Você está na página 1de 8

Åsgårdsreien

A caçada selvagem

The Wild Hunt, também conhecido como Åsgårdsreien, é um mito popular europeu, tipicamente associado às
regiões norte, ocidental e central da região. Embora os relatórios mundiais sobre a Caça Selvagem possam abranger
o ano, é mais prevalente na Escandinávia durante o inverno e as estações de Yule. Durante esta caçada mítica, um
grupo de caça fantasmagórico atravessa o céu e ao longo do chão na perseguição frenética de suas presas. Enquanto
os próprios caçadores podem ter natureza fantasmagórica, eles ainda dispõem de todos os equipamentos de caça,
cavalos e cães que alguém encontraria em uma festa de caça regular.

Acredita-se que qualquer humano para assistir a caça selvagem em progresso caísse em tempos difíceis, muitas
vezes com uma série de desgraças que, em última instância, podem levar à morte. O destino daqueles que se
zombavam dos caçadores em sua busca enfrentou um destino mais severo e disseram que desapareceram junto
com o hospedeiro fantasma. Em alguns casos, até mesmo as almas daqueles que dormiam ouviriam o chamado da
caça e deixariam se juntar a ela. Por outro lado, aqueles que se uniram à caça com seriedade foram recompensados
com muitos de seus despojos, às vezes incluindo ouro.

Independentemente das implicações da Caça Selvagem para as pessoas individuais que testemunharam ou se
juntaram a ela, acreditava-se amplamente que a Caçada Selvagem era um presságio de coisas ruins que viriam.
Normalmente, a caçada era o presagio de tempestades, pragas, guerras ou uma série geral de infortúnio e
descontentamento para a região.

Como o chefe dos deuses nórdicos, Odin lideraria a caça selvagem em Sleipnir, seu cavalo de oito patas. Ele
também traria seus dois cães para participar da caçada, um com casca macia e o outro com uma casca forte e feroz.
Durante a caçada, as pessoas relatariam ouvir os latidos dos cachorros de Odin além de alguns tiros. Se seus
cachorros se cansassem durante a caçada, as pessoas acreditavam que Odin iria caçar com grandes aves de rapina,
às vezes transformando pardais nas proximidades em um hospedeiro para sua caça quando necessário.

À medida que as pessoas continuavam se instalando na região, o caminho de Odin para a Caçada selvagem
permaneceu inalterado. Uma vez que ele viajou por uma estrada, ele continuaria viajando por toda a eternidade,
então as pessoas que tentaram construir suas casas nas estradas antigas que ele usou uma vez encontrariam a casa
queimada como resultado de sua caçada. Na verdade, era melhor deixar suas rotas completamente intactas, já que
qualquer coisa em seu caminho seria incendiada.

Para se proteger durante a Caçada Selvagem, as pessoas aprenderam a se jogar no chão quando o hospedeiro
estampou na área para evitar ser atingido. Eles também levaram a levar um pedaço de aço e um pedaço de pão com
eles enquanto se dirigiam para a igreja para Yule. Eles acreditavam que jogar o pão para os cães se eles os
encontraram primeiro ofereceria alguma proteção. Se, por outro lado, eles encontraram um cavaleiro com um
chapéu de aro largo, eles iriam atirar a peça de aço na frente deles. Ainda outros acreditavam que poderiam evitar
ser varridos pela caçada se pedissem aos cavaleiros por salsa.

O Deus da Caçada

"Caça selvagem de Wodan" (1882) de Friedrich Wilhelm Heine

Embora Odin seja conhecido por muitos nomes ao redor do mundo, esse chefe entre os deuses nórdicos que
poderiam aparecer como vento veio a ser conhecido como o deus da caçada. Não só ele era um Deus de guerra feroz
e sábio que colecionaria as almas dos mortos do campo de batalha, mas essas almas mais tarde formariam o
anfitrião que cavava atrás dele durante a caçada. Galopeando pelos céus em seu cavalo de oito pernas, Sleipnir, a
caça de Odin era uma visão verdadeiramente temível de se ver.

