Você está na página 1de 5

UP1 – Modulo de Bases Psicológicas

1. Vinculação: continuidade e contacto corporal


2. Segundo Piaget o que diferencia uma criança no estádio sensório-motor e pré operatório é:
função simbólica
3. Medo da bata branca: generalização, pode ser desaprendido
4. Medo de brincar no quarto aos ouvir ruido forte. O estimulo incondicionado é: ruido forte
5. Teoria de Bandura: observação de modelos
6. Jogo do tété: permanência do objecto
7. Carolina de 9 meses é normal manifestar: medo e angustia a pessoas com quem não
interage
8. Jogo-faz-de-conta: pré-operatório
9. Pedro é uma criança difícil: temperamento
10. Cultura: Macro sistema
11. Segundo os autores comportamentalistas: o desenvolvimento ocorre por mudanças
quantitativas.
12. Definição de período crítico
13. Adolescente acha que pode ter comportamentos sexuais desprotegidos e que nada lhe
acontece: fábula pessoal
14. Criança fala ao telefone e acha que a pessoa do outro lado vê o que ela vê: egocentrismo
15. Adolescente demora a arranjar-se para ir as aulas: audiência imaginária
16. Desenvolvimento etiológico enfatiza bases biológicas do desenvolvimento
17. Taças (Copos um estreito e outro largo): criança não distingue – conservação/estágio pré-
operatório
18. Condicionamento clássico: aprendizagem da relação entre estímulos
19. Fazer exercício: médico elogia: incentiva mais: condicionamento operante
20. Ansiedade a estranhos: aos 7 meses
21. Punição – diminui a probabilidade de repetição de um comportamento
22. Condicionamento clássico : J.Watson
23.

24. Compreender o ser humano considerando a sua circunstância: os micro sistemas são mais
adequados para promover os processos de mudança
25. Atitude calorosa e interessada: evita que a consulta comece mal
26. Melhor rapport com o paciente: cumprimentar, contacto visual, socializar
27. Elevado valor terapêutico: reflectir, pergunta aberta, parafrasear, usar bem o silencio
28. Ínfimas deixas: sinais subtis, verbais e não verbais designados por roger neigbour
29. Toronto consensos: é um relatório de competências de comunicação
30. Boas competências: avaliação positiva da consulta
31. Reflectir: está a dizer que está preocupada mas não sabe como deixar?
32. Efeito autocinético: normalização

31
UP2

1. Forma de reforçar o que o doente diz: repetir


2. Problema na comunicação médica-doente: não valorizar os esforços do doente
3. Quanto mais empatia: mais confiança
4. A ética pressupõe: todas as áreas (A,B e C)
5. Importância das perguntas abertas: todas as anteriores
6. (…) Axiomática da comunicação: a relação médico-doente é complementar
7. Grelha de Porter – nenhuma
8. (…) P.washer: nas competências de comunicação do médico
9. O que estimula o double bind – todas correctas. (é um conceito da psicologia para referir o
relacionamento contraditório onde são expressados comportamentos de afecto e agressão
simultaneamente, onde ambas pessoas estão fortemente envolvidas emocionalmente e não
conseguem se desvincular uma da outra,o que torna a resposta impossivel)
10. Segundo a pragmática da comunicação: comunicação e comportamento são sinónimos
11. Segundo a OMS a principal causa de incapacidade é: pressão arterial elevada
12. Incapacidade com mais peso na Europa: doenças mentais
13. Segundo Washer são consequências de redireccionar declarações: dificuldade em
reconhecer doentes que precisam/procuram apoio médico.
14. São consideradas medidas terapêuticas: expressar aceitação/dizer o que o paciente deve
fazer/….
15. Unir 9 pontos: mostra que a cabeça pode orientar o que vemos com os olhos
16. VAKO – Que ajuda a perceber melhor pessoas com quem comunicamos
17. Segundo a OMS para diminuir o peso das doenças não transmissíveis: (…) prevenção!
18. A-1/B-4/C-5/D-6/E-3
19. Segundo a OMS, na Europa o factor de risco com impacto em 4 das 7 com mais peso na
incapacidade é: consumo tabaco
20. (…) o tempo é limitado: A. O paciente tem o direito de ser ouvido
21. Segundo alguns autores: o consentimento informado seria impossível pois: A-a informação é
muito teórica/B-por vezes os pacientes confiam em absoluto/C- o consentimento parece
implícito
22. O imperativo ético que deve presidir a todos os outros é o respeito pelas crenças do doente
que depende: A. Conhecimento das crenças & C. medico acreditar que a partilha de
informação é o mais importante
23. Ética, competências, comunicação e legislação: doente + familiares + membros da equipa
clinica são chamados para boa prática
24. ...“Europeia” cardiovasculares e doenças psiquiátricas: A,B,D e E
Falso: doenças infecciosas continuam a pesar muito na incapacidade
25. Incapacidade Europa: doenças mentais
26. Reacção comum e a evitar nas doenças crónicas: negação
27. Empatia: atitude de compreensão
28. Mudança de comportamento: tem o objectivo de prevenir/ do século XX/ ?? doentes
29. Essencial no inicio da consulta: rapport
30. Mortalidade europa: doenças cardiovasculares
31. Medidas não terapêuticas: negar o sofrimento do doente/interromper o doente/questões
fechadas/ fazer-emitir juízos de valor
32. Incapacidade europa (factor de risco) – inactividade física
33. Sinais de incompetência medica: intolerância do doente/descontentamento/queixas
34. Técnicas centradas na pessoa: perguntas abertas/ouvir/resumir/esclarecer
35. Axioma da comunicação: comunicar gera conflito e impossível não comunicar
36. Sindrome do “a propósito” – doente ao sair
37. Respostas terapêuticas: exprimir aceitação/dizer o que fazer/traduzir pensamentos
(sentimentos)
38. Conceito chave de Sistema é a relação
39. Efeito pigmaleão: experiencias podem condicionar o que vemos e fazemos e as respostas
dos outros
40. Pontuações pessoais da realidade: é preciso ouvir o outro para comunicar com eficácia
41. Morte nos países desenvolvidos e sub-desenvolvidos: vivemos no seculo XXI mas deixamos a
cabeça no sex XX
42. Experiencia do efeito autocinético – normalização
43. Fallowfield – treino e feedback por facilitadores – melhora a performance objectiva dos
clinicos e avaliação subjectiva que fazem das competências da comunicação
44. No juramento de hipocrates não faz parte das formas de relação: a relação com autoridades
45. Clarificação de queixas é facilitada por: questões abertas
46. “guiding style” vs “directing style” – é o mais indicado para motivar a mudança de
comportamento porque implica responder saber o porque e como
47. Imperativo ético do respeito pela pessoa depende de: A.conhecimento e C.
48. Pragmática da comunicação: comunicação = comportamento
49. Atitude de comunicação avaliativa: produz activação de mecanismos objectivos
50. Efeito autocinético: normalização
51. Estudo de C.A.Barry diz que : muito menos de ½ dos pacientes transmite todas as
preocupações na consulta
52. Se redireccionarmos podemos não compreender as preocupações do doente numa consulta
(P.Wash)

