Você está na página 1de 4

Reparo da bomba de gasolina da

XT600Z Ténéré

Para a execução destes procedimentos são necessárias


ferramentas adequadas e um mínimo de conhecimentos e experiência
em mecânica,
caso contrário pode-se danificar a bomba.
Portanto, antes de começar o serviço, verifique se poderá realiza-lo você
mesmo
ou encaminhe a um mecânico de confiança.

Este é um problema bastante comum nas Ténéré, tanto que quando comprei
a minha a bomba estava desconectada.

Pesquisando na internet e em outros fóruns descobri que nem na Alemanha,


que é um dos países com mais entusiastas das Ténéré, existe um conjunto
de peças para reparo desta bomba.
O que normalmente a recomenda-se é a retirada dela, com o único prejuízo
de se "perder" alguns litros de capacidade do tanque... e, na opinião deles,
traz as vantagens de a moto não morrer subitamente quando entra na reserva
(ela começa a engasgar, dando tempo de virar a torneirinha antes de
apagar)...
Outro problema que encontrei referência foi o de o diafragma principal furar e
a gasolina fluir para dentro do cilindro, através do tubo de vácuo... e isso faz
uma lambança... então se este diafragma estiver em más condições, não
aconselho o reparo.

Mas, como consegui recupera-la de forma bastante simples resolvi colocar


minha experiência aqui.
O trabalho é artesanal, mas considerando-se que o problema é bastante
simples, creio que vale o esforço.
Espero que seja útil a mais alguém.

Sintoma:

• Quando o nível gasolina chega perto da reserva a moto apaga como


se estivesse sem gasolina;
ATENÇÃO: os mesmos sintomas podem ser provocados por um
carburador sujo, ou até mesmo gasolina com de má qualidade.

Motivo:

• Nas ténéré o fundo do tanque fica abaixo do nível do carburador,


necessitando bombear a gasolina pra cima, isso é feito por uma bomba
que é acionada pelo vácuo do carburador...
Solução de emergência:

• Soprar no suspiro da tampa do tanque para que a pressão force a


gasolina para encher o carburador... Com isso consegue-se rodar
alguns km e ela apagará denovo... torça pra não ter muitos km pela
frente... hehehehe

Teste:

• Na saída da bomba (mangueira que vai pro carburador) coloque uma


mangueira transparente com +- 1 metro, na ponta desta mangueira
coloque uma garrafinha (para coletar a gasolina);
• Eleve esta mangueira acima do nível do tanque;
• Funcione o motor e acelere um pouco. O nível da gasolina deve subir
bem acima do nível do tanque, provavelmente derramar na
garrafinha...
• Se sair muito pouca gasolina, ou o nível não passar muito do nível da
gasolina do tanque, a bomba realmente não tem pressão e necessita
ser reparada.

Sugestão:

• Verificar se a mangueira que liga a bomba ao coletor de admissão não


está rachada, se estiver a bomba não fucionará;
• Retirar ela para ver como está o estado (veja abaixo o procedimento);
• Desmonte e verifique se os diafragmas não estão furados, se
estiverem em bom estado dá pra ter esperança, provavelmente o
problema é apenas nas válvulas;
OBS: não encontrei reparo para esta bomba, só a bomba completa
nova... não lembro o preço, mas era salgado...
• Esta bomba tem 3 válvulas: 2 de fluxo (internas, palhetas circulares
plásticas) e
1 de controle de pressão (na parte superior, com diafragma);
• O problema da minha eram as válvulas de fluxo, verifiquei que as
mesmas não estavam assentando corretamente, elas devem encostar
no assento em toda a volta, se tiver uma folguinha ocorre vazamento e
a bomba fica sem pressão.

Retirada da bomba:

• Retirar a bomba;
• Conectar a mangueira do tanque direto no carburador;
• Vedar o tubo de vácuo que vem do coletor; (ATENÇÃO: É MUITO
IMPORTANTE VEDAR ESTA MANGUEIRA QUE LIGA A BOMBA AO
COLETOR DE ADMISSÃO PARA QUE NÃO PROVOQUE UMA
ENTRADA DE AR FALSA!)
• A capacidade da reserva ficará bem reduzida, para evitar isso, retire as
torneiras do tanque e instale "pescadores" mais longos;

Solução que utilizei:

• Acrescentei uma arruelinha de plástico no centro das palhetas da


válvula, feita de plástico de uma garrafa de água mineral de 5l (verificar
se o material resiste à gasolina!), espessura de +-1 mm. Isto aumenta
a rigidez da palheta e melhora a fixação, já que a presilha é de
borracha.
• Dei uma pequena rebaixada (máx um décimo de mm!) no encosto do
centro da válvula para aumentar a pressão da palheta no assento;
• Lixei a área do assento com uma lixa 600 para melhorar a vedação,
pois ele estava um pouco irregular;

Com isso a bomba voltou a funcionar sem problemas, já estando com mais
de 20.000 km...

Interesses relacionados