Você está na página 1de 268

APRESENTAÇÃO

A primeira edição do Atlas de Energia Elétrica do Brasil atingiu números expressivos. Foram distribuídos cerca de três mil exemplares
impressos e cinco mil CD-ROMs; a página da ANEEL na Internet registrou uma média mensal de doze mil downloads do arquivo
do Atlas entre janeiro de 2002 e março de 2004. A publicação recebeu, ainda, duas honrosas premiações: “Publicação Especial”,
conferida pela Associação Brasileira de Comunicação Empresarial – ABERJE, e “Opinião Pública 2002”, na categoria Publicações,
conferida pelo Conselho Regional de Profissionais de Relações Públicas – CONRERP (2ª Região).

Em virtude do sucesso da primeira edição e motivada pela contínua demanda, a ANEEL, com o apoio da Organização Mundial de
Meteorologia – OMM, do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento – PNUD e de outras instituições governamentais e
não governamentais, tem a satisfação de publicar esta segunda edição, revista, atualizada e ampliada. Buscou-se também propor-
cionar ao leitor uma leitura mais fácil e agradável da obra, mediante o aprimoramento da arte gráfica da publicação, nas versões
impressa e digital.

A ampliação, a atualização e o aprimoramento deste trabalho decorrem da competência atribuída à ANEEL nos termos de Decreto
2.335, de 07 de outubro de 1997 (anexo 1, cap. 2, art. 4, inciso XXXIII) de organizar e manter atualizado o acervo de informações
e dados técnicos relativos às atividades estratégicas dos serviços de energia elétrica no Brasil e refletem uma de suas principais diretri-
zes, qual seja, a de educar e informar os agentes e demais atores envolvidos sobre as políticas, diretrizes e regulamentos do se-
tor elétrico brasileiro (Decreto 2.335, de 07 de outubro de 1997, anexo 1, cap. 1, art. 3º, inciso VIII).

O Atlas procura sistematizar e tornar disponível aos agentes e especialistas, bem como a toda a sociedade, dados e informações
básicas, colhidas de diversas fontes, a respeito de tecnologias de geração de energia elétrica, de empreendimentos de geração e
transmissão, assim como de aspectos socioeconômicos relacionados com o setor elétrico brasileiro.

A oferta de energia elétrica no Brasil obteve em 2002 e 2003 um ganho de 8.631,4 MW, resultantes da entrada em operação
comercial de novos empreendimentos na área de geração e da adição de um total de 7.416,2 km de novas linhas de transmissão.
Não obstante, existem regiões do País, mais remotas e menos desenvolvidas, que necessitam de uma estrutura de oferta calcada
nas potencialidades locais de energia. O Atlas provê informações relevantes, que podem subsidiar ações nesse campo, de for-
APRESENTAÇÃO

ma que cada recurso energético seja estrategicamente aproveitado, maximizando-se os benefícios e minimizando-se os impac-
tos negativos sobre meio ambiente e a sociedade.

Com esta nova edição do Atlas, a ANEEL espera estar contribuindo para o desenvolvimento equilibrado e sustentável do setor elé-
trico brasileiro.

Ficam aqui registrados os agradecimentos ao apoio e à colaboração indispensável das instituições, dos profissionais do setor e de
todos aqueles que contribuíram para elaborar esta segunda edição.

Jerson Kelman
Diretor-Geral
SUMÁRIO

SUMÁRIO

Lista de Figuras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . XI
Lista de Tabelas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . XV
Lista de Siglas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . XIX

1- INTRODUÇÃO
1.1. Energia, Espaço Geográfico e Desenvolvimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
1.2. Fontes e Sistemas de Informações Energéticas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2
1.3. Geoprocessamento de Informações Energéticas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3
1.4. Metodologia Empregada e Estrutura de Apresentação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3

2- ASPECTOS INSTITUCIONAIS
2.1. Configuração do Sistema Elétrico Nacional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
2.1.1. Sistema Interligado Nacional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
2.1.2. Sistemas Isolados. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
2.2. Geração de Energia Elétrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
2.2.1. Co-geração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
2.3. Transmissão de Energia Elétrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
2.4. Distribuição de Energia Elétrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
2.4.1. Concessionárias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
2.4.2. Permissionárias e Autorizadas (Cooperativas de eletrificação Rural) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
2.4.3. Qualidade na Prestação dos Serviços de Distribuição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
2.5. Comercialização de Energia Elétrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24

VII
SUMÁRIO

2.6. Descentralização (Agências Estaduais) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24


2.7. Programas de Pesquisa & Desenvolvimento e Eficiência Energética (Lei nº 9.991/2000) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27

3- ENERGIA SOLAR
3.1. Informações Gerais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
3.2. Radiação Solar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
3.3. Tecnologias de Aproveitamento. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
3.3.1. Aproveitamentos Térmicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
3.3.2. Conversão Direta da Radiação Solar em Energia Elétrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
3.4. Aproveitamento da Energia Solar no Brasil. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
3.4.1. Aquecimento de Água. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
3.4.2. Sistemas Fotovoltaicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
3.5. Impactos Socioambientais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41

4- ENERGIA HIDRÁULICA
4.1. Informações Gerais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
4.2. Disponibilidade de Recursos Hidráulicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
4.3. Potencial Hidrelétrico Brasileiro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
4.4. Tecnologias de Aproveitamento. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
4.5. Capacidade Instalada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
4.6. Centrais Hidrelétricas em Operação no Brasil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58
4.7. Futuros Projetos Hidrelétricos no Brasil. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
4.8. Monitoramento Hidrológico dos Empreendimentos Hidrelétricos Brasileiros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
4.9. Rede Hidrometeorológica Básica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
4.10. Aspectos Socioambientais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
4.11. Compensação Financeira e Royalties . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68

5- BIOMASSA
5.1. Informações Gerais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77
5.2. Disponibilidade de Recursos e Consumo de Biomassa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77
5.3. Tecnologias de Aproveitamento. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87
5.4. Centrais Termelétricas a Biomassa em Operação no Brasil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89
5.5. Futuras Centrais Termelétricas a Biomassa no Brasil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89
5.6. Aspectos Socioambientais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92

6- ENERGIA EÓLICA
6.1. Informações Gerais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93
6.2. Disponibilidade de Recursos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94
6.3. Potencial Eólico Brasileiro. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95
6.4. Tecnologias de Aproveitamento – Turbinas Eólicas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97
6.5. Capacidade Instalada no Mundo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99
6.6. Energia Eólica no Contexto do Setor Elétrico Brasileiro. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100

VIII
SUMÁRIO

6.6.1. Projetos em Operação no País . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105


6.7. Impactos Socioambientais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109

7- PETRÓLEO
7.1. Informações Gerais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111
7.2. Reservas, Produção e Consumo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112
7.3. Uso de Derivados de Petróleo na Geração de Eletricidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 114
7.4. Impactos Socioambientais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117

8- CARVÃO MINERAL
8.1. Informações Gerais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119
8.2. Reservas, Produção e Consumo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119
8.3. Tecnologias de Aproveitamento. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120
8.4. Geração Termelétrica a Carvão no Brasil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123
8.5. Impactos Socioambientais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 126

9- GÁS NATURAL
9.1. Informações Gerais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 127
9.2. Reservas, Produção e Consumo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 127
9.3. Geração Termelétrica a Gás Natural. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129
9.4. Centrais Termelétricas a Gás Natural no Brasil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 130
9.5. Impactos Socioambientais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 138

10- OUTRAS FONTES


10.1. Informações Gerais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 139
10.2. Energia Nuclear . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 139
10.2.1. A Energia Nuclear no Contexto do Setor Elétrico Internacional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 139
10.2.2. A Energia Nuclear no Contexto do Setor Elétrico Brasileiro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 140
10.2.3. Reservas, Extração e Beneficiamento de Urânio no Brasil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 141
10.2.4. Aspectos Socioambientais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 142
10.3. Efluente Gasoso, Enxofre, Gás de Alto Forno e Gás de Processo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 143

11- ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS


11.1. Informações Gerais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145
11.2. Indicadores Demográficos e Socioeconômicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145
11.2.1. Índices de Atendimento. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 146
11.2.2. Consumo de Eletricidade por Região e Setor de Atividade. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 152

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .161

IX
SUMÁRIO

ANEXOS
Anexo 1- Centrais elétricas em operação nos sistemas isolados – situação em outubro de 2003. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 170
Anexo 2- Cooperativas de eletrificação rural existentes no País . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 180
Anexo 3A- UHEs em operação – situação em setembro de 2003 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 186
Anexo 3B- PCHs em operação – situação em setembro de 2003 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 191
Anexo 3C- CGHs em operação – situação em setembro de 2003 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 199
Anexo 3D- Futuras UHEs – situação em setembro de 2003. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 204
Anexo 3E- Futuras PCHs e CGHs – situação em setembro de 2003. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 206
Anexo 4- Diagrama topológico dos aproveitamentos hidrelétricos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 214
Anexo 5- UTEs a biomassa em operação – situação em setembro de 2003. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 227
Anexo 6- UTEs a óleo diesel em operação – situação em setembro de 2003. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 234

X
LISTA DE FIGURAS

LISTA DE FIGURAS

CAPÍTULO 1
Figura 1.1 – Vista noturna da Terra a partir de imagens de satélite . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2

CAPÍTULO 2
Figura 2.1 – Mapa com representação simplificada da integração entre os sistemas de produção
e transmissão para o suprimento do mercado consumidor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
Figura 2.2 – Centrais elétricas que compõem os Sistemas Isolados – Situação em outubro de 2003 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
Figura 2.3 – Participação percentual dos tipos de centrais na capacidade instalada (MW) para geração
de energia elétrica no Brasil – Situação em outubro de 2003 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
Figura 2.4 – Participação percentual das fontes renováveis e não renováveis na capacidade instalada (MW)
para geração de energia elétrica no Brasil – Situação em outubro de 2003 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
Figura 2.5 – Centrais de co-geração em operação no País – Situação em outubro de 2003 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
Figura 2.6 – Subestação Londrina (Londrina-PR) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
Figura 2.7 – Linhas de transmissão e subestações licitadas ou autorizadas pela ANEEL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
Figura 2.8 – Participação das distribuidoras no mercado de energia elétrica, segundo o controle acionário. . . . . . . . . . . . . . 16
Figura 2.9a – Áreas de abrangência das concessionárias de distribuição de energia elétrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
Figura 2.9b – Áreas de abrangência das concessionárias de distribuição de energia elétrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
Figura 2.10 – Distribuição das cooperativas de eletrificação em todo o País (sedes). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
Figura 2.11 – Evolução do DEC para cada região do País . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
Figura 2.12 – Evolução do FEC para cada região do País. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
Figura 2.13a – IASC global e por região 2000-2003 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
Figura 2.13b – Índice ANEEL de satisfação do consumidor (IASC) e alguns dos principais parâmetros internacionais. . . . . . . 23
Figura 2.14 – Evolução do mercado das comercializadoras (negociado no MAE). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24

XI
LISTA DE FIGURAS

Figura 2.15– Mapa com as agências estaduais e situação quanto à celebração dos convênios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26

CAPÍTULO 3
Figura 3.1 – Representação das estações do ano e do movimento da Terra em torno do Sol . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
Figura 3.2 – Média anual de insolação diária no Brasil (horas). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
Figura 3.3 - Ilustração de um sistema solar para aquecimento de água. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
Figura 3.4 - Radiação solar global diária - média anual típica (MJ/m2.dia) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
Figura 3.5 – Radiação solar global diária - média anual típica (Wh/m2.dia) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
Figura 3.6 – Sistema térmico de geração solar de energia elétrica (Califórnia – EUA) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
Figura 3.7 – Ilustração de um sistema de geração fotovoltaica de energia elétrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
Figura 3.8 – Sistema comercial de aquecimento solar de água (Belo Horizonte – MG) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
Figura 3.9 – Sistema fotovoltaico de bombeamento de água para irrigação (Capim Grosso – BA). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
Figura 3.10 – Sistema de bombeamento fotovoltaico – Santa Cruz I (Mirante do Paranapanema – SP) . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
Figura 3.11 – Sistema de eletrificação fotovoltaica do Núcleo Perequê (Vale do Ribeira – SP) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
Figura 3.12 – Sistema fotovoltaico para atendimento domiciliar – Projeto Ribeirinhas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
Figura 3.13 – Sistema híbrido solar-diesel de Araras, Nova Mamoré – RO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41

CAPÍTULO 4
Figura 4.1 – Potencial tecnicamente aproveitável para geração de energia hidrelétrica no mundo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
Figura 4.2 – Potencial hidrelétrico brasileiro por sub-bacia hidrográfica – situação em março de 2003 . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
Figura 4.3 – Exemplos de turbinas hidráulicas (Pelton, Kaplan e Francis, respectivamente). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
Figura 4.4 – Usina Hidrelétrica de Henry Borden (Cubatão – SP) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
Figura 4.5 – Vista panorâmica da Usina Hidrelétrica de Itaipu . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
Figura 4.6 – Usina Hidrelétrica de Funil (Itatiaia – RJ). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
Figura 4.7 – Usina Hidrelétrica de Jupiá (Três Lagoas – SP) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
Figura 4.8 – Capacidade instalada em usinas hidrelétricas no mundo – 1999 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
Figura 4.9 – Capacidade instalada por sub-bacia hidrográfica - situação em março de 2003 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
Figura 4.10 – Índice de aproveitamento do potencial hidrelétrico brasileiro - situação em março de 2003 . . . . . . . . . . . . . . 57
Figura 4.11 – Evolução da concentração das usinas hidrelétricas no Brasil (1950 e 2000) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58
Figura 4.12 – Usinas hidrelétricas (UHEs) em operação no País – situação em setembro de 2003 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
Figura 4.13 – Localização das PCHs em operação no Brasil – situação em setembro de 2003 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
Figura 4.14 – Localização das CGHs em operação no Brasil – situação em setembro de 2003 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62
Figura 4.15 – Futuros Empreendimentos Hidrelétricos – situação em setembro de 2003. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
Figura 4.16 – Estações Hidrométricas do sistema de monitoramento hidrológico dos aproveitamentos hidrelétricos . . . . . . . 64
Figura 4.17 – Estações Fluviométricas da rede hidrometeorológica básica nacional – situação em outubro de 2003 . . . . . . . 66
Figura 4.18 – Estações Pluviométricas da rede hidrometeorológica básica nacional – situação em outubro de 2003 . . . . . . . 67
Figura 4.19 – Usinas hidrelétricas que pagam compensação financeira ou royalties,
segundo área alagada – situação em 2003 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
Figura 4.20 – Imagem de satélite do reservatório da Usina Hidrelétrica de Sobradinho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75

CAPÍTULO 5
Figura 5.1 – Potencial de geração de energia elétrica a partir de resíduos florestais (silvicultura) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80
Figura 5.2 – Potencial de geração de excedente de energia elétrica no setor sucroalcooleiro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81
Figura 5.3 – Estimativa de potencial para geração de energia elétrica a partir do óleo de palma (dendê) . . . . . . . . . . . . . . . 83

XII
LISTA DE FIGURAS

Figura 5.4 – Potencial de geração de energia elétrica a partir de casca de arroz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84


Figura 5.5 – Potencial de geração de energia elétrica a partir de casca de castanha de caju . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
Figura 5.6 – Potencial de geração de energia elétrica a partir de casca de coco-da-baía . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86
Figura 5.7 – Diagrama esquemático dos processos de conversão energética da biomassa. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87
Figura 5.8 – Usinas termelétricas a biomassa em operação e potência instalada por Estado –
situação em setembro de 2003 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91

CAPÍTULO 6
Figura 6.1 – Velocidade média anual do vento a 50m de altura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96
Figura 6.2 – Desenho esquemático de uma turbina eólica moderna . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97
Figura 6.3 – Exemplos de turbinas eólicas (da esquerda para a direita: pequena, média e grande) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98
Figura 6.4 – Energia eólica – distribuição da capacidade instalada no mundo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99
Figura 6.5 – Complementaridade entre a geração hidrelétrica e eólica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101
Figura 6.6 – Localização dos projetos eólicos em operação e outorgados (construção não iniciada) –
situação em setembro de 2003 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 102
Figura 6.7 – Primeira turbina eólica de Fernando de Noronha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
Figura 6.8 – Segunda turbina eólica de Fernando de Noronha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106
Figura 6.9 – Central Eólica do Morro do Camelinho (Gouveia – MG) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106
Figura 6.10 – Central Eólica de Taíba (São Gonçalo do Amarante – CE) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106
Figura 6.11 – Central Eólica da Prainha (Aquiraz – CE) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
Figura 6.12 – Central Eólica Mucuripe (Fortaleza – CE) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
Figura 6.13 – Central Eólica de Palmas (Palmas – PR) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
Figura 6.14 – Central Eólica de Olinda – PE. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108
Figura 6.15 – Central Eólica de Bom Jardim (Bom Jardim da Serra – SC). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108

CAPÍTULO 7
Figura 7.1 – Reservas provadas de petróleo no mundo – situação em 2002 (milhões de toneladas) . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113
Figura 7.2 – Consumo de petróleo no mundo em 2002 (milhões de toneladas) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113
Figura 7.3 – Centrais termelétricas em operação no Brasil (derivados de petróleo) e potência instalada
segundo unidades da Federação – situação em setembro de 2003 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 116

CAPÍTULO 8
Figura 8.1 – Reservas mundiais de carvão mineral – situação em 2002 (milhões de toneladas) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121
Figura 8.2 – Consumo mundial de carvão mineral em 2002 (milhões de tEP) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121
Figura 8.3 – Unidade do complexo termelétrico de Jorge Lacerda. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 124
Figura 8.4 – Empreendimentos futuros e em operação – situação em setembro de 2003 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125

CAPÍTULO 9
Figura 9.1 – Reservas mundiais de gás natural – situação em 2002 (trilhões de m3) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128
Figura 9.2 – Consumo mundial de gás natural em 2002 (milhões de tEP) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129
Figura 9.3 – Localização das termelétricas a gás natural em operação no Brasil – situação em setembro de 2003 . . . . . . . 133

XIII
LISTA DE FIGURAS

Figura 9.4 – Termelétricas a gás natural em construção e projetos apenas outorgados (construção não-iniciada)
no Brasil – situação em setembro de 2003 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 136
Figura 9.5 – Representação dos gasodutos existentes, em construção e em análise no Brasil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 137

CAPÍTULO 10
Figura 10.1 – Diagrama esquemático de uma usina termonuclear. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 140
Figura 10.2 – Produção mundial de energia elétrica por usinas nucleares em 1998 (milhões de tEP). . . . . . . . . . . . . . . . . . 141
Figura 10.3 – Reservas nacionais de urânio, unidades de extração, beneficiamento e produção de
elementos combustíveis e usina termonuclear de Angra dos Reis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 142
Figura 10.4 – Termelétricas atuais e futuras (efluente gasoso, enxofre, gás de alto forno e gás de processo) -
situação em setembro de 2003 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 144

CAPÍTULO 11
Figura 11.1 – IDH 2000 (Elaborado por município) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 148
Figura 11.2 – Distribuição espacial da população brasileira (densidade demográfica – hab/km2) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 149
Figura 11.3 – Renda per capita no Brasil (R$/hab) com base no censo 2000 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150
Figura 11.4 – Taxa de eletrificação domiciliar em 2000 (por municípios) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 151
Figura 11.5 – Taxa de eletrificação domiciliar rural em 2000 (por Estados da Federação) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 153
Figura 11.6 – Taxa de eletrificação domiciliar urbana em 2000 (por Estados da Federação) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 154
Figura 11.7 – Proporção de domicílios com televisão em 2000 (por municípios) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 156
Figura 11.8 – Proporção de domicílios com geladeira em 2000 (por municípios). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 157
Figura 11.9 – Vista noturna do sub-continente sul-americano a partir de imagens de satélite . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 158
Figura 11.10 – Evolução do consumo de energia elétrica (GWh) no Brasil, segundo as classes de consumo . . . . . . . . . . . . 159
Figura 11.11 – Evolução da participação (%) das classes de consumo de energia elétrica no país . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 159

XIV
LISTA DE TABELAS

LISTA DE TABELAS

CAPÍTULO 2
Tabela 2.1 – Centrais de co-geração em operação no País – Situação em outubro de 2003 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
Tabela 2.2 – Centrais de co-geração em construção no País – Situação em outubro de 2003. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
Tabela 2.3 – Centrais de co-geração apenas outorgadas – Situação em outubro de 2003 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
Tabela 2.4 – Linhas de transmissão licitadas ou autorizadas pela ANEEL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
Tabela 2.5 – Subestações licitadas ou autorizadas pela ANEEL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
Tabela 2.6 – Concessionárias distribuidoras atuantes no Brasil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
Tabela 2.7 – Quantitativo de cooperativas de eletrificação rural por Estado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
Tabela 2.8 – Agentes comercializadores em atuação no País. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
Tabela 2.9 – Regras para aplicação dos recursos em P&D e eficiência energética . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
Tabela 2.10 – Resultados obtidos e investimentos em eficiência energética . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
Tabela 2.11 – Resultados obtidos e investimentos em P&D . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27

CAPÍTULO 3
Tabela 3.1 – Duração solar do dia, em horas, em diferentes latitudes e períodos do ano* . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
Tabela 3.2 – Eficiência de conversão e custo de células solares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
Tabela 3.3 – Sistemas de bombeamento de água na região do Pontal do Paranapanema – SP . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
Tabela 3.4 – Projetos fotovoltaicos coordenados pelo Prodeem/MME* . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
Tabela 3.5 – Distribuição regional dos sistemas fotovoltaicos instalados pelo Prodeem até o ano de 2002 . . . . . . . . . . . . . . 42

XV
LISTA DE TABELAS

CAPÍTULO 4
Tabela 4.1 – Potencial hidrelétrico brasileiro por bacia hidrográfica – situação em março de 2003 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
Tabela 4.2 – Potencial hidrelétrico brasileiro por sub-bacia hidrográfica – situação em março de 2003 . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
Tabela 4.3 – Capacidade instalada por bacia hidrográfica (MW) – situação em março de 2003 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
Tabela 4.4 – Capacidade instalada por sub-bacia hidrográfica (MW) – situação em março de 2003 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
Tabela 4.5 – Índices de aproveitamento por bacia - situação em março de 2003 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
Tabela 4.6 – Distribuição das centrais hidrelétricas em operação por faixa de potência - situação em setembro de 2003 . . . 59
Quadro 4.1 – Aspectos incorporados no planejamento e execução de novos projetos hidrelétricos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
Tabela 4.7 – Histórico dos benefícios distribuídos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
Tabela 4.8 – Histórico dos benefícios distribuídos, segundo unidades da Federação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
Tabela 4.9 – Usinas hidrelétricas que pagam compensação financeira ou royalties,
segundo área alagada - situação em setembro de 2003 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72

CAPÍTULO 5
Tabela 5.1 – Consumo de biomassa (MtEP). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78
Tabela 5.2 – Potencial e perspectivas de co-geração no setor sucroalcooleiro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82
Tabela 5.3 – Futuras UTEs – Situação em setembro de 2003. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
Quadro 5.1 – Exemplo de uso de óleos vegetais na geração de energia elétrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92

CAPÍTULO 6
Tabela 6.1 – Distribuição da área de cada continente segundo a velocidade média do vento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94
Tabela 6.2 – Estimativas do potencial eólico mundial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94
Tabela 6.3 – Definição das classes de energia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95
Tabela 6.4 – Energia eólica – capacidade instalada no mundo (MW). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99
Tabela 6.5 – Centrais eólicas em operação no Brasil – situação em setembro de 2003 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100
Tabela 6.6 – Centrais eólicas outorgadas (construção não iniciada) – situação em setembro de 2003. . . . . . . . . . . . . . . . . 103

CAPÍTULO 7
Tabela 7.1 – Reservas provadas, produção e consumo de petróleo no mundo em 2002 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112
Tabela 7.2 – Capacidade instalada das plantas termelétricas a derivados de petróleo e parcela
da geração de eletricidade nos países da OCDE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 114
Tabela 7.3 – Usinas termelétricas a óleo ultraviscoso, óleo combustível, e gás de refinaria
em operação no Brasil em setembro de 2003 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115
Tabela 7.4 – Futuras termelétricas (derivados de petróleo) – situação em setembro de 2003 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117

CAPÍTULO 8
Tabela 8.1 – Reservas, produção e consumo de carvão mineral no mundo em 2002 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120
Tabela 8.2 – Síntese do estado da arte de tecnologias de combustão eficiente do carvão. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122
Quadro 8.1 – Necessidade de P&D em tecnologias de limpeza e combustão eficiente do carvão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123
Tabela 8.3 – Centrais termelétricas a carvão mineral em operação no Brasil – situação em setembro de 2003 . . . . . . . . . . 124
Tabela 8.4 – Centrais termelétricas a carvão mineral outorgadas (construção não-iniciada) –
situação em setembro de 2003 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 124

XVI
LISTA DE TABELAS

CAPÍTULO 9
Tabela 9.1 – Reservas, produção e consumo de gás natural no mundo em 2002 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128
Tabela 9.2 – Centrais termelétricas a gás natural em operação no Brasil em setembro de 2003 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 131
Tabela 9.3 – Futuras centrais termelétricas a gás natural Brasil – situação em setembro de 2003 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 134

CAPÍTULO 10
Tabela 10.1 – Consumo de energia nuclear no mundo em 2002 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 140
Tabela 10.2 - Reservas de urânio no Brasil - situação em janeiro de 2001. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 141
Tabela 10.3 – Empreendimentos em operação no Brasil (Efluente Gasoso, Enxofre,
Gás de Alto Forno e Gás de Processo) - situação em setembro de 2003 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 143
Tabela 10.4 – Empreendimentos em construção ou apenas outorgados (Efluente Gasoso, Enxofre,
Gás de Alto Forno e Gás de Processo) - situação em setembro de 2003 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 143

CAPÍTULO 11
Tabela 11.1 – Indicadores socioeconômicos e demográficos – Brasil e suas regiões. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 146
Tabela 11.2 – Indicadores socioeconômicos e demográficos no Brasil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 147
Tabela 11.3 – Distribuição dos municípios e da população brasileira segundo o tamanho das cidades . . . . . . . . . . . . . . . . 152
Tabela 11.4 – Evolução da eletrificação domiciliar no Brasil. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 155
Tabela 11.5 – Consumo de energia elétrica (GWh) por Estados da Federação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 160
Tabela 11.6 – Consumo de energia elétrica (GWh) segundo as classes de consumo - Brasil e regiões . . . . . . . . . . . . . . . . . 160

XVII
LISTA DE SIGLAS

LISTA DE SIGLAS
ABRADEE Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica
ABRAVA Associação Brasileira de Refrigeração, Ar Condicionado, Ventilação e Aquecimento.
AGEAC Agência Reguladora dos Serviços Públicos do Estado do Acre
AGEEL Agência Estadual de Energia da Paraíba.
AGEPAN Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos do Mato Grosso do Sul.
AGER/MT Agência Estadual de Regulação dos Serviços Públicos Delegados do Estado de Mato de Grosso.
AGERBA Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos de Energia, Transporte e Comunicação da Bahia.
AGERGS Agência Estadual de Regulação dos Serviços Públicos Delegados do Rio Grande do Sul.
AGESP/ES Agência Estadual de Serviços Públicos do Espírito Santo.
AGR Agência Goiana de Regulação, Controle e Fiscalização de Serviços Públicos.
ANA Agência Nacional de Águas.
ANEEL Agência Nacional de Energia Elétrica.
ANP Agência Nacional do Petróleo
APE Auto Produtor de Energia Elétrica.
APE-COM Agência Reguladora de Serviços autorizado a Comercializar a produção excedente
ARCE Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados do Estado do Ceará.
ARCO Agência Catarinense de Regulação e Controle Santa Catarina.
ARCON Agência Estadual de Regulação e Controle de Serviços Públicos do Estado do Pará.
ARPE Agência de Regulação dos Serviços Públicos Delegados do Estado de Pernambuco.
ARSAL Agência Reguladora de Serviços Públicos do Estado de Alagoas.
ARSAM Agência Reguladora dos Serviços Públicos Concedidos do Estado do Amazonas
ARSEP/ RN Agência Reguladora de Serviços Públicos do Rio Grande do Norte.
ARSEP/ MA Agência Reguladora de Serviços Públicos do Maranhão.
ASTINS Agência de Serviços Públicos Delegados do Tocantins.
ASEP Agência Estadual de Servços Públicos Concedidos Rio de Janeiro.
AWEA American Wind Energy Association (Associação Americana de Energia Eólica).
BEN Balanço Energético Nacional.
BIG Banco de Informações de Geração.
BP British Petroleum

XIX
LISTA DE SIGLAS

CBEE Centro Brasileiro de Energia Eólica/UFPE


CCC Conta de Consumo de Combustíveis.
CEA Companhia de Eletricidade do Amapá
CEAL Companhia Energética de Alagoas
CEAM Companhia Energética do Amazonas
CEB Companhia Energética de Brasília
CEEE Companhia Estadual de Energia Elétrica
CELESC Centrais Elétricas de Santa Catarina
CELG Companhia Energética de Goiás
CELPA Centrais Elétricas do Pará
CELPE Companhia Energética de Pernambuco
CELTINS Companhia de Energia Elétrica do Estado do Tocantins
CEMAR Companhia Energética do Maranhão
CEMAT Centrais Elétricas Matogrossenses
CEMIG Companhia Energética de Minas Gerais
CENBIO Centro Nacional de Referência em Biomassa/USP
CEPEL Centro de Pesquisa de Energia Elétrica/Eletrobrás
CEPISA Companhia Energética do Piauí
CER Companhia Energética de Roraima
CERON Centrais Elétricas de Rondônia S/A
CESP Companhia Energética de São Paulo
CHESF Companhia Hidroelétrica do São Francisco
CNPE Conselho Nacional de Política Energética
COELBA Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia
COELCE Companhia Energética do Ceará
COPEL Companhia Paranaense de Energia
COSERN Companhia Energética do Rio Grande do Norte
CPEE Companhia Paulista de Energia Elétrica
CPFL Companhia Paulista de Força e Luz
CPRM Companhia de Pesquisa em Recursos Minerais
CRESESB Centro de Referência para a Energia Solar e Eólica Sérgio de Salvo Brito/CEPEL
CSPE Comissão de Serviços Públicos de Energia do Estado de São Paulo.
DEC Duração Equivalente de Interrupção por Unidade Consumidora.
DIC Duração de Interrupção por Unidade Consumidora.
DMIC Duração Máxima de Interrupção por Unidade Consumidora.
DOE Department of Energy (Ministério da Energia dos Estados Unidos)
EFEI Escola Federal de Engenharia de Itajubá
EIA Estudo de Impacto Ambiental.
ELETROACRE Companhia de Eletricidade do Acre
ELETROBRÁS Centrais Elétricas do Brasil S/A
ELETRONORTE Centrais Elétricas do Norte do Brasil S/A
ELETROPAULO Metropolitana Eletricidade de São Paulo S/A
EMAE Empresa Metropolitana de Águas e Energia S/A
ENERGIPE Empresa Energética de Sergipe S/A
ENERSUL Empresa Energética de Mato Grosso do Sul S/A
ESCELSA Espírito Santo Centrais Elétricas S/A
FEC Freqüência Equivalente de Interrupção por Unidade Consumidora.

XX
LISTA DE SIGLAS

FIC Freqüência de Interrupção por Unidade Consumidora.


FNDCT Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico.
GEE Gás de Efeito Estufa
GERASUL Centrais Geradoras do Sul do Brasil S. A.
GPS Global Positioning System
GREEN Grupo de Estudos em Energia/PUC-MG
GTZ Agência Alemã de Cooperação Técnica.
IASC Índice ANEEL de Satisfação do Consumidor.
IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística
IDH Índice de Desenvolvimento Humano
IEA International Energy Agency (Agência Internacional de Energia)
IEE Instituto de Eletrotécnica e Energia/USP
INB Indústrias Nucleares Brasileiras
INMET Instituto Nacional de Meteorologia
INPE Instituto Nacional de Pesquisa Espacial
IPEA Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada
LABSOLAR Laboratório de Energia Solar/UFSC
MAE Mercado Atacadista de Energia Elétrica
MME Ministério de Minas e Energia
NIPE Núcleo Interdisciplinar de Planejamento Energético/Unicamp
NREL National Renewable Energy Laboratory (Laboratório Nacinal de Energia Renovável, EUA)
OCDE Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico
ONS Operador Nacional do Sistema Elétrico
P&D Pesquisa e Desenvolvimento.
PCH Pequena Central Hidrelétrica
PIE Produtor Independente de Energia Elétrica
PNAD Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios/IBGE
PNUD Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento.
PROCEL Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica/Eletrobrás
PRODEEM Programa de Desenvolvimento Energético de Estados e Municípios/MME
PROINFA Programa de Incentivo as Fontes Alternativas de Energia Elétrica.
PUC Pontifícia Universidade Católica
RIMA Relatório de Impacto Ambiental.
ROL Receita Operacional Líquida.
SIG Sistema de Informações Geográficas
SIN Sistema Interligado Nacional.
SP Produção de Energia Elétrica Destinada ao Serviço Público de Distribuição.
UF Unidade da Federação.
UFPE Universidade Federal de Pernambuco
UFRJ Universidade Federal do Rio de Janeiro
UFSC Universidade Federal de Santa Catarina
UHE Usina Hidrelétrica
UNICAMP Universidade Estadual de Campinas
USP Universidade de São Paulo.
UTE Usina Termoelétrica.

XXI
LISTA DE SIGLAS

UNIDADES E MEDIDAS
cal – caloria
J – joule
W – watt
Wh – watt-hora
k – kilo (103)
M – mega (106)
G – giga (109)
T – tera (1012)
P – peta (1015)
E – exa (1018)
tEP – tonelada Equivalente de Petróleo
Wp – watt pico

XXII
INTRODUÇÃO 1

1.1. ENERGIA, ESPAÇO GEOGRÁFICO E DESENVOLVIMENTO


A energia, nas suas mais diversas formas, é indispensável à sobrevivência da espécie humana. E mais do que sobreviver, o homem
procurou sempre evoluir, descobrindo fontes e maneiras alternativas de adaptação ao ambiente em que vive e de atendimento às
suas necessidades. Dessa forma, a exaustão, a escassez ou a inconveniência de um dado recurso tendem a ser compensadas pelo sur-
gimento de outro(s). Em termos de suprimento energético, a eletricidade se tornou uma das formas mais versáteis e convenientes de
energia, passando a ser recurso indispensável e estratégico para o desenvolvimento socioeconômico de muitos países e regiões.

No limiar do terceiro milênio, os avanços tecnológicos em geração, transmissão e uso final de energia elétrica permitem que ela
chegue aos mais diversos lugares do planeta, transformando regiões desocupadas ou pouco desenvolvidas em pólos industriais e
grandes centros urbanos. Os impactos dessas transformações em escala planetária podem ser vistos na Figura 1.1.

Apesar dos referidos avanços tecnológicos e benefícios proporcionados pela energia elétrica, cerca de um terço da população mun-
dial ainda não tem acesso a esse recurso; dos dois terços restantes, uma parcela considerável é atendida de forma muito precária.
No Brasil, a situação é menos crítica, mas ainda muito preocupante. Apesar da grande extensão territorial do país e da abundância
de recursos energéticos, há uma grande diversidade regional e uma forte concentração de pessoas e atividades econômicas em re-
giões com problemas de suprimento energético. Como revelado pelo último censo demográfico, mais de 80% da população bra-
sileira vive na zona urbana. A grande maioria desse contingente está na periferia dos grandes centros urbanos, onde as condições
de infra-estrutura são deficitárias.

Grande parte dos recursos energéticos do País se localiza em regiões pouco desenvolvidas, distantes dos grandes centros consumi-
dores e sujeitos a restrições ambientais. Promover o desenvolvimento econômico-social dessas regiões, preservar a sua diversidade
biológica e garantir o suprimento energético das regiões mais desenvolvidas são alguns dos desafios da sociedade brasileira. Torna-
se, portanto, fundamental o conhecimento sistematizado da disponibilidade de recursos energéticos, das tecnologias e sistemas
existentes para o seu aproveitamento e das necessidades energéticas setoriais e regionais do País.

1
1 INTRODUÇÃO

FIGURA 1.1 Vista noturna da Terra a partir de imagens de satélite

Fonte: NATIONAL AERONAUTICS AND SPACE ADMINISTRATION (EUA) – NASA. 2003. Disponível em: http://antwrp.gsfc.nasa.gov/apod/ap001127.html.

FONTES E SISTEMAS DE
1.2. INFORMAÇÕES ENERGÉTICAS
Os Atlas têm sido utilizados desde a Idade Média para retratar temas
geográficos de maneira sintética e didática. Num país como o Brasil,
com cerca de 8,5 milhões de km2, a visualização simultânea de um gran-
O Brasil já dispõe de várias fontes de dados de interesse para o planejamen- de número de informações em uma só figura é extremamente impor-
to e a gestão de recursos energéticos. Diversas instituições e empresas pos- tante, na medida em que propicia uma compreensão mais abrangente
suem, em meio magnético ou impresso, informações sobre tecnologias e das peculiaridades regionais, facilita a análise comparativa dos dados e
sistemas de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica, bem auxilia o planejamento e gestão de recursos. Nesse sentido, pode-se
como o perfil dos consumidores nas diferentes regiões e setores de ativida- dizer que os atlas setoriais, tal como o presente, adquirem também uma
de. Contudo, é preciso melhorar a articulação entre os agentes do setor, a importância estratégica.
fim de reduzir a assimetria de informações, evitar a duplicação de recursos
e facilitar o acesso a dados e informações consistentes e atualizadas. No caso do setor elétrico, a coleta e sistematização de informações
sobre disponibilidade de recursos energéticos, tecnologias e sistemas
Muitas vezes, informações coletadas por uma instituição não são avalia- de geração, transmissão, distribuição e uso final de eletricidade é fun-
das ou utilizadas por outras, o que acaba gerando múltiplos, repetitivos e damental para a elaboração e execução das políticas relativas ao se-
desconexos sistemas de informação. É necessário, portanto, que esse con- tor elétrico brasileiro. Igualmente importantes são as informações
junto de dados seja devidamente estruturado, de modo a permitir seu uso socioeconômicas e ambientais de interesse do setor. O mapeamento
e interpretação por órgãos públicos, entidades acadêmicas, organizações sistematizado dessas informações auxiliará na identificação, análise
não-governamentais, agentes setoriais e a sociedade em geral. Neste tra- e solução de questões relacionadas ao suprimento e/ou à demanda
balho, denominado Atlas de Energia Elétrica do Brasil, procura-se reunir e de eletricidade.
disponibilizar informações relevantes para o setor de eletricidade.