52
UP3

1. Avaliacao da dependência de cigarro – Diferença de tempo entre o acordar o 1º cigarro


2. Entrevista motivacional: Questoes fechadas, reflectir e sintetizar e Questões abertas,
reflectir e sintetizar
3. Modelo de mudança: com mais pessoas/existe conflito mudar-não mudar
4. Exemplos de questões abertas: o que o preocupa? O que poderia mudar se deixasse o
tabaco?
5. Freud – factores inconscientes
6. Psicologia da saúde: aplicação de perspectivas e constatações psicológicas a contextos de
saúde
7. Fase de resistência: funcionamento aparentemente normal
8. Copping: altera-se ao longo do tempo
9. Medico: fornece ma informação sobre adesão terapêutica
10. Medico: supravaloriza a adesão
11. Diminuição do apoio social: diminui adesão
12. Copping de evitamento: diminui adesão
13. Personalidade perfeccionista: aumenta vulnerabilidade ao stress
14. Bandura: auto-eficácia
15. Uso de castigos: deve ser restrito
16. Norma subjectiva: percepção da opinião dos outros/concordância com as crenças dos outros
17. Medidas de aumento da adesão terapêutica: indicações concretas e adequação tratamento
– vida diária
18. Controlo pessoal: aumenta adesão
19. Factores de risco associado a 4 doenças crónicas: tabaco
20. Situação stressante: percepcionada como ameaçante
21. Ataques de pânico:
22. Modelo de avaliação de intervenções: é muito importante integrar acções nos diferentes
níveis do modelo
23. Dependência: tabaco, álcool, drogas ilegais
24. (…) pessoa já com sintomas: prevenção indicada
25. (…) depressão infantil: formar os pais de crianças hiperactivas
26. Relação stress-doença: deve ser uma relação de especificidade (…)
27. Segundo UPSTF o “I” significa: evidencia insuficiente para…
28. Segundo a UPSTF para despistar (…) : retaguarda mais diferenciada
29. Para avaliar a quantidade de álcool: usam-se as doses comerciais
30. A adesão é maior com o conhecimento: doenças e consequências
31. A 1ª pergunta AUDIT: com que frequência consome bebidas alcoólicas
32. Revela maior dependência para tabaco: tempo que passa entre acordar e o primeiro cigarro
33. Sindrome burnout: stress crónico/…
34. Para alterar hábitos/comportamentos: formular objectivos mensuráveis e exequíveis
35. Condicionamento operante: premio aumenta adesão/interpretar-avaliar o que o individuo
fez/percepção da capacidade para lidar com o problema
36. Grupo A – tabaco
37. Auto-eficácia: acredita que consegue fazer
38. No inicio psicologia+medicina: psiquiatria
39. Abuso de álcool: despistar o abuso excessivo e fazer aconselhamento de adultos
40. Incumprimento: 30-75%
41. Saúde mental: depressão tem mais impacto
42. Preparação para mudar: importância x confiança
43. Entrevista motivacional: todos
44. Adesão as prescrições: aumento com dor-patologia/gravidade/regime simples e intervalo
tempo curto
45. Stress Vs doença: problemas coronários tem um papel que não é claro/risco moderado:
cefaleias e doenças infecciosas
46. Dos 15 aos 44 anos a depressão tem < peso
47. Mulheres: mais problemas com álcool e drogas

47