Você está na página 1de 150

O PIANISTA VIRTUOSO

60 EXERCÍCIOS COM AMPLIAÇÕES


DE A. SCHOTT

EDIÇÃO AUTORIZADA PARA VENDA


EXCLUSIVAMENTE NO BRASIL
32\3 424 f

VENDA
EXCLUSIVA
Rua Mal. Hcriano, 493
FONE: 223-33S1
Caxias do Sul - RS

O PIANISTA VIRTUOSO
60 EXERCÍCIOS COM AMPLIAÇÕES
DE A. SCHOTT

EDIÇÃO AUTORIZADA PARA VENDA


À'
EXCLUSIVAMENTE NO BRASIL

RICORDI BRASILEIRA S.A.


Rua Conselheiro Nébias, 1136
C.P. 8131 - Fone: 220-6766 (Sequencial)
CEP 0'1203 - São Paulo
Endereço Telegráfico "RICORDIBRASIL"
©Copyright by SCHOTT FRERES S.P.R.L. - Bruxelles
©Copyright 1984 by RICORDI BRASILEIRA - São Paulo - Brasil
Edição autorizada pelos editores proprietários SCHOTT FRERES - Brussels - Paris
Únicos editores legalmente autorizados no Brasil
AH rights reserved - International copyright secured - Printed in Brazil
Todos os direitos são reservados
PREFACIO
O estudo do piano está tão difundido atualmente — e são tão numerosos os bons pianistas — , que hoje em dia
não se podem suportar mediocridades neste instrumento; por isso, somente depois de um estudo de oito a dez anos
é que um pianista pode atrever-se a executar, mesmo perante amadores, peças de alguma dificuldade. Porém, quão
poucas pessoas poderão dedicar tantos anos ao estudo deste instrumento! Não é de admirar que o pianista, em conse-
qtiência de um estudo insuficiente, apresente irregularidades e pouca correção na sua execução. Neste caso, a mão
esquerda fica inativa nas passagens difíceis, o 4° e 5° dedos, mais fracos que os outros, carecem de força ne-
cessária e se se tocar uma passagem em oitava, um trémulo, ou trilo é esta executada com esforço e dificuldade,
z> que prejudica a execução da peça em limpeza e expressão.
Durante muitos anos empregamos os maiores esforços para remediar este mal, intentando reunir numa
obra todos os exercícios, para em muito menos tempo, se poder adquirir o maior grau de aperfeiçoamento no es-
tudo do piano.
Para se conseguir este fim era mister resolver o seguinte problema:
"Se os cinco dedos de ambas as mãos estivessem todos regularmente desenvolvidos e exercitados, poder-
se-iam executar sem dificuldade todas as peças que existem para este instrumento e, neste caso, não se trataria
senão do problema de dedilhação, cuja solução é muito simples".
O PIANISTA VIRTUOSO se compõe de 60 exercícios, etc. Nesta obra encontram-se todos os exercícios indis-
pensáveis para adquirir agilidade, força e independência de dedos, perfeição na técnica e flexibilidade e soltura dos pul-
sos, isto é, tudo o que é necessário e indispensável para uma execução perfeita. Além disso, estes exercícios têm por
fim fazer com que a mão esquerda adquira a mesma agilidade que a direita.
Com exceção de alguns exercícios que se encontram também noutros métodos, todo o conteúdo desta obra é
original nosso. Todos os nossos exercícios são interessantes e não fatigam o discípulo, como a maior parte dos
estudos existentes para os cinco dedos, cuja insipidez é tão grande que se necessita possuir a constância de um
verdadeiro artista para ter a coragem de tocá-los.
Estes exercícios estão reunidos de tal maneira, que o pianista, depois de os ter tocado algumas vezes, pode
executá-los num tempo tão acelerado quanto possível, o que é sem dúvida um magnífico exercício para os dedos
em todos os sentidos.
Pode-se, também, mandar estudar estes exercícios em muitos pianos ao mesmo tempo para despertar o amor
próprio dos discípulos e para acostumá-los a tocar juntos.
Este método contém todas as dificuldades que há para o piano e estas estão dispostas de tal modo, que em
cada exercício os dedos podem repousar do esforço feito no exercício anterior; graças a esta disposição se podem
executar sem a mínima fadiga ou esforço, todas as dificuldades» técnicas e, depois de tocados estes exercícios, no-
tv-se-á que os dedos se movem com uma agilidade assombrosa.
Esta obra é destinada para todos os estudantes de piano.
Os discípulos que já tenham um ano de estudo poderão dedicar-se ao nosso método com os mais profi-
resultados, e os mais adiantados poderão estudá-lo com vantagem em muito pouco tempo, e todos eles dei-
de sentir a rigidez dos dedos e dos pulsos de que padeciam antes, e estão aptos para vencer todas as dlít
da técnica do piano.
Os pianistas e professores de piano que não disponham do tempo suficiente para estudar e conservar a téc-
aem t execução adquiridas, não necessitam mais do que tocar este método durante algumas horas para readquirir
K aecessãria agilidade de dedos. .
Suma hora se pode tocar esta obra desde o princípio até o fim, e se, depois de sabê-la bem, se repetir é«t«
=-*j-m."-o durante algum tempo, desaparecerão como por encanto todas as dificuldades e se adquirirá um toque per-
teca e suave que é o segredo dos grandes artistas.
i— resumo, apresentamos esta obra como a chave de todas -as dificuldades da técnica do piano, s aos joven»
f m n t e professores prestaremos os maiores serviços recomendando-lhes para os seus discípulo* O PIANISTA
l -jKTVUSO.
Alctme Varianti,proposte perlo studio dei ritmo Diferentes variações especialmente recomendáveis para O
e dell'articolazione delle dita e dei poiso, che si estudo do ritmo bem como a precisão técnica dos dedos e
do pulso, as quais devem ser aplicadas aos 35 Exercícios
potranno applicare aiSOprimi esercizí.
quê formam a primeira Parte da Obra. -

S K 2. ete.

Si esegua anche tutto legato e tuííosciolto. 81 esegua anche legato e sciollo.


Executar tudo destacado e depois tudo ligado Executar tudo destacado e depois tudo ligado

=£*. 4.

Si esegua. anche tutto legato.


Executar tudo destacado e depois tudo ligado
Executar também lado ligado

Eg**, 30.3

«* ^ y ^j
Qnalqne altra variozione piú difficile che puó applicarsi Algumas outras variantes mais difíceis que, no estudo mais
alie 22 formule precedenti, conservando Ia diteggiatura di avançado, deverão ser aplicadas às 22 fórmulas precedentes.
cuidando de bem conservar a postura da nvao e o dedilhado
do maggiore.
indicado para a tonalidade de Do Maior.

Msgglore Minore
Maior Menor

Tutte lê scale, gli arpeggi e gli aecordi di settima in forma Uma vez que todas as escalas, os arpejos e os acordes de
d'arpeggio, una volta imparati come sono indicati in questo sétima em arpejos tenham sido aprendidos assim como estão
método, noi consigliamo di studiarli nei ritini variati' seguenti indicados nesta Obra, aconselhamos seu estudo nos vários
preferiti dal mio venerato maestro Cario de Bériot, profes- ritmos aqui indicados, preconizados pelos mais eminentes
sore ai Conservatório di Parigi. Mestres, e todo especialmente pelo venerado Prof. Ch. de
La mano sinistra o Ia mano destra dovranno essere poste Bériot, catedrático no Conservatório de Paris.
secondo i casi sia alTottava bassa oppure alTottava alta Segundo o caso, a mão direita ou a esquerda deverá colo-
di come sono índicate. car-se uma oitava mais acima ou mais abaixo do que está
indicado.

Su una ottava
con una nota per tempo
Sobre uma oitava
com uma nota por cada tempy W ^—m

Su due ottave
con due note per tempo.
Sobre 2 oitavas
com 2 notas por cada tempo

8u tre ottave
ccn tre note per tempo.
Sobre 3 oitavas
com 3 notas por cada tempo

Su quattro ottave
con quattro note per tempo.
Sobre 4 oitavas
cem 4 notas por cada tempo

Su tutta Ia tastlera
cem sette note per tempo.
Sobre a extensão do teclado
com 7 notas por cada tempo

=S »-
Charles Louis Hanon
IL PIANISTA VIRTUOSO
PRIMA PARTE PRIMEIRA PARTE
Esercizí per acquistare l'agilità, f indi- Exercícios para ^adquirir agilidade, independência
pendenza,la forza e Ia perfeita eguaglianza força e a perfeita igualdade dos dedos
delle dita.
Para se obter por meio destes exercícios a igualdade dese*
Per ottenere 1'eg-uaglianza voluta dall'autore me- jada pelo autor, é necessário não apenas a diária aplicação
diante questi esercizí è necessário non solo 1'appli. de todos os dedos mas também um trabalho especial para
cazione costante ed eguale di tutte lê dita, ma anche os dedos mais fracos.
u n lavoro speciale per lê dita piú deboli. De fato, não se pode admitir que cheguem ao mesmo grau
Infatti non si può ammettere che queste arrivinoal de força e de agilidade dos dedos naturalmente mais fortes,
grado di forza. e di ag-ilità delle dita piú forti se non se não forem submetidos a um maior número de exercitações.
ttttraverso un numero mag-giorè di esercizí. Perciòab- Por isso julgamos muito útil apresentar alguns EXERCÍ-
tiamo creduto opportuno di ofírire all'allievo eserci. CIOS PREPARATÓRIOS que. insistindo nas particula-
z í preparatorí^ i quali, insistendo sui particolari tec. ridades técnicas mais importantes, podem, mediante uma
nici piú importanti, possano, con un lavoro razionale constante e racional exercitação, conferir à mão as melhores
e costante, mettere Ia mano in condizioni di ripara. condições para se conseguir mais rapidamente a meta de-
re alie sue manchevolezze e di rag-g-iung-ere quindi sejada.
piú prontamente Io scopo desiderato. As fórmulas dos exercícios preparatórios que são indicadas
Lê formule deg-li esercizí preparatorí che sono in. para a progressão ascendente, valem também para a pro-
dicate per Ia progressione ascendente valgono anche gressão descendente.
per Ia progressione discendente. Além dos ritmos indicados na página l, o transporte de um
II trasporto ad un semitono sopra e sotto sara semitom acima e abaixo bem como nas tonalidades maiores e
sempre un esercizio consig-liabile per i vantagg-i tec. menores indicadas na pag. 2, será da máxima utilidade e
nici che ne possono derivare. vantagem técnica.

N?fl.
Estensione dal 5? ai 4? dito delia mano sinistra Extensão do 5.° ao 4." dedo da mão esquerda subindo (a)
nell'ascendere ia) ed estensione dal 5?al AVdito del- e do 5." ao 4.° dedo da mão direita (b).
ia mano destra nel discendere (b). Estudar os 20 Exercícios desta ].* Parte começando com o
Si studino i 20 Esercizí di questa l? Parte inco. Metronomo a 60 = f para se chegar gradualmente^ através
.•ninciando dal N.°60 dei Metronomo per arrivare os ritmos (pag. i) até 180 = 0 •. Deve ser sempre inter-
grado a grado, sino ai N." 108. La doppia indicazio. pretada assim 'a dupla indicação de nietrônomo que enca-
ne dei movimento dei Metronomo messa in testa dun beça o 1." exercício.
e^rcizio vá sempre interpretata in tal senso.

ESERCIZÍ PREPARATORÍ etc.


EXERCÍCIOS PREPARATÓRIOS

54 '3 21 '5 segure


Articolare b.ene lê dita per far sentire assai distintamente og-ni nota.
Articular bem os- dedos para fazer ouvir cada nota bem clara
é = 60 a 108

5 4
"e c^tsío volume si presentano sempre lê Note-se que, em todo ébte método, sempre se apresentam Iguais di-
TT_- imbedue !e m a n i : Ia mano sinistra di- ficuldades para ambas as mãos. assim que a mão esquerda pode tornar-
.'» '.-«Etu IA muno destra; ínoltre lê diffi- se tão ágil como a direita: a mesma dificuldade que a mão esquerda,
—ir.: 5.-.s::-<i r.e!l'ascendere sono esattameç. deverá vencer subindo, a mão direita deverá vencer descendo e vice
,-f^^f. z.'ã tíclla mano destra nel discendere. versa. Desta maneira ambas as mãos chegarão à mais perfeita
• ~~- ---. -ira. ptrfttta eguaglianza. dade.
5 *

Quando ai sapplaeseguire
bene questo 19Esercizio si
passl astudiare il3?senza
sofTermarsi su questa nota.
A ssím que se souber executar
bem este 1.° Exercício, passar
logo ao 2° sem parar nesta nota
DopO avcre bene eSegUÍto questo esercizio SÍ j O aluno, depois que tiver conseguido uma boa execução di-*-
riprenda i l precedente e Io SÍ SUOlli Unitamente te exercício, deve voltar ao primeiro e executar os dois de
a questo quattro Volte di Se^llito Senza inter. seguida, sem interrupção por 4 vezes. Os dedos ficarão
romperei; lê dita si rinforzeranno cosi conside., assim bem fortalecidos.
revolmente.

EXERCÍCIOS PREPARATÓRIOS

*\oV

3-4 1 2 5 i 3 4 3

l i
wimre. uidicheremo d'ora innanzi collaloro sola (1) Para abreviar, Indicaremos doravante, com seus respectivos nú-
.í iíii ene si esercitano maffgiormentein ogni
: U 3: ed il 49 ai N? 2; il 29, Í I 3 9 ed il 4° meros, os dedos que mais .se exercitam em cada Exercício: ex. (J-4)
«, FJ J no N.° 2; (2-3-4J no ; N.° 3. etc.
OIIOI- : • - -: -
Prima d'iniziare Io studio di que st o N? 3 si Antes de iniciar o estudo deste exercício n.° 3, aconselha-
suonino una o due volte senza fermarsi i due e_ mos tocar os dois precedentes duas vezes de seguida sem
sercízí preoedenti. Quando si sia in grado dibe. parar.
ne eseg-uire questo N?3 si studi il N94,poi ilN?5 Quando este n.° 3 estiver bem aprendido e bem executado,
e non appena si saranno appresi perfettamen. então se passará ao n.° 4 e depois ao-n.° 5 e assim que estes
te, si suoneranno di segTiitotutfe tre almeno ambos estiverem bem aprendidos, então se deverá tocar de
quattro volte senza interruzione, fermandosisa seguida todos os três pelo menos quatro vezes, parando so-
Io sull'ultima nota de lia pagina 7. È intalmo. mente na última nota do exercício 5. É dessa maneira que.
do che vá studiato Tintero lavoro. se deve estudar toda esta obra.

ESERCIZI PREPAKATORI Jt ^ eto


EXERCÍCIOS PREPARATÓRIOS V 4

l 3 l 3 ia l 3 l 3
ESERCIZI PREPARATORI
EXERCÍCIOS PREPARATÓRIOS '

5453 5 4 5 3

l p~r il 4? ed il 59 dito delia mano destra.


,1 :: • - .;— : -. - - : - :-úz- da nsãc esquerda.
3 -i 3 e 5." dedo-i da mão direita.
8

ESERCIZÍ PREPARATORÍ \f _
EXERCÍCIOS PREPARATrtRTOS-*- * ~

l-a-8-4-5
1 5 4 5 3 4 8 3 1 5 4 5 3 4 2 3

TTT3 f
1 2 1 3 2 * 3 5 !2
c z

i
10

N?7.

