Você está na página 1de 52

1

CADERNO DE RESUMOS

XVIII– Encontro dos Professores de Línguas


Estrangeiras do Paraná (EPLE)

ENSINO DE LÍNGUA INGLESA EM TEMPOS DE MUDANÇA:


CELEBRAÇÃO DOS 30 ANOS DA APLIEPAR

LONDRINA / 2016

2
Realização
Associação de Professores de Língua e Literatura Inglesa do Paraná (APLIEPAR)

Presidente: Ana Claudia Cury Calia Luz


Vice-Presidente: Taisa Pinetti Passoni
Tesoureiro: Alexandre Stein
Secretário: Claudinei Aparecido Canazart
Relações Públicas: Leonardo Neves Correa
Conselheira Fiscal: Raquel Gamero
Conselheira: Samantha Ramos

Universidade Estadual de Londrina (UEL)

Reitora: Berenice Quinzani Jordão


Vice-Reitor: Ludoviko Carnasciali dos Santos

Centro de Letras e Ciências Humanas (CLCH)

Diretor: Ronaldo Baltar


Vice-Diretora: Elaine Fernandes Mateus

Departamento de Letras Estrangeiras Modernas (LEM)

Chefe: Juliana Reichert Assunção Tonelli


Vice-Chefe: Viviane Aparecida Bagio Furtoso

Apoio
Fundação Araucária
Proex UEL

3
Comissão Organizadora

Alexandre Stein
Ana Claudia Cury Calia Luz
Déborah Caroline Cardoso Pereira Rorato
Leonardo Neves Correa
Michele Salles El Kadri
Paula Kracker Francescon
Raquel Gamero
Taisa Pinetti Passoni

Comissão Científica

Ana Claudia Cury Calia Luz - UEL


Cláudia Cristina Ferreira - UEL
Déborah Caroline Cardoso Pereira Rorato - UENP
Didiê Ana Ceni Denardi - UTFPR
Josymaire Novelli - UEM
Juliane D’Almas - UENP
Lilian Kemmer Chimentão - UEL
Luciana Cabrini Simões Calvo - UEM
Mariese Ribas Stankiewicz - UTFPR
Marcele Garbin Dagios - UTFPR
Michele Salles El Kadri - UEL
Mirian Ruffini - UTFPR
Raquel Gamero - UENP
Paula Kracker Francescon - UEL
Taisa Pineti Passoni - UTFPR
Rayane Isadora Lenharo - UENP

Arte
Marcelo Maioski
Marcelo@enjoy.ppg.br

4
PROGRAMAÇÃO GERAL

30/11/2016
Quarta-feira

9h00 – 10h00 Credenciamento: recepção e entrega de material Frente da


Sala de
Eventos/CCH

10h00 – 12h00 Conferência de Abertura: O papel das associações de professores de Sala de Eventos
línguas em tempos de mudança CCH
Profª Dra Telma Gimenez (UEL)

14h00 – 16h00 Salas de aula


Apresentações de Comunicações Individuais e Relatos de Experiência CCH/UEL
103, 104, 105,
106, 109, 110,
111, 112.

16h00 – 16h30 Intervalo

16h30 – 18h00 Minicursos Salas de aula


CCH/UEL
1) Dos Palcos à Escola: Técnicas Teatrais para sala de aula com 103
professor Leonardo Neves ( UEL/Companhia Boi Voador)

2) Ensino de línguas estrangeiras por meio do gênero canção 104


com professora Rayane Lenharo (UNESPAR)

3) O uso de tecnologias de informação e comunicação em 105


escolas públicas: desafios e possibilidades com professores
Danielly Almeida e Paulo Henrique Espuri (UEL)

19h00 – 21h00 Mesa-redonda 1: “Políticas Públicas para o ensino de línguas: Anfiteatro


demandas e contribuições” CCH/UEL
Prof. Drda. Taisa Pinetti Passoni (UTFPR)
Prof. Prof. Me. Eliane Provate (NRE)
Prof. Gilson Rodrigo Woginski (Associação de Professores de Espanhol)
Mediadora: Prof. Drda. Raquel Gamero (UENP)

5
PROGRAMAÇÃO GERAL

01/12/2016
Quinta-feira

8h00 – 9h45 Mostra de Produtos Educacionais em Desenvolvimento Salas de aula do


CCH
103, 104, 106,
107, 112

9h45 -10h00 Intervalo

10h00 – 12h00 Mesa-Redonda 2: “Inglês Para Quê e Para quem?” : Ensino de língua Sala de Eventos
inglesa na contemporaneidade CCH
Prof. Dra. Eliane Segatti Rios Registro (UENP)
Prof. Dra. Kyria Finardi (UFES)
Prof. Dr. Francisco Fogaça (UFPR)

Mediadora:profª Dra. Denise Ortenzi (UEL)

14h00 – 15h15 Conferência: Base Nacional Comum Cirrular: Desafios e Avanços Sala 102
Profª Drª Margarete Schlatter (UFRGS) CCH

15h15 – 16h15 Apresentações de Comunicações Individuais e Relatos de Experiência Salas de aula


CCH
103, 104,105,
106, 110, 112,
113.

16h150 – 16h30 Intervalo

16h30 – 18h00 Minicursos Salas de aula


CCH
4) Ludicidade em sala de aula com professora Cláudia Cristina 103
Ferreira (UEL)

5) Ferramentas digitais e gamification: ressignificando o ensino 104


de inglês com professoras Michelle Vieira e Bruna Dainese
(UEL)

6) Cinquenta Tons De Pronúncia: Língua Inglesa Em Tempos De 105


Inteligibilidade com professora Carla Barcaro (UEL)

19h00 – 20h30 Conferência de Encerramento: "Ensino de Línguas em tempos de Sala de Eventos


mudanças" CCH

Profª Dra Fernanda Liberali (PUC-SP)

20h30-21h00 APLIEPAR 30 anos: homenagens com diretoria da Associação Sala de Eventos


CCH

21h30 Jantar por adesão Restaurante


Brasiliano

6
CONFERÊNCIA DE ABERTURA

30/11/2016 Quarta-feira 10h00


O papel das associações de professores de línguas em tempos de mudança
Profª Drª Telma Gimenez
Universidade Estadual de Londrina (UEL)
Em contextos de intensificação das relações mediadas por tecnologias digitais e
interconectividades potenciais, as línguas exercem papel cada vez mais central nos
processos de transformação das práticas sociais. Demandam, portanto, que
profissionais envolvido(a)s com seu ensino-aprendizagem articulem conceitos e
desenvolvam conhecimentos sobre as inter-relações entre línguas e sociedade. Na
tarefa de construir novos entendimentos sobre os desafios em um mundo de
incertezas, as estratégias centradas no indivíduo são colocadas em xeque pela
necessidade de formação de coletividades fortes. É nessas tensões que operam as
associações de professore(a)s de línguas, chamadas a rever suas formas de atuação em
virtude do esvaziamento de algumas de suas funções. O que cabe a uma associação de
professore(a) de línguas fazer no momento atual da sociedade brasileira? Qual seu
papel frente os avanços de uma agenda que ameaça direitos linguísticos e desvaloriza
o professor? O que podem os associado(a)s contribuir para que as associações sejam
fortes? A partir das propostas da TESOL International e da publicação de 2006 de
Falcão e Szesztay (Developing an association for language teachers – an introductory
Handbook), aventarei possibilidades.
Palavras-chave: Direitos Linguísticos; Línguas; Associações; TESOL.

MESA REDONDA 1
30/11/2016 Quarta-feira 19h30
“Políticas Públicas para o ensino de línguas: demandas e contribuições”
A Organização Pedagógica do Trabalho do Professor de Inglês na Educação Básica
Profª Me. Eliane Provate
UNOPAR/Núcleo Regional de Educação
O presente trabalho tem por objetivo analisar os aspectos organizacionais do trabalho
pedagógico do professor de língua inglesa no contexto da Educação Básica (Ensino
Fundamental Anos Finais e Ensino Médio) no Brasil, destacando a importância da
reconfiguração da teoria à luz da legislação e dos documentos oficiais que prescrevem
e direcionam o trabalho em sala de aula. A prática pedagógica não pode ser entendida
pura e simplesmente como dom, inspiração ou intuição, mas se alicerçam no exercício
de organização do tempo e do espaço da aprendizagem, o que demanda
conhecimento da hierarquia, das normas, das prescrições que a constituem, nesse
sentido, faz-se necessária uma visão global da organização escolar para que se chegar
ao entendimento de que a prática na sala de aula de língua inglesa não é isolada, mas
faz parte de um conjunto de princípios, direitos e objetivos de aprendizagem (dos
quais o professor é peça-chave) que somados vão produzir os resultados de
aprendizagem esperados pela educação básica em sua totalidade.
Palavras-chave: educação. Língua inglesa. Legislação. Organização pedagógica.
Prescrição.

7
Políticas Públicas e (Pluri)Linguísticas: o impacto da Medida Provisória 746/2016 e a
afirmação da ausência da Diversidade Linguística no/do Brasil
Prof. Gilson Rodrigo Woginski
Associação de Professores de Espanhol do Estado do Paraná (APEEPR)
As Políticas Públicas e Linguísticas têm sido motivo de estudos e debates em todo o
Brasil, sobretudo na atual conjuntura, problematizando justamente a organização e
estrutura do Ensino Médio através da publicação da Medida Provisória (MP) 746/2016.
A presente exposição objetiva apresentar contribuições da APEEPR ao longo de seus 31
anos sobre seu envolvimento em discussões acerca da oferta de Línguas Estrangeiras,
como as contribuições com Emendas Aditivas ao Plano Estadual de Educação do
Estado do Paraná (PEE-PR), a partir da concepção de uma oferta plurilíngue, bem como
sobre ações específicas para a oferta da LEM-Espanhol na Rede Pública Estadual do
Paraná na Matriz Curricular do Ensino Médio e no Centro de Línguas Estrangeiras
Modernas (CELEM), em funcionamento desde 1986 e mantido pela Secretaria de
Estado da Educação do Paraná (SEED-PR). Dessa forma, serão apresentadas quais são
as Políticas Públicas e Linguísticas, como é o caso da LDB 9394/96 e da Lei Federal nº
11.161/2005, ainda que suprimidas pela MP. No que se refere à MP, supõe-se que é
aconselhável esta Política Linguística que exclui a Diversidade Linguística no/do Brasil?
Se está preservando e/ou impondo uma homogeneidade linguística? Se está
afirmando uma ausência de diversidade linguística? Ainda, que relação existe entre
política, planejamento e legislação educacional?
Palavras-Chave: Políticas Públicas; Políticas Linguísticas; LEM-Espanhol; Medida
Provisória 746.

Políticas Linguísticas e a Internacionalização do Ensino Superior: O Caso do Idiomas


sem Fronteiras
Profª. Drda. Taisa Pinetti Passoni
Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR)
As práticas de intervenção sobre idiomas parecem ser tão antigas quanto a própria
humanidade, entretanto a sistematização destes processos, os quais dão base o que
se denomina política linguística (PL), é relativamente recente, datando da segunda
metade do século XX (CALVET, 2007). Situada na linha tênue entre o fazer e o
investigar (CIBULKA, 1995; RICENTO, 2000), a PL orienta-se não apenas por
regulamentações oficiais, mas também se constitui por meio das influências contextos
sócios históricos em que se situam, de modo a atuar dialeticamente nas dimensões do
corpus, do status e da aquisição e das línguas (CALVET, 2007; COOPER, 1989;
HORNBERGER, 2006). Nesta a apresentação pretendo abordar estes aspectos em uma
breve caracterização do Programa Federal Idioma sem Fronteiras (IsF) a fim de situá-lo
no amplo cenário da internacionalização do ensino superior. A análise apresentada
visa articular o processo de atualização o IsF às demandas concernentes ao ensino de
línguas no Brasil.
Palavras-Chave: Políticas Linguísticas; Internacionalização; IsF.

8
MESA REDONDA 2
01/12/2016 Quinta-feira 10h00
“Inglês Para Quê e Para quem?” : Ensino de língua inglesa na contemporaneidade
A Língua Inglesa no espaço universitário: reflexões e impactos
Profª Drª Eliane Segatti Rios Registro
Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP)
Com o passar dos tempos, percebe-se cada vez mais um descompasso entre a
sociedade e o indivíduo que formamos na universidade. Tal fato é decorrente das mais
diversas visões de línguas e linguagens presentes na academia e que impactam na
formação do indivíduo e na sua consequente atuação em sociedade. O conhecimento
puramente linguístico e metodológico abre espaço para o diálogo com outras formas
de conhecimento, necessárias para o sucesso da integração e interação do indivíduo
em situações internacionais, interculturais e globais. Diante da problematização
apresentada, pretendemos abordar o perfil da comunidade universitária no que se
refere tanto ao ensino quanto à utilização da língua inglesa nos dias atuais, elencando
variáveis da pertinência da língua inglesa no ensino, na pesquisa, na extensão e na
gestão universitária. Esperamos contribuir para discussões e reflexões em torno do
ensino na língua inglesa nos mais diversos espaços da universidade e seu impacto na
sociedade como um todo.
Palavras-chave: Contemporaneidade; Universidade; Língua Inglesa.

Inglês para quê e para quem?


Profª. Drª. Kyria Finardi
Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)
Qual é o papel do inglês no Brasil? Segundo Finardi (2016a) e Finardi e Archanjo (2015)
esse papel é o de uma língua estrangeira qualquer no ensino fundamental e o de uma
língua internacional (Finardi, 2014) no ensino superior. Entretanto, a reforma no
ensino médio ensejada pela MP 746/2016 sugere uma mudança nessa visão do inglês
no Brasil. Esta fala tem como objetivo refletir sobre possíveis respostas a essa
pergunta trazendo ao palco das discussões temas como o impacto da globalização no
uso e ensino/aprendizado de línguas em geral e do inglês em particular no Brasil, as
noções de poder em relação às línguas e políticas linguísticas do país, descrevendo não
só as visões em relação às línguas mas também o panorama histórico do ensino de
línguas estrangeiras no Brasil, passando por políticas de internacionalização
concretizadas em Programas como o Ciência sem Fronteiras e o Idiomas sem
Fronteiras e as tensões nos discursos associados à internacionalização e à visão do
inglês como língua franca e de instrução no ensino superior brasileiro (Finardi, 2016b).
Palavras-chave: o papel do inglês, globalização, Brasil, internacionalização, políticas
linguísticas.

9
Inglês para quê e para quem?
Profº Dr. Francisco Carlos Fogaça
Universidade Federal do Paraná (UFPR)
Esta comunicação tem por objetivo discutir a importância de considerarmos algumas
questões fundamentais antes de pensarmos para quem e para quê ensinamos inglês:
a) Como concebemos as finalidades da educação linguística? B) De que conceito de
língua estamos falando? c) Que teoria de aprendizagem de línguas embasa nossa
prática? d) Como é o contexto no qual atuamos? Em minha fala, parto do conceito
discursivo de língua, de uma teoria social de aprendizagem, de uma concepção de
educação transformadora, e da noção de contexto como constituído de processos
socioculturais da escola e sua comunidade, seus valores culturais e práticas sociais.
Dessa forma, discuto a importância de criarmos uma comunidade de prática em sala
de aula, na qual os alunos possam estabelecer identificações com práticas discursivas e
de aprendizagem que sejam relevantes para eles, e nas quais possam desenvolver suas
identidades como aprendizes. Por fim, trago algumas pontos a serem considerados no
planejamento de atividades em sala de aula.
Palavras-chave: Língua como prática social; Educação transformadora; Comunidades
de prática; identidade; Contexto de ensino e aprendizagem.

