Você está na página 1de 101

Projeto de Vida: caminhos para

o desenvolvimento integral
F undada em 1967, a Ação Comunitária é uma organização sem fins lucrativos, criada e gerida por empresários,
que luta contra a exclusão social em três frentes de atuação: o Centro de Desenvolvimento Integral, o Centro de
Desenvolvimento Comunitário e o Centro de Orientação para o Trabalho. As atividades são realizadas de forma ampla
e integrada por meio dos programas e projetos, guiadas com o objetivo de desenvolver o potencial do público atendido,
capacitando-o para fortalecer suas competências e criar suas próprias oportunidades, em regiões de alta vulnerabili-
dade da cidade de São Paulo. Ao longo de 2013, foram realizados mais de 8400 atendimentos, considerando crianças,
adolescentes, jovens, famílias, educadores e líderes comunitários.

Projeto de Vida: caminhos para o desenvolvimento integral


A presente publicação é resultado dos trabalhos realizados com o apoio do Fundo Municipal da Criança e do
Adolescente (FUMCAD), ao longo de 2013 e 2014, pelo Centro de Desenvolvimento Integral, que tem como objetivo
melhorar a qualidade dos serviços socioeducativos, desenvolvendo tecnologias sociais no âmbito da assistência social,
da cultura e da educação integral, assim como fortalecer as políticas de proteção social básica, para crianças e adoles-
centes de 0 a 18 anos.

O Centro de Desenvolvimento Integral atua executando vários programas de atendimento direto e indireto para
crianças e adolescentes, como a Formação Continuada de Educadores que simboliza um importante ponto de
encontro entre a Ação Comunitária e o público atendido; os programas Crê-Ser (de 5 a 15 anos) e Preparação Para o
Trabalho (de 16 a 18 anos) que visam ampliar o autoconhecimento e as competências individuais de jovens e crianças,
e colaborar para uma inserção positiva na vida produtiva. Todos os resultados das atividades realizadas com crianças e
jovens são acompanhados por meio do Sistema de Avaliação de Mudanças e Impactos Sociais da Ação Comunitária.

A Ação Comunitária acredita que estas iniciativas, executadas de forma integrada com esforços do governo e da
sociedade como um todo, contribuirão para a efetiva inclusão social das famílias, crianças e dos adolescentes.

Para saber mais acesse:


http://www.acomunitaria.org.br/
https://www.facebook.com/acaocomunitaria

Capa Claudia.indd 1 13/11/2014 19:33:50


AÇ ÃO CO M U N I TÁ R I A D O B R A S I L | S ÃO PAU LO

Projeto de Vida:
caminhos para o desenvolvimento
integral

S Ã O PAU LO | J U L H O 2 0 1 4

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 1 13/11/2014 19:35:05


AÇÃO COMUNITÁRIA DO BRASIL Organizações parceiras participantes do Projeto Academia
Oscar Linhares Ferro de Jovens Líderes
Diretor Presidente
Celso Luiz Teani de Freitas Instituto de Cidadania Padre Josimo Tavares – Magdalena
Superintendente Instituto de Cidadania Padre Josimo Tavares – Dom José
Milton Alves Santos Instituto de Cidadania Padre Josimo Tavares – Parque Rondon
Gerente do Centro de Desenvolvimento Integral Movimento Comunitário Estrela Nova
Maurício Guimarães Instituto Cuore
Gerente de Relacionamento e Mobilização de Recursos Associação Cidadania Ativa do Macedônia – ACAM
Josmael Castanho Associação de Apoio à Criança e ao Adolescente Bom Pastor
Gerente Administrativo/Financeiro Movimento Comunitário do Jardim São Joaquim
Deise Rodrigues Sartori Instituto Fomentando Redes e Empreendedorismo Social – INFOREDES
Gerente do $FOUSPEFDesenvolvimento Comunitário Ação Comunitária - Unidade do Jardim Icaraí
Anadelli Soares Braz - Antiga Associação à Criança, ao Adolescente e Jovem – ACAJI
Gerente de Centro do Orientação para o Trabalho Associação dos Moradores da Vila Arco Íris – AMAI
Associação Comunitária Auri Verde - CCA Chácara Santo Amaro
Equipe Técnica do Programa Preparação para o Trabalho Grupo Unido pela Reintegração Infantil – GURI
Centro Social São José – Ana de Fátima
Laize de Barros Centro Social São José – Manacás
Coordenadora Centro Social São José – Barro Branco
Cristiane Lima Associação Beneficente Providência Azul – Centro Social Esperança
Orientadora Pedagógica Centro Popular de Defesa dos Direitos Humanos Frei Tito de Alencar Lima
Vanessa Machado - Cidade Júlia
Orientadora Pedagógica Centro de Promoção Humana - Comunidade Meu Abacateiro
Sara Santos Associação do Parque Santa Amélia e Balneário São Francisco
Assistente Centro de Formação Irmã Rita Cavenaghi
Centro de Promoção Humana São Joaquim Santana – Joca
Projeto de Vida: caminhos para o desenvolvimento integral Centro de Promoção Humana São Joaquim Santana – Villa
Instituto Anchieta Grajaú – IAG
Este trabalho foi realizado no âmbito do projeto Academia de Jovens
Líderes, com recursos do Fundo Municipal dos Direitos da Criança e Ação Comunitária do Brasil - São Paulo
do Adolescente (FUMCAD) da cidade de São Paulo. É permitida a re-
Projeto de vida : caminhos para o
produção do texto e dos dados nele contidos, desde que citada a fonte. desenvolvimento integral / Ação Comunitária do
Brasil – São Paulo ; [coordenação editorial de Claudia
Barone, Milton Alves Santos]. – São Paulo : Ação
Reproduções para fins comerciais são proibidas. Comunitária do Brasil - São Paulo, 2014

100 p. : il.
Coordenação Editorial: Claudia Barone, Milton Alves Santos

Especialistas do Projeto Academia de Jovens Lideres: Alexandre ISBN 978-85-66991-04-8
Isaac, Daniela Provedel e Humberto Dantas
Revisão de Texto: América dos Anjos Costa Marinho 1. Educação de jovens. 2. Trabalhador jovem. 3.
Jovens – Aspectos sociais. 4. Educomunicação. 5.
Ilustrações: Fido Nesti Inclusão social. I. Barone, Claudia, ed. II. Santos,
Milton Alves, ed. III. Título.
Projeto Gráfico: S,M&A Design | Samuel Ribeiro Jr.
CDD 22.ed. – 374
Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)
(Bibliotecária Maria Fátima dos Santos / CRB-8 6818)

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 2 13/11/2014 19:35:05


Índice

Sobre a Ação Comunitária 5

Prefácio 9

Apresentação 11

Introdução 21

1 | Jovens e a Metodologia do Projeto de Vida 31

2 | Educadores e a Metodologia do Projeto de Vida 37

3 | Percurso Gormativo para a Donstrução do Projeto de Vida 43

4 | Reflexões a partir de atividades realizadas pelos Jovens 53

Considerações Finais 81

Anexos 85

Referências 95

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 3 13/11/2014 19:35:05


LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 4 13/11/2014 19:35:05
P R O J E T O DE V ID A : C A M I N H O S P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O I N T E G R A L [ 5

SOBRE A AÇÃO COMUNITÁRIA

F undada em 1967, a Ação Comunitária é uma orga-


nização sem fins lucrativos, criada e gerida por empresá-
O Centro de Desenvolvimento Integral atua executando
vários programas de atendimento direto e indireto para
rios, que luta contra a exclusão social em três frentes de crianças e adolescentes, como a Formação Continuada
atuação: o Centro de Desenvolvimento Integral, o Centro de Educadores que simboliza um importante ponto de
de Desenvolvimento Comunitário e o Centro de Orien- encontro entre a Ação Comunitária e o público atendi-
tação para o Trabalho. As atividades são realizadas de do; os programas Crê-Ser (de 6 a 15 anos) e Preparação
forma ampla e integrada por meio dos programas e pro- Para o Trabalho (de 15 a 18 anos) que visam ampliar o
jetos, guiadas com o objetivo de desenvolver o potencial autoconhecimento e as competências individuais de jo-
do público atendido, capacitando-o para fortalecer suas vens e crianças, e colaborar para uma inserção positiva na
competências e criar suas próprias oportunidades, em re- vida produtiva. Todos os resultados das atividades reali-
giões de alta vulnerabilidade da cidade de São Paulo. Ao zadas com crianças e jovens são acompanhados por meio
longo de 2013, foram realizados mais de 8400 atendimen- do Sistema de Avaliação de Mudanças e Impactos Sociais
tos, considerando crianças, adolescentes, jovens, famílias, da Ação Comunitária.
educadores e líderes comunitários.
A Ação Comunitária acredita que estas iniciativas, exe-
A presente publicação é resultado dos trabalhos realiza- cutadas de forma integrada com esforços do governo e
dos com o apoio do Fundo Municipal da Criança e do da sociedade como um todo, contribuirão para a efetiva
Adolescente (FUMCAD), ao longo de 2013 e 2014, pelo inclusão social das famílias, crianças e dos adolescentes.
Centro de Desenvolvimento Integral, que tem como ob-
jetivo melhorar a qualidade dos serviços socioeducativos, Para saber mais acesse:
desenvolvendo tecnologias sociais no âmbito da assistên-
cia social, da cultura e da educação integral, assim como http://www.acomunitaria.org.br/
fortalecer as políticas de proteção social básica, para https://www.facebook.com/acaocomunitaria
crianças e adolescentes de 0 a 18 anos.

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 5 13/11/2014 19:35:05


6 ] A C Ã O C O M U NI T Á R I A D O B R A S I L

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 6 13/11/2014 19:35:08


“A gente não quer só comida A gente não quer
A gente quer comida Só dinheiro
Diversão e arte A gente quer inteiro
P R O J E T O DE V ID A : C A M I N H O S P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O I N T E G R A L [ 7
A gente não quer só comida E não pela metade...
A gente quer saída
Para qualquer parte... Bebida é água!
Comida é pasto!
A gente não quer Você tem sede de quê?
Só dinheiro Você tem fome de quê?”
A gente quer dinheiro
E felicidade (Comida, Titãs)

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 7 13/11/2014 19:35:11


LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 8 13/11/2014 19:35:11
P R O J E T O DE V ID A : C A M I N H O S P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O I N T E G R A L [ 9

PREFÁCIO

T ransformar sonhos em planos e planos em realidade


é um dos maiores desafios da juventude. Ser um bom pai
A concepção metodológica deste trabalho está estreita-
mente vinculada ao saber adquirido a partir da sistemati-
de família; bem sucedido nos estudos; um profissional zação de um conjunto de experiências desenvolvidas pela
conhecido e reconhecido; uma pessoa grata por oferecer AÇÃO COMUNITÁRIA e por seus parceiros. Trata-se
condições de integridade e dignidade à própria família; de uma aposta concreta na realização dos sonhos e no
uma pessoa alinhada com o senso de pertencimento à potencial criativo, inventivo e transformador de nossa ju-
família humana; um ser humano capaz de alinhar seu ventude, que não pode mais ficar alheia a sua realidade
projeto de vida (o que eu quero fazer com a minha vida?) pessoal, social, política, econômica, cultural, ambiental e
com o seu propósito de vida: qual a minha missão de espiritual. A diretriz metodológica deste livro sinaliza, de
vida? Enfim, um jovem capaz de viabilizar-se como pes- modo criativo, objetivo e funcional, pistas teóricas e dicas
soa, cidadão e profissional, que não permita que o ter ou práticas, abordando relevantes eixos temáticos, como: O
o parecer prevaleçam sobre o ser. que são e para que servem os direitos ao lúdico, à cultura,
à informação e à participação do jovem? Como efetivá-
É com esse espírito que a equipe da AÇÃO COMUNITÁ- los e de que forma criar uma ambiência favorável para
RIA lança a publicação que você tem em mãos: Projeto de trabalhá-los, pedagogicamente, ampliando os espaços e
Vida$BNJOIPTQBSBP%FTFOWPMWJNFOUP*OUFHSBM, mecanismos da ação autêntica e protagonista do joWFN
buscando “... ampliar o autoconhecimento e as competências  como sujeito de sua própria história?
individuais de crianças e jovens, e colaborar para uma inser-
ção positiva na vida produtiva”. Este livro é uma ferramenta No texto e no contexto desta publicação, a nomenclatura
orientadora destinada a todo educador comprometido com “Educador” é utilizada em suas múltiplas abrangências
a possibilidade de exercer uma influência construtiva e im- cronológicas (aspecto temporal), ao longo de suas diver-
pactante na vida do jovem, ajudando-o a iniciar e a amadu- sificadas possibilidades topológicas (aspecto espacial).
recer o cumprimento de duas tarefas existenciais: ir ao en- Não importa a denominação: educador social, educador
contro de si mesmo, plasmando sua identidade; e se lançar comunitário, educador popular, arte-educador, oficineiro,
socialmente, edificando seu projeto de vida. mestre, educador midiático, monitor ou instrutor. Todos

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 9 13/11/2014 19:35:12


10 ] A C Ã O C O M U NI T Á R I A D O B R A S I L

precisam atuar como educadores, em função de sua rança, alegria e otimismo para o futuro, transformando o
atitude básica diante da vida e do trabalho, demons- cenário social, político, econômico, cultural e ambiental
trando abertura, solidariedade, sensibilidade, altruís- em que está inserida, como decorrência da modificação
mo e compromisso para com a vida de cada educando construtiva de seu próprio mundo interno: identidade,
com quem vive, convive, age e interage na dinâmica do autoestima e autoconfiança, pela elevação dos níveis de
processo educativo. autoconceito, autossuperação e autoprojeção.

A dimensão do tempo (visão cronológica) nos remete à O ato de influir no mundo externo, a partir da edificação
demanda de educação permanente. A construção e rea- de seu próprio mundo interno, é um movimento dialético
lização do projeto de vida do jovem é um processo arti- que o jovem do século XXI, mais do que nunca, necessi-
culado, incessante e insaciável, porque a verdadeira edu- ta e requer. Viver e conviver; protagonizar e empreender;
cação não se limita a satisfazer necessidades. Na verdade, agir e reagir; ensinar e aprender; conhecer e fazer diante
ela cria novas e mais complexas necessidades para a vida da sua circunstância, sem abrir mão do significado (valor)
do educando. O horizonte temporal da realização do pro- e sentido (direção) que fundamentam sua existência, re-
jeto de vida do jovem, portanto, se confunde com a sua presenta o cerne de toda ação educativa verdadeiramente
própria trajetória existencial. imbuída do compromisso ético com a causa, da vontade
política (disposição para fazer) e da competência técni-
A dimensão do espaço (visão topológica) também é re- ca (fazer bem feito). Leia, ou melhor, procure estudar e
dimensionada. Afinal, onde se encerra o território da apreciar a proposta pedagógica do livro Projeto de Vida
ação educativa? O exercício das atividades formativas CBNJOIPTQBSBP%FTFOWPMWJNFOUPJOUFHSBM, exUSBJOEP
não tem limite espacial. O projeto de vida do jovem pode  suas valiosas lições teóricas e práticas. Não abraNÍPEF
ser trabalhado em diversos lugares: dentro de casa, nas viver essa emocionante aventura pedagógica!
salas de aula, bibliotecas, escolas, parques ecológicos, fei-
ras de conhecimento, unidades de cumprimento de me- Alfredo Carlos Gomes da Costa*
didas socioeducativas, nos abrigos, programas sociais e
educativos, clubes poliesportivos, museus e muitos outros
espaços. O limite para essa empreitada pedagógica, na
realidade, é o limite da capacidade de sonhar, protagoni-
zar, empreender e realizar do educando em relação à sua
própria vida.

A garantia de direitos como base, a preparação do jovem


para fazer escolhas construtivas, assertivas e bem funda-
mentadas em sua vida como meio, e o seu desenvolvi-
mento integral como fim representam a equação-síntese
deste precioso livro. Trata-se de uma publicação singular,
que merece ser lida, relida, estudada, socializada e, acima
de tudo, ter sua proposta pedagógica colocada em prá-
tica, para que a nossa juventude possa olhar com espe-

* Pedagogo, especialista e consultor no campo do Desenvolvimento Social. Vasta experiência na publicação de livros voltados para o público jovem e no tema Projeto de Vida.

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 10 13/11/2014 19:35:12


P R O J E T O DE V ID A : C A M I N H O S P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O I N T E G R A L [ 11

APRESENTAÇÃO | A Metodologia do Proje-


to de Vida no Programa Preparação
para o Trabalho

A escolha, portanto pressupõe conflito e será mais segura se a existência do


conflito for aceita e houver uma busca de informações a respeito de diversas
alternativas; se levar em conta a história da pessoa (autoconhecimento) e o
contexto em que ela se dá (econômico/social/político/cultural e tecnológico).
Entretanto, tais conhecimentos não resolvem o dilema da escolha, que só se
dará através de um profundo ATO DE CORAGEM. Este ato de coragem leva em
conta o objetivo e o subjetivo, o racional e o emocional e propõe a elaboração
de um projeto de intervenção sobre o passado pessoal e social visando o novo
que o modifique, melhore ou o supere”.
Silvio Bock

D iante do investimento na estruturação e aplica-


ção de metodologias a favor da inclusão social, a Ação PARA REFLETIR
Comunitária tem confirmado ao longo dos anos, que
desenvolver Projetos de Vida com jovens significa au-
xiliá-los na formação de um olhar destemido, funda-
mentado e ampliado sobre o futuro.
Desta forma, desde 2004, a organização forma educado-
res para que apoiem jovens de 15 a 18 anos em atividades
“O homem constitui-se em sua humanidade à medida
e vivências de autoconhecimento, bem como de análise
que desenvolve sua capacidade de fazer escolhas e
de contexto, a fim de que transformem seus sonhos e de-
se lançar ao mundo, transformando-se e transforman-
sejos em planos estruturados, com clareza de intenções e
do-o, em busca de desenvolver projetos para atingir
procedimentos. Esse trabalho é desenvolvido em um dos
metas e satisfazer desejos pessoais e coletivos a partir
Programas da organização chamado “Programa Prepara-
de valores históricos, culturalmente situados e social-
ção para o Trabalho (PPT)”.
mente acordados”.
(MACHADO, 2000, p. 2)
O objetivo do PPT é preparar jovens para o mundo do traba-
lho na perspectiva do Projeto de Vida, o que significa propor
estratégias baseadas no desenvolvimento integral do jovem. Para fortalecer esse processo formativo, os educadores
Assim, preparar para a vida produtiva significa, além de focar do PPT utilizam estratégias adequadas à faixa etária dos
na aprendizagem para o mercado de trabalho, oferecer ao jovens atendidos, que valorizam a diversidade, a amplia-
educando oportunidades para que ele se desenvolva na vida ção do repertório cultural e a construção de identidade.
pessoal, profissional e social. À medida que o jovem investi-
ga e reflete sobre estas áreas, percebe como estão integradas Todo o trabalho é desenvolvido na perspectiva da garan-
e é capaz de fazer escolhas mais conscientes e assertivas. tia de direitos; desta forma, cada conjunto de estratégias é

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 11 13/11/2014 19:35:12


12 ] A C Ã O C O M U NI T Á R I A D O B R A S I L

vinculado a um direito correspondente, sempre tentando deve ser empreendida num contexto integrado. Ou seja,
atender o desenvolvimento integral do educando. fazer escolhas em determinado campo não é uma tarefa
isolada das demais áreas da vida de um indivíduo, já que
Os direitos que serão abordados são: Direito à aprendiza- o jovem da escola é o mesmo que trabalha, que frequen-
gem cognitiva; Direito à Informação; Direito à Participação ta projetos sociais e que convive com a família e com o
e Direito ao Trabalho Decente. grupo de amigos. Assim, construir e assegurar planos de
futuro requer a articulação não somente de várias infor-
Na prática, com o apoio dos educadores, os jovens rea- mações e conhecimentos, mas a conexão de uma gama
lizam várias atividades de autoconhecimento, busca de de direitos.
informações, troca entre pares e análise de contexto, que
os levam gradativamente a pensar em seu futuro. Nesse Vale relembrar que no caso da metodologia do Projeto de
processo também há a participação dos familiares e de Vida esses direitos são: Direito à aprendizagem cognitiva;
pessoas de referência do jovem. Direito à Informação; Direito à Participação e Direito ao
Trabalho Decente.
Neste percurso percebeu-se que havia a necessidade de
constituir um registro que representasse o trabalho de- À medida que o jovem constrói o portfólio do Projeto
senvolvido. Assim, criou-se o portfólio do Projeto de Vida, de Vida obtém informações e desenvolve habilidades que
que simboliza todo o processo formativo vivido pelo jo- facilitam a apropriação desses direitos.
vem. Ele é organizado com uma parte dos exercícios que
os jovens realizam na formação e é dividido em três tem- A abordagem vinculada aos direitos1 reconhece que os
pos: passado, presente e futuro. jovens e adolescentes são sujeitos de direitos1. Isso é, são
aquelas pessoas a quem a lei – em sentido amplo – atri-
As atividades relacionadas ao passado referem-se à inves- bui direitos e obrigações, aqueles cujo comportamento
tigação que o jovem faz de sua história de vida; no pre- se pretende regular (Cantisano, 2010:01). A legislação
sente, ele faz reflexões para descobrir “Quem sou eu” e, brasileira atribui aos adolescentes a condição de pessoas
em relação ao futuro, constrói planos de ação nas áreas em desenvolvimento, isso implica que a eles é reservada
familiar, educacional, profissional e social. prioridade no âmbito das políticas sociais, pois se reco-
nhece que, uma vez não ofertadas as melhores condições,
Esse processo é norteado por dois métodos facilitadores: a sociedade como um todo põe em risco seu objetivo de
Imaginação Sociológica e Cartografia. Ambos os métodos desenvolver, plenamente, as futuras gerações.
embasam e direcionam as atividades que compõem o
portfólio. Por meio deles, o jovem desenvolve a capaci- Partindo daquela abordagem, a metodologia do Projeto
dade de realizar uma leitura de mundo mais abrangente, de Vida é vista pela Ação Comunitária como uma forma
a partir de situações que num primeiro momento dizem de promover o desenvolvimento pleno de adolescentes e
respeito somente ao âmbito privado. jovens brasileiros. A associação entre os direitos já citados
resulta no que chamamos de Direito ao Projeto de Vida.
Como foi mencionado, a abordagem utilizada na meto-
dologia do Projeto de Vida é a garantia de direitos e, ao Com o intuito de apoiar os educadores no desenvol-
estabelecê-la, a Ação Comunitária pretende contribuir vimento da metodologia, a Ação Comunitária criou
com o desenvolvimento integral dos jovens. Nesta pers-
pectiva, a ação de escolher relaciona-se a essa garantia e CANTISANO, Pedro J. Quem é o sujeito de direito? A construção científica de um conceito jurídi-
1

co. Direito. In: Estado e Sociedade, n.37, p. 132-151. jul/dez 2010.

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 12 13/11/2014 19:35:12


P R O J E T O DE V ID A : C A M I N H O S P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O I N T E G R A L [ 13

descritores de processo que detalham os atributos das outras atividades coletivas que permitem o desen-
ações formativas coerentes com cada um dos direitos. volvimento da oralidade.
Eles são apresentados a seguir.
8. Os jovens utilizam jornais e revistas nas atividades
Direito à aprendizagem cognitiva (leitura, escrita, de leitura, escrita e oralidade.
matemática, oralidade):
9. Os jovens participam dos jogos teatrais, reconhe-
O Direito à aprendizagem cognitiva aborda os campos cendo-os como estratégia para desenvolverem o
da leitura, da escrita, da oralidade, da matemática e do autoconhecimento, a autoconfiança e a oralidade,
raciocínio lógico. Partindo da proposta de inclusão so- assim como para que ampliem seus repertórios
cial é fundamental que estes campos sejam trabalhados culturais.
por meio de estratégias na perspectiva do letramento e
numeramento, o que viabiliza oportunidades, para que os 10. As atividades de informática educativa são atrati-
jovens se desenvolvam, a partir de situações de aprendi- vas e planejadas de maneira coerente com os fun-
zagem às quais atribuem sentido. damentos da metodologia.

DESCRITORES: Direito à aprendizagem cognitiva 11. Os jogos educativos e o acervo de livros sempre es-
(leitura, escrita, matemática, oralidade) tão acessíveis e organizados.

1. Os jovens atribuem sentido às oportunidades Direito ao acesso à informação:


de letramento e numeramento oferecidas pelos
educadores. Direito à informação refere-se ao acesso a conteúdos diver-
sos de forma sistematizada e autônoma, numa proposta de
2. Os jovens relacionam as atividades de letramento ampliação de conhecimento e de desenvolvimento de visão
e numeramento ao Projeto de Vida. crítica, para que o jovem tenha mais subsídios nas relações
com o mundo e nas tomadas de decisão. Ao acessar mais
3. Há momentos planejados e de troca para a prática informações, o educando poderá relacioná-las, refletindo
da leitura. sobre elas e transformando-as em conhecimento, o que o
empodera como sujeito e cidadão. Para que esse direito seja
4. Os textos produzidos pelo jovem são objeto de tra- assegurado, é fundamental que as condições e os recursos
balho dos educadores. que permitem o acesso à informação sejam garantidos.

5. Os jovens exercitam a matemática básica e o racio- DESCRITORES: Direito ao acesso à informação


cínio lógico, por meio de atividades pautadas na
Educação Financeira. 1. O jovem estabelece a relação entre o Estatuto da
Criança e do Adolescente (ECA), o Estatuto da Ju-
6. Os jovens realizam atividades que relacionam os ventude e seu Projeto de Vida.
conteúdos de leitura e escrita, matemática básica e
raciocínio lógico à informática educativa. 2. O jovem conhece as políticas de acesso ao ensino
superior e estabelece relação entre estas e seu Pro-
7. Os jovens realizam debates, rodas de conversa e jeto de Vida.

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 13 13/11/2014 19:35:12


14 ] A C Ã O C O M U NI T Á R I A D O B R A S I L

ATIVIDADES DO PROJETO DE VIDA: Desenhos elaborados pelos jovens

Produção dos jovens:


Gabriel Silva, 16 anos
Andressa Aguiar, 16 anos
Rafael Santos, 16 anos
Evelyn Herrera, 16 anos
Messias da Cruz, 17 anos

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 14 13/11/2014 19:35:20


P R O J E T O DE V ID A : C A M I N H O S P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O I N T E G R A L [ 15

3. O jovem demonstra curiosidade e envolvimento DESCRITORES: Direito à Participação


nas atividades realizadas nos espaços e equipa-
mentos culturais. 1. Os jovens elaboram o “Contrato de Convivência”
e o reconhecem como critério de convívio durante
4. O educador cria momentos para que jovens pos- todo o processo formativo.
sam buscar informações de maneira autônoma.
2. As atividades produzidas pelos jovens são valori-
5. As atividades propostas pelos educadores abran- zadas e expostas no espaço da organização.
gem estratégias que incluem diferentes meios de
comunicação: jornal, revista, celular, Internet. 3. O educador valoriza e respeita as diversas opini-
ões e pontos de vista dos jovens, criando espaços
6. Os jornais, revistas e livros são bem conservados e (rodas de conversa, debate e fóruns) para que estes
estão acessíveis aos jovens permanentemente. sejam ouvidos.

7. O jovem utiliza correio eletrônico (e-mail). 4. Os jovens são estimulados a terem seus pares como
fontes de aprendizagem e de informação.
8. O Plano de Ação do portfólio do Projeto de Vida
expressa a relação entre as informações acessadas 5. Os jovens expressam suas opiniões sobre questões
pelos jovens e suas escolhas. de ordem pública nas redes sociais.

9. O jovem apresenta e faz uma leitura crítica das in- 6. Os jovens são envolvidos em ações de mapeamen-
formações que acessa e as utiliza em seu Projeto to do bairro, identificam recursos e desafios, pro-
de Vida. pondo intervenções (Ação Protagônica).