ESERC1ZÍ PREPARATORÍ \i
XZKRCtCIOS PREPARATÓRIOS ' ^~~

3 5
11

ESERCIZIPREPARATORI -l
EXERCÍCIOS PREPARATÓRIOS

5 4 3 5 4 2
2 1 3 2 4 3 5 4 2 l 3 5 4 2

i 3i 3 «l 3 . • * a . 3 a4 3
\YVT JJ1A1A i 11111111
N?10.

ESERCIZÍ PREPARATORI i d*
EXERCÍCIOS PREPARATÓRIOS '-» .'*• *-IÍlÍi

segure 1

j í ]>*\l l '
: m J !'%1 t~~{—i~!

l 5 l5 l 5
14

N?ll.
Segure
;RCIZÍ PREPARATORI * JÍÍÍ*~*
:ERCÍCIOS PREPARATÓRIOS

vS^->
5 ^^ 1 í
seeure 32 y

3 l 3 l

l3 l 3 l3 l3
15

ESÇRCIZl PREPARATOR1 \E
IXERCICIOS PREPARATÓRIOS*"' '

1 5 3 1 5 3 l 58
1 5 3 4 5 4 3 5 1 5 3 4 5

l 5

I a 4i 4 » i . 6

l5 lS lB ie

5i Bi
16

N? 13.

ESERCIZJO PREPARATÓRIO */•% é Já* j c «j-»'-


EXERCÍCIO PREPARATÓRIO

35

S 5
J". z 4 l 3 -i 3 5 2 4 1 3 2 86*4

3 6

3 . 34 3j .,48 . . 4 . »

532 532 532 6 8 2


19
!
N?14.

ESERCIZÍ PRKPARATORI \
EXERCÍCIOS PREPARATÓRIOS **•*-

54335

5 4
3-4 a 4 3 4 35 l 53 4 3 á_4
i a

l 3
l 3
5 * 2

54 l
54 5 4 .4 e 4
N?15

l 3

* l 3
3 4
19
N°16

ESERCIZI PBEPÃBATOR I
EXERCÍCIOS PREPARATÓRIOS
\um\AA\uu
21

ESERC1ZI PREPARATORl \4 J
SXXRC1CIOS PRKPARATÔBIOS '

1-3-3-4-5
1 5 3 4 5 3 8 4

5 1 3 8 * J 51 3 « l 3 4 3 5

2 4
22

ESERCIZI PREPARATORI l.^è ~1^K%--m*é* _ : •.'""T-g-aTJ* -*—*- "Tm [**+- j


l. - —m-~m—-
mrm M~ f^fe~ -et n.
«XERClCIOS PREPARATÓRIOS •• y "g r, *• p • rr, . • ff —Ér^M"^^ 0 -

18453

FINE DELLA PRIMA PARTE FIM DA PRIMEIRA PARTE


Quando si ala appresabene questa 1a Parte Ia si suoni tutti Assim que esta primeira Farte estiver bem aprendida, deverá, per
algum tempo, ser executada Inteira unia ou mais vezes todos os dias,
i giornijUca o plú volte,per un certo tempo, prima di iniziare antes de se iniciar o estudo da segunda Parte; somente assim se
Io studio delia 3f Parte trascendentale;siotterraanocosigran_ poderá tirar real proveito das grandes vantagens contidas nesta ohra.
pois, só depois de se dominar perfeitamente esta primeira Parte é
di vanta^gi. Soltanto possedendo bene questa prima Parte si a- que se terá a chave para enfrentar as sucessivas dificuldades '•a
segunda Farte.
vrà Ia, chiave delle dlff icoltà che si trovano nella seconda.
SECONDA PARTE SEGUNDA PARTE
Esercizi trascendentali per preparare Exercícios Transcedenlais para preparar os dedos aos-
lê dita agli esercizí dei virtuoso. estudos de Virtuosidade

N?21,

ESERCIZI PREPARATORI ,
EXERCÍCIOS PREPARATÓRIOS - ríe.

2323

5 4

54
24

Quando si sappiaesegttire be.


ne questa esercizio sipassi a.1
seguénte senza soffermarsi
s u questa nota.
Assim que este exercício esti-
ver bem dominado, passe ao-
seguinte sem parar nesta nota.
za

Stesso scopo dei precedenteN?21. (3-4-5) Tem o mesmo objetivo do precedente N.° 21 (3-4-B)

ESERCIZIO PREPARATÓRIO e t e.
EXERCÍCIO PREPARATÓRIO -

r• * « * * * 5 3

143 6 3
& 3
26

l 2
II <
li.1 1
1 <
-1 11
1 <
~1t 1
10 "i i
i

í

H
1
j j
J

í ;
:h
T 1


L
i; t •r 1* t-fJt
w *"''"

j (5 •> j' \ %

^
28

l 5

l 5 l 5
29

N?24.

ESERCIZIO PREPARATÓRIO — et c.
EXERCÍCIO PREPARATÓRIO

3 4 3 5 3 , 3 2 4

3 4 3 5 1 3 2 4 3
Mn »<

es
co
B
l
l
I; 01
ía
ã

i:
I V 1 1 1 1 1 1 1 1 V I U 1 I J M \ \ \ I 1 1 l l l .1.1»

-«LU.
í;:

•*

S
E
(N
cc
33

N?26.

EKRCIZIO PREPARATÓRIO J);-g- •


[O PREPARATÓRIO' ,

5435

3 2 1 3 4 3 2 4
l! l
ll

1

ESERCIZIO PREPARATÓRIO *):K ete.


BCEROÍCIO PREPARATÓRIO ~^

32 43 3 .

«j —-
m
3-4-5
s •5i: 5 4 ;t S ; 3 4 a 3 I
2 3 4 5
3 4 S 3 1 - 3 2fc
F5 — •f
*J
« •••
•j hf v 3f -1
? J*
. - .* f
<f)'1^-
"t" 1
J * f -m — -J ^ . •
* j• •4-*Lf m é•

t^l
"'•4- •- -
;pf p •»• w~
*-

3 Z 43 5 4 3 2
. t >i
s n
3 2 4 3 5 4 3 8

5 4 S\ 54

54

-
l \1 l •

"

fC
37

N?28.
1 3 2 3 1 3 2 3 154
segure seg
KSEECIZIO PREPARATÓRIO ±W
IO PREPARATÓRIO

segure |
5343 5343

3 2
5 3 * 3 5 5 i 3 l * * * 3 5 3 4 3 5 5^1

T 2 l 3 ^ 4 3 53 5 l
53 5
8 t

•- -
\=^w~i7f^rw » i» _ -A./

-*T2

r-^v

jSHrm^^
í»»^^*^»t* g3^^^iUJ4-14-U -^
rttf«t»^**á??r
^ rs*
T
£
8 l

bfc^w e-~
•~~+—^-&
fc T _ •
et tT
i- <*-
^ i__J^_——.t
£v £ ' 8
s * 2 S
12 13 23 24 .1 4 33 4 5
ESERCIZIO PREPARATÓRIO -?>i4 TJ"
KZERCfCIO PRÉtJARATABIO v** JL •*•

54 53*3 4 2 3 2

1 2 1 3 8 3 3 4 3 3 4 S

5 4 5 3 4 3 4 2 3 3 Z l
41

N?30.

5 4 5 3 5 4 S 3

54 53 5 3
54 5 3

54 53
ti»

»*•
*. t í

ESERCIZI PREPARATORI
..V 4:j-^-
:- ÍY
EXERCÍCIOS PREPARATÓRIOS
bene articolato Í159dito
bem articulado o 5.° dedo

, * ." *4
1.
«t

g" »

j. J
tlí-ci-^ -i T I i
. <

*''- V

51813 4 5 5 1 2 3 4 5 8 5l * » * 6
6 l 8 l 3 * 5

3 4 5 5 5 2 3 4 5 f' 5
5 2
lumuumuvwmmiiuw Trmi T

\ 13 *1
1
l A -u
r 1
L , • 1
-| 1
L- 1 1
1
ii
-1 l
~\\I a' | ««4 _ _

(l

"Ml
L|
k) 1 *1
<1
«l l N %
'
U 1 c |

. , 1 «' 1
li
"
: | 1 -4

- r
IS
B i •**
'1
.
11 1 v* \
l__
•C , et |
« ,
e re (
1 l
1
, u «' |

1 >D '<

< «4 W

2 <l
t
45

N? 32.
DEL POLLICB PASSAGEM DO POLEGAR
peliice dopo il 2? dito. Passagem do polegar por baixo do 2." dedo.

1. segure 2 segure
' 3 5j -
CA—rii-^—

ESERCIZI PREPARATOR1
EXERCÍCIOS PREPARATÓRIOS
r1 2r1 2r^ r1 "r™
segure

J.= 40 a 72
Si ripeta quattro volte questa battuta.
Repita quatro vezes este compasso

- •• • •
1 8 1 3 1 8 1 8 1 8 l 8

l i i J i i

f
46
N? 33.
iO dei pollice dOpOlí 3? dito. Passagem do polegar por baixo do 3.° dedo

'
ESERCIZI PREPARATORI
EXERCÍCIOS PREPARATÓRIOS,

Segure segure
J - = 4 0 a ?a
Si i'ipeta quattro volte questa battuta.
Repita quatro vezes este compasso

2 3 1 3 3 1 2 3 1 3 3

23 K ' i a a i ^ l -3 l3

13 l 3

132 l 1321 ^7
3 2
47
N.°34.
Passaggí» 4el pollice dopo il 49 dito. Passagem <lo polegar por baixo do 4.* dedo

'--'' * ••í.-
•-*•***
ESERCIZIO PREPARATÓRIO -M?
EXERCÍCIO PREPARATÓRIO ete.

4 1414
r 60 a 108
Si ripetadieci volte questabattuta.
Repita dez vezes este compasso

4 3 2 l 2 34 í 4 3 2 l 4 1 4 3 2 1 * 14

mT 1 i4 í 4 l l 4 l 4

l*f ^^•VJ
^K:

i * a i - ma£f
14i '£ffl££r
, 4 2 1
2
'gccr£££r
fPl i ^ grr r^
rHH H4= * ^ » r ' V »
1 •
14 « •
2 1 *
r
N?35.
Passaggio dei pollice dopo il 5? dito.Questo e_ Passagem do polegar por baixo do 5.° dedo. Este
sercizio ê importantíssimo. exercício é da maior importância

ESERCIZIO PREPARATÓRIO ~*JÍ et c.


EXERCÍCIO PREPARATÓRIO

5 1 5 1 5

Si ripeta di«ci volte questa battuta


Repita dez vezes este compasso

5 1 6 1 6 * » * »
1 5 1 5 4 3 2 1 2 3 4 5 1 3

1 5 1 5 4 3 2 1 6

1 5 1 5 4

• 6 * 6 4 3 ^ 1 2 3 4 5 1 5 1 5 4 3 2 l 5 l 6 4 g « t S 1 6 1 5 4 3 2 1
1 5 1 5 4 5 l 5 i5

N: 36.
Altro esempio di passag-gio dei pollice. Outro exemplo de passagem do polegar

ffimff ffiS
• L * 3 4 l 2 34 l a 3 4 l i
50
N? 37 •
Esercizio speciale di pãssagg-io dei pollice. Exercício especial para a passagem do polegar
Si eseg-ua tutto questo esercizio unicamente coi Todo o exercício deve ser executado unicamente com
duepollici. polegares.

i , i i i i i- l l
«
ÉÉÊ
i i—i—*-
i
•i f f - f f
r r -H

KF F P" 'llr" "^

N? 38.
ercizio preparatório allO Studio delle SCale. Exercício preparatório ao estudo das escalas.

«J
«J
«J
-J

(?) Lê t ré note delTaccordo vauuo tenute d» ambedue lê mani O máximo cuidado para manter bem firme no fundo
d u r i n t e 1'esecuzioQe delle 18 bttttute. três cotas do acorde durante toda a exerc;t*ç4o dé
também nas tonal, de Dc Maior e Si Ua:or.
51
52

LÊ l» SCALE MAGGIORI ,„ AS 12 ESCALAS MAIORES E


E LÊ 12 SCALE MINORI. AS 12 ESCALAS MENORES
Ogni scala inagglore àseguita dal suo relati- Cada escala de modo maior é seguida pçla sua relativa de
ntoás? rn,enqr.
vo modo minore.
Vi sono due modi di eseg"uire Ia scala minore: Há dois.modos de, executar a escala menor: estimamos opor-
abbiamo credutoutile diindicarli qui,dopo cia. tuno dar por extenso os dois modos, após a escala maior,
scuna scala maggiore onde lasciare ai maestro deixando ao critério do professor ensinar o modo conforme
Ia f acoita di inseg-nare ilmodo da lui preferito. sua preferência.
Abbiamo contrassegnato col N91 Ia prima sca- Marcamos com o u.° l a. primeira escala menor moderna
la minore moderna,detta anche scala minorear. chamada também Escala MENOR HARMÓNICA e com
monica e col N? 3 Ia seconda scala minore anti. o n.° 2 a segunda escala menor antiga, também chamarda
ca,detta anche scala minore melódica. Escala MENOR MELÓDICA.
E noto cheia scala minore moderna o armoni. A escala menor moderna ou harmónica tem a 6.*.menor e n
cahala sesta minore collanota sensibile nell'a. sensível tanto na subida como na descida, enquanto que a
scendere e nel discendere; mentre Ia scala mino. escala menor antiga ou melódica tem a G." maior e a nota
re antica o melódica ha Ia sesta magg^iore e Ia sensível na subida, porém a 0." menor sem mais a sensível
nota sensibile nell'ascendere,conla sesta mino. na descida.
resenza nota sensibile nel discendere.
- DO MAGGIORE
ff DO MAIOR

1. LA MINORE(armonica)
LA MENOR (HARMÓNICA)
í. RE MINORE
RE MENOR

i í3
i* SI l» MAQGIORE
V SI b MAIOR
~
tfOIVN í //F
3HOIOQVK flIK

f
l
l

XOX3K 70?
3HOÍÍIK 105

cc
. DO MINORE
DO'MENOR

LAb MAGGIORE
L A b MAIOR

1. FA MINOEB
FÁ MENOR
-**-—? -i ^.- —^»

RE i> MAGG10RE
RE \> MAIOR

l . S I b MINORE
SI b MENOR

.2 l

! f f l
58
8. SIfeMINORE
37 b 'MS JH O R

1. MI b MINORE
Ml\> MENOR
59

2 . M I ? MINORE
MI b M EflO R
A

SI MAGGIORE
SI MAIOR

i.SOL? MINORE
SOL S XEXOR
60

2. SOL j} MINORE
SOL ^ MENOR

1. DO K MINORE
MENOR

-t -*•
62
Z. FAfl MINORE
FÀt MENOR

i. SI MINORE
SI MENOR
vuuvumtumvummuummmmm
.,. * te
>•
5,0
^n
Scale maggiori
l- ,*•' ESCALAS MAIORES
N9 40. Scale minori ESCALAS MENORES
* in intervalli di 3.» (A) \ Intervalos de 3.» (A). in in , ervalH di
3 a (A) em intervalos de 3.» (A)