CONFERÊNCIA
01/12/2016 Quinta-feira 14h00
Base Nacional Comum Curricular: Desafios e Avanços
Profª Drª Margarete Schlatter
Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
Nesta fala, apresento o processo de construção da Base Nacional Comum Curricular
(BNCC) – segunda versão revista, ocorrido no período de março de 2015 a junho de
2016, focalizando o documento produzido para a área de Linguagens e, mais
especificamente, para o componente Língua Estrangeira Moderna (LEM). Alicerçada
nos princípios expressos na LDB e nas DCNEB, a segunda versão revista da BNCC é
resultado de uma pactuação interfederativa, que envolveu ampla participação da
sociedade e uma complexa negociação entre diferentes atores políticos. Concentro a
análise nos aspectos que unem os componentes da área de Linguagens para, a seguir,
apresentar a proposta para LEM, discutindo os objetivos gerais de ensino de línguas
estrangeiras na escola. Explicito os conceitos de linguagem e aprendizagem e o modo
como esses conceitos foram materializados em objetivos de aprendizagem e de
desenvolvimento para cada ano escolar, respeitada a diversidade regional, estadual e
local. Após tecer considerações sobre os avanços da proposta, concluo com uma
reflexão sobre os desafios relacionados à continuidade do processo democrático para
a elaboração da versão a ser encaminhada ao CNE, principalmente diante das ameaças
recentes ao princípio fundamental que orienta a educação: a formação para o
exercício da cidadania.
Palavras-chave: Base Nacional Comum Curricular; área de Linguagens; Língua
Estrangeira Moderna; Objetivos de Aprendizagem; Ensino de Línguas na Escola.
10
CONFERÊNCIA DE ENCERRAMENTO
01/12/2016 Quinta-feira 19h00
Ensino de Línguas em Tempos de Mudanças
Profª Drª Fernanda Liberali
Pontifícia Universidade Católica de São Paulo(PUC- SP)
Nesta apresentação, será discutida uma proposta de currículo de línguas baseado em
Atividades Sociais (LIBERALI, 2009, 2012, 2016) numa perspectiva multicultural da
realidade. Esta perspectiva pressupõe que vivemos num contexto sócio-histórico
marcado pela globalização e pela superdiversidade. Assim, pensar no currículo implica
um processo de desencapsulação (ENGESTRÖM, 2002), ou seja, uma mudança de foco
de processos descontextualizados para contextos em que o ensino-aprendizagem se
realize como ferramenta que permite a participação ativa dos alunos na vida. Nesse
sentido, o currículo é apresentado como um processo em que diferentes áreas do
conhecimento são estudadas em articulação com as atividades cotidianas, com a "vida
que se vive" (MARX, ENGELS, 1845-46/ 2006-p26). Esta perspectiva está relacionada ao
desenvolvimento de uma ecologia do conhecimento (SANTOS, 2008), que organiza
atividades humanas que são estudadas, analisadas, realizadas, criticadas e avaliadas
como base para aprender e ensinar. Para tanto, são considerados quatro pilares: (i)
aprendizagem desencadeada por situações da vida real; (ii) atitude crítica e
multicultural; (iii) argumentação como organizadora do discurso em sala de aula e (iv)
brincar como central para o desenvolvimento humano. Nesta apresentação, estes
pilares serão exemplificados por meio de projetos desenvolvidos pelo Grupo de
Pesquisa Linguagem em Atividades no Contexto Escolar (LACE).
Palavras-Chave: Atividade Social; Multiculturalidade Crítica; Argumentação; Brincar.

MINICURSOS

30/11 Quarta-feira 16h30-18h00

Minicurso 1: Dos palcos à Escola: Técnicas teatrais para a sala de aula.


Ministrante: Profº Me. Leonardo Neves Correa (UEL / Cia boi Voador)
Resumo:Todos somos seres essencialmente teatrais - diariamente brincamos de
alterar o nosso modo de nos portar, de falar, de olhar, gesticular para nos adequar às
mais diversas situações corriqueiras. De certo modo, essa dinâmica nos torna atores
do dia-a-dia. Partindo desse pressuposto, Ryngaert (2009) sugere que a prática teatral
colabora não apenas para o desenvolver das nossas habilidades artísticas mas para o
desenvolvimento das nossas capacidades humanas. Neste sentido, esta oficina visa a
colaborar com a prática de sala de aula a partir do exercício teatral. Os professores-
atores participantes serão apresentadas à técnicas teatrais com base nos trabalhos de
Yioshi Oida (O Ator Invisível, 2007) e Augusto Boal (Exercícios para atores e não-atores,
1998).

11
Minicurso 2: Ensino de línguas estrangeiras por meio do gênero canção
Ministrante: Profª Me. Rayane Isadora Lenharo (UNESPAR – campus Apucarana)
Resumo: Tendo em vista a necessidade da constante atualização do(a) professor(a) de
línguas face às mudanças impostas pela própria maleabilidade da língua, faz-se
necessária a investigação de diferentes gêneros de texto que circulam nas esferas
sociais existentes. Diante do exposto, o objetivo desse minicurso é o de discutir
questões teóricas e práticas atreladas ao gênero canção e sua transposição didática
para as salas de aula de língua estrangeira, em diferentes contextos. Serão abordados
os conceitos de gênero de texto, sequência didática para o ensino de línguas, definição
do termo “canção”, entre outros temas afins. Além disso, os (as) participantes serão
convidados a elaborar uma atividade para o ensino tomando por base o gênero
canção, suas particularidades, e sua relação com a sociedade atual.

Minicurso 3: O uso de tecnologias de informação e comunicação em escolas públicas


- desafios e possibilidades
Ministrantes: Profª Danielly de Almeida (PPGEL – UEL) e profº Paulo Henrique Espuri
(PPGEL – UEL)
Resumo: Este minicurso objetiva apresentar desafios relatados por professoras e
professores de escolas públicas paranaenses no sentido de promover reflexões acerca
do uso de tecnologias de informação e comunicação (TIC) em sala de aula. Ademais,
intenciona, em um segundo momento, abordar possibilidades de uso de TIC de modo a
propiciar trocas e discussões relativas ao seu uso pedagógico no ensino de línguas.

MINICURSOS

01/12 Quinta-feira 16h30-18h00

Minicurso 4: HOMO LUDENS E HOMO SAPIENS: O SABER EM JOGO NO ENSINO DE


LÍNGUAS ESTRANGEIRAS/ADICIONAIS
Ministrante: Profª Me. Cláudia Cristina Ferreira (UEL)
Resumo: O componente lúdico é um dos recursos motivadores e estratégicos dos
quais o docente, sobretudo o de línguas, pode se valer no processo de ensino e
aprendizagem. A interface conhecimento e ludicidade forma uma parceria
inquestionável e eficaz, construindo uma ponte profícua entre o aluno e a
aprendizagem (ALMEIDA, 2009; ANDRADE; SANCHES, 2005; ARAÚJO, 2011; BELLO
ESTÉVEZ, 1990; DINELLO, 1982; FERNÁNDEZ LÓPEZ, 1997, 1998; FORTUNA, 2000;
MEJÍA et al., 1990; SZUNDY, 2005; VARELA GONZÁLEZ, 2010). Ademais, fomenta
aspectos como cooperação, respeito, criatividade e estimula relações cognitivas,
verbais, psicomotoras e interpessoais. Nesse contexto de análise, esclarecemos que
nossos objetivos consistem em, a priori, apresentar a conceituação de lúdico e traçar
um itinerário da temática na seara educacional e, a posteriori, propor sugestões
pedagógicas pertinentes ao processo de ensino e aprendizagem de línguas

12
estrangeiras/adicionais. Como resultado, verificamos que a prática pautada no lúdico
possibilita avanços, sendo tanto educadores como aprendizes os beneficiados no
processo, proporcionando um ambiente mais favorável, convidativo e acolhedor à
assimilação e ao desenvolvimento de conhecimentos diversos.

Minicurso 5: Ferramentas digitais e gamification: ressignificando o ensino de inglês


Ministrantes: Profª Bruna Danielly Dainezi (MEPLEM – UEL) e profª Michelle
Andressa Vieira Ramos (MEPLEM – UEL), orientadora Michele Salles El Kadri
(MEPLEM – UEL)
Resumo: As crianças e adolescentes que frequentam a educação básica na conjuntura
atual falam fluentemente as línguas dos computadores, da internet e dos jogos, sendo
essas ferramentas digitais parte integrante de suas vidas (PRENSKY, 2001). Para que a
escola seja atrativa e promova um real processo de ensino-aprendizagem para esses
alunos, pesquisas têm sugerido que docentes incorporem ferramentas digitais no
ensino de língua como uma das maneiras de se ressignificar o modo de se aprender e,
de fato, favorecer um ensino de línguas pautado na interação (MOITA LOPES, 1996;
MOITA LOPES E ROJO, 2004; PAIVA, 2010; 2011; PEREIRA, 2006; PIZZOLATO, 2008;
SOUZA, 2010; TERRA, 2008; VYGOTSKY, 1998). Desse modo, o minicurso tem como
base teórica os estudos sobre tecnologia no ensino de Línguas (GENSE, 2011; MOITA
LOPES, 2005; 2010; OLIVEIRA, 2009; PAIVA, 2011; SEBBA, 2013; SOUZA, 2010) e sobre
a “gamificação”, conceito baseado em princípios como colaboração, engajamento,
motivação e outros encontrados nos jogos, mas que podem ser aplicados em outros
ambientes educativos que se almeje a aprendizagem (FARDO, 2013; GEE, 2005). Nessa
perspectiva, esse minicurso, voltado a professores de línguas e demais interessados,
tem por objetivo (1) apresentar um breve panorama de teorias e estudos que tenham
por base a gamificação e a inserção tecnológica em aulas de inglês; (2) apresentar
algumas ferramentas tecnológicas para esse contexto, promovendo oportunidade de
prática entre os participantes e (3) produzir uma atividade didática com base nos
conceitos discutidos.
Atenção: Para melhor desenvolvimento das atividades, traga seu dispositivo móvel -
celular, notebook ou tablet.

Minicurso 6: Cinquenta tons de pronúncia: língua inglesa em tempos de


inteligibilidade
Ministrante: profª Me. Carla Fabiana Barcaro (PPGEL – UEL)
Resumo: Estudos sobre o inglês como língua franca (ILF) demonstram que,
atualmente, a maior parte das interações em língua inglesa acontecem entre falantes
não nativos dessa língua (CRYSTAL, 2008). Esse novo status da língua inglesa desponta
como solo profícuo para o desenvolvimentos de pesquisas diversas, como aquelas nas
áreas da fonologia, da gramática, da pragmática, bem como em domínios que
exploram questões de identidade, de aspectos (inter)culturais e de implicações
pedagógicas (COGO; PITZL, 2014). O objetivo deste minicurso é propiciar um espaço

13
para reflexões acerca das implicações do ILF no ensino de pronúncia. Em um primeiro
momento refletiremos sobre o ensino tradicional de pronúncia, cujo foco está no
modelo linguístico do falante nativo. Em um segundo instante, socializaremos
atividades práticas voltadas ao desenvolvimento da inteligibilidade da língua sob o
paradigma do ILF.

RESUMOS DAS APRESENTAÇÕES DE


COMUNICAÇÕES INDIVIDUAIS, RELATOS DE EXPERIÊNCIA E PRODUTOS
EDUCACIONAIS

Diversidade na escola: uma proposta de ensino de língua inglesa com base no


desenvolvimento de letramento crítico
Autora: Adriana Aoki Amazonas Cruz / orientadora: Michele Salles El Kadri
Modalidade: Produto Educacional

RESUMO
Este trabalho objetiva apresentar o produto educacional fruto das intenções e as ações
a serem implementadas no Programa de Desenvolvimento Educacional (PDE) do
projeto que aborda o tema diversidade no currículo escolar. O objetivo do projeto é
desenvolver o respeito às diferenças e atitudes cidadãs por meio da língua inglesa,
abordando, desse modo, questões étnico-raciais, culturais e inclusivas. O trabalho está
em consonância com as DCEs (PARANÁ, 2008), considerando o ensino e aprendizagem
de língua inglesa por meio de gêneros textuais e letramento crítico. A temática
diversidade procura atender as exigências atuais na educação por meio das políticas e
leis vigentes. A fundamentação teórica da proposta engloba estudos sobre o ensino da
língua inglesa superando fins utilitaristas (BARCELOS, 2011; SCHLATTER, 2009;
MICCOLI, 2011; LEFFA, 2012; El KADRI; GIMENEZ, 2013) e a abordagem de letramento
crítico (JORDÃO E FOGAÇA, 2007; RABONE, 2009). A implementação deste projeto
acontecerá no primeiro semestre de 2017, em uma turma do 9º ano do ensino
fundamental, através da unidade didática em desenvolvimento. Espera-se que as
intervenções possam contribuir para a promoção de novos valores e atitudes nos
alunos.
Palavras-chave: PDE; Diversidade; Gênero textual; Letramento crítico.
LINHA TEMÁTICA Ensino e Aprendizagem de Línguas estrangeiras

Representações Sobre O Ensino De Inglês Em Escolas Públicas: Visões De Professores


Em Formação
Autor/a e co-autores: Alex Egido, Rafaela Fles Mazuquin, Andressa Molinari, Michele
Salles El Kadri
Modalidade: Relato de Experiência
14
Pesquisas inseridas na Linguística Aplicada (LA) têm voltado seus olhares às questões
relativas ao processo de ensino-aprendizagem de línguas na Educação Básica e suas
particularidades na contemporaneidade (LIMA, 2011; MENEZES DE SOUSA, 2011).
Adicionalmente, tais pesquisas assemelham-se a outras, tais como: Street (2014
[1995]) e Freire (2015 [1974]), ao proporem uma prática pedagógica que considere – e
seja guiada pelo - o contexto sócio-histórico-cultural em que os alunos estão inseridos.
Nesse sentido, temos como objetivo compreender as representações inicias de
professores em processo de formação inicial quanto ao ensino de Língua Inglesa (LI)
em escola pública do Município de Londrina em contexto de vulneralibidade social. Os
participantes são professores em formação do curso de Letras-Inglês da Universidade
Estadual de Londrina (UEL) enquanto participantes do Projeto de Iniciação à Docência
(PIBID). Utilizamos formulário do Google drive para coleta de dados. Composto de 5
campos abertos, este ficou disponível a respostas por 7 dias. Inserindo esta pesquisa
no paradigma qualitativo (DENZIN; LINCOLN, 2006) e lançando mão de uma ética de
cuidado com o outro e que lhe dá voz (COHEN; MANION; MORRISON, 2011),
procedemos a análise dos dados por meio de leitura indutiva. Como resultados
preliminares, salientamos a consciência crítica dos participantes quanto as
necessidades tanto linguísticas quanto sociais dos alunos.
Palavras-chave: xxxx; xxxx; xxxx.
LINHA TEMÁTICA Ensino e aprendizagem de línguas estrangeiras

The contribution of phonetic and phonological aspects in the development oral


production/comprehension in English language
Autor: Alexandre Stein
Modalidade: Comunicação Individual

RESUMO
Nowadays, a lot has been discussed on how oral production and comprehension has
been dealt with in English language classrooms. According to Goh and Burns (2012, p.
30), “Learners are often encouraged to focus on talking. They communicate their
meaning using whatever linguistic resources they have, because communicative
language teaching places a high premium *…+ among language learners”. We believe
there is nothing wrong with that as long as teachers cater for the quality of what is
being produced. The aim of this study is to bring up discussions on how teachers can
foster their students’ oral production/comprehension through the exposition of
phonetic and phonological aspects. Many authors (FRASER, 2000; GODOY, CONTOW,
MARCELINO, 2006; ROACH, 2009; ASHTON, SHEPHERD, 2012; SILVA, 2012) state the
importance of raising learners’ linguistic awareness on this level in order to get them
produce more intelligible language and be able to understand spoken English
satisfactorily. The different aspects of English phonetics and phonology approached in
this presentation are the result of a compilation of various features appointed by
researchers as of paramount importance for leaners of this language to succeed in
15
communicating without being misunderstood or not being able to understand their
interlocutor.
Keywords: English phonetics and phonology; linguistic awareness; oral
production/comprehension.
LINHA TEMÁTICA: Descrição e Análises linguísticas

Data-driven learning, tradução e secretariado executivo: proposta de abordagem de


auto-estudo para aprendizes de inglês
Autoras: Aline Cantarotti e Paula Tavares Pinto
Modalidade: Comunicação Individual

RESUMO
O contexto de ensino de línguas estrangeiras para a graduação em Secretariado
Executivo tem características específicas. Tais características diferem do ensino de
línguas estrangeiras geral por ter fins específicos, uma vez que usam a língua para
finalidade profissional, ou comunicação empresarial internacional. Considerando tal
contexto, o objetivo de nosso estudo é apresentar uma proposta de ensino com o uso
de DDL (Data-Driven Learning) em exercícios direcionados de compreensão de leitura e
produção de tradução de textos disponibilizados a alunos do secretariado em uma
abordagem de auto-estudo. Tal proposta complementa o ensino em sala de aula uma
vez que a aprendizagem movida a dados considera o aluno um pesquisador, pois, de
acordo também com a atividade dirigida pelo professor, buscará e analisará a língua
com um foco específico: estrutura da língua, contexto etc. Dessa forma, de acordo com
Sardinha (2010), o aluno observará padrões que poderão inclusive responder questões
importantes do aprendizado de língua estrangeira, como, por exemplo, os aspectos
lexicogramaticais.
Palavras-Chaves: Ensino e Aprendizagem de Línguas Estrangeiras; Data-Driven
Learning; Tradução; Secretariado Executivo.
LINHA TEMÁTICA Tradução

Be UEL: projeto multidisciplinar com foco na recepção e no acompanhamento de


estrangeiros vinculados a atividades acadêmicas na Universidade Estadual de
Londrina
Autora: Amanda de Camargo Mendes
Modalidade: Produto Educacional

RESUMO
Não é de hoje que os acordos internacionais e a mobilidade acadêmica têm sido
praticados no âmbito do ensino superior. Se a internacionalização das universidades
não é algo novo, o mesmo não pode ser afirmado em relação à forma com que ela se
fomenta nas últimas décadas. Dados da UNESCO mostram que o movimento
circunscrito a poucos milhares tem atingido milhões de acadêmicos em mobilidade
internacional (aprox. 4.1 milhões em 2013). No Brasil, os números revelam os
significativos esforços à expansão da prática ao longo dos últimos anos – com
16
destaque para os programas Ciências Sem Fronteiras e PEC-G/PEC-PG. Mas será que a
internacionalização das universidades brasileiras se institucionaliza em via de mão
dupla? Recentes dados e pesquisas revelam que não só o país envia (32 mil em 2013)
mais alunos para o exterior do que os recebe (15 mil em 2013), como também
demanda ainda maiores investimentos no recebimento e acompanhamento de
estrangeiros nas IES brasileiras. A escassez de informações institucionais em línguas
estrangeiras e a pouca integração entre estudantes brasileiros e estrangeiros têm sido
constatados por nós a partir de um levantamento recente. Considerando esse cenário,
idealizamos o projeto Be UEL: uma proposta de pesquisa, elaboração de material de
divulgação e implementação de práticas inclusivas com foco no recebimento e no
acompanhamento de alunos estrangeiros na Universidade Estadual de Londrina (UEL).
Para que seja alcançado seu objetivo maior, qual seja a melhoria no acesso às
informações e na integração sociocultural, entendemos ser essencial a participação
ativa de alunos estrangeiros em todas as fases do projeto; assim como a de estudantes
brasileiros matriculados nos diversos cursos da instituição. Somente a presença de
ambos, segundo nossa percepção, possibilitaria o intercâmbio de experiências e a
aquisição de competência linguístico-cultural, sem os quais o processo de
internacionalização e a mobilidade acadêmica não se sustentam e nem se justificam.
Assim, este trabalho tem como objetivo apresentar um projeto inicial de pesquisa
proposto como atividade acadêmica no âmbito do Mestrado Profissional em Letras
Estrangeiras Modernas da UEL.
Palavras-chave: Internacionalização das Universidades Brasileiras; Mobilidade
Estudantil Internacional; Diversidade Cultural; Inclusão Social; Português para Falantes
de outras Línguas.
LINHA TEMÁTICA Ensino e aprendizagem de línguas estrangeiras

O que este contexto tem de particular?