Odin's Hunt também era conhecida como Asgardreia, o Raging Host, o Wild Ride e a Wild Hunt. Em seu papel como
líder e deus da caça, Odin era conhecido como Huntsman Selvagem. A aparência do Caçador Selvagem e seu
anfitrião no céu foi geralmente acompanhada por fortes condições de tempestade, incluindo o vento feroz, o trovão
quebrando e rajadas brilhantes.
Embora a presa exata de Odin raramente seja mencionada, embora alguns acreditam que é uma jovem que pode
ou não ter cometido um crime, acredita-se que o aparecimento do Caçador Selvão seja um presságio contra
dificuldades e turbulências. Mesmo quando a caça é um símbolo da mudança climática na região, a guerra e a
agitação tipicamente certamente seguiram.

Quando o hospedeiro fantasma de Odin apareceu no chão, o infortúnio e a morte podem acontecer com aqueles
que testemunharam sua morte. Na verdade, qualquer pessoa que testemunhou Odin na caçada e tentou zombar ou
parar isso poderia ter sua alma varrida para se tornar uma parte permanente do partido de caça como punição. Algo
tão simples quanto construir uma casa em uma estrada antiga, uma vez usada por Odin durante uma caçada
anterior, poderia resultar na desgraça de um incêndio incendiar a casa durante a próxima viagem da caça pela área.

A fim de evitar o mau presságio de ver a festa de caça, as pessoas ficaram dentro de portas trancadas tanto
quanto possível durante a temporada de Yule, como era quando as almas mortas eram mais prováveis de retornar
como parte do anfitrião de Odin. As pessoas que se aventuraram no exterior foram advertidas de que sentir um
vento que não movia as árvores, seguido de latidos de cães, precederia a aparência do Caçador Selvagem e as almas
que ele reivindicara saindo do céu com fogo e fúria .

Nem todos os que encontraram Odin's Hunt foram condenados a morrer ou passar a eternidade como parte do
Raging Host. Em vez disso, aqueles que ofereceram sua ajuda com a caçada com seriedade foram autorizados a
viver, muitas vezes com uma recompensa. Alguns receberiam prata e ouro por seu serviço ao deus nórdico. Outros
receberiam uma perna amaldiçoada de um animal morto que só podiam se livrar procurando a ajuda de um mago
ou sacerdote. Para aqueles sábios o suficiente para pedir aos caçadores de Odin por algo que não poderiam fornecer
- como o sal - eles geralmente poderiam forçar o partido de caça a retomar o objeto amaldiçoado sem ter que
recorrer a mais ninguém para pedir ajuda.

Omen of Odin: a caça selvagem trovejou nos céus europeus, trazendo calamidade e desgraça

Pergunte a quem já viu Ramsay Bolton no Game of Thrones - testemunhar uma "caça" de Bolton raramente é um
bom sinal. Assim também é o caso da caça selvagem sobrenatural do mito europeu. Um fenômeno que se acredita
assemelhar-se a cavaleiros fantasmagóricos ou caçadores perseguindo as nuvens ao longo do céu, a caça selvagem
tem sido considerada um símbolo da destruição iminente.

O conto da Caça Selvagem se resume predominantemente na literatura e nos "relatos de testemunhas oculares" nas
Ilhas Britânicas e no Norte da Europa, duas culturas que valorizam muito os contos de duendes, fadas e deuses. No
entanto, o caso da Caça Selvagem é um pouco diferente: pensa-se que a aparição dos caçadores é um símbolo do
deus anglo-saxão ou nórdico, Woden / Odin (respectivamente), uma deidade freqüentemente associada à guerra e
ao céu . Assim como em outros mitos em relação aos presságios de catástrofes e ameaças, ver a Caçada é crer que
precede uma calamidade natural ou natural, geralmente uma guerra, uma praga ou uma fome, ou - como se vê com
os Banshee do folclore irlandês - a morte da pessoa infeliz o suficiente para testemunhar a Caçada em ação.

