Você está na página 1de 27

Contabilidade Aplicada

ao Setor Público
Receitas e Despesas
Públicas

Profa.: Patrícia Siqueira Varela


Receita Pública

 Conceito: todo e qualquer recolhimento feito aos


cofres públicos.

 Receita Orçamentária: consignada na Lei


Orçamentária Anual. A receita pertence ao tesouro ou
ao órgão que a está recebendo.

 Receita Extraorçamentária: Recolhimento feito aos


cofres públicos que constituirá compromisso exigível,
cujo pagamento independe de autorização
orçamentária – legislativa. Entrada compensatória no
ativo e passivo financeiros.

Profª. Patrícia Varela 2


Despesa Pública

 Conceito: todo e qualquer gasto de recursos pela


entidade pública.

 Despesa Orçamentária: é aquela cuja realização


depende de autorização legislativa, devendo ser
discriminada e fixada na LOA.

 Despesa Extraorçamentária: é aquela paga sem a


necessidade de autorização legislativa, constitui em
saídas do passivo financeiro, compensatórias de
entradas no ativo financeiro.

Profª. Patrícia Varela 3


Classificação das Receitas e
Despesas Orçamentárias
“A classificação é a chave estrutural para a organização
consciente e racional do orçamento do Governo”
Jesse Burkhead

 Elemento básico de expressão do orçamento: conta.


 Classificação - Critério - Objetivo
 Objetivos
 Formulação de programas
 Efetiva execução do Orçamento
 Efeitos econômicos das atividades governamentais
 Prestação de Contas
Profª. Patrícia Varela 4
Classificações das Receitas

• Critérios
 Categorias econômicas
 Origem

Profª. Patrícia Varela 5


Classificações das Receitas
Categorias Econômicas

 Objetivo: identificar de onde surgem os recursos para


financiar o consumo e os investimentos públicos.
 Categorias
 Receitas Correntes
 Receitas de Capital

Profª. Patrícia Varela 6


Classificações das Receitas
Origem

 Receita Tributária
 Receita de Contribuições
 Receita Patrimonial
 Receita Agropecuária Receitas
 Receita Industrial Correntes
 Receita de Serviços
 Transferências Correntes
 Outras Receitas Correntes
Profª. Patrícia Varela 7
Classificações das Receitas
Fontes

 Operações de Crédito
 Alienação de Bens
Receitas
 Amortização de Empréstimos de Capital
 Transferências de Capital
 Outras Receitas de Capital

Profª. Patrícia Varela 8


Classificações das Despesas

 Critérios
 Institucional
 Funcional
 por Programas
 Segundo a natureza
 categoria econômica
 grupo de despesa
 modalidade de aplicação
 elemento de despesa

Profª. Patrícia Varela 9


Classificações das Despesas
Institucional

 Objetivo: Evidenciar as unidades administrativas responsáveis


pela execução da despesa ou utilização dos recursos públicos.
 Órgão: corresponde ao maior nível de agregação de serviços ou
atribuições dos poderes constituídos - Ex. Assembléia
Legislativa, Secretaria da Educação, Secretaria da Saúde.
 Unidade Orçamentária: “agrupamento de serviços subordinados
ao mesmo órgão ou repartição a que serão consignados
dotações próprias”.
 Responsabilidade pelo planejamento e execução de certos
projetos e atividades.
 Competência para autorizar despesa e/ou empenhar.
Profª. Patrícia Varela 10
Classificações das Despesas
Funcional

 Objetivo: fornecer as bases para apresentação de dados e


estatísticas sobre os gastos públicos nos principais
segmentos de atuação do governo. Ex: Educação/
Educação Fundamental.
 Função: maior nível de agregação das diversas áreas de
despesa que competem ao setor público - educação,
cultura, assistência, saúde, encargos especiais ...
 Subfunção: representa uma repartição da função, visando
agregar determinado subconjunto de despesa do setor
público - Ensino Fundamental, Ensino Médio, Ensino
Profissional, Ensino Especial.
Portaria MOG nº 42 de 14/04/1999

Profª. Patrícia Varela 11


Classificações das Despesas
por Programas

 Objetivo: demonstrar as realizações do governo, o


resultado do trabalho para atendimento das demandas da
sociedade.
 Programas
 Projetos
 Atividades
 Operacões Especiais.

Portaria MOG nº 42 de 14/04/1999

Profª. Patrícia Varela 12


Classificações das Despesas
Segundo a Natureza

CATEGORIAS ECONÔMICAS
 Objetivo: dar indicações sobre os efeitos que o gasto tem sobre
a economia como um todo.
 Despesas do Governo (consumo) e Formação Bruta de Capital
(investimento).
 Categorias:
 Despesas Correntes: constituem o grupo de despesas destinado
ao funcionamento e manutenção dos serviços públicos em geral.
 Despesas de Capital: constituem o grupo de despesas com
intenção de adquirir ou construir bens de capital.
Portaria Interministerial nº 163 de 04/05/2001

Profª. Patrícia Varela 13


Classificações das Despesas
Segundo a Natureza

 Grupos:
Pessoal e Encargos Sociais

Despesas
 Juros e Encargos da Dívida Correntes
 Outras Despesas Correntes

 Investimentos
Despesas
 Inversões Financeiras
De Capital
 Amortização da Dívida

Portaria Interministerial nº 163 de 04/05/2001

Profª. Patrícia Varela 14


Classificações das Despesas
Segundo a Natureza

 Modalidade: destina a indicar se os recursos são aplicados


diretamente por órgãos ou entidades da mesma esfera de
Governo ou por transferências financeiras.
 Transferências à União;
 Transferências a Estados e ao Distrito Federal;
 Transferências a Municípios;
 Transferências a Instituições Privadas sem Fins
Lucrativos;
 Aplicações Diretas etc.
Portaria Interministerial nº 163 de 04/05/2001