Autoras: Amanda De Camargo Mendes, Ana Carolina Moreira Salatini e Leila Miyuki
Saito
Modalidade: Comunicação Individual

RESUMO
O ensino de línguas estrangeiras em contexto de aulas particulares constitui um
desafio peculiar para o professor: desenvolver cada aula de modo a atender às
necessidades e objetivos do aluno. Sem a necessidade de seguir um material didático
ou uma abordagem em específico, cabe ao profissional escolher, adaptar e avaliar
atividades e essa liberdade pode ser problemática tendo em vista as inúmeras
possibilidades. Para que essas escolhas não sejam baseadas apenas nas impressões do
professor, é importante fazer uso de instrumentos de avaliação “que incorporam
critérios avaliativos relativos ao LD de LE” (DIAS; CRISTÓVÃO, 2009, p. 203). Desse
modo, o presente trabalho objetiva apresentar uma ficha de avaliação que foi
desenvolvida com base nos trabalhos de Dias e Cristóvão (2009) no que tange a
aspectos gerais e às quatro habilidades linguísticas, e no de Tomlinson e Masuhara
(2005), considerando que o conteúdo da aula é definido a partir das necessidades
17
comunicativas do aluno. Espera-se que este material auxilie o professor na tarefa de
preparação e avaliação de suas aulas, não no sentido de criticar os materiais
existentes, mas no de fomentar a reflexão acerca das razões que o levam a selecionar
determinadas atividades para suas aulas.
Palavras-chave: Ensino de línguas estrangeiras; Aulas particulares; Avaliação de
materiais didáticos; Ficha de avaliação.
LINHA TEMÁTICA: Material didático e ensino de línguas

Acompanhando os egressos do PIBID de Letras-inglês da UEL


Autora: Ana Beatriz Maehashi Ferreira/ orientadora: Michele Salles El Kadri
Modalidade: Comunicação Individual

RESUMO
Este trabalho teve objetivo de acompanhar os egressos do PIBID de Letras-Inglês da
Universidade Estadual de Londrina. Desse modo, buscou coletar ideias/visões dos
alunos de alunos egressos sobre sua experiência no programa, conhecer onde estão
atuando, qual o mercado profissional encontrado e suas relações com a formação que
tiveram. Os dados foram coletados por meio de questionários e analisados pela análise
de conteúdo. Os resultados apontam que (a) há um forte engajamento e identificação
com o setor público; (b) embora a prática em sala de aula seja vista pela maioria como
desgastante e cansativa, estão satisfeitos com seus contextos de ensino; (c) o PIBID é
apontado como um programa que tem efeito positivo na prática atual dos
respondentes, tornando-os mais confiantes, preparados e conscientes quanto ao
ensino em escolas públicas; (d) há diferença com relação a pesquisa, ensino e extensão
nos diferentes subprojetos do programa e (e) o primeiro contato da maioria com a sala
de aula é via PIBID.
Palavras-chave: Egressos; Letras-Inglês; Currículo.
LINHA TEMÁTICA Formação de professores de línguas

Novos Tempos para a Extensão Universitária no Brasil :História, implicações e


orientações aos docentes da Universidade Estadual de Londrina
Autora: Ana Carolina Moreira Salatini / orientadora: Valdirene F. Zorzo-Veloso
Modalidade: Produto Educacional

RESUMO
A exemplo do que já acontece em outras instituições de nível superior estrangeiras, os
universitários brasileiros terão em seu currículo obrigatório a prática de atividades
extensionistas. Segundo o Plano Nacional de Educação (PNE), a partir de 2020, todos
os cursos de graduação ofertados em universidades brasileiras deverão assegurar, no
mínimo, 10% de sua carga horária para atividades de extensão, um dos tripés da
universidade, porém ainda pouco valorizada. Tendo em conta esta curricularização e o
escasso contato da comunidade universitária com essa prática, o presente trabalho
tem como objetivo apresentar uma breve análise sobre a extensão no Brasil, suas
18
implicações sociais e contribuições tanto para universidade como para a sociedade
(NOGUEIRA, 2005; ROCHA, 2001; SANTIN, 1988), e também apresentar uma proposta
de um guia direcionado aos docentes da Universidade Estadual de Londrina (UEL), no
intuito de dar-lhes suporte e orientá-los nesta nova fase extensionista. Com isso,
pretendemos contribuir com a Pró-Reitoria de Extensão (PROEX) na implementação e
divulgação de tais práticas, bem como elevá-la ao um patamar igualitário com os
outros dois pilares da universidade, ensino e pesquisa.
Palavras-chave: Extensão; Curricularização; Guia do professor; UEL.
LINHA TEMÁTICA Políticas linguísticas e educacionais

Animal Farm e o letramento crítico no ensino de inglês


Autora: Ana Flávia de Oliveira / orientadora: Vera Helena Gomes Wielewicki
Modalidade: Comunicação Individual

A literatura como ferramenta de aproximação intercultural no ensino de língua inglesa


como língua estrangeira para aprendizes brasileiros RESUMO Esta comunicação
individual – que surge a partir de uma pesquisa de iniciação científica – tem como
objetivo apresentar uma proposta de atividade com o livro Animal Farm (1945), de
George Orwell. As atividades apresentadas são baseadas nas teorias de
multimodalidades e letramentos críticos de Cope, Kalantzis e Mattos entre outros. A
proposta é voltada para alunos de Ensino Médio de escolas oferece possibilidades de
atividades nas aulas de língua inglesa cujo foco não seja unicamente o texto escrito e
ainda haja interdisciplinaridade, ou seja, são atividades que propõem o contato com a
língua inglesa e a literatura por meio do contexto histórico de produção do livro,
ilustrações e filmes. Por isso, além do romance, as atividades que sugerimos – com
base nas teorias citadas anteriormente – contemplam o filme de animação Animal
Farm (1954), dos diretores Joy Batchelor e John Halas, e as ilustrações de Ralph
Steadman (1995) a fim de abranger diferentes meios de ensino, aprendizado e
avaliação nas aulas de língua inglesa e literatura. As atividades propostas seguem as
Orientações Curriculares do Ensino Médio, visando assim ampliar o conhecimento dos
alunos a partir de artifícios que extrapolem o código escrito.
Palavras-chave: Animal Farm; Letramento; Ensino de Língua Inglesa.
LINHA TEMÁTICA Ensino e Aprendizagem de línguas estrangeiras

As Expressões Idiomáticas e o fomento da consciência ambiental no ensino de


Espanhol como Língua Estrangeira/Adicional
Autora: Ana Paula Mantovani Vieira / orientadora: Claudia Cristina Ferreira
Modalidade: Produto Educacional

RESUMO
Este trabalho tem por objetivo fomentar o uso das expressões idiomáticas e a prática
sustentável nas aulas de espanhol como língua estrangeira/adicional. As unidades
fraseológicas (provérbios, expressões idiomáticas) compõem a língua oral e a
identidade de uma comunidade linguística. Estudos apontam a imprescindibilidade da
19
inserção dos conteúdos fraseológicos no ensino tanto da língua materna como das
estrangeiras/adicionais (FERREIRA, 2015; MONTEIRO-PLANTIN, 2008; ORTIZ ALVAREZ;
UNTERNBÄUMEN, 2011; SCANDOLA, 2006; TIMOFEEV, 2013; XATARA, 1998). O Marco
Común Europeo (MCER) de referência para as línguas também adverte sobre sua
relevância. A Ecologia, tema de especial importância para a sociedade, deveria,
igualmente, fazer parte do processo de ensino e aprendizagem. Teóricos alertam sobre
o cenário degradante em que se encontra o meio ambiente, devido à falta de
consciência da sociedade com o meio natural (AMANCIO 2010; NOVAES, 2016; VIEIRA
2014). A partir do exposto e de constatações em meu ambiente de trabalho, considero
de grande relevância a proposta de um produto educacional, que conste de um
caderno de atividades para o professor que abranjam as duas temáticas: expressões
idiomáticas e sustentabilidade.
Palavras-chave: Ensino de Língua Espanhola; Consciência Ambiental; Expressões
Idiomáticas.
LINHA TEMÁTICA Ensino e aprendizagem de línguas estrangeiras

Considerações a respeito do léxico: análise da unidade léxica PAZ no período


franquista
Autora: Andréia Cristina Roder Carmona Ramires
Modalidade: Comunicação Individual

RESUMO
Entendemos que a partir da análise do léxico de uma língua natural também podemos
conhecer a cultura e as mudanças sociais pelas quais passaram as diferentes
sociedades, pois “língua e cultura estão intrinsecamente interligadas de modo que
uma não pode se separar da outra sem a perda do significado da língua ou da cultura”
(BROWN, 1994, p. 167). Destarte, ao entendermos a língua como expressão de
acontecimentos históricos, temos aqui o objetivo de analisar uma unidade léxica
representativa de um período de confronto e resistência na Espanha ditatorial: PAZ.
Metodologicamente, por meio de análises quantitativas e qualitativas, essa unidade
léxica foi escolhida num montante de 100 unidades selecionadas e, primeiramente
coletadas por meio do programa computacional, o Léxico 3. Assim, o recorte histórico
que faremos neste texto se refere a dois anos do período franquista, 1940 e 1975,
respectivamente o início da concretização do poder do regime ditatorial militar do
general Francisco Franco, e o ano de sua morte e recomeço da transição do regime
político do país. Portanto, nosso estudo categoriza-se como uma pesquisa lexicológica
sobre registro escrito (a partir de BIDERMAN (2001)), de textos jornalísticos dos anos
citados, sobre a sociedade espanhola de Franco.
Palavras-chave: Cultura; Léxico; Língua Espanhola.
LINHA TEMÁTICA Descrição e análise linguísticas

20
English Club e Sala de Inglês: Uma proposta de um curso de línguas em escolas
públicas Via PIBID
Autor/a e Co-Autores: Andressa Cristina Molinari, Atef El Kadri, Michele Salles El Kadri,
Nadine Vizú Brenzan, Tacimila Mondeck da Silva.
Modalidade: Relato de Experiência

RESUMO
O ensino de inglês em escolas públicas apresenta inúmeros desafios (LIMA, 2014).
Entre eles a falta de recursos e a falta de condições para desenvolver propostas
voltadas a oralidade. Visando suprir essa lacuna e propiciar aos alunos contatos
diferenciados com a língua inglesa, propomos o “English Club e a Sala de Inglês”. Este
artigo objetiva apresentar a proposta de um grupo do PIBID de Letras Inglês que atua
em uma escola pública na região de Londrina. Desse modo, pretende apresentar os
parâmetros que têm guiado nossas práticas e as ações específicas realizadas no
“English Club”, um curso de língua ofertado aos alunos da escola em horário de contra-
turno e a caracterização de uma sala própria para as aulas de língua. O referencial da
proposta são as teorias sócio-culturais para o ensino de línguas. Os dados coletados
partem das impressões dos professores em formação atuantes no curso. Os resultados
preliminares das ações desenvolvidas indicam que (a) é necessário discutir com os
alunos o que significa aprender essa língua nos dias de hoje, (b) conscientizar os pais e
a comunidade sobre as oportunidades que estão sendo oferecidas e, (c) os alunos
participantes do curso relatam motivação para o ensino de línguas.
Palavras-chave: Língua Inglesa; PIBID; Escola Pública.
LINHA TEMÁTICA Ensino e aprendizagem de línguas estrangeiras

Da teoria à prática: estratégias de leitura e compreensão textual em língua


estrangeira nas oficinas do PIBID/Inglês
Autoras: Bianca Grela e Fernanda Trevizan e Silva / orientadoras: Josimayre Novelli e
Luciana Cabrini Simões Calvo
Modalidade: Relato de Experiência

RESUMO
Este trabalho tem como objetivo principal apresentar um relato de experiência de
duas docentes em formação inicial, alunas do curso de Letras – Português/Inglês da
Universidade Estadual de Maringá, a respeito das oficinas de leitura em língua inglesa
(LI) proporcionadas pelo subprojeto Pibid/Letras–Inglês da UEM, do qual são
participantes. Tais oficinas duraram cinco semanas e tinham como foco trabalhar com
estratégias de leitura e compreensão de texto com alunos do Ensino Médio. Para isso,
foram utilizados textos do vestibular e do PAS da UEM, a fim de exemplificar, vivenciar
e praticar as estratégias abordadas. Conforme Mikulecky (2008 apud Calvo; Freitas;
2015), as chamadas estratégias de leitura (reading strategies) são processos cognitivos
utilizados pelo leitor para compreender um texto. Sendo assim, as estratégias
estudadas nas oficinas foram: predicting, skimming, scanning, reading for detail e
guessing. Durante as aulas, foi possível notar a participação e interesse dos alunos
participantes e, em conclusão, com base neste desempenho positivo, pode-se afirmar
21
que houve significativa melhora na capacidade de compreensão de textos em LI dos
mesmos.
Palavras-chave: Ensino de leitura em língua inglesa; Estratégias de leitura; Pibid/Inglês.
LINHA TEMÁTICA Ensino e aprendizagem de línguas estrangeiras.

Desenvolvimento de um jogo educacional digital para o ensino-aprendizagem de


língua inglesa – uma proposta em andamento
Autora: Bruna Danielly Dainezi / orientadora: Michele Salles El Kadri
Modalidade: Produto Educacional

RESUMO
Os videogames são letramentos multimodais engajadores que possuem princípios que
promovem aprendizagem (GEE, 2007) devido à combinação de uma série de fatores
que estes proporcionam, como por exemplo, diversão para engajar, regras para
estruturar, feedback e resultados para proporcionar aprendizado e resolução de
problemas para despertar a criatividade (PRENSKY, 2001). Neste sentido, o objetivo
desta comunicação é apresentar o percurso do desenvolvimento de um jogo
educacional digital para o ensino de língua inglesa. Este jogo – que está em fase de
produção - será apresentado como produto educacional para a conclusão do Mestrado
Profissional em Letras Estrangeiras Modernas da Universidade Estadual de Londrina.
Tal produto tem como pressupostos teóricos teorias de multiletramento e de
multimodalidade (THE NEW LONDON GROUP, 1996), vídeo games e aprendizagem
(GEE 2007, 2014; MCGONIGAL, 2011; PRENSKY, 2007;) serious games design (ARNAB
ET AL., 2015) e jogos e o ensino/aprendizagem de línguas (RAMA ET AL., 2012;
PETERSON, 2012; SILVA, 2014; BUTLER, 2015). Até o momento, a proposta apresenta
as etapas de criação e alguns elementos do jogo em funcionamento.
Palavras-chave: Jogos digitais; Ensino e aprendizagem de inglês; Desenvolvimento de
jogo.
LINHA TEMÁTICA Ensino e aprendizagem de línguas estrangeiras

Representações sobre jogos educacionais no ensino de línguas: o que pensam


professores em formação?
Autora: Bruna Danielly Dainezi / orientadora: Michele Salles El Kadri
Modalidade: Comunicação Individual

RESUMO
Os jogos digitais, além possibilitarem aprendizado e diversão, provocam interesse e
criatividade, fortalecem a conectividade social e ensinam a manter o foco para atingir
objetivos (MCGONIGAL, 2011). Neste sentido, o objetivo desta comunicação é
investigar as representações de professores em formação sobre o uso de jogos digitais
no ensino de inglês. Este trabalho faz parte de uma pesquisa que objetiva desenvolver
um jogo educacional digital para o ensino de LI, a ser apresentado como produto
educacional para a conclusão do Mestrado Profissional em Letras Estrangeiras
22
Modernas da Universidade Estadual de Londrina. O referencial teórico dessa pesquisa
está ancorado em estudos relacionados a jogos e o ensino/aprendizagem de línguas
(RAMA et al., 2012; SILVA, 2014; BUTLER, 2015.). Portanto, trata-se se de uma
pesquisa qualitativa que tem como coleta de dados as respostas de um questionário
analisado por meio da análise de conteúdo (BARDIN, 1977). Os resultados preliminares
demonstram que professores em formação (a) acreditam no potencial de jogos no
ensino, (b) tem pouca experiência em relação ao uso de jogos para fins educacionais,
(c) demonstram interesse nesta perspectiva e (d) apresentam hipóteses e sugestões
para o desenvolvimento de jogos.
Palavras-chave: Jogos para Ensino/Aprendizagem de Língua Inglesa; Representações
de Professores em Formação.
LINHA TEMÁTICA Ensino e aprendizagem de línguas estrangeiras.