10. O espaço das atividades de informática educativa 7. A Ação Protagônica é escolhida pelos jovens
é adequado e organizado. de forma autônoma a partir de seus interesses
coletivos.
Direito à Participação:
8. Há oportunidades para que os jovens possam co-
O Direito à participação refere-se ao desenvolvimento nhecer e acessar as ferramentas de participação na
dos jovens como sujeitos participativos em situações de vida pública.
interesse coletivo. Por meio de competências necessárias
ao convívio e à democracia, os educandos conseguem 9. Os jovens são envolvidos nas decisões sobre a pro-
perceber situações que os afetam direta ou indiretamen- gramação educativa.
te e como estas impactam no mundo em que vivem. A
partir destas percepções, os jovens têm atitudes e cons- 10. Os jovens são estimulados fortemente a participar
troem planos que consideram o bem comum. A viabi- de atividades culturais, esportivas, políticas e for-
lização deste cenário demanda maior investimento em mativas em geral.
estratégias que promovam reflexão, posicionamento e
atitudes dos jovens frente às questões coletivas.

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 15 13/11/2014 19:35:20


16 ] A C Ã O C O M U NI T Á R I A D O B R A S I L

Direito ao Trabalho Decente: Seletivo) na metodologia para ampliar seus


repertórios e rever suas posições sobre o
O Direito ao trabalho decente refere-se ao conhecimen- mundo trabalho.
to do jovem sobre o mundo do trabalho e seu preparo
para que inicie a vida profissional de forma consciente, 6. O jovem elabora um currículo objetivo e
sendo capaz de avaliar as oportunidades de ocupação e adequado utilizando-o no Simulado do Pro-
relacioná-las com seu Projeto de Vida. cesso Seletivo.

Diante de um mercado de trabalho que exige cada vez 7. O jovem investiga as profissões de seu interesse
mais, é fundamental que os jovens sejam providos com e é capaz de identificar as habilidades necessá-
dados de realidade, para que tenham consciência das de- rias para praticá-las.
fasagens a serem enfrentadas e das potencialidades a se-
rem exploradas. Esse processo precisa ter como premis- 8. Os jovens assumem como valor articular opor-
sa e ser permeado pelas prioridades do trabalho decente, tunidades de trabalho e estudo como desenvol-
que combinam a inserção profissional com elementos vimento profissional.
como: a valorização dos estudos, o reconhecimento e a
aplicação da legislação vigente, o posicionamento polí- 9. O Plano de Ação do portfólio do Projeto de
tico e oportunidades dignas de emprego e trabalho. Tais Vida expressa o processo de autoconheci-
prioridades fazem parte do documento Agenda Nacional mento do jovem nas escolhas relacionadas à
do Trabalho Decente para a Juventude, concluído em área profissional.
outubro de 2010.
10. O jovem registra o caminho necessário para
DESCRITORES: Direito ao Trabalho Decente alcançar sua escolha profissional no Plano de
Ação do portfólio do Projeto de Vida.
1. São criadas oportunidades para que os jovens
conheçam a legislação trabalhista e a agenda Para cada direito mencionado, a metodologia prevê
do trabalho decente. um conjunto de estratégias que facilitam o desen-
volvimento do jovem atendido e seu canal de comu-
2. Os jovens dispõem de atividades planejadas, nas nicação com os educadores. Os diferentes conteúdos
quais podem dialogar sobre o mundo do trabalho. e estratégias se inter-relacionam ao longo do pro-
cesso formativo, o que é coerente com a proposta
3. O jovem tem acesso a atividades que apresentem os integrada do Projeto de Vida.
setores e segmentos da economia, assim como dife-
renciam o mercado formal e informal de trabalho. Segue o Fluxograma do Projeto de Vida, com os
quatro direitos e suas respectivas estratégias:
4. Os jovens realizam atividades que propõem a re-
flexão entre as exigências do mundo de trabalho e
as prioridades da Agenda de Trabalho Decente.

5. Os jovens aproveitam as vivências previstas


(Visita à empresa e Simulado do Processo

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 16 13/11/2014 19:35:20


P R O J E T O DE V ID A : C A M I N H O S P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O I N T E G R A L [ 17

Palavra
Informática escrita? Atualidade
Pesquisa
educativa Palavra em
em ação
dita? pauta

Direito á
Jogos Educação Direito Tour ao
aprendizagem Visita
teatrais financeira à informação centro
cognitiva cultural
de S.Paulo

Jogos de
Clube da matemática Legislação Políticas
leitura e raciocínio para de acesso ao
lógico juventude ensino superior
PROJETO DE VIDA

Área familiar
Área educacional
Área Profissional
Área Social
Setores e Agenda do Participação
segmentos Trabalho na vida Mapeamento
da economia decente pública do bairro

Direito ao
Visita Legislação Fóruns Contrato
trabalho Direito
à empresa trabalhista nas redes de
decente à participação
sociais convivência

Processos Escolha Fóruns


Ação
seletivos profissional entre
protagônica
pares

O papel do gestor socioeducativo na implementação responsável pelos processos de execução da proposta


da metodologia do Projeto de Vida metodológica realizados pelos educadores sociais junto
aos jovens e suas famílias. É sua função identificar as
Mais um aspecto importante no desenvolvimento da especificidades do trabalho na comunidade onde atua,
metodologia do Projeto de Vida é o contexto de parce- o perfil das famílias, as principais necessidades dessa
ria em que ela é aplicada. Durante o percurso forma- população e buscar alternativas para o enfrentamento e
tivo do jovem, a Ação Comunitária conta com organi- superação dos desafios postos à pratica socioeducativa
zações sociais para garantir as condições necessárias na instituição que representa.
para o desenvolvimento das atividades propostas. O re-
presentante de cada organização parceira, chamado de O apoio do gestor aos educadores sociais ao longo do
gestor socioeducativo, não se responsabiliza somente processo formativo e a articulação entre ambos favo-
pelas questões institucionais, de infraestrutura e ope- rece o desenvolvimento da metodologia do Projeto de
racionais, mas também assume um papel de formador, Vida, principalmente na área social, cujo foco é a for-
à medida que atua conjuntamente com os educadores mação do educando como cidadão participativo e au-
em vários momentos da formação dos jovens. tônomo. Ele subsidia os educadores com informações
da comunidade e medeia as ações formativas que são
Para a Ação Comunitária, o gestor tem papel funda- direcionadas ao território.
mental na proposta socioeducativa, ele é o principal

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 17 13/11/2014 19:35:20


18 ] A C Ã O C O M U NI T Á R I A D O B R A S I L

ATIVIDADES DO PROJETO DE VIDA: Capas dos portfólios elaborados pelos jovens

Produção dos jovens:


Sheila A. Matos, 19 anos
Rafael Nascimento, 17 anos
Bruna A. Oliveira, 17 anos
Larissa Dantas, 15 anos
Samantha Barbosa, 17 anos
Jaqueline Soares, 16 anos
Vanessa F. Santos, 18 anos
Jéssica S. Santos, 17 anos

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 18 13/11/2014 19:35:31


P R O J E T O DE V ID A : C A M I N H O S P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O I N T E G R A L [ 19

Nessa perspectiva, educador e gestor desenvolvem um ambiente favorável para a efetivação das propostas, isso
trabalho compartilhado a favor do protagonismo juvenil. implica garantir recursos (materiais, infraestrutura física,
organização dos espaços), atuar como facilitador nos pro-
Com o intuito de detalhar o papel do gestor, seguem as- cessos de apropriação da metodologia, promovendo o ali-
pectos importantes para que a metodologia do Projeto de nhamento conceitual e o bom relacionamento em equipe.
Vida tenha bom êxito:
4. O gestor planeja e executa os encontros com as famí-
1. O gestor compartilha da concepção de juventude da lias, juntamente com os educadores, de acordo com os
Ação Comunitária: desenvolvimento integral de jovens, objetivos da metodologia do Projeto de Vida.
como sujeitos de direitos que demandam oportunida-
des para o fortalecimento da autonomia e para a cons- A Ação Comunitária declara como premissa, em sua pro-
trução de Projeto de Vida. posta metodológica socioeducativa de proteção social
e desenvolvimento integral de jovens, atuar de maneira
É essencial que o gestor compartilhe da mesma con- compartilhada com famílias, visando favorecer os proces-
cepção de juventude apresentada pelas propostas da sos de fortalecimento do protagonismo social dos víncu-
Ação Comunitária, pois é a partir de tal perspectiva los familiares e comunitários. Para isso, se faz necessário
que encontrará motivação e engajamento para apoiar que o gestor, juntamente com a equipe socioeducativa,
a equipe e criar condições favoráveis para o êxito do elabore um plano, visando estabelecer um diálogo contí-
trabalho socioeducativo. nuo com esse público, por meio de encontros a serem rea-
lizados com frequência mensal ou bimestral com enfoque
2. O gestor se reconhece como facilitador do processo formativo, criando um ambiente acolhedor de maneira a
socioeducativo. aproximar as famílias da organização comunitária. Para a
realização desse trabalho, o gestor deve focar nos talentos
Como já citado acima, a principal função do gestor é e recursos locais e atuar junto às famílias, de maneira que
apoiar a equipe na realização das propostas metodológi- elas reconheçam seus talentos, suas capacidades, sentin-
cas junto aos jovens. Por esse motivo, deve compreender do-se mais empoderadas e tornando-se mais participati-
e saber gerir processos, a fim de organizar e otimizar o vas em suas comunidades.
trabalho em equipe. Deve também ter conhecimento so-
bre gestão de pessoas, sabendo lidar e potencializar o tra- 5. O gestor estabelece parcerias com a comunidade local,
balho com diferentes perfis humanos, motivar a equipe, que favorecem a qualificação das ações com os jovens.
mediar processos de aprendizagem e conduzir o diálogo
entre a organização social e os diversos atores sociais com Para a Ação Comunitária, os espaços socioeducativos de-
os quais se relaciona. vem atuar como grandes fomentadores de redes destina-
das à proteção social dos jovens. Cabe ao gestor da uni-
3. O gestor participa ativamente da implementação da dade identificar as principais instituições e atores locais,
metodologia, apoiando os educadores no planejamen- que podem ser acessados e articulados a fim de promover
to e nas ações junto aos jovens. oportunidades de desenvolvimento, proteção e bem-estar
a esse público.
É fundamental que o gestor compreenda a proposta meto-
dológica e saiba apoiar a equipe de educadores nas ações 6. O gestor se compromete com as demandas operacio-
a serem realizadas junto aos jovens. É sua função criar nais e administrativas que viabilizam o funcionamento

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 19 13/11/2014 19:35:31


20 ] A C Ã O C O M U NI T Á R I A D O B R A S I L

das ações socioeducativas (disponibilização de tempos e


espaços para a realização da formação contínua da equi- PARA REFLETIR
pe, produção de relatórios e organização de dados para
avaliação de resultados)

Para disseminar suas metodologias de proteção social e


apoiar as organizações parceiras no aprimoramento do
No evento de finalização do Programa, conversei com a
trabalho socioeducativo junto aos jovens e famílias, a Ação
mãe de uma jovem, que faltou no emprego para partici-
Comunitária realiza processos de assessoria que envolvem:
par deste encontro de fechamento com jovens e familia-
encontros de formação de educadores, supervisões in loco
res. Fiquei emocionada com seu depoimento:
e monitoramento por meio de relatórios avaliativos dos
processos e resultados. Para efetivação desses processos, “Eu me surpreendi com minha filha, pois está responsável,
conta-se com o gestor da organização parceira, para que se inclusive melhorou na escola. Eu já não acreditava mais na
comprometa a viabilizar essa proposta, articulando-se com minha filha e hoje consigo vê-la de outra forma”.
a equipe de educadores e lideranças comunitárias.
Rejane da Silva, gestora da organização Frei Tito de Alencar
7. O gestor planeja e executa paradas técnicas para ali- Lima – Unidade Cidade Júlia.
nhamento, formação e planejamento socioeducativo
junto à equipe de educadores.

Para garantir o alinhamento e envolvimento de toda a Na tentativa de contribuir com políticas públicas voltadas
equipe, em relação à proposta metodológica, espera-se que para o desenvolvimento integral de jovens, a Ação Comu-
o gestor organize paradas técnicas mensais, envolvendo nitária tem investido na sistematização de suas metodolo-
todos os educadores. Esse momento é essencial para que gias, a fim de aportar os saberes e práticas que adquiriu ao
cada membro do grupo possa socializar seus desafios, bus- longo dos anos. Acredita que esta empreitada somente se
car maior clareza sobre sua função, atuar na procura de tornará realidade, se puder contar com uma rede de par-
soluções conjuntas, compartilhar objetivos, planejar novas ceiros que se empenhem pela mesma causa.
ações, avaliar processos e resultados.
Boa leitura!
8. O gestor controla a frequência e a evasão dos jovens, jun-
tamente com os educadores, realizando o contato presen-
cial e a distância com as famílias, sempre que necessário.

Os jovens e suas famílias enfrentam desafios cotidianos


que refletem em seu desempenho e permanência nas ati-
vidades socioeducativas. Por esse motivo é importante que
o gestor mobilize sua equipe em ações preventivas que
envolvam: observação e escuta dos jovens, consulta às fa-
mílias em caso de faltas frequentes, desinteresse ou outros
fatores que possam acarretar a evasão.

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 20 13/11/2014 19:35:31


P R O J E T O DE V ID A : C A M I N H O S P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O I N T E G R A L [ 21

INTRODUÇÃO

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 21 13/11/2014 19:35:32


22 ] A C Ã O C O M U NI T Á R I A D O B R A S I L

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 22 13/11/2014 19:35:32


P R O J E T O DE V ID A : C A M I N H O S P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O I N T E G R A L [ 23

Introdução | Pelo direito ao Projeto


de Vida

Cada ser humano nasce com um potencial e tem direi-


to a desenvolvê-lo. Mas, para isso acontecer, ele precisa
de oportunidades. E as melhores oportunidades são as
educativas, que preparam as pessoas para fazerem es-
colhas. E isso eu chamo de liberdade”.
Antonio Carlos Gomes da Costa

Projeto de Vida e Direitos dos Adolescentes e Jovens

A atual concepção política e social sobre a área da in-


fância e adolescência se alicerça na garantia de direitos e
olhar em relação a este público. O primeiro associa a nova
lei a um “movimento mais amplo de melhoria, ou seja, de
no desenvolvimento integral das crianças e dos adoles- reforma da vida social”, do qual fizeram parte pessoas de
centes, coerentemente com o que foi definido pela Cons- diferentes áreas, que tinham em comum a “condição de re-
tituição Federal de 1988. formadores sociais em torno da luta dos direitos da criança”.

Foi expressivo o movimento de defesa da doutrina de pro-


teção integral das crianças e dos adolescentes. O tema foi o PARA REFLETIR
que mais recebeu emendas ao anteprojeto apresentado pe-
los parlamentares antes de definido o texto final da Consti-
tuição Federal de 1988. O país vivia uma época de eferves-
cência política que resultou em algo significativo: crianças
e adolescentes passaram a ser vistos como “agentes de di-
reitos” ou “sujeitos de direitos”. Assim, eram merecedores “O Art. 227. É dever da família, da sociedade e do Es-
de uma lei que abrangesse de forma geral todos aqueles tado assegurar à criança, ao adolescente e ao jovem,
que fossem vistos como crianças e adolescentes. Logo, em com absoluta prioridade, o direito à vida, à saúde, à
1989 foi aprovado o Estatuto da Criança e do Adolescente alimentação, à educação, ao lazer, à profissionaliza-
(ECA) pelo Congresso Nacional. ção, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à
convivência familiar e comunitária, além de colocá-los
De acordo com Gomes da Costa, especialista em desenvol- a salvo de toda forma de negligência, discriminação,
vimento social por meio da garantia de direitos na infância exploração, violência, crueldade e opressão.
e na juventude, o ECA é um marco legal na “promoção, de- (Redação dada pela Emenda Constitucional n° 65, de
fesa e atendimento dos direitos da infância e da juventude”. 2010)
Ele aponta três aspectos relevantes do documento que o ca- Constituição da República Federativa do Brasil
racterizam como inovador no que se refere à mudança de

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 23 13/11/2014 19:35:32


24 ] A C Ã O C O M U NI T Á R I A D O B R A S I L

O segundo aspecto se refere ao reconhecimento dos di- O terceiro aspecto refere-se a “articulação direito-dever que
reitos da criança e do adolescente como um valor ético e perpassa todo o corpo do Estatuto”.
universal, em contraposição às formas de “corporativismo,
de elitismo, basismo, dogmatismo religioso ou ideológico e de Por fim, ele afirma que a “condição peculiar de desenvolvi-
partidarismos de toda e qualquer espécie”. mento da criança e do adolescente” mencionada no Esta-
tuto, pode ser “somada à condição jurídica de garantia de
direitos e à condição política de absoluta prioridade”2.

PARA REFLETIR Dentre os artigos do Estatuto podemos destacar o 53, que


de forma bastante clara descreve que todo adolescente
tem “direito à educação, visando ao pleno desenvolvimen-
to de sua pessoa, preparo para o exercício da cidadania e
qualificação para o trabalho”. É necessário compreender
o sentido de seus dizeres. A cidadania e a preparação para
o mercado de trabalho podem ser garantidas de manei-
“ Lei n° 8.069, de 13 de julho de 1990. ras diferentes? Sim. E como pensar em algo capaz de as-
segurar princípios tão amplos? Não fica parecendo que
Art. 1º. Esta lei dispõe sobre a proteção integral à criança e garantias desse tipo se perdem na falta de uma forma
ao adolescente. consistente de vê-las funcionando na prática? Parece que
Art.2º. Considera-se criança, para os efeitos desta lei, a pes- sim. Sobretudo porque ainda temos desafios culturais em
soa até 12 anos de idade incompletos, e adolescente aquela relação ao que a lei declara.
entre 12 e 18 anos de idade.
Parágrafo único. Nos casos expressos em lei, aplica-se excepcio- Outro referencial legal que orienta nosso trabalho com
nalmente este Estatuto às pessoas entre 18 e 21 anos de idade. jovens é a LOAS - LEI ORGÂNICA DA ASSISTÊNCIA
SOCIAL, que coloca a assistência social como direito do
Art. 3º A criança e o adolescente gozam de todos os direi- cidadão e dever do Estado, especialmente em seu artigo
tos fundamentais inerentes à pessoa humana, sem prejuízo 2º, que estabelece como um dos objetivos da assistência
da proteção integral de que trata esta lei, assegurando-se- social “a promoção da integração ao mercado de trabalho”.
lhes, por lei ou por outros meios, todas as oportunidades e Para a Ação Comunitária esta integração ao mercado de
facilidades, a fim de lhes facultar o desenvolvimento físico, trabalho deve ser entendida como integração ao “mundo
mental, moral, espiritual e social, em condições de liberda- do trabalho”, sendo este o conceito mais amplo e adequa-
de e de dignidade. do aos desafios e demandas da juventude.

Art. 6º Na interpretação desta Lei levar-se-ão em conta os fins Ao propor estratégias que facilitem a reflexão dos jovens
sociais a que ela se dirige, as exigências do bem com, os direitos sobre seu projeto de vida profissional, a Ação Comunitá-
e deveres individuais e coletivos, e a condição peculiar da crian- ria contribui para que esta integração ocorra na perspec-
ça e do adolescente como pessoas em desenvolvimento”. tiva do desenvolvimento integral e do trabalho decente.

Estatuto da Criança e do Adolescente


2
COSTA, Antônio Carlos Gomes da. Natureza e implantação do novo Direito da Criança e do Ado-
lescente. In: PEREIRA, Tânia da Silva (Coord.). Estatuto da Criança e do Adolescente: Lei 8.069/90:
estudos sociojurídicos. Rio de Janeiro: Renovar, 1992.

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 24 13/11/2014 19:35:33


P R O J E T O DE V ID A : C A M I N H O S P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O I N T E G R A L [ 25

O Estatuto da Juventude, sancionado em 5 de agosto de juventude. Esse eixo se traduz na prática por estratégias
2013, tornou-se mais uma referência para o trabalho da pedagógicas que promovem o desenvolvimento das
Ação. Ele dispõe sobre os direitos dos jovens (pessoas aprendizagens relacionadas à convivência, respeito à
de 15 a 29 anos de idade), os princípios e diretrizes das diversidade e participação na vida pública da comuni-
políticas públicas de juventude. dade e da própria cidade.

Com o objetivo de propor uma alternativa a essa necessi-


PARA REFLETIR dade de “ver a lei funcionando na prática”, a Ação Comu-
nitária apresenta aqui uma proposta metodológica capaz
de elevar as oportunidades aos jovens para que tenham
contato com os princípios da cidadania e com a prepara-
ção para o trabalho. A preocupação da organização com
tais aspectos resultou na criação de estratégias cujo ob-
jetivo central é “promover conhecimentos, habilidades e
“ Lei 12.852, de 05 de agosto de 2013. atitudes que contribuam para o pleno desenvolvimento e
inclusão social do público atendido”. É dessa forma que
 Art. 1o  Esta Lei institui o Estatuto da Juventude e dispõe nossa organização procura viabilizar a consecução das
sobre os direitos dos jovens, os princípios e diretrizes das leis citadas.
políticas públicas de juventude e o Sistema Nacional de
Juventude - SINAJUVE. A proposta metodológica apresentada pela Ação
Comunitária é resultado de um processo de longos anos
 § 1º  Para os efeitos desta Lei, são consideradas jovens as de pesquisas e experimentações que queremos comparti-
pessoas com idade entre 15 (quinze) e 29 (vinte e nove) lhar sistematizando esses saberes acumulados.
anos de idade.
A centralidade dessa proposta é baseada no que chama-
 § 2º Aos adolescentes com idades entre 15 (quinze) e 18 mos de “Direito ao Projeto de Vida”, pois entendemos que
(dezoito) anos aplica-se a Lei 8.069 de 13 de julho de 1990 esse direito é intrínseco aos princípios explicitados no
- Estatuto da Criança e do Adolescente, e excepcionalmen- artigo 53 do ECA, na LOAS e no Estatuto da Juventu-
te, este Estatuto, quando não conflitar com as normas de de, portanto a todos os indivíduos nessa faixa etária. O
proteção integral do adolescente. Projeto de Vida garante ao jovem planejar ações futuras
pautadas em princípios éticos e de cidadania. Mas isso
Art. 4º O jovem tem direito à participação social e polí- não é fácil! Pois demanda um percurso formativo inten-
tica e à formulação, execução e avaliação das políticas so, que promova o autoconhecimento e a capacidade de
públicas de juventude leitura de contexto, favorecendo o olhar do jovem sobre
Estatuto da Juventude si mesmo e para o mundo que o cerca, tornando-o ca-
paz de tomar decisões mais conscientes e autorais, o que
é fundamental para o desenvolvimento pessoal, social e
Dentre esses direitos destacamos o artigo 4º, que ver- profissional. Como fruto do processo formativo, cada jo-
sa sobre o direito à participação social e política dos vem organiza um portfólio das atividades desenvolvidas
jovens, eixo central e princípio do trabalho da Ação chamado “Projeto de Vida”.
Comunitária desde que começou seus projetos com

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 25 13/11/2014 19:35:33


26 ] A C Ã O C O M U NI T Á R I A D O B R A S I L

O jovem se apropriando de seus direitos Imaginação Sociológica e Cartografia, métodos facilitado-


res do Projeto de Vida
Todo jovem tem Direito a um Projeto de Vida pessoal,
social e profissional que contemple as suas perspecti- Durante o percurso formativo Raiz, Contexto, Asa, que
vas de futuro, possibilitando seu pleno desenvolvimen- será detalhado mais à frente, os métodos Imaginação
to. Tendo esta afirmação como pressuposto, propomos Sociológica e Cartografia são fundamentais. Essas duas
um percurso formativo, que denominamos - Raiz, ferramentas metodológicas são aplicadas de forma en-
Contexto, Asa, que é apoiado por dois métodos faci- trelaçada no processo de formação, contribuindo deci-
litadores, a Imaginação Sociológica e a Cartografia. sivamente para que o jovem construa de maneira mais
Durante o percurso formativo, estes métodos promo- estruturada seu Projeto de Vida. À medida que os jovens
vem a desnaturalização das relações, dos contextos,
realizam atividades baseadas nos dois métodos, apresen-
das ideias e dos valores socialmente aceitos, o que é
tam mudança no modo de pensar e agir sobre o mundo
fundamental para que os jovens elaborem projetos de
em que vivem. Esta transformação pode ser visualizada
vida conscientes e autorais. No decorrer do processo o
em novas atitudes demonstradas por eles ao longo do
jovem se apropria de seus direitos à medida que am-
plia seu universo de informações, interpretando-as e percurso formativo, em diferentes níveis.
utilizando-as, de forma propositiva, em suas reflexões
e escolhas. Abaixo esquema representativo da A primeira ferramenta foi pensada pelo sociólogo norte-
proposta metodológica: americano Charles W. Mills e é definida como “Imagina-
ção Sociológica”. A centralidade desse método se traduz
no desenvolvimento da capacidade do indivíduo de com-
preender sua vida e suas relações a partir da análise de
contextos sociais e históricos. Por meio dessa estratégia é
possível compor uma visão mais realista do mundo à sua
volta, possibilitando que os jovens compartilhem outras
leituras da realidade, atribuindo sentidos mais amplos a
contextos, relações e fenômenos sociais.
Imaginação sociológica

Cartografia

PARA REFLETIR

“A imaginação sociológica capacita seu possuidor a com-


preender o cenário histórico mais amplo, em termos de
seu significado para a vida (...) permite-lhe levar em con-
ta como os indivíduos, na agitação de sua experiência
diária, adquirem frequentemente uma consciência falsa
de suas posições sociais.
Charles Wright Mills

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 26 13/11/2014 19:35:33


P R O J E T O DE V ID A : C A M I N H O S P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O I N T E G R A L [ 27

No entanto, seria simples desenvolver essa nova percepção das A Imaginação Sociológica se correlaciona e se comple-
conjunturas? Trata-se, portanto, de um exercício de paciência menta com a Cartografia potencializando a capacidade
histórica e pedagógica no processo de ensino-aprendizagem, do jovem em criar, produzir e intervir no mundo.
como dizia Paulo Freire,“a vida de todos e de cada um encon-
tra-se entrelaçada, no passado, no presente e no futuro”. A Cartografia propõe uma investigação do território a
partir da sua história, da sua realidade e das relações so-
“Assim, para a construção de um Projeto de Vida mais ciais estabelecidas no passado e no presente. A ideia é que
consciente nos parece fundamental a capacitação desses os jovens se transformem em ‘fazedores de perguntas’,
jovens para melhor compreenderem a “si mesmos, seus va- investigando sua comunidade a partir de novas lentes,
lores e sua realidade (Mills, 1959). E os métodos propostos identificando as fragilidades, as potencialidades e desa-
se mostram capazes de reduzir distorções e afastá-los dos fios, relacionando-os com um contexto social mais amplo.
pensamentos característicos do senso comum, que redu- De maneira bem simples, a cartografia pode nos ajudar a
zem a possibilidade de compreensão da vida social e criam não banalizar o olhar sobre nosso cotidiano, distinguindo
obstáculos para significativas parcelas da juventude.”3 o olho que vê e o olho que percebe. Ao sair de casa e nos
depararmos com meninos de rua ou catadores de pape-
lão, podemos até nos indignar num primeiro momento,
SAIBA MAIS no entanto, depois que essa cena passa a fazer parte da
paisagem social, ela deixa de nos afetar. Desenvolvemos
um olhar alienado, que vê não vendo, que não questiona
ou procura entender, e que sequer desperta curiosidade.
A Cartografia propõe algo desafiador, ver aquilo que ve-
mos todos os dias como se fosse a primeira vez.
Novas atitudes dos jovens resultantes do méto-
do Imaginação Sociológica

• Demonstram segurança ao manifestarem suas PARA REFLETIR


ideias e opiniões.
• Descrevem-se de forma positiva, demonstrando
autoestima fortalecida.
• Investem no autodesenvolvimento.
• Demonstram curiosidade, fazendo perguntas A cartografia é um processo de produção de conheci-
sobre os fatos pesquisados. mento, expresso por um conjunto de informações obje-
• Percebem-se como sujeitos de uma sociedade tivas e subjetivas, que propõe o diálogo e a combinação
(parte de um todo). entre as experiências, interesses, desejos e saberes e as
• Fazem “leitura de conjunturas” a partir da com- possibilidades de criar, inventar e intervir. A investigação
preensão de si e de seus pares. cartográfica busca acompanhar a vida nos seus movi-
AÇÃO COMUNITÁRIA. O Jovem e seu Projeto de Vida: mentos e onde ela está acontecendo, onde circulamos,
metodologia da Ação Comunitária para o desenvolvi- vivemos, aprendemos, produzimos e nos relacionamos.
mento integral do jovem. São Paulo, 2013, p. 28. (Gouveia, 2006)

3
AÇÃO COMUNITÁRIA. O Jovem e seu Projeto de Vida: metodologia da Ação Comunitária para o
desenvolvimento integral do jovem. São Paulo, 2013, p. 28.

