, e ela sentiu como se seu interior fosse

preenchido com gelo.

"Ah, essas são apenas histórias locais dos Apalaches." A mais jovem das duas vozes

respondeu, rindo.

"Será que Malachi sabe que você está grávida?"

"Bem, quando descobri que ele transou com ela na noite passada, eu o confrontei sobre

isso esta manhã, então não tive a chance de lhe dizer que ele vai ser um pai."

Página
25
Fúria rasgou através dela. Que safada!

"Como você acha que ele vai levar a notícia?" A primeira mulher perguntou.

Uma pausa se seguiu, e em seguida, Sally disse: "Não importa. É seu bebê e ele precisa

de um pai."

"E sua esposa?"

"Eles não têm filhos, então ele vai ter que deixá-la."

Sua mão tremia quando a garçonete colocou a última de sua nota em sua

palma. Algumas moedas caíram para a mesa, seus cliques como tiros em seus ouvidos. A

funcionária encontrou seu olhar e então voltou sua atenção para a cabine atrás dela.

"Por que ele se casou com está mulher em primeiro lugar, está além de mim." Afirmou

Sally com desdém gotejamento. "Que homem iria querer uma mulher de olhos estranhos,

negra, cuja família é conhecida por praticar magia negra?"

A garçonete piscou, arregalando os olhos em choque. Ela olhou de volta para ela. "Oh,

querida." Ela sussurrou para que só Deirdre a ouvisse. “Eu sinto muito.”

“Esqueça. Não é nada.” Evocando sua dignidade, ela fugiu para longe da mesa,

deixou cair o dinheiro em sua bolsa, e virou-se para ficar ao lado de cabine de Sally.

A primeira mulher a reconheceu antes que Sally o fez. Deirdre não sabia o nome dela,

mas sabia de sua produção da fazenda do outro lado da cidade. Os olhos da mulher

cresceram redondos com preocupação. Sally olhou para ela, olhando longe, e então suspirou,

seu olhar voando com ela novamente.

"Ah... uh... Olá, Deirdre."

"Sua puta vagabunda!" Deirdre rosnou tão alto que todos no café se viraram para

olhar. Ela pegou o prato de Sally do semiacabada de espaguete e almôndegas, bateu-a sobre

sua cabeça, e depois jogou o prato sobre a mesa onde isto caiu com um estrondo.

O grito indignado que estourou de Sally trouxe um sorriso aos lábios. Macarrão

deslizou da cabeça da petulante, para cair em seu colo e na borda da mesa. Molho vermelho e

manchas de temperos italianos sangraram pelos cabelos branco loiro e escorriam em seu

rosto e camiseta branca com o logotipo da carpintaria nele.

Página
26
Ela se inclinou e sussurrou junto ao ouvido de Sally. "Você nunca terá Malachi. Eu vou

ter certeza disso."

Sally ficou boquiaberta com ela. Um macarrão caiu em sua boca, sua extremidade

oposta que pairava sobre o queixo.

Pegando sua bolsa, ela girou nos calcanhares e caminhou até a porta da frente com a

cabeça erguida. Lá fora, o sol parecia duas vezes mais brilhante e os sons da vida da cidade

se intensificaram. Ela atravessou a rua com as pernas trêmulas, a explosão da buzina de um

caminhão quase a assustando fora de suas sandálias. Acenando com um pedido de desculpas

para o motorista, ela se apressou na segunda pista e correu até seu carro, onde o abriu e se

estabeleceu no assento do motorista. O calor do compartimento confinado explodiu

nela. Independentemente do calor do volante de plástico, ela colocou seus braços e depois a

cabeça sobre ele e permitiu que a dor e os soluços tivessem liberdade.

"Malachi..." Gritou ela, engatando a respiração. "... como você pôde fazer isso comigo?"

Seu toque de Long Black Train tocou em sua bolsa. Lentamente, ela endireitou-se e, em

seguida, vasculhou sua bolsa, até que ela encontrou seu Blackberry.

"O... Olá?"

“Você acredita em mim agora?”

“S... Sim.” Dor atormentava seu coração. "Eu tinha que lhe dar uma chance."

"Eu sei, doce. Eu sei!” Um som descontente fluiu através do sinal, seguido por uma

brisa fresca soprando para dentro do carro, arrefecendo a sua pele.

"Como você sabe o que aconteceu?" Perguntou ela.

"Através da magia, meu amor. Eu não posso estar sempre com você, mas posso vê-la."

"Eu sinto falta dele, mas percebo que nunca o tive, para começar."

“Não, você não teve. Desculpe-me!”

"Você está arrependido?" Ela olhou para o painel. "Isso é o que você estava

esperando!"

"Você entendeu. Eu realmente amo você, Deirdre, e embora pudesse rasgar meu

coração, eu lhe daria se ele fosse apenas dar-lhe o seu amor de volta, mas ele não vai e nunca

Página
27
irá. Você sabe disso, também, não é?"

Seu lábio inferior tremeu. Novas lágrimas derramadas por suas bochechas. “Sim, eu

sei."

