Você está na página 1de 5

Terceira Civilização - Edição 438 - 01/02/2005 - pág.

56 - Diálogo Sobre a Filosofia Budista

Terceira Civilização - Diálogo Sobre a Filosofia Budista

DIGNIDADE DA VIDA

Convidados manifestou sua posição sobre o aborto da


seguinte forma: “Como defensor do
Júlio Tadachi China, vice-coordenador da CCSP; respeito pela vida, sou inteiramente
Maria de Nazareth da Fonseca Solino, contrário ao aborto na maioria dos casos,
vice-coordenadora do Departamento de Saúde pois considero errado terminar
da BSGI; e Reginaldo Tateigi, vice-coordenador artificialmente uma vida já iniciada e, assim,
da DJ da BSGI. condená-la à escuridão antes de ela
chegar sequer a ver a luz. Além disso, o
Terceira Civilização — Uma vez que o aborto é física e mentalmente uma
budismo preza, acima de tudo, a vida de crueldade com a mãe e, se realizado com
cada ser humano, seria correto, no caso de freqüência, pode torná-la estéril.”2 Para
famílias menos favorecidas ele, o único caso “aceitável” é quando a
financeiramente, praticar o aborto, para vida da mãe está ameaçada. Para que isso
“não colocar alguém no mundo para não ocorra, ele defende que a causa
sofrer”? A propósito, o que os senhores básica deve ser erradicada, como medidas
pensam sobre a gravidez indesejada e sociais para diminuição da violência,
precoce? controle da natalidade e cuidados
pré-natais.
Maria de Nazareth da Fonseca Solino —
Nitiren Daishonin constantemente afirmava Júlio Tadachi China — O budismo é, de
que uma única vida vale mais do que o fato, contra o aborto. No entanto, essa é
maior sistema de mundos. Na escritura “A uma decisão que está no campo e na
tartaruga de um olho só e o tronco de dimensão dos valores pessoais,
sândalo flutuante”, ele compara a raridade comandados pelo estado de vida
de nascer como ser humano à dominante no momento da decisão,
permanência da tartaruga no fundo do mar conforme já explicado. Um exemplo típico
por um período de mil anos. Por outro lado, dessa situação é que, embora pratique o
o presidente Toda afirmava que “a vida budismo, não se está imune a filhos que
humana e a Terra constituem um único recorram às drogas ou a familiares que
organismo vivo na imensurável vastidão do tomem decisões equivocadas. Em ambos
Cosmo” e que, “neste contexto, o os casos, pode haver uma falha na ética da
nascimento de uma nova vida não é convivência familiar que, juntando-se à
apenas uma questão de um bebê propensão cármica, faz surgir a
emergindo do útero de sua mãe, mas um circunstância. Desejar ampliar essa
evento em conexão entre nosso planeta e compreensão da ética da vida é
o Cosmo como um todo”.1 E no diálogo fundamental para o praticante do budismo.
com Bryan Wilson, o presidente Ikeda É nesse sentido que o maior patrimônio de

Daniel Gomes da Costa (771476-9) / pág. 1.


Terceira Civilização - Edição 438 - 01/02/2005 - pág. 56 - Diálogo Sobre a Filosofia Budista

um budista é justamente a amplitude e a pode ser exercido dentro dos dez níveis de
dimensão da consciência da lei de causa e energia representados pelos dez estados
efeito. Consciente disso, o budismo é uma de vida, o que significa que ao escolher a
filosofia que permite ampla liberdade de forma de praticá-lo, o jovem pode estar
ação. optando pela descoberta e o prazer sadio,
ou por mais sofrimento.
Nazareth — É verdade. Quanto à gravidez
indesejada, é certo que hoje a mídia Reginaldo Tateigi — Educação, filosofia e
praticamente empurra os jovens para a valores éticos apurados melhorariam
vida sexual e muitas vezes os próprios muito essa visão. Nosso mestre nos
pais, sem perceberem, alimentam a oferece tudo isso numa amplitude
supervalorização do sexo como fonte de fenomenal e inigualável. Nosso movimento
prazer e identidade. Os rapazes são é da mudança da realidade negativa para a
estimulados muito cedo à vida sexual e positiva, e o compromisso pessoal com a
algumas moças, que ainda não a iniciaram, filosofia e a fé é a base para efetivar isso,
sentem-se sem atrativos e diferentes. que é missão e não mero objetivo.
Enquanto isso, outros prazeres como ler
um bom livro, exercer a criatividade de Terceira Civilização — Outros assuntos
estar em contato com a natureza, praticar ainda em debates são: clonagem, doação
esportes são esquecidos. É necessário de órgãos e eutanásia. Com base na visão
esclarecer os jovens sobre as budista, poderiam comentar a respeito?
responsabilidades da vida sexual. Ao
iniciá-la, tanto a mulher quanto o homem Tateigi — A questão da eutanásia na visão
devem saber que estão assumindo riscos comum justifica-se em poupar o paciente
como doenças sexualmente de mais sofrimentos decorrentes da
transmissíveis, gravidez e frustrações doença clinicamente irreversível, cessando
(afetivas, emocionais e mesmo sexuais), premeditadamente sua vida. Em um
entre outros. Assim, além do exame quadro clínico de falência de órgãos vitais,
preventivo, devem estar atentos para a dependência plena de aparelhos
infecções que podem aumentar as médicos para manutenção dos sinais e
chances de terem câncer e doenças de funções vitais do organismo não oferece
próstata no futuro. Devem exercer suas nenhuma esperança de recuperação,
atividades dignamente, sem se exporem a mesmo na melhor das expectativas.
situações e locais que podem ser fonte de Porém, por pior que esteja, o paciente está
doenças e outras situações vivo quando se pratica a eutanásia.
constrangedoras, e saber que uma
gravidez indesejada e precoce pode China — Exatamente. Um único momento
interromper um projeto de vida — os de vida é muito precioso. Nas escrituras de
estudos, o trabalho etc. —, além de Nitiren Daishonin consta: “A vida é a mais
torná-los mais dependentes dos pais e preciosa de todas as posses. Se a senhora
responsáveis por outra vida além da sua. O for capaz de estender sua vida mesmo por
sexo, como qualquer atividade humana, um dia, será mais valioso do que dez

