Você está na página 1de 18

.

v:
lj)d{_ o"fl/ff'l
UNIVE!tSilJ!\l)E FEDSHl\L Dl\ Pl\HAIBl\
CEWl'HO DE Cif.:NCJJ\S E 'l'EO~OLOGIA
:Jlt.f!ff
DEPAI\'l'M1EN'l'O DE ENGENlll\lUl\ EL.8TRJ;C/\

Ll\OOM'l'OfUO DE INS'J'HUl'íl-:NTl\C'l\0 ELE1'R0NICJ\.

EXPERif:NCIJ\ i~9 1

f' OBJE'I'IVOS: Estudo do awplificudor d:l[ercllciul. Determit uí;ão do ganho dife -


r .rc~ncial , ganho modo comut11 e razão de rejeiç o de modo comu1n
(C11RH) . V~:~rlficação do p:rodul:.o ganho x faix de passagem .

Proje te C! monte os ;)mpl.i.fic.:Hlorcs cLlf.ercnc:i..:d.s as guJ.r, para Uill q ;n-.ho


di!crenclnl ~e ~u dU .
Verifiqu e exper.i men talracnte , com o osciloscópio , o ganho di ferenci u J •
Faça V1 = V = 5VSQn2'tfl00t. Mcç.:.l ;'!· tcnsZio nu saída e determine o 9 .:.m ho
2
modo comum c a raz:J.o de rejeição de 111odo c o1uum (Ct1RR) .
Calcule e deton~ine , experirnentaln~nte, a resposta em frequência .
Coll!p.J.re o r<:>sult.J.do obtido com o produto gunho x faixu de passugetn do
am}:.>lificador operaciotF•l em uso . ··
F.xpliq~c os conceitos de g?n ho diferencial, ganho modo comum e ruzuo de
rej e i çao de modo comum (Ct-1Íill) .
Cite algu10ns vuntugens do amplificador diferencial da figura 2 sobre o
amplificador dlfcrencial da figuru l.
Efetue as tnontagens acima usando os amplificudores operacionais Li·1324 e
'l'L08 tl.
J

I,' A , \ I j' • ~ • "' '"'

,. ;

·' 1

.. ,_-. ' - - - -· .... -

FIGU.R.I\ 1

FIGUl~ 2
'Vy- 'l..Ç t
f2-~ -f'4
~-'llf

õ; - '1/i
~)
~-0
(L,
t
- P-4 o

~ +- 'VJ_ - 'lJ 'l.


r-l fi~ fL4

I~ rf; = - &- (111 -11-z. )


\_ I ~" ______~
__.;1:.-;--

C-.18 < Z.oi<>o 6- -) 4o ~ 2oi,G- ~) lo~(r: 2 -t> f ={~ /


c;. 9 L ~ =~oj.

~ Pore\ 1\Me.-fro<; Jo rroje..-\-u;


~3: {00 l<Jl

\ lttt L f-Jt

/ ~--........j----
(A..o~ h..("fWI( lAti ri J~\ c.'-\ +r4 ..bl 1 ! Vl\rt_f wrq <- 1-'\cS _ t"1. v h~ ,! ~ r-c:..t-r -
VQ ryy, -e. "'t +(. :

ou i ' ~Pl~'M-e...v..+-e. 1 tl~Q' .L.J-ki"<.M.ucJ ok

I"""' "Ui-~
---___T
(

A- ()V\~ J.~" ck~ kl S.tV>C( tS. c:k.. {M k~ .,4.~ .d o q ctl c:k. e.M."-r-o... k.

A9o ra 1 "\.. +(~\..<_<:.~ ck S.a.J ~ 'Võ po c:k ~ (_'f-

~'ViJ t !+-;;::;-,.,,.. ]
I

o j"' vt ~ M .çe.~ t.~c_\.l


o j C( '-\. 'k..o z"""' Jo t.ô 0v\. u 'W') •

A
r'\ (_C( f Cl. U r
<='c. ck \~
.;<(_ VMJ\ AM P 0 ~ N-J ~I te.<('
1..-0 W--l.l NV\ -<.t ~ ~ (J -h_ '--(X ~ <\. .e_.-1\tV\ 4- OI('fVv..-0 s da
<-"'M Mo ~ Go '\N\..vfWI ( f'2-fi.-M c)_ _ __ _ _ __

(Lfi-M. c. .:

-+ )
,-----..

