Você está na página 1de 11

Universidade Federal da Integração Latino-Americana Engenharia de Energia EER0131 – Ventilação, Refrigeração e Condicionamento de Ar Prof. Fabyo Luiz Pereira

Lista de Exercícios 1:

Fundamentos de Termodinâmica e Transferência de Calor:

1- Você deseja criar uma nova escala de temperatura, chamada M. Quando um termômetro marca 25°C, você quer que na sua escala a temperatura seja igual a 0°M, enquanto que quando o

termômetro marcar 65°C, sua escala estará marcando 100°M. Obtenha a relação entre essas escalas

e calcule a temperatura M correspondente a 0°C.

2- Um manômetro instalado em um duto mede uma pressão de 685,7 kPa. Qual é a pressão absoluta? Converta essa pressão para a unidade técnica kgf/cm 2 . Considere g = 9,8 m/s 2 .

3- Um volume de 2,5 m 3 contém 1,94 kg de vapor d'água. Determine a massa específica e o volume específico.

4- Um chuveiro elétrico tem potência máxima de 5500 W. Em um típico dia de inverno, a temperatura em Criciúma chega a 6°C, que pode ser considerada a temperatura da água na

tubulação. Ao abrir o chuveiro com uma vazão mássica de 3 kg/min, qual será a temperatura na qual

a água sai do chuveiro? Considerando que a temperatura ideal da água para banho no inverno seja de 40°C, qual deve ser a vazão de água em kg/min? Após resolver este exercício manualmente, resolva-o usando o EES, e fixando a potência do chuveiro em 5500 W e a temperatura da água na entrada do chuveiro em 6 o C, obtenha:

a) Uma tabela paramétrica e o gráfico da temperatura da água na saída do chuveiro em função da

vazão mássica de água, fazendo-a variar de 2 a 6,5 kg/min.

b) Uma tabela paramétrica e o gráfico da vazão mássica de água em função da temperatura da água

na saída do chuveiro, fazendo-a variar de 30 a 48 o C.

5- Uma caldeira possui vazão de água de 5 kg/s. A água entra na caldeira na condição de líquido comprimido com entalpia de 763,21 kJ/kg e sai na condição de vapor superaquecido a 550°C e pressão de 8 MPa. Qual a taxa de calor transferido na caldeira? Após resolver este exercício manualmente, resolva-o usando o EES, e obtenha:

a) A temperatura da água na entrada da caldeira.

b) Uma tabela paramétrica e o gráfico da taxa de calor transferida na caldeira em função da pressão,

fazendo-a variar de 8000 a 17000 kPa. O que acontece com a taxa de calor quando a pressão

aumenta? Por que?

c) Uma tabela paramétrica e o gráfico da taxa de calor transferida na caldeira em função da

temperatura da água na saída da caldeira, fazendo-a variar de 200 a 650 o C. O que acontece com a taxa de calor quando a temperatura aumenta?

6- Utilize a equação de estado dos gases perfeitos, com R = 462 J/kg.K, para determinar o volume específico do vapor de água saturado a 20°C. Compare o resultado com aquele obtido diretamente da Tabela A-1. Após resolver este exercício manualmente, resolva-o usando o EES.

7- Um instrumento para medida de vazão de ar é o Venturi, mostrado na figura abaixo, que tem a

sua área transversal reduzida entre as seções A e B. A vazão é medida pela diferença de pressão entre essas seções. A vazão de ar, cuja densidade é de 1,15 kg/m 3 , deve ser medida em um Venturi de área de seção A igual a 0,5 m 2 e na seção B de 0,4 m 2 . A diferença de altura nas colunas de água (densidade = 1000 kg/ m 3 ) de um manômetro é de 20 mm. O escoamento entre A e B pode ser admitido sem atrito, de modo que a equação de Bernoulli pode ser aplicada.

a) Qual deve ser a diferença de pressão entre A e B?

b) Qual deve ser a vazão em volume?

pressão entre A e B? b) Qual deve ser a vazão em volume? 8- Um dissipador

8- Um dissipador de calor de um processador possui geometria cúbica de aresta 0,01 m. O calor que é gerado pelo processador é tal que a temperatura superficial do dissipador no lado oposto ao do processador é de 40°C. Admitindo que a temperatura do processador é de 65°C, calcule o fluxo de calor (em W) por condução ao longo do dissipador para as seguintes situações:

a) O dissipador é feito de cobre, cuja condutividade térmica é de 386 W/m.K.

b) O dissipador é feito de alumínio, cuja condutividade térmica é de 204 W/m.K.

c) O dissipador é feito de aço, cuja condutividade térmica é de 53 W/m.K.

