Você está na página 1de 86

Módulo lógico

Telemecanique
Zelio-Logic
Manual de exploração
Janeiro 2000
Conselhos preliminares à instalação do módulo
lógico

Colocar o aparelho fora de tensão.

Tomar as medidas necessárias para impedir qualquer disparo


intempestivo.

Verificar a ausência de tensão.

Efectuar as colocações à terra necessárias.

Respeitar imperativamente as directivas constantes neste documento.

Somente as pessoas qualificadas estão autorizadas a colocar em


serviço o módulo lógico.

Os aparelhos de automatização e de comando devem ser instalados de


maneira a estarem protegidos de qualquer accionamento involuntário.

É obrigatório verificar se a ligação aos orgãos de comando respeita as


normas de segurança em vigor.

As flutuações ou os desvios da tensão da rede não devem ultrapassar


os níveis de tolerância indicados nas características técnicas, podendo
estar na origem de defeitos de funcionamento e provocar situações
perigosas.

Atenção: respeitar as normas que regem as paragens de emergência


afim de evitar situações perigosas. Verificar se o encravamento do
sistema de paragem de emergência não provoca um arranque
intempestivo do sistema automatizado.

Tomar todas as medidas necessárias para assegurar, por um lado, o


prosseguimento correcto duma aplicação interrompida por uma queda
ou um corte de tensão e interditar, por outro lado, o aparecimento de
estados perigosos, mesmo que breves.
Sumário

Para conhecer o funcionamento e as Primeira colocação sob


principais características do módulo tensão e descoberta do 1
lógico. Módulo lógico
Informações detalhadas sobre a
realização, através de um exemplo, dum Realização
esquema de comando com o módulo duma aplicação elementar 2
lógico.

Conhecer todas as opções de Menu


configuração do módulo lógico. de Configuração 3

Conhecer todos os elementos de


esquema de comando reconhecidos e Esquemas de comando 4
utilizados pelo módulo lógico.

Aprender a inserir um esquema de Inserção dos esquemas


comando completo no módulo lógico. de comando 5

Conhecer as possibilidades de controlo


do módulo lógico quando o mesmo está Afinação 6
em funcionamento.

Aperfeiçoar o conhecimento do módulo Exemplo


lógico a partir dum exemplo completo. de aplicação 7

Problemas de funcionamento e
respectiva solução.
Diagnóstico 8

Salvaguardar, transferir ou duplicar a Transferência dos esquemas


aplicação. de comando 9

Ferramentas de ajuda à concepção de


aplicações: formulários de validação.
Anexos A

Procurar um termo específico. Índice Index

Módulo lógico
Capítulo 1 - Sumário
Primeira colocação sob tensão e descoberta

O presente capítulo trata dos seguintes assuntos:


1. Apresentação ___________________________________________________ 3

2. Características e ligações _________________________________________ 4


Características __________________________________________________ 4
Ligações _______________________________________________________ 5
3. As teclas de comando ____________________________________________ 6
Descrição das teclas ______________________________________________ 6
4. Exemplos de utilização ____________________________________________ 7

5. Principais funções ______________________________________________ 10


As funções do menu principal ______________________________________ 10
O menu de configuração __________________________________________ 11

4 Module logique, chapitre 1


1. Apresentação

Destinado a facilitar a cablagem eléctrica de soluções inteligentes, o


módulo lógico é muito simples de colocar em serviço. A sua flexibilidade
e as suas performances permitem realizar importantes ganhos de
tempo e de dinheiro.

Este manual destina-se às pessoas, que não possuem conhecimentos


aprofundados em automatismos, e que desejam colocar em serviço
este módulo lógico.

1-Patas de fixação retrácteis


2-Alimentação 24 VCC para SR1????BD,
100/240 VCA para SR1????FU
3-Ecrã LCD, 4 linhas, 12 caracteres
4-Terminais com parafusos das entradas
24 VCC para SR1????BD, 100/240 VCA
para SR1????FU
5-Para SR1????BD entradas analógicas
0-10 Volts utilizáveis em TON 24 VCC
6-Tecla de supressão
7-Tecla inserção de linha
8-Teclas de navegação ou, após
configuração, botões tipo Z
9-Tecla de selecção e validação
10-Tecla cancelar, ou retorno ao menu
anterior (Esc)
11-Compartimento da memória de
salvaguarda ou cabo de ligação PC
12-Terminais das saídas a relé
13-Compartimento para etiqueta legendável.

1-Visualização do estado das entradas (B e


C representam as entradas analógicas)
2-Visualização do modo de marcha/paragem
(RUN/STOP)
3-Visualização dum parâmetro, por defeito
dia e hora para os produtos com relógio
4-Visualização do estado das saídas
5-Visualização das Teclas Z quando estão
activas.

Módulo lógico, capítulo 1 5


2. Características e ligações

Características

Produto 10 E/S 12 E/S 20 E/S


Referências SR1-A101BD SR1-B121BD SR1-A201BD SR1-B201BD
Relógio semanal NÃO SIM NÃO Sim
Alimentação 24 V (mín. 19,2 V / máx. 30 V) cc
corrente nominal
67 mA 143 mA
entrada
Entradas TON
Nb 6 6 12 10
Corrente nominal 3mA
Tensão nominal 24 V cc
Saídas relé
Nb 4 8
5 ... 150 V cc / 24 ... 250 V ac
Tensão
ac 15-0,9A/230V dc 13-0,6A/24V
Entradas analógicas
0-10V
Nb 0 2* 0 2*

* Cada entrada é igualmente utiliável em Tudo ou Nada 24 V dc

Produto 10 E/S 20 E/S


Referências SR1-A101FU SR1-B101FU SR1-A201FU SR1-B201FU
Relógio semanal NÃO SIM NÃO SIM
Alimentação 100/240 V ac (mín. 85 V ac / máx. 264 V ac)
corrente nominal
< 46 mA a 115 V ac < 36 mA a 240 V ac
entrada
Entradas TON
Nb 6 12
Corrente nominal 0,65/1,3 mA a 50/60 Hz
Tensão nominal 100/240 V ac
Saídas a relé
Nb 4 8
5 ... 150 V dc / 24 ... 250 V ac
Tensão
ac15-0,9A/230V dc 13-0,6A/24V

Nota : os módulos lógicos com corrente alternada não possuem entradas


analógicas. Para mais detalhes consultar-nos.

6 Módulo lógico, capítulo 1


2. Características e ligações

Ligações

Entradas e saídas Tudo ou Nada Entradas analógicas

SR1-?101BD SR1-?201BD

SR1-?101FU SR1-?201FU

Ligação três fios

Módulo lógico, capítulo 1 7


3. As Teclas de comando

Descrição das teclas


As teclas situadas na face frontal do módulo lógico permitem configurar,
programar e comandar a aplicação.
O seu funcionamento é o seguinte:

Tecla Descrição

Permite suprimir um elemento ou uma linha do


esquema.

Permite inserir uma linha de esquema

Permite :
Efectuar uma selecção,
Entrar na página dos parâmetros dum elemento,
Entrar numa página de visualização,
Validar uma escolha.

Para utilizar o módulo lógico, a primeira acção a


efectuar é carregar nesta tecla afim de aceder ao menu
principal.

Permite sair dum menu ou duma selecção.

As teclas de navegação permitem dirigir-se para cima,


para a esquerda, para baixo e para a direita. A posição
no ecrã é materializada por um índice «>», um cursor
«?» ou «?» e um texto intermitente «Ini».

8 Módulo lógico, capítulo 1


4. Exemplos de utilização

Nesta parte, vamos ver como utilizar as teclas do módulo lógico.

Exemplo 1 : a escolha da língua, o procedimento seguinte é identico qualquer que


seja a referência do produto.

Descrição/Acção Visualização

Primeira colocação sob tensão ou


colocação sob tensão após inicialização:

A opção «ENGLISH» está intermitente.

Para seleccionar o francês. O botão Sel./ OK permite validar a


escolha da nova língua (materializada
pelo losango e pelo intermitente do texto).
Apresentamos dois casos:
Produto com relógio, SR1-B?????

Falta fixar a hora (Ver exemplo página


seguinte)

Permite continuar ou terminar o Produto sem relógio, SR1-A?????


procedimento da primeira colocação sob
tensão.

Aparece o ecrã principal do módulo lógico


(nesta caso um módulo SR1-A101FU).

Módulo lógico, capítulo 1 9


4. Exemplos de utilização

Exemplo 2 : modificação da data e da hora na primeira colocação sob tensão.

Descrição/Acção Visualização/Comentários

Após a escolha da língua, aparece o


seguinte ecrã:

O cursor preto fica intermitente.

O texto a modificar fica intermitente,


neste caso «HIVER» (Inverno). pode
então modificar com :
Para entrar em modo modificação.
ou depois
Carregar em Sel./OK valida a
modificação.

As horas, os minutos, e o dia da semana são modificáveis da mesma


maneira com as teclas do módulo lógico.

Para voltar ao ecrã principal carregar na tecla:

Nota: as teclas ou servem para passar dum campo a


outro enquanto as outras duas teclas do painel de navegação
permitem a modificação dos valores visualizados.

10 Módulo lógico, capítulo 1


5. Principais funções

São agrupadas num menu principal.

O indice «>» situado à esquerda do texto assinala o posicionamento da


escolha.

Um triângulo ao alto indica que existem opções possíveis para cima e


um triângulo para baixo indica que existem opções possíveis para baixo.

Módulo lógico, capítulo 1 11


5. Principais funções

As funções do menu principal

Menu Descrição
Esta função permite actualizar o dia, a data e a hora:
Hora de verão / Hora de inverno
REGULAR D/H Dia da semana
Horas-Minutos
Esta função permite programar o módulo lógico com o
esquema pretendido. A programação em esquema de
PROGRAM. comando está descrita no capítulo seguinte. Esta função
pode ser protegida por uma senha.
Esta função permite visualizar e modificar os parâmetros dos
PARAMET. blocos função, não protegidos, validados no esquema de
comando.
Esta função permite visualizar e modificar os parâmetros dos
blocos função, não protegidos, validados no esquema.
VISU. Permite igualmente seleccionar a informação que será
visualizada na terceira linha do ecrã do módulo lógico.
Esta função permite correr ou parar o programa contido no
módulo lógico :
RUN/STOP RUN: o programa é lançado.
STOP: o programa pára, as saídas são desactivadas.
Esta função contém todas as opções de configuração do
CONFIG. módulo lógico (Ver quadro seguinte).
Esta função permite eliminar totalmente o esquema contido
APAG. PROG no módulo lógico. Pode ser protegida por uma senha.
Esta função permite transferir o conteúdo da memória do/
para o módulo lógico.
Modul. -> PC : transferência do módulo para o PC
PC -> Modul. : transferência do PC para o módulo
TRANSFER. Modul. -> Mem : transferência do módulo para EEPROM
extraível*.
Mem -> Modul. : transferência da EEPROM extraível* para o
módulo.
Esta função permite visualizar todos os elementos
PROG. INFO. necessários à validação dum esquema de comando.