"Eu estou aqui para você... sempre."

A linha ficou muda.

Ela jogou o celular em sua bolsa e em seguida, puxou um lenço de papel da caixa

encravada entre os assentos. Ela enxugou os olhos, assoou o nariz.

"Bem, Mamaw Pearl..." Disse ela, enquanto olhava para o espaço. "... o que eu faço

agora?"

O grande baú passou pela sua mente. Franzindo a testa, analisou a imagem e se

concentrou no sentido que dele emanava. Ele tem um coração errante, criança, ecoava em sua

mente mais uma vez.

Ela ligou o motor. Com sua cabeça feita, expulsou do estacionamento e na rua indo

para casa. Ela sabia que as alegações de Malachi e amor tinham sido muito bom para ser

verdade. A negação era uma coisa má para pendurar.

Deirdre sentou-se na varanda a tarde toda. O que ela tinha feito para perder

Malachi? Eles tinham feito amor neste degrau apenas duas noites atrás, alguns dos melhores

sexos que já tiveram. Ela se apresentou com deveres de esposa, conservas de geleias e

vegetais, costurava roupas, cozinhava refeições saborosas, e manteve a casa limpa. Nunca

Página
28
resmungou quando ele comandou o controle remoto, durante os seus programas de televisão

favoritos. Ela escutou suas histórias, ofereceu conselhos quando ele pediu, e tentou não

reclamar muito. Quando Malachi estava doente, ela o curou com remédios comprovados de

Mamaw Pearl.

Ela se levantou de sua cadeira, entrou na casa, e puxou a coleção manuscrita de sua

avó de Voodoo e feitiços das fadas da estante. Ao tocar o diário, uma rajada de ar revigorante

correu sobre ela. Algo dentro dela despertou. Ele se mexeu, assustando-a e deleitando-a ao

mesmo tempo.

Você está finalmente pronta, criança....

"Mamaw Pearl?" Ela olhou ao redor da sala. Se ela tivesse imaginado a voz?

Cure as feridas de seu coração, mas sempre trate a magia com o máximo de respeito...

A brisa fresca desapareceu, e ela sabia que o espírito de sua avó tinha

ido. Infelizmente, voltou para a varanda, sentou-se no degrau de cima, e colocou o volume

no colo. O livro abriu por si só, suas páginas farfalhando secamente.

O som dos sinos soaram minutos sobre o pórtico, e o aroma de lavanda e cravo

flutuavam sobre ela. Enquanto examinava o texto, sem saber o que procurar, o movimento

sobre as medidas chamou sua atenção para uma criatura minúscula, disforme.

Nunca lhe ocorreu ter medo. Desde que ela era uma criança muito pequena, tinha

visto sua avó falar com seres estranhos, como ela discutia feitiços com eles. A coisa, torcida

cabeluda se aproximou, seus olhos bulbosos, luminescentes, com uma luz onisciente. Ela

inclinou a cabeça para um lado irregular e favoreceu-a com um sorriso desdentado.

"Qual é o seu pedido?" A criatura sussurrou, a voz rouca.

Lágrimas, quente e salgada, lavaram por suas bochechas e espirrou em páginas do

diário. Se ela realmente amava Malachi, que iria seguir com os meios de colocar sobre o colo?

"Ele tem um coração errante." Disse ela, com a garganta apertada. "Ele deu uma

criança para outra."

“Ah!” A fada apontou para o livro. As páginas vibraram e pararam em uma com um

desenho de baú de Mamaw Pearl feio. "O amor de um companheiro infiel pode ser curado."

Página
29
"Eu sinto muito que eu não ouvi a minha avó." Ela sussurrou.

A coisa bateu o pé descalço, o seu toque como o couro quente. "Não que a magia diga

para fazer, e eu prometo que vai liberar você e sua dor vai ter ido embora. A vida é cheia de

magia, e as coisas vão funcionar. Você só precisa ter fé."

"É difícil ter fé quando meu coração parece que está em pedaços."

"Ele está esperando por você, e você sabe que o ama."

Ela franziu a testa com os olhos lacrimejantes. "Malachi?"

A fada balançou sua cabeça. "Não, o outro."

"Mas ele não é uma pessoa real." Ela olhou para o feitiço. Quando olhou para cima

novamente, a criatura tinha desaparecido.

Página
30
Capítulo Cinco

A casa tinha cheiro de frango, alho e canela. Deirdre adivinhou que Sally tinha dito a

Malachi sobre o incidente no café. Ela também achou que ele chegaria em casa cedo para

tentar cortejá-la. Afinal, se ambas, sua esposa e amante estavam felizes, você teria feito isso,

certo? Bem, ela deixou-o pensar que ele estava de volta em suas boas graças, em seguida,

definiria o feitiço em movimento.

O som de sua picape puxando na unidade chegou até ela, e sorriu. Uma porta bateu.

"Deirdre!"

"Aqui." Ela chamou em voz alta.

Rapidamente, ajustou a ave assada no centro da mesa.

Ele entrou na cozinha, arregalando os olhos. "Porra, o que é tudo isso?"

