Você está na página 1de 15

Centro Federal de Educação Tecnológica

Celso Suckow da Fonseca – CEFET/RJ


Diretoria de Pesquisa e Pós-Graduação
Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção e Sistemas

PROPOSTA DE PESQUISA DE DOUTORADO

Proposta metodológica para prospecção de inovações no setor


de energia eólica

Daniel de Cerqueira Lima e Penalva Santos

Rio de Janeiro

2018
TEMA DE PESQUISA

Gestão da Inovação e Propriedade Intelectual

ORIENTADORES

Cristina Gomes de Souza

Alexandre de Carvalho Castro1

RESUMO

A geração de energia renovável é um tema complexo que é influenciado por diversos


fatores e impacta diretamente na qualidade de vida das pessoas e na sustentabilidade
global, sendo assim de suma importância a compreensão de sua realidade atual e futura a
partir das inovações oriundas desse fenômeno. Existem diversos métodos genéricos para
prospectar tecnologias, entretanto, no caso da energia eólica, deve ser levado em
consideração variáveis específicas de produção e viabilidade de implementação para se
obter um panorama mais assertivo das inovações a serem implementadas. Esta proposta
de pesquisa visa elaborar uma metodologia de prospecção das inovações na energia
eólica, utilizando procedimentos que servirão de base para prospecção tecnológica como
os métodos computacionais e ferramentas analíticas, sobretudo a bibliometria para análise
de conteúdo e busca de patentes; análise de cenários; dentre outros métodos que poderão
surgir ao longo desta Pesquisa. A prospecção de inovações em energia eólica no Brasil
será utilizada enquanto aplicação da metodologia elaborada, posteriormente sendo
validada por especialistas da área. Sendo assim, espera-se identificar as tendências do uso
das tecnologias utilizadas na geração de energia eólica, assim como os pontos nevrálgicos
no desenvolvimento das inovações vindouras precedidas pelas atividades inventivas em
curso atualmente.

1
No tema de pesquisa escolhido consta apenas o nome da Profª Cristina Souza com
disponibilidade no quadro de vagas. Em caso de realocação para o prof. Alexandre Castro
haveria um ajuste do projeto, possivelmente analisando o impacto da energia eólica sobre o
fator humano, ou demais ajustes que sejam necessários a partir do campo de investigação do
supracitado professor.
1. INTRODUÇÃO

O crescimento populacional pungente adicionado às necessidades de consumo da


sociedade pós-moderna tem elevado o patamar da demanda por energia elétrica em todo
mundo. O cenário de crescimento econômico e a ampliação do acesso a bens e serviços
eleva a necessidade do consumo médio per capita de energia da população.

O potencial energético de uma nação também representa suas riquezas e possibilidades


de desenvolvimento econômico e social, além de se constituir, muitas vezes, enquanto
uma questão de segurança nacional. Estes motivos fazem com que a busca por processos
mais eficazes e eficientes de geração de energia seja um importante elemento estratégico
de soberania, bem-estar e prosperidade das nações.

Em contrapartida, atualmente as fontes predominantes de energia apresentam, dentre


outros, dois graves dilemas: estão se esgotando e geram drásticos danos à natureza,
tornando-se em um futuro não distante, insustentáveis (BOLOY, 2011; MADEIRA,
2017).

A busca por energias mais eficientes, duráveis e diversificadas, vem ganhando


importância no desenvolvimento de pesquisas e cada vez mais ocupam espaço na matriz
energética mundial (ELLABBAN; ABU-RUB; BLAABJERG, 2014), sobretudo na
brasileira. Dentre as energias renováveis se destaca a energia eólica enquanto uma fonte
exequível, eficiente e rentável (YARAMASU et al, 2015; KHARE; NEMA; BAREDAR,
2016). A Figura, a seguir, demonstra que 43,5% da oferta de energia no Brasil vem de
fontes renováveis, percentual bem acima da média mundial de 14,2%.

Figura 1: Oferta interna de energia no Brasil

Fonte: MME, 2017


No Brasil, o incremento de fontes renováveis na matriz energética com o intuito de suprir
a demanda e mitigar impactos ambientais, tem se tornado uma realidade. De acordo com
os dados da ANEEL a fonte eólica tem se consolidado e ampliado a sua participação
saindo de um patamar de 1.894 MW de capacidade instalada de geração elétrica para
10.124 MW, representando um crescimento de 435% entre 2012 e 2016 (MME, 2017).

