Você está na página 1de 53

1.

INTRODUÇÃO

ENG 677 ANÁLISE POR ELEMENTOS


FINITOS
Considerações iniciais
• Elementos finitos é um método numérico utilizado na
solução de diversos problemas de engenharia
• O método de elementos finitos pode ser dividido em:
– Utilização de elementos discretos para obter os
deslocamentos e forças atuantes em uma estrutura
• análise matricial de estruturas, obtém-se solução exata

– Elementos contínuos para obter soluções aproximadas de


problemas envolvendo transferência de calor, mecânica
dos fluidos e mecânica dos sólidos
• Verdadeiro método de elementos finitos, fornece valores
aproximados da variável em estudo em determinados pontos
denominados de nos
Considerações iniciais
• Programas de computador de uso geral são capazes
de resolver os dois tipos de problemas (elementos
discretos e elementos contínuos)
Considerações iniciais
• O método de elementos finitos combina uma série
de conceitos e produz um sistema de equações
lineares ou não lineares.

• O sistema pode ter desde uma dezena de equações


até milhares ou milhões de equações a serem
resolvidas.
Considerações iniciais
• Conceitos básicos nos quais o método se baseia
foram estabelecidos a mais de 150 anos.
• O método da forma como hoje é conhecido foi
desenvolvido nos anos 1950.
• A exploração espacial fez com que recursos fossem
disponibilizados para o desenvolvimento do método
Considerações iniciais
• Vantagens do método:
– Facilmente aplicado a corpos com formato irregular;
– Possibilita a análise de corpos com diferentes materiais e
submetidos a diferentes condições de contorno;
– Pode ser usado para resolver problemas em estado
permanente e problemas transientes;
– Pode ser usado para analisar corpos que apresentam
materiais com propriedades não lineares;
– Programas de uso geral podem ser desenvolvidos.
1.1 Solução de problemas envolvendo
condições de contorno
• Solução de equações diferenciais:
– Solução analítica é a melhor porque é exata

• Em um número muito grande de situações a solução exata


não pode ser obtida ou é muito difícil de ser obtida
– Por exemplo, o formato do corpo pode ser irregular e ter seu contorno
impossível de ser descrito matematicamente
– O corpo pode ser constituído de diferentes materiais
– O material ou os materiais do qual o corpo é constituído pode ter
propriedades não lineares
1.1 Solução de problemas envolvendo
condições de contorno
• Métodos numéricos podem ser usados para obter uma solução
aproximada.

• Todas soluções numéricas produzem resultados em determinados pontos


(solução discreta) para um dado conjunto de parâmetros independentes.

• O processo de solução é repetido sempre que os valores dos parâmetros


variarem.

• Uma solução aproximada é melhor do que não ter nenhuma.

• Os valores calculados fornecem informação sobre o processo físico mesmo


que eles sejam apresentados em determinados pontos do domínio
(solução discreta).
1.1 Solução de problemas envolvendo
condições de contorno
• Métodos numéricos para a solução de equações
diferenciais:
– Método das diferenças finitas;
– Método variacional;
– Método dos resíduos ponderados.
1.1 Solução de problemas envolvendo
condições de contorno
• Método das diferenças finitas:
– O valor das derivadas são aproximadas usando equações
de diferenças.
– Usado na solução de problemas de transferência de calor e
mecânica dos fluidos.
– É um bom método de solução para problemas
bidimensionais, com linhas de contorno paralelas aos eixos
de coordenadas.
– O método se torna difícil de ser aplicado para contornos
curvos ou irregulares.
– É difícil de se desenvolver programas de computador de
uso geral para esse método.
1.1 Solução de problemas envolvendo
condições de contorno
• Método variacional:
– Envolve a solução de uma função na forma de integral que
produz um valor numérico.
– Cada função produz um valor diferente.
– A função que produz o mais baixo valor e tem a
propriedade de satisfazer uma equação diferencial
específica.
1.1 Solução de problemas envolvendo
condições de contorno
• Método variacional:
– Como exemplo, vamos considerar a seguinte integral

– O valor numérico de P pode ser calculado para uma


determinada função y=f(x).
– O cálculo variacional mostra que uma função particular y=g(x)
que fornece o menor valor de P é a solução da equação
diferencial