2
INTRODUÇÃO
1

dos dados (informações demográficas atualizadas, mapas temáticos


GEOPROCESSAMENTO DE
1.3. INFORMAÇÕES ENERGÉTICAS
bem elaborados, registros hidrometeorológicos abrangentes etc.), e
da confiabilidade da base cartográfica existente. Com esses dois requi-
sitos atendidos, a forma mais prática de fazer o georreferenciamento
O geoprocessamento é uma forma de sistematização, análise e represen- das informações é localizá-las, por meio das coordenadas geográficas,
tação de dados de utilização crescente em todo o mundo. Por meio do nas cartas das respectivas regiões ou municípios, usando os artifícios
cruzamento e da superposição de dados espaciais, de diferentes origens e gráficos que melhor as representem (cores, símbolos, hachuras etc.).
formatos, previamente selecionados, essa ferramenta permite agilizar os
procedimentos de mapeamentos temáticos, antes onerosos e demorados. Uma segunda estratégia de georreferenciamento é a associação desses
Além disso, segundo Harder (1998), o trabalho com bases tabulares e grá- dados a coordenadas geográficas coletadas em campo, freqüentemente
ficas digitais possibilita uma permanente atualização das informações, com o auxílio de equipamentos do tipo GPS – Global Positioning System.
com a edição periódica de mapas ou a confecção de mapas interativos. Assim, torna-se mais prática e eficiente a delimitação das áreas ou pon-
Tais instrumentos são ideais, por exemplo, para monitorar as conseqüên- tos. Sob essa ótica, verifica-se, por exemplo, que grande parte dos regis-
cias do crescimento e redistribuição da população e avaliar determinados tros meteorológicos, hidrológicos e de qualidade da água possui campos
processos de evolução ambiental, tais como, no caso brasileiro, a sazona- de identificação por meio de coordenadas, o que facilita a inclusão des-
lidade das cheias do Pantanal Matogrossense ou o volume de biomassa sas informações em sistemas geográficos de informação.
acumulado pela regeneração natural de um trecho da floresta tropical,
num determinado período de tempo. Finalmente, a terceira estratégia de georreferenciamento de dados é a
construção de unidades geográficas específicas, com o auxílio de técnicas
O sistema de informações geográficas (SIG), um dos principais componentes da cartografia digital. Esse pode ser o caso de dados sobre geração, trans-
do geoprocessamento, é um valioso instrumento de auxílio ao planejamen- missão, distribuição e consumo de energia elétrica, tomando-se como re-
to, à gestão e à análise de projetos e atividades socioeconômicas. Segundo ferência os limites geográficos das áreas de atuação das concessionárias.
Maguirre, Goodchild e Rhind (1991), esse sistema pode ser definido a partir
de três propriedades básicas, a saber:

METODOLOGIA EMPREGADA E
• capacidade de apresentação cartográfica de informações complexas;
• base integrada de objetos espaciais e de seus respectivos atributos
ou dados;
1.4. ESTRUTURA DE APRESENTAÇÃO
• sofisticado instrumento analítico, composto por um conjunto de A diversidade de formatos dos dados necessários ao desenvolvimento de
procedimentos e ferramentas de análise espacial. um SIG para o setor elétrico torna obrigatória, como primeira tarefa, a
organização das informações existentes e o diagnóstico de sua qualidade.
Por suas características técnicas, o SIG permite reunir uma grande quanti- Além disso, considerando-se a imensa capacidade de gerenciamento dos
dade de dados convencionais de expressão espacial e estruturá-los adequa- SIGs, determinados dados podem ser analisados em diferentes níveis de
damente, de modo a otimizar o tratamento integrado de seus três agregação, dependendo da escala de trabalho e do tipo de combinação
principais componentes: posição, topologia e atributos. Desse modo, for- das camadas escolhidas. Entre outros, são exemplos desse tipo de cruza-
nece relevantes subsídios para agilizar o processo decisório de administra- mento de dados a sobreposição do traçado das linhas de transmissão de
dores e analistas, ao propiciar, por meio de complexas aplicações gráficas, energia elétrica com mapas de vegetação e uso do solo, o cruzamento do
rapidez nas análises e prognósticos socioambientais mais precisos, em di- mapa de crescimento populacional com o de degradação ambiental e a
ferentes cenários. Tal versatilidade, além de facilitar o desenvolvimento dos verificação das interferências de reservatórios de usinas hidrelétricas com
trabalhos, é uma das formas mais eficazes de integração e validação de da- terras agricultáveis e urbanas. Essa sobreposição pode ser apenas gráfica,
dos. Para tanto, é fundamental que as informações disponíveis sejam de fá- gerando mapas que permitem a visualização simultânea de diferentes
cil visualização e passíveis de representação gráfica, na forma de pontos, temas – contidos em camadas específicas de informação – e a inter-
linhas, polígonos ou imagens georreferenciadas, ou seja, relacionadas a lo- relação de dados de diferentes camadas.
cais da superfície terrestre cartograficamente delimitados.
No esforço para reunir uma grande diversidade de informações, cor-
Diversas estratégias de georreferenciamento de dados podem ser uti- re-se o risco de trabalhar com dados de diferentes períodos, áreas de
lizadas. Porém, todas dependem, fundamentalmente, da qualidade abrangência e níveis de desagregação. De modo geral, na elaboração

3
1 INTRODUÇÃO

deste Atlas, procurou-se trabalhar com informações atualizadas, gia Solar e Eólica Sérgio de Salvo Brito – CRESESB /CEPEL, Centro Bra-
abrangentes e com o maior nível de desagregação possível. Contudo, sileiro de Energia Eólica – CBEE/UFPE, Centrais Elétricas do Brasil S.A. –
há casos em que as informações não são muito recentes, não cobrem Eletrobrás, Ministério de Minas e Energia – MME, Agência Nacional do
a totalidade do território brasileiro ou são pouco desagregadas. Parte Petróleo – ANP, Núcleo Interdisciplinar de Planejamento Energético –
da defasagem presente neste trabalho e em diversos sistemas de in- NIPE/Unicamp, Coordenação dos Programas de Pós-Graduação em
formação deve-se à periodicidade com que muitos dados são coleta- Engenharia – COPPE/UFRJ, Laboratório de Energia Solar – LABSO-
dos, como aqueles do censo demográfico, realizado a cada dez anos. LAR/UFSC, Centro de Referência em Pequenas Centrais Hidrelétricas –
CERPCH/UNIFEI, Associação Brasileira de Distribuidores de Energia
Em relação à cobertura das informações, há casos em que a disponi- Elétrica – ABRADEE, Instituto de Pesquisas Aplicadas – IPEA, Associação
bilidade de dados varia substancialmente de uma região para outra, Brasileira de Refrigeração, Ar Condicionado, Ventilação e Aquecimen-
devido à natureza do tema investigado e à própria diversidade regio- to – ABRAVA e Operador Nacional do Sistema Elétrico – ONS.
nal do país. Quanto à desagregação, há situações em que a informa-
ção disponível não é desagregada no nível da unidade geográfica mais A pesquisa bibliográfica se concentrou basicamente na produção, trans-
conveniente. A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios – missão e distribuição de energia elétrica, assim como nos impactos so-
PNAD/IBGE, por exemplo, toma como referência a unidade da Federa- cioeconômicos e ambientais das diferentes fontes e formas de
ção, de modo que é impossível o tratamento dos dados por município suprimento energético. Enfoque especial foi dado às fontes e tecnolo-
ou microrregião geográfica. gias não-convencionais de geração, incluindo dados históricos, metas e
previsões sobre a participação dessas fontes no suprimento futuro de
No caso da energia hidráulica, tomou-se como referência as sub-bacias energia elétrica.
hidrográficas(1). Dessa forma, foram mapeados os potenciais inventaria-
dos, a capacidade instalada e as usinas hidrelétricas por faixa de potên- Por fim, considerando-se que esse diagnóstico, de efeito informativo e
cia, área alagada e situação (outorgada, construção, operação etc.). didático, é um passo importante para a integração de ações, publica-
Para as demais fontes primárias, as referências foram as unidades da ção de dados energéticos e atualização das informações já existentes,
Federação, regiões e mesorregiões da Federação, sendo mapeadas as decidiu-se que o arquivamento dos textos e as ilustrações gráficas fos-
usinas por faixa de potência, situação (outorgada, construção, opera- sem feitos integralmente em meio digital. Tal procedimento permite
ção etc.), capacidade instalada e, para alguns casos, potenciais estuda- que o trabalho final seja atualizado periodicamente e apresentado em
dos. Para as demais informações, em geral, optou-se pela divisão do diferentes mídias.
território em regiões, estados ou municípios.
Em relação à estrutura de apresentação, o trabalho é composto por 11 ca-
No contexto mundial, a agregação de dados foi realizada por país, to- pítulos, segundo a organização e configuração do setor elétrico brasileiro,
mando-se por base o período de 1998-2002. Esse procedimento diminui as fontes e tecnologias de geração, e os aspectos demográficos e socioe-
sensivelmente a precisão das informações, que passam a se referir a todo conômicos mais diretamente relacionados. A organização por fonte de
o polígono que representa um determinado país. A finalidade, porém, é geração (solar, hidráulica, biomassa, eólica, petróleo, carvão, gás natural,
estabelecer uma visão panorâmica de aspectos globais importantes, energia nuclear e outras fontes de geração) visa a facilitar o cruzamento
como a disponibilidade de recursos energéticos utilizados em grande es- e a análise de dados sobre potenciais energéticos, tecnologias de geração,
cala, entre os quais os combustíveis fósseis e a energia hidráulica. capacidade instalada e usinas em construção, projeto ou análise.

Outra preocupação metodológica foi buscar informações relevantes Inicialmente são abordados aspectos institucionais do setor elétrico brasilei-
para o diagnóstico e a gestão da energia no Brasil, não só nas empre- ro e a configuração do sistema. Na seqüência, são apresentadas as fontes
sas governamentais, mas também em entidades privadas e de econo- renováveis, começando com a energia solar, base de quase todas as demais
mia mista. Para tanto, partiu-se da premissa de que muitos órgãos do fontes energéticas e a energia hidráulica. Biomassa e energia eólica com-
Governo estão tomando essa iniciativa, recorrendo ao trabalho de em- pletam a etapa das renováveis. Petróleo, carvão, gás natural, energia nu-
presas e/ou consultores independentes. Além de trabalhos técnicos clear e outras não-renováveis completam as principais fontes para geração
produzidos pela própria ANEEL, contribuíram com dados, informações, de energia elétrica no País. O trabalho é finalizado com uma abordagem
críticas e/ou sugestões as seguintes instituições: Centro Nacional de Re- do consumo e da demanda de energia elétrica no Brasil, e com a inserção
ferência em Biomassa – CENBIO/USP, Centro de Referência para a Ener- de alguns indicadores socioeconômicos e demográficos importantes.

(1) O território brasileiro é dividido em 8 grandes bacias hidrográficas e 79 sub-bacias, segundo classificação definida pelo extinto Departamento Nacional de Águas e Energia Elétrica.

4
ASPECTOS
INSTITUCIONAIS 2
O setor elétrico brasileiro, nos últimos anos, tem passado por importantes alterações de cunho estrutural e institucional, mi-
grando de uma configuração centrada no monopólio estatal como provedor dos serviços e único investidor para um modelo
de mercado, com a participação de múltiplos agentes e investimentos partilhados com o capital privado. Esta reestruturação
foi estabelecida no bojo da reforma do papel do Estado, iniciada em meados da década de 90, possibilitada, por sua vez, pela
disposição constitucional de 1988. Esta possibilidade sustentou também a execução da privatização de ativos de serviços de
energia elétrica sob controle estadual e federal, onde se inserem as empresas de distribuição de energia elétrica.

Dentre as principais adequações de caráter estrutural citam-se: a exploração dos serviços de energia elétrica por terceiros, mediante li-
citação, o controle e operação dos sistemas elétricos de forma centralizada, o livre acesso e uso das redes elétricas, a segmentação das
atividades setoriais (geração, transmissão, distribuição e comercialização), criação e regulamentação da comercialização de energia elé-
trica e a criação da figura do consumidor livre. De cunho institucional citam-se as criações do regulador e fiscalizador dos serviços, do
operador nacional do sistema interligado, da câmara de comercialização de energia elétrica e da empresa de planejamento energético.

No quadro atual, consolidado pelas leis nº 10.847 e nº 10.848, de 15 de março de 2004, compete:

a) ao Poder Executivo a formulação de políticas e diretrizes para o setor elétrico, subsidiadas pelo Conselho Nacional de Políticas
Energéticas – CNPE, formado por ministros de Estado, sob coordenação do Ministro de Estado de Minas e Energia;

b) ao Poder Concedente, exercido também pelo Poder Executivo, os atos de outorga de direito de exploração dos serviços de ener-
gia elétrica;

c) ao regulador, a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), a normatização das políticas e diretrizes estabelecidas e a fiscalização
dos serviços prestados;

d) ao Operador Nacional do Sistema (ONS) a coordenação e a supervisão da operação centralizada do sistema interligado;

e) à Câmara de Comercialização de Energia Elétrica – CCEE, sucedânea do Mercado Atacadista de Energia (MAE), o exercício
da comercialização de energia elétrica;

f) à Empresa de Planejamento Energético – EPE a realização dos estudos necessários ao planejamento da expansão do sistema elétri-
co, de responsabilidade do Poder Executivo, conduzido pelo Ministério de Minas e Energia – MME; e

5
2
ASPECTOS INSTITUCIONAIS

g) aos agentes setoriais (geradores, transmissores, distribuidores e comer- ração e transmissão para atender o mercado. A interdependência ope-
cializadores) a prestação dos serviços de energia elétrica aos consumidores rativa é causada pelo aproveitamento conjunto dos recursos hidrelétri-
finais. cos, mediante a construção e operação de usinas e reservatórios
localizados em seqüência em várias bacias hidrográficas. Desta forma, a
operação de uma determinada usina depende das vazões liberadas a

2.1. CONFIGURAÇÃO DO SISTEMA


ELÉTRICO NACIONAL
montante por outras usinas, que podem ser de outras empresas, ao
mesmo tempo em que sua operação afeta as usinas a jusante, de for-
ma análoga.

O Sistema Elétrico Nacional é composto pelo Sistema Interligado Nacional A utilização dos recursos de geração e transmissão dos sistemas interli-
(SIN), e pelos Sistemas Isolados, localizados principalmente no Norte do gados permite reduzir os custos operativos, minimizar a produção tér-
País. mica e reduzir o consumo de combustíveis, sempre que houver
superavits hidrelétricos em outros pontos do sistema. Em períodos de
2.1.1. SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL
(2)
condições hidrológicas desfavoráveis, as usinas térmicas contribuem
para o atendimento ao mercado como um todo, e não apenas aos con-
O SIN é formado por empresas das regiões Sul, Sudeste, Centro-Oeste, sumidores de sua empresa proprietária. Assim, a participação comple-
Nordeste e parte da região Norte. Com tamanho e características que mentar das usinas térmicas no atendimento ao mercado consumidor
permitem considerá-lo único em âmbito mundial, o sistema de produ- também exige interconexão e integração entre os agentes.
ção e transmissão de energia elétrica do Brasil é um sistema hidrotérmi-
co de grande porte, com forte predominância de usinas hidrelétricas e
com múltiplos proprietários. A Figura 2.1 ilustra de forma simplificada a 2.1.2. SISTEMAS ISOLADOS
integração entre os sistemas de produção e transmissão para o supri-
mento do mercado consumidor. Nos Sistemas Isolados, em outubro de 2003, havia 345 centrais elétricas
em operação e distribuídas como segue:
Como as usinas hidrelétricas são construídas em espaços onde melhor
se podem aproveitar as afluências e os desníveis dos rios, geralmente • Região Norte: 304;
situados em locais distantes dos centros consumidores, foi necessário • Estado de Mato Grosso: 36;
desenvolver no País um extenso sistema de transmissão. Essa distância • Estados de Pernambuco, Bahia, Maranhão e Mato Grosso do Sul: 5.
geográfica, associada à grande extensão territorial e as variações climá-
ticas e hidrológicas do País, tendem a ocasionar excedente ou escassez Tomados em conjunto, esses sistemas cobrem quase 50% do território na-
de produção hidrelétrica em determinadas regiões e períodos do ano. A cional e consomem em torno de 3% da energia elétrica utilizada no País. A
interligação viabiliza a troca de energia entre regiões, permitindo, distribuição espacial e a listagem das referidas centrais constam, respectiva-
assim, obterem-se os benefícios da diversidade de regime dos rios das mente, na Figura 2.2 e no Anexo 1.
diferentes bacias hidrográficas brasileiras.
Os mais importantes Sistemas Isolados, do ponto de vista da dimensão do
Desde meados da década de 70, o sistema eletroenergético brasileiro é consumo, são os que atendem às capitais da região Norte – Manaus, Porto
operado de forma coordenada, no intuito de se obterem ganhos sinér- Velho, Macapá, Rio Branco e Boa Vista – exceto Belém, que está interligada
gicos a partir da interação entre os agentes. A operação coordenada ao SIN. Nos sistemas de Manaus, Porto Velho e Macapá, a geração de ele-
busca minimizar os custos globais de produção de energia elétrica, con- tricidade é hidrotérmica. Em Rio Branco a geração local é puramente térmi-
templar restrições intra e extra-setoriais e aumentar a confiabilidade do ca, com o suprimento complementado por meio da interligação, em 230 kV,
atendimento. Atualmente, no SIN, essa atividade é exercida pelo ONS. ao sistema de Porto Velho. O sistema que atende Boa Vista e parte do inte-
rior do Estado de Roraima passou a ser suprido pela energia importada da
Conceitualmente, a operação centralizada do Sistema Interligado Na- Venezuela, por meio de uma interligação, em 230 kV, com o sistema da
cional está embasada na interdependência operativa entre as usinas, na hidrelétrica de Guri, naquele país. A maioria dos sistemas do interior desses
interconexão dos sistemas elétricos e na integração dos recursos de ge- Estados é suprida por unidades geradoras a diesel.

(2) O conteúdo deste item baseia-se nas informações fornecidas pelo ONS (2003b)
6
ASPECTOS INSTITUCIONAIS
2

FIGURA 2.1 Mapa com representação simplificada da integração entre os sistemas


de produção e transmissão para o suprimento do mercado consumidor

Fonte: OPERADOR NACIONAL DOS SISTEMAS ELÉTRICOS – ONS. 2003. Disponível em: www.ons.br/ons/sin/index.htm (adaptado).

7
2 ASPECTOS INSTITUCIONAIS

FIGURA 2.2 Centrais elétricas que compõem os Sistemas Isolados –


Situação em outubro de 2003

Fonte: Elaborado com base em dados da AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA – ANEEL. Banco de Informações de Geração – BIG. 2003. Disponível em: www.aneel.gov.br/15.htm.

8
ASPECTOS INSTITUCIONAIS
2

FIGURA 2.3 Participação percentual dos tipos de centrais FIGURA 2.4 Participação percentual das fontes renováveis e
na capacidade instalada (MW) para geração não renováveis na capacidade instalada (MW)
de energia elétrica no Brasil – Situação em para geração de energia elétrica no Brasil –
outubro de 2003 Situação em outubro de 2003

Fonte: Elaborado com base em dados da AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA – ANEEL. Banco Fonte: Elaborado com base em dados da AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA – ANEEL. Banco
de Informações de Geração – BIG. 2003. Disponível em: www.aneel.gov.br/15.htm. de Informações de Geração – BIG. 2003. Disponível em: www.aneel.gov.br/15.htm.

energia do País. Uma atualização dinâmica destas informações pode

2.2. GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA ser obtida no Banco de Informações de Geração (BIG) disponível no
site da ANEEL (www.aneel.gov.br/15.htm).

Conforme mencionado anteriormente, o sistema de geração de ener- A Figura 2.4 permite uma visualização da participação percentual das
gia elétrica do Brasil, com cerca de 91.170 MW instalados, é basica- fontes renováveis e não renováveis na capacidade instalada para gera-
mente hidrotérmico, com forte predominância de usinas hidrelétricas. ção de energia elétrica no País.
A Figura 2.3 mostra a participação dos tipos de centrais de geração na
capacidade instalada no País. A redução de impactos ambientais negativos, a promoção de desen-
volvimento sustentável e a diminuição de riscos hidrológicos no supri-
Essas centrais, para efeito de outorga, são objetos de concessão, au- mento de energia elétrica do País são objetivos que justificam políticas
torização ou registro, segundo enquadramento realizado em função tendentes a alterar os percentuais supracitados, como parte de uma
do tipo de central, da potência a ser instalada e do destino da ener- meta maior de diversificar a matriz energética do País. Nesse sentido,
gia. Segundo o destino da energia, o empreendimento de geração para o SIN, destacam-se incentivos como o Programa de Incentivo às
pode ser classificado como autoprodução de energia (APE), produção Fontes Alternativas de Energia Elétrica (PROINFA) e recursos da Conta
independente de energia (PIE) ou produção de energia elétrica desti- de Desenvolvimento Energético (CDE), instituídos pela Lei nº 10.438
nada ao atendimento do serviço público de distribuição (SP). A auto- de 26 de abril de 2002. O PROINFA tem como principal meta, a ser al-
produção é caracterizada quando o agente produz energia para o cançada até 2022, o atendimento de dez por cento do consumo anual
consumo próprio, podendo, com a devida pré-autorização, comercia- de energia elétrica no País por fontes alternativas (eólica, pequenas
lizar o excedente (APE-COM). Na produção independente, por sua centrais hidrelétricas e biomassa).
conta e risco, o agente gera energia para comercialização com distri-
buidoras ou diretamente com consumidores livres. Nos Sistemas Isolados, o principal incentivo ao aproveitamento de fon-
tes alternativas é a sub-rogação da CCC – extensão dos benefícios da
Do capítulo 3 ao 10 é abordada de forma mais detalhada a situação Conta de Consumo de Combustíveis –, em que se prevêem mecanis-
dos potenciais de geração segundo as principais fontes primárias de mos para induzir a utilização de recursos energéticos locais, a valoriza

9
2 ASPECTOS INSTITUCIONAIS

zação do meio ambiente e a maior eficiência econômica e energética. FIGURA 2.5 Subestação Londrina - PR

Como se verá no capítulo 4, a participação nos resultados da exploração


dos aproveitamentos hidrelétricos ou a compensação financeira por esta
exploração constituem instrumentos que propiciam investimentos sociais
para os habitantes das localidades envolvidas. Em 2003, 593 municípios
em 22 Estados brasileiros foram beneficiados com os royalties de Itaipu
e/ou a compensação financeira dos demais empreendimentos hidrelétri-
cos(3), num total de R$ 1,2 bilhão.

2.2.1. CO-GERAÇÃO

A geração termelétrica implica necessariamente a produção de calor


residual, que pode ser aproveitado, ainda que parcialmente, por meio
da co-geração. Essa tecnologia consiste na produção simultânea e se- Fonte: AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL. Superintendência de Concessão e
Autorização de Transmissão e Distribuição. 2004.
qüencial de calor de processo e potência mecânica e/ou elétrica. Além
de opção importante como geração distribuída de energia elétrica
(WALTER; NOGUEIRA, 1997), a co-geração é uma forma de racionali-
TRANSMISSÃO DE
zação do uso de recursos naturais e de redução de impactos socioam-
bientais negativos, particularmente em decorrência da emissão de
gases de efeito estufa (ABDALAD, 2000; COELHO, 2002). Além da ge-
2.3. ENERGIA ELÉTRICA
ração de energia mecânica e elétrica, a recuperação de calor residual Tradicionalmente, o sistema de transmissão é dividido em redes de transmis-
pode ser destinada a sistemas de aquecimento de fluidos, climatização são e subtransmissão, em razão do nível de desagregação do mercado con-
de ambientes, geração de vapor, secagem de produtos agrícolas etc. sumidor. A rede primária é responsável pela transmissão de grandes “blocos”
de energia, visando ao suprimento de grandes centros consumidores e à ali-
Um sistema padrão de co-geração consiste basicamente em uma tur- mentação de eventuais consumidores de grande porte. A rede secundária –
bina a vapor ou de combustão (turbina a gás), que aciona um gerador subtransmissão – é basicamente uma extensão da transmissão, objetivando o
de corrente elétrica, e um trocador de calor, que recupera o calor re- atendimento de pequenas cidades e consumidores industriais de grande por-
sidual e/ou gás de exaustão, para produzir água quente ou vapor. Des- te. A subtransmissão faz a realocação dos grandes blocos de energia – rece-
se modo, gasta-se até 30% menos do combustível que seria bidos de subestações de transmissão – entre as subestações de distribuição
necessário para produzir separadamente calor de geração e de proces- (ELETROBRÁS, 2002).
so e amplia-se a eficiência térmica do sistema, que pode atingir um ín-
dice de 90%. No entanto, a distinção entre as referidas redes é dificultada pelas caracterís-
ticas do sistema, que apresenta vários níveis de tensão e está sempre em evo-
Grandes empresas brasileiras vêm implantando sistemas de co-geração lução. A Figura 2.1 e o encarte que acompanha este Atlas permitem uma
com a utilização do gás natural ou do próprio lixo industrial. O mate- visualização das redes de transmissão no País. Na Figura 2.5, a subestação de
rial que antes era descartado pela indústria de celulose passou a ser Londrina aparece como um exemplo.
utilizado como combustível para aquecer as caldeiras. No Brasil, des-
taca-se ainda, na utilização da co-geração, o setor sucroalcooleiro. O A seleção das propostas para a outorga de concessão de serviço público de
Capítulo 5 apresenta mais informações sobre o potencial da co-gera- transmissão de energia elétrica (construção, operação e manutenção de insta-
ção com aproveitamento de biomassa. A Figura 2.6 permite uma pa- lações de transmissão da rede básica do sistema elétrico interligado) é feita
norâmica dos sistemas de co-geração em operação no País, os quais por intermédio de licitações. Até o final de 2003, as licitações realizadas pela
encontram-se listados na Tabela 2.1. Nas Tabelas 2.2 e 2.3 constam, ANEEL para o sistema de transmissão resultaram em mais de 9.700 km em li-
respectivamente, os empreendimentos em construção e aqueles que nhas de transmissão, com significativa predominância de empreendedores da
possuem autorização, mas ainda não iniciaram construção (apenas ou- iniciativa privada. Na Tabela 2.4 estão listadas todas as linhas de transmissão
torgados). As empresas que investem em co-geração precisam obter licitadas pela ANEEL, segundo identificação no mapa da Figura 2.7, com res-
autorização para implantação dos seus projetos. pectivas características. As subestações estão listadas na Tabela 2.5.

(3) Excetuando as caracterizadas como Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCH).

10
ASPECTOS INSTITUCIONAIS
2

TABELA 2.1 Centrais de co-geração em operação no País – Situação em outubro de 2003


Usina Município UF Potência (kW) Proprietário Serviço Fonte Combustível
Açominas Congonhas MG 66.340,00 Aço Minas Gerais S/A APE Outros Gás de Alto Forno
Cogeração International International Paper
Paper (Fases I e II) Mogi Guaçu SP 50.500,00 do Brasil Ltda. APE-COM Fóssil Óleo Combustível
Energy Works Energyworks do
Kaiser Pacatuba Pacatuba CE 5.552,00 Brasil Ltda. PIE Fóssil Gás Natural
Copesul Triunfo RS 74.400,00 Companhia Petroquímica do Sul PIE Outros Gás de Processo
Globo Duque de Caxias RJ 5.160,00 Globo Comunicações Ltda. APE-COM Fóssil Gás Natural
Energy Works Rhodia
Santo André Santo André SP 11.000,00 Energyworks do Brasil Ltda. PIE Fóssil Gás Natural
Suape, CGD e Cabo de Suape, CGD e
Koblitz Energia Ltda. Santo Agostinho PE 4.000,00 Koblitz Energia Ltda. PIE Fóssil Gás Natural
Suzano Suzano SP 38.400,00 Companhia Suzano de Papel e Celulose APE Fóssil Gás Natural
Celpav IV Jacareí SP 107.480,00 Votorantim Celulose e Papel S/A APE-COM Biomassa Licor Negro
Barra Grande Usina Barra Grande
de Lençóis Lençóis Paulista SP 62.900,00 de Lencóis S/A PIE Biomassa Bagaço de Cana de Açúcar
Coinbra - Cresciumal Leme SP 5.700,00 Coinbra Cresciumal S/A PIE Biomassa Bagaço de Cana de Açúcar
Energy Works
Kaiser Jacareí Jacareí SP 8.592,00 Energyworks do Brasil Ltda. PIE Fóssil Gás Natural
São Francisco Sertãozinho SP 6.737,50 Bioenergia Cogeradora Ltda. PIE Biomassa Bagaço de Cana de Açúcar
Lucélia Lucélia SP 15.700,00 Central de Álcool Lucélia Ltda. PIE Biomassa Bagaço de Cana de Açúcar
Santa Adélia Jaboticabal SP 42.000,00 Termoelétrica Santa Adélia Ltda. PIE Biomassa Bagaço de Cana de Açúcar
UGPU (Messer) Jundiaí SP 7.700,00 Sociedade Brasileira Arlíquido Ltda. PIE Fóssil Gás Natural
Guarani - Cruz Alta Olímpia SP 30.000,00 Açúcar Guarani S/A PIE Biomassa Bagaço de Cana de Açúcar
Usina São José da Estiva S/A
São José da Estiva Novo Horizonte SP 19.500,00 Açúcar e Álcool PIE Biomassa Bagaço de Cana de Açúcar
PROJAC Central
Globo de Produção Rio de Janeiro RJ 4.950,00 TV Globo Ltda. APE Fóssil Gás Natural
Unidade de Geração Cooperativa dos Produtores de Cana,
de Energia -Área II Limeira SP 6.000,00 Açúcar e Álcool do Estado de São Paulo APE Fóssil Gás Natural
Energy Works
Rhodia Paulínia Paulínia SP 10.000,00 Energyworks do Brasil Ltda. PIE Fóssil Gás Natural
Iguatemi Fortaleza Fortaleza CE 4.794,00 Condomínio Civil Shopping Center Iguatemi APE Fóssil Gás Natural
Cesar Park Business Inpar Construções e
Hotel/Globenergy Guarulhos SP 2.100,00 Empreendimentos Imobiliários Ltda. APE Fóssil Gás Natural
Bayer São Paulo SP 3.840,00 Bayer S/A APE Fóssil Gás Natural
CTE Fibra Americana SP 9.200,00 Fibra S/A APE Fóssil Óleo Combustível
Cerradinho Catanduva SP 29.000,00 Usina Cerradinho Açúcar e Álcool S/A PIE Biomassa Bagaço de Cana de Açúcar
EnergyWorks Corn
Products Mogi Mogi Guaçu SP 21.400,00 Energyworks do Brasil Ltda. PIE Fóssil Gás Natural
EnergyWorks Corn
Products Balsa Balsa Nova PR 10.800,00 Energyworks do Brasil Ltda. PIE Fóssil Gás Natural
Santa Elisa - Unidade I Sertãozinho SP 58.000,00 Companhia Energética Santa Elisa PIE Biomassa Bagaço de Cana de Açúcar
Administradora Carioca de Shopping
Carioca Shopping Rio de Janeiro RJ 3.200,00 Centers S/C Ltda. APE-COM Fóssil Gás Natural
IGW/Service Energy São Paulo SP 2.825,00 Telecomunicações de São Paulo S/A APE Fóssil Gás Natural
Santo Antônio Sertãozinho SP 23.000,00 Bioenergia Cogeradora Ltda. PIE Biomassa Bagaço de Cana de Açúcar
Stepie Ulb Canoas RS 3.300,00 Stepie Ulb S/A PIE Fóssil Gás Natural
Inapel Guarulhos SP 1.204,00 Inapel Embalagens Ltda. APE Fóssil Gás Natural
Eucatex Salto SP 9.800,00 Eucatex S/A Indústria e Comércio PIE Fóssil Gás Natural
Bunge Araxá Araxá MG 11.500,00 Bunge Fertilizantes S/A APE Outros Enxofre
Millennium Camaçari BA 4.781,00 Millennium Inorganic Chemicals do Brasil S/A APE Fóssil Gás Natural
Fonte: AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA – ANEEL. Banco de Informações de Geração – BIG. 2003. Disponível em: www.aneel.gov.br/15.htm.

11
2 ASPECTOS INSTITUCIONAIS

TABELA 2.2 Centrais de co-geração em construção no País – Situação em outubro de 2003


Usina Município UF Potência (kW) Proprietário Serviço Fonte Combustível
Iguatemi Bahia Salvador BA 8.310,00 Condomínio Shopping Center Iguatemi Bahia APE Fóssil Gás Natural
Camaçari Ambev Camaçari BA 5.256,00 Companhia Brasileira de Bebidas PIE Fóssil Gás Natural
Paraíba Ambev João Pessoa PB 5.256,00 Companhia Brasileira de Bebidas PIE Fóssil Gás Natural
Jaguariúna Jaguariúna SP 7.902,00 Companhia Brasileira de Bebidas PIE Fóssil Gás Natural
Jacareí Jacareí SP 10.500,00 Companhia Brasileira de Bebidas PIE Fóssil Gás Natural
Fonte: AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA – ANEEL. Banco de Informações de Geração – BIG. 2003. Disponível em: www.aneel.gov.br/15.htm.

TABELA 2.3 Centrais de co-geração apenas outorgadas – Situação em outubro de 2003


Usina Município UF Potência (kW) Proprietário Serviço Fonte Combustível
S. A. V. - Unisinos São Leopoldo RS 4.600,00 S.A.V - Unisinos APE Fóssil Gás Natural
Shopping Taboão Taboão da Serra SP 3.646,00 TDS Centro Comercial Ltda. APE Fóssil Gás Natural
Praia da Costa Vila Velha ES 3.646,00 Construtora Sá Cavalcanti Ltda. APE Fóssil Gás Natural
Engevix - Limei 1 Limeira SP 6.000,00 Engevix Engenharia Ltda. PIE Fóssil Gás Natural
Rio de Janeiro
Refrescos Coca Cola Rio de Janeiro RJ 4.800,00 Rio de Janeiro Refrescos Ltda. APE Fóssil Gás Natural
Juatuba Juatuba MG 5.250,00 Companhia Brasileira de Bebidas PIE Fóssil Gás Natural
Polibrasil Globenergy Mauá SP 23.080,00 Polibrasil Resinas S/A APE Fóssil Gás Natural
EnergyWorks Cabo de Santo
Rhodia Ster Agostinho PE 10.700,00 Energyworks do Brasil Ltda. PIE Fóssil Gás Natural
Anhanguera Limeira SP 278.290,00 Tractebel Energia S/A PIE Fóssil Gás Natural
São José
Engevix - Pinhais 1 dos Pinhais PR 3.000,00 Engevix Engenharia Ltda. PIE Fóssil Gás Natural
Viamão Ambev Viamão RS 4.680,00 Companhia Brasileira de Bebidas APE Fóssil Gás Natural
Estância Ambev Estância SE 4.680,00 Companhia Brasileira de Bebidas APE Fóssil Gás Natural
Engevix - Blu 4 Blumenau SC 11.000,00 Engevix Engenharia Ltda. PIE Fóssil Gás Natural
Engevix - Brus 1 Brusque SC 7.520,00 Engevix Engenharia Ltda. PIE Fóssil Gás Natural
CENPES-Petrobrás Rio de Janeiro RJ 3.200,00 Centro de Pesquisas e Desenvolvimento APE Fóssil Gás Natural
Engevix-Blu 1 Blumenau SC 3.000,00 Engevix Engenharia Ltda. PIE Fóssil Gás Natural
Fonte: AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA – ANEEL. Banco de Informações de Geração – BIG. 2003. Disponível em: www.aneel.gov.br/15.htm.

12
ASPECTOS INSTITUCIONAIS
2

FIGURA 2.6 Centrais de co-geração em operação no País – situação em outubro de 2003

Fonte: Elaborado com base em dados da AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL. Banco de Informações de Geração - BIG. 2003. Disponível em: www.aneel.gov.br/15.htm.

13
2 ASPECTOS INSTITUCIONAIS

FIGURA 2.7 Linhas de transmissão licitadas ou autorizadas pela ANEEL

Fonte: Elaborado com base em dados da AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL. Superintendência de Concessão e Autorização de Transmissão e Distribuição. 2004.

14
ASPECTOS INSTITUCIONAIS
2

TABELA 2.4 Linhas de transmissão licitadas ou autorizadas pela ANEEL


Identificação no Subestações Licitação Tensão Extensão
mapa (Figura 2.8) Empreendimento interligadas Município / UF (Ano) (kV) Circuito (Km) Situação
LT.1 Taquaruçu - Assis - Sumaré Taquaruçu - Sumaré Sandovalina - Sumaré / SP 1999 440 Simples 505.0 OPERAÇÃO
LT.2 Campos Novos - Blumenau Campos Novos - Blumenau Campos Novos - Blumenau / SC 1999 500 Simples 252.5 OPERAÇÃO
LT.3 Interligação Norte-Sul II Imperatriz - Samambaia Imperatriz / MA 2000 500 Simples 1,278.0 OPERAÇÃO
- Samambaia / DF PARCIAL
LT.4 Expansão da Interligação Samambaia - Itumbiara Samambaia / DF 2000 500 Simples 280.0 OPERAÇÃO
Norte-Sul - Araporã / MG
LT.5 Expansão da Interligação Samambaia - Emborcação Samambaia / MG 2000 500 Simples 295.0 OPERAÇÃO
Norte-Sul - Araguari/MG
LT.6 Interligação Sudeste Nordeste Serra da Mesa - Sapeaçu Minaçu / GO - Sapeaçu / BA 2000 230 Simples 1,050.0 OPERAÇÃO
LT.7 Expansão da Interligação Bateias - Ibiuna Campo Largo - Ibiúna / PR 2000 345 Duplo 328.0 OPERAÇÃO
Sul - Sudeste
LT.8 Tucuruí – Vila do Conde C2 Seccionadora Tucuruí- Tucuruí - Barcarena / PA 2000 500 Simples 323.0 OPERAÇÃO
- Vila do Conde
LT.9 Expansão da Interligação Tucuruí - Presidente Dutra Tucuruí / PA 2000 500 Simples 924.0 OPERAÇÃO
Norte - Nordeste C3 - Presidente Dutra / MA
LT.10 Bateias – Jaguariaiva Bateias - Jaguariaiva Campo Largo / PR - Jaguariaiva / PR 2001 230 Simples 137.1 CONSTRUÇÃO
LT.11 Ouro Preto 2 - Vitória Ouro Preto 2 - Vitória Ouro Preto / MG - Vitória / ES 2001 500/345 Simples 370.0 CONSTRUÇÃO
LT.12 Goianinha – Mussure C3 Goianinha - Mussure Condado / PE - João Pessoa / PB 2001 230 Simples 51.0 OPERAÇÃO
LT.13 Chavantes – Botucatu Chavantes - Botucatu Chavantes - Botucatu / SP 2001 230 Simples 137.0 CONSTRUÇÃO
LT.14 Xingó – Angelim Xingó- Angelim Canindé do São Francisco - São João / PE 2001 500 Simples 200.0 OPERAÇÃO
LT.15 Angelim - Campinas Grande Angelim - Campina Grande São João / PE - Campina Grande / PB 2001 230 Simples 186.0 OPERAÇÃO
LT.16 Presidente Médici - Pelotas 3 Presidente Médici - Pelotas 3 Candiota - Pelotas / RS 2002 230 Simples 130.0 CONSTRUÇÃO
LT.17 Uruguaiana - Maçambará Usina de Uruguaiana- Macambará Uruguaiana - Macambará / RS 2002 230 Simples 130.0 CONSTRUÇÃO
LT.18 Macambara - Santo Ângelo Macambará - Santo Ângelo Macambará - Santo Ângelo / RS 2002 230 Simples 205.0 CONSTRUÇÃO
LT.19 Santo Ângelo - Santa Rosa Santo Ângelo - Santa Rosa Santo Ângelo - Santa Rosa / RS 2002 230 Simples 51.0 CONSTRUÇÃO
LT.20 Campos Novos - Lagoa Vermelha Campos Novos - Lagoa Vermelha Campos Novos / SC - Lagoa Vermelha / RS 2002 230 Simples 84.0 CONSTRUÇÃO
LT.21 Lagoa Vermelha - Santa Marta Lagoa Vermelha - Santa Marta Lagoa Vermelha - Passo Fundo / RS 2002 230 Simples 90.0 CONSTRUÇÃO
LT.22 Vila do Conde - Santa Maria Vila do Conde - Santa Maria Barcarena - Santa Maria do Pará / PA 2002 230 Simples 179.0 CONSTRUÇÃO
LT.23 Tijuco Preto - Cachoeira Paulista Tijuco Preto - Cachoeira Paulista Mogi das Cruzes - Cachoeira Paulista / SP 2002 500 Simples 181.0 CONSTRUÇÃO
LT.24 Tucuruí - Açailândia SE Seccionadora Tucuruí - Marabá Tucuruí - Açailândia / PA 2002 500 Duplo / Simples 222.3 CONSTRUÇÃO
LT.25 Itumbiara - Marimbondo Itumbiara - Marimbondo Araporã - Fronteira / MG 2002 500 Simples 212.0 CONSTRUÇÃO
LT.26 Paraíso - Açu Paraíso - Açu Santa Cruz - Açu / RN 2002 230 Simples 135.0 CONSTRUÇÃO
LT.27 LT Londrina - Assis Londrina - Assis Londrina / PR - Assis / SP 2003 525 Simples 120.0 LEILOADA
LT.28 LT Assis - Araraquara Assis - Araraquara Assis - Araraquara / SP 2003 525 Simples 250.0 LEILOADA
LT.29 LT Salto Santiago - Ivaiporã Salto Santiago - Ivaiporã Rio Bonito do Iguaçu - Manoel Ribas / PR 2003 525 Simples 167.0 LEILOADA
LT.30 LT Ivaiporã - Cascavel Oeste Ivaiporã - Cascavel Oeste Manoel Ribas - Cascavel / PR 2003 525 Simples 209.0 LEILOADA
LT.31 LT Teresina II - Sobral III Teresina II - Sobral III Teresina / PI - Sobral / CE 2003 500 Simples 322.0 LEILOADA
LT.32 LT Sobral III - Fortaleza II Sobral III - Fortaleza II Sobral - Fortaleza / CE 2003 500 Simples 219.0 LEILOADA
LT.33 LT Camaçarí II - Sapeaçu Camaçarí II - Sapeaçu Camaçarí - Sapeaçu / BA 2003 500 Simples 106.0 LEILOADA
LT.34 LT Machadinho - Campos Novos Machadinho - Campos Novos Piratuba - Campos Novos / SC 2003 525 Simples 51.0 LEILOADA
LT.35 LT Coxipó - Cuiabá Coxipó - Cuiabá Cuiabá / MT 2003 230 Duplo 25.0 LEILOADA
LT.36 LT Cuiabá - Rondonópolis Cuiabá - Rondonópolis Cuiabá - Rondonópolis / MT 2003 230 Simples 168.0 LEILOADA
LT.37 LT Montes Claros - Irapé Montes Claros - Irapé Montes Claros - Berilo / MG 2003 345 Simples 150.0 LEILOADA

Fonte: AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL. Superintendência de Concessão e Autorização de Transmissão e Distribuição. 2004.