'

"t<J~V / J.v
1 Lo~q j. 'UJ"" ., I&.. J
·- A
3

- 1
r v-r ~o

- (,._. 11 oiV

-tflJJ~~ ~
I r_,, ~~· '

'1fovl ::
&o /'fV ·1 Ç-u./ A W v-- f

G:,otrl
f-UM~ =) (rfN t- =
C;

1'2..:1-'/J (. =- P- .:::
!loo "-) Q...(U{C -= )1'3:11
... _ _ .!_
Ac:.I)Y' OrD12-

í • I
~ C....O( )... Qt(

'I
,__ ~

\
(

....<:. r ·;_'A:-)
.--1 ~
I
(""'.

I"'

,...
~
UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA
CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA
n DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA
......._

~
LABORATÓRIO DE INSTRUMENTAÇÃO ELETRÔNIC
~

0
n
EXPERIMENTO 2 - AMPERÍMETROS E VOLTÍME~ROS
~ A medição de uma corrente ou tensão em um circuito pode apresentar, d~pendendo do tipo
de instrumento utilizado e dos valores dos componentes envolvidos, valores ditrentes do espera-
",... do. Essa diferença pode ser causada pela resistência do amperímetro ou voltí etro em uso que,
em associação com as resistências do circuito em análise, produzem uma reais ência equivalente
que contribui para um novo valor de corrente ou tensão. Essa resistência do instrumento, fun-
~"""\ cionando como uma carga a mais para o circuito, provoca uma leitura com vdtor de corrente ou
r'\
tensão diferente do valor esperado, o que se constitui um erro de medição coJmmente chamado
de erro de carregamento.
r'\

I'"' OBJETIVOS: Medição de corrente e tensão DC usando microamperíJ etro. Observação


(""', e análise do erro de carregamento no medição de corrente e tensão DC.
(""\,
1. Utilizando um microarnperímetro de 500p,A e resistência interna de 600~, meça a corrente
......... f
no circuito da fig.l. Repita a medição com o circuito da fig.2. Compare resultado obtido
.,..... com o esperado teoricamente. Justifique .
,... 2. Considere o circuito da fig.3. Meça a ten..c;ão Vó usando o voltímetr e o osciloscópio.
r'\ Compare o resultado obtido com o valor calculado teoricamente. Meça tensão Vo usando
o voltímetro e o osciloscópio simultaneamente. Observe o efeito d~ impcdâncias do
"'
('\ o
voltímetro e do osciloscópio no ponto de medição. Justifique o valor mfdido.
('\ a) R = lKO b) R = 20KO c) R = 1i1n
.,.....
3. Repita o item anterior com o circuito da fig.4. Compare os resultados e justifique os
,-.., valores encontrados. I ,
r-.
lK
"r-.
'"""
IV.l
I'""\

,.. fig. 1

r'\

I'""\

I'""\

1""'\

r>

""""" 12V 12\1

"
r"\

"
/"") r;0 . 4
,... fiQ. 3

A
.-..
""
'"'
"\
I"'
,/
r.
n
n
""'\

0
í\
!""'\

,....,._

!"""\
r-..

-
L
:t;,: 3
- --
~
S~fA

1...\(

l.V ~

b)
\ tL

~·~

\ lV
,-
1\ t~/ ~ 3i-0}J 1-
=~
t~(l v:> ~ ~~1y A

1
-c-vv _(.
')/{ '

L ~ \ ~~o - _s~o
1 l•

~ t-~ 4./ o
~
4~0 .......--.,...

I
!(Q'-'e~ ~-~
--- / >

--·~ ~

r-;~"1~ ~ Lr~
- l ~. k' -'L
f?k52. i
~fl5L

E': 1
1.> ,') '/
... --- .... .--- I
+
~' .:1-l v
l O~c.t \.o.::.~ ~ ·--<J I r? r)·/

r
~.o.;
T"''"' l' \ '-~ .1,.<' I) '
r Ó•V J
~
'I -{.
J? 'ô'81/ I
110~ ,;
.l. I
r 1 1-
0':-u, o<:.,_;::)'~'-<:> \ t,, 0 ·1
0 1o'/ -d
l t +
i.{/ J /
I'

~
-t-
J '.{))__ ~~'f)(_
~1'-'JL
't
ç,w-:;v 0,•> 'J 6, ,, '/
I
~

,_ (,,ov
b,() •J f.,., o'/ t
r. I
t
c;,~> •j
(,, ''1 v r
t f. o I
'-
1'
~.v v ~.v I)
r;,o .;
r'l