Ela piscou inocentemente. “O quê? Eu não posso cozinhar ao meu homem uma boa

ceia?

"Como sabia que eu estaria em casa mais cedo?" Perplexo, ele a observava de perto.

"Você é uma criatura de hábitos, Malachi." Disse ela serenamente. "Quando você acha

que já foi longe por muito tempo ou que me chateou, você faz um ponto de gastar tempo

comigo."

Ele sorriu. "Sim, acho que você está certa."

"Vá lavar-se. Todo o resto vai estar pronto em 10 minutos."

Uma vez que ele tinha ido ao banheiro, ela derramou leite e cortou uma fatia de torta

de maçã. Colocou a tigela e prato nos degraus da varanda para o mundo das fadas,

agradecendo-lhes por sua ajuda. Correndo de volta para a casa, ela abriu a geladeira e tirou a

garrafa de cerveja favorita de seu marido que tinha comprado naquela tarde.

Malachi comeu sua ceia lentamente, obviamente saboreando cada mordida. Eles

falaram pouco, mas o clicar e raspar de utensílios de pratos foram suficientes

conversa. Acabado, ela se levantou e começou a limpar, mas o tempo todo sentiu sua atenção

sobre ela. Ela apostava uma nota de cem dólares, que ele estava se perguntando por que ela

Página
31
não tinha ainda criticado-o sobre Sally e sua gravidez. Bom, jogando-o fora de seu jogo era

exatamente o que ela queria.

"Sobremesa?" Perguntou ela. "Eu fiz uma torta de maçã holandesa esta tarde."

"Mais tarde, querida. Estou cheio." Ele empurrou de volta da mesa. "Vou deixar a ceia

e pegar alguma torta mais tarde."

"Tudo bem, querido."

Prestes a se cortar uma fatia de torta, ela assistiu ele ir para a sala e ligar a TV.

A voz de Malachi flutuou para a cozinha. "Ei, o que aconteceu com baú de sua avó?"

"Oh, eu decidi tirá-lo da casa." Ela cortou um pedaço de maçã e bifurcou-o em sua

boca.

"Já era tempo." Disse ele. "Foi o mais feio pedaço de mobília que eu já vi."

Ela desfrutou de sua sobremesa e quando terminou, lavou o prato. Olhou para fora da

janela na pia o sol dourado penetrando na extensão de ébano. O tempo tinha chegado.

"Não faça isso." Uma voz fez cócegas em seu ouvido. "Você pode encontrar outra

maneira de levar um cavalo à água."

"Se eu deixar que ele faça amor comigo." Ela respondeu calmamente: "Eu posso dizer

adeus, tanto físico quanto emocionalmente. A ele foi dado tudo o que queria, mas não foi

dado nada em troca."

"Mata-me vê-la com ele."

"Então não assista."

Ela fez uma pausa tão áspera, dedos invisíveis acariciaram sua bochecha. Ela fechou os

olhos, desejando que ele pudesse ser corpóreo. O toque parou, e sentiu que seu companheiro

fantasmagórico tinha ido.

Limpou as mãos em seu vestido e entrou na sala de estar. O programa de TV que

Malachi estava assistindo terminou e ele estendeu a mão para o controle remoto.

Chupando em uma respiração profunda, Deirdre segurou-a por um momento, e em

seguida liberou lentamente. "Malachi?"

Ele olhou para cima.

Página
32
Ela puxou as cordas vestido em seus seios e desprendeu dos seis botões na

frente. Empurrando-o de seus ombros, ela deixou cair o vestido no chão ao redor de seus pés

nus e saiu ao redor do material.

O marido sorriu e se levantou. Com uma luz faminta em seus olhos, ele caminhou em

sua direção. Puxou-a em seus braços, capturando seus lábios. Uma vez que ele a soltou,

olhou em seus olhos e disse: "Agora, isso é o que eu chamo de sobremesa."

Reivindicando seus lábios novamente, ele se estabeleceu suas mãos nos quadris e

caminhou com ela para trás, em direção ao quarto. Lá, ele fez uma pausa longa o suficiente

para escapar de suas roupas, antes de empurrá-la para baixo na cama. Ela relaxou nos lençóis

de algodão frescos e espalhou suas coxas, enquanto ele se inclinou sobre ela. Em vez de

penetrá-la, aninhou seu pênis contra sua abertura e devastou seus seios.

Ela apertou os montes juntos, oferecendo-lhes a ele. Ele gemeu e esfregou o rosto em

seus seios, sua língua lambendo sobre o primeiro peito e depois o outro. O ventilador de teto

empurrou ar para baixo sobre eles, refrigerando os caminhos molhados deixados por sua

língua.

Lentamente, ele empurrou dentro dela. Enterrado em sua raiz, ele estava assim por

um momento respirando pesadamente em seu ouvido. Ela capturou seus lábios. Beijou-o

com tal força que o ouviu chamar uma respiração assustada pelo nariz. Ela enfiou os dedos

em seus cabelos, puxando sua cabeça para mais perto, e mergulhou sua língua em sua

boca. Ele emitiu um som suave, e ela aprofundou o beijo, o beijo da despedida, o mais escuro,

beijo mais sentimental que ela já tinha experimentado.