Profª. Patrícia Varela 15


Classificações da Despesa
Classificação da Despesa segundo sua Natureza

 Elemento: constitui o objeto imediato da despesa,


favorecendo o acompanhamento e controle analítico da
despesa, assim como dos custos.
Exemplos:
 Vencimentos e Vantagens Fixas – Pessoal Civil
 Material de Consumo
 Serviços de Consultoria
 Aquisição de Imóveis

Portaria Interministerial nº 163 de 04/05/2001

Profª. Patrícia Varela 16


Reserva de Contingência

 Decreto-lei 900/69
 Dotação Global não especificamente destinada a
determinado programa ou unidade orçamentária;
 Não subordinada às despesas correntes ou de capital;
 Fonte compensatória para abertura de créditos
suplementares.
 Lei Complementar nº 101/2000
 Atendimento de Passivos Contingentes e outros riscos ou
eventos fiscais imprevistos;
 Montante e forma de utilização estabelecidos pela LDO,
tendo como base a Receita Corrente Líquida.
Profª. Patrícia Varela 17
Estágios da Receita

 Previsão: expectativa do quanto será arrecadado para


custear os serviços públicos.
 Lançamento: ato da repartição competente que verifica a
procedência do crédito fiscal e a pessoa que lhe é devedora
e inscreve o débito desta. São objeto de lançamento os
direitos líquidos e certos.
 Arrecadação: ato pelo qual o Estado recebe os tributos,
multas e demais valores a ele devidos, por meio dos
agentes de arrecadação (públicos ou privados).
 Recolhimento: entrega do numerário arrecadado pelos
agentes públicos ou privados ao tesouro do Estado.

Profª. Patrícia Varela 18


Estágios da Receita

 Receita Orçamentária
 previsão
 Lançamento (se direito líquido e certo)
 arrecadação
 recolhimento

 Receita Extraorçamentária:
 recolhimento

Profª. Patrícia Varela 19


Estágios da Despesa

 Fixação
 Orçamento analítico.
 Registro dos créditos e dotações.
 Quadro de cotas trimestrais - Lei nº 4.320/64.
 Programação financeira (bimestral) e cronograma
mensal de desembolso – Lei nº 101/2000.
 Licitação
 Procedimento administrativo.
 Seleção de proposta mais vantajosa.
 Igualdade de Oportunidade a todos os interessados.
Profª. Patrícia Varela 20
Estágios da Despesa

 Empenho
“[..] ato emanado de autoridade competente que cria para o
Estado obrigação de pagamento pendente ou não de
implemento de condição”.
 Acompanhamento e controle da execução dos orçamentos.
 Garantia ao credor de que os valores empenhados têm
respaldo orçamentário.
 O empenho tem que ser prévio, ou seja, anteceder a data
da aquisição do bem ou da prestação do serviço.
 Nota de empenho (nome do credor, valor da despesa,
classificação, dedução do saldo da dotação própria).
Profª. Patrícia Varela 21
Estágios da Despesa

 Empenho
 Modalidades de empenho:
 Ordinário - o valor exato da despesa é conhecido e
o pagamento acontece de uma só vez.
 Global - o valor exato da despesa é conhecido e o
pagamento acontece de forma parcelada, como
aluguel de imóveis.
 Estimativa - não se pode determinar previamente
o montante exato da despesa, como consumo de
energia elétrica, água, telefone.

Profª. Patrícia Varela 22


Estágios da Despesa

 Liquidação
 Consiste na verificação do direito adquirido pelo credor,
tendo por base os títulos e documentos comprobatórios dos
respectivos créditos.
 Base: contratos, ajustes ou acordos; nota de empenho;
comprovantes da entrega de material ou da prestação de
serviços.
 Pagamento
 Ordem de pagamento: emitida por autoridade competente,
após a liquidação da despesa.
 Pagamento propriamente dito: efetuado pela tesouraria ou
por estabelecimentos bancários credenciados.
Profª. Patrícia Varela 23
Estágios da Despesa

 Despesa Orçamentária
 fixação
 empenho
 liquidação
 pagamento

 Despesa Extraorçamentária:
 pagamento

Profª. Patrícia Varela 24


Estágios da Despesa

 Restos a Pagar

 não Processados: despesa empenhada, mas não


liquidada e não paga.

 Processados: despesa empenhada e liquidada, mas


não paga.

Profª. Patrícia Varela 25


Créditos Adicionais

“São créditos adicionais as autorizações de despesa não


computadas ou insuficientemente dotadas na Lei de
Orçamento.”

 Suplementares - destinados a reforço da dotação


orçamentária.
 Especiais - destinados a despesas para as quais não
haja dotação orçamentária específica.
 Extraordinários - destinados a despesas para atender
fatos imprevisíveis e urgentes, como guerra e
calamidade pública.
Profª. Patrícia Varela 26
Créditos Adicionais

 Autorização legislativa
 Créditos suplementares e especiais - autorizados por lei e
abertos por decreto do Poder Executivo.
 Créditos extraordinários - abertos por decreto do Poder
Executivo que informará imediatamente ao Poder Legislativo.
 Recursos para abertura de créditos adicionais
 Créditos suplementares e especiais - superávit financeiro,
excesso de arrecadação, anulação parcial ou total de
dotações orçamentárias ou créditos adicionais e operações
de crédito.
 Créditos extraordinários - não existe a exigência de
especificação dos recursos.
Profª. Patrícia Varela 27