,..,'""" I"

r\
..
r\

,..,
Universidade Federal da Paraíba- UFPB
r"\ Centro de Ciências e Tecnologia- CCT
Departamento de Engenharia Elétrica - DEE
"' Laboratório de Instrumentação Eletrônica
Profeaor: Glldip Singh Oeep (deep@dee.ufpb.br}
"
,..,
Aluno(a):_lkrf~ '.) \\or :;}~ k \
........_

,..,
32 Experimento • Detetor de Pico e Deteto r de Pico a Pico
" 1) Usando um mícroamperlmetro de 500uA projete um voltímetro com fundo e escala de 3V.
r
Com o voltlmetro projetado meça as tensões de pico dos circuitos a seguir.
" Monte as configurações dos circuitos detetares de pico abaixo. Observe as f rmas de onda do
sinal a ser medido e sobre o microamperímetro. Explique as características e cada uma das
configurações montadas.
r\

,.......,
,.....,.
(1)
,......._

r-.

",.......,
r"\

"
,......._

r">

(">

"
,-...,
I
experiment~ us~ndo
,--..
2)
--
r-.
Repita o
nos circuitos a seguir.
da questão anterior os detetares de pico a p)co representados

r
,....._

r t:
11

r
r,

",.....
,-,
A

("""o,

.......
........
,.......,
{'.

,.......,
/"
r'.

"
(\

ê'\

r'\

n
~

r
/"~

r--.. '3V.
r':

r-.
,.......
,.....,
,.......,

Í'\

,.-...,
1\

"'"'
,-.,
r-.,
1\

f\
r.
,,.-...,
,...,
I\
"'
r,
./

"
" A ~<Y r ti L~ do u r c(.....: .f-.o e
f

'
r'\
:;rwre c. ~r .
r'\

!""",
l - -i) (A.....

A ~(9 rt., '2. L ~ o c c..vJ '"hl


r
,-., ~--T 6 Lv- J..~~c~r Óe ~ 1. ~ ·

;"' j j t:o e' Vt...-..


!"'"'\ i ~
,-..
,......
F\
,......

""""

I
l$ ~ L-~
rl w~-

r__ o
~l~

r .
~~ \-o
r~,
,...

r ,
.,....._'