9- A superfície externa de uma parede plana é mantida a 100°C, enquanto a superfície interna está sujeita à troca de calor por convecção com um ambiente a 25°C, conforme ilustra a figura abaixo. A condutividade térmica da parede é de 1,6 W/m.K. Considerando os processos de condução e de convecção presentes, calcule o fluxo de calor unidimensional, em W/m 2 , e a temperatura da superfície interna da parede. Após resolver este exercício manualmente, resolva-o usando o EES e obtenha:

a) Uma tabela paramétrica e o gráfico do fluxo de calor unidimensional em função da espessura da

parede, fazendo-a variar de 0,1 a 1,0 m.

b) Uma tabela paramétrica e o gráfico do fluxo de calor unidimensional em função da temperatura

da superfície externa da parede, fazendo-a variar de 10 a 100 o C.

c) Uma tabela paramétrica e o gráfico do fluxo de calor unidimensional em função da condutividade

térmica da parede, fazendo-a variar de 0,1 a 3,7 W/m.K.

térmica da parede, fazendo-a variar de 0,1 a 3,7 W/m.K. 10- Um adolescente e seu pai

10- Um adolescente e seu pai estão na praia tomando sol, sem vento, trajando apenas sunga. O adolescente tem 1,6 m de altura e massa de 50 kg, o que resulta em uma área de pele aproximada de 1,5 m 2 , enquanto seu pai possui 1,85 m de altura e massa de 105 kg, resultando numa área de pele aproximada de 2,3 m 2 . Subitamente o tempo fecha e a temperatura do ar cai para 18°C, enquanto o

vento passa a soprar com velocidade de 0,15 m/s. Determine a taxa de transferência de calor por convecção do corpo dos dois para o ambiente. Considerando que o metabolismo de ambos está gerando 115 W e considerando apenas a perda de calor do corpo de ambos por convecção com o ar, qual a sensação térmica de cada um? Considere que a pele humana possui temperatura média de

32°C.

11- Uma pessoa, cuja área de pele é de 2,1 m 2 , está numa sauna, cuja vizinhança possui temperatura de 60°C. Determine a taxa de transferência de calor por radiação da vizinhança para a pele da pessoa. Nesse caso, considere que a pele humana possui temperatura média de 36°C, pois o ambiente interno é bastante quente.

12- Água a 120°C e 250 kPa escoa para um tanque à pressão atmosférica de 101,3 kPa através de uma válvula redutora de pressão, como mostrado na figura abaixo. Determine:

a) Qual é o estado da água na entrada da válvula: líquido sub-resfriado, líquido saturado, vapor

saturado ou vapor superaquecido?

b) Quantos kg de vapor deixam o tanque para cada kg que atravessa a válvula redutora de pressão?

c) Após resolver este exercício manualmente, resolva-o usando o EES.

este exercício manualmente, resolva-o usando o EES. 13- Qual é a taxa de liberação de calor

13- Qual é a taxa de liberação de calor aproximada para evaporação insensível se a temperatura da pele é de 32°C, a pressão de saturação a essa temperatura é de 4750 Pa e a pressão parcial do vapor d'água do ar é de 1700 Pa? Admita que o calor latente de vaporização da água seja igual a 2,43 MJ/kg e C diff = 1,2.10 -9 kg/Pa.s.m 2 .

Psicrometria e Transferência de Calor com Superfície Molhada:

14- Consultando uma carta psicrométrica para pressão barométrica de 101,325 kPa e dados os valores das propriedades conhecidas, ache o valor aproximado das propriedades pedidas. Após resolver este exercício manualmente, resolva-o usando o EES.

a) T bs = 20°C e W = 8 g VA/kg AS. Determine T bu , T o , h, Ф e v.

b) h = 71 kJ/kg AS e Ф = 40%. Determine T bs , T bu , T o , W e v.

c) T o = 5°C e v = 0,81 m 3 /kg AS. Determine T bs , T bu , W, h e Ф.

d) T bs = 30°C e T bu = 25°C. Determine T o , h, W, Ф e v.

e) Ф = 60% e W = 26 g VA/kg AS. Determine T bs , T bu , T o , h e v.

