Você está na página 1de 12

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO - UFOP

Instituto de Ciências Exatas e Aplicadas


Departamento de Ciências Exatas e Aplicadas

Anderson Moulais da Silva


Jorge
Júnior

Prática 5 Padronização de Soluções:NaOH e Hcl

QUI200/3

Professora:Angela Leao Andrade


Anderson Moulais da Silva
Jorge
Júnior

PRÁTICA 5
Padronização de Soluções

Relatório de aula prática apresentado à


disciplina de Química Geral,
da universidade Federal de Ouro preto, Campus Ouro Preto

Ouro preto,2017.2
SUMÁRIO
Sumário
1. INTRODUÇÃO .................................................................................................. 4

2. OBJETIVOS ...................................................................................................... 6

3. PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL ................................................................ 7

4. RESULTADOS E DISCUSSÕES .................................................................... 12

5. CONCLUSÕES ............................................................................................... 14

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ......................................................................... 15


1. INTRODUÇÃO

Padronizar uma solução significa determinar sua concentração exata. Quando


preparamos uma solução de um soluto comum, estaremos sujeitos a erros tais
como: o soluto apresenta impurezas; o soluto é higroscópico; erros de pesagem;
erros de paraláx.
A titulação consiste em determinar quantidades de substancias
desconhecidas por meio de medidas volumétricas, fazendo reagir com solução de
concentração conhecida ou padrão para que seja descoberta a concentração da
solução desconhecida. Para que o desconhecido possa ser determinado, é preciso
ser possível reconh ecer em que ponto a reação termina, e saber exatamente o
volume da solução padrão que foi utilizado
Varias reações, porém, não envolvem mudanças perceptíveis. Nesses casos,
temos que adicionar um reagente auxiliar, ou indicador, que muda de cor no
momento em que a reação terminaAtravés do processo de padronização é possível
verificar o quanto a concentração da solução preparada aproxima-se da
concentração da solução desejada.
Existem substâncias com características bem definidas, conhecidas como
padrões primários, que são utilizadas como referência na correção d a
concentração das soluções através do procedimento denominado padronização ou f
atoração. Tal procedimento consiste na titulação da s lução de concentração a ser
determinada com uma massa definida do padrão primário adequado.As características
principais de uma su bstância para ser empregada como padrão primário são: ser
um composto estável, ou seja, não ser higroscópico, oxidável o u sujeito à
carbonatação; ser sólido e não sublimar; ser de fácil obtenção, padrão primário
são: ser um composto estável, ou seja, não ser higroscópico,
oxidável o u sujeito à carbonatação; ser sólido e não sublimar; ser de fácil
obtenção, purificação, dessecação e conservação.
Padrão primário são: ser um composto estável, ou seja, não ser higroscópico,
oxidável o u sujeito à carbonatação; ser sólido e não sublimar; ser de fácil
obtenção.
São bons exemplos de padrões p rimários para padronização de ácidos e
bases: carbonato de sódio (Na2CO3) (PM=105,9 889), b iftalato de potássio ou
hidrogeno f talato de potássio (KHC8H4O4) (PM=2042279), hidrogenoiodato de
potássio (KH(IO3)2) (PM=389,9151
Portanto, se queremos determinar a conc ntração de uma solução, usando
um padrão primário (PP), a solução preparada ou massa pesada deste PP deve
ser o máxima e exata possível
São consideradas padrão secundário aquelas cujo conteúdo de substância
ativa foi estabelecido por comparação com uma sub stância padrão primário.
Uma das maneiras usadas para detectar o ponto final de titulações ba sei a -se
no uso da variação de cor de algumas substâncias chamadas indicadores. No
caso
particular das titu lações ácido -base, os ind icadores são ácidos o u base s
orgânicas
(fracos) que apresentam colorações d iferentes, dependendo da forma que se
encontram em solução (forma ácida ou forma básica).

