Você está na página 1de 17

PROF.

LÉO - MATERIAL DE SOCIOLOGIA


PROF. LÉO - MATERIAL DE SOCIOLOGIA
PROF. LÉO - MATERIAL DE SOCIOLOGIA
PROF. LÉO - MATERIAL DE SOCIOLOGIA
PROF. LÉO - MATERIAL DE SOCIOLOGIA
PROF. LÉO - MATERIAL DE SOCIOLOGIA
PROF. LÉO - MATERIAL DE SOCIOLOGIA
PROF. LÉO - MATERIAL DE SOCIOLOGIA
PROF. LÉO - MATERIAL DE SOCIOLOGIA
PROF. LÉO - MATERIAL DE SOCIOLOGIA
PROF. LÉO - MATERIAL DE SOCIOLOGIA
PROF. LÉO - MATERIAL DE SOCIOLOGIA
PROF. LÉO - MATERIAL DE SOCIOLOGIA

Questões

ENEM 2015 - Questão 20


Thomas Hobbes natureza humana
A natureza fez os homens tão iguais, quanto às faculdades do corpo e do espírito, que,
embora por vezes se encontre um homem manifestamente mais forte de corpo, ou de
espírito mais vivo do que outro, mesmo assim, quando se considera tudo isto em
conjunto, a diferença entre um e outro homem não é suficientemente considerável para
que um deles possa com base nela reclamar algum benefício a que outro não possa
igualmente aspirar.

HOBBES, T. Leviatã. São Paulo Martins Fontes, 2003.

Para Hobbes, antes da constituição da sociedade civil, quando dois homens desejavam o
mesmo objeto, eles
a) Entravam em conflito.
b) Recorriam aos clérigos.
c) Consultavam os anciãos.
d) Apelavam aos governantes.
PROF. LÉO - MATERIAL DE SOCIOLOGIA

e) Exerciam a solidariedade.

ENEM 2001:
Contexto
I – Para o filósofo inglês Thomas Hobbes (1588-1679), o estado de natureza é um
estado de guerra universal e perpétua. Contraposto ao estado de natureza, entendido
como estado de guerra, o estado de paz é a sociedade civilizada.

Dentre outras tendências que dialogam com as ideias de Hobbes, destaca-se a definida
pelo texto abaixo.

II – Nem todas as guerras são injustas e correlativamente, nem toda paz é justa, razão
pela qual a guerra nem sempre é um desvalor, e a paz nem sempre um valor. BOBBIO,
N. MATTEUCCI, N PASQUINO, G. Dicionário de Política, 5ª ed. Brasília:
Universidade de Brasília; São Paulo: Imprensa Oficial do Estado, 2000)

Questão 30: Comparando as ideias de Hobbes (texto I) com a tendência citada no texto
II, pode-se afirmar que:
a) Em ambos, a guerra é entendida como inevitável e injusta.
b) Para Hobbes, a paz é inerente à civilização e, segundo o texto II, ela não é um valor
absoluto.
c) De acordo com Hobbes, a guerra é um valor absoluto e, segundo o texto II, a paz é
sempre melhor que a guerra.
d) Em ambos, a guerra ou a paz são boas quando o fim é justo.
e) Para Hobbes, a paz liga-se à natureza e, de acordo com o texto II, à civilização.

Resposta: Letra B
Habilidade: Comparar diferentes pontos de vista, presentes em textos analíticos e
interpretativos, sobre situação ou fatos de natureza histórico-geográfica acerca das
instituições sociais, políticas e econômicas.

(UEL – 2003) “Sabemos que Hobbes é um contratualista, quer dizer, um daqueles


filósofos que, entre o século XVI e o XVIII (basicamente), afirmaram que a origem do
Estado e/ou da sociedade está num contrato: os homens viveriam, naturalmente, sem
poder e sem organização – que somente surgiriam depois de um pacto firmado por eles,
estabelecendo as regras de comércio social e de subordinação política.” (RIBEIRO,
PROF. LÉO - MATERIAL DE SOCIOLOGIA

Renato Janine. Hobbes: o medo e a esperança. In: WEFFORT, Francisco. Os clássicos


da política. São Paulo: Ática, 2000. p. 53.)
Com base no texto, que se refere ao contratualismo de Hobbes, considere as seguintes
afirmativas:
I. A soberania decorrente do contrato é absoluta.
II. A noção de estado de natureza é imprescindível para essa teoria.
III. O contrato ocorre por meio da passagem do estado social para o estado político.
IV. O cumprimento do contrato independe da subordinação política dos indivíduos.
Quais das afirmativas representam o pensamento de Hobbes?
a) Apenas as afirmativas I e II.
b) Apenas as afirmativas I e III.
c) Apenas as afirmativas II e III.
d) Apenas as afirmativas II e IV.
e) Apenas as afirmativas III e IV.