15
2 ASPECTOS INSTITUCIONAIS

TABELA 2.5 Subestações licitadas ou autorizadas pela ANEEL

Empreendimento Município / UF Licitação (Ano) Tensão (kV) Situação

Angelim São João / PE 2000 230 / 500 OPERAÇÃO


Itajubá Itajubá / MG 2001 138 / 500 OPERAÇÃO
Fonte: AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL. Superintendência de Concessão e Autorização de Transmissão e Distribuição. 2004.

derais (ver Tabela 2.6). No Brasil, segundo o controle acionário, cerca de


DISTRIBUIÇÃO DE
2.4. ENERGIA ELÉTRICA
60% da energia elétrica são distribuidos por empresas cujo o controle
acionário é privado, como pode ser observado na Figura 2.8.

2.4.1. CONCESSIONÁRIAS
2.4.2. PERMISSIONÁRIAS E AUTORIZADAS
Na maioria dos Estados brasileiros, principalmente nas regiões Norte e (COOPERATIVAS DE ELETRIFICAÇÃO RURAL)
Nordeste, a área de concessão das empresas de distribuição corres-
ponde aos limites geográficos estaduais; em outros, principalmente As cooperativas de eletrificação rural (CERs), atualmente em processo de
em São Paulo e no Rio Grande do Sul, existem concessionárias com regularização na ANEEL, atuam em aproximadamente 1.402 municípios(4),
áreas de abrangência menores. Há, também, áreas de concessão des- o que corresponde a 25% do total de municípios brasileiros, atendendo
contínuas, que ultrapassam os limites geográficos do Estado-sede da em torno de seiscentos mil consumidores em todo o País, concentrados
concessionária, como ilustrado na Figura 2.9. nas regiões Sul, Sudeste, Nordeste e Centro-Oeste (ver Tabela 2.7), con-
forme Figura 2.10. Desse universo atendido, cerca de 75% dos benefici-
Os contratos de concessão das empresas prestadoras dos serviços de ados são rurais e 25% urbanos.
distribuição de energia estabelecem regras a respeito da tarifa, regu-
laridade, continuidade, segurança, atualidade e qualidade dos servi- A delimitação das áreas de atuação das CERs (listadas no Anexo 2) na
ços e do atendimento prestado aos consumidores e usuários. Da área das concessionárias distribuidoras de energia está sendo realizada de
mesma forma, definem penalidades para possíveis irregularidades. acordo com a Resolução ANEEL n° 12, de 11 de janeiro de 2002. As CERs
poderão ser regularizadas como permissionárias de serviços públicos de
Esse universo de distribuidoras de energia elétrica hoje é constituído por energia elétrica ou como autorizadas. A cooperativa titular de autoriza-
24 empresas privadas, 21 privatizadas, 4 municipais, 8 estaduais e 7 fe- ção será classificada como consumidor rural.

FIGURA 2.8 Participação das distribuidoras no mercado de energia elétrica, segundo o controle acionário

Fonte: AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL. Superintendência de Estudos Econômicos do Mercado. 2004.
(*) A CEMAR, privatizada em 15/06/2000, foi considerada como controle acionário público, pois está sob intervenção do Governo Federal, de acordo com a Resolução ANEEL nº 439, de 21 de agosto de 2002.

16 (4) Conforme informado pelas cooperativas.


ASPECTOS INSTITUCIONAIS
2

FIGURA 2.9a Áreas de abrangência das concessionárias de distribuição de energia elétrica

Fonte: AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL. Superintendência de Concessão e Autorização de Transmissão e Distribuição. 2004.

17
2 ASPECTOS INSTITUCIONAIS

FIGURA 2.9b Áreas de abrangência das concessionárias de


distribuição de energia elétrica

Fonte: AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL. Superintendência de Concessão e Autorização de Transmissão e Distribuição. 2004.
18
ASPECTOS INSTITUCIONAIS
2

TABELA 2.6 Concessionárias distribuidoras atuantes no Brasil


Concessionária Controle Acionário Estados de Atuação
AES Sul Distribuidora Gaúcha de Energia – AES SUL Privatizada RS
Bandeirante Energia – BANDEIRANTE Privatizada SP
Boa Vista Energia – BOA VISTA Federal RR
CAIUÁ – Serviços de Eletricidade – CAIUÁ Privada SP
Centrais Elétricas de Carazinho – ELETROCAR Municipal RS
Centrais Elétricas de Rondônia – CERON Federal RO
Centrais Elétricas do Pará - CELPA Privatizada PA
Centrais Elétricas Mato-grossenses - CEMAT Privatizada MT
Centrais Elétricas Santa Catarina - CELESC Estadual SC, PR
Companhia de Eletricidade do Rio de Janeiro - CERJ Privatizada RJ, MG
Companhia Paulista de Energia Elétrica – CPEE Privada SP
Companhia Sul Sergipana de Eletricidade - SULGIPE Privada SE
Companhia Campo-larguense de Energia – COCEL Municipal PR
Companhia de Eletricidade Nova Friburgo – CENF Privada RJ
Companhia de Eletricidade do Acre - ELETROACRE Federal AC
Companhia de Eletricidade do Amapá – CEA Estadual AP
Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia - COELBA Privatizada BA
Companhia de Energia Elétrica do Estado do Tocantins – CELTINS Privada TO
Companhia Energética da Borborema – CELB Privatizada PB
Companhia Energética de Alagoas – CEAL Federal AL
Companhia Energética de Brasília – CEB Estadual DF
Companhia Energética de Goiás – CELG Estadual GO
Companhia Energética de Minas Gerais – CEMIG Estadual MG
Companhia Energética de Pernambuco – CELPE Privatizada PE
Companhia Energética de Roraima – CER Estadual RR
Companhia Energética do Amazonas – CEAM Federal AM
Companhia Energética do Ceará – COELCE Privatizada CE
Companhia Energética do Maranhão – CEMAR Privatizada MA
Companhia Energética do Piauí – CEPISA Federal PI
Companhia Energética do Rio Grande do Norte – COSERN Privatizada RN
Companhia Estadual de Energia Elétrica – CEEE Estadual RS
Companhia Força e Luz Cataguazes-Leopoldina – CAT-LEO Privada MG, RJ
Companhia Força e Luz do Oeste – CFLO Privada PR
Companhia Hidrelétrica São Patrício – CHESP Privada GO
Companhia Jaguari de Energia – JAGUARI Privada SP
Companhia Luz e Força Mococa – CLFM Privada MG, SP
Companhia Luz e Força Santa Cruz – CLFSC Privada SP, PR
Companhia Nacional de Energia Elétrica – CNEE Privada SP

19
2 ASPECTOS INSTITUCIONAIS

Concessionárias distribuidoras atuantes no Brasil (cont.)

Concessionária Controle Acionário Estados de Atuação


Companhia Paranaense de Energia – COPEL Estadual PR, SC
Companhia Paulista de Força e Luz – CPFL Privatizada SP
Companhia Piratininga de Força e Luz Privatizada SP
Companhia Sul Paulista de Energia - CSPE Privada SP
Cooperativa Aliança – COOPERALIANÇA Privada SC
Departamento Municipal de Eletricidade de Poços de Caldas – DMEPC Municipal MG
Departamento Municipal de Energia de Ijuí – DEMEI Municipal RS
Elektro Eletricidade e Serviços – ELEKTRO Privatizada SP, MS
Empresa de Eletricidade Vale Paranapanema – EEVP Privada SP
Empresa Elétrica Bragantina – BRAGANTINA Privada MG, SP
Empresa Energética de Mato Grosso do Sul – ENERSUL Privatizada MS
Empresa Energética de Sergipe – ENERGIPE Privatizada SE
Empresa Força e Luz João Cesa - JOÃO CESAR Privada SC
Empresa Força e Luz Urussanga – EFLUL Privada SC
Empresa Luz e Força Santa Maria – ELFSM Privada ES
Espírito Santo Centrais Elétricas - ESCELSA Privatizada ES
Força e Luz Coronel Vivida – FORCEL Privada PR
Hidrelétrica Panambi – HIDROPAN Privada RS
Iguaçu Distribuidora de Energia Elétrica Privada SC
Light Serviços de Eletricidade – LIGHT Privatizada RJ
Manaus Energia Federal AM
Metropolitana Eletricidade de São Paulo – ELETROPAULO Privatizada SP
Muxfeldt, Marin & Cia – Muxfeldt Privada RS
Rio Grande Energia – RGE Privatizada RS
S/A de Eletrificação da Paraíba - SAELPA Privatizada PB
Usina Hidroelétrica Nova Palma - UHENPAL Privada RS
Fonte: AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL. Superintendência de Concessão e Autorização de Transmissão e Distribuição. 2004.

2.4.3. QUALIDADE NA PRESTAÇÃO DOS horas em média que um determinado conjunto de unidades consumidores
SERVIÇOS DE DISTRIBUIÇÃO fica sem energia elétrica durante um período, geralmente mensal. Já o FEC
(Freqüência Equivalente de Interrupção por Unidade Consumidora) indica
O desempenho das empresas distribuidoras referente à continuidade do servi- quantas vezes, em média, houve interrupção nas unidades consumidoras (re-
ço prestado de energia elétrica é medido com base em indicadores de conjun- sidência, comércio, indústria etc). A evolução dos indicadores DEC e FEC em
to e individuais, segundo Resolução ANEEL nº 024, de 27 de janeiro de 2000. cada região e no País está ilustrada nas Figuras 2.11 e 2.12, respectivamente.

Os indicadores de conjunto são denominados DEC e FEC. O DEC (Duração Os indicadores individuais, destinados a aferir a qualidade prestada dire-
Equivalente de Interrupção por Unidade Consumidora) indica o número de tamente ao consumidor, são: DIC, FIC e DMIC. Os indicadores DIC (Dura-

20
ASPECTOS INSTITUCIONAIS
2

TABELA 2.7 Quantitativo de cooperativas de eletrificação rural por estado


Região Nº de cooperativas Nº de municípios de atuação
Norte 1 3
Rondônia 1 3
Nordeste 41 459
Piauí 1 38
Maranhão 1 12
Ceará 12 18
Rio Grande do Norte 8 169
Paraíba 7 85
Pernambuco 11 148
Sergipe 1 1
Centro-oeste 18 191
Mato Grosso do Sul 4 32
Mato Grosso 1 9
Goiás 13 150
Sudeste 23 191
Minas Geraes 1 28
Rio de Janeiro 5 18
São Paulo 17 145
Sul 43 546
Paraná 7 39
Santa Catarina 21 120
Rio Grande do Sul 15 387
TOTAL 126 1.402
Fonte: Elaborado com base em dados da AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL. Superintendência de Concessão
e Autorização de Transmissão e Distribuição. Aviso de instauração do processo administrativo de regularização das CERs. 2000.

ção de Interrupção por Unidade Consumidora) e FIC (Freqüência de Inter- satisfação dos consumidores residenciais com os serviços prestados pelas
rupção por Unidade Consumidora) indicam, respectivamente, por quanto empresas distribuidoras de energia elétrica. A pesquisa é feita por amos-
tempo e o número de vezes em que uma unidade consumidora ficou se- tragem, com a aplicação de questionários diretamente aos consumidores
m energia elétrica, durante um período considerado. O DMIC (Duração e abrange toda a área de concessão das 64 distribuidoras no País.
Máxima de Interrupção por Unidade Consumidora) é um indicador que li-
mita o tempo máximo de cada interrupção ocorrida no período de um O IASC gera indicadores comparáveis por região e porte de empresa, re-
mês, impedindo que a concessionária deixe o consumidor sem energia velando a percepção global do setor e possibilitando análises comparativas
elétrica durante um tempo muito longo. com índices internacionais de satisfação do consumidor (ver Figura 2.13a).
Também compõe o cálculo de um componente do reajuste tarifário (Fa-
Um outro instrumento permite a avaliação da melhoria da prestação dos tor x). A partir da pontuação obtida pela concessionária distribuidora
serviços de energia elétrica, a partir da visão e satisfação do consumidor chega-se ao valor a ser utilizado no cálculo do Fator x, o qual será aplica-
residencial. Trata-se do Índice ANEEL de Satisfação do Consumidor (IASC), do no reajuste tarifário anual imediatamente posterior à data da pesquisa.
resultante de pesquisa anual que a ANEEL realiza para avaliar o grau de

21
2 ASPECTOS INSTITUCIONAIS

FIGURA 2.10 Distribuição das cooperativas de eletrificação em todo o País (sedes)

Fonte: Elaborado com base em dados da AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL. Superintendência de Concessão
e Autorização de Transmissão e Distribuição. Aviso de instauração do processo administrativo de regularização das CERs. 2000.

22
ASPECTOS INSTITUCIONAIS
2

FIGURA 2.11 Evolução do DEC para cada região do País

Fonte: AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL. Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição. 2004.

COMERCIALIZAÇÃO DE
A partir desse índice foi instituído ainda o prêmio “Índice ANEEL de Sa-
tisfação do Consumidor – IASC”, um diferencial de estímulo à melhoria
dos serviços prestados ao consumidor residencial. As empresas distribui-
2.5. ENERGIA ELÉTRICA
doras são agrupadas por critérios regionais e por número de unidades Os Agentes Comercializadores de Energia Elétrica são empresas que
consumidoras. Assim, aquelas que têm melhor avaliação em cada cate- não possuem sistemas elétricos e que, sob autorização, atuam exclu-
goria recebem, além do troféu, o SELO IASC – marca que pode ser utili- sivamente no mercado de compra e venda de energia elétrica para
zada nas contas de energia elétrica e material institucional da empresa. concessionários, autorizados ou consumidores que tenham livre op-
ção de escolha do fornecedor (consumidores livres).
Na Figura 2.13b são apresentados os resultados do IASC 2001, 2002
e 2003, o resultado do ACSI (American Consumer Satisfaction Index) Até julho de 2003, encontravam-se autorizadas 46 empresas a atuar
de 2003 para as empresas de Utilities de Energia Elétrica, o resultado como comercializadoras de energia, conforme Tabela 2.8. A Figura
do ECSI (European Consumer Satisfaction Index) global para 2001, e 2.14 apresenta a evolução do montante comercializado por esses
o HKCSI (Hong Kong Consumer Satisfaction Index) de 2002 para agentes no âmbito do MAE(5).
Empresas de Eletricidade naquela localidade.

(5) O art. 5º da Lei nº 10848, de 15 de março de 2004, estabelece que a Câmara de Comercializção de Energia Elétrica (CCEE) sucederá ao MAE.

23
2 ASPECTOS INSTITUCIONAIS

FIGURA 2.12 Evolução do FEC para cada região do País

Fonte: AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL. Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição. 2004.

FIGURA 2.13a IASC global e por região 2000-2003

Fonte: AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL. IASC 2003 - índice ANEEL de satisfação do consumidor; resultados gerais. 2003. Disponível em:
24 www.aneel.gov.br/15.htm/PDF/RELATORIO_GERAL_IASC_2003_%20VGF.pdf.
ASPECTOS INSTITUCIONAIS
2
FIGURA 2.13b Índice ANEEL de Satisfação do Consumidor (IASC) e alguns dos principais parâmetros internacionais

Fonte: AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL. IASC 2003 - índice ANEEL de satisfação do consumidor; resultados gerais. 2003. Disponível em:
www.aneel.gov.br/15.htm/PDF/RELATORIO_GERAL_IASC_2003_%20VGF.pdf.

com a ANEEL para obter a delegação de atividades (ver Figura 2.15).


FIGURA 2.14 Evolução do mercado das comercializadoras Com a descentralização das atividades, a ANEEL pode prestar serviços
(negociado no MAE)
cada vez mais ágeis e próximos do consumidor e dos agentes seto-
riais, adaptando suas ações à realidade local.

PROGRAMAS DE PESQUISA &


DESENVOLVIMENTO E EFICIÊNCIA
2.7. ENERGÉTICA (LEI Nº 9.991/2000)
A obrigação das empresas do setor elétrico de investir em pesquisa & de-
Fonte: Elaborado com base em dados do MERCADO ATACADISTA DE ENERGIA. SINERCOM - Sistema senvolvimento (P&D) e eficiência energética teve início como cláusula con-
de contabilização e liquidação. 2004.
tratual. Posteriormente, essa obrigação foi estabelecida na Lei nº 9.991, de
24 de julho de 2000, quando se fixaram novos percentuais, baseados na
DESCENTRALIZAÇÃO
2.6. (AGÊNCIAS ESTADUAIS)
Receita Operacional Líquida (%ROL), para investimentos mínimos em P&D
e eficiência energética (conforme Tabela 2.9), e ampliou-se a abrangência
de agentes do setor elétrico comprometidos com os investimentos.
A ANEEL delega algumas de suas atividades às unidades da Federação,
por meio de convênios de cooperação firmados com agências criadas, por Dos recursos destinados à pesquisa e desenvolvimento, 40% são para o
leis estaduais, com a finalidade de regular e fiscalizar os serviços públicos. Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - FNDCT,
20% para o Ministério de Minas e Energia(6) e o restante, assim como os re-
Dentre as atividades delegadas às agências conveniadas destacam-se cursos para eficiência energética, aplicados em programas desenvolvidos
a fiscalização, mediação, ouvidoria e o apoio às ações de regulação. pelas empresas em ciclos anuais, segundo os regulamentos estabelecidos
Até 2003, treze Estados já haviam assinado convênios com a ANEEL; pela ANEEL. Nas Tabelas 2.10 e 2.11 constam os resultados obtidos e inves-
outras agências estaduais, já criadas, encontram-se em entendimento timentos em cada ciclo para Eficiência Energética e P&D, respectivamente.

(6) A fim de custear os estudos e pesquisas de planejamento da espansão do sistema energético, bem como os estudos de inventário e de viabilidade necessários ao aproveitamento dos potenci-
ais hidrelétricos (segundo o art. 12 da Lei nº 10.848, de 15 de março de 2004).
25
2 ASPECTOS INSTITUCIONAIS

TABELA 2.8 Agentes comercializadores em atuação no país


Empresa Sede
TRADENER Ltda. Curitiba – PR
Centrais Elétricas Brasileiras – ELETROBRÁS Rio de Janeiro –RJ
TRADENERGY - Empresa de Comercialização de Energia Elétrica Ltda. Curitiba – PR
ENRON São Paulo – SP
ENERGY Consultoria e Participações Ltda. Campo Grande – MS
ATI - Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica Brasília – DF
Cia de Interconexão Energética – CIEN Rio de Janeiro – RJ
CCP Energia Ltda. Rio de Janeiro – RJ
CSN Energia S.A. Rio de Janeiro – RJ
AES TRADING Ltda. São Paulo – SP
AES INFOERNERGY LTDA. Rio de janeiro – RJ
COENEL Consultoria em Energia Ltda. Bento Gonçalves – RS
Pactual Agente Comercializador de Energia Ltda. São Paulo – SP
Razão Energy Consultoria e Participações Ltda. São Paulo – SP
Brascan Energy Trader Ltda. Rio de Janeiro – RJ
Itambé Energética S.A. Curitiba – PR
Duke Tranding do Brasil Ltda. São Paulo – SP
Modal Energy S.A. Rio de Janeiro – RJ
Guaraniana Comércio e Serviços S.A. Recife – PE
VOTENER – Votorantim Comercializadora de Energia Ltda. São Paulo – SP
CMS Comercializadora de Energia Ltda. São Paulo – SP
ECE – Empresa Comercializadora de Energia Ltda. São Paulo – SP
Rede Comercializadora de Energia S.A. São Paulo – SP
ENERTRADE - Comercializadora de Energia S.A. São Paulo – SP
EL PASO Rio Grande Ltda. Rio de Janeiro – RJ
Multiner Trader Ltda. Rio de Janeiro – RJ
EL PASO COMERCIALIZADORA DE ENERGIA LTDA. Rio de Janeiro – RJ
União – Comercializadora de Energia Ltda. São Paulo – SP
ELECTRA Comercializadora de Energia Elétrica Ltda. São Paulo – SP
Comercializadora de Energia Elétrica Ltda. – CENEL Cuiabá – MT
COMERC Comercializadora de Energia Elétrica Ltda. São Paulo – SP
Comercializadora Brasileira de Energia Emergencial – CBEE Rio de Janeiro – RJ
Delta Comercializadora de Energia Ltda. São Paulo – SP
CPFL Comercialização Brasil Ltda. Campinas – SP
Tractebel Energia Comercializadora Ltda. Florianópolis – SC
Petrobrás Energia Ltda. Rio de Janeiro – RJ
Vale do Rio Doce Energia Ltda. Rio de Janeiro – RJ
CLION Assessoria e Comercialização de Energia Elétrica Ltda. Porto Alegre – RS
Rima Energética Ltda. Bocaiúva – MG
DUKE Energy International Brasil Marketing Ltda. São Paulo – SP
ECOM ENERGIA Ltda. São Paulo – SP
IBS Comercializadora Ltda. São Paulo – SP
Elektro Comercializadora de Energia Ltda. Campinas – SP
Iguaçu Comercializadora de Energia Elétrica Ltda. Xanxerê – SC
COPEN – Cia Paulista de Energia Ltda. São Paulo – SP
Fonte: AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL. Superintendência de Estudos Econômicos do Mercado. 2004.

26
ASPECTOS INSTITUCIONAIS
2

FIGURA 2.15 Mapa com as agências estaduais e situação quanto à celebração dos convênios

Fonte: AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL. 2004. Disponível em: www.aneel.gov.br.

27
2 ASPECTOS INSTITUCIONAIS

TABELA 2.9 Regras para aplicação dos recursos em P&D e eficiência energética
Regra de transição Regra definitiva
Empresa P&D (%ROL) Eficiência (%ROL) Prazo de validade P&D (%ROL) Eficiência (%ROL) Prazo de validade
Geração* 0,25** 1,00 – Até 31/12/2005 1,00 – Após 31/12/2005
Transmissão – – – 1,00 – Após celebração de contrato
Distribuição 0,50 0,50 Até 31/12/2005 0,75 0,25 Após 31/12/2005
Fonte: Elaborado com base em dados de BRASIL. Lei nº 9.991, de 24 de julho de 2000. Dispõe sobre realização de investimentos em pesquisa e desenvolvimento e em eficiência energética por parte das empresas
concessionárias, permissionárias e autorizadas do setor de energia elétrica e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 25 jul. 2000.
(*) Excluindo-se, por isenção, as empresas que geram energia, exclusivamente, a partir de instalações eólicas, solares, de biomassa e pequenas centrais hidrelétricas.
(**) Percentual válido para as empresas Tractbel, AES-Tietê e Duke Energy.

TABELA 2.10 Resultados obtidos e investimentos em eficiência energética


Ciclo Número de empresas Investimento Demanda retirada Economia de
participantes (milhões de R$) da ponta (MW) Energia (GWh/ano)
1998 / 1999 17 196 250 755
1999 / 2000 42 230 370 1.020
2000 / 2001 64 165 496 1.932
2001 / 2002 64 185 556 2.166
Período 1998 - 2002 – 776 1.672 5.873
2002 / 2003 (previsão) 64 200 600 2.340
Fonte: AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL. Superintendência de Regulação da Comercialização da Eletricidade. 2004.

TABELA 2.11 Resultados obtidos e investimentos em P&D


Ciclo Número de empresas Número de Investimento
participantes Projetos (milhões de R$)
1998 / 1999 13 63 12,9
1999 / 2000 43 164 29,7
2000 / 2001 67 439 113,13
2001 / 2002 72 535 156,2
2002 / 2003 (até 31/12/2003) 85 468 133,6
Período 1998 - 2003 – 1.669 445,8
Fonte: AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL. Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição. 2004.

28
ENERGIA SOLAR 3

3.1. INFORMAÇÕES GERAIS


Quase todas as fontes de energia – hidráulica, biomassa, eólica, combustíveis fósseis e energia dos oceanos – são formas indiretas
de energia solar. Além disso, a radiação solar pode ser utilizada diretamente como fonte de energia térmica, para aquecimento de
fluidos e ambientes e para geração de potência mecânica ou elétrica. Pode ainda ser convertida diretamente em energia elétrica,
por meio de efeitos sobre determinados materiais, entre os quais se destacam o termoelétrico e o fotovoltaico.

O aproveitamento da iluminação natural e do calor para aquecimento de ambientes, denominado aquecimento solar passivo,
decorre da penetração ou absorção da radiação solar nas edificações, reduzindo-se, com isso, as necessidades de iluminação e
aquecimento. Assim, um melhor aproveitamento da radiação solar pode ser feito com o auxílio de técnicas mais sofisticadas de
arquitetura e construção.

O aproveitamento térmico para aquecimento de fluidos é feito com o uso de coletores ou concentradores solares. Os coletores
solares são mais usados em aplicações residenciais e comerciais (hotéis, restaurantes, clubes, hospitais etc.) para o aquecimento
de água (higiene pessoal e lavagem de utensílios e ambientes). Os concentradores solares destinam-se a aplicações que requerem
temperaturas mais elevadas, como a secagem de grãos e a produção de vapor. Neste último caso, pode-se gerar energia mecâ-
nica com o auxílio de uma turbina a vapor, e, posteriormente, eletricidade, por meio de um gerador.

A conversão direta da energia solar em energia elétrica ocorre pelos efeitos da radiação (calor e luz) sobre determinados materiais,
particularmente os semicondutores. Entre esses, destacam-se os efeitos termoelétrico e fotovoltaico. O primeiro caracteriza-se pelo
surgimento de uma diferença de potencial, provocada pela junção de dois metais, em condições específicas. No segundo, os fótons
contidos na luz solar são convertidos em energia elétrica, por meio do uso de células solares.

Entre os vários processos de aproveitamento da energia solar, os mais usados atualmente são o aquecimento de água e a geração
fotovoltaica de energia elétrica. No Brasil, o primeiro é mais encontrado nas regiões Sul e Sudeste, devido a características climáti-
cas, e o segundo, nas regiões Norte e Nordeste, em comunidades isoladas da rede de energia elétrica.

29
3 ENERGIA SOLAR

FIGURA 3.1 Representação das estações do ano e do movimento da Terra em torno do Sol

Fonte: MAGNOLI, D.; SCALZARETTO. R. Geografia, espaço, cultura e cidadania. São Paulo: Moderna, 1998. v. 1. (adaptado)

3.2. RADIAÇÃO SOLAR equinócios. O mapa da Figura 3.2 apresenta a média anual de insola-
ção diária, segundo o Atlas Solarimétrico do Brasil (2000).

Além das condições atmosféricas (nebulosidade, umidade relativa do ar A maior parte do território brasileiro está localizada relativamente próxi-
etc.), a disponibilidade de radiação solar, também denominada energia ma da linha do Equador, de forma que não se observam grandes varia-
total incidente sobre a superfície terrestre, depende da latitude local e ções na duração solar do dia. Contudo, a maioria da população brasileira
da posição no tempo (hora do dia e dia do ano). Isso se deve à inclina- e das atividades socioeconômicas do País se concentra em regiões mais
ção do eixo imaginário em torno do qual a Terra gira diariamente (mo- distantes do Equador. Em Porto Alegre, capital brasileira mais meridional
vimento de rotação) e à trajetória elíptica que a Terra descreve ao redor (cerca de 30º S), a duração solar do dia varia de 10 horas e 13 minutos a
do Sol (translação ou revolução), como ilustrado na Figura 3.1. 13 horas e 47 minutos, aproximadamente, entre 21 de junho e 22 de de-
zembro, respectivamente.
Desse modo, a duração solar do dia – período de visibilidade do Sol ou
de claridade – varia, em algumas regiões e períodos do ano, de zero Desse modo, para maximizar o aproveitamento da radiação solar, pode-
hora (Sol abaixo da linha do horizonte durante o dia todo) a 24 horas se ajustar a posição do coletor ou painel solar de acordo com a latitude
(Sol sempre acima da linha do horizonte). Como indicado na Tabela local e o período do ano em que se requer mais energia. No Hemisfério
3.1, as variações são mais intensas nas regiões polares e nos períodos Sul, por exemplo, um sistema de captação solar fixo deve ser orientado
de solstício. O inverso ocorre próximo à linha do Equador e durante os para o Norte, com ângulo de inclinação similar ao da latitude local.

30
ENERGIA SOLAR
3

TABELA 3.1 Duração solar do dia, em horas, em diferentes latitudes e períodos do ano*

Fonte: Elaborado a partir de VIANELLO, R. L.; ALVES, A. R. Meteorologia básica e aplicações. Viçosa: Universidade Federal de Viçosa, 1991.
(*) Os dados foram obtidos por meio das seguintes equações (Vianello & Alves, 1991): i) Declinação solar, em graus, ß= 23,45 x sen[360x(284 + J)/365] (Equação de Cooper, 1969), onde J é o dia juliano e varia
de 1 (1 de janeiro) a 365 (31 de dezembro); ii) ângulo horário, H = Cos -1(-tgØ x tgß), onde Ø é a latitude local; iii) Duração solar do dia, D = 2xH/15.

31
3 ENERGIA SOLAR

FIGURA 3.2 Média anual de insolação diária no Brasil (horas)

Fonte: ATLAS Solarímétrico do Brasil. Recife : Editora Universitária da UFPE, 2000. (adaptado)

32
ENERGIA SOLAR
3

Como indicado anteriormente, a radiação solar depende também das


condições climáticas e atmosféricas. Somente parte da radiação solar
atinge a superfície terrestre, devido à reflexão e absorção dos raios sola-
3.3. TECNOLOGIAS DE APROVEITAMENTO
res pela atmosfera. Mesmo assim, estima-se que a energia solar inciden-
te sobre a superfície terrestre seja da ordem de 10 mil vezes o consumo 3.3.1. APROVEITAMENTOS TÉRMICOS
energético mundial (CRESESB, 2000).
Coletor solar: A radiação solar pode ser absorvida por coletores solares,
No Brasil, entre os esforços mais recentes e efetivos de avaliação da principalmente para aquecimento de água, a temperaturas relativamente
disponibilidade de radiação solar, destacam-se os seguintes: a) Atlas baixas (inferiores a 100ºC). O uso dessa tecnologia ocorre predominante-
Solarimétrico do Brasil, iniciativa da Universidade Federal de Pernam- mente no setor residencial(7), mas há demanda significativa e aplicações
buco – UFPE e da Companhia Hidroelétrica do São Francisco – CHESF, em outros setores, como edifícios públicos e comerciais, hospitais, restau-
em parceria com o Centro de Referência para Energia Solar e Eólica rantes, hotéis e similares. Esse sistema de aproveitamento térmico da
Sérgio de Salvo Brito – CRESESB; b) Atlas de Irradiação Solar no Bra- energia solar, também denominado aquecimento solar ativo, envolve o
sil, elaborado pelo Instituto Nacional de Meteorologia – INMET e pelo uso de um coletor solar discreto. O coletor é instalado normalmente no
Laboratório de Energia Solar – LABSOLAR, da Universidade Federal de teto das residências e edificações. Devido à baixa densidade da energia
Santa Catarina – UFSC. solar que incide sobre a superfície terrestre, o atendimento de uma única
residência pode requerer a instalação de vários metros quadrados de co-
O Atlas Solarimétrico do Brasil (2000) apresenta uma estimativa da ra- letores. Para o suprimento de água quente de uma residência típica (três
diação solar incidente no país, resultante da interpolação e extrapola- ou quatro moradores), são necessários cerca de 4 m2 de coletor. Um
ção de dados obtidos em estações solarimétricas distribuídas em exemplo de coletor solar plano é apresentado na Figura 3.3.
vários pontos do território nacional. Devido, porém, ao número relati-
vamente reduzido de estações experimentais e às variações climáticas
locais e regionais, o Atlas de Irradiação Solar no Brasil faz estimativas FIGURA 3.3 Ilustração de um sistema solar
de aquecimento de água
da radiação solar a partir de imagens de satélites.

Como lembrado por pesquisadores do Centro de Pesquisas de Eletri-


cidade – CEPEL, ambos os modelos apresentam falhas e limites e não
devem ser vistos como concorrentes. Ao contrário, devem ser comple-
mentares, na medida em que reúnem o máximo possível de dados e
podem, dessa forma, melhorar as estimativas e avaliações da disponi-
bilidade de radiação solar no Brasil (CRESESB, 2000).

As Figuras 3.4 e 3.5 apresentam o índice médio anual de radiação so-


lar no País, segundo o Atlas Solarimétrico do Brasil (2000) e o Atlas de
Irradiação Solar no Brasil (1998), respectivamente. Como pode ser vis-
to, os maiores índices de radiação são observados na região Nordes-
te, com destaque para o Vale do São Francisco.

É importante ressaltar que mesmo as regiões com menores índices de


radiação apresentam grande potencial de aproveitamento energético.
Como se poderá observar nos próximos itens, existe uma infinidade
de pequenos aproveitamentos da energia solar no Brasil, mas isso ain-
da é pouco significativo, diante do grande potencial existente.
Fonte: GREEN, M. A. et al. Solar cell efficiency tables: version 16. Progress in Photovoltaics: Research
and Ap-plications, Sydney, v. 8, p. 377-384, 2000 (adaptado).

(7) Nos países em que há maior uso da energia solar – Israel, Grécia, Austrália e Japão –, cerca de 80% a 90% dos equipamentos têm sido destinados ao uso doméstico (Everett, 1996).
33
3 ENERGIA SOLAR

FIGURA 3.4 Radiação solar global diária - média anual típica (MJ/m 2.dia)

Fonte: ATLAS Solarímétrico do Brasil. Recife : Editora Universitária da UFPE, 2000 (adaptado).

34
ENERGIA SOLAR
3

FIGURA 3.5 Radiação solar global diária - média anual típica (Wh/m 2.dia)

Fonte: ATLAS de Irradiação Solar no Brasil. 1998 (adaptado).

35
3 ENERGIA SOLAR

Concentrador solar: O aproveitamento da energia solar aplicado a siste-


mas que requerem temperaturas mais elevadas ocorre por meio de concen- 3.3.2. CONVERSÃO DIRETA DA RADIAÇÃO
tradores solares, cuja finalidade é captar a energia solar incidente numa SOLAR EM ENERGIA ELÉTRICA
área relativamente grande e concentrá-la numa área muito menor, de
modo que a temperatura desta última aumente substancialmente. A super- Além dos processos térmicos descritos acima, a radiação solar pode ser
fície refletora (espelho) dos concentradores tem forma parabólica ou esfé- diretamente convertida em energia elétrica, por meio de efeitos da radia-
rica, de modo que os raios solares que nela incidem sejam refletidos para ção (calor e luz) sobre determinados materiais, particularmente os semi-
uma superfície bem menor, denominada foco, onde se localiza o material condutores. Entre esses, destacam-se os efeitos termoelétrico e
a ser aquecido. Os sistemas parabólicos de alta concentração atingem tem- fotovoltaico. O primeiro se caracteriza pelo surgimento de uma diferença
peraturas bastante elevadas(8) e índices de eficiência que variam de 14% a de potencial, provocada pela junção de dois metais, quando tal junção
22% de aproveitamento da energia solar incidente, podendo ser utilizada está a uma temperatura mais elevada do que as outras extremidades dos
para a geração de vapor e, conseqüentemente, de energia elétrica. Contu- fios. Embora muito empregado na construção de medidores de tempera-
do, a necessidade de focalizar a luz solar sobre uma pequena área exige al- tura, seu uso comercial para a geração de eletricidade tem sido impossi-
gum dispositivo de orientação, acarretando custos adicionais ao sistema, os bilitado pelos baixos rendimentos obtidos e pelos custos elevados dos
quais tendem a ser minimizados em sistemas de grande porte. Entre mea- materiais.
dos e final dos anos 1980, foram instalados nove sistemas parabólicos no
sul da Califórnia, EUA, com tamanhos que variam entre 14 MW e 80 MW, O efeito fotovoltaico decorre da excitação dos elétrons de alguns mate-
totalizando 354 MW de potência instalada (Figura 3.6). Trata-se de siste- riais na presença da luz solar (ou outras formas apropriadas de energia).
mas híbridos, que operam com auxílio de gás natural, de modo a aten- Entre os materiais mais adequados para a conversão da radiação solar
der a demanda em horários de baixa incidência solar. Os custos da em energia elétrica, os quais são usualmente chamados de células sola-
eletricidade gerada têm variado entre US$ 90 e US$ 280 por megaWatt- res ou fotovoltaicas, destaca-se o silício. A eficiência de conversão das
hora. Recentes melhoramentos têm sido feitos, visando a reduzir custos células solares é medida pela proporção da radiação solar incidente
e aumentar a eficiência de conversão. Em lugar de pesados espelhos de sobre a superfície da célula que é convertida em energia elétrica. Atual-
vidro, têm-se empregado folhas circulares de filme plástico aluminizado mente, as melhores células apresentam um índice de eficiência de 25%
(NREL, 2000). (GREEN et al., 2000).

FIGURA 3.6 Sistema térmico de geração solar de Para a geração de eletricidade em escala comercial, o principal obstáculo
energia elétrica (Califórnia – EUA) tem sido o custo das células solares. Segundo B(2000), atualmente os cus-
tos de capital variam entre 5 e 15 vezes os custos unitários de uma usina
a gás natural que opera com ciclo combinado. Contudo, nos últimos anos
tem-se observado redução nos custos de capital. Os valores estão situa-
dos na faixa de US$ 200 a US$ 300 por megaWatt-hora e entre US$ 3 e
US$ 7 mil por quiloWatt instalado (Tabela 3.2).

A Figura 3.7 ilustra um sistema completo de geração fotovoltaica de


energia elétrica.

Foto: NATIONAL RENEWABLE ENERGY LABORATORY (EUA) – NREL. 2000.


Disponível em: www.nrel.gov/energy_resources.

(8) Um exemplo interessante é o espelho parabólico de Odeillo, na França, cuja temperatura chega a 3.800º C (Everet, 1996).
36
ENERGIA SOLAR
3

TABELA 3.2 Eficiência de conversão e custo de células solares


Tipo de célula Eficiência (%) Custo
Teórica Laboratório Comercial (US$/Wp)
Silício de cristal simples 30,0 24,7 12 a 14 4a7
Silício concentrado 27,0 28,2 13 a15 5a8
Silício policristalino 25,0 19,8 11 a 13 4a7
Silício amorfo 17,0 13,0 4a7 3a5 -
Fonte: GREEN, M. A. et al. Solar cell efficiency tables: version 16. Progress in Photovoltaics: Research and Ap-plications, Sydney, v. 8, p. 377-384, 2000.

FIGURA 3.7 Ilustração de um sistema de geração fotovoltaica de energia elétrica

Fonte: CENTRO DE REFERÊNCIA PARA A ENERGIA SOLAR E EÓLICA SÉRGIO DE SALVO BRITO - CRESESB. 2000. Disponível em: www.cresesb.cepel.br/cresesb.htm (adaptado).

