Você está na página 1de 9

ESPAÇO PEDAGÓGICO VIRTUAL: Teias de Conhecimentos & Saberes

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL

Angela Freire

O Ensino Fundamental“é obrigatório e gratuito, na escola pública, com duração de 9 (nove)


anos, iniciando-se aos 6 (seis) anos de idade. Terá por objetivo a formação básica do cidadão,
mediante:

I - o desenvolvimento da capacidade de aprender, tendo como meios básicos o pleno


domínio da leitura, da escrita e do cálculo;
II - a compreensão do ambiente natural e social, do sistema político, da tecnologia, das
artes e dos valores em que se fundamenta a sociedade;
III - o desenvolvimento da capacidade de aprendizagem, tendo em vista a aquisição de
conhecimentos e habilidades e a formação de atitudes e valores;
IV - o fortalecimento dos vínculos de família, dos laços de solidariedade humana e de
tolerância recíproca em que se assenta a vida social.1

A Secretaria Municipal de Educação e Cultura (SMEC), amparada nas normatizações das Leis
Federais nº 11.114/2005 e nº 11.274/2006, implantou no ano de 2007 em todas as escolas da
Rede Municipal de Ensino de Salvador (RME), de forma progressiva, o Ensino Fundamental de
9 (nove) anos, uma política pública afirmativa de equidade social, implementada pelo Governo
Federal.

Com a ampliação do Ensino Fundamental de 8 (oito) para 9 (nove) anos em 100% das
Unidades escolares, a SMEC acrescentou um ano a mais no Ciclo de Aprendizagem I, que
passou de 2 (dois) para 3 (três) anos de escolarização. Deste modo, a RME apresenta a
seguinte estrutura organizacional.

ENSINO FUNDAMENTAL I – 5 anos de escolarização


Ciclo de Aprendizagem I: 6 a 8 anos
- 1º ano – 6/7 anos
- 2º ano – 7/8 anos
- 3º ano – 8/9 anos

Ciclo de Aprendizagem II: 9 e 10 anos

1
Lei nº 9.394/96, Art. 32.
Espaço Pedagógico Virtual – EPV -1- cenapvirtual@salvador.ba.gov.br
- 4º ano – 9/10 anos
- 5º ano – 10/11 anos

ENSINO FUNDAMENTAL II – 4 anos de escolarização


- 5ª série – 11/12 anos
- 6ª série – 12/13 anos
- 7ª série – 13/14 anos
- 8ª série – 14/15 anos

Quadro 1 – Estrutura Organizacional da Rede Municipal Ensino de Salvador – 2008

EDUCAÇÃO ENSINO FUNDAMENTAL EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS


INFANTIL
SALVADOR
ANOS INICIAIS ANOS FINAIS CIDADE DAS TELECURSO
LETRAS
CICLOS DE
APRENDIZAGEM SEJA
Pré-
Creche
Escola CICLO I CICLO II

1º ano 2º ano 1º ano 2º ano

0a3 4e5 1º 2º 3º 4º 5º 6ª 7ª 8ª 9ª
anos ano ano ano ano ano
anos série série série série 2º 1º 2º 1º 2º 1º 2º

Sem. Sem. Sem. Sem. Sem. Sem. Sem. Sem.
6/7 7/8 8/9 9/10 10/11
anos 11/12 12/13 13/14 14/15
anos anos anos anos
anos anos anos anos

Retenção

EDUCAÇÃO ESPECIAL / EDUCAÇÃO AMBIENTAL / TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS / LEI N.º 11.645/08


PROJETOS PEDAGÓGICOS ESPECIAIS

DIRETRIZES PEDAGÓGICAS – ENSINO FUNDAMENTAL I


As diretrizes que orientarão as ações dos anos iniciais do Ensino Fundamental se baseiam nos
seguintes princípios:

