Você está na página 1de 25

Universidade Metodista de Angola

Faculdade de Engenharia
Curso de Engenharia Civil

Análise de Projecto de
Investimento
Professor: Deodato Mariata

Luanda, Agosto de 2017


Programa
1 – A EMPRESA
2 – A DECISÃO DE INVESTIR
3 – FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA FINANCEIRA
4 – SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO
5 – INDICADORES FINANCEIROS PARA ANALISE DE
PROJECTOS DE INVESTIMENTO
6 – EFEITO DO IMPOSTO DE RENDA
7 – EFEITO DA PONTE DE FINANCIAMEBNTO
8 – MULTIPLAS ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTO
9 – RISCO E INCERTEZA
1 – A EMPRESA
Empresas são organizações que
envolvem recursos humanos,
materiais e financeiros, e que
podem ser analisados segundo
diferentes pontos de vista.

Empresa como entidade política,


privilegia-se a luta pelo poder e
das formas como este é exercido.
A análise do processo decisório na
empresa não pode prescindir desse
tipo de consideração.
Empresa como entidade
sociocultural, destaca-se o
contexto em que as pessoas
interagem e a forma como isso
influencia a sobrevivência e o
crescimento da empresa. Desse
ponto de vista, ganham destaque
os valores, os símbolos, os
códigos, os costumes e a tradição
que caracterizam a empresa e lhe
emprestam certa “personalidade”.
Do ponto de vista da
administração, os enfoques podem
ser diferenciados, mas todos
consideram a empresa como uma
organização que dispõe de um
conjunto de recursos e busca
atingir certo(s) objectivo(s). Nesse
contexto, as actividades de
planejamento e controle são
privilegiadas.
Na teoria económica, a empresa é
vista como uma unidade
produtiva, que transforma
insumos em produto, gerando,
dessa forma, valor. A empresa ao
produzir bens e serviços
demandados pelo mercado, obtém
lucro para sobreviver e crescer,
contribui para o bem-estar com
sua produção e estimula outras
atividades produtivas para a
frente, através de seu produto, e
para trás, através de suas compras
e insumos.
Para o contabilista, a empresa é
vista principalmente como uma
unidade de contas, pois procura
mostrar a evolução do património
em movimento.

Para os engenheiros, a empresa é


uma unidade técnica que
desenvolve determinado processo
de transformação, sujeito aos
princípios e leis da física e da
química.
É importante ressaltar que há um
aspecto comum a todas as
possíveis visões que se pode ter de
certa empresa: esta é sempre vista
como uma unidade. Isso significa
que, seja qual for a enfase, a
empresa é sempre um conjunto
integrado e independente, com
objectivo(s) comum(ns).

Para os objectivos da análise de


investimento a empresa é
considerada como uma entidade
orientada para acumulação de
capitais. A empresa é uma
entidade de capital cujo objectivo
é a sua valorização.
Lucro:
Valor liquido gerado por certa
aplicação de capital em certo
período de tempo.

Depreciação económica:
Perda de valor devido ao uso.
Exercicios

O Sr. José Saliba comprou uma loja, incluindo estoque, por


100.000,00 USD há três anos. Nada retirou no 1º ano; retirou
10.000,00 USD no segundo ano e 15.000,00 USD no terceiro
ano. O valor da loja, hoje, é de 130.000,00 USD, devido a
melhoria do ponto comercial e a aumento de estoques.
Entretanto, o Sr. José Saliba, está dizendo que teve prejuízo
porque um primo, também há três anos, fez aplicação
financeira de 20.000,00 USD e tem hoje capital acumulado de
35.000,00 USD.
2 – A DECISÃO DE INVESTIR
1 – Conceitue Projecto de
investimento.
2 – Discuta a afirmação: “alguns
empresários podem prescindir de
projectos para seus investimentos
porque têm larga experiência e/ou
porque têm boa intuição”.
3 – que factores devem ser
conciderados para o estabelecimento
do horizonte de planejamento?
5 – o que é a taxa mínima de retorno e
como é estabelecida?
6 – De que forma o cenário econômico
interfere na avaliação de projecto de
investimento?
3 – FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA FINANCEIRA

3.1 – Introdução

A matemática financeira visa a estudar


o valor do dinheiro no tempo, nas
aplicações de dinheiro e nos
pagamentos de emprestimos. De modo
geral a matemática financeira fornece
instrumentos para o estudo e a
avaliação das formas de aplicação de
dinheiro, bem como de pagamentos de
empréstimos.
3.2 – O capital e o juro