APROVEITAMENTO DA
3.4. ENERGIA SOLAR NO BRASIL
tros), esses projetos têm tido o suporte de organismos internacionais, par-
ticularmente da Agência Alemã de Cooperação Técnica – GTZ e do Labo-
ratório de Energia Renovável dos Estados Unidos (National Renewable
Atualmente há vários projetos, em curso ou em operação, para o aprovei- Energy Laboratory) – NREL/DOE. Também a área de aproveitamento da
tamento da energia solar no Brasil, particularmente por meio de sistemas energia solar para aquecimento de água tem adquirido importância nas re-
fotovoltaicos de geração de eletricidade, visando ao atendimento de comu- giões Sul e Sudeste do País, onde uma parcela expressiva do consumo de
nidades isoladas da rede de energia elétrica e ao desenvolvimento regional. energia elétrica é destinada a esse fim, principalmente no setor residencial.

Além do apoio técnico, científico e financeiro recebido de diversos órgãos A seguir, são descritos os principais projetos nacionais de aproveitamento
e instituições brasileiras (MME, Eletrobrás/CEPEL e universidades, entre ou- da energia solar para aquecimento de água e de geração fotovoltaica.

37
3 ENERGIA SOLAR

FIGURA 3.8 Sistema comercial de aquecimento


3.4.1. AQUECIMENTO DE ÁGUA solar de água (Belo Horizonte – MG)

A tecnologia do aquecedor solar já vem sendo usada no Brasil desde a


década de 60, época em que surgiram as primeiras pesquisas. Em 1973,
empresas passaram a utilizá-la comercialmente (ABRAVA, 2001).

Segundo informações da Associação Brasileira de Refrigeração, Ar Con-


dicionado, Ventilação e Aquecimento (ABRAVA, 2001), existiam até re-
centemente cerca de 500.000 coletores solares residenciais instalados
no Brasil. Somente com aquecimento doméstico de água para banho,
são gastos anualmente bilhões de kWh de energia elétrica(9), os quais
poderiam ser supridos com energia solar, com enormes vantagens so-
cioeconômicas e ambientais. Mais grave ainda é o fato de que quase
toda essa energia costuma ser consumida em horas específicas do dia,
o que gera uma sobrecarga no sistema elétrico. Além disso, há uma
enorme demanda em prédios públicos e comerciais, que pode ser devi-
damente atendida por sistemas de aquecimento solar central.
Fonte: CENTRO DE REFERÊNCIA PARA A ENERGIA SOLAR E EÓLICA SÉRGIO DE SALVO BRITO -
Embora pouco significativos diante do grande potencial existente, já há CRESESB. 2000. Disponível em: www.cresesb.cepel.br/cresesb.htm.

vários projetos de aproveitamento da radiação solar para aquecimento de


água no País. Essa tecnologia tem sido aplicada principalmente em resi-
dências, hotéis, motéis, hospitais, vestiários, restaurantes industriais e no 2001 (ABRAVA, 2001). Também são crescentes as aplicações da ener-
aquecimento de piscinas. Em Belo Horizonte, por exemplo, já são mais de gia solar para aquecimento de água em conjuntos habitacionais e ca-
950 edifícios que contam com este benefício e, em Porto Seguro, 130 ho- sas populares, como nos projetos Ilha do Mel, Projeto Cingapura,
téis e pousadas (ABRAVA, 2001). A Figura 3.8 ilustra um exemplo comer- Projeto Sapucaias em Contagem, Conjuntos Habitacionais SIR e Maria
cial de aproveitamento térmico da energia solar na cidade de Belo Eugênia (COHAB) em Governador Valadares (ABRAVA, 2001). Outro
Horizonte – MG, o qual se tornou referência em energia solar térmica. O elemento propulsor dessa tecnologia é a Lei n° 10.295, de 17 de ou-
sistema possui área total de 804 m2 de coletores solares e capacidade de tubro de 2001, que dispõe sobre a Política Nacional de Conservação
armazenamento de água de 60.000 litros. Entre outros exemplos encon- e Uso Racional de Energia e a promoção da eficiência nas edificações
trados em Belo Horizonte, destaca-se o do Centro de Operações da ECT, construídas no País.
que possui área total de 100 m2 de coletores e capacidade de armazena-
mento de água de 10.000 litros (CRESESB, 2000). O crescimento médio no setor, que já conta com aproximadamente
140 fabricantes e possui uma taxa histórica de crescimento anual de
Um dos principais entraves à difusão da tecnologia de aquecimento solar aproximadamente 35%, foi acima de 50% em 2001. Em 2002, foram
de água é o custo de aquisição dos equipamentos, particularmente para produzidos no país 310.000 m2 de coletores solares (ABRAVA, 2001).
residências de baixa renda. Mas a tendência ao longo dos anos é a redu-
ção dos custos, em função da escala de produção, dos avanços tecnoló-
gicos, do aumento da concorrência e dos incentivos governamentais. 3.4.2. SISTEMAS FOTOVOLTAICOS

Fatores que têm contribuído para o crescimento do mercado são: a di- Existem muitos pequenos projetos nacionais de geração fotovoltaica de ener-
vulgação dos benefícios do uso da energia solar; a isenção de impos- gia elétrica, principalmente para o suprimento de eletricidade em comunida-
tos que o setor obteve; financiamentos, como o da Caixa Econômica des rurais e/ou isoladas do Norte e Nordeste do Brasil. Esses projetos atuam
Federal, aos interessados em implantar o sistema; e a necessidade de basicamente com quatro tipos de sistemas: i) bombeamento de água, para
reduzir os gastos com energia elétrica durante o racionamento em abastecimento doméstico, irrigação e piscicultura; ii) iluminação pública;

(9) Nesta estimativa, considerou-se que o chuveiro/aquecedor elétrico representa cerca de 25% do consumo residencial de energia elétrica e tomou-se como referência os dados de 1998 [MME, 1999].

38
ENERGIA SOLAR
3

FIGURA 3.9 Sistema fotovoltaico de bombeamento de FIGURA 3.10 Sistema de bombeamento fotovoltaico –
água para irrigação (Capim Grosso – BA) Santa Cruz I (Mirante do Paranapanema – SP)

Fonte: CENTRO DE REFERÊNCIA PARA A ENERGIA SOLAR E EÓLICA SÉRGIO DE SALVO BRITO - Fonte: UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO – USP. Instituto de Eletrotécnica e Energia – IEE. Formação técnica.
CRESESB. 2000. Disponível em: www.cresesb.cepel.br/cresesb.htm. São Paulo: 2000.

iii) sistemas de uso coletivo, tais como eletrificação de escolas, postos de saú- No Vale do Ribeira, situado no litoral Sul de São Paulo, foram instalados di-
de e centros comunitários; e iv) atendimento domiciliar. Entre outros, estão as versos sistemas de eletrificação de escolas, postos de saúde e unidades de
estações de telefonia e monitoramento remoto, a eletrificação de cercas, a preservação ambiental (estações ecológicas, parques estaduais etc.), além
produção de gelo e a dessalinização de água. A seguir são apresentados al- de atendimento a pequenas comunidades rurais. A Figura 3.11 apresenta
guns exemplos desses sistemas. o caso do Núcleo Perequê, constituído por laboratórios de pesquisa, tan-
ques de cultivos para a fauna marinha, auditório para conferências e semi-
A Figura 3.9 apresenta um exemplo de sistema flutuante de bombea- nários, alojamentos com refeitório, cozinha e gabinetes de estudo (USP;
mento de água para irrigação, instalado no Açude Rio dos Peixes, Muni- IEE, 2000).
cípio de Capim Grosso – BA. O sistema é formado por 16 painéis M55
da Siemens e uma bomba centrífuga de superfície Mc Donald de 1 HP FIGURA 3.11 Sistema de eletrificação fotovoltaica do
DC. Em época de cheia, o sistema fica a 15 m da margem do açude e Núcleo Perequê (Vale do Ribeira – SP)
bombeia água a uma distância de 350 m, com vazão de 12 m3 por dia.
Trata-se de uma parceria entre o National Renewable Energy Laboratory
– NREL, o Centro de Pesquisas de Energia Elétrica – CEPEL e a Compa-
nhia de Eletricidade do Estado da Bahia – COELBA, tendo ainda a parti-
cipação da Secretaria de Agricultura e Irrigação do Estado da Bahia e da
Associação de Moradores de Rio do Peixe (CRESESB, 2000).

Outro exemplo de bombeamento fotovoltaico de água, este na região


do Pontal do Paranapanema (Extremo-Oeste do Estado de São Paulo),
é apresentado na Figura 3.10. O reservatório tem capacidade de arma-
zenamento de 7.500 litros e altura manométrica de 86 metros, abas-
tecendo 43 famílias. O sistema fotovoltaico é constituído de 21
módulos MSX 70, com potência nominal de 1.470 Wp (USP; IEE,
2000). Entre novembro de 1998 e janeiro de 1999, cerca de 440 famí-
lias foram beneficiadas em toda a região (Tabela 3.3) (USP; IEE, 2000).
Fonte: UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO – USP. Instituto de Eletrotécnica e Energia – IEE. Formação técni-
ca. São Paulo: 2000.

39
3 ENERGIA SOLAR

TABELA 3.3 Sistemas de bombeamento de água na região do Pontal do Paranapanema – SP


Comunidade Município Altura Man.(m) Reservatório (I) Potência (Wp) Famílias
Santa Cruz I Mte. do Paranapan. 86 7.500 1.470 43
Santa Cruz II Mte. do Paranapan. 92 7.500 1.470 12
Santana I Mte. do Paranapan. – 7.500 2.241 22
Santana II Mte. do Paranapan. 74 27.500 2.490 35
Santa Rosa II Mte. do Paranapan. 92 7.500 1.890 30
Santa Isabel Mte. do Paranapan. 92 7.500 2.988 67
Palu Pres. Bernardes 67 7.500 1.280 14
Santa Maria Pres. Venceslau 80 7.500 – 75
Santa Rita Tupi Paulista 50 7.500 – 31
Yapinary Ribeirão dos Índios 85 7.500 1.494 20
Yapinary Ribeirão dos Índios 68 7.500 1.494 19
Maturi Caiuá 74 27.500 – 50
Primavera I Pres. Venceslau 74 7.500 1.743 23
Fonte: UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO – USP. Instituto de Eletrotécnica e Energia – IEE. Formação técnica. São Paulo: 2000.

A Figura 3.12 exemplifica um sistema de atendimento domiciliar insta- BRAS, em colaboração com a Universidade Federal do Amazonas
lado no âmbito do projeto Ribeirinhas. Esse projeto constitui uma ação (GUSMÃO et al, 2001).
estratégica do Programa Nacional de Eletrificação “Luz no Campo” e
tem como objetivo a implantação, em localidades ribeirinhas na região Existem também sistemas híbridos, integrando painéis fotovoltaicos e
amazônica, de sistemas baseados em fontes alternativas para geração grupos geradores a diesel. No município de Nova Mamoré, Estado de
de energia elétrica. O projeto é conduzido pelo CEPEL e pela ELETRO- Rondônia, está em operação, desde abril de 2001, o maior sistema hí-
brido solar-diesel do Brasil (Figura 3.13). O sistema a diesel possui 3 mo-
tores de 54 kW, totalizando 162 kW de potência instalada. O sistema
FIGURA 3.12 Sistema fotovoltaico para atendimento fotovoltaico é constituído por 320 painéis de 64 W, perfazendo uma ca-
domiciliar – Projeto Ribeirinhas
pacidade nominal de 20,48 kW. Os painéis estão dispostos em 20 colu-
nas de 16 painéis, voltados para o Norte geográfico, com inclinação de
10 graus em relação ao plano horizontal, ocupando uma área de apro-
ximadamente 300 m2. Esse sistema foi instalado pelo Laboratório de
Energia Solar – Labsolar da Universidade Federal de Santa Catarina –
UFSC, no âmbito do Projeto BRA/98/019, mediante contrato de presta-
ção de serviços, celebrado entre a ANEEL/PNUD e a Fundação de Am-
paro à Pesquisa e Extensão Universitária – FAPEU daquela Universidade.

Uma significativa parcela dos sistemas fotovoltaicos existentes no País foi


instalada no âmbito do Programa de Desenvolvimento Energético de Es-
tados e Municípios – PRODEEM, instituído pelo Governo Federal, em de-
zembro de 1994, no âmbito da Secretaria de Energia do Ministério de
Minas e Energia – MME. Desde a sua criação, foram destinados US$
37,25 milhões para 8.956 projetos e 5.112 kWp (quilowatt-pico) de po-
tência. Como indicado na Tabela 3.4, esses projetos incluem bombea-
Fonte: CENTRO DE REFERÊNCIA PARA A ENERGIA SOLAR E EÓLICA SÉRGIO DE SALVO BRITO - mento de água, iluminação pública e sistemas energéticos coletivos. A
CRESESB. 2002.
maioria dos sistemas do PRODEEM são sistemas energéticos e instalados

40
ENERGIA SOLAR
3

FIGURA 3.13 Sistema híbrido solar-diesel de Araras,


Nova Mamoré – RO Uma síntese por região e unidade da Federação dos sistemas fotovoltai-
cos de geração de energia elétrica no Brasil instalados pelo PRODEEM é
apresentada na Tabela 3.5. Como se observa, a grande maioria desses sis-
temas localiza-se nas regiões Norte e Nordeste do País.

Uma visão geográfica mais detalhada da distribuição dos sistemas


fotovoltaicos instalados por todo o País é dificultada pelos seguintes
fatores: a natureza desses projetos; a sua localização, espalhados por
pequenas e remotas localidades no território nacional; e a multiplicida-
de empresas e instituições(10) envolvidas na sua implantação e operação.

3.5. IMPACTOS SOCIOAMBIENTAIS


Uma das restrições técnicas à difusão de projetos de aproveitamento de
energia solar é a baixa eficiência dos sistemas de conversão de energia,
Fonte: AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA – ANEEL. Principais realizações 1998/2000. Brasília,
2000. o que torna necessário o uso de grandes áreas para a captação de ener-
gia em quantidade suficiente para que o empreendimento se torne eco-
em escolas rurais. Na Fase V todos os 3.000 sistemas são iguais, capazes nomicamente viável. Comparada, contudo, a outras fontes, como a
de fornecer diariamente cerca de 1.820 Wh, com a seguinte composição: energia hidráulica, por exemplo, que muitas vezes requer grandes áreas
seis painéis de 120 Wp (total de 720 Wp); oito baterias de 150 Ah (total inundadas, observa-se que a limitação de espaço não é tão restritiva ao
de 1.200 Ah); e um inversor de 900 Watts (110 ou 220 V) (MME, 2003). aproveitamento da energia solar.

TABELA 3.4 Projetos fotovoltaicos coordenados pelo Prodeem/MME*


Energéticos Iluminação Pública Bombeamento Totalização
Fases Qtd. Potência Total Qtd. Potência Total Qtd. Potência Total Qtd. Potência Total
(A) KWp US$1mil (D) KWp US$1mil (G) (KWp) US$ 1mil (J)=A+D+G KWp US$ 1mil
(B) (C) (E) (F) (H) (I) (L)=B+E+H (M)=C+F+I
Fase I 190 87 526 137 7 76 54 78 480 381 172 1.081
Fase II 387 195 1.621 242 17 197 179 213 1.635 808 425 3.453
Fase III 843 526 3.495 0 0 0 224 165 1.173 1.067 691 4.668
Emerg. 0 0 0 0 0 0 800 235 2.221 800 235 2.221
Fase IV 1.660 972 5.456 0 0 0 1.240 457 4.569 2.900 1.429 10.026
Fase V 3.000 2160 15.801 0 0 0 0 0 0 3.000 2.160 15.801
Total 3.080 3.940 3.940 379 24 272 2.497 1.147 10.078 8.956 5.112 37.250
Fonte: BRASIL. Ministério de Minas e Energia - MME. Programa de Desenvolvimento Energético de Estados e Municípios – PRODEEM. 2003.
(*) Observações:
a. Os sistemas energéticos incluem módulos, baterias, controladores, inversores CC/CA e estrutura de fixação dos módulos.
b. Os sistemas de bombeamento incluem módulos, inversores/controladores, bombas d’água e estrutura de fixação dos módulos.
c. Dados das Fases I e II fornecidos pelo CEPEL.

(10) Esses projetos são implementados e/ou monitorados por grande número de instituições públicas e privadas (secretarias estaduais, prefeituras, universidades, empresas do setor elétrico e fabricantes de
equipamentos, entre outros).
41
3 ENERGIA SOLAR

TABELA 3.5 Distribuição regional dos sistemas fotovoltaicos instalados pelo Prodeem até o ano de 2002
Atendimento até 2001 Atendimento em 2002 Atendimento até 2002
Região UF Sistemas US$ 1 mil Sistemas US$ 1 mil Sistemas US$ 1 mil
AC 156 577,20 96 450,66 252 1.027,86
AM 81 299,70 125 586,79 206 886,49
AP 99 366,30 8 37,55 107 403,85
N PA 211 780,70 224 1.051,53 435 1.832,23
RO 238 880,60 35 164,30 273 1.044,90
RR 6 22,20 23 107,97 29 130,17
TO 127 469,90 42 197,16 169 667,06
TOTAL: 918 3.396,60 553 2.595,97 1.471 5.992,57
AL 249 921,30 164 924,85 413 1.846,15
BA 685 2.534,50 587 3.310,27 1272 5.844,77
CE 476 1.761,20 257 1.449,30 733 3.210,50
MA 339 1.254,30 582 2.700,00 921 3.954,30
NE PB 166 614,20 71 400,39 237 1.014,59
PE 197 728,90 58 327,08 255 1.055,98
PI 122 451,40 302 1.703,07 424 2.154,47
RN 204 754,80 46 259,41 250 1.014,21
SE 28 103,60 44 248,13 72 351,73
TOTAL: 2.466 9.124,20 2.111 11.322,50 4.577 20.446,70
ES 48 177,60 2 11,28 50 188,88
SE MG 244 902,80 288 1.624,12 532 2.526,92
RJ 68 251,60 0 0,00 68 251,60
SP 105 388,50 0 0,00 105 388,50
TOTAL: 465 1.720,50 290 1.635,40 755 3.355,90
PR 5 18,50 0 0,00 5 18,50
S RS 97 358,90 0 0,00 97 358,90
SC 77 284,90 0 0,00 77 284,90
TOTAL: 179 662,30 0 0,00 179 662,30
GO 120 444,00 33 186,10 153 630,10
CO MS 348 1.287,60 0 0,00 348 1.287,60
MT 96 355,20 13 61,03 109 416,23
TOTAL: 564 2.086,80 46 247,12 610 2.333,92
BRASIL TOTAL 4.592 16.990,40 3.000 15.801,00 7.592 32.791,40
Fonte: BRASIL. Ministério de Minas e Energia - MME. Programa de Desenvolvimento Energético de Estados e Municípios – PRODEEM. 2003.

42
ENERGIA
HIDRÁULICA 4
4.1. INFORMAÇÕES GERAIS
O uso da energia hidráulica foi uma das primeiras formas de substituição do trabalho animal pelo mecânico, particularmente para
bombeamento de água e moagem de grãos. Tinha a seu favor, para tanto, as seguintes características: disponibilidade de recursos,
facilidade de aproveitamento e, principalmente, seu caráter renovável.

A energia hidráulica resulta da irradiação solar e da energia potencial gravitacional, que provocam a evaporação, condensação e
precipitação da água sobre a superfície terrestre. Ao contrário das demais fontes renováveis, representa uma parcela significativa
da matriz energética mundial e possui tecnologias de aproveitamento devidamente consolidadas. Atualmente, é a principal fonte
geradora de energia elétrica para diversos países e responde por cerca de 17% de toda a eletricidade gerada no mundo.

No Brasil, água e energia têm uma histórica interdependência. A contribuição da energia hidráulica ao desenvolvimento econômico do País
tem sido expressiva, seja no atendimento das diversas demandas da economia – atividades industriais, agrícolas, comerciais e de serviços –
ou da própria sociedade, seja na melhoria do conforto das habitações e da qualidade de vida das pessoas. Também desempenha papel im-
portante na integração e no desenvolvimento de regiões distantes dos grandes centros urbanos e industriais.

A contribuição da energia hidráulica na matriz energética nacional, segundo o Balanço Energético Nacional (2003), é da ordem de
14%, participando com quase 83% de toda a energia elétrica gerada no País. Apesar da tendência de aumento de outras fontes,
devido a restrições socioeconômicas e ambientais de projetos hidrelétricos e aos avanços tecnológicos no aproveitamento de fon-
tes não-convencionais, tudo indica que a energia hidráulica continuará sendo, por muitos anos, a principal fonte geradora de
energia elétrica do Brasil. Embora os maiores potenciais remanescentes estejam localizados em regiões com fortes restrições am-
bientais e distantes dos principais centros consumidores, estima-se que, nos próximos anos, pelo menos 50% da necessidade de
expansão da capacidade de geração seja de origem hídrica.

As políticas de estímulo à geração descentralizada de energia elétrica promovem uma crescente participação de fontes alternativas na
matriz energética nacional, e nesse contexto, as pequenas centrais hidrelétricas terão certamente um papel importante a desempenhar.

DISPONIBILIDADE DE
4.2. RECURSOS HIDRÁULICOS
Uma primeira estimativa da quantidade de energia hidráulica disponível no mundo poder ser feita pela simples aplicação da fórmula
de cálculo da energia potencial (EP):

43
4 ENERGIA HIDRÁULICA

EP = M (massa) x g (aceleração da gravidade) x h (altura) modo, a energia hidráulica disponível na Terra é de aproximadamente 50.000
TWh por ano, o que corresponde, ainda assim, a cerca de quatro vezes a
A precipitação média anual na Terra é da ordem de 1.017 kg e a altura mé- quantidade de energia elétrica gerada no mundo atualmente.
dia da superfície terrestre (em relação ao nível do mar) é de 800 m. Portanto,
a energia hidráulica potencial é da ordem de 200 mil TWh por ano, o que Essa quantia supostamente disponível de energia hidráulica, também deno-
equivale a duas vezes o consumo médio anual de energia primária no mun- minada recurso total, é ainda irrealista do ponto de vista técnico. A quantida-
do (BOYLE, 1996). de efetivamente disponível depende das condições locais do aproveitamento
(como a topografia e o tipo de chuva) e do tempo efetivo de operação do sis-
Essa estimativa é pouco realista, pois, na prática, é impossível o aproveitamen- tema. Teoricamente, uma usina poderia operar continuamente (8.760 horas
to de todo esse volume de água. Primeiramente, em virtude da inacessibilida- por ano), isto é, com um fator de capacidade de 100%. Na prática, porém,
de à parte desse volume e da reevaporação, antes que possa ser utilizado; em esse índice é da ordem de 40% apenas, em função de problemas operacio-
segundo lugar, porque há perdas de energia devido à turbulência e fricção da nais e da necessidade de manutenção. Desse modo, estima-se que a energia
água nos canais e tubulações, de modo que a altura efetiva tende a ser bas- hidráulica efetivamente disponível na Terra, isto é, o potencial tecnicamente
tante inferior à altura real. Há, ainda, perdas no processo de conversão, em- aproveitável, varie de 10.000 TWh a 20.000 TWh por ano (ONU, 1992).
bora o sistema “turbo-gerador” seja um dos métodos mais eficientes de
aproveitamento de energia primária (os modelos mais eficientes chegam a A Figura 4.1 ilustra o potencial tecnicamente aproveitável da energia hidráu-
atingir um índice 90%). lica no mundo para geração de energia elétrica. Como se observa, os maio-
res potenciais estão localizados na América do Norte, antiga União Soviética,
Estima-se, assim, que apenas um quarto do referido volume de água precipi- China, Índia e Brasil. O Continente Africano é o que apresenta os meno-
tada esteja efetivamente disponível para aproveitamento hidráulico. Desse res potenciais.

FIGURA 4.1 Potencial tecnicamente aproveitável para geração de energia hidrelétrica no mundo

Fonte: Elaborado com base em dados de THE INTERNATIONAL JOURNAL ON HYDROPOWER & DAMS – IJHD. World Atlas & Industry Guide. 2000.

44
4
ENERGIA HIDRÁULICA

POTENCIAL HIDRELÉTRICO
4.3. BRASILEIRO
compreende o dimensionamento das estruturas principais e das obras de
infra-estrutura local e a definição da respectiva área de influência, do uso
múltiplo da água e dos efeitos sobre o meio ambiente;
O valor do potencial hidrelétrico brasileiro é composto pela soma da
parcela estimada (remanescente + individualizada) com a inventariada. • Com projeto básico - aproveitamento detalhado e em profundidade, com
orçamento definido, que permita a elaboração dos documentos de licitação
O potencial estimado é resultante da somatória dos estudos: das obras civis e do fornecimento dos equipamentos eletromecânicos;

• De potencial remanescente - resultado de estimativa realizada em escri- • Em construção - aproveitamento que teve suas obras iniciadas, sem ne-
tório, a partir de dados existentes - sem qualquer levantamento comple- nhuma unidade geradora em operação; e
mentar - considerando-se um trecho de um curso d’água, via de regra
situado na cabeceira, sem determinar o local de implantação do aproveita- • Em operação - os empreendimentos em operação constituem a capaci-
mento; dade instalada.

• Individualizados - resultado de estimativa realizada em escritório para um Os aproveitamentos somente são considerados para fins estatísticos nos está-
determinado local, a partir de dados existentes ou levantamentos expeditos, gios “inventário”, “viabilidade” ou “projeto básico”, se os respectivos estu-
sem qualquer levantamento detalhado. dos tiverem sido aprovados pelo poder concedente.

A parcela inventariada inclui usinas em diferentes níveis de estudos - O potencial hidrelétrico brasileiro situa-se ao redor de 260 GW. Contudo ape-
inventário, viabilidade e projeto básico - além de aproveitamentos em nas 68% desse potencial foi inventariado (Tabela 4.1). Entre as bacias com
construção e operação (ELETROBRÁS, 2004). maior potencial destacam-se as do Rio Amazonas e do Rio Paraná.

O potencial inventariado é resultante da somatória dos aproveitamentos: Na Bacia do Amazonas, destaca-se a sub-bacia 18 (Rio Xingu), com
12,7% do potencial inventariado no País (Tabela 4.2). Outras sub-bacias
• Apenas em inventário - resultado de estudo da bacia hidrográfica, reali- do Amazonas, cujos potenciais estimados são consideráveis, são a do Rio
zado para a determinação do seu potencial hidrelétrico, mediante a esco- Tapajós (17), a do Rio Madeira (15) e a do Rio Negro (14). Na Bacia do
lha da melhor alternativa de divisão de queda, que constitui o conjunto de Tocantins, destaca-se a sub-bacia 29 (Rio Itacaiunas e outros), com 6,1%
aproveitamentos compatíveis, entre si e com projetos desenvolvidos, de do potencial brasileiro inventariado. Na Bacia do São Francisco, o desta-
forma a se obter uma avaliação da energia disponível, dos impactos am- que vai para a sub-bacia 49, que representa 9,9% do potencial inventa-
bientais e dos custos de implantação dos empreendimentos; riado. Na Bacia do Paraná, existem várias sub-bacias com grandes
potenciais, entre elas a 64 (Paraná, Paranapanema e outros), com 8,1%
• Com estudo de viabilidade - resultado da concepção global do aprovei- do potencial hidrelétrico inventariado no País. O potencial hidráulico bra-
tamento, considerada sua otimização técnico-econômica, de modo a per- sileiro, por sub-bacia hidrográfica, é apresentada na Figura 4.2.
mitir a elaboração dos documentos para licitação. Esse estudo

TABELA 4.1 Potencial hidrelétrico brasileiro por bacia hidrográfica – situação em março de 2003
Estimado Inventariado Total (MW)
Bacia Código (MW) % em relação (MW) % em relação (MW) % em relação
ao total ao total ao total
Bacia do Rio Amazonas 1 64.164,49 78,8 40.883,07 23,0 105.047,56 40,6
Bacia do Rio Tocantins 2 2.018,80 2,5 24.620,65 13,9 26.639,45 10,3
Bacia do Atlântico Norte/Nordeste 3 1.070,50 1,3 2.127,85 1,2 3.198,35 1,2
Bacia do Rio São Francisco 4 1.917,28 2,4 24.299,84 13,7 26.217,12 10,1
Bacia do Atlântico Leste 5 1.779,20 2,2 12.759,81 7,2 14.539,01 5,6
Bacia do Rio Paraná 6 7.119,29 8,7 53.783,42 30,3 60.902,71 23,5
Bacia do Rio Uruguai 7 1.151,70 1,4 11.664,16 6,6 12.815,86 5,0
Bacia do Atlântico Sudeste 8 2.169,16 2,7 7.296,77 4,1 9.465,93 3,7
Total - 81.390,42 100 177.435,57 100 258.825,99 100
Fonte: CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS – ELETROBRAS. Sistema de informação do potencial hidrelétrico brasileiro – SIPOT. Rio de Janeiro, abr. 2003.
45
4 ENERGIA HIDRÁULICA

TABELA 4.2 Potencial hidrelétrico brasileiro por sub-bacia hidrográfica – situação em março de 2003

Estimado Inventariado Total (MW)


Sub-bacia Hidrográfica Código (MW) % em relação (MW) % em relação (MW) % em relação
ao total ao total ao total
Rio Solimões, Javari, Itaquaí 10 - 0,0 - 0,0 - 0,0
Rio Solimões, Içá, Jandiatuba e Outros 11 - 0,0 - 0,0 - 0,0
Rio Solimões, Juruá, Japurá e Outros 12 479,00 0,6 - 0,0 479,00 0,2
Rio Solimões, Purus, Coari e Outros 13 4.196,00 5,2 - 0,0 4.196,00 1,6
Rio Solimões, Negro, Branco e Outros 14 12.058,00 14,8 957,68 0,5 13.015,68 5,0
Rio Amazonas, Madeira, Guaporé e Outros 15 12.127,49 14,9 9.519,76 5,4 21.647,25 8,4
Rio Amazonas, Trombetas e Outros 16 752,00 0,9 6.248,30 3,5 7.000,30 2,7
Rio Amazonas, Tapajós, Juruena e Outros 17 28.230,00 34,7 1.404,42 0,8 29.634,42 11,4
Rio Amazonas, Xingu, Iriri, Paru 18 5.142,00 6,3 22.592,92 12,7 27.734,92 10,7
Rio Amazonas, Jari, Pará e Outros 19 1.180,00 1,4 160,00 0,1 1.340,00 0,5
Rio Tocantins, Maranhão, Almas e Outros 20 340,00 0,4 2.123,94 1,2 2.463,94 1,0
Rio Tocantins, Paranã, Palma e Outros 21 907,00 1,1 1.767,09 1,0 2.674,09 1,0
Rio Tocantins, M. Alves, Sono e Outros 22 322,80 0,4 2.794,57 1,6 3.117,37 1,2
Rio Tocantins, M. Alves Grande 23 123,00 0,2 3.453,53 1,9 3.576,53 1,4
Rio Araguaia, Caiapó, Claro e Outros 24 144,00 0,2 1.055,32 0,6 1.199,32 0,5
Rio Araguaia, Crixas-Açu, Peixe 25 47,00 0,1 - 0,0 47,00 0,0
Rio Araguaia, Mortes, Javaés e Outros 26 7,00 0,0 540,80 0,3 547,80 0,2
Rio Araguaia, Coco, Pau D'arco e Outros 27 - 0,0 - 0,0 - 0,0
Rio Araguaia, Muricizal, Lontra 28 - 0,0 2.042,80 1,2 2.042,80 0,8
Rio Tocantins, Itacaiúnas e Outros 29 128,00 0,2 10.842,60 6,1 10.970,60 4,2
Rios Oiapoque, Araguari e Outros 30 360,00 0,4 741,80 0,4 1.101,80 0,4
Rios Meruú, Acará, Guama e Outros 31 63,00 0,1 - 0,0 63,00 0,0
Rios Gurupi, Turiaçu e Outros 32 63,00 0,1 - 0,0 63,00 0,0
Rios Mearim, Itapecuru e Outros 33 247,00 0,3 2,50 0,0 249,50 0,1
Rio Paraíba 34 314,80 0,4 348,56 0,2 663,36 0,3
Rios Acaraú, Piranji e Outros 35 - 0,0 4,40 0,0 4,40 0,0
Rio Jaguaribe 36 - 0,0 17,57 0,0 17,57 0,0
Rios Apodi, Piranhas e Outros 37 - 0,0 6,42 0,0 6,42 0,0
Rios Paraíba, Potenji e Outros 38 5,50 0,0 1,35 0,0 6,85 0,0
Rios Capibaribe, Mundaú e Outros 39 17,20 0,0 1.005,25 0,6 1.022,45 0,4
Rios São Francisco, Paraopeba e Outros 40 438,80 0,5 1.250,96 0,7 1.689,76 0,7
Rios São Francisco, Das Velhas 41 298,60 0,4 887,23 0,5 1.185,83 0,5
Rios São Francisco, Paracatu e Outros 42 821,60 1,0 252,90 0,1 1.074,50 0,4
Rios São Francisco, Urucuia e Outros 43 136,40 0,2 447,30 0,3 583,70 0,2
Rios São Francisco, Verde, Grande 44 109,00 0,1 384,20 0,2 493,20 0,2
Rios São Francisco, Carinhanha 45 5,20 0,0 247,58 0,1 252,78 0,1
Rios São Francisco, Grande e Outros 46 107,68 0,1 669,18 0,4 776,86 0,3
Rios São Francisco, Jacaré e Outros 47 - 0,0 1.050,00 0,6 1.050,00 0,4
Rios São Francisco, Pajeú e Outros 48 - 0,0 1.533,00 0,9 1.533,00 0,6
Rios São Francisco, Moxotó e Outros 49 - 0,0 17.577,50 9,9 17.577,50 6,8

46
ENERGIA HIDRÁULICA
4

Potencial hidrelétrico brasileiro por sub-bacia hidrográfica – situação em março de 2003 (cont.)
Estimado Inventariado Total (MW)
Sub-bacia Hidrográfica Código (MW) % em relação (MW) % em relação (MW) % em relação

Rios Vaza-Barris, Itapicuru e Outros 50 10,50 0,0 - 0,0 10,50 0,0


Rios Paraguaçu, Jequiriça e Outros 51 173,70 0,2 467,43 0,3 641,13 0,2
Rio de Contas 52 29,30 0,0 116,95 0,1 146,25 0,1
Rios Pardo, Cachoeira e Outros 53 134,70 0,2 3,00 0,0 137,70 0,1
Rio Jequitinhonha 54 344,20 0,4 2.201,08 1,2 2.545,28 1,0
Rios Mucuri, São Mateus e Outros 55 70,20 0,1 288,70 0,2 358,90 0,1
Rio Doce 56 98,00 0,1 4.591,30 2,6 4.689,30 1,8
Rios Itapemirim, Itabapoana e Outros 57 176,50 0,2 553,14 0,3 729,64 0,3
Rio Paraíba do Sul 58 383,00 0,5 3.486,11 2,0 3.869,11 1,5
Rios Macaé, São João e Outros 59 359,10 0,4 1.052,10 0,6 1.411,20 0,5
Rio Paranaíba 60 2.260,80 2,8 10.345,90 5,8 12.606,70 4,9
Rio Grande 61 749,40 0,9 8.873,97 5,0 9.623,37 3,7
Rios Paraná, Tietê e Outros 62 198,50 0,2 5.499,10 3,1 5.697,60 2,2
Rios Paraná, Pardo e Outros 63 393,91 0,5 4.372,70 2,5 4.766,61 1,8
Rios Paraná, Paranapanema e Outros 64 967,62 1,2 14.331,36 8,1 15.298,98 5,9
Rios Paraná, Iguaçu e Outros 65 792,61 1,0 9.014,29 5,1 9.806,90 3,8
Rios Paraguai, São Lourenço e Outros 66 1.756,45 2,2 1.345,30 0,8 3.101,75 1,2
Rios Paraguai, Apa e Outros 67 - 0,0 - 0,0 - 0,0
Rios Paraná, Corrientes e Outros 68 - 0,0 - 0,0 - 0,0
Rios Paraná, Tercero e Outros 69 - 0,0 0,80 0,0 0,80 0,0
Rio Pelotas 70 204,00 0,3 1.166,60 0,7 1.370,60 0,5
Rio Canoas 71 16,00 0,0 1.426,33 0,8 1.442,33 0,6
Rios Uruguai, do Peixe e Outros 72 628,00 0,8 1.226,60 0,7 1.854,60 0,7
Rios Uruguai, Chapecó e Outros 73 - 0,0 3.560,82 2,0 3.560,82 1,4
Rios Uruguai, da Várzea e Outros 74 131,70 0,2 2.746,15 1,5 2.877,85 1,1
Rios Uruguai, Ijuí e Outros 75 - 0,0 1.148,96 0,6 1.148,96 0,4
Rios Uruguai, Ibicuí e Outros 76 172,00 0,2 16,20 0,0 188,20 0,1
Rios Uruguai, Quaraí e Outro 77 - 0,0 372,50 0,2 372,50 0,1
Rios Uruguai e Outros 78 - 0,0 - 0,0 - 0,0
Rio Uruguai, Negro e Outros 79 - 0,0 - 0,0 - 0,0
Rios Itapanhaú, Itanhaém e Outros 80 29,00 0,0 2.932,40 1,7 2.961,40 1,1
Rio Ribeira do Iguape 81 74,00 0,1 993,53 0,6 1.067,53 0,4
Rios Nhundiaquara, Itapocu e Outros 82 254,66 0,3 229,35 0,1 484,01 0,2
Rio Itajaí-Açu 83 98,00 0,1 451,33 0,3 549,33 0,2
Rios Tubarão, Ararangua e Outros 84 136,00 0,2 96,95 0,1 232,95 0,1
Rio Jacuí 85 516,10 0,6 1.045,75 0,6 1.561,85 0,6
Rio Taquari 86 76,00 0,1 1.381,10 0,8 1.457,10 0,6
Lagoa dos Patos 87 857,40 1,1 166,36 0,1 1.023,76 0,4
Lagoa Mirim 88 128,00 0,2 - 0,0 128,00 0,0
Fonte: CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS – ELETROBRAS. Sistema de informação do potencial hidrelétrico brasileiro – SIPOT. Rio de Janeiro, abr. 2003.

47
4 ENERGIA HIDRÁULICA

FIGURA 4.2 Potencial hidrelétrico brasileiro por sub-bacia hidrográfica –


situação em março de 2003

Fonte: Elaborado com base em dados de CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS – ELETROBRAS. Sistema de informação do potencial hidrelétrico brasileiro – SIPOT. Rio de Janeiro, abr. 2003.
Nota: os números correspondem aos códigos das sub-bacias, como indicado na Tabela 4.2.

48
ENERGIA HIDRÁULICA
4

TECNOLOGIAS DE
4.4. APROVEITAMENTO cidade ou potência instalada; iii) tipo de turbina empregada; iv) localiza-
ção, tipo de barragem, reservatório etc. Contudo, esses fatores são inter-
dependentes. Geralmente, a altura da queda determina os demais, e uma
O aproveitamento da energia hidráulica para geração de energia elétrica combinação entre esta e a capacidade instalada determina o tipo de plan-
é feito por meio do uso de turbinas hidráulicas, devidamente acopladas a ta e instalação.
um gerador. Com eficiência que pode chegar a 90%, as turbinas hidráu-
licas são atualmente as formas mais eficientes de conversão de energia Não há limites muito precisos para a classificação do tipo de queda e, por-
primária em energia secundária. tanto, os valores variam entre fontes e autores. O Centro Nacional de Re-
ferência em Pequenas Centrais Hidrelétricas – CERPCH, da Universidade
As turbinas hidráulicas apresentam uma grande variedade de formas e Federal de Itajubá – UNIFEI, considera de baixa queda uma instalação com
tamanhos. O modelo mais utilizado é o Francis, uma vez que se adapta altura de até 15 m; instalações com alturas superiores a 150 m são con-
tanto a locais com baixa queda quanto a locais de alta queda. Como tra- sideradas de alta queda e instalações com altura entre esses dois valores
balha totalmente submerso, seu eixo pode ser horizontal ou vertical são consideradas de média queda (CERPCH, 2000).
(RAMAGE, 1996).
Segundo a referida fonte, os locais mais favoráveis às instalações de alta
Entre outros modelos de turbinas hidráulicas, destacam-se o Kaplan, ade- queda se encontram geralmente nas ribeiras de grandes declives, forma-
quado a locais de baixa queda (10 m a 70 m), e o Pelton, mais apropriado a dos por rápidos ou cascatas. Nesse caso, as obras de tomada d’água e de
locais de elevada queda (200 m a 1.500 m). A Figura 4.3 apresenta um prevenção de enchentes são, em geral, de dimensões limitadas e custos
exemplo de turbina hidráulica para cada um dos três modelos citados. reduzidos. A maioria dos investimentos de construção civil é constituída
pelo conduto hidráulico. A turbina mais adequada é a do tipo Pelton, com
Os seguintes aspectos podem ser usados na classificação das usinas o uso de geradores de alta velocidade, cujas dimensões e preços unitários
hidrelétricas (RAMAGE, 1996): i) altura efetiva da queda d’água; ii) capa- são sensivelmente mais baixos do que das máquinas mais lentas.