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 27 13/11/2014 19:35:34


28 ] A C Ã O C O M U NI T Á R I A D O B R A S I L

A Cartografia permite que os jovens se apropriem da cul- A associação dessas duas ferramentas metodológicas, com
tura local, “reconhecendo a diversidade com que os es- características acentuadamente práticas, coloca o jovem
paços são ocupados e geridos, possibilitando aos ‘jovens em contato com seus respectivos mundos de forma mais
pesquisadores’ que reflitam sobre suas práticas, alterandoclara e consciente. Torna-o crítico de sua realidade, obser-
as próprias maneiras de ver, sentir, pensar e perceber seuvador de seu mundo, de suas chances, de suas oportuni-
entorno e o mundo.”4 dades e de seus respectivos futuros. Esse cenário o leva a
desnaturalizar sua história de vida, as situações que vive e
Apesar de a Cartografia propor ações concretas como, suas escolhas. O resultado desse cálculo contribui de forma
por exemplo, o mapeamento do bairro, ela também mo- marcante para a construção de um projeto de vida consis-
biliza a subjetividade dos jovens provocando lembran- tente e condizente com o desafio central de seus direitos: o
ças, sentimentos de pertença ou negação e desejos de exercício da cidadania e a qualificação para o trabalho.
mudança. Tais desejos impactam decisivamente nas suas
reflexões sobre seu projeto de vida. Ao mesmo tempo, vai A desnaturalização como resultado dos métodos facilita-
construindo sua identidade pessoal, profissional e social dores do Projeto de Vida
na busca por uma inserção consciente na sociedade e no
mundo do trabalho, ou seja, como um sujeito de direito. É frequente o uso da expressão: “Isso é natural, é assim
mesmo...” ou então: “Sempre foi assim, não vai mudar”...
Essas expressões nos remetem à ideia de algo que sem-
SAIBA MAIS pre foi e será da mesma forma, e nunca mudará, inde-
pendente da época e do lugar. É por isso que também
ouvimos expressões como: “É natural que exista a cor-
rupção ou a desigualdade social, pois sempre foi assim”.
Este tipo de pensamento considera que os fenômenos
sociais são naturais, e não leva em conta que são consti-
Novas atitudes dos jovens resultantes do méto- tuídos social e historicamente.
do Cartografia
Desnaturalizar é historicizar as questões sociais ou pes-
• Apresentam visão crítica e ampliada em relação
soais de nosso dia a dia. E para fazer isso é necessário
às questões sociais.
internalizar este modo de olhar e observar, este padrão
• Identificam ativos e necessidades da comunidade.
mental de observação que consiste em estranhar e ques-
• Estabelecem vínculos entre situações da comu-
tionar fenômenos sociais e individuais que parecem
nidade, questões divulgadas na mídia e fatos
corriqueiros. Questionar tais fenômenos significa fazer
históricos.
perguntas para conhecê-los, mesmo que nos pareçam
• Percebem-se como sujeitos de transformação
familiares: “Por que isso ocorre?” “Sempre foi assim?” “É
na comunidade em que vivem.
algo que só existe agora?” “A quem interessa isso?”.
• Propõem ações de intervenção para a melhoria
da comunidade.
A partir da perspectiva do percurso formativo aqui pro-
• Acessam canais de participação e reivindicação.
posto, a análise dos fenômenos sociais será realizada a
partir da imaginação sociológica. Desse ponto de vista, os

4
Ibid. p. 21.

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 28 13/11/2014 19:35:35


P R O J E T O DE V ID A : C A M I N H O S P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O I N T E G R A L [ 29

fenômenos sociais só podem ser compreendidos na sua Nossa aposta é que, por meio de atividades práticas pen-
perspectiva relacional, ou seja, nenhum fenômeno pode sadas a partir desses métodos, o jovem desenvolva um
ser entendido isoladamente; há que se considerar que a ‘jeito de pensar desnaturalizado’, sentindo-se cada vez
explicação de um determinado fenômeno se dá a partir mais empoderado para construir seu Projeto de Vida.
da análise simultânea de diferentes dimensões da vida em
sociedade (política, econômica, histórica, religiosa).
SAIBA MAIS

À medida que desnaturalizarmos o mundo em que vi-


vemos, nos desenvolveremos como sujeitos politizados,
capazes de compreender a dinâmica das relações nas
diferentes culturas e na sociedade em geral. No decor-
rer desse processo aprofundaremos nossa capacidade de
realizar a leitura crítica de mundo, imaginando-o por
Os fenómenos sociais são o objeto das Ciências Sociais.
meio de outras lentes, distintas daquelas que frequente-
Estas estudam os fenómenos ligados à vida dos homens
mente utilizamos.
em sociedade. Designamos por fenómeno um determi-
nado tipo de facto com características comuns e seme-
Estranhar situações conhecidas, inclusive aquelas que fa-
lhantes. O conceito de “fenómeno social total” implica
zem parte da experiência de vida do jovem, é uma con-
que aquilo que o caracteriza é uma multiplicidade de
dição necessária para ir além do senso comum e poder
aspectos que com ele se relacionam. “Marcel Mauss ao
analisar criticamente a realidade, bem como sair da acei-
falar de fenómeno social total, referia-se ao facto (...) de
tação e resignação. Portanto, estranhar é uma atitude que
que as experiências dos atores sociais não são redutí-
se propõe a conhecer a realidade social ou a si mesmo
veis a uma única dimensão do real, as suas implicações
como observador, que “olha de fora”, e não como se fizesse
distribuem-se pelos diferentes níveis do real (...)” (1987,
parte dela.
Marques. In: MESQUITA LIMA. Introdução à Sociologia.
Lisboa: Presença). Este conceito define o real social como
Ao estranhar e historicizar, portanto, o jovem desnatu-
pluridimensional, mas único. fenómeno social.
raliza e desconstrói a ideia de que as coisas ou pessoas
são como são, que não haveria outro modo de ser! Na
In: Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2014.
proposta metodológica aqui apresentada, esse jeito de
Disponível na www: <URL: http://www.infopedia.
pensar é resultado da prática da Imaginação Sociológica
pt/$fenomeno-social> Acesso em 06jul2014.
e das ações de Cartografia. Esses métodos contribuem
para a diminuição da sensação de impotência vivida pe-
los jovens em situações sociais desfavoráveis, na busca
da produção de um sentimento de pertencimento e po-
tência. Desse modo, suas escolhas e projetos tornam-se
mais genuínos, críticos e contextualizados, privilegian-
do a singularidade, mas também com um olhar para o
coletivo e mais cidadão.

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 29 13/11/2014 19:35:35


30 ] A C Ã O C O M U NI T Á R I A D O B R A S I L

Atividades do projeto de vida

Objetivo | Promover a reflexão do jovem


sobre seus gostos e preferências, relacio-
nando-os com as demandas de seu Projeto
de Vida

Coisas que me fazem feliz Coisa que me fazem infeliz

Livros Ver gente que eu gosto ir embora


Chocolate Ficar em casa sem nada pra fazer
Meu namorado Sentir-me sozinha
Meus Amigos Ver que o PPT está acabando
Deus Fazer redação
Ser compreendida Ficar sem livros para ler
Presentes Não ter dinheiro
Perfumes Lavar louça
Meu celular Dormir pouco
Dinheiro Egoísmo
Ir à igreja Brigar com meus amigos
Abraços Ver os animais sendo jogados na rua
Meu aniversário Discutir com minha mãe
Encontrar pessoas que pensam como eu Fazer o que eu não quero
Ver minha família unida
Ir ao PPT
Ser eu mesma Produção da jovem Kayene da Siva, 16 anos

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 30 13/11/2014 19:35:35


P R O J E T O DE V ID A : C A M I N H O S P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O I N T E G R A L [ 31

1. Jovens e a metodologia
do Projeto de Vida

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 31 13/11/2014 19:35:38


32 ] A C Ã O C O M U NI T Á R I A D O B R A S I L

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 32 13/11/2014 19:35:38


P R O J E T O DE V ID A : C A M I N H O S P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O I N T E G R A L [ 33

Jovens e a metodologia do Projeto


de Vida

A juventude não é progressista nem conservadora por


índole, porém é uma potencialidade pronta para qual-
quer nova oportunidade”.
Mannhein

P ara o alcance de bons resultados no processo do de-


senvolvimento da proposta metodológica do Projeto de
SÍNTESE

Vida, é fundamental que haja o conhecimento acerca do


perfil dos jovens com os quais trabalhamos. Afinal de que
juventude estamos falando? Enquanto categoria socio-
lógica não podemos defini-la de maneira reducionista,
é preciso considerar questões como gênero, etnia, condi- Crenças sustentadoras da Concepção de Juven-
ção social e econômica, cultura local, momento histórico, tude da Ação Comunitária:
particularidades e referências de cada “tribo”. Também é
Os jovens devem ser reconhecidos como sujeitos de di-
preciso compreender suas expectativas e desafios em re-
reitos que demandam oportunidades de participação,
lação ao presente e ao futuro.
para garantir seu desenvolvimento integral (biológico
psicológico e social).
No entanto, antes da tentativa de compreensão acerca do
Os jovens precisam ser valorizados como atores impor-
perfil dos jovens atendidos, é preciso que haja conheci-
tantes para o desenvolvimento da sociedade.
mento e identificação em relação à concepção de juven-
A juventude não deve ser vista como um período de es-
tude consolidada pela Ação Comunitária ao longo dos
pera ou transição, mas como uma fase da vida em que é
anos. Este é o ponto de partida para a consecução de pro-
preciso reconhecer as potencialidades e a capacidade de
postas com possibilidades e potencial de sucesso.
produção, criação e intervenção dos jovens.
Os projetos desenvolvidos com o público jovem preci-
Os jovens beneficiados pelos Programas da Ação Comu-
sam potencializar a capacidade dos jovens em qualificar
nitária pertencem a famílias de baixa renda, moradoras
seus projetos de vida.
da periferia da região sul de São Paulo e de municípios
Os projetos com foco no desenvolvimento profissional
vizinhos. Pertencem à faixa etária de 15 a 18 anos e são
dos jovens devem considerar a perspectiva do trabalho
estudantes do ensino médio de escolas públicas de São
decente (Mais e melhor educação; Conciliação de estu-
Paulo. Mesmo vivendo em um contexto de vulnerabilida-
dos, trabalho e vida familiar; Inserção ativa e digna no
de, muitos desses jovens contam com o apoio de seus fa-
mundo do trabalho; Dialogo social).
miliares para participarem de projetos pontuais com foco

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 33 13/11/2014 19:35:38


34 ] A C Ã O C O M U NI T Á R I A D O B R A S I L

na busca de melhor qualificação para a inserção no mundo


SAIBA MAIS
do trabalho e de preparação para a vida. Logo, é preciso
reconhecer essas famílias como aliadas no processo de
formação dos jovens e saber que exercem um papel muito
importante na construção do Projeto de Vida de cada um
deles. Pode não parecer, mas os jovens estão muito aten-
tos aos valores e atitudes de seus familiares e educadores,
identificando aspectos de que não gostam e outros que lhes A temática Identidade permeia todo o processo de
agradam, concordando, rejeitando e refletindo. desenvolvimento pessoal e social do adolescente, cons-
tituindo-se no eixo em torno do qual as aprendizagens
Como sinalizamos anteriormente, o pilar principal do pro- vão se organizar e consolidar-se.
cesso formativo é a construção de um Projeto de Vida. Não O facilitador, ao desenvolver esta temática, deve funda-
se trata aqui de um projeto de vida hermético e definiti- mentar o seu trabalho nos seguintes pontos:
vo, especialmente porque estamos falando da juventude
que, na elaboração de seus projetos, quaisquer que sejam, • Autoconhecimento: processo de tomada de cons-
lançam mão de diversas e intensas experiências: de pensa- ciência de si: do seu nome, seu corpo, seus afetos,
mentos, palavras e ações. Nessa fase da vida, os jovens se suas emoções; seus limites, suas dificuldades; seus
colocam diferentes questões: Quem sou eu? Quem quero valores, suas aptidões e sua história de vida (...)
ser? Qual o sentido da vida? Quem as pessoas acham que • Autoestima: valor que o sujeito se atribui; afetivida-
eu sou? No que vou trabalhar? Entre outras questões prá- de que dirige a si próprio (...)
ticas e até filosóficas.
SERRÃO, Margarida; BALEEIRO, Maria Clarice. Aprendendo
Nesse processo de descoberta, o jovem vai construindo sua a Ser e Conviver. 2ª ed. São Paulo: FTD, 1999, p.65- 66.
identidade, explorando novas experiências, estabelecendo
relação com o mundo que o cerca e fazendo escolhas.

Em relação aos jovens atendidos em nossos projetos, pode-


se dizer que estes, geralmente, “tem um tempo menor para
tomar decisões” no que se refere à empregabilidade, quando
comparados a jovens de camadas sociais mais favorecidas. rio de ingresso precoce de jovens na vida produtiva e para
Mesmo com o apoio da família, os recursos financeiros são diminuir estruturalmente a desigualdade social relaciona-
limitados e há cobranças para que eles se posicionem mais da ao emprego juvenil.
rapidamente em relação ao trabalho. Devido a essa realida-
de, muitas vezes, estes jovens sujeitam-se a ocupações que Outro aspecto que influencia no ingresso dos jovens no
oferecem condições precárias. mundo do trabalho é a “pressão” exercida pela sociedade de
consumo que, por meio de propagandas e campanhas, cria
Cabe ressaltar que a dinâmica deste contexto não é a mes- padrões sociais que influenciam decisivamente nas escolhas
ma para todas as famílias de baixa renda, já que uma parte dos jovens. Ao fazer essas escolhas ficam imbuídos de senti-
delas investe no adiamento da inserção do jovem no mun- mento de pertença social. No entanto, esses padrões e ideais
do do trabalho. No entanto, realidades como essas, ainda de consumo determinados pelo mercado são conflitantes
não ganharam a dimensão necessária, para mudar o cená- com a realidade da maioria de nossos jovens.

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 34 13/11/2014 19:35:38


P R O J E T O DE V ID A : C A M I N H O S P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O I N T E G R A L [ 35

Além disso, o jovem precisa desenvolver outras com-


PARA REFLETIR petências exigidas pelo mundo do trabalho como, por
exemplo, capacidade de trabalho em equipe, iniciativa,
flexibilidade, polivalência e, acima de tudo, disponibilida-
de para aprender sempre.

Ainda sobre a proposta metodológica, pode-se dizer que é


(...) ao lado das ações que estimulem o ingresso dos jo- fundamental criar espaços de participação, por meio dos
vens no mercado de trabalho, são fundamentais ações quais o jovem possa opinar, discordar, propor e compor
na perspectiva do trabalho decente, incluindo aquelas com seus pares e educadores, enfim Participar. Ao exer-
dirigidas à melhoria das suas condições de empregabili- citar a participação no espaço educativo, ele se prepara
dade, tais como ações para a elevação da escolaridade e para fazê-lo em esferas de decisão coletiva que impactam
estímulo à qualificação profissional. diretamente a sua vida e a de sua comunidade. Esse con-
texto metodológico contribui para o desenvolvimento do
Prioridade 3 - Agenda de Trabalho Decente para jovem enquanto sujeito de direito à medida que oferece
a juventude espaços para reflexão, manifestação, expressão, associa-
ção e acesso à informação.

Nossa aposta é que essa metodologia promova experiências


PARA REFLETIR
diversificadas em que o jovem se aproprie dos fatos sociais
que o envolvam e desenvolva criticidade no que diz respeito
à dinâmica social, ampliando seu repertório para tomar deci-
sões. Em relação ao trabalho, por exemplo, que ele aprenda a
diferenciar as oportunidades no mercado formal e informal,
compreendendo os conceitos e a conjuntura das situações
Os alunos do ensino médio são os que apresentam maior
de emprego, desemprego e subemprego no país em que vive.
defasagem no aprendizado. Menos de um terço, 29,2%
Além disso, que consiga identificar os aspectos favoráveis e
dos estudantes conhecem a língua portuguesa da forma
desfavoráveis à efetivação do seu Projeto de Vida.
adequada ao período de estudo e apenas 10,3% sabem
matemática proporcionalmente ao ano de ensino.
Outro aspecto a ser mencionado sobre os jovens é o desafio
relacionado às defasagens que apresentam em relação aos
Relatório De Olho nas Metas do movimento Todos pela
conteúdos escolares como, por exemplo, domínio da escrita
Educação (TPE)
e matemática, o que impacta diretamente em sua inserção
no mundo do trabalho. Os melhores postos de trabalho não
são destinados aos jovens que apresentam tais dificuldades, Comumente, os jovens dizem que não são ouvidos e con-
ao contrário, o cenário que se vislumbra é de empregos pre- siderados. Ao construir um Projeto de Vida, eles perce-
cários e informais. Portanto, é fundamental que no processo bem que participar é direito e responsabilidade de todos,
formativo o jovem reflita sobre suas defasagens, sendo mas acima de tudo uma oportunidade de crescimento.
apoiado em atividades de autoavaliação que promovam não Também são provocados a observar que existem vários
somente esta reflexão, mas também a própria valorização jeitos de participar, considerando as características pes-
da escolarização. soais, os saberes de cada um e os papeis sociais, o que é

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 35 13/11/2014 19:35:39


36 ] A C Ã O C O M U NI T Á R I A D O B R A S I L

importante para sentirem-se autoconfiantes e desenvol-


verem o respeito à diversidade na interação com outras
pessoas... Essa é a riqueza da participação!
“ As atividades do Projeto de Vida me ajudaram na
organização dos meus pensamentos, opiniões e fatos que
vivi. Estou no ensino médio e escuto muito a pergunta:
Que faculdade pretende cursar? Pensar no meu futuro e
Ainda sobre a participação dos educandos, pode-se afir- organizá-lo em partes me ajudou a ter um futuro. Foi uma
mar que esta representa um ponto chave no processo de mão na roda!”.
aplicação da metodologia, uma vez que possibilita ao edu- Sandy da Luz Aparecida Silva, 15 anos
cador confirmar ou afastar hipóteses, reorganizar estraté-
gias e rever abordagens, aproximando-se cada vez mais de
uma descrição fidedigna dos jovens, à medida que estes se
revelam e se transformam a cada atividade proposta.
“ Foi muito legal. Eu ficava me imaginando no futu-
ro, em como seria quando terminasse a faculdade, se
eu seria um bom profissional. Pensava em formar uma
família e em muitas outras imaginações, que forma-
O reconhecimento dos jovens como sujeitos de direitos é ram meu Plano de Ação”.
a base, para que estes passem a ser vistos pela sociedade Luan de Moraes Eleutério, 17 anos“
como coparticipantes na construção de um mundo de-
mocrático. Tal premissa só pode ser colocada em prática,

O Projeto de Vida ajuda você a se descobrir aos pou-
à medida que canais de diálogo são estabelecidos a fim de cos. Me ajudou a dividir por etapas o que realmente que-
dar voz ao público jovem. ro pro meu futuro. Aprendi a tomar decisões pra que eu
possa me dar bem daqui pra frente”.
Depoimentos de jovens que vivenciaram a Ayla dos Santos Pontes, 16 anos
metodologia do Projeto de Vida

“ Para mim foi muito importante fazer o Projeto de


Vida, pois foi uma experiência ótima, saber um pouco
“ Por que fazer um PROJETO DE VIDA? Era o que
mais me perguntava antes de conhecer o PPT! Possuía
muitos sonhos, desejos, ideias. Sempre cultivei muitos
mais do meu passado, ver quem eu era e como cresci, e planos para o futuro, mas o que fazer para trazê-los até
como vim evoluindo durante o tempo”. o mundo real? Percebi que uma forma interessante de
Felipe Queiroz da Hora, 16 anos realizá-los era fazer um PROJETO DE VIDA”
Isabella Colvara, 16 anos

“ O Projeto de Vida me ensinou mais de mim, me mos-


trou mais da vida e com ele pude ver a vida de um modo
mais amplo. Aprendi a ter uma nova visão sobre coisas “ Ao ler minhas atividades do portfólio me senti como
um leitor que vibrava ao recordar sua história de vida.
que sempre achei ser de outro jeito. Me trouxe mais força Foi como viajar numa máquina do tempo, pensar no
e confiança sobre quem eu sou e quem eu quero ser ”. que vivi e no que quero viver”.
Joice Elen Vieira Souza, 16 anos Emerson Ferreira de Souza, 15 anos

“ Sempre fui muito sonhadora, mas nunca tinha planeja-


do sonhos e dado metas para eles. Com o Plano de Ação te-
nho possibilidades reais. Vou correr atrás de cada sonho”.
Karine Souza Castelanelli, 17 anos

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 36 13/11/2014 19:35:39


P R O J E T O DE V ID A : C A M I N H O S P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O I N T E G R A L [ 37

2. Educadores e a metodologia
do Projeto de Vida

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 37 13/11/2014 19:35:40


38 ] A C Ã O C O M U NI T Á R I A D O B R A S I L

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 38 13/11/2014 19:35:40


P R O J E T O DE V ID A : C A M I N H O S P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O I N T E G R A L [ 39

Educadores e a metodologia do
Projeto de Vida

O sujeito que se abre ao mundo e aos outros inaugura


com seu gesto a relação dialógica em que se confirma
como inquietação e curiosidade, como inconclusão em
permanente movimento da História.”
Paulo Freire 

D entre tantas questões para o educador que trabalha


com o público jovem, é tarefa fundamental desse profis-
vislumbrar um futuro melhor para si e para a coletivi-
dade, mas também existirão aqueles que não acreditam
sional conhecer o contexto no qual atuará, investigando a que podem aprender e que não acreditam em si mes-
relação que os diferentes grupos juvenis estabelecem com mos. Nesse sentido é preciso procurar descobrir o que
a escola, com o mundo do trabalho, com a família, com o jovem é, o que sabe, o que traz consigo, o que ele se
suas comunidades, com a mídia, com a violência, com mostra capaz de fazer.
o tempo livre, com seus sonhos, angústias e frustrações.
Nesse sentido, o educador é sempre um estudioso, pois A autoestima é uma questão muito forte na juventu-
educar é tarefa desafiadora, emancipadora e repleta de de, não é mesmo? É também para esse público que os
certezas, incertezas e descobertas. educadores devem investir e canalizar suas ações, de
maneira que esses jovens possam olhar para si mes-
Mas qual o perfil desse educador? Na construção de mos e perceber suas potencialidades, descobrindo
projetos de vida, o educador mais do que oferecer res- que são capazes, como quaisquer outros, de produzir,
postas e garantias, promove a ampliação da visão do criar e intervir.
jovem na intenção de contextualizar percursos e pro-
blematizar certezas. A partir de um processo de autoco- Muitos manuais para educadores falam em “considerar o
nhecimento, pauta sua atuação num profundo respeito ponto de vista dos jovens”. Pode parecer simples, mas
à alteridade, singularidade e integridade do jovem. não é! Isso implica em uma reeducação do olhar sobre
eles, evitando olhá-los a partir do que lhes falta, mas a
Ser educador é uma imensa responsabilidade, não se partir de suas potencialidades. Para que a verdadeira es-
trata apenas de transferir conhecimentos, exige respei- cuta se realize é preciso lançar mão de estratégias que os
to aos saberes dos educandos, criticidade, postura ética, ajudem a pensar sobre si e o mundo, sem fazer julgamen-
humildade, tolerância, aceitação do novo e rejeição a tos morais. Esse tipo de posicionamento promove o reco-
qualquer forma de discriminação. Certamente haverá nhecimento dos saberes dos jovens, o que é fundamental
aqueles que conseguem sonhar, estabelecer objetivos e para o estabelecimento do vínculo educador-educando.

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 39 13/11/2014 19:35:40


40 ] A C Ã O C O M U NI T Á R I A D O B R A S I L

PARA REFLETIR
uma diversidade de hábitos, gostos, valores e modos de viver.
Mas os hábitos dos chineses ou de nossos vizinhos e amigos,
como citados no exemplo, se estabeleceram por motivos que
lhes são peculiares e possuem trajetórias e histórias próprias
que lhes fazem algum sentido. Ao percebermos a realidade
de modo histórico, instalamos o raciocínio de que as coisas
O papel do educador não é propriamente falar ao edu- poderiam ser diferentes, que são diferentes em outros luga-
cando, sobre sua visão de mundo ou lhe impor esta res, em outras condições.
visão, mas dialogar com ele sobre a sua visão e a dele.
Sua tarefa não é falar, dissertar, mas problematizar a re- Essas situações e fatos não são naturais, ao contrário, são
alidade concreta do educando, problematizando-se ao o resultado e produto da nossa cultura, existem explica-
mesmo tempo. ções para isso, é possível compreender as causas desses
fenômenos. Promover a desnaturalização é ofertar opor-
Paulo Freire tunidades de aprendizagem em que o jovem desenvolve a
capacidade de lançar um olhar de estranhamento sobre a
realidade, um olhar curioso, crítico, como se a todo o mo-
Se o objetivo é que os jovens diversifiquem seus modos mento nos questionássemos, porque as coisas são assim,
de ser e estar no mundo, é preciso que os educadores ex- afinal de contas? Reavivar a curiosidade dos jovens, por
perimentem diferentes modos de vê-los e valorizá-los. meio desse estranhamento, nos parece mais importante
do que ter respostas definitivas. A capacidade de olhar as
Outro ponto importante a ser considerado pelo educa- coisas por meio dessa “lente” do estranhamento é uma po-
dor refere-se à definição de estratégias que promovam a derosa ferramenta para os jovens terem cada vez mais con-
desnaturalização dos fatos, como já abordamos anterior- dições de fazer leituras mais abrangentes e propositivas.
mente. Às vezes, situações cotidianas nos parecem natu-
rais, mas efetivamente não são. Seguem alguns exemplos:
acostumamos-nos com meninos nos faróis, com velhos PARA REFLETIR
catadores de papelão, com cenas de violência entre tor-
cidas de times, com homens que batem em suas com-
panheiras, entre tantos outros fenômenos sociais. Essas
situações e fatos parecem fazer parte da paisagem urbana;
de tanto vê-las nossa visão já não tem profundidade, pois A função social do educador é ser agente de transfor-
como diz o poeta Otto Lara Resende “muitas vezes o que mação. Cabe a ele auxiliar na organização dos desejos
nos cerca, o que nos é familiar já não desperta curiosida- e necessidades da população com a qual trabalha. Ele
de”, ou seja, nos parecem naturais. se constitui numa referência para a comunidade, parti-
cipando da estruturação do movimento popular a partir
Ainda nesta perspectiva, pode-se citar outro exemplo: um do seu trabalho com os jovens. Sua função não se res-
brasileiro ao visitar a China poderia facilmente estranhar ou tringe ao trabalho com os grupos, mas amplia-se para as
se espantar com alguns hábitos alimentares como, por exem- famílias e a comunidade em geral.
plo, a ingestão de insetos, alguns deles ainda vivos, inclusive!
Margarida Serrão e Baleeiro
E às vezes não é preciso ir tão longe. Na sua própria cidade e
mesmo na própria comunidade provavelmente deve existir

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 40 13/11/2014 19:35:40


P R O J E T O DE V ID A : C A M I N H O S P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O I N T E G R A L [ 41

Educadores somente conseguirão construir condições fa- SÍNTESE


voráveis ao desenvolvimento integral dos jovens, se acre-
ditarem que sua função social é de agente de transforma-
ção. Esse é o primeiro passo do ofício de educar.