* A memória EEPROM extraível permite transferir o conteúdo do módulo lógico sem necessidade de software de
programação e sem necessidade de inserir uma aplicação idêntica noutro módulo lógico. No entanto, ela não é
indispensável ao funcionamento do módulo lógico.

12 Módulo lógico, capítulo 1


5. Principais funções

O menu de configuração

Menu Descrição

SENHA Autoriza ou não o acesso a determinadas funcionalidades.

IDIOMA Escolha da língua.

Selecção do filtro das entradas (entradas rápidas.). Esta


FILT. função pode ser protegida por uma senha.

Activação / desactivação das teclas de Zx. Esta função pode


Zx=Teclas ser protegida por uma senha.

AJUDA Activação / desactivação da ajuda automática.

Estas diferentes opções do menu de configuração são desenvolvidas


em detalhe no capítulo 3, page 24.

Módulo lógico, capítulo 1 13


Capítulo 2 - Sumário
Realização duma aplicação elementar

O presente capítulo trata dos seguintes assuntos:


1. Apresentação dos esquemas de comando __________________________ 13

2. Utilização da função inversa ______________________________________ 14


Exemplo prático _________________________________________________ 14
Caso geral _____________________________________________________ 15
3. Simbologia utilizada pelo módulo lógico ____________________________ 16

4. Aplicação: realização do comutador de escada ______________________ 18


Validação do esquema ___________________________________________ 18

14 Módulo lógico, capítulo 2


1. Apresentação dos esquemas de comando

Se já conhece os esquemas de comando, pode passar à parte 3 deste


capítulo.
Nesta parte, utilizamos um exemplo simples para compreender o
funcionamento dum esquema de comando: o comutador de escada.

Esquema eléctrico usual Esquema de comando

I1 e I2 são dois contactos, são as


Os dois interruptores na posição VV1 e
entradas 1 e 2 do módulo lógico.
VV2 comandam a iluminação e a
Q1 é uma bobina correspondente à
extinção da lâmpada L1.
saída 1 do módulo lógico.

Graças ao módulo
lógico podemos utilizar
interruptores simples
no lugar de interrup-
tores de posição.

designam-se por S1 e
S2 no esquema de
cablagem ao lado.

S1 e S2 estão ligados
às entradas I1 e I 2 do
módulo lógico.

O principio de funciona-
mento é o seguinte:
cada mudança de esta-
do das entradas I 1 e I2
provoca uma mudança de estado da saída Q1 que comanda a
lâmpada L1.

O esquema de comando utiliza não só funcionalidades de base como a


colocação em paralelo e em série de contactos, mas também a função
inversa designada por i1 e i2 (a função inversa é explicada na página
seguinte).

Nota : a realização dum comutador de escada é óptima quando se utilizam


bobinas telerruptor (Ver page 33).

Módulo lógico, capítulo 2 15


2. Utilização da função inversa

Exemplo prático
A função inversa, designada por i no módulo lógico permite obter o
estado inverso da entrada I cablada no módulo lógico. Para ilustrar o
seu funcionamento, utilizaremos um esquema eléctrico simples :

Esquema eléctrico Ligação ao módulo lógico

Em função do esquema de comando, são possíveis duas soluções:

Esquema de comando 1 Esquema de comando 2


Lâmpada apagada ao repouso Lâmpada acesa ao repouso

I1— — — — — — Q1 i1— — — — — — Q1

i1 corresponde à imagem inversa de


I1 corresponde à imagem real de BP1,
BP1, carregando em BP1 activa a
carregando em BP1 activa a entrada
entrada I1 logo o contacto i1 é
I1logo a saída Q1é activada e a
desactivado, a saída Q1é desactivada e
lâmpada L1 acende-se.
a lâmpada L1 apaga-se.

16 Módulo lógico, capítulo 2


2. Utilização da função inversa

Caso geral
O quadro seguinte descreve o funcionamento dum botão pressão ligado
ao módulo lógico. O botão pressão BP1 é ligado à entrada I1 e a
lâmpada L1 é ligada à saída Q1 do módulo lógico.

Repouso Trabalho
Esquema Símbolo Esquema Símbolo
eléctrico Zelio eléctrico Zelio

I1 = 0 I1 = 1
i1 = 1 i1 = 0

I1 = 1 I1 = 0
i1 = 0 i1 = 1

Nota : a função inversa aplica-se a todos os contactos dum esquema de


comando, que representam as saídas, os relés auxiliares ou os
blocos função.

Módulo lógico, capítulo 2 17


3. Simbologia utilizada pelo módulo lógico

O módulo lógico possui um ecrã de 4 linhas que permite representar os


esquemas de comando.

Nota : O software ZelioSoft permite representar os esquema de comando


segundo os três formatos seguintes.

Símbolo Símbolo Símbolo do módulo


eléctrico Ladder Zelio

I1 ou i1
ou
ou

I1 ou i1
«F» «O»

Q1

S Q1

Bobina com retenção


(SET)

R Q1

Bobina sem retenção


(RESET)

18 Módulo lógico, capítulo 2


3. Simbologia utilizada pelo módulo lógico

Outros elementos estão igualmente disponíveis no módulo lógico:

O bloco função Temporizador: permite retardar, prolongar e


comandar uma acção durante um tempo determinado.
O bloco função Contador: permite contar os impulsos recebidos numa
entrada.
O bloco função Relógio: permite activar ou desactivar acções em dias
e horas precisas.
O bloco função comparador Analógico: permite comparar um valor
analógico com um valor de referência ou um outro valor analógico tendo
em conta um valor de histerese.
Os relés auxiliares: permitem memorizar ou apagar um estado do
módulo lógico.
As teclas Z : permitem, após confirmação, utilizar as teclas Z como
botões pressão.

Nota : Para mais detalhes sobre todos os elementos do esquema de


comando disponíveis no módulo lógico, ver capítulo 4, page 30.

Módulo lógico, capítulo 2 19


4. Aplicação: realização do comutador de escada

Validação do esquema
Seguindo as indicações do quadro abaixo, pode validar o esquema de
comando do comutador de escada.

A partir do ecrã principal (ecrã que aparece à colocação sob tensão),


seguir as instruções da coluna « Acção » carregando no botão
indicado.

A coluna « Ecrã » indica o que se visualiza no ecrã do módulo lógico.

A coluna « Comentário » dá algumas notas sobre a validação e a


visualização.

Acção Ecrã Comentário


O menu principal aparece,
Símbolo « > » indica que a
opção « PROGRAMA »
está seleccionada. Esta
opção está intermitente.
? Após o aparecimento
fugitivo do texto: « LINE
1 » (cerca de 2 segundos),
o cursor ? intermitente
aparece.
I1 O I está intermitente.
O módulo lógico "pede"
para seleccionar o tipo de
contacto.

I1 O 1 está intermitente.
Seleccionou
implicitamente um
contacto associado a uma
entrada (I), o módulo
lógico "pede" para
seleccionar o número da
entrada.

20 Módulo lógico, capítulo 2


4. Aplicação: realização do comutador de escada

Acção Ecrã Comentário


O ? está intermitente.
I1 ? Acabou de validar a
escolha do contacto
associado à entrada I1. o
? está posicionado para
escolher o segundo
contacto.
O I da direita fica
I1— I1 intermitente.
O módulo lógico "pede"
para seleccionar o tipo de
contacto.
I1— i1 O i fica intermitente.
Seleccionou o contacto
inverso associado a uma
entrada.

I1— i1 O 1 da direita fica


intermitente. Deve, então,
indicar o número da
entrada.
I1— i2 O 2 fica intermitente.
Agora é so validar esta
selecção.

I1— i2 ? O ? fica intermitente.


Posicionar o cursor no fim
da linha para introduzir a
ou
bobina.

I1— i2 ?
O ? fica intermitente,
indica um ponto para a
ligação dos cabos.

I1— i2 ? O ? fica intermitente.


Validar a bobina.

O Q fica intermitente.
I1— i2— — — — Q1
Seleccionar os outros
parâmetros dessa bobina.

Módulo lógico, capítulo 2 21


4. Aplicação: realização do comutador de escada

Acção Ecrã Comentário


I1— i2— — — — Q1
O 1 fica intermitente.
A bobina Q está validada.

I1— i2— — — — Q1 O fica intermitente.


O número da bobina está
validado.
O ? fica intermitente.
I1— i2— — — — Q1 A bobina é validada em
? função contactor.
O ? passa para a linha
seguinte, as ligações apa-
recem automaticamente.
I1— i2— — — — Q1
O I situado na segunda
I1
linha fica intermitente.

I1— i2— — — — Q1
O i situado na segunda
i1
linha fica intermitente.

I1— i2— — — — Q1
O 1 situado na segunda
i1
linha fica intermitente.

I1— i2— — — — Q1
i1 ? O ? fica intermitente.

I1— i2— — — — Q1
O I da segunda linha fica
i1— I1
intermitente.

I1— i2— — — — Q1
O segundo 1 da segunda
i1— I1
linha fica intermitente.

I1— i2— — — — Q1
O 2 da segunda linha fica
i1— I2
intermitente.

22 Módulo lógico, capítulo 2


4. Aplicação: realização do comutador de escada

Acção Ecrã Comentário


I1— i2— — — — Q1 O ? fica intermitente.
i1 I2 ? Falta validar a ligação
entre as duas linhas.

I1— i2— — — — Q1 O ? fica intermitente.


i1— I2 ? Indica que se pode colocar
uma ligação neste ponto.

I1— i2— — — — Q1 O ? transforma-se em +


ficando intermitente e
i1— I2 +
indica que se pode agora
efectuar a ligação entre as
duas linhas.
O ponto de contacto fica
intermitente fazendo
aparecer o sinal +, agora
é necessário validar a
modificação.
O ponto de contacto fica
intermitente fazendo
aparecer o sinal ?. A
validação é efectuada.
Pode-se sair da zona
esquema.
O ecrã visualiza o menu
principal, é necessário
colocar em marcha o mó-
dulo lógico (Modo RUN)
O Símbolo « > » indica
Carregar três vezes na que a opção « RUN /
tecla
STOP » está
seleccionada. Esta opção
fica intermitente. Resta
validar a colocação em
modo RUN

O módulo lógico "pede"


para validar a colocação
em modo RUN.

Módulo lógico, capítulo 2 23


4. Aplicação: realização do comutador de escada

Acção Ecrã Comentário


O módulo lógico está
agora em modo RUN.
Para prosseguir o seu fun-
cionamento é necessário
voltar ao ecrã principal.
Este ecrã permite
visualizar o funcionamento
do comutador de escada
(manipulação dos
interruptores, acender e
apagar a lâmpada).

Graças à validação desta aplicação simples, ficou a saber validar um


esquema. Alguns pontos a reter :

Quando um ? ou um ? fica intermitente, é necessário utilizar o botão


Sel/OK para poder adicionar um elemento (contacto, bobina ou
elemento gráfico de ligação).