Com seu amor por Malachi já morto, ela o soltou. Ela sabia e aceitou a verdade sobre o

marido dela, usando-o para saciar seu desejo, como ele tinha feito muitas vezes com ela. Ele

respirou fundo e começou a empurrar. Ela enrolou as pernas em torno de seus quadris e

deixou-o seguir seu caminho com ela. Ela passou vários minutos grunhindo e lutando contra

ele em um mar de lençóis amarrotados. Quando ele se esforçou para a liberação, ela olhou

para seus membros marrons entrelaçados com seus brancos, a imagem marcaria para sempre

em sua memória. Ele perfurou-a com golpes famintos, seus gritos enchendo a sala, o cheiro

Página
33
de sexo no ar espesso.

Ela afastou-se, negando-lhe liberação e forçando-o a deslizar livre de seu corpo. Ela

empurrou contra seu peito, e Malachi rolou de costas. Rapidamente, ela tomou em sua boca,

sua essência almiscarada e doce. Lambeu e chupou sua ereção como um pop gelado.

Ele agarrou os lençóis em seus punhos. "Deirdre, bebê, eu vou gozar!"

Ela montou seus quadris e empalou-se sobre ele. Ele gritou e empurrou com mais

força, as mãos segurando cada um de seus seios. Ela balançou para trás e para frente com

ele. Seu eixo colidindo seu ventre, então pulsava e latejava. Ele gritou mais e mais quando ela

convulsionou com as pernas apertadas contra suas coxas. Ela montou as ondas quebrando

delirantes através dela. Quando caiu em cima dele, os dedos de Malachi traçaram os

contornos de sua bunda e nas costas.

"Eu nunca soube que você poderia ser tão selvagem." Ele murmurou.

Ela não disse nada. Descansado, mexeu longe dele e escorregou para o banheiro, onde

preparou-lhe uma banheira de água quente.

"Venha aqui e tome um banho." Ela chamou.

Passos se aproximaram do banheiro. "Por que você está me tratando esta noite tão

especial?" Malachi perguntou. Ele entrou na banheira e deslizou na água fumegante.

“Querida?"

Ela permitiu que ele ficasse de molho por um tempo, sorrindo para o contentamento.

"Estou cansada de discutir, isso é tudo. Aqui está uma toalha limpa." Ela colocou-a na borda

da banheira. "Se você não se importa, eu gostaria de dar um passeio e admirar o céu à

noite. É uma noite clara. Vou pegar uma cerveja para levar com você."

Ele sorriu sonolento. "Certamente. Tem sido um tempo desde que fizemos isso, mas eu

não quero demorar. Estou cansado.”

“Não se preocupe! Não vai demorar muito." Disse ela. "Vou colocar o meu vestido e

esperar por você."

No seu caminho através do quarto, ela parou e olhou os lençóis amarrotados,

manchados de suor. A colcha de verão fina pendurada torta a partir do canto inferior direito

Página
34
do colchão. Seus travesseiros deitados no tapete, seu branco cobre enrugado e que pareciam

sombrios à luz do lampião. Sua cama já não era um lugar de deliciosas lembranças

eróticas. Agora estava realizada de roupa suja e a memória de seu beijo escuro para selar um

pacto.

Ela fez uma nota mental para mudar os lençóis e fronhas, mesmo a colcha antes de

subir na cama à noite.

Página
35
Capítulo Seis

Na cozinha, Deirdre foi buscar outra cerveja da geladeira. Algo bateu atrás dela. Ela

deu um grito e girou. Por um instante, ela viu o homem que estava na pia. Antes que ela

pudesse fazer quaisquer detalhes sobre si, a sua aparição vacilou e desapareceu.

“Está aí?” Ela sussurrou, o coração goleando.

"Por que você permitiu que ele desfrutasse do seu corpo bonito, quando sabe que ele

está fodendo outra mulher, que a tem engravidado? Você só está se torturando."

Vibrações esmagadoras de raiva e mágoa caíram sobre ela. “Eu já disse para você... O

feitiço funciona melhor, se eu disser adeus em todas as formas que puder."

Silêncio seguiu, e quando ela pensou que ele tinha ido de novo, a intensidade das

emoções de seu amigo espectral se suavizou e finalmente diminuiu. "Você descobriu o feitiço,

não é?"

Ela assentiu.

Uma brisa quente passou por ela. "O baú está desaparecido." Afirmou da

porta. “Graças a Deus.”

"Eu não posso ser cruel com ele, como tem sido para mim, então eu dei-lhe uma noite

que vai sempre lembrar. Onde ele vai, vai precisar da memória para segurar." Ela olhou na

pia e descobriu um prato quebrado a partir do escorredor. "Você é duro com meus pratos,

sabe disso?"

"Sinto muito, mas teve a sua atenção..."

"Deirdre?" Malachi gritou do outro quarto. “Com quem você está falando?”