Conforme o gráfico apresentado a seguir, pode-se observar a evolução da participação


destas fontes, sobretudo a eólica.

Gráfico 1: Evolução Histórica da composição da matriz energética

Fonte: Elaboração própria a partir de dados do MME, 2017

Esse crescimento pungente foi precedido pelo desenvolvimento de tecnologias que o


tornaram possível em termos de viabilidade tecnológica. Anos de pesquisas em
aprimoramento e desenvolvimento de novos produtos são necessários para que uma
tecnologia possa ser implementada.

Diante da necessidade de racionalizar os esforços de investimentos em pesquisa,


desenvolvimento e inovação, os tomadores de decisão nas esferas governamentais e
privadas, com e sem fins lucrativos, precisam ter conhecimento de quais são as
perspectivas e desafios desse fenômeno, quais tecnologias estão e estarão disponíveis em
um horizonte temporal. Para a elaboração de estratégias mais assertivas, os gestores
necessitam do acesso a informações precisas acerca da forma mais eficiente de gerar
energia, das energias que têm viabilidade operacional, econômica e tecnológica e a
probabilidade de serem implementadas. É necessário, desta forma, que haja ferramentas
de monitoramento e formulação de rotas tecnológicas que apresentem um diagnóstico
fidedigno dos cenários vigentes e que aponte os rumos prováveis de determinadas
tecnologias.

Existem diversas metodologias para prospectar tecnologias, quantitativas e qualitativas,


tendo seus procedimentos sidos analisados por um grande número de pesquisadores e
seus resultados aplicados por tomadores de decisão de diversas áreas (CTPETRO 2003).
Um dos procedimentos mais utilizados na prospecção tecnológica das energias
renováveis é a análise de patentes, por possibilitar a identificação do estágio de
desenvolvimento da tecnologia, sua origem e quem está à frente desse processo.
(CTPETRO 2003). Além do desenvolvimento de novos produtos, as empresas modernas
depositam patentes também para valorizar a imagem de suas companhias e atrelar suas
marcas à tecnologia de ponta, constituindo esse um grande diferencial no setor fabril e
mercantil das energias renováveis (KIM; KIM; KIM, 2018).

Diversas outras metodologias são utilizadas nas prospecções tecnológicas para a geração
de energias renováveis, mas para traçar um panorama das inovações, e não apenas das
invenções, é preciso uma visão holística de diversos elementos que influenciam e
influenciarão o desenvolvimento das mesmas, para que não ocorra uma visão
fragmentada, mesmo que realista, dos cenários atual e futuro.

Adicionado a este argumento, cada setor apresenta especificidades que exigem métodos
que as levem em consideração para que a prospecção das inovações possa ter um nível de
assertividade satisfatório. O campo de atuação da energia eólica é rico em particularidades
que vão além da invenção de novas tecnologias, e até mesmo que as originam enquanto
antecedentes, muitas vezes relacionadas com as políticas públicas (DAE & XUE, 2015),
aceitação social, impacto ambiental e viabilidade de implementação (ENEVOLDSEN &
SOVACOOL, 2016), impactando diretamente no desenvolvimento das próprias
tecnologias vindouras.

Tendo em vista a necessidade de vislumbrar um panorama mais assertivo quanto ao futuro


das energias renováveis e de constituir métodos mais específicos para a energia eólica,
emerge o seguinte problema: Como desenvolver uma metodologia capaz de prospectar as
inovações que surgirão no desenvolvimento do setor de energia eólica?
2. OBJETIVOS

2.1 OBJETIVOS GERAL

 Propor metodologia para prospectar os rumos das inovações no setor de energia


eólica, utilizando-se como estudo de caso o Brasil.