Quando um elemento fica intermitente (I, Q, N°, , … ),


é possível utilizar as setas Z1 e Z3 do painel de
navegação para seleccionar o elemento desejado.

Pode-se igualmente utilizar as setas Z2 ou Z4 do


painel de navegação para voltar atrás ou seleccionar o
elemento seguinte (ou a parte seguinte do elemento
seleccionado).

24 Módulo lógico, capítulo 2


Módulo lógico, capítulo 2 25
Capítulo 3 - Sumário
Menu de Configuração

O presente capítulo trata dos seguintes temas:

1. Função código acesso « SENHA » _________________________________ 25


Efeito da Senha _________________________________________________ 25
Validação da Senha _____________________________________________ 25
Anular a Senha _________________________________________________ 25
Modificação da Senha ____________________________________________ 25
2. Função escolha da língua « IDIOMA » ______________________________ 26
Utilização da função « Ini. » _______________________________________ 26
3. Função entradas rápidas « FILT. » _________________________________ 27

4. Função Teclas de navegação « Zx=TECLAS » ________________________ 28

5. Função de ajuda « AJUDA » _______________________________________ 29

26 Módulo lógico, capítulo 3


1. Função Código Acesso « SENHA »

Efeito da Senha
A Senha protege o acesso às seguintes opções do menu principal :
« PROGRAM. »,« APAG. PROG », « FILT. », « Zx=TECLAS », e
ainda às duas opções de transferência de aplicações Módulo para PC
e Módulo para Memória EEPROM.

Nota : Esta Senha é composta por 4 números de 0 a 9, é validada através


das teclas do módulo lógico, por defeito não está activa.

Validação da Senha

Acção Visualização Comentário


Seleccionar a opção SENHA
O significa que ainda
« SENHA » do menu
não existe Senha.
« CONFIG. » ????

SENHA O 0 da direita fica


intermitente.
0000 Inserir a Senha.

O número em fase de
Introduzir a Senha com as SENHA
modificação fica
teclas de navegação Z1,
intermitente. Validar a
Z2, Z3, Z4. 3020
inserção.
Este ecrã é visualizado
SENHA
durante 2 seg. (a Senha é
activada) voltando depois
ao menu principal.

Anular Senha
Para anular a Senha, efectuar a inserção (Ver acima) da Senha actual.
A Senha fica anulada e o módulo lógico mostra um ecrã transitório com
um cadeado aberto. Se se esqueceu da Senha, veja o capítulo 8,
page 71.

Modificação da Senha
Para modificar a Senha, anular a anterior e inserir uma nova (Ver
acima).

Module logique, chapitre 3 27


2. Função escolha do idioma « IDIOMA »

Esta função permite escolher o idioma utilizada pelo módulo lógico.


Todas as mensagens são visualizáveis em 6 línguas : Inglês, Francês,
Alemão, Italiano, Espanhol e Português.

Exemplo: ecrã de escolha do idioma.

O idioma escolhida aqui é o francês.

Nota : a escolha do idioma não pode ser efectuada se o módulo estiver em


modo RUN.

Utilização da função « Ini. »


Quando a função Ini. está seleccionada, na próxima colocação sob
tensão, o módulo lógico pede ao utilizador para efectuar a escolha do
idioma bem como a validação da hora (para os produtos com relógio).

28 Module logique, chapitre 3


3. Função entradas rápidas « FILT. »

Esta função permite detectar mais rapidamente as mudanças de estado


nas entradas. Só utilizar quando necessário pois torna as entradas do
módulo lógico mais sensíveis aos parasitas e aos fenómenos
transitórios.

Duas escolhas são possíveis : «RAPID » e «LENT». Esta função está


disponível nos módulos lógicos com corrente continua.

Nota : esta escolha só se pode efectuar quando o módulo lógico está em


modo STOP. Por defeito os módulos lógicos são configurados em
modo « LENT » .

Entrada standard Entrada


Referências Filtrag. Comutação
Tudo ou Nada Analógica

ON->OFF 5 ms 5 ms

SR1-A101BD LENT
OFF->ON 3 ms 3 ms
SR1-B121BD

SR1-A201BD Nominal : 0.3 ms


ON->OFF 0.5 ms
Máx. : 0.5 ms
SR1-B201BD
RAPID
Nominal : 0.2 ms
OFF->ON 0.3 ms
Máx. : 0.3 ms

Os outros módulos (alimentados a corrente alternada) só possuem um


valor fixo e não parametrizável de filtragem, que é função da tensão de
alimentação, ver as fichas técnicas do catálogo comercial.

Module logique, chapitre 3 29


4. Função Teclas de navegação « Zx=TECLAS »

A opção « Zx=TECLAS » permite activar ou desactivar a utilização


das teclas de navegação como botões de pressão.
Quando estão inactivas, só estão disponíveis para parametrizar,
configurar e programar o módulo lógico.
Quando estão activas, é igualmente possível utilizá-las num esquema
de comando.
Elas funcionam como botões de pressão sem ter necessidade de utilizar
um contacto de entrada do terminal.

Representação Função N° Descrição


Representação das teclas do painel
Z N° Normal de navegação do módulo lógico,
este contacto dá o estado da tecla
correspondente.
1a4
Z1 Seta para cima
zN° Inversa
Z2 Seta à direita
Z3 Seta para baixo
Z4 Seta à esquerda
Nota : por defeito, esta função está inactiva.

30 Module logique, chapitre 3


5. Função de ajuda « AJUDA »

Esta função permite activar ou desactivar a ajuda automática quando de


uma acção de parametrização ou de programação do módulo lógico.

Quando a ajuda é activada, só é necessário posicionar-se no elemento


desejado durante alguns segundos sem carregar numa tecla para que
a ajuda apareça sob a forma dum ecrã explicativo.

Para sair do ecrã, carregar na tecla ou .

Exemplo de ecrã de ajuda :

Quando da parametrização dum bloco função, posicionado sobre o


desenho do cadeado, aparece a mensagem seguinte : « modif.
param. ».
Efectivamente, o encravamento inibe o aparecimento do bloco função
no menu dos parâmetros.

Module logique, chapitre 3 31


Capítulo 4 - Sumário
Esquemas de comando

O presente capítulo trata dos seguintes temas:


1. Introdução _____________________________________________________ 31

2. Entradas Tudo ou Nada __________________________________________ 32

3. Saídas Tudo ou Nada ____________________________________________ 33


Utilização como bobina ___________________________________________ 33
Utilização como contacto _________________________________________ 33
Exemplo de utilização duma bobina telerruptor ________________________ 34
Exemplo de utilização das bobinas Set e Reset ________________________ 34
4. Relés auxiliares _________________________________________________ 35
Exemplo de utilização dum relé auxiliar ______________________________ 35
5. Teclas de navegação ____________________________________________ 36
Exemplo de utilização da tecla « seta para cima » ______________________ 36
6. Bloco função Relógio ____________________________________________ 37
Contactos do bloco função Relógio __________________________________ 37
Parâmetros do bloco função Relógio ________________________________ 38
Exemplo de gestão do tempo com um bloco Relógio ____________________ 39
7. Bloco função Contador __________________________________________ 41
Contactos do bloco função Contador ________________________________ 41
Bobinas e parâmetros do bloco função Contador _______________________ 41
8. Bloco função Temporizador _______________________________________ 43
Contactos do bloco função Temporizador _____________________________ 43
Bobinas e parâmetros do bloco função Temporizador ___________________ 43
Exemplo de utilização dum bloco função Temporizador __________________ 46
9. Bloco função Analógica __________________________________________ 47
Contactos do bloco função Analógica ________________________________ 47
Parâmetros do bloco função Analógica _______________________________ 48

32 Módulo lógico, capítulo 4


1. Introdução

Nesta parte, detalharemos todos os elementos possíveis dum esquema


de comando, reconhecidos e utilizados pelo módulo lógico. De modo a
melhor compreender as funcionalidades de cada elemento
integraremos, quando necessário, um exemplo directamente utilizável.

Os módulos lógicos aceitam esquemas de 60 linhas para os módulos


lógicos 10 E/S e de 80 linhas pour les módulos lógicos 20 E/S.

Nota : cada linha é composta no máximo por 3 contactos, e


obrigatoriamente, uma bobina. Quando a aplicação necessita mais
de 3 contactos para activar uma acção, é possível utilizar os relés
auxiliares como se mostra no exemplo abaixo.

Exemplo de esquema de comando :

Módulo lógico, capítulo 4 33


2. Entradas Tudo ou Nada

Uma entrada Tudo ou Nada é exclusivamente utilisável como contacto.

N° nos
Representação Função Descrição
bornes

IN° Normal Entrada fisica do módulo lógico.


1 a C em
Este contacto dá o estado do sensor
função do
(interruptor, detector,… ) ligado à
iN° Inversa módulo
entrada correspondente.

Exemplo 1 :
I1— — — — — — Q1
Quando entrada I1 está passante, a saída Q1 é activada.

Exemplo 2 :
i1— — — — — — Q1
Quando I1 está não passante, a saída Q1 é activada.

34 Módulo lógico, capítulo 4


3. Saídas Tudo ou Nada

Uma saída Tudo ou Nada é utilizável, indiferentemente, como bobina ou


como contacto.

Utilização como bobina

Modo de N° no
Descrição
utilização terminal
A bobina está activa se os contactos aos quais está
QN° ligada estão no estado não passante, caso contrário não
está activa.
Activação impulsional, a bobina é activada por uma
QN° mudança de estado, o equivalente a um telerruptor.

1 a 8 em Bobina « S e t », a bobina é activada desde que os


função du contactos aos quais está ligada estão no estado pas-
S QN°
módulo sante, mantém-se disparada mesmo se em seguida os
contactos já não estejam no estado passante.

Bobina «Reset», esta bobina é desactivada quando os


contactos aos quais está ligada estão no estado
R QN°
passante. Mantém-se inactiva mesmo se os contactos já
não estejam no estado passante.

Utilização como contacto

N° no
Representação Função Descrição
terminal
Saída fisica do módulo lógico.
QN° Normal
1 a 8 em Uma saída pode ser utilizada em
função do contacto de modo a conhecer-se o
qN° Inversa módulo seu estado num determinado
instante.
Exemplo 1 :
Q1— — — — — — Q2
Quando a saída Q1 está activada, a saída Q2 também está.

Exemplo 2 :
q1— — — — — — Q2
Quando a saída Q1 está desactivada, a saída Q2 está activada, a saída Q 2 terá sempre
o estado inverso da saída Q1.

Módulo lógico, capítulo 4 35


3. Saídas Tudo ou Nada

Nota : é fortemente aconselhado utilizar as funções e uma única vez


por bobina num esquema de comando.

Por outro lado, se utilizar uma bobina SET (função S), é obrigatório
prever uma linha de esquema onde essa bobina é desactivada por
um RESET (função R).

Caso contrário, em funcionamento, há o risco de gerar estados de


comutação imprevistos.

