Você está na página 1de 16

III - AGRAVO DE INSTRUMENTO 2012.02.01.

003222-6

Nº CNJ : 0003222-61.2012.4.02.0000
RELATOR : DESEMBARGADOR FEDERAL POUL ERIK
DYRLUND
AGRAVANTE : FUNDACAO CESGRANRIO - CENTRO SEL.
CAND. AO ENSINO SUPERIOR DO RJ
ADVOGADO : JULIANA ANDRADE CAIADO E OUTROS
AGRAVADO : DEFENSORIA PUBLICA DA UNIAO
ORIGEM : SÉTIMA VARA FEDERAL DO RIO DE
JANEIRO (201251010032708)

RELATÓRIO
Trata-se de Agravo de Instrumento interposto pela FUNDACAO
CESGRANRIO - CENTRO SEL. CAND. AO ENSINO SUPERIOR DO RJ,
objetivando cassar a decisão proferida pelo Juízo da 7ª Vara Federal – Seção
Judiciária do Rio de Janeiro, assim vertida:

“A DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO ajuizou a


presente AÇÃO CIVIL PÚBLICA, com pedido de
antecipação de tutela, em face da CEF- CAIXA
ECONOMICA FEDERAL e da FUNDAÇÃO CESGRANRIO,
na qual postula a condenação das rés a ampliar o prazo de
inscrição dos candidatos hipossuficientes nos concursos
para TÉCNICO BANCÁRIO NOVO e para ADVOGADO,
ARQUITETO E ENGENHEIRO, regidos respectivamente
pelos Editais no 01/2012/NM e 01/2012/NS, ambos de
16.02.2012.
Aduziu, em síntese, que os editais deferiram, para os
candidatos pagantes, prazo para inscrição entre 27/02/2012
e 13/03/2012 (dezesseis dias). Contudo, os candidatos
hipossuficientes – isentos da taxa de inscrição - tiveram
apenas dois dias para efetuarem suas inscrições, entre 27 e
28/02/2012.
A DPU argumentou que a discrepância entre os prazos
de inscrição para as duas categorias de candidatos afrontou
o princípio da isonomia e o art. 37, I, da Constituição, tudo
em desfavor dos hipossuficientes.
Juntou documentos às fls. 14/76.

1
III - AGRAVO DE INSTRUMENTO 2012.02.01.003222-6

É o relatório. Passo a decidir.


A princípio, cabe razão à DPU.
A discrepância entre os prazos de inscrição para as
duas categorias de candidatos é exagerada, e implica, de
fato, em impedimento de participação no certame para
vários candidatos.
Em outras palavras, a conduta das rés sugere
tratamento preferencial aos candidatos pagantes a fim de
obter renda com a realização do certame, quando o objetivo
ideal de todo concurso público é garantir a seleção dos
melhores candidatos dentre a maior parcela possível da
população.
Essa é a correta interpretação do art. 37, incisos I e II,
da CRFB/88:
Art. 37. A administração pública direta e indireta de
qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito
Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de
legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e
eficiência e, também, ao seguinte:
I - os cargos, empregos e funções públicas são
acessíveis aos brasileiros que preencham os requisitos
estabelecidos em lei, assim como aos estrangeiros, na forma
da lei;
II - a investidura em cargo ou emprego público depende
de aprovação prévia em concurso público de provas ou de
provas e títulos, de acordo com a natureza e a complexidade
do cargo ou emprego, na forma prevista em lei, ressalvadas
as nomeações para cargo em comissão declarado em lei de
livre nomeação e exoneração;
Restringir artificialmente a participação em concurso
público da maior parcela possível de interessados vai de
encontro, na realidade, ao interesse da própria
Administração.
Portanto, o fumus boni juris está presente.
Por outro lado, como o prazo para inscrições se esgota
no dia 13/03/2012, próxima terça-feira, a demora na
providência jurisdicional, ainda que precária, pode causar
dano irreparável, o que configura o periculum in mora.