15- Determine o volume específico de uma mistura ar-vapor, em m 3 /kg AS, para as seguintes condições: T = 30°C, W = 0,015 kg VA/kg AS e p t = 90 kPa. Após resolver este exercício manualmente, resolva-o usando o EES.

16- Uma amostra de ar apresenta T bs = 30°C e T bu = 25°C. A pressão barométrica é de 101 kPa. Usando as tabelas de vapor e as equações (3.2), (3.3) e (3.5) determine:

a) A umidade absoluta se o ar é saturado adiabaticamente.

b) A entalpia do ar se este é adiabaticamente saturado.

d)

A pressão parcial do vapor na mistura.

e) A umidade relativa.

Compare os resultados de (b), (c) e (e) com os obtidos no item (d) do exercício 14.

17- Uma mistura ar-vapor apresenta T bs = 30°C e W = 0,015 kg VA/kg AS. Para as pressões barométricas de 85 e 101 kPa, determine (após resolver este exercício manualmente, resolva-o usando o EES):

a) A entalpia.

b) A temperatura de orvalho.

18- Uma torre de resfriamento é um equipamento no qual ar resfria água previamente borrifada. Se

15 m 3 /s de ar com T bs = 35°C e T bu = 24°C, a uma pressão atmosférica de 101 kPa, adentram uma torre, deixando-o saturado a 31°C, pede-se:

a) Até que temperatura essa corrente de ar pode resfriar água borrifada a 38°C e com vazão de 20

kg/s?

b) Quantos kg/s de água devem ser fornecidos para compensar a água que se evapora?

19- Uma vazão de 3,5 m 3 /s de ar com T bs = 27°C e Ф = 50%, à pressão atmosférica padrão, adentram uma unidade de condicionamento de ar. O ar deixa essa unidade com T bs = 13°C e Ф = 90%. Usando propriedades extraídas da carta psicrométrica (após resolver este exercício manualmente, resolva-o usando o EES):

a) Determine a capacidade de refrigeração em kW.

b) Determine a taxa de remoção de água do ar.

20- Em um sistema de condicionamento de ar uma corrente de ar externo é misturada a outra de ar

de retorno à pressão atmosférica de 101 kPa. A vazão de ar externo é de 2 kg/s com T bs = 35°C e T bu

= 25°C. O ar de retorno, a 24°C e Ф = 50%, apresenta uma vazão de 3 kg/s. Determine (após

resolver este exercício manualmente, resolva-o usando o EES)::

a) A entalpia da mistura.

b) A umidade absoluta da mistura.

c) A temperatura de bulbo seco da mistura a partir das propriedades determinadas em (a) e (b).

d) A temperatura da mistura pela média ponderada das temperaturas das correntes de entrada.

Cargas Térmicas de Aquecimento e Refrigeração:

21- A parede externa de um edifício de escritórios térreo próximo a Chicago tem 3 m de altura e 15

m de comprimento. A parede é composta de tijolo aparente de 100 mm, de 40 mm de espessura de

poliestireno como isolante, de blocos de concreto leve de 150 mm de espessura e um acabamento interior de 16 mm de gesso. A parede contém 3 janelas de uma única folha, com dimensões de 1,5 m por 2 m de comprimento. Para uma temperatura interior de 20°C, determinar a perda de calor para

as condições de projeto.

22- Para a parede e condições do exercício 21, determine a redução percentual na perda de calor pela parede se:

a)

Os 40 mm de poliestireno fossem substituídos por 55 mm de poliuretano celular.

b)

Se os vidros simples das janelas fossem substituídos por dupla folha com 5 mm de espaço de ar.

c)

Se você fosse chamado a opinar sobre qual das opções, (a) ou (b), proporcionou maior aumento

da

resistência térmica da parede, qual seria sua escolha e por que?

23- Um escritório localizado em Houston, Texas, deve ser mantido a 25°C e Ф = 55%. Sabe-se que esse escritório deverá ser ocupado, em média, por 5 pessoas, algumas das quais são fumantes. Determine a carga térmica resultante da ventilação para condições de projeto de verão e condições

de insuflamento do ar de 15°C e Ф = 95%, se:

a) A taxa de renovação de ar recomendada for utilizada.

b) Um dispositivo de filtragem com E = 70% for utilizado.