Exemplo de utilização duma bobina telerruptor


I1— — — — — — Q1

Muito prática, esta função permite acender e apagar uma lâmpada


através dum botão pressão. Se ligarmos um Botão Pressão à entrada
I1 e uma lâmpada à saída Q1, cada vez que se carrega no botão de
pressão, a lâmpada acende-se se estiver apagada e apaga-se se
estiver acesa. Para realizar um comutador de escada só é necessário
colocar entradas em paralelo e ligar um botão pressão em cada entrada.

Exemplo de utilização das bobinas Set e Reset


Queremos comandar a alimentação dum equipamento por um botão-
pressão e a paragem do mesmo equipamento por um outro botão-
pressão. A solução é a seguinte :

Esquema eléctrico Solução Módulo Lógico

O botão pressão BP2 está ligado ao módulo lógico na entrada I2 e BP3


na entrada I3, a máquina a comandar, aqui uma simples lâmpada L1
está ligada à saída Q2.
Carregando no botão pressão BP2 acende-se a lâmpada.
Carregando no botão pressão BP3 apaga-se a lâmpada.

36 Módulo lógico, capítulo 4


4. Relés auxiliares

Os relés auxiliares designados por M comportam-se exactamente como


as bobinas de saída Q. A única diferença é que não possuem bornes de
ligação.

São em número de 15 (a numeração é efectuada em hexadécimal, de 1


a 9 depois de A a F).

Utilizam-se para memorisar ou eliminar um estado. Esta memorização


ou eliminação é em seguida utilizada sob a forma de contacto
associado.

Exemplo de utilização dum relé auxiliar


Vamos utilizar dois relés auxiliares para mudar a posição de várias
entradas. Esta mudança serve-nos para comandar uma bobina.

Este tipo de esquema é muito utilizado para gerir os estados de uma


máquina.

Módulo lógico, capítulo 4 37


5. Teclas de navegação

As teclas de navegação comportam-se exactamente como as entradas


fisicas I. A única diferença é que elas não possuem bornes de ligação.

São em número de 4 (Z 1, Z 2, Z 3, Z 4).

São utilizadas como botões pressão.

São exclusivamente utilisáveis sob a forma de contactos :

N° no
Representação Função Descrição
módulo
Representação das teclas do painel
Z N° Normal de navegação do módulo lógico,
este contacto dá o estado da tecla
correspondente.
1a4
Z1 Seta para cima
Z2 Seta para a direita
zN° Inversa Z3 Seta para baixo
Z4 Seta para a esquerda

Nota : para que as teclas de navegação possam ser utilizadas desta


maneira, é necessário verificar se estão activadas na função
« Zx=TECLAS. » do menu « CONFIG. ».

Caso contrário, quando o módulo lógico está em modo RUN, estas


teclas são unicamente utilizadas para navegar nos menus.

O acesso á função « Zx=TECLAS. » está encravado quando a


senha está activa.

Exemplo de utilização da tecla « seta para cima »


Vamos realizar um telerruptor que funcionará com a tecla Z 1 e a
saída Q1.

Z 1— — — — — — Q1

A saída Q1 muda de estado cada vez que se carrega na tecla

38 Módulo lógico, capítulo 4


6. Bloco função Relógio

O bloco função Relógio permite validar as regulações horárias durante


as quais será possível executar outras acções. Comporta-se como um
programador semanal e possui 4 regulações (A, B, C, D) utilizadas para
comandar a sua saída.

a parametrização do bloco esté acessível em duas formas :


- na inserção da linha de esquema,
- a partir do menu « PARAMET. » se o bloco não estiver
protegido por uma senha.

Os contactos utilizáveis num esquema de comando são os seguintes :

Contactos do bloco função Relógio


Representação Função N° Descrição
O contacto está no estado
N° Normal passante quando o relógio está
em período de validação .
1a4
O contacto está em estado
N° Inversa passante quando o relógio não
está em período de validação.

Módulo lógico, capítulo 4 39


6. Bloco função Relógio

Parametros do bloco função Relógio


1 - N° do bloco
2 - Regulações de funcionamento
3 - Data e hora corrente
4 - Dia de inicio
5 - Dia de paragem
6 - Horário de início
7 - Horário de paragem
8 - Encravamento do bloco .

Parâmetro Descrição

4 blocos são utilizáveis, N° 1 a 4. Este


parâmetro não é modificável no ecrã
N° do bloco
apresentado acima. É escolhido na
validação do bloco na linha de esquema.

4 regulações de funcionamento são


disponíveis A, B, C, D. Durante o
Regulações de funcionamento funcionamento, estas regulações são
cumuláveis : O bloco é validado na
totalidade das regulações seleccionadas.
Data correspondente ao dia da semana
Data e hora corrente
(Segunda a Domingo)
Para cada regulação, indica-se um dia de
Dia de inicio
início de validade (Segunda a Domingo)
Para cada regulação, indica-se um dia de
Dia de paragem
fim de validade (Segunda a Domingo)
Para cada regulação, indica-se um
Horário de início horário de início de funcionamento (0h00
a 23h59)
Para cada regulação, indica-se um
Horário de paragem horário de fim de funcionamento (0h00 a
23h59)
Cada bloco Relógio pode ser encravado
ou não. Quando o encravamento está
Encravamento do bloco
activo, o bloco função Relógio já não
aparece no menu « PARAMET. »
Quando da validação dos parâmetros do bloco Relógio (saída do ecrã
pela tecla Esc), o módulo lógico apresenta uma síntese das regulações
de validade do bloco para que utilizador possa verificar a sua validação.

40 Módulo lógico, capítulo 4


6. Bloco função Relógio

Exemplo de gestão do tempo com um bloco Relógio


Queremos comandar um aparelho durante o dia em dois horários: das
9H00 às 13H00 e das 15H00 às 19H00. O aparelho é ligado á saída Q 2
do módulo lógico e utilizamos o bloco Relógio número 1.

A linha do esquema de comando é a seguinte:

1— — — — — — Q2

Na validação de 1 é necessário indicar as regulações de


funcionamento.

Nota : são utilizadas as seguintes teclas, Sel./OK para seleccionar ou


validar um parâmetro, Z1 e Z3 para modificar o valor do parâmetro
seleccionado, Z2 e Z4 para passar dum parâmetro para outro.

Ecrã Comentário
Primeiro ecrã de inserção, aparece vazio,
é necessário introduzir os diferentes
parâmetros através das teclas de
navegação.

A primeira regulação (A) acabou de ser


inserida: de segunda a sabado das 9H00
às 13H00. É necessário introduzir a
segunda regulação.

Terminámos de escolher a segunda


regulação, aparece vazia. É necessário
inserir os horários desta nova regulação.

A segunda regulação está validada: de


segunda a sábado das 15H00 às 19H00.
Só resta sair através da tecla Esc.

Nota : o exemplo desenvolvido no capítulo 7 descreve uma outra utilização


das regulações horárias. É possível combinar as duas utilizações de
modo a resolver casos complexos.

Módulo lógico, capítulo 4 41


6. Bloco função Relógio

No final da validação, o módulo lógico propõe um quadro de síntese que


indica todas as regulações de funcionamento. A visualização efectua-se
através das teclas de navegação.

O exemplo da página anterior traduz-se pelo quadro de síntese


seguinte:

Para voltar às linhas de esquema, é necessário carregar na tecla Esc.

42 Módulo lógico, capítulo 4


7. Bloco função Contador

O bloco função Contador permite contar impulsos. Pode ser colocado a


zero e um elemento gráfico utilizado como contacto permite saber se o
valor de pré-selecção foi atingido.

A parametrização do bloco está acessível : quando da validação da


bobina representando a entrada de contagem (designada CC N°) na
linha de esquema.
O menu « PARAMET. » permite modificar o valor de pré-selecção se
o bloco não estiver encravado por cadeados.

Contactos do Bloco Função Contador


Representação Função N° Descrição
O contacto está em modo passante
C N° Normal quando o contador atinge o valor de
pré-selecção fixado.
1a8
O contacto está em modo passante
cN° Inversa desde que o contador não atinja o
seu valor de pré-selecção.

Bobinas e parâmetros do bloco função Contador

1 – Entrada de contagem
2 – Entrada de colocação a zero
3 – Saída de validação ou de pré-selecção
4 – Valor a atingir designado também por valor de pré-selecção
5 – Encravamento do valor de pré-selecção do bloco.
6 – Entrada de sentido de contagem (somatória/subtractiva)

Nota : Este ecrã aparece unicamente quando se valida a bobina


correspondente à entrada de contagem.
O único parâmetro modificável é o valor de pré-selecção. O seu
valor está compreendido entre 0 e 9999.

Quando aparece um ponto neste ecrã, indica que o elemento não foi
utilizado nas linhas de esquema.

Módulo lógico, capítulo 4 43


7. Bloco função Contador

Elemento Descrição/Utilização Exemplo


Utilizado como bobina num esquema de
Exemplo de utilização :
comando, este elemento representa a
contagem na entrada do
entrada de contagem do bloco. A cada
CC activação da bobina, o contador aumenta
bloco função Contador
N°1.
ou decresce de 1 segundo o sentido de
I1— — — — — — CC 1
contagem escolhido.
Utilizado como bobina num esquema de Exemplo de utilização :
comando, este elemento representa a Colocação a zero do
entrada de colocação a zero do bloco contador N°1 carregando
RC Contador. A activação da bobina tem como na tecla para cima do
efeito colocar a zero o valor corrente de painel de navegação :
contagem. Z 1— — — — — — RC 1
Utilizado como bobina num esquema de
comando, este elemento representa a Exemplo de utilização :
entrada do contador que determina o contagem ou
sentido de contagem. Se esta bobina descontagem segundo o
DC estiver activada, o bloco função desconta estado duma entrada do
senão, o bloco função conta. Por defeito módulo lógico.
(esta entrada não é cablada) o bloco I2— — — — — — DC 1
função conta.
Valor a atingir. Este valor é também
designado valor de pré-selecção. Quando
o valor corrente do contador é igual ao
valor de pré-selecção, o contacto C do
p=0000 contador está em estado passante. Este
valor é modificável no ecrã descrito
anteriormente mas também no menu
« PARAMET. ».
Este parâmetro permite encravar o valor de
pré-selecção do bloco função Contador.
Quando o bloco está encravado, o valor de
pré-selecção já não aparece no menu
« PARAMET. ».
Exemplo de utilização :
Um sinalizador ligado á
Utilizado em contacto, este elemento do saída Q1 do módulo
bloco função Contador indica que o valor lógico acende-se quando
C ou c de pré-selecção e o valor corrente são o valor de pré-selecção é
iguais. atingido, caso contrário
apaga-se.
C 1— — — — — — Q1

44 Módulo lógico, capítulo 4


8. Bloco função Temporizador

O bloco função Temporizador permite retardar, prolongar e comandar


as acções durante um tempo determinado. Possui uma entrada de
colocação a zero, uma entrada de comando e uma saída que permite
saber se a temporização terminou.