Encontrando as origens da caça selvagem

O que é interessante quando se examina a caça selvagem em profundidade é que o evento em si não é um
remanescente de um mito pré-cristão que se reduziu ao longo dos tempos. Na verdade, o conceito de Caça
Selvagem é um pouco "manmade", como foi documentado pela primeira vez como uma tendência mitológica ou
folclórica por Jacob Grimm. Jacob e seu irmão Wilhelm são lembrados por coletar numerosos contos de fadas
alemães (e alguns não alemães) em um códice; No entanto, esses irmãos - especialmente Jacob - fizeram mais do
que simplesmente coletar essas histórias. Eles investigaram as raízes fundamentais deles. O fenômeno da Caça
Selvagem é o produto de uma dessas investigações.

Os mortos voltarão a surgir: lembranças perdidas

Fantasmas malévolos, noivas de cadáveres e espíritos de ancestrais: a crença antiga em fantasmas - PARTE I
Uma História dos Irmãos Grimm Direito comprovado: Muitos Tais de Contos de Fadas de Tradições Orais Antigas

"Outra classe de espectros será mais frutífera para a nossa investigação:

... eles varrem a floresta e o ar em empresas inteiras com um dinar horrível. Esta é a legenda amplamente difundida
do hospedeiro furioso, a caça furiosa, que é de alta antiguidade , e entrelaça-se, agora com deuses, e agora com
heróis. Olhe para onde quiser, trai sua conexão com o paganismo ".

- Jacob Grimm, Mitologia Teutônica

A caça selvagem parece refletir a descida das Valquírias de Odin dos salões de Valhalla para os vários campos de
batalha contra os quais lutaram os guerreiros nórdicos. No mito nórdico, essas Valquírias foram encarregadas de
arrancar os mais nobres e mais fortes dos mortos ou morrer dos campos e levá-los de volta a Valhalla para curar e
treinar, e aguardam a batalha final de Ragnarök.

Como Jacob Grimm descreve a Caça Selvagem - tanto como um evento e um conceito - ocorre uma situação
semelhante. Kveldulf Hagen Gundarsson afirma em seu poema "Thunder de montanha", "Mas, em seguida, o ladrido
de cachorros enche o ar, e o anfitrião de almas selvagens varre, o fogo dispara nos olhos dos cães pretos e os cascos
dos cavalos pretos " . O "exército de almas selvagens" parece bastante familiar. Na verdade, o poema de Gundarsson
é suspeito de ter extraído de um mito nórdico chamado "Odin's Chase", no qual o deus titular é o líder de um
exército fantasma.

As variações deste conto abundam, mais significativamente no País de Gales, em que um homem (às vezes
considerado o Faer Folk) chamado Gwynn ap Nudd assume o papel de líder dos mortos e no sul da Inglaterra, onde
Herne the Hunter assume o papel. Herne foi considerada uma deidade da floresta pré-cristã ou uma versão mítica de
um rei chamado Herla. Independentemente do nome e da espécie no entanto, mais uma vez os elementos centrais
da Caça Selvagem permanecem intactos.

Perseguindo a tempestade

Pode-se pensar por que essa análise é significativa. Um mito sobre os caçadores fantasmagóricos que pululava o céu
poderia ser apenas um conto de esposas antigas ou um histórico histórico bastardizado de um evento real. Mais
provável, também argumentado por Jacob Grimm, as numerosas variações do conto da Caça Selvagem - como é o
caso da maioria do folclore - são tentativas de culturas iniciais para explicar os fenômenos naturais e as
conseqüências que resultaram dessas ocorrências. No caso da Caça Selvagem, a ocorrência natural mais discutida é
uma tempestade. As formas sem forma e turbulentas dos guerreiros falecidos se envolvem em uma corrida contra o
tempo enquanto perseguem suas presas nas costas de cavalos trovejantes ... Ou, nuvens grossas e escuras que se
deslocam do horizonte, relâmpagos pontuando cada tamboril de trovão enquanto a Natureza se prepara para
devastar os desavisados.

A caça selvagem, portanto, é tanto uma perseguição mítica quanto uma alegoria para explicar mudanças drásticas e
inaceptiíveis no clima. A comparação inconfundível com a crença nórdica pré-cristã de que as Valquírias desceram de
Valhalla em lobos furiosos deixa evidente que o conto europeu da Caça Selvagem provavelmente se deriva desse
mito.