FIGURA 4.3 Exemplos de turbinas hidráulicas (Pelton, Kaplan e Francis, respectivamente).

Fonte: GE Power Systems. General information. Disponível em: www.gepower.com/hydro.

49
4 ENERGIA HIDRÁULICA

No Brasil, um exemplo típico desse tipo de aproveitamento hidráulico é trou em operação comercial em maio de 1984. A última unidade ge-
a Usina Hidrelétrica de Henry Borden (Figura 4.4), localizada no Rio Pe- radora entrou em operação em abril de 1991. Atualmente, estão sen-
dras, município de Cubatão, Estado de São Paulo. O primeiro grupo ge- do instaladas mais duas unidades geradoras, o que aumentará sua
rador (seção externa) foi construído em pouco mais de um ano e entrou capacidade nominal para 14.000 MW (ITAIPU, 2001).
em operação em 1926, com potência nominal de 35 MW. Em 1952, ini-
ciaram-se as obras da seção subterrânea, que entrou em operação em Um modelo interessante e particular de barragem de média queda é o
1956. Atualmente, a capacidade instalada nas duas seções é de 889 da Usina Hidrelétrica de Funil (Figura 4.6), localizada no Rio Paraíba do
MW, o suficiente para atender à demanda de uma cidade com cerca de Sul, Município de Itatiaia – RJ. Construída na década de 60, a barragem
dois milhões de habitantes. Seu sistema adutor capta água do Reserva- é do tipo abóbada de concreto, com dupla curvatura, única no Brasil.
tório do Rio das Pedras, e a conduz até o pé da Serra do Mar, em Cu- Com uma capacidade nominal de 216 MW, sua operação teve início em
batão, aproveitando um desnível de cerca de 720 m (EMAE, 2001). 1969 (FURNAS, 2005).

Em instalações de média queda (maioria dos projetos hidrelétricos brasilei- Em instalações de baixa queda, a casa de força é integrada às obras de
ros), os principais componentes da construção civil são a tomada d’água, tomada d’água ou localizada a uma pequena distância. As turbinas são
as obras de proteção contra enchentes e o conduto hidráulico. As turbinas do tipo Kaplan ou Hélice, com baixa velocidade (entre 70 e 350 rpm). As
mais utilizadas são do tipo Francis, com velocidades de rotação entre 500 obras civis podem ser reduzidas pelo uso de grupos axiais do tipo bulbo
rpm e 750 rpm. No caso de velocidades mais baixas, pode-se usar um mul- e o custo dos geradores também pode ser reduzido, com o uso de multi-
tiplicador de velocidade, a fim de se reduzirem os custos dos geradores. plicadores de velocidade.

Um exemplo desse tipo de barragem é o da Usina Hidrelétrica de Itai- No Brasil, um exemplo típico de aproveitamento hidrelétrico de baixa que-
pu (Figura 4.5), a maior hidrelétrica em operação no mundo, com uma da é o da Usina Hidrelétrica de Jupiá (Figura 4.7), localizada no Rio Paraná,
potência instalada de 12.600 MW (18 unidades geradoras de 700 Município de Três Lagoas – SP. Com reservatório de 330 km2, a usina pos-
MW). As obras civis tiveram início em janeiro de 1975, e a usina en- sui 14 turbinas Kaplan, totalizando uma potência instalada de 1.551 MW.

FIGURA 4.4 Usina Hidrelétrica de Henry Borden FIGURA 4.5 Vista panorâmica da Usina Hidrelétrica
(Cubatão – SP) de Itaipu

Foto: ITAIPU. 2001. Disponível em: www.itaipu.gov.br/empresaport.


Foto: EMPRESA METROPOLITANA DE ÁGUAS E ENERGIA DO ESTADO DE SÃO PAULO - EMAE. 2001.
(...) Disponível em www.emae.com.br.

50
ENERGIA HIDRÁULICA
4

FIGURA 4.6 Usina Hidrelétrica de Funil (Itatiaia – RJ) FIGURA 4.7 Usina Hidrelétrica de Jupiá (Três Lagoas – SP)

Fonte: AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL. Superintendência de Estudos e


Fonte: FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS. Parque gerador. 2001. Disponível em www.furnas.com.br. Informações Hidrológicas. 2001.

4.5. CAPACIDADE INSTALADA são as do Atlântico Norte/Nordeste e Amazonas, que somam apenas
1,5% da capacidade instalada no Brasil (Tabela 4.3).

Em termos absolutos, os cinco maiores produtores de energia hidrelétri- Na Bacia do Paraná, destacam-se as sub-bacias 60 (Rio Paranaíba), 61
ca no mundo são Canadá, China, Brasil, Estados Unidos e Rússia, respec- (Grande), 64 (Paranapanema) e 65 (Iguaçu), com índices que variam de
tivamente, conforme ilustrado na Figura 4.8. Em 2001, esses países foram 10,1% a 13,2% da capacidade instalada no País (Tabela 4.4). Na Bacia do
responsáveis por quase 50% de toda a produção mundial de energia hi- São Francisco, destaca-se a sub-bacia 49 (rios São Francisco, Moxotó e ou-
drelétrica (AIE, 2003). tros), onde estão localizadas as usinas hidrelétricas de Xingó e Paulo Afon-
so IV, que somam juntas 5.460 MW de potência instalada. Na Bacia do
Pouco menos de 60% da capacidade hidrelétrica instalada no Brasil Tocantins, destaca-se a sub-bacia 29, onde se localiza a Usina Hidrelétrica
está na Bacia do Rio Paraná. Outras bacias importantes são a do São de Tucuruí, cuja capacidade instalada poderá ser duplicada num futuro
Francisco e a do Tocantins, com 16% e 12%, respectivamente, da ca- próximo. Uma ilustração da capacidade instalada em aproveitamentos hi-
pacidade instalada no País. As bacias com menor potência instalada drelétricos por sub-bacia hidrográfica é apresentada na Figura 4.9.

51
4 ENERGIA HIDRÁULICA

FIGURA 4.8 Capacidade instalada em usinas hidrelétricas no mundo – 1999

Fonte: Elaborado com base em dados de THE INTERNATIONAL JOURNAL ON HYDROPOWER & DAMS – IJHD. World Atlas & Industry Guide. 2000.

TABELA 4.3 Capacidade instalada por bacia hidrográfica (MW) – situação em março de 2003
Bacia Código Capacidade Instalada (MW)
Bacia do Rio Amazonas 1 667,30 1,0%
Bacia do Rio Tocantins 2 7.729,65 11,7%
Bacia do Atlântico Norte/Nordeste 3 300,92 0,5%
Bacia do Rio São Francisco 4 10.289,64 15,5%
Bacia do Atlântico Leste 5 2.589,00 3,9%
Bacia do Rio Paraná 6 39.262,81 59,3%
Bacia do Rio Uruguai 7 2.859,59 4,3%
Bacia do Atlântico Sudeste 8 2.519,32 3,8%
Brasil - 66.218,23 100%
Fonte: CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS - ELETROBRAS. Sistema de informação do potencial hidrelétrico brasileiro - SIPOT. Rio de Janeiro, abr. 2003.

52
ENERGIA HIDRÁULICA
4

TABELA 4.4 Capacidade instalada por sub-bacia hidrográfica (MW) – situação em março de 2003
Bacia Código Capacidade Instalada (MW)
Rio Solimões, Javari, Itaquaí 10 0 0,0%
Rio Solimões, Içá, Jandiatuba e Outros 11 0 0,0%
Rio Solimões, Juruá, Japurá e Outros 12 0 0,0%
Rio Solimões, Purus, Coari e Outros 13 0 0,0%
Rio Solimões, Negro, Branco e Outros 14 0 0,0%
Rio Amazonas, Madeira, Guaporé e Outros 15 366,36 0,6%
Rio Amazonas, Trombetas e Outros 16 255 0,4%
Rio Amazonas, Tapajós, Juruena e Outros 17 14,02 0,0%
Rio Amazonas, Xingu, Iriri, Paru 18 31,92 0,0%
Rio Amazonas, Jari, Pará e Outros 19 0 0,0%
Rio Tocantins, Maranhão, Almas e Outros 20 1.276,57 1,9%
Rio Tocantins, Paranã, Palma e Outros 21 510,80 0,8%
Rio Tocantins, M. Alves, Sono e Outros 22 933,57 1,4%
Rio Tocantins, M. Alves Grande 23 1,03 0,0%
Rio Araguaia, Caiapó, Claro e Outros 24 2,28 0,0%
Rio Araguaia, Crixas-Açu, Peixe 25 0 0,0%
Rio Araguaia, Mortes, Javaés e Outros 26 12,60 0,0%
Rio Araguaia, Coco, Pau D'arco e Outros 27 0 0,0%
Rio Araguaia, Muricizal, Lontra 28 2,8 0,0%
Rio Tocantins, Itacaiúnas e Outros 29 4.990 7,5%
Rios Oiapoque, Araguari e Outros 30 68 0,1%
Rios Meruú, Acará, Guama e Outros 31 0 0,0%
Rios Gurupi, Turiaçu e Outros 32 0 0,0%
Rios Mearim, Itapecuru e Outros 33 0 0,0%
Rio Paraíba 34 225 0,3%
Rios Acaraú, Piranji e Outros 35 4,4 0,0%
Rio Jaguaribe 36 0 0,0%
Rios Apodi, Piranhas e Outros 37 3,52 0,0%
Rios Paraíba, Potenji e Outros 38 0 0,0%
Rios Capibaribe, Mundaú e Outros 39 0 0,0%
Rios São Francisco, Paraopeba e Outros 40 416,08 0,6%
Rios São Francisco, Das Velhas 41 13,36 0,0%
Rios São Francisco, Paracatu e Outros 42 0 0,0%
Rios São Francisco, Urucuia e Outros 43 0 0,0%
Rios São Francisco, Verde, Grande 44 4,2 0,0%
Rios São Francisco, Carinhanha 45 9 0,0%
Rios São Francisco, Grande e Outros 46 10 0,0%
Rios São Francisco, Jacaré e Outros 47 1.050 1,6%
Rios São Francisco, Pajeú e Outros 48 0 0,0%

53
4 ENERGIA HIDRÁULICA

Capacidade instalada por sub-bacia hidrográfica (MW) – situação em março de 2003 (cont.)
Bacia Código Capacidade Instalada (MW)
Rios São Francisco, Moxotó e Outros 49 8.787 13,3%
Rios Vaza-Barris, Itapicuru e Outros 50 0 0,0%
Rios Paraguaçu, Jequiriça e Outros 51 0 0,0%
Rio de Contas 52 53 0,1%
Rios Pardo, Cachoeira e Outros 53 0 0,0%
Rio Jequitinhonha 54 451,48 0,7%
Rios Mucuri, São Mateus e Outros 55 60 0,1%
Rio Doce 56 648,02 1,0%
Rios Itapemirim, Itabapoana e Outros 57 133,84 0,2%
Rio Paraíba do Sul 58 607,96 0,9%
Rios Macaé, São João e Outros 59 634,7 1,0%
Rio Paranaíba 60 7.166,67 10,8%
Rio Grande 61 7.722,13 11,7%
Rios Paraná, Tietê e Outros 62 5.385,52 8,1%
Rios Paraná, Pardo e Outros 63 3.029,30 4,6%
Rios Paraná, Paranapanema e Outros 64 8.766,73 13,2%
Rios Paraná, Iguaçu e Outros 65 6.692,70 10,1%
Rios Paraguai, São Lourenço e Outros 66 498,96 0,8%
Rios Paraguai, Apa e Outros 67 0 0,0%
Rios Paraná, Corrientes e Outros 68 0 0,0%
Rios Paraná, Tercero e Outros 69 0,8 0,0%
Rio Pelotas 70 0,2 0,0%
Rio Canoas 71 14,03 0,0%
Rios Uruguai, do Peixe e Outros 72 1.145,46 1,7%
Rios Uruguai, Chapecó e Outros 73 1.690,59 2,6%
Rios Uruguai, da Várzea e Outros 74 4,13 0,0%
Rios Uruguai, Ijuí e Outros 75 5,18 0,0%
Rios Uruguai, Ibicuí e Outros 76 0 0,0%
Rios Uruguai, Quaraí e Outros 77 0 0,0%
Rios Uruguai e Outros 78 0 0,0%
Rio Uruguai, Negro e Outros 79 0 0,0%
Rios Itapanhaú, Itanhaém e Outros 80 902,4 1,4%
Rio Ribeira do Iguape 81 456,5 0,7%
Rios Nhundiaquara, Itapocu e Outros 82 81,25 0,1%
Rio Itajaí-Açu 83 44,15 0,1%
Rios Tubarão, Ararangua e Outros 84 8,6 0,0%
Rio Jacuí 85 963,75 1,5%
Rio Taquari 86 5,66 0,0%
Lagoa dos Patos 87 57,01 0,1%
Lagoa Mirim 88 0 0,0%
Fonte: CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS – ELETROBRAS. Sistema de informação do potencial hidrelétrico brasileiro – SIPOT. Rio de Janeiro, abr. 2003.

54
ENERGIA HIDRÁULICA
4

FIGURA 4.9 Capacidade instalada por sub-bacia hidrográfica - situação em março de 2003

Fonte: Elaborado com base em dados das CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS – ELETROBRAS. Sistema de informação do potencial hidrelétrico brasileiro – SIPOT. Rio de Janeiro, abr. 2003.
Nota: Os números correspondem aos códigos das sub-bacias, como indicado na Tabela 4.4.

55
4 ENERGIA HIDRÁULICA

Em termos de esgotamento dos potenciais, verifica-se que as bacias Norte/Nordeste. Em nível nacional, cerca de 25,6% do potencial hidre-
mais saturadas são a do Paraná e a do São Francisco, com índices de létrico estimado já foi aproveitado. Em relação ao potencial inventaria-
aproveitamento (razão entre potencial aproveitado e potencial existen- do, essa proporção aumenta para 37,3%. A Figura 4.10 ilustra os
te) de 64,5% e 39,2%, respectivamente (Tabela 4.5). As menores taxas índices de aproveitamento dos potenciais hidráulicos brasileiros por
de aproveitamento são verificadas nas bacias do Amazonas e Atlântico sub-bacia hidrográfica.

TABELA 4.5 Índices de aproveitamento por bacia - situação em março de 2003

Bacia Código Inventariado (MW) Inventariado + Capacidade Índices de aproveitamento


[a] Estimado (MW) Instalada (MW) [c/a] [c/b]
[b] [c]

Bacia do Rio Amazonas 1 40.883,07 105.047,56 667,30 1,6% 0,6%

Bacia do Rio Tocantins 2 24.620,65 26.639,45 7.729,65 31,4% 29,0%

Bacia do Atlântico Norte/Nordeste 3 2.127,85 3.198,35 300,92 14,1% 9,4%

Bacia do Rio São Francisco 4 24.299,84 26.217,12 10.289,64 42,3% 39,2%

Bacia do Atlântico Leste 5 12.759,81 14.539,01 2.589,00 20,3% 17,8%

Bacia do Rio Paraná 6 53.783,42 60.902,71 39.262,81 73,0% 64,5%

Bacia do Rio Uruguai 7 11.664,16 12.815,86 2.859,59 24,5% 22,3%

Bacia do Atlântico Sudeste 8 7.296,77 9.465,93 2.519,32 34,5% 26,6%

Brasil - 177.435,57 258.825,99 66.218,23 37,3% 25,6%


Fonte: CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS – ELETROBRAS. Sistema de informação do potencial hidrelétrico brasileiro – SIPOT. Rio de Janeiro, abr. 2003.

56
ENERGIA HIDRÁULICA
4

FIGURA 4.10 Índice de aproveitamento do potencial hidrelétrico brasileiro - situação em março de 2003

Fonte: Elaborado a partir de CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS – ELETROBRAS. Sistema de informação do potencial hidrelétrico brasileiro – SIPOT. Rio de Janeiro, abr. 2003.
Nota: Os números correspondem aos códigos das sub-bacias, como indicado na Tabela 4.4.

57
4 ENERGIA HIDRÁULICA

Os baixos índices de aproveitamento da Bacia do Amazonas são devi- A Figura 4.11 ilustra melhor a evolução da concentração dos empreendimen-
dos ao relevo predominante da região (planícies), à sua grande diver- tos hidrelétricos no País. Como se observa, até 1950, as usinas estavam con-
sidade biológica e à distância dos principais centros consumidores de centradas próximas ao litoral, entre os Estados de São Paulo, Rio de Janeiro e
energia. Já na região centro-sul do País, o desenvolvimento econômi- Minas Gerais. Atualmente, há uma dispersão mais acentuada, cujo centro de
co muito mais acelerado e o relevo predominante (planaltos) levaram massa está localizado entre os Estados de São Paulo, Minas Gerais, Mato
a um maior aproveitamento dos seus potenciais hidráulicos. Mas o Grosso do Sul e Goiás.
processo de interiorização do País e o próprio esgotamento dos me-
lhores potenciais das regiões Sul e Sudeste têm requerido um maior
aproveitamento hidráulico de regiões mais remotas e economicamen-
CENTRAIS HIDRELÉTRICAS
te menos desenvolvidas.

Na primeira metade do século XX, a grande maioria dos projetos hidrelé-


4.6. EM OPERAÇÃO NO BRASIL
tricos foi instalada na Região Sudeste. No período de 1945 a 1970, os Em setembro de 2003, havia registro de 517 centrais hidrelétricas em
empreendimentos se espalharam mais em direção ao Sul e ao Nordeste, operação no Brasil, das quais 378 eram empreendimentos de pequeno
com destaque para os Estados do Paraná e de Minas Gerais. Entre 1970 porte – micro e pequenas centrais hidrelétricas. Como indicado na Tabe-
e meados dos anos 1980, espalharam-se por diversas regiões do País, gra- la 4.6, as usinas acima de 30 MW correspondem a 98,4% da capacidade
ças ao aprimoramento de tecnologias de transmissão de energia elétrica hidrelétrica instalada no País.
em grandes blocos e distâncias. Nesse mesmo período, verificou-se tam-
bém uma forte concentração de projetos na zona de transição entre as Conforme ilustra a Figura 4.12, a maioria das grandes centrais hidrelétricas bra-
regiões Sudeste e Centro-Oeste, onde estão duas importantes sub-bacias sileiras está localizada na Bacia do Paraná, notadamente nas sub-bacias do Para-
do Paraná (Grande e Paranaíba). Mais recentemente, têm-se destacado as naíba, Grande e Iguaçu. Entre as demais, destacam-se Tucuruí, no Rio Tocantins,
regiões Norte e Centro-Oeste, principalmente o Estado de Mato Grosso. e Sobradinho, Paulo Afonso e Xingó, no Rio São Francisco (Anexo 3-A).

FIGURA 4.11 Evolução da concentração das usinas hidrelétricas no Brasil (1950 e 2000)

Fonte: AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL. Superintendência de Estudos e Informações Hidrológicas. 2001.

58
ENERGIA HIDRÁULICA
4

TABELA 4.6 Distribuição das centrais hidrelétricas em operação por faixa de potência - situação em setembro de 2003

Faixa de Potência Número de usinas Potência


MW %
UHE (acima 30 MW) 139 69.563 98,40
PCH (de 1 até 30 MW, inclusive) 230 * 1.048 1,48
CGH (até 1 MW, inclusive) 148 81 0,12
Total 517 70.693 ** 100
Fonte: AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA – ANEEL. Banco de Informações de Geração – BIG. 2003. Disponível em: www.aneel.gov.br/15.htm.
(*) Ressalta-se que existem mais empreendimentos com características de PCH, os quais foram outorgados anteriormente à Lei 9.648, de maio de 1998 e, portanto, não enquadrados nessa categoria.
(**) Esta cifra aqui apresentada não coincide com aquela mencionada nas tabelas 4.3 e 4.5 em função das datas em que os dados foram extraídos das fontes e de diferenças na forma de contabilização.

O marco legal do setor elétrico, ao introduzir incentivos aos empreende- preendimentos de pequeno porte (Anexo 3-E), estes devem somar
dores interessados, tem estimulado a multiplição de aproveitamentos hi- 3.046 MW. A Figura 4.15 mostra a localização desses futuros em-
drelétricos de pequeno porte e baixo impacto ambiental no Brasil. Esses preendimentos.
empreendimentos procuram atender a demandas próximas aos centros
de carga, em áreas periféricas ao sistema de transmissão e em pontos
marcados pela expansão agrícola nacional, promovendo o desenvolvi- MONITORAMENTO HIDROLÓGICO
DOS EMPREENDIMENTOS
mento de regiões remotas do País. Os Anexos 3-B e 3-C apresentam a re-
lação dessas centrais. 4.8. HIDRELÉTRICOS BRASILEIROS
Como ilustrado nas Figuras 4.13 e 4.14, a maioria dos pequenos aprovei- Em 04 de dezembro de 1998, a ANEEL publicou a Resolução n° 396
tamentos hidrelétricos se localiza nas regiões Sul e Sudeste, nas bacias do que estabeleceu as condições para a implantação, operação e manu-
Paraná e Atlântico Sudeste, próximo aos grandes centros consumidores tenção de estações fluviométricas e pluviométricas associadas aos em-
de energia elétrica. preendimentos hidrelétricos. Teve por objetivo obter dados
consistentes sobre os regimes de operação dos reservatórios.
O Anexo 4 apresenta um diagrama topológico das usinas hidrelétricas
existentes no Brasil. Os dispositivos dessa Resolução são baseados na área incremental dos
aproveitamentos hidroelétricos, que é a área de drenagem, desconsi-
deradas as áreas dos empreendimentos de montante. Em função da
dimensão desta área incremental, as empresas devem instalar um
FUTUROS PROJETOS
4.7. HIDRELÉTRICOS NO BRASIL
quantitativo de estações hidrométricas. Este quantitativo pode variar
de uma estação fluviométrica convencional a 7 (sete) estações fluvio-
métricas e pluviométricas com telemetria. A Resolução prevê, ainda,
Apesar da participação crescente de outras fontes na geração de ener- que usinas hidrelétricas com áreas inundadas maiores que 3 km2 de-
gia elétrica, a hidroeletricidade continua sendo muito importante na vem instalar uma estação fluviométrica telemétrica, de forma a moni-
expansão do setor elétrico brasileiro. Somando-se a potência nominal torar o nível do reservatório.
dos empreendimentos em construção e daqueles apenas outorgados
(construção não iniciada até setembro de 2003), verifica-se que a O Sistema de Monitoramento Hidrológico dos Empreendimentos Hi-
energia hidráulica poderá adicionar ao sistema elétrico nacional cerca drelétricos atualmente possui o cadastro de 252 empresas, 646 usinas
de 13.213 MW, nos próximos anos. hidrelétricas e mais de 1100 estações hidrométricas, dentre as quais
uma grande parcela já está disponibilizando dados hidrológicos, re-
No Anexo 3-D consta a relação das UHEs em construção ou apenas presentando o monitoramento de mais de 90% de toda a potência
outorgadas, as quais poderão adicionar ao sistema elétrico 10.166 instalada no País. A Figura 4.16 mostra a abrangência deste monito-
MW, com 46 novos empreendimentos. Quanto aos 232 futuros em- ramento em todo o País.

59
4 ENERGIA HIDRÁULICA

FIGURA 4.12 Usinas hidrelétricas (UHEs) em operação no País – situação em setembro de 2003

Fonte: Elaborado com base em dados da AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA – ANEEL. Banco de Informações de Geração – BIG. 2003. Disponível em: www.aneel.gov.br/15.htm.

60
ENERGIA HIDRÁULICA
4

FIGURA 4.13 Localização das PCHs em operação no Brasil – situação em setembro de 2003

Fonte: Elaborado a partir de AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA – ANEEL. Banco de Informações de Geração – BIG. 2003. Disponível em: www.aneel.gov.br/15.htm.

61
4 ENERGIA HIDRÁULICA

FIGURA 4.14 Localização das CGHs em operação no Brasil – situação em setembro de 2003

Fonte: Elaborado com base em dados da AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA – ANEEL. Banco de Informações de Geração – BIG. 2003. Disponível em: www.aneel.gov.br/15.htm.

62
ENERGIA HIDRÁULICA
4

FIGURA 4.15 Futuros Empreendimentos Hidrelétricos – situação em setembro de 2003

Fonte: Elaborado a partir de AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA – ANEEL. Banco de Informações de Geração – BIG. 2003. Disponível em: www.aneel.gov.br/15.htm.

63
4 ENERGIA HIDRÁULICA

FIGURA 4.16 Estações Hidrométricas do sistema de monitoramento


hidrológico dos aproveitamentos hidrelétricos

Fonte: Elaborado com base em dados da AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA – ANEEL. Banco de Informações de Geração – BIG. 2003. Disponível em: www.aneel.gov.br/15.htm.

64
ENERGIA HIDRÁULICA
4

REDE HIDROMETEOROLÓGICA
4.9. BÁSICA ção de microclimas, favorecendo certas espécies (não necessariamente as
mais importantes) e prejudicando ou até mesmo extinguindo outras. En-
tre as espécies nocivas à saúde humana, destacam-se parasitas e trans-
A rede hidrometeorológica básica foi instalada para viabilizar o levanta- missores de doenças endêmicas, como a malária e a esquistossomose.
mento de informações necessárias aos estudos e projetos que demandam
o conhecimento das disponibilidades hídricas e potenciais hidráulicos das Dois exemplos internacionais de graves problemas decorrentes de empreen-
bacias hidrográficas brasileiras, assim como para permitir o cálculo das sé- dimentos hidrelétricos são Akossombo (Gana) e Assuan (Egito). Além de alte-
ries de vazões naturais médias mensais nos locais de aproveitamentos, vi- rações de ordem hídrica e biológica, esses projetos provocaram o aumento da
sando ao planejamento energético e simulações relativas aos sistemas prevalência da esquistossomose mansônica, que em ambos os casos ultrapas-
elétricos do País (ANA, 2003). sou o índice de 70% da população local e circunvizinha, entre outros trans-
tornos de ordem cultural, econômica e social (ANDREAZZI, 1993).
A responsabilidade pelas estações hidrometeorológicas da rede básica
em todo território brasileiro, assim como a inserção dos dados no Siste- Há também os perigos de rompimento de barragens e outros aciden-
ma de Informações Hidrológicas são de responsabilidade da Agência tes correlatos, que podem causar problemas de diversas ordens e di-
Nacional de Águas (ANA). As Figuras 4.17 e 4.18 mostram a abrangên- mensões. Um exemplo clássico é o de Macchu, na Índia, onde 2.500
cia desse monitoramento em todo País. Das estações fluviométricas, pessoas pereceram, em razão da falha de uma barragem em 1979
aproximadamente 1.769 estão em operação e 1.519 desativadas. Das (ELETRONUCLEAR, 2001). Por tudo isso é necessário realizar estudos
pluviométricas, 2.501 estão em operação e 1.020 desativadas (situação prévios e medidas preventivas a respeito do impacto sócioambiental
em outubro de 2003). potencial decorrente da implantação de um determinado empreendi-
mento hidrelétrico.

4.10. ASPECTOS SOCIOAMBIENTAIS No Brasil, há vários exemplos de grandes impactos socioambientais decor-
rentes de empreendimentos hidrelétricos, como Tucuruí e Balbina, na
Amazônia, e Sobradinho, no Nordeste do País.
O aproveitamento de potenciais hidráulicos para a geração de energia elétri-
ca requer, muitas vezes, a formação de grandes reservatórios e, conseqüen- É importante ressaltar, porém, que esses e outros impactos indesejá-
temente, a inundação de grandes áreas. Na maioria dos casos, trata-se de veis não são entraves absolutos à exploração dos potenciais remanes-
áreas produtivas e/ou de grande diversidade biológica, o que exige, previa- centes. Primeiramente, porque os maiores aproveitamentos já foram
mente, a realocação de grandes contingentes de pessoas e animais silvestres. realizados. Em segundo lugar, porque esses impactos podem ser evi-
tados ou devidamente mitigados com estudos prévios (geológicos, hi-
A formação de reservatórios de acumulação de água e regularização de drológicos e socioambientais), exigidos pelo poder concedente e pelos
vazões, por sua vez, provoca alterações no regime das águas e a forma- órgãos legislativos.

65
4 ENERGIA HIDRÁULICA

FIGURA 4.17 Estações Fluviométricas da rede hidrometeorológica


básica nacional – situação em outubro de 2003

Fonte: Elaborado com base em dados da AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS – ANA. HidroWeb - Sistemas de Informações Hidrológicas. 2003. Disponível em http://hidroweb.ana.gov.br/HidroWeb.

66
ENERGIA HIDRÁULICA
4

FIGURA 4.18 Estações Pluviométricas da rede hidrometeorológica


básica nacional – situação em outubro de 2003

Fonte: Elaborado com base em dados da AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS – ANA. HidroWeb - Sistemas de Informações Hidrológicas. 2003. Disponível em http://hidroweb.ana.gov.br/HidroWeb.

67
4 ENERGIA HIDRÁULICA

Os graves e indesejados impactos de grandes hidrelétricas do passado O valor da Compensação Financeira corresponde a 6,75% da energia de ori-
tiveram como efeito positivo a incorporação da variável ambiental e de gem hidráulica efetivamente verificada, medida em MWh, multiplicados pela
outros aspectos no planejamento do setor elétrico, principalmente na Tarifa Atualizada de Referência (TAR), fixada pela ANEEL. No cálculo dos
construção de novos empreendimentos. royalties advindos de Itaipu, a energia efetivamente verificada, medida em
GWh, é multiplicada por um valor correspondente, atualmente, a U$ 650,00
Também é importante mencionar a existência de ações atuais de mitiga- (valor do GWh), e por um multiplicador K, sendo o valor resultante corrigi-
ção de impactos causados no passado, que já se tornaram atividade im- do pela variação cambial. Desse recurso, 50% é destinado ao Brasil e a ou-
portante de muitas empresas, por força da lei ou espontaneamente. tra parcela ao Paraguai.
Outro aspecto a ser mencionado é que impactos negativos inevitáveis po-
dem (e devem) ser devidamente compensados por impactos positivos. Na distribuição dos recursos da Compensação Financeira, dos 6,75%,
Além da geração de energia elétrica, um empreendimento hidrelétrico 0,75% são destinados ao Ministério do Meio Ambiente para a aplicação
pode proporcionar uma série de outros benefícios, como contenção de na implementação da Política Nacional de Recursos Hídricos e do
cheias, transporte hidroviário, turismo/recreação etc. Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos, constituindo-
se tal parcela em pagamento pelo uso de recursos hídricos para fins de
geração de energia elétrica. Os 6% restantes são destinados da seguin-

4.11. ECOMPENSAÇÃO
ROYALTIES
FINANCEIRA te forma: 45% dos recursos aos municípios atingidos pelas barragens,
proporcionalmente às áreas alagadas de cada município abrangido pe-
los reservatórios e instalações das UHEs; aos estados onde se localizam
Na Constituição Federal, o artigo 20 define como bens da União, entre os reservatórios outros 45%, correspondentes à soma das áreas alaga-
outros, os potenciais de energia hidráulica. Seu parágrafo primeiro asse- das dos seus respectivos municípios; ficando a União com os 10% res-
gura participação dos Estados, Distrito Federal, Municípios e Órgãos da tantes(13). Os royalties são distribuídos de forma semelhante.
administração direta da União, no resultado da exploração de recursos hí-
dricos para fins de geração de energia elétrica, ou a compensação finan- Nas Tabela 4.7 e 4.8 é apresentado um histórico dos benefícios distri-
ceira por esta exploração. buídos. Conforme os dados destas tabelas, em todo País, 135 usinas
recolhem a Compensação Financeira, sendo beneficiados 570 municí-
Nesse contexto foram estabelecidos, como pagamento pela exploração de pios e 22 Estados. Quanto aos royalties de Itaipu, são beneficiados
recursos hídricos, os royalties para a Itaipu Binacional(11) e, para as demais 363 municípios e 6 Estados.
concessionárias e empresas autorizadas(12), a Compensação Financeira pela
Utilização de Recursos Hídricos. A localização e a dimensão dos reservatórios hidrelétricos (área alagada)
em que incidem a Compensação Financeira ou os royalties são ilustradas
O gerenciamento do recolhimento dos recursos, assim como da distribui- na Figura 4.19. Na Tabela 4.9 consta a listagem desses empreendimen-
ção entre os beneficiários, é feito pela ANEEL. tos. Na Figura 4.20, como exemplo, uma imagem de satélite do reserva-
tório de Sobradinho, no Rio São Francisco.

(11) Criados pelo Tratado de Itaipu.


(12) Excetuando as caracterizadas como Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCH).
68 (13) 3% para o Ministério do Meio Ambiente, 3% para o Ministério de Minas e Energia e 4% para o Fundo Nacional de Ciência e Tecnologia.
ENERGIA HIDRÁULICA
4

TABELA 4.7 Histórico dos benefícios distribuídos


2003 2002 2001
Compensação Financeira (R$)
Municípios 263.723.641,28 200.879.352,69 171.122.215,09
Estados 263.723.641,28 200.879.352,69 171.122.215,09
(Subtotal) Estados e municípios 527.447.282,56 401.758.705,39 342.244.430,18
MMA* 73.249.241,36 55.794.240,21 47.529.195,24
FNDCT 23.405.473,16 17.828.042,55 15.187.096,59
MMA 17.603.553,06 13.408.696,79 11.422.407,86
MME 17.603.553,06 13.408.696,79 11.422.407,86
TOTAL 659.309.103,19 502.198.381,73 427.805.537,73

Royalties de Itaipu (R$)


Municípios 256.590.281,66 253.409.393,05 204.621.769,00
Estados 256.590.281,66 253.409.393,05 204.621.769,00
(Subtotal) Estados e municípios 513.180.563,32 506.818.786,10 409.243.538,01
FNDCT 22.808.025,04 22.525.279,38 18.188.601,69
MMA 17.106.018,78 16.893.959,54 13.641.451,27
MME 17.106.018,78 16.893.959,54 13.641.451,27
TOTAL 570.200.625,91 563.131.984,55 454.715.042,23

TOTAL Royalties e Compensação Financeira 1.229.509.729,10 1.065.330.366,29 882.520.579,96


Fonte: AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL. 2004. Disponível em: www.aneel.gov.br/aplicacoes/cpmf/gerencial/compensacaosstart_internet.asp?Origem=1.
(*) Parcela referente ao pagamento pelo uso dos recursos hídricos para fins de geração de energia elétrica.

69
4 ENERGIA HIDRÁULICA

TABELA 4.8 Histórico dos benefícios distribuídos, segundo unidades da Federação

Compensação Financeira Royalties de Itaipu


2003 2002 2001 2003 2002 2001

UF N° Mun* Valor (R$) N° Mun* Valor (R$) N° Mun* Valor (R$) N° Mun* Valor (R$) N° Mun* Valor (R$) N° Mun* Valor (R$)

AL 4 6.822.971,94 4 5.142.631,99 5 4.360.986,00 - - - - - -

AM 2 885.641,72 2 834.318,77 3 755.268,35 - - - - - -

AP 1 496.526,32 1 368.667,75 1 344.170,35 - - - - - -

BA 23 23.170.674,45 20 17.634.070,05 21 15.992.542,33 - - - - - -

DF 1 113.143,77 1 116.452,49 1 98.450,03 1 27.163,64 1 25.671,16 1 19.351,57

ES 6 854.564,31 6 757.338,53 6 520.789,98 - - - - - -

GO 36 25.428.463,83 37 17.229.679,80 36 16.834.335,66 26 5.733.325,34 26 5.642.631,51 26 4.568.585,82

MA 3 666.332,31 3 632.877,47 3 513.114,97 - - - - - -

MG 125 57.444.168,08 120 36.441.968,18 123 29.495.347,37 96 20.145.010,28 92 19.950.135,06 92 16.071.300,17

MS 11 14.055.504,72 11 11.730.800,46 11 8.189.029,36 12 4.938.218,05 12 4.854.553,9 12 3.813.655,64

MT 10 2.135.919,76 4 1.123.510,41 4 565.705,42 - - - - - -

PA 8 24.510.749,37 8 21.176.922,05 8 18.354.959,82 - - - - - -

PE 6 3.568.228,86 6 2.685.995,46 6 2.435.475,33 - - - - - -

PI 4 579.533,00 4 550.436,13 4 443.696,93 - - - - - -

PR 64 36.947.393,50 64 30.897.004,56 67 32.140.539,42 48 216.573.939,04 48 213.955.318,69 48 172.837.440,84

RJ 11 3.173.426,46 11 3.002.029,48 11 2.532.909,45 - - - - - -

RO 4 869.234,65 4 607.812,53 5 627.084,63 - - - - - -

RS 40 11.912.052,47 39 10.527.056,39 37 7.865.866,11 - - - - - -

SC 15 4.804.212,38 15 4.910.151,66 11 3.465.449,26 - - - - - -

SE 1 5.044.238,24 1 3.834.783,52 1 3.352.120,63 - - - - - -

SP 190 36.388.715,29 189 29.001.212,79 205 22.115.943,33 180 9.172.625,31 180 8.981.082,68 180 7.311.434,97

TO 10 3.851.943,83 10 1.673.632,21 2 118.430,37 - - - - - -

TOTAL 575 263.723.641,25 560 200.879.352,69 571 171.122.215,09 363 256.590.281,66 359 253.409.393,05 359 204.621.769,00

Fonte: AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL. 2004. Disponível em: www.aneel.gov.br/aplicacoes/cpmf/gerencial/compensacaosstart_internet.asp?Origem=1.
(*) Quantidade de municípios que efetivamente receberam recursos

70
ENERGIA HIDRÁULICA
4

FIGURA 4.19 Usinas hidrelétricas que pagam compensação financeira ou royalties ,


segundo área alagada – situação em 2003

Fonte: Elaborado com base em dados da AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL. 2004. Disponível em: www.aneel.gov.br/aplicacoes/cpmf/gerencial/compensacaosstart_internet.asp?Origem=1.