O insólito nas aulas de espanhol como língua estrangeira: propostas pedagógicas


Autor/a e Co-Autores: Caio Vitor Marques Miranda e Amanda Montañez Pérez
Modalidade: Comunicação Individual

RESUMO
Trabalhar a literatura e as suas funções nas aulas de Espanhol como língua estrangeira,
sem usá-la como pré-texto para conteúdos linguísticos e/ou estruturais, tornou-se
uma prática esquecida nesse contexto. Percebe-se, sobretudo nos dias atuais, que a
literatura tem sido um empecilho ao aluno, devido à sua falta de interesse pela leitura,
e também ao professor, pela de ciência de conteúdo sobre ela e por seu papel
enquanto estimulador do ato de ler. Diante dessa perspectiva, objetiva-se, neste
trabalho, ater-se à problemática apresentada e expor propostas de atividades nas
quais seja possível o trabalho eficiente e significativo do texto literário nas aulas de
espanhol como língua estrangeira, angariando novos leitores a este “mundo paralelo”
da literatura, pela vertente do insólito. Para cumprir com o objetivo proposto, este
estudo fundamenta-se nos conceitos de Cereja (2005), Colasanti (2005), Jouve (2012),
Sanches Brun (2004), Sanches Neto (2013), Brait (2013), Souza (1986), Todorov (1992)
e Zilberman (2012), referências dessa área.
Palavras-chave: Insólito; Literatura e ensino; Propostas pedagógicas.
LINHA TEMÁTICA Linguagem e Literatura

Inglês por meio de músicas e vídeos


Autor/a e Co-Autores: Camila Ribas Stankoski, Claudia Marchese Winfield,
e Gustavo Lucas Barbosa
Modalidade: Relato de Experiência

RESUMO
O presente trabalho relata a experiência de uma professora de Inglês no contexto de
curso de Licenciatura em Letras Português – Inglês e dois professores em formação
com experiências no PIBID, bem como contextos variados tais quais, rede pública de
ensino e escolas de Idioma em Pato Branco, Paraná. Os trabalhos levam em
23
consideração as reflexões acerca do ensino de inglês na era pós-metodo (ALMEIDA,
2008; IZIDRO, 2007; LEFFA, 1988; 2012 entre outros) e as teorizações acerca da
aprendizagem implícita e explícita de línguas estrangeiras (DEKEYSER, 1995; 1998;
2000; KRASHEN, 1982; 2000). Parte-se do princípio que embora exista uma diferença
conceitual entre aquisição e aprendizagem estabelecidas por Krashen (1982; 2000), a
professora de línguas estrangeiras pode combinar estratégias que possam levar à
aprendizagem de modo implícito e explícito por meio de canções. Além, disso, os
relatos levam em consideração a motivação como fator relevante na aprendizagem de
língua estrangeira e discutem a diferença entre motivação extrínseca e intrínseca
(DORNEY, 1998). As experiências apontam para relatos positivos referentes a
aprendizagem de língua inglesa para na sala de aulas de ensino de língua inglesa em
participantes e contextos variados de ensino e aprendizagem de língua inglesa e
apontam para utilização de estratégias e abordagens combinadas no ensino de língua
inglesa, conforme sugerido por Leffa (1988).
Palavras-chave: Pós-Método; Músicas; Cognição; Processos de Compreensão.
LINHA TEMÁTICA Ensino e Aprendizagem de Línguas estrangeiras

As múltiplas abordagens do gênero música no ensino de Língua Inglesa: Relato de


experiência realizada em um colégio de Pato Branco
Autor/a e Co-Autores: Camila Ribas Stankoski, Claudia Marchese Winfield e Renan
Cesar Venazzi Foschiera.
Modalidade: Relato de Experiência

RESUMO
O presente relato de experiência tem como objetivo trazer para discussão a
multiplicidade de abordagens que o professor de línguas possui ao trabalhar com o
ensino a partir do gênero música. Assim sendo, o ensino de língua inglesa pode
abordar diferentes âmbitos desde o contexto social e cultural, como apresentado por
Lima (2004), até as capacidades de listening, speaking, reading e writing. Além das
abordagens das capacidades da língua que são trabalhadas através do ensino com
música, esta atividade com música também proporciona aos alunos motivação e um
ambiente seguro e dinâmico para que eles se expressem e desenvolvam as habilidades
linguísticas, principalmente a oralidade, foco principal das nossas aulas.
Palavras-chave: música, língua Inglesa, capacidades, habilidades linguísticas.
LINHA TEMÁTICA Ensino e aprendizagem de línguas estrangeiras

Língua inglesa e globalização: relatos sobre um projeto do programa Novos Talentos


Autora: Carla F. Barcaro
Modalidade: Comunicação Individual

RESUMO
Os desafios inerentes ao fenômeno da globalização se manifestam em diversas áreas e
impactam iniciativas educacionais que visam novas demandas da sociedade atual. Esta
comunicação, recorte de uma pesquisa de doutorado em andamento, tem como
24
contexto o projeto institucional Formação de professores e alunos da educação básica:
oportunidades, prática, troca de saberes/ vivências, estímulo à criatividade e à
aproximação com os desafios postos por problemas da sociedade globalizada
apresentado pela Universidade Estadual de Londrina (UEL) em resposta ao primeiro
edital do programa Novos Talentos lançado em 2010. O objetivo desta comunicação é
compartilhar a forma como a temática da “inclusão em um mundo globalizado” foi
percebida em textos acadêmicos produzidos sobre o subprojeto Para inserção em um
mundo globalizado: utilizando recursos tecnológicos no ensino e aprendizagem de
inglês que se materializou na UEL sob a forma de oficinas e cursos de imersão para
estudantes e professores da rede pública da região de Londrina entre os anos de 2011
e 2013.
Palavras-chave: Língua inglesa; Globalização; Inclusão.
LINHA TEMÁTICA Ensino e aprendizagem de línguas estrangeiras

Ensino de Jovens e Adultos: um relato de experiência sobre o trabalho com a


ludicidade na sala de aula de língua inglesa
Autor/a e Co-Autores: Carolina Ravaneda Kovalczuk e Jaqueline Mayumi Ikeda Loureiro
/ orientadora: Luciana Cabrini Simões Calvo
Modalidade: Relato de Experiência

RESUMO
No decorrer da graduação do curso de Letras-Inglês, ofertado pela Universidade
Estadual de Maringá, o ensino de língua inglesa vem sendo desenvolvida em diferentes
âmbitos de atuação profissional, como no caso do Ensino para Jovens e Adultos (EJA).
Nesse sentido, essa comunicação traz um relato de experiência de duas professoras
em formação docente inicial, vivenciada durante a disciplina de Estágio Supervisionado
II, sobre o ensino de língua inglesa nesse contexto. Nessa disciplina, os acadêmicos
observam e colaboram em aulas de língua inglesa em que, durante o período de
colaboração, foram desenvolvidas atividades lúdicas para a revisão do conteúdo
estudado. Sendo assim, essa comunicação traz uma reflexão sobre esta experiência,
primeiramente, abordando uma descrição das atividades realizadas, em seguida,
trazendo nossas considerações a respeito do envolvimento dos alunos e sua visão
sobre tais atividades. Para discutirmos a visão dos alunos, embasar-nos-emos em um
questionário de cunho dissertativo respondido por eles, o qual aborda questões
envolvendo a ludicidade no processo de ensino-aprendizagem de línguas para o EJA.
Portanto, este relato contribui para análise das atividades aplicadas e poderá favorecer
o ensino e aprendizagem da língua estrangeira no contexto do EJA.
Palavras-chaves: Ludicidade; Formação docente; Ensino língua inglesa; Ensino jovens e
adultos.
LINHA TEMÁTICA Ensino e aprendizagem de línguas estrangeiras.

25
Construção identitária e aprendizagem do professor de inglês: perspectivas de
formandos do curso de Letras
Autor/a e Co-Autores: Célia Regina Lessa Aleixo Devico, Luciana Cabrini Simões Calvo e
Josimayre Novelli
Modalidade: Comunicação Individual

RESUMO
A presente comunicação tem o intuito de apresentar e discutir dados oriundos do
projeto de pesquisa institucional “Formação de professores de línguas: aprendizagem
e desenvolvimento da identidade docente”, o qual investiga “a representação de
oportunidades de aprendizagem docente e o desenvolvimento da identidade
profissional de acadêmicos do curso de Letras em atividades e/ou espaços
(extra)curriculares” (CALVO, 2015). Os dados foram gerados por meio da aplicação de
um questionário de cunho dissertativo a alunos formandos dos cursos de Letras-
Português/Inglês e Letras-Inglês de uma universidade estadual paranaense. A análise
dos dados tem como foco as motivações iniciais dos alunos quanto à escolha pela
licenciatura; a contribuição do curso no que tange à sua formação docente em língua
inglesa e a identificação com essa profissão; bem como os espaços e/ou atividades
vivenciadas como meio de desenvolvimento da aprendizagem docente. Espera-se que
esse estudo contribua com o campo de formação docente inicial, especificamente com
as investigações voltadas para a construção e consolidação da identidade profissional
(NÓVOA, 1995; FLORES, 2003; BOHN, 2005; REIS; VEEN; GIMENEZ, 2011, dentre
outros), além daquelas com vistas à aprendizagem docente (LORTIE, 1975; SHULMAN,
1986; JOHNSON, 2009, CORADIM, 2015, dentre outros).
Palavras-chave: Formação docente inicial; Língua inglesa; Identidade; Aprendizagem;
Formandos do curso de Letras.
LINHA TEMÁTICA Formação de Professores de línguas

O ensino de fonética da língua inglesa com o uso de material digital


Autora: Cíntia Pereira dos Santos / orientadores: Prof. Dra. Alessandra Dutra , Prof.
Dr. Givan José Ferreira dos Santos
Modalidade: Produto Educacional

RESUMO
O ensino da fonética do inglês pode colaborar para uma melhora na oralidade do
aluno através de uma comunicação condizente entre o falante e o interlocutor. Assim,
os objetivos deste estudo são apresentar e analisar os resultados da aplicação de um
material didático com foco em aspectos fonéticos do Inglês e mostrar resultados da
produção do gênero oral limerick. Desta forma, o aspecto fonético da Língua Inglesa
terá um papel importante no produto educacional elaborado uma vez que ele irá guiar
as aulas para a produção oral dos alunos. O referencial teórico utilizado conta com as
contribuições de Cristófaro-Silva (2005) e Brinton et. al. (2010), que discutem o ensino
da fonética do inglês, e Marcuschi (2010) e Cristóvão(2005), que discorrem sobre o uso
de gêneros textuais. Como metodologia são utilizados os tipos de pesquisa de campo,
bibliográfica, descritiva, experimental e analítica. As implicações deste estudo
26
mostram que os alunos puderam fazer uso da organização sonora do inglês para sua
aplicabilidade oral. Apesar das dificuldades encontradas durante a aplicação do
material, como falta de estrutura e poucas aulas para aplicação, os alunos
participantes da pesquisa tiveram condições de produzir o limerick de forma mais
adequada às características desse gênero.
Palavras-chave: Fonética da Língua Inglesa. Material Online. Ensino Médio. Limerick.
Produção de gênero textual oral.
LINHA TEMÁTICA Ensino e aprendizagem de línguas estrangeiras.

Elaboração de jogo digital para telefones celulares e/ou tablets como suporte no
ensino-aprendizagem de língua espanhola
Autor/a e Co-Autores: Dayane P. de Souza Silva / orientadora: Samantha Ramos
Modalidade: Produto Educacional

RESUMO
O objetivo deste trabalho é apresentar o processo de criação de uma ferramenta de
ensino de Língua Espanhola e suas Literaturas destinada aos alunos do Ensino
Fundamental das escolas públicas estaduais de Londrina. Tal Produto Educacional (em
desenvolvimento no MEPLEM/UEL) se refere a um software aplicativo para
dispositivos móveis, smartphones e tablets, que está sendo criado sob os princípios de
mobilidade e interatividade da aprendizagem móvel com o propósito de estimular os
alunos ao pensamento estratégico, à resolução de desafios, além de desenvolver a
autonomia frente a aprendizagem de uma LEM. Nesta comunicação, exponho o
processo inicial de criação do aplicativo tendo como base as discussões a partir das
teorias de Alda (2013) e Leffa (2006) que abordam a teoria de mobile-learning e
gamificação, Costa (2013) no que se refere às competências dos alunos e Fardo (2013)
ao apontar como os recursos de jogos via o processo de gamificação fomentarão o
letramento digital.
Palavras-chave: Mobilidade; Jogos; Mobile-Learning; Gamificação; Língua Espanhola.
LINHA TEMÁTICA Ensino e aprendizagem de línguas estrangeiras

Uma experiência de ensino baseado em tarefas e sala de aula invertida na formação


de professores de línguas
Autora: Denise Ismênia Bossa Grassano Ortenzi
Modalidade: Relato de Experiência

RESUMO
A formação inicial de professores de línguas se constitui numa experiência com
potencial para construir e reconstruir as percepções que esses futuros profissionais
têm do papel da tecnologia nos processos de ensino-aprendizagem. Mais do que
instrumentalizar para o uso de novas ferramentas, os professores em formação podem
tornar-se mais tecnologicamente letrados à medida que descobrem o valor da
tecnologia para aprender, criar e compartilhar conhecimentos. A partir de um
entendimento amplo de tecnologia abrangendo objetos, conhecimento, atividades,
27
processos e sistemas sociotécnicos, neste relato de experiência, descrevo uma
atividade desenvolvida na disciplina de Linguística Aplicada do primeiro ano do curso
de Letras Inglês da UEL que agrega aos fundamentos da Aprendizagem Baseada em
Tarefas (PRABHU 1987; WILLIS 1996) a estratégias de Sala de Aula Invertida
(BERGMANN & SAMS, 2012). A fim de trabalhar o conteúdo “Abordagens de ensino de
línguas estrangeiras e teorias subjacentes”, integrante do programa da disciplina, foi
proposta uma tarefa de simulação de seleção de professores para três escolas de
idiomas que adotavam abordagens distintas. Para que os alunos conhecessem as
diferentes abordagens, foram disponibilizados vídeos e textos para serem estudados e
discutidos a partir de estratégias de sala de aula invertida. Os resultados evidenciam
que tais estratégias favoreceram a descentralização do papel do professor, com
participação dos alunos através de explicações entre colegas do grupo, e levantamento
de questionamentos à professora. Além disso, a tarefa de simulação funcionou como
propulsora de discussões e de iniciativas de negociação de papéis por parte dos
alunos, bem como de materialização de interpretações dos futuros professores acerca
de abordagens de ensino. Conclui-se que a experiência demonstra potencial de vir a
compor o repertório pedagógico dos futuros professores sobre o papel de tecnologias
no processo de ensino-aprendizagem.
Palavras-chave: formação de professores de línguas; ensino baseado em tarefas; sala
de aula invertida; tecnologia.
LINHA TEMÁTICA Formação de professores de línguas

A serial killer among us: Relato de uma atividade de produção escrita com alunos de
licenciatura em Letras/inglês
Autor: Elerson Cestaro Remundini
Modalidade: Relato de Experiência

RESUMO
O presente relato trata de uma atividade de wiriting desenvolvida com alunos da
licenciatura em Letras/inglês da UEM, com turmas de 2012, 2013 e 2015. Trata-se da
escrita coletiva de um romance policial, por ocasião do Halloween, em que os
personagens são os próprios alunos. Na trama a ser escrita, um serial killer inicia uma
sequência de assassinatos misteriosos. Para a execução da atividade, os alunos
receberam um esquema com a função de cada autor. A ordem dos autores foi definida
por sorteio e cada aluno tinha sete dias para redigir seu capítulo de acordo com o
esquema, enviar ao professor para correção e possível devolução para alterações e,
uma vez que o texto estivesse adequado, o aluno seguinte o recebia para continuar a
narrativa. Ao final, todos leram o romance juntos em sala, mas apenas o professor e o
último autor tinham conhecimento do desfecho. Os objetivos deste relato são:
compartilhar a ideia da atividade e sua forma de funcionamento com outros docentes;
expor e refletir sobre os percalços vivenciados pelos alunos e o professor aplicador
durante sua execução; e divulgar os benefícios que ela representou para os envolvidos.
Palavras-chave: Produção Escrita; Escrita Coletiva; Romance Literário; Licenciatura em
Letras.
LINHA TEMÁTICA Ensino e Aprendizagem de Línguas Estrangeiras
28
Watch me: as expressões idiomáticas de filmes no ensino de Língua Estrangeira
Autor: Erydyvaldo Tupyharo / orientadora: Cláudia Cristina Ferreira
Modalidade: Comunicação Individual

RESUMO
As expressões idiomáticas (EIs) são construções utilizadas por falantes da língua em
contextos sociais os quais, mesmo carregando um sentido metafórico próprio,
dispensam explicações devido ao fato de estarem embasadas na cultura nativa
daquela sociedade. Assim como apresentam a Sociolinguística (LABOV, 1972) e a
Sociolinguística Interacional (GUMPERZ, 1982), essa cultura provém de várias relações
entre os membros de uma sociedade e podem ser influenciadas por: comunicação,
estudos, religião, descendência, “encontros interculturais”, literatura, músicas, filmes
etc. Com o objetivo de explorar a cultura-alvo e a importância das Expressões
Idiomáticas, a luz da Fraseologia (DURÃO, 1999, 2002; FERREIRA, 2007, 2015;
IANUSKIEWTZ, 2002; RIBEIRO e MARIANO, 2011, XATARA, 1998, WELKER, 2011), no
ensino de Língua Inglesa, LI, priorizando as que são provenientes de filmes, este
trabalho, por meio de pesquisa empírica, apresentará ferramentas para auxiliar o
professor em sala de aula no que tange a habilidade comunicativa de seus aprendizes.
Retomando o conceito de “competência comunicativa” (ALMEIDA FILHO, 2009;
HYMES, 1972), o presente trabalho enfatiza a necessidade do contato dos aprendizes
com a cultura-alvo i.e. idiomatismos e busca apresentar resultados de
desenvolvimento dessa competência a partir do ensino intercultural.
Palavras-Chave: Expressões idiomáticas; Ensino de LE; Léxico; Filme.
LINHA TEMÁTICA Ensino e aprendizagem de línguas estrangeiras.

