Você está na página 1de 87
PREFEITURA DO JABOATÃO DOS GUARARAPES SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO E DESENVOLVIMENTO HUMANO PROCURADORIA GERAL DO

PREFEITURA DO JABOATÃO DOS GUARARAPES

SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO E DESENVOLVIMENTO HUMANO PROCURADORIA GERAL DO MUNICÍPIO - SECRETARIA DE FINANÇAS

Concurso Público para provimento de cargos de

Auditor Tributário

Caderno de Prova, Cargo A01 , Tipo 001

0000000000000000

00001−001−001

Nº de Inscrição MODELO

0000000000000000 00001−001−001 Nº de Inscrição MODELO - Verifique se este caderno: INSTRUÇÕES - corresponde a

- Verifique se este caderno:

INSTRUÇÕES

- corresponde a sua opção de cargo.

- contém 100 questões, numeradas de 1 a 100.

Caso contrário, reclame ao fiscal da sala um outro caderno. Não serão aceitas reclamações posteriores.

- Para cada questão existe apenas UMAresposta certa.

- Você deve ler cuidadosamente cada uma das questões e escolher a resposta certa.

- Essa resposta deve ser marcada na FOLHADE RESPOSTAS que você recebeu.

VOCÊ DEVE:

- procurar, na FOLHADE RESPOSTAS, o número da questão objetiva que você está respondendo.

- verificar no caderno de prova qual a letra (A,B,C,D,E) da resposta que você escolheu.

- marcar essa letra na FOLHADE RESPOSTAS, conforme o exemplo:

A C D E
A
C
D
E

ATENÇÃO

- Marque as respostas primeiro a lápis e depois cubra com caneta esferográfica de tinta preta.

- Marque apenas uma letra para cada questão, mais de uma letra assinalada implicará anulação dessa questão.

- Responda a todas as questões.

- Não será permitida qualquer espécie de consulta, nem o uso de máquina calculadora.

- Você terá 4 horas para responder a todas as questões e preencher a Folha de Respostas.

- Devolva este caderno de prova ao aplicador, juntamente com sua Folha de Respostas.

- Proibida a divulgação ou impressão parcial ou total da presente prova. Direitos Reservados.

FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS

Agosto/2006

www.pciconcursos.com.br

MODELO Caderno de Prova, Cargo A01 , Tipo 001

31/07/06 - 16:54

 

2. Considere as seguintes afirmações:

 
 

CONHECIMENTOS GERAIS

 

LÍNGUA PORTUGUESA

I.

Ao afirmar Faz sentido, no primeiro parágrafo, o au- tor expressa sua convicção de que, em algumas cir- cunstâncias, o regime militar é preferível ao demo- crático.

Atenção:

As questões de números 1 a 10 referem-se ao texto seguinte.

Ou isto ou aquilo

II.

Os brasileiros acabaram por atrapalhar o sono dos pesquisadores porque optaram pelo elemento da alternativa que os pesquisadores imaginavam que seria descartado.

 

Uma pesquisa da revista norte-americana The

Economist, promovida para saber se os latino-americanos con-

tinuam acreditando na democracia, incluiu a seguinte pergunta:

III.

A expressão aplausos para os brasileiros deve-se ao fato de que o autor reconhece nas respostas destes a virtude de quem não se deixa conduzir por uma pergunta tendenciosa.

“Em determinadas circunstâncias, um governo autoritário pode

ser preferível a um governo democrático?” Seria lógico pensar

assim: os sujeitos que não acreditam mais nas virtudes exclu-

 

sivas da democracia devem ser tentados por uma intervenção

Em

relação

ao

texto,

está

correto

o

que

se

afirma

autoritária. Ou seja, quem não acredita mais na democracia

APENAS em

 

sonha com a volta de um regime militar. Faz sentido.

(A)

I.

 

Pois é, os brasileiros deram uma resposta para atra-

 

palhar o sono dos pesquisadores. Entre 1996 e hoje, 13% dei-

(B)

II.

xaram de acreditar na democracia como melhor sistema de

 

governo. Ora, o número dos que aceitariam uma ditadura no

(C))

III.

lugar da democracia não aumentou de modo correspondente,

(D)

I e II.

mas – surpresa – diminuiu 9%. Ou seja, no Brasil há menos

 

gente para acreditar na democracia, mas também menos gente

(E)

II e III.

 

para esperar que os militares resolvam a situação.

 
 

Aplausos para os brasileiros, que não se deixaram

3. Considerando-se o contexto geral, os dois segmentos que NÃO constituem uma contraposição entre si são:

capturar por uma alternativa forçada. Entendo assim a posição

dos entrevistados: a democracia não respondeu a nossas

(A)

seria lógico pensar assim / a escolha não é essa

esperanças básicas, mas nem por isso entregaríamos o país ao

 

despotismo. Sobretudo, não aceitamos uma alternativa exclu-

(B)

acreditar na democracia / os militares resolvam a si- tuação

dente do tipo: “De um lado, há stalinistas, fascistas ou militares

 

e, do outro, a democracia. Olhe, escolha e pule pra frente.” Os

(C)

virtudes exclusivas da democracia / intervenção au- toritária

brasileiros pareceram responder: não pulo coisa nenhuma, a

 

escolha não é essa.”

(D)

stalinistas, fascistas ou militares / governo democrá- tico

 

Minha leitura (otimista) do resultado dessa pesquisa do

Economist é a seguinte: estamos cansados de ver o mundo em

(E))

o mundo em preto e branco / contraste máximo

 

preto-e-branco, com contraste máximo.

 
 

(Adaptado de Contardo Calligaris, Terra de ninguém. S. Paulo:

4. A correta transposição da voz ativa para a passiva con- serva a equivalência de sentido entre as seguintes cons- truções:

Publifolha, 2004, pp. 240-241)

1.

A restrição do autor à pesquisa do Economist tem como alvo específico a pergunta transcrita no primeiro parágrafo do texto, na qual

(A)

os brasileiros deram uma resposta / uma resposta tem sido dada pelos brasileiros

(A)

não se estabelece com clareza quais são as pos- sibilidades de resposta do pesquisado.