– Com as condições de contorno y(0)=y0 e y(H)=yH


1.1 Solução de problemas envolvendo
condições de contorno
• Método variacional:
– O processo pode ser invertido.
– Dada uma equação diferencial, uma solução aproximada
pode ser obtida substituindo diferentes funções num
funcional aproximado.
– A função que fornecer o mínimo valor de P é a solução
aproximada.
– O método variacional é a base para muitas soluções por
elementos finitos, mas tem uma desvantagem
• Não é aplicável para equações diferenciais que contenham termos
de derivada de primeira ordem.
1.1 Solução de problemas envolvendo
condições de contorno
• Método dos resíduos ponderados:
– O método dos resíduos ponderados também envolve uma
integral.
– Uma solução aproximada é substituída na equação
diferencial.
– Uma vez que a solução aproximada não satisfaz
exatamente a equação, um resíduo ou termo de erro é
obtido.
1.1 Solução de problemas envolvendo
condições de contorno
• Método dos resíduos ponderados:
– Suponha que y=h(x) é uma solução aproximada da
equação:

– Com as condições de contorno y(0)=y0 e y(H)=yH.


• Substituindo y=h(x) nessa equação diferencial obtém-se:

– Uma vez que y=h(x) não satisfaz exatamente a equação.


1.1 Solução de problemas envolvendo
condições de contorno
• Método dos resíduos ponderados
– O método dos resíduos ponderados estabelece que:

– O resíduo R(x) é multiplicado por uma função peso Wi(x).


– A integral do produto é requerida ter valor zero.
– O número de funções peso é igual ao número de coeficientes a
serem determinados na solução aproximada.
– Existe várias opções de funções pesos que podem ser
escolhidas, algumas das mais populares receberam nomes
específicos.
1.1 Solução de problemas envolvendo
condições de contorno
• Método dos resíduos ponderados
– Método da colocação
• Utiliza a função impulso como função peso

• A função impulso tem valor um em x=Xi e zero para x


diferente de Xi.
• Significa fazer com que o resíduo seja zero em algum
ponto do domínio.
• O número de pontos em que o resíduo deve ser zero é
igual ao número de coeficientes a serem determinados
na solução aproximada.
1.1 Solução de problemas envolvendo
condições de contorno
• Método dos resíduos ponderados
– Método do subdomínio
• Cada função peso é assumida com sendo igual a 1 em uma
região específica.

• Isso é equivalente a fazer com que a integral dos


resíduos ao longo do intervalo de uma região seja zero.
• O número de intervalos de integração deve ser igual ao
número de coeficientes a serem determinados na
solução aproximada.
1.1 Solução de problemas envolvendo
condições de contorno
• Método dos resíduos ponderados
– Método de Galerkin
• O método de Galerkin usa a mesma função da equação
aproximada como função peso.
• Essa forma de solução é base do método de elementos
finitos para problemas envolvendo derivadas de primeira
ordem.
• Esse método fornece os mesmos resultados que o método
variacional quando as equações diferenciais são do tipo
auto-adjunta (differential equations that are self-adjoint).
• O método de Galerkin será usado para obtenção da solução
de equações diferenciais de campo.
1.1 Solução de problemas envolvendo
condições de contorno
• Método dos resíduos ponderados
– Método de Galerkin

• Exercício para casa:


– O que é uma “differential equations that are self-adjoint”?
1.1 Solução de problemas envolvendo
condições de contorno
• Método dos resíduos ponderados
– Método dos mínimos quadrados
• O método de mínimos quadrados utiliza o
próprio resíduo como função peso, e obtém um
novo termo de erro dado por:

• O erro é minimizado com respeito aos coeficientes a


serem determinados da solução aproximada.
1.1 Solução de problemas envolvendo
condições de contorno
• Método dos resíduos ponderados
– Método dos mínimos quadrados
• O método de mínimos quadrados tem sido
utilizado em formulações de elementos finitos
mas não é tão popular quanto o método de
Galerkin ou o método do variacional.
1.1 Solução de problemas envolvendo
condições de contorno
• O método variacional e o método dos resíduos
ponderados envolve a solução de uma integral.
• Esses métodos são denominados como formulação
integral.
• As soluções numéricas com base em formulação
integral é um conceito novo para muita gente, por
isso, ilustraremos o uso desses métodos resolvendo
um problema bastante simples.
1.2 Formulação integral para soluções
numéricas
• Obtenção da deflexão (y) de uma viga
simplesmente apoiada submetida a
momentos nas extremidades
1.2 Formulação integral para soluções
numéricas
• Obtenção da deflexão (y) de uma viga simplesmente
apoiada submetida a momentos nas extremidades

• O coeficiente EI representa a resistência da viga à


deflexão e M(x) é a equação do momento fletor.
• Nesse exemplo, M(x) é constante e igual a M0.
1.2 Formulação integral para soluções
numéricas
• Obtenção da deflexão (y) de uma viga simplesmente
apoiada submetida a momentos nas extremidades

• Uma solução aproximada para a deflexão da viga é:

• Em que, A é um coeficiente a ser determinado.