1. A Infância dos seis a dez anos é um período que se caracteriza por grandes mudanças na
vida da criança. Neste período são tecidos os fios da trama e do drama do desenvolvimento
físico, cognitivo, psicológico e social, onde a criança descortina a multiplicidade de
descoberta do mundo e de construção de conceitos, regras e limites. Embora a família
continue a desempenhar um papel importante nos processos de desenvolvimento, a escola
surge nesta época como espaço fértil para desenvolver as habilidades cognitivas e
acadêmicas, como também representa um ambiente em que os grupos de pares podem
influenciar a socialização da criança. Na escola a criança constrói a base do repertório
Espaço Pedagógico Virtual – EPV -2- cenapvirtual@salvador.ba.gov.br
científico que irá sustentar toda a sua vida acadêmica, além de iniciar um vínculo positivo
ou não com a escola, com o conhecimento e com o professor. A qualidade desse vínculo,
bem como a solidez dessa base, depende não só dos recursos internos da criança
(cognitivo), mas, sobretudo da qualidade da formação humana, ética e acadêmica do
professor que faz a mediação.

2. Criança é concebida como sujeito de direito; sujeito do desejo, que pensa, sente e age no e
com o mundo, no e com o “outro”; sujeito de cultura, pessoa que produz cultura e é nela
produzida; sujeito histórico e cultural, ativo e interativo.

3. Brincar espaço do sagrado, do simbólico, do imaginário, da criatividade, da fantasia, da


inventividade, do lúdico, da singularidade, da socialização, da cultura infantil, da
solidariedade, da amizade, de crescimento, de autonomia, de troca de experiências
vivenciais e culturais, de descobertas, de aprendizagens, de ser e estar no mundo... Brincar
sempre foi (e será) essencial ao ser humano. "Um homem somente brinca quando ele é
humano..., e ele somente é humano quando brinca..." (Schiller). Nesta perspectiva,
entende-se o brincar como uma atividade essencial para o desenvolvimento das dimensões
que compõem a subjetividade das crianças: física, psicológica, cognitiva e social. Deve-se,
portanto, tomar a brincadeira como uma expressão legítima e única da infância e inserí-la
no cotidiano da escola por meio de estudo nos espaços de debates pedagógicos, nos
programas de formação continuada, nos tempos de planejamentos.

4. Escola espaço de construção e formação da subjetividade, da identidade, da ética, da


cidadania, da estética, do intelecto, de ação-reflexão-ação, da interação dialética de
interferência e produção de mudanças mútuas. É o lugar onde a intervenção pedagógica
intencional desencadeia o processo ensino aprendizagem. A escola organiza e planeja de
maneira formal, científica, relacional os conhecimentos acumulados histórico-culturalmente
pela humanidade, portanto sua função será fazer com que os conceitos espontâneos ou
cotidianos (assistemáticos, informais), que as crianças desenvolvem na convivência social,
evoluam para o nível dos conceitos científicos (sistemáticos, formais), adquiridos pelo
ensino. Para tanto, deve se engajar e se inserir na sociedade e na cultura, ao mesmo
tempo, se comprometer com o desenvolvimento dos sujeitos, numa prática que integre a
dimensão social e individual.

Espaço Pedagógico Virtual – EPV -3- cenapvirtual@salvador.ba.gov.br


5. A Aprendizagem é o processo pelo qual o indivíduo adquire informações, habilidades,
atitudes e valores a partir da interação com seus pares na cultura. O aprendizado ocorre na
interação social, no âmbito da zona proximal.2 Nesta perspectiva, o aprendizado
adequadamente organizado resultará em desenvolvimento mental. A aprendizagem ocorre
a partir de um intenso processo de interação social, através do qual a criança vai
internalizando instrumentos culturais. Por meio das interações com outras pessoas e com a
realidade social como um todo, ela observa condutas, apropria-se de valores e significados.

6. O Conhecimento é resultante da interação entre o sujeito e o objeto do conhecimento. É


na troca com outros sujeitos (professores e alunos) e consigo próprio que se vão
internalizando conhecimentos, papéis e funções sociais, o que permite a formação da
consciência e do conhecimento. Neste sentido, todos os alunos se desenvolvem e
aprendem, desde que lhes sejam oportunizadas situações e intervenções pedagógicas
qualificadas.