"Só pensando em voz alta." Ela voltou.

"Estou quase terminando." Disse o marido. "Tem a cerveja pronta para mim?"

“Está tudo sobre a mesa.”

Ela se dirigiu até a porta da frente. Com a mão na tela, ouviu: "Se ele tenta machucar

você, vou fazê-lo se arrepender."

"O que você pode fazer? Quebrar outra xícara de café?"

Página
36
Um bufo descontente respondeu a ela.

Ela sentou-se no degrau de cima, mas não tinha sido muito tempo quando ouviu a

abordagem de Malachi na porta e caminhar fora. O céu noturno realizava um número

infinito de habitantes brilhantes. Um vento suave acariciava seu corpo e vibrou a camisa de

Malachi.

Ele inclinou a cabeça para um lado, franzindo a testa interrogativamente na torta e

leite na varanda. "Sério agora, o que há com o tratamento real?"

Ela olhou para ele e quase estremeceu quão bonito ele pareceu em seus largos jeans e

camisa branca de abotoar, com um dragão vermelho medieval arrastando-se um músculo do

peitoral e depois sobre o ombro. Seu cabelo úmido enrolado em torno de suas orelhas e nuca,

e ele tinha tido o mesmo tempo para dar a si mesmo uma boa, barbeada.

Com um suspiro, ela respondeu: "Eu tenho um segredo para compartilhar com você."

Ele estendeu sua cerveja, indicando que ele tinha encontrado na mesa. "Você comprou

a minha favorita."

"Eu pensei que você merecia esta noite coisas boas."

"Outra brincadeira aqui no degrau da varanda, talvez?"

“Não.” Ela sorriu. "Acho que você já conquistou todo o sexo que vai conseguir por um

tempo."

Malachi riu, o som rolando na escuridão. "Você é uma provocação, bebê."

Ela levantou-se e desceu os degraus. “Vamos!”

Juntos, eles atravessaram o gramado ainda não cortado e atravessaram a horta, a

sujeira debaixo dos seus pés descalços irradiava calor do dia. O cheiro pungente de vinhas de

tomate explodiu no ar, quando roçavam as folhas. Grilos abafaram seu canto sobre sua

passagem. Ela entrou na grama indisciplinada do mais distante quintal com seu marido perto

em seus calcanhares. Em algum lugar ao longo a linha das árvores invadiu, um curiango4

manifestou o seu grito melancólico.

"O que é?" Malachi agarrou seu braço e apontou.

4
É um pássaro

Página
37
"Isso é o que eu quero mostrar." Ela se soltou dele e continuou em direção ao objeto

antes que mudasse de ideia.

Os últimos vestígios do pôr do sol desapareceram. Vagalumes piscaram na grama

alta. No cume de uma vizinha, uma vaca berrou.

"Eu não posso dizer o que é. A lua não está alta o suficiente para enxergar." Malachi

sorveu as últimas gotas de cerveja da garrafa e jogou-a para a beira do jardim.

Ela estendeu os braços sobre a cabeça, com as palmas para cima, dedos ligeiramente

ondulados. "Deixe-me fazer um pouco de luz."

“De que diabo está falando?” Ele questionou.

Deirdre ignorou e disse em voz baixa:

"Na forma de uma esfera escura,

Brilhe em minhas mãos.

Bana uma pequena parte da noite,

Não há medo na luz."

Vagalumes de todo o campo se reuniram em suas mãos. Em poucos segundos, uma

esfera grande brilhante de vaga-lumes iluminaram a área imediata com sua iluminação

verde-ouro.

Ela empurrou a massa para o ar como se fosse uma bolha gigante brilhando, depois

deixou cair os braços para os lados.

"Apenas um dos encantos fáceis que Mamaw Pearl me ensinou." Disse ela ao notar a

expressão atordoada de seu marido.

A atenção de Malachi mudou-se para o objeto retangular. Ele franziu a testa. "É o

estranho baú que sua avó lhe deixou?"

"Sim."

"Eu suponho que você tinha um encanto para ajudá-la a arrastá-lo por aqui também?"

Ela encolheu os ombros.

Página
38
"Quando você disse que tinha conseguido fora da casa, eu pensei que quis dizer que

tinha tomado para o Exército da Salvação ou em algum lugar assim. Por que você colocou-o

aqui?"

"É parte do segredo que eu vou compartilhar com você."

"Olha, querida, você me deu uma boa noite, mas o que está acontecendo?" Irritação

tingia sua voz.

Dor e tristeza borbulhavam da alma de Deirdre. Magia agitou lá, um poder que ela

não tinha sido plenamente consciente, até que tocou livro de feitiço de sua avó mais cedo

naquele dia.

"Quando nos conhecemos, eu me apaixonei por você, Malachi."

Ele sorriu e riu levemente. “Eu sei!”

“Eu estou grávida.”

O sorriso que esticou sua boca morreu antes que alcançou seus olhos. “Gravida?”

“Algo ruim?” Perguntou ela.

A infelicidade no rosto perfurou seu coração. Como ele pode ser tão cruel, tão

insensível e egoísta?