24- Uma sala de computador de 10 x 7 m está localizada no segundo andar de um edifício de 5 andares. A parede externa é de 3,5 m de altura por 10 m de comprimento, sendo construída de uma

cortina metálica (aço com 10 mm de placa isolante), isolamento de fibra de vidro de 75 mm de espessura e uma placa de gesso de 16 mm de espessura. Sabe-se que vidros simples deverão ocupar 30% da parede externa. Sabe-se ainda que o computador e as luzes na sala deverão operar 24 hs/dia, apresentando uma geração interna de calor combinada de 2 kW. A temperatura interna deve ser mantida igual a 20°C. a) Determine a carga de aquecimento para as condições de projeto de inverno se o edifício se localiza em Columbus, Ohio.

b) Qual seria a carga se as janelas fossem de folha dupla?

25- Determine a transferência de calor através de uma janela com face sudeste em um local a 32° de latitude norte às 10:00 horas (hora do meridiano dos Estados Unidos Central) do dia 21 de agosto. A janela é de vidro de folha dupla com 13 mm de espaço de ar. O vidro e as cortinas interiores apresentam um coeficiente de sombreamento combinado de 0,45. A temperatura interna de projeto é 25°C e a externa é de 37°C. As dimensões da janela são 2 m de comprimento por 1,5 m de altura.

26- Se a janela descrita no exercício 25 apresenta uma protuberância superior de 0,5 m, qual a distância a que a sombra se estenderá?

27- Determine a transferência de calor instantânea através da janela do exercício 25, considerando a sombra proporcionada pela protuberância superior do exercício 26.

28- Determine a carga total através das janelas de um edifício de escritórios sem sombreamento externo, em uma localidade a 32° de latitude norte. As janelas são de vidro normal de folha dupla com 6 mm de espaço de ar e possuem área total de 40 m 2 . Cortinas com coeficiente de sombreamento de 0,7 permanecem completamente baixadas. Faça os cálculos para o meio-dia de:

a) Agosto, admitindo temperatura interna de 25°C e externa de 37°C.

b) Dezembro, admitindo temperatura interna de 20°C e externa de 4°C.

Sistemas de Condicionamento de Ar:

29- Um espaço condicionado que deve ser mantido a 25°C e a 50% de umidade relativa apresenta uma carga sensível de 80 kW e uma carga latente de 34 kW. Qual é a temperatura em que a linha da relação entre as cargas intercepta a linha de saturação? Após resolver este exercício manualmente, resolva-o usando o EES.

30- Um espaço condicionado deve ser mantido a 20°C e 30% de umidade relativa durante o inverno, para o que recebe ar quente e úmido. A taxa de infiltração existente no espaço é de 0,3 kg/s de ar externo e a carga sensível é de 25 kW. O ar externo pode ser saturado à temperatura de -20°C (ver Tabela A-2 do livro). Se a temperatura de bulbo seco do ar insuflado no recinto é de 40°C, qual deve ser a temperatura de bulbo úmido desse ar para as condições especificadas? Após resolver este exercício manualmente, resolva-o usando o EES.

31- Uma sala de um laboratório apresenta uma carga térmica sensível de 42 kW e uma carga latente de 18 kW para uma temperatura e umidade relativa internas de 24°C e 50%. Como a carga latente é elevada, o ar que deixa a serpentina de refrigeração é reaquecido. A serpentina de refrigeração é dimensionada para resfriar o ar até 9°C e 95% de umidade relativa. Quais devem ser a temperatura

de insuflamento do ar e sua vazão? Após resolver este exercício manualmente, resolva-o usando o EES.

32- Durante a discussão do controle da vazão do ar externo (na Seção 5-3 do livro), foi dito que o controle de entalpia era mais eficiente quando o ar externo encontrava-se nas regiões X e Y da carta psicrométrica (Fig. 5-5 do livro). Neste problema, as limitações de tal controle, quando o ar externo se encontra na região Y serão discutidas. Admita que a temperatura de ajuste do ar externo na serpentina de refrigeração seja de 10°C e que o ar externo seja basicamente saturado quando ocorre desumidificação na serpentina. Se o ar de retorno apresenta uma temperatura e uma umidade relativa de 24°C e 40% e se as condições do ar externo são 26°C e 30%, que ar deve ser escolhido para controle: o externo ou o de retorno? Justifique sua resposta.

