Você está na página 1de 4

CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES

METROPOLITANAS UNIDAS – FMU


Pós-graduação em docência no nível superior

Raimundo Joecy Pereira RA 1501198

A pesquisa no ensino superior

Prof. DR Leandro Seawright Alonso


São Paulo 27/06/2017

Raimundo Joecy Pereira

ESCLARECIMENTO FILOSÓFICO SOBRE FOUCAULT

Resenha apresentada para a disciplina pesquisa


no ensino superior, no curso de Docência no
ensino superior, das Faculdades metropolitanas
unidas - FMU.

Prof. Dr. Leandro Seawright Alonso


RESENHA

WHITE, Hayden. Trópicos do Discurso. São Paulo: Edusp, 2001. p. 253-283.

O texto Foucault decodificado traz a discussão muitas das dúvidas que


povoam o discurso colocado nas obras de Michel Foucault onde a linha Filosófica é
fundamentada na linguagem e os tradicionais conectivos lógicos substituídos pela
ironia e a metáfora, que compõem ou integram a poética. Colocando como elemento
central alguns tropos da retórica analisados a partir da teoria linguística do
estruturalismo fazendo despontar a incompreensão do homem perante si mesmo.
Fazendo ruir as ciências que estudam o homem por não haver logrado êxito em
fundamentar uma teoria do homem basta observar que mesmo a mais simples
relação analisada pela ótica poética levanta indícios de uma linguagem oculta, sob
as brumas do superficial entendimento, usado pelas chamadas por Foucault de
anticiências. Desmantelando o pensamento de uma história retilínea ou com
ordenação lógica e que a partir desse ponto perderam-se essas ciências em seu
próprio vazio construído com a sua conivência a docilizar os corpos, ao ponto que
autor cita Foucault, preconizando a morte do homem no seu âmago, no seu estado
de consciência mais profundo e em sua humanidade.
Apesar de Foucault não trazer uma resposta a essa questão o autor lembra
que ele deixa de forma implícita qual é a problemática, pois a história está disposta
em ilhas separadas que formam arquipélagos de saber e que não há ligações
contínuas entre elas, lógica ou organização concisa em sua disposição, pois o
homem que no passado usou a retórica e o desenvolvimento da linguagem perdera
o entendimento dessa mesma que foi fator fundamental para o homem sair das
cavernas, criar o vínculo social e desenvolver a retórica sendo do escopo da
linguagem a mais refinada representações da mente humana em sua plenitude e
subjetividade, se perdeu na lógica binária das ciências humanas que deixam
exposta a sua própria ignorância a respeito do outro, do exótico ou intolerável não se
pode mensurar a dor de outro sujeito senão entendo a dor do sujeito "eu" , se me
abstraio para entender o outro, esse é o caminho que leva a despedida da razão.
Logo há algo intrínseco no homem que parece da licantropia e que desperta
com a sede do poder, que embriaga e enturvece os sentidos descartando a melhor
qualidade do homem que é a sua humanidade. Deixando assim a razão em desuso,
já que a razão de forma mais simplificada, é organização do pensamento em
palavras de maneira coesa e compreensível, se consideramos a razão pelo a ótica
da história não podemos nos furtar a observação de que ela é descontinua e até
mesmo desconexa, se compararmos a física de Newton com a física quântica é um
salto tão grande que demostra não haver nenhuma continuidade entre ambas.
Precisamos de uma lógica distinta a cada razão temporal, necessariamente
precisamos retomar o ponto onde o homem se perdeu. Notadamente hoje a
globalização e o neoliberalismo levam o homem a seus extremos enquanto alguns
saciam sua fome de consumo morrem ao mesmo tempo milhares vítimas da pior
pobreza que é a falta de humanidade no “humanos”.