• Essa solução é uma candidata aceitável pois satisfaz as
condições de contorno y(0)=0 e y(H)=0.
1.2 Formulação integral para soluções
numéricas
• Obtenção da deflexão (y) de uma viga simplesmente
apoiada submetida a momentos nas extremidades

• A solução exata dessa equação diferencial é:


1.2 Formulação integral para soluções
numéricas
• Método variacional
– A integral que é fornece a solução da equação é:

— O valor de A da equação

que faz com que esta seja a melhor aproximação


para a deflexão é aquele que torna o valor de P
mínimo.
1.2 Formulação integral para soluções
numéricas
• Método variacional
– Para obter o valor de A, P deve ser escrito como uma
função de A e então minimizado em relação a A.
– Derivando y(x) em relação a x obtém-se:

— Substituindo essa equação na integral tem-se


1.2 Formulação integral para soluções
numéricas
• Método variacional
– A solução da integral fornece:

— O valor mínimo de P em relação a A é


1.2 Formulação integral para soluções
numéricas
• Método variacional
– Isolando o valor de A obtém-se:

— A solução aproximada, pelo método variacional, para a


equação diferencial é, portanto:
1.2 Formulação integral para soluções
numéricas
• Método da colocação
– O método da colocação requer que a equação do resíduo da
solução aproximada seja zero em tantos pontos quantos forem os
coeficientes da equação aproximada a serem determinados.
– A equação do resíduo é obtida substituindo a equação
aproximada na equação diferencial a ser resolvida.
– Ou seja,

—Uma vez que:


1.2 Formulação integral para soluções
numéricas
• Método da colocação
– Existe somente um coeficiente a ser determinado,
portanto, R(x) deve ser igualado a zero em um
ponto entre 0 e H.
– Selecionando x=H/2, por conveniência, obtém-se:

—Portanto,
1.2 Formulação integral para soluções
numéricas
• Método da colocação
– A solução aproximada pelo método da
colocação é, portanto,

—Se tivéssemos escolhido outro ponto que não o


x=H/2, uma solução aproximada diferente teria
sido obtida.
1.2 Formulação integral para soluções
numéricas
• Método do subdomínio
– O método do subdomínio requer que

ao longo de quantos intervalos quantos forem o


número de coeficientes indeterminados.
– O usuário pode escolher a faixa de cada intervalo.
– No presente exemplo, tem-se apenas um coeficiente a
ser determinado, dessa forma o intervalo deve ser
[0, H].
1.2 Formulação integral para soluções
numéricas
• Método do subdomínio
– A equação do resíduo é

– Resolvendo-se a integral obtém-se:

– Isolando o termo A obtém-se:


1.2 Formulação integral para soluções
numéricas
• Método do subdomínio
– A solução aproximada pelo método do
subdomínio é, portanto,
1.2 Formulação integral para soluções
numéricas
• Método de Galerkin
– A solução é obtida resolvendo-se a integral:

– A função peso é escolhida como sendo igual a função aproximada.


– Nesse exemplo usaremos como função peso a função Wi(x)=sen(px/H).
– Dessa forma,

– Resolvendo essa integral obtém-se:


1.2 Formulação integral para soluções
numéricas
• Método de Galerkin
– Isolando o valor de A obtém-se:

– A solução aproximada usando o método de Galerkin, é, portanto:

– Essa solução é idêntica a obtida pelo método variacional.


1.2 Formulação integral para soluções
numéricas
• Método dos mínimos quadrados
– A solução é obtida criando-se um termo erro definido por:

– No exemplo em questão tem-se:

– Resolvendo essa integral obtém-se


1.2 Formulação integral para soluções
numéricas
• Método dos mínimos quadrados
– O erro é minimizado fazendo a derivada de Er com relação
a A igual a zero:

– Isolando-se o valor de A dessa equação e


substituindo na equação aproximada obtém-
se:

– Essa solução é idêntica a obtida pelos métodos


variacional e Galerkin
1.2 Formulação integral para soluções
numéricas
• Não é possível estabelecer
qual método é mais exato.
• O erro depende da função
de aproximação e da
equação que está sendo
resolvida.
• O erro percentual para o
problema analisado é
apresentado na Figura
que ao lado.
1.2 Formulação integral para soluções
numéricas
• Pela figura apresentada parece que os métodos do Variacional,
Galerkin e Mínimos Quadros são melhores que os métodos de
colocação e do subdomínio.
• Entretanto, é possível encontrar um ponto de colocação em
que a deflexão máxima calculada é a deflexão máxima obtida
analiticamente.
• O ponto de colocação ou as sub-regiões selecionadas afetam a
exatidão das soluções aproximadas.
1.2 Formulação integral para soluções
numéricas
– Por esse exemplo pode-se ver que a solução de
uma equação diferencial pode ser obtida por
uma formulação integral.
– A formulação integral é a base do método de
elementos finitos.
1.3 Formulação pela energia potencial
• A solução de problemas de mecânica dos sólidos, o que
inclui problemas bi e tridimensionais de elasticidade assim
como estruturas tipo placas e cascas podem ser obtidas de
diferentes formas.
– O método clássico de solução é formular as equações
diferenciais que governam o problema e resolvê-las
analiticamente.
– Entretanto, isso não pode ser aplicado em diversos problemas
devido as dificuldades de representar matematicamente a
geometria dos corpos e as condições de contorno.
– Uma alternativa é usar um método numérico com base no
princípio que estabelece que os deslocamentos da estrutura na
posição de equilíbrio ocorre de tal forma que a energia
potencial de um sistema estável é mínima.
1.3 Formulação pela energia potencial
• O termo que contribuí para a energia potencial é a
energia de deformação.
• Essa energia é armazenada durante o processo de
deformação.
• A energia de deformação é obtida integrando o
produto da tensão pela deformação unitária ao longo
do volume do corpo.
• Por exemplo, a energia de deformação de um membro
submetido a um esforço axial é
1.3 Formulação pela energia potencial
• A análise dos deslocamentos de problemas
estruturais ou mecânica do sólidos combina,
portanto, a avaliação de uma integral com um
processo de minimização.
• Numericamente, a análise de uma estrutura
tipo treliça ou tipo placa é muito similar ao
método variacional ou ao método Galerkin, já
apresentado.
1.4 O método de elementos finitos
• O método de elementos finitos é um método
numérico para solução de problemas governados
por equações diferenciais ou em teorema da
energia.
• Duas características distingue esse método dos
outros:
– O método utiliza uma formulação integral para gerar
um sistema de equações algébricas; e
– O método utiliza funções contínuas e suaves (ou seja,
sua derivada pode ser determinada) divididas por
regiões do corpo (elementos) para obter os valores
aproximados das variáveis a serem determinadas.
1.4 O método de elementos finitos
• Um modelo de elementos finitos para
determinação da deflexão de uma viga bi-apoiada
pode ser obtido de duas formas:
– Criando-se uma série de nós e considerando que entre
cada par de nós sucessivos a deflexão varia
linearmente com a coordenada x (ou seja, cada
elemento é constituído por dois nós); ou
– Criando-se uma série de nós e considerando que para
cada conjunto de três nós sucessivos a deflexão varia
segundo uma função quadrática com a coordenada x
(ou seja, cada elemento é constituído por três nós).
1.4 O método de elementos finitos
• (a) modelo de elementos finitos utilizando elementos
lineares e (b) modelo de elementos finitos utilizando
elementos quadráticos
1.4 O método de elementos finitos
• O método de elementos finitos pode ser dividido em cinco
passos:
I. Discretize a região. Isso inclui a locação e numeração dos nós
e a especificação de suas coordenadas;
II. Defina uma equação aproximada. A ordem da aproximação,
linear ou quadrática, deve ser definida e as equações devem
ser escritas em termos dos valores nodais a serem
determinados. Uma equação é escrita para cada elemento.
III. Desenvolva o sistema de equações. Quando usar o método de
Galerkin, a função peso para cada valor nodal a ser obtido é
definido e a integral dos resíduos ponderados é resolvida. Isso
gera uma equação para cada valor nodal a ser determinado.
Em problemas envolvendo a formulação de energia potencial,
a energia potencial é escrita em função dos deslocamentos e
depois é minimizada. Isso gera uma equação para cada
deslocamento a ser determinado.
1.4 O método de elementos finitos
• O método de elementos finitos pode ser
dividido em cinco passos:
IV. Resolva o sistema de equações;
V. Calcule os valores de interesse. Esses valores
geralmente estão associados a derivada de
parâmetros e inclui componentes de tensão,
fluxo de calor e velocidades do fluido.
1.5 Exercícios
• Resolva os exercícios 1.1, 1.4, 1.6, 1.9, 1.10,
1.13 e 1.17

Você também pode gostar