2- (UEL – 2003) “A liberdade natural do homem deve estar livre de qualquer poder
superior na terra e não depender da vontade ou da autoridade legislativa do homem,
desconhecendo outra regra além da lei da natureza. A liberdade do homem na sociedade
não deve estar edificada sob qualquer poder legislativo exceto aquele estabelecido por
consentimento na comunidade civil...”
(LOCKE, John. Segundo Tratado sobre o governo civil. Trad. de Magda Lopes e Marisa
Lobo da Costa. Petrópolis, RJ:Vozes, 1994. p. 95.)
Com base no texto e nos conhecimentos sobre o tema da liberdade em Locke, considere
as seguintes afirmativas:
I. No estado civil as pessoas são livres porque inexiste qualquer regra que limite sua
ação.
II. No estado pré-civil a liberdade das pessoas está limitada pela lei da natureza.
III. No estado civil a liberdade das pessoas edifica-se nas leis estabelecidas pelo
conjunto dos membros dessa sociedade.
IV. No estado pré-civil a liberdade das pessoas submete-se às leis estabelecidas pelos
cidadãos.
Quais das afirmativas representam o pensamento de Locke sobre liberdade?
a) Apenas as afirmativas I e II.
b) Apenas as afirmativas I e IV.
PROF. LÉO - MATERIAL DE SOCIOLOGIA

c) Apenas as afirmativas II e III.


d) Apenas as afirmativas II e IV.
e) Apenas as afirmativas III e IV.

(Enem PPL 2012) O homem natural é tudo para si mesmo; é a unidade numérica, o
inteiro absoluto, que só se relaciona consigo mesmo ou com seu semelhante. O homem
civil é apenas uma unidade fracionária que se liga ao denominador, e cujo valor está em
sua relação com o todo, que é o corpo social. As boas instituições sociais são as que
melhor sabem desnaturar o homem, retirar-lhe sua existência absoluta para dar-lhe uma
relativa, e transferir o eu para a unidade comum, de sorte que cada particular não se
julgue mais como tal, e sim como uma parte da unidade, e só seja percebido no todo.

ROUSSEAU, J. J. Emílio ou da Educação. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

A visão de Rousseau em relação à natureza humana, conforme expressa o texto, diz que
a) O homem civil é formado a partir do desvio de sua própria natureza.
b) As instituições sociais formam o homem de acordo com a sua essência natural.
c) O homem civil é um todo no corpo social, pois as instituições sociais dependem dele.
d) O homem é forçado a sair da natureza para se tornar absoluto.
e) As instituições sociais expressam a natureza humana, pois o homem é um ser
político.

ENEM 2013 - QUESTÃO 22


Para que não haja abuso, é preciso organizar as coisas de maneira que o poder seja
contido pelo poder. Tudo estaria perdido se o mesmo homem ou o mesmo corpo dos
principais, ou dos nobres, ou do povo, exercesse esses três poderes: o de fazer leis, o de
executar as resoluções públicas e o de julgar os crimes ou as divergências dos
indivíduos. Assim, criam-se os poderes Legislativo, Executivo e Judiciário, atuando de
forma independente para a efetivação da liberdade, sendo que esta não existe se uma
mesma pessoa ou grupo exercer os referidos poderes concomitantemente.
MONTESQUIEU, B. Do espírito das leis. São Paulo Abril Cultural, 1979 (adaptado).
A divisão e a independência entre os poderes são condições necessárias para que possa
haver liberdade em um Estado. Isso pode ocorrer apenas sob um modelo político em
que haja:
a) Exercício de tutela sobre atividades jurídicas e políticas.
b) Consagração do poder político pela autoridade religiosa.
PROF. LÉO - MATERIAL DE SOCIOLOGIA

c) Concentração do poder nas mãos de elites técnico-cientifícas.


d) Estabelecimento de limites aos atores públicos e às instituições do governo.
e) Reunião das funções de legislar, julgar e executar nas mãos de um governante eleito.

Resolução:
Importante filósofo, político e escritor francês, Montesquieu é considerado um dos
principais filósofos do Iluminismo. Montesquieu era contra o absolutismo monárquico,
entre as suas principais críticas estava a concentração do poder nas mãos do rei. Nesse
sentido, defendia a tripartição dos poderes políticos baseado na independência e
harmonia entre os poderes executivo, legislativo e judiciário.
Resposta: d) Estabelecimento de limites aos atores públicos e às instituições do
governo.

ENEM 2012 - QUESTÃO 7


É verdade que nas democracias o povo parece fazer o que quer; mas a liberdade política
não consiste nisso. Deve-se ter sempre presente em mente o que é independência e o
que é liberdade. A liberdade é o direito de fazer tudo o que as leis permitem; se um
cidadão pudesse fazer tudo o que elas proíbem, não teria mais liberdade, porque os
outros também teriam tal poder.
MONTESQUIEU. Do Espírito das Leis. São Paulo: Editora Nova Cultural, 1997
(adaptado).
A característica de democracia ressaltada por Montesquieu diz respeito
a) Ao status de cidadania que o indivíduo adquire ao tomar as decisões por si mesmo.
b) Ao condicionamento da liberdade dos cidadãos à conformidade às leis.
c) À possibilidade de o cidadão participar no poder e, nesse caso, livre da submissão às
leis.
d) Ao livre-arbítrio do cidadão em relação àquilo que é proibido, desde que ciente das
consequências.
e) Ao direito do cidadão exercer sua vontade de acordo com seus valores pessoais.

Resolução:
Segundo o texto de Montesquieu, a liberdade política presente na democracia está
condicionada à obediência das leis. O autor acreditava que se não existissem leis os
cidadãos interfeririam na liberdade um do outro. O que justifica a alternativa B.
Resposta: b) Ao condicionamento da liberdade dos cidadãos à conformidade às leis.