2
III - AGRAVO DE INSTRUMENTO 2012.02.01.003222-6

ANTE O EXPOSTO, DEFIRO A TUTELA


ANTECIPADA, PARA DETERMINAR QUE AS RÉS
REABRAM O PRAZO PARA INSCRIÇÃO DOS
CANDIDATOS HIPOSSUFICIENTES DOS CONCURSOS
REGULADOS PELOS EDITAIS 01/2012/NM E 01/2012/NS,
AMBOS DE 16.02.2012, MANTENDO-O ABERTO DO DIA
14/03/2012 ATÉ O DIA 31/03/2012, BEM COMO QUE DÊ
PUBLICIDADE À PRESENTE DECISÃO NOS
RESPECTIVOS SITES E NAS INFORMAÇÕES
REFERENTES AO CONCURSO.
As rés deverão divulgar com destaque o novo prazo em
seus sítios eletrônicos, e promover a devida alteração nos
editais, sob pena de fixação de multa diária a ser arbitrada
pelo Juízo, sem prejuízo da extração de cópias para o MPF
para apuração de eventual crime de desobediência e/ou
improbidade administrativa.
Citem-se as rés para que, no prazo legal, apresentem
resposta.
Intime-se, com urgência.”

A Agravante alega, em suma, como causa de pedir:

“Trata-se de Agravo de Instrumento interposto, com


pedido de antecipação de tutela, com o fim de reformar a r.
decisão de fls. 89/90, na qual o MM. Juízo da 7ª Vara Federal
do Rio de Janeiro, deferiu a tutela antecipada requerida na
exordial da Ação Civil Pública, para determinar que a
Agravante, Fundação Cesgranrio, reabra o prazo para
inscrição dos candidatos hipossuficientes dos concursos
públicos para provimento de cargos junto a Caixa
Econômica Federal, regulamentados pelos Editais nº
01/2012/NM e 01/2012/NS, mantendo-o aberto do dia
14/03/2012 até o dia 31/03/2012, dando publicidade da
indigitada decisão na internet.
(...) O fumus boni juris resta incontroverso, eis que a
manutenção da r. decisão agravada afronta aos princípios
da Vinculação ao Edital do Concurso Público, da
proporcionalidade, da legalidade e, sobretudo, ao da

3
III - AGRAVO DE INSTRUMENTO 2012.02.01.003222-6

igualdade, todos contidos intrínseca ou extrinsecamente na


Carta Maior.
Destarte, nos termos art. 37, caput e incisos II e IV, da
Constituição da República, vislumbra-se que a
Administração Pública deve obedecer aos princípios da
legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e
eficiência, a obrigatoriedade de realização de concurso
público para investidura em cargos públicos, bem como a
vinculação obrigatória do concurso público aos termos do
Edital.
Isto porque, no que tange ao concurso para provimento
de cargos de nível superior, até a presente data, na qual, a
partir das 23hs e 59 min, se encerrram as inscrições, já
restaram computados aproximadamente 83.189 (oitenta e
três mil e cento e oitenta e nove) requerimentos de inscrição.
Já em relação ao concurso público para provimento de
cargos de nível médio, até esta data, já contabilizam
aproximadamente, 1.482.770 (um milhão, quatrocentos e
oitenta e dois mil e setecentos e setenta) requerimentos de
inscrição, em âmbito nacional, visto que as inscrições se
encerram às 00h do dia de hoje, 13/03/2012.
Quanto ao ponto nodal apreciado na r. decisão
guerreada, importa destacar que no prazo determinado para
inscrição dos candidatos que se enquadram nas condições de
hipossuficiência, elencado entre os dias 27 e 28/02/2012,
foram recebidos exatos 87.821 (oitenta e sete mil e oitocentos
e vinte um) pedidos de isenção, sendo destes 32.304 pedidos
foram indeferidos, por não atenderem as normas
estabelecidas nos editais e na legislação vigente.
(...) Pode-se verificar, permissa venia, que, ao contrário
do entendimento colacionado pelo MM. Juízo a quo, existe
um receio de dano irreparável e de difícil reparação, assim
como o perigo de irreversibilidade para os candidatos que já
estão inscritos no certame, que contabilizam mais de 2 (dois)
milhões, que certamente já programaram sua preparação e
estudos para o certame, seja mediante contratação de cursos
preparatórios ou outros meios por estes adotados, certos do
cumprimento dos prazos estabelecidos no Edital,