Vo<( f o r '
~~~ l ·o o~
r '-fro .k.; l./'c0

r l')c}A... "' ( tYt.


~
vt·)~>"'(o ~

'l:'J

f

\
J _.' ... ,. : ~·"'

l o ~---J Ívl i""<. ~<o


I
c,_ ~{
I
I
ü ~ !_, ~
(o r....._ -z.l!o 'J~"'/' I -,o cv./>
I

\
\ ~ . .Je t
I
<>(.. '2'S0 I 1....1.1 "'-"-"':\

\
\_) I
I
I
I
I
\
'
Universidade Federal da Paralba- UFPB
Centro de Ciências e Tecnologia - CCT
Departamento de Engenharia El6trica - DEE

--
Laboratório de Instrumentação Eletr6nlca
Professor: Gurdip Singh Deep (deep@dee.ufpb.br)

Aluno(a): Piem Vllar Dantas

4! Experimento •
Mat: 28711114

Voltimetro AC • Medidor de Pequenas C


--
Objetivos: Projeto e montagem de um vottlmetro AC. Medição de pequena correntes com
amperímetro de escala maior.

1) Utilizando um microamperimetro com catibre de 50~ e resistência de 600


voltlmetro AC com fundo de escata de VRMS· Mude o gerador para a entrada
ampfificador operacional e comente os resultados.
RS RS

'----{ \ f-'-+_ _.
uA

2) Monte o circuito a seguir e efetue a mediçêo de uma -


microamperímetro com fundo de escala de 5~.

Rl
de r usando um

F\

r
..-..
F\

{')
5uA
,.-..,
f"\
,.....
/'""

r-

F\

F\
(""'..

f\

"r
,......,
_______________,
r.
\ ~o ~f'('"""~ ~J

---
r ==V" \ ~=
'
\
'

" L._--.~
r
r

e;-oo)'\1\: 2 fi s- =\7 R..s -=- f54oO...Q.


1T (~ lr~t)\\ ')

~~-----------4--~
(\

0
~

"'

@~
"'
0
(\

"'
I""\ ~e.á:tr G:,,~t_ ~
L{_~Jo
I"'\
srA o
fA ok ;wf;..)
/""". ~ h ~ (o:>_Q_ .
71--1
0

~~
/""".

I""\

I""\
,.......,

(\
iv
G~
-
~ J
,--..
(\ Jr
(\

/""".

I"
-fe.~ J.o - ".>€.. rtt ::- 2m k.JL · '"""'x = Lv
" I
"'
"'
(\

""'\

"' \ ~t ~ H.Jl.. \
"'
r-
r-.
111 ~
:::i.

; co 1:-..Q. l
",-..., ~H~-"\.-t._ ~ Fv.M .Lo ~ fs. (c... '.

[~ ~ stJ
(.o

,....... D)Q-'Vu'\N\C\. Cf-ct+r I~


·-=---·
0
(\
'
"
"'
/""".

"'
"'
I'
...
0
'
r
I""\

(I

"
/""".

('
- 7L--·----
('
r--.

Universidade Federal da Parafba - UFPB


Centro de Ciências e Tecnologia - CCT
Departamento de Engenharia Elétrica - DEE
Laboratório de Instrumentação Eletr6nica
Professor: Gurdip Singh Deep (deep@dee.ufpb.br)

Aluno(a): Pierre Vllar Dantas Mat: 97111 4

Si Experimento - Ponte de equlllbrio Automático I


----
:J. --

1) Montear uma ponte de equilibragem automética, mostrada na Figura 1, com R1 =R2=R3=1 K


Ohms nominal. Faça um gráfiCO entre a tensão de correção V e a resistência de d1sequilíbrio P1.

+12V

+12V

-12V

Figura 1 - Ponte de equilfbrio Automática


_.

llV

r 1
~~vr v I f?e.,.,1<;,4., ,f_ b.;",f( ~
...___
~--- -~~--'
--
!) ,t1 1 , i 1 '1 :> - - · · - -- "

1..- 1 Jo,3 '


2A
Jl--- ~,(,-
I
- t
''+O
~) ~,2
J_.~ 1
I

_r1 Cro 5 1~::t


+ -

~-
() L)l2b
1j
f)
- ~t 2_{:,
1-l ":.. .,. ,
"'"
0Ji
5 ff.t
ql -- l'l_
r_'j ___ - LI
-~
YJ2.
(») - /r o(; l ~G5"
------
_,

J
t
'L t
lo ~ r •
-~ I
l I
~ 1
~-
'--- .."""·-a:..._

~t-~
I
...........: ~

. ...
~
........
-~ .... \ - --\+-- \- '7
r. too
3oOI> ~o o ·,oo (;~~ 1c>4 J

'"
Unlvel"SicMde Federal da PaiWba- UFPB
Centro de Ciinciaa e Tecnologia- CCT
0.~ de Engent.ia El6blca- OEE
Labonit6rfo delnstrumenlaçlo EJetr6nJca

-----
Professor: Gl.Wdip Singh Deep (deep@dee.ufpb.br) .._
.l
Aluno(a):,_ __ _ _ _ ____;:___ _ _ _ _ _ _ _ Mat:,_ __,.._

62 Experimento • Conversores Digital/Analógico

Conversores digitaiS/analógicos (D/A) funcionam geralmente como uma i terface entre os


sinais digitais (discretos no tempo e em amplitude) proveniente de sistemas di itais e os sinais
continuas do mundo analógico. Os conversores 0/A fornecem em sua salda um si ai analógico em
resposta a uma palavra binária colocada na entrada.

OBJETIVOS: Projeto e montagem de diversas configurações de conversores 0/A.

11 Parte

1) Projete um conversor O/A de 3 bits usando apenas resistores ponderados.


2) Projete um conversor 0/A de 3 bits usando apenas um arranjo de resistores R 2R.
3) Projete um conversor 0/A de 3 bits usando multiplexadores analógicos (4051).
Monte o circuito e teste-o.

'J.A Parte

1) Projete um conversor O/A de 4 bits com resistores ponderados e o amplificaoor operacional.

Use uma tensão referencial de SV. Monte o circuito e teste-o.

2) Com dois circuitos iguais ao projetado no item anterior, projete um conversor /A de 8 bits.

Monte o circuito e teste-o. Comente os resultados.

3) Projete um conversor DIA de 6 bits com arranjo R-2R. Use uma tensão de re~ ência de 10V.

Monte o circuito e teste-o.

4) Com dois circuitos iguais ao projetado no item anterior, projete um conversor d1A de 12 bits.
Monte o circuito e teste-o. Comente os resultados.