Abaixo vemo s dois exemplos de curvas típicas de titulação de ácido forte com
base forte:
2. OBJETIVOS

O objetivo deste experimento é aprender a preparar soluções e


determinar a sua
concentração a partir de cálculos , padro izando as soluções de NaOH
0,1 mol/L e de HCl 0,1 mol/L, comparando os resultados entre si.
Procedimento experimental
Foram utilizados nesse experimento:
-Bureta de 25ml
-Suporte universal
-Garras de buceta
-Espátula
-Pisseta
-Pipeta graduada de 25ml
-Erlenmayer de 250ml
-Balança analítica
-Solução de hidróxido de Sódio (NAOH) 0,100mol/l
-Água deionizada(h20)
-Indicador de Fenolftaleina
-Solução de Ácido Clorídrico(HCL) 0,100mol/l

A padronização d a solução de NaOH f oi realizada usando uma


determinada
massa de ftalato ácido de potássio, da seguinte forma:
-Pesou-se aproximadamente 0,100g de ftalato ácido de potássio
(c6h4(COOH))(COOK), seco em estufa por 1-2 horas a 110 graus celsius,
em um erlenmeyer de 250ml.
-Adicionou-se 25ml de água destilada.
-Agitou-se com cuidado até a dissolução total do ftalato ácido de potássio
-Adicioou-se a amostra de ftalato ácido de potássio, uma gota de
fenolftaleína.
-Encheu-se a bureta de 25ml com a solução de NAOH.

ea- mostra
Titulou
NaOH, com
-se
até lentamente
oa solução ad
-Titulou-se lentamente a amostra com a solução de NAOH até o
aparecimento de uma leve coloração rosada que persista
aproximadamente 30 segundos.Este foi o ponto final da titulação.

-A tabela 1 mostra os valores encontrados em cada experimento.

Tabela 1-Valores utilizados de massa do ftalato e volume do NAOH por


grupo

Experimentos

Grupo 1- Massa de ftalato(g)=0,100g e volume de NAOH(ml)=4,7

Grupo 2-Massa de Ftalato(g)=0.100g e volume de NAOH(ml)=5,0

Grupo 3-Massa de Ftalato(g)=0,102 e volume de NAOH(ml)=5,4

Grupo 4-Massa de Ftalato(g)=0,104 e volume de NAOH(ml)5,5

-Sabendo que a Massa Molar do NAOH é de 204,22g/mol e considerando


que o número de mols de NAOH é igual ao número de mols de ftalato ou
então o número de mols de OH- é igual ao número de mols de H+, ou seja,
NNaOh=Nftalato, temos que:

m+v=m/MM

A partir daí, foi calculada a concentração (M) do NaOH em cada uma das
experiência, como mostra a tabela 2.

Tabela 2-Resultado dos cálculos da concentrações(mol/l) do NaOH por


grupo.

Experimentos

Grupo 1=0,104mol/l

Grupo 2=0,0978mol/l

Grupo 3=0,0925mol/l

Grupo 4=0,0926mol/l
-Depois das concentrações do NaOH de cada experimentos, encontrada,
calculamos a média

Média aritimética=M1+M2+3+M4/Número de experimentos

Média aritimética=0,0968

-Foi calculado o erro absoluto da seguinte forma>

Erro absoluto=Média do volume medido-valor esperado

Erro absoluto-0,0968 mol/l de NaOH-0,100mol/l de NaOH

Erro absoluto=-0,0032mol/l de NaOH


3.2. Padronização da solução de HCl 0,100 M

A equação d a reação envolvendo a padronização da solução de HCl


utilizando a solução de NaOH já padronizada é
HCl+NaOHNaCl+H20
A padronizaão da solução de HCl foi realizada utilizando uma soiluçãoi
padronizada de NaOH,(neste caso usa=se fenolftaleína como indicador) da
seguinte forma
-Pipetou-se 15ml do ácido diluído para um erlenmeyer;
-Adicionou-se 1 gota de fenolftaleína.
-Titulou-se com a solução de NaOH padronizada até o aparecimento de
coloração rosa claro persistente.
-Anotou-se o volume gasto.
-Assim como no experimento anterior, a fim de se ganhar tempo, a turma
foi dividada em dois grupos de quatro duplas cada e com dados coletados
por cada uma das duplas(que realizou experimento apenas ua vez), será
feito os cálculo para o relatório presente.
-A tabela 3 mostra os valores encontrados em cada experimento
Tabela 3 mostra os valores encontrados em cada experimento.