. L'1:1'7" i "• Í:.,UL/


Do ro&frjriors ~ Do nialo^ CO 3 . /r\»
/h • ^A ^A-i.^ ^-v l»a minore -La menor „ , | JÍ i (T)

s / s i - ^ i í T ) s
Sol roa^griore-50/ maior , -"í . /TJ Mi minore -Mi menor -© *íli±ítt ^ÍÍÉ4ÍÍ«* ] (?) A>

s, La mtig-g-ioie-Za maior ,_ i -.» ! G) Fa? miuore-^a Jf m^nor ^

Scale cromatiche
Escalas Cromáticas

i i ..i ' j ._~ir


8
l^yyf 1^
uo« otUvi
(A) Vole«4o VM.IUM in intorralli di lO.a, csUocar* U muu» «iiuatr* uoa on«»« êotio. A) Para estudar em intervalos de décima, coloque a mio
•Lc ditogyiaiur* piá *o«pli«*t« «mo *e|.Mt« côa cif» CJIÍIM* ia am circolo. uma oitava mais baixa.
to qnnu
Titio i]n««l «caU *i d*vo»o •tudimre w J, J « 4 MUv*. c*a rít.w diffitffemi. B> Os dedilhados mais complicados estio marcados com
em círculos.
Todas as escalas devem ser estudadas em 2, 3, 4 oitavas e
conforme advertência na pág. 2
Scale maggíori ESCALAS MAIORES Scale minori ESCAL4S
in intervalli di 6.» em Intervalos do 6 a in intervalli di 6.1 em

3 ^-' (~T\ . /^. {$} 3

Oi * i* 4-ífl* » íi ** ' © ^
f± ^M • p.''git"-**r»if^5 i *i)"«r*-
"* "I *^ * *tH>
A. 9 a 4<m » • '«I. T «, • *« (g)y i
^* . ^*_I^M íffi
= R

^rT)
_~r^ji
• • _u"
íl* y
* • i 1! °. i
:
f 7© "** '© T T i© ^® 2

i?» • *: . --»»*
£**

n
»
2

^. >• * ;i«; i ?,;,•»® i *T~ ; •: • • ;;*I^TAI


?r®"'© ®^^rT^^
j»»


TI
l

r ®jf+ i-*-A— — — &-+m


* —-^-»- ^-»--r—*"Ofm
l (^
1^
~
l f^l A t
l© *Í^ -*1Í^* — l (5)
^ jj I>-*T^ •y^* ^A jf l^
/j)

i*»'••::•••=7®^'^ i ^*"i?•*••!;i
-r ^ i© ^D t Y^
°• ^ ?*T®tí ' * '® "®* Y

' t _ j»,*"^' ••*,?r "-(S *"B*TTM '• *>*.*•»-^ '


|5fÍl^r® *® "^^ É

>•< j-g—. |(jj „ ,

-j- _^.• • T 7 '^ *& 4 l •<£ tf


T :.i •- 3® 2 * 3®'

XT
T© t

Sc«le crotnatiche
Escala= Cromáticaà ô r minore -f>? menor
Scale maggiori ESCALAS MAIORES Scale minori ESCALAS MENORES
per moio contrario, cominciando rm movimento .contrário, partin- per moto contrario (relative delle em movimento contrário > reímí!-
do do uníssono vás das maiores ao lado), pa.--.r-
dali' unisono precedenti), cominciando dalTuni- do do uníssono
sono.

- •:•!s
(Ti
•f o * : S »* ^ —'- *0 »-? t-&f 1
•-»—=-Çy—
#=£5± '*• •» $^yÍ.¥«">V" ;

» m :
—-,—-;—l
m f

© 3®
fm • . •_ »4A' í -^—! 'Qj • • :-jU — ••"7®
—,8» : •l © 1
* T
4 5

.m
«=P


* '.

xr

lft

^.
'— t — -- • -•

<» ®

" i .
f *^^fWT«»?^ = ^_ < -» ! - M *®. i®=j

ll í@^ 'y_. *g-• ,


•«•=:•
. •

»iff
© i

.J s®
.. •. ©=
*»*. ® .,

*© 4 3® 'TTT© '

^^ t l _ '(*) _
t »®.^-»* —^^^ l® |fl. «a

it'9-*"*»"*" ' l
•«••~ '•**-;<g!i^| (ffi
^^r- _^_ • -y^-

r* •.
^
Sc*le mapgiori ESCALAS MAIORES Scale minori ESCALAS MENORES
per moio contrario, cominciando rm movimento contrario, partin- em movimento contrário trçl*:.-
do do uníssono >er moto contrario (relative delle vás das maiores ao lado), par:. r-
dali' unisono irecedenti), 'cominciandci dalTuni- do do uníssono
ono.

& J^1 i :£••'


| *;JJ
*•
•* ^ Hn o
u£ l-fll| * . • •• : á • ': « * *—t®—i — *TÍT—* • • *t— 8» • •-**—rrth—'
* 5

H ..j?',-*-1*jg^.—^-'9-.i's j itl J. .1®*-^.=^*^, _,®

•—
:vy^® ^^

7t*tt -»:••*' * ' •• H&i—>


^ t t ;»•*"-
ryj
i *"'»-<'

•* i"*"**•
^
—-—®•— • • 4 -m • • Í =•
i«r
1-® — '

^M „ *:t-®i-*l*" — i ® - - " ?
W i_i^»"* • f "^^ ^F^r *•• j ••.^®:
U
íac*:
©
U
^
© s J
y^.i-^v^
jffit"j| 3^0-. ^ M • " * ' J
^
'*& '^ p^^>;»ji.-- l ,j|i
* ® TT»f7© '

.• .©
•.
.gi .Z!«^rs
'«'••'• ' ^^

3 1W

©
r
> : "»
®"*'T ?T©"""^ ' '0

*-»-?-
•KiP..i«;"* H¥i.. ^ii:^ ^
«É

«i
M W t ©*.®' €
j
Seale macciori «M• k»«Oi. ESCALAS MAIORES COM Scale minori con bemolli, ESCALAS ME>'OR£S COSI
<rr moto ::^ÍCTBÍB, «•ava-riaado BEMÓIS
por movimento contrário, partln- Ter moto . contra"° (relative delle moto contrário «r?la*!Ti; As pA
•11'unison- . do do uníssono . prrcedenti), cominciando dalTuni- cedentes), par indo ao uMaUM.
© sono.
A i fà\^ i® m A 3®*«lí*
-7- * ' •*•
^

. jr ;
j^, — ' ã» •
"•
S " •*!*•• '^ i ...1* o.
l'> '**-,:*AJ—<h^*i—"-^-i "^— • -y» * i -^8"»a , '">•*?"• 1 ® '
^••" * 'IfTi —i-*-» ' vy 30

. Q .

fmf,
^

1r * •p « ' ^ r
frr'-:i-«- | =
' Jr\-it r:ítÇ --*••• ' "
:—i—:— * m f ^' j. .»
^:
^VgT':**^*- •" *" i ' fí\ '^

**i--

» i~ '• ,-j-gj1"'!*^

'«'-^^ i Q
"• A.JL

:;rW

«= ^ _

*' M n«l^ . l

i*^lr^ .•^"*"«i '•• ^'

ScaU cromática E*cala cromática

IP
8 . .•
^ "^©TT^T ffftTT©*1**1115
/
68

àcale maggioci ESCALAS MAIORES Scalé minori ESCALAS MENORES


per moto contrario, cominciando dai- •moto contrário, partindo da tó- moto contrário, partindo d«t*
nica com a m&o esquerda e da ei' moto contrario, cominciando dal- nica com a m&o esquerda e da
la tónica con Ia mano sinistra e dália 3.» com a direita. k a tónica con Ia mano sinistra e dália 3.» com a direita
3.a con Ia mano destra. .a con Ia mano destra.

r? . .'?-«***.
frj.*..J-'j
^
MiT* . ... . - - _ ;—i ^ - ,-•<>•;
^ K*)
"®"*T *^""®" "®

V j5~*—s—t »n»" : -l ' "g»» -—1- —S—

$1 ;¥.•*•"!' = 1 ~ * ^ y — &-* ! S_«« _e-

-J_
i| ••-• Í
TT

%*-, i
-" ® "« :70*"« .^
—•••
—\®
,)!» •»•
jÇi—t
±J=:—'
•© *© T f** '^

r
*-»-m- • m 11 —»

3©"'T y*"*"®

.O. -Í ^-a l®
,gi -{

^^^' 7fe'f T^pTl^® '*


'*

..-.fs*
T i»é, . ^çn
""* ::fe"'r?-V?§'"*?
m
_<t :~ "f •»_ I -«••£,: '
*® I t" '* V2T

• " ±á rac
-r-t-
7»?, i^gr
•• S : •
•••:
»«r
i-;.;»»,
L
i_- T®
® w^*1
Q *T*^ 5* ^*

,i Í
^>*f.;;g «t__iy •


f*~T® T ® '© TT ?*® '®

li®

iJ^e aTT*»»;^^
á. ©1
©
14 0JU l >«s
l» -J\- íl
4 i 2u

14
r â

\d (3 , .

*« 1$ O bjl
6u 1
1 1; k i (• ) ( | 1|.

9 i (3) :j 1
< |

;i11 ,, 1 1
, t ', .
V 1 '
•• i ©
i
-1©
i-
"]( ; ife)
"lllg , i-
" S *B '4 ©i
i H© -^ H ©í
í §e«
u o o _. x>.
W «Ê ©
n ° l fe ©1
° S "
É "Sr:
l ©i
III»
1 III*»
-4
"l.. "
Ill» -_*'! 14
. rt ~ 1»-
!• '• _H
l 41
i
111
^ i.' s P %'i !©
i ,© • ;i ( in
g'Í;^
8 8 g ti ~' 1 ©
• i
1i 1* >
iílT i i r
t "í
4 ' i• )i Cr i
1» 11 (i ..

<> 1 1
14 '
_í 2
^ SS
i'i? V1 i !:•> ; _L
70

Seale maggiori ESCALAS MAIORES Scale minort ESCALAS MENORES


moto contrário, partindo da t6- per moto contrario, cominciando dai- moto contrário, partindo da tó-
per moto contrario, corninciando dal- nica cem a mão direita e da *.•
'• Ia tónica, con Ia mano destra e dália ír^io^cm a 1e ^ "• la tónica con Ia mano destra e dália Interior com a esquerda.
6.* inferiore con Ia mano sinistra. 6.* inferiore con Ia mano sinistra.

iini
Jt 1 >!'

*
\Jft T ;^»*:" q fl ,í qv-tj
ffi ••* •
"
>^"*l m» *'
m »,

-í— "*
**
»>:ft -'

_.,-
T/^L*** :

.^n/..--.._J/*s • y^ ^- , 1 < j • * "T<s—'"^

3 Q)-^it^ *a»«- i® . ^

.-T^:
•'©
• • 7^?\ ^

;Mi.^'*-^
» » .• * .•

(D

*!>••'l'""

lr

^»0,,ff r-:.y^;'iryT*~' :
i ^— ^^E ••
aí •
Jgjj^tJ » J >"•••:. ^. - '
;
:l
i ,-*•. -•»•
«s*:
ujr
j. • • • ^ ?i«Ti 1-^ J T=^
Tl® *^S?»ir5
-:-^-T© lw

JtfA.il.> ,s-, * . . • «®* *"** l ^*"'* • «f: - i g


ftT'P«ly«*** = ; *••
S«ate ESCALAS MAIORES COM Scale minorí con benolli, ESCALAS «rs:tr«
BEMÓIS BKWOI»
per moto contrario, dai- rp.o-o contrário, partindo da tó- per moto contrario, cominciando dai- moto contrario. p«r-..s3c Ia t*
la tónica coe U B e dtlli nica cem a mão direita e da 6.* la tónica con Ia mano deitra e dália nica cem * mie i. r» .a « a
6.' infenjre con rnislra. Inferior com a esquerda 6.* mferiore con Ia mano «inistra. S* Inferior com t

lT=
É&

®-«- **£===
j£if + • * d * A- o

A.
MLlt*"?» • Jt"*"
=^=y
"~ '© "f

.1 ® .^ 3
jtVWP —«•* • joL f^L .. « w bfe*^ •••-.-,.. -.
^ '•*•*• j W—>• J' ! .— - * •••

'^1. ''^."f.:.-
3® ^l-T-Tt^
,.i ®^^^_=ks4%», i.®
tr^;»*^/' i ^./it-i^E

i *- ALT
^*w'^^?® '

>••• ••
i® . ,.g»W
•i jiKK—Tf —i. ' * *•* 1
r 1 1
'|k rts-.
fly^irtf1-; ===== ™ • ' fl
W ''•»• Tt

i ji ^—
R*iu> *-» s n**T A ^, . .
n .A » * ^/T^. i^ ** 'Õ)""?• ^•' • '\ T-»»*ty"* ' *
©
v*

,,£,V. ..^j-^+^i^ -•§ 1©

,. ^.- : '*»* TT

-xr
4-"TTT® -®
i-J»|ns-S^®
ííS'^
^*K


72
N? 41.
ARPEGGI IN ACCORDI PERFETTI ARPEJOS DE ACORDES PERFEITO?
NEI34TONI EM AS 24 TONALIDADES

Si trasporti in tutte lê tonalita


A transportar em todas as tonalidades

ESERCIZ10 PREPARATÓRIO,
EXERCÍCIO PREPARATÓRIO

DO MAGGIORE
DO MAIOR

FA MAGGIORE i
FA MAIOR

SI b MAGGIORE. SOL M I N O R E
SI l? HAIOR l SOL MENOR

Mi t MAGGIORE
UAIOR
4
73

RE b MAGGIORE Slb MINORE


SI b MENOR

"l *

SOL b MAGGIORE MI b MINORE


S0i b MAIOR

1241

si MAGGIORE
,57 MAIOR
74

Ml MAGGIORE DO {j MINORE
Ml MAIOR DOlílSNOR

LA MAGGIORE PA S MINORE
LA MAIOR FA$ifSNOR
t

RE MAGGIORE

SOL MAGGIORE
SOL MAIOR

N.B. — ôtlmo exercício * conserrar o dedllliado de Do Maior p»rt


todos os arpejos, conlorme aconselhado ua pag. 2.
75

, ^t H? 41. (Continuação)
An***! «Jt»r» Kcorãi perfetti maggiori l ARPEJOS DE ACORDES PERFEITOS MAIORES
Suto fondarr.entale |
«Viia Mão d«tr Dedilharão mão direita
Í.a PoaUiooe « S 4 2.a
*•• Poaisio
»"««!<»• j * i * j
5 ±i 2 """ .
1.0 Invtria. 2 * * j» 2 , *•« '"«'«• l £2 — =» '
Do Kiçgiort i*
^-i & ; ? ! » l ' ' ? : 7 i « J - Ã • : T > < l ' » F?5
J)o maior

I ^ L J C » d*U« mino einiílra Dedilhaçao mão esquerda-


4
, Z
aã. A
l,

Sol naggiort
Sol maior
J*
rM^ ';, *• s* .••
|
1

,
|Tt .* : i 1
«—: i ^ -•-qf-^^r-l
J* . t 3—: a» * g :—a * ; «>—J— ... "1 t e • : * -t =—*—--J -t- -1—«>—1
c i»?
V i *
' ' T» * í.
•» T 2
t. - S .
2 4 5 T—J—'
t 2
*

H-e maffgiore
1£^ E ^ ^ j «
."?t rr.aiCT • . 1

• l a .g n
-*. ^fe ' t• l " Í

Mi miffion
1? } \ . . » i». V'
« í ' «• ** ' l •
. i . l . « f T- .TTf . « 3 . ..
Mi maior • i .
IU "

Si macgmre
: ? f ^•ftr-• t * ' =f -t3—r • '• J >t 1 1-
+-»—
1
TÍ? í i? 2 4

Fa» maígu»
/«S maior » ^ ••, - a t a-j
èft "
Do )t mag^iore '''' •—• í ;—* i U .^l!»--J> 1—= •* • ; .1 .
* 5-
. A
J>o$ maior è

T* • ^

íilSlT i»- t , i ' : : A * Í I J g j I A t . l . . A ; A J Í |U-j i ^ . i . i t i t ! ? l l ? Í ; * | i i . .