(B))

nem por isso entregaríamos o país ao despotismo / nem por isso o país seria entregue por nós ao despotismo

(B)

se manifesta o evidente propósito de induzir o pes- quisado a uma resposta negativa.

(C)

se estende ao pesquisado a possibilidade de propor alternativas além das oferecidas.

(C)

que os militares resolvam a situação / que os mili- tares venham a resolver a situação

(D))

se propõe uma alternativa drástica, cujos termos se excluem reciprocamente.

(D)

aceitariam uma ditadura / uma ditadura teria sido aceita

(E)

não se esclarece qual é a distinção básica entre as alternativas oferecidas ao pesquisado.

(E)

entendo assim a posição dos entrevistados / tenho assim entendido a posição dos entrevistados

2

www.pciconcursos.com.br

PMJAB-Auditor Tributário-A01

MODELO Caderno de Prova, Cargo A01 , Tipo 001

31/07/06 - 16:54

5. Considerando-se a flexão e a concordância verbais, a frase plenamente correta é:

8. O verbo indicado entre parênteses deverá, obrigatoria- mente, ser flexionado numa forma do plural para preen- cher de modo correto a lacuna da frase:

(A))

Há que se notar que não conveio aos brasileiros confirmar a suposta coerência das opções exclu- dentes que lhes foram apresentadas.

(A)

Na pesquisa referida,

(caber) aos latino-ameri-

canos pronunciar-se diante de duas opções mutua- mente excludentes.

(B)

Os poucos que aceitariam uma ditadura como solu- ção não correspondeu ao índice percentual ima- ginado pelos pesquisadores.

(B))

A nenhum pesquisador

(ocorrer), conforme se

verifica na pergunta transcrita, outras possibilidades de resposta que não as previstas.

(C)

Não se poupe aplausos aos brasileiros, que intervi- ram na pesquisa de modo a confundir as simplórias expectativas dos pesquisadores.

(C)

É aconselhável que nenhum de nós, em pesquisas

como essas, se

(deixar) levar pelas alternativas

apresentadas como exclusivas.

 

(D)

Costumam haver, nas drásticas alternativas, opções que se excluem e fazem imaginar que não podemos criar uma terceira hipótese.

(D)

O autor do texto está convencido de que a tais per-

guntas não se

(dever) responder aceitando-se a

mecânica simplória de uma alternativa.

 

(E)

Ainda quando não se alenta, numa democracia, as esperanças básicas de um povo, a ditadura não deve ser vista como solução.

(E)

Quando a opção entre duas escolhas se

(im-

por) de modo drástico, ficamos impedidos de pon-

 

derar criticamente a matéria tratada.

 

6. Em determinadas circunstâncias, um governo autoritário pode ser preferível a um governo democrático.

9. Atentando-se para o emprego de ambas as expressões sublinhadas, está inteiramente correta a redação da frase:

Uma outra forma correta de se redigir o segmento subli- nhado na frase, em que também se preserva sua coerên- cia de sentido, é:

(A))

Os termos de que se compõe a alternativa apre- sentada induzem o pesquisado a uma determinada e previsível resposta.

(B)

Do que os pesquisadores não contavam foi a ma- neira por que os brasileiros responderam à alterna- tiva.

(A)

pode-se preferir mais um governo autoritário do que um governo democrático.

(B)

um governo autoritário é mais preferível do que um governo democrático.

(C)

A democracia, cujos méritos ninguém duvida, tem também alguns defeitos, aos quais muitas pessoas se mostram intolerantes.

(C)

pode-se dar menos preferência a um governo demo- crático do que de um governo autoritário.

(D)

Os tiranos e os déspotas, em cujo arbítrio derivam tantas atrocidades, costumam caluniar a democra- cia, regime que a nada os favorece.

(D))

pode-se preferir, a um governo democrático, um go- verno autoritário.

(E)

Dado o caráter excludente da alternativa com a qual nos impuseram os pesquisadores, supunha-se de que caíssemos em sua armadilha.

(E)

um governo autoritário é tão mais preferível quanto um governo democrático.

10. Considere as seguintes frases:

 

7. Está clara e correta a redação do seguinte comentário sobre o texto:

I.

Os brasileiros, que deram uma resposta inesperada à pergunta da pesquisa, não se deixaram capturar pela armadilha da alternativa.

(A)

Diante das duas alternativas, os brasileiros acharam por bem de optar por uma terceira, à qual sequer haviam previsto os pesquisadores.

II.

Há uma pergunta, transcrita no texto, que encerra

em

si

mesma

a

armadilha

de

uma alternativa

 

excludente.

 

(B)

Ao invés de se posicionar diante das alternativas dadas, os brasileiros pressuporam que poderiam fa- zer outra opção, além de ambas.

III.

São perguntas, expressas em alternativas, que não permitem uma escolha mais pessoal.

(C)) Era de se esperar que quem descresse da demo- cracia desse crédito a um regime autoritário expec- tativa que não se confirmou na pesquisa.

Suprimindo-se as vírgulas, ocorrerá alteração de sentido apenas em

(A)

I.

(D)

Fôsse como fôsse, ainda que as pessoas não deslumbrem-se com a democracia, tão pouco entu- siasmam-se com os regimes autoritários.

(B)

II.

(C)

III.

(E)

Pode-se induzir do resultado da pesquisa que os brasileiros, ao contrário do que imaginava-se, não se restringiram com a alternativa excludente.

(D)

I e II.

 

(E))

I e III.

PMJAB-Auditor Tributário-A01

www.pciconcursos.com.br

3

MODELO Caderno de Prova, Cargo A01 , Tipo 001

31/07/06 - 16:54

RACIOCÍNIO LÓGICO-QUANTITATIVO

11. Sobre os 26 turistas que se encontram em um catamarã, sabe-se que:

75% dos brasileiros sabem nadar;

20% dos estrangeiros não sabem nadar;

apenas 8 estrangeiros sabem nadar.

Nessas condições, do total de turistas a bordo, somente

(A)

10 brasileiros sabem nadar.

(B)

6 brasileiros não sabem nadar.

(C)

12 são estrangeiros.

(D)

18 são brasileiros.