A parametrização do bloco está acessível : quando da validação da


bobina comando (designada TT N°) na linha de esquema.
O menu « PARAMET. » permite modificar o valor de pré-selecção se
o bloco não estiver encravado por cadeados.

Contactos do Bloco Função Temporizador


Representação Função N° Descrição

O funcionamento do contacto de
TN° Normal
saída depende da parametrização
1a8 do Temporizador. As
parametrizações possíveis são
tN° Inversa
explicitadas no parágrafo seguinte.

Bobinas e parâmetros do bloco função Temporizador

1 – Entrada de comando do Temporizador


2 – Entrada para colocação a zero do Temporizador
3 – Saída de comando (ou Tempo de pré-selecção)
4 – Tipo de Temporizador (8 possíveis, ver página seguinte)
5 – Unidade do tempo de pré-selecção.
6 – Tempo de temporização, designado também tempo de pré-selecção
7 – Encravamento do valor de pré-selecção do Temporizador.

Nota : este ecrã só aparece quando se valida a bobina associada à entrada


de comando do Temporizador.

Quando aparece um ponto neste ecrã, indica que o elemento não foi
utilizado nas linhas de esquema.

Módulo lógico, capítulo 4 45


8. Bloco função Temporizador

Elemento Descrição/Utilização
Utilizado como bobina num esquema, este elemento representa a
TT entrada de comando do Bloco função Temporização. O seu funcio-
namento depende do tipo utilizado. (Mais detalhes no quadro seguinte).

Utilizado como bobina num esquema, este elemento representa a


entrada de colocação a zero. A activação da bobina tem como efeito
RT colocar a zero o valor corrente da Temporização: o contacto T está
desactivado e o bloco está pronto para um novo ciclo de temporização.

Existem 8 tipos de Temporizador. Cada tipo induz um funcionamento


particular que permite de gerir todos os casos de figuras consideradas
Tipo numa aplicação.
O quadro da página seguinte descreve precisamente esses 8 tipos.

Valor a atingir. Este valor é também designado valor de pré-selecção. O


t=00.00 impacto deste valor é diferente segundo o tipo utilizado. Para mais
detalhes ver quadro da página seguinte.

Unidade de tempo do valor de pré-selecção. Quatro casos são


possíveis :
Os 1/100 de segundos : 00.00 s Máximo: 99.99
s Os 1/10 de segundos : 000.0 s Máximo: 999.9
Os minutos : segundos : 00 :00 M : S Máximo: 99:59
As horas : minutos : 00: 00 H : M Máximo: 99:59

Este parâmetro permite encravar o valor de pré-selecção do bloco


função Temporizador. Quando o bloco está encravado, o valor de pré-
selecção já não aparece no menu « PARAMET. ».

Utilizado como contacto, este elemento do bloco função representa a


T ou t saída do Temporizador. O seu funcionamento depende do tipo
seleccionado. (Ver quadro página seguinte).

46 Módulo lógico, capítulo 4


8. Bloco função Temporizador

Tipo Descrição
Tipo A : Atraso na ligação (Temporização ao trabalho).
Exemplo: deseja-se decalar o fecho dum contactor de
modo a limitar a corrente de chamada (arranque em
cascata).

Tipo a : Atraso na ligação, na frente ascendente de


comando, com reposição a zero.

Tipo C : Atraso no desligar (Temporização ao repouso).


Exemplo: manutenção em funcionamento de um
ventilador após dada a ordem de paragem do motor.

Tipo B : Impulso calibrado na frente ascendente da


entrada de comando (Contacto de passagem).
Comando por um botão pressão da iluminação com um
automático de escada.

Tipo W : Impulso calibrado na frente descendente da


entrada de comando. Exemplo: Fecho duma barreira de
passagem.

Tipo D : Intermitente simétrico. Exemplo: sinalização


dum defeito por uma coluna luminosa intermitente.

Tipo d : Intermitente simétrico na frente ascendente da


entrada de comando com colocação a zero. Exemplo:
comando de um freio impulsional após corte da
alimentação.

Tipo T : Totalizador com colocação a zero. Exemplo:


pedir a substituição dum filtro quando o tempo de
utilização previsto foi ultrapassado.

Módulo lógico, capítulo 4 47


8. Bloco função Temporizador

Exemplo de utilização dum bloco função Temporizador


Realização duma temporização de iluminação de escadas:
Os botões pressão de cada andar são ligados à entrada I1 do módulo
lógico.
O bloco função Temporizador N°1 parametrizado a dois minutos e trinta
segundos comanda a saída Q 4.
A saída Q4 está ligada ao sistema de iluminação.

As linhas do esquema de comando são as seguintes:


I1— — — — — — TT 1
T 1— — — — — — Q4
Na validação de TT 1 é necessário parametrizar o bloco função
Temporizador.

Nota : são utilizadas as seguintes teclas, Sel./OK para seleccionar ou


validar um parâmetro, Z1 e Z3 para modificar o valor do parâmetro
seleccionado, Z2 e Z4 para passar dum parâmetro para outro.

Ecrã Comentário

É o primeiro primeiro ecrã, escolhermos


aqui o tipo de bloco função
Temporizador.

Efectuamos a escolha do tipo de bloco


função Temporizador : o tipo B, impulso
calibrado. Agora é necessário
seleccionar a base de tempo.

Seleccionámos a base temps M : S,


resta inserir a duração desejada.

Efectuámos a validação da duração, a


parametrização está terminada. Carre-
gue na tecla Esc. que permite voltar à
validação das linhas de esquema.

Nota : para o temporizador funcionar, não esquecer de colocar o módulo


lógico em RUN.

48 Módulo lógico, capítulo 4


9. Bloco função Analógica

Os Blocos função analógica são utilizáveis nos módulos lógicos


referências : SR1-B121BD e SR1-B201BD, são módulos alimentados
em corrente contínua. Estes módulos autorizam a utilização de duas
entradas Tudo ou Nada designadas IB e IC para receber valores
compreendidos entre 0 e 10V.

O bloco função analógica permite efectuar não só uma comparação


entre um valor analógico medido e um valor de referência interna mas
também a comparação de dois valores analógicos medidos. Esta
função analógica é utilizada sob a forma de contacto.

A parametrização do bloco está acessível : na validação do contacto


representando o bloco função Analógica (A N°) na linha de esquema.
O menu « PARAMET. » permite modificar o valor de referência ou de
histerese segundo o tipo de bloco função escolhido, se o bloco não
estiver encravado pela senha.

Contactos do Bloco Função Analógica


Representação Função N° Descrição

O contacto indica o posicionamento


AN° Normal dum valor analógico medido em
relação a um valor de referência, ou
1a8 seja, representa a comparação de
dois valores analógicos medidos.
aN° Inversa Depende do tipo de bloco função
Analógica escolhido e configurado.

Nota : um bloco função analógica é exclusivamente utilizado sob a forma


de contacto.

Módulo lógico, capítulo 4 49


9. Bloco função Analógica

Parâmetros do bloco função Analógica


Quando da validação do contacto numa linha de esquema, é necessário
indicar o tipo de bloco função analógica utilizado. Cada tipo comporta
parâmetros e um comportamento especificos descritos no quadro
seguinte.

Tipo de Bloco função Descrição


O contacto A 1 está no estado passante quando o valor da
entrada analógica Ib é inferior ou igual à tensão de
referência validada no campo Ref. Aqui como 4.9 V.

O contacto A 1 está no estado passante quando o valor da


entrada analógica Ib é superior ou igual à tensão de
referência validada no campo Ref. Aqui como 4.9 V.

O contacto A 1 está no estado passante quando o valor da


entrada analógica Ic é inferior ou igual à tensão de
referência validada no campo Ref. Aqui como 4.9 V.

O contacto A 1 está no estado passante quando o valor da


entrada analógica Ic é superior ou igual à tensão de
referência validada no campo Ref. Aqui como 4.9 V.

O contacto A 1 está no estado passante quando o valor da


entrada analógica Ib é inferior ou igual ao valor da entrada
analógica Ic.

O contacto A 1 está no estado passante quando o valor da


entrada analógica Ib é superior ou igual ao valor da
entrada analógica Ic.

O contacto A 1 está no estado passante quando o valor da


entrada Ib está compreendido entre Ic-H e Ic+H.
H (histeresis) foi validado no campo H. Aqui como 4.9 V.

O permite encravar o bloco função Analógica. Se o bloco está


encravado, a tensão de referência ou o valor de histerese (segundo o
tipo escolhido) já não aparece no menu« PARAMET. ».
Quando o bloco está desencravado, os valores admissíveis estão
compreendidos entre 0 e 9.9 Volts.

50 Módulo lógico, capítulo 4


Módulo lógico, capítulo 4 51
Capítulo 5 - Sumário
Inserção dos esquemas de comando

O presente capítulo trata dos seguintes temas:


1. Ergonomia de edição ____________________________________________ 51

2. Método de inserção dum elemento _________________________________ 52


Inserção de um elemento _________________________________________ 52
Eliminação de um elemento _______________________________________ 52
3. Método de inserção duma ligação _________________________________ 53
Supressão das ligações entre os elementos ___________________________ 53
Substituição duma ligação por um contacto ___________________________ 53
4. Método de inserção dos parâmetros blocos função ___________________ 54

5. Supressão e inserção de linhas de esquema _________________________ 55


Supressão duma linha de esquema _________________________________ 55
Inserção duma linha de esquema ___________________________________ 55

52 Módulo lógico, capítulo 5


1. Ergonomia de edição

A inserção dum esquema de comando no módulo lógico efectua-se a


partir das teclas situadas na face frontal. Lembremos a sua função para
esta utilidade precisa no quadro seguinte :

Tecla Descrição

Carregando nesta tecla permite efectuar a supressão


dum elemento ou duma linha de esquema.

Carregando nesta tecla permite inserir uma linha de


esquema

Carregando nesta tecla permite:


- Efectuar uma selecção,
- Entrar na página dos parâmetros dum elemento,
- Entrar numa página de visualização,
- Validar uma escolha.

Por exemplo, na inserção do esquema aparece um ?


intermitente, esta tecla permite entrar em modo
«selecção» afim de escolher o contacto ou a bobina
desejados.
Carregando nesta tecla pode-se sair do ecrã corrente
após ter efectuado as modificações desejadas ou
anular uma inserção em curso dum elemento de
esquema de comando.
Por exemplo, após ter modificado os parâmetros dum
bloco função, esta tecla permite voltar à validação do
esquema.

Na inserção dum esquema, a utilização do painel de


navegação permite passar dum elemento a outro
através das teclas Z4 e Z2, de seguida modificar o valor
graças às teclas Z1 e Z3.

No resto deste capítulo, utilizaremos Del., Ins. Line, Sel./ OK, Esc.,Z1,
Z2, Z3 e Z4 para designar estas teclas.