» =*t T * ' ' tf ?T" ' r"t TT , '
S « • Í « « ^ « i * 2 i •*-* Z
• l t * 2 A 2 * Ç t 2 A _ A 2 ) 4 I A f ! ! : = _ A l 4 .
s.V.agpior. ^tl* , ' -pr .* • * l e * • : j j . .» • c -^ • T 8 j ' « * * • : •« i j-*- : T 3 * l ' - . - » « :T *SÍ *
S.i maior -^-^ ,• - ã j i T r " . . : ' • ;-^ ; • " ' : ' v l —^ i ' Â '• • ' » i ' l ? « ^ "•

g, ' . ' ; j l l j i l i j ! ./ .Ci.^^_. .. . - t i l 111 j a _ _


*\m™re ^^g^^^^T^-t^t^g^^^— c:':»•" l ' T ^ •; ^TT^T • l * ^ « ? • i ^T
tJ
! í' '
V5 í 5
" ' ^» iI "~í w~T
T
7 * "í i * " Tí" T*Tirt "•»t!
2 í
í 7í ' ' " , " " i*1'• *f
t-iv «-ççior*
 j.
t i i ; à 'fi^r^f^r i »• |, . i ^-T-Mr^^^!L^r^^^?^=l ^ i T : 7 • ^^
; ,.^..4^. . ' . » liíjíi iv- t
Z*> ^iaicr
ii• • ; t • ^^n- T?! 1 1 !!" 1 ' ^^—=±:^rdtrt=^:* ' -iiTT
Tí " . « i 4 . s ' • . í l í.
«
, í ! i? ;
í ' áB> j^r a I A
, i
, 3i
* ^»- —
*Í2
—- —— -••
, .
' -i 4
. »
4 '
i i * Êii J « .
••• — — -~— —•• -«^ ••• ' 4

": ^:" TTtTtTlUi^U-' i ' * • t • • i ^- •!: j i i; i i i i ' i ' j i ' i ' j i •


« i a * 2 Í S ••

CLu
- : ' i"«rr-<>--« /jl»Xt'ij'
.: '. •t *i !. *r ?i »^ .: .l t . li
..'i:.^-'^
t i : • * 8 t- ' »-* • •^l^sr: J i - í * - ? ' !
. *-: .T .' i ..,
» : ?_•_£_!•. _
--• ^tr W k -tif 'l' ' ' ' * T g 4 " ^ ? *-*•* * 1 ^=;=:;-l f " ? ' ' ' •' B a
* * s * .* . t «i ! .i
^ « , i i»^í . ,i £ l«•. i i .
A !.. . 11 ^i » . , -« j i? f &i j • . . ' j i^= .T^- ^ l ;
'.-.»
r..^..= ~fr• -* y•*>
jfcjhfiS ^;« ;
* '• -7U
" *"i l' » , U
? : '«Ti tl »l i'•l j» l» i' "'TT*
: T ã i l | ' í•ãi : 7, ;" 7» ;- -II;
B ' !7" i? •: ?ã i• » M
i Í 'i :i t• TT«t T
. ';1l "
* !« 14 * * *

- " • ^'*AZIO>£> e JIM p«fin« !• rfUeggUtum indicau lopra lê note « riferúce Observação Nas duas primeiras paginas a dedlllhaç&o aclm» dts no-
*^* «MM aliai • • • lê BÓIA «1U mano liniclra. tai se refere à mão direita e a dedilhaçio abaixo das notas à rn&o
(11 ^r «••bom «• iina« di 2, 3 ff 4 ollive f con rilmi dtffftrentí. esquerda.
tnok> di cuno»ità. è iodicata «opra Ia prima, alia mano deatra» (1) Devem ser estudados em 2. 3 e 4 oitavas e com rttmos diferrc-
Ja. » a«aia d» alcuni rufDptibitori, í (fuali ai aerVQDO delU dileg- tes (Veja pág. 2.
iwr a ^iuai tutte lê toD'iii* ,2) A 2.» dedllbaçao serve para o estudo dos arpejos em :&d*s u
>onalldad"> e posições leual à de DA Ualor.
76

Arpeggi sopra accordi perfetti minori


í®* .mf
1AEFEJOS DE ACORDES PERFEITOS MENOEES
fe3H'Qí (relativi dei precedenti) ^'^-.^ 'Í**-: Hs (relativos dos precedentes)

La minore
ia menor E;
| ! T?
; T -?i -* P
l ?;^T.|-"J;Í
;'j l . i\ .* i ?'• »= ' ' « • n m 3 Ç * ' -
''""* *
*
_ M- *
-OT. A

Mi mino»
Mi menor
i » | ' » 7 ; T £E$ -»-*- 8 " l •
T f >
.» i i £
Si minore " , - . * • ? l i • S' « 3
—• ^ -TT .-
n , * ' A *
Si menor t. g
t •- :i *l 1- tf - * 1l * ' i? ' • t• yi •é -'-li
n ^t •
l ,• :, T
' *
* '
Fa (l minore
f aflmenor
s- T
^3g-TT»
j
;T^^
T
f
4 0 4

Do j) minore
. .1 i^ §** i i .
__.—- _.• f , u§ ^—• . *.. T -g j i—4 1—S-—i—3 _
É
.0o |Í menor -fih-
i !• i. t y 'B* I ' • * ' l * ' L* '

Sol jt minore
Sol % menor • i »; !«*
t|f n?; 'P;*
M ;i1fj
t t -T. e: i*t'
! 1 |S' : ' * :
* *
>
2ÍJB. £A*
1 * 1 i n !•»
> . •

1
2 « .
. l^ i—•-
l *

-T
.j -—

Re fl minore

Re minore
Mt menor

Sol minore
Sol menor

Do minore
,0o menor

Tá minore
/l» T? ! «iiv:rrtT-ií :?H' B n
f ? • ' * » ? 5

. l á Í i3 «
*
— i I 3
Si k minore ,I.L . . 1« >; •
l ..T
11é ** . à . „ . 5 . ; * T i ' » 7 •* -. í—e-
i » « Ji ' * • • T "« .
1

Si^mtnor H>% j j j !t I ] l ' ] ; :f-i \| i i • ;: í i l ; ' í T* I "l i *T: T^^4


tH f 4i! l»* . 7 «I T

Mi V minore ±tt

s i 41:
laV minore
i 8 i 8|. •• i i • g • l ' • T • A i . ,| j j A ; ;. n i í M ; T • i | ..
Tr* • •1 Tí *l ^ ^ t t - 1 . ' '^"tíi" ' 'il1 •
Arpéggi sopra accordí AiftÍK «V-
Arpejoi de (Acordei perfeitos menor
Arpewsi perfeito- maiores, partindo da tó- perfetti minori- (relativi dei prece- precedentes), pi
perfeita nica com a mão esquerda e dê denti), cominciando dália tónica cpn com a esquerda e ca i»
toain com !• i e «MU 3-* com a direita. Ia mano sinistra e daíla 3.3 _pon Ia direita.
3.* com U « mano destra. /

* i.-.
!*• **:
/ 2
I*
-*•
s
l k , i.
•f*T^<.! ' '
i -A ,i4à
n i • *• H~*"tili * 7 TJ~lT':T"T^
k -- Wl4*
t stoile f t, " ««-"• WT '
4 S símil*

sK « («
78

Arpeggl sopra accordi Arpfjos de acordes Arpeggi sopra accordi Arpejoc de acorde*
perfetti maggiori, cominciando dália perfeitos maiores, partindo da> tfi- perfeitos menores (relatUoe
nlca com a direita e da median- perfetti minori (relativi dei prece- precedentes), partindo da t
tónica con Ia mano destra e dália 3.* te com. a esquerda. denti), cominciando dália tónica con com a direita e da mediante com »
jcon Ia mano sinistra. Ia mano destra e dália 3.* con Ia esquerda.
mano sinistra.
Stato fondamentale Stato fondamentale
2,* Poctiione j Fvnoaim*ntal í I P *•' Pa6Í«iaM
l.a In v t riflo J,o Inversão 2 •.». "^" l ^.-4- 5 '" 4 i í.« l»«nê.
- 3 •«>—^ y •• **f *l »•» * . •;
T ^1
B1 1
' B\ * "
=- •Lmil« -^^ símil*
T* * * zi l
-*-w~
l

l '
;•;••;•; l
* r 7»
-

4 *
,iis
:tgFf
ff*
AJ> â, .* *
Í »^T "i* *»t ' f T' T'
. , *'* , .i ** , «
2 1* — 2 ^A— V LÍ è

A a

fl
i »-r*-
' *t t
I A 1

i i^Z *

'" ^. *^.': • " T^ * í.^.»'

T 72

•> 3 J* 3 , .Aí
'i* »«» '

*. •

i* è
w i*^
* " ** « t Z'l i 2
ti < « -ÍV
yg i».; g -õ- •'3~ \~,«••-
' •*• *

3
"W 2 4 2 2
2* £ 2Í* l

4g|?I*:tj
Igffj?l>:•;:•::•;&!;•;'l ' jS!«:?P*3=i "» > »»: l
«? ~* '"* f«* * i5^ T»1
**. *

•*
^^^
T2 '
Arpejos de Acordes Arpe<ígi di accordi Arp*í« d*
perfeitos maiores em moto con- perfetti minori (relativi dei prece- perfeitos meoorei
perfetti -trárlo. partindo da tónica com
ambas as' máos_ (uníssono). dedti) per moto contrario, coiilin- partindo da tom ca
ciando dália tónica. m&os (uníssono;.

l.« Foíizione Stato fondamentale .


2..
5 ÍM In F^dam.ntol
1 o tnveríõo 4 - !.o lnY.rl4o 2
*—

ãmile *^ -l"" símile


••• * : símile
-• : : •

— —^ • '*• '
"*"•
: tT •
1
3^ J-—' e • ;,
T

i *'t e • i | * : •— \ * ' •
i » *_-:
1
b£» \ * l - à — \ •• •c " : •1 4—7 ^—•

?^rn
í' fa f ' ^ _^_ t
•o- ; ílr : •w . :•
=f^
^1^. j -...-. *• : :
-^ -—'. - 1 • —
5'-í?7 •••
'?T
'*T?? f ' 2*
5
* 4
S
* ''f TT õ

2l •»
TCTÍ 3 3 :* — Z—» 3 . !•:* t 4 •' ' • ' ' a

|W T ;•• -Í-" —i t e •• * 1 3E
M.
«•*. *i?i*.
•*-—1— • c s—?-•— —s T •• i • B n' • '-


'[$¥—r-^i*i- = 3 • •••— — — —
, c - li~ 1 t 8 * : à'*~| ™"™- "t 1 . »•*
|
S&í
4J
^

/j^y *^ '== *, «*.! *.


i • m.m, g_-. —' e : ••— l ít ° ^ • lí—9—* : Ç^
«•?• .— 1 í3
* í 2
&
^-*

K a ^ i• i
• i Jfnflt —1~*—"^—r 1 í—' •* TT"STt c **• 4 ( . g ^ ;• " f [ • s i • , —a
•.«r**—
:
^"'i'*1
M u *.
/}*>Íu<h 1 '?•:•
'.[ /•!»'! 3l'^-g4
* 3

•»*' ;

V
3
»
»
. Í *=Jt t » - Í
-*-l
'* ''^t^ 1 2
l a • '
4
5
-f^—!
» ê ».»

:
^
L

s i 2 Í 1; 5

4 i-»
^'-'1 "^^ : *• c • c a * -•i : & , 0 • ™ ' 1

J * * '
v
«A :
J( ,. *'• . 9 í

2 3
*J 2
1 2 V
S —^^
2 * *w * '2 7 V
S
* ' : 'rr
2

s
i, s J S

l—a • • *
4
t i
>A— ,. iiè l
l-* •— » ^ à"—•
<- : V
** > i
| *A *^ ;

L^J %*== ••* -.


lltjj
y1 1 • ,—
CÍ-T;^ 1 L g-j- -—i ' g ; -TT-
—^
W^ s
S

s
2-Í à*•i •«. 2 3

(^ri ;•' f1!ft ap^,-.-


3l:>iJn
- T ... a-r-i*==q
•>!•••

\< '*•' — <* :


| *..
)^P^=
V r*?í " . ?,^ •»• 1^1—»-5-l-^—U ^ i'Vlt3!?:^ *"^"^ ——' 3 :"?-- '
80

a Arpegei sopra accor<li Arpejos de Acordes Arpeggi di arcordi Arpejos de Açora»


.perfetú mapori per ,„„,„ contrario. *%$°* p™£%? ™ ™£ Tm perfelti minori (relativi dei prece- Perfeitos menores (relativos do* pr
commciando dália tónica. -uníssono. denti, per moto comrar.o, comin- ^dTda t^S^m^SÍSSo^
/feiando dália tónica.
Stato fondamentale ; ., „ |> 1>H i 7 j (irl , Stato fondamentale j t p0«*ion*> 2'" ^«íon» s
Fundamental !'" 1>0"zion' "'" '""*'" Fundamental $ - • -r^gw t i 2-° '*>v»rsão 2 Í A
s 1.a i,ver»õo i 2 '° '""«'«o» < ^

IÍT t* 4 !"
~»' ; . :: =
• " §1 mile

&
- ?•: .
=*^f
•imite

»
s
^ « mile

V
&

' t * • ^—
_^=ES~É
- •imile

-•
-*A

- . ' «'
•iraik

A S
s 3 - 3 *
.. l»* ríi> -r*ir • i i >i
— r- » — ST*
t * • *
, li*

rm
L -'] .. : • «1 m
t 7m
P» '-'V^.*'-* "'V.*' •'-* 1 »
&
1 1 fr * • •—_ ^
2 7 m
S
-Wr1
A
2 3
s
«
2 J
4
f
*»Í 5»*: *- •* ;
**
) i»*

1^ « 7 »a~! _^í—1^9
+ '•
—^ '-* _ - !
*f-— •i %^=
C ! B J —•—»
s
4 '? V 2 4 *
S
4
*i
^rtt«^i';^ &

B
2 s
1
2
i
> i * •»2 i
' ,-. vi* ij* » .1
ffrt Sjl ij 1 / t i l *
L T'lS* 1

1!