(E))

6 não sabem nadar.

12. Para escrever três números inteiros são usados todos os algarismos 0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8 e 9, sem repetição. Sabe-se que:

o produto dos dois primeiros números é igual ao terceiro;

o segundo é igual a 22 vezes o primeiro;

o primeiro é uma potência de 3.

Assim, o terceiro número é

(A)

14 390

(B)

15 472

(C))

16 038

(D)

17 542

(E)

18 036

13. Três amigos têm o hábito de almoçar em um certo restau- rante no período de segunda à sexta-feira e, em cada um destes dias, pelo menos um deles almoça nesse local. Consultados sobre tal hábito, eles fizeram as seguintes afirmações:

Antônio: Não é verdade que vou às terças, quartas ou quintas-feiras.

Não é verdade que vou às quartas ou sextas- feiras.

Bento:

Carlos:

Não é verdade que vou às segundas ou terças-feiras.

Se somente um deles está mentindo, então o dia da se- mana em que os três costumam almoçar nesse restau- rante é

(A)

sexta-feira.

(B))

quinta-feira.

(C)

quarta-feira.

(D)

terça-feira.

(E)

segunda-feira.

14. As afirmações abaixo referem-se às praias que cinco ami- gos pernambucanos costumam freqüentar.

Antônio e João não freqüentam a praia de Boa Viagem;

Maurício e Francisco não freqüentam a praia de Maria Farinha nem a de Piedade;

Duarte não freqüenta a praia do Pina nem a de Can- deias;

Antônio não freqüenta a praia de Maria Farinha;

Duarte não freqüenta a praia de Maria Farinha nem a de Piedade;

Francisco não freqüenta a praia de Candeias.

Nessas condições, considerando que cada um deles fre- qüenta uma única praia, aquele que freqüenta a praia

(A))

de Piedade é Antônio.

(B)

do Pina é Duarte.

(C)

de Boa Viagem é Francisco.

(D)

de Candeias é João.

(E)

de Maria Farinha é Maurício.

15. O esquema abaixo deve ser montado usando-se oito pe- dras de dominó, dispostas horizontal ou verticalmente, de modo a compor uma malha quadriculada 4 × 4.

de modo a compor uma malha quadriculada 4 × 4. Considere que: − as pedras a

Considere que:

as pedras a serem utilizadas são:

4. Considere que: − as pedras a serem utilizadas s ã o: − em cada linha,

em cada linha, coluna ou diagonal a soma dos pontos marcados nas pedras deve ser igual a 15.

Segundo as orientações dadas, ao ser completado o es- quema, a peça que deverá ocupar uma das posições horizontais é

ao ser completado o es- quema, a pe ç a que dever á ocupar uma das

(A)

ao ser completado o es- quema, a pe ç a que dever á ocupar uma das

(B)

ao ser completado o es- quema, a pe ç a que dever á ocupar uma das

(C)

ao ser completado o es- quema, a pe ç a que dever á ocupar uma das

(D))

ao ser completado o es- quema, a pe ç a que dever á ocupar uma das

(E)

4

www.pciconcursos.com.br

PMJAB-Auditor Tributário-A01

MODELO Caderno de Prova, Cargo A01 , Tipo 001

31/07/06 - 16:54

 

DIREITO CIVIL E PENAL

19. Com relação à responsabilidade civil é correto afirmar:

Atenção:

Considere o Código Civil Brasileiro para responder às questões de números 16 a 22.

(A)

Os pais só respondem pelos atos praticados pelos filhos menores que estiverem sob sua autoridade e em sua companhia, se tiver havido culpa de sua parte.

16. Considere as seguintes assertivas a respeito da aquisição da propriedade de bem móvel por Usucapião:

(B)

Aquele que ressarcir o dano causado por outrem po- de reaver o que houver pago daquele por quem pa- gou, inclusive se o causador do dano for descen- dente seu relativamente incapaz.

A responsabilidade civil é independente da criminal, podendo-se questionar sobre a existência do fato e sobre a autoria, inclusive quando estas questões se acharem decididas no juízo criminal.

I.

Aquele que possuir coisa móvel como sua, contínua e incontestadamente durante três anos, com justo título e boa-fé, adquirir-lhe-á a propriedade.

(C)

II.

Se a posse da coisa móvel, com justo título, se pro- longar por quatro anos, produzirá usucapião, inde- pendentemente de boa-fé.

III.

Se a posse da coisa móvel se prolongar por cinco anos, produzirá usucapião, independentemente de título ou boa-fé.

(D)

O direito de exigir reparação civil e a obrigação de prestá-la não se transmite com a herança, em razão da natureza personalíssima inerente ao instituto da responsabilidade civil.

IV.

Para aquisição de bens móveis ao possuidor, em regra, é vedado acrescentar à sua posse a dos seus antecessores visando contar o tempo exigido pela legislação brasileira.

(E)) Havendo usurpação ou esbulho do alheio, além da restituição da coisa, a indenização consistirá em pagar o valor das suas deteriorações e o devido a título de lucros cessantes.

Está correto o que se afirma APENAS em

20. Prescreve em cinco anos a pretensão

(A)

I, II e III. I, II e IV. I e III.

(B)

(A)

dos hospedeiros para o pagamento da hospedagem.

(C))

(B))

do vencedor para haver do vencido o que despen- deu em juízo.

(D)

I, III e IV.

(E)

II e IV.

(C)

do segurado contra o segurador, ou a deste contra aquele.

17. Com relação à cessão de crédito é correto afirmar:

(D)

relativa a aluguéis de prédios urbanos ou rústicos.

(A)

Pode o cessionário exercer os atos conservatórios do direito cedido, desde que haja prévio conheci- mento da cessão pelo devedor.

(E)

de ressarcimento de enriquecimento sem causa.

(B)

Ocorrendo várias cessões do mesmo crédito, preva- lece a última cessão, independentemente de ter ocorrido a tradição do título do crédito cedido.

O devedor não pode opor ao cessionário as exce- ções que, no momento em que veio a ter conheci- mento da cessão, tinha contra o cedente.