Por fim, é importante dizer que não basta ao educador


considerar-se como agente de transformação e dominar Atitudes a serem consideradas pelo educador em sua
o conhecimento necessário para o desenvolvimento das prática com os educandos. O Educador deverá...
ações formativas com os jovens. Também é preciso ter a
• Conhecer as políticas para a juventude e o perfil
capacidade de organizar os conteúdos e estratégias a se-
dos jovens com os quais atua.
rem trabalhadas com os educandos assim como refletir
• Compreender que cada grupo de jovens possui
sobre a aplicação e efeitos das mesmas, na perspectiva da
suas características e adequar seu olhar e sua prá-
“ação-reflexão-ação”, como abordou Paulo Freire.
tica a esse contexto.
• Acompanhar o jovem durante todo esse processo
É fundamental para o planejamento da prática educativa,
de descoberta, de forma continuada, encorajan-
que o educador mantenha um fluxo constante de reflexão
do-o e fornecendo dados de realidade para subsi-
sobre suas intervenções. Cada ação gerará uma nova re-
diar suas possíveis escolhas.
flexão, que reestruturará uma nova ação a ser realizada,
• Subsidiar o jovem na análise de contexto, ofertan-
a depender da realidade e da dinâmica de aprendizagem
do informações e meios para interpretá-las.
de cada educando. À medida que este processo acontece,
• Conduzir o jovem para que perceba que suas esco-
o educador revê seus valores, tradições e “certezas”, am-
lhas são influenciadas por dois grupos de fatores: os
pliando seu conhecimento sobre os jovens, aprimorando
favoráveis e os desfavoráveis.
o canal de comunicação com estes e explorando uma sé-
• Criar contextos para que o jovem reflita sobre as
rie de lições aprendidas.
mesmas questões, retomando valores, conceitos e
dúvidas, a fim de aprofundar o aprendizado.
Nesta perspectiva, outro aspecto a considerar e a ser ex-
• Orientar o processo de autoconhecimento e de to-
plorado é o registro da prática educativa. Ao registrar
mada de decisão do jovem, fazendo boas pergun-
as ações pretendidas e aquelas realizadas, o educador se
tas, que provoquem a reflexão.
debruça sobre a realidade, problematizando-a e estabele-
• Criar espaços para troca entre os jovens, cuidando
cendo relações. Ao fazer isso, reorganiza e ressignifica a
para que não haja constrangimentos e falta de res-
ação educativa, tanto para si, como para o educando. Des-
peito com a diversidade.
ta forma, as situações de aprendizagem tornam-se mais
• Investir na relação educador-educando.
dinâmicas, estimulantes, significativas e surpreendentes.

Com o intuito de contribuir para a formação de um edu-


cador reflexivo, que registra sua prática e se nutri a partir
dela, segue um exemplo de registro de planejamento de
atividades de uma oficina de Projeto de Vida:

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 41 13/11/2014 19:35:41


42 ] A C Ã O C O M U NI T Á R I A D O B R A S I L

Modelo de Registro do Planejamento de Atividades

Nome do Educador:
Carga horária total: pode ser adequada de acordo com o projeto a ser realizado.
Objetivo geral: Promover atividades aos jovens, que viabilizem a construção do Projeto de Vida.

Avaliação do educador
Objetivo Estratégias Recursos Observações
(pós atividade)
Espcífico

Apresentar a proposta Compartilhar com os jovens Equipamentos para a Esse momento não exige Nesse item o educador registrará
de construção do Proje- um vídeo, trecho de um filme, projeção do vídeo ou filme aprofundamentos, já que a suas reflexões, demandas e
to de Vida aos jovens e texto ou imagem, que provo- (data show ou televisão). idéia é sensibilizar os jovens encaminhamentos.
sensibilizá-los sobre sua que a reflexão sobre o futuro; sobre a importância de plane-
importância no alcance Propor uma roda de conversa, Quadro branco ou flip jar sonhos, transformando-os
dos sonhos e objetivos para que socializem sua chart para anotações. em objetivos e definindo o
pretendidos. opinião sobre o material com- caminho a percorrer para
partilhado, utilizando questões, alcançá-los.
como por exemplo: O que
acharam do vídeo? É preciso ter cuidado para
não expor nenhum jovem. Se
Ele faz vocês pensarem em estes abordarem questões
quê? Qual a relação do vídeo muito particulares, dizer que
com o futuro? É importante todos terão oportunidade de
pensarmos no futuro? Por refletir sobre estas ao longo
quê? Como definimos o que do processo de formação.
queremos para nosso futuro? É
fácil definir objetivos? Como é Se for o caso, procurar o
isso nos dias de hoje? Existem jovem após a atividade para
maneiras diferentes de definir o conversar.
que queremos para o futuro?

Solicitar que os jovens deem o


exemplo de um sonho e traçar
um esboço de planejamento
(objetivo, meta, passo a passo),
para que ele se realize;

Apresentar a proposta de
construção do Projeto de Vida,
indicando uma das maneiras
de se projetar o futuro;

Convidar os jovens para que


construam seu Projeto de Vida
e realizem várias atividades ao
longo do processo formativo.

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 42 13/11/2014 19:35:41


P R O J E T O DE V ID A : C A M I N H O S P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O I N T E G R A L [ 43

3. Percurso formativo para a construção


de projeto de vida

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 43 13/11/2014 19:35:41


44 ] A C Ã O C O M U NI T Á R I A D O B R A S I L

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 44 13/11/2014 19:35:41


P R O J E T O DE V ID A : C A M I N H O S P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O I N T E G R A L [ 45

Percurso formativo para a


construção de projeto de vida

Saber que ensinar não é transferir conhecimento, mas


criar as possibilidades para a sua própria produção ou
a sua construção.”
Paulo Freire 

V amos agora abordar de forma detalhada o Percur-


so Formativo para Construção do Projeto de Vida de-
Em seguida, ele busca informações para entender o pre-
sente, etapa que denominamos de CONTEXTO. A ativi-
nominado Raiz, Contexto e Asa. Ele faz parte de uma dade essencial desta fase é a “Ação Protagônica”.
proposta metodológica mais ampla, cuja centralidade
é o Direito ao Projeto de Vida e é amparado pelos re- Por fim, o jovem projeta o seu futuro, construindo o
cursos didáticos dos métodos, Imaginação Sociológi- “Plano de Ação”, etapa que denominamos de ASA.
ca e Cartografia.
As atividades mencionadas serão descritas na parte IV
Cabe ressaltar que os dois métodos citados embasam as deste livro.
atividades propostas. Tanto as atividades da “Raiz”, como
as do “Contexto” e da “Asa” propõem situações, para que Cabe ressaltar que apesar de o fluxograma de atividades
os jovens compreendam sua vida a partir da análise de estar organizado numa ordem cronológica, o processo de
contextos sociais e históricos mais amplos, alterando suas reflexão e desenvolvimento dos jovens não é linear. Uma
próprias maneiras de ver, sentir, pensar e perceber seu en- descoberta sobre o passado, por exemplo, poderá acon-
torno e o mundo. tecer no momento em que o jovem realiza atividades do
futuro. Os educandos podem repetir os exercícios, reto-
A seguir é apresentado o fluxograma representativo do mando-os sempre que necessário. Esse processo ocorre
percurso formativo, que indica as etapas vivenciadas pelo num movimento de descoberta constante, no qual o papel
jovem na construção do Projeto de Vida. do educador como facilitador é fundamental. Ele precisa
instigar e apoiar o educando na busca do autoconheci-
Num primeiro momento, o educando realiza exercícios mento e dos fatos ainda desconhecidos.
relacionados à investigação do seu passado, etapa que de-
nominamos de RAIZ. Uma atividade central desta fase é a
“Árvore Genealógica das Profissões”.

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 45 13/11/2014 19:35:41


46 ] A C Ã O C O M U NI T Á R I A D O B R A S I L

Fluxograma do percurso formativo do jovem

Planejar é olhar para frente? Claro que sim. Afinal de con- comportamento requer estratégias, escolhas, investiga-
tas planejar é um gesto de organizar ações para atingir- ções, análise de informações do passado e do presente.
mos objetivos bem definidos para o futuro. No entanto, se
não houver desejo de mudança, não há Plano ou Projeto. Procedendo dessa maneira o resultado será o sucesso?
Ainda mais, não existe possibilidade de planejamento se Ninguém pode afirmar isso com a mais absoluta certeza,
não tivermos consciência do presente e uma boa noção mas quanto mais nos prepararmos para a fase de plane-
do passado. O seguinte exemplo reforça tal pensamento: jamento, maiores as chances de sucesso. É sobre isso que
todo começo de ano uma pessoa faz planos e projetos re- desejamos refletir. Mas não sem antes fazer uma obser-
lacionados com sua vida: fazer mais exercícios, se alimen- vação adicional: na breve descrição anterior sobre mu-
tar melhor, estudar mais, dar mais atenção às pessoas que dança de comportamento, falamos de um indivíduo e seu
ama, largar alguns vícios, etc. Quando o ritmo extenuante desejo. Um sujeito, no singular. Mas espere um pouco.
do cotidiano volta, a pessoa comete os mesmos equívocos Tomemos o exemplo de “largar alguns vícios”, como o de
e comportamentos que se propôs a mudar. Comumente fumar. Parar de fumar é uma perturbação pessoal ou uma
diz-se que ela está repetindo o passado. O que lhe falta questão de ordem pública? Em última instância é uma
então? Somente força de vontade? Não parece tão sim- decisão absolutamente individual. Mas é preciso olhar ao
ples assim. Até mesmo um simples plano de mudança de redor, abandonando as barreiras que parecem transfor-

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 46 13/11/2014 19:35:41


P R O J E T O DE V ID A : C A M I N H O S P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O I N T E G R A L [ 47

mar um dado problema em algo único. Quantas pessoas familiar e em análises de conjuntura e contexto social da
passam pelo mesmo problema? Se o drama fosse único realidade atual.
existiriam campanhas governamentais para deixarmos
esse terrível vício? O que representam aquelas fotos no Um jovem será levado então a olhar para sua RAIZ –
verso dos maços de cigarro? Por que não vemos mais ape- sua origem, sua história pessoal e familiar. E certamente,
los publicitários na televisão? É preciso perceber como a partir desse exercício, poderá compreender, em parte,
as coisas mudaram e são amplas. Ao problematizarmos quais processos e relações influenciaram sua história de
desta forma, concluímos que se trata aqui de uma questão vida. Ele precisa olhar para o passado percebendo que este
de ordem pública. está vivo em nós e se manifesta a todo instante nas nossas
ações e nas perspectivas de futuro. Ao longo desse processo
Seguindo a mesma lógica, pode-se pensar noutro exem- conseguirá vislumbrar sua história familiar para além da
plo: um jovem participou do vestibular de uma univer- “superfície”, das situações aparentes, alcançando uma pro-
sidade pública e não foi aprovado. Passar no vestibular é fundidade que lhe permite compreender o sentido de suas
uma questão apenas de meritocracia? Os jovens apresen- próprias escolhas. A partir da investigação da memória de
tam as mesmas condições para obterem esta aprovação? seus familiares, busca informações que lhe possibilitam re-
As chances de ingresso no ensino superior público são alizar uma leitura crítica do passado. Em resumo, poderá
iguais para todos os cursos oferecidos? Quais os cami- afirmar com maior clareza: de onde venho.
nhos para obter preparo, para que este objetivo seja al-
cançado? O que são as cotas de acesso às universidades A pesquisa sobre a origem pessoal e familiar contribui
públicas? Quais as diferenças entre o ensino público e o para o alargamento da percepção do CONTEXTO em
privado? Novamente, com estas perguntas esta questão é que vive. Todos nós analisamos, de maneira informal nos-
colocada num contexto de ordem pública. so contexto, por meio dos sinais que recebemos do mun-
do exterior. Fazemos isso para melhor entender o mundo
Exercícios e reflexões desse tipo devem orientar a for- ao redor e como ele muda. As atividades do percurso
mação que ofertamos aos nossos jovens. Quando eles formativo pretendem oferecer aos jovens ferramentas
nos apresentam seus desejos, sonhos, medos, temores e para fazerem análises mais conscientes da realidade, ou
planos, o quanto são capazes de perceber o mundo à sua seja, uma análise sistemática do contexto, produzida de
volta? O quanto são capazes de perceber que esses sonhos maneira organizada e com intencionalidade de compre-
e planos não podem ser vistos isoladamente? O quanto ender situações e relações. Esse tipo de análise nos forne-
percebem que eles estão interconectados com seu con- ce uma percepção mais dinâmica da realidade, para além
texto social? das aparências. No entanto, não se trata de uma tarefa
fácil, pois a realidade é sempre multifacetada, e é preciso
O planejamento aqui estruturado deve conter então a disciplina e estudo para compreender as inter-relações
capacidade de utilizar o passado, o presente e as leituras que formam uma totalidade. Em resumo, o jovem poderá
mais amplas do contexto na busca pela criação de um afirmar com maior clareza: onde estou.
planejamento, de um projeto de vida. A Ação Comunitá-
ria no desenvolvimento de seu trabalho com jovens lança Feitos os dois primeiros exercícios, os desejos poderão ser
mão da estratégia “Percurso Formativo para a construção mais bem estruturados, consolidando um plano, um pro-
de Projetos de Vida”. Trata-se de um recurso pedagógico jeto de vida construído com base em dados, informações
para favorecer os jovens a elaborarem planos de ação ba- e posicionamentos, ofertando ASA para um futuro mais
seados na investigação de suas histórias de vida pessoal e provável, que demandará esforços, perseverança e toma-

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 47 13/11/2014 19:35:42


48 ] A C Ã O C O M U NI T Á R I A D O B R A S I L

das de decisão. “O futuro é uma astronave que tentamos de cristalizar tais respostas. A maturidade pode mudar
pilotar”, ele não está predeterminado, nem tampouco de- sua visão de passado e futuro, mas o intuito é lhe permi-
pende exclusivamente de cada indivíduo, somos produto tir a construção de uma base mais sólida, de onde possa
do meio ao mesmo tempo em que o construímos. partir sua capacidade de desenhar seu futuro.

Para transformar visão de futuro em ações não basta Para tanto não esgotaremos, nesse momento, o método
apenas que o jovem considere seus sonhos intangíveis, empregado pela Ação Comunitária na construção de
mas que tenha uma visão contextualizada, capaz de um projeto de vida. Apenas apresentaremos, em cada
orientar e diversificar suas escolhas, considerando a um dos princípios e etapas do planejamento de vida,
sociedade em que vive. Em resumo, poderá vislumbrar um exemplo de atividade que deve ser sempre pensa-
com maior clareza: para onde vou. do, aperfeiçoado e trabalhado. No caso da Raiz, ou de
responder de onde vim, o intuito é pensar na Árvore
Note que destacamos três pontos essenciais: a Raiz, o Genealógica das Profissões, como exercício capaz de in-
Contexto e a Asa. Esse percurso deve levar os jovens a vestigar a história, servindo de pretexto para um olhar
refletirem com maior profundidade três perguntas bá- amplo sobre o passado. No caso do Contexto, o mape-
sicas: De onde venho? Onde estou? Para onde vou? O amento do bairro permitirá investigar a realidade em
desafio de todo esse trabalho é buscar respostas para tais busca de uma Ação Protagônica. Por fim, no caso da
questões, na verdade: ofertar ao jovem uma visão mais Asa, o intuito é que esse voo para o futuro traga consi-
ampla de mundo, capaz de lhe permitir buscar respostas go um desenho da projeção de futuro por meio do que
consistentes para tais indagações. Isso sem a pretensão chamamos de Plano de Ação.

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 48 13/11/2014 19:35:42


P R O J E T O DE V ID A : C A M I N H O S P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O I N T E G R A L [ 49

Descrição da atividade Árvore Genealógica das Profissões

Princípio Atividade Descrição e resultados dessa atividade

O que é?
Investigação da história de vida dos familiares com ênfase nos aspectos escolar e profissional por
meio de diálogo previamente orientado pelo educador.

Para quê?
Contribuir para a construção da identidade do jovem favorecendo o Aprender a Escolher nos âmbi-
tos escolares e profissionais.

Como faz?
1º - Levantar previamente com os jovens as informações e hipóteses que estes têm a respeito da
história de vida de seus familiares. O levantamento pode ser realizado por meio de roda de conversa
e registro individual.
2º - Orientar o diálogo a ser realizado com os familiares a partir das seguintes perguntas: Quem
são meus antecedentes? Como eles eram ou são? E meus avós? E meus pais? Em que trabalham?
Frequentaram a escola? Ainda estudam?
3º - Solicitar ao jovem que desenhe ou organize, de acordo com suas habilidades, uma árvore
genealógica com as informações obtidas no diálogo com seus familiares: nome, idade, grau de
parentesco e profissão.
4º - Solicitar aos jovens que realizem uma pesquisa sobre as profissões exercidas por seus familiares,
utilizando recursos diversos (internet, jornal, revista, diálogo com pessoas de referência, etc.). Propor
uma roda de conversa a partir das profissões pesquisadas.

Árvore Para relembrar!


RAIZ Genealógica • O jovem precisa ser preparado para tentar estabelecer uma conversa harmoniosa com seus fa-
das Profissões miliares e não para assumir o papel de entrevistador que precisa dar conta de um questionário.
Ele precisa entender que a proposta da atividade é ampliar o conhecimento sobre sua história
de vida, e isso inclui a trajetória de seus familiares, o que não significa que não conseguir infor-
mações de imediato comprometa seu projeto de vida.
• Cada família tem sua própria dinâmica, configuração e um jeito particular de lidar com esses
aspectos.
• O educador também precisa cuidar para que o espaço de socialização seja seguro e focado em
questões coletivas, o que evita exposições e constrangimentos ente os jovens.

Quais as possibilidades de impacto no jovem?


• Melhor compreensão de sua história de vida.
Mudança positiva na relação com familiares.
Reconhecimento da trajetória e do empenho profissional dos familiares.
Desejo de ir além das conquistas de seus familiares.
Autoestima fortalecida.
Consciência das oportunidades que podem viabilizar um futuro promissor.
Aprendizado sobre os meios/recursos para realização de pesquisa sobre as profissões.
• Desenvolvimento da capacidade de analisar contextos a partir de informações particulares,
utilizando a pesquisa por meio de recursos diversos (internet, jornal, revista, entrevista, diálo-
go informal, etc.).

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 49 13/11/2014 19:35:42


50 ] A C Ã O C O M U NI T Á R I A D O B R A S I L

Descrição da atividade Ação Protagônica

Princípio Atividade Descrição e resultados dessa atividade

O que é?
Reconhecimento da paisagem comunitária, das relações existentes no território, da importância de
ações de intervenção na comunidade local e do papel do jovem enquanto agente de transformação
social.

Para quê?
Fornecer ao jovem “chaves” para o conhecimento e compreensão da sua realidade, contribuindo
para que ele desenvolva um olhar crítico sobre a comunidade em que vive, identifique fenômenos
sociais e se reconheça como um sujeito que pode transformar a realidade por meio da cidadania
participativa.

Como faz?
1º - Mediar roda de conversa com os jovens com o intuito de fazer um levantamento sobre o conhe-
cimento e visão destes sobre a comunidade. A ideia é identificar o status de consciência do jovem
antes de qualquer intervenção educativa (Marco Zero);
2º - Realizar com os jovens um tour pela comunidade (Mapeamento do Bairro). É importante que
seja feito um planejamento desta atividade em relação aos seguintes aspectos: horários, trajeto,
divisão dos educandos em grupos; identificação dos jovens com crachá ou camiseta, perguntas
norteadoras para a observação, forma de abordagem dos moradores e comerciantes locais, forma
de registro (fotos, anotações, etc.).
3º - Mediar discussão em grupo a partir das observações e materiais levantados pelos jovens no
Mapeamento do Bairro. Ao final da atividade é possível verificar o status de consciência do jovem
após a intervenção educativa (Marco 1).
Ação 4º - Propor pesquisa para que os jovens busquem mais informações sobre suas observações e
CONTEXTO
Protagônica “conclusões”. Sugerir a utilização de recursos diversos: internet, jornal, revista, conversa com pessoas
da comunidade, professores da escola e familiares;.
5º - Mediar discussão a partir da pesquisa realizada pelos jovens facilitando a identificação de fatos
recorrentes e fenômenos sociais.
6º - Levantar com o grupo de jovens os principais aspectos observados durante todo o processo de
exploração do território e de pesquisa.
7º - Definir com o grupo de jovens o aspecto observado que mais lhe interessa e que ofereça possi-
bilidades de intervenção (propor votação se necessário ou a escolha de mais de um aspecto, se for
possível).
8º - Definir com os jovens a intervenção a ser realizada, considerando as condições disponíveis.
9º - Auxiliar na organização dos subgrupos e nas tarefas a serem realizadas por eles (cronograma,
planejamento, definição dos responsáveis, registros, comunicação com atores externos, etc.). Essa
etapa é nomeada de Marco 2 e refere-se ao desenvolvimento da Ação Protagônica.
10º - Acompanhar o processo de trabalho dos subgrupos.
11º - Avaliar com os jovens a intervenção realizada na comunidade.

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 50 13/11/2014 19:35:42


P R O J E T O DE V ID A : C A M I N H O S P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O I N T E G R A L [ 51

Princípio Atividade Descrição e resultados dessa atividade

Para relembrar!
• O jovem precisa ser estimulado e orientado a comparar as situações que observa em sua comu-
nidade com cenários divulgados pelas mídias, especialmente as de grande circulação (jornais,
revistas, internet, etc.). Desta forma, ele perceberá semelhanças entre diferentes realidades, o
que contribuirá para a ampliação de visão de mundo e para a identificação de questões comuns,
que embasam posicionamentos coletivos.
• O educador precisa envolver a liderança comunitária no processo de formação do jovem, já que
é a comunidade que está em pauta. A participação deste líder deve ocorrer desde o Marco Zero.
• O desenvolvimento da Ação Protagônica (Marco 2) não se restringe ao dia de sua execução.
Ele é iniciado logo após a escolha dos jovens sobre a ação de intervenção a ser realizada. Logo,
inclui a execução e o preparo da ação.

Quais as possibilidades de impacto no jovem?


• Visão ampliada e crítica sobre o contexto social em que vive.
• Desenvolvimento da capacidade de identificação de fenômenos sociais.
• Envolvimento e posicionamentos em relação às questões sociais.
• Descoberta de possibilidades para a resolução de problemas sociais.
• Consciência sobre o reflexo de suas atitudes na sociedade.
• Desejo de contribuir para a melhoria da comunidade.
• Descoberta da viabilidade e dos efeitos de ações coletivas.
• Descoberta de caminhos (instituições, órgãos governamentais, processos) para possíveis
ações de cidadania.
• Desenvolvimento da capacidade de analisar contextos, utilizando a pesquisa a partir de recur-
Ação sos diversos (internet, jornal, revista, entrevista, diálogo informal, etc.).
CONTEXTO
Protagônica

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 51 13/11/2014 19:35:42


52 ] A C Ã O C O M U NI T Á R I A D O B R A S I L

Princípio Atividade Descrição e resultados dessa atividade

O que é?
Projeção de perspectivas de futuro com definição de objetivos e metas construídas a partir de dese-
jos, sonhos e dados concretos da realidade.

Para quê?
Contribuir para que o jovem faça escolhas mais conscientes e éticas, sendo capaz de reconhecer
os processos necessários para o alcance dos objetivos e metas declaradas, assim como os desafios
correspondentes e os meios para superá-los.

Como faz?
1º- Preparar um momento de sensibilização, para que o jovem perceba o sentido e a importância de
estruturar seus desejos, sonhos e objetivos.
2º - Solicitar aos jovens que registrem seus planos para o futuro, elaborando uma lista dos desejos,
sonhos e objetivos que desejam alcançar em um determinado tempo;.
3º- Solicitar que distribuam os sonhos e objetivos em quatro áreas: familiar, educacional, profissional e
social (não há problema se o jovem não apresentar planos para todas as áreas ou se tiver mais de um
plano ou, ainda, se não tiver clareza do que quer).
4º - Propor que os jovens realizem pesquisa sobre os objetivos pretendidos a partir dos seguintes te-
mas: tipos de curso, faculdades, profissões existentes, políticas públicas de acesso ao ensino superior
e ao mercado de trabalho, configurações familiares e sociais, etc.).
5º - Mediar grupos de discussão a partir das pesquisas realizadas pelos jovens.
6º - Apresentar a estrutura do Plano de Ação (anexo 3).
7º - Solicitar que os jovens preencham o instrumento do Plano de Ação, considerando os objetivos
pretendidos após o processo de pesquisa. O Plano deverá ser revisitado ao longo do processo formati-
vo, após cada nova pesquisa e discussão em grupo.
Plano
ASA Para relembrar!
de Ação
• Os sonhos dos jovens representam um elemento muito importante no processo de elaboração do Plano
de Ação. Eles é que geram a força motivadora para que o jovem se envolva com a proposta. Tal fato
não impede que sonhos sejam explorados, se modifiquem ou mesmo, sejam abandonados. O papel do
educador é fazer com que eles sejam compreendidos pelo jovem a partir de um contexto de realidade. A
lógica do Plano de Ação segue a mesma perspectiva, já que este não é imutável, ao contrário, é dinâmico
à medida que o jovem faz novas descobertas sobre si e acerca do mundo em que vive.
• A definição do caminho a percorrer é fundamental, para que os objetivos e metas sejam alcança-
dos. Logo, o educador deve auxiliar o jovem na percepção de que aceitar uma determinada etapa
não significa comprometer o plano como um todo. Muito pelo contrário, para que o projeto de
vida se realize, na maioria das vezes, as pessoas precisam passar por algumas fases em que elas
não se realizam. Na área profissional esta situação é comum.
• É importante que o educador proponha a revisitação de algumas atividades relacionadas ao Plano
de Ação, pois à medida que o jovem retoma um exercício realizado, tem a chance de aprofundá-lo
com novas informações e conhecimentos.

Quais as possibilidades de impacto no jovem?


• Maior Autoconhecimento (potencialidades e pontos a serem desenvolvidos).
• Desenvolvimento da autonomia.
• Declaração de valores e princípios.
• Capacidade de identificar interesses profissionais e estudantis.
• Aprofundamento da leitura de mundo.
• Compreensão de que o planejamento é fundamental nas tomadas de decisão ao longo da vida.
• Realização de escolhas/tomadas de decisão mais conscientes e contextualizadas.
• Capacidade de identificação dos desafios relacionados aos objetivos e metas declaradas, como
de possíveis soluções para alcançá-los.
• Noção dos recursos financeiros necessários para a execução dos objetivos e metas declaradas.

