Você está na página 1de 7

Estudo sobre o impacto das mudanças climáticas na ocorrência de doenças vetoriais

como dengue e malária nos biomas brasileiros

Palavras-chave: Mudanças climáticas; Doenças Vetoriais; Situação de saúde; Indicadores


ambientais; Vigilância em saúde

Responsável: Christovam Barcellos

Introdução

As mudanças climáticas e ambientais globais, que vêm se agravando nas últimas


décadas, podem produzir impactos sobre a saúde humana com diferentes vias e intensidades.
Por um lado, essas mudanças impactam de forma direta a saúde e bem estar da população,
como no caso das ondas de calor ou outros eventos extremos como furacões e inundações.
No entanto, na maior parte das vezes, esse impacto é indireto, sendo mediado por mudanças
no ambiente como a alteração de ecossistemas, sua biodiversidade e de ciclos
biogeoquímicos.
No caso das doenças infecciosas, os mecanismos de produção de agravos e óbitos
são condicionados por inúmeros fatores ambientais e sociais. Dentre os grupos de doenças
que podem ser afetados pelas mudanças climáticas e ambientais, além das consequências
diretas dos eventos climáticos e meteorológicos extremos, encontram-se as doenças
transmitidas por vetores.
Também é importante destacar que os impactos dessas mudanças sobre a saúde são
extremamente diferenciados, dependendo da vulnerabilidade dos grupos populacionais e de
sua resiliência. Diferentes populações, vivendo em espaços diferenciados, apresentam
distintas constituições para suas vulnerabilidades, entendida neste contexto mais amplo
como a capacidade de resposta de indivíduos, grupos e comunidades aos potenciais perigos
deflagrados por eventos relacionados a mudanças climáticas e ambientais em qualquer fase
dos ciclos dos diversos processos saúde-doença. Segundo esta concepção, a vulnerabilidade
destas populações está associada ao seu lugar, e sua caracterização não pode prescindir de
uma visão ecológica e de abordagens espaciais em saúde pública. Observar a distribuição
espacial da população e sua dinâmica, os indicadores locais de pobreza e segregação sócio-
espacial, a situação dos programas de monitoramento e controle, bem como a dinâmica dos
elementos naturais dos ecossistemas urbanos e dos biomas em que estão inseridos são alguns
dos componentes que permitirão descrever, medir e acompanhar a vulnerabilidade em saúde
de grupos populacionais aos potenciais cenários climáticos futuros e preparar o setor saúde
para o seu enfrentamento.
As doenças transmitidas por vetores constituem, ainda hoje, importante causa de
morbidade e mortalidade no Brasil e no mundo. O ciclo de vida dos vetores, assim como dos
reservatórios e hospedeiros que participam da cadeia de transmissão de doenças, está
fortemente relacionado à dinâmica ambiental dos ecossistemas onde estes vivem. A dengue
é considerada a principal doença reemergente nos países tropicais e subtropicais. A malária
continua sendo um dos maiores problemas de saúde pública na África, ao sul do deserto do
Saara, no sudeste asiático e nos países amazônicos da América do Sul. As leishmanioses,
tegumentar e visceral, têm ampliado sua incidência e distribuição geográfica. Outras
doenças, como a febre amarela, a filariose, a febre do oeste do Nilo, a doença de Lyme, e
outras transmitidas por carrapato e inúmeras arboviroses, têm variável importância sanitária
em diferentes países de todos os continentes. O aquecimento global do planeta tem gerado
ainda uma preocupação sobre a possível expansão da área atual de incidência de algumas
doenças transmitidas por insetos. Porém, deve-se levar em conta que são múltiplos os fatores
que influenciam a dinâmica das doenças transmitidas por vetores, além dos fatores
ambientais (vegetação, clima, hidrologia); como os sócio-demográficos (migrações e
densidade populacional); além dos biológicos (ciclo vital dos insetos vetores de agentes
infecciosos) e dos médico-sociais (estado imunológico da população; efetividade dos
sistemas locais de saúde e dos programas específicos de controle de doenças, etc.) e a
história da doença no lugar, estes dois últimos sempre muito esquecidos nas apressadas
análises causais entre o impacto das mudanças climáticas e as doenças vetoriais.
As doenças transmitidas por vetores, mais freqüentes nos países de clima tropical,
aparecem como um dos principais problemas de saúde pública que podem decorrer do
aquecimento global. Vários modelos matemáticos foram construídos a fim de prever as
conseqüências do aumento da temperatura sobre a malária, por exemplo.
Contudo, a relação entre o clima e a transmissão da malária continua bastante
complexa e pode ser modificada de acordo com os lugares que se estuda. Pelo menos para a
malária, a dengue e a febre amarela, raramente o clima foi o principal determinante para sua
prevalência ou seu alcance geográfico. Ao contrário, impactos nos ecossistemas em nível
local provocados por atividades humanas têm se mostrado muito mais significativos. A
maior parte dos modelos é baseada em dados restritos a alguns locais e variáveis ambientais
vinculadas sobretudo aos vetores ou ao plasmódio, sem levar em conta os fatores sociais e
de políticas de desenvolvimento e controle que são igualmente importantes na dinâmica da
malária, assim como nas demais doenças vetoriais.
Diante da complexidade dos processos que estão envolvidos entre as mudanças
ambientais e climáticas globais e seus efeitos sobre a saúde, é imprescindível a reunião e
análise de dados que permitam acompanhar e antever essas mudanças. Para a realização
desse acompanhamento é necessário um conjunto mínimo de dados em quatro dimensões:
1. Dimensão Ambiental: Os dados ambientais devem caracterizar as alterações de
cobertura e uso do solo e seus reflexos nos ecossistemas locais, incluindo possibilidades
como dados de medidas relativas às queimadas, uso e cobertura do solo e estimativas de
material particulado na atmosfera;
2. Dimensão Climática: Os dados sobre tempo e clima são principalmente de temperatura,
umidade e precipitação em uma escala de previsão sazonal e também de clima futuro;
3. Dimensão Humana: Dados Socioeconômicos com base censitária que descrevem a
composição etária e por sexo, condições de habitação, saneamento, migração, educação e
renda, entre outros índices e indicadores, caracterizando as populações e suas
vulnerabilidades;
4. Dimensão de Saúde Pública: Dados de Saúde: contendo as informações sobre os
serviços de saúde, mortalidade e morbidade para doenças sensíveis às mudanças climáticas.