21. Com relação às obrigações alternativas é correto afirmar:

(C)

(A)) Se, por culpa do devedor, ambas as prestações se tornarem inexeqüíveis, poderá o credor reclamar o valor de qualquer das duas, além da indenização por perdas e danos.

(B)

(D))

A cláusula proibitiva da cessão de crédito não po- derá ser oposta ao cessionário de boa-fé, se não constar do instrumento da obrigação.

Na cessão por título oneroso, o cedente, exceto quando não se responsabilize, fica responsável ao cessionário pela existência do crédito ao tempo em que lhe cedeu.

 

Nas obrigações alternativas, em regra, a escolha ca- be ao credor, se outra coisa não se estipulou.

(C)

Em regra, pode o devedor obrigar o credor a receber parte em uma prestação e parte em outra, tendo em vista a natureza alternativa da obrigação.

(E)

(D)

Quando a obrigação for de prestações periódicas, a faculdade de opção deverá ser exercida no primeiro período, por expressa determinação legal.

18. A doação

(E)

Se uma das duas prestações não puder ser objeto

(A)

feita em contemplação do merecimento do donatário perde o caráter de liberalidade.

de obrigação ou se tornar inexeqüível, a obrigação se extinguirá como um todo.

(B))

à entidade futura caducará se, em dois anos, esta não estiver constituída regularmente.

22. A coisa recebida em virtude de contrato comutativo pode ser enjeitada por vícios ou defeitos ocultos, que a tornem imprópria ao uso a que é destinada, ou lhe diminuam o valor. Se o alienante não conhecia o vício ou defeito da coisa, restituirá

(C)

do cônjuge adúltero ao seu cúmplice pode ser anu- lada pelo outro cônjuge até cinco anos depois de dissolvida a sociedade conjugal.

(D)

em forma de subvenção periódica ao beneficiado não se extingue morrendo o doador, e poderá ultra- passar a vida do donatário.

(A)

as despesas do contrato com perdas e danos.

(B)

somente o valor recebido.

(C)

somente as despesas do contrato.

(E)

feita ao nascituro é vedada pelo ordenamento jurí- dico brasileiro, em razão da necessidade de aceita- ção da doação pelo donatário.

(D)

o valor recebido com perdas e danos.

(E))

o valor recebido, mais as despesas do contrato.

PMJAB-Auditor Tributário-A01

www.pciconcursos.com.br

5

MODELO Caderno de Prova, Cargo A01 , Tipo 001

31/07/06 - 16:54

23.

O art. 1 o , IV, da Lei n o 8.137/90, dispõe que constitui cri- me contra a ordem tributária suprimir ou reduzir tributo, ou contribuição social e qualquer acessório, mediante a conduta de elaborar, distribuir, fornecer, emitir ou utilizar documento que saiba ou deva saber falso ou inexato. A respeito dessa infração penal, considere a assertivas:

 

DIREITO ADMINISTRATIVO

26.

O

ato administrativo praticado com desvio de competên-

ciaapresenta vício quanto

(A)

à territorialidade.

 

(B)

ao motivo.

 

I.

A elaboração é o processo de formação do docu- mento em seus requisitos materiais, que vai desde o projeto de sua forma e conteúdo, à impressão e acabamento.

(C)

à finalidade.

(D))

ao sujeito.

 

(E)

ao objeto.

27.

São requisitos dos atos administrativos, dentre outros,

A emissão consiste na inclusão dos dados que ex- pressam a operação representada pelo documen- to.

(A)

o tempo e o objeto. a territorialidade e o motivo. a forma e o motivo.

 

II.

(B)

 

(C))

 

(D)

o tempo e a forma.

 

III.

A utilização do documento falso ou inexato só é pu- nível se o agente tiver conhecimento da autoria, ou seja, de quem elaborou ou emitiu o documento.

(E)

o sujeito e a territorialidade.

 

28.

Consoante à teoria dos motivos determinantes, a validade do ato administrativo

 

IV.

A utilização do documento é punível se perpetrada tanto na forma dolosa como na forma culposa.

(A)

independe da indicação de motivos.

 

(B))

fica condicionada à veracidade do motivo apontado pela Administração.

 

Está correto o que se afirma APENAS em

(C)

é automática e presumida, podendo o ato vir a ser motivado após sua expedição.

(A))

I e II.

 

(B)

I, II e IV.

 

(D)

é insuscetível de ser examinado em sede de con- trole externo.

(C)

I, III e IV.

 

(D)

II e III.

 

(E)

é impositiva, de modo a impossibilitar, em qualquer hipótese, a superveniente revogação ou anulação do ato pela Administração.

(E)

III e IV.

 

24.

De acordo com a Lei n o 4.898, de 9 de dezembro de 1965, constitui abuso de autoridade

29.

O poder-dever de a Administração Pública anular seus próprios atos, nas situações cabíveis, decorre do

(A)

levar à prisão quem se proponha a prestar fiança, ainda que não permitida por lei.

(A)

controle externo a que se sujeita a Administração.

 

(B)

atributo da auto-executoriedade dos atos adminis- trativos.

 

(B)

submeter pessoa sob sua guarda ou custódia a constrangimento autorizado por lei.

(C)

atributo da coercibilidade dos atos administrativos.

 

(D))

poder da autotutela.

 

(C))

qualquer atentado aos direitos e garantias assegu- rados ao exercício profissional.

(E)

caráter impositivo dos atos administrativos.

(D)

qualquer atentado à direito de qualquer natureza as- segurado por norma legal ou regulamentar.

30.

A

revogação do ato administrativo

 

(A)

pressupõe ato inválido e tem efeito não-retroativo.

 

(E)

qualquer ato jurídico praticado em detrimento do pa- trimônio de pessoa natural ou jurídica.

(B)

ostenta efeitos retroativos, se decorrente de ato administrativo ilegal ou apenas inconveniente.

25.

Quem dispensa licitação fora das hipóteses previstas em lei comete o crime previsto no art. 89 da Lei n o 8.666, de 21/06/1993, e estará sujeito à pena de detenção, de 3 a 5 anos e multa. Essa multa consiste no pagamento de quan- tia fixada na sentença e calculada em índices percentuais,

(C)

poderá ser promovida pelo Judiciário, mediante provocação do Ministério Público.