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 52 13/11/2014 19:35:42


P R O J E T O DE V ID A : C A M I N H O S P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O I N T E G R A L [ 53

4 . Reflexões a partir de atividades


realizadas pelos jovensConsidera-
ções a partir de ativida

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 53 13/11/2014 19:35:42


54 ] A C Ã O C O M U NI T Á R I A D O B R A S I L

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 54 13/11/2014 19:35:42


P R O J E T O DE V ID A : C A M I N H O S P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O I N T E G R A L [ 55

REFLEXÕES a partir de atividades


realizadas pelos jovens

A questão está em como transformar as dificuldades em pos-


sibilidades. Por isso na luta para mudar, não podemos ser nem
só pacientes, nem só impacientes, mas pacientemente impa-
cientes. A paciência ilimitada, que jamais se inquieta, termina
por imobilizar a prática transformadora. O mesmo ocorre com
a impaciência voluntarista, que exige o resultado imediato da
ação, enquanto ainda a planeja.”
Paulo Freire 

A s atividades desenvolvidas no percurso formativo


Raiz, Contexto e Asa não são somente estratégias que
processo formativo, coerência e encadeamento entre as
etapas da atividade, registro da prática educativa e clareza
contribuem para o desenvolvimento dos jovens, mas quanto aos indicadores de processo e de resultado.
também funcionam como fonte de informação, para
que o educador aprofunde seu conhecimento sobre o A partir desta perspectiva, apresentaremos breves consi-
público com o qual trabalha, a fim de aprimorar sua derações, com base em produções de jovens realizadas ao
prática educativa. longo desses anos de aplicação da metodologia, que apre-
sentaram aspectos recorrentes, revelando informações
Além disso, cada atividade é embasada por uma concep- sobre o perfil do público atendido e indicando direções e
ção político-pedagógica, o que a faz ser imbuída de in- parâmetros para o desenvolvimento da metodologia.
tencionalidade. Este aspecto precisa ser de domínio do
educador e estar presente em seu planejamento, planos Cabe ressaltar que é por meio da análise deste amplo con-
diários, em sua postura e na relação com o educando. Em junto de produções, que a Ação Comunitária mantém um
outras palavras, a concepção que fundamenta o trabalho fluxo contínuo de avaliação e de aprimoramento das me-
desenvolvido precisa ser traduzida na prática formativa todologias empreendidas junto ao público atendido.
pelo educador, revelando e consolidando um “jeito de fa-
zer” que é construído pela instituição que empreende o Os métodos Imaginação Sociológica e Cartografia fo-
projeto, seus colaboradores e parceiros. Assim sendo, ao ram utilizados no processo de aplicação destas atividades
planejar e executar qualquer estratégia, o educador preci- e seus princípios estão presentes nas reflexões apresenta-
sa considerar algumas premissas, como por exemplo: ga- das na introdução deste livro.
rantia e forma do acolhimento dos jovens; sensibilização
e apresentação dos objetivos e resultados que se pretende As atividades analisadas a seguir foram apresentadas na
alcançar, para que haja participação ativa dos educan- parte III e são: “Árvore Genealógica”, “Ação Protagônica”
dos; garantia de avaliações compartilhadas ao longo do e “Plano de Ação”.

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 55 13/11/2014 19:35:43


56 ] A C Ã O C O M U NI T Á R I A D O B R A S I L

Atividades do projeto de vida

Objetivo | Pesquisar fatos que aconteceram no Fatos que pesquisei:


ano de nascimento, relacionando a história de
vida com o contexto social, a fim de facilitar a 5 de janeiro: João Acácio Pereira da Costa, o Bandido da
construção do Projeto de Vida. Luz Vermelha, é assassinado com um tiro de espingarda,
em Florianópolis, Santa Catarina.

22 de janeiro: Entra em vigor o novo Código de Trânsito


Ano em que nasci Brasileiro.

Nasci em 1998 e muitos fatos marcaram o Brasil. 22 de fevereiro: O desabamento de parte do Condomí-
nio Palace II na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro, destrói 44
Na política, o presidente Fernando Henrique Car- apartamentos e deixa oito mortos soterrados.
doso foi reeleito e Lula adiou novamente o sonho
de assumir a Presidência da República. Foi derrota- 24 de março: Presidente  Fernando Henrique Cardo-
do por FHC logo no primeiro turno. O petista teve so  sanciona com 17 vetos a  Lei Pelé, que estabelece as
21.475.218 votos (31,71% dos válidos). FHC, que novas regras para o esporte no país.
colheu a segunda safra de frutos políticos da esta-
bilização e fim da inflação com o Plano Real, teve 4 de agosto: Francisco de Assis Pereira, acusado de matar
35.936.540 votos (53,06% dos válidos). pelo menos oito mulheres no Parque do Estado em São
Paulo, é preso em Itaqui, Rio Grande do Sul.
Algumas figuras importantes faleceram e deixaram
que o mundo contasse a sua história, que foi escrita 12 de agosto: O  Tribunal Superior Eleitoral  recusa
durante a sua passagem por aqui, entre estas pessoas por unanimidade o pedido de registro da candidatura do
estão o pai do Soul no Brasil, Tim Maia e o ator e ex-presidente Fernando Collor de Mello à presidência da
músico americano Frank Sinatra. República na eleição presidencial de 1998.

No futebol, o ano ficou marcado pela derrota do Bra- 25 de agosto: O ex-policial militar Marcos Aurélio Dias
sil para a França na Copa do Mundo. O placar foi de de Alcântara é condenado a 204 anos de prisão pela jus-
3 a 0 no jogo da final. Perdemos o tão sonhado Pen- tiça do Rio de Janeiro por ter participado da Chacina da
tacampeonato. O Corinthians foi campeão brasileiro Candelária de 1993.
pela segunda vez.
4 de outubro: Fernando Henrique Cardoso é reeleito pre-
Sete meninas estudantes de jornalismo resolveram sidente do Brasil em primeiro turno e torna-se o primei-
usar a comunicação como uma forma de defender os ro presidente a se reeleger na história do país.
direitos das crianças e dos adolescentes. Esta atitude
marcou a vida de muitas crianças e adolescentes”. Produção da jovem: Carla Araujo dos Santos, 15 anos

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 56 13/11/2014 19:35:43


P R O J E T O DE V ID A : C A M I N H O S P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O I N T E G R A L [ 57

Atividade 1: Assim, cabe ao educador pensar em seu papel na cons-


trução consistente das escolhas dos jovens. Por exem-
Árvore genealógica plo: um menino responde que deseja ser jogador de
futebol. Ele se dedica aos treinos desde criança, fre-
quenta uma escola da modalidade e conhece pesso-
SÍNTESE as que jogaram ou jogam profissionalmente, além de
ressaltar sua admiração por jogadores de renome que
estão na mídia. Quais as chances de esses sonhos se
concretizarem? Como saber de tudo que envolve os
desejos desses jovens? Como saber o quanto sua famí-
lia o estimula e apoia nesse sentido?
Proposta da Atividade:

O jovem desenha sua árvore genealógica a partir do diá-


Ao educador não cabe julgamentos e juízos de valores em
logo com seus familiares, com ênfase nos aspectos esco-
boa parte dos casos, mas sim questões e observações que
lares e profissionais.
contribuam para uma leitura de mundo por parte dos jo-
vens. Provocações, quando bem feitas, podem contribuir
de forma expressiva para o amadurecimento de respostas.

O primeiro conjunto de considerações refere-se à investiga-


SAIBA MAIS
ção que o jovem faz de seu passado, a partir do diálogo com
seus familiares e amigos, como a busca de informações para
compreender estruturalmente suas relações com esses sujei-
tos e a história que compartilham. Ao pesquisar a história de
vida, o jovem identifica as influências familiares sobre suas
escolhas e suas respectivas conjunturas. O que não significa,
simplesmente, descartar decisões tomadas, mas se conscien- Carreteiro (2007) conclui que a posição de cada fa-
tizar sobre elas. Tal processo é complexo, uma vez que as es- mília na estrutura social determina significativa, mas
colhas dos sujeitos são influenciadas por uma multiplicidade não absolutamente, a história estudantil e laboral dos
de relações, interesses e acontecimentos. seus filhos. As considerações traçadas são importan-
tes para situar genericamente a questão da influência
O papel do educador nesse processo é muito importan- do projeto familiar sobre o projeto de vida no traba-
te, à medida que acompanha o jovem nesta investigação, lho de seus filhos, marcando as determinações que
fazendo boas perguntas que o levem a perceber “os bas- cada família sofre, em termos de possibilidades e res-
tidores” dos fatos que compõem o “Quem sou eu”. Ao ser trições, ao oferecer elementos para auxiliar na instru-
provocado com intencionalidade e na medida certa, o mentação subjetiva e objetiva desse projeto de vida.
jovem desenvolve a capacidade de problematizar a rea-
lidade, tornado-se um “fazedor de perguntas”, que conse- Ribeiro, M. A. A influência psicossocial da família e
gue estabelecer relações entre as respostas que encontra, da escola no projeto de vida no trabalho dos jovens.
refletindo sobre suas escolhas. Pesquisas e Práticas Psicossociais 5(1), São João del-
Rei, janeiro/julho 2010

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 57 13/11/2014 19:35:43


58 ] A C Ã O C O M U NI T Á R I A D O B R A S I L

Árvore Genealógica das Profissões A

Avô paterno Avó paterna Avô materno Avó materna


– – Antônio Maria
– Do lar

Pai Mãe Tia materna


– Antônia Isabel
Doméstica Cabeleireira

Irmã Irmão Diogo


Alícia Diego Estudante
Atendente de Call Estudante
Center

Árvore tipo A: não apresenta todas as informações Para relembrar! Olhar para o passado é fundamental na
que aparentemente precisariam constar. O jovem elaboração de um Projeto de Vida estruturado. No entan-
apresenta o desenho sem preencher todos os cam- to, é preciso que o educador garanta o respeito aos valo-
pos sobre seus ascendentes. res, ao tempo de elaboração e à história de cada jovem.

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 58 13/11/2014 19:35:44


P R O J E T O DE V ID A : C A M I N H O S P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O I N T E G R A L [ 59

Contextualização da Árvore A Observações sobre a árvore genealógica A

Diogo aceitou realizar a atividade, só que demorou um Por que aprendemos História na escola? Para termos
pouco para entregá-la ao educador. Precisou ser lem- contato com o passado a ponto de conhecermos nossas
brado, mais de uma vez sobre o prazo de entrega. Esse origens? Essa pode ser uma parte da resposta para a per-
lembrete foi feito com muito cuidado, pois o educador gunta, mas certamente essa questão não se esgota num de-
sabia que cada jovem apresenta uma dinâmica singular sejo de olharmos para trás. Um velho provérbio chinês diz
de investigação da história de vida. que uma longa caminhada começa pelo primeiro passo, o
que representa dizer que somos, certamente, o resultado de
À medida que o processo de elaboração do projeto de vida uma trajetória repleta de alternativas, decisões, situações
avançava, Diogo estreitava o vínculo com seu educador e passadas e consequências vividas. Todos os passos farão
com os demais jovens. Foi no decorrer desse processo que parte da chegada. Assim, a compreensão do passado é es-
num dia, de repente, ele falou sobre seu pai. sencial na construção de identidade do indivíduo.

Disse que ele e seu irmão gêmeo tinham cinco anos de Nessa perspectiva, uma das primeiras atividades desen-
idade quando seu pai foi embora, sem deixar endereço. volvidas com os jovens no processo de construção do
Ele e sua mãe brigavam muito, porque ele bebia e ficava Projeto de Vida é a “Árvore Genealógica das Profissões”,
agressivo (batia nela e nas crianças). Desde então, sua mãe descrita anteriormente. Esta atividade, aparentemen-
teve que se virar para sustentar os filhos. Contou com a te simples, precisa ser cuidada pelo educador, uma vez
ajuda de sua irmã mais nova. Diogo disse que seu pai que mobiliza sentimentos e uma gama de informações
nunca deu notícias, muito menos ajudou financeiramen- desconhecidas ou não reveladas, que estão presentes no
te sua mãe. Não queria se lembrar da existência dele! universo familiar. Além disso, cada jovem possui uma
configuração familiar específica, que precisa ser respeita-
da e compreendida. O educador precisa ter sensibilidade
pedagógica para fazer a leitura quando um jovem apre-
senta uma árvore genealógica supostamente incompleta
ou com um número excessivo de informações que privi-
legia um dos seus familiares. Ele precisa entender o que
está nas entrelinhas daquela atividade, para reorganizar
as estratégias que pretende utilizar e para que a prática
educativa tenha sentido para o jovem. Como disse Pau-
lo Freire, “é escutando que aprendemos a falar com eles”.
Desta forma, o educador deve respeitar os valores pesso-
ais dos jovens e rejeitar qualquer tipo de discriminação,
investindo no diálogo permanente com o educando.

Ele atuará como facilitador no diálogo do jovem com seu


passado, mantendo uma postura ética, orientada pela sin-
gularidade de cada educando.

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 59 13/11/2014 19:35:44


60 ] A C Ã O C O M U NI T Á R I A D O B R A S I L

Árvore Genealógica das Profissões B

Avô paterno Avó paterna Avô materno Avó materna


José Rosa Waldemar Maria Anita
– Do lar Aposentado Do lar

Tia paterno Pai Mãe


João José Ana
Policial – Costureira

Irmã Irmão Eduardo


Adriana Bruno Estudante
Estudante Aprendiz

Árvore tipo B : “indica” que o jovem faz escolhas, Para relembrar! Este tipo de estratégia mostra o quanto
reproduzindo a história familiar ou sendo influen- a história familiar pode influenciar nas decisões dos jo-
ciado por ela. vens. O papel do educador é auxiliar o jovem nesta per-
cepção, em emitir juízos de valor.

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 60 13/11/2014 19:35:44


P R O J E T O DE V ID A : C A M I N H O S P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O I N T E G R A L [ 61

Contextualização da Árvore B Observações sobre a árvore genealógica B

Eduardo demonstrou disposição para realizar a atividade. Compreender o passado, e os avanços históricos, bem
Ao entregá-la, o educador percebeu que o jovem não men- como perceber a conjuntura torna possível planejar o
cionou a idade e a profissão do pai. Ele lembrou que havia futuro. Desde crianças, mesmo que em tom de brincadei-
tido contato algumas vezes com a mãe de Eduardo e ela ra, ouvimos essa pergunta: “o que você quer ser quando
mencionara que seu marido tinha sido um bom pai e que crescer?”. Mais maduros, cursando o ensino médio e nos
seu filho sentia muita falta dele. preparando para enfrentar tal questão, voltamos a ela: “o
que o jovem planeja para o seu futuro”? Será que, ao ten-
Eduardo era um jovem comprometido com o que fazia e tar responder a essa pergunta, o jovem é influenciado pe-
mantinha amizade com a maior parte dos jovens do pro- las “brincadeiras” que os adultos faziam na sua infância?
jeto, mais especialmente com dois outros, que eram seus Refletir sobre o passado nos faz perceber relações como
vizinhos. Desde o primeiro dia, ele declarou que queria ser estas e o quanto elas influenciam nossas escolhas.
policial. No entanto, gostava de falar sobre projetos gráficos
e criava imagens para representar tudo o que via: objetos, O jovem deve ter liberdade para responder questões desse tipo,
situações, etc. É como se ele se comunicasse por meio das sem ser induzido a dar uma resposta que atenda a realidade
imagens que criava. Vivia com um papel e lápis nas mãos. imediata ou a prejulgamentos. O educador precisa acompa-
Seus desenhos eram criativos e apresentavam detalhes que nhá-lo no percurso de descoberta das motivações de suas es-
os diferenciavam. colhas, auxiliando-o na reflexão sobre seus sonhos e desejos.

Sabemos que o fato de Eduardo ter uma capacidade dife- Buscar a RAIZ é essencial. O passado é importante na cons-
renciada para fazer uma leitura da realidade por meio de tituição do Ser e no processo de escolha. Imagine se o jovem
desenhos não o impediria de ser policial. Porém, apesar de for capaz de entender o caráter estratégico de uma escolha
ele demonstrar um discurso convicto em relação à escolha que sua mãe (pai ou parente com o qual convive) fez na
profissional, não demonstrava alegria em relação a esta. Ao vida. O quanto tais informações poderiam contribuir positi-
contrário, ficava muito irritado quando seus colegas criti- vamente para o desenvolvimento do seu autoconhecimento
cavam a profissão de policial e durante alguns dias manti- e tomadas de decisão. Um dos desafios do educador, nesse
nha-se afastado da turma. caso, é compreender que existem diferentes níveis de liber-
dade de diálogo entre os jovens e seus familiares. A despeito
O educador resolveu conversar com a mãe do jovem e com- de tal aspecto, o exercício de montagem da “Árvore gene-
preendeu melhor o comportamento de Eduardo, ao saber alógica das Profissões” provavelmente terá uma dinâmica
que seu pai era policial e havia falecido num confronto en- específica para cada jovem, uma vez que as histórias de vida
tre a polícia e criminosos. Então, provavelmente, esse era o possuem sentidos e processos singulares. Não se trata de
sentimento que o motivava a escolher a profissão? paralisar o processo de aprendizado do educando e assumir
uma postura terapêutica ou de proteção exacerbada, mas de
A mãe do jovem confessou ter muito medo sobre esta esco- considerar o ritmo e o contexto de cada um na investigação
lha e que não queria que seu filho tivesse o mesmo destino de seu passado. Cabe ressaltar que independentemente de
de seu marido. Também disse que esta decisão era apoiada o jovem não ter esgotado as possibilidades dessa atividade,
por seu cunhado, que morava com ela, seus pais e seus fi- isso não o impede de realizar os outros exercícios propostos.
lhos. Ele era irmão de seu marido, também era policial e O importante é que o jovem perceba o peso da história nas
Eduardo gostava muito dele. construções presentes e futuras.

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 61 13/11/2014 19:35:44


62 ] A C Ã O C O M U NI T Á R I A D O B R A S I L

Árvore Genealógica das Profissões C

Avô materno Avó materna


Avô paterno Avó paterna
José Benedita
– Alice
Motorista Costureira
Do lar
de táxi

Pai Tio paterno Mãe Tio materno Tia materna


Marcos Leonel Neusa João Cida
Dono de bar Motorista Pedagoga Técnico em Enfermeira
Particular Contabilidade

Irmão
Tiago Jéssica
Estudante Estudante

Árvore tipo C: É recorrente, demonstrando que muitas Para relembrar! Os educandos poderão realizar uma
famílias têm trajetórias comuns em relação ao grau de es- pesquisa para situar historicamente as informações cole-
colaridade e às características ocupacionais de trabalho. tadas junto aos familiares, a fim de identificar fenômenos
sociais.

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 62 13/11/2014 19:35:45


P R O J E T O DE V ID A : C A M I N H O S P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O I N T E G R A L [ 63

Contextualização da Árvore C Observações sobre a árvore genealógica C

Jéssica demonstrou bastante entusiasmo diante da orien- É comum que jovens pertencentes a famílias que tiveram
tação do educador e não teve dificuldade para realizar a a oportunidade de investir mais na escolaridade também
atividade proposta. estudem mais. Independentemente disso, geralmente, os fa-
miliares sonham que os seus descendentes busquem uma
Na roda de conversa, momento em que os jovens socia- condição de vida melhor que a deles, logo, lutam por isso,
lizaram as descobertas em relação aos seus familiares, a apoiando-os dentro de suas possibilidades.
jovem apresentou um número considerável de informa-
Após investigar seu passado e perceber sua influência
ções, indo além do que foi previamente solicitado.
nas situações do presente e nos planos para o futuro, o
próximo passo do jovem seria a busca de informações de
Em sua explanação, observou-se a existência de fami-
ordem pública, necessárias ao processo de desnaturalização
liares com nível de ensino superior, que eram muito
e ao desenvolvimento da capacidade de realizar análise de
presentes na vida da jovem. Ela contou a história de seus
contextos mais abrangentes. Nessa perspectiva, investir em
pais e investiu nos detalhes sobre seus tios maternos,
espaços para que os educandos compartilhem suas árvores
dizendo que eles conversavam muito com ela sobre a
pode ser interessante e produtivo, desde que sejam norteados
importância dos estudos.
por combinados que preservem a ética, para que nenhum
deles se sinta desrespeitado. À medida que compartilham
Também comentou que seu pai dizia, o tempo todo, que
seus exercícios podem perceber padrões comuns. Por
ela e seu irmão precisavam aproveitar a oportunidade
exemplo: muitos avós e avôs são nascidos em outros estados,
que estavam tendo, pois ele não teve a mesma sorte. Já
não tiveram a oportunidade de estudar formalmente e
sua mãe dizia que ela só deveria pensar em casamento
estiveram longe de uma faculdade. Isso, por sinal, é algo que
depois de concluir a faculdade e escolher uma profissão.
muitos dos pais também não tiveram a chance de realizar.
Jéssica disse que seu sonho era cursar “Direito” e ser uma A busca por padrões comuns permite a percepção de ten-
advogada de sucesso. Que gostava de assistir a filmes que dências. Tomemos as aulas de História da escola: lembra-se
mostravam advogados resolvendo causas difíceis. daquela pirâmide da Idade Média em que não existia mo-
bilidade? Profissionalmente, neto de ferreiro seria avô de
ferreiro, e assim sucessivamente. Cenários como esses mu-
daram? Em que medida? Impactam na vida dos jovens? De
que forma? Ao buscar respostas para questões como essas, os
jovens desenvolvem a capacidade de identificar fenômenos
sociais e perceber como estes se relacionam com suas vidas à
medida que podem influenciar os objetivos pretendidos.

Realizar a montagem da árvore é uma proposta abrangente,


pois não requer apenas o nome dos casais que deram origem
aos seus filhos e netos, mas principalmente propõe entender
o que faziam, por meio de pesquisas e problematizações.

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 63 13/11/2014 19:35:45


64 ] A C Ã O C O M U NI T Á R I A D O B R A S I L

Atividade 2: vítimas de violência; a música ecoa pelas casas; em dias


de chuva o clima e o trânsito ficam “embaçados” e gre-
Ação Protagônica ves mudam tudo de uma hora para outra. Esses e outros
acontecimentos compõem o cenário de uma comunida-
de. Mas qual será o significado destas situações para as
SÍNTESE
pessoas que vivem neste território? Será que os sentidos
mudam de acordo com a percepção e a história de cada
indivíduo? Com certeza sim. A forma como cada mo-
rador se envolve com a comunidade em que vive está
relacionada a diversos fatores que, quando combinados,
Proposta da atividade: O jovem expressa sua opinião resultam em jeitos próprios de conexão com o lugar de
sobre a comunidade em que vive, a investiga, buscando moradia.
informações e dialogando com os moradores e comer- Mesmo que cada sujeito se relacione de forma peculiar
ciantes locais. A partir destas ações, define e organiza com os eventos do dia a dia, alguns apresentam uma
com seus pares uma ação de intervenção para a melho- visão mais superficial e banalizada sobre os fatos do
ria da comunidade. cotidiano, enquanto que outros enxergam a realidade
A atividade é realizada em três momentos: por uma lente mais apurada, curiosa e inquieta.
Marco Zero (status de consciência social do jovem
antes de qualquer intervenção do educador; é identifi- Diante de tal contexto cabe a seguinte pergunta: será que
cado por roda de conversa) – O que os jovens sabem e é possível formarmos jovens para que utilizem esta lente
acham da comunidade em que vivem? mais analítica nas relações com sua comunidade, enfim,
Marco 1 (status de consciência social do jovem após com o mundo em que vivem? Mas como fazer isso?
a intervenção do educador; é identificado depois que
os jovens fazem o Mapeamento do Bairro) – O que os Partindo da metodologia que temos empreendido, que
jovens acham e esperam da comunidade em que vivem propõe o desenvolvimento de jovens atentos à dinâmica
após a ação educativa? Como se veem neste território? de sua comunidade e que sejam capazes de realizar uma
Marco 2 (desenvolvimento da ação protagônica) – Qual leitura crítica das situações que a envolvem, pode-se dar
a ação de intervenção dos jovens no território? Como ela uma resposta afirmativa à questão acima colocada.
será viabilizada?
Um caminho que favorece tal desenvolvimento e funda-
menta nossas estratégias é o do Protagonismo Juvenil, pro-
posto por Gomes da Costa, que apresenta o jovem como
Nas ruas movimentadas do bairro, todos os dias várias ator principal de ações de intervenção social, num proces-
cenas se repetem: pessoas andam correndo, atrasadas so de ampliação da capacidade para interferir ativamen-
para o trabalho; o comércio local abre e fecha suas por- te, de forma construtiva e autônoma na realidade em que
tas; famílias levam seus filhos para a escola; o caminhão vive. Para o autor, “Protagonismo juvenil é a participação
da coleta de lixo para de esquina em esquina recolhen- do adolescente em atividades que extrapolam os âmbitos
do “tudo” o que é descartado pelos moradores; crianças de seus interesses individuais e familiares e que podem ter
e jovens circulam na quadra da comunidade; casais de como espaço a escola, os diversos âmbitos da vida comunitá-
namorados procuram locais mais reservados; o ponto ria; igrejas, clubes, associações e até mesmo a sociedade em
de ônibus fica cheio nos horários de pico; pessoas são sentido mais amplo, através de campanhas, movimentos e

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 64 13/11/2014 19:35:45


P R O J E T O DE V ID A : C A M I N H O S P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O I N T E G R A L [ 65

outras formas de mobilização que transcendem os limites de Com o intuito de problematizar alguns aprendizados
seu entorno sócio-comunitário” (Costa, 1996:90). dessa experiência formativa, abordaremos três níveis de
participação dos jovens que apresentaram aspectos mais
A concepção de Protagonismo Juvenil é complemen- recorrentes. Para isso, somente para efeito didático, orga-
tada por Tristan McCowan que, apesar de reconhecer nizamos tais elementos em três tipos de ações protagôni-
a autonomia como elemento fundamental na educa- cas: Imediata, Solidária e Politizada.
ção para a cidadania, afirma que esta só tem aplica-
bilidade à medida que o sujeito pode olhar para sua
SAIBA MAIS
comunidade, agindo ativamente na mesma. Para ele,
“enquanto que a cidadania crítica exige que os indi-
víduos tenham uma certa independência de escolha
e liberdade de pensamento, ela também requer que
eles tenham um forte compromisso com princípios
de justiça, e que se unam em interesse mútuo, ex-
presso através de direitos e deveres. A autonomia “Participar, para o adolescente, é influir, através de pala-
não garante o interesse necessário em assuntos de vras e atos, nos acontecimentos que afetam a sua vida e
interesse público (...). A cidadania crítica implica a vida de todos aqueles em relação aos quais ele assu-
não apenas compreender – mas também opor-se ati- miu uma atitude de não-indiferança, uma atitude de va-
vamente a abusos da justiça, ou seja, rejeitar leis loração positiva (...) trata-se, para o adolescente, de uma
injustas e remover governos ineficazes”.5 oportunidade de vivência cidadã concreta, como etapa
imprescindível do processo de desenvolvimento pessoal
Portanto, para McCwan, as iniciativas dos jovens em e social pleno”.
relação ao seu território deverão estar associadas a O adolescente vivencia a participação em “estágios de
ações conscientes e ativas de participação na vida desenvolvimento pessoal e social dos jovens como os
pública. Em outras palavras, a autonomia, elemen- níveis de protagonismo obtidos em cada ação”.
to central do protagonismo, precisa ser combinada a Saiba mais...
uma visão crítica e política das questões de ordem COSTA, Antônio Carlos Gomes da; VIEIRA, Maria Adenil. Prota-
pública, como também a ações propositivas de trans- gonismo Juvenil: adolescência, educação e participação de-
formação social. mocrática. São Paulo: FTD; Salvador, BA: Fundação Odebrecht,
2006.
No entanto, é preciso dizer que esse desenvolvimento
ocorre de forma diferenciada em cada jovem, o que sig-
nifica que durante o percurso formativo são alcançados
diversos níveis de compreensão e participação em rela-
ção às questões de ordem pública. O jovem pode avançar
nestes níveis à medida que participa e experimenta novas
ações sociais. Ao participar, ele se torna um protagonista
do meio em que vive.

5
McCOWAN, Tristan. Os Fundamentos do questionamento crítico na educação para a cidadania.
In: Currículo sem Fronteira, v.6, n.2, p. 140-155, Jul/Dez 2006.