Módulo lógico, capítulo 5 53


2. Método de inserção dum elemento

Inserção dum elemento


O posicionamento dum elemento (contacto ou bobina) só é possível
quando o cursor intermitente ? está presente no ecrã.
A inserção dum contacto efectua-se nas três colunas da esquerda, a
inserção duma bobina só é possível na última coluna.

Inserção dum contacto


1- Posicionar o cursor intermitente ? no local desejado.
2- Carregar na tecla Sel./ OK.
3- Escolher o tipo de contacto desejado através das teclas Z1 e Z3.
4- Utilizar a tecla Z2 para se posicionar no número.
5- Escolher o número através das teclas Z1 e Z3.
6- Validar pela tecla Sel./ OK ou Z2.

Inserção duma bobina


1-Posicionar o cursor intermitente ? no local desejado.
2-Carregar na tecla Sel./ OK.
3-Escolher o tipo de bobina desejada através das teclas Z1 e Z3.
4-Utilizar a tecla Z2 para se posicionar no número.
5-Escolher o número através das teclas Z1 e Z3.
6- Utilizar a tecla Z2 para se posicionar na função de bobina.
7-Escolher a função de bobina através das teclas Z1 e Z3.
8-Validar pela tecla Sel./ OK.

A validação de determinadas bobinas de bloco função gera o


aparecimento dum ecrã de parametrização do bloco. Para conhecer as
características destes parâmetros, reporte-se capítulo 4, página 30 e
para conhecer a metodologia de inserção reporte-se á parte 4, página
54 deste capítulo.

Modificação dum elemento


Para modificar um elemento de um esquema de comando existente,
posicionar-se sobre o elemento a modificar e efectuar o mesmo
procedimento que para uma inserção dum novo elemento.

Supressão dum elemento


Para suprimir um elemento, posicionar o cursor ? sobre o elemento
desejado e depois carregar na tecla Del. Geralmente, é necessário
substituir este elemento por uma ligação.

54 Módulo lógico, capítulo 5


3. Método de inserção duma ligação

Inserção de ligações entre os elementos


Na maior parte dos casos, a inserção das ligações é realizada
automaticamente pelo módulo lógico. No entanto, é possível inserir uma
ligação manualmente da seguinte maneira.

A inserção duma ligação efectua-se exclusivamente a partir dum cursor


intermitente ?.

1- Posicionar o cursor intermitente ? no local desejado.


2- Carregar na tecla Sel./ OK para iniciar a ligação (cursor « + »).
3- Traçar a ligação deslocando o cursor +até ao local desejado através
das teclas Z1, Z2, Z3 ou Z4.
4- Carregar na tecla Sel./ OK para validar a ligação.

Repetir a manobra quantas vezes for necessário para ligar os


elementos uns aos outros segundo as necessidades.

Supressão das ligações entre os elementos


Para suprimir uma ligação, deslocar o cursor ? ou o cursor ? sobre a
ligação a suprimir e carregar na tecla Del.

Substituição duma ligação por um contacto


Para substituir uma ligação por um contacto, posicionar o cursor ? no
local desejado e efectuar a inserção do contacto como descrito na
página anterior.

Módulo lógico, capítulo 5 55


4. Método de inserção dos parâmetros dos blocos
função

Quando da inserção dum esquema de comando, é necessário


actualizar os parâmetros dos blocos função. Estes ecrãs de
parametrização aparecem para:

a inserção dum bloco função Relógio,


a inserção dum bloco função Analógico,
a inserção da entrada de comando dum bloco função Temporizador,
a inserção da entrada de contagem dum bloco função Contador.

Qualquer que seja o ecrã de parametrização, a inserção dos parâmetros


é identica:

1-Utilizar as teclas Z2 e Z4 para posicionar o cursor intermitente ? no


parâmetro a modificar.
2-Seleccionar o parâmetro carregando na tecla Sel./ OK.
3-Modificar o valor do parâmetro através das teclas Z1, Z3 e Z2, Z4.
4-Validar o valor obtido carregando na tecla Sel./ OK.
5-Terminar a inserção do ecrã carregando na tecla Esc. para voltar à
inserção do esquema de comando.

56 Módulo lógico, capítulo 5


5. Supressão e inserção de linhas de esquema

Supressão duma linha de esquema

A supressão das linhas de esquema efectua-se linha a linha. O principio


é o seguinte.

1-Deslocar o cursor num espaço vazio da linha (sem ligação ou sem


elemento), se necessário efectuar a supressão dum elemento para
obter esse espaço vazio.
2- Carregar na tecla Del.
3- Aparece um menu de validação da supressão. Seleccionar a escolha
que convém através das teclas Z1 e Z3.
4- Validar a escolha carregando na tecla Sel./ OK.

A linha foi suprimida.

Nota : é possível suprimar a totalidade das linhas de esquema contidas no


módulo lógico. Para tal, ir à opção « APAG. PROG » do menu
principal e validar a supressão de todas as linhas do esquema de
comando.

Inserção duma linha de esquema


Para inserir uma linha de esquema posicionar-se na linha situada
imediatamente abaixo da linha a criar e carregar na tecla Ins. Line.

Módulo lógico, capítulo 5 57


Capítulo 6 - Sumário
Afinação

O presente capítulo trata dos seguintes temas:


1. Introdução _____________________________________________________ 57

2. Esquemas de comando em modo dinâmico _________________________ 58


Visualização dos esquemas de comando _____________________________ 58
Modificação dos esquemas de comando _____________________________ 58
Utilização das teclas Z em botões pressão ____________________________ 58
3. Parâmetros dos blocos função em modo dinâmico ___________________ 59
Visualização dos parâmetros dos blocos função _______________________ 59
Modificação dos parâmetros dos blocos função ________________________ 60
4. Menus em modo dinâmico ________________________________________ 61

58 Module logique, chapitre 6


1. Introdução

Quando a aplicação for validada sob a forma de esquema, resta


efectuar os testes de actualização.

A primeira etapa consiste em colocar em modo RUN o módulo lógico.


Para tal ir à opção « RUN/STOP » do menu principal e validar a
colocação em modo RUN.

A partir deste instante, o módulo lógico gere as entradas e as saídas


físicas segundo as instruções validadas no esquema.

1-Visualização do estado das entradas (B e C


representando as entradas analógicas)
2-Visualização do modo de marcha
(RUN/STOP)
3-Visualização de um parâmetro, por defeito dia e
hora para os produtos com relógio
4-Visualização do estado das saídas

Quando as entradas ou as saídas são activadas, aparecem em modo


de video inverso (branco sobre fundo preto).

Estamos a falar da utilização dinâmica das funcionalidades do módulo


lógico. Os termos RUN e dinâmica têm no resto do documento um
significado similar.

Módulo lógico, capítulo 6 59


2. Esquemas de comando em modo dinâmico

Visualização dos esquemas de comando

O módulo lógico permite visualizar em modo dinâmico o comportamento


do esquema de comando. Para tal basta entrar na opção
« PROGRAM. » e posicionar-se nas linhas a visualizar através das
teclas do painel de navegação.

Cada contacto no estado passante ou bobina activada é visualizada em


modo video inverso (Branco sobre fundo preto).

Para evoluir o comportamento do módulo lógico é possível modificar ou


visualizar determinados parâmetros des blocos função.

Modificação des esquemas de comando

Nota : é TOTALMENTE IMPOSSÍVEL modificar as linhas do esquema de


comando em modo RUN.

No entanto, é possível modificar os parâmetros dos blocos função.

Em modo RUN, as teclas Del. e Ins. Line estão inoperantes.


A tecla Sel/Ok só é utilizável nos blocos função.

Utilização des teclas Z como botões pressão


Quando se entra nos menus, as teclas Z já não são utilizáveis em forma
de botões pressão. Para testar o esquema de comando em modo
dinâmico e ver o efeito das teclas Z, proceder do seguinte modo:

1- Visualizar o esquema de comando (Ver acima).


2- Carregar na tecla Sel./OK.

Para desactivar a utilização em botão pressão, carregar na tecla Esc.

60 Módulo lógico, capítulo 6


3. Parâmetros dos blocos função em modo
dinâmico

Visualização dos parâmetros dos blocos função


Em modo RUN, dispomos de funcionalidades suplementares. Assim, é
possível visualizar os parâmetros dos blocos função.

Os elementos visualisáveis são os seguintes:

1- O valor corrente e o valor de pré-selecção de um Contador.


2- O estado das entradas e das saídas de um Contador.
3- O valor corrente e o valor de pré-selecção dum Temporizador.
4- Todos os parâmetros de um bloco função Relógio.
5- A tensão de referência de um bloco função Analógico.
6- O valor de histerise de um bloco função Analógico.
7- Os valores medidos nas entradas analógicas.

Para tal só é necessário entrar na opção « PROGRAM. », posicionar-


se no bloco função desejado e carregar na tecla Sel./ OK.

Aparece um novo ecrã com os parâmetros do bloco função. O


procedimento é identico ao utilizado para modificar os parâmetros de
um bloco função.

Exemplo de ecrãs :

Ecrã Parâmetros visualizáveis

Estado do contacto do contador


Estado das bobinas do contador
Valor corrente de contagem
Valor de pré-selecção do contador

Valor das tensões comparadas


Valor de referência
Tipo de bloco função Analógico

Estado do contacto do Temporizador


Tempo de temporização
Valor da duração de pré-selecção

Módulo lógico, capítulo 6 61


3. Parâmetros dos blocos função em modo
dinâmico

Modificação dos parâmetros dos blocos função


Em modo RUN, é possível modificar em modo dinâmico o valor de pré-
selecção dos blocos função, se não estiverem encravados.

As manipulações autorizadas são as seguintes :

1- Modificação do valor de pré-selecção de um Contador.


2- Modificação do valor de pré-selecção de um Temporizador.
3- Modificação dos parâmetros de um bloco função Relógio.
3- Modificação da tensão de referência de um bloco função Analógico.
4- Modificação do valor de histerise de um bloco função Analógico.

Para isso, a maneira mais simples é a seguinte:


1- Seleccionar « PARAMET. » a partir do menu principal.
2- Carregar na tecla Sel./ OK.
3- Escolher o parâmetro desejado através das teclas Z1 e Z3.
4- Carregar na tecla Sel./ OK.
5- Modificar o valor do parâmetro através das teclas Z1, Z3 e Z2, Z4.
6- Validar pela tecla Sel./ OK.

É igualmente possível modificar o valor de um parâmetro seleccionando


a função « PROGRAM. », e depois posicionando-se no bloco função
desejado e seleccionando o bloco função respectivo carregando na
tecla Sel./ OK.

62 Módulo lógico, capítulo 6


4. Menus em modo Dinâmico

Determinados menus são acessíveis em modo RUN.