2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS

 Adaptar metodologias existentes de prospecção tecnológica à prospecção de


inovações em energia eólica;
 Identificar o cenário atual da energia eólica no Brasil e no mundo;
 Traçar as rotas tecnológicas da geração de energia eólica levando em consideração
o contexto mundial e brasileiro;
 Montar um panorama de prospecção tecnológica para o desenvolvimento de
inovações na geração da energia eólica no Brasil;

3. DEFINIÇÃO DO PROBLEMA

A inovação vem sendo colocada como fator intrínseco ao desenvolvimento econômico há


mais de um século, sendo nas últimas décadas associada também ao desenvolvimento
social, ambiental, educacional, político, dentre outros (SCHUMPETER, 1997). Entender
a dinâmica da gestão da inovação e, sobretudo, prospectar os rumos das tecnologias tem
consistido em grande diferencial e processo de liderança para nações e empresas por todo
mundo.

Institutos de pesquisa, setores empresariais de pesquisa e desenvolvimento e muitos


empreendedores independentes investem tempo, energia e dinheiro no desenvolvimento
de invenções, negócios e estratégias tomando como base uma ideia de futuro, por vezes
equivocada, das necessidades vindouras de soluções para os problemas vividos pelas
sociedades. Novos produtos e serviços são planejados a partir de uma análise da realidade
e de uma expectativa de demanda futura, que quando não concretizada remete a perdas e
desperdícios de grande monta.

Os estudos de prospecção tecnológica oferecem grandes contribuições para os tomadores


de decisões, sejam eles de esferas públicas, privadas, com ou sem fins lucrativos. Para
um investidor privado, por exemplo, compreender o estágio atual das tecnologias e quem
as está promovendo, é de suma importância para se manter competitivo e possivelmente
na vanguarda de determinado setor. O monitoramento e a prospecção tecnológica se
tornaram condicionantes de sobrevivência no mundo dos negócios, o que
consequentemente reflete no posicionamento dos países desenvolvedores das novas
tecnologias.

Existem diversas possibilidades de prospectar tecnologias. A seguir apresenta-se um


quadro resumo dos principais métodos.

Quadro 1: Métodos de Prospecção Tecnológica

Método Modelo Descrição


Monitoramento e 1)Monitoramento Utilizada para buscar fontes de
Sistemas de Inteligência 2)Competitiva informação e monitorar o ambiente,
Inteligência Tecnológica sendo importante para qualquer tipo de
prospecção. Garante vantagem
competitiva
Análise de 1)Regressão Padrões do passado serão mantidos no
Tendências 2)Curva S futuro através de extrapolação de
- Fischer-Pry tendências utilizando técnicas
- Gompertz matemáticas e estatísticas. A sofisticação
- Limite de crescimento da extrapolação de tendências não garante
- Curvas de aprendizado a validação da prospecção, o que assegura
3)Equações de Lotka-Volterra é a qualidade dos dados disponíveis.
Opiniões de 1)Delphi Método qualitativo utilizado quando a
especialistas 2)Web Delphi informação não pode ser quantificada ou
3)Painel de especialistas quando os dados não estão disponíveis.
4)Tecnologias críticas Utilizada com base nas opiniões de
5)Surveys especialistas para complementar as
6)Avaliação individual informações obtidas e garantir uma maior
7)Comitês, Seminários, qualidade.
Conferências e Workshops
Cenários 1)Godet e La Prospective Norteador de um futuro possível, onde
2)GBN decisões atuais serão baseadas. É a
3)Matriz SWOT descrição de uma situação futura que
pode ser realizável ou desejável.
Métodos 1)Modelagem Utilizam a tecnologia da informação para
computacionais e 2)Simulação obter grandes quantidades de dados
ferramentas analíticas 3)Análise multicritérios disponíveis de forma eletrônica a fim de
4)Cientometria identificar tendências.
5)Bibliometria
- Análise de Patentes
- Análise de Conteúdo
Criatividade 1)Análise Morfológica Métodos que ampliam a habilidade de
2)Análise de Impacto visualizar futuros alternativos
3)Brainstorming
4)Focus Group
5)Metáforas e Analogias
6)Ficção Científica
Fonte: MARTINS, 2017, baseado em COELHO, 2003