"Você está grávida?" Algo em sua voz soava tenso.

"Sim." Ela abriu o porta-malas, que estava em uma extremidade. "Eu estou grávida,

Malachi. Grávida de dor. Dor que cresce dentro de mim. Grávida com desconfiança para um

homem com um coração errante. Estou grávida de pena para a mulher que realmente carrega

a sua semente, e estou grávida das mentiras que você tem professado como a verdade."

Do seu bolso do vestido, ela retirou um canivete e cortou um ferimento superficial na

palma da sua mão direita. "Hoje eu dou à luz ao sofrimento que você criou dentro de

mim." Ela deu um tapa forte no rosto de Malachi, deixando uma mancha vermelha fraca em

cima de seu rosto, e depois bateu a mão para baixo no baú aproximadamente talhado.

"Ei!” Malachi agarrou seu braço. “O que deu em você? Ficou louca?”

"Faça isso! Diga as palavras!" Uma série de pequenas vozes sinistras, cantavam. "Eles

são um bálsamo para o coração e a sua desgraça!"

Página
39
Ele girou no assobio dos sons de fora da grama alta. Dezenas de olhos luminosos

olharam de volta da escuridão.

"Você está praticando bruxaria em mim?" O tom de sua voz tornou-se maior com o seu

medo. Seu olhar aterrorizado arrecadou o rosto antes de precipitadamente voltar para os

olhos brilhantes. "Todos os contos sobre a sua avó eram verdade! Ela não praticava encantos

inofensivos! Ela praticava magia negra!"

"Não é verdade." Respondeu ela com firmeza. "Apenas mágica necessária."

O baú se espalhou dos dois lados como um livro grosso. Um silvo derivou de fora, e

uma nuvem grossa, de névoa prata flutuou a pairar sobre o baú.

"Deirdre, você é minha mulher!" Ele deu um passo atrás, sem saber para que lado

fugir, os olhos brilhantes observando cada movimento seu.

"Sim, eu sou sua mulher, mas você não me ama. Você ama a perseguição e como seu

pênis faz você se sentir." Ela bufou em desgosto. "Você sabe que Sally está grávida?"

"Ela... Ela me disse esta tarde."

"E qual é o seu plano, Malachi?"

"Eu ia falar com você sobre isso, quando fosse o momento certo." Indignado, ele

franziu o cenho para ela. "Você tinha um monte de tapa nervoso no prato de espaguete sobre

sua cabeça. Como você pode ser tão cruel?"

"Sou cruel? Você é o único a ter um caso. Você é o único que tem outra mulher grávida

e você me chama de cruel? Ela tem sorte de eu não fazer pior com ela." Naquele momento,

ela se perguntava o que tinha visto em Malachi Dempsey. Se ele tivesse sido sempre assim e

ela se apaixonou por ele para ver? "O que você pretende fazer sobre esta situação?" Ela

perguntou de novo.

"Pedir-lhe o divórcio."

Lá. Ele disse isso. Ele provou que nunca a amou. Com sua honestidade, o peso em seu

coração se desintegrou.

"Eu me pergunto como Sally vai se sentir quando perceber que você lhe deixou nada,

além da dor também." Disse ela.

Página
40
“Bem, o que isso quer dizer?” Ele olhou para ela com inquietação.

As vozes assustadoras ficaram impacientes. "Faça isso! Diga as palavras! Liberte a sua

dor!"

Deirdre se mudou para ficar na periferia da iluminação dos vaga-lumes. "Eu dou à luz

a dor que você me deu, Malachi Dempsey!"

Página
41
Capítulo Sete

O tronco começou a crescer. Sua casca de salgueiro áspera tomou a forma da árvore

que tinha sido anos atrás. Ramos brotaram de vários ângulos, a bola de névoa pairando

mudando para acomodar os membros drapeados. Raízes puncionaram da terra.

Malachi proferiu algumas palavras ininteligíveis. Ele cambaleou para trás, mas

membros drapejaram do salgueiro enlaçando-o e puxando-o para o seu tronco. Uma névoa

branca espessa derivou fora e flutuou em direção às sombras, onde a voz tinha estado.

Lutando, ele gritou: "Deirdre, não faça isso!"

Lágrimas caíram por suas bochechas. "Se esta é a única maneira de mantê-lo de ferir

alguém, então que assim seja." Ela sussurrou. "Você só vai fazer para Sally o que fez para

mim. Não posso amar um homem com um coração errante, e não quero ver você machucar

mais ninguém."

Ela se aproximou dele e desatou a frente de suas calças. Com seu pênis em suas mãos,

ela massageou até que respondeu, cresceu mais duro, mais longo.

"O que diabos você está fazendo?" Vociferou ele. "Isso é algum tipo de jogo sexual

novo?"

Ela o sentiu relaxar, e seu pênis cresceu com sangue, balançando levemente em sua

mão como Malachi, obviamente, acreditava que isto era tudo uma brincadeira e tinha

começado a pensar que isto era uma nova experiência sexual.