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 65 13/11/2014 19:35:45


66 ] A C Ã O C O M U NI T Á R I A D O B R A S I L

Descrição da Ação Protagônica A Com o recurso doado pelos comerciantes locais e o viabili-
zado na festa, a liderança providenciou a compra dos mate-
Nome da ação de intervenção: A arte dá voz aos muros! riais necessários para a pintura e grafitagem do muro.

Definição: No processo de escolha da ação de intervenção O educador escolheu o dia do evento de acordo com o
na comunidade, educador e liderança comunitária lançaram calendário das atividades.
aos jovens a ideia da pintura do muro da organização (o pa-
redão realmente precisava de tinta!). A sugestão foi rapida- Antes da ação, os jovens desenharam as imagens a serem
mente aceita, ainda mais que havia um jovem no grupo que grafitadas com base no tema do projeto anual da organi-
tinha habilidade em grafite. A turma ficou bem animada! zação: “Primavera, florescer para viver!”.

Planejamento: Organizados em grupo pelo educador, os No dia da ação protagônica, os jovens receberam orienta-
jovens fizeram um levantamento das possibilidades para ções do grafiteiro e de um pintor voluntário da organiza-
angariar os recursos necessários para a ação de interven- ção. O muro foi pintado e alguns “grafites” foram desenha-
ção. Com o incentivo do educador resolveram solicitar dos: flores, crianças, cores variadas e pinceladas de verde.
contribuições no comércio local.
Resultado: O muro foi pintado e grafitado. Os jovens fi-
Desenvolvimento: O educador elaborou um Ofício de caram bem satisfeitos, comemoraram e foram parabeni-
Doação e o entregou aos jovens, para que estes inicias- zados pelo educador e pela liderança comunitária.
sem o processo de arrecadação. Após duas semanas de
tentativas para conscientizar os comerciantes sobre a Depoimento jovem: “Precisamos fazer a nossa parte,
importância da pintura do muro, os jovens conseguiram contribuir com o trabalho que a Associação faz para as
levantar uma parte do dinheiro. crianças e jovens. Aprendi muito com esta experiência”.
Marcelo Alves, 16 anos
A outra parte foi levantada com a participação dos jovens
numa festa beneficente da organização que tinha como
objetivo arrecadar fundos. A liderança ofereceu a eles uma
barraca que venderia alimentos. Eles mobilizaram seus fa-
miliares para que doassem bolos, tortas e salgados, já que Para relembrar!
cada grupo de voluntários precisava oferecer os produtos
que venderiam na barraca de sua responsabilidade. O educador precisa garantir os espaços de reflexão e
Observações
debate dos sobre
jovens asobre
AçãoasProtagônica A: O
questões sociais, primeiro
para que
nível de participação
o envolvimento refere-secom
dos mesmos às ações
a açãoque chamamos
de interven-
Ação Protagônica tipo A : Imediata ção ultrapasse a fronteira da execução. Tal avanço gera
a leitura crítica de mundo e, por sua vez, contribui para
É caracterizada pela urgência, ou seja, atende a uma ne- a formação de sujeitos conscientes em relação às ques-
cessidade imediata. Pode ser legitimada pelos jovens, tões coletivas. De qualquer maneira, esse tipo de inicia-
mas não é resultado de um processo adequado e pro- tiva deve ser valorizado e visto como uma oportunidade
fundo de reflexão, problematização e debate. A ação é para que o debate sobre a eficiência e eficácia de ações
pontual e seu efeito encerra-se com sua conclusão. pontuais seja ampliado.

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 66 13/11/2014 19:35:46


P R O J E T O DE V ID A : C A M I N H O S P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O I N T E G R A L [ 67

Observações sobre a Ação Protagônica A: O primeiro Por outro lado, não se pode negar que a Ação Prota-
nível de participação refere-se às ações que chamamos gônica Imediata também tem utilidade na proposta de
de imediatas. Este tipo de ação está relacionado a uma formação dos jovens, pois é um momento em que uma
necessidade que é apresentada pelos adultos ao grupo demanda social é colocada em pauta. Por meio desta
de jovens previamente, ou seja, antes do Marco 1 (sta- ação, o jovem poderá despertar para a importância de
tus de consciência social do jovem após a intervenção sua participação na comunidade em que vive. Além
do educador). Esta conduta, geralmente, exerce uma disso, também terá a chance de realizar uma interven-
influência significativa sobre os sujeitos que executa-ção social com seus pares, o que é muito importan-
rão a ação protagônica, limitando as possibilidades de te para a formação da consciência coletiva. Porém, a
problematização e de escolha. ação se enquadra no nível inicial da participação, uma
vez que a tendência é que os jovens se limitem a parti-
Como diz Gomes da Costa, “é inegável, porém, que cipar da execução, o que não possibilita desdobramen-
a participação dos jovens (construtiva ou não) esta- tos e nem a percepção do fenômeno social relacionado
rá sempre relacionada, de alguma forma, à postura e à ação realizada
atuação assumidas pelos adultos ante as questões que
afetam o conjunto da sociedade”. Mesmo assim, é fun-
damental que o jovem tenha oportunidade de vivenciar
reflexões e debates sobre o leque de questões que per-
meiam seu entorno social. Só desta forma ele avançará
como sujeito de transformação.

À medida que o jovem tem a oportunidade de obser-


var situações com um olhar mais atento e curioso, se
debruçando sobre os fatos que lhe saltam aos olhos,
desenvolverá a capacidade de perceber o que não é
aparente num primeiro momento. Este exercício é fun-
damental para que o educando faça uma leitura crí-
tica da comunidade em que vive, identificando suas
problemáticas e potencialidades. Enfim, com um olhar
mais treinado, o jovem é capaz de interpretar o meio
em que vive. O próximo passo é ser um protagonista
que contribui para a transformação deste contexto.

Cabe ressaltar que, quando tal processo não é garan-


tido pelos educadores, os educandos não vivenciam o
percurso formativo necessário, para que desenvolvam
as habilidades cartográficas, essenciais para o desen-
volvimento de uma postura investigativa, crítica e pro-
positiva do território.

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 67 13/11/2014 19:35:46


68 ] A C Ã O C O M U NI T Á R I A D O B R A S I L

Descrição da Ação Protagônica B Ao se despedirem, os jovens entregaram as filipetas com


as frases de motivação que pesquisaram no Google.
Nome da ação de intervenção: Alegria e lazer para todas as
gerações! Em relação ao dia de recreação para as crianças da co-
munidade, os jovens, organizados pelo educador em
Definição: Após o mapeamento do bairro, que pos- grupos, fizeram um levantamento de brincadeiras e
sibilitou aos jovens circularem pelas ruas da cidade, músicas para utilizarem com as crianças: gincana, pular
conversando com moradores e comerciantes locais, o corda, dança da cadeira, escravos de Jó, galinha gorda,
educador mediou uma roda de conversa para levanta- peteca, músicas de roda, entre outras. Também escolhe-
mento dos temas de interesse dos jovens e escolha da ram os livros infantis para as mediações de leitura. Cada
ação de intervenção a ser realizada. No final do debate grupo de jovens ficou responsável por um conjunto de
sobre as situações observadas no tour pelo bairro, os brincadeiras, músicas e livros.
jovens decidiram que fariam dois dias de ação protagô-
nica: uma visita à casa de idosos e um dia de recreação Os jovens também se organizaram para levantar os
para as crianças da comunidade na organização social ingredientes para o lanche e os doces a serem ofere-
onde o projeto do qual participavam acontecia. cidos às crianças. Eles solicitaram os alimentos no
comércio local, utilizando um ofício elaborado pela
Planejamento: Organizados em grupo pelo educador, os liderança comunitária. Também contaram com a aju-
jovens definiram que tipo de programação utilizariam da de seus familiares. A cozinheira da organização
nos dois dias de intervenção. prepararia o lanche que seria colocado em uma mesa
decorada pelos jovens.
Com os idosos fariam mediação de leitura e levariam o
violão para cantar algumas músicas. Entregariam filipetas Os convites para o evento também foram feitos e distri-
coloridas com frases de motivação. buídos pelos jovens.

Com as crianças fariam brincadeiras, mediação de leitu- No dia da ação de intervenção, os jovens chegaram mais
ra e também cantariam músicas infantis. Decidiram que cedo para organizar o espaço. As crianças começaram a
levantariam recurso financeiro para comprar lanche e chegar, algumas acompanhadas de jovens e um ou outro
doces para as crianças. adulto. Os jovens receberam a todos e os entreteram com
as atividades planejadas.
Desenvolvimento: Em relação à ação na casa de idosos,
a liderança comunitária entrou em contato com a di- Resultado: Os idosos receberam a visita dos jovens. As
reção da instituição apresentando a proposta da visita crianças foram beneficiadas com um dia de recreação. Jo-
dos jovens, que logo foi bem aceita. O educador orga- vens, educadores e liderança comunitária demonstraram
nizou os jovens em duplas ou trios para atuarem pro- muita satisfação com o evento realizado.
porcionalmente ao número de idosos. A atividade com
os idosos foi iniciada com música, dois jovens que to- Depoimento jovem: “Foi muito bom dar um pouco de
cavam violão e uma jovem que cantava lideraram esse alegria para essas pessoas. Adorei brincar com as crianças
momento. Em seguida, cada grupo de jovens escolheu e conversar com pessoas bem mais velhas, que não têm
um idoso para mediar leituras e conversarem. Antes de muita gente para conversar ”
acabar a atividade, houve mais um momento de música. (Tayná, 16 anos)

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 68 13/11/2014 19:35:46


P R O J E T O DE V ID A : C A M I N H O S P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O I N T E G R A L [ 69

ao fato de o resultado neste tipo de intervenção ser rá-


Ação Protagônica tipo B: Solidária pido e de fácil visualização. O outro refere-se ao senti-
mento de bem-estar suceder numa via de mão dupla, já
É caracterizada pela bondade que se materializa em ini- que todos os envolvidos (beneficiados e beneficentes)
ciativas de ajuda a grupos específicos como, por exemplo, sentem-se bem com o desenvolvimento do evento, de-
os idosos, as crianças, os doentes, os deficientes, vítimas monstrando satisfação, prazer e harmonia.
de desastres naturais, entre outros. A ação pode ser pon-
tual ou de tempo mais prolongado e seu efeito atinge A Ação Protagônica escolhida pelos jovens pode ser
prioritariamente o grupo ao qual é destinada. Não gera do tipo Solidária, mesmo após o Marco 1, que é ca-
mudanças estruturais. racterizado pela intervenção que o educador realiza
para que o jovem reflita sobre seu posicionamento
inicial acerca da comunidade. Essa circunstância
pode estar relacionada à visão política dos educa-
Para relembrar! dores envolvidos no processo educativo ou ainda a
um tempo delimitado de formação, que não permite
O educador precisa auxiliar o jovem na busca de informa- maior investimento na identificação de fatos sociais
ções e em análises que o levem a compreender o contexto e no aprofundamento da consciência social. Dessa
das ações que pretende realizar. Com este progresso a lei- maneira, pode-se dizer que intervenções como estas,
tura crítica de mundo é ampliada e os sujeitos percebem mesmo que duradouras, estão pouco relacionadas às
que as ações desenvolvidas estão relacionadas com ques- instâncias de decisão política, a não ser que sejam
tões de ordem pública. Geralmente essas ações podem combinadas a iniciativas mais politizadas.
ser vistas como assistencialistas, portanto de menor im-
portância. No entanto, são de fundamental importânciaEmbora a Ação Protagônica Solidária não seja
para os beneficiados e para que os jovens desenvolvamabrangente do ponto de vista da utilização dos ca-
uma percepção mais aprofundada acerca dos fenômenos nais e das ferramentas de participação, igualmente à
sociais presentes na realidade desses públicos. Ação Imediata, também deve ser valorizada, pois os
jovens debruçam-se sobre o campo das questões pú-
blicas, colocando em prática o protagonismo juve-
Observações sobre a Ação Protagônica B: Quanto ao nil. Além disso, poderá ser mais explorada à medida
segundo nível de participação, relaciona-se às ações que o jovem ultrapassa as fronteiras da execução e
que chamamos de solidárias. Este tipo de ação indi- avalia o processo da intervenção realizada, perce-
ca o desejo dos sujeitos de ajudarem o próximo, com bendo o que deu certo e errado e o que poderia fazer
o intuito de gerar bem-estar momentâneo, criando um de diferente. Ao ponderar, o jovem desenvolve novos
clima de alegria, bem-estar, união e esperança. O senti- pontos de vista, revê valores, formando uma visão mais
mento que prevalece é o de ajudar alguém que precisa. crítica do mundo em que vive.

Geralmente, esse tipo de ação é mais mobilizadora,


uma vez que atrai mais pessoas simpatizantes, que se
dispõem a apoiá-la de alguma maneira. Mas quais são
os fatores que facilitam tal ato de mobilização? Po-
dem-se mencionar dois aspectos. Um deles associa-se

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 69 13/11/2014 19:35:46


70 ] A C Ã O C O M U NI T Á R I A D O B R A S I L

Descrição da Ação Protagônica C para revitalização de uma área verde em uma comunida-
de de São Paulo.
Nome da ação de intervenção: Luta pelo lazer na comunidade!
Com a pesquisa realizada, descobriram que a área tinha
Definição: Durante o mapeamento do bairro, os jovens uma extensão de 188 mil m², com capacidade para aten-
foram impactados pela situação de uma das áreas da ci- der 370 mil pessoas. Também souberam pelo site da sub-
dade, que estava em condições precárias. Conversando prefeitura que o prefeito na época declarou que o parque
com os moradores, descobriram que aquela área fazia seria entregue em seis meses, o que não aconteceu e cinco
parte de um projeto de integração e lazer da comuni- anos haviam se passado. Outra informação que levanta-
dade, que seria um grande parque e ofereceria: quadras ram é que o prédio que deveria abrigar a administração
poliesportivas, pistas de skate, atletismo, ciclismo, praça do parque contaria com uma área educativa, composta
para ginástica, piscinas, teatro de arena, pavilhão para por salas de multiuso para a realização de oficinas cul-
exposições e um núcleo de educação ambiental. No en- turais e cursos diversos. Também haveria um auditório
tanto, o projeto foi iniciado, mas não foi concluído e o para 240 pessoas. Os trabalhos incluiriam a despoluição
lugar encontrava-se com os muros pichados, vestiários de dois córregos.
destruídos, playground alagado, pista de atletismo esbu-
racada, espaço cultural e quadras abandonadas e faltava Neste percurso explorativo os jovens aprenderam o que é
pavimento nas ruas. Os jovens resolveram fazer uma pes- um plano diretor e qual é a sua finalidade.
quisa sobre o projeto do parque e reivindicar a continui-
dade do mesmo. A partir das informações levantadas, os jovens pesqui-
saram modelos de abaixo-assinados e elaboraram um
Planejamento: Organizados em grupo pelo educador, os referente à situação do futuro parque. Circularam o do-
jovens decidiram realizar as seguintes atividades: cumento na comunidade, conversando com os morado-
res e reforçando a importância da mobilização a favor
Fazer uma pesquisa no Google sobre o projeto do parque. da conclusão do projeto de lazer, esporte e cultura para
o território.
Conversar novamente com moradores do bairro para le-
vantar mais informações. Os jovens também buscaram informações sobre os ca-
minhos para a reivindicação da retomada do projeto.
Fazer um abaixo-assinado que reivindicasse a retomada Descobriram que precisariam redigir vários ofícios dire-
do projeto do parque. cionados aos seguintes órgãos: Subprefeitura, Eletropau-
lo, Sabesp e Guarda Civil. Também enviaram um release
Elaborar os documentos necessários solicitando a con- sobre a reivindicação a dois jornais do bairro.
clusão do projeto do parque e entregá-lo à subprefeitura
juntamente com o abaixo-assinado. Os documentos foram elaborados pelos jovens e entre-
gues aos órgãos de responsabilidade.
Desenvolvimento: O educador apoiou todo o processo
de desenvolvimento das atividades realizadas pelos jo- Resultado: A reivindicação da conclusão do projeto do
vens, orientando-os e estimulando-os a buscar mais in- parque foi formalizada pelos jovens. Moradores foram
formações sobre a situação da área em questão. Também mobilizados em torno da reivindicação. Jovens mais in-
apresentou a eles um estudo de caso sobre a reivindicação formados sobre os mecanismos de participação. Jovens

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 70 13/11/2014 19:35:46


P R O J E T O DE V ID A : C A M I N H O S P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O I N T E G R A L [ 71

mais conscientes e empoderados em relação a ações de os problematiza, oferecendo espaços organizados de


participação na vida pública. discussão e pesquisa sobre os diversos assuntos e inicia-
tivas abordadas.
Depoimento jovem: “Ficamos indignados com a situa-
ção da área de lazer. O dinheiro dos impostos está sendo Vale dizer que, quanto maior for o investimento na
jogado fora. Todos da comunidade precisam fazer o que educação para a participação, maiores serão as chan-
podem para mudar essa situação” ces de formação de uma visão critica e propositiva de
(Marcelo, 17 anos) mundo. Logo, quanto mais o jovem empreender ações
sociais, investigando-as; experimentar os meios de
participação, compreendendo-os na lógica dos direi-
tos e responsabilidades; refletir sobre o contexto em
Ação Protagônica tipo C: Politizada que vive, revendo suas opiniões e atitudes, se desen-
volverá enquanto sujeito politizado. Ele se tornará gra-
É caracterizada por uma visão sistêmica e democrática de dativamente um sujeito politizado, que desnaturaliza
sociedade, mesmo que esta ainda seja incipiente. A ação sua história de vida e a da humanidade, compreenderá
pressupõe desdobramentos, mesmo que não esteja vin- mais profundamente as relações e questões sociais que
culada à prática política constante, à militância, organiza- o cercam, para fazer intervenções mais coerentes com
ções ou partidos. É uma intervenção que utiliza canais e uma sociedade democrática.
ferramentas de participação política.
Vale relembrar que esse processo não é homogêneo,
ao contrário, ele é singular à realidade e dinâmica de
aprendizado de cada jovem. O importante é que todos
Para relembrar! os jovens vivenciem, compreendam e assimilem a ló-
gica de desenvolvimento de uma ação politizada. Ou
O educador precisa apresentar os canais e ferramentas de seja, percebam a relevância de fazer perguntas sobre a
participação ao jovem, para que este desenvolva autono- realidade social; busquem informações e estabeleçam
mia, tranformando-se em um sujeito que participe ativa- relações entre elas; conheçam e utilizem os canais e
mente da vida pública. Desta forma, sua visão de mundo ferramentas de participação; escolham uma ação so-
será amparada pela defesa de causas públicas. cial que queiram realizar e aprendam a transformá-la
em uma questão a ser investigada. À medida que esse
processo avança, o jovem desenvolve uma visão sistê-
mica e democrática da realidade.

Observações sobre a Ação Protagônica C: Por fim, para Na proposta do protagonismo juvenil, o papel do edu-
abordar o terceiro nível de participação recorreremos ao cador é de grande relevância, à medida que sua atua-
que chamamos de ações politizadas. Este tipo de ação ção influencia na participação e no desenvolvimento da
pressupõe a utilização de canais e ferramentas de parti- autonomia dos jovens. Desta forma, este deverá propor
cipação, o que contribui para o desenvolvimento de um estratégias que possibilitem aos educandos planejar,
projeto político e democrático. executar e avaliar a ação social para que os níveis de
participação aumentem, contribuindo assim para que
A Ação Protagônica Politizada é viabilizada à medida estes se desenvolvam enquanto sujeitos de direitos.
que o educador acolhe os pontos de vista dos jovens,

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 71 13/11/2014 19:35:46


72 ] A C Ã O C O M U NI T Á R I A D O B R A S I L

Atividades do projeto de vida

Objetivo | Criar um texto sobre sua experiência Percebendo quem estava do meu lado de verdade.
na construção do Projeto de Vida. Acharam que eu não percebia, mas eu ignorava a
falsidade.
Objetivos
Se você definiu um objetivo não tem o porquê parar.
Na maior simplicidade, de um jeito diferente. É uma dica que eu dou só que vai de você aceitar.
Eu liberto palavras, que saem da minha mente. Não desista enquanto não alcançar.
E de cabeça erguida, vou seguindo sempre em
frente. Palavras têm valor,
Para seguintes palavras o valor é você quem dá.
Na brisa do vento minhas rimas eu vou
desenvolvendo.
Espero que entendam o que eu estou querendo. Produção do jovem: Gabriel Carneiro, 18 anos
Espero que percebam o que cada verso está dizendo.

O meu caminho quem sou eu.


E as chances de algo dar errado pra mim desapareceu.
Superar todos os obstáculos esse objetivo é meu.
Essas chances eu criei não foi ninguém que me deu.

Eu não vou parar, até porque, já cheguei até aqui.


Não tem nada que me faça tirar um pé para desistir.
Entendeu? A vida assim que é e eu vou sempre
persistir.
Chegar ao futuro olhar para trás e sorrir.
Ficar feliz com caminho que trilhei até aqui.
E com orgulho me lembrar de que esse caminho eu
que fiz.

Fico feliz por perceber minha capacidade.


Alcancei meus objetivos sempre pelo certo.
Sem causar nenhum desastre.

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 72 13/11/2014 19:35:46


P R O J E T O DE V ID A : C A M I N H O S P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O I N T E G R A L [ 73

Atividade 3: capacidade de escolha, o que contribui para a elabora-


ção de planos de ação mais conscientes e com maiores
Plano de Ação chances de serem realizados.

SÍNTESE SAIBA MAIS

Proposta da atividade: O jovem elabora um plano de


ação futuro nas áreas familiar, educacional, profissional Indicadores para orientar o educador na avaliação da
e social. Para cada objetivo, ele precisará declarar metas, capacidade do jovem em construir Planos de Ação
descrever o caminho para atingi-las, apontando as difi- mais conscientes e realizáveis:
culdades que podem ocorrer e as possíveis soluções.
A busca de informações é fundamental, para que o jo- • Aumento do nível de reflexão e da capacidade de
vem utilize a análise de contexto nas reflexões sobre tomar decisões.
suas escolhas. • Maior clareza no estabelecimento de metas e es-
tratégias na construção do projeto de vida: tipo,
consistência e adequação à realidade.
• Maior clareza na identificação dos interesses pes-
A juventude é marcada pelas descobertas, questiona- soais e profissionais.
mentos e pela intensa busca da identidade. Diante de • Ampliação do nível de conhecimento com rela-
um mundo repleto de informações e tecnologia, onde ção às profissões e demandas do mercado.
as mudanças acontecem diariamente, esse processo é • Aumento da capacidade de análise com relação
aguçado e o jovem precisa lidar com tudo, ao mesmo à inserção no mundo do trabalho: possibilidades
tempo, na tentativa de encontrar o seu caminho. Nesse e limitações (...)
cenário também se acrescenta a expectativa das famí-
lias e a pressão da sociedade para que ele tome deci- SERRÃO, Margarida; BALEEIRO, Maria Clarice. Apren-
sões, se responsabilizando por elas. Mas sabemos que dendo a Ser e Conviver. 2. ed. São Paulo: FTD, 1999, p.
o processo de escolha, nesse momento da vida, não é 279.
tão simples assim.

Vivendo uma fase assinalada pela experimentação, é


natural que as escolhas do jovem sejam permeadas
pela mudança, incertezas e diversidade de caminhos.
O importante é que, nesta fase, ele tenha a oportuni-
dade de analisar as possibilidades a partir da investi-
gação e compreensão da realidade que o cerca. Logo,
realizar exercícios de reflexão e pesquisa sobre suas
experiências torna-se necessário para a ampliação da

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 73 13/11/2014 19:35:47


74 ] A C Ã O C O M U NI T Á R I A D O B R A S I L

Plano de Ação A

Área profissional
Objetivo Metas Passo a passo Dificuldades Possíveis
que podem soluções
ocorrer
Conseguir um emprego 1ª - Pesquisar no jornal Comprar o jornal Não ter dinheiro Pedir emprestado
em uma empresa boa ofertas de emprego
para que eu possa pagar
minha faculdade 2ª – Enviar meu currícu- Fazer o currículo Não conseguir fazer um Me esforçar para fazer
lo para as empresas currículo muito bom um currículo melhor
3ª – Ser chamado para Me preparar Acordar atrasado Dormir bem no dia
participar de entrevistas Ficar doente no dia da anterior
de emprego entrevista
Não encontrar uma Não desistir de procurar
vaga de emprego que
se encaixe no meu perfil
4ª – Ir bem na entrevista Decorar as perguntas Esquecer algumas Me esforçar para
de emprego que os entrevistadores respostas lembrar das respostas,
mais fazem Não ter sorte acreditar que posso e
não deixar o desânimo
tomar conta de mim
5ª – Abrir uma conta no Escolher um bom banco Não conseguir abrir Ter calma e não desistir
banco para receber o a conta por falta de e insistir em buscar as
salário dinheiro soluções

Plano de Ação tipo A:

Os objetivos declarados são sustentados por estratégias


superficiais e sem consistência, que se baseiam em dese- Para relembrar!
jos e atitudes impulsivas e iminentes. Esse tipo de plano é
alimentado por uma autoestima extremamente “fortale- O educador precisa propor exercícios que auxiliem o jo-
cida” e que muitas vezes contribui para que o jovem des- vem na busca e reflexão de dados de realidade, sem per-
considere os dados de realidade em suas análises. der de vista a importância do fortalecimento da autoesti-
O jovem diz que alcançará seus objetivos se tiver força de ma para a realização do plano de ação. É fundamental que
vontade, acreditar em si mesmo, não desistir, não abando- o jovem aprenda a fazer a leitura de contexto para tomar
nar suas escolhas e se tiver determinação. Nesse plano as decisões, qualquer que seja o empenho necessário para
metas não são consideradas ou são equivocadas. alcançar o que se pretende.

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 74 13/11/2014 19:35:47


P R O J E T O DE V ID A : C A M I N H O S P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O I N T E G R A L [ 75

Observações sobre o Plano de Ação A: Quando educa- formações e compará-las, analisando o contexto no qual
dores buscam orientar jovens para a construção de seus os objetivos se inserem. O olhar sobre o contexto localiza
futuros, algumas perguntas podem ser feitas: será que essa o jovem em seu tempo e espaço, viabilizando escolhas fun-
orientação é tendenciosa e carregada de valores de quem damentadas e calculadas. O mundo a sua volta não existe
educa? Será que o acesso à informação de qualidade é ga- à toa, ele é o resultado de decisões históricas e conjunturas
rantido? Será que existem oportunidades para que a infor- presentes que influenciam a vida das pessoas.
mação se transforme em conhecimento e seja aplicada pelo
jovem? Enfim, quais os cuidados que precisam ser tomados? À medida que os jovens são capazes de notar que seus
Quais critérios precisam ser adotados? É possível orientar avós, muito provavelmente, em linhas gerais, estuda-
para que jovens construam planos para o futuro? Para que ram menos que seus pais, que provavelmente estuda-
elaborem projetos de vida conectados à realidade? ram menos do que eles, jovens, pretendem estudar ou
já estudaram, podem associar esse contexto à visão que
No processo de orientação para o futuro é fundamental a sociedade atual tem de trabalho e estudo. Ela mudou
que o educador considere o perfil do jovem com o qual ao longo das décadas mais recentes. Faz anos, trabalhar
pretende trabalhar. No caso do jovem pertencente às para um jovem era essencial, estudar era quase um luxo,
camadas mais populares, um aspecto a ser considerado sobretudo em algumas classes sociais. Hoje, ao contrário
é que existe uma significativa demanda pelo fortaleci- de antigamente, temos leis que proíbem o trabalho em
mento da autoestima desse sujeito. Isto ocorre devido certas idades, respeitando princípios constitucionais.
a fatores como, por exemplo, baixo repertório cultural, Como evoluímos para isso? O jovem seria capaz de no-
falta de acesso a instituições de ensino de qualidade, cir- tar que é em função desses valores que ele sai da escola
culação restrita à comunidade, não conhecimento das e vai a um projeto social, ou se matricula em cursinhos
políticas de acesso, poucas referências de casos de mo- de qualificação profissional sem mesmo ter ingressado
bilidade social, entre outras. Outro fator, este presente no mercado de trabalho? Por que muitos deles não tra-
nas várias juventudes, é a necessidade que os jovens têm balham? Os valores da sociedade atual permitem que
de construir sua própria individualidade, o que gera um seus pais façam a seguinte leitura: quanto mais tempo
cenário de experimentação, de questionamentos, dúvi- meus filhos dedicam à educação, maior a probabilidade
das e expectativas em busca da emancipação. À medida de eles seguirem uma carreira que lhes oferte melhores
que a autoestima é fortalecida, o jovem consegue passar condições sociais e econômicas. O que é isso? Um cálcu-
por este percurso com mais autonomia, para tomar de- lo pautado no passado. Que passado? Das famílias que
cisões e enfrentar adversidades. não tiveram a chance de estudar e sabem o quanto esse
investimento lhes fez falta na vida. Ter a percepção de
Portanto, conclui-se que fortalecer a autoestima é um dos contextos como esses, faz com que o jovem valorize as
primeiros investimentos que deve ser feito pelo educador, oportunidades de formação e as priorize em seus planos
para que o jovem descubra a si mesmo e ao outro, desen- de ação, comprometendo-se com momentos de estudo
volva a capacidade de formular e expressar suas ideias e e aprendizagem.
construa planos de ação para o futuro.
Conclui-se que a autoestima isolada não se sustenta,
Com a autoestima fortalecida, o jovem é capaz de acredi- pois precisa estar associada à busca das novas e “velhas”
tar em si mesmo para alcançar seus objetivos e metas, bem informações que, submetidas a um olhar crítico e curio-
como de lidar com as dificuldades que podem ocorrer. No so, transformam-se em ativos no processo de escolha
entanto, não basta apenas acreditar! É preciso buscar in- dos jovens pesquisadores.