Ambientes virtuais e ensino de língua inglesa: o uso do whatsapp como Estratégia


interativa
Autora: Eva Cristina Francisco
Modalidade: Relato de Experiência

RESUMO
O ensino de língua estrangeira tem ultrapassado limites e fronteiras por meio do uso
das mais diversas tecnologias, especialmente as de cunho virtual. Diante das
dificuldades e/ou impossibilidades de ensino totalmente presencial, pesquisas
mostram que a utilização de ambientes virtuais para o ensino/aprendizagem de
idiomas pode ser tão eficaz quanto o meio tradicional. Assim, o objetivo desse
trabalho é disseminar o uso do aplicativo whatsapp como ferramenta de ensino de
línguas por meio da interatividade entre alunos e professores de línguas no idioma
alvo. A metodologia utilizada para esta pesquisa é de cunho bibliográfico baseado em
autores como Levy (1999), Franco (2010), Leffa (2001), entre tantos outros. Ademais,
unem-se tais referências a uma experiência realizada com a criação de um grupo no
aplicativo em pauta, cujos integrantes são alunos do primeiro ano do ensino médio
29
que interagem com a professora e com os colegas somente em língua inglesa. Os
resultados têm sido: maior interesse pela aprendizagem da língua inglesa, melhora no
comportamento da classe em geral, maior atenção nas tentativas de comunicação em
língua inglesa, além da motivação dos não integrantes do grupo para melhorar o
conhecimento em inglês a fim de poder interagir tal como os colegas participantes.
Palavras chave: Ensino; Tecnologias modernas; Língua inglesa
LINHA TEMÁTICA Ensino e aprendizagem de línguas estrangeiras

Ensino de Língua inglesa e tecnologia: o que pensam os alunos?


Autor/a e Co-Autores: Felipe Sousa Adati; Juliana Cristini Moreira Sanches /
orientadora: Michele Salles El Kadri
Modalidade: Relato de Experiência

RESUMO
O uso de tecnologia para o ensino de línguas tem sido um tema recorrente na
atualidade. Diversos autores têm discutido sua utilização e suas implicações para o
ensino de língua inglesa, seja através do uso da internet, computadores ou até mesmo
de vídeo games (KERN, 2006; GEE, 2006, 2008a, 2008b; COLIN, 2006; RAMA et al,
2012; VIDAL, 2011; PETERSON, 2012; SANTOS, 2011). Apesar do grande interesse na
diversificação do ensino, pouco tem se observado sobre as formas e maneiras que os
alunos já utilizam a tecnologia para aprendizagem de línguas. Diante do supracitado,
objetivamos analisar as representações de alunos sobre o uso de tecnologias para o
ensino de línguas, Os dados foram coletados por meio de produções de
tecnobiografias (BARTON; LEE, 2013; KENNEDY, 2003) desenvolvidas por alunos de
uma turma de oitavo ano. Os resultados deste trabalho em andamento orientarão
nossas intervenções com uso de tecnologia nas aulas de língua inglesa das escolas
públicas. Esperamos que este trabalho apresente novos panoramas acerca do ensino
de língua ao evidenciar a visão dos alunos.
Palavras-chave: Visão dos alunos; Tecnologia e ensino; Tecnobiografia.
LINHA TEMÁTICA Ensino e Aprendizagem de línguas estrangeiras

A abordagem do inglês como língua franca (ILF) na unidade didática “traveling


around Brazil”, do livro didático Way to go! – volume 1
Autora: Fernanda de Cássia Miranda
Modalidade: Comunicação Individual

RESUMO
A Língua Inglesa na contemporaneidade tem chamado a atenção de muitos teóricos da
Linguística Aplicada, nomeando seus usos em diversos contextos multiculturais e
multilíngues conhecidos por Inglês como Língua Franca (ILF). Nesse sentido, a
contextualização da presente pesquisa, de caráter documental, se deu na busca dos
livros didáticos indicados pelo PNLD – LEM 2015, numa escola estadual do município
de Jacarezinho – PR, a fim de verificar, como objetivo geral, se a perspectiva do ILF tem
sido apresentada nos livros didáticos. Como se trata de uma pesquisa inicial referente
30
às coleções de livros didáticos indicados pelo PNLD – LEM 2015, apresento a amostra
de uma unidade didática, chamada Traveling around Brazil, do livro didático Way to
Go! – Volume 1, voltado para o Ensino Médio, e por ser uma unidade que sugere
atividades que consideram a perspectiva do ILF, e não apenas uma perspectiva
enfatizada no Inglês como Língua Estrangeira (ILE). Essa análise se deu por meio de
uma lista de verificação, abrangendo os seguintes critérios organizadores: 1)
Atividades de compreensão escrita; 2) Atividades de produção escrita; 3) Atividades de
produção e compreensão oral; 4) Sistematização gramatical; 5) Sensibilização
intercultural; 6) Recursos Semióticos. Para a elaboração dessa lista, baseei-me nos
aportes teóricos sobre o ILF (SEIDLHOFER, 2001; 2004; 2011; GIMENEZ et al, 2015), na
perspectiva intercultural para o ensino de inglês (SIQUEIRA, 2008; SIQUEIRA; BARROS,
2013), em propostas de listas de verificação de livros didáticos (OLIVEIRA, 2010;
MIRANDA, 2015) e em algumas perguntas do Guia supracitado, que parecem
direcionar-se à perspectiva do ILF. A análise da referida unidade didática mostrou, por
exemplo, que a abordagem do ILF foi contemplada, principalmente no que se refere à
sensibilização intercultural, por meio de textos e atividades que buscaram promover
no aprendiz sua consciência crítica, relacionados ao estereótipo cultural e aos grupos
sociais.
PALAVRAS-CHAVE: Análise de livros didáticos; Implicações pedagógicas; Inglês como
Língua Franca.
LINHA TEMÁTICA Material didático e ensino de língua

Conhecimentos empíricos e teóricos na formação inicial de uma aluna de Letras


Autor/a e Co-Autores: Fernando Silvério de Lima
Modalidade: Comunicação Individual

RESUMO
Numa perspectiva histórico-cultural, o desenvolvimento conceitual do professor tem
sido entendido na relação entre conceitos cotidianos e científicos. Essa terminologia
proposta por Vygotsky (1934/2012) considera a relação entre a generalização da
experiência a partir da relação do sujeito com a realidade concreta (cotidianos), bem
como a generalização da experiência mediada por abstrações, geralmente em
situações de instrução (científicos). Na perspectiva do ensino desenvolvimental,
Davydov (1990) propôs os termos conhecimento empírico e teórico, ressaltando que,
tradicionalmente, as disciplinas escolares promovem o ensino do conteúdo de forma
muito abstrata e descontextualizada, o que afeta a qualidade do desenvolvimento do
pensamento teórico do aluno. Esta comunicação analisará o caso de uma aluna de
Letras em situação de conflitos entre conhecimentos teóricos e empíricos. Amanda
está matriculada em uma disciplina de estágio supervisionado de inglês que introduz
conceitos teóricos e atividades práticas para aproximá-la da realidade escolar.
Enquanto isso, já trabalha como professora de inglês na educação infantil. Os dados
fazem parte de uma investigação qualitativa (Processo Fapesp 2013/04431-6) com
desenho longitunidal de quatro anos e a apresentação focalizará as narrativas orais
geradas no terceiro ano. As transcrições completas foram analisadas a partir dos
31
pilares básicos da estrutura da pesquisa narrativa: cena, roteiro, sujeitos e eventos. Os
resultados mostram o caráter ilusório das experiências cotidianas como fonte exclusiva
do conhecimento do professor, ressaltando a importância do desenvolvimento do
conhecimento teórico que acontece especificamente no curso de Letras.
Palavras-chave: Conceitos cotidianos; Conceitos científicos; Teoria; Prática; Formação.
LINHA TEMÁTICA Formação de Professores de línguas

Constituição da identidade docente no contexto do Pibid Letras-Inglês


Autora: Flávia Meneguel Fogaça /orientadoras: Josimayre Novelli e Luciana Cabrini
Simões Calvo
Modalidade: Comunicação Individual

RESUMO
Este trabalho objetiva apresentar um recorte de um estudo que está sendo
desenvolvido com alunos pibidianos egressos, que fizeram parte do subprojeto Letras-
Inglês do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID), em uma
universidade estadual paranaense. O objetivo do estudo é investigar os impactos e/ ou
as influências, se alguma, na constituição identitária e na permanência ou não na
carreira docente dos alunos-professores que participaram do referido subprojeto, bem
como, identificar os contextos de atuação desse profissional de línguas. Nossa
pesquisa é de natureza qualitativa e de base interpretativista, e configura-se um
estudo de caso. Os dados foram gerados por meio de aplicação de questionários
enviados por meio de correspondência eletrônica aos sujeitos da pesquisa. Para essa
comunicação contemplamos as seguintes perguntas: “Em qual contexto você atua?”,
“O PIBID teve alguma influência na escolha do seu contexto de atuação profissional?”
e “Qual a influência, se alguma, do programa na sua permanência na profissão
professor de língua inglesa? Comente”. Com base na análise inicial, evidenciamos que:
o Pibid influencia, na maioria dos casos, na escolha do contexto de atuação; faz parte
de uma das vozes constituintes apresentadas por Bohn (2005), influenciando na
formação da identidade profissional/docente de seus participantes, como apresentado
em outros estudos. (SIMIÃO; 2012; ANJOS E COSTA; 2012; FELÍCIO; 2014).
Palavras-chave: Pibid; Língua Inglesa; Identidade docente; Egressos.
LINHA TEMÁTICA Formação de professores de línguas

Formação docente inicial em foco: bases de conhecimento de alunos pibidianos de


língua inglesa
Autor/a e Co-Autores: Gabriela Cristina Negreiros Cesar e Jaqueline Mayumi Ikeda
Loureiro / orientadoras: Josimayre Novelli e Luciana Cabrini Simões Calvo
Modalidade: Comunicação Individual

RESUMO
Na presente comunicação temos por objetivo investigar a visão de alunos-professores
sobre os conhecimentos adquiridos por eles dentro do Programa Institucional de Bolsa
32
de Iniciação à Docência - (PIBID), o qual está inserido no contexto do subprojeto de
Letras- Inglês da Universidade Estadual de Maringá (UEM). A pesquisa tem natureza
qualitativa e caracteriza-se como um estudo de caso. Como referencial teórico,
apoiaremos-nos em Shulman (1987), Coradim (2015), dentre outros autores que
tratam das bases de conhecimento do professor em formação inicial. Os dados serão
gerados por meio de aplicação de um questionário de cunho dissertativo para os 22
pibidianos do referido projeto, com as seguintes questões: “Como você vê o papel do
Pibid na sua formação docente inicial?”; "Quais conhecimentos foram mobilizados nas
suas atuações no Pibid- Inglês?”; "Como tais conhecimentos contribuíram (ou não)
para sua formação docente inicial?"; "Comente sobre outros tipos de conhecimentos
que você gostaria de ter adquirido durante sua vivência no projeto". Esperamos
contribuir com os estudos voltados para a atuação e o papel do Pibid-Inglês na
formação docente inicial.
Palavras- Chave: Pibid; Língua Inglesa; Formação docente inicial; Bases de
conhecimento.
LINHA TEMÁTICA Formação de professores de línguas

A temática das relações étnico-raciais via gêneros textuais na concepção do


letramento crítico: subsídios para a produção de um caderno pedagógico com
práticas pedagógicas para o ensino da língua espanhola como língua estrangeira
Autor: Gilson Rodrigo Woginski / orientadora: Simone Reis
Modalidade: Produto Educacional

RESUMO
O objetivo deste trabalho é o de oportunizar aos Professores de Língua Espanhola o
acesso à (in)formação e elaboração de Práticas Pedagógicas no que se refere à
temática das Relações Étnico-Raciais (BRASIL, 2003, 2008; GOMES e JESUS, 2013;
FERREIRA, 2014) com foco na figura das Comunidades Negras do Brasil e de países
Latino-americanos. Cabe ressaltar que segundo o Artigo 26-A da Lei/LDB nº9394/96,
“torna-se obrigatório o estudo da história e cultura afro-brasileira e indígena”, bem
como conforme a Lei Federal nº11.645/2008, este conteúdo resgatará “as suas
contribuições nas áreas social, econômica e política”. Dessa forma, propomos
discussões via a exploração de gêneros textuais (BAKHTIN, 1952; CRISTOVÃO, 2007)
como objetos e instrumentos de ensino a partir do arcabouço do Interacionismo
Sociodiscursivo (BRONCKART, 2003; DOLZ e SCHNEUWLY, 2004) na elaboração de
Práticas Pedagógicas visando a construção de uma Caderno Pedagógico como Produto
Educacional resultante dos estudos no MEPLEM/UEL. Ainda, a elaboração dessas
Práticas Pedagógicas está pautada no conceito do Letramento Crítico (CORADIM, 2008;
D’ALMAS, 2011), compreendido como “uma prática educacional que focaliza a relação
entre linguagem e visões de mundo, práticas sociais, poder, identidade, cidadania,
relações interculturais e questões de globalização/localização” (MATTOS, 2011, p. 42).
Palavras-chave: Caderno Pedagógico; Práticas Pedagógicas; Relações Étnico-Raciais;
Língua Espanhola.
LINHA TEMÁTICA Material didático e ensino de línguas

33
Impactos do TKT na formação do professor de língua Inglesa
Autora: Janayna Ortunho Rosa Chamseddine
Modalidade: Comunicação Individual

RESUMO
A presente comunicação é o resultado de um pré-projeto de Mestrado em
Linguística elaborado para a disciplina Introdução à Pesquisa na Área de Estudos
Linguísticos na Universidade Estadual de Maringá (UEM); cujo objetivo é o de analisar
o formato do teste de proficiência TKT (Teaching Knowledge Test) de Cambridge e o
seu impacto na formação docente. A justificativa alinha-se ao objetivo no que tange a
verificar de que forma o aprendizado das competências linguísticas exigidas para a
aprovação no referido teste, contribuem para a formação do professor de língua
inglesa. A pesquisa de base qualitativa-interpretativista, insere-se na área da
Linguística Aplicada e valer-se-á de análises de questionários estruturados e do
teste acima mencionado, os quais constituirão o corpus dessa pesquisa. Como
aporte teórico lançamos mão de autores a exemplo de Almeida Filho (1993, 1999,
2006), Basso (2001) entre outros da área de formação de professores e ensino-
aprendizagem de línguas; de igual relevância. Espera-se, por meio desse trabalho,
apontar possíveis contribuições para a formação de professores de língua inglesa e/ou
apontar possíveis lacunas encontradas no teste TKT a serem preenchidas.
Palavras chaves: TKT test; Proficiência; Formação; Ensino-Aprendizagem.
LINHA TEMÁTICA: Ensino e Aprendizagem de Línguas Estrangeiras

Como inserir a cultura com crianças de 1º ao 5º ano nas aulas de espanhol


Autor: Jorge Rafael Fuck / orientadora: Simone Rinaldi
Modalidade: Produto Educacional