Dentro dessas possibilidades encontram-se algumas questões de fundamental interesse


nesta Pesquisa. Primeiramente há de se adaptar um ou vários métodos, e talvez até criar
um novo, para se atingir os objetivos aqui propostos, pois o universo de variáveis para
prospectar inovações não são os mesmos para prospectar as tecnologias em si. Apesar de
ainda haver certa confusão no senso comum acerca da diferença entre invenção e
inovação, há muito tempo essa dicotomia já foi observada (SCHUMPETER, 1997). Fato
é que haver a disponibilidade de uma tecnologia, ou seja, ela já tiver sido inventada, não
quer dizer que terá viabilidade de ser implementada, seja por questões operacionais,
viabilidade ambiental, aceitação social ou mesmo por não encontrar lógica de mercado.
Por outro lado, mesmo ainda essa sendo uma proposta de pesquisa, alguns métodos são
basilares e certamente serão utilizados por estarem intrinsecamente relacionados com as
inovações tecnológicas, como por exemplo, a análise bibliométrica de conteúdo e a busca
de patentes.

Outra questão fundamental refere-se às especificidades das energias renováveis e neste


foco investigativo, da energia eólica. O setor de energia elétrica como um todo já é
coberto por incertezas e já há algumas tentativas de predizer cenários futuros e possíveis
rotas tecnológicas no campo das energias renováveis. Entretanto diversas variáveis
podem interferir no presente e futuro das inovações para a energia eólica, e por este
motivo, dificilmente apenas um método genérico pode explicar e gerar panoramas
assertivos, motivo principal pelo qual essa Pesquisa se torna necessária.

Dos primeiros moinhos aos complexos aerogeradores atuais pode-se traçar uma sucessão
de inovações ao longo do tempo, desde o desenvolvimento de tecnologias para eficiência
na produção energética à superação de desafios logísticos, operacionais, ambientais e
legais para sua implementação. Esses e outros elementos compõem os fatores que
influenciam nas inovações do setor, e consequentemente em sua prospecção.

Inicialmente, pela força geradora desse tipo de energia ser o vento, e esse se comportar
de forma distinta em determinados lugares, épocas do ano e do dia, depende de fatores
não controláveis. O vento é, pois, o movimento do ar na superfície terrestre, sendo
influenciado por sua rotação e assim, provocando variações de intensidade e direção em
períodos sazonais (LOPEZ, 2012).

Nesse sentido o potencial energético de um determinado local é certamente um dos


elementos condicionantes para a implementação das tecnologias, sendo sua intensidade e
regularidade também fatores determinantes. Para atender a lugares onde a “qualidade” do
vento não é ideal para a geração constante de energia, novas tecnologias precisam emergir
para viabilizar e minimizar danos aos componentes das turbinas eólicas.

Outro aspecto importante são os impactos ambientais e sociais. Mesmo em se tratando de


uma das tecnologias de geração de energia mais limpas, ainda assim esses fatores exercem
peso no desenvolvimento e implementação das tecnologias. A emissão de ruídos, a
poluição visual, as interferências eletromagnéticas e os impactos sobre a fauna são os
maiores desafios dos projetos de parques eólicos, principalmente por questões legais e
aceitação da população local (LOPEZ, 2012; LANGER et al, 2018).

Os componentes físicos da geração de energia eólica geralmente estão ligados à eficiência


dos equipamentos como as turbinas, aerogeradores e sistemas auxiliares. Quando se trata
de apenas analisar a prospecção tecnológica da energia eólica, esses são os elementos
com mais possibilidades de informações na busca de patentes.

As políticas públicas exercem papel fundamental no planejamento e implementação das


inovações no campo da geração de energia eólica. A pesquisa de Dae & Xue (2015)
demonstra como a China, país que adotou tardiamente a indústria de energia eólica, se
tornou líder mundial na manufatura de turbinas para aerogeradores. Além das macro
políticas, políticas setoriais e políticas de incentivo, foram levadas em consideração as
questões mercadológicas de implementação das invenções, ou seja, as possibilidades de
inovação de fato.

Este estudo corrobora diretamente com os argumentos levados a cabo nesta Proposta de
pesquisa ao demonstrar a necessidade de ampliar os elementos da prospecção da inovação
para além da tecnologia em si, chegando a afirmar que, na contramão da maioria dos
países onde acredita-se que a tecnologia empurra para o mercado, na China são os fatores
mercadológicos que ditam as políticas públicas, que por sua vez, impulsionam a produção
(DAE & XUE, 2015).