O conflito contínuo entre as forças anglo-saxãs na Inglaterra medieval e os vikings pré e pós-cristãos promove essa
sugestão. Francamente, é muito mais interessante considerar cada tempestade como uma investida de guerreiros
fantasmagóricos atraídos por uma perseguição vibrante e sanguinária (ou mesmo das Valquírias em busca do mais
nobre dos guerreiros caídos) do que a explicação científica.
Caça selvagem

Da Wikipédia, a enciclopédia livre

A caça selvagem: Asgårdsreien (1872) por Peter Nicolai Arbo

The Wild Hunt é um mito popular europeu envolvendo um grupo fantasmagórico ou sobrenatural de caçadores
passando em busca selvagem. Os caçadores podem ser ou elfos ou fadas ou mortos , [1] e o líder da caça é muitas
vezes uma figura chamada associada com Woden [2] (ou outras reflexões do mesmo deus, tais como Alemannic
Wuodan em Wuotis Heer (" Exército de Wuodan ") da Suíça Central , Swabia , etc.), mas pode ser uma figura
histórica ou lendária como Theodoric the Great , o rei dinamarquêsValdemar Atterdag , o psicópata galesa Gwyn ap
Nudd , figuras bíblicas como Herodes , Caim , Gabriel ou o Diabo , ou uma alma ou espírito perdido, não identificado,
masculino ou feminino.

Ver a Caçada Selvagem foi pensado para pregar uma catástrofe, como guerra ou praga, ou, na melhor das hipóteses,
a morte daquele que a testemunhou. [3] As pessoas que se encontram com a Caçada também podem ser
seqüestradas para o submundo ou o reino das fadas. [4] Em alguns casos, também se acreditava que os espíritos das
pessoas poderiam ser afastados durante o sono para se juntarem à cavalgada. [5]

O conceito foi desenvolvido com base na mitologia comparativa de Jacob Grimm na Deutsche Mythologie (1835)
como uma sobrevivência folclorista da tradição pagã germânica , mas são encontrados mitos populares na Europa do
Norte, ocidental e central. [2] Grimm popularizou o termo Wilde Jagd ("Caça Selvagem") para o fenômeno.

Evidência comparativa e terminologia

Com base na abordagem comparativa baseada no folclore alemão , o fenômeno é muitas vezes referido como Wilde
Jagd ( alemão : "caça selvagem / perseguição") ou Wildes Heer ( alemão : "hospedeiro selvagem"). Na Alemanha,
onde também era conhecido como "Exército selvagem", ou "Exército furioso", seu líder recebeu várias identidades,
incluindo Wodan (ou " Woden "), Knecht Ruprecht ( Krampus ), Berchtold (ou Berchta ) e Holda (ou "Holle"). A caça
selvagem também é conhecida pelo folclore pós-medieval.

Na Inglaterra, ele era conhecido como Herlaþing ( Inglês Antigo : " Herla assembly 's"), Hunt Woden , caça de
Herodes , caça de Caim , [6] o diabo Dandy Cães (em Cornwall ), [7] de Gabriel Hounds (no norte da Inglaterra ), [8] e
Ghost Riders (na América do Norte). [9] No País de Gales, um mito popular comparável é conhecido como Cŵn
Annwn ( Welsh : "hounds of Annwn ").

Na Escandinávia, a Caçada selvagem é conhecida como Oskoreia ou Asgårdsreia (originalmente oskurreia) (


norueguês : "cavaleiros ruidosos", "The Ride of Asgard"), [10] e Odens jakt ou Vilda jakten ( sueco : "a caça de Odin "
ou "caça selvagem").