:-" —.— j_ ^^ H^*—: flp*^ —i » a : • •—

^
^=t^H~= ?;»
— * j • ••—

""!
r f*
!2Llí |/—"-« * : ^ • ^ —i v * 1• •

S
4 T* s

3
s
i » 2 A

fr=— Z-k_.-S-i«-.
r .
*2 i
• ' i» • ir .
i l*
1—i

^f "
1 I
&•*:*
3 ^* i

í*.:
• *?.L
-t a *• ' — *fc-r>rt 1• - :
^—*T''ty,1
V;:^'':';-' I*?*"'?.-L'»
1T «
^>^ >;:«^=
'z W
'SfT ? w • '

s s & S

C ±n
—n + 'Mm
» v

:=- ~. ?• Í
v
'*1 & s

2 , 2 i. S
:
1 *•*
.••:* i^= yy™ »i*-~~
:'!
'
**
f* =
fctàft'^*?T f ^v,,
1**

^Wy -***%•-T ^*^•••"''


r
a
I; *%
2
* •O
3
J . » , 1
2
^ f
*—^H^ «
JmlllUlllUUllllllliiiuiuiivuumuiu 11
-» ^ _M~-
-a^ *• ^r —
rfr/^'i""~N ""
+-s^r- •^ "-*1^-*^_«^~^ ^—"-^^r-~
ri?*r^-<"
c li
r/i ^ tJ y Jf
** f* ** Q 1
f r J| C( i» e 1» ei i» : r Í
eí j» 1 1= s|t>
i t , 1
i ^ ,,|
1» i 1 *
i ' i 1 % >
S 1
1 -
' p *i • t f sHl
Mi.?.l
N ' i *• *• ' •
i
» «<i
- wl * 1 p* •-< »l
'
:1:.
i. i ; -r A *• »Vl
«. » **

•ífl"
-«III
»«llll
s 11
4 r*1i 1. . -;'
»*i
**íl
._ Al 1 1
i;
!'

<
•v*
!*•
J2
^~ 1
**1
IM **T(

it-aiii
'

••
W

ir "íil**v
wM

í-
J*1-
,Í"'
•:'
t!i
",
Ifcw
II»*
l»»
*«l
in«|||
»<|Í
.**
!*•
H
-41
io< i
• 1
1 1 Wi
r f HI.
1" W«l
•*: li* «-l i ' 1 ir ílU
i ' -1 i i» *l p l <>
i i . w1 11 i ;• • > 1
*•! i, «i 1 !• 1"
HU
•d! 1 i1*, !" 1.:
•3" , v- '; i »lli t í•• •1* ' >
; ..- **>'
*i «f*' '4 1 !• *4 » í T) fprt-a
. •! ;r i •H 1 (> i
.. * < i* ,, i li i* í?- .Sg-l
! ! i a j .! < i
W Hl 1
i» * »ii
• i TJ|
*•! i
11• 1 l*
v'*» °is-S g sè
3.' S
lÍ. ii 1 l" U< 1 jji m» »V '"» ''
i (HO *• 1 i h* 1 II** "E"]*
»-
l»» -*
M|| !*• **^
n n* *« «^ 'miu, "Ss*
'• -S ** M
«.A
*íw II*- "« IIIH" «.«(l „- -||s
"«i» 1 *•• »M o »a
i i. *!<• <i i" .i «l- i»
ó '• -»°. »
* i* i l Hll =• "0 - - «
i i* , «"
Q "1 ii
IP.
*" » ' i < * W | iP < ^1 i ' Ul , ' li., 8s3;?
i i i i>
•; *"
i
:;,1 1* - <
'! í 5 *fl:'i<1'
• II w 1 1 * ." "•"' '
i *" ' i -1 ;•!!•
i» . 3!3
P» I

i> »« il» »«l i 11 **%
*» »«|| H^ "%! ' n O
;i - >*i• i V» <*í li» «i 1" ««
u Al |M **^ Tu* -«i
n- -«ii 1 1^°* >v*tf III i^ -*ll II»- -*llll »<, -«II i*».. SB §
«•«II . E i. ' f.? *
v ? f' '' ••'
•^^^^-^ x—
-^s*~-* ^ 4.^" o*o-s.*ti
i > «í : «1 'i>
; «i e ^ e í » 1» l
!'•
ii « r i s ":1f>
t L . „, W o -• 1
; j
;,; !: •• » • 1 «r> J1 n , 3.§ ' - 2 . 3 3 -g
^ • i <• ,, «-Õ. g S S 5' «
i *!<• 4 1
!• !r
' 1i •-.• . ' l | | . .

1 i, é
.. i i *!!•• i «i- • _
'
*< ii 1 » i § §Ô§.^
K A. i i •• -1
«' «l> _ij ^ -*' <

1 1 i, «
i Ml 1
1i
i 0*1
»<
r -1 ' ;;, * T-V 11
..
i^8
^ rI:HI| B 35 < •
W 1 i'- -« i* . n
**«
l_ »*ll 1 >• "«1
i» '•«n | » -*H 'i!* <•« IV ^ D- O o n "
4» **lll •,^«•«111 <* a rt
*- «•«! £ 2 2 "° *
1 Au "**l IM • ° ' • 3' " n °-
9 • * "'
• IP *' • li l Pll
t « 1 li "TZ 5|f"
i> i> 11 l > l i i * 1
' >ii ) 1 i «' i i ^ i 11 'u» *I i:\ir • •«.?
1 1 * 1 '' , .i
....... n i Í (W ""' '
i -
*' '!:1i1
1 1* • «i 'd- »* »» 9*íl
,-•i» ^'
» l i- -í i* *^ !**• ™ SS £
w 1 |»» *«l P Q, ^T

- _4 IA u «AM ao.it o.
(i- "*! I
1*» -* nu» -«II to a J â
»*l
i^-«m
..» i i!1 • -r»
b• g-:i!
Sa B s
<>* 1 • 1*
1 <' •<i •• >» < •i > 11 1 l t> <>*
i • • . .i << 10 *? B5BÍ*
II 1 • ' 11 < >l i° ><|
i i> i 11 1" N l 1w s =' »" H
«•l
1_ ii Só nB k
i 'ii
"
i- 1
II" ' i "• ' 1 1* f\- -« p.. " i9iiK
4. -1 »N ,, 1
1 iM >• 1- - 1 11» Ml '
»i*«° ; |'8ÍI
«"*! |AM J»t li" U|
4v> »l |M P* u« «* u*» f"iti'
k». -«1 ll«- «.4 8' P
• Hli
-«Ill !*"• *«
, , "^ í4"1 hsmi ioU l
\ m» 1 1 IN** -«n ii ._. j- U l ,,.'"- fíi
Arpejos de Acordei
-~f-nr. sopra accordi perfeitos menores (relatlros te*
Arpeggi sopra accordi Arpejos de Acordes
perfeitos maiores em moto con- perfetti minori (relativi dei preceden- precedentes) em moto contr*r.a
perfetti maggiori per moto contrario, trário, partindo da tónica com ti) per moto contrario, cominciando partindo da tónica com a ^->--
a esquerda e da 3.» com a direita. esquerda e da 3.* com a tf-.
cominciando dália tónica con Ia dália tónica con Ia mano sinistra e
'mano sinistra e dália 3.a con Ia mano dália 3.a con Ia mano destra.
destra.
Stato fondamentale
Stato fondamentale
'i.a PoBizione Fundamental
l.a Poaiziooe 2.a Inversão ^ ^
Fundamental
ò.j

Arpejos ae Acordes Arpeggi sopra accordi Arpejos de A:", rd»


perfeitos menojes rç-.i:,»c£ im
Sío^parunr ^aTôn^ °comnã .i minori (reUtívi de, preoeden- precedentes) em oio:c coarjfcic.
direita e da 6> Inferior com a ti) per moto contrario, cominciando . partindo da tónica com l dirett»
esquerda. dália tónica con Ia mano destra e dai- e da 6 a inferior cem »
la 6.:i inferiore con Ia mano sinis rã.

Stato fundamental»;
Fundamentol ^.a rosizuin«
%

,r . ii:tz^4 —i h* %*• :-•i —


í. a Inverfão j *

^
ií—T
y? i«*
i[—*
1
' *—11 * ••*t ]
1
l j »m
I ••
m
'
1 ^ .,2_ •
2 | j

1-**- **—!
bimili g" 1 - símile «inil«
fi*j- : • '• —: r -t •• y^t; 'i , . T. í '

1 •• j I
i
"~
^~—' T« r : , • '1 i •: _ -^.7». 1 1

'

* 7 V-^r-'
^J

w5

-*- i 3 •"~ , ím *
++& T».i*M| i 2 -*=
•ftT» 'Í«: •

»
3&E
«

'••

"'f ' W =
* ?
' TF

3 S'

a m :
í
íí

84

*rPeBgi sopra acoordi Arpejos .'de Acordes Arpeggi sopra accordi Arpejos de Acordes
perfetti magpinri per moto contrario, perfeitos maiores em moto con- c ... ., . . . . . , nerfelfos menorps ircl»ti»ivs ***
cominciando dália tónica cori Ia rràno. partindo da tónica com a perfett, m.nor, (relat.v.de, preceden- K&teíTS?' míito ^Sítrto?
direita e com a 6.» Inferior com ti) per moto contrario, cominciando partindo da tónica com ». mlc
mano destra e. dália 6.a inferiore con a esquerda. . dália tónica con Ia mano destra e dal- direita e da 8.» inferior com i
Ia mano sinistra. ~ Ia 6." inferiore con Ia mano sinistra. m&0 estluertla-
1 'i'"1* .•

Slato fondamentale Stato fondamentale . 2 a P<KÍEÍOH«


Fundamento! 1 .. Pn.i.i.,.. ' S.- P«i.i«. F,mda»..»«l 1.. P..i«iofe & l.«|n,.riae , « *
& 1 o !.«*»«« ^ S *'• hvt"*»2 4 4 4 » « 1>" *•»•"••, a A 5 4 i i ê *
JL V- j • l • • .*•'»: i
&^=
j '. ' • ; —-.« 'm 1 /l J» L »' » : • s . a •: .._ J: *-• í :

9h:
***!
'^~—.z
"«i limili
!

••>" :

« !
fUr^;- : .

*.
>

' > • : r- '- 1 » ?:-


'">i;'>Tf'5" *T V
t
' T*f ^ 5
V s * s
s

S
-m.
..i!
i 3 M
s
A L , 2 « 2 ,
- 4-«S- t i *.: " i '- m. , ,li
s éw .
. i

i *" : _—.—J
" : r* ; •
^ i

—« • » 1 ••__ B
' » ? » = = - — w?*"1 s 3 "7 w 'f? 5
'Ifií* ' Í 7 f f .f
3
•> í
4
3 ., s
i 2 £2 1 A 3
5 2

.:.;*.* 1
y* : -* : t
|t-1- #*%.
*" •0- :
:

* itf pr^ •

T
4
V
S
* &
*

1
• ,li «
2 S
s 4 «f 3
4
2
,„ ".3 2

•* 1
** : Sf*
j -*
|
-TTB
1 T ••
' 1
1 'B \ 1L •
2
V b
* t* &
s 5
, ,AA i 2 2
3 ( íi M.

nu
3Jn>pt—r**»* *;*-*; í* 8• • s * i*~
& e »*
1 V v
•T .^
v
^
'

| , : % ^
i * i •* l
* * Twn =* 74 *
^^f
'•'T ? v
* T 3>
° 'Tf T

&
3 «
l *Ttt*
2
1 í» S
2

s 4 S 2 * S

«—r
S

1 ^* =** ' 3

feM^V •* ; ,— . . . . . . w JiM.L ..•-•>- i


L
«•
~
...i. •*" .1*1 *

i**
Í „ :

I? ?i? ? l *
-. i

&
-i
7*-

4 s
»i:il»Li—«-»—:

•'-ff
t •• T
1 l?* f
'*; -
a 4 «•
S

s 3 , 2
i 2 •• •a*=
,,!*«=
I
»

Í** ;••• — —? ^'tv 1 " i i è l 1 — ^t— ' —r~m 1

p *• f*.->1i 7 * »" ^ '.

^' ,,t 1 ••>


- =5» ? 2 ' *^T V
s '*1* f
• 2
4 * •
85

ESTEXSIONI DELLE DITA EXTENSÃO DOS DEDOS


Per g\i accordi diSettima doininante,in arpeggi Arpejos do Acorde de 7.* de Dominante

ESERC1ZI PREPARATORI
EXERCÍCIOS PREPARATÓRIOS
. s.un'otta.va piu bassa. — m&o esquerda uma S.a mau baixa 4 T 5-
1»Í4 L* l 4 l 4

Aplique igual exercício a todos os arpcjos


^X

Si ripeta quattro volte questa battuta


Repita quatro vezes este compasso

quattro volte
quatro vezes
\\MYVmnvn
N? 42. (Continuação)
Arpeggi sopra accordi Arpejo> de
Arpeggi topn Arpejos de Acordes di 7." di dominante, cominciando de 7.» ds Dcm;nanti ia.— .-.e
de 7.» de Dominante, em Inter dominante com a eSQuer33
di 7.* ai doaiaaMe, i» intrrralH valo de oitava dália dominante ron Ia mano sinistra décima com a direita
dí OtUVL e dália 10.a con Ia mano destra.
3.n Pn.itifiD
Staío fo»<U3« Stato fondamentale 1.» Poflizione 2.s !'oíizione
3.o I n v e M ã o
l l Po»i»iontf 2,i Poeixione 3.» PoBizinn* Fundamental 1 o Inversão
S.a Inversão
1.9 Niverjão 2.a Inversão 3.a Inversão A
2 3

W
5

3 '• *• -, 2 » «
2 í •» — l l ••— —

» , Z i Í , 2^» ? l il* E

4 S'

* * 3 5
^ J l 2 I i
- - — ._
•m » T-Í.H< *•;-!-.
K*:
T"3
^t i ^^3 a^i-«il7 , • » %-f^
li* = 2J^Ê =
_ . L
V,;;• i ^ - ; \: ; • i T : • ?;
— — — .

IftTí ffn t^ ' *? 1


, 2 A* - s »' i* * i»i »

1 n»'
* '" - * *•
-E¥T^^ ^T^^ T"2 =9»T^

4 .

l
4 •*

2.iA à ijiâ =

' * ' * * < ' & 3* ' « ' 3 *

ft'-k ^i- B:IIJ;'T í^i T iiitt^ ^ f <r ! ' t** 1 iifr ? ft*""^
i ' í • * , si i * * . L ,l i

=^
s *
88

-3**Jl*HlT» -• i

Arpeggi sopra accordi Arpejos de Acordes Arpeggí sopra accordi Arpejos d« Acordei
di 7.* di dominante, cominciando * di 7.a di dominante, cominciando £r»mante
dália dominante con Ia mano sinistra da e da 5.» com a "atreita. dália dominante con Ia mano sinistra 7.» com a direita.
e dália S.a con Ia mano destra. e dália 7.a con Ia mano destra.