Apesar da forte influência das políticas públicas no desenvolvimento de novas


tecnologias na energia eólica, poucos estudos direcionam esforços para este fato,
inclusive os métodos de prospecção tecnológica voltados ao setor. Em pesquisa intitulada
“Mapeamento das tendências de pesquisa no setor eólico brasileiro” foram identificadas
60 pesquisas no Brasil sobre energia eólica, onde apenas 6 investigavam questões
“política, economia e análises socioambientais”. Mesmo assim, nenhuma precisamente
sobre prospecção tecnológica levando em consideração as políticas públicas foi
mencionada (DE DEUS & ISSBERNER, 2014). Este certamente é um dos gap´s na
literatura que esta pesquisa almeja preencher.

4. METODOLOGIA

A presente Proposta tem por finalidade realizar uma pesquisa de natureza aplicada com
abordagens qualitativa e quantitativa. Como trata-se da elaboração e implementação de
um método de prospecção, diversas metodologias existentes irão compor seu escopo, o
qual, para fins didáticos, será dividido nas três etapas detalhadas a seguir:

4.1 Estudo das bases norteadoras

Para atingir os objetivos da Pesquisa ora proposta há de se compreender uma ampla e


diversificada gama de informações, definir conceitos, traçar diagnósticos fidedignos com
a realidade concreta dos fatos e, sobretudo, se apropriar dos métodos já existentes e
utilizados pela ciência, pelo mercado e demais atores que compõem o objeto investigado
e seu amplo lastro de desdobramentos.

Inicialmente utilizar-se-ão enquanto procedimentos básicos a revisão sistemática da


literatura e a análise documental dos grupos temáticos centrais, quais sejam:

 Gestão da inovação: Estudo aprofundado de temas como inovação, tecnologia,


propriedade intelectual com ênfase na propriedade industrial, busca de patentes e
inovação no Brasil. Neste grupo há de se definir os conceitos a serem utilizados
na pesquisa e investigar particularidades nos processos de busca de patentes
verdes;
 Energia eólica: Levantamento de dados acerca da geração de energia elétrica,
energias renováveis com foco em energia eólica e o atual contexto brasileiro da
energia eólica. Além de definir os conceitos, é mister analisar a evolução histórica
da energia eólica, seus componentes físicos e os gargalos que compõem o setor.
As estratégias serão formuladas de maneira a conhecer quais tecnologias estão
sendo utilizadas hoje, quem as desenvolve e as relações entre os atores. A partir
desse estudo espera-se montar um panorama realístico do atual estágio das
inovações no campo da energia eólica em seu contexto mundial e brasileiro;
 Metodologias para prospecção de inovações: Elementos viscerais desta Pesquisa,
serão analisados os métodos de prospecção tecnológica, prospecção no setor das
energias renováveis com foco na energia eólica e análise das prospecções
realizadas anteriormente e confrontamento com a realidade atual.

Sendo assim, esta etapa da pesquisa apresenta objetivos exploratórios e descritivos, pois
além de buscar familiaridade com o problema e construir hipóteses, anseia descrever os
fenômenos e as relações com suas variáveis (GIL, 2017).

A revisão sistemática da literatura irá cobrir principalmente a base Scopus, utilizando-se


o acesso “CAFE” no Portal de Periódicos CAPES. As análises documentais deverão fazer
uma varredura nas leis inerentes aos temas, resoluções normativas, relatórios e
documentos oficiais.

4.2 Elaboração da proposta de metodologia para prospecção de inovações no setor de


energia eólica

A partir do estudo das bases norteadoras enquanto elemento estruturante da Pesquisa,


sobretudo na apropriação dos métodos de prospecção, analisar-se-á a necessidade de
compilação, sistematização, ajustes ou adequação das metodologias já existentes, ou até
mesmo a criação de uma nova possibilidade de como prospectar inovações para o setor
das energias eólicas.