(D)

caberá à Administração e tem efeito retroativo.

(E))

decorre da inconveniência e inoportunidade do ato e não desconstitui os efeitos até então gerados.

 

31.

Considere:

 

(A)

cujo montante não poderá exceder ao dobro do valor do contrato celebrado com dispensa de licitação.

que não poderão ser inferiores a 10%, nem superio- res a 20% do valor do contrato celebrado com dis- pensa de licitação.

 

(B)

 

I.

As contas anuais prestadas pelo Chefe do Poder Executivo.

   

II. As contas dos administradores da Administração Indireta.

 

(C)

cujo montante não poderá exceder ao valor do con- trato celebrado com dispensa de licitação.

III.

A legalidade dos atos de admissão de pessoal.

 

O

controle exercido pelo Tribunal de Contas sobre I, II e

 

(D)) cuja base corresponderá ao valor da vantagem efetivamente obtida ou potencialmente auferível pelo agente.

III, respectivamente, possui natureza

(A))

opinativa, decisória e decisória.

 

(B)

decisória, decisória e decisória.

 

(E)

que não poderão ser inferiores a 3 salários mínimos, nem superiores a 30 salários mínimos da época dos fatos.

(C)

opinativa, opinativa e opinativa.

 

(D)

opinativa, opinativa e decisória.

(E)

decisória, decisória e opinativa.

6

PMJAB-Auditor Tributário-A01

www.pciconcursos.com.br

MODELO Caderno de Prova, Cargo A01 , Tipo 001

31/07/06 - 16:54

32. Quanto ao regime jurídico, os bens imóveis públicos são

 

37. A Lei de Responsabilidade Fiscal estabelece que, em relação à Receita Corrente Líquida, o limite de gastos com pessoal,

 

(A)

prescritíveis,

desde

que

a

área

não

ultrapasse

 

2.500 m

2

.

 
 

(B)

prescritíveis, sem restrições.

 

(A)

nos Estados, é de 3% para o Legislativo, 6% para o Judiciário e 51% para o Executivo.

(C))

imprescritíveis.

 

(B)

na União, é de 2% para o Legislativo (incluído o Tribunal de Contas da União), 6% para o Judiciário e 42% para o Executivo.

(D)

prescritíveis, apenas os rurais.

 

(E)

prescritíveis, apenas os urbanos.

 

33. A estrada, a repartição pública e o terreno público sem destinação específica, nessa ordem, classificam-se como bens públicos

(C)

nos Municípios, é de 40% para o Executivo, 10% para o Judiciário e 10% para o Legislativo.

(D)

nos Estados, é de 6% para o Legislativo, 6% para o Judiciário e 48% para o Executivo.

 

(A))

de uso comum, de uso especial e dominical.

 

(E)) nos Municípios, é de 54% para o Executivo e 6% para o Legislativo, já que não há o Poder Judiciário Municipal.

(B)

dominical, de uso comum e de uso especial.

(C)

de uso especial, dominical e de uso comum.

(D)

de uso comum, de uso especial e de uso especial.

   

(E)

dominical, de uso comum e dominical.

 

38. Restos a pagar processados são despesas

 

34. Quanto às modalidades de outorga de uso dos bens públicos, a par de outras características,

(A)

empenhadas e canceladas no mesmo exercício.

 

(B)

empenhadas,

liquidadas

e

pagas

no

mesmo

 

exercício.

 
 

(A)

a permissão corresponde a ato vinculado e precário.

(C)

empenhadas, não-liquidadas e pagas no mesmo exercício.

(B))

a autorização corresponde a ato unilateral, discricio- nário e precário.

 

(D))

empenhadas, liquidadas e não-pagas no mesmo exercício.

 

(C)

a permissão ostenta maior grau de precariedade, em comparação com a autorização.

 

(E)

deixadas de ser empenhadas no exercício.

 
 

(D)

a autorização corresponde a ato vinculado, não- precário.

39. A dívida fundada

 

(E)

a autorização sempre deve ser precedida de licitação.

(A)) abrange compromissos de exigibilidade superior a doze meses, contraídos para atender a desequilíbrio orçamentário.

35.

Em

relação

ao

território

nacional, considere

os

bens

abaixo.

 

I.

Todas as ilhas oceânicas, costeiras e fluviais.

 

(B)

tem autorização para ser contraída na Lei Orça- mentária Anual (LOA).

II.

Todos

os

recursos

minerais,

inclusive

os

do

(C)

integra, entre outros, o Passivo Financeiro.

 
 

subsolo.

 

(D)

compreende os empréstimos de longo prazo, (mais de doze meses) que não exigem autorização legal para serem contraídos.

 

III.

Todos os terrenos de marinha.

 

IV.

Todos

os

lagos

e

rios

situados

em

território

(E)

não precisa de autorização legal para ser contraída.

 

nacional.

 
 

Nos termos da CF/88, são bens da União os que constam em

40. Superávit do orçamento corrente

 

(A)

I, apenas.

 

(A)

é item de receita de capital.

(B)

I, II, III e IV.

 

(B)

não é considerado receita pública.

 

(C)

I e II, apenas. I e III, apenas. II e III, apenas.

(C))

pode

financiar

despesas

de

capital,

mas

não

(D)

(E))

(D)

constitui item de receita orçamentária.

é item das receitas correntes.

 
 

DIREITO FINANCEIRO

 

(E)

é uma das receitas correntes, mas não constitui item da receita pública.

36.

Para entidades de Direito Público, utiliza-se o regime de

   

(A)

competência para a receita e para a despesa.

41. Despesa pública que não necessita de contraprestação em bens e serviços é classificada como

(B))

competência para a despesa e de caixa para a receita.

 

(A)

investimento.

 
 

(C)

caixa ou de competência tanto para a receita como para despesa, dependendo da legislação própria de cada entidade pública.

(B)

inversão financeira.

 
 

(C)

outros serviços e encargos.

 

(D)

caixa para a receita e para a despesa.

 

(D)

despesa de custeio.

(E)

caixa para a despesa e de competência para a receita.

(E))

transferência corrente ou de capital conforme a destinação dos recursos.