Na França, era conhecida como Mesnée d'Hellequin ( Old North French : " family of Hellequin "); No Canadá, torna-
se Chasse-galerie . Na Europa Central Eslava Ocidental , é conhecido como divoký hon ou štvaní ( checo : "caça
selvagem", "baiting"), Dziki Gon ou Dziki Łów ( polonês ) e Divja Jaga ( esloveno : "a festa de caça selvagem" ou
"selvagem" caçar").; Estantiga (de Hoste Antiga , galega : "o antigo exército"), Hostia , Compaña e Santa Compaña
("tropa, empresa") na Galiza ; Güestia nas Astúrias ; Hueste de Ánimas ("tropa de fantasmas") em León ; e Hueste de
Guerra ("empresa de guerra") ou Cortejo de Gente de Muerte ("séquito mortal") na Extremadura .
"Caça selvagem de Wodan" (1882) de Friedrich Wilhelm Heine

História

"Outra classe de espectros será mais frutífera para a nossa investigação: eles, como os fatui ignes, incluem bebês
não cristalizados, mas, em vez de se deslocam solitariamente na terra como incêndios, eles varrem a floresta e o ar
em empresas inteiras com um dinar horrível. é a legenda amplamente difundida do hospedeiro furioso , a caça
furiosa , que é de alta antiguidade, e entrelaça-se, agora com deuses, e agora com heróis. Olhe para onde quiser, trai
sua conexão com o paganismo ".

- Folklorist Jacob Grimm. [11]

O conceito de caça selvagem foi documentado pela primeira vez pelo folklorista alemão Jacob Grimm , que a
publicou pela primeira vez em seu livro de 1835 Deutsche Mythologie . [12] Foi neste trabalho que ele popularizou o
termo Wilde Jagd ("Caça Selvagem") para o fenômeno. [12] A abordagem metodológica de Grimm foi enraizada na
idéia - comum na Europa do século XIX - de que o folclore moderno representava uma sobrevivência fossilizada das
crenças do passado distante. Ao desenvolver sua idéia da Caça Selvagem, ele misturou fontes folclóricas recentes
com provas textuais que datam dos períodos Medieval e Moderno. [13] Esta abordagem veio a ser criticada no
campo das folcloriasdurante o século 20, uma vez que se colocou mais ênfase na "natureza dinâmica e evolutiva do
folclore". [13]

Grimm interpretou o fenômeno da Caça Selvagem como tendo origens pré-cristãs, argumentando que a figura
masculina que apareceu nele era uma sobrevivência das crenças populares sobre o deus Wodan , que "perdeu seu
caráter sociável, suas características quase familiares e assumiu o aspecto de um poder sombrio e terrível ... um
fantasma e um demônio ". [11] Grimm acreditava que essa figura masculina às vezes era substituída por uma
contraparte feminina, a quem ele se referia como Holda e Berchta . [14] Em suas palavras, "não só Wuotan e outros
deuses, mas também deusas pagãs, podem dirigir o hospedeiro furioso: o caçador selvagem passa para a esposa de
madeira, vai para a fraude Gaude ". [15]Ele acrescentou sua opinião de que essa figura feminina era a esposa de
Woden. [16]

Discutir elementos marciais da Caça Selvagem, Grimm comentou que "ele marcha como um exército, prescreve o
início da guerra". [17] Ele acrescentou que um número de figuras que tinham sido registrados como líder da caça,
como " Wuotan, Huckelbernd, Berholt, bestriding seu cavalo de guerra branco , armado e estimulou, ainda
aparecem como diretores supremos do wa r para o qual eles, por assim dizer, dão licença à humanidade ". [17]

Grimm acreditava que, na Europa pré-cristã, a caçada, liderada por um deus e uma deusa, visitava "a terra em
alguma maré sagrada, trazendo bem-estar e benção, aceitando presentes e oferendas do povo" ou eles flutuavam
alternadamente "não vistos através de o ar, perceptível em formas nebulizadas, no rugido e uivado dos ventos,
levando a guerra , a caça ou o jogo de nove pérolas , os principais empregos de heróis antigos: um conjunto que,
menos atado a um tempo definido, explica mais a fenómeno natural." [18] Ele acreditava que, sob a influência da
cristianização, a história se converteu em ser uma "guerra solene dos deuses" para ser "uma série de espectros
horríveis, quebrados com ingredientes escuros e diabólicos".