Todas as dimensões abordadas têm uma natureza espacial. Uma vez


georreferenciados, isto é, todos os dados podem ser localizados no território brasileiro por
meio de mapas digitais. Este esforço de reunião e integração de dados em uma plataforma
única está sendo coordenado pelo Observatório do Clima e Saúde, criado em 2010. Estes
dados são recolhidos em três fontes principais: INPE (CPTEC e OBT), ANA e bases
tratadas dos Sistemas de Informação de Saúde, via DATASUS.
No entanto, a simples reunião de dados não permite cumprir os objetivos finalísticos
do Observatório. Somente a formulação de modelos que relacionem os componentes
ambientais, climáticos, sociais e de saúde, permite que esse conjunto de dados seja útil para
visualização de situação e tendências, bem como a tomada de decisões. Alguns modelos
devem ser buscados para concatenar processos climáticos com eventos de saúde. Além
disso, como os fatores climáticos raramente representam um risco por si só, os dados
climáticos devem ser complementados por dados ambientais e sociais. O projeto
Observatório procurou recolher de pesquisadores ideias sobre a relação entre o clima e
processos de saúde-doença, por meio de oficinas temáticas. Os especialistas listaram os
principais fatores envolvidos neste processo, bem como a necessidade de dados para a
formulação de modelos de previsão. Estas informações estão sendo sistematizadas e
permitirão identificar variáveis importantes para a construção de modelos que permitam
avaliar os riscos de difusão das doenças transmitidas por vetores no Brasil.