7. O Professor é aquele que ajuda o aluno a desenvolver o que ele ainda não atinge sozinho.
É um mediador que orienta o aprendizado no sentido de adiantar o desenvolvimento
potencial do aluno, tornando-o real. O lugar do professor é essencial na infância, sua
prática não se dá no vazio e no espontaneísmo, tampouco é um ato inocente e apolítico.
Pelo contrário, tem uma intencionalidade, e, de modo consciente ou inconsciente, explicito
ou implícito, é embasada por um corpo teórico-metodológico que reflete o modo de atuação,
as crenças, os valores e a maneira de perceber e conceber o homem, a sociedade, a
educação, a escola, o conhecimento, o currículo, o processo ensino e aprendizagem, a
avaliação, o aluno, o professor. A intervenção pedagógica é determinante na construção de
todo e qualquer conhecimento.

8. O Aluno é sujeito ativo e interativo que constrói sua inteligência a partir da interação com os
objetos do conhecimento e com os agentes sociais (professores e colegas) na cultura, local
de negociações no qual seus membros estão em constante processo de recriação e
reinterpretação de informações, conceitos e significações.

2
De acordo com Vygotsky, a Zona de Desenvolvimento Proximal é a distância ou o caminho que o indivíduo vai percorrer
para desenvolver funções que estão em processo de amadurecimento e que, com a ajuda do outro, tornar-se-ão funções
consolidadas e estabelecidas na Zona de Desenvolvimento Real, determinada por aquilo que a criança é capaz de fazer
sozinha, porque já tem conhecimento consolidado. Já a Zona de Desenvolvimento Potencial, é determinada por aquilo que a
criança ainda não domina, mas é capaz de realizar com o auxílio de uma pessoa mais experiente, na escola, colegas e
professores. A Zona de Desenvolvimento Proximal permite explorar aquelas funções que ainda não se desenvolveram, mas
que estão em estado “embrionário”.

Espaço Pedagógico Virtual – EPV -4- cenapvirtual@salvador.ba.gov.br


9. O Currículo deve levar em consideração tudo o que está no entorno do aluno, ou seja, o
desenvolvimento da sua aprendizagem, as sua características bio-psico-sociais, a
diversidades social, econômica, étnica e cultural, e, sobretudo, incorporar que as crianças
não são tábulas rasas, elas têm conhecimentos ao entrar para instituição escolar. É preciso
transformar o currículo monocultural em multicultural das escolas da RME de Salvador, para
que as crianças não venham sofrer violências simbólicas, ao impor a visão, a concepção, o
saber e a cultura da maioria dos professores, que passa a ser a classe dominante. Faz-se
necessário se pensar em práticas curriculares que privilegiem a problematização, o
questionamento, situações desafiadoras, a inventividade, a criatividade, a criticidade.

10. A Concepção do Processo de Ensino e Aprendizagem da Leitura e da Escrita deve


contemplar, de maneira articulada e simultânea, os processos de alfabetização e
letramento, ou seja, esta se deve desenvolver por meio do letramento, e este, na
dependência da alfabetização. Nesta direção, deve-se orientar o alfabetizando para que ele
aprenda a ler e a escrever, interagindo com práticas reais de leitura e de escrita que
circulam no ambiente escolar e no contexto social, utilizando a língua escrita nas situações
comunicativas reais, lendo e produzindo textos.

11. A Língua Escrita é concebida como um sistema discursivo que tem origem na
interlocução, centrada na interação verbal que se dá por meio de textos ou discursos,
falados ou escritos. A construção do conhecimento sobre ela deverá ser um processo ativo
e construtivo, onde o sujeito será o aluno, que trará para o ambiente escolar algumas
hipóteses sobre a leitura e escrita e aprenderá interagindo com os objetos, na cultura e com
seus pares. Entretanto, o processo de aquisição não acontecerá no vazio, já que ele não
aprenderá a ler e escrever sozinho apenas convivendo com muitos e diversos materiais
escritos; ao contrário, dependerá da mediação de um ensino sistemático, progressivo e
seqüencial, que tome o uso e a reflexão sobre a língua escrita como objeto de
conhecimento e de pesquisa, nas mais diferentes situações sociais, funções, variedades de
estilos e modos de falar. Isto implica na rejeição de um ensino meramente transmissivo,
baseado na memorização de regras e conceitos, bem como numa aprendizagem focada em
automatismos e reproduções mecânicas e lineares.