Hans Peter Duerr (1985) observou que, para os leitores modernos, "geralmente é difícil decidir, com base nas fontes,
se o que está envolvido nos relatórios sobre o aparecimento da Caçada Selvagem é meramente uma interpretação
demoníaca do fenômeno natural, ou se estamos lidando com uma descrição de procissões rituais de seres humanos
transformadas em demônios ". [19] O historiador Ronald Hutton observou que havia "uma poderosa e bem
estabelecida tradição acadêmica internacional" que argumentava que as lendas da Caça da Morta Medieval eram
uma influência no desenvolvimento das idéias modernas iniciais do Sábado das Bruxas . [12] Hutton, no entanto,
acreditava que essa abordagem poderia ser "[12]
Variações regionais

Bretanha

Na Crônica de Peterborough , há uma conta da aparência da Caçada Selvagem à noite, começando com a nomeação
de um abade desastroso para o mosteiro Henry d'Angely em 1127:

Muitos homens viram e ouviram um grande número de caçadores caçando. Os caçadores eram negros, enormes e
hediondos, e cavalgavam em cavalos negros e em cabritos pretos, e seus cães eram negros, com olhos como pires e
horríveis. Isso foi visto no próprio parque de cervos da cidade de Peterborough, e em todos os bosques que se
estendem daquela mesma cidade para Stamford, e na noite os monges os ouviu soar e enrolar seus chifres. [20]

As testemunhas confiáveis disseram ter dado o número de caçadores como vinte ou trinta, e é dito, de fato, que isso
aconteceu por nove semanas, terminando na Páscoa. [20] Orderic Vitalis (1075-c. 1142), um monge inglês
clausurado em St Evroul-en-Ouche , na Normandia , relatou uma cavalgada semelhante vista em janeiro de 1091,
que ele disse serem "tropa de Herlechin" ( familia Herlechini ; cf . arlequim ). [21]

Enquanto esses relatos anteriores de Caças selvagens foram registrados por clérigos e retratados como diabólicos,
em romances do final da época medieval, como Sir Orfeo , os caçadores são mais de um outro mundo de fadas ,
onde a caça selvagem era a hospedagem das fadas ; seus líderes também variaram, mas eles incluíram Gwydion ,
Gwynn ap Nudd , o Rei Arthur , Nuada , o Rei Herla , Woden , o Diabo e Herne the Hunter. Muitas lendas são
informadas de suas origens, como na de "Dando e seus cachorros" ou "os cães dândi": Dando, querendo uma
bebida, mas tendo esgotado o que seus caçadores carregaram, declarou que iria para o inferno por isso. Um
estranho veio e ofereceu uma bebida, apenas para roubar o jogo de Dando e depois o próprio Dando, com seus
cachorros perseguindo. A visão foi longa afirmou ter sido vista na área. [22] Outra lenda relatou como o rei Herla,
depois de visitar o Rei da Fada , foi avisado para não se afastar de seu cavalo até que o galgo que ele carregasse
pulasse para baixo; ele descobriu que três séculos passaram durante sua visita, e aqueles de seus homens que
desmontaram desmoronaram em pó; ele e seus homens ainda estão andando, porque o galgo ainda não pende para
baixo. [23]

O mito da Caça Selvagem tem sido modificado até os tempos para acomodar outros deuses e heróis populares, entre
eles o Rei Arthur e, mais recentemente, em uma lenda do povo Dartmoor , Sir Francis Drake . No castelo de Cadbury,
em Somerset, uma faixa antiga perto do castelo era chamada King Arthur's Lane e, mesmo no século 19, a idéia
sobreviveu que em noites de inverno selvagem, o rei e seus cães puderam ser ouvidos correndo ao longo dela. [24]

Wistman's Wood em Devon, Inglaterra.

Em certas partes da Grã-Bretanha, diz-se que a caça é a de perseguidores do inferno que perseguem pecadores ou
os não batizados. Em Devon, estes são conhecidos como Yeth (Heath) ou Wisht Hounds, em Cornwall Dando e seus
Cães ou o Diabo e seus Dandy Dogs, no País de Gales, o Cwn Annwn, os Hounds of Hell e Somerset como Gabriel
Ratchets ou Retchet (cães) . [25] Em Devon, a caça é particularmente associada à Wistman's Wood . [26]