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 75 13/11/2014 19:35:47


76 ] A C Ã O C O M U NI T Á R I A D O B R A S I L

Plano de Ação B

Área social

Objetivo Metas Passo a passo Dificuldades Possíveis


que podem soluções
ocorrer
Contribuir para diminuir a 1ª - Protestar Procurar amigos que Não encontrar ninguém Pedir para um amigo me
corrupção no Brasil (sempre) queiram protestar que queira protestar acompanhar, mesmo que
comigo ele não proteste. Tentar
Marcar um ponto de convencê-lo de que a
encontro com os amigos união faz a força
no centro de São Paulo

2ª - Votar melhor Conhecer os candidatos Não achar bons políticos Anular meu voto
(na eleição) pela propaganda na
televisão
Conversar com pessoas
de confiança sobre os
candidatos

3ª - Pensar em boas Ler no jornal as notícias Não entender as notícias Ser persistente e continu-
propostas para o país de economia e política ar lendo
(quando conseguir Pedir ajuda para meu
entender as notícias de educador
economia e política)

4ª - Ter atitudes honestas Fazer uma lista de atitu- Não encontrar pessoas Pedir ajuda para meus
(sempre) des desonestas honestas familiares e amigos
Pensar em formas para Confundir honestidade
não ser desonesto com o “jeitinho brasileiro”

Plano de Ação tipo B: Para relembrar!

Os objetivos são sustentados por estratégias baseadas O educador precisa propor exercícios para que o jovem
numa análise de contexto aleatória, generalizada e funda- aprenda a fazer perguntas sobre a realidade que o cerca
da no senso comum. O jovem utiliza informações do coti- e sobre as situações consideradas “normais”. Além disso,
diano, que fazem parte do seu universo de conhecimento, também precisa prepará-lo para que entenda que a meta
para definir o caminho (passo a passo) necessário para é um indicador do grau de atingimento de um certo obje-
que seus objetivos sejam alcançados. Nesse tipo de plano tivo, portanto, ela mostra o quão perto ou longe estamos
há um descompasso entre as metas e as ações declaradas, deste. Desta maneira, objetivo e meta precisam caminhar
revelando incoerência juntos no desenvolvimento do plano de ação.

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 76 13/11/2014 19:35:47


P R O J E T O DE V ID A : C A M I N H O S P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O I N T E G R A L [ 77

Observações sobre o Plano de Ação B: Como já foi dito, destino desejado. Assim sendo, se o jovem compreender
utilizar dados de realidade na projeção do futuro é fun- que “viagens” calculadas, planejadas com começo, meio e
damental. No entanto, como o jovem deve fazer isso? fim, podem ser mais bem sucedidas, ampliará suas chan-
Ele pode usar qualquer informação? Deve considerá-la ces de alcançar o que deseja.
isoladamente? Que tipo de pesquisa deve fazer? Quanto
tempo deve gastar com esta atividade? Deve buscar pes- Nesta perspectiva, o educador acompanhará o jovem em
soas de referência para ouvi-las a respeito do assunto suas “viagens”, fornecendo-lhe as ferramentas necessá-
que lhe interessa? rias para que identifique as trajetórias existentes, como
também perceba que há vários caminhos para alcançar
É comum que pessoas tomem decisões baseadas em so- o objetivo almejado, uns mais curtos, outros mais lon-
nhos, padrões sociais, status, tradições, resultados ime- gos, os incertos e, ainda, aqueles que são opostos ao que
diatos ou apenas na própria moda. Quais são as chances se pretende.
de estas escolhas darem certo? Provavelmente, uma parte
delas alcance bom resultado. Mas como ampliar as possi- Orientar os jovens para que sonhem planejadamente,
bilidades de sucesso, reduzir os riscos ou calculá-los com identificando e interpretando padrões, utilizando infor-
maior precisão? Como conciliar sonhos com planeja- mações de maneira qualificada e associada, contribui para
mento e estabelecimento de metas, uma vez que o intuito que os limites do seu projeto de vida sejam ampliados e
não é ignorar os desejos das pessoas e seus momentos de que as chances de realização aumentem. Nesse processo,
vida? Mesmo porque, no caso das ações formativas com a análise de contexto deixa de ser aleatória e generaliza-
jovens, ignorar ou desvalorizar seus sonhos significa blo- da, passando a ser feita com foco e fundamento. O jovem
quear o canal de comunicação educador-educando, que construirá o passo a passo dos objetivos a serem alcan-
precisa ser estabelecido para que estes sujeitos estejam çados, investigando as dificuldades que podem ocorrer
abertos ao aprendizado. e como superá-las. À medida que faz isso, afasta-se do
senso comum, formulando respostas mais estruturadas e
No caso da juventude, o desafio de transformar sonhos menos superficiais.
em ações planejadas e dimensionadas é maior. Os jovens
sonham alto! Neste momento de vida a prática de sonhar Enfim, seu desejo de voar e seu potencial de abrir a ASA
é intensa, descompromissada e sem critérios estabeleci- são orientados de forma clara e criteriosa. Aqui ele é livre
dos. Não à toa chamamos de ASA essa etapa do trabalho para escolher, mas imediatamente levado a entender os
de construção do Projeto de Vida. É hora de voar, de via- limites de suas escolhas, como também a necessidade de
jar. Mas ao mesmo tempo é importante planejar e estabe- que as ações futuras tenham coerência com a dinâmica
lecer metas. É possível conciliar tais aspectos e, embora do mundo em que vive.
esta tarefa não seja simples, é necessária.

O objetivo não deve ser o de empreender um processo


no qual o jovem elabore um planejamento concluso e
“impecável”, ao contrário disso, o que importa é o inves-
timento que é feito no exercício do ato de planejar. Esta
tarefa precisa ser realizada, a partir de dados concretos
e considerando o caminho a percorrer na direção do

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 77 13/11/2014 19:35:47


78 ] A C Ã O C O M U NI T Á R I A D O B R A S I L

Plano de Ação C
Área educacional
Objetivo Metas Passo a passo Dificuldades Possíveis
que pode soluções
ocorrer
Fazer faculdade de 1ª - Pesquisar as faculda- Acessar a internet e reali- Não conseguir autori- Procurar pessoas que
Arquitetura des ou cursos técnicos zar a pesquisa depois de zação para conhecer as possam me ajudar a ter o
que oferecem o curso pedir as orientações para faculdades acesso às faculdades
(janeiro/2013) meu educador
Não conhecer pessoas Perguntar para os educa-
Visitar as faculdades que estudaram nestas dores se eles conhecem
que mais interessaram e instituições alguém
conversar com pessoas
que estudaram nestas
instituições

2ª - Elaborar uma planilha Pedir a orientação do Levantar o que é preciso Pedir a ajuda dos meus
de gastos consideran- educador para utilizar to- fazer para me inscrever pais e do meu educador
do todas as despesas dos os recursos do Excel no vestibular
envolvidas (mensalidade, necessários e para auxiliar Fazer minha inscrição e
transporte, alimentação no formato da planilha realizar a prova
e livros)
(janeiro/2013) Levantar as informações
para a elaboração da
planilha (valor de cada
despesa necessária)
3ª - Prestar o vestibular na Levantar o que é preciso Não entender as notícias Pedir para meu tio que
instituição escolhida fazer para me inscrever está bem de vida
(outubro/2013 no vestibular

Fazer minha inscrição e


realizar a prova

4ª - Me formar em Estudar para garantir as Ter dificuldade em Mate- Pedir ajuda para meu
arquitetura notas necessárias para mática professor e tentar estudar
(Novembro/2017) me formar com um colega da facul-
dade que tire boas notas
Frequentar as aulas nesta matéria

Plano de Ação tipo C Para relembrar!

Os objetivos são sustentados por uma análise de con- O importante é que o educando se aproprie da lógica
texto mais aprofundada e estruturada. O jovem considera do planejamento para a vida, precisa saber que projetos
dados de realidade na definição do caminho a percorrer futuros não são imutáveis, que podem ser modificados,
para alcançar os objetivos. Nesse plano de ação há maior aprofundados ou descartados. Afinal, o jovem encontra-
entendimento do jovem sobre o conceito de meta, e esta se numa intensa fase de experimentação. Mudar não
se mostra coerente em relação ao objetivo declarado. significa falta de comprometimento.

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 78 13/11/2014 19:35:47


P R O J E T O DE V ID A : C A M I N H O S P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O I N T E G R A L [ 79

Observações sobre o Plano de Ação C: Investir na cons- são iguais ou similares? Existem elementos comuns
trução de um plano de ação mais estruturado e aprofun- entre as famílias dos meus pares? Como cada um lida
dado possibilita aos jovens compreender os contextos com os desafios?
de objetivos que são recorrentes entre seus pares: fazer
cursinhos de curta duração para se aprimorar; conse- Quanto maior for o subsídio ao jovem na leitura de
guir um emprego que ofereça boa remuneração, ajudar mundo para que projete o futuro, maior será sua capa-
a família com recursos financeiros; construir uma fa- cidade de consolidar seus planejamentos com clareza e
mília feliz e tranquila; fazer faculdade; comprar uma percepção de realidade. Essa ampliação poderá auxiliar
casa com piscina; comprar um carro importado, viajar na identificação de aspectos positivos e negativos de
pelo mundo inteiro, se esforçar muito para alcançar os seus intuitos, na identificação de facilidades e dificul-
objetivos, etc. dades, bem como na definição dos tempos adequados
para cada ação declarada. Além disso, o jovem poderá
Ao tentar fazer uma leitura desses objetivos, buscando considerar suas habilidades e aquelas que precisa de-
informações, o jovem se depara com questões de ordem senvolver, para que alcance seus objetivos. Em resumo,
social, familiar, pessoal e as associa, obtendo mais ele- projetar o futuro, de forma consistente, significa fazer
mentos que podem embasar suas decisões. No caso da escolhas com base no autoconhecimento e na investiga-
escolha profissional associada a uma possível faculdade, ção da realidade, ou seja, é empreender um exame cada
por exemplo, a pesquisa não deve apontar apenas um vez mais minucioso de si e dos outros que o cercam.
curso ou uma carreira de forma genérica. Mas sim indi- Mais ainda, é conhecer e interpretar as instituições, os
car uma escola específica, o preço de sua mensalidade, diferentes interesses, as relações e as oportunidades
sua localização, o turno em que o curso é oferecido, se existentes. Tal empreendimento requer curiosidade,
está credenciada no Ministério da Educação (MEC), se autoconfiança, resiliência, capacidade de prospecção e
existem perspectivas para a carreira pretendida no mer- visão destemida de futuro.
cado de trabalho, se existem profissões similares ou co-
nexas, entre outras informações. Até mesmo os classifi- Cabe ressaltar que o plano de ação é mutável e pode ser
cados de empregos devem ser consultados: que tipos de revisto à medida que o conhecimento sobre si mesmo e
função se oferecem para iniciantes nessa carreira? Que os cenários mudem. O intuito final não é fazer com que
tipo de remuneração é oferecida? Se há muita oferta de o jovem construa planos para o futuro definitivos, mas
emprego? Qual o regime de contratação? Desta manei- propor exercícios para que descubra a si mesmo e cons-
ra, o jovem poderá abrir suas asas, mas não sem antes trua uma orientação para a vida, formando sua iden-
apresentar seu plano de voo. tidade. Ao conhecer e problematizar o mundo em que
vive, encontrará sua maneira de Viver e Conviver. Tal
Nesse processo de elaboração do plano de ação, as des- processo é dinâmico e se transforma a cada instante.
cobertas podem ser facilitadas por situações coletivas.
Por meio de rodas de conversa, os jovens podem perce-
ber a si mesmos e ao mundo: O que os demais colegas
desejam? O que há de comum e diferente entre meus
desejos e os dos outros? O quanto a pesquisa de outro
jovem pode contribuir com minhas escolhas? Como
cada jovem reage às escolhas? As pessoas encontram
diferentes caminhos para alcançarem objetivos que

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 79 13/11/2014 19:35:47


80 ] A C Ã O C O M U NI T Á R I A D O B R A S I L

Atividades do projeto de vida

Objetivo | Completar as seguintes frases,


refletindo sobre o tema “Quem Sou Eu?”

Quem sou eu?

Eu sempre gostei de tirar fotos.


Meus pais gostariam que eu fosse médico.
Imagino-me no futuro fazendo Propagandas.
Quando criança, eu queria ser bombeiro.
No mundo em que vivemos, vale mais a pena es-
tudar e aprender.
Do que ver os anos passarem.
Se não estudasse, eu teria que trabalhar duro.
Prefiro fazer faculdade.
Do que fazer curso profissionalizante.
Não me consigo ver despreparado.
Quando me perguntam sobre minha futura pro-
fissão, eu digo serei modelo fotográfico e de
propagandas.
Para escolher minha profissão, levo em conside-
ração o que gosto de fazer.
Enfim, eu me sinto determinado.

Produção do jovem: Wesley Veras, 15 anos

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 80 13/11/2014 19:35:47


P R O J E T O DE V ID A : C A M I N H O S P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O I N T E G R A L [ 81

Considerações finais

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 81 13/11/2014 19:35:48


82 ] A C Ã O C O M U NI T Á R I A D O B R A S I L

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 82 13/11/2014 19:35:48


P R O J E T O DE V ID A : C A M I N H O S P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O I N T E G R A L [ 83

Considerações finais

Em vez de uma inteligência que separa o complexo do


mundo em pedaços isolados, fraciona os problemas
e unidimensionaliza o multidimensional, como afir-
ma Edgar Morin, precisamos de uma perspectiva que
integre, organize e totalize. Só assim teremos como
aproveitar de modo pleno as inúmeras possibilidades
de compreensão e reflexão propiciadas pela evolução
geral dos conhecimentos.”
(Nogueira, 2001)

M esmo com o avanço das políticas públicas no cam-


po da educação nos últimos anos, o Brasil ainda possui
vas formas a favor do aprendizado dos educandos é um
elemento fundamental, para que o cenário da educação
uma das maiores taxas de analfabetismo entre pessoas seja modificado.
com 15 anos ou mais, ocupando o 8.º lugar entre os países
com este problema. Esse dado foi divulgado pela Orga- Nesta perspectiva, a metodologia apresentada neste livro
nização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e significa uma tentativa de propor ferramentas e lógicas
a Cultura (UNESCO), apontando que ainda é necessário que contribuam para a prática dos educadores, estimu-
investir em iniciativas e políticas que contribuam para o lando-os e ajudando-os a desatar alguns nós que se co-
enfrentamento dos desafios e consequentemente para a locam ao longo do processo formativo. À medida que
redução do analfabetismo. Uma das causas indicadas pela conseguem visualizar o aprendizado efetivo e a mudança
UNESCO é a falta de preparo dos educadores e o fato de no projeto de vida dos jovens com os quais atuam, mo-
as atividades não serem atraentes aos estudantes. tivam-se ao perceber o quanto sua atuação é importante
para formar sujeitos mais autônomos e participativos,
Partindo da premissa de que o educador é peça chave no que sejam capazes de contribuir para o alcance de uma
processo de superação da situação da educação no Brasil, sociedade mais democrática e igualitária.
quais estratégias precisam ser estruturadas e que decisões
precisam ser tomadas para que esses profissionais sin- Educadores mais preparados e entusiasmados têm sua
tam-se motivados e dispostos a encontrar novos canais capacidade ampliada de auxiliar jovens na luta por seus
de comunicação com os educandos? direitos, inspirando-os e apoiando-os nesse processo.

A solução não depende somente de boas estratégias para Conforme o jovem analisa o contexto no qual está inseri-
mobilizar o interesse do estudante, já que os desconten- do, investigando sua história, a dinâmica das relações e os
tamentos desses profissionais incluem, por exemplo, me- canais de participação, desenvolve um olhar mais abran-
lhores condições de trabalho. No entanto, descobrir no- gente para fazer escolhas e construir seu Projeto de Vida.

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 83 13/11/2014 19:35:48


84 ] A C Ã O C O M U NI T Á R I A D O B R A S I L

Ele aprende a fazer isso a cada vivência formativa, fazen- contextos, mas apoiá-lo na reflexão e estruturação do
do perguntas, interagindo com seus pares e desconfiando projeto preexistente, para que ele o amplie e o modifique
de cada “verdade” que lhe é apresentada. Ao comparar conforme sua visão de mundo se torne mais abrangente
“verdades” e situações recorrentes, o jovem percebe a cul- e fundamentada.
tura da qual faz parte e desnaturaliza fatos que sempre
interpretou como naturais, o que o empodera para pensar Esperamos que esses referenciais possam empoderar os
em novos caminhos para sua história de vida. educadores e lideranças comunitárias que se empenham
na defesa do direito do jovem ao desenvolvimento inte-
A metodologia do Projeto de Vida é marcada pelo olhar gral e à sua efetiva participação na vida pública.
atento ao detalhe e por um caráter de abrangência ao mes-
mo tempo. Esses dois aspectos são colocados em prática Acreditamos que projetos e ações como estas têm um
à medida que o educador valoriza e explora cada percep- considerável potencial de transformação da sociedade e
ção e informação sobre o educando, não perdendo de vis- são de extrema relevância frente aos desafios presentes
ta o movimento do grupo de jovens e o contexto de suas no contexto social que envolve nossos jovens. As inicia-
histórias. Já os educandos conciliam tais aspectos quando tivas que atendem esta perspectiva, quando combinadas,
realizam leituras abrangentes sobre situações do cotidia- ampliam as janelas de oportunidade a favor da mudança
no que, num primeiro momento, eram interpretadas por social e contribuem para a prevalência de um fluxo con-
eles como fatos que só lhes diziam respeito. tínuo de conhecimento.

Ao longo do percurso formativo (Raiz, Contexto e Asa), Enfim, a metodologia do Projeto de Vida representa uma
cada acontecimento da vida privada pode ser “transfor- semente na tentativa de contribuir para a disseminação
mado” em fenômeno social pelo jovem, revelando cená- do conhecimento e para a formação de uma rede de ato-
rios econômicos, desigualdades, estruturas políticas, rela- res sociais em prol do desenvolvimento integral dos edu-
ções de poder, lógicas e demandas do mundo do trabalho, candos. Por meio das estratégias propostas, pretende-se
entre outras situações sociais. formar jovens para que aprendam a escolher, educando-
se para a vida pessoal, para o mundo do trabalho e para
O que fundamenta e orienta essa prática educativa é o participar na vida pública.
fato de amparar esse processo a partir de métodos facili-
tadores (Imaginação Sociológica e Cartografia), indican-
do um jeito singular de formar sujeitos autônomos com
base numa visão política emancipatória.

Outro aspecto a ser mencionado é que os jovens que


vivenciam a metodologia proposta não iniciam esse
processo “zerados”, ou seja, possuem valores, crenças,
conhecimentos e concepções que se mostram, no início
e ao longo do processo formativo, influenciando a dinâ-
mica de aprendizado do educando e orientando a prá-
tica do educador. Desta forma, a ideia não é provocar o
jovem para que construa um Projeto de Vida totalmente
novo, desconectado de suas origens, desejos, sonhos e

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 84 13/11/2014 19:35:48


P R O J E T O DE V ID A : C A M I N H O S P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O I N T E G R A L [ 85

Anexos

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 85 13/11/2014 19:35:48


86 ] A C Ã O C O M U NI T Á R I A D O B R A S I L

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 86 13/11/2014 19:35:48


P R O J E T O DE V ID A : C A M I N H O S P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O I N T E G R A L [ 87

Anexo 1: Atividade de Imaginação O educador deverá inserir o número de aspectos necessá-


Sociológica rios, para separar plenamente a turma de jovens. O ideal é
que a sala, ou espaço ao ar livre, seja amplo para que eles
Nome da atividade: percebam o isolamento.

“Nem pior, nem melhor: apenas diferentes”. Alguns exemplos de variáveis que podem ser utilizados
para separar os jovens:
Intencionalidade:
Gênero: masculino e feminino.
O propósito da atividade é levar os jovens a perceber que
entre seus pares existem semelhanças e diferenças que os Relacionamento conjugal dos pais: vivem juntos ou não
tornam únicos. E é dentro dessa diversidade que surgem vivem juntos.
desafios, como a necessidade de investir em princípios
gerais de tolerância. É importante manter os critérios sempre com DUAS
possibilidades. Após essa segunda variável, serão quatro
Compreender múltiplas realidades oferece ao jovem grupos: meninos de pais separados, meninos de pais que
uma visão mais ampla sobre o ambiente em que se vivem juntos e meninas nas duas condições.
vive. Entender tais diversidades em perspectiva histó-
rica vai auxiliá-lo na construção de um olhar múltiplo Religião: católicos e não católicos.
sobre a sociedade.
Essa religião foi escolhida somente pelo fato de estatisti-
Objetivo: camente dois terços da população brasileira serem de ca-
tólicos, mas isso não está relacionado com a desvaloriza-
Possibilitar ao jovem a percepção de si mesmo em meio ção de outras religiões, que também podem ser utilizadas
à diversidade, encarando-a como algo singular, mas que como critério para a formação dos subgrupos.
pode ser associada a outros sujeitos, a fim de que desen-
volva a capacidade de melhor entender o mundo em que Time de futebol: corintianos e não corintianos; flamen-
vive, a partir de leituras mais abrangentes. guistas ou não flamenguistas, entre outros.

Passo a Passo: Etnia: negros, brancos, indígenas, etc.

Primeira Etapa: Esta é uma variável que pode ser aproveitada pelo edu-
cador, para que o conceito de etnia seja apresentado aos
O educador anunciará alguns aspectos para dividir os jovens, estimulando-os a respeitar as diversidades e com-
jovens em subgrupos sucessivamente. Eles podem ser preender a história da formação do povo brasileiro.
separados por um número de variáveis que os levem ao
isolamento pleno, ou seja, até ficarem sozinhos. Número de irmãos: Dois ou mais irmãos; um ou nenhum
irmão.
Cada jovem receberá uma folha de papel em branco e
anotará suas características à medida que o educador O educador deverá inserir variáveis até os jovens ficarem
apresentar as opções. sozinhos, sempre tomando cuidado para que não sejam

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 87 13/11/2014 19:35:48


88 ] A C Ã O C O M U NI T Á R I A D O B R A S I L

feitos comentários, que possam gerar sentimentos nega- sozinho em suas escolhas e características. Essa constata-
tivos ou desrespeito. ção é o início possível para que haja a percepção de vida
em sociedade, com diversidade e tolerância.
Depois de separados, o educador pedirá para que circu-
lem pela sala e procurem encontrar alguém idêntico (a). A pesquisa pode ser estimulada com dados do IBGE, por
Alguém que tenha todas as suas características. Muito exemplo.
provavelmente, não encontrarão esta pessoa.
Uma boa solução é distribuir aos jovens tabelas com as
O próximo passo é pedir para que o grupo volte a circular características que foram citadas na primeira etapa.
pela sala e que cada jovem encontre alguém que seja me-
lhor que ele: “De olho nas características, dê a mão para Formando duplas ou trios, podem olhar juntos as tabelas.
alguém que seja melhor que você”. Eles vão desvendar o mundo que os cerca.

Se isso ocorrer, o educador deverá “desfazer” tais junções Se, nessas tabelas, existirem dados em perspectiva histó-
por meio de um discurso que valorize a autoestima e a rica, MELHOR, pois eles serão capazes de notar tendên-
valorização da diversidade. cias como, por exemplo: aumento no número de negros no
Brasil, aumento no número de evangélicos, predominância
Em seguida, pode-se solicitar que escolham uma caracterís- discreta das mulheres em relação aos homens, aumento do
tica que julgem “legal” e a utilizem para escolher alguém. número de famílias chefiadas por mulheres, etc. Nem todas
as características utilizadas precisam estar nas tabelas.
O intuito é mostrar que eles têm liberdade para se
aproximar de quem gostam, admiram ou com quem A partir de uma reflexão sobre os dados, as duplas / trios
querem manter relacionamento. podem ser estimuladas (os) a fazer apresentações rápi-
das aos demais jovens, sobre o que lhes chamou mais a
No final, os jovens estarão próximos e “entrelaçados”, daí a atenção.
conclusão: nem melhores, nem piores, apenas diferentes!
Ouvidas as análises, é importante que criem, estabeleçam
O educador finalizará a primeira etapa da atividade res- e apresentem hipóteses para entender por que OCOR-
saltando a ideia da conclusão. REU aquilo que lhes chamou a atenção, ou seja, quais fo-
ram as causas dos fatos analisados pelos jovens.
Segunda Etapa:
No final, vale a pena dizer que a verificação dessas hipóte-
A próxima etapa consiste na pesquisa sobre as caracterís- ses, respondidas com o uso de métodos científicos, é o que
ticas apresentadas pelos jovens. Eles devem buscar esta- chamamos de ciência – nesse caso ela é social, porque busca
tísticas que dimensionem suas características com base desvendar um fenômeno percebido em nossa sociedade!
em perguntas como:
Pontos essenciais:
Qual o percentual de distribuição, na sociedade, das religi-
ões, das preferências futebolísticas, dos gêneros, das etnias? A GRANDE questão é lembrar que toda a atividade pre-
cisa ser baseada em perguntas.
Com a pesquisa será possível notar que ninguém está

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 88 13/11/2014 19:35:48


P R O J E T O DE V ID A : C A M I N H O S P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O I N T E G R A L [ 89

A todo o momento, os jovens devem ser estimulados a Anexo 2: Cartografia


entender que, embora sejam únicos (valorização da di-
versidade), são capazes de viver em harmonia, dentro dos Nome da atividade:
limites da tolerância.
“Expedição Cartográfica”
Por meio da pesquisa, os jovens devem ser instigados a
formular hipóteses, desenvolvendo uma visão mais am- Intencionalidade:
pla da realidade.
O intuito da atividade é adensar e ampliar o universo de
É importante estimular debates e perguntar o que acham atuação dos jovens a partir de uma perspectiva cartográ-
da reflexão alheia. fica. A ideia é proporcionar a eles um conhecimento mais
aprofundado da comunidade em que vivem, além de es-
Sugestões para aprofundamento da atividade: timulá-los e apoiá-los em ações de protagonismo juvenil
que influenciem a coletividade.
Filmes:
A Cartografia é aliada da Imaginação Sociológica, à me-
Manderlay - Lars Von Trier dida que auxilia o jovem no desenvolvimento de uma
Quase dois irmãos - Lucia Murat percepção mais ampla da comunidade, para que eles
O Baile - Ettore Scola possam ser protagonistas de suas histórias e refletir sobre
Narradores de Javé - Eliane Caffé seus projetos, tanto individuais, como coletivos.