Nesta etapa então serão dados os seguintes passos:

 Diagnosticar os fatores que influenciam no desenvolvimento das tecnologias de


energias renováveis com foco na energia eólica: Fundamental para a eficácia desta
etapa é a minuciosa identificação dos fatores e variáveis que incidem sobre a
construção da proposta metodológica em tela;
 Identificar os paradigmas, a partir dos fatores críticos de sucesso, das inovações
no campo da energia eólica: Será necessário mapear a evolução histórica da
tecnologia até atingir o ponto atual;
 Identificar os atores envolvidos através de grupos de pesquisa, especialistas do
mercado, órgãos promotores das políticas públicas, dentre outros;
 Escolha dos métodos de prospecção a serem agrupados e adaptados às inovações
em energia eólica e elaboração do próprio modelo metodológico a ser
implementado, havendo a possibilidade da criação de elementos metodológicos
novos.
Mesmo na ampla concepção de inovação, no caso das energias renováveis, a prospecção
tecnológica assume um papel central nesta pesquisa. Conforme relatado na “descrição do
problema”, dentre as diversas possibilidades metodológicas, a infometria merece
detalhamento neste momento devido às suas contribuições, utilizando-se enquanto
método a busca bibliométrica, assim como ocorre em pesquisas de alto fator de impacto
relacionadas ao tema (TEXEIRA & SOUZA, 2017; MAO, et al 2015).

O objetivo será identificar nos artigos indexados na base Scopus os temas mais
recorrentes, o que contribui diretamente para a prospecção das tecnologias em energia
eólica. As estratégias de busca e as palavras-chave são condições para o sucesso desta
Pesquisa, pois irão determinar os dados que serão levantados como resultado.

A busca de patentes certamente será um método central nesta Pesquisa, pois possibilita
criar indicadores quantitativos de desenvolvimento tecnológico, e por isso mesmo, é
bastante utilizado para prospectar tecnologias renováveis (SCHLEICH et al 2017;
DUBARIC, 2011; LINDMAN, 2016; KIM; KIM; KIM, 2018). Serão consultados através
do Portal Capes a base de dados Derwent Inovation Index, que integra o ISI/Web of
Knoledge, pertencente ao grupo Thomson Reuters. Neste caso também os termos da
busca são essenciais, assim como o tratamento e análise dos dados. Será utilizada a
Classificação Internacional de Patentes (CIP), considerando o código relativo à energia
eólica, de acordo com o IPC Green Inventory, o que permitirá um filtro específico para
fins desta pesquisa, no intuito de identificar as tecnologias, onde estão sendo
desenvolvidas e por quem.

Outros métodos são prováveis de serem utilizados, como a construção de cenários, a


análise multicritério para tomada de decisão e a opinião de especialistas, especialmente
para validar o modelo metodológico. Entretanto em nível de projeto de pesquisa a
precisão dos métodos se torna um exercício de futurismo, principalmente por ser a
construção de uma nova metodologia o objetivo central deste Projeto.

4.3 Aplicação da metodologia desenvolvida no caso do Brasil

Para fins de teste da proposta metodológica desenvolvida nesta Pesquisa, aplicar-se-á,


enquanto caso objetivo, à realidade brasileira, constituindo-se esta etapa parte da
metodologia e ao mesmo tempo resultado empírico do processo de construção
metodológica.
Os estudos de caso são amplamente utilizados nas ciências sociais aplicadas, para
investigar um fenômeno contemporâneo em seu contexto real. Permite aprofundar
exaustivamente em um ou poucos objetos, neste caso um país, possibilitando um grande
nível de detalhamento do conhecimento (GIL, 2017).

Para a aplicação da metodologia desenvolvida nesta Pesquisa no caso do Brasil, será


importante também a validação dos resultados com especialistas do setor de energia
eólica, sejam eles da academia, do governo ou dos setores privados produtivos.

5. RESULTADOS ESPERADOS

Ao término desta Pesquisa espera-se obter os seguintes resultados e contribuições:

5.1 Resultados:

 Disponibilização de um diagnóstico atual do setor de energias renováveis com


foco na energia eólica;
 Elaboração de um modelo metodológico para prospecção de inovações de energia
eólica;
 Publicação de artigos científicos em revistas com alto fator de impacto;
 Apresentações em congressos nacionais e internacionais dos resultados da
Pesquisa.