PMJAB-Auditor Tributário-A01

www.pciconcursos.com.br

7

MODELO Caderno de Prova, Cargo A01 , Tipo 001

31/07/06 - 16:54

42.

São créditos adicionais especiais os destinados a

 
   

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

 

(A)

reforço de qualquer dotação orçamentária.

 

(B)

despesas urgentes e imprevistas, como calamidades públicas.

despesas para as quais não haja dotação orçamen- tária específica, não necessitando de autorização por lei, devendo, porém, ser abertos por Decreto do Exe- cutivo.

 

DIREITO CONSTITUCIONAL

(C)

46. É previsão constitucional comum ao estado de sítio e ao estado de defesa

 

(A))

o acompanhamento e a fiscalização da execução de suas medidas por Comissão composta por membros do Congresso Nacional.

 

(D)) despesas para as quais não haja dotação orçamen- tária específica, devendo ser autorizados por lei e abertos por Decreto do Executivo.

(B)

necessidade de autorização prévia dos Conselhos da República e de Defesa Nacional para sua decretação.

a

(E)

despesas urgentes e imprevistas, como calamidades

 

públicas, necessitando de autorização por lei, mas dispensando Decreto do Executivo para a abertura.

(C)

submissão do decreto respectivo à ratificação do Congresso Nacional dentro de 24 horas, sob pena de nulidade da decretação.

a

43.

Todas as receitas e despesas constarão da Lei Orça- mentária pelos seus totais, vedadas quaisquer deduções. Trata-se do princípio orçamentário

(D)

possibilidade de restrição relativa à liberdade de locomoção, consistente na obrigação de permanên- cia em localidade determinada.

a

(A)

da Unidade.

 
 

(E)

irresponsabilidade por eventuais ilícitos cometidos pelos respectivos executores ou agentes, diante da excepcionalidade das medidas autorizadas pela Constituição.

a

 

(B))

do Orçamento Bruto e Universalidade.

(C)

do Equilíbrio Orçamentário.

(D)

da Anualidade.

47. Sempre que a falta de norma regulamentadora torne inviá- vel o exercício das prerrogativas inerentes à nacionali- dade, à soberania e à cidadania, conceder-se-á ao in- teressado

(E)

da Não-Afetação de Receitas.

44.

Conforme a Lei n o 4.320/64, o Balanço Patrimonial de- monstrará

(A)) o Ativo Financeiro, o Ativo Permanente, o Passivo Financeiro, o Passivo Permanente, o Saldo Patrimo- nial e as Contas de Compensação.

(A)

ação declaratória de constitucionalidade.

(B)

ação direta de inconstitucionalidade por omissão.

 

(C))

mandado de injunção.

 

(B)

as Receitas e as Despesas Previstas, em confronto com as realizadas.

(D)

mandado de segurança.

(C)

as alterações verificadas no patrimônio, resultantes ou independentes da execução orçamentária.

(E)

ação popular.

(D)

as Receitas e as Despesas Orçamentárias, incluindo recebimentos e pagamentos de natureza extra- orçamentária.

48. Proposta de Emenda à Constituição de iniciativa do Presi- dente da República, versando sobre mudanças no proces- so de elaboração de leis, é aprovada em dois turnos, por três quintos dos membros da Câmara dos Deputados, sendo, no entanto, rejeitada em primeiro turno de votação pelo Senado Federal. Nessa hipótese,

(E)

os Bens, os Valores e as Obrigações que imediata ou indiretamente possam vir a afetar o patrimônio.

45.

No âmbito da Lei de Responsabilidade Fiscal, despesa de caráter continuado é despesa

corrente, cujos efeitos se prolongarão por dois exer-

(A)

(A)

a

proposta deve ser submetida a nova votação no

Senado, pois a Constituição exige votação em dois turnos em cada Casa do Congresso Nacional.

 

cícios ou mais, não necessitando de autorização legal.

(B))

nova proposta de Emenda à Constituição versando sobre a mesma matéria somente poderá ser apre- sentada na sessão legislativa seguinte.

 

(B)

corrente, cujos efeitos se prolongarão por pelo me- nos um exercício, necessitando de lei específica autorizadora.

 

(C)

não mais poderá o Presidente da República exercer

 

sua iniciativa de reforma da Constituição em relação

 

(C)) corrente, cujos efeitos se prolongarão por dois exer- cícios ou mais, necessitando de lei específica autorizadora.

a essa matéria.

 

(D)

a apreciação de eventual nova proposta de Emenda

 

(D)

de capital (obras, por exemplo), cujos efeitos se pro- longarão por pelo menos um exercício, não neces- sitando de lei específica autorizadora.

à Constituição sobre a mesma matéria deverá ser

iniciada obrigatoriamente no Senado.

 

(E)

somente um terço dos membros de uma das Casas do Congresso Nacional terá legitimidade para apresentar nova proposta de Emenda à Constituição sobre a mesma matéria.

 

(E)

de capital (obras, por exemplo), cujos efeitos se pro- longarão por pelo menos dois anos, necessitando de lei específica autorizadora.

8

PMJAB-Auditor Tributário-A01

www.pciconcursos.com.br

MODELO Caderno de Prova, Cargo A01 , Tipo 001

31/07/06 - 16:54

49. Sobre o sistema brasileiro de controle de constitucionali- dade, é INCORRETO afirmar que

52. Considere as afirmações a seguir, sobre a composição do Conselho Nacional de Justiça:

(A)

o veto do Presidente da República a projetos de lei por contrariedade à Constituição é mecanismo de controle político preventivo de constitucionalidade.

I. Seus membros são escolhidos entre brasileiros natos, com mais de 35 e menos de 66 anos, para exercerem mandato de 2 anos, admitida uma re- condução.

(B)

a Constituição atribui competência ao Senado Fede- ral para a suspensão, no todo ou em parte, da execução de lei declarada inconstitucional por decisão definitiva do Supremo Tribunal Federal.

II.

O Conselho será presidido pelo Ministro do Supre- mo Tribunal Federal, que votará em caso de empa- te, ficando excluído da distribuição de processos naquele Tribunal.

