Você está na página 1de 4

João: A Jornada da Fé

Proclamado Rei à Força


(6:1–15)
Bruce McLarty

João Barton, um missionário que trabalha A glória de Deus é revelada onde quer que
entre o povo basoga em Uganda, encontrou numa pessoas como John Barton partilhem a história
vila um velho que estava se esforçando para ler de Jesus. Em João 6:1–15, a glória de Deus é vista
duas Bíblias diferentes. Nenhuma das Bíblias esta- novamente, dessa vez na história de Jesus ali-
va escrita na língua dele, de modo que o velho se mentando os cinco mil.
esforçava para entender cada palavra. Embora
João não falasse muito a língua lusoga e o velho A HISTÓRIA (6:1–15)
não falasse muito inglês, eles conversaram um O capítulo 5 registrou ensinamentos de Jesus
pouco sobre o que o homem estava tentando ler. em Jerusalém durante a festa dos judeus. O
Ele disse a John que o problema do povo besoga capítulo 6 continua com Jesus de volta à região
era que para aceitar a mensagem da Bíblia, os da Galiléia, onde Ele atravessou o mar da Galiléia
besoga precisavam “comprar a língua dos estran- com os discípulos. Nessa altura, a popularidade
geiros”. Inicialmente, João não entendeu o que de Jesus estava aumentando. As pessoas falavam
estava ouvindo. Depois, porém, ele entendeu dos “sinais” miraculosos que Ele realizava. O versí-
que o velho estava dizendo que o seu povo tinha culo 2 contém três verbos que no grego estão no
de pagar as taxas escolares e estudar em escolas tempo imperfeito, o qual indica ação contínua.
onde se falava inglês para desenvolver a capaci- Em outras palavras, o significado da passagem é
dade de ler e discutir a Bíblia em inglês. “continuava O seguindo numerosa multidão, porque
João relatou qual foi sua resposta: continuavam vendo os sinais que ele continuava
fazendo na cura dos enfermos” (6:2; grifo meu).
Eu disse ao velho que eu estava aprendendo a O próximo detalhe incluído por João é que “a
língua dele para levar a Mensagem aos basoga
“gratuitamente”. Ele ficou emocionado e quer
Páscoa, festa dos judeus, estava próxima” (6:4).
que eu volte para vê-lo. A purificação do templo também tinha ocorrido
quando “estando próxima a Páscoa dos judeus”
“O Verbo se fez carne e habitou entre nós.” Em
outras palavras, Jesus veio a nós. Ele falou a
(2:13a). Esse pequeno detalhe semelhante prova-
nossa língua. Viveu em nosso mundo. Tornou- velmente explica por que tantas pessoas foram
Se um de nós. Atravessou o abismo; Ele não ver Jesus naquele dia. A época da Páscoa em
nos obriga a fazer isso. E no processo, Ele nos
mostrou a Sua glória, “a glória do unigênito do
Israel do primeiro século era um tempo quando
Pai”, “cheio de graça e de verdade”.1 as paixões patriotas ficavam à flor da pele.
Anualmente, os judeus se reuniam em Jerusalém
e aguardavam a chegada do Messias naquele ano
11
John Barton, relatório de trabalho de dezembro de para que este derrotasse as autoridades romanas
1994. e restaurasse a liberdade e a independência ao