33- Em um sistema com reaquecimento terminal (Fig. 5-9 do livro), 18 kg/s de ar são insuflados no recinto condicionado. O sistema opera com uma vazão de ar externo de 3 kg/s, a 28°C e 30% de umidade relativa. A carga sensível combinada de todos os espaços é de 140 kW, enquanto a latente é desprezível. A temperatura do ar insuflado é de 13°C. O setor de pagamentos da empresa que ocupa o edifício achou a conta de energia exagerada, ordenando, como medida de economia, o reajuste dos termostatos ambientais de 24°C para 25°C. Determine:

a) A taxa de remoção de calor na serpentina de refrigeração antes e depois da modificação.

b) A taxa de transferência de calor nas serpentinas de aquecimento antes e depois. Admita que a

carga sensível do espaço permaneça constante e igual a 140 kW.

Dutos e Ventiladores:

34- Determine a perda de carga de ar a 30°C, escoando com uma velocidade de 8 m/s em um duto circular de chapa metálica de 300 mm de diâmetro e 15 m de comprimento, utilizando:

a) As equações 6-1 e 6-2 do livro.

b) A Fig. 6-2 do livro.

Após resolver este exercício manualmente, resolva-o usando o EES, e obtenha uma tabela paramétrica e o gráfico de Re = Re(T), f = f(T) e Δp = Δp (T), fazendo a temperatura variar de 0 a

90 o C. Observe o que acontece com Re, f e Δp quando T aumenta e interprete os resultados.

35- Uma diferença de pressão de 350 Pa é utilizada para mover ar a 20°C por um duto circular de chapa metálica de 450 mm de diâmetro e 25 m de comprimento. Determine a velocidade utilizando a Fig. 6-1 e a equação 6-1 do livro.

36- Determine a perda de carga por metro de comprimento de um duto retangular de dimensões 0,25 x 1 m, quando a vazão de ar é de 1,2 m 3 /s, utilizando a Fig 6-2 do livro.

37- Uma expansão brusca em um duto circular apresenta diâmetros de 0,2 e 0,4 m nas seções à

montante e à jusante. Se a pressão nessas seções for de 150 a 200 Pa, qual deve ser a vazão de ar a 20°C através dessa conexão? Após resolver este exercício manualmente, resolva-o usando o EES, e obtenha:

a) Uma tabela paramétrica e o gráfico de p perda = p perda (p 1 ), Q = Q(p 1 ), v 1 = v 1 (p 1 ) e v 2 = v 2 (p 1 ),

fazendo a pressão a montante variar de 20 a 200 Pa. Interprete os resultados.

b) Uma tabela paramétrica e o gráfico de p perda = p perda (T), Q = Q(T), v 1 = v 1 (T) e v 2 = v 2 (T), fazendo

a temperatura variar de 0 a 270 o C. Interprete os resultados.

38- Um duto retangular de 0,4 m por 0,8 m, suspenso pelo teto em um corredor, faz uma curva em cotovelo que forma um ângulo reto com o plano horizontal. Os raios interno e externo a partir do mesmo centro são de 0,2 e 1,0 m. A velocidade do ar no duto é de 10 m/s. Qual é a perda de carga no cotovelo, em termos de comprimento de duto reto?

39- Um ramal retangular de 0,3 por 0,4 m se liga a um duto principal retangular de 0,3 por 0,6 m, formando um ângulo de 60°. As dimensões do duto principal permanecem constantes após a

ramificação. Se a temperatura do ar for de 20°C, para uma pressão à montante de 250 Pa e vazões à montante e na ramificação de 2,7 e 1,3 m 3 /s, determine a pressão:

a) À jusante da ramificação no duto principal.

b) No ramal.

Após resolver este exercício manualmente, resolva-o usando o EES, e obtenha uma tabela paramétrica e o gráfico de p perda,j = p perda,j (Q m ), p j = p j (Q m ), p perda,b = p perda,b (Q m ) e p b = p b (Q m ), fazendo a vazão a montante variar de 1,3 a 10,3 m 3 /s. Interprete os resultados.

40- Em uma ramificação de admissão, uma vazão de 0,8 m 3 /s no ramal se adiciona à vazão do duto principal resultando uma vazão total de 2,4 m 3 /s. Qual deve ser a redução de pressão entre os pontos m e j do duto principal (veja a Fig. 6-12 do livro) se o ramal faz um ângulo de 30° com o duto principal e as áreas do ramal e do duto principal, à montante e à jusante da ramificação, são de 0,1 e 0,2 m 2 . Admita o ar a 25°C. Após resolver este exercício manualmente, resolva-o usando o EES, e obtenha uma tabela paramétrica e o gráfico de Δp m,j = Δp m,j (T), fazendo a temperatura variar de 0 a

90 o C. Interprete os resultados.