12. As Situações de Aprendizagem devem se organizar em torno do uso e privilegiar a


reflexão dos alunos sobre diferentes possibilidades de emprego da língua, nas práticas de
leitura e escrita, fala e escuta. Portanto, faz-se necessário planejar uma diversidade de
Espaço Pedagógico Virtual – EPV -5- cenapvirtual@salvador.ba.gov.br
situações em que possam, em diferentes momentos, centrar seus esforços ora na
aprendizagem do sistema (alfabetização), ora na aprendizagem da linguagem escrita
(letramento), que é diferente de um trabalho baseado no espontaneísmo das descobertas
ao acaso.

13. O Texto é concebido como unidade de ensino, lugar de enunciação e produto de interação
verbal, espaço de interação de sujeitos sociais; um construto histórico e social, complexo e
multifacetado; um instrumento de manifestação da linguagem que não pode prescindir de
uma dimensão social; uma unidade de sentido. Em síntese, o texto deve constituir-se em
objeto de conhecimento para o ensino e aprendizagem da língua escrita. É nele que a
língua se configura em sua "concretude". Isto posto, fica caracterizada a necessidade do
trabalho com o texto em todo o processo de aquisição da língua escrita. Por meio do texto
se a análise e a reflexão das letras, fonemas, sílabas, frases, palavras, textos, parágrafo,
sinais de pontuação, dentre outras matérias-prima trabalhadas na alfabetização.

OBJETIVOS
Geral
 Promover uma educação de qualidade para crianças e jovens que estão nos anos iniciais
do Ensino Fundamental que garantam a permanência e o respeito aos diferentes tempos,
ritmos e formas de aprender, assegurando-lhes o direito de aprender a ler e escrever com
autonomia, criticidade e criatividade; o direito de desenvolver o raciocínio lógico
matemático, aplicando-o na resolução de problemas escolares e cotidianos; e, o direito de
desenvolver as competências e as habilidades de outras áreas do conhecimento, a fim de
ampliar a visão de mundo e se reconhecer como sujeito biológico-histórico-social-cultural.

Específicos
1. Garantir que 100% das crianças e adolescentes que estão no Ciclo de Aprendizagem I
aprendam a ler e escrever com autonomia e compreensão, conquistando a base alfabética /
ortográfica e operem matematicamente as 4 (operações), ou seja, que desenvolvam as
competências e habilidades de cada área do conhecimento pertinente a cada ano do Ciclo.
2. Assegurar que 100% das crianças e adolescentes que estão nos Ciclos de Aprendizagem I
e II desenvolvam as competências e habilidades de cada área do conhecimento pertinente
a cada ano dos Ciclos.
3. Apoiar pedagogicamente as crianças e os adolescentes que estão em situação de distorção
série-idade, a fim de que eles possam seguir seu percurso escolar normal e corrija o fluxo
escolar na RME.
Espaço Pedagógico Virtual – EPV -6- cenapvirtual@salvador.ba.gov.br
4. Elevar a qualidade da educação nos anos iniciais do Ensino Fundamental através da
implantação de políticas da alfabetização, de formação continuada dos profissionais da
educação e de avaliação, bem como apoiar pedagogicamente os professores e os alunos
que se encontram em situação de “dificuldade de ensinagem” e “dificuldade de
aprendizagem”, respectivamente.
5. Concluir a ampliação do Ciclo de Aprendizagem I e implantar o Ciclo de Aprendizagem II
em todas as escolas da RME de Salvador.
6. Adquirir equipamentos, materiais e jogos pedagógicos para as crianças que estão nos
Ciclos de Aprendizagem I e II que ajudem no processo alfabetização, letramento e
raciocínio lógico matemático.
7. Implantar e efetivar uma sistemática de avaliação diagnóstica inicial, bimestral e final em
todas as escolas da RME, a fim de registrar a evolução do aluno durante o ano letivo.
8. Articular com profissionais de outras secretarias, como, por exemplo, Psicólogo,
Fonoaudiólogo, Assistente Social, dentre outros, para atender as crianças e jovens que
estão apresentando problemas no aprendizado e aqueles que são portadores de
necessidades especiais.
9. Reduzir o índice de repetência e evasão escolar nos Ciclos de Aprendizagem I e II.
10. Proporcionar condições de acesso, permanência e sucesso do aluno nos anos iniciais do
Ensino Fundamental, reduzindo as desigualdades sociais e promovendo a cidadania.