RESUMO
Esta apresentação é um resumo do que se pretende elaborar como produto
educacional, trata-se do trabalho final do Mestrado Profissional em Letras Estrangeiras
Modernas, da Universidade Estadual de Londrina. A investigação em andamento
pretende contribuir para práticas no ensino e aprendizagem de espanhol para crianças
de 1º ao 5º ano. Entre outros objetivos, queremos propor apoio teórico e atividades
que envolvam aspectos culturais, ampliando desta forma, possibilidades para o
professor. Buscamos referências em estudos sobre: formação de professores de
espanhol para crianças (RINALDI, 2006, 2011), Material didático (Eres Fernández, 2012)
e cultura (SANTOS, 2006). Pretendemos analisar a coleção didática, chamada Nuevo
Recreo, edição de 2014 e, estamos decidindo qual matriz de análise de material
didático utilizaremos. Iremos propor um encarte para o professor, com práticas de
trabalhos para o ensino de espanhol que englobe aspectos culturais por meio de
atividades lúdicas. A ideia é a princípio criar atividades inéditas e/ou adaptadas como,
por exemplo, um jogo de memória no qual em uma das peças terá um aspecto cultural
de determinado país e na outra peça, algo que dê referência ao país, como a bandeira
ou outra imagem ainda a ser definida.
Palavras-chave: Cultura; Materiais didáticos; Língua espanhola para crianças.
34
LINHA TEMÁTICA Material didático e ensino de línguas

Teaching media genres to 8th grade


Autor: Juan Peterson Diniz
Modalidade: Relato de Experiência

RESUMO
The aim of this paper is to share my practicum experience at Alberto Santos Dumont
School with 8th grade students along the second semester of 2016. I taught through
media genres using the theme Pop Culture in order to develop my students’
understanding of surrounding cultures and critical thinking about the powerful
influence of media. I made use of teaching materials such as songs, games, videos,
with the objective of motivating my students to learn the English language in the
classroom. The theoretical framework was supported by the assumptions of "genre"
and "digital gender" from Marcuschi (2002; 2004) as well as the genre-based foreign
language teaching perspective by the Brazilian Curriculum Guidelines (Diretrizes
Curriculares do Paraná para o Ensino de LEM , 2008) and PCN – Linguagens, Códigos e
suas Tecnologias, 2000) on the use of information and communication technology in
the teaching of modern foreign languages in public education. I expect that my
students have acquired some language knowledge about different cultures in their
daily learning routines. In addition, I hope they feel more motivated to continue
learning English. All in all, I have learned a lot from this practicum because I could feel
how it is to be an English language teacher in public schools and I believe I will take this
background knowledge throughout my life as an ongoing learning process.
Keywords: English language teaching; Media genre; Public school.
LINHA TEMÁTICA: Ensino e aprendizagem de línguas estrangeiras

Multimodalidade e interação no ensino de língua estrangeira para a criança cega: um


relato de experiência
Autora: Juliana da Silva Guimarães Biagini
Modalidade: Produto Educacional

RESUMO
A falta de material adequado para o ensino de língua estrangeira para pessoas com
deficiência visual é um dos principais pontos negativos presentes em vários estudos
sobre o tema. Por essa razão, o presente trabalho tem como objetivo apresentar um
relato de experiência sobre uma proposta pedagógica de gêneros textuais para o
ensino de língua estrangeira em um contexto de inclusão. Para tal, buscamos analisar,
por meio de atividades multimodais, os fatores que mais influenciaram positivamente
a aprendizagem da criança cega e como a interação com os colegas pôde ajudar neste
processo. A coleta de dados feita por meio de gravações das aulas e sua análise
levaram em consideração os pressupostos de Vygotsky (1997) e estudos sobre zona de
desenvolvimento proximal. Os resultados foram obtidos com a aplicação de uma
35
sequência didática com base no gênero textual mais adequado ao grupo, destacando-
se a importância dos elementos multimodais como facilitadores de aprendizagem e o
trabalho coletivo como ponto fundamental para a inclusão do deficiente visual. O que
nos faz reafirmar que o aluno cego tem a mesma capacidade de aprendizagem dos
alunos videntes, apenas necessita de outros meios para que se concretize, sendo mais
eficazes quando feitos em colaboração.
PALAVRAS-CHAVE: Ensino de língua estrangeira; Deficiência visual; Multimodalidade.
LINHA TEMÁTICA Linguagem em Contexto de Necessidades Educacionais Especiais

A utilização da competência midiática e da tecnologia como recursos didáticos na


formação docente inicial
Autor/a e Co-Autores: Kátia Rodrigues Mello Miranda e Manoela Macedo Muniz
Modalidade: Comunicação Individual

RESUMO
Uma das preocupações constantes dos cursos de licenciatura corresponde ao
aprimoramento dos estudos sobre didática e prática de ensino. Partindo desse viés, e
tendo em vista a necessidade de que as instituições e as formas de ensino
acompanhem a velocidade de inovação e modificação da sociedade, acreditamos que
o trabalho com a competência midiática e as tecnologias nos âmbitos de ensino e
aprendizagem é bastante pertinente. Diante desse contexto, e aproveitando nosso
estágio de docência em língua estrangeira (espanhol), realizado no Centro de Línguas e
Desenvolvimento de Professores (CLDP) da Faculdade de Ciências e Letras de Assis da
UNESP, temos realizado nosso projeto de Iniciação Científica, que, dentre outros
aspectos, propõe a elaboração de propostas para aplicação em aulas de espanhol/LE, a
fim de incentivar e motivar o desenvolvimento da competência midiática dos
discentes, bem como sua familiarização com recursos tecnológicos. Assim, nosso
objetivo, na presente comunicação, é compartilhar algumas reflexões e experiências
adquiridas com o desenvolvimento dessa proposta. Como embasamento bibliográfico
para as reflexões sobre o tema, bem como para a elaboração das atividades, utilizamos
Arrarte (2011) e Gómez (2012), e o desenvolvimento da proposta se pauta em
pressupostos da pesquisa qualitativa (LÜDKE; ANDRÉ, 2013), de caráter
interpretativista, em sua modalidade de pesquisa-ação, uma vez que um dos objetivos
delineados corresponde à aplicação de atividades em sala de aula. Até a presente
etapa de desenvolvimento foi possível explorar alguns aspectos da competência
midiática em sala de aula com uma turma de espanhol de nível básico II, para a qual
ministramos aulas que trabalhavam o desenvolvimento da competência midiática por
meio da utilização de jornais digitais, histórias em quadrinhos, filmes e documentários.
Palavras-Chave: Formação de professores de línguas; Competência midiática;
Tecnologia; Espanhol L/E.
LINHA TEMÁTICA Ensino de Aprendizagem de Línguas estrangeiras

36
O Ensino de Línguas Estrangeiras e a Formação do Leitor Crítico: Estratégias e
Propostas de Atividades
Autora: Leila Miyuki Saito
Modalidade: Produto Educacional

RESUMO
Partindo da compreensão da importância da leitura no cotidiano dos indivíduos,
particularmente da leitura crítica, e da preocupação com o fato de que pesquisas têm
apontado que o trabalho com a leitura crítica tem sido negligenciado no ensino
regular, este artigo foi desenvolvido com o objetivo de resgatar parte da obra
“Developing Comprehension – Including Critical Reading”, compilada por Mildred A.
Dawson e publicada em 1968, e apresentar estratégias e sugestões de atividades para
se trabalhar com leitura/letramento crítico em aulas de línguas estrangeiras para
crianças, jovens e adultos. Por se tratar de uma proposta, foi feito um levantamento
de estratégias que foram reunidas em quadros que serviram de base para a elaboração
de tais atividades. Espera-se que o professor interessado em desenvolver
leitura/letramento crítico com seus alunos encontre neste material um apoio, um
ponto de partida para um trabalho que pode e deve ser estendido, complementado e
continuado.
Palavras-chave: Leitura Crítica; Letramento Crítico; Ensino de Línguas Estrangeiras;
Estratégias e Sugestões de Atividades.
LINHA TEMÁTICA Ensino e Aprendizagem de línguas estrangeiras

Ensino em escola pública: desenvolvendo capital social para as aulas de Língua


inglesa por meio do futsal
Autor/a e Co-Autores: Leticia Minto Faria, Otto Henrique Silva Ferreira, Atef El Kadri,
Michellle Salles El Kadri
Modalidade: Relato de Experiência

RESUMO
Este trabalho visa discutir possíveis colaborações advindas da utilização do futsal como
instrumento para desenvolvimento de capital social (PUTNAM, 1993; WARSCHAUER,
2006) para aulas de língua inglesa (LI) em turmas de um curso organizado e ministrado
pela equipe do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID) de
inglês em uma escola pública da cidade de Londrina em contexto de vulnerabilidade
social. A prática de um esporte coletivo sob a orientação de um dos professores de LI
intenciona ampliar o vínculo professor-aluno através do lazer, facilitando a cooperação
entre ambas as partes e influenciando positivamente na constituição de um vínculo
afetivo em sala de aula (ALMEIDA, 2015). Os dados foram gerados por meio da
aplicação de um questionário semiestruturado que foi respondido pelo professor-
pesquisador autor da proposta, também participante do PIBID, sob o propósito de
compreender as percepções que o próprio teve após o início do projeto. Os dados são
analisados por meio da análise de conteúdo (BARDIN, 1977) e por meio do referencial
teórico que orienta esta pesquisa. Visando identificar possíveis contribuições advindas
37
da implementação da prática do esporte. Resultados preliminares corroboram com
pesquisas que indicam que ao se aproximar dos interesses dos alunos e construir
capital social em contextos de vulnerabilidade social influencia positivamente a
aprendizagem em sala de aula.
Palavras-chave: Ensino de LI; Capital social; Futsal.
LINHA TEMÁTICA Ensino e aprendizagem de línguas estrangeiras.

Curso de formação continuada “Ensino de língua inglesa para crianças: teorias,


reflexões e diálogos”
Autora: Lígia Gomes Contrera
Modalidade: Produto Educacional

RESUMO
Organizamos este produto educacional com o objetivo de contribuir com a formação
continuada de professores de língua inglesa, o qual é fruto da pesquisa desenvolvida
no Mestrado em Ensino de Línguas Estrangeiras da UEL. Utilizamos como referencial
teórico as contribuições no campo do processo de ensino e aprendizagem, (LEFFA
1988; ROCHA, 2007; 2010; TONELLI, 2007); b) à Língua estrangeira para crianças,
(BOESSIO 2011; MAGALHÃES, 2011; RINALDI, 2011; TONELLI, 2010) e formação
docente (LEFFA, 2006; IALAGO, DURAN, 2008; GIMENEZ, 2010). Após análise dos dados
gerados por meio de um questionário, ajustaremos à proposta inicial as necessidades
do grupo. A formação será ofertada quinzenalmente na sede da Secretaria da
Educação do município de Assis. Os módulos serão divididos em seis encontros de uma
hora cada, os quais abordarão, por exemplo, as teorias de desenvolvimento e as
etapas pelas quais crianças de sete a onze anos passam. Como resultado, esperamos,
por meio da capacitação docente, proporcionar espaços de reflexão àqueles que estão
empenhados em buscar novos saberes e práticas que possam ser revisitados e
reconstruídos, promovendo a interação, contemplando as necessidades e fomentando
as potencialidades dos aprendizes.
Palavras-chave: Língua estrangeira para crianças; Formação docente; Produto
Educacional.
LINHA TEMÁTICA Formação de professores de línguas

Formação de professores de línguas estrangeiras nas séries iniciais: quimera ou


ponto pacífico?
Autor/a e Co-Autores: Lígia Gomes Contrera / orientadora: Cláudia Cristina Ferreira
Modalidade: Comunicação Individual

RESUMO
A globalização e a preocupação antecipada dos pais em proporcionar formação
integral, visando ao ingresso na universidade e êxito no setor profissional (BITTINGER
1999; CAMERON, 2003; PIRES 2004; TONELLI 2005; 2007) são algumas das justificativas
para o ensino de língua estrangeira desde a mais tenra idade. Somam-se a este
panorama o fator idade como facilitador para expor o aprendiz a uma nova língua e os
aspectos lúdico e motivador como auxiliares reais na assimilação de conteúdos. Neste
38
sentido, a fim de potencializarmos o contexto didático-metodológico, assinalamos a
relevância da formação docente (BOÉSSIO, 2011; MAGALHÃES, 2011; RINALDI, 2011).
Portanto, essa pesquisa pretende refletir sobre a formação docente no âmbito do
ensino de língua estrangeira para crianças, visto que há uma evidente expansão de
escolas que passaram a incluí-la na grade curricular. Para alcançarmos nosso objetivo,
aplicaremos um questionário aos docentes da Secretaria Municipal de Educação de
Assis e com os dados gerados, ministraremos um workshop com aspectos teórico-
práticos a fim de complementar sua formação. Como resultados preliminares,
informamos que estamos na fase de aplicação do questionário e esperamos contribuir
mediante o curso a ser realizado em 2017.
Palavras-chave: Processo de ensino e aprendizagem; Língua estrangeira para crianças;
Formação docente.
LINHA TEMÁTICA Formação de Professores de Línguas

A literatura como ferramenta de aproximação intercultural no ensino do espanhol


como língua estrangeira para aprendizes brasileiros
Autora: Lizabeth Rogate da Silva / orientadora: Amanda Pérez Montañes
Modalidade: Produto Educacional

RESUMO
Este trabalho apresenta como Produto Educacional um Guia de Atividades Pedagógicas
(GAP) com propostas práticas norteadoras para o trabalho docente, tornando possíveis
adaptações conforme o público-alvo a ser atendido. Além disso, a pesquisa favorece
ao reconhecimento da literatura como uma possibilidade na aprendizagem da língua
(BRAIT, 2015) e da cultura de modo intercultural (PARAQUETT, 2010). Por meio de uma
investigação bibliográfica, buscou-se embasamento teórico necessário para dar
sustentação à proposta e uma ressignificação à prática pedagógica contribuindo dessa
forma para que os aprendizes de uma língua estrangeira, especificamente, o espanhol,
possam desenvolver a Competência Comunicativa Intercultural (CCI), conforme
descreve Bryam (1997, apud OLIVEIRA, 2012). O GAP fomenta ainda atividades que
auxiliam na aquisição dos multiletramentos (BRASIL, 2006; LIBERALLI et al., 2015;
ROJO, 2012): letramento crítico (D’ALMAS, 2011; REIS, 2010) letramento literário
(COSSON, 2006) e letramento intercultural (OLIVEIRA, 2012; PARAQUETT, 2010),
mediante a operacionalização do ensino de literatura nas aulas de espanhol como
língua estrangeira, já que “*...+ as obras literárias *...+ são também objetos de
linguagem *...+ merecem que nos interessemos por elas.” (JOUVE, 2012). Espera-se que
este material concorra significativamente para a práxis do professor no que tange a
um ensino articulado e crítico entre língua, cultura e literatura.
Palavras-chave: Guia de Atividades Pedagógicas; Multiletramentos; Literatura;
Interculturalidade.
LINHA TEMÁTICA Ensino e Aprendizagem de Línguas estrangeiras

39
Formação de professores de língua inglesa: um olhar para materiais didáticos
produzidos para o curso de Letras/EAD
Autora: Luciana Cabrini Simões Calvo
Modalidade: Comunicação Individual

RESUMO
Esta comunicação tem como objetivo apresentar, descrever e tecer considerações a
respeito dos livros “Formação de Professores de Língua Inglesa” (FREITAS; CALVO;
BORGHI, 2014) e “Formação Inicial de Professores: Habilidades Linguístico-
comunicativas e Inglês como Língua Franca” (CALVO; FREITAS; ALVES, 2015), os quais
foram elaborados para as disciplinas “Prática de Formação do Professor de Língua
Inglesa” e “Prática Metodológica do Ensino da Língua Inglesa”, do curso de Letras
Português-Inglês, da Educação a Distância (EAD), da Universidade Estadual de Maringá.
O primeiro livro é composto por cinco unidades que abordam i) modalidades de
formação docente; ii) crenças; iii) avaliação do ensino-aprendizagem (de línguas); iv)
teorias de aprendizagem e métodos de ensino; iv) documentos oficiais para línguas
estrangeiras. O segundo livro discute aspectos que envolvem as habilidades linguístico-
comunicativas da língua inglesa (speaking, listening, reading, writing) bem como a
perspectiva do inglês como língua franca. As unidades que compõem os livros
articulam questões teórico-práticas e reflexivas para o professor em formação se
posicionar em relação aos tópicos trabalhados. Espera-se que as considerações
trazidas contribuam com discussões a respeito da prática de elaboração de materiais
para a formação docente inicial de língua inglesa no contexto de cursos de Letras.
Palavras-chave: Formação de professores de língua inglesa; material didático; Ensino a
Distância; curso de Letras.
LINHA TEMÁTICA Formação de professores de línguas estrangeiras

O ensino de língua inglesa no terceiro setor – uma visão de professoras estagiárias


Autor/a e Co-Autores: Maitê H. G. Barp e Tacimila M. da Silva
Modalidade: Relato de Experiência