71
4 ENERGIA HIDRÁULICA

TABELA 4.9 Usinas hidrelétricas que pagam compensação financeira ou royalties, segundo área alagada - situação em setembro de 2003
UHE Potência (KW) Área Alagada (Km2)
Água Vermelha (José Ermírio de Moraes) 1.396.200,00 673,63
Alecrim 72.000,00 1,54
Americana 30.000,00 11,93
Antas II 16.500,00 7,71
Areal 18.000,00 2,00
Balbina 250.000,00 4.437,72
Bariri (Álvaro de Souza Lima) 143.100,00 58,35
Barra 40.400,00 2,02
Barra Bonita 140.760,00 331,69
Boa Esperança (Castelo Branco) 225.300,00 376,36
Bracinho 16.500,00 1,14
Brecha 12.400,00 1,00
Bugres 11.700,00 16,33
Cachoeira Dourada 658.000,00 86,32
Caconde 80.490,00 36,30
Camargos 45.000,00 50,47
Cana Brava 450.000,00 139,63
Canastra 44.800,00 0,05
Canoas-I 82.500,00 34,99
Canoas-II 69.930,00 25,71
Capivara (Escola de Engenharia Mackenzie) 640.000,00 609,73
Casca III 12.420,00 0,37
Chaminé 18.000,00 4,11
Chavantes 414.000,00 392,12
Coaracy Nunes 67.982,00 30,37
Corumbá I 375.000,00 62,81
Curuá-Una 30.300,00 121,00
Dona Francisca 125.000,00 22,30
Eloy Chaves 19.000,00 0,47
Emboque 18.000,00 3,51
Emborcação 1.136.000,00 403,95
Estreito (Luiz Carlos Barreto de Carvalho) 1.050.000,00 46,56
Euclides da Cunha 108.890,00 1,06
Fonte Nova 132.000,00 31,30
França 29.500,00 12,70
Fumaça 36.400,00 6,92
Funil 180.000,00 40,49
Funil 30.000,00 6,16
Funil 216.000,00 43,18
Furnas 1.216.000,00 1.406,26
Gafanhoto 12.880,00 1,30
Glória 13.800,00 2,44
Governador Bento Munhoz da Rocha Neto (Foz do Areia) 1.676.000,00 138,52
Governador Ney Aminthas de Barros Braga (Segredo) 1.260.000,00 84,67
Governador Parigot de Souza (Capivari/Cachoeira ) 260.000,00 14,79

72
ENERGIA HIDRÁULICA
4

Usinas hidrelétricas que pagam compensação financeira ou royalties, segundo área alagada - situação em setembro de 2003 (cont.)
UHE Potência (KW) Área Alagada (Km2)
Guaporé 120.000,00 5,09
Guaricana 36.000,00 0,85
Guilman Amorim [Samarco (49%) Belgo (51%)] 140.000,00 1,08
Henry Borden 889.000,00 127,00
Ibitinga 131.490,00 126,06
Igarapava 210.000,00 40,94
Ilha dos Pombos 164.000,00 3,55
Ilha Solteira 3.444.000,00 1.357,62
Isamu Ikeda/Balsas Mineiro 27.600,00 11,15
Itá 1.450.000,00 126,32
Itaipu 12.600.000,00 1.049,56
Itapebi 450.000,00 62,48
Itaúba 512.400,00 12,95
Itiquira 156.000,00 1,00
Itumbiara 2.082.000,00 749,12
Itupararanga 55.000,00 25,27
Itutinga 48.600,00 2,04
Jacuí 180.000,00 5,42
Jaguara 448.000,00 32,43
Jaguari 27.600,00 46,39
Jaguari 11.800,00 0,74
Jaurú 110.000,00 121,50
Juba I 42.000,00 0,92
Juba II 42.000,00 2,79
Jupiá (Eng° Souza Dias) 1.551.200,00 321,68
Jurumirim (Armando Avellanal Laydner) 97.750,00 470,40
Lajeado 902.500,00 1.040,10
Limoeiro (Armando Salles de Oliveira) 32.000,00 2,49
Luiz Gonzaga (Itaparica) 1.500.000,00 839,40
Macabu 21.000,00 2,89
Machadinho 1.140.000,00 89,33
Marechal Mascarenhas de Moraes (Ex-Peixoto) 476.000,00 269,48
Marimbondo 1.440.000,00 452,38
Mascarenhas 104.000,00 5,31
Mimoso Assis Chateaubriand 29.500,00 16,00
Miranda 390.000,00 52,36
Moxotó (Apolônio Sales) 440.000,00 94,96
Muniz Freire 25.000,00 0,20
Nilo Peçanha 380.000,00 15,59
Nova Avanhandava (Rui Barbosa) 347.000,00 218,05
Nova Maurício 32.000,00 3,71
Nova Ponte 510.000,00 397,41
Palmeiras 24.400,00 3,12
Paraibuna 85.000,00 197,62
Paranapanema 31.500,00 1,49

73
4 ENERGIA HIDRÁULICA

Usinas hidrelétricas que pagam compensação financeira ou royalties, segundo área alagada - situação em setembro de 2003 (cont.)
UHE Potência (KW) Área Alagada (Km2)
Paranoá 30.000,00 39,11
Passo Fundo 220.000,00 153,52
Passo Real 158.000,00 248,82
Paulo Afonso I,II,III 1.524.000,00 5,19
Paulo Afonso IV 2.460.000,00 15,92
Pedras 23.000,00 89,17
Pereira Passos 100.000,00 1,09
Piau 18.012,00 0,37
Pirajú 70.000,00 17,13
Porto Colômbia 320.000,00 148,94
Porto Estrela 112.000,00 3,77
Porto Góes 24.800,00 0,23
Porto Primavera 1.540.000,00 2.976,98
Porto Raso 28.400,00 1,59
Promissão (Mário Lopes Leão) 264.000,00 572,72
Rasgão 22.000,00 0,83
Rio Bonito 16.800,00 2,20
Rio do Peixe (Casa de Força I e II) 18.060,00 0,91
Rosal 55.000,00 2,28
Rosana 372.000,00 261,44
Sá Carvalho 78.000,00 1,50
Salto Caxias 1.240.000,00 140,99
Salto de Iporanga 36.870,00 2,69
Salto Grande 102.000,00 5,83
Salto Grande (Lucas Nogueira Garcez) 73.760,00 14,91
Salto Osório 1.078.000,00 59,90
Salto Santiago 1.420.000,00 213,65
Samuel 216.000,00 655,60
Santa Branca 50.000,00 29,67
Santa Clara 60.000,00 8,79
São Domingos 12.000,00 2,46
São Simão 1.608.000,00 716,16
Serra da Mesa 1.275.000,00 1.254,09
Serraria 24.000,00 2,13
Sobradinho 1.050.000,00 4.380,79
Sobragi 60.000,00 0,04
Suíça 30.000,00 0,60
Taquaruçu (Escola Politécnica) 554.000,00 110,26
Três Irmãos 1.292.000,00 669,59
Três Marias 387.600,00 1.110,54
Tucuruí I e II 8.125.000,00 3.014,23
UHE Manso 210.000,00 427,00
Volta Grande 380.000,00 196,68
Xingó 3.000.000,00 58,94
Fonte: AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL. 2004. Disponível em: www.aneel.gov.br/aplicacoes/cpmf/gerencial/compensacaosstart_internet.asp?Origem=1.

74
ENERGIA HIDRÁULICA
4

FIGURA 4.20 Imagem de satélite do reservatório da Usina Hidrelétrica de Sobradinho

Fonte: Imagem do satélite Landsats - passagem em 25/06/99

75
76
BIOMASSA 5
5.1. INFORMAÇÕES GERAIS
Do ponto de vista energético, para fim de outorga de empreendimentos do setor elétrico, biomassa é todo recurso renovável oriun-
do de matéria orgânica (de origem animal ou vegetal) que pode ser utilizada na produção de energia. Assim como a energia hi-
dráulica e outras fontes renováveis, a biomassa é uma forma indireta de energia solar. A energia solar é convertida em energia
química, através da fotossíntese, base dos processos biológicos de todos os seres vivos.

Embora grande parte do planeta esteja desprovida de florestas, a quantidade de biomassa existente na terra é da ordem de dois tri-
lhões de toneladas; o que significa cerca de 400 toneladas per capita. Em termos energéticos, isso corresponde a mais ou menos 3.000
EJ por ano ou seja, oito vezes o consumo mundial de energia primária (da ordem de 400 EJ por ano) (RAMAGE; SCURLOCK, 1996).

Uma das principais vantagens da biomassa é que, embora de eficiência reduzida, seu aproveitamento pode ser feito diretamente,
por intermédio da combustão em fornos, caldeiras etc. Para aumentar a eficiência do processo e reduzir impactos socioambientais,
tem-se desenvolvido e aperfeiçoado tecnologias de conversão mais eficientes, como a gaseificação e a pirólise, também sendo co-
mum a co-geração em sistemas que utilizam a biomassa como fonte energética, conforme comentado no capítulo 2. No referido
capítulo, pode-se observar a participação da biomassa em 30% dos empreendimentos de co-geração em operação no País.

A médio e longo prazo, a exaustão de fontes não-renováveis e as pressões ambientalistas poderão acarretar maior aproveitamen-
to energético da biomassa. Atualmente, a biomassa vem sendo cada vez mais utilizada na geração de eletricidade, principalmente
em sistemas de co-geração e no suprimento de eletricidade para demandas isoladas da rede elétrica.

5.2. DISPONIBILIDADE DE RECURSOS E CONSUMO DE BIOMASSA


Embora grande parte da biomassa seja de difícil contabilização, devido ao uso não-comercial, estima-se que, atualmente, ela pos-
sa representar até cerca de 14% de todo o consumo mundial de energia primária. Em alguns países em desenvolvimento, essa par-
cela pode aumentar para 34%, chegando a 60% na África (Tabela 5.1).

Atualmente, várias tecnologias de aproveitamento estão em fase de desenvolvimento e aplicação. Mesmo assim, estimativas da Agência
Internacional de Energia (AIE) indicam que, futuramente, a biomassa ocupará uma menor proporção na matriz energética mundial – cerca
de 11% em 2020 (AIE, 1998). Outros estudos indicam que, ao contrário da visão geral que se tem, o uso da biomassa deverá se manter
estável ou até mesmo aumentar, por duas razões, a saber: i) crescimento populacional; ii) urbanização e melhoria nos padrões de vida (HALL;
HOUSE; SCRASE, 2000). Um aumento nos padrões de vida faz com que pessoas de áreas rurais e urbanas de países em desenvolvimento
passem a usar mais carvão vegetal e lenha, em lugar de resíduos (pequenos galhos de árvore, restos de materiais de construção etc.).

77
5 BIOMASSA

TABELA 5.1 Consumo de biomassa (MtEP)


País ou Região Biomassa [1] Outros Total [2] [1/2] %
Mundial 930 5.713 6.643 14
China 206 649 855 24
Leste Asiático 106 316 422 25
Sul da Ásia 235 188 423 56
América Latina 73 342 415 18
África 205 136 341 60
Países em desenvolvimento 825 1.632 2.457 34
Países da OCDE 81 3.044 3.125 3
Fonte: AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA – AIE. Nuclear power: sustainability, climate change and competition. Paris: IEA/OECD, 1998.

A precariedade e a falta de informações oficiais sobre o uso da biomassa para 200 MW, subindo para 8,4 GW no início dos anos 1990 (WALTER; NOGUEI-
fins energéticos deve-se principalmente aos seguintes fatores: i) trata-se de RA, 1997). A maioria corresponde a plantas de co-geração, com utilização de
um energético tradicionalmente utilizado em países pobres e setores menos resíduos agrícolas e florestais. Embora com eficiência termodinâmica relativa-
desenvolvidos; ii) trata-se de uma fonte energética dispersa, cujo uso, via de mente baixa (18% a 26%), essas plantas têm sido economicamente compe-
regra, é ineficiente; iii) o uso da biomassa para fins energéticos é indevida- titivas. Os custos foram avaliados em cerca de US$ 1.400,00 por kW instalado
mente associado a problemas de desflorestamento e desertificação. e entre US$ 65,00 e US$ 80,00 por kWh gerado.

Entretanto, essa imagem da biomassa está mudando, graças aos seguintes As metas do Departamento Americano de Energia (DOE) são de 18 GW
fatores: i) esforços recentes de mensuração mais acurada do seu uso e po- de capacidade instalada em 2010 e, para 2030, 100 GW. Espera-se que
tencial, por meio de novos estudos, demonstrações e plantas-piloto; ii) uso o desenvolvimento de novas tecnologias, como o acoplamento de siste-
crescente da biomassa como um vetor energético moderno (graças ao de- mas de gaseificação e a integração da pirólise às turbinas a gás, aumen-
senvolvimento de tecnologias eficientes de conversão), principalmente em te substancialmente a eficiência termodinâmica das plantas e reduza os
países industrializados; iii) reconhecimento das vantagens ambientais do custos de capital e geração. Em termos de eficiência, estima-se que os ín-
uso racional da biomassa, principalmente no controle das emissões de CO2 dices serão de 35% a 40%. Quanto aos custos, o kW instalado deverá fi-
e enxofre (ROSILLO CALLE; BAJAY; ROTHMAN, 2000). car na faixa de US$ 770,00 a US$ 900,00 e o MWh gerado, entre US$
40,00 e US$ 50,00.
No que concerne especificamente ao peso relativo da biomassa na gera-
ção mundial de eletricidade, embora difícil de avaliar, projeções da Agên- No Brasil, a imensa superfície do território nacional, quase toda localiza-
cia Internacional de Energia (1998) indicam que ela deverá passar de 10 da em regiões tropicais e chuvosas, oferece excelentes condições para a
TWh em 1995 para 27 TWh em 2020 (AEI, 1998). produção e o uso energético da biomassa em larga escala. Além da pro-
dução de álcool, queima em fornos, caldeiras e outros usos não-comer-
Estudos indicam que, nos Estados Unidos, a capacidade instalada do parque ciais, a biomassa apresenta grande potencial no setor de geração de
gerador de energia oriunda de biomassa, no final dos anos 70, era de apenas energia elétrica.

78
BIOMASSA
5

No caso específico do Estado de São Paulo, é intensa a produção de bio- litado pela centralização dos processos de produção(15). A Figura 5.2
massa energética por meio da cana-de-açúcar, sendo comparável à pro- mostra o potencial de aproveitamento desses resíduos para geração
dução de energia hidráulica. O Estado é importador de eletricidade (40% excedente de energia elétrica, segundo cada Estado da Federação.
do que consome) e exportador de álcool para o resto do País. Verifica-
se, portanto, que, apesar da produção de biomassa ser mundialmente Na produção de etanol, cerca de 28% da cana é transformada em ba-
considerada uma atividade extremamente demandante de terras, mes- gaço. Em termos energéticos, o bagaço equivale a 49,5%, o etanol a
mo numa região com alta densidade demográfica é possível encontrar 43,2% e o vinhoto a 7,3%. Mesmo com esse alto valor energético, o
áreas para essa atividade. A maior parte da energia dessa biomassa é uti- bagaço é pobremente utilizado nas usinas, sendo praticamente incine-
lizada na produção do etanol – combustível líquido. rado na produção de vapor de baixa pressão (20 kgf/cm2). Esse vapor
é utilizado em turbinas de contrapressão nos equipamentos de extra-
A produção de madeira, em forma de lenha, carvão vegetal ou toras, tam- ção (63%) e na geração de eletricidade (37%). A maior parte do vapor
bém gera uma grande quantidade de resíduos, que podem igualmente ser de baixa pressão (2,5 kgf/cm2) que deixa as turbinas é utilizada no
aproveitadas na geração de energia elétrica. Como ilustrado na Figura 5.1, aquecimento do caldo (24%) e nos aparelhos de destilação (61%); o
os Estados brasileiros com maior potencial de aproveitamento(14) de resí- restante (15%) não é aproveitado.
duos da madeira, oriunda de silvicultura, para a geração de energia elétri-
ca são Paraná e São Paulo. O tipo de produção de madeira, atividade Em média, cada tonelada de cana processada requer cerca de 12 kWh
extrativista ou reflorestamento, influi na distribuição espacial dos resíduos de energia elétrica, o que pode ser gerado pelos próprios resíduos da
gerados. Nos casos de extração seletiva e beneficiamento descentralizado, cana (palha, bagaço, vinhoto etc.). Os custos de geração já são compe-
o aproveitamento de resíduos pode se tornar economicamente inviável. titivos com os do sistema convencional de suprimento, o que possibilita
a auto-suficiência do setor em termos de suprimento energético, por
Atualmente, o recurso de maior potencial para geração de energia elétri- meio da co-geração.
ca no País é o bagaço de cana-de-açúcar. A alta produtividade alcançada
pela lavoura canavieira, acrescida de ganhos sucessivos nos processos de Trabalho elaborado pelo Centro Nacional de Referência em Biomassa,
transformação da biomassa sucroalcooleira, têm disponibilizado enorme com a colaboração de outras instituições e o apoio financeiro da ANEEL,
quantidade de matéria orgânica sob a forma de bagaço nas usinas e des- indica um potencial técnico(16) de co-geração de excedentes de energia
tilarias de cana-de-açúcar, interligadas aos principais sistemas elétricos, elétrica de 3.851 MW no setor sucroalcooleiro do Brasil(17) (CENBIO, 2002).
que atendem a grandes centros de consumo dos Estados das regiões Sul
e Sudeste. Além disso, o período de colheita da cana-de-açúcar coincide Contudo, o referido trabalho também constata que apenas 133 MW es-
com o de estiagem das principais bacias hidrográficas do parque hidrelé- tavam sendo comercializados em setembro de 2001, o que corresponde
trico brasileiro, tornando a opção ainda mais vantajosa. a cerca de 11% do potencial técnico dessas usinas e a somente 3,4% do
referido potencial brasileiro. Não obstante, os dados também revelam que
O setor sucroalcooleiro gera uma grande quantidade de resíduos, que há perspectivas de 1.578 MW em novos projetos (348 MW em curto pra-
pode ser aproveitada na geração de eletricidade, principalmente em zo, 772 MW em médio prazo e 458 MW em longo prazo), o que corres-
sistemas de co-geração. Ao contrário da produção de madeira, o culti- ponde a 28% do potencial técnico indicado pelo levantamento. A Tabela
vo e o beneficiamento da cana são realizados em grandes e contínuas 5.2 apresenta uma síntese desses resultados por unidade da federação.
extensões, e o aproveitamento de resíduos (bagaço, palha, etc.) é faci-

(14) A quantidade de energia aproveitável a partir de resíduos de extração vegetal é função do poder calorífico desses resíduos.
(15) Também pesa sobre a decisão econômica de implantação de usinas de aproveitamento o transporte desses resíduos até as usinas.
(16) Considerando-se o uso de tecnologias eficientes, comercialmente disponíveis no Brasil.
(17) Ressalte-se que esses dados se referem a apenas 51% das usinas sucroalcooleiras dos país, uma vez que as demais não responderam ao questionário utilizado no levantamento dos dados.
79
5 BIOMASSA

FIGURA 5.1 Potencial de geração de energia elétrica a partir de resíduos florestais (silvicultura)

Fonte: CENTRO NACIONAL DE REFERÊNCIA EM BIOMASSA – CENBIO. Panorama do potencial de biomassa no Brasil. Brasília; Dupligráfica, 2003. 80 p. (adaptado)

80
BIOMASSA
5

FIGURA 5.2 Potencial de geração de excedente de energia elétrica no setor sucroalcooleiro

Fonte: CENTRO NACIONAL DE REFERÊNCIA EM BIOMASSA – CENBIO. Panorama do potencial de biomassa no Brasil. Brasília; Dupligráfica, 2003. 80 p. (adaptado)

81
5 BIOMASSA

TABELA 5.2 Potencial e perspectivas de co-geração no setor sucroalcooleiro*

Unidade da Potência Excedente Potencial técnico Perspectivas de Geração de Excedente


Federação instalada comercializado de co-geração 2003-2004 A partir de 2005
São Paulo 851 110 2.244 368 140
Alagoas 173 0 369 38 35
Pernambuco 102 0 203 10 44
Paraná 95 6 283 133 102
Mato Grosso 61 5 125 11 28
Goiás 50 5 109 107 21
Minas Gerais 50 0 162 41 2
Mato Grosso do Sul 37 0 95 18 33
Rio de Janeiro 30 0 60 19 15
Paraíba 26 0 52 10 0
Rio Grande do Norte 16 0 29 3 0
Espírito Santo 13 0 39 10 0
Bahia 13 0 33 2 9
Sergipe 7 0 21 3 17
Piauí 6 7 3 0 0
Maranhão 5 0 12 0 15
Pará 3 0 7 0 0
Amazonas 1 0 3 0 0
Ceará 1 0 2 0 0
Total 1.540 133 3.851 773 461
Fonte: CENTRO NACIONAL DE REFERÊNCIA EM BIOMASSA - CENBIO. Levantamento do Potencial Real de excedentes de cogeração no setor sucro alcooleiro - Relatório técnico. ANEEL: 2002.
(*) Considerando-se o uso de tecnologias eficientes, comercialmente disponíveis no Brasil. Ressalte-se que esses dados se referem a apenas 51% das usinas sucroalcooleiras do país que operavam em 2001, uma
vez que as demais não responderam ao questionário utilizado no levantamento dos dados.

Em alguns Estados brasileiros, principalmente na Região Amazônica, te encontrados naquela região (FREITAS; DI LASCIO; ROSA, 1996). A
verifica-se também a importância de várias plantas para a produção Figura 5.3 apresenta uma estimativa do potencial para geração de
de óleo vegetal, que pode ser queimado em caldeiras e motores de energia elétrica a partir de óleo de palma (dendê), cujos cálculos ba-
combustão interna, para a geração de energia elétrica e o atendimen- searam-se em projetos experimentais na Amazônia.
to de comunidades isoladas do sistema elétrico. Entre essas plantas
destaca-se o dendê, com produtividade média anual de 4 toneladas Outros resíduos agrícolas também apresentam grande potencial no setor
de óleo por hectare (dez vezes maior que a da soja, por exemplo!) e de geração de energia elétrica. Os mapas das Figuras 5.4, 5.5 e 5.6 ilus-
a maior disponibilidade tecnológica para o uso do óleo. Outras cultu- tram os potenciais de aproveitamento da casca de arroz, da casca de cas-
ras de grande potencial são o buriti, o babaçu e a andiroba, fartamen- tanha de caju e da casca de coco-da-baía, respectivamente.

82
BIOMASSA
5

FIGURA 5.3 Estimativa de potencial para geração de energia elétrica


a partir do óleo de palma (dendê)

Fonte: CENTRO NACIONAL DE REFERÊNCIA EM BIOMASSA – CENBIO. Panorama do potencial de biomassa no Brasil. Brasília; Dupligráfica, 2003. 80 p. (adaptado)

83
5 BIOMASSA

FIGURA 5.4 Potencial de geração de energia elétrica a partir de casca de arroz

Fonte: CENTRO NACIONAL DE REFERÊNCIA EM BIOMASSA – CENBIO. Panorama do potencial de biomassa no Brasil. Brasília; Dupligráfica, 2003. 80 p. (adaptado)

84
BIOMASSA
5

FIGURA 5.5 Potencial de geração de energia elétrica a partir de casca de castanha de caju

Fonte: CENTRO NACIONAL DE REFERÊNCIA EM BIOMASSA – CENBIO. Panorama do potencial de biomassa no Brasil. Brasília; Dupligráfica, 2003. 80 p. (adaptado)

85
5 BIOMASSA

FIGURA 5.6 Potencial de geração de energia elétrica a partir de casca de coco-da-baía

Fonte: CENTRO NACIONAL DE REFERÊNCIA EM BIOMASSA – CENBIO. Panorama do potencial de biomassa no Brasil. Brasília; Dupligráfica, 2003. 80 p. (adaptado)

86
BIOMASSA
5

TECNOLOGIAS DE
5.3. APROVEITAMENTO lise, liquefação e transesterificação) ou de processos biológicos (digestão
anaeróbia e fermentação). A Figura 5.7 apresenta os principais processos
de conversão da biomassa em energéticos.
O aproveitamento da biomassa pode ser feito por meio da combustão
direta (com ou sem processos físicos de secagem, classificação, compres- As principais tecnologias de aproveitamento energético da biomassa são
são, corte/quebra etc.), de processos termoquímicos (gaseificação, piró- descritas a seguir.

FIGURA 5.7 Diagrama esquemático dos processos de conversão energética da biomassa

Fonte: BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL - BEN. Brasília: MME, 1982. (adaptado)

87
5 BIOMASSA

Combustão direta: combustão é a transformação da energia química Pirólise: a pirólise ou carbonização é o mais simples e mais antigo pro-
dos combustíveis em calor, por meio das reações dos elementos consti- cesso de conversão de um combustível (normalmente lenha) em outro
tuintes com o oxigênio fornecido. Para fins energéticos, a combustão di- de melhor qualidade e conteúdo energético (carvão, essencialmente). O
reta ocorre essencialmente em fogões (cocção de alimentos), fornos processo consiste em aquecer o material original (normalmente entre
(metalurgia, por exemplo) e caldeiras (geração de vapor, por exemplo). 300°C e 500°C), na “quase-ausência” de ar, até que o material volátil
Embora muito prático e, às vezes, conveniente, o processo de combus- seja retirado. O principal produto final (carvão) tem uma densidade
tão direta é normalmente muito ineficiente. Outro problema da combus- energética duas vezes maior que aquela do material de origem e quei-
tão direta é a alta umidade (20% ou mais no caso da lenha) e a baixa ma em temperaturas muito mais elevadas. Além de gás combustível, a
densidade energética do combustível (lenha, palha, resíduos etc.), o que pirólise produz alcatrão e ácido piro-lenhoso.
dificulta o seu armazenamento e transporte.
A relação entre a quantidade de lenha (material de origem) e a de car-
Gaseificação: como o próprio termo indica, gaseificação é um processo vão (principal combustível gerado) varia muito, de acordo com as carac-
de conversão de combustíveis sólidos em gasosos, por meio de reações terísticas do processo e o teor de umidade do material de origem. Em
termoquímicas, envolvendo vapor quente e ar, ou oxigênio, em quantida- geral, são necessárias de quatro a dez toneladas de lenha para a produ-
des inferiores à estequiométrica (mínimo teórico para a combustão). Há ção de uma tonelada de carvão. Se o material volátil não for coletado,
vários tipos de gaseificadores, com grandes diferenças de temperatura o custo relativo do carvão produzido fica em torno de dois terços da-
e/ou pressão. Os mais comuns são os reatores de leito fixo e de leito flui- quele do material de origem (considerando o conteúdo energético).
dizado. O gás resultante é uma mistura de monóxido de carbono, hidro-
gênio, metano, dióxido de carbono e nitrogênio, cujas proporções variam Nos processos mais sofisticados, costuma-se controlar a temperatura e
de acordo com as condições do processo, particularmente se é ar ou oxi- coletar o material volátil, visando melhorar a qualidade do combustível
gênio que está sendo usado na oxidação. gerado e o aproveitamento dos resíduos. Nesse caso, a proporção de car-
vão pode chegar a 30% do material de origem. Embora necessite de tra-
A gaseificação de biomassa, no entanto, não é um processo recente. Atual- tamento prévio (redução da acidez), o líquido produzido pode ser usado
mente, esse renovado interesse deve-se principalmente à limpeza e versatili- como óleo combustível.
dade do combustível gerado, quando comparado aos combustíveis sólidos. A
limpeza se refere à remoção de componentes químicos nefastos ao meio am- Nos processos de pirólise rápida, sob temperaturas entre 800°C e 900°C,
biente e à saúde humana, entre os quais o enxofre. A versatilidade se refere cerca de 60% do material se transforma num gás rico em hidrogênio e
à possibilidade de usos alternativos, como em motores de combustão inter- monóxido de carbono (apenas 10% de carvão sólido), o que a torna uma
na e turbinas a gás. Um exemplo é a geração de eletricidade em comunida- tecnologia competitiva com a gaseificação. Todavia, a pirólise convencio-
des isoladas das redes de energia elétrica, por intermédio da queima direta nal (300°C a 500°C) ainda é a tecnologia mais atrativa, devido ao proble-
do gás em motores de combustão interna (SANCHEZ; LORA; GÓMEZ, 1997). ma do tratamento dos resíduos, que são maiores nos processos com
Outra vantagem da gaseificação é que, sob condições adequadas, produz temperatura mais elevada (RAMAGE; SCURLOCK, 1996).
gás sintético, que pode ser usado na síntese de qualquer hidrocarboneto.

88
BIOMASSA
5

A pirólise pode ser empregada também no aproveitamento de resíduos Transesterificação: transesterificação é um processo químico que con-
vegetais, como subprodutos de processos agroindustriais. Nesse caso, é siste na reação de óleos vegetais com um produto intermediário ativo
necessário que se faça a compactação dos resíduos, cuja matéria-prima (metóxido ou etóxido), oriundo da reação entre álcoois (metanol ou eta-
é transformada em briquetes. Com a pirólise, os briquetes adquirem nol) e uma base (hidróxido de sódio ou de potássio) (RIBEIRO et al., 2001).
maiores teores de carbono e poder calorífico, podendo ser usados com Os produtos dessa reação química são a glicerina e uma mistura de éste-
maior eficiência na geração de calor e potência. Ensaios de laboratório res etílicos ou metílicos (biodiesel). O biodiesel tem características físico-
têm sido realizados no Laboratório de Combustíveis Alternativos da Uni- químicas muito semelhantes às do óleo diesel e, portanto, pode ser usado
versidade Estadual de Campinas (LUENGO; BEZZON, 1997). em motores de combustão interna, de uso veicular ou estacionário.

Digestão anaeróbia: a digestão anaeróbia, assim como a pirólise, ocor-


re na ausência de ar, mas, nesse caso, o processo consiste na decompo- CENTRAIS TERMELÉTRICAS
A BIOMASSA EM OPERAÇÃO
sição do material pela ação de bactérias (microrganismos acidogênicos e
metanogênicos). Trata-se de um processo simples, que ocorre natural-
mente com quase todos os compostos orgânicos.
5.4. NO BRASIL
Em setembro de 2003, havia registro de 217 termelétricas a biomassa
O tratamento e o aproveitamento energético de dejetos orgânicos (es- em operação no Brasil, perfazendo uma capacidade instalada de 2.696
terco animal, resíduos industriais etc.) podem ser feitos pela digestão MW. Como ilustra a Figura 5.8, a grande maioria dessas usinas está locali-
anaeróbia em biodigestores, onde o processo é favorecido pela umida- zada no Estado de São Paulo, onde se concentra grande parte do setor su-
de e aquecimento. O aquecimento é provocado pela própria ação das croalcooleiro do país. O Anexo 5 apresenta uma lista completa das centrais
bactérias, mas, em regiões ou épocas de frio, pode ser necessário calor termelétricas a biomassa em operação no Brasil, destacando-se o nome do
adicional, visto que a temperatura deve ser de pelo menos 35°C. empreendimento, o proprietário, o município e a unidade da Federação,
assim como a potência instalada e o tipo de combustível utilizado.
Em termos energéticos, o produto final é o biogás, composto essencial-
mente por metano (50% a 75%) e dióxido de carbono. Seu conteúdo
FUTURAS CENTRAIS TERMELÉTRICAS
energético gira em torno de 5.500 kcal por metro cúbico. O efluente ge-
rado pelo processo pode ser usado como fertilizante. 5.5. A BIOMASSA NO BRASIL
Fermentação: fermentação é um processo biológico anaeróbio em que Em setembro de 2003, existiam 27 empreendimentos apenas outorga-
os açúcares de plantas como a batata, o milho, a beterraba e, principal- dos e dois em construção, conforme Tabela 5.3. Em conjunto, poderão
mente, a cana de açúcar são convertidos em álcool, por meio da ação adicionar ao sistema elétrico nacional cerca de 180 MW de capacidade
de microrganismos (usualmente leveduras). Em termos energéticos, o de geração. Entre as centrais apenas outorgadas, destaca-se uma maior
produto final, o álcool, é composto por etanol e, em menor proporção, diversidade dos combustíveis a serem utilizados: doze usarão resíduos de
metanol, e pode ser usado como combustível (puro ou adicionado à madeira, nove irão queimar bagaço de cana e cinco usinas terão o bio-
gasolina – cerca de 20%) em motores de combustão interna. gás como combustível.

89
5 BIOMASSA

TABELA 5.3 Futuras UTEs – Situação em setembro de 2003

Nome da Usina Potência (kW) Município Combustível Destino Proprietário Situação


da Energia
Coinbra - Frutesp 5.000,00 Bebedouro - SP Resíduos da cana-de-açúcar PIE Frutesp Industrial Ltda Construção
Lages 28.000,00 Lages - SC Resíduos madeireiros PIE Lages Bioenergética Ltda Construção
Araguaia I 9.000,00 - Resíduos da cana-de-açúcar - - Apenas Outorgado
Bandeirante 20.000,00 - Biogás - - Apenas Outorgado
CAAL 3.825,00 Alegrete - RS Casca de arroz APE-COM Cooperativa Apenas Outorgado
Agroindustrial Alegrete Ltda
Capricho 2.400,00 - Resíduos da cana-de-açúcar - - Apenas Outorgado
Cargill Bebedouro 5.000,00 - Resíduos da cana-de-açúcar - - Apenas Outorgado
Chapecó 4.000,00 - Resíduos madeireiros - - Apenas Outorgado
Dois Vizinhos 3.000,00 - Resíduos madeireiros - - Apenas Outorgado
Ecoluz 10.000,00 - Resíduos madeireiros - - Apenas Outorgado
Fazenda Cancela 7.200,00 - Resíduos madeireiros - - Apenas Outorgado
Fazenda Santa Marta 3.600,00 - Resíduos madeireiros - - Apenas Outorgado
Florevale 2.520,00 Grão Mogol - MG Resíduos madeireiros APE-COM Florestal do Vale Apenas Outorgado
do Jequitinhonha Ltda
Galvani 4.000,00 Paulínia - SP Resíduos da cana-de-açúcar APE Galvani S/A. Apenas Outorgado
Gaseifamaz II 27,00 - Resíduos madeireiros - - Apenas Outorgado
Itacoatiara 5.000,00 Itacoatiara - AM Resíduos madeireiros - - Apenas Outorgado
Jatiboca 3.800,00 Urucânia - MG Resíduos da cana-de-açúcar APE Cia Agrícola Apenas Outorgado
Pontenovense
Marca 1.000,00 - Biogás - - Apenas Outorgado
Novagerar 4.000,00 - Biogás - - Apenas Outorgado
Paísa 2.400,00 - Resíduos da cana-de-açúcar - - Apenas Outorgado
PCT Barueri Biogás 2.601,00 Carapicuíba - SP Biogás APE Companhia de Apenas Outorgado
Saneamento Básico do
Estado de São Paulo
Rickli 5.000,00 - Resíduos madeireiros - - Apenas Outorgado
São João Biogás 20.000,00 - Biogás - - Apenas Outorgado
Sguário Itapeva 1.485,00 Nova Campina - SP Resíduos madeireiros APE Sguário Indústria Apenas Outorgado
de Madeiras Ltda
Solonorte 800,00 - Resíduos madeireiros - - Apenas Outorgado
Sumaúma 4.000,00 - Resíduos da cana-de-açúcar - - Apenas Outorgado
Termocana 8.200,00 - Resíduos da cana-de-açúcar - - Apenas Outorgado
Toledo 3.000,00 - Resíduos madeireiros - - Apenas Outorgado
Triálcool 11.500,00 Canápolis - MG Resíduos da cana-de-açúcar APE-COM Laginha Agro Apenas Outorgado
Industrial S/A
Fonte: AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA – ANEEL. Banco de Informações de Geração – BIG. 2003. Disponível em: www.aneel.gov.br/15.htm.

90
BIOMASSA
5

FIGURA 5.8 Usinas termelétricas a biomassa em operação e potência instalada por estado
– situação em setembro de 2003

Fonte: Elaborado com base em dados da AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA – ANEEL. Banco de Informações de Geração – BIG. 2003. Disponível em: www.aneel.gov.br/15.htm.

91
5 BIOMASSA

5.6. ASPECTOS SOCIOAMBIENTAIS QUADRO 5.1 Exemplo de uso de óleos vegetais


na geração de energia elétrica

Embora ainda muito restrito, o uso de biomassa para a geração de eletri- Óleo de andiroba pode substituir diesel
cidade tem sido objeto de vários estudos e aplicações, tanto em países
Carauari, 16/05/2000 - A comunidade de São Roque, localizada no mu-
desenvolvidos como em países em desenvolvimento. Entre outras razões, nicípio de Carauari, a cerca de 800 km a sudoeste de Manaus, no Ama-
estão a busca de fontes mais competitivas de geração e a necessidade de zonas, realiza este ano uma experiência piloto, substituindo o diesel por
redução das emissões de dióxido de carbono. óleo de andiroba, em um gerador de energia de 144 kVA, especialmen-
te adaptado. A andiroba é uma árvore relativamente abundante nas vár-
zeas do rio Juruá, de cujas sementes tradicionalmente se extrai óleo para
Do ponto de vista técnico-econômico, os principais entraves ao maior produção de sabão e sabonete caseiro. O uso em motores, no lugar do
uso da biomassa na geração de energia elétrica são a baixa eficiência diesel, tornou-se possível graças a uma nova tecnologia de extração do
termodinâmica das plantas e os custos relativamente altos de produção óleo, 50% mais produtiva, e de processos de depuração, ainda em fase
de testes. A adaptação do motor é simples, apenas no sistema de pré-
e transporte. De um modo mais genérico, incluindo aspectos socioam-
aquecimento, e foi feita na Alemanha. O motor foi doado pela organi-
bientais, verifica-se a necessidade de maior gerenciamento do uso e zação não-governamental Biomass Users Network. Na ponta do lápis, o
ocupação do solo, devido à falta de regularidade no suprimento (sazo- óleo de andiroba é mais caro do que o diesel, mas a alternativa pode ser
nalidades da produção), criação de monoculturas, perda de biodiversi- uma solução para comunidades muito isoladas, que hoje dependem de
dade, uso intensivo de defensivos agrícolas etc. Esses entraves tendem longas viagens de barco para obter o diesel dos geradores de energia e
motores de popa das canoas e voadeiras (como são chamados os barcos
a ser contornados, a médio e longo prazos, pelo desenvolvimento, apli- de alumínio). “O custo de produção do óleo de andiroba está entre 1 e
cação e aprimoramento de novas e eficientes tecnologias de conversão 1,5 real o litro, enquanto o diesel aqui é comprado a R$0,85”, diz o en-
energética da biomassa (CORTEZ; BAJAY; BRAUNBECK, 1999) e por genheiro eletricista José de Castro Côrrea, da Universidade do Amazo-
meio dos incentivos instituídos pelas políticas do setor elétrico, alguns nas, coordenador do projeto. “A diferença fica menor se tirarmos o sub-
sídio do diesel e considerarmos que a queima do óleo de andiroba não
dos quais foram citados no Capítulo 2.
produz óxidos de enxofre (causadores da chuva ácida) e não há emissão
de carbono (porque o crescimento da árvore seqüestra o carbono emiti-
Além de ambientalmente favorável, o aproveitamento energético e racio- do na queima do óleo)”. O projeto de pesquisa já tem 3 anos e vem
nal da biomassa tende a promover o desenvolvimento de regiões menos atraindo a atenção dos órgãos financiadores de pesquisas, como o Con-
selho Nacional de Pesquisas Científicas e Tecnológicas, CNPq, e mesmo
favorecidas economicamente, por meio da criação de empregos e da ge-
da Agência Nacional de Energia Elétrica, ANEEL. Este ano, a comunida-
ração de receita, reduzindo o problema do êxodo rural e a dependência de de São Roque aumentou a capacidade de produção de 60 para 450
externa de energia, em função da sua disponibilidade local, conforme kg de andiroba por hora, o que rende aproximadamente 150 litros de
exemplo ilustrado no Quadro 5.1. óleo por hora e equivale ao processamento de 60 toneladas de semen-
tes por safra. Para os ribeirinhos de toda a várzea do Juruá, a venda das
sementes de andiroba para uma futura usina de processamento de óleo
é tida como uma das poucas saídas para a atual estagnação econômica
da região. Castro ainda trabalha com o aproveitamento da torta de an-
diroba (casca e polpa após a retirada do óleo) para a fabricação de velas
e sprays repelentes de mosquitos. Além de utilizar um resíduo, esses re-
pelentes não são tóxicos para o homem, como os de origem sintética. A
pesquisa sobre as propriedades repelentes da andiroba é da Fundação
Osvaldo Cruz e já existem indústrias colocando estas velas no mercado.

Fonte: JOHN, Liana. Óleo de andiroba pode substituir diesel. Agência Estado, 2000.
Disponível em: www.estadao.com.br/ciencia/noticias/2000/mai/16/40.htm.

92
ENERGIA EÓLICA 6

6.1. INFORMAÇÕES GERAIS


Denomina-se energia eólica a energia cinética contida nas massas de ar em movimento (vento). Seu aproveitamento ocorre por meio da
conversão da energia cinética de translação em energia cinética de rotação, com o emprego de turbinas eólicas, também denominadas
aerogeradores, para a geração de eletricidade, ou cataventos (e moinhos), para trabalhos mecânicos como bombeamento d’água.

Assim como a energia hidráulica, a energia eólica é utilizada há milhares de anos com as mesmas finalidades, a saber: bombea-
mento de água, moagem de grãos e outras aplicações que envolvem energia mecânica. Para a geração de eletricidade, as pri-
meiras tentativas surgiram no final do século XIX, mas somente um século depois, com a crise internacional do petróleo (década
de 1970), é que houve interesse e investimentos suficientes para viabilizar o desenvolvimento e aplicação de equipamentos em
escala comercial.