4
III - AGRAVO DE INSTRUMENTO 2012.02.01.003222-6

especialmente para realização das provas, a saber,


15/04/2012 e 22/04/2012.
Ora Eméritos Julgadores, acaso mantida a r. decisão
interlocutória em comento, seus efeitos transcenderão esta
Agravante, atingindo diretamente os interesses jurídicos de
todos os candidatos já inscritos no certame, sendo este uma
imperiosa razão que ampara o pleito liminar deste arrazoado
recursal.
(...) Noutro giro, deixou de ser considerado pelo MM.
Juízo a quo toda logística previamente necessária e
planejada pela Agravante para realização do certame. In
casu, a Agravante já contratou a locação de prédios onde
serão realizadas as provas, contratou o transporte e a
hospedagem das equipes dirigentes, bem como já contratou
os aplicadores das provas e toda a infraestrutura necessária
à realização do certame. Logo, a maior parte destes
contratos não poderá ter sua execução postergada, causando
vultosos prejuízos financeiros para a Fundação Cesgranrio,
que perderá o numerário já compromissado, além de ter que
realocar todos os possíveis candidatos que conseguirão a
isenção de taxa, não havendo tempo hábil nem locais
disponíveis para tal fim, para o cumprimento da r. decisão.
(...) Conforme já salientado, é de imperiosa relevância
considerar que, de acordo, com as regras para concessão da
isenção do pagamento da taxa de inscrição a cada 1 (um) dia
prorrogado para nova inscrição faz-se necessário refazer
toda mecânica/logística adotada anteriormente,
necessitando, dessa forma, de no mínimo outros 15 (quinze)
dias para análise dos novos pedidos.
Em remate, a Constituição da República, prevê em seu
art. 5º, caput, o princípio da igualdade de todos perante a lei,
contudo, é sabido que a exegese deste princípio fundamental
é “tratar os iguais de forma igual e os desiguais de forma
desigual”. Logo, se há uma série de requisitos
indispensáveis, por força de lei, para colhimento e
deferimento dos pedidos de isenção de taxa de inscrição num
certame, certo é que por todo o procedimento que será
necessário e pela desproporcionalidade no número de

5
III - AGRAVO DE INSTRUMENTO 2012.02.01.003222-6

candidatos que atendem a tais requisitos, cabe a


Administração Pública, munida da discricionariedade que
lhe é peculiar, estabelecer um prazo, não necessariamente
igual aos demais, para inscrição desta parcela especial de
candidatos, sob pena de ferir ao livre acesso aos concursos,
também previstos na Carta Maior.
(...) Pelo exposto requer a Vossa Excelência:
Seja concedida antecipação de tutela recursal ex vi
artigo 527, III e 558, ambos do CPC, para que sejam
cassados os efeitos da r. decisão interlocutória de fls. 89/90,
mantendo-se os efeitos dos Editais já publicados (Edital nº
01/2012/NM e Edital nº 01/2012/NS), bem como de ambos os
concursos públicos em comento;
(...) Por fim, requer seja confirmada a antecipação da
tutela recursal deferida, para reformar a r. decisão de fls.
89/90 e possibilitar o prosseguimento do certame, na forma
já estabelecidas nos Editais – Edital nº 01/2012/NM e Edital
nº 01/2012/NS, por questão de direito e justiça.”
Decisão às fls.129/133, indeferindo a liminar.
Informações à fls. 140/141.
Contrarazões às fls. 143/149.
Às fls. 152/153verso, o Ministério Público Federal ofereceu parecer,
opinando pelo improvimento do agravo do instrumento.
É o relatório.
POUL ERIK DYRLUND
Relator

VOTO
Peço licença para transcrever decisão desta Relatoria:

“Trata-se de Agravo de Instrumento interposto pela


FUNDAÇÃO CESGRANRIO – CENTRO DE SELEÇÃO DE
CANDIDATOS AO ENSINO SUPERIOR DO RIO DE JANEIRO
em face da DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO, objetivando
cassar a decisão proferida pelo Juízo da 07a Vara Federal – Seção
Judiciária do Rio de Janeiro, assim vertida:

6
III - AGRAVO DE INSTRUMENTO 2012.02.01.003222-6

“A DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO ajuizou a


presente AÇÃO CIVIL PÚBLICA, com pedido de
antecipação de tutela, em face da CEF- CAIXA
ECONOMICA FEDERAL e da FUNDAÇÃO CESGRANRIO,
na qual postula a condenação das rés a ampliar o prazo de
inscrição dos candidatos hipossuficientes nos concursos
para TÉCNICO BANCÁRIO NOVO e para ADVOGADO,
ARQUITETO E ENGENHEIRO, regidos respectivamente
pelos Editais no 01/2012/NM e 01/2012/NS, ambos de
16.02.2012.
Aduziu, em síntese, que os editais deferiram, para os
candidatos pagantes, prazo para inscrição entre 27/02/2012
e 13/03/2012 (dezesseis dias). Contudo, os candidatos
hipossuficientes – isentos da taxa de inscrição - tiveram
apenas dois dias para efetuarem suas inscrições, entre 27 e
28/02/2012.
A DPU argumentou que a discrepância entre os prazos
de inscrição para as duas categorias de candidatos afrontou
o princípio da isonomia e o art. 37, I, da Constituição, tudo
em desfavor dos hipossuficientes.
Juntou documentos às fls. 14/76.
É o relatório. Passo a decidir.
A princípio, cabe razão à DPU.
A discrepância entre os prazos de inscrição para as
duas categorias de candidatos é exagerada, e implica, de
fato, em impedimento de participação no certame para
vários candidatos.
Em outras palavras, a conduta das rés sugere
tratamento preferencial aos candidatos pagantes a fim de
obter renda com a realização do certame, quando o objetivo
ideal de todo concurso público é garantir a seleção dos
melhores candidatos dentre a maior parcela possível da
população.
Essa é a correta interpretação do art. 37, incisos I e II,
da CRFB/88:
Art. 37. A administração pública direta e indireta de
qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito
Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de

7
III - AGRAVO DE INSTRUMENTO 2012.02.01.003222-6

legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e


eficiência e, também, ao seguinte:
I - os cargos, empregos e funções públicas são
acessíveis aos brasileiros que preencham os requisitos
estabelecidos em lei, assim como aos estrangeiros, na forma
da lei;
II - a investidura em cargo ou emprego público depende
de aprovação prévia em concurso público de provas ou de
provas e títulos, de acordo com a natureza e a complexidade
do cargo ou emprego, na forma prevista em lei, ressalvadas
as nomeações para cargo em comissão declarado em lei de
livre nomeação e exoneração;
Restringir artificialmente a participação em concurso
público da maior parcela possível de interessados vai de
encontro, na realidade, ao interesse da própria
Administração.
Portanto, o fumus boni juris está presente.
Por outro lado, como o prazo para inscrições se esgota
no dia 13/03/2012, próxima terça-feira, a demora na
providência jurisdicional, ainda que precária, pode causar
dano irreparável, o que configura o periculum in mora.
ANTE O EXPOSTO, DEFIRO A TUTELA
ANTECIPADA, PARA DETERMINAR QUE AS RÉS
REABRAM O PRAZO PARA INSCRIÇÃO DOS
CANDIDATOS HIPOSSUFICIENTES DOS CONCURSOS
REGULADOS PELOS EDITAIS 01/2012/NM E 01/2012/NS,
AMBOS DE 16.02.2012, MANTENDO-O ABERTO DO DIA
14/03/2012 ATÉ O DIA 31/03/2012, BEM COMO QUE DÊ
PUBLICIDADE À PRESENTE DECISÃO NOS
RESPECTIVOS SITES E NAS INFORMAÇÕES
REFERENTES AO CONCURSO.
As rés deverão divulgar com destaque o novo prazo em
seus sítios eletrônicos, e promover a devida alteração nos
editais, sob pena de fixação de multa diária a ser arbitrada
pelo Juízo, sem prejuízo da extração de cópias para o MPF
para apuração de eventual crime de desobediência e/ou
improbidade administrativa.

8
III - AGRAVO DE INSTRUMENTO 2012.02.01.003222-6

Citem-se as rés para que, no prazo legal, apresentem


resposta.
Intime-se, com urgência.”