Sites: Objetivo:

www.ibge.gov.br  Dar subsídios para que os jovens reflitam e discutam so-


www.seade.gov.br bre as seguintes questões:
www.ipea.gov.br
www.pnud.org.br Os espaços possíveis para uma convivência prazerosa,
saudável e de aprendizagens.

O reconhecimento e o mapeamento da paisagem social e


ambiental da comunidade.

A relação entre comunidade e escola.

O trabalho realizado pelas entidades e associações da


comunidade.

A relação entre as questões sociais da comunidade e de


contextos sociais mais amplos.

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 89 13/11/2014 19:35:49


90 ] A C Ã O C O M U NI T Á R I A D O B R A S I L

Passo a Passo: trajeto a ser percorrido durante o tour pela comunidade,


como também o papel que cada jovem deve desempenhar.
Primeira Etapa:
É preciso considerar as habilidades individuais (os mais
Aquecimento: entrevistas no grupo, para que os jovens se falantes, os mais observadores, os mais criativos, os mais
familiarizem com esta prática, antes de entrevistarem as metódicos, os que têm facilidade para escrever), tanto
pessoas da comunidade. para garantir diferentes olhares e percepções no processo
de investigação, como para criar condições para que to-
Cada jovem escreve em uma folha de papel “sua música dos os jovens participem da atividade.
preferida”, “a comida de que mais gosta”, “o melhor filme
que já viu”, “a atividade de lazer preferida”. Lembrando sempre que essas habilidades não são inatas,
que podem e devem ser aprendidas e aperfeiçoadas na
Depois disso, cada jovem fixa o papel em seu peito e o relação entre educador e educando.
grupo circula pela sala observando as preferências dos
outros jovens. Munidos de papel e caneta, os jovens circularão pela
comunidade, fotografando, filmando, entrevistando ou-
O educador sugere a formação de duplas, considerando tros jovens e lideranças comunitárias, conversando com
a “proximidade” das preferências. Em seguida cada jo- moradores antigos e professores das escolas, visitando
vem entrevista seu parceiro de dupla, anotando todas as espaços culturais, conhecendo grupos artísticos, além de
informações em um papel, de modo a conhecer outras ouvir os trabalhadores das organizações/instituições e do
preferências, escolhas, posicionamentos, crenças e carac- comércio local.
terísticas do entrevistado.
Esse processo fornecerá ao educador e aos jovens um ma-
É importante que colham o maior número possível de terial precioso para o fomento de futuras investigações e
informações sobre o outro e que registrem o conteúdo análises. A ideia é que, depois da “expedição cartográfica”,
das entrevistas. eles possam se apropriar melhor do universo da comu-
nidade, reconhecendo a diversidade com que os espaços
Depois disso, cada um apresenta seu entrevistado para o locais são ocupados e geridos, além de refletir sobre suas
grupo e, em seguida, verifica se suas hipóteses se confir- práticas, alterando as maneiras de ver, sentir, pensar e
maram, ou seja, se aquilo que imaginou do outro foi de perceber o entorno.
alguma maneira confirmado por ele.
Proposta de roteiro para conversa com pessoas da
Segunda etapa: comunidade:

Expedição Cartográfica: os jovens realizam um tour pela É sempre bom promover um encontro com os jovens
comunidade, que tem caráter investigativo. Eles fotogra- para dirimir as dúvidas que possam surgir a propósito
fam, filmam e entrevistam as pessoas que vivem na comuni- dos conceitos, ideias e palavras existentes na “sugestão de
dade, anotando impressões, suposições e questionamentos. roteiro para conversa”.

O educador organizará o grupo de jovens em duplas ou As conversas com os diferentes atores da comunidade
trios. Juntamente com os jovens, definirá um roteiro do podem ser gravadas (desde que seja com autorização

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 90 13/11/2014 19:35:49


P R O J E T O DE V ID A : C A M I N H O S P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O I N T E G R A L [ 91

prévia do entrevistado), para facilitar discussões e siste- Entrevistas com “Trabalhadores das organizações e ins-
matizações posteriores. tituições locais”

Um “ensaio” deixará os jovens mais seguros. Há quantos anos a organização se instalou na comuni-
dade? Quais os objetivos da organização e qual a faixa
Seguem algumas sugestões de perguntas para as entrevistas: etária do público atendido? Que critérios existem para
o atendimento? E como é feita a divulgação? Como você
Entrevistas com “Outros jovens da comunidade” classificaria a população local: participativa, solidária, de-
sinteressada, desmobilizada? Qual o principal problema
Quais as três principais coisas que gostaria que existissem da região? A organização participa de algum fórum, as-
no bairro? Quais as opções de estudo, lazer e cultura do sociação, conselho, movimento reivindicatório? A orga-
bairro? O que você gosta de fazer nas horas de lazer? nização realiza trabalho em parceria? E o que determina
Qual a sua opinião sobre a sua escola? E o que você gos- a escolha de parceiros?
taria que a escola oferecesse? Por quê? Você conhece o
trabalho de alguma instituição local? Você participa de Entrevistas com os “Comerciantes Locais”
algum grupo de jovens? Qual? Como sua comunida-
de aparece no jornal, no rádio, na televisão? O que você Há quanto tempo você tem comércio na região? Já teve
acha do que é dito sobre ela? Quais as três piores coisas problemas com violência? Quais mudanças poderiam
que acontecem no bairro? contribuir para a melhoria do seu comércio? Como os
comerciantes poderiam contribuir para a melhoria da co-
Entrevistas com “Moradores Antigos” munidade? Você já realizou alguma ação nesse sentido?

Você sabe de onde vem o nome da região onde mora? Entrevistas com “Professores das escolas”
Fale sobre as pessoas e famílias que, na sua opinião, aju-
daram a construir essa comunidade. Conte um pouco Qual sua opinião sobre a escola e sobre os jovens que a
da história da comunidade e de como foram chegando a frequentam? O que mais dificulta o trabalho da escola?
luz elétrica, o transporte coletivo, as primeiras fábricas, o Do seu ponto de vista, o que há de bom e o que falta
comércio, as primeiras escolas, o posto de saúde, a igreja, na escola? Quem pode ajudar a resolver os problemas
etc. Quais as primeiras festas que aconteceram na sua co- da escola e do bairro? Existe Grêmio ou outra forma
munidade? Como elas surgiram? Qual o acontecimento de organização dos alunos? Como funciona? Que ou-
mais importante da sua comunidade? Você participou tras atividades podem ser desenvolvidas na escola, além
dele? Qual era o lugar mais bonito da comunidade quan- das aulas propriamente ditas? Você participa de algum
do você era jovem? Se você pudesse mudar algum fato grupo da comunidade: associação de moradores, movi-
histórico da sua região, o que mudaria? Há algum outro mento reivindicatório, conselhos/fóruns, partido políti-
fato ou história que você gostaria de relatar? Fale das co, grupo religioso?
coisas boas e dos problemas que essa história deixou.
Orientações para o desenvolvimento da entrevista:
Os jovens podem reunir dois ou três moradores e realizar
uma entrevista coletiva, que pode ser gravada e posterior- Lembrar que a entrevista é uma conversa aberta, mas
mente editada. Dessa maneira, a conversa pode ser mais orientada por um objetivo. Existe uma "agenda oculta”
produtiva, com um formato de “bate papo”. que direciona o rumo da conversa por meio das pergun-

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 91 13/11/2014 19:35:49


92 ] A C Ã O C O M U NI T Á R I A D O B R A S I L

tas em cada questão. As respostas serão assinaladas só Pontos essenciais:


pelo jovem pesquisador.
Durante o processo os jovens precisam ter espaço para
É preciso evitar a contaminação das respostas: fixar a elaborar e executar (na medida do possível) novas ideias.
atenção no entrevistado principal, lembrando sempre
que é o ponto de vista do entrevistado que interessa. No O processo precisa ser participativo, estimulando o pro-
caso de a conversa ser com um casal, focalizar em um dos tagonismo juvenil.
dois e perguntar sempre para a mesma pessoa.
Os jovens precisam desenvolver ações de reflexão e de
Tomar cuidado para não emitir juízos de valor durante a intervenção sobre seus projetos de vida, à medida que
entrevista, evitando exercer qualquer influência sobre as aprofundam o conhecimento sobre as questões sociais.
respostas dadas. Os valores e opiniões do entrevistado é
que interessam. Sugestões para aprofundamento da atividade:

Criar um clima de cordialidade e simpatia. Conduzir a Texto:


entrevista calmamente. Insistir sem forçar as respostas.
MONTENEGRO, Fábio; Vera Masagão. Nossa escola
O entrevistador precisa suportar os silêncios. Não deve pesquisa sua opinião: manual do professor. São Paulo:
induzir respostas. Diante de respostas vagas ou “não sei”, Global, 2002.
tentar ajudar o entrevistado. Pode ser que o entrevistado
nunca tenha pensado antes na questão colocada e precise Vídeo:
de uma ajuda para organizar o pensamento e dar uma
opinião. Atitude em Cena (2003, Direção Joinha Filmes). Dur 17'
Além da Lousa, Culturas Juvenis, Presente (2000,
Estar atento às fantasias e temores do entrevistado: ele Direção Grupo Educação Ritmo Rua) Dur. 14'
pode imaginar que o entrevistador mantém vínculos com
alguma instituição ou pessoa que poderia prejudicá-lo; Site:
ou que suas queixas vão resolver seus problemas (porque
o entrevistador é representante do governo); situações Observatório Jovem do Rio de Janeiro - <http://www.uff.
deste tipo pedem que o entrevistador retome a finalidade br/observatoriojovem/>
do trabalho, dando os esclarecimentos necessários.

Reforçar sempre a importância da opinião do entrevistado.

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 92 13/11/2014 19:35:49


P R O J E T O DE V ID A : C A M I N H O S P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O I N T E G R A L [ 93

Anexo 3 - Plano de Ação Ação, o educador deverá explicar a definição de cada área
ao educando, além de sensibilizá-lo em relação aos temas
O PLANO DE AÇÃO não é imutável, ele deve ser revisto e esclarecer dúvidas.
e adequado às necessidades da pessoa interessada e do
seu contexto de vida. Durante a construção é importante O Plano de cada área será desenvolvido em quatro etapas:
que as etapas fiquem claras e tenham coerência entre si, Análise de contexto para a definição de objetivos e metas;
para que objetivos sejam possíveis. Definição de objetivos; Estabelecimento das metas; Iden-
tificação do Passo a Passo.
Outro aspecto fundamental nesse processo é a análise
dos dados de realidade. Analisar a realidade não significa O educador deverá apresentar a proposta de cada etapa,
descartar os sonhos, mas considerar o contexto e verificar definindo-a e ressaltando a importância de cada uma de-
se as condições são favoráveis ou não às escolhas. Em ou- las no processo de tomada de decisões.
tras palavras, ninguém está isolado do mundo para tomar
decisões, logo, elas precisam ser tomadas considerando o Em todas as etapas, o educador deverá auxiliar o jovem na
mercado de trabalho, as condições econômicas, a cultura, busca de elementos para administrar as dificuldades que
a sociedade e o conhecimento sobre si mesmo. podem ocorrer e na descoberta de possíveis soluções.

O planejamento é fundamental na construção do PLA- Orientações gerais ao educador:


NO DE AÇÃO. Planejar é refletir sobre as ações que pre-
tendemos realizar para alcançar nossos objetivos. É papel do educador subsidiar o jovem na análise de con-
texto, fornecendo informações e meios para interpretá-las.
Objetivos do Plano de Ação:
O jovem precisa ser subsidiado para que perceba os dois
Sensibilizar o jovem sobre a importância do planejamen- grupos de fatores relacionados às escolhas: favoráveis e
to da vida futura com base no autoconhecimento e na desfavoráveis.
observação da realidade.
Cada etapa é pré-requisito para a outra. Antes de avan-
Auxiliar o jovem na definição de objetivos e metas para çar nas etapas, o educador deverá orientar o jovem para
o futuro a partir da análise do mundo, correlacionando que este faça uma revisão do plano construído até aque-
esse processo com o autoconhecimento desenvolvido nas le momento.
atividades referentes ao Passado e ao Presente.
O educador precisa criar contextos para que o jovem re-
Construir o Plano de Ação (sugestão de tempo de pro- flita sobre as mesmas questões em todas as etapas, assim,
jeção: 5 anos). haverá aprofundamento das reflexões. Desta forma, as es-
colhas feitas em uma determinada etapa devem ser revis-
Desenvolvimento da atividade: tas na etapa seguinte e durante todo o processo.

O jovem construirá um Plano de Ação para as áreas Fa- Cabe ao educador cuidar para que o jovem tenha clareza
miliar, Educacional, Profissional e Social. de processo do estabelecimento dos objetivos e das metas.

Após apresentar a proposta de construção do Plano de O processo de autoconhecimento e de tomada de decisão do

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 93 13/11/2014 19:35:49


94 ] A C Ã O C O M U NI T Á R I A D O B R A S I L

jovem deve ser fomentado pelo educador com boas perguntas, deseja buscar oportunidades? Pensa em empreender seu
que provoquem a reflexão e a busca de novas informações. próprio negócio?

Sugestão de questões para análise / mediação / provocação: Área Social



Área Familiar Está relacionada com o olhar e as ações sobre a escola, o
bairro, a comunidade, a sociedade como um todo. Além
Está voltada aos relacionamentos com os familiares. disso, também trata das relações que são estabelecidas
com as pessoas por meio do lazer, do voluntariado, do
Pode-se refletir se há investimento nesta área, fazendo convívio escolar, etc.
perguntas do tipo: Como você tem se relacionado com
seus familiares? Como tem resolvido os conflitos com fa- Pode-se refletir se há investimento nesta área fazendo
miliares? Como é a família que deseja ter? perguntas como: O que você tem feito para viver num
bairro melhor? Tem contribuído para que a socieda-
Área Educacional de seja mais justa? O que você acha que está errado no
seu bairro, na sua cidade, no seu país? Tem doado seu
Está relacionada ao aprendizado por meio de estudos, tempo a trabalhos sociais? O que tem feito para ajudar o
pesquisas, cursos, leituras, participação em eventos cul- próximo? Como tem se relacionado com seus amigos? E
turais, entre outros. os amigos da internet? Como tem resolvido os conflitos
com amigos? E com as pessoas da escola? Que amigos
Pode-se refletir se há investimento nesta área fazendo deseja ter?
perguntas como: Quantos livros você leu? Fez recente-
mente algum curso relacionado a qualquer área de sua Modelo de estrutura de Plano de Ação:
vida? Deseja fazer cursos técnicos ou de graduação? Tem
ido ao teatro, cinema? Quanto tem estudado ultimamen- Curto Médio Longo
te? Tem utilizado a internet para pesquisa? Prazo Prazo Prazo

Área Profissional Objetivo

Está relacionada às ações concretas que atendam o Metas


PLANO DE AÇÃO. O foco principal para os jovens é a
Inserção no Mercado de Trabalho. Passo a passo

Pode-se refletir se há investimento nesta área fazendo Dificuldades que


perguntas como: Você tem investido em sua preparação poderão ocorrer
para a inserção no mercado de trabalho? Tem se infor-
mado sobre o comportamento adequado em uma entre- Soluções possíveis
vista de emprego? Consegue relacionar os estudos com a
área profissional? Tem pensado em como seu primeiro
emprego pode contribuir para alcançar seus objetivos
a médio e longo prazos? Em quais áreas se identifica e

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 94 13/11/2014 19:35:49


P R O J E T O DE V ID A : C A M I N H O S P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O I N T E G R A L [ 95

Referências

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 95 13/11/2014 19:35:49


96 ] A C Ã O C O M U NI T Á R I A D O B R A S I L

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 96 13/11/2014 19:35:49


P R O J E T O DE V ID A : C A M I N H O S P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O I N T E G R A L [ 97

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS libdigi.unicamp.br/document/?code=vtls000447716>.


Acesso em: 07 mai. 2014 (fazer cadastro para acessar).
ABRAMO, Wendel Helena; BRANCO, Martoni P. Pedro
(Org.). Retratos da juventude brasileira: análise de uma BOHOSLAVSKY, Rodolfo. Orientação vocacional. São
pesquisa nacional. São Paulo: Editora Fundação Perseu Paulo: Martins Fontes, 2007.
Abramo, 2008.
_________________. Orientação vocacional: a estratégia
_______________________. Espaços de juventude. In: clínica. São Paulo, Martins Fontes, 1998.
FREITAS. Maria Virgínia de; PAPA, Fernanda de Carva-
lho (Org.). Políticas públicas: juventude em pauta. 2. Ed. CANTISANO, Pedro J. Quem é o sujeito de direito? A
São Paulo: Cortez: Educativa Assessoria, Pesquisa e Infor- construção científica de um conceito jurídico. Direito. In:
mação: Fundação Friedrich Ebert, 2008, p. 219-228. Estado e Sociedade, n.37, p.132-151. Jul/Dez 2010.

AÇÃO COMUNITÁRIA. O jovem e seu projeto de vida: CENTRO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM EDUCA-
metodologia da Ação Comunitária para o desenvolvi- ÇÃO, CULTURA E AÇÃO COMUNITÁRIA (CENPEC).
mento integral do jovem. São Paulo, 2013. Educação e Cidadania: um programa para adolescentes
em situação de risco. São Paulo: CENPEC, 2002.
ALAVA, S. (Org.). Ciberespaço e formações abertas: rumo a
novas práticas educacionais? Porto Alegre: Artmed, 2002. ____________________. Jovens urbanos: sistematização
de uma metodologia. São Paulo: Fundação Itaú Social,
BASTOS, Juliana Curzi. Efetivação de escolhas profis- CENPEC, 2008.
sionais de jovens oriundos do ensino público: um olhar
sobre suas trajetórias. In: Revista Brasileira de Orienta- ____________________. Oficinas + Participação = Edu-
ção Profissional. São Paulo, v. 6, n. 2, dez. 2005. Disponível cação Integral/oficinas. Disponível em: <http://www.edu-
em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_ cacaoeparticipacao.org.br/index.php/oficinas> . Acesso
arttext&pid=S1679-33902005000200004- em: 26 mai. 2013.
&lng=pt&nrm=isso>. Acesso em: 16 jul. 2012.
COSTA, Antônio Carlos Gomes da. Pedagogia da presen-
BAUMAN, Zygmunt, MAY, Tim. Aprendendo a pensar ça: da solidão ao encontro. Belo Horizonte: Modus Fa-
com a sociologia. Tradução Alexandre Werneck. Rio de ciendi, 2001.
Janeiro: Zahar, 2010.
COSTA, Antônio C. G.; COSTA, Alfredo C. G.; PIMEN-
BENJAMIN, W. O narrador. In Obras escolhidas. S. Paulo: TEL, Antônio P. G. Educação e vida: um guia para o ado-
Brasiliense, 1986. lescente. Belo Horizonte: Modus Faciendi, 1998.

BOCK, Silvio Duarte. Orientação profissional: a aborda- COSTA, Antônio Carlos Gomes da; VIEIRA, Maria Ade-
gem sócio-histórica. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2006. nil. Protagonismo Juvenil: adolescência, educação e parti-
cipação democrática. São Paulo: FTD; Salvador, BA: Fun-
BOCK, S.D. A escolha profissional de sujeitos de baixa ren- dação Odebrecht, 2006.
da recém-egressos do ensino médio. Tese de doutorado de-
fendida na UNICAMP, em 2008. Disponível em: <http:// COSTA, Antônio Carlos Gomes da. Natureza e implan-

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 97 13/11/2014 19:35:49


98 ] A C Ã O C O M U NI T Á R I A D O B R A S I L

tação do novo direito da criança e do adolescente. In: ISAAC, Alexandre. Uma metodologia para formação de
PEREIRA, Tânia da Silva (Coord.). Estatuto da Criança e jovens pesquisadores. São Paulo: Instituto de Cidadania
do Adolescente: Lei 8.69/90: estudos sociojurídicos. Rio de Empresarial, 2006.
Janeiro: Renovar, 1992.
 ______________. Uma metodologia para formação de
CUNHA, Jorge Luiz da; ROWER, Joana Elisa. Ensinar o que jovens pesquisadores. In: Instituto de Cidadania Empre-
não se sabe: estranhar e desnaturalizar em relatos (auto)bio- sarial (ICE: 2005.), p. 15. Disponível em: <http://www.ice.
gráficos. In: Educação. Santa Maria, v. 39, n. 01, abr. 2014. org.br/downloads/conhecimento/Metodologia%20jo-
vens%20pesquisadores.pdf>. Acesso em: 26 mai. 2013.
DANTAS, M. A lógica do capital-informação. Rio de Ja-
neiro: Contraponto, 2002. INSTITUTO FLORESTAN FERNANDES. Juventude e
cidadania em São Paulo: o direito ao futuro. SP, 2000.
DANTAS, Humberto; MARTINS JR, José Paulo (Org.).
Introdução à política brasileira. São Paulo: Paulus, 2007. LIMA, M.T. Técnica do “Círculo da Vida”. In: LEVEN-
FUS, R.S.; SOARES, D.H.P.; COLS. Orientação voca-
DEBORD, G. A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: cional ocupacional. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2010,
Contraponto, 2002. p. 314-326.

DIEESE, Departamento Intersindical de Estatísticas e MESQUITA LIMA. Augusto de. Introdução à Sociologia.
Estudos Econômicos. A ocupação nos mercados de tra- Lisboa: Presença, 1987.
balhos metropolitanos. In: Estudos & Pesquisas, ano 3, n.
24, set. 2006, p. 2-17. Disponível em: <http://www.dieese. MARSHALL, Theodor H. Cidadania, classe social e status.
org.br/estudosepesquisas/2006/2006pedjovensocupaçao. Trad. Meton Porto Gadelha. Rio de Janeiro: Zahar, 1967.
pdf>. Acesso em: 03 jun. 2014.
McCOWAN, Tristan. Os fundamentos do questionamen-
DOLTO, Françoise. A causa dos adolescentes. Rio de Ja- to crítico na educação para a cidadania. In: Currículo
neiro: Nova Fronteira, 1990. sem fronteira. V.6, n.2, p. 140-155, Jul/Dez 2006.

ELIAS, M.Del C.; SANCHES, E.C. Freinet e pedagogia: uma MILLS, Charles W (1959). A imaginação sociológica. Rio
velha ideia muito atual. In: FORMOSINHO, Júlia Oliveira, de Janeiro: Zahar, 1982.
KISHIMOTO, Tizuko Morchida; PINAZZA Mônica Appe-
zzato (Org.). Pedagogias da infância: dialogando com o pas- MONTENEGRO, Fábio; RIBEIRO, Vera Masagão. Nossa escola
sado, construindo o futuro. Porto Alegre: Artmed, 2007. pesquisa sua opinião: manual do professor. São Paulo:
Global, 2002.
GOUVEIA, M. J. Cartografia como instrumento da peda-
gogia social. I CONGRESSO INTERNACIONAL DE PE- MORAES, D. (Org.). Por uma outra comunicação. Rio de
DAGOGIA SOCIAL. São Paulo: Faculdade de Educação, Janeiro: Record, 2003.
Universidade de São Paulo, 2006.

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 98 13/11/2014 19:35:49


P R O J E T O DE V ID A : C A M I N H O S P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O I N T E G R A L [ 99

MORIN, Edgar. Os sete saberes necessários à educação


do futuro. São Paulo: Cortez, 2000.

MOTA, Lourenço (Org.). Introdução ao Brasil: um ban-


quete no trópico. São Paulo: SENAC, 1999.

NOGUEIRA, Marco Aurélio. Em defesa da política. São


Paulo: SENAC, 2001.

RIBEIRO, M. A. A influência psicossocial da família e da


escola no projeto de vida no trabalho dos jovens. Pesqui-
sas e Práticas Psicossociais 5(1), São João del-Rei, janeiro/
julho 2010

______________. Juventude e trabalho: construindo a


carreira em situação de vulnerabilidade. In Arquivos Bra-
sileiros de Psicologia (UFRJ. 2003). V. 63, p. 58-70, 2011.

SANDHOLTZ, J. H.; RINGSTAFF, C.; DWYER, D. C. En-


sinando com tecnologia: criando salas de aula centradas
nos alunos. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

SENAC. Referenciais para a educação profissional do


SENAC / Maria Helena Barreto Gonçalves; Joana Boti-
ni; Beatriz Arruda de Araújo Pinheiro et al. Rio de Janei-
ro: SENAC/DFP/DI, 2004.

SERRÃO, Margarida; BALEEIRO, Maria Clarice.


Aprendendo a Ser e Conviver. 2. ed. São Paulo: FTD,
1999.

VALORE, Luciana Albanese; VIARO, Renee Volpato. Pro-


fissão e sociedade no projeto de vida de adolescentes em
orientação profissional. In: Revista Brasileira de Orien-
tação Profissional [online]. Dez. 2007, vol.8. Disponível
em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_
arttext&pid=S1679-33902007000200006 >. Acesso em:
10 jul. 2010.

LIVRO CLAUDIA BARONE Final.indd 99 13/11/2014 19:35:49


Projeto de Vida: caminhos para
o desenvolvimento integral
F undada em 1967, a Ação Comunitária é uma organização sem fins lucrativos, criada e gerida por empresários,
que luta contra a exclusão social em três frentes de atuação: o Centro de Desenvolvimento Integral, o Centro de
Desenvolvimento Comunitário e o Centro de Orientação para o Trabalho. As atividades são realizadas de forma ampla
e integrada por meio dos programas e projetos, guiadas com o objetivo de desenvolver o potencial do público atendido,
capacitando-o para fortalecer suas competências e criar suas próprias oportunidades, em regiões de alta vulnerabili-
dade da cidade de São Paulo. Ao longo de 2013, foram realizados mais de 8400 atendimentos, considerando crianças,
adolescentes, jovens, famílias, educadores e líderes comunitários.

Projeto de Vida: caminhos para o desenvolvimento integral


A presente publicação é resultado dos trabalhos realizados com o apoio do Fundo Municipal da Criança e do
Adolescente (FUMCAD), ao longo de 2013 e 2014, pelo Centro de Desenvolvimento Integral, que tem como objetivo
melhorar a qualidade dos serviços socioeducativos, desenvolvendo tecnologias sociais no âmbito da assistência social,
da cultura e da educação integral, assim como fortalecer as políticas de proteção social básica, para crianças e adoles-
centes de 0 a 18 anos.

O Centro de Desenvolvimento Integral atua executando vários programas de atendimento direto e indireto para
crianças e adolescentes, como a Formação Continuada de Educadores que simboliza um importante ponto de
encontro entre a Ação Comunitária e o público atendido; os programas Crê-Ser (de 5 a 15 anos) e Preparação Para o
Trabalho (de 16 a 18 anos) que visam ampliar o autoconhecimento e as competências individuais de jovens e crianças,
e colaborar para uma inserção positiva na vida produtiva. Todos os resultados das atividades realizadas com crianças e
jovens são acompanhados por meio do Sistema de Avaliação de Mudanças e Impactos Sociais da Ação Comunitária.

A Ação Comunitária acredita que estas iniciativas, executadas de forma integrada com esforços do governo e da
sociedade como um todo, contribuirão para a efetiva inclusão social das famílias, crianças e dos adolescentes.

Para saber mais acesse:


http://www.acomunitaria.org.br/
https://www.facebook.com/acaocomunitaria

Capa Claudia.indd 1 13/11/2014 19:33:50