Quadro de síntese:

Acesso em modo Acesso em modo


Menu
STOP RUN
REGUL. DIA/H Sim Sim

PROGRAM. Sim Sim*

PARAMET. Sim Sim

VISU. Sim Sim

RUN/STOP Sim Sim

CONFIG. Sim Sim

APAG. PROG Sim Não

TRANSFER. Sim Não

PROG. INFO Sim Sim

Menu de configuração

SENHA Sim Sim

IDIOMA Sim Sim

FILT. Sim Não

Zx=TECLAS Sim Não

AJUDA Sim Sim

* Determinadas funcionalidades são acessíveis, outras não, ver parágrafos anteriores.

Módulo lógico, capítulo 6 63


Capítulo 7 - Sumário
Exemplo de aplicação

O presente capítulo trata dos seguintes temas:


1. Cadernos de encargos ___________________________________________ 63

2. Análise do caderno de encargos ___________________________________ 64

3. Realização da solução ___________________________________________ 65


Realização do esquema de comando ________________________________ 65
Parametrização dos blocos função __________________________________ 66

64 Módulo lógico, capítulo 7


1. Caderno de encargos

Desejamos completar e centralizar a gestão do parque de


estacionamento subterrâneo dum edifício de escritórios. A entrada e a
saída desse parque de estacionamento são realizadas por uma barreira
automática que integra funcionalidades de base tais como a abertura e
o fecho temporizado à passagem dos veículos, a gestão dos tickets de
pagamento, a segurança, o comando externo de bloqueio da entrada na
posição fechado...

Em complemento, queremos contabilizar o número de veículos


estacionados no parque de estacionamento e comandar um painel
luminoso que assinala aos utilizadores que todos os lugares estão
ocupados impedindo o acesso pelo bloqueio da barreira de entrada na
posição fechado. O automobilista sabe que o parque de estacionamento
está completo. Deve ser possível inibir esse bloqueio se for necessário
a entrada de veículos de emergência (bombeiros, ambulâncias...).

Queremos também interditar o acesso ao parque de estacionamento


quando do fecho do centro permitindo aos agentes de segurança inibir
esse bloqueio excepcionalemente. Os horários de abertura são os
seguintes: de Segunda Feira a Sexta Feira das 8H30 às 17H30, de
Sábado das 9H30 às 12H00 e fecha completamente ao Domingo.

Por razões de segurança, devemos igualmente proceder à extracção


dos gases tóxicos tais como CO2 através dum ventilador quando a
concentração medida ultrapasse as normas autorizadas (utilização dum
sensor especializado que fornece um valor de saída compreendido
entre 0 e 10V).

Além disso, queremos comandar automaticamente a iluminação


quando entra um veículo e, através de botões pressão, comandar a
iluminação nos diferentes acessos para peões. Por razões de
economia, a iluminação apaga-se ao fim de 10 minutos, tempo
normalmente suficiente para se estacionar, sair do veículo e entrar nos
elevadores, ou para chegar ao veículo e sair do parque de
estacionamento.

Em complemento, uma intervenção manual deverá permitir actualizar o


número de veículos estacionados no parque de estacionamento
aumentando ou diminuindo o número de veículos reconhecidos pelo
módulo lógico.

Módulo lógico, capítulo 7 65


2. Análise do caderno de encargos

Etiqueta módulo lógico Designação


Entrada I 1 Detecção da entrada dum veículo.
Entrada I2 Detecção da saída dum veículo.
Contagem do número de veículos no
Contador C 1
parque de estacionamento (máximo 93).
Indicação que o parque de
Saída Q1
estacionamento está completo
Bloqueio da entrada (interdição de aber-
tura da barreira de entrada) quando o
Saída Q2 parque de estacionamento está completo
ou quando o horário de acesso foi
ultrapassado.
Tecla função Z 4 Desbloqueio manual da entrada.
Tecla função Z 2 Voltar à gestão automática da entrada.
Aumento manual do número de veículos
Tecla função Z 1
no parque de estacionamento.
Diminuição manual do número de
Tecla função Z 3
veículos no parque de estacionamento.
Gestão dos horários de acesso ao parque
Bloco função Relógio N°1
de estacionamento.
Botões pressão dos acessos para peões
que permitem a iluminação do parque de
estacionamento. Um para o elevador e
Entradas I3 e I4
um para as escadas (os acessos para a
entrada de veículos não são autorizados
para os peões).
Saída Q3 Comando da iluminação.
Bloco função Temporizador N°1 Temporização da iluminação (10 min.).
Entrada analógica IB Sensor de nível de CO2
Bloco função analógico A 1, o valor de Comparação da medida de CO2 com o
nível autorizado corresponde a 8,5 Volts. nível autorizado.
Comando do ventilador de extracção de
Saída Q4
ar poluído.
Bloco função Temporizador N°2 Temporização da ventilação(15 min.).

Nota : para realizar esta solução, é necessário um módulo lógico com entradas analógicas,
blocos função Relógio, no mínimo 4 entradas e 4 saídas Tudo ou Nada. O módulo
óptimo é o SR1 B 12 1 BD

66 Módulo lógico, capítulo 7


3. Realização da solução

Realização do esquema de comando

Contagem das entradas, contagem das


saídas e actualização manual do número de
veículos no parque de estacionamento.

Lançamento do automático de escada

Lançamento da temporização do ventilador


Gestão do desbloqueio manual

Comando das saídas: sinalização de parque


de estacionamento completo, bloqueio da
entrada, iluminação do parque de
estacionamento e extracção de ar pelo
ventilador.

Nota : quando da contagem e da descontagem, o contador está encravado


se atingirmos o número máximo (sem detecção parasita ou de
contagem se os veículos entrarem em desbloqueio manual).
ATENÇÂO, para um só contador, as bobinas CC e DC só devem
aparecer uma vez no esquema de comando.

Por outro lado, a saída Q2 está activada quando a entrada do


parque de estacionamento está interdita. Necessitamos da
utilização dum relé auxiliar para efectuar o bloqueio ou o
desbloqueio manual da barreira através das teclas de navegação.

Módulo lógico, capítulo 7 67


3. Realização da solução

Parametrização dos blocos função

Bloco função Comentário

Bloco função Contador C 1 O valor de pré-selecção é de 93 (número


máximo de veículos autorizados neste
parque de estacionamento). Se
necessário, este valor pode ser
modificado em funcionamento.

Bloco função Relógio 1


Horários de abertura: da Segunda Feira a
Sexta Feira das 8H30 às 17H30, Sábado
das 9H30 às 12H00 e fecha
completamente ao Domingo. São
utilizadas duas regulações.

Bloco função Temporizador T 1


Duração do automático de escada do
parque de estacionamento (10 minutos).

Bloco função Analógico A 1


Comparação do valor de CO2 medido
com o valor de referência (8,5 V).

Bloco função Temporizador T 2


Duração do funcionamento do ventilador
se o nível de CO2 for ultrapassado.

68 Módulo lógico, capítulo 7


Módulo lógico, capítulo 7 69
Capítulo 8 - Sumário
Diagnóstico

O presente capítulo trata dos seguintes temas:


1. Mensagens do módulo lógico _____________________________________ 69

2. Questões frequentes ____________________________________________ 70

70 Module logique, chapitre 8


1. Mensagens do módulo lógico

Explicação das mensagens enviadas pelo módulo lógico. Estas


mensagens indicam, em geral, as incompatibilidades das acções
solicitadas pelo utilizador.

Mensagem Causa Solução


Voltar ao menu principal,
O utilizador solicitou acesso a
seleccionar a opção « RUN/
uma funcionalidade que só
STOP », colocar o módulo
ERR. RUN MODE está disponível quando o
em modo STOP, e voltar ao
módulo lógico está em modo
local onde apareceu a
STOP .
mensagem.
Voltar ao esquema para
verificar se o esquema foi
O utilizador solicitou acesso à
correctamente validado e se
opção « PARAMET. » não
comporta elementos
NO PARAMET. há parâmetro disponível. (o
parametrizáveis :
esquema não comporta
Contadores, Tempo,
elementos com parâmetros)
Horodatadores, blocos
analógicos.
Voltar ao esquema para
O utilizador solicitou acesso à
verificar se o esquema foi
opção « VISU. » não há
NO PARAMET. correctamente validado e se
elementos visualizáveis
comporta pelo menos um
validados no esquema.
bloco função.

O utilizador socilitou a
transferência dum programa
Verificar a proveniência do
que não corresponde às
programa a transferir e
PROGRAM. características do módulo
escolher um programa
INCOMPAT. lógico destinatário. Por
compatível com o módulo
exemplo, os relógios são
lógico correpondente.
utilizados e o módulo
destinatário não é.
Uma transferência está em Ver a documentação do
curso e a ligação com PC é software de programação do
TRANSF.ERR.
interrompida de maneira módulo lógico para PC,
intempestiva. ZelioSoft
Uma transferência para a
memória EEPROM foi Verificar a presença e o bom
TRANSF.ERR. solicitada e a memória posicionamento da memória
EEPROM não está presente EEPROM.
ou está mal posicionada.

Módulo lógico, capítulo 8 71


2. Questões frequentes

Para ajudar o utilizador a melhor conhecer o módulo lógico, as questões


que surgem com mais frequência foram sintetizadas no quadro
seguinte.

Questão Resposta
Determinados parâmetros não estão acessíveis,
consultar a documentação para saber se esses
Dificuldade em aceder a elementos são modificáveis. Exemplo de elemento
determinados parâmetros não modificável : o sentido de contagem dum bloco
função Contador, este elemento só está acessível
para a cablagem numa linha de esquema.
Para aceder aos parâmetros, é necessário utilizar
as teclas Z4 e Z2 do painel de navegação para se
Impossibilidade de aceder a posicionar acima (as teclas Z1 e Z3 só servem para
determinados parâmetros modificar o seu valor). Em seguida carregar na tecla
Sel./ OK para poder modificar o elemento
seleccionado através das teclas Z1 e Z3.
É normal, para poder entrar em modo modificação,
Para modificar um parâmetro,
é necessário carregar antes na tecla Sel./ OK (o
as teclas Z1 e Z3 do painel de
parâmetro fica intermitente). Em seguida as teclas
navegação são inoperantes.
Z1 e Z2 estão activas.
Sem colocar o módulo lógico
em STOP, é possível validar a
ATENÇÂO ler bem o texto da mensagem e validar
opção RUN/STOP do menu
a opção correcta.
principal através da tecla Sel./
OK?
Um esquema composto por 67
Para se deslocar mais rapidamente, carregar
linhas de esquema, é
durante um determinado tempo nas teclas Z1 ou Z3
relativamente longo até atingir
do painel de navegação, passa de 5 linhas em 5
a última linha. Como proceder
linhas.
para ser mais rápido ?
Quando se deseja modificar Verificar se o módulo lógico está em modo STOP.
linhas de esquema mas a tecla As modificações em modo RUN não são
Sel./ OK não funciona. autorizadas.
Não obrigatoriamente. Pode dar-se o caso de
Quando se deseja modificar
existirem linhas brancas inseridas no início do
linhas de esquema e o módulo
esquema de comando. Carregar na tecla Z3 para
lógico mostra um ecrã vazio.
verificar se as linhas de comando não se encontram
Perdeu-se o trabalho?
mais abaixo.