A Agravante alega, em suma, como causa de pedir:

“Trata-se de Agravo de Instrumento interposto, com


pedido de antecipação de tutela, com o fim de reformar a r.
decisão de fls. 89/90, na qual o MM. Juízo da 7ª Vara Federal
do Rio de Janeiro, deferiu a tutela antecipada requerida na
exordial da Ação Civil Pública, para determinar que a
Agravante, Fundação Cesgranrio, reabra o prazo para
inscrição dos candidatos hipossuficientes dos concursos
públicos para provimento de cargos junto a Caixa
Econômica Federal, regulamentados pelos Editais nº
01/2012/NM e 01/2012/NS, mantendo-o aberto do dia
14/03/2012 até o dia 31/03/2012, dando publicidade da
indigitada decisão na internet.
(...) O fumus boni juris resta incontroverso, eis que
a manutenção da r. decisão agravada afronta aos
princípios da Vinculação ao Edital do Concurso
Público, da proporcionalidade, da legalidade e,
sobretudo, ao da igualdade, todos contidos intrínseca
ou extrinsecamente na Carta Maior.
Destarte, nos termos art. 37, caput e incisos II e IV,
da Constituição da República, vislumbra-se que a
Administração Pública deve obedecer aos princípios da
legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e
eficiência, a obrigatoriedade de realização de concurso
público para investidura em cargos públicos, bem como
a vinculação obrigatória do concurso público aos
termos do Edital.
Isto porque, no que tange ao concurso para
provimento de cargos de nível superior, até a presente
data, na qual, a partir das 23hs e 59 min, se encerrram
as inscrições, já restaram computados
aproximadamente 83.189 (oitenta e três mil e cento e
oitenta e nove) requerimentos de inscrição.

9
III - AGRAVO DE INSTRUMENTO 2012.02.01.003222-6

Já em relação ao concurso público para


provimento de cargos de nível médio, até esta data, já
contabilizam aproximadamente, 1.482.770 (um milhão,
quatrocentos e oitenta e dois mil e setecentos e setenta)
requerimentos de inscrição, em âmbito nacional, visto
que as inscrições se encerram às 00h do dia de hoje,
13/03/2012.
Quanto ao ponto nodal apreciado na r. decisão
guerreada, importa destacar que no prazo determinado
para inscrição dos candidatos que se enquadram nas
condições de hipossuficiência, elencado entre os dias 27
e 28/02/2012, foram recebidos exatos 87.821 (oitenta e
sete mil e oitocentos e vinte um) pedidos de isenção,
sendo destes 32.304 pedidos foram indeferidos, por não
atenderem as normas estabelecidas nos editais e na
legislação vigente.
(...) Pode-se verificar, permissa venia, que, ao
contrário do entendimento colacionado pelo MM. Juízo
a quo, existe um receio de dano irreparável e de difícil
reparação, assim como o perigo de irreversibilidade
para os candidatos que já estão inscritos no certame,
que contabilizam mais de 2 (dois) milhões, que
certamente já programaram sua preparação e estudos
para o certame, seja mediante contratação de cursos
preparatórios ou outros meios por estes adotados,
certos do cumprimento dos prazos estabelecidos no
Edital, especialmente para realização das provas, a
saber, 15/04/2012 e 22/04/2012.
Ora Eméritos Julgadores, acaso mantida a r.
decisão interlocutória em comento, seus efeitos
transcenderão esta Agravante, atingindo diretamente os
interesses jurídicos de todos os candidatos já inscritos
no certame, sendo este uma imperiosa razão que
ampara o pleito liminar deste arrazoado recursal.
(...) Noutro giro, deixou de ser considerado pelo
MM. Juízo a quo toda logística previamente necessária
e planejada pela Agravante para realização do certame.
In casu, a Agravante já contratou a locação de prédios