(C)

se trata de sistema misto, por conhecer mecanismos de controle político e jurisdicional de constitucio- nalidade e, dentre estes, admitir o controle por via de ação e via de exceção.

III.

Conta com 15 membros, sendo 9 pertencentes aos quadros do Poder Judiciário, 2 integrantes das car- reiras do Ministério Público da União e do Ministério Público estadual, 2 advogados e 2 cidadãos de notável saber jurídico e reputação ilibada.

Seus membros serão nomeados pelo Presidente da República, depois de aprovada a escolha pela maioria absoluta do Congresso Nacional.

(D)) tanto a ação direta de inconstitucionalidade como a ação declaratória de constitucionalidade podem ter por objeto lei ou ato normativo estadual questionado em face da Constituição federal.

IV.

(E)

compete ao Supremo Tribunal Federal, precipua- mente, a guarda da Constituição, o que não exclui, no entanto, a competência dos demais órgãos do Poder Judiciário para conhecer da constitucio- nalidade das leis.

Está correto o que se afirma APENAS em

(A)

I e II. I e III. II e III.

(B)

50. Na hipótese de se descobrirem indícios de que o Presi- dente da República, anos antes de ser eleito e assumir o cargo, teria cometido ato atentatório à vida de outrem, a Constituição prevê que

(C))

(D)

II e IV.

(A)

o Presidente ficará suspenso do exercício de suas funções, após a instauração do processo para apuração de crime de responsabilidade.

cessará o afastamento do Presidente da República se, decorrido o prazo de 120 dias, o julgamento a que for submetido não estiver concluído, sem prejuí- zo do regular prosseguimento do processo.

(E)

III e IV.

(B)

53. Com vistas a prover a execução de lei federal, o Supremo Tribunal Federal dá provimento a representação do Procu- rador-Geral da República, para decretação de intervenção da União em determinado Estado da federação. Na seqüência, o Presidente da República decreta a inter- venção, que se restringe à suspensão da execução do ato objeto de impugnação na referida representação. Nessa hipótese, a decretação da intervenção

(C)

eventual acusação contra o Presidente da República somente poderá ser admitida por dois terços dos membros do Senado Federal, sendo ele submetido a julgamento perante o Supremo Tribunal Federal.

(A))

atende aos requisitos previstos na Constituição Fe- deral para tanto.

(D)

compete privativamente à Câmara dos Deputados processar e julgar o Presidente da República,

(B)

é inconstitucional, por não se tratar de hipótese em

funcionando como Presidente dessa Casa o do Supremo Tribunal Federal.

(E)) não poderá o Presidente da República, na vigência de seu mandato, ser responsabilizado por ato dessa natureza na medida em que é estranho ao exercício de suas funções.

(C)

que a intervenção é decretada a partir de represen- tação do Procurador-Geral da República.

deveria ter sido submetida à apreciação prévia do Congresso Nacional, sendo, por isso, inconstitucional.

(D)

deverá ser apreciada, no prazo de 24 horas, pela Assembléia Legislativa do Estado em questão, sob pena de inconstitucionalidade.

51. De acordo com disposição expressa da Constituição Federal, compete igualmente ao Conselho da República e ao Conselho de Defesa Nacional pronunciar-se sobre

(E)

é inconstitucional, por não se tratar de hipótese autorizativa de decretação de intervenção da União em Estado da federação.

(A)

iniciativas necessárias para garantir a independência nacional.

54. Considerados os critérios de classificação das Constitui- ções segundo sua estabilidade e extensão, a Constituição brasileira vigente é

(B)

declaração de guerra e celebração de paz.

(C)

critérios para a utilização de áreas indisponíveis à segurança do território.

(A)

semi-rígida e histórica.

(B))

rígida e analítica.

(D))

intervenção federal, estado de defesa e estado de sítio.

(C)

flexível e sintética.

(E)

condições de uso de áreas relacionadas com a exploração de quaisquer recursos naturais.

(D)

dogmática e outorgada.

(E)

imutável e promulgada.

PMJAB-Auditor Tributário-A01

www.pciconcursos.com.br

9

MODELO Caderno de Prova, Cargo A01 , Tipo 001

31/07/06 - 16:54

55.

Sobre as atribuições constitucionais dos Municípios na promoção da educação, é INCORRETO afirmar que

58. Um Município do Estado de Pernambuco lançou Taxa de Fiscalização Sanitária em relação a um prédio de propriedade da União Federal, localizado no referido município, onde funciona uma repartição pública federal. Essa taxa é

(A)

os Municípios atuarão prioritariamente no ensino fundamental e na educação infantil, ficando a cargo dos Estados e do Distrito Federal a atuação prioritária no ensino fundamental e médio.

 

(A)

indevida, pois o Município não pode fiscalizar a União Federal.

 

(B)

nos 10 primeiros anos da promulgação da Emenda Constitucional n o 14, de 1996, os Municípios destina- rão não menos de 60% dos recursos vinculados à educação na manutenção e desenvolvimento do ensino fundamental.

(B)

inconstitucional, em face da imunidade tributária da União Federal.

 

(C)

ilegal porque a União Federal é imune de taxas.

 

(D))

válida e a União Federal deve pagá-la, salvo se houver isenção por lei municipal.

 

(C)

na organização de seus sistemas de ensino, os Municípios definirão formas de colaboração com os Estados, de modo a assegurar a universalização do ensino obrigatório.

os Municípios aplicarão, anualmente, no mínimo, 25%, da receita resultante de impostos, compreendi- da a proveniente de transferências, na manutenção do ensino.

(E)

ilegal, porque somente o Estado tem competência para criar taxas.

(D)

59. As resoluções do Senado são consideradas fontes primá- rias do Direito Tributário, porque, dentre outras atribui- ções, poderá estabelecer

 

(A)

as alíquotas máximas e mínimas do imposto sobre serviços de qualquer natureza.

 

(E)) é vedada a destinação de recursos a bolsas de estu- do para o ensino fundamental, na medida em que o Poder Público municipal está obrigado a investir, prioritariamente, na expansão de sua rede.

(B))

as alíquotas do Imposto sobre Circulação de Merca- dorias e Serviços (ICMS) aplicáveis às operações e prestações, interestaduais e de exportação.