DIRETRIZES GERAIS – ENSINO FUNDAMENTAL II


As diretrizes que orientarão as ações do Ensino Municipal de Ensino de Salvador baseiam-se
nos seguintes princípios:

1. O Ensino Fundamental II faz parte da Educação Básica e destina-se a pré-adolescentes em


condições ideais de 11 a 14 anos.
2. O oferecimento do Ensino Fundamental II é de competência do Sistema Municipal de
Ensino, sendo sua a responsabilidade de organizar, manter e desenvolver políticas
educacionais com vistas à formação integral do educando.
3. A Carga Horária anual do Ensino Fundamental II é de 800 horas, distribuídas por 200 dias
letivos, excluindo o tempo das avaliações finais, sendo o seu currículo, composto por uma
Base Comum e uma Participação Diversificada.
4. Os profissionais do Ensino Fundamental II devem ter formação em curso de Licenciatura
Plena na especificidade de cada área do conhecimento;

Espaço Pedagógico Virtual – EPV -7- cenapvirtual@salvador.ba.gov.br


5. Os pré-adolescentes e adolescentes que apresentam necessidades educativas especiais
devem ser atendidos preferencialmente na Rede Regular de Ensino.

A escola deve garantir o acesso, permanência e sucesso de todos os alunos

DIRETRIZES PEDAGÓGICAS
 O currículo do Ensino Fundamental II deve abranger nas diversas áreas do conhecimento a
diversidade étnico-racial, sócio-cultural, de gênero e a educação para livre orientação
sexual, na perspectiva de uma educação plural com a finalidade da superação de qualquer
tipo de discriminação e preconceito.
 O currículo do Ensino Fundamental II deve integrar nas diversas áreas do conhecimento a
Educação Ambiental com a finalidade de contribuir para uma sociedade ambientalmente
sustentável.
 A atuação docente deve levar em consideração os aspectos biopsicossociais e emocionais
do alunado que refletem as transformações vivenciadas no período de pré-adolescência,
observando as mudanças físicas, psicológicas e sociais vivenciadas nessa fase, com vistas
a garantir o processo efetivo de construção de identidade e projetos de seus alunos.
 Integração das Tecnologias Inteligentes a prática pedagógica para que alunos e
professores possam delas se apropriar e usufruir, promovendo a criação de ambientes de
aprendizagem significativos ao propiciar a construção de conhecimentos por meio de uma
atuação ativa, crítica e criativa.
 Implementação do empreendedorismo no currículo como meio de favorecer e incentivar a
formulação e resolução de problemas, a criatividade, autonomia, interação, investigação,
tomada de decisões, o trabalho coletivo, a co-responsabilidade e globalização, permitindo
aos educandos a ação para empreender a própria vida e da coletividade ao participar de
forma efetiva do processo de transformação da sociedade, gerando, assim, possibilidades
de sustentabilidade e empregabilidade.
 Garantia de aceleração de estudo para alunos com defasagem idade-série, amparada pelo
artigo 24, inciso V, alínea B da Lei 9394/96 – Diretrizes e Bases da Educação Nacional.

OBJETIVOS
Geral
Implementar uma política de melhoria no processo educativo do Ensino Fundamental II, com
vistas ao sucesso do aluno.

Espaço Pedagógico Virtual – EPV -8- cenapvirtual@salvador.ba.gov.br


Específicos
 Implementar sistemática de monitoramento às escolas de 5ª a 8ª séries;
 Promover a formação e o desenvolvimento individual e coletivo de atitudes éticas e a
aquisição de valores em relação ao meio ambiente;
 Possibilitar a construção da autonomia do pensamento, iniciativa e ação para empreender,
mediante participação de forma consciente, efetiva e criativa na transformação da
sociedade em que vive.
 Garantir a valorização e formação continuada dos professores e coordenadores,
considerando a oferta de pós-graduação e mestrado;
 Garantir a efetivação do acesso utilização das tecnologias inteligentes nas escolas de 5ª a
8ª séries;
 Garantir os recursos humanos e didático-pedagógicos necessários à implantação e
implementação do Projeto.

Espaço Pedagógico Virtual – EPV -9- cenapvirtual@salvador.ba.gov.br