10
III - AGRAVO DE INSTRUMENTO 2012.02.01.003222-6

onde serão realizadas as provas, contratou o transporte


e a hospedagem das equipes dirigentes, bem como já
contratou os aplicadores das provas e toda a
infraestrutura necessária à realização do certame.
Logo, a maior parte destes contratos não poderá ter sua
execução postergada, causando vultosos prejuízos
financeiros para a Fundação Cesgranrio, que perderá
o numerário já compromissado, além de ter que
realocar todos os possíveis candidatos que conseguirão
a isenção de taxa, não havendo tempo hábil nem locais
disponíveis para tal fim, para o cumprimento da r.
decisão.
(...) Conforme já salientado, é de imperiosa
relevância considerar que, de acordo, com as regras
para concessão da isenção do pagamento da taxa de
inscrição a cada 1 (um) dia prorrogado para nova
inscrição faz-se necessário refazer toda
mecânica/logística adotada anteriormente,
necessitando, dessa forma, de no mínimo outros 15
(quinze) dias para análise dos novos pedidos.
Em remate, a Constituição da República, prevê em
seu art. 5º, caput, o princípio da igualdade de todos
perante a lei, contudo, é sabido que a exegese deste
princípio fundamental é “tratar os iguais de forma igual
e os desiguais de forma desigual”. Logo, se há uma
série de requisitos indispensáveis, por força de lei, para
colhimento e deferimento dos pedidos de isenção de
taxa de inscrição num certame, certo é que por todo o
procedimento que será necessário e pela
desproporcionalidade no número de candidatos que
atendem a tais requisitos, cabe a Administração
Pública, munida da discricionariedade que lhe é
peculiar, estabelecer um prazo, não necessariamente
igual aos demais, para inscrição desta parcela especial
de candidatos, sob pena de ferir ao livre acesso aos
concursos, também previstos na Carta Maior.
(...) Pelo exposto requer a Vossa Excelência:

11
III - AGRAVO DE INSTRUMENTO 2012.02.01.003222-6

Seja concedida antecipação de tutela recursal ex


vi artigo 527, III e 558, ambos do CPC, para que sejam
cassados os efeitos da r. decisão interlocutória de fls.
89/90, mantendo-se os efeitos dos Editais já publicados
(Edital nº 01/2012/NM e Edital nº 01/2012/NS), bem
como de ambos os concursos públicos em comento;
(...) Por fim, requer seja confirmada a antecipação
da tutela recursal deferida, para reformar a r. decisão
de fls. 89/90 e possibilitar o prosseguimento do certame,
na forma já estabelecidas nos Editais – Edital nº
01/2012/NM e Edital nº 01/2012/NS, por questão de
direito e justiça.”

Analisando os autos, entendo ausentes os requisitos


peculiares para a concessão de tutela antecipada recursal, que
possui o requisito do “convencimento de verossimilhança” que é
mais rigoroso do que o do fumus boni juris (STF, Pet 2644, DJ
10/05/02), especialmente a teor da fundamentação da decisão
objurgada, que incorporo à presente.
Por derradeiro, comungo do entendimento, reiteradamente,
adotado por esta Egrégia Corte, de que o deferimento da medida
pleiteada se insere no poder geral de cautela do juiz que, à vista
dos elementos constantes do processo que, pode melhor avaliar a
presença dos requisitos necessários à concessão; e,
consequentemente, que a liminar, em casos como o ora em exame,
só é acolhível quando o juiz dá à lei uma interpretação
teratológica, fora da razoabilidade jurídica, ou quando o ato se
apresenta manifestamente abusivo, o que inocorre, na hipótese; o
que deságua no indeferimento da liminar.
Solicitem-se informações ao Juízo a quo.
Intime-se a parte Agravada, nos termos do artigo 527, V, do
CPC.
Após, ao MPF.