Slato fonda^ientale S.a Po.ition»


Fundamental l •• Poiiliunç
fondamentale , . p0.ilion<. 2.. Po.i«irfn«
Fundamental '' - ... 1a |nvetlao S.a ImríriSo , ° ln«"~

* ** " i
" - t '^
^ Í* A J
U *" 8 •
^" - * * . ' • Í í

• ••^-»-H-» . • • " - '


^m^tr?^-
&
l 3 *

m_ ^ • % í 7 -^i. • •% 7 ' * U y ^ 7 * ' ' '11^*» Ti±r~ -

• 3 3
1 2
. i -il;*ilh a i > ; : .HaiAs^iU-^ft^ia ** •
4|S?! T :^T? ' " ;«|?r^fc*f*?fc^' 4 3 t 1*
, 3 * z J * Í;
.!«&•. • .• » ! ! ••• •- .- ?
11 » • •m n a » •» • . •-
-Uffi- ? * • :^tf "4ÍJT T ;; t^yF^
T 3 * 6 W?' 3 *
& *

4rir-Í^M^*: S .ni»*ldj^
r—*fl
3 S l

i Ç 7 " ' •'* Ç""~ " ' ' s* ' * ' « * = "*" -ír?^^~*~6* * ^t* 7 ^^ ^Y^"

* T' * "ívf ? "» ° wT í ' ' * T* ' * '

yj^^j=fe4;è
^ZLJZJiis»? :: -T•-H;•
U i rT' T—
: *t ;dl»glt'-!b
"f' ' * • Hl -
.4 i . n , i : > l . r -^H-^A-.f .s;it i.-tii^i^.L^L-i-.
. - ""t'~?5ãj|i1H -> --

Arpei« fc
Arpejos
Arpejos ae
de açorava
Acordes f Arpeggi sopra accordi de 7.» de domina
^'ptrtlSrrínWCo0 ""' « < " 7-.di dominante, per moto con- trário partindo dm
TS trano, cominciando dália dominante, a esquerda e da 3 >
di 7.a di dominante, per
trario, cominciando alia mano sinistra e dália 3.1'1 alia
'*" mano destra.
l -jíí Stato fondamentale i.»
i.. FoiUíoi
Fo.i«ione 2 . Po.bioo<! 3.. P~i«~
• —•.

rziu^^s^^^s^^^^i
Stato fondwnsnlde ^..^ 2.. P..i.io»« j. p^.^e / %*f«.<tam.-,tol 1aln».-.í. l ' ,'.„ h..^. 3 a *"t"°'. l

ft • • l, JL~ • \ \ 'r^q
3 * » i '
b ^" ' " i y w tg
«imile símile
^
* «iraile
23? » ' ' 2 ? f -i*4
l «•
3
.
*j i.,S -
S . i ., 4 .• . t m •*• — i. ' ••^ r—
!ií i

-&-JL.^.^--iq±

• ^^t? * ^'t *

liiàJialiil^^

*
90
N? 43.
ESTENSIONIDELLE DITA EXTENSÃO DOS DEDOS
Per gli accordi di setti Arpej os. do Acorde de Sétima Diminuta

EX «CICIOS PREPARATÓRIOS
ín.s.uiTottavapiubassa.- >n&o esquerda um» 8.» mala baixa

Aplique igual exercício a todos os arpejos.


Beplta 4 vezes-este compasso

& *
quattro volte
quatro Vezes

qua.tl.ro volte quattro volte


quafiro vezes quatro vezes
i » 34S ia
91

N9 43. v—
urto, (Continuação)
—*—/ Arpeggi
Araee£ sopra accordi Arpejos de *t»r*zs
DMdi Arpejoi de Acordes . . . . , de 7.» diminuta, pra-wHt te se»-
iu V^fff ^—i— - -
ipro.ll, iT Oe 7 * Diminuta, em Intervalo de dl '• diminuita, cominciando dália sivel com a e^oert» e da ».» «—
Brvam «n oitava. sensibile con Ia mano sinistra e dália da 10.» com a dlr?íia_
di 7.» dimMmií*- m \a 3.a o dália 10.•' con Ia mano destra.
'•'-— 2 „.. ,-P^ iITO Stato fondamcn.ale i . Po.^one ^ ^™«»- ^ ^^
5t*lo luadiT-.fL.-jir
-.^«rt. , J..-P—w- . 3 . alny .,, ao .- . F-Hta"«M l.fc».™. , 3Í A , i * i fe

s, firr-T^TTffWw.iwiiiUf-
* í-^JLJlií-i^-.
símil. T * 3 .imite & * símile f. * í»? ? ?7 * ^^'

-t_4 . i .» . a it3 • i. . 3u 3 •
• '••• *
- .-.iMil ...3,1 i .,. a^.^^i^Jl,
j^^-l?"!*!'!»?:*!!'4'fe'!
g *•?" ' • 1 3" ' * • " " * • ';ll.^§
J ^8»f^

iiffi ^ .i-ft*-^ - ..^^- = .. -1«> .


^^^^^Tprr^^^i^^
ir—<* j» w ff ;

=g*« •; % - ? i"* "-- v


11 11

---^^t-T-
t
^ ~~- H~^ :—•—H—"Ã m ~TT* «

JL. . »«i - ..i«ir^


JP-» ,•8»--—-.1 «*i • : ^ -B**"
.nl -^.• ~» •!**
.«l **-< : 'r
* -\,. •:-7-
^^ •*T * » ""^ J ""^ 3
4 , 4 5 . 1

l M r é r a c « ^ * ^ ^ 3
i^iA4U4^rM^^
t „ . a 3 ..- -< a 3 •,.a 3 »

3 » .

I.I»SF: -a»*^* : -B*^' •• •••lt" «^-i


, 3 Lj * _ ç 3 LJ • * .. » h- *•* ~ -hl * ~

,=Ui'^ ^ir^ftitr'1^?'1^
* * l S 2 '
i i"1^ - ,.^*^~ ~ a- '1...°-'^.
* Li
r*^ '• i i? :li "-^:i T ;ll*i" •^T^" " Vã
rr V?" , t^^ i^ * &r^
. ijg^.g :..» i '., ii & .. ii*-A
^ ^^r:f^^^l^ ^:-^ * . ^^
^^^^rç;^ 7 - - -^ ? • ^
e± < :

• ^^ i . l A h s A > , a & ^ . T J . . . J A V .
^-•.in.ir^^h^^
IjfT?* 1T 7" F T ' ' f^*
92

i sopra accordi Arpejos de Acordes Arpeggi sopra accordi Arpejo? de Acordes


de 7> diminuta, partindoflesen- ao 7.» diminuta, partindo da
di 7.* diminuita, cominciando dália ai 7.a diminuita, cominciando dália sível com a esquerda e da "!.*•
sível com a esquerda e da 5.» di- seneibile con Ia mano sinistra e dália
lensibiie con Ia mano sinistra e dália minuta com a direita. minuta cem a direita.
5.* diminuita con Ia mano destra. ?.a diminuita con- Ia mano destra.
3.» PO...ÍO
Stato fondamentale . 2.. poeiiione 3.. Fotizione Stato fondamentale j pMmone 2-" PMÍ;
Fundamental
1.. Po.».o.e s . a , nvetsao 3.. I.....8. |»¥t,,a.
1a Invtrsfio

~"~ ~ '"" ~"~"-"-"'-"*•—•


Ç s * —•" »—-*.-a-
« • ™~rj 3

l 2 lli . 2u3 i
— *S 2 «.£*£ £

in-
i , ,»i * lil.jé,..^!^

fc;?v rn;?«s s : • ^^
l »» Í u* l * li1 l B*
i^|â* yf s *. ^ . > Í» K 2 i-«Hg

...!i.4 f . . ..L . ...» i

'* * "* ""t*™* ' "*"TA "

. ». o
»»l . V..
• « ! •.»
j •i •. !*• _B »
.i^.^..i^.*
• • • • • li • * • • • . -

i i 2 1*1 *
s.'fl' _•"*•"'' » & .»• • i 1 •£?
tr T ;Ht:'';'

,ii
3

4 í » yffr—y , i
•U *: T i j

^
.i l
* ' '• ••yjjiraa I
i
m.
...» .^ ...3.^ j «
w
. l» L l —k-J J 4
».il'

;, :. ,':ftHt!t& (4t* - .i;v: •

Arpeggi sopra accordi Arpe j »- te


ARPEJOS DE ACORDES de 7> i.ni
de 7.» diminuta, em moto contrá- di 7." diminuita, per moto contrario, .
ai 7.s diminuirá. per •«•• c rio, partindo do uníssono. cominciando dália sensibile con Ia esquerda e di ; * ::=. í
;i -- mano sinistra e dália 3.a con Ia
' -
mano destra.
2.» Poeizionc 3.a Forôione Stato fondámentale i.ifatdionf
5u:r 2.0 Inversfio 3.a Inversão Fundamental 1a Inversão

smife
simll»

gk . » l « . i £ . . » i f f i . * . i •<£* . * ,. . . » A . • n 6 Í,. » i «l*.-* .. - » j. . Í n . ..4 *-&T-« , t l i • .f*"

A » <* a' • *•£ g . s.,3 i . Já» • * l ^2 Í * - /Hl» . 2 ,i3 I . 2 ,i3 i * | ^2 j Í g .1 j•g g .


ifcT»^ T 8»** •:: u .••?!•
• » ;_» * •• : . •*T; •ri»-
* • •_.: -||**s
'•' õ ?*••;: =^|
_^ -1¥ •;•<•:
^r >tS • : • -Ba***
'•!>.»-»- :: 'Jt**^^s -lilV*..
'«•tiãfrRp^fr ' »?!»'•: =
»E
tr * l? »f?* y - si?? «• s»? • " "81 ""?f jí ^f ^^ 3" T

g ^ »T T > Btfi ' i: T" " ' ^ " T ??it?>" , -^:j^^Tirj^::^^^^ ?


i * '»* * . a JH»^ * ^i»£ *-*-«_ . ' Í «*^
~-
^^^fer^tf
'*•.•.. f.. - ; C.L-'""; i
v .v,,,., .j;.» J» j» ^1- • • • . - . ' » - * ^ *»^.*rj.... ^. n .....ji..^. .. - . T - . .»

^•«"•••rff ••-'"íff 7 ^T f x* T *T t i71 t ^5


I
fltJxt l'*"* -.. i » Í ^ .1 o i* * . » i 1 ^'*-
^Jgy^j^j^fTlfrt-': I J ^ J ,j
•^ ^fw-r?«*f^ = " TX?» ^ * 5 ?"t »
7
I l 2
3 2

1*-~..iH.
« ,3

rH«»-
^ il?7x¥ *"T> f»^| i ™T^|

.iM.. .^» 4 >.,


'" : l
f^^^PT31^!!!
fl.k .i^1^ ^.. . . t i i ..... » i ^.... i ^ » ^ ..

^ T »ir w?f i T *iff t T'^ f


S 9 3 ? 3 Í

« 3hÍ • .n*
=^•11-: „» ••!•.•:!
'hl*. *• .HtH*
..2hi ^*
• v - --l
- i ",»*:1*'Í|
-t * t.1 -..

. «iiA *..li^* ^.. —^ ^^ = ™~r ,» ; _


: - -^--• 3iX
J^-.-• -^*--^ ^ r^ t.

^F r ^ - T ? ^^ ° ' *' T "*TIÍ» T -y lTT Tlg'-f g

J
94

Arpeggi aupra acenrcli Arpejos de -Acordes Arpeggi sopra accordi Arpejos de Acordes
de 7.» diminuta, em moto con- di 7.a diminuita, per moio contrario, de 7.1 diminuta, em moto eon-
di 7.* diminuila. per moto contrario, trário, partindo d* sensível com a tr&rlo, partindo da sensível coro
cominciando dália sensihile ron Ia esquerda o da 5.*' diminuta com cominciando dália sensibile con Ia a esquerda e da 7 • diminuta tom
mano sinistra e dalta 5.;1 d i m i n u i t a a d,lrelta mano sinistra e dália 7.-* diminuita a direita.
con Ia mano destra. cõn Ia mano destra.
Stato fondamentale 2.. Po.,Zioue Stato fondameniale-. r . PO,ÚÍ
Fundamental ' • • f «""'
. 1.0Inverta»
Invírlflo S.-—
a Inverta»
—- . .1.. IV..,..,n«
••"—
i i i l * Í | 2 «H» 3.0 l". «Mão

* 7 * ? W *T " * T '« '•*?*• T TfW.df *


s "T7 ««ii« .i»u. '•T.ÍZi.
•imito
t*

• *??? j "n? .1 '*« i^ff^


2_u3 »»i . •
l
^wf^y^^^w:r «

tf

.H-/' tt
^^^r^ri^W^^^f?
»ÍKU.*,.:..^*, i* «ã 1..Í 5 i i*i = •* i = = - l *
_ :*£:
-*m . : -n ;
í 2 l •
T»-
^-^T Tf^-=
3f »^ 3 f
i
•» a - >4*4? « i
,*• x * *
"
ff ?>t? ? T TT IJJ *f 'f
• !•
" : - - • i
n *»*r?
^^1^

-»*•* -irH- iU
- " H tr-tt
2 Í *J
, 2

«• •

2 3 2 3 ^ Z 3 ^ b i ,
« i h» • . * .. ifa- • * . ~ « h.-* * - . . . » ihi,. • 3Lt i - 3.. l Í •

t?» y3?
----"T^?w'
tlf «
¥ ff 'T^??' w "•w¥,=r^i
f * 3 Tl]» 3»
3 2
^ ^?T ¥ > 5 *^TT
''Y^
.¥ ^==
'"J*
=
*?ll»f 5 4

-A «T—. ~ 11;^-=^-- n,. » -".'r n-i*"^. ~ » -^.^.L •ir^-. - «"r. —- ~ • ' - * ^ - .•••^r . ~-i

.^^^^^^MáM,
II

1T I '7 «


TERZA PARTE TERCEIRA PARTE
Esercizi di virtuosismo calcolati per ar. Exercícios de virtuosismo calculados para conseguir a
rivare ad eseguire lê maggiori difficoltà execução das maiores dificuldades do mecanismo.
dei meccanismo.
N? 44,
>*OTE RIPETUTE TRE PER TRE NOTAS REBATIDAS TRÊS A TRÊS
Articule bem os dedos sem levantar a mão nem o pulso.
Si articolino bene lê àita,senza alzare nè Ia
mano nè i polsi.

í. --60 a 120
jr /\*£ _

í •í 1 :t '>, 1 í 2 i ( :sí i 3

J H —*
m"^ --r±tH

3 2 1 3 2 1 3 8 1 3 2 1
comccmr ccrtcrtcrtnr
3

jjj^í
ár :^
96

ujttf^mrtglfcrCEfE^
N?45.
Note ripetute due per due NOTAS REPETIDAS DUAS A DUAS PABA os
daile cinque dita CINCO DEDOS
Siaccentuila prima delle due note leg'aue Acentuar a primeira das duas notas ligadas
l? Dite-rg-iatura
1." DEDILHADO
. - 60 a 108

SDiteg-g-iatura
3.° DEDILHADO

4. Diteg-giatura
.° DEDILHADO
98

N°46.
DEL TRILLO TRILO
per lê cinque dita para os cinco dedos

J = eo a tos

l 2 3 2

l 2 3 a

3 4

iít
diteggiatura. asostituzione
dedllhadij <de substifuiçào 4 3
l 2 l 2 3

l 2

-4-8-
a 2 •*
S=l
P
£ e *
c,

too 2i s4

l 2
rrrrrrrr
l 2 6 4 4 3 2 3

n s! 1 5 4
— »H 8 3
^

-fô}— —f-4~-+-4--4-4-4- t
3 -
' J U r.»' r;«l- •i J»-J
^H

r" l—
•*T

2 3

S
l 2 4 3

3 4 3 2

4 5 l 2 3 2
fffTrrrr rrrrrrrfrrrrrrfr
3 4

E interessante conoscere che Moiart si ser v i vá di questo esercizioper Io studlodel Trillo.