Objetivos

Os objetivos principais do presente projeto são:


1) Análise da presente distribuição espacial e variabilidade de doenças transmitidas por
vetores nos biomas brasileiros, com ênfase em dengue e malária;
2) Avaliação do peso dos fatores climáticos, sociais e ambientais nesta distribuição;
3) Construção de modelos de predição para os efeitos das alterações climáticas na
dinâmica de doenças transmitidas por vetores, com ênfase em dengue e malária;;
4) Criação de plataforma para troca de dados e debate entre pesquisadores e gestores
sobre a incidência de doenças transmitidas por vetores e sua variabilidade;
5) Proposição de recomendações que permitam o controle dos vetores da dengue e da
malária considerando os eventos climáticos nos diferentes biomas brasileiros.

Plano de trabalho

O período de estágio de pós-doutorado será realizado em sua maior parte na


Université Montpellier 2, sob supervisão do pesquisador Serge Morand. Nesta cidade, o
grupo do Institut des sciences de l'évolution está articulado com a Maison de la
Télédétection para o estudo da distribuição de espécies vetores de doenças usando conceitos
de ecologia e técnicas de geoprocessamento. O estágio nestas instituições permitirá elaborar
modelos de nicho ecológico que expliquem a distribuição atual da incidência de malária e
dengue no Brasil. Estes grupos possuem ainda uma forte inserção na América do Sul,
garantida pela atuação do centro de pesquisas em Cayene, Guiana Francesa, onde existe uma
estação de sensoriamento remoto. Recentemente, o projeto de pesquisa Regional
Epidemiological Landscape Amazon Information System (RELAIS), coordenado por
Laurent Durieux foi aprovado pelo CNPq (Brasil) e IRD (França), o que permitirá aumentar
a interação entre estes grupos de pesquisa. Pretende-se ao final deste estágio publicar um
artigo em revista científica sobre a distribuição atual e cenários futuros da transmissão de
dengue e malária no Brasil.
Outra parte do período de pós-doutorado será realizada em na Université Pierre et
Marie Curie (Sorbonne – Paris), sob supervisão do professor Guy Thomas. Neste centro
existe um grupo de pesquisa dedicado a sistemas de informação e modelagem de dados
epidemiológicos (UMR S 707). Nesta fase, serão estudados meios de coleta e análise de
dados, formais e informais, que permitam caracterizar quadros epidemiológicos complexos.
A experiência de pesquisadores franceses com o monitoramento de surtos de gripe e óbitos
decorrentes de ondas de calor será de grande importância para adaptar modelos de vigilância
para situações de crise sanitária, como aquelas encontradas após desastres climáticos.
Pretende-se ao final deste estágio publicar um artigo em revista científica sobre a
recuperação e análise de dados epidemiológicos em situações de desastre climático.

Cronograma

O período proposto para a execução de cada atividade é:


- Université Montpellier 2, Montpellier, França, de janeiro a maio de 2013.
- Université Pierre et Marie Curie, Paris, França, de junho a agosto de 2013.