1
reino de Israel. que aquele foi um milagre inegável em que Jesus
Conseqüentemente, quando Jesus excitou o tomou o alimento, deu graças e multiplicou os
povo da Galiléia realizando milagres e a Páscoa pães e peixes. As pessoas receberam “quanto
estava próxima, os judeus ficaram cheios de fortes queriam” (6:11), e “quando já estavam fartos”
expectativas de que Jesus poderia ser o Rei de (6:12) doze cestos cheios de sobras foram reco-
Israel que eles aguardavam há tantos anos! lhidos. Convém lembrar que a multidão se
Quando os cinco mil homens (6:10) seguiram constituía de cinco mil homens fortes o bastante
Jesus naquele dia, não eram simplesmente ouvin- para lutar numa guerra — e famintos o bastante
tes casuais que estavam ali por curiosidade, mas para comer uma enorme porção de comida!
eram guerreiros judeus audaciosos, prontos Quando o povo viu o “sinal” (6:14), admitiu
para seguir o Messias em combate. Lavradores que a mão de Deus estava sobre Jesus de um
largaram suas enxadas e comerciantes fecharam modo especial e concluiu que Ele era “o profeta
suas portas com o propósito de ir até o lado que devia vir ao mundo” (6:14). Essa expectativa
distante do mar da Galiléia para ouvir Jesus. da vinda de um profeta se baseava num ensino
Quando Jesus viu a tremenda multidão vindo da Lei em que Moisés afirmara: “O Senhor, teu
ter com Ele na encosta da montanha, Ele disse a Deus, te suscitará um profeta do meio de ti, de
Filipe, um nativo da região (1:44): “Onde compra- teus irmãos, semelhante a mim; a ele ouvirás”
remos pães para lhes dar a comer?” (6:5b). Embora (Deuteronômio 18:15).
Filipe estivesse bem ciente dos outros sinais que Alguns versículos mais adiante, Moisés citou
Jesus realizara, ele demonstrou pouca fé em Jesus o Senhor: “Suscitar-lhes-ei um profeta do meio
quando respondeu que oito meses de salário não de seus irmãos, semelhante a ti, em cuja boca
bastariam para comprar uma pequena porção de porei as minhas palavras, e ele lhes falará tudo o
comida para cada um (6:7). A todo o tempo, Jesus que eu lhe ordenar” (Deuteronômio 18:18). Com
sabia o que Ele estava prestes a fazer para a essas palavras ecoando nos ouvidos, com sonhos
multidão. patrióticos ardendo no coração e migalhas da
Naquela conjuntura, André falou a Jesus de refeição ainda grudadas à barba, os cinco mil
um rapaz2 dentre a multidão que tinha “cinco possíveis revolucionários tinham “o intuito de
pães de cevada e dois peixinhos” e perguntou arrebatá-lo para o proclamarem rei” (João 6:15).
em seguida: “Mas isto que é para tanta gente?” Tal intenção deveria ser levada a sério. Se eles
(6:9). André aparece no Livro de João principal- proclamassem Jesus rei, as forças de Roma veriam
mente no papel daquele que traz os outros até tal ato como uma declaração de guerra. Para um
Jesus 3 . O leitor moderno deve ser cuidadoso rei ser entronizado, outro tinha de ser destronado.
para não definir “pães” e “peixes” segundo o Apesar de tudo, era essa a intenção deles!
que vemos às vezes nos mercados atuais. Os
pães certamente eram do tipo pequeno e redondo, O RESTO DA HISTÓRIA
de cevada (enrolados sem uniformidade), sendo Antes de irmos mais adiante, imaginemos o
um dos alimentos básicos dos pobres naqueles que os cinco mil estavam pensando naquele dia.
dias. Os peixes provavelmente estavam cortados Após declararem que Jesus era o rei deles, o que
em pedaços do tamanho de um bocado e acrescen- estariam esperando acontecer? Tendo acabado
tavam sabor a refeição. Entretanto, para o Filho de se abastecer com o milagre da comida realizado
de Deus, isso era mais do que o suficiente! por Jesus, provavelmente esperavam que Jesus
Jesus mandou os discípulos colocarem o povo achasse uma espada em algum lugar e a multipli-
sentando na grama, ao que atenderam. O que casse para equipar aquele exército esfarrapado
aconteceu a seguir foi tão inacreditável que de lavradores e comerciantes. A seguir, com as
pessoas, em todas as eras, têm tentando encontrar espadas reluzindo à luz do sol, avançariam con-
alguma explicação humana que justifique como tra Teberíades atravessando o mar da Galiléia.
cinco mil pessoas foram alimentas com cinco Em pouco tempo, dominariam a cidade e depois
pãezinhos e dois peixes. João, porém, declarou prosseguiriam avançando até o último alvo, Jeru-
salém. Como era época de Páscoa, encontrariam
12
A palavra significa “um menino bem pequeno”. as tropas romanas posicionadas ali. A batalha seria
13
João 1:40, 41; 12:20–22. voraz, mas no final os romanos seriam vencidos.