E interessante saber que Mozart usava esta dedllhaçáo para o estudo do t r i l o

12 13 «3 24 3 4 35 46 35

m
Bl2 31 82 42 53 54

Trillo di Thalberg
Trilo de Thalberg
A.
ffH

VV/ !

(a1 8 2 8 1 8 -Z 8 1 8 3i 8 1 3 2 8
84 24 .
t I 11 It « 8 1 3 2 8 1 3 2 3 1 L 8 2 8 1 a'
—» *
^~~"-~"-^"m^
>* —-"—-•—-*i-*—-•—-*—-*— i *i*jiS -»*5* J?jt*já*_? o i

48 4 * ,8 2 3 1 8 S 8 1 8 2 3 1 3 2 3 l
N?47
Note ripetute quattro per quattro NOTAS REBATIDAS QUATRO A QUATBO
Si articolifcenelê dita intuito questo eserci- Aítícule bem os dedos sem levantar a mão ucas a
zio,senza alzare nela mano nèil poiso.
* » = 60 a i»u
-/[ 4:
(fo4-- ..
•^
S ta«t/É
4 3 :i 1 4 3 ii 1 ^t •ç z ji -5i 2t 4 , 4 4 4

—t-
h^a

4 3 8 1 4 3 8 1 4 4
-frrrtrfrrrrrrrrr
4 * 4 4 4 4 4

4 4 4 4
4 4 4 4

frfffffffffffffr
*" " " 4, ^ í 4 '
rrrrrrrrrrrrrfrr rrrrrrn
4 ' 4 ' ' " r*^™--^-^ 4 T"

4 4 4 4
4 4 4 4

-0-0 4 4-
•«»i f 0000000PFF
4 4 4

.rrcrrrrrrrrrrr
102

N?48.
ESERCIZIO DEL POLSO EXERCÍCIO DE PULSO
tERZE STACCATE Terças destacadas
Si alz.ino bene i polsi ad og'ni nota tenendo lê Levante bem os pulsos a cada nota, guardando o braço
braccia immobili:ipolsi debbono essere moltoe. absolutamente imóvel: os pulsos devem ser bem elásticos e
lastici e lê dita ferme senza rigidezza. os dedos firmes sem rigidez.

J: 40 a 84
SESTE STACCATE Sextas destacadaj
as mesmas recomendações feitas para
Stesse ossfiFvazioni che per lê terze.
104
N?49.
DeU'estensione dal i? ai 49 e daí «Cais? Extenso do 1.* ao 4.° e do 2." ao «.* dedo de c«d» mio.
dito di ciascuna mano.
Este exercício é muito útil para facilitar a extensáo doa dedos
Que&io esercizio è utilíssimo per facUitareláL
largamente de lie dita.
F

ESERCIZÍ PREPABATORÍ \S PREPARATÓRIOS ' \itc.

(7)

4 símile

4 3 4

Seguito dell'esercizio precedente. Continuação do exercício precedente


J;
m. M. f. "C. n 8"

* 4 s 4 símile
10.:
N?50.
DELLE TERZE . Das Terças
Raecomandiamo di studiare bene questoeser.
cizio poiche lê terze hanno parte importantissL Recomendamos estudar bem este exercício porque as
ma nella musica difficile: È necessário chetutte ocupam um lugar muito importante na música dificiL £
lê note siano battute con eg-uag-lianza e molto necessário que todas as notas sejam tocadas com a b
distintamente. igualdade e bem nítidas.

ESERCIZI PREPARATORÍ
EXKBCICIOS PBEPARATORIOS ^

a .mão esquerda uma B.a riiaís baixa 3 4 54


34 54 34
I r 40 a 84
«
SCALE Dl TERZE LEGATE ESCALAS EM TERÇAS LIGADAS
E indispensabile studiarele scale diterze lê.
Per leg-are lê scale fra di loro,si teng-a un L É indispensável o estado das escalas em terça ligadas.
stante il 5? dito delia mano destra su una delle Para este fim, prenda um instante o S." dedo dá* mão direita
note delia terza,mentre si passi il pollice ed i!3? sobre a nota da terça que lhe corresponde, enquanto passa
dito per suonare Ia terza seg-uente; alia mano si- o polegar e o 3." dedo para tocar a terça seguinte; na mão
nistra si teng-a un istante il pollice sulla nota esquerda prenda um instante o polegar sobre a nota que
corrispondente,mentre si eseg-uisca Io stessomo. lhe corresponde, enquanto eiecuta o mesmo movimento.
vimento.Noi abbiamo seg-nato con minime (í) lê Marcamos com mínimas ( 1 ) , as notas que devem ser prêsM.
note che debbono essere tenute.Si proceda nel. Proceda da-mesma maneira com • escala cromática que
lo stesso modo perla scala cromática seg-uente segue^bem como com todas as escalas em terças.
e per tutte lê scale di terze.

SCALE CROMATICHE DI TERZE MINORI


ESCALAS CROMÁTICAS EM TERÇAS MENORES

l 4 S * » *
107

NP51.
ESERCIZIO PREPARATÓRIO EXERCÍCIOS PREPARATÓRIOS PARA AS
PER LÊ SCALE Dl OTTAVE.
ESCALAS EM OITAVAS
I polsi devono essere molto sciolti, lê dita che
toe cano rottava,ferme,ma senza rigidezza,e quel- Os pulsos devem estar bem soltos e elásticos, os dedos que
le centrali leggermente arcuate. tocam as oitavas, bem firmes mas sem rigidez, os dedos
Si ripetano dapprima lentamente queste otto que_ não tocam, levemente arredondados.
prime "battute fino a che si articolino facilmen- De início, estude bem lentamente ,estes primeiros oito com-
te i polsi;si acceleri quindi il movimento e si con. passos, até conseguir boa e fácil articulação do pulso; ace-
tinui questo esercizio senza interruzione. Se i lere, então, o andamento e execute ò exercício todo sem in-
polsi proveranno stanchezza si rallenti il movi_ terrupção. Se os pulsos sentirem cansaço, ralente o anda-
mento fino a che questa stanchezza sia scompar. mento até o cansaço desaparecer para 'então retomar o anda-
sa.poi si riprenda,man manoàl primo movimento. mento precedente. Veja observação feita ao Exerc. n.° 48.
Vedinotaal N°48-

r
1 111 1 i% IP P ?

os
o
íftrtíç. to i*-.*

601
N? 52.
SCALE Dl TERZE NEI TONI ESCALAS EM TERÇAS NOS TONS MAIS USADOS
PIÚ IN USO
•li indispensável executar estas escalas com muita igualdade
Si eseguano queste scale con moita eguaglian. e brnv ligadas: é da máxima importância .dominá-las per-
2a e legate; è delia massima importanza di pos_ feitamente. Veja as recomendações feitas para o exerc. n.° 50.
sederle perfettamente. Vedi nota ai N. 50;
DO MAGGIORE
DO MAIOR

SOL MAGGIORE
SOI -MAIOR

RE MAGGIORE
RE MAIOR
-i
112

si v MAGGIORE
57 b MAIOR

MI p MAGGIORE
MI \> MAIOR

LA !• MAGGIORE
LA \> MAIOR
£11
114
N?53.
SCALE Dl OTTAVE NEI 34 TONI KSCALAS EM OITAVAS NAS :>l T O N A L I D A D E S

Si studino dapprima queste scale una per u - Estude estas escalas umn p o r . u m n . até conseguir fluência
na fino ad eseguirle con facilita: si suonino poi e facilidade de execução, para então estudá-las sem'inter-
tutt' e 24 senza interruzione. rupção, todas de uma vez. Nunca será demais insistirmos
Non insisteremo mai abbastanza suH'assolu_ sobre a necessidade absoluta de articular bem os pulsas,
ta necessita di articolare perfeitamente i pol - pois é este o único meio para -conseguir uma execução de
si: è 1'unico mezzo per avviare ad eseguire lê oitavas solta, flexível, vivaz e enérgica. Veja as recomen-
ottave senza rigidezza,con scioltezza, vivacità dações feitas para os exerc. n.° 48 e 51.
ed energia-Vedi lê spiegazioni ai N? 48 e 51.
DO MAGGIORE
DO MAJOR
J-40 a 84

LA MINORK
LA MENOR

FA MAGGIORE
FA MAIOR +•*•+•

RE MINORE
JtE MENOR

(1) Ia tutte lê scale di ottave si battano i tasti utri col.4? dito. (1) Km tMas K esc»l»s em OH»T». apUca-rf o
pretas.
115

SI V MAGG10KE
MAJOR

SOL MINORE
SOL MENOR

MI !» IIAGGIORE
Jtf/l» MAIOR ^**êE£ ±ÍL

DO MINORE
5 O JtlEKOR

l - - VAGGIORE
L à. à. t^LL l l I I l
11-7

SI MAGGIORE
sr MAIOR

SOli (f MINORE
5-0Z tf MENOR

MI MAGGIORE
MAIOR

DO |» MINORE
,00 tf MENOR

LA MAGGIOEE
^.-í .VAIOU
118
FA t* MINORE
f A 1 MENOR

RE MAGGIORE
RE MAIOR

SI MINORE
SI MENOR

SOL MAGGIORE
SOL MAIOR

MI MINORE
MI MENOR

NOTA - Será de grande proveito, estudar estas Escalas cm Oitavas também em moto contrário, partiado do
cora 08 polegares e rebateudo .cada Oitava 4 vezes, depois 3, depois 2, para depois executá-las todas sem lote
N? 54. ^'•-- - o
IL TRILLO QUÁDRUPLO Dl TERZE TRILO QUÁDRUPLO EM TERÇAS PAEA OS
PER LÊ CHÍQUE DITA CINCO DEDOS

Si esegua questo esercizio con grande egua_ Cuide da ft\


maior igualdade e perfeita nitidez de cada terça.
glianza facendo sentire distintamente ogni ter_
za. ^)
J=40 a 93
? l

bem ligado
l 'Z
3 -4 3s i* ii
P

120 &

*d
'í 5 3
3
^
n ri rs s ^

í-i

í»i í t *i i i i
r*=t
l n m

3
121

N?55.
IL TRILLO TRIPLO TRILO TRIPLO

Stessa osservazione che ai N? 54,


Veja as recomendações feitas para o exercício n.* 54.
Exercite também da seguinte maneira:
Esercitarsi anche nella seguente tnaniera:

m. esq. por cima

3 3 3 2 3 2 3 8 3 a 3 2 3 2

bem marcado

5 4 S4
- l Zl
122

Z 3 2 3

2 3
2 3

Diteggiature Speciali per il trillo quádruplo. Dedilhados especiais para o Trilo quádruplo

Altra ditegg-iatura
Outra dedilharão
1-0

N? 56.
SCALE IN OTTAVE ABPEuGIATE ESCALAS EM OITAVA ARPEJADAS NO> i* TONS
NEI 24 TONI
Si eseguano senza interruzioue. Execute-as sem interrupção.
Questo esercizio, delia masbiuia importanza, Kste exercício, de extraordinária utilidade,
prepara anche i polsi alio studio dei tremolo. prepara também os pulsos ao estudo do trémulo.
Exercite também da seguinte maneira:
Esercitarsi anche nella segueute maniera:

ti e.

DO MAGGIORE
DO MAIOR

1*1^» +

LA MINORE
LA MENOK

(l)Iu questo esercizio si battauo i lasti iieri coi 4° dito di (1) Aplique sempre o 4.» dedo nu MclM
clascuiia m a i i o .
124

PA MAOGIORE
FA MAIOR

RE MINORE
RE MENOR

SI b MAGGIORE
SI't MAJOR
SOL MINORE
SOL MENOR
* A

MI t MAGGIORE
Af/l> MAIOR

DO MINORE
MENOR
\\uAi\ i iTvyj m u u i *
<Í « «« « « « « «f í 1 1 1 1 1 1 1 1 \lVLAAlVLtA\il
128

SI MAQGIORE
SI MAIOR

SOL $ MINORE
SOL 9 MENOR

MI MAQQIORE
MI MAIOR
130

SOL MAGGIORE
SOL MAIOR

MI MINORE
MI MENOR
* £ te 6 r i.......i......«s.......£f

f ç. te £ ,. ^
0
ARPEGGI SPEZZATI DI OTTAVE ARPEJOS EM OITAVAS NOS 24 TONS
NEI 24 TONI.
Si Btuoi dapprima il f arpeggio in Do e non si passi Primeiramente estude somente o arpejo de Dó, depois qa<
alio stodio dei sueceasivo in La minore se non quando Io souber tocar este bem nitidamente e com artiealacio bem
si sappia Buouare nitidamente e articolaado sempre i polsi. fluente dos pulsos, passe ao arpejo seguinte e assim por
Si studi in questa guisa i 24 arpeggi.poi si esegua. diante. Por último, execute todos os arpejo.s de
no tutti di stíguito, senza interruzione. .sem interrupção.
i UAOGIORJC _
" MAIOR ^. Z f f -

RE MINORE
SENLEHORJÍ

SI MAGGIORE

FA MINORE
FA XE

(l) lu tutti «luesti esercui «i battuio i\asti neri col 4* dito di • ... scmpn o «.• dedo HM Uciai ptvtM
clatcun*, outoo. < ^ '
132
MI t» MINORE
SOL » MAGGIORE MI \> MENOR -»- _8
SOL í> MAIOR
f) ! , (i)

SI MAGGIORE SOL t MINORE


57 MAIOR MENOR 4
A

MI MAGGIORE DO 4 MINORE
DO'$ MENOR O---
MI MAIOR

LA MAGGIORE
LA MAIOR FA f MENOR - -r

RE MAGGIORE
RE MAIOR

MI MINORE
SOL MAGGIORE M1MENO
SOL MAIOR

l
l
l
l
l
(\) Noa coniprendendo che tusti neri,questo arpeygio ed il seguen- (1) Sendo este arpejo e o que lhe ^egue em Mlb mencr
l
sobre teclas pretas, pode-se aplicar milferentemente o 4 ° ~.
te iu Mi ? ir.inore,si possono iiidtfferentemente batterli col 4° o col
o 5.° dedo, 4
155

OTTAVE TENUTE
N?58. O I T A V A S PEÊ.SAS
con accompagnamento
_.* di note staccate. ACOMPANHADAS POR NOTAS DESTACADAS

Ataque vigorosamente as oitavas, sègurando-as, sem articular


Si battauo vigorosamente lê ottave.tenendole, os pulsos execute rapidamente as notas intermediárias arti-
senza articolare i polsi.e si esegua rapidamen- culando bem os dedos.
te lê note intermedie articolando bene lê dita.
As, seguintes variantes rítmicas são sumamente efica»e». |

Sara utile esercitarsi anche colle seguenti


varianti ritmiche.
láa
;
j TRILLO QUÁDRUPLO Dl SESTE
N°59
' ' TRILO QUÁDRUPLO EM SEXTAS
1 r* Per 1'estensione dal 19 ai 49 e dal
2? ai 5° dito di ogni mano. Para a extensão do 1.° ao 4.° e do 2.° ao 5." dedo.
R Non si faceia aleun movimento delia mano e Não faça nenhum movimento de mão ou de pulso par»
dei poiso nell'eseg-uire questo esercizio. executar este exercício

• ! ligado
3 1 2 1
5 4 5 4

Si ripeta 4 volte questa battuta.