41- A figura abaixo mostra um sistema de dutos com dois ramais. As conexões apresentam os seguintes comprimentos equivalentes de duto reto: 4 m à montante da ramificação e 2 m no cotovelo. A perda de carga na região reta da ramificação pode ser considerada desprezível. O projetista opta por um gradiente de perda de carga de 4 Pa/m nas seções retas de 12 e 15 m. Qual deve ser o diâmetro na ramificação a fim de utilizar a pressão disponível sem a utilização de registro?

a pressão disponível sem a utilização de registro? 42- Um sistema consiste de um ventilador e

42- Um sistema consiste de um ventilador e 25 m de duto circular pelo qual escoam 0,8 m 3 /s de ar. O custo estimado do duto instalado é de R$ 250,00/m 2 de chapa metálica e o custo da energia elétrica é de R$ 0,50/kWh. As eficiências do motor e do ventilador são 85% e 55%, respectivamente. Admitindo que f = 0,02 e que o período de amortização corresponda a 10000 horas de operação, qual deve ser o diâmetro ótimo do duto? Qual o custo total usando este diâmetro ótimo?

43- Medidas realizadas em uma instalação de circulação de ar recentemente instalada resultam nos

seguintes valores: rotação do ventilador de 20 r/s, vazão de ar de 2,4 m 3 /s, pressão de descarga do ventilador de 340 Pa e potência elétrica exigida pelo motor de 1,8 kW. Essas medidas foram obtidas com ar à temperatura de 20°C, enquanto o sistema deve operar com ar à temperatura de 40°C. Se a rotação deve ser mantida igual a 20 r/s, quais devem ser os valores de operação:

a) Da vazão.

b) Da pressão estática.

c) Da potência.

44- Um sistema de dutos é projetado de tal modo que para o ar a uma temperatura de 20°C, a vazão

seja de 5,2 kg/s para uma rotação do ventilador de 18 r/s e uma potência elétrica do motor de 4,1 kW. Para uma nova condição de operação do sistema, em que a temperatura do ar é de 50°C, para que valor deve ser elevada a rotação do ventilador para que a vazão seja mantida? Nessas condições, qual deve ser a potência?

45- Através de uma abertura circular em uma parede escoa uma vazão de ar de 0,05 m 3 /s. Qual deve ser a velocidade de saída desse ar, u o , se a velocidade no eixo deve ser reduzida para 0,75 m/s a uma distância de 3 m da parede?

46- A partir da expressão da velocidade em um jato plano, determine o ângulo entre os planos onde as velocidades são a metade das velocidades no eixo, para uma dada distância da seção de saída ao longo do eixo.

Tubulações e Bombas:

47- Um convector cujas características de comportamento estão mostradas na Fig. 7-4 do livro é alimentado com uma vazão de 0,04 kg/s de água a 90°C. O comprimento do convector é 4 m e a temperatura do ar confinado na sala é 18°C. Qual a taxa de transferência de energia do convector para o ar da sala?

48- Calcule a perda de pressão em Pa/m de tubo quando água escoa a 60°C com uma vazão de 8 l/s através de um tubo de aço Schedule 40 com diâmetro nominal de 75 mm:

a) Usando a equação 7-1 do livro.

b) Usando as figuras 7-6 e 7-7 do livro.

Após resolver este exercício manualmente, resolva-o usando o EES, e obtenha:

a) Uma tabela paramétrica e o gráfico de Δp/L = Δp/L(d), fazendo o diâmetro variar de 0,04 a 0,13

m. Interprete os resultados.

b) Uma tabela paramétrica e o gráfico de Δp/L = Δp/L(T), fazendo a temperatura variar de 0 a 90 o C.

Interprete os resultados.

49- Na tubulação esquematizada na figura abaixo, o trecho comum aos dois ramos tem diâmetro nominal de 75 mm, o ramo inferior tem diâmetro igual a 35 mm e o superior igual a 50 mm. A pressão da água na entrada da tubulação é 50 kPa acima da pressão atmosférica e ambos os ramos descarregam o fluido à pressão atmosférica. A temperatura da água vale 20°C. Quais as vazões de água (em l/s) nos tubos de 75 mm, 50 mm e 35 mm?

vazões de água (em l/s) nos tubos de 75 mm, 50 mm e 35 mm? 50-

50- Uma bomba centrífuga com as características iguais àquelas mostradas na Fig. 7-9 do livro

opera numa tubulação e fornece 10 l/s. Uma bomba idêntica à primeira é colocada em paralelo para se obter um aumento da vazão.

a) Qual é a nova vazão (em l/s)?

b) Qual a potência total necessária para as duas bombas?