Ela se inclinou e deslizou seu pênis em sua boca, profundamente engolindo-o. Ele

gemeu e empurrou seu pau no mais longe.

"Eu não tinha ideia de que estava nessas coisas bizarras." Ele suspirou, rindo. "Isso

certamente muda as coisas."

Lançando seu pau duro, ela se endireitou. "Sim." Ela respondeu, seu tom vazio de

emoção. "Certamente que sim."

Ela empurrou-o de volta para que ele reclinasse dentro da casca da árvore e o

montou. Ela empurrou sua boceta para baixo sobre seu pênis ansioso e imediatamente

Página
42
começou um movimento de gangorra. Seu membro cresceu mais frio, mais áspero, mas

quando o clímax construiu dentro dela e ela resmungou sua libertação, Malachi começou a

gemer a sério.

“Você sente tão malditamente bem.” Ele gritou para a escuridão. "Eu não posso

acreditar o quão bom! Isto é incrível...”

Ele contraiu seus quadris mais duro, mas ela se levantou e se afastou dele.

“O que?” Confuso, o marido olhou para ela. “O que você está fazendo? Eu não

terminei. Venha aqui, querida. Deixe-me fodê-la um pouco mais. Eu preciso gozar tão ruim

que eu não aguento mais."

"Desculpe." Ela disse, e realmente quis dizer isso. "Eu temo que seja parte de sua

punição."

Ele franziu a testa. “Que história é essa?”

Ela apontou, e ele olhou para baixo.

"Que merda você fez comigo?" Ele gritou e puxou as raízes e galhos aprisionando-

o. "O que você fez com o meu pau?" Ele olhou para o membro pequeno coberto de casca

áspera que tinha sido o seu pênis. "Deirdre, altere-o de volta!" Ele pediu como se fosse uma

criança petulante.

"Desculpe." Disse ela novamente. "Você deveria ter me amado, Malachi. Você deveria

ter sido fiel. Agora você vai sofrer, a necessidade de gozar e não conseguirá fazê-lo, enquanto

você gastar o seu aprisionamento no tronco. E se você pensar em mim ou qualquer das

outras mulheres que você fez amor, a necessidade vai piorar. Quando você estiver

verdadeiramente arrependido, e o próximo coração errante precisar de punição, alguém vai

liberá-lo."

O tronco fechou em torno de seu marido e seus gritos frenéticos, abafando o barulho

aterrorizante. Quando o salgueiro cresceu e enviou suas raízes profundas na terra, os gritos

de Malachi pararam completamente, e o silêncio cobriu a noite.

O salgueiro enorme resolveu no chão. Um suspiro emanou dele. Tudo o que restava

era a esfera de vaga-lumes e um bocado de nevoeiro denso que parecia circundar a árvore.

Página
43
"Liberados." Ela resmungou, infelizmente, e observou como os insetos

bioluminescentes espalharam sobre a brisa da noite como se fossem faíscas verdes.

A criatura, torcida disforme arrastou para seus pés. Ele tocou seu tornozelo nu,

murmurando. "Você está livre de sua dor agora."

“Eu estou...”

"Sim, agora que outro coração errante tomou seu lugar no tronco."

"Em seu lugar...?"

"Temos que ir agora." A fada fez um gesto para os olhos luminosos na grama. "Chame

se precisar de nós novamente."

“Obrigada.”

"Você já fez. A torta e leite estavam divinos." Ele acenou de despedida. "Você ganhou

sua recompensa para o seu longo sofrimento. Trate-o bem."

A criatura mancou fora, e em breve todos os olhos vívidos desapareceram.

A névoa lançada no início da árvore desviou para Deirdre. Ela ficou paralisada, pois

formou uma coluna de altura, que pulsava brilhantemente na noite. A névoa solidificou,

mudando para cores mais profundas e, finalmente, formando o grande homem negro que

tinha vislumbrado nos últimos dois dias. Luar derramou em cima dele, iluminando o rosto

liso, cinzelado, cabelo despojado perto, e os aros pequenos de ouro em cada orelha. Sem

camisa, ele usava apenas um par de ásperas calças de sacos de grãos, apertadas em torno de

uma cintura da guarnição. Seus pés descalços pareciam incrivelmente grandes ao lado dela

na grama úmida.

Ela olhou para ele, e ele sorriu de volta com os olhos exatamente como o dela, um de

ouro, um verde.

"Você é perfeito." Pensou ela, atordoada. "E grande."

Seu sorriso aumentou. "Eu paguei o meu preço. Agora Malachi deve pagar o seu."

Ela considerou o salgueiro que agora cresceu onde ela tinha colocado o baú estranho.

Gente iria querer saber o que aconteceu com Malachi Dempsey, e ela diria que tinha

embalado algumas roupas e saído da cidade com uma mulher que tinha estado de

Página
44
passagem. Tudo o que ele deixou eram contas, sua caminhonete, e um coração quebrado.