72 Módulo lógico, capítulo 8


2. Questões frequentes

Questão Resposta
Um bloco função Contador C 1
utilizado numa linha de É normal, a bobina CC dum contador deve
esquema para contar, e numa aparecer uma só e única vez no esquema de
outra linha para descontar, só comando. Para compreender o método, reporte-se
efectua a segunda função. ao exemplo do capítulo 7 page 65.
Porquê?
Esqueceu-se da senha e não
Para eliminar uma palavra chave, ir até ao ecrã de
é possível aceder às
validação da palavra chave e carregar na
funcionalidades do módulo
sequências das teclas seguintes: Z1 , Z4 , Z3 , Z2 .
lógico. Que fazer?
Um esquema de comando
utiliza uma tecla Z como botão Para poder utilizar as teclas Z como botões
pressão. Efectua-se um teste pressão, quando da visualização dum esquema de
mas quando se visualiza o comando em modo dinâmico, carregar Sel.OK
esquema em modo dinâmico, quando se visualiza o esquema. Para desactivar a
a tecla Z fica inoperante. utilização em botão pressão, carregar em Esc.
Como proceder?
Quando se realiza um
esquema de comando num
módulo com relógio, é Sim é possível se o esquema de comando não
possível transferi-lo através de utilizar os blocos função Relógio.
um memória EEPROM para
um módulo sem relógio?
Quando da validação dum
É muito provável que o módulo seja um módulo sem
esquema de comando, os
relógio e por isso os blocos função relógio não
blocos função relógio não
estejam acessíveis. Verificar as referências do
aparecem quando da escolha
produto.
dos contactos. É normal?
Quando da validação dum
É muito provável que o módulo não possua
esquema de comando, os
entradas analógicas e por isso os blocos função
blocos função analógicos não
analógicos não estejam acessíveis. Verificar as
aparecem quando da escolha
referências do produto.
dos contactos. É normal?

Módulo lógico, capítulo 8 73


Capítulo 9 - Sumário
Transferência dos esquemas de comando

O presente capítulo trata dos seguintes temas:


1. Como transferir uma aplicação ____________________________________ 73
Transferência Módulo lógico -> PC __________________________________ 73
Transferência PC -> Módulo lógico __________________________________ 73
Transferência Módulo lógico -> Memória EEPROM _____________________ 74
Transferência Memória EEPROM -> Módulo lógico _____________________ 74

74 Module logique, chapitre 9


1. Como transferir uma aplicação

Transferência Módulo lógico -> PC


O módulo lógico Zelio pode ser configurado e programado através do
software ZelioSoft. Esta função de transferência permite recuperar uma
aplicação dum módulo através do software.

O método é o seguinte:

1- Seleccionar a função « TRANSFER. » do menu principal.


2- Carregar na tecla Sel./ OK para validar.
3- Seleccionar a função « Modul.->PC ».
4- Carregar na tecla Sel./ OK para validar.
5- Introduzir a senha, se necessário.
6- O módulo visualiza « PRONTO »,a transferência efectua-se desde
que o software esteja pronto.

Transferência PC -> Módulo lógico


Esta transferência permite carregar no módulo lógico uma aplicação
realizada com o software ZelioSoft.

O método é o seguinte:

1- Seleccionar a função « TRANSFER. » do menu principal.


2- Carregar na tecla Sel./ OK para validar.
3- Seleccionar a função « PC->Modul. ».
4- Carregar na tecla Sel./ OK.
5- Para a questão « Muda Prog? », seleccionar a resposta « SIM »
carregando na tecla Z1.
6- Carregar na tecla Sel./ OK para validar.
7- O módulo visualiza « PRONTO »,a transferência efectua-se desde
que o software o solicite.

Módulo lógico, capítulo 9 75


1. Como transferir uma aplicação

Transferência Módulo lógico -> Memória EEPROM


O módulo lógico possui uma memória EEPROM fornecida em opção.
Esta função permite carregar na memória EEPROM a aplicação contida
no módulo lógico Zelio.

O método é o seguinte:

1- Seleccionar a função « TRANSFER. » do menu principal.


2- Carregar na tecla Sel./ OK para validar.
3- Seleccionar a função « Modul.->Mem ».
4- Carregar na tecla Sel./ OK para validar.
5- Introduzir a senha, se necessário.
6- O módulo visualiza « Modul. >>> » depois « TRANSFER OK », a
transferência está efectuada.

Nota : esta memória EEPROM pode servir a seguir para carregar uma
aplicação num outro módulo lógico.

Transferência Memória EEPROM -> Módulo lógico


Esta transferência permite recarregar uma aplicação no módulo lógico
Zelio. Evita validar de novo aplicação que já existe.

O método é o seguinte:

1- Seleccionar a função « TRANSFER. » do menu principal.


2- Carregar na tecla Sel./ OK para validar.
3- Seleccionar a função « Mem ->Modul. ».
4- Carregar na tecla Sel./ OK.
5- Para a questão « Muda Prog? », seleccionar a resposta « SIM »
carregando na tecla Z1.
6- Carregar na tecla Sel./ OK para validar.
7- O módulo visualiza « >>> Modul. » depois « TRANSFER OK », a
transferência está efectuada.

76 Módulo lógico, capítulo 9


Módulo lógico, capítulo 9 77
Anexos - Sumário

O presente capítulo trata dos seguintes temas:


1. Formulários ____________________________________________________ 77
Bloco função Relógio _____________________________________________ 78
Bloco função Contador ___________________________________________ 78
Bloco função Temporizador _______________________________________ 78
Bloco função Analógico ___________________________________________ 79
Teclas de navegação ____________________________________________ 79
Memento do utilizador ____________________________________________ 79

78 Module logique, annexe


1. Formulários

ESQUEMA DE COMANDO Aplicação: __________________________


Data: ___________ versão:_______
Comentário: ________________________
__________________________
__________________________
Título página: ______________________

Módulo lógico, anexo 79


1. Formulários

Bloco função Relógio

ABCD ABCD ABCD ABCD


- - - -

ON : ON : ON : ON :

OFF : OFF : OFF : OFF :

Bloco função Contador

C C C C

DC DC DC DC

Bloco função Temporizador

T T T T

Tipo Tipo Tipo Tipo

80 Módulo lógico, anexo


1. Formulários

Bloco função Analógico

A A A A

Analóg Analóg Analóg Analóg

Teclas de navegação

Memento do utilizador
Nota sobre a visualização dos parâmetros
Para visualizar os parâmetros, carregar na tecla Sel./ OK para aceder
ao menu « PARAMET. » e visualizar todos os parâmetros através das
teclas Z1 e Z3.

Nota sobre a modificação dos parâmetros


Para modificar os parâmetros, é necessário deslocar-se para o
parâmetro desejado no menu « PARAMET. », carregar na tecla Sel./
OK depois de modificar o parâmetro.

Nota sobre a utilização do ecrã de visualização


Para ver em continuo o estado dum elemento no ecrã principal :
deslocar-se para o menu « VISU. », ir ao elemento a desejado, depois
validar a selecção carregando na tecla Sel./ OK. Voltar ao ecrã principal
pela tecla Esc.

Módulo lógico, anexo 81


82 Módulo lógico, anexo
Índice relógio 37
inserção 52
A saída 33
Afinação 57 temporizador 43
Ajuda D
automática 29
Data
menu 10, 11
modificação 8, 10
Alimentação
Diagnóstico 69
generalidades 3
valor 4 E
Analógico EEPROM
contacto 47 compartimento 3
parâmetros 48 transferência10
Apagar Encravamento 29
programa 10 Entrada rápida
esquema 10 menu 11
Automático de escada Entradas
validação 18 analógica 48
analógicas 3, 4
B contacto 32
Base de tempo
corrente 4
temporizador 44
filtragem 11
Bloco função
número 4, 32
analógica 47
ligação 5
contador 41
rápidas 27
relógio 37
tensão 4
temporizador 43
tudo ou nada 4, 32
Bobina
visualização 3, 57
contador 41
ERR. RUN MODO 69
RESET 33, 34
Esquema de contacto
validação 52
observação 16
SET 33, 34
Esquema de comando
saída 33
exemplo prático 65
telerruptor 33, 34
funcionamento 13
Bobinas
inserção 55
temporizador 43
nº de linhas 31
C observação 16
Contador validação 18
contacto 41 supressão 55
diminuição 42 visualização em RUN 58
aumento 42 Esquema eléctrico
número 41 observação 16
parâmetros 41 Etiqueta 3
pré-selecção 42 Exemplo
retorno a zero 42 caderno de encargos 63
Configuração F
menu 10, 11
Filtragem 27
Contacto
Fixação 3
analógico 47
Função
contador 41
Ini. 26
entrada 32
H contador 42
Hora temporizador 44
modificação 8 PROGRAM. INCOMPAT. 69
Histerese 48 Programa
menu 10
I
Ib 48 Q
Ic 48 Questões 70
Idioma R
escolha 7 Regulações de funcionamento 38
menu 11 Relógio
modificação 26 contacto 37
número 26 funcionamento 37
Impulso calibrado 45 número 37
Ini. 7 parâmetros 38
Inserção linha 6 inserção 39
Intermitente simétrico 45 sintese 40
L
Ligação Relés auxiliares 35
validação 53 RUN
Ligação menu 10
PC 3 colocação em RUN 21
tudo ou nada 5 visualização 3, 57
M S
Menu Saídas
em RUN 61 bobina 33
Menu principal contacto 33
acesso 6 número 4, 33
descrição 9 relés 4
Mensagens 69 tudo ou nada 33
Modificação Senha
campo 8 anulação 25
valor elemento 8 efeito 25
menu 11
N modificação 25
NO PARAMET. 69
inserção 25
P STOP
Parâmetros menu 10
visualização 3, 57 colocação em 21
analógico 48 Supressão
bloco função Relógio 38 elemento 6
contador 41 linha 6
menu 10
modificação 60
inserção 54
temporizador 43
visualização em RUN 59
Pré-selecção
T
Telerruptor 33
Temporizador
base de tempo 44
comando 44
contacto 43
número 43
parâmetros 43
pré-selecção 44
retorno a zero 44
tipo 44, 45
Temporização ao repouso 45
Temporização ao trabalho 45
Terminal
entradas 3
saídas 3
Totalizador 45
Tecla
botão pressão 3, 58
inserção 3, 6
navegação 3
selecção 3, 6
supressão 3, 6
Z 11, 28, 36, 58
TRANSF.ERR 69
Transferência
EEPROM 10, 74
PC 10, 73
V
Validar 6
Visualização
menu 10
Visualizador 3
menu 10
Os produtos, materiais e serviços apresentados neste documento, são susceptíveis de evolução quanto às suas car-
acterísticas de apresentação, funcionamento ou utilização. A sua descrição não pode, pois, em caso algum ser consi-
derada como tendo um aspecto contractual.

SR1 MAN01P W9 156 9786 0111 A01

01/ 2000