RESUMO
O ensino de língua inglesa no terceiro setor – uma visão de professoras estagiárias
Objetivamos a partir desse relato de pesquisa apresentar a nossa vivência enquanto
alunas-professoras no contexto de uma ONG (Organização Não-Governamental),
tecendo aproximações e distanciamentos entre o contexto regular de ensino e o
terceiro setor. A ONG em que atuamos a Flapt! está localizada na região norte de
Londrina, mais especificamente no conjunto Luis de Sá. A Flapt! atua no campo da
formação cidadã a partir do desenvolver de atividades que tenham a Cultura (em
especial a Cultura Popular Brasileira) como principal ferramenta de trabalho. A ONG
conta com o apoio da comunidade local e voluntários, que ministram diversas oficinas
no espaço, entre elas o curso de Inglês. Nós como estagiárias orientandas entramos
com a proposta de aulas diferenciadas do contexto escola, fazendo a aprendizagem de
40
inglês acontecer de uma forma mais lúdica e significativa aos alunos, para que possam
usá-la no dia a dia. Introduzimos também a questão cultural com uma forma de
aproximar a realidade dos alunos às diversas culturas falantes da língua inglesa. No
nosso relato apresentaremos algumas destas atividades e seus resultados durante a
aplicação.
Palavras-chave: Educação; Estágio; ONG; Língua inglesa; Formação; Cultura.
LINHA TEMÁTICA Ensino e Aprendizagem de línguas estrangeiras

Inglês é Brincadeira: ensino de língua inglesa através do lúdico no 3º setor


Autor/a e Co-Autores: Márcio Henrique de Almeida Soares e Renata Cristina de
Almeida
Modalidade: Relato de Experiência

RESUMO
O aprendizado de língua inglesa em sala de aula encerra muitos desafios conhecidos,
como salas lotadas, bagunça e desinteresse dos alunos, mas o que esperar do ensino
do mesmo idioma em uma ONG? Neste relato, falaremos sobre nossa experiência
como estagiários de língua inglesa para crianças de 8 a 12 anos na ONG FLAPT!,
localizada na zona norte de Londrina, PR. Cientes das diferenças entre o espaço que
ocupamos e ambientes mais tradicionais de ensino, buscamos estabelecer uma
abordagem que não descaracterizasse esse mesmo espaço e estimulasse a
aprendizagem. Com base em Vygotsky (1966), optamos pelo ensino por meio de
brincadeiras tradicionais sempre adaptadas ao conteúdo trabalhado. Apresentaremos
algumas dessas brincadeiras em nosso relato e discutiremos sua receptividade e seu
impacto na aprendizagem.
Palavras-chave: Ensino de Inglês; Terceiro Setor; Lúdico; Vygotsky.
LINHA TEMÁTICA Ensino e aprendizagem de línguas estrangeiras

Práticas formativas, ferramentas didáticas no ensino de línguas estrangeiras e os


saberes necessários à formação docente
Autora: Maria Izabel Rodrigues Tognato
Modalidade: Comunicação Individual

RESUMO
Este trabalho propõe uma discussão acerca do papel das práticas formativas, das
ferramentas didáticas utilizadas no ensino de línguas estrangeiras, bem como sobre
dos saberes necessários à formação docente, considerando-se os possíveis obstáculos
e necessidades de aprendizagem e de formação. Para tanto, pautamos nosso trabalho
nos aportes teórico-metodológicos da perspectiva do Interacionismo Sociodiscursivo
(ISD) (BRONCKART, 1999/2009), no ensino com base em gêneros textuais e nas
capacidades de linguagem (BAKHTIN, 1979/1992/2003; SCHNEUWLY; DOLZ, 2004;
CRISTOVÃO, 2009, 2013; CRISTOVÃO et al, 2010; CRISTOVÃO; STUTZ, 2011; STUTZ;
CRISTOVÃO, 2011; LANFERDINI; CRISTOVÃO, 2011), nos saberes necessários à
formação dos professores de línguas (saberes a ensinar e para ensinar) (HOFSTETTER;
41
SCHNEUWLY, 2009; DOLZ, 2011, 2016; STUTZ, 2012; GAGNON; SURIAN, 2014). Quanto
aos procedimentos metodológicos, descrevemos e analisamos um dispositivo didático,
implementado nas aulas de Língua Inglesa de uma turma do Curso de Letras, de uma
universidade estadual paranaense, no ano de 2015. As análises nos permitiram refletir
sobre as possíveis articulações entre os saberes necessários à formação docente, as
práticas formativas, os obstáculos de aprendizagem e de formação dos futuros
professores, bem como sobre os possíveis reajustes necessários e adequados ao
dispositivo didático, conforme as necessidades de aprendizagem e de desenvolvimento do
professor em formação.
Palavras-chave: Formação docente; Ensino de línguas estrangeiras; Práticas formativas;
Saberes necessários à formação; Ferramentas didáticas.
LINHA TEMÁTICA Formação de professores de línguas

English teachers seen as educators: how to incorporate the 21st century skills
concept into EFL classes
Autora: Maria Vitória Rover Brochard de Carvalho
Modalidade: Comunicação Individual

RESUMO
Due to the varied ELT Brazilian scenario, some teachers have stopped seeing
themselves as educators, but only sellers of a product. As a way to advocate against it,
this talk aims to present classroom practices for teachers to help learners develop 21st
century skills and educate them for life. The presenter refers to the variety of
professionals in the Brazilian ELT eld and how many of them see the profession as
something momentary in their careers. This view is due to a great demand on the
market of language centers in the country. The majority of those centers re ect the
need that Brazilians have on learning English, the pressure to be quali ed for the job
market, making the language seem like a product schools are selling. The proposal is to
show teachers a view of how they are actually educators and not merely sellers of
language. The 21st century skills have a great part in this proposal; the presenter will
show the origin and guidelines of the theory and show examples of activities that can
be used in the classroom to assess those skills to learners. One of the features of the
21st century skills are the Learning and Innovation skills, divided in four areas (called
the 4 C’s) Creativity and Innovation, Critical Thinking and Problem-solving,
Communication and Collaboration. For each of them, there will be a different
classroom procedure explained.
Keywords: ELT scenario; Educators; 21st century skills.
LINHA TEMÁTICA Formação de Professores de Língua

O PIBID Letras/Inglês na formação docente continuada


Autor/a e Co-Autores: Mariany Camilo Nabarrete e Nágila Naiane Ribeiro Oliveira/
orientadoras: Josimayre Novelli e Luciana Cabrini Simões Calvo
Modalidade: Comunicação Individual
42
RESUMO
A formação docente continuada é uma oportunidade que o professor tem de se
atualizar em relação às discussões e estudos referentes ao processo de ensino e
aprendizagem, além de refletir sobre sua prática, trocar experiências com outros
professores e até encontrar possíveis soluções para problemas que ele possa estar
enfrentando em sala de aula. Nesse sentido, esse trabalho tem como objetivo
apresentar resultados iniciais de uma pesquisa realizada com seis professores
supervisores participantes do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência
(PIBID), do subprojeto Letras-Inglês da Universidade Estadual de Maringá. Essa
pesquisa qualitativa e de base interpretativista visa investigar, por meio da aplicação
de um questionário de cunho dissertativo, as possíveis contribuições do PIBID para a
formação docente continuada dos professores participantes do referido subprojeto.
Com base nessa análise, esperamos identificar de que forma o projeto favorece(u)
esses professores, de modo a incentivar que mais professores, formados e em
formação, invistam na formação docente continuada.
Palavras-chave: PIBID; Língua Inglesa; Formação docente continuada.
LINHA TEMÁTICA Formação de professores de línguas

Understanding Translanguaging as a Language Awareness Model for Language and


Pedagogy
Autora: Marjorie Ninoska Gomez Talavera
Modalidade: Comunicação Individual

RESUMO
In the last few decades, a new term has appeared in the field of bi/multilingualism,
most remarkably in the area of language education - translanguaging. Translanguaging
can be defined as “the ability of multilingual speakers to shuttle between languages,
treating the diverse languages that form their repertoire as an integrated system”
(CANAGARAJAH 2011: p. 401). This term is a response to the expansion of different
linguistic repertoires, and to go against the grain of mainstream discourses about
language teaching. Teachers and scholars, over the last decades, have wished to
defend and valorize vernacular speech or literacy against standard, institutionalized,
and mainstream language practices (BLOCK & CAMERON, 2002). Therefore, the
following paper is a literary research drawn from renowned scholars such as
Canagarajah, Garcia, Wi, among others, discussing mainly translanguaging as a valid
pedagogical tool for language instruction. Translanguaging is represented here as a
critical model for language awareness to help deconstruct ideas about how language
should be taught and spoken. The positive advantages are illustrated through
pedagogical practices. Findings on the use of translanguaging show that students are
empowered to discuss tasks and to confirm their comprehension and competencies
through collaboration, and through the engagement with any curriculum content.
Keywords: Translanguaging; Language awareness; Language education.
LINHA TEMÁTICA Análise do discurso
43
A Experiência de Viagens Internacionais no aprendizado de Línguas e no exercício da
cidadania
Autor/a e Co-Autores: Marluce Fagotti de Paiva e Paula Kracker Francescon
Modalidade: Comunicação Inidvidual

RESUMO
Este trabalho relata percepções de alunos participantes do Programa de Imersão
Cultural e Aprimoramentos de Línguas Estrangeiras por meio de Viagens Acadêmicas,
que atende os alunos do curso de Secretariado Executivo da Universidade Estadual de
Londrina. O programa tem como objetivo proporcionar vivência dos alunos em
diferentes contextos culturais, nos quais enfrentam a necessidade do uso da língua em
situações reais de interação, promovendo discussões e experiências multidisciplinares
e transculturais. Para Altbach & Knight (2007), estudos sobre mobilidade universitária
são vastos campos de pesquisa já que para sua realização, muitos elementos são
postos em análise, tais como: acesso a oportunidades, recursos financeiros e o uso do
inglês como língua da ciência e comunicação. A mobilidade tem sido vista como uma
experiência social e o processo pelo qual seus indivíduos adquirem e alteram sua
percepção de mundo tem propiciado a interação com discursos e experiências globais
para ações locais (Klasek, 1992). Os dados foram gerados por meio de um grupo focal,
no qual os participantes do programa expressaram suas percepções sobre suas
experiências durante a viagem.
Palavras- Chave: Internacionalização; Viagem acadêmica; Percepções dos alunos.
LINHA TEMÁTICA Políticas Linguísticas e Educacionais

Devo falar inglês como um nativo? Concepções sobre ensino/aprendizagem da


pronúncia em língua Inglesa
Autor/a e Co-Autores: Rodrigo Smaha Lopes e Maura Bernardon
Modalidade: Comunicação Individual

RESUMO
Tendo em vista que a língua Inglesa é a segunda mais falada no mundo, é
imprescindível que nós a conheçamos e saibamos utilizá-la eficazmente, sabendo nos
expressar de modo inteligível, independentemente das influências da língua-mãe.
Neste artigo, voltamos nossa atenção para um dos elementos que compõem uma boa
fluência na língua-alvo: a pronúncia, mostrando sua importância na comunicação,
quais os aspectos segmentais e suprassegmentais que afetam a pronúncia e que tipo
de pronúncia devemos almejar, objetivando, assim, colaborar para as discussões na
área de ensino e aprendizagem de línguas estrangeiras. Isto se dá com o apoio de
autores como Kachru (1992), Smith (1992), Crystal (2003), Rajagopalan (2004, 2005),
Field (2003, 2005), Lima (2009), Rodrigues (2013), entre outros. No que diz respeito à
metodologia deste trabalho, utilizamos a pesquisa bibliográfica, por meio dos
procedimentos descritivo e exploratório. Uma das discussões em destaque aponta que

44
a motivação e ambição auxiliarão o aluno no seu aprendizado e aperfeiçoamento da
pronúncia. Ademais, concluímos que não há mais, felizmente, o compromisso em
aprender um inglês padrão, ou, ainda, buscar a perfeição da pronúncia de um falante
nativo, porém deve-se almejar uma competência comunicativa que atenda as
demandas profissionais/pessoais.
Palavras-Chave: Língua Inglesa; Pronúncia; Comunicação.

Produção didática para o ensino de língua inglesa na EJA com o uso de tecnologias
digitais
Autora: Michelle Andressa Vieira Ramos/ orientadora: Michele Salles El Kadri
Modalidade: Produto Educacional

RESUMO
Estudos sobre a utilização de ferramentas digitais no ensino de línguas, principalmente
de Língua Inglesa (LI), apontam resultados significativos no ensino-aprendizagem
(HAFNER, CHIK, JONES, 2015; MARQUES, 2012; PAIVA, 2010; SANTOS, GAMERO e
GIMENEZ, 2014). Entretanto, ainda há pouca pesquisa nessa área no contexto de
Educação de Jovens e Adultos (EJA). Ademais, esse contexto tem se caracterizado
como uma modalidade que apresenta poucas opções de materiais didáticos pré-
desenvolvidos, especialmente para o Ensino Médio. Para suprir essa demanda,
pretendemos produzir uma unidade didática baseada nas abordagens Construcionista
e Comunicativa, no ensino baseado em tarefas, nos letramentos digitais e na
gamification. Desse modo, esta comunicação objetiva apresentar essa unidade didática
em andamento, que é também o produto educacional apresentado para a conclusão
do Mestrado Profissional em Letras Estrangeiras Modernas da Universidade Estadual
de Londrina.Utilizamos como base teórica também estudos sobre a importância da
tecnologia na educação (MAGDA SOARES, 2002; MAGNABOSCO, 2009; PERRENOUD,
2000; TERRA, 2008), sobretudo no ensino de línguas (GENSE, 2011; MOITA LOPES,
2005; 2010; OLIVEIRA, 2009; PAIVA, 2011; SEBBA, 2013; SOUZA, 2010). Esperamos que
esse produto sirva como suporte na implementação de tecnologias digitais em sala de
aula, assim como incentivo ao aprendizado da LI de forma contextualizada, como
prática social.
Palavras-Chave: Material didático; EJA; Tecnologias digitais; Língua inglesa; Ensino
médio.
LINHA TEMÁTICA Material didático e ensino de línguas

(Des)Valorização da língua inglesa: concepções de professores no contexto da


educação básica
Autor/a e Co-Autores: Milene Luana da Silva, Vanessa Tavares Baía e Josimayre Novelli
Coradim
Modalidade: Comunicação Individual

45
RESUMO
Esta comunicação apresenta resultados iniciais de uma pesquisa que está sendo
desenvolvida no âmbito do Programa de Iniciação Científica (PIC) da Universidade
Estadual de Maringá, cujo foco é investigar questões a respeito do status e
(des)valorização da língua inglesa (LI) em contexto de ensino da educação básica,
especificamente em dois colégios estaduais da cidade de Maringá-Paraná. Os dados
foram obtidos por questionários de cunho dissertativo aos docentes do referido
contexto. Para tal análise, utilizamos como base teórica os documentos oficiais
específicos para o ensino de língua estrangeira PCN (BRASIL, 1998); OCEM (BRASIL,
2006); DCE (PARANÁ, 2008) além de estudos de autores como Bohn (2000),
Rajagopalan (2005), Lopez (2005) e Jordão (2011). Essa pesquisa é relevante para a
reflexão a respeito da visão da LI hoje no cenário educacional brasileiro, visto que é
considerada uma língua de alcance global com possíveis implicações acadêmicas,
profissionais e pessoais. Esperamos que o resultado contribua com estudos voltados
para o ensino de LI, que concerne à conscientização da importância de se aprender
inglês na atual conjuntura política, econômica, social e educacional.
Palavras-chave: Ensino de língua inglesa; Políticas educacionais; (des)Valorização;
Educação básica.
LINHA TEMÁTICA Ensino e Aprendizagem de Línguas Estrangeiras.

A hora-atividade de professores de línguas em uma escola pública e a possível


implantação de um laboratório de mudanças
Autora: Nilcéia Bueno de Oliveira
Modalidade: Comunicação Individual

RESUMO
Esta comunicação está inserida no contexto de uma escola pública do norte do Paraná.
Os objetivos da investigação é mostrar como ocorre e poderia ocorrer a hora-atividade
de professores de línguas. A investigação se ampara nos estudos teóricos da Análise
Crítica do Discurso (FAIRCLOUGH, 2001) e na Teoria da Atividade (ENGESTRON, 2003,
MATEUS, 2014). Nesta etapa da coleta de dados desta pesquisa etnográfica, foram
feitas fotografias descritivas a cada meia hora durante 15 momentos de cada dia de
encontro dos professores de línguas (sextas-feiras) perfazendo um total de 10 semanas
de coleta de dados. A conclusão desta fase de pesquisa demonstrou que apesar dos
professores estarem dentro de um mesmo espaço-tempo que sugere uma prática
coletiva, percebeu-se que a hora-atividade acontece de forma individual, por meio da
realização de atividades burocráticas como preparar aulas e provas, e corrigi-las. Em
função desta problemática, sugiro a implantação de um laboratório de mudança, para
que a hora-atividade seja vislumbrada como um novo espaço de interação num
encontro de diferentes vozes a fim de criar uma nova comunidade, marcada pela
reciprocidade entre os sujeitos participantes, a qual potencializa a ocorrência das
contradições e que, manifestadas no discurso, pode culminar na (trans)formação
continuada dos educadores.
Palavras-chave: Hora-atividade; Análise Crítica do Discurso; Teoria da Atividade.
LINHA TEMÁTICA Formação de professores de línguas.
46
Oh, no! Another talk on Motivation? Exploring L2 self and Identity!
Autor/a e Co-Autores: Nina Loback
Modalidade: Comunicação Individual

RESUMO
This presentation starts by participants seeing a sequence of images related to
student’s motivation along with the presenter asking what all the images have in
common drawing from the experience and beliefs of teachers and undergraduates
present. The presenter then, explores some theory based on recent studies and
publications such as the work of Zoltán Dornyei, Tammy Gregersen and Peter D.
Maclntyre, among others. Throughout the talk a series of activities demonstrating the
ideas being explored are made with the help of the audience. Hence, the theory is
presented accompanied by activities the attendees participate themselves, making it
more real and tangible each step of theory approached. As during the whole talk
several activities are given as examples to provide teachers and graduate students with
tools to help their students be (more) motivated, near the end, they are offered with
the opportunity to revise all the concepts worked and to make sense of it as a bigger
picture. At the end, the presenter sums up and opens to questions.
Key Words: Motivation; Ideal Self; Ideal L2 Self; Practical classroom activities.
LINHA TEMÁTICA Formação de Professores de Línguas.