Daniel Gomes da Costa (771476-9) / pág. 2.


Terceira Civilização - Edição 438 - 01/02/2005 - pág. 56 - Diálogo Sobre a Filosofia Budista

milhões de ryo de ouro. É por causa do casa, junto a médicos ou enfermeiras,


capítulo Juryo que o Sutra de Lótus é aproveitava para falar sobre o budismo aos
superior a todos os outros sutras. O maior que não o conheciam. Naturalmente, seus
príncipe do mundo seria de menor familiares sofriam muito pelo avanço de
importância do que a grama se não fosse sua doença. Mesmo assim, ela prolongou
capaz de viver além de sua infância. sua vida por mais de dois anos. Quando
Mesmo um homem com sabedoria tão faleceu, demonstrou uma vitalidade que
brilhante como o Sol seria de menor não se vê na mais saudável das pessoas.
significado do que um cão vivo se Mesmo nos últimos instantes, ela
morresse ainda jovem. Apresse-se em preocupava-se com as pessoas ao redor,
acumular o tesouro de sua fé e supere a buscando fazer o melhor para cada uma
sua doença sem um momento de atraso.”3 delas. Ela ensinou a importância de ser
forte até o último instante e comprovou o
Tateigi — Tanto a questão da eutanásia estado de Buda no momento mais crítico
como a do transplante de órgãos encontra de sua vida. Por isso, cada instante valia
impasse dentro da ótica budista no mais do que qualquer tesouro. Até hoje
seguinte ponto: qual é o momento exato seu relato incentiva muitas pessoas, o que
em que a vida cessa? Interromper a vida poderia ser diferente se ela tivesse
ou adiantar o momento dela acabar é um desistido e se entregado à morte.
atentado contra a dignidade da vida, pois
foge da ordem natural das coisas. Afinal, Nazareth — Embora o tempo de vida seja
conforme o trecho da escritura citado pelo um carma determinado, este pode ser
China, enquanto houver vida, há esperança modificado. No período em que trabalhei
e vale a pena viver. Existem relatos de com doentes graves, lembro-me de como
pacientes terminais que desenvolveram era difícil, no caso de alguns pacientes,
inacreditável recuperação e conseguiram prever se haveria ou não a recuperação.
prolongar a vida mesmo que por poucos Freqüentemente éramos surpreendidos
minutos, sendo este, porém, o tempo quando tudo parecia apontar para um
suficiente para fazer a diferença de uma resultado e outro completamente
vida inteira para o paciente ou para as diferente acontecia. Também no diálogo
pessoas próximas. Por exemplo, com Bryan Wilson, o presidente Ikeda
recentemente, eu e minha esposa vivemos analisa que a dor da proximidade da morte
um episódio que nos emocionou muito. não se restringe apenas à dimensão física,
Trata-se de um membro da Divisão mas engloba outros três tipos de
Feminina bastante veterana na prática. Ela sofrimentos: o sofrimento com tormento, o
estava em fase terminal de câncer. Apesar sofrimento da negação do prazer e o
do intenso sofrimento, jamais lamentou sofrimento com conhecimento da
seu infortúnio. Ao contrário, dedicava-se impermanência de todos os fenômenos.
diligentemente à prática. Em todo o tempo Ele conclui que o desenvolvimento da
que permanecia desperta, recitava ciência médica no combate à dor
Daimoku e pedia a todos ao seu redor para associado ao cuidado afetuoso da família e
fazer o mesmo. Seja no hospital ou em a assistência da religião podem prover

Daniel Gomes da Costa (771476-9) / pág. 3.