Referências bibliográficas

Araujo JR, Ferreira EF, Abreu MHNG. Revisão sistemática sobre estudos de espacialização
da dengue no Brasil. Rev Bras Epidemiol 2008; 11:696-708
Barbosa, Gerson Laurindo; Lourenco, Roberto Wagner. Analysis on the spatial-temporal
distribution of dengue and larval infestation in the municipality of Tupã, State of São
Paulo. Rev. Soc. Bras. Med. Trop, v. 43, n. 2, Apr. 2010 .
Barcellos C, Pustai AK, Weber MA, Brito MRV. Identificação de locais com potencial de
transmissão de dengue em Porto Alegre através de técnicas de geoprocessamento. Rev
Soc Bras Med Trop 2005; 38:246-250.
Barcellos, C.; Monteiro, A.M.V.; Corvalán, C.; Gurgel, H.C.; Carvalho, M.S.; Artaxo, P.;
Hacon, S.; Ragoni, V. Mudanças climáticas e ambientais e as doenças infecciosas:
cenários e incertezas para o Brasil. Epidemiologia e Serviços de Saúde. v.18, p.285 - 304,
2009.
Barreto ML, Teixeira MG. Dengue no Brasil: situação epidemiológica e contribuições para
uma agenda de pesquisa. Estudos Avançados 2008; 22:53-77.
Barros FS, Arruda ME, Gurgel HC, Honório NA. Spatial clustering and longitudinal
variation of Anopheles darlingi (Diptera: Culicidae) larvae in a river of the Amazon: the
importance of the forest fringe and of obstructions to flow in frontier malaria. Bull
Entomol Res. 2011 Dec;101(6):643-58.
Barros FS, Honório NA, Arruda ME. Temporal and spatial distribution of malaria within an
agricultural settlement of the Brazilian Amazon. J Vector Ecol. 2011 Jun;36(1):159-
69.2011.
Casanova, M. A.; Brauner, D. F.; Câmara, G.; Lima JR., P. O. Integração e
interoperabilidade entre fontes de dados geográficos. In: Casanova, M. A.; Câmara, G.;
Davis JR., C. A.; Vinhas, L.; Queiroz, G. R. (Ed.). Bancos de dados geográficos.
Curitiba: MundoGEO, p. 317-352, 2005.
Chadee DD, Shivnauth B, Rawlins SC, Chen AA. Climate, mosquito indices and
epidemiology of dengue fever in Trinidad (2002-2004). Ann Trop Med Parasitol 2007;
101:69-77.
Chiaravalloti-Neto F. Descrição da colonização de Aedes aegypti na região de São José do
Rio Preto, São Paulo. Rev Soc Bras Med Trop 1997; 30:279-285.
Donalísio MR, Glasser CM. Vigilância entomológica e controle de vetores do Dengue. Rev
Bra Epidemiol 2002; 5:259-279.
Flauzino RF, Souza-Santos R, Oliveira RM. Dengue, geoprocessamento e indicadores
sociais e ambientais: uma revisão. Rev. Panam. Salud Publica. 2009;25(5):456-461.
Olson SH, Gangnon R, Elguero E, Durieux L, Guégan JF, Foley JA, Patz JA. Links between
climate, malaria, and wetlands in the Amazon Basin. Emerg Infect Dis. 2009
Apr;15(4):659-62.
Pinheiro FP, Corber SJ. Global situation of dengue and dengue haemorrhagic fever, and its
emergence in the Americas. World Health Statistics Quarterly 50:161-169, 1997.
Ribeiro AF, Marques GRAM, Voltolini JC, Condino MLF. Associação entre incidência de
dengue e variáveis climáticas. Rev Saúde Pública 2006; 40:671-676.
Rosa-Freitas MG, Tsouris P, Peterson AT, Honório NA, de Barros FS, de Aguiar DB,
Gurgel H da C, de Arruda ME, Vasconcelos SD, Luitgards-Moura JF. An ecoregional
classification for the state of Roraima, Brazil: the importance of landscape in malaria
biology. Mem Inst Oswaldo Cruz. 2007 Jun;102(3):349-57.
Souza, SS; Silva, IG, Silva, HHG. Association between dengue incidence, rainfall and larval
density of Aedes aegypti, in the State of Goiás. Rev. Soc. Bras. Med. Trop., v. 43, n.
2, Apr. 2010.
Tauil PL. Aspectos críticos do controle de dengue no Brasil. Cad Saúde Pública 2002;
18:867-871.
Teixeira MG, Costa MC, Barreto ML, Barreto FR. Epidemiologia do dengue em Salvador-
Bahia, 1995-1999. Rev Soc Bras Med Trop 2001; 34:269-274.
Teixeira MG, Costa MCN, Barreto ML, Mota E. Dengue and dengue hemorrhagic fever
epidemics in Brazil: what research is needed based on trends, surveillance, and control
experience? Cad Saúde Pública 2005; 21:1307-1315.