Chamamos de capital qualquer valo


monetário que uma pessoa (fisica ou
juridica) empresta para outra durante
certo tempo. Tendo em vista que o
emprestador abstén-se de usar u valor
emprestado, e ainda, em função da
perda de poder aquisitivo do dinheiro
pela inflação e do isco de não
pagamento, surge o conceito de juro,
que pode ser definido como o custo do
emprestimo (para o tomador) ou a
remuneração pelo uso do capital (para
o emprestador.
Denomina-se taxa de juros o valor do
juro em uma certa unidade de tempo,
expresso como uma percentagem do
capital. Assim, por exemplo, se um
capital de $5.000,00 for emprestado
por um mês à taxa de 2% a.m. (2% ao
mês), o juro será igual a 2% de
$5.000,00, que é $ 100,00.
Se o emprestimo for devolvido em um
único pagamento, o tomador pagará,
ao final do prazo combinado, a soma
do capital com o juro, que é denomina
montante. Assim, para um empréstimo
de $ 5.000,00 por um mês com juro de
$ 100,00, o montante será igual a $
5.100,00.
As operações de aplicações de
emprestimos são geralmente realizadas
por meio da intermédiação de uma
instituição financeira, que capta
recursos de um lado e os empresta em
outro. A captação é feita a uma taxa
menor que a de emprestimo, e a
diferença é a remuneração da
instituição.
De modo geral, quando as taxas
sobem, os aplicadores tendem a
aumentar a oferta de capitais, mas os
tomadores tendem a diminuir a
demanda por crédito.
Na determinação das taxas de juros, o governo tem uma grande
influência, seja regulamentando o funcionamento das instituições
financeiras, seja comprando ou vendendo títulos públicos, cobrando
imposto, etc.

3.3 – Relações básicas

Chamando de C o capital, e M o montante, J o juro e i a taxa (do


inglês, interest, que significa juro), temos as seguintes relações, de
acordo com o que definimos:

J=Ci (3.1) – em que J é o juro no periodo da taxa.


M=C+J (3.2)
i= (M/J) – 1 (3.3)
Exercicios
1 – Um capital de $ 8.000,00 é aplicado durante um ano à taxa de 22%
a.a. ( 22% ao ano).
a) Qual o juro?
b) Qual o montante?

2 – Um capital de $ 12.000,00 foi aplicado durante três meses, gerando


um montante de $ 12.540,00. qual a taxa de juros no periodo?

3 – um capital de $ 2.000,00 é aplicado em cada uma das condições


indicadas a seguir. Obtenha o juro e o montante em cada caso.
a) Taxa – 50% a.a. Prazo 1 ano
b) Taxa 30% a.s. prazo 1 semestre
c) 12% a.t. 1 trimestre
d) 5% a.b. 1 bimestre
e) 1,7% a.m. 1 mês
f) 0,03% a.d. 1 dia
3.4 – Regime de capitalização

Quando um capital é aplicado por vários períodos, a uma certa taxa


por periodo, o montante poderá aumentar de acordo com duas
convenções, denominadas regime de capitalização. Há o regime de
capitalização simples ( ou juros simples) e o regime de capitalização
composta (ou juros compostos).

3.4.1 – regime de capitalização simples

Neste regime, o juro gerado em cada periodo é constante e igual ao


produto do capital pela taxa. Além disso, os juros são pagos somente
no final da operação.
Exemplo

Um capital de $ 1.000,00 foi aplicado durante três anos à taxa de


10% a.a., em regime de juros simples.

Resolução
Durante o 1º ano, o juro grado foi de 1.000(0,10) = 100
Durante o 2º ano, o juro grado foi de 1.000(0,10) = 100
Durante o 3º ano, o juro grado foi de 1.000(0,10) = 100

Portanto, somente o capital aplicado é que rende juros. O montante


após três anos, foi de $ 1.300,00.
3.4.1 – regime de capitalização composto

Neste caso, o juro do 1º periodo (capital vezes a taxa) agrega-se ao


capital, resultando no montante M1.
O juro do 2º periodo, que é igual ao produto de M1 pela taxa,
agrega-se a M1, resultando no montante M2.
O juro do 3º periodo, que é igual ao produto de M2 pela taxa,
agrega-se a M2, resultando em um montante M3, e assim por diante.

Portanto, o juro que é gerado em cada periodo (montante do inicio


do periodo vezes a taxa) agrega-se ao montante do inicio do período
e esta soma passa a render juro no periodo seguinte.
Exemplo
Um capital de $ 1.000,00 foi aplicado durante três anos à taxa de
10% a.a., em regime de juros simples.

Resolução
Durante o 1º ano, o juro grado foi de 1.000(0,10) = 100 e o montante
após um ano foi de 1.100,00.
Durante o 2º ano, o juro grado foi de 1.100(0,10) = 110, e o
montante após dois anos foi de 1.210,00.
Durante o 3º ano, o juro grado foi de 1.210,00(0,10) = 121 e o
montante apos três anos foi de 1.331,00.

Portanto, somente o capital aplicado é que rende juros. O montante


após três anos, foi de $ 1.300,00.
3.5 – Fluxo de caixa

O fluxo de caixa de uma operação é uma representação esquemática


muito útil na resolução de problemas. Basicamente, consta de um
eixo horizontal em que é marcado o tempo, a partir de um instante
inicial (origem); a unidade de tempo pode ser qualquer (ano, mês,
dia etc). As entradas de dinheiro em um determinado instante são
indicadas por setas perpendiculares ao eixo horizontal, no instante
considerado, e orientadas para cima; as saídas de dinheiro são
indicadas da mesma forma, só que a orientação das setas é para
baixo.
Exemplo

Uma pessoa aplicou $ 50.000,00 em um banco e recebeu $ 6.500,00


de juros após 12 meses. O fluxo de caixa, do ponto de vista do
aplicador, foi:

56.500

0 12

50.000
O fluxo de caixa, do ponto de vista do banco foi:

50.000

0 12

56.500
Obrigado.