A primeira turbina eólica comercial ligada à rede elétrica pública foi instalada em 1976, na Dinamarca. Atualmente, existem mais
de 30 mil turbinas eólicas em operação no mundo. Em 1991, a Associação Européia de Energia Eólica estabeleceu como metas a
instalação de 4.000 MW de energia eólica na Europa até o ano 2000 e 11.500 MW até o ano 2005. Essas e outras metas estão
sendo cumpridas muito antes do esperado (4.000 MW em 1996, 11.500 MW em 2001). As metas atuais são de 40.000 MW na
Europa até 2010. Nos Estados Unidos, o parque eólico existente é da ordem de 4.600 MW instalados e com um crescimento anual
em torno de 10%. Estima-se que em 2020 o mundo terá 12% da energia gerada pelo vento, com uma capacidade instalada de
mais de 1.200GW (WINDPOWER; EWEA; GREENPEACE, 2003; WIND FORCE, 2003).

Recentes desenvolvimentos tecnológicos (sistemas avançados de transmissão, melhor aerodinâmica, estratégias de controle e operação das
turbinas etc.) têm reduzido custos e melhorado o desempenho e a confiabilidade dos equipamentos. O custo dos equipamentos, que era
um dos principais entraves ao aproveitamento comercial da energia eólica, reduziu-se significativamente nas últimas duas décadas. Proje-
tos eólicos em 2002, utilizando modernas turbinas eólicas em condições favoráveis, apresentaram custos na ordem de 820/kW instala-
do e produção de energia a 4 cents/kWh (EWEA; GREENPEACE, 2003).

93
6 ENERGIA EÓLICA

6.2. DISPONIBILIDADE DE RECURSOS velocidade média igual ou superior a 7 m/s, a uma altura de 50 m. Essa
proporção varia muito entre regiões e continentes, chegando a 32% na
Europa Ocidental, como indicado na Tabela 6.1.
A avaliação do potencial eólico de uma região requer trabalhos sistemá-
ticos de coleta e análise de dados sobre a velocidade e o regime de ven- Mesmo assim, estima-se que o potencial eólico bruto mundial seja da or-
tos. Geralmente, uma avaliação rigorosa requer levantamentos dem de 500.000 TWh por ano. Devido, porém, a restrições socioambien-
específicos, mas dados coletados em aeroportos, estações meteorológi- tais(18), apenas 53.000 TWh (cerca de 10%) são considerados tecnicamente
cas e outras aplicações similares podem fornecer uma primeira estimati- aproveitáveis (Tabela 6.2). Ainda assim, esse potencial líquido corresponde
va do potencial bruto ou teórico de aproveitamento da energia eólica. a cerca de quatro vezes o consumo mundial de eletricidade.

Para que a energia eólica seja considerada tecnicamente aproveitável, é No Brasil, os primeiros anemógrafos computadorizados e sensores espe-
necessário que sua densidade seja maior ou igual a 500 W/m2, a uma ciais para energia eólica foram instalados no Ceará e em Fernando de
altura de 50 m, o que requer uma velocidade mínima do vento de 7 a Noronha (PE), no início dos anos 1990. Os resultados dessas medições
8 m/s (GRUBB; MEYER, 1993). Segundo a Organização Mundial de Me- possibilitaram a determinação do potencial eólico local e a instalação das
teorologia, em apenas 13% da superfície terrestre o vento apresenta primeiras turbinas eólicas do Brasil.

TABELA 6.1 Distribuição da área de cada continente segundo a velocidade média do vento

Velocidade do Vento (m/s) a 50 m de Altura


Região/Continente 6,4 a 7,0 7,0 a 7,5 7,5 a 11,9
(103 km2) (%) (103 km2) (%) (103 km2) (%)
África 3.750 12 3.350 11 200 1
Austrália 850 8 400 4 550 5
América do Norte 2.550 12 1.750 8 3.350 15
América Latina 1.400 8 850 5 950 5
Europa Ocidental 345 8,6 416 10 371 22
Europa Ocidental & ex-URSS 3.377 15 2.260 10 1.146 5
Ásia (excluindo ex-URSS) 1.550 6 450 2 200 5
Mundo 13.650 10 9.550 7 8.350 6
Fonte: GRUBB, M. J; MEYER, N. I. Wind energy: resources, systems and regional strategies. In: JO-HANSSON, T. B. et. al. Renewable energy: sources for fuels and electricity. Washington, D.C.: Island Press, 1993. p.

TABELA 6.2 Estimativas do potencial eólico mundial

Porcentagem Potencial Densidade Potencial


Região de Terra Bruto Demográfica Líquido
Ocupada* (TWh/ano) (hab/km2) (TWh/ano)
África 24 106.000 20 10.600
Austrália 17 30.000 2 3.000
América do Norte 35 139.000 15 14.000
América Latina 18 54.000 15 5.400
Europa Ocidental 42 31.400 102 4.800
Europa Ocidental & ex-URSS 29 106.000 13 10.600
Ásia (excluindo ex-URSS) 9 32.000 100 4.900
Mundo** 23 498.400 - 53.000
Fonte: GRUBB, M. J; MEYER, N. I. Wind energy: resources, systems and regional strategies. In: JO-HANSSON, T. B. et. al. Renewable energy: sources for fuels and electricity. Washington, D.C.: Island Press, 1993.
(*) Em relação ao potencial bruto;
(**) Excluindo-se Groenlândia, Antártida, a maioria das ilhas e os recursos offshore.

(18) Existência de áreas densamente povoadas e/ou industrializadas e outras restrições naturais, como regiões muito montanhosas, por exemplo.
94
ENERGIA EÓLICA
6

6.3. POTENCIAL EÓLICO BRASILEIRO plexo, com pouca vegetação ou pasto; montanha – áreas de relevo com-
plexo, com altas montanhas.

Embora ainda haja divergências entre especialistas e instituições na esti- Ainda na legenda, a classe 1 representa regiões de baixo potencial eóli-
mativa do potencial eólico brasileiro, vários estudos indicam valores ex- co, de pouco ou nenhum interesse para o aproveitamento da energia eó-
tremamente consideráveis. Até poucos anos, as estimativas eram da lica. A classe 4 corresponde aos melhores locais para aproveitamento dos
ordem de 20.000 MW. Hoje a maioria dos estudos indica valores maio- ventos no Brasil. As classes 2 e 3 podem ou não ser favoráveis, depen-
res que 60.000 MW. Essas divergências decorrem principalmente da dendo das condições topográficas. Por exemplo: um local de classe 3 na
falta de informações (dados de superfície) e das diferentes metodologias costa do Nordeste (zona costeira) pode apresentar velocidades médias
empregadas(19). anuais entre 6,5 e 8 m/s, enquanto que um local de classe 3 no interior
do Maranhão (mata) apresentará apenas valores entre 4,5 e 6 m/s.
De qualquer forma, os diversos levantamentos e estudos realizados e em
andamento (locais, regionais e nacionais) têm dado suporte e motivado A Tabela 6.3 mostra a classificação das velocidades de vento e regiões
a exploração comercial da energia eólica no País. Os primeiros estudos topográficas utilizadas no mapa da Figura 6.1. Os valores correspon-
foram feitos na região Nordeste, principalmente no Ceará e em Pernam- dem à velocidade média anual do vento a 50 m de altura em m/s (Vm)
buco. Com o apoio da ANEEL e do Ministério de Ciência e Tecnologia – e à densidade média de energia média em W/m2 (Em). Os valores de
MCT, o Centro Brasileiro de Energia Eólica – CBEE, da Universidade Fe- Em foram obtidos para as seguintes condições padrão: altitude igual
deral de Pernambuco – UFPE, publicou em 1998 a primeira versão do ao nível do mar, temperatura de 20ºC e fator de Weibull de 2,5. A mu-
Atlas Eólico da Região Nordeste. A continuidade desse trabalho resultou dança de altitude para 1.000 m acima do nível do mar acarreta uma
no Panorama do Potencial Eólico no Brasil, conforme Figura 6.1 . diminuição de 9% na densidade média de energia e a diminuição de
temperatura para 15ºC provoca um aumento de cerca de 2% na den-
Os recursos apresentados na legenda da Figura 6.1 referem-se à velocida- sidade de energia média.
de média do vento e energia eólica média a uma altura de 50m acima da
superfície para 5 condições topográficas distintas: zona costeira – áreas Outro estudo importante, em âmbito nacional, foi publicado pelo Cen-
de praia, normalmente com larga faixa de areia, onde o vento incide pre- tro de Referência para Energia Solar e Eólica – CRESESB/CEPEL. Trata-se
dominantemente do sentido mar-terra; campo aberto – áreas planas de do Atlas do Potencial Eólico Brasileiro, cujos resultados estão disponíveis
pastagens, plantações e /ou vegetação baixa sem muitas árvores altas; no seguinte endereço eletrônico: www.cresesb.cepel.br/atlas_eoli-
mata – áreas de vegetação nativa com arbustos e árvores altas mas de co_brasil/atlas-web.htm. Nesse estudo estimou-se um potencial eólico
baixa densidade, tipo de terreno que causa mais obstruções ao fluxo de brasileiro da ordem de 143 GW. Existem também outros estudos especí-
vento; morro – áreas de relevo levemente ondulado, relativamente com- ficos por unidades da Federação, desenvolvidos por iniciativas locais.

TABELA 6.3 Definição das classes de energia

Mata Campo aberto Zona costeira Morros Montanhas


Classe Vm (m/s) Em (W/m ) 2
Vm (m/s) Em (W/m ) 2
Vm (m/s) Em (W/m ) 2
Vm (m/s) Em (W/m ) 2
Vm(m/s) Em (W/m2)
4 >6 > 200 >7 > 300 >8 > 480 >9 > 700 > 11 > 1250
3 4,5 – 6 80 - 200 6–7 200 - 300 6,5 - 8 250 - 480 7,5 – 9 380 – 700 8,5 – 11 650 – 1250
2 3 – 4,5 25 - 80 4,5 – 6 80 - 200 5 – 6,5 100 - 250 6 – 7,5 200 – 380 7 – 8,5 300 - 650
1 <3 < 25 < 4,5 < 80 <5 < 100 <6 < 200 <7 < 300
Fonte: FEITOSA, E. A. N. et al. Panorama do Potencial Eólico no Brasil. Brasília: Dupligráfica, 2003.

(19) Também o conceito de potencial eólico pode ser interpretado de diferentes maneiras, devido à complexidade
na determinação das restrições técnico-econômicas e, principalmente, socioambientais ao aproveitamento eólico.
95
6 ENERGIA EÓLICA

FIGURA 6.1 Velocidade média anual do vento a 50m de altura

Fonte: FEITOSA, E. A. N. et al. Panorama do Potencial Eólico no Brasil. Brasília: Dupligráfica, 2003. (adaptado)

96
ENERGIA EÓLICA
6

6.4. TECNOLOGIAS DE APROVEITA-


MENTO – TURBINAS EÓLICAS
ção e estrutura não-flexível, como ilustrado na Figura 6.2 (CBEE, 2000).

Entretanto, algumas características desse projeto ainda geram polêmica,


No início da utilização da energia eólica, surgiram turbinas de vários tipos como a utilização ou não do controle do ângulo de passo (pitch) das pás
– eixo horizontal, eixo vertical, com apenas uma pá, com duas e três pás, para limitar a potência máxima gerada. A tendência atual é a combina-
gerador de indução, gerador síncrono etc. Com o passar do tempo, con- ção das duas técnicas de controle de potência (stall e pitch) em pás que
solidou-se o projeto de turbinas eólicas com as seguintes características: podem variar o ângulo de passo para ajustar a potência gerada, sem, con-
eixo de rotação horizontal, três pás, alinhamento ativo, gerador de indu- tudo, utilizar esse mecanismo continuamente (WIND DIRECTIONS, 2000).

FIGURA 6.2 Desenho esquemático de uma turbina eólica moderna

Fonte: CENTRO BRASILEIRO DE ENERGIA EÓLICA – CBEE / UFPE. 2000. Disponível em: www.eolica.com.br. (adaptado)

97
6 ENERGIA EÓLICA

Quanto à capacidade de geração elétrica, as primeiras turbinas eólicas Quanto ao porte, as turbinas eólicas podem ser classificadas da seguinte
desenvolvidas em escala comercial tinham potências nominais entre 10 forma (Figura 6.3): pequenas – potência nominal menor que 500 kW; mé-
kW e 50 kW. No início da década de 1990, a potência das máquinas au- dias – potência nominal entre 500 kW e 1000 kW; e grandes – potência
mentou para a faixa de 100 kW a 300 kW. Em 1995, a maioria dos fa- nominal maior que 1 MW.
bricantes de grandes turbinas ofereciam modelos de 300 kW a 750 kW.
Em 1997, foram introduzidas comercialmente as turbinas eólicas de 1 Nos últimos anos, as maiores inovações tecnológicas foram a utilização de
MW e 1,5 MW, iniciando a geração de máquinas de grande porte. Em acionamento direto (sem multiplicador de velocidades), com geradores síncro-
1999 surgiram as primeiras turbinas eólicas de 2MW e hoje existem pro- nos e novos sistemas de controle que permitem o funcionamento das turbinas
tótipos de 3,6MW e 4,5MW sendo testados na Espanha e Alemanha. A em velocidade variável, com qualquer tipo de gerador. A tecnologia atual ofe-
capacidade média das turbinas eólicas instaladas na Alemanha em 2002 rece uma variedade de máquinas, segundo a aplicação ou local de instalação.
foi de 1,4MW e na Espanha de 850kW. Atualmente, existem mais de Quanto à aplicação, as turbinas podem ser conectadas à rede elétrica ou des-
mil turbinas eólicas com potência nominal superior a 1 MW em funcio- tinadas ao suprimento de eletricidade a comunidades ou sistemas isolados. Em
namento no mundo (BOYLE, 1996; BTM, 2000; WINDPOWER, 2000; relação ao local, a instalação pode ser feita em terra firme (como exemplo, tur-
WIND FORCE, 2003]. bina de médio porte da Figura 6.3) ou off-shore (como exemplo, turbinas de
grande porte da Figura 6.3).

FIGURA 6.3 Exemplos de turbinas eólicas (da esquerda para a direita: pequena, média e grande)

Fonte: CENTRO BRASILEIRO DE ENERGIA EÓLICA – CBEE / UFPE. 2003. Disponível em: www.eolica.com.br.

98
ENERGIA EÓLICA
6

CAPACIDADE INSTALADA
6.5. NO MUNDO
A Tabela 6.4 apresenta a evolução recente da capacidade instalada em
vários países e regiões do mundo. Alemanha, EUA, Espanha e Dinamar-
ca são responsáveis por quase 80% da capacidade instalada no mundo
Em 1990, a capacidade instalada no mundo era inferior a 2.000 MW. Em (Figura 6.4).
1994, ela subiu para 3.734 MW, divididos entre Europa (45,1%), Améri-
ca (48,4%), Ásia (6,4%) e outros países (1,1%). Quatro anos mais tarde,
chegou a 10.000 MW e no final de 2002 a capacidade total instalada no FIGURA 6.4 Energia eólica – distribuição da
mundo ultrapassou 32.000 MW. O mercado tem crescido substancial- capacidade instalada no mundo
mente nos últimos anos, principalmente na Alemanha, EUA, Dinamarca e
Espanha, onde a potência adicionada anualmente supera 3.000 MW
(BTM, 2000; EWEA; GREENPEACE, 2003).

Esse crescimento de mercado fez com que a Associação Européia de Ener-


gia Eólica estabelecesse novas metas, indicando que, até 2020, a energia
eólica poderá suprir 10% de toda a energia elétrica requerida no mundo.
De fato, em alguns países e regiões, a energia eólica já representa uma
parcela considerável da eletricidade produzida. Na Dinamarca, por exem-
plo, a energia eólica representa 18% de toda a eletricidade gerada e a
meta é aumentar essa parcela para 50% até 2030. Na região de Schles-
wig-Holstein, na Alemanha, cerca de 25% do parque de energia elétrica
instalado é de origem eólica. Na região de Navarra, na Espanha, essa par-
cela é de 23%. Em termos de capacidade instalada, estima-se que, até
2020, a Europa já terá 100.000 MW (WIND FORCE, 2003). Fonte: Elaborado Elaborado com base em dados de WINDPOWER MONTHLY NEWS MAGAZINE.
[Knebel], v. 19, 2003.

TABELA 6.4 Energia eólica – capacidade instalada no mundo (MW)

País/região 1997 1998 1999 2000 2001 2002


Alemanha 2080 2874 4445 6113 8734 12001
Estados Unidos 1590 1927 2492 2555 4245 4645
Dinamarca 1116 1450 1742 2297 2456 2889
Espanha 512 834 1530 2402 3550 4830
Brasil 3 7 20 20 20 22
Europa (exceto Alemanha, 1058 1411 1590 2610 2760 3637
Dinamarca e Espanha)
Ásia 1116 1194 1287 1574 1920 2184
Continente americano 52 128 194 223 302 353
(exceto EUA e Brasil)
Austrália e Pacífico 33 63 116 221 410 524
África e Oriente Médio 24 26 39 141 147 149
Total 7584 9914 13455 18156 24544 31234
Fonte: WINDPOWER MONTHLY NEWS MAGAZINE. [Knebel], v. 19, 2003.

99
6 ENERGIA EÓLICA

ENERGIA EÓLICA NO CONTEXTO


6.6. DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO
despertar o interesse de empreendedores. Destaque-se, aqui, o Programa
de Incentivo às Fontes Alternativas (PROINFA), como citado no capítulo 2.
Outro fator importante, como incentivo, é a possibilidade de complemen-
No Brasil, a participação da energia eólica na geração de energia elétri- taridade entre a geração hidrelétrica e a geração eólica, visto que o maior
ca ainda é pequena. Como apresentado na Tabela 6.5 e na Figura 6.6, potencial eólico, na região Nordeste, ocorre durante o período de menor
em setembro de 2003 havia apenas 6 centrais eólicas em operação no disponibilidade hídrica, conforme ilustrado na Figura 6.5.
País, perfazendo uma capacidade instalada de 22.075 kW. Entre essas
centrais, destacam-se Taíba e Prainha, no Estado do Ceará, que repre- Em setembro de 2003, havia registro de 92 empreendimentos eólicos
sentam 68% do parque eólico nacional. autorizados pela ANEEL, cuja construção não havia sido iniciada, que po-
derão agregar ao sistema elétrico nacional cerca de 6.500 MW, como
No entanto, os incentivos vigentes para o setor elétrico brasileiro deverão apresentado na Tabela 6.6 e ilustrado na Figura 6.6.

TABELA 6.5 Centrais eólicas em operação no Brasil – situação em setembro de 2003

Nome da Usina Potência Município - UF Destino Proprietário


(kW) da Energia
Eólica 75 Fernando de Noronha - PE SP Companhia Energética de Pernambuco
Eólica de Bom Jardim 600 Bom Jardim da Serra - SC PIE Parque Eólico de Santa Catarina Ltda.
Eólica de Fernando de Noronha 225 Fernando de Noronha - PE PIE Centro Brasileiro de Energia Eólica - FADE/UFPE
Eólica de Prainha 10.000 Aquiraz - CE PIE Wobben Wind Power Indústria e Comércio Ltda.
Eólica de Taíba 5.000 São Gonçalo do Amarante - CE PIE Wobben Wind Power Indústria e Comércio Ltda.
Eólica Olinda 225 Olinda - PE PIE Centro Brasileiro de Energia Eólica - FADE/UFPE
Eólica-Elétrica Experimental 1.000 Gouveia - MG SP Companhia Energética de Minas Gerais
do Morro do Camelinho
Eólico - Elétrica de Palmas 2.500 Palmas - PR PIE Centrais Eólicas do Paraná Ltda.
Mucuripe 2.400 Fortaleza - CE PIE Wobben Wind Power Indústria e Comércio Ltda.
Fonte: AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA – ANEEL. Banco de Informações de Geração – BIG. 2003. Disponível em: www.aneel.gov.br/15.htm.

100
ENERGIA EÓLICA
6

FIGURA 6.5 Complementaridade entre a geração hidrelétrica e eólica

Fonte: CENTRO BRASILEIRO DE ENERGIA EÓLICA – CBEE / UFPE. 2000. Disponível em: www.eolica.com.br.

101
6 ENERGIA EÓLICA

FIGURA 6.6 Localização dos projetos eólicos em operação e outorgados


(construção não iniciada) – situação em setembro de 2003

Fonte: Elaborado com base em dados da AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA – ANEEL. Banco de Informações de Geração – BIG. 2003. Disponível em: www.aneel.gov.br/15.htm.

102
ENERGIA EÓLICA
6

TABELA 6.6 Centrais eólicas outorgadas (construção não iniciada) – situação em setembro de 2003

Nome da Usina Potência Município - UF Destino Proprietário


(kW) da Energia
Alegria I 51.000 Guamaré - RN PIE New Energy Options Ltda.
Alegria II 100.800 Guamaré - RN PIE New Energy Options Ltda.
BA 3 - Caetité 192.100 Caetité - BA PIE Energias Renováveis do Brasil Ltda.
Bom Jesus 55.800 Aracati - CE PIE SIIF Énergies do Brasil Ltda.
Bons Ventos 50.000 Aracati - CE PIE Servtec Energia Ltda.
Canoa Quebrada 78.000 Aracati - CE PIE Ventos Energia e Tecnologia Ltda.
CE 10 - Acaraú 49.300 Acaraú - CE PIE Energias Renováveis do Brasil Ltda.
CE 11 - Camocim 249.900 Camocim - CE PIE Energias Renováveis do Brasil Ltda.
CE 3 - Boca do Poço 79.900 Limoeiro do Norte - CE PIE Energias Renováveis do Brasil Ltda.
CE 4 - Lagoinha 49.300 Paraipaba - CE / Trairi - CE PIE Energias Renováveis do Brasil Ltda.
CE 7 - Icapuí 29.750 Aracati - CE PIE Energias Renováveis do Brasil Ltda.
Eólica Abaís 29.700 Estância - SE PIE Eletrowind S/A
Eólica Água das Dunas 43.200 Extremoz - RN PIE SIIF Énergies do Brasil Ltda.
Eólica Água Doce 9.000 Água Doce - SC PIE Parque Eólico de Santa Catarina Ltda.
Eólica Ariós 16.200 Beberibe - CE PIE Eletrowind S/A
Eólica Canoa Quebrada 10.500 Aracati - CE PIE Rosa dos Ventos Ltda.
Eólica Crispim 60.000 Marapanim - PA PIE Guascor Empreendimentos Energéticos Ltda.
Eólica Fazenda Brígida 30.600 Jandaíra - BA PIE Eletrowind S/A
Eólica Icaraizinho 54.000 Amontada - CE PIE Eólica Icaraizinho Ltda.
Eólica Jericoacoara 100.800 Jijoca de Jericoacoara - CE PIE SIIF Énergies do Brasil Ltda.
Eólica Paracuru 23.400 Paracuru - CE PIE SIIF Énergies do Brasil Ltda.
Eólica Praias de Parajuru 28.800 Beberibe - CE PIE Eletrowind S/A
Eólica Santa Izabel 198.000 Galinhos - RN PIE SIIF Énergies do Brasil Ltda.
Fábrica da Wobben Windpower no Pecém 600 Caucaia - CE PIE Wobben Wind Power Industria e Comércio Ltda.
Fazenda Nova 180.000 Porto do Mangue - RN PIE SIIF Énergies do Brasil Ltda.
Fortim 93.600 Aracati - CE PIE Eólica Fortim Ltda.
Foz do Rio Choró 25.200 Beberibe - CE PIE SIIF Cinco Ltda.
Gameleira 27.000 São Gonçalo do Amarante - CE PIE SIIF Três Ltda.
Gargaú 39.950 São Francisco de Itabapoana - RJ PIE SeaWest do Brasil Ltda.
Lagoa do Mato 27.000 Aracati - CE PIE Rosa dos Ventos Ltda.
Macau 3.000 Macau - RN APE Petróleo Brasileiro S/A.
Maceió 235.800 Itapipoca - CE PIE SIIF Énergies do Brasil Ltda.
Paracuru 100.000 Paracuru - CE PIE Cataventos Novas Energias Brasil Ltda.
Paraíso Farol 102.000 Touros - RN PIE Energias Renováveis do Brasil Ltda.
Parque Eólico Caponga 10.000 Fortaleza - CE PIE Empreendimentos em Energia Ltda.
Parque Eólico Cassino 80.750 Rio Grande - RS PIE Gamesa Serviços Brasil Ltda.

103
6 ENERGIA EÓLICA

Centrais eólicas outorgadas (construção não iniciada) – situação em setembro de 2003 (cont.)
Parque Eólico de Beberibe 25.200 Beberibe - CE PIE Eco Energy Beberibe Ltda.
Parque Eólico de Osório 50.000 Osório - RS PIE Elecnor do Brasil Ltda.
Parque Eólico de Palmares 50.000 Palmares do Sul - RS PIE Elecnor do Brasil Ltda.
Parque Eólico do Horizonte 4.800 Água Doce - SC APE-COM Central Nacional de Energia Eólica Ltda.
Parque Eólico dos Índios 50.000 Osório - RS PIE Elecnor do Brasil Ltda.
Parque Eólico Elebrás Cidreira 1 72.000 Cidreira - RS PIE Elebrás Projetos Ltda.
Parque Eólico Elebrás Mostardas 1 81.000 Mostardas - RS / Palmares do Sul - RS PIE Elebrás Projetos Ltda.
Parque Eólico Elebrás 126.000 Santa Vitória do Palmar - RS PIE Elebrás Projetos Ltda.
Santa Vitória do Palmar 1
Parque Eólico Enacel 36.000 Aracati - CE PIE Energias Alternativas do Ceará Ltda.
Parque Eólico Farol da Solidão I 50.000 Mostardas - RS PIE Energia Regenerativa Brasil Ltda.
Parque Eólico Gravatá 45.000 Touros - RN PIE Guascor Empreendimentos Energéticos Ltda.
Parque Eólico Jaguarão 50.150 Jaguarão - RS PIE Gamesa Serviços Brasil Ltda.
Parque Eólico Jiribatu 85.000 Santa Vitória do Palmar - RS PIE Gamesa Serviços Brasil Ltda.
Parque Eólico Livramento 149.600 Santana do Livramento - RS PIE Gamesa Serviços Brasil Ltda.
Parque Eólico Marmeleiro I 50.000 Santa Vitória do Palmar - RS PIE Energia Regenerativa Brasil Ltda.
Parque Eólico Ponta do Mel 50.400 Areia Branca - RN PIE Compinvest Mercosul - Companhia de
Investimentos e Participações do Mercosul S/A
Parque Eólico Sangradouro 50.000 Osório - RS PIE Elecnor do Brasil Ltda.
Parque Eólico Serra dos Antunes 98.600 Piratini - RS PIE Gamesa Serviços Brasil Ltda.
Parque Eólico Tainhas 99.450 São Francisco de Paula - RS PIE Gamesa Serviços Brasil Ltda.
Parque Eólico Tainhas I 15.000 São Francisco de Paula - RS PIE Energia Regenerativa Brasil Ltda.
PE 1 - Marcolândia 59.500 Araripina - PE PIE Energias Renováveis do Brasil Ltda.
PE 2 - Serra da Macambira 59.500 Pesqueira - PE / Poção - PE PIE Energias Renováveis do Brasil Ltda.
PE 3 - Poção 59.500 Poção - PE PIE Energias Renováveis do Brasil Ltda.
PE 5 - Serra do Pau D`Arco 59.500 Arcoverde - PE PIE Energias Renováveis do Brasil Ltda.
Pecém 31.200 Caucaia - CE PIE Eólica Pecém Ltda.
Pecém 46.000 São Gonçalo do Amarante - CE PIE Fuhrlander Energia Brasil Ltda.
Pecém 25.200 Caucaia - CE PIE Eletrowind S/A
Pedra do Sal 100.300 Parnaíba - PI PIE SeaWest do Brasil Ltda.
Pirauá 9.900 Macaparana - PE PIE Cooperativa de Energia Comunicação e
Desenvolvimento do Vale do Sirigi Ltda.
Pontal das Almas 36.000 Barroquinha - CE PIE Cataventos Novas Energias Brasil Ltda.
Praia do Arrombado 23.400 Luís Correia - PI PIE Eletrowind S/A
Praia do Morgado 79.200 Acaraú - CE PIE Eletrowind S/A
Praia Formosa 104.400 Camocim - CE PIE Eólica Formosa Ltda.
Quintanilha Machado I 135.000 Arraial do Cabo - RJ PIE SIIF Énergies do Brasil Ltda.
Quintanilha Machado II 39.600 Arraial do Cabo - RJ PIE SIIF Énergies do Brasil Ltda.
Redonda 300.600 Icapuí - CE PIE Eólica Redonda Ltda.
RN 1 - Mel 89.250 Areia Branca - RN PIE Energias Renováveis do Brasil Ltda.

104
ENERGIA EÓLICA
6

Centrais eólicas outorgadas (construção não iniciada) – situação em setembro de 2003 (cont.)
RN 10 - Três Irmãos 59.500 São Bento do Norte - RN PIE Energias Renováveis do Brasil Ltda.
RN 11 - Guamaré Fases I e II 249.900 Guamaré - RN / Macau - RN PIE Energias Renováveis do Brasil Ltda.
RN 14 - São Bento do Norte 59.500 São Bento do Norte - RN PIE Energias Renováveis do Brasil Ltda.
RN 15 - Rio do Fogo 49.300 Rio do Fogo - RN PIE Energias Renováveis do Brasil Ltda.
RN 17 - Serra de Santana 99.450 Lagoa Nova - RN PIE Energias Renováveis do Brasil Ltda.
RN 19 - Juremal 59.500 Baraúna - RN PIE Energias Renováveis do Brasil Ltda.
RN 20 - Serra do Mossoró 49.300 Mossoró - RN PIE Energias Renováveis do Brasil Ltda.
RN 21 Parque Eólico Salinas 180.200 Galinhos - RN PIE Energias Renováveis do Brasil Ltda.
RN 3 - Gameleira 49.300 Touros - RN PIE Energias Renováveis do Brasil Ltda.
RN 4 - Pititinga 49.300 Extremoz - RN PIE Energias Renováveis do Brasil Ltda.
RN 6 - Macacos 161.500 João Câmara - RN PIE Energias Renováveis do Brasil Ltda.
Santa Marta 39.600 Laguna - SC PIE Empresa Energética Santa Marta Ltda.
Taíba Águia 35.000 São Gonçalo do Amarante - RN PIE Ventos Energia e Tecnologia Ltda.
Taíba Albatroz 15.000 São Gonçalo do Amarante - CE PIE Ventos Energia e Tecnologia Ltda.
Ubajara 100.000 Ubajara - CE PIE Cataventos Novas Energias Brasil Ltda.
Usina Eólica de Laguna 3.000 Laguna - SC PIE Parque Eólico de Santa Catarina Ltda.
Vale da Esperança 29.700 Touros – RN PIE Eletrowind S/A
Verdes Mares 158.400 Tibau - RN PIE SIIF Énergies do Brasil Ltda.
Volta do Rio 42.000 Acaraú - CE PIE Eletrowind S/A
Fonte: AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA – ANEEL. Banco de Informações de Geração – BIG. 2003. Disponível em: www.aneel.gov.br/15.htm.

6.6.1. PROJETOS EM OPERAÇÃO NO PAÍS


FIGURA 6.7 Primeira turbina eólica de Fernando de Noronha

Turbinas Eólicas do Arquipélago de Fernando de Noronha-PE: a


primeira turbina foi instalada em junho de 1992, a partir do projeto rea-
lizado pelo Grupo de Energia Eólica da Universidade Federal de Pernam-
buco – UFPE, com financiamento do Folkecenter (um instituto de
pesquisas dinamarquês), em parceria com a Companhia Energética de
Pernambuco – CELPE. A turbina possui um gerador assíncrono de 75
kW, rotor de 17 m de diâmetro e torre de 23 m de altura (Figura 6.7).
Na época em que foi instalada, a geração de eletricidade dessa turbina
correspondia a cerca de 10% da energia gerada na Ilha, proporcionan-
do uma economia de aproximadamente 70.000 litros de óleo diesel por
ano. A segunda turbina (Figura 6.8) foi instalada em maio de 2000 e en-
trou em operação em 2001. O projeto foi realizado pelo CBEE, com a
colaboração do RISØ National Laboratory da Dinamarca, e financiado
pela ANEEL. Juntas, as duas turbinas geram até 25% da eletricidade
consumida na ilha. Esses projetos tornaram Fernando de Noronha o
maior sistema híbrido eólico-diesel do Brasil.

Fonte: MEMÓRIA DA ELETRICIDADE. Primeira turbina eólica de Fernando de Noronha: 2000.

105
6 ENERGIA EÓLICA

FIGURA 6.8 Segunda turbina eólica de Fernando de Noronha FIGURA 6.9 Central Eólica do Morro do Camelinho
(Gouveia – MG)

Fonte: CENTRO DE REFERÊNCIA PARA A ENERGIA SOLAR E EÓLICA SÉRGIO DE SALVO BRITO - CRE-
SESB. 2000. Disponível em: www.cresesb.cepel.br/cresesb.htm.

Central Eólica de Taíba – CE: localizada no Município de São Gonçalo do


Amarante – CE, a Central Eólica de Taíba (Figura 6.10), com 5 MW de potên-
cia, foi a primeira a atuar como produtor independente no País. Em operação
desde janeiro de 1999, a central é composta por 10 turbinas de 500 kW, ge-
radores assíncronos, rotores de 40 m de diâmetro e torre de 45 m de altura.

Fonte: CENTRO BRASILEIRO DE ENERGIA EÓLICA – CBEE / UFPE. 2000. Disponível em: www.eolica.com.br.
FIGURA 6.10 Central Eólica de Taíba
(São Gonçalo do Amarante – CE)

Central Eólica Experimental do Morro do Camelinho – MG: instala-


do em 1994, no Município de Gouveia – MG, com capacidade nominal
de 1 MW, o projeto foi realizado pela Companhia Energética de Minas
Gerais – CEMIG, com o apoio financeiro do governo alemão (Programa
Eldorado). A central é constituída por 4 turbinas de 250 kW, com rotor
de 29 m de diâmetro e torre de 30 m de altura (Figura 6.9).

Fonte: CENTRO BRASILEIRO DE ENERGIA EÓLICA – CBEE / UFPE. 2000. Disponível em: www.eolica.com.br.

106
ENERGIA EÓLICA
6

Central Eólica de Prainha – CE: localizada no Município de Aquiraz – CE, Central Eólica de Palmas – PR: inaugurada em 2000, trata-se da primei-
a Central Eólica de Prainha (Figura 6.11) é o maior parque eólico do País, ra central eólica do Sul do Brasil, localizada no Município de Palmas – PR,
com capacidade de 10 MW (20 turbinas de 500 kW). O projeto foi reali- com potência instalada de 2,5 MW (Figura 6.13). Realizado pela Compa-
zado pela Wobben Windpower (do Brasil) e inaugurado em abril de 1999. nhia Paranaense de Energia – COPEL e pela Wobben Windpower (do
As turbinas utilizam geradores síncronos, funcionam com velocidade variá- Brasil), o projeto foi inaugurado em novembro de 1999, com 5 turbinas
vel e com controle de potência por pitch (ângulo de passo das pás). de 500 kW, idênticas àquelas de Taíba e Prainha.

FIGURA 6.11 Central Eólica da Prainha (Aquiraz – CE) FIGURA 6.13 Central Eólica de Palmas (Palmas – PR)

Fonte: WOBBEN. 2003. Disponível em: www.wobben.com.br/Espanhol/usinas.htm

Fonte: CENTRO BRASILEIRO DE ENERGIA EÓLICA – CBEE / UFPE. 2000. Disponível em: www.eolica.com.br.

Central Eólica Mucuripe – CE: situada em Fortaleza - CE (Figura 6.12),


esta central tinha potência instalada de 1.200 kW. Desativada em 2000,
foi posteriormente repotenciada e passou a contar com 4 turbinas eólicas
E-40 de 600 kW (2.400 kW).

FIGURA 6.12 Central Eólica Mucuripe (Fortaleza – CE)

Fonte: WOBBEN. 2003. Disponível em: www.wobben.com.br/Espanhol/usinas.htm

107
6 ENERGIA EÓLICA

Central Eólica de Olinda – PE: O CBEE instalou em 1999 uma turbi- Central Eólica de Bom Jardim – SC: em 2002 uma turbina Enercon de
na eólica WindWord (Figura 6.14) na área de testes de turbinas eólicas 600 kW foi instalada no Município de Bom Jardim da Serra - SC (Figura
em Olinda. Esta turbina conta com sensores e instrumentação para me- 6.15) pela CELESC e Wobben Windpower, sendo a mais recente central
didas experimentais. implantada no País.

FIGURA 6.14 Central Eólica de Olinda – PE FIGURA 6.15 Central Eólica de Bom Jardim
(Bom Jardim da Serra – SC)

Fonte: CENTRO BRASILEIRO DE ENERGIA EÓLICA – CBEE / UFPE. 2000. Disponível em: www.eolica.com.br. Fonte: WOBBEN. 2003. Disponível em: www.wobben.com.br/Espanhol/usinas.htm

108
ENERGIA EÓLICA
6

6.7. IMPACTOS SOCIOAMBIENTAIS pulação vizinha, o nível de ruído das turbinas deve antender às nor-
mas e padrões estabelecidos pela legislação vigente.

A geração de energia elétrica por meio de turbinas eólicas constitui Os impactos visuais são decorrentes do agrupamento de torres e aero-
uma alternativa para diversos níveis de demanda. As pequenas centrais geradores, principalmente no caso de centrais eólicas com um número
podem suprir pequenas localidades distantes da rede, contribuindo considerável de turbinas, também conhecidas como fazendas eólicas.
para o processo de universalização do atendimento. Quanto às centrais Os impactos variam muito de acordo com o local das instalações, o ar-
de grande porte, estas têm potencial para atender uma significativa ranjo das torres e as especificações das turbinas. Apesar de efeitos ne-
parcela do Sistema Interligado Nacional (SIN) com importantes ganhos: gativos, como alterações na paisagem natural, esses impactos tendem
contribuindo para a redução da emissão, pelas usinas térmicas, de po- a atrair turistas, gerando renda, emprego, arrecadações e promovendo
luentes atmosféricos; diminuindo a necessidade da construção de o desenvolvimento regional.
grandes reservatórios; e reduzindo o risco gerado pela sazonalidade hi-
drológica, à luz da complementaridade citada anteriormente. Outro impacto negativo das centrais eólicas é a possibilidade de interfe-
rências eletromagnéticas, que podem causar perturbações nos sistemas
Entre os principais impactos socioambientais negativos das usinas eó- de comunicação e transmissão de dados (rádio, televisão etc.) (TAYLOR,
licas destacam-se os sonoros e os visuais. Os impactos sonoros são de- 1996). De acordo com este autor, essas interferências variam muito, se-
vidos ao ruído dos rotores e variam de acordo com as especificações gundo o local de instalação da usina e suas especificações técnicas, par-
dos equipamentos (ARAÚJO, 1996). Segundo o autor, as turbinas de ticularmente o material utilizado na fabricação das pás. Também a
múltiplas pás são menos eficientes e mais barulhentas que os aeroge- possível interferência nas rotas de aves deve ser devidamente considera-
radores de hélices de alta velocidade. A fim de evitar transtornos à po- da nos estudos e relatórios de impactos ambientais (EIA/RIMA).

109
110
PETRÓLEO 7

7.1. INFORMAÇÕES GERAIS


O petróleo é uma mistura de hidrocarbonetos (moléculas de carbono e hidrogênio) que tem origem na decomposição de maté-
ria orgânica, principalmente o plâncton (plantas e animais microscópicos em suspensão nas águas), causada pela ação de bac-
térias em meios com baixo teor de oxigênio. Ao longo de milhões de anos, essa decomposição foi-se acumulando no fundo dos
oceanos, mares e lagos e, pressionada pelos movimentos da crosta terrestre, transformou-se na substância oleosa denominada
petróleo. Essa substância é encontrada em bacias sedimentares específicas, formadas por camadas ou lençóis porosos de areia,
arenitos ou calcários.

Embora conhecido desde os primórdios da civilização humana, somente em meados do século XIX tiveram início a exploração
de campos e a perfuração de poços de petróleo. A partir de então, a indústria petrolífera teve grande expansão, principalmen-
te nos Estados Unidos e na Europa. Apesar da forte concorrência do carvão e de outros combustíveis considerados nobres na-
quela época, o petróleo passou a ser utilizado em larga escala, especialmente após a invenção dos motores a gasolina e a óleo
diesel.