O Ministério Público Federal, perante esta Corte Regional, ofereceu


parecer (fls. 152/153verso):

12
III - AGRAVO DE INSTRUMENTO 2012.02.01.003222-6

“Trata-se de Agravo de Instrumento interposto contra


decisão que deferiu a antecipação de tutela em ação civil pública
proposta pela Defensoria Pública da União em face da Caixa
Econômica Federal e da Fundação CESGRANRIO, com o
objetivo de prorrogar o prazo para pedidos de isenção de taxa de
inscrição em concurso público.
A Agravante alega, em síntese: (i) que o prazo de dois dias
para inscrição dos candidatos hipossuficientes seria razoável; (ii)
que em razão deste prazo foi solicitada a inscrição de um número
considerável de isentos, pois o concurso teve ampla divulgação e
(iii) que a prorrogação das inscrições geraria um prejuízo
irreparável, pois iria alterar o cronograma do concurso.
A Defensoria Pública da União ofereceu contrarrazões às
fls. 143/149.
É o relatório. Passa-se a opinar.
A decisão não merece reforma.
Em primeiro lugar, tem razão da Defensoria ao alegar que
houve perda superveniente do objeto.
Isto porque após a interposição do Agravo, foi apresentado
pedido de reconsideração, que foi deferido pelo Juízo a quo. Em
um primeiro momento, reduzindo a prorrogação até o dia
20/03/2012 e, em seguida, após reiteração da Agravante, até o dia
18/03/12. A Defensoria alega, inclusive, que a Agravante teria
afirmado, ao requerer a reconsideração, que caso a prorrogação
fosse deferida até o dia 18/03/12, não haveria prejuízo ao
cronograma. Embora a Defensoria não faça prova desta
alegação, o fato é que o concurso já foi realizado e não há notícia
de atrasos, conforme se observa no site da Fundação Cesgranrio.
Deste modo, entende-se que com o deferimento do pedido de
reconsideração a decisão agravada foi superada, tendo o Juízo
substituído uma cognição superficial por outra, igualmente
sumária, mas um pouco mais profunda, pois baseada nos
elementos trazidos aos autos pela parte ré. Contra esta decisão
não houve interposição de recurso, nem reiteração deste Agravo
pela recorrente.
Além disso, o próprio fato do concurso já ter encerrado todas
as suas fases sem qualquer atraso reforça a conclusão de que
houve perda superveniente do objeto.

13
III - AGRAVO DE INSTRUMENTO 2012.02.01.003222-6

No mérito, não assiste razão à Agravante.


Não há qualquer justificativa razoável para que o prazo de
inscrição dos candidatos hipossuficientes seja tão curto (dois dias
apenas), comparado com o prazo de inscrição dos pagantes
(dezesseis dias).
A Agravante alega que o prazo foi estabelecido em benefício
dos hipossuficientes, pois permitiria que a inscrição fosse paga
caso a isenção fosse indeferida. Esta alegação não se sustenta,
pois havia outras formas de oportunizar aos candidatos
hipossuficientes o pagamento da taxa de inscrição sem que fosse
violada a isonomia na fixação dos prazos. Bastaria que o prazo
para pedido de isenção fosse aberto antes dos prazos de inscrição,
como, aliás, se faz em inúmeros concursos. Deste modo, conclui-
se que a medida (encurtamento do período de requerimento de
isenção) era desnecessária para alcançar os fins propostos.
Além disso, houve uma violação chapada do princípio da
isonomia. É notório que os candidatos hipossuficientes já são
prejudicados no que tange à publicidade dos concursos, pois
atualmente quase todas as fases - da divulgação à retirada do
cartão de confirmação - são realizadas pela internei e muitos
destes candidatos têm dificuldades econômicas e/ou técnicas de
acesso. Assim, se havia um grupo de candidatos que, deveria ser
privilegiado, com o oferecimento de um prazo maior, era o dos
hipossuficientes economicamente.
No caso, ocorreu justamente o contrário. Esses foram os
candidatos mais prejudicados, que teriam - de acordo com o edital
– apenas dois dias para se inscreverem, oito vezes menos do que
os candidatos pagantes.
Por fim, registre-se que o concurso já foi todo realizado
dentro do cronograma e que no momento falta apenas a
divulgação dos resultados, marcada para ocorrer na segunda-
feira, dia 09/07/2012. A reabertura do prazo de requerimento de
isenção não trouxe nenhum prejuízo para á Agravante. Por outro
lado, a revogação da liminar traria prejuízos imensuráveis aos
eventuais candidatos inscritos no período de prorrogação e que
tenham sido. Aprovados no concurso. Prejudicaria até mesmo a
Administração Pública, que deixaria de ter um candidato melhor

14
III - AGRAVO DE INSTRUMENTO 2012.02.01.003222-6

preparado em seus quadros, sem qualquer justificativa plausível,


considerando que já houve o encerramento do concurso.
Pelo exposto, o Ministério Público Federal opina pelo
improvimento do recurso, mantendo-se intacta a decisão
agravada.”