Terceira Civilização - Edição 438 - 01/02/2005 - pág. 56 - Diálogo Sobre a Filosofia Budista

uma morte tranqüila sem haver a deve ser ajudado e curado, e não servir
necessidade de se discutir a eutanásia. como material de experimentação”, disse.5
Por outro lado, no livro On Being Human
China — Correto. E não há como coibir esse (Sobre o Ser Humano) opõe-se
comportamento se não houver consciência radicalmente à idéia de usarmos um ser
da dimensão cósmica da vida, como já dito vivo como banco de órgãos, exaurindo
anteriormente. É fato que o raciocínio dessa vida qualquer traço de dignidade.6
simplista de aliviar o sofrimento não Assim, embora o budismo não se oponha
contempla essa dimensão. Ao mesmo ao desenvolvimento da ciência e considere
tempo penso que a ciência deveria fazer que faz parte do carma nascer numa
todo o esforço possível para que pessoas época em que a Medicina está avançada
em estágio terminal tenham menos dor, e nos métodos para retardar o
os hospitais deveriam também buscar envelhecimento e curar determinadas
novos caminhos para humanizar tanto doenças, a utilização da tecnologia deve
custos como ambiente, a ponto de permitir estar submetida ao respeito à dignidade da
a presença mais constante da família ao vida, o que implica em se analisar vários
lado do paciente, enquanto oferece o aspectos, desde o nível de certeza da
melhor tratamento. morte do doador, nos casos de doação, até
o uso do ser humano como material de
Penso que sofrimentos de toda ordem, experimentação, no caso da clonagem e
seja ao paciente seja à família, impingido outros.
pelo tratamento e pelo ambiente
hospitalar — e a pressão dos custos Tateigi — Portanto, como praticantes
financeiros — são fatores que, considerada budistas, temos a condição e devemos
a ausência quase que total de ética pela evocar o poder da prática no sentido de
falta de filosofias de valor, tem hoje uma promover a transformação dos sofrimentos
forte influência nas decisões que induzem da doença e morte. Hoje urge a
à eutanásia. necessidade de um sistema ético a nortear
os avanços da biotecnologia. Parece soar
Nazareth — Com relação ao transplante de como aberração a clonagem de animais e
órgãos, o presidente Ikeda abordou esta até seres humanos, como muitos cientistas
questão no diálogo com Arnold Toynbee, desejam aventurar-se. Por outro lado, soa
alertando quanto à importância de se como maravilhoso a solução de inúmeros
constatar a morte do doador antes da males de saúde, substituindo órgãos
retirada dos órgãos.4 Com Bryan Wilson, deficientes por órgão transplantados, ou
enfatizou a importância da participação da mesmo clonados sadios. Ou, mais
sociedade no controle da aplicação da recentemente, por células-tronco para
tecnologia médica, uma vez que pode resolução de várias doenças. Como já dito,
representar um risco para toda a doar ou não doar os órgãos é uma questão
humanidade: “A Medicina existe não no completamente pessoal. Contribuir para
interesse do nosso próprio progresso, mas que a pessoa melhore sua saúde não é o
no interesse da humanidade. O paciente problema. Mas, independentemente de

Daniel Gomes da Costa (771476-9) / pág. 4.


Terceira Civilização - Edição 438 - 01/02/2005 - pág. 56 - Diálogo Sobre a Filosofia Budista

uma bioética estabelecida em senso


comum a nortear nossos avanços nas
ciências médicas, um ponto é fato: não se
pode mudar o carma da noite para o dia.
Portanto, seja por meio de um órgão
transplantado, ou células-tronco
embrionárias, não se pode dizer
simplesmente que a partir desse momento
a pessoa não tem mais este carma de
doença, pois não se pode fugir do seu mau
destino. Por isso, é muito importante
refletir sobre a condição de vida,
encarando-a com a responsabilidade e
compreensão do princípio de causa e
efeito. Ou seja, a solução não está fora,
mas fundamentalmente dentro de si
próprio. Com a prática, podemos
transformar positivamente o mau carma
criado no passado, evitando, dessa forma,
darmos voltas e mais voltas para
depararmo-nos com ele novamente no
futuro. Este é o grande diferencial da
prática budista!

notas

1. Daisaku Ikeda, Unlocking the Mysteries of Birth and Death: Buddhism in Contemporary

World (Desvendando os Mistérios do Nascimento e da Morte: O Budismo no Mundo

Contemporâneo), Editora Warner Books, 1988, pág. 20.

2. Daisaku Ikeda e Bryan Wilson, Valores Humanos num Mundo em Mutação, Editora

Record, 1984, pág. 246.

3. As Escrituras de Nitiren Daishonin, vol. I, pág. 194.

4. Arnold Toynbee e Daisaku Ikeda, Escolha a Vida, Editora Record, 1976, pág. 92.

5. Daisaku Ikeda e Bryan Wilson, Valores Humanos num Mundo em Mutação, Editora

Record, 1984, pág. 203.

6. Daisaku Ikeda, On Being Human — Where Ethics, Medicine and Spirituality Converge

(Sobre o Ser Humano — Onde a Ética, a Medicina e a Espiritualidade Convergem),

Middleway Press, 2001, pág. 47.

Daniel Gomes da Costa (771476-9) / pág. 5.