51- Um tanque de expansão é projetado de tal modo que a variação do volume de ar entre a condição em que a água fria (25°C) e a de operação (85°C) é igual a um quarto do volume do tanque. Se p i = 101 kPa abs e p c = 180 kPa abs, qual será o valor de p h ?

Serpentinas Resfriadoras e Desumidificadoras:

52- Uma serpentina de resfriamento e desumidificação é alimentada por 2,4 m 3 /s de ar com temperatura de bulbo seco de 29 o C e de bulbo úmido de 24 o C e tem capacidade de resfriamento de 52 kW. A velocidade frontal é igual a 2,5 m/s e a serpentina é do tipo de expansão direta com o refrigerante evaporando a 7 o C. A serpentina tem uma área de troca de calor do lado do ar de 15 m 2 por metro quadrado de área frontal e por fileira de tubos. A razão entre a área do lado do ar e a do lado do refrigerante vale 14. Os valores de hr e hc são 2050 e 65 W/m 2 .K, respectivamente. Considere com = 1,02 kJ/kg.K. Calcule:

a) A área frontal.

b) A entalpia do ar na saída.

c) As temperaturas da superfície úmida na entrada do ar, na saída do ar e um ponto onde a entalpia

do ar apresenta um valor médio entre as condições de entrada e saída.

d) A área total.

e) O número de fileiras de tubos.

f) A temperatura de bulbo seco do ar na saída da serpentina.

Após resolver este exercício manualmente, resolva-o usando o EES.

53- Para a seção de área A 1-2 do exemplo 8.2 do livro, usando as condições de entrada do ar e as temperaturas da superfície úmida dos pontos 1 e 2:

a) Calcule a umidade absoluta do ar no ponto 2 usando a equação (8.6).

b) Verifique a resposta com a umidade absoluta determinada pela temperatura de bulbo seco e entalpia no ponto 2 calculada no exemplo 8.2.

54- Uma serpentina do tipo expansão direta resfria 0,53 kg/s de ar que na seção de entrada tem temperaturas de bulbo seco e úmido iguais a 32 e 20 o C, respectivamente. A temperatura do

refrigerante é igual a 9 o C, hr = 2 kW/m 2 .K, hc = 54 W/m 2 .K e a razão entre a área do lado do ar e do lado do refrigerante é igual a 15. Calcular:

a) A temperatura de bulbo seco do ar na condição em que se inicia a condensação.

b) A área da porção da serpentina que se apresenta seca.

Após resolver este exercício manualmente, resolva-o usando o EES, e obtenha uma tabela paramétrica e o gráfico de T a,2 = T a,2 (T a,1 ), T i,2 = T i,2 (T a,1 ) e A 1,2 = A 1,2 (T a,1 ), fazendo a temperatura do ar na entrada variar de 30 a 39 o C. Interprete os resultados.

55- Para a serpentina cujo comportamento e condições de entrada do ar são idênticos aos mostrados

na tabela 8.1, com velocidade frontal de 2 m/s e temperatura do refrigerante igual a 4,4 o C, calcule:

a) A razão entre a remoção de umidade e a redução da temperatura de bulbo seco do ar nas duas

primeiras fileiras de tubos na direção do escoamento de ar e também nas duas últimas fileiras.

b) A capacidade média de resfriamento para as duas primeiras e duas últimas fileiras de tubos em

kW/m 2 de área frontal.

56- Uma vazão de 0,4 kg/s de ar entra numa serpentina de resfriamento e desumidificação, que para fins de estudo é dividida em duas porções de áreas iguais, A 1-2 e A 2-3 . As temperaturas das superfícies úmidas são: T i,1 = 12,8 o C, T i,2 = 10,8 o C e T i,3 = 9,2 o C. A entalpia do ar na entrada, h a,1 , é igual a 81,0 kJ/kg, e a entalpia na posição 2, h a,2 , é igual a 64,5 kJ/kg. Determine h a,3 . Após resolver este exercício manualmente, resolva-o usando o EES.