"Repita quatro vezes este compasso
W
137

IL TEEMOLO
N?60. TRÉMULO
_
Per bene eseguire il tremolo occorre dargli Ia Para bem executar o trémulo, é necessário dar-lhe a rapidez
rapidità dei movimento dei rullo dei timpani. do rufo dos timbales.
Lo si esegua dapprima lentamente; poi si acce. De início, deve-se estudar lentamente: depois vgi-s? »:fGe-
leri man mano il movimento sino ad arrivare a rando o andamento até 72= 0 do Metrônomo e. em seguida.
quello segnato in testa J =78. Infine per mezzo com a oxilação dos pulsos, acelere ainda mais até chegar
di oscillazioni dei polsi.si-aumenti ancora Ia rã. à rapidez dos timbales; este estudo é longo e difícil, poréir.
pidità delle note sino a raggiungere queHa dei es resultados .serão a justa recompensação dos esforços, em-
timpani. Questo studio è lungo e árduo; má Já pregados. STEIBELT deixava o público arrepiado com a
bontà dei risultato ottenuto ricompenserà lar- execução de seu trémulo.
gamente il pianista dei lavoro e delle fatiche
cui si sara sobbarcato per proseguirlo sino ai.
Ia fine. STEIBELT dava i brividi ai suo udito.
rio quando eseguiva il tremolo.
Js48 a 72
H ti í | í S

8ST
140

poço rit
a tempo

íllíííí
142

I•riv§ l• 11
* 'f f
wf-f I
-9

*********

CONCLUSIONE CONCLUSÃO
Adesso che 1'allievo ha terminato questo volu-
me, conosce lê maggiori difficoltà dei meccani. O estudante que estudou todo este volume, conhece agoís
smo; ma se vuole raccogliere il frutto dei suo as maiores dificuldades da técnica pianística; mus se quiser
lavoro e diventare ua vero virtuoso, è necessá- colher os frutos de seu trabalho e tornar-se um verdadeiro
rio che,per un certo tempo, si esercitisuquesto virtuose, precisa exercitar-se por algum tempo, diariamente
libro per intero.tuttiigiorni.allora soltanto que.
ste grandi difficoltà gli diventeranno famigliari. com o volume inteiro: só então essas grandes dificuldades
Non occorro che un' ora sola per suonare questi virão a ser-lhe familiares.
esercizi, beu poça cosa rispetto ai vantaggio Apenas uma hora é necessária para executar todos o*
che se ne ricava.
I piíi grandi artisti sono costretti a ripeterc exercícios desta obra; é pouco o'trabalho perante as grar
giornalmente e per parecchie ore certi eser- des vantagens que proporciona. Os maiores artistas si:
cizi unicamente per conservare Ia loro técnica, obrigados a treinar diariamente e por muitas horas deter-
Noa ci si vorrà quindi tacciare d'esagerazione minados exercícios unicamente para conservar sua técnící.
se chiediamo a chi vuol divenire un vero virtuo-
so, di suonare tutti questi esercizi una volta o. NSo é pois demais exigir o treino diário deste volume para
gni giorno. quem deseja realmente tornar-se um virtuose.
YVES RUDNER SCHWDT
HOJE EU MESMO, AMANHA O MUNDO
RECREAÇÃO
(VALSA) ..
Y. KUDNEK-SCHMIDf

Canto Nostálgico Três Temas Brasileiros Y. ROONER SCHMIDT


Y. RUDNER SCHMIDT
i - BALANÇO DE REDE

ZANGARREIO . RUDNER SCHMIDT


2 - ACALANTO
YVES RUONER SCHWDT

Matéria e Espírito 3 - COCHILO


YVES RUDNER SCHMCT
Y. RUDNER SCHMIDT
A«iUto
TARUMÃ ARNALDO KEBELLO
VISÃO GUDÍ ARNALDO REBELLO
(Ponteio Amazônico N.o 3)

PIANO

TAPIR ARNALDO REBELLO


tuxaua
(PONTEIO AMAZÔNICO N." 2|
ARNALDO REBELLO
(Ponteio Amazãnico N.' 4)
AUccjrttto
AlUçrctto

l ffli

í,
li f lit

VELHA ESTAMPA ARNALDO REBELLO Cidade de Campos ARNALDO REBELLO


{Sobra uma gravura brosíWro d. J. G. Eipinosa)
Buliçoso

. CJ=*«
OBRAS EDITADAS PELA MUSICÁLIA
HELLER
ASTURIAS (Leyenda prelúdio) "da Sulte espanhola" MCM 0017 25 ESTUDOS, op. 45 (Andreoli) MCM 0049
RUMORES DE LA CALETA - Malaguena 24 ESTUDOS DE EXPRESSÃO E RITMO, op. 125 (Tagliapietra) MCM 0052
(de "Recuerdos de Viage") , MCM 0138 L'AVALANCHE op. 45 n.° 2 (Andreoli) MCM 0199
A L I M O N D A , Heitor ••:,., KUHLAU
O ESTUDO DO PIANO, 1.° volume MCM 0091 SONATINA op. 55, n." 1 (Kleinmichel) MCM 0019
O ESTUDO DO PIANO, 2.° volume MCM 0092 SONATINA op. 55, n.° 2 (Kleinmichel) -MCM 0019
SONATINA op. 55, n.° 4 (Klein/nichel) MCM 0083
ANÓNIMO SONATINA op. 88, n.» 3 (Klei«*ichel) MCM 0026
SANTA LÚCIA - . % MCM 0139
BACH * "C- KUNZ
INVENÇÕES A DUAS VOZES (Mugellini) , MCM 0040 200 PEQUENOS^CANONES MCM 0016
INVENÇÕES A TRÊS VOZES (Mugellini) MCM 0041 L A C ERDA
14 PEÇAS FÁCEIS (Rossi-Rudge) MCM 0042 COMPÊNDIO ELEMENTAR DE TEORIA MUSICAL MCM 0170
20 PEÇAS FÁCEIS (F. Mignone) MCM 0124 L E I T E , ClarlM*
23 PEÇAS FÁCEIS (Mugellini) MCM 0043 CARECA O PAI MCM 0086
SUITES FRANCESAS (Mugellini) MCM 0045 CICLO DO. JAZZ MCM 0127
SUITES INGLESAS (Mugellini) MCM 0046 E A CABOCLA NÃO FICOU Só... MCM 0118
BECUCCI ERA UMA VELHA QUE TINHA 7 FILHAS MCM 0087
GIULM GENTIL MCM 0183 O JUMENTINHO PERDIDO EM JERUSALÉM MCM 0215
TESORO MIO, op. 228 MCM 0011 LEMAIRE
BEETHOVEN GAVOTTE DÊS MATHURINS MCM 0030
MINUETO EM SOL MAIOR MCM 0028 LISZT
PARA ELISA MCM 0004 6 CONSOLAÇÕES MCM 0229
SONATA op. 2, n.» 2 (Casella) MCM 0057 UM SUSPIRO - ESTUDO DE CONCERTO N.° 3 (Brugnoli) MCM 0235
SONATA op. 49, n.° 1 (Casella) MCM 0065
SONATINA N." 6 EM FA MAIOR (Frugatta) MCM 0116 LONGO
12 ESTUDOS DE TERÇAS, op. 35 . MCM 0001
SONHO DE GERTRUDES MCM 0029
BILLI LUDOVIC
CANÇÃO DE MARGARIDA op. 33 MCM 0234
SONHO DE UMA VIRGEM MCM 0021
BOCCHERINI MATOS RODRIGUEZ
MINUETO CÉLEBRE EM LA MAIOR MCM 0185 LA CUMPARSITA MCM 0210

B O T E L H O , Alice Q. MARGARETH E. STEWARD


MEU PIANO É DIVERTIDO - Inic. ao piano, 1.° Vol. MCM 0081 NOVAS AVENTURAS NO PAIS DO SOM MCM 0014
MEU PIANO É DIVERTIDO - Inic. ao piano, 2.° Vol. MCM 0082 MEND-ELSSOHN
B R A G A , Breno 1.» BARCAROLA VENEZIANA op. 19 N.° MCM 0233
INTRODUÇÃO A ANALISE MUSICAL (Texto programado) MCM 0025 2.a BARCAROLA VENEZIANA op. 30 N.° MCM 0232
CANÇÃO DA PRIMAVERA MCM 0218
BRAHMS
BERCEUSE op. 49 N.° 4 MCM 0187 M ETALLO
DANÇA HÚNGARA N.° 5 MCM 0186 HORAS TRISTES - NOTURNO MCM 0119

BURGMULER MIGNONE
12 ESTUDOS, ori. 105 - 3.° Vol. MCM 0143 4 CÂNONES p/ 2 Ilautas doce MCM 0168
5 PEÇAS p/ 2 flaulas doce MCM 0169
CAMARGO GUARNIERI, M.
PONTEIOS (Prelúdios) 3.° Caderno - de 21 a 30 MCM 0113 MONTANI
VALSA N.° 9 MCM 0213 TODAS AS ESCALAS PARA PIANO MCM 0013
CARLOS GOMES MOZART
O GUARANI (sinfonia) MCM 0024 BOLINHO DE MANTEIGA MCM 0182
O GUARANI (ilustração) - (Becucci) MCM 0088 MARCHA TURCA "DA SONATA K. 331 "i MCM 0012
SINFONIA N.° 40 K 550 1.s "movimento (Corrêa) MCM 0219
CHOPIN SONATA em Dó Maior K 279 MCM 0200
BALADA, op. 23 em Sol menor MCM 0217 SONATA em Fá Maior K 280 MCM 0201
ESTUDOS op. 10 e 25 (Brugnoli-Montani) MCM 0101 SONATA em Si bemol K 281 MCM 0202
ESTUDO op. 10 n.° 3 (TRISTESSE) MCM 0191 SONATA em Sol Maior K 283 MCM 0203
GRANDE VALSA BRILHANTE op. 18 MCM 0193 SONATA em Ré K 311 MCM 0204
MARCHA FÚNEBRE (da Sonata op. 35) MCM 0192 SONATA em Lá Maior K 331 MCM 0020
5." MAZURCA op. 7 n.° 1 MCM 0188 SONATA em Fá K 332 MCM 0205
MAZURCA op. 7 n.° 2 MCM 0189 SONATA em Fá Maior K 547a MCM 0022
NOTURNO op 9 n.° 2 (Brugnoli) MCM 0129
NOTURNO op. 15 n.° 2 MCM 0190 N. N.
POLONAISE EM LA MENOR, op. 40, n." 1 MCM 0023 SANTA LÚCIA - (p/ canto e piano) MCM 0139
VALSA EM LA MENOR, op. 34 n." 2 (Brugnoli Montani) MCM 0194 O S W A L D, Henrique
CLEMENTI BARCAROLA op. 14, n.° 4 MCM 0005
GRADUS AD PARNASSUN (Barrozo Netto) MCM 0027
SEIS SONATINAS op. 36 (Mugellini) MCM 0055 MCM 0231
SONATINA op. 36. n.° 1 (Mugellini) MCM 0075 PEZZELLA, Francesco
32 SONATINAS E RONDÓS MCM 0085 NOÇÕES BÁSICAS DE TEORIA MUSICAL MCM 0038
CZ ERNY PONCHIELLI
COLETANEA - 1.° Vol. (Barrozo Netto) MCM 0031 DANÇA DAS HORAS MCM 0230
COLETANEA - 3.° Vol. (Barrozo Netto) MCM 0033 P OZZETTI
O PRIMEIRO MESTRE DE PIANO, op. 599 (Pozzoli) MCM 0053 AVE MARIA, p/ canto e piano MCM 0037
DAOUIN
LÊ COUCOU (Marciano) MCM 0240 CHORO EM OITAVAS MCM 0108
DE CARVALHO, Dinorá / A MENININHA DA ROSA MCM 0137
0 BURRINHO TEIMOSO MCM 0209 VALSA AMAZÔNICA N.° 2 (VITÓRIA RÉGIA) MCM 0132
ELLMERICH R O C H A , Carmen Maria M.
3 PRELÚDIOS MCM 0214 PEÇAS DE PIANO PARA VOCÊ MCM 0072
F A R I N E L L O , Orestes (Continuação do livro "Iniciação ao Piano" da mesma autora)
6 MINIATURAS MCM 0167 SC A R L A T T I
CAPRICHO (Tausig) • MCM 0227
GLUCK-BRAHMS PASTORAL (Tausig) MCM 0228
GAVOTA "da ópera ífigenia em Aulide" MCM 0239 SCHUMANN
GOU NOD ÁLBUM PARA A JUVENTUDE op 68 (Lorenzoni) MCM 0123
AVE MARIA MCM 0238 DEDICAÇÃO op 25 n.° 1 (Liszt) MCM 022<
G R A F, Frederico REVERIE op 15 N.° 7 - CANTO DA TARDE op 85 N.° 12 MCM 0226
EVOCAÇÕES MCM 0121 S É P E, João
1 — POSLÚDIO PRELÚDIO ELEGÍACO MCM COS-»
2 _ RAPSÓDIA SM ITH
3 — INTERMEZZO CHANSON RUSSE op 31 MCM 0225
GRANADOS * STR AUSS
DANÇA ESPANHOLA N.° 5 MCM 0216 VOZES DA PRIMAVERA op 410 MCM 0223
HABERBIER STREABBOG
32 ESTUDOS POÉTICOS, op. 53 e 59 (Pozzoli) • MCM 0076 O PEQUENO CARNAVAL (Valsa) MCM C222
HAENDEL T O S E L L l E.
LARGO "da ópera Xerxes" MCM 0237 RIMPIANTO (Serenata) MCM C2 - "
H A N O N L. C. TSCHAIKOWSKY
O PIANISTA VIRTUOSO MCM 0181 O CANTO DA COTOVIA op 39 N.° 21 MCV '-'-*
H A Y D N, J. JUNHO (BARCAROLA) op 37 N." 6
MINUETO DO BOI (Montani) MCM 0236 Y R A D l E R, S. de
SONATA n.° 1 em Sol (Buonarnici) MCM 0195 LA PALOMA (canção habanera) MCV X3?
SONATA n.° 2 em Mi menor (Buonarnici) MCM 0196
SONATA n.° 3 (Buonarnici) MCM 0197 W O L F F B.
SONATA n.o 7 (Buonamici) MCM 0198 O PEQUENO PISCHNA - 48 Exercícios MCV XIS

Impresso nas 0*2^1::


EDITORA P ARMA LI

RICORDI BRASILEIRA S.A. RB - GC5'


R. CONSELHEIRO NÉBIAS, 1.136 - SÃO PAULO 6-89 ~
C.G.C. 46.416.665/0001-Í1 - inscrição Estadual 109.387.115