Alemanha

Uma abundância de contos diferentes da Caça Selvagem estão registrados na Alemanha. Na maioria dos contos, a
identidade do caçador não é clara, em outros, é:

uma figura mitológica chamada Waul, Waur, Waurke, Wod, Wode, Wotk ou Wuid, que se pensa ser derivado do
antigo deus germânico do vento e dos mortos, Wodan ;

uma figura mitológica chamada Frie, Fuik, Fu, Holda ou Holle, que se pensa ser derivada da deusa germânica Freya
ou Frigg ;

um nobre-vivo, mais frequentemente chamado Conde Hackelberg ou Conde Ebernburg, que é amaldiçoado para
caçar eternamente por causa de um mau comportamento durante sua vida e, em algumas versões, morreu por
lesões de uma presa de javali morto.

Às vezes, os contos associam o caçador com um dragão ou o diabo. O caçador é mais freqüentemente montado em
um cavalo, raramente uma carruagem puxada por cavalos, e geralmente tem vários cães na companhia dele. Se a
presa for mencionada, é na maioria das vezes uma jovem mulher, culpada ou inocente. A maioria dos contos lida
com uma pessoa que encontra a caça selvagem. Se esta pessoa se enfrentar contra os caçadores, ele será punido. Se
ele ajuda a caçar, ele receberá dinheiro, ouro ou, na maioria das vezes, uma perna de um animal morto ou humano,
que muitas vezes é amaldiçoado de forma a impossibilitar-se de se livrar dele. Neste caso, a pessoa tem que
encontrar um padre ou mágico capaz de proibi-lo, ou enganar a Caça Selvagem para pegar a perna pedindo sal, que
a caça não pode entregar. Em muitas versões,[27] [28] [29]

Escandinávia

Odin continuou a caçar no folclore sueco . Ilustração de August Malmström .

Na Escandinávia, a caça de Odin foi ouvida, mas raramente vista, e um traço típico é que um dos cachorros de Odin
estava barrando mais alto e um segundo mais fraco. Ao lado de um ou dois tiros, esses cascos eram os únicos sons
claramente identificados. Quando a caça de Odin foi ouvida, isso significava mudar o clima em muitas regiões, mas
também poderia significar guerra e agitação. De acordo com alguns relatórios, a floresta ficou em silêncio e apenas
um som choramingando e lágrimas de cães podiam ser ouvidos. [2]

No oeste da Suécia e às vezes no leste também, foi dito que Odin era um nobre ou mesmo um rei que caçara nos
domingos e, portanto, estava condenado a caçar e matar seres sobrenaturais até o fim dos tempos. [2] De acordo
com certas contas, Odin não viaja, mas viaja em um veículo com rodas, especificamente um carrinho de uma roda.
[30]

Em partes de Småland , parece que as pessoas acreditavam que Odin caçava com grandes pássaros quando os cães
se cansaram. Quando era necessário, ele poderia transformar um bando de pardais em um hospedeiro armado. [2]

Se as casas fossem construídas em estradas anteriores, elas poderiam ser queimadas, porque Odin não mudou seus
planos se anteriormente viajasse por uma estrada. Nem mesmo fornos de carvão poderiam ser construídos em
estradas em desuso, porque se Odin estivesse a caçar, o forno ficaria em chamas. [2]

Uma tradição sustenta que Odin não viajou mais longe do que um boi usa seu jugo, então, se Odin estava caçando,
era mais seguro se atirar no chão para evitar ser atingido, uma história de porção que evoluiu como uma explicação
para o popular crença de que as pessoas que se encontram no nível do solo são mais seguras de ataques de
relâmpagos do que as pessoas que estão em pé. [31] Em Älghult em Småland, era mais seguro transportar um
pedaço de pão e um pedaço de aço quando ia à igreja e voltou durante Yule . A razão era que, se alguém conhecesse
o cavaleiro com o chapéu de aro largo, alguém deveria jogar o pedaço de aço em frente a si mesmo, mas se alguém
conhecesse seus cachorros primeiro, deveria jogar os pedaços de pão em vez disso. [2]

Líder da caça selvagem

Bretanha : o rei Arthur . [32]

Catalão (Espanha): Conde Arnau (el comte Arnau), um nobre lendário de Ripollès, que por sua crueldade e luxúria
rapaz é condenado a cavalgar para a eternidade enquanto sua carne é devorada por chamas. Ele é o tema de uma
clássica balada catalã tradicional. [33]