Respostas:

1- M=2,5.C–62,5; -62,5°M 2- 787 kPa; 8,03 kgf/ cm 2 3- 0,776 kg/m 3 ; 1,289 m 3 /kg 4- 32,25°C; 2,31 kg/min 5- 13788,95 kW; a) 179,17 o C 6- 57,953 m 3 /kg (desvio de 0,19%) 7- a) 196,2 Pa; b) 12,32 m 3 /s 8- a) -96,5 W; b) -51,0 W; c) -13,3 W 9- 187,5 W/m 2 , 43,75 o C

10- Filho: 90,83 W (está com calor); Pai: 139,27 W (está com frio) 11- 265,40 W 12- a) Líquido sub-resfriado; b) 0,0375 kg VA/kg mistura 13- 17,8 W 14- a) T bu ≈ 14,2°C; T o ≈ 10,6°C; h ≈ 40,5 kJ/kg AS; Ф ≈ 55% e v ≈ 0,841 m 3 /kg AS

b) T bs ≈ 34,9°C; T bu ≈ 24,8°C; T o ≈ 19,4°C ; W ≈ 14,1 g VA/kg AS e v ≈ 0,892 m 3 /kg AS

c) T bs ≈ 10,3°C; T bu ≈ 7,8°C; W ≈ 5,5 g VA/kg AS, h ≈ 24,5 kJ/kg AS e Ф ≈ 70%

d) T o ≈ 23,2°C; h ≈ 76,5 kJ/kg; W ≈ 18,0 g VA/kg AS; Ф ≈ 67% e v ≈ 0,884 m 3 /kg AS

e) T bs ≈ 38,3°C; T bu ≈ 31,1°C; T o ≈ 29,2°C; h ≈ 105,0 kJ/kg AS e v ≈ 0,919 m 3 /kg AS

15- v = 0,990 m 3 /kg AS 16- a) W = 0,0202 kg VA/kg AS; b) h = 76,46 kJ/kg; c) W = 0,0180 kg VA/kg AS; d) p s = 2,841 kPa; e) Ф = 67% 17- a) h 85 = h 101 = 68,3 kJ/kg; b) T o 85 = 17,5°C; T o 101 = 20,3°C 18- a) 31,2°C; 0,247 kg/s 19- a) 84,87 kW; b) 0,0113 kg/s 20- a) 58,98 kJ/kg; b) 0,01198 kg VA/kg AS; c) 28,5°C; d) 28,4°C 21- q = -2913,9 W 22- a) 11,71%; b) 34,04%; c) Opção (b) 23- a) 2113,5 W; b) 1348 W 24- a) -602,5 W; b) Carga nula 25- 733,77 W 26- 0,767 m 27- 358,33 W 28- a) 9930,2 W; b) 16363,8 W 29- 9,75°C 30- 18,8°C 31- 13°C e 3,82 kg/s 32- Ar externo 33- a) Antes: 210 kW, Depois: 225 kW; b) Antes: 58 kW, Depois: 76 kW 34- a) 36,1 Pa; b) 37,5 Pa 35- 25,46 m/s 36- 0,6 Pa/m 37- 0,4675 m 3 /s 38- 10,14 m 39- a) 346 Pa; b) 202 Pa 40- 62 Pa 41- 0,31 m 42- D ótimo = 0,237 m; C = 2158,44 US$ 43- a) 2,4 m 3 /s; b) 318 Pa; c) 1,685 kW 44- 19,84 r/s; 4,981 kW 45- 1,84 m/s

46- 13,11° 47- 2,956 kW 48- a) 338 Pa/m; b) 331 Pa/m 49- Q 1 = 7,24 l/s; Q 2 = 5,28 l/s; Q 3 = 1,96 l/s 50- a) 13,3 l/s; b) 3730 W 51- 325 kPa abs 52- a) 0,96 m 2 ; b) 53,43 kJ/kg; c) T i,1 = 17,31 o C; T i,2 = 15,49 o C; T i,3 = 13,60 o C; d) 42,38 m 2 ; e) 3 fileiras; f) 20,18 o C 53- a) 0,0111 kg/kg; b) 0,011 kg/kg 54- a) 25,65 o C; b) 4,50 m 2 55- a) Duas primeiras fileiras: 0,0000932 kg/kg.K; Duas últimas fileiras: 0,000615 kg/kg.K; b) Duas primeiras fileiras: 33,11 kW; Duas últimas fileiras: 22,83 kW 56- 52,25 kJ/kg