Tabela 3-Valores utilizados de volume de NaOh por grupo


Experimentos
Grupo 1=13,2ml
Grupo 2=13,5
Grupo 3=13,2
Grupo 4=13,7
-Depois dos volumes do NaOH de cada experimento encontrados,
calculamos a média.
Média aritimética=13,4mL de NaOH.
-Para calcular a concentração real da solução, considerando-se que o
número de mols de NaOH é igual ao número de mols do HCL ou então do
número de mols de OH- é igual ao número de mols de H+, temos que;
M*v=M*v
0,0968mol/l*13,4ml=M*15ml
M=0,0865mol/l de HCL
-Foi calculado o erro absoluto da seguinte forma:
Erro absoluto=média do volume medido-volume esperado
Erro absoluto=0,00865 mol/l de HCL- 0,100 mol/l de HCL
Erro absoluto=-0,0135mol/l de HCL
Resultados e discussão
4.1 Padronização da Solução de NAOH 0,100mol/l
A tabela 4 mostra osvalores encontrados por cada grupo no seu respectivo experimento.
Tabela 4-Valores obtidos durante os experimentos.
Experimentos Massa de ftalato(g) Volume de NAOH(mL) MNaOH(mol/l)
Grupo 1 0,100 4,7 0,104
Grupo 2 0,100 5,0 0,0978
Grupo 3 0,102 5,4 0,0925
Grupo 4 0,104 5,5 0,0926
A tabela 5 mostra os valores da média das concetrações(M) de NaOH, em mol/l dos
experimentos, bem como erro absoluto e o desvio padrão
Tabela 5-Resultados da média dos experimentos, erro absoluto e desvio padrão
Concentração média de NaOH 5% da média Erro absoluto Desvio padrão
0,00968 0,00484 -0,0032mol/l 0,00544
Compararando com os resultados obtidos, vemos que há uma pequena diferença entre o
valor encontrado e o valor esperado(erro absolut).Esta pequena diferença pode estar
associada a purezada das substâncias utilizada ou ao erro de obserlão do ponto de
viragem do indicador.
Já comparando o valor do desvio padrão com o valor de ¨(cinco por centro) da média
da medida(Tabela 5), valor estew considerado máximo aceitável da difereça entre uma
medida e outra quando relativo a precisão, vemos que o valor encontrado no desvio
padrão é maior que os 5% da medida, ou seja, houve baixa precisão.
4.2 Padronização da solução de HCL 0,100M

A tabela 6 mostra a média dos valores do volume de NaOH em mL,


obtidos nos experimentos, bem como a concetrações(M)de Hcl, em mol/L,
e o erro absoluto.

Tabela 6-Valores obtidos durante os experimentos e erro absoluto

Média do volume de NaOH(mL) Concetranção HCl(mol/l) Erro absoluto

13,4 0,0865 -0,0135mol/L

Comparando os resultados obtidos, vemos que há uma diferença maior do


que a encontrada na padronização da solução de NaOh 0,100mol/l entre o
valor encontrado eo valor esperado(erro absoluto).Esta diferença
também pode estar associada à pureza das substâncias ou ao erro de
observação do ponto de viragem do indicador.
Conclusões

A partir deste experimento, pode-se concluir que, ao padronizar


uma solução estará se determinando sua concetração real(ou
pelo menos um valor muito próximo do real), que pode ser
identificado este valor com um fator de correção.

Conclui-se também, que,uma vez que a análise volumétriica, a


concentração ou masssa da amostra é determinada a partir do
volume da solução titulante de concentração conhecida, é
necessário preparar soluções com concentração muito precisa, a
partire de cálculos e pesagens corretas, assim como exatidão nas
medidas de volume, o que também determina a concetração
correta.Também deve-se tomar cuidado na observação da
mudança de cor do indicador ácido-base, pois, para indicar um
pH neutro, a cor do inciador deve estar um estado intermediário
da faixa de viragem.