Você está na página 1de 2

PEÇA PRÁTICO-PROFISSIONAL - DIREITO CONSTITUCIONAL

José, brasileiro, desempregado, domiciliado no Município “ABC”, capital do Estado “X”, chegou a um
hospital municipal que não possui Centro de Tratamento Intensivo (CTI) – sentindo fortes dores de
cabeça. José aguardou atendimento na fila da emergência pelo período de 12 (doze) horas, durante o
qual foi tratado de forma áspera e vexatória pelos servidores do hospital, que, entre outros
comportamentos aviltantes, debocharam do fato de José estar de pé há tanto tempo esperando
atendimento.

Após tamanha espera e sofrimento, o quadro de saúde de José agravou-se e ele entrou em estado de
incapacidade absoluta, sem poder locomover-se e sem autodeterminação, momento no qual, enfim, um
médico do hospital veio atendê-lo. Adamastor, também desempregado, pai de José, revela que,
segundo laudo do médico responsável, seu filho necessita urgentemente ser removido para um hospital
que possua CTI, pois José corre risco de sofrer danos irreversíveis à sua saúde e, inclusive, o de morrer.
Informa ainda que o médico mencionou a existência de hospitais municipais, estaduais e federais nas
proximidades de onde José se encontra internado, todos possuidores de CTI.

Ocorre que José e Adamastor são economicamente hipossuficientes, de modo que não possuem
condições financeiras de arcar com a remoção para outro hospital público, nem de custear a internação
em hospital particular, sem prejuízo do sustento próprio ou da família.

Indignado com todo o ocorrido, e ansioso para preservar a saúde de seu filho, Adamastor o procura
para, na qualidade de advogado, identificar e minutar a medida judicial adequada à tutela dos direitos
de José em face de todos os entes que possuem hospitais próximos ao local onde José se encontra e que
seja levado em consideração o tratamento hostil por ele recebido no hospital municipal. (Valor: 5,0)

QUESTÕES DISCURSIVAS:

Questão 1. A Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e seu Protocolo
Facultativo, assinados em Nova York, em 30 de março de 2007, foram incorporados ao ordenamento
jurídico brasileiro pelo rito do artigo 5º, § 3º, da Constituição da República. Maria Y, portadora de
necessidades especiais, consulta-o como advogado, indagando:

A) Ao ser incorporada ao ordenamento pátrio com base no artigo 5º, § 3º, da Constituição Federal, qual
o status hierárquico normativo da referida convenção internacional? (Valor: 0,40)

B) Os demais tratados internacionais sobre direitos humanos incorporados sem a observância do


procedimento disposto no artigo 5º, § 3º, da Constituição Federal, possuem o mesmo status
hierárquico? Justifique. (Valor: 0,40)

C) A Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, após seu processo de
internalização, de acordo com o artigo 5º, § 3º, da Constituição Federal, pode servir de parâmetro para
controle de constitucionalidade? Justifique sua resposta. (Valor: 0,45)

Questão 2. Uma entidade de classe de servidores públicos ajuizou mandado de segurança coletivo
contra decisão do Diretor Geral de um dado órgão público federal. Alegou que a decisão administrativa
por ele proferida deixou de considerar direitos consolidados de uma das categorias que representa. O
Diretor Geral informou ao seu advogado reconhecer que a questão sobre a existência ou não do direito
em discussão envolvia grande complexidade jurídica. Esclareceu, ainda, que, apesar de alguns órgãos

Professor Roberto David


públicos aplicarem o direito almejado pelo impetrante, a maior parte não o reconhecia. Diante do relato
acima, responda aos itens a seguir.

A) No caso em questão, havendo dúvidas quanto à certeza em matéria de direito, é possível movimentar
o Poder Judiciário pela via do mandado de segurança? Justifique. (Valor: 0,75)

B) A entidade de classe em questão possui legitimidade para impetrar o mandado de segurança coletivo,
ainda que a pretensão veiculada diga respeito a apenas uma parte da categoria que representa?
Justifique. (Valor: 0,50)

Responda justificadamente, empregando os argumentos jurídicos apropriados e a fundamentação legal


pertinente ao caso.

Questão 3. Giácomo e Giovanna são turistas italianos que, apaixonados pelo Brasil, aqui fixam
residência, obtêm emprego e constituem família. Seus dois filhos, Luigi e Filipa nasceram no Brasil,
respectivamente em 1989 e 1991. Considerando que o ordenamento italiano atribui nacionalidade
italiana aos filhos de seus cidadãos, ainda que nascidos no estrangeiro, responda, fundamentadamente,
aos itens a seguir.

A) Filipa pode ser extraditada para a Itália, pela prática de crime comum, caso o Brasil mantenha tratado
de extradição com aquele País? (Valor: 0,80)

B) A legislação ordinária pode estabelecer nova hipótese de aquisição de nacionalidade brasileira?


(Valor: 0,45)

A simples menção ou transcrição do dispositivo legal não pontua.

Questão 4. Marco Antônio, titular, desde 2006, de mandato de Senador pelo Estado X, pretende se
reeleger, em 2014, para o Senado, mas dessa vez como Senador pelo Estado Y, governado pela sua
esposa, Maria, eleita em 2010 e que pretende a reeleição em 2014. Como Marco Antonio irá concorrer,
em 2014, ao cargo de Senador pelo Estado Y, Paulo, filho de Marco Antonio e Maria, decidiu que
naquele ano irá se candidatar ao cargo de Senador pelo Estado X.

Diante desse quadro, responda:

A) Pode Marco Antonio se candidatar ao cargo de Senado pelo Estado Y, em 2014? (Valor: 0,75)

B) Pode Paulo se candidatar ao cargo de Senador pelo Estado X, em 2014? (Valor: 0,5)

Professor Roberto David