(C)

as alíquotas máximas do imposto sobre propriedade de veículos automotores.

 

DIREITO TRIBUTÁRIO

(D)

normas gerais em matéria tributária, definindo tributo

 

e

suas espécies.

 

56.

Sobre discriminação de competências tributárias, é correto afirmar que

(E)

as alíquotas mínimas do Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação de Quaisquer Bens ou Di- reitos (ITCMD).

(A)

a União pode invadir as competências tributárias dos entes políticos, para instituir impostos cumulativos, com fato gerador e base de cálculo já relacionados na Constituição Federal no exercício da competência residual.

60. Em um processo de execução fiscal por tributos não- pagos, promovido contra uma sociedade por quotas de responsabilidade limitada dissolvida, são citados como responsáveis tributários todos os sócios, sendo que apenas um exerceu a gerência. Considerando que a dissolução se deu por gestão desastrosa e ilegal,

(B)

os Estados-membros podem conceder parcela- mento, isenções e anistia de tributos municipais.

 

(A)

responsabilidade pelo tributo não-pago é de todos os sócios pela totalidade da dívida.

a

 

(C))

a União poderá instituir impostos extraordinários, compreendidos ou não em sua competência tri- butária, na iminência ou no caso de guerra externa.

 

(B)

não há qualquer responsabilidade de nenhum dos sócios em face da dissolução da sociedade.

 

(D)

a União e os Estados-membros podem instituir con- tribuição de intervenção no domínio econômico.

(C)

somente o sócio-gerente é responsável, mas pelo valor da sua parte no capital da empresa.

 

(D)

todos os sócios respondem solidariamente, mas até

 

(E)

o

valor da parte de cada um no capital da empresa.

57.

a União pode conceder isenções de caráter geral, em relação aos tributos municipais, distritais e estaduais.

Por ato do Poder Executivo, poderá ser reduzida ou restabelecida a alíquota

(E)) o sócio-gerente é pessoalmente responsável pelos créditos correspondentes a obrigações tributárias resultantes do excesso de poderes ou infração de lei.

(A)

(B)

da contribuição de melhoria, sem observar o princí- pio da anterioridade nonagesimal (noventena).

da contribuição de interesse das categorias profis- sionais ou econômicas, que não obedecerá ao princípio da anterioridade e da legalidade.

61. Para que o adquirente de estabelecimento industrial ou comercial responda integralmente pelos débitos tributários relativos ao fundo de comércio adquirido, é necessário que o

 

(A))

alienante

cesse

de imediato

a

exploração

do

comércio, indústria ou atividade.

 
 

(C)

do imposto sobre a renda, sem observar ao princípio da legalidade.

(B)

contrato de transferência preveja expressamente tal responsabilidade do adquirente.

 

(C)

alienante não detenha patrimônio suficiente para saldar as pendências.

fisco tenha manifestado oposição à transferência do estabelecimento, nos 30 dias seguintes à data da operação.

 

(D)

do imposto sobre propriedade territorial rural, sem observar o princípio da irretroatividade.

(D)

(E))

da contribuição de intervenção no domínio econô- mico sobre combustíveis, sem observar o princípio da anterioridade.

 

(E)

alienante comunique a alienação ao fisco dentro do prazo de 10 dias.

10

PMJAB-Auditor Tributário-A01

www.pciconcursos.com.br

MODELO Caderno de Prova, Cargo A01 , Tipo 001

31/07/06 - 16:54

62. NÃO é matéria reservada à lei complementar a

 

LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA MUNICIPAL

(A)

instituição de empréstimos compulsórios.

66. A Contribuição para o Custeio do Serviço de Iluminação do Município de Jaboatão dos Guararapes será cobrada, tendo por base a quantidade de energia consumida, fixada na fatura,

(B))

instituição de contribuição de melhoria.

(C)

regulação das limitações constitucionais ao poder de tributar.

(A)

trimestralmente, obedecido o princípio da capacidade contributiva de cada contribuinte.

(D)

definição de fato gerador e a de base de cálculo de impostos discriminados na Constituição.

(B))

mensalmente, obedecidos os critérios de faixa de consumo e valores fixados em lei.

(E)

fixação de alíquotas máximas e mínimas do Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS).

(C)

anualmente, obedecidos os critérios de faixa de consumo e valores fixados em Portaria.

(D)

mensalmente, obedecidos os critérios de renda familiar e valores fixados em Decreto.

63. Segundo o Código Tributário Nacional, extingue-se, após 5 anos, o direito da Fazenda Pública constituir o crédito tributário a partir

(E)

semestralmente, obedecido o princípio da capaci- dade econômica e valores fixados em lei.

(A)

da data do fato gerador.

67. O IPTU Imposto sobre Propriedade Predial e Territorial Urbana tem como fato gerador a propriedade, o domínio útil ou a posse de bem

(B)

da data do lançamento efetuado, desde que não tenha havido incorreção do lançamento.

(A)

imóvel ou móvel, por natureza ou acessão física, como definido na lei tributária, localizado na zona urbana ou rural.

(C))

do primeiro dia do exercício seguinte àquele em que

o

lançamento poderia ter sido efetuado.

(B)

imóvel, por natureza ou acessão jurídica, como defi- nido na lei fiscal, localizado somente na zona urbani- zável do Município, independentemente de sua forma, estrutura ou destinação.

(D)

da data do lançamento efetuado, mesmo com incor- reção, ou do primeiro dia após o lançamento, caso seja lançado corretamente.

 

(C)

imóvel ou móvel, por natureza, por acessão física ou por acessão jurídica, como definido na lei tributária, localizado na zona urbana ou urbanizável do Municí- pio, quando a forma, estrutura ou destinação se enquadrarem nos critérios fixados em lei.

(E)

do nascimento da obrigação tributária.

64. Sobre a Dívida Ativa, considere as seguintes afirmações:

I.

(D)

imóvel, por acessão física ou jurídica, como definido na lei civil, localizado na zona urbana, rural ou urba-

II.

A inscrição da Dívida Ativa constitui ato de controle administrativo da legalidade.

A D