"Deixe-me te amar como eu queria há muito tempo." Ele resmungou ao lado dela, com

a voz cheia de emoção. "Eu vou dar-lhe o que deveria ter dado a outra, antes que fosse

amaldiçoado e condenado à prisão." Ele acenou com a cabeça em direção à árvore.

Ela sorriu de volta para o homem e colocou-lhe a mão na sua.

"Como eu sei que você não está ainda amaldiçoado com um coração errante?"

perguntou ela.

Ele riu, o som profundo e robusto mexendo as fibras de magia e amor dentro

dela. "Você tem o poder de Mamaw Pearl em suas veias e possui seus livros. Esses feitiços

têm sido transmitidos através das décadas."

"Quem é você?" perguntou ela.

"Meu nome é Lewis, mas meu nome espiritual é Gullah Hoops." Ele tocou um de seus

brincos de ouro. "Eu era um escravo durante o início de 1800." Respondeu ele. "Meu mestre

deu-me uma mulher grande, robusta, porque ele queria que nós lhe fornecêssemos uma

prole forte, mas eu amava outra. Ciúme de minha esposa a levou a usar a magia do salgueiro

e prendeu-me no tronco."

"Mas esse foi um momento diferente e uma situação diferente. Você não tinha um

coração errante, porque já estava apaixonado por outro quando o seu mestre interferiu."

"Eu sei." Ele balançou a cabeça, triste: "Mas eu ainda estava vinculado ao que meu

mestre me deu, pelo que o feitiço funcionou independentemente."

"Vamos para a casa." Disse ela.

"Eu vou seguir você até os confins da terra." Ele a puxou contra seu lado.

Com o toque de seu corpo, uma emoção acabou por Deirdre. Seu ritmo cardíaco

acelerou, e desejo enrolou em sua barriga. Enquanto passeavam juntos pelo jardim, ela se

maravilhou sobre como ele teve tal efeito profundo sobre ela.

"Parece que eu esperei uma eternidade para alguém me liberar." Disse ela. "Mas

esperar por você parecia ainda mais."

"A árvore." Ela se virou e olhou de volta o salgueiro. "Como faço para torná-la um baú

Página
45
de novo?"

"Está encantada, então pela manhã será um baú mais uma vez, e vou devolvê-lo ao seu

lugar secreto no armário."

"Como minha família a obteve como baú?" Um pensamento surpreendente a atingiu, e

seus olhos se arregalaram. "Minha família não é descendente de sua esposa, não é?"

Ele balançou a cabeça. "Minha esposa deu o baú para o meu primeiro amor, como

forma de machucá-la mais. Ela poderia ter-me, mas não podia me soltar."

"Isso é tão triste."

"Quando você e Malachi puxaram-no de seu esconderijo, a sua magia falou

comigo. Eu era capaz de extrair energia de você e usá-la para fugir em tempos curtos, em

forma de espírito. No entanto, descobri que havia limites. Amar como um fantasma é quase

tão ruim quanto estar preso no baú."

"Isso é o que você quis dizer sobre a minha força." Afirmou. "Meus poderes são fortes."

"Sim, mas sua pessoa é forte, também. Levou muita força para parar Malachi."

Ela assentiu, mas não disse nada. Finalmente acabou.

Eles fizeram uma pausa nos degraus da varanda, e Lewis estudou por um longo

momento. Ela perdeu-se em seus olhos mágicos. Ela se sentia culpada por aprisionar

Malachi, mas uma vez que ele realmente se arrependesse, teria uma segunda chance um

dia. Sua felicidade resultava de uma fonte escura, mas no final ele levaria para a felicidade de

todos.

"Agora, nós dois podemos começar de novo." Murmurou Lewis. "Eu amo você,

Deirdre. Quero construir uma vida com você e criar uma família."

“Isso é tudo que eu sempre quis.” Ela colocou as mãos espalmadas sobre o peito e

sorriu para ele. O calor de seu corpo penetrando as palmas das mãos, e ela se perguntou

como seria a sensação de tê-lo mergulhado em seu interior, todo o seu corpo quente e

escorregadio contra o dela.

Ele segurou seu rosto. "Se você me tiver, vou ser seu para sempre, meu amor."

"Ah, sim." Ela deu um passo em seu abraço. "Para sempre soa divino."

Página
46
"Vamos selar o nosso amor."

"Já era tempo, não é?" Respondeu ela, rindo.

Seu riso encantado fundindo com a dela. "Tem sido assim por muito tempo desde que

eu tenha conhecido o toque de uma mulher. Quando eu era capaz de visitá-la, a necessidade

de mantê-la subjugava todo o resto."

Ela respirou seu cheiro, inebriante masculino. Desta vez, sabia que seu amor iria

durar. Ela percebeu isso e tirou a força dela.

Rapidamente, Lewis varreu-a em seus braços e subiu os degraus.

"Há uma coisa que eu quero fazer antes de fazer amor." Disse ela, chegando a abrir a

porta.

"O que é?"

"Colocar lençóis limpos na cama."

Sua risada rolou pela casa como um trovão, e o coração de Deirdre pulou ao som.

FIM

Acesse meu blog: http://angellicas.blogspot.com

Página
47