2
Jesus e Seu exército de homens comuns aquelas pessoas, não havia como fazê-los pensar
purificariam o templo de toda a poluição e abusos, diferente. Por isso, Ele simplesmente saiu dali!
e os saduceus seriam derrubados de seus cargos Há duas considerações a respeito desse texto
de poder. Quando a notícia da captura de que me incomodam. Minha primeira preocu-
Jerusalém chegasse a Roma, as legiões poderosas pação é nossa tendência humana de forçar Jesus
de Roma seriam trazidas para lutar contra Jesus a entrar nos nossos moldes. Queremos depositar
e Seu exército. Num conflito espetacular e as nossas expectativas em Jesus, em vez de deixá-
decisivo, os judeus esmagariam os romanos lO nos mostrar quem Ele é. Às vezes não presumi-
inaugurando um novo império mundial. É isto mos que Jesus é igual a nós? Os norte-americanos
que, provavelmente, o integrante em média tendem a pensar em Jesus como se Ele fosse um
daquele possível exército de cinco mil homens norte-americano e, os brasileiros, como se Ele
pensava que aconteceria! Entretanto, Jesus tinha fosse um brasileiro. Os falantes de português
outra coisa em mente. presumem que Jesus falava português, enquanto
que os falantes de espanhol, presumem que Ele
O ENGANO DOS JUDEUS E O NOSSO falava espanhol. As pessoas ricas vêem Jesus
Com o aumento rápido das expectativas e a como se Ele fosse rico, e as pobres, como se Ele
agitação subindo a um nível frenético, Jesus fez fosse pobre. Os que têm nível de escolaridade,
uma das coisas mais inesperadas: “retirou-se retratam Jesus como alguém culto, e os não-
novamente, sozinho, para o monte” (6:15). É escolarizados têm certeza de que Ele expres-
bem provável que Jesus era o único naquele sou desprezo pela escolaridade. Os indivíduos
monte que entendia o que estava fazendo. Para emotivos vêem Jesus como alguém emotivo,
os doze apóstolos e os outros cinco mil segui- enquanto os mais controlados alegam que Jesus
dores, devia ter parecido que Jesus se afastara exibiu um comportamento mais comedido. A
justamente do objetivo pelo qual Ele Se esforçara cena de Jesus saindo de perto dos cinco mil nos
tão arduamente para atingir. faz lembrar como podemos estar errados quando
A melhor comparação em que consigo pensar depositamos nossas expectativas em Jesus. Ele
envolve um político que dedicou quatro anos de insistia em fazer a vontade do Pai, ainda que o
sua vida para se tornar líder de seu país. Empe- mundo inteiro não compreendesse isso.
nhou várias horas em campanhas e viajou A outra advertência que essa breve passagem
cinqüenta e duas semanas por ano para promover nos faz é que nós também podemos ser tão
sua candidatura para o posto. Então, finalmente, levados pelos problemas de curto prazo que
todo o trabalho é recompensado: nas prelimi- ignoramos as soluções a longo prazo. Os judeus
nares, ele havia ganho os votos necessários para da época de Jesus irritavam-se com a dominação
assegurar a indicação do seu partido. Entretanto, dos romanos. Ansiando pelo tempo em que
quando a convenção é realizada e se faz a votação alguém traria libertação política para Israel, eles
para a nomeação, algo impensável acontece. menosprezaram “o Cordeiro de Deus, que tira o
Embora milhares estejam sonoramente o apoian- pecado do mundo” (1:29). Já fizemos isso? Já
do e erguendo faixas com o nome dele como ficamos tão concentrados em nossos problemas
candidato, o homem de repente se levanta da mais urgentes que perdemos de vista as maiores
cadeira e abandona a câmara. Uma atitude dessas questões da vida? Já nos vimos querendo liberta-
seria inconcebível — mas provavelmente não ção dos impostos, do sofrimento, de conflitos,
seria algo mais inconcebível do que o que Jesus estresse ou trabalho mais do que ansiamos pela
fez quando os cinco mil estavam prontos para libertação do pecado? Quando insistimos em
proclamá-lO rei. fazer Jesus se encaixar em nossas expectativas e
Jesus demonstrou mais uma vez uma capaci- seguir a nossa programação, estamos fazendo o
dade singular de Se concentrar no Seu objetivo que os cinco mil fizeram naquele dia, na encosta
principal. Ele sabia que as intenções lisonjeadoras de um monte… e Jesus saiu de perto deles!
da multidão não realizariam o propósito final de
Deus; uma revolta perto do mar não salvaria o CONCLUSÃO
mundo do pecado. Além disso, Ele sabia que, diante Por volta de dois anos antes de escrever
da disposição mental em que se encontravam estas linhas, vi um estereograma tetradimensio-

3
nal pela primeira vez. Eu estava numa galeria de “vitória”. Todos nós ficamos em volta, olhando
lojas com minha família, quando nos deparamos na tentativa de ver a imagem oculta. O que
com uma multidão que rodeava uma série de esperamos ver? Alguns provavelmente esperam
pôsteres dispostos sobre cavaletes. Os pôsteres uma marca de dólar, enquanto outros esperam
continham desenhos coloridos que ocultavam ver o prédio onde se reúne o Congresso do seu
em seu interior imagens espetaculares. Todos país. Alguns têm certeza de que verão uma
nós ficamos ali em volta, olhando fixamente. mansão e outros prevêem um vislumbre de um
Alguns descobriram as belas imagens escondidas exército com tanques e bombardeiros. Então,
nos desenhos, mas outros jamais conseguiram alguém começa a ver a imagem que está oculta e
“vê-las”. sussurra brandamente: “Ah, estou vendo”. Um a
um, todos começam a ver a figura, e não é o que
João 6:1–15 é como um estereograma. No esperavam. A palavra “vitória” está representada


rodapé da ilustração, a legenda traz a palavra por uma cruz.

©Copyright 2004, 2006 by A Verdade para Hoje


TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

Interesses relacionados