Correto o parecer.
Adoto-o, como razão de decidir, a par da ponderação da decisão de piso,
o que conduz, como corolário, ao não trânsito da irresignação.
Ante o exposto, desprovejo o recurso.
É como voto.
POUL ERIK DYRLUND
Relator

EMENTA
AGRAVO DE INSTRUMENTO. AÇÃO CIVIL PÚBLICA.
PRORROGAÇÃO DE PRAZO PARA PEDIDOS DE ISENÇÃO DE TAXA
DE INSCRIÇÃO EM CONCURSO PÚBLICO. TUTELA ANTECIPADA
DEFERIDA. REABERTURA DE PRAZO. DECISÃO MANTIDA.
-Trata-se de Agravo de Instrumento interposto pela, Fundação
Cesgranrio, objetivando cassar decisão que deferiu antecipação de tutela em
ação pública, ajuizada pela Defensoria Pública da União, em face da CEF, e
da Fundação Cesgranrio, objetivando prorrogar o prazo para pedidos de
isenção de taxa de inscrição em concurso público.
-Não há qualquer justificativa razoável para que o prazo de inscrição
dos candidatos hipossuficientes seja tão curto (dois dias apenas), comparado
com ó prazo de inscrição dos pagantes (dezesseis dias).
-A Agravante alega que o prazo foi estabelecido em benefício dos
hipossuficientes, pois permitiria que a inscrição fosse paga caso a isenção
fosse indeferida. Esta alegação não se sustenta, pois havia outras formas de
oportunizar aos candidatos hipossuficientes o pagamento da taxa de
inscrição sem que fosse violada a isonomia na fixação dos prazos. Bastaria
que o prazo para pedido de isenção fosse aberto antes dos prazos de
inscrição, como, aliás, se faz em inúmeros concursos. Deste modo, conclui-
se que a medida {encurtamento do período de requerimento de isenção) era
desnecessária para alcançar os fins propostos.
-Além disso, houve uma violação chapada do princípio da isonomia. E
notório que os candidatos hipossuficientes já são prejudicados no que tange

15
III - AGRAVO DE INSTRUMENTO 2012.02.01.003222-6

à publicidade dos concursos, pois atualmente quase todas as fases - da


divulgação à retirada do cartão de confirmação - são realizadas pela internet
e muitos destes candidatos têm dificuldades econômicas e/ou técnicas de
acesso. Assim, se havia um grupo de candidatos que deveria ser privilegiado,
com o oferecimento de um prazo maior, era o dos hipossuficientes
economicamente.
-No caso, ocorreu justamente o contrário. Esses foram os candidatos
mais prejudicados, que teriam - de acordo com o edital – apenas dois dias
para se inscreverem, oito vezes menos do que os candidatos pagantes.
-Por fim, registre-se que o concurso já foi todo realizado dentro do
cronograma e que no momento falta apenas a divulgação dos resultados,
marcada para ocorrer na segunda-feira, dia 09/07/2012. A reabertura do
prazo de requerimento de isenção não trouxe nenhum prejuízo para a
Agravante. Por outro lado, a revogação da liminar traria prejuízos
imensuráveis aos eventuais candidatos inscritos no período de prorrogação e
que tenham sido aprovados no concurso. Prejudicaria até mesmo a
Administração Pública, que deixaria de ter um candidato melhor preparado
em seus quadros, sem qualquer justificativa plausível, considerando que já
houve o encerramento do concurso.
-Agravo de Instrumento desprovido.

ACÓRDÃO
Vistos e relatados os presentes autos em que são partes as acima
indicadas, acordam os Membros da Oitava Turma Especializada do Tribunal
Regional Federal da 2ª Região, à unanimidade, negou provimento ao recurso,
nos termos do voto do Relator, que fica fazendo parte integrante do presente
julgado.
Rio de Janeiro, 26/09/2012.
POUL ERIK DYRLUND
Relator

16