5.2 Contribuições:

 Gerar informações para a tomada de decisão dos atores que estão na cadeia de
inovação da energia eólica;
 Orientar pesquisas futuras no setor de energia eólica;
 Oferecer uma base metodológica a ser aplicada, com as devidas adaptações, em
outras áreas além da energia eólica;
 Somar esforços nos grupos de pesquisa do CEFET/RJ.
REFERÊNCIAS

BOLOY, Ronney Arismel Mancebo et al. Ecological impacts from syngas burning in
internal combustion engine: Technical and economic aspects. Renewable and
Sustainable Energy Reviews, v. 15, n. 9, p. 5194-5201, 2011.

CTPETRO. Prospecção Tecnológica: metodologias e experiências nacionais e


internacionais. Disponível em < http://www.davi.ws/prospeccao_tecnologica.pdf>
acesso em 02/02/2018.

DAI, Yixin; XUE, Lan. China's policy initiatives for the development of wind energy
technology. Climate policy, v. 15, n. 1, p. 30-57, 2015.

DE DEUS, Cássia Costa Rocha Daniel; ISSBERNER, Liz-Rejane. Mapeamento das


tendências de pesquisa no setor eólico brasileiro. Além das nuvens: expandindo as
fronteiras da ciência da informação, p. 3193. Minas Gerais: ECI/UFMG, 2014.

ELLABBAN, Omar; ABU-RUB, Haitham; BLAABJERG, Frede. Renewable energy


resources: Current status, future prospects and their enabling technology. Renewable and
Sustainable Energy Reviews, v. 39, p. 748-764, 2014.

ENEVOLDSEN, Peter; SOVACOOL, Benjamin K. Examining the social acceptance of


wind energy: Practical guidelines for onshore wind project development in
France. Renewable and Sustainable Energy Reviews, v. 53, p. 178-184, 2016.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2017.

KHARE, Vikas; NEMA, Savita; BAREDAR, Prashant. Solar–wind hybrid renewable


energy system: A review. Renewable and Sustainable Energy Reviews, v. 58, p. 23-
33, 2016.

KIM, Daehyun; KIM, Namil; KIM, Wonjoon. The effect of patent protection on firms’
market value: The case of the renewable energy sector. Renewable and Sustainable
Energy Reviews, v. 82, p. 4309-4319, 2018.

LANGER, Katharina et al. Factors influencing citizens’ acceptance and non-acceptance


of wind energy in Germany. Journal of Cleaner Production, v. 175, p. 133-144, 2018.

LOPEZ, Ricardo Aldabó. Energia Eólica. São Paulo: Artliber, 2012.

MADEIRA, Jonni Guiller Ferreira et al. Ecological analysis of hydrogen production via
biogas steam reforming from cassava flour processing wastewater. Journal of cleaner
production, v. 162, p. 709-716, 2017.

MARTINS, Bárbara Gato; SOUZA, Cristina Gomes de; BOLOY, Ronney Arismel
Mancebo. Uma contribuição para estudos de prospecção tecnológica relativos às
patentes de biomassa. 2017. 93 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Engenharia de
Produção e Sistemas, Cefet/rj, Rio de Janeiro, 2017.

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA. Resenha Energética Brasileira. Disponível <


www.mme.gov.br/...Resenha+Energética+Brasileira+2017.../13d8d958-de50-4691-96>
acesso em 02/02/2018.
___________________________. Anuário Estatístico de Energia Elétrica 2017.
Disponível em < http://www.epe.gov.br/sites-pt/publicacoes-dados-
abertos/publicacoes/PublicacoesArquivos/publicacao-160/topico-
168/Anuario2017vf.pdf> acesso em 22/01/2018

SCHUMPETER, Joseph A.. Teoria do Desenvolvimento Econômico. Tradução: Maria


Sílvia Possas. Rio de Janeiro: Editora Nova Cultural, 1997.

TEIXEIRA, Renata Cristina; SOUZA, Cristina. Evolution of the competitive intelligence


based on metric study of its literature. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 22,
n. 1, p. 170-185, 2017.

YARAMASU, Venkata et al. High-power wind energy conversion systems: State-of-the-


art and emerging technologies. Proceedings of the IEEE, v. 103, n. 5, p. 740-788, 2015.