Você está na página 1de 1

Brasil Seikyo - Edição 1654 - 01/06/2002 - pág.

C3 - Caderno Soka

Brasil Seikyo - Caderno Soka

Como encarar o aborto?

Trecho de diálogo do presidente Daisaku anticoncepcionais, e não aos abortos. (...)


Ikeda publicado no BS no 1.530, de 6 de
novembro de 1999, página C3, e no livro Concordo com o senhor em que, em casos
Valores Humanos num Mundo em de estupro e incesto, o aborto possa ser
Mutação, Editora Record, págs. 241–243: uma medida concebível, nitidamente de
Dizem que o número de abortos realizados último recurso, mas insisto em que é mais
anualmente no Japão é igual ao número importante criar condições sociais e morais
de crianças que nascem. Aqui e em outros nas quais não ocorra estupro nem incesto
países onde o aborto é ilegal, vozes do que abortar as crianças resultantes.
pedindo sua legalização estão sendo
ouvidas. Do ponto de vista de impedir No que diz respeito a fetos geneticamente
ainda mais o crescimento demográfico, o deficientes, acho que não devem ser
aborto parece não só permissível, mas poupados esforços para se descobrir a real
também inevitável. Do ângulo do respeito gravidade do defeito. Se for possível que
pela vida, porém, não deve ser sancionado. seja apenas leve, o aborto torna-se
Como defensor do respeito pela vida, sou inadmissível. Se grave, o estado e sua
inteiramente contrário ao aborto na maioria gravidade relativas devem ser clara e
dos casos, porquanto considero errado imediatamente explicados aos pais, que
terminar artificialmente uma vida já iniciada devem então decidir se a esposa levará a
e, assim, condená-la à escuridão antes gravidez a termo. Claro que, nesse caso,
mesmo de ela chegar a ver a luz. Além do todo cuidado deve ser tomado para que
mais, o aborto é física e mentalmente uma nada seja feito de modo que provoque o
crueldade para com a mãe e, se realizado risco de um feto defeituoso. Mulheres
com freqüência, pode torná-la estéril. grávidas devem evitar tudo — remédios,
produtos químicos, infecções viróticas,
Quando pode ser provado que a radiação, e assim por diante — que possa
continuação da gravidez ou o parto a ocasionar efeitos genéticos prejudiciais ao
termo são perigosos para a mãe, julgo o feto.
aborto aceitável. Mas não consigo
concordar com a lei japonesa que
reconhece motivos econômicos como
justificativa aceitável do aborto. Em
primeiro lugar, outros métodos sociais
precisam ser empregados para melhorar a
situação econômica da mãe. Em segundo,
se os pais são pobres demais para terem
filhos, devem recorrer a métodos

Daniel Gomes da Costa (771476-9) / pág. 1.