Inglaterra: Woden ; [34] Herla ; depois declarou-se como um rei Brythonic que ficou muito tempo em uma festa de
casamento de fadas e retornou para encontrar os séculos que passaram e as terras povoadas por ingleses); [35] Wild
Edric , um rebelde saxão; [36] Hereward the Wake ; Rei Arthur ; Herne the Hunter ; St. Guthlac ; Old Nick ; Jan
Tregeagle , um advogado da Cornish que escapou do Inferno e é perseguido pelos cães do diabo. Em Dartmoor ,
Dewer, Old Crockern ou Sir Francis Drake .
França: Artus , rei Arthur ( Bretanha ); Lord of Gallery ( Poitou ). [ citação necessária ]

Alemanha: Wodan , Berchtold , Dietrich de Berne , Holda , Perchta , Wildes Gjait. O escudeiro de Rodenstein e Hans
von Hackelberg (ambos sabáticos). [37]

Guernsey : Herodias (Passeios com bruxas no mar) [38]

Irlanda : Fionn mac Cumhaill e Fianna ; Manannán - também conhecido como The Fairy Cavalcade. [ citação
necessária ]

Lombardia ( Itália ): Rei Beatrik , la Dona del Zöch ( Lombard : a Senhora do Jogo). [39]

Países Baixos: Wodan , Gait conheceu as caras / hondjes ( Passe com seus cachorros), Derk conheceu as garotas /
hondjes (Derk com seus cachorros), Derk conheceu a cerveja (Derk com seu javali / urso), het Glujende peerd (o
cavalo incandescente). Ronnekemère, Henske conheceu hondjes / Hänske mit de hond (Henske com seus cachorros),
Berend van Galen (Beerneken van Galen, Bèrndeken van Geulen, Bommen Berend ou Beerneken, o bispo de
Münster , Alemanha).

Escandinávia : Odin ; King Vold (Dinamarca); Valdemar Atterdag (Dinamarca); a bruxa Guro Rysserova e
Sigurdsveinen (Noruega).

País de Gales : Arawn ou Gwyn ap Nudd , o deus galês do submundo.

Eslovênia : Jarnik ( Jarilo ), também chamado Volčji pastir (Wolf Herdsman). Em algumas variações, o Baba selvagem
e mítico (semelhante a Perchta ) leva a caçada.

No paganismo moderno

"No que diz respeito aos praticantes das espiritualidades da natureza, a caça selvagem oferece uma iniciação à
natureza e uma abertura dos sentidos, uma sensação de dissolução do eu em confronto com o medo e a morte, a
exposição a um" pulso de tempestade que corre através da vida ". Em suma, o engajamento com a Caça é uma
tentativa de restaurar uma reciprocidade e harmonia entre humanos e natureza".

- Susan Greenwood. [54]

Vários praticantes da religião pagã contemporânea da Wicca recorreram ao folclore envolvendo a Caçada Selvagem
para inspirar seus próprios ritos. Em seu contexto, o líder da Caça Selvagem é a deusa Hecate . [55] A antropóloga
Susan Greenwood forneceu um relato de um tal ritual Wild Hunt realizado por um grupo pagão moderno em Norfolk
no final da década de 1990, afirmando que eles usaram essa mitologia "como meio de confrontar a escuridão da
natureza como um processo de iniciação ". [55] Referido como o "Desafio de caça selvagem" por aqueles que o
executaram, ocorreu no Halloweene participou de participantes andando em torno de uma área local de floresta
durante o dia, e depois repetindo essa tarefa como uma competição cronometrada durante a noite, "para ganhar
domínio sobre uma área do campo de caça de Gwyn ap Nudd". Se completado com sucesso, considerou-se que o
participante ganhou a confiança dos espíritos da madeira, e eles seriam autorizados a cortar madeira de suas árvores
para fazer uma equipe. [56] A antropóloga Rachel Morgain relatou uma "recreação ritual" da Caçada selvagem entre
a tradição Reclaiming da Wicca em San Francisco . [57]