(Des)Usos do tablete educacional em sala de aula: uma revisão de literatura


Autor: Paulo Henrique Espuri / orientadora: Telma Nunes Gimenez
Modalidade: Comunicação Individual

RESUMO
Políticas de inserção de Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) emergem no
cenário atual, assumindo papel de destaque nas mais diversas práticas sociais. A
exemplo disso, entre outras ações governamentais para inserção de TIC na escola
pública, surge a política do tablete educacional. Conforme textos que descrevem a
política, o tablete deve ser distribuído em escolas públicas urbanas brasileiras de modo
a articular-se a outras TIC e ao cotidiano escolar. Assim, esse trabalho objetiva
apresentar uma revisão de literatura acerca dos (des)usos empreendidos a partir dessa
ferramenta (ABREU & NOGUEIRA, 2013); (NEVES & CARDOSO, 2013); (REAL, TAVARES
& PICETTI, 2013); (TYBEL, NOBRE & NUNES, 2014); (FREIRE & NASCIMENTO, 2014);
(CRUZ & NERI, 2014); (GIACOMAZZO & FIUZA, 2014); PADILHA, 2014); (LUCAS &
MOITA, 2014). Os textos selecionados foram encontrados a partir do buscador Google
Acadêmico, por meio das palavras palavras-chave tablete e tablete educacional, entre
2 e 4 de março de 2015. Esperamos que essa busca possa apontar importantes
aspectos referentes à realização da política do tablete educacional. Como resultado, os
trabalhos supracitados, sobretudo, apontam que a referida política apresenta
constrangimentos quanto aos usos do dispositivo.
Palavras-chave: Tablete Educacional; Política Educacional; TIC.
LINHA TEMÁTICA Políticas Linguísticas e educacionais
47
A produção de textos multimodais no ensino superior: potencialidades para o
ensino-aprendizagem de LI
Autora: Raquel Gamero
Modalidade: Comunicação Individual

RESUMO
Pesquisas sobre o emprego de tecnologias digitais no ensino superior têm demostrado
diferentes modos e usos que os jovens fazem das mídias digitais para fins de
aprendizagem (HENDERSON, SELWYN & ASTON, 2015; SELWYN, 2016). Na busca por
proporcionar espaços de aprendizagem mais desafiadores para o ensino-aprendizagem
de línguas, professores têm proposto modos mais interativos, participativos e criativos
de exploração e criação multimodal em suas aulas. Seguindo essa perspectiva
pedagógica, nesta comunicação tenho por objetivo apresentar um estudo de caso,
com base na implementação de atividades de compreensão e produção oral em LI, em
um curso de Letras. Os dados são gerados nos anos de 2016, sendo produções
multimodais de alunos de terceiro ano. O suporte teórico que subjaz a essa proposta
relaciona-se aos recursos multisemióticos para práticas de letramento digital,
mobilizados para a constituição identitária de alunos-professores para agência social
(STREET, PAHL, ROWSELL, 2009; LANKSHEAR; KNOBEL, 2011). Os resultados dessa
investigação indicam que os alunos jovens são naturalmente engajados com textos
multimodais e sentem-se motivados e confortáveis com recursos digitais, mas que
necessitam suporte pedagógico para incorporarem esses textos em suas práticas
cotidianas de ensino-aprendizagem.
Palavras-chave: Formação de professores; Textos multimodais; Identidade(s).
LINHA TEMÁTICA Formação de Professores de línguas

Monitoria acadêmica de língua inglesa: uma experiência nos cursos de graduação em


Letras Inglês e secretariado executivo trilíngue da Universidade Estadual do Paraná,
campus de Apucarana
Autor/a e Co-Autores: Raquel Silvano Almeida e Bruno Rafael de Oliveira Silva Reis
Modalidade: Relato de Experiência

RESUMO
Este trabalho tem por objetivo socializar uma experiência com a monitoria acadêmica
nos cursos de graduação em Letras Inglês e Secretariado Executivo Trilíngue, da
Universidade Estadual do Paraná – Unespar, no campus de Apucarana, por meio do
projeto de extensão “Laboratório de apoio à leitura e produção textual em língua
inglesa no contexto acadêmico”, ocorrida no segundo semestre de 2016. Os objetivos
do projeto são: (1) promover aos discentes do campus de Apucarana (acadêmicos dos
cursos de Letras Inglês e/ou de Secretariado Executivo Trilíngue), monitorias
(orientações presenciais sistematizadas e contínuas), para a prática, desenvolvimento e
aprimoramento das habilidades linguísticas de leitura e produção textual de textos
acadêmicos em língua inglesa; (2) oportunizar aos acadêmicos participantes do projeto
como monitores (acadêmicos dos cursos de Letras Inglês), um desenvolvimento da
prática pedagógica de ensino e um aprendizado contínuo da língua inglesa, por meio do
48
trabalho de orientação de acadêmicos acerca dos processos de leitura e de produção
textual (da monitoria), contribuindo assim, para o processo formativo inicial desses
monitores em seus respectivos cursos; (3) orientar os acadêmicos monitores para a
realização de um levantamento sistemático das dificuldades mais recorrentemente
apresentadas pelos acadêmicos orientados, a fim de compor um corpus analítico para
estudo e ampliação do conhecimento científico acerca do processo ensino-
aprendizagem de língua inglesa em ambos os cursos de graduação, com foco nas
habilidades de compreensão e produção textual de textos do gênero acadêmico. Os
resultados desta experiência acadêmica revelam que a monitoria se faz eminentemente
necessária em cursos de graduação que contemplem a língua inglesa como componente
de formação, no caso das Licenciaturas em Língua Inglesa, e/ou componente curricular,
como nos cursos de Bacharelado em Secretariado Executivo Trilíngue.
Palavras-chave: Monitoria acadêmica; Língua Inglesa; Graduação.
LINHA TEMÁTICA: Ensino e aprendizagem de línguas estrangeiras

Seleção de temas e gêneros textuais para a elaboração de Material Suplementar


para a sala de aula de língua inglesa: a opinião dos alunos é fundamental
Autora: Silene Salvador Guidugli
Modalidade: Produto Educacional

RESUMO
Em estudos atuais, a concepção de língua recebe ênfase à medida que a estudamos
relacionando seu uso a contextos socioculturais. Nesse contexto, consideramos a
língua e a sociedade/cultura como indissociáveis, e como prática social (CASTILHO.
1998; MATÊNCIO, 2007; OUTROS). Assim, a proposta de qualquer material didático
deve considerar o uso de material autêntico que ofereça textos escritos e orais que se
aproximem de gêneros e de temáticas familiares aos aprendizes e atividades que
contemplem a integração das práticas de linguagem (ouvir, falar, ler e escrever). Para
propor um material suplementar para o ensino de língua inglesa, buscamos
primeiramente junto aos alunos, público-alvo que usará esse material, quais temáticas
e gêneros poderiam ser contemplados no material proposto. Um questionário online
foi elaborado e aplicado a 232 alunos, de 9º ano e de ensino médio, de um colégio
particular de atuação da pesquisadora. Nessa apresentação, mostraremos os
resultados obtidos junto aos alunos respondentes do questionário e discutiremos as
expectativas dos alunos quanto a uma aula de Inglês dinâmica e funcional.
Destacaremos a importância deste tipo de busca junto aos alunos e apresentaremos o
modelo no qual o material proposto como Caderno de Atividades irá basear-se.
Palavras-chave: Língua Inglesa; Material suplementar; Língua como prática social.
LINHA TEMÁTICA Material didático e ensino de línguas

Sugestões de Abordagens de TICs em Formação Continuada de Professores de Língua


Estrangeira Moderna
Autora: Silvia Regina Akiko Heshiki
Modalidade: Produto Educacional
49
RESUMO
Embora o uso de novas tecnologias tenha ganhado força, poucos trabalhos exploram
as percepções dos docentes acerca desse uso. Quando da implementação do uso de
tablets no ambiente escolar entre 2013 e 2014 em nosso local de trabalho (instituto
especializado no ensino da língua inglesa), notamos que a utilização desses novos
recursos variava bastante. Em nossa investigação na época, identificamos barreiras e
incentivos relatados pelos docentes. As principais barreiras foram: diferentes níveis de
competência tecnológica em que se encontravam; falta de confiança para utilização
dos tablets; falta de confiabilidade nos aplicativos e falta de exposição às TICs em sua
formação. Em contrapartida, experiências de sucesso foram o maior incentivo para sua
efetiva utilização. Assim, nosso produto educacional visa propor sugestões de
abordagens de formação continuada no uso de TICs, baseadas no modelo sócio-
construtivista e principalmente no ZPD (Zona de Desenvolvimento Proximal) proposta
por Vygostky. Esperamos que tais sugestões, apesar de terem como base pesquisa e
aplicação parcial em um instituto de línguas, possam auxiliar diferentes contextos
educacionais sejam eles no setor público, particular e/ou outros institutos de línguas
na formação continuada de seus professores quanto ao uso de TICs em sala de aula.
Palavras-chave: Formação continuada; TICs, Smartphones; Tablets; ZPD (Vygostky)
LINHA TEMÁTICA formação de professores de línguas estrangeiras

O uso de canções no ensino de inglês para crianças e a tecnologia digital


Autor: Taciana Virgínia Ramalho Pereira / orientadora: Simone Rinaldi
Modalidade: Produtor Educacional

RESUMO
Estudos vêm sendo realizados para mostrar que, com a chegada das novas tecnologias,
o modelo atual de aprendizagem não é mais suficiente para motivar alunos a
buscarem conhecimento. Há a necessidade de inovação, de mudanças no processo
ensino-aprendizagem. Visando essa transformação e mediante a facilidade com que as
crianças do nosso contexto de ensino de cursos livres utilizam esses recursos digitais,
surgiu a necessidade de um produto educacional que venha contribuir para a área de
inglês para crianças em cursos livres. Entre outros, o foco deste trabalho é o
desenvolvimento de um aplicativo para crianças com músicas infantis que possa lhes
ensinar inglês. O trabalho apoia-se em estudos sobre teoria de aquisição de língua
estrangeira proposta por (ELLIS, 1994); a teoria do monitor (KRASHEN, 1983; 1985;
1988); em estudos sobre a psicolinguística (SCLIAR-CABRAL, 1986); o construtivismo e
o desenvolvimento infantil (PIAGET 1896-1980); reflexões sobre ensino da língua
estrangeira para crianças (RINALDI, 2011; TONELLI, 2013; 2015); música em sala de
aula de (ROCHA, 2009); O jogo e o lúdico (HUIZINGA, 2000); gamificação (LEFFA, 2014)
e processo ensino-aprendizagem por multiletramentos de (LIBERALI ET AL, 2015) e
(LENARTOVICZ, 2013). Os princípios metodológicos que nortearão este estudo
englobam a abordagem qualitativa por focarmos na investigação do comportamento
humano. Os dados serão gerados por meio de uma entrevista semi-estruturada
coletiva com essas crianças; acontecerá também a observação de todo o processo com
50
o registro pessoal do professor e uma gravação do áudio dos próprios alunos contando
o que aprenderam. A partir dos resultados obtidos, pretende-se mostrar que o
trabalho com canções infantis é um recurso eficaz para a internalização de uma língua
estrangeira e por fim, que os professores deveriam repensar sua prática pedagógica e
introduzir as novas tecnologias ao contexto escolar.
Palavras-chave: crianças; língua Inglesa; aquisição; canções infantis e gamificação.
LINHA TEMÁTICA Ensino e aprendizagem de línguas estrangeiras

Proposta de unidade didática para o projeto Londrina Global


Autora: Tamara Cristina Rommel / orientadora: Juliana Reichert Assunção Tonelli
Modalidade: Produto Educacional

RESUMO
Neste trabalho, apresentamos uma proposta de unidade didática desenvolvida para o
programa de Mestrado Profissional em Letras Estrangeiras Modernas da Universidade
Estadual de Londrina com o objetivo de criar, de forma colaborativa, como sugerida
por Roldão(2007), um material de ensino de inglês para crianças, voltado aos anos
iniciais do ensino fundamental da rede municipal de Londrina. Rocha (2007) aponta
que vivemos hoje em uma sociedade globalizada na qual o contato com diferentes
culturas e línguas se intensifica cada dia mais, fazendo com que o ensino-
aprendizagem de línguas estrangeiras modernas assuma um papel fundamental na
formação dos alunos. A prefeitura municipal de Londrina iniciou, em 2008, o Projeto
Londrina Global, com o objetivo de oferecer aulas de inglês aos alunos de primeiro a
quarto ano do ensino fundamental. Assim como demonstrado por Pires (2004), os
professores envolvidos colocaram como o maior desafio vivenciado no contexto, a
produção de materiais didáticos. Sendo assim, nossa proposta de produto educacional
é o desenvolvimento uma unidade didática de forma colaborativa com os professores
da rede municipal, com o objetivo de viabilizar a ação docente no processo de ensino e
aprendizagem de inglês naquele contexto.
Palavras-chave: Inglês para crianças; Unidade didática; Projeto Londrina Global.
LINHA TEMÁTICA Material didático e ensino de línguas

Echando un cable: Contribuições da fraseologia no ensino de espanhol, o glossário


em sala de aula
Autora: Thalita Aguiar Molin Miguel / orientadora: Claudia Cristina Ferreira
Modalidade: Produto Educacional

RESUMO
A fraseologia tem se destacado em pesquisas no Brasil, sobretudo após a década de
90. Faz-se presente na língua falada frequentemente. Evidenciamos que os aprendizes
utilizam as unidades fraseológicas assiduamente em sua língua materna, portanto
convergimos com essa prática também nas aulas de Espanhol, para que aprimorem
51
sua percepção sobre aspectos linguísticos (línguas materna e estrangeira) sem que
traduzam literalmente mencionadas unidades. Neste sentido, temos por objetivo
demonstrar a relevância das unidades fraseológicas no processo de ensino e
aprendizagem de Espanhol e propor a elaboração de glossários como uma ferramenta
que possa auxiliar professores e alunos. Inicialmente, apontamos definições e
exemplos de unidades fraseológicas que serão abordadas no glossário, a fim de que
possam ser assimiladas pelos discentes (DURÃO; VARGAS, 2011; GÓMEZ MOLINA,
2004; LEAL RIOL, 2011; PENADÉS MATÍNEZ, 1999; RIOS, 2013; YAGÜE GUTIÉRREZ,
2003; MONTEIRO, 2012; ORTIGOZA; DURÃO, 2014; ORTÍZ ALVAREZ, 2011; VARGAS;
RIOS, 2013). Selecionamos algumas expressões de valor cultural mais significativo para
a comunidade em questão. Reiteramos a importância da implementação de unidades
fraseológicas para que os aprendizes se comuniquem espontaneamente e com maior
desempenho comunicativo, cultural e pragmático.
Palavras-chave: Ensino e Aprendizagem de Espanhol para Brasileiros; Unidades
Fraseológicas; Glossário.
LINHA TEMÁTICA Ensino e aprendizagem de línguas estrangeiras

Sequência Didática de Língua Espanhola para sala de aula inclusiva com alunos
deficientes visual no Ensino Fundamental I
Autora: Thays Regina Ribeiro de Oliveira
Modalidade: Produto Educacional

RESUMO
O presente produto educacional é uma sequência didática de língua espanhola para
crianças, devidamente matriculadas no 5º ano do Ensino Fundamental I, que possuam
em seu grupo crianças com necessidades educacionais especiais – deficiência visual.
Ancorado na teoria do interacionismo sócio-discursivo de Schneuwly e Dolz (2004), o
gênero escolhido foi histórias em quadrinhos, por estas estimularem o aprendizado
das crianças pelo seu visual colorido, ilustrado, presença de recursos gráficos,
linguagem acessível e permeada de valores sociais, ou seja, um texto autêntico,
segundo Bakhtin, por meio do qual os alunos desenvolverão suas capacidades de ação
e discursivas voltadas para a escrita. Apoia-se, ainda, nos conceitos da Defectologia e
da Zona de Desenvolvimento Proximal de Vygotsky (1997), e nas contribuições de
Medrado (2014) e Retorta (2015) no cenário brasileiro atual com relação à temática.
Desta forma, pretendemos com este produto (em desenvolvimento) buscar a efetiva
inserção e inclusão de alunos deficientes visuais, de modo que não sejam meros
receptores, mas sim construtores de conhecimento por meio do uso de diversos
multimodais disponíveis e acessíveis para o processo de ensino-aprendizagem na sala
de aula.
Palavras-chave: Deficiência visual; Multimeios; Sequência Didática.
LINHA TEMÁTICA Linguagem em Contexto de Necessidades Educacionais Especiais

52