Durante muitas décadas, o petróleo foi o grande propulsor da economia internacional, chegando a representar, no início dos anos 70,
quase 50% do consumo mundial de energia primária. Embora declinante ao longo do tempo, sua participação nesse consumo ainda
representa cerca de 43%, segundo a Agência Internacional de Energia (2003), e deverá manter-se expressiva por várias décadas.

Além de predominante no setor de transportes, o petróleo ainda é o principal responsável pela geração de energia elétrica em di-
versos países do mundo. Apesar da expansão recente da hidreletricidade e da diversificação das fontes de geração de energia elé-
trica verificadas nas últimas décadas, o petróleo ainda é responsável por aproximadamente 7,9% de toda a eletricidade gerada
no mundo (PAFFENBARGER, 1997; AIE, 2003).

111
7 PETRÓLEO

7.2. ERESERVAS,
CONSUMO
PRODUÇÃO 2/3 das reservas provadas estão localizados no Oriente Médio, que
responde por, aproximadamente, 6% do consumo mundial. Por outro
lado, a América do Norte, que possui apenas 4,8% das reservas, é res-
Durante muitos séculos, o homem procurou abrigo e instalação de suas ponsável por cerca de 30% do consumo mundial (ver Figura 7.2).
atividades cotidianas em locais próximos de recursos naturais, particular-
mente os energéticos. Com a descoberta dos combustíveis fósseis e da Os dados da Tabela 7.1 indicam, também, que as reservas mundiais du-
eletricidade, isso deixou de ser uma preocupação, de modo que, atual- rariam cerca de quarenta anos, desconsiderando-se novas descobertas e
mente, os grandes centros consumidores podem estar distantes das mantendo-se a produção nos patamares de 2002.
grandes reservas e dos potenciais energéticos. O caso do petróleo ilustra
bem essa tendência do mundo moderno. No Brasil, as reservas provadas são da ordem de 1.100 milhões de tone-
ladas e a produção anual está na faixa dos 74,4 milhões de toneladas, o
Como indicado na Tabela 7.1 (e Figura 7.1), há uma grande irregularida- que significa uma relação reservas/produção de cerca de quinze anos.
de na distribuição geográfica das reservas mundiais de petróleo, em ra- Cerca de 90% das reservas estão localizados no mar, principalmente na
zão das condições geológicas específicas das regiões detentoras. Cerca de Bacia de Campos.

TABELA 7.1 Reservas provadas, produção e consumo de petróleo no mundo em 2002

Reservas (R) Produção (P) Consumo R/P*

106 ton Participação 106 ton Participação 106 ton Participação Anos
no total no total no total
América do Norte 6.400 4,8% 664,40 18,7% 1.064,90 30,2% 9,63
América do Sul e Central 14.100 9,4% 335,72 9,4% 214,80 6,1% 42,00
Europa e antiga URSS 13.300 9,3% 784,21 22,0% 925,20 26,3% 16,96
Oriente Médio 93.400 65,4% 1.014,60 28,5% 207,40 5,9% 92,06
África 10.300 7,4% 376,44 10,6% 118,60 3,4% 27,36
Ásia (Pacífico) 5.200 3,7% 381,42 10,7% 991,60 28,1% 13,63
Total 142.700 100,0% 3.556,79 100,0% 3.522,50 100,0% 40,12
Brasil 1.100 0,8% 74,40 2,1% 85,40 2,4% 14,78
Fonte: BP STATISTICAL REVIEW OF WORLD ENERGY. London: BP, 2003. Disponível em: www.bp.com/worldenergy.
(*) Tempo que as reservas durariam, sem novas descobertas e com o nível de produção de 2002.

112
7
PETRÓLEO

FIGURA 7.1 Reservas provadas de petróleo no mundo – situação em 2002 (milhões de toneladas)

FIGURA 7.2 Consumo de petróleo no mundo em 2002 (milhões de toneladas)

Fonte (figuras 7.1 e 7.2): Elaborado com base em dados de BP STATISTICAL REVIEW OF WORLD ENERGY. London: BP, 2003. Disponível em: www.bp.com/worldenergy.

113
7 PETRÓLEO

USO DE DERIVADOS DE TABELA 7.2 Capacidade instalada das plantas termelétricas


PETRÓLEO NA GERAÇÃO
7.3. DE ELETRICIDADE
a derivados de petróleo e parcela da geração
de eletricidade nos países da OCDE

País Energia Parcela da Geração


A geração de energia elétrica a partir de derivados de petróleo ocorre por
Gerada (TWh) Mundial (2001)
meio da queima desses combustíveis em caldeiras, turbinas e motores de
Estados Unidos 134 11%
combustão interna. A utilização de caldeiras e turbinas é similar aos de-
mais processos térmicos de geração e se aplica ao atendimento de cargas Japão 117 10%

de ponta e/ou aproveitamento de resíduos do refino de petróleo. Os gru- México 93 8%


pos geradores a diesel são mais adequados ao suprimento de comunida- Arábia Saudita 87 7%
des e de sistemas isolados da rede elétrica convencional. Itália 75 6%
China 47 4%
Com exceção de alguns poucos países da OCDE, o uso de petróleo para
Outros países 615 53%
geração de eletricidade tem sido decrescente desde os anos 1970. O ob-
Mundo 1168 100%
soletismo das plantas de geração, os requerimentos de proteção ambien-
Fonte: AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA – AIE. Key World Energy Statistics: from the IEA.
tal e o aumento da competitividade de fontes alternativas são os Paris: IEA/OECD, 2003.
principais responsáveis por isso. Contudo, o petróleo continua sendo mui-
to importante na geração de energia elétrica nesses países, principalmen-
te no suprimento de cargas de pico e no atendimento a sistemas isolados.
1.Atendimento da demanda de ponta;
Entre 1960 e 1973, o uso de petróleo na geração termelétrica cresceu a 2.Provisão de flexibilidade de operação e planejamento;
uma taxa média de 19% ao ano, chegando a constituir 26% de toda ge- 3.Atendimento a sistemas remotos e/ou isolados;
ração de eletricidade no mundo. Em alguns países (Japão, Dinamarca, Itá- 4.Provisão de carga básica ou intermediária, quando não há alternativas
lia, Irlanda e Portugal), chegou a representar 60%. Com a crise do mais econômicas.
petróleo, nos anos 1970, o carvão voltou a ocupar maior expressividade na
geração de eletricidade, e fontes alternativas, como o gás natural, torna- No caso do Brasil, onde historicamente a geração de energia elétrica
ram-se mais atrativas (PAFFENBARGER, 1997). Segundo a mesma fonte, a é predominantemente hidrelétrica, a geração térmica, particularmen-
capacidade instalada foi muito reduzida e parte dela foi adaptada para o te com derivados de petróleo, é pouco expressiva no âmbito nacional.
uso de outros combustíveis, particularmente o gás natural. Em 2001 a par- Contudo, tem desempenhado um papel importante no atendimento
ticipação relativa do petróleo na geração de eletricidade situou-se em tor- da demanda de pico do sistema elétrico e, principalmente, no supri-
no de 7,5%, segundo a Agência Internacional de Energia (2003). mento de energia elétrica a municípios e comunidades não atendidos
pelo sistema interligado, como descrito no capítulo 2.
Aproximadamente 47% da energia elétrica gerada em plantas termelé-
tricas que utilizam derivados de petróleo estão concentrados em seis paí- Quanto à geração termelétrica a óleo diesel, em setembro de 2003
ses (Tabela 7.2). havia 412 usinas em operação no Brasil, perfazendo uma capacidade
instalada de 4.193,72 MW. Esses empreendimentos são predominan-
A partir de 1980, a operação das plantas a óleo começou a ser transferi- temente formados por pequenos grupos geradores, destinados ao
da da base para o pico de demanda do sistema e, conseqüentemente, a atendimento de comunidades isoladas da rede elétrica, principalmen-
taxa de utilização (fator de capacidade) tem sido reduzida. Assim, a capa- te na região Norte do País, como ilustrado na Figura 7.3. Para maio-
cidade instalada tem sido mais expressiva do que a geração de energia. res detalhes, ver Anexo 6. Além desses empreendimentos, que
utilizam diesel, havia ainda naquela data (Tabela 7.3) uma usina com
Nos anos 1980, a geração termelétrica a óleo foi muito importante, em potência de 131 MW, operando com óleo ultra viscoso (Igarapé, no
vários países (Holanda, Reino Unido, Irlanda etc.) para a provisão de flexi- Município de Mateus Leme - MG); 18 operando com óleo combustí-
bilidade de operação e planejamento do sistema. Atualmente, as princi- vel, perfazendo cerca 1.036 MW; e mais 7 operando com gás de refi-
pais funções de um sistema termelétrico a óleo são as seguintes: naria (produto secundário), num total de 281,7 MW.

114
PETRÓLEO
7

TABELA 7.3 Usinas termelétricas a óleo ultraviscoso, óleo combustível,


e gás de refinaria em operação no Brasil em setembro de 2003

Usina Potência (kW) Destino Proprietário Município – UF Combustível


da Energia
Igarapé 131.000,00 SP Companhia Energética Mateus Leme – MG Óleo Ultraviscoso
de Minas Gerais
Alegrete 66.000,00 PIE Tractebel Energia S/A Alegrete – RS Óleo Combustível
Cadam 20.100,00 APE Caulim da Amazônia S/A Almeirim – PA Óleo Combustível
Capuava 18.020,00 PIE Capuava Energy Ltda. Santo André – SP Óleo Combustível
Celpav II 32.600,00 APE Celpav Luís Antônio – SP Óleo Combustível
Celulose e Papel Ltda.
Citrosuco 2.300,00 APE Citrosuco Paulista S/A Limeira – SP Óleo Combustível
CNT 16.000,00 APE-COM Companhia Níquel Tocantins Niquelândia – GO Óleo Combustível
Cogeração International 50.500,00 APE-COM International Paper do Brasil Ltda. Mogi Guaçu – SP Óleo Combustível
Paper (Fases I e II)
CTE Fibra 9.200,00 APE Fibra S/A Americana – SP Óleo Combustível
Norte 3.898,00 APE Rhodia Brasil Ltda. Paulínia – SP Óleo Combustível
Nutepa 24.000,00 SP Companhia de Geração Porto Alegre – RS Óleo Combustível
Térmica de Energia Elétrica
Orsa 4.500,00 APE Orsa Celulose, Nova Campina – SP Óleo Combustível
Papel e Embalagens S/A
Piratininga 472.000,00 SP Empresa Metropolitana São Paulo – SP Óleo Combustível
de Águas e Energia S/A
Porto Trombetas 43.200,00 APE Mineração Rio do Norte S/A Oriximiná – PA Óleo Combustível
REFAP 21.600,00 APE Refinaria Alberto Pasqualini Canoas – RS Óleo Combustível
Reman 6.400,00 APE Petróleo Brasileiro S/A Manaus – AM Óleo Combustível
Solvay 11.000,00 APE Solvay Indupa do Brasil S/A Santo André – SP Óleo Combustível
Termo Norte I 68.000,00 PIE Termo Norte Energia Ltda. Porto Velho – RO Óleo Combustível
Wartsila 166.360,00 PIE El Paso Rio Negro Energia Ltda. Manaus – AM Óleo Combustível
Refinaria Capuava - RECAP 8.900,00 APE Petróleo Brasileiro S/A Mauá – SP Gás de Refinaria
Refinaria de Paulínea - REPLAN 60.500,00 APE Petróleo Brasileiro S/A Paulínia – SP Gás de Refinaria
Refinaria Duque de caxias - REDUC 63.300,00 APE Petróleo Brasileiro S/A Duque de Caxias – RJ Gás de Refinaria
Refinaria Getúlio Vargas (REPAR) 32.000,00 APE Petróleo Brasileiro S/A Araucária – PR Gás de Refinaria
Refinaria Henrique Lages (REVAP) 30.000,00 APE Petróleo Brasileiro S/A São José dos Campos – SP Gás de Refinaria
Refinaria Landulpho Alves (RLAM) 62.500,00 APE-COM Petróleo Brasileiro S/A São Francisco do Conde – BA Gás de Refinaria
Refinaria Presidente Bernardes - RPBC 24.500,00 APE Petróleo Brasileiro S/A Cubatão – SP Gás de Refinaria
Fonte: AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA – ANEEL. Banco de Informações de Geração – BIG. 2003. Disponível em: www.aneel.gov.br/15.htm.

115
7 PETRÓLEO

FIGURA 7.3 Centrais termelétricas em operação no Brasil (derivados de petróleo) e potência


instalada segundo unidades da Federação – situação em setembro de 2003

Fonte: Elaborado com base em dados de AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL. Banco de Informações de Geração - BIG. 2003. Disponível em: www.aneel.gov.br/15.htm.

116
PETRÓLEO
7

Em relação aos novos empreendimentos, em setembro de 2003, havia Uma das possíveis conseqüências do aquecimento global do planeta é o
treze autorizados, perfazendo uma potência instalada de cerca de 774 derretimento de grandes geleiras (notadamente na Antártida) e, por con-
MW (tabela 7.4). Entre esses projetos, destaca-se a autorização para a seguinte, a elevação do nível do mar e o alagamento de áreas costeiras e
construção da Central Termelétrica COFEPAR, da Companhia de Fertili- insulares, atingindo grandes contingentes de pessoas e animais silvestres
zantes e Energia do Paraná Ltda., no Município de Araucária – PR, com e alterando a biodiversidade dessas regiões.
capacidade de geração, a partir de óleo ultraviscoso, por volta de 670
MW. Naquela data não havia registro de empreendimento em constru- Entre outros poluentes atmosféricos decorrentes da queima de derivados
ção, cujo o combustível fosse derivado do petróleo. de petróleo, principalmente em plantas termelétricas, destacam-se o dió-
xido de enxofre (SO2) e o chamado material particulado, constituído de
pós e cinzas em suspensão nos gases emitidos durante a queima de com-

7.4. IMPACTOS SOCIOAMBIENTAIS bustíveis fósseis. Além de alterações na biodiversidade local, esses po-
luentes provocam diversos males à saúde humana, como distúrbios
respiratórios, alergias, lesões degenerativas no sistema nervoso e em ór-
Os principais impactos da geração de energia elétrica a partir de derivados gãos vitais, câncer etc. (KOMPAC, 2001). Esses distúrbios tendem a se
de petróleo decorrem da emissão de poluentes na atmosfera, principal- agravar no inverno, quando inversões térmicas provocam o aprisiona-
mente os chamados gases de efeito estufa (GEE). Os mais problemáticos mento do ar quente e dificultam a dispersão dos poluentes.
são o dióxido de carbono (CO2), o metano (CH4) e o óxido nitroso N2O.
Existem, contudo, tecnologias e processos que permitem a remoção desses
Pelo menos parte das mudanças climáticas verificadas nas últimas déca- poluentes e a redução de seus efeitos nefastos. Os equipamentos mais usuais
das, entre elas o aumento da temperatura média do planeta, tem sido são os ciclones e os precipitadores eletrostáticos, mais eficientes na remoção
atribuída ao aumento da concentração desses gases na atmosfera. Gran- de partículas mais grosseiras. Esses equipamentos podem ser combinados com
de porção dessas emissões decorre da queima de combustíveis fósseis dispositivos mais eficientes, como os filtros cerâmicos e de mangas, que po-
(petróleo, carvão e gás natural) para a geração de energia elétrica. dem remover até 99% do material particulado (KOMPAC, 2001).

TABELA 7.4 Futuras termelétricas (derivados de petróleo) – situação em setembro de 2003

Usina Potência (kW) Destino Proprietário Município – UF Combustível Situação


da Energia
Alunorte 27.840 APE-COM Alumina do Barcarena - PA Óleo Combustível Apenas outorgada
Norte do Brasil S/A
Cidade Nova 17.600 - - - Óleo Diesel Apenas outorgada
Cofepar 671.800 PIE Conversora de Fertilizante Araucária - PR Óleo Ultraviscoso Apenas outorgada
e Energia do Paraná Ltda.
Corumbiara 960 PIE Guascor do Brasil Ltda. Corumbiara - RO Óleo Diesel Apenas outorgada
Fazenda Cachoeira 60 - - Formosa do Rio Preto - BA Óleo Diesel Apenas outorgada
Fordlândia 960 SP Centrais Elétricas do Pará S/A Aveiro - PA Óleo Diesel Apenas outorgada
Grendene Fortaleza 1.500 - - - Óleo Diesel Apenas outorgada
Grendene Sobral 4.500 - - - Óleo Diesel Apenas outorgada
Kaiser - Feira de Santana 1.600 - - - Óleo Diesel Apenas outorgada
Ribeirão Shopping 1.360 - - - Óleo Diesel Apenas outorgada
São José 41.600 - - - Óleo Diesel Apenas outorgada
Termomecânica 3.824 - - - Óleo Diesel Apenas outorgada
Vila dos Palmares 200 SP Centrais Elétricas do Pará S/A Tailândia - PA Óleo Diesel Apenas outorgada
Fonte: AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA – ANEEL. Banco de Informações de Geração – BIG. 2003. Disponível em: www.aneel.gov.br/15.htm.

117
118
CARVÃO MINERAL 8
8.1. INFORMAÇÕES GERAIS
O carvão é uma complexa e variada mistura de componentes orgânicos sólidos, fossilizados ao longo de milhões de anos, como ocorre
com todos os combustíveis fósseis. Sua qualidade, determinada pelo conteúdo de carbono, varia de acordo com o tipo e o estágio dos
componentes orgânicos. A turfa, de baixo conteúdo carbonífero, constitui um dos primeiros estágios do carvão, com teor de carbono na
ordem de 45%; o linhito apresenta um índice que varia de 60% a 75%; o carvão betuminoso (hulha), mais utilizado como combustível,
contém cerca de 75% a 85% de carbono, e o mais puro dos carvões; o antracito, apresenta um conteúdo carbonífero superior a 90%.
Da mesma forma, os depósitos variam de camadas relativamente simples e próximas da superfície do solo e, portanto, de fácil extra-
ção e baixo custo, a complexas e profundas camadas, de difícil extração e custos elevados.

Em termos de participação na matriz energética mundial, segundo o Balanço Energético Nacional (2003), o carvão é atualmente respon-
sável por cerca de 7,9% de todo o consumo mundial de energia e de 39,1% de toda a energia elétrica gerada. No âmbito mundial, ape-
sar dos graves impactos sobre o meio ambiente, o carvão ainda é uma importante fonte de energia. As principais razões para isso são as
seguintes: i) abundância das reservas; ii) distribuição geográfica das reservas; iii) baixos custos e estabilidade nos preços, relativamente a
outros combustíveis.

Embora fontes renováveis, como biomassa, solar e eólica, venham a ocupar maior parcela na matriz energética mundial, o carvão deverá
continuar sendo, por muitas décadas, o principal insumo para a geração de energia elétrica, especialmente nos países em desenvolvimen-
to (AIE, 1997). Para isso, no entanto, são necessários avanços na área de P&D, visando a atender aos seguintes requisitos: i) melhorar a efi-
ciência de conversão; ii) reduzir impactos ambientais (principalmente na emissão de gases poluentes); iii) aumentar sua competitividade
comercial. Embora não sejam mutuamente excludentes, esses fatores são normalmente conflitantes, principalmente os itens ii e iii.

8.2. RESERVAS, PRODUÇÃO E CONSUMO


O carvão mineral é o mais abundante dos combustíveis fósseis, com reservas provadas da ordem de 1 trilhão de toneladas, o sufi-
ciente para atender à demanda atual por mais de duzentos anos, como indicado na Tabela 8.1.

119
8 CARVÃO MINERAL

TABELA 8.1 Reservas, produção e consumo de carvão mineral no mundo em 2002

Reservas (R) Produção (P) Consumo R/P*

106 ton Participação 106 ton Participação 106 tEP Participação Anos
no total no total no total

América do Norte 257.783,0 26,2% 1.072,2 22,2% 591,5 24,7% 240,4

América do Sul e Central 21.752,0 2,2% 53,8 1,1% 17,8 0,7% 404,3

Europa e antiga URSS 355.370,1 36,1% 1.161,0 24,0% 506,1 21,1% 306,1

África e Oriente Médio 57.077,0 5,8% 231,0 24,0% 99,0 4,1% 373,4

Ásia (Pacífico) 292.471,0 29,7% 2.314,7 47,9% 1.183,5 49,4% 126,4

Total 984.453,1 100,0% 4.832,7 100,0% 2.397,9 100,0% 203,7

Brasil 11.929,0 1,2% 5,80 0,1% 12,00 0,5% > 500


Fonte: BP STATISTICAL REVIEW OF WORLD ENERGY. London: BP, 2003. Disponível em: www.bp.com/worldenergy.
(*) Tempo que as reservas durariam, sem novas descobertas e com o nível de produção de 2002.

As Figuras 8.1 e 8.2 ilustram as reservas mundiais e o consumo de carvão tão eficiente do carvão (Clean Coal Technologies). Essas tecnologias po-
mineral no ano de 2002. No Brasil, as principais reservas de carvão mine- dem ser instaladas em qualquer um dos quatro estágios da cadeia do
ral estão localizadas no Sul do País, notadamente no Estado do Rio Gran- carvão, como descrito a seguir (AIE, 1997):
de do Sul, que detém mais de 90% das reservas nacionais. No final de
2002, as reservas nacionais de carvão giravam em torno de 12 bilhões 1.Remoção de impurezas antes da combustão;
de toneladas, o que corresponde a mais de 50% das reservas sul-ameri- 2.Remoção de poluentes durante o processo de combustão;
canas e a 1,2% das reservas mundiais. 3.Remoção de impurezas após a combustão;
4.Conversão em combustíveis líquidos (liquefação) ou gasosos (gaseificação).
No entanto, segundo o Balanço Energético Nacional (2003), o uso energé-
tico do carvão mineral ainda é bastante restrito, representando apenas Remoção de Impurezas antes da Combustão: Trata-se de um conjun-
6,6% da matriz energética brasileira. Entre outras restrições, os altos teo- to de técnicas destinadas à remoção de grandes proporções de enxofre
res de cinza e enxofre (da ordem de 50% e 2,5%, respectivamente) são e outras impurezas antes da combustão, visando a reduzir a produção de
os principais responsáveis pelo baixo índice de aproveitamento do carvão cinzas e SOx durante o estágio de combustão. Após a remoção dessas
no Brasil. Espera-se, porém, que o desenvolvimento de tecnologias de re- impurezas, o carvão pode ser usado não somente para a geração de
moção de impurezas e de combustão eficiente, como descrito no próxi- energia elétrica, mas também em processos industriais que requeiram
mo item, proporcione maiores índices de aproveitamento desse recurso. combustíveis sólidos de melhor qualidade. Atualmente, utilizam-se pro-
cessos físicos e químicos de remoção de impurezas, mas uma nova tec-
nologia de remoção biológica, por meio de técnicas enzimáticas e
TECNOLOGIAS DE
8.3. APROVEITAMENTO
microbiológicas, tem sido desenvolvida. Os processos físicos, comercial-
mente disponíveis, removem cerca de 30% a 50% do enxofre orgânico
(10% a 30% do total) do carvão e cerca de 60% dos compostos mine-
Para assegurar a importância do carvão na matriz energética mundial, rais que formam as cinzas durante a combustão. Tais processos incluem
atendendo principalmente às metas ambientais, tem-se pesquisado e de- a flutuação de espumas, a ciclonização de líquidos pesados, a aglomera-
senvolvido tecnologias de remoção de impurezas (limpeza) e de combus- ção seletiva e a separação magnética ou eletrostática.

120
8
CARVÃO MINERAL

FIGURA 8.1 Reservas mundiais de carvão mineral – situação em 2002 (milhões de toneladas)

FIGURA 8.2 Consumo mundial de carvão mineral em 2002 (milhões de tEP)

Fonte (figuras 8.1 e 8.2): Elaborado com base em dados de BP STATISTICAL REVIEW OF WORLD ENERGY. London: BP, 2003. Disponível em: www.bp.com/worldenergy.

121
8 CARVÃO MINERAL

Combustão Pulverizada: Nos processos atuais de combustão pulverizada gaseificação), dando origem a um gás combustível sintético de mé-
(CP), o carvão é queimado como partículas pulverizadas, aumentando subs- dio poder calorífico. Esse gás pode ser queimado em turbinas a gás,
tancialmente a eficiência da combustão e da conversão. A maioria das tecno- onde o calor residual dos gases de exaustão pode ser recuperado e
logias modernas de CP atinge 99% de eficiência na combustão. A eficiência aproveitado por meio de uma turbina a vapor (ciclo combinado). Isso
de conversão da energia térmica em energia elétrica pode chegar a 43%, no possibilita a remoção de cerca de 95% do enxofre e a captura de
caso de plantas com ciclo a vapor supercrítico (temperatura entre 700°C e 90% do nitrogênio.
720°C). Ganhos adicionais de eficiência podem ser alcançados, mas atual-
mente o encarecimento do sistema não os justifica. Esperam-se, porém, me- Em termos de perspectivas, estudos indicam que as várias tecnologias
lhoramentos futuros, elevando a eficiência a 50%, sem aumento de custo. de uso racional do carvão apresentam diferentes estágios de desen-
volvimento. Somente uma delas, a combustão pulverizada (CP), pode
Combustão em Leito Fluidizado: A tecnologia de combustão em leito ser considerada tecnológica e comercialmente aprovada (AIE, 1999).
fluidizado permite a redução de enxofre (até 90%) e de NOx (70-80%), Em termos de flexibilidade de combustível, destacam-se as plantas de
pelo emprego de partículas calcárias e de temperaturas inferiores ao pro- leito fluidizado (LF). Em termos ambientais, destaca-se a gaseificação
cesso convencional de pulverização. Uma das vantagens em relação à integrada (GI).
combustão pulverizada convencional é a redução de enxofre sem perdas
de eficiência térmica. Outra vantagem dessa tecnologia é que ela pode Nos próximos dez anos, grande parte da instalação de novas plantas
queimar resíduos e carvões de baixa qualidade, com baixo índice de de geração termelétrica a carvão deverá se concentrar no Sudeste
emissões, sendo, portanto, adequada também a sistemas de incineração. Asiático, principalmente na China e na Índia. A maioria delas será for-
mada por plantas de CP, porém de eficiência relativamente baixa.
Gaseificação Integrada a Ciclos Combinados: A tecnologia de ga-
seificação integrada do carvão é recente e consiste na reação do car- A Tabela 8.2 e o Quadro 8.1, a seguir apresentados, sintetizam o estado
vão com vapor de alta temperatura e um oxidante (processo de da arte de várias tecnologias de limpeza e combustão eficiente do carvão.

TABELA 8.2 Síntese do estado da arte de tecnologias de combustão eficiente do carvão

Tecnologia Situação Eficiência de Custo de capital Redução nas emissões %


conversão (%) (US$/kWe) SOx NOx
Combustão Pulverizada Comercial 38-47 1300-1500 - -
Comb. em Leito Fluid. I* Com./Dem. 34-37 1450-1700 90-95 60
Comb. em Leito Fluid. II** Com./Dem. 37-39 1450-1700 90-95 60
Comb. em Leito Fluid. III*** Demonstrado 42-45 1450-1700 98-99 70
Gaseificação Integrada (GI) Demonstrado 45-48 1450-1700 92-99 98-99
Célula de Combustível GI P&D 40-60 1700-1900 85-95 92
Combustão Direta (Turbina) P&D 35-45 1200 85-95 70-80
Combustão Direta (Diesel) P&D 35-40 500-1000 80 50
Fonte: AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA – AIE. Energy technologies for the 21st Century. Paris, 1997. Disponível em: www.iea.org/techno/index.htm.
(*) Pressão atmosférica
(**) Circulação (vapores sub e supercríticos)
(***) Pressurização (vapores sub e supercríticos)

122
CARVÃO MINERAL
8

QUADRO 8.1. Necessidade de P&D em tecnologias de limpeza e combustão eficiente do carvão

Tecnologia Necessidade de P&D

Combustão Pulverizada • Parâmetros de combustão otimizada


• Pesquisas teóricas e experimentais de redução de NOx
• Técnicas avançadas de construção e aplicação de materiais de alta temperatura

Limpeza de Gás de Exaustão • Catalisadores eficientes de baixo custo e longa vida útil
• Redução não-catalítica de NOx
• Absorvente seco para a remocão de SO2
• Utilização de produtos sólidos

Combustão em Leito Fluidizado • Componentes eficientes de longa durabilidade


• Disposição das cinzas
• Demonstração dos processos de combustão pressurizada

Turbina a Gás • Temperatura mais elevada de entrada


• Novas tecnologias de resfriamento e materiais cerâmicos
• Queimadores de alta temperatura com baixo fluxo de gás calorífico e NOx

Ciclo combinado • Limpeza de gás quente


• Integração da combustão em LF e da gaseificação em termelétricas
• Flexibilização e modulação dos componentes
• Combustão pulverizada e pressurizada
• Componentes de metal líquido para ciclo binário de Rankine

Gaseificação • Demonstração de operações confiáveis

Hidrogenação • Melhoramentos nos processos de hidrogenação, incluindo refino

Fonte: AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA – AIE. Energy technologies for the 21st Century. Paris, 1997. Disponível em: www.iea.org/techno/index.htm.

GERAÇÃO TERMELÉTRICA
8.4. A CARVÃO NO BRASIL
Os primeiros aproveitamentos do carvão mineral para a geração de
energia elétrica no Brasil datam de fins dos anos 1950, em decorrên-
cia da sua substituição por óleo diesel e eletricidade no setor do trans-
A abundância das reservas e o desenvolvimento de tecnologias de “lim- porte ferroviário. Naquela época, foram iniciados estudos e, em
peza” e combustão eficiente, conjugados à necessidade de expansão dos seguida, a construção das usinas termelétricas de Charqueadas, no
sistemas elétricos e restrições ao uso de outras fontes, indicam que o car- Rio Grande do Sul, com 72 MW de potência instalada, Capivari, em
vão mineral continuará sendo, por muitas décadas, uma das principais Santa Catarina, com 100 MW, e Figueira, no Paraná, com 20 MW
fontes de geração de energia elétrica no Brasil. (ANEEL; ANP, 2000).

123
8 CARVÃO MINERAL

Em setembro de 2003, havia 7 (sete) centrais termelétricas a carvão mi-


FIGURA 8.3 Unidade do complexo termelétrico
neral em operação no Brasil, totalizando 1.415 MW de potência instala- de Jorge Lacerda
da (Tabela 8.3). Na Figura 8.3, como exemplo, uma unidade do
complexo de Jorge Lacerda. A Figura 8.4 mostra a distribuição dessas
centrais, todas no Sul do País.

Quanto aos novos empreendimentos, havia, naquela data, o registro


de seis centrais outorgadas (construção não-iniciada), que poderão
adicionar ao sistema elétrico nacional cerca de 2.721 MW de potên-
cia instalada. Entre esses projetos, destaca-se o de Sepetiba, no Esta-
do do Rio de Janeiro, com 1.377 MW (Tabela 8.4). Na Figura 8.4
também constam esses projetos.

Fonte: CENTRAIS GERADORAS DO SUL DO BRASIL. Unidade do complexo ter-


melétrico de Jorge Lacerda. 2003.

TABELA 8.3 Centrais termelétricas a carvão mineral em operação no Brasil – situação em setembro de 2003

Usina Potência (kW) Destino da Energia Proprietário Município – UF


Charqueadas 72.000 PIE Tractebel Energia S/A Charqueadas – RS
Figueira 20.000 SP Copel Geração S/A Figueira – PR
Jorge Lacerda I e II 232.000 PIE Tractebel Energia S/A Capivari de Baixo – SC
Jorge Lacerda III 262.000 PIE Tractebel Energia S/A Capivari de Baixo – SC
Jorge Lacerda IV 363.000 PIE Tractebel Energia S/A Capivari de Baixo – SC
Presidente Médici A/B 446.000 SP Companhia de Geração
Térmica de Energia Elétrica Candiota – RS
São Jerônimo 20.000 SP Companhia de Geração
Térmica de Energia Elétrica São Jerônimo – RS
Fonte: AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA – ANEEL. Banco de Informações de Geração – BIG. 2003. Disponível em: www.aneel.gov.br/15.htm.

TABELA 8.4 Centrais termelétricas a carvão mineral outorgadas (construção não-iniciada) – situação em setembro de 2003

Usina Potência (kW) Destino da Energia Proprietário Município – UF


Concórdia 5.000 APE Sadia S/A Concórdia - SC
Jacuí 350.200 PIE Tractebel Energia S/A Charqueadas - RS
Seival 542.000 PIE Usina Termelétrica Seival Ltda. Candiota - RS
Sepetiba 1.377.000 PIE Itaguaí Energia S/A Itaguaí - RJ
Sul Catarinense 440.300 PIE Usina Termelétrica Sul Catarinense S/A Treviso - SC
Viena 7.200 APE Viena Siderúrgica do Maranhão S/A Açailândia - MA
Fonte: AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA – ANEEL. Banco de Informações de Geração – BIG. 2003. Disponível em: www.aneel.gov.br/15.htm.

124
CARVÃO MINERAL
8

FIGURA 8.4 Empreendimentos futuros e em operação – situação em setembro de 2003

Fonte: Elaborado com base em dados de AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL. Banco de Informações de Geração - BIG. 2003. Disponível em: www.aneel.gov.br/15.htm.

125
8 CARVÃO MINERAL

8.5. IMPACTOS SOCIOAMBIENTAIS nam os lençóis freáticos. A posterior separação de carvão coqueificável
de outras frações de menor qualidade forma novos depósitos, que co-
brem muitos hectares de solos cultiváveis.
Os maiores impactos socioambientais do carvão decorrem de sua minera-
ção, que afeta principalmente os recursos hídricos, o solo e o relevo das No Brasil, a região Sul é a que apresenta maiores transtornos relaciona-
áreas circunvizinhas. A abertura dos poços de acesso aos trabalhos de la- dos ao impacto da extração de carvão. As cidades de Siderópolis e Criciú-
vra, feita no próprio corpo do minério, e o uso de máquinas e equipamen- ma estão entre as que apresentam graves problemas socioambientais. Em
tos manuais, como retroescavadeiras, escarificadores e rafas, provocam a virtude dos rejeitos das minas de carvão, a cidade de Siderópolis enfren-
emissão de óxido de enxofre, óxido de nitrogênio, monóxido de carbono ta a ocupação desordenada das terras agricultáveis. Os trabalhadores das
e outros poluentes da atmosfera. minas e seus familiares também são afetados diretamente pelas emana-
ções de poeiras provenientes desses locais. Doenças respiratórias, como
Durante a drenagem das minas, feita por meio de bombas, as águas asma, bronquite, enfisema pulmonar e até mesmo a pneumoconiose, es-
sulfurosas são lançadas no ambiente externo, provocando a elevação tão presentes no cotidiano dessa população.
das concentrações de sulfatos e de ferro e a redução de pH no local
de drenagem. Além dos referidos impactos da mineração, a queima de carvão em in-
dústrias e termelétricas causa graves impactos socioambientais, em face
O beneficiamento do carvão gera rejeitos sólidos, que também são de- da emissão de material particulado e de gases poluentes, dentre os
positados no local das atividades, criando extensas áreas cobertas de quais se destacam o dióxido de enxofre (SO2) e os óxidos de nitrogênio
material líquido, as quais são lançadas em barragens de rejeito ou dire- (NOx). Além de prejudiciais à saúde humana, esses gases são os princi-
tamente em cursos de água. Grande parte das águas de bacias hidrográ- pais responsáveis pela formação da chamada chuva ácida, que provoca
ficas circunvizinhas é afetada pelo acúmulo de materiais poluentes a acidificação do solo e da água e, conseqüentemente, alterações na
(pirita, siltito e folhelhos). As pilhas de rejeito são percoladas pelas águas biodiversidade, entre outros impactos negativos, como a corrosão de
pluviais, ocasionando a lixiviação de substâncias tóxicas, que contami- estruturas metálicas.

126
GÁS NATURAL 9

9.1. INFORMAÇÕES GERAIS


De modo similar aos demais combustíveis fósseis, o gás natural é uma mistura de hidrocarbonetos gasosos, originados da decomposi-
ção de matéria orgânica fossilizada ao longo de milhões de anos. Em seu estado bruto, o gás natural é composto principalmente por
metano, com proporções variadas de etano, propano, butano, hidrocarbonetos mais pesados e também CO2, N2, H2S, água, ácido
clorídrico, metanol e outras impurezas. Os maiores teores de carbono são encontrados no gás natural não-associado(20) (GASNET, 1999).

As principais propriedades do gás natural são a sua densidade em relação ao ar, o poder calorífico, o índice de Wobbe, o ponto de
orvalho da água e dos hidrocarbonetos e os teores de carbono, CO2, hidrogênio, oxigênio e compostos sulfurosos. Outras carac-
terísticas intrínsecas importantes são os baixos índices de emissão de poluentes, em comparação a outros combustíveis fósseis, rá-
pida dispersão em caso de vazamentos, os baixos índices de odor e de contaminantes. Ainda, em relação a outros combustíveis
fósseis, o gás natural apresenta maior flexibilidade, tanto em termos de transporte como de aproveitamento (ANEEL, 2000).

Além de insumo básico da indústria gasoquímica, o gás natural tem-se mostrado cada vez mais competitivo em relação a vários ou-
tros combustíveis, tanto no setor industrial como no de transporte e na geração de energia elétrica. Nesse último caso, a inclusão
do gás natural na matriz energética nacional, conjugada com a necessidade de expansão do parque gerador de energia elétrica e
com o esgotamento dos melhores potenciais hidráulicos do país, tem despertado o interesse de analistas e empreendedores em
ampliar o seu uso na geração termelétrica.

9.2. RESERVAS, PRODUÇÃO E CONSUMO


A Tabela 9.1 apresenta dados sobre reservas, produção e consumo mundial de gás natural no ano de 2002. Os dados indicam que as
reservas mundiais durariam cerca de sessenta anos, desconsideradas novas descobertas e mantida a produção nos patamares de 2002.
Uma visão das reservas mundiais e do consumo de gás natural em 2002 é apresentada nas Figuras 9.1 e 9.2, respectivamente.

(20) O termo associado é usado quando o gás natural é encontrado em reservatórios que contêm proporções significativas de petróleo

127
9 GÁS NATURAL

TABELA 9.1 Reservas, produção e consumo de gás natural no mundo em 2002

Reservas (R) Produção (P) Consumo R/P*


9
10 m 3
Participação 9
10 m 3
Participação 10 m 9 3
Participação Anos
no total no total no total

América do Norte 7.150 4,6% 766,00 30,3% 790,30 31,2% 9,33

América do Sul e Central 7.080 4,5% 103,00 4,1% 98,00 3,9% 68,74

Europa e antiga URSS 61.040 39,2% 988,10 39,1% 1.043,80 41,2% 61,78

Oriente Médio 56.060 36,0% 235,60 9,3% 205,70 8,1% 237,95

África 11.840 7,6% 133,20 5,3% 67,40 2,7% 88,89

Ásia (Pacífico) 12.610 8,1% 301,70 11,9% 330,30 13,0% 41,80

Total 155.780 100,0% 2.527,60 100,0% 2.535,50 100,0% 61,63

Brasil 230 0,1% 9,10 0,4% 13,70 0,5% 25,27


Fonte: BP STATISTICAL REVIEW OF WORLD ENERGY. London: BP, 2003. Disponível em: www.bp.com/worldenergy.
(*) Tempo que as reservas durariam, sem novas descobertas e com o nível de produção de 2002.

FIGURA 9.1 Reservas mundiais de gás natural – situação em 2002 (trilhões de m3)

Fonte: Elaborado com base em dados de BP STATISTICAL REVIEW OF WORLD ENERGY. London: BP, 2003. Disponível em: www.bp.com/worldenergy.

128
GÁS NATURAL
9

FIGURA 9.2 Consumo mundial de gás natural em 2002 (milhões de tEP)

Fonte: Elaborado com base em dados de BP STATISTICAL REVIEW OF WORLD ENERGY. London: BP, 2003. Disponível em: www.bp.com/worldenergy.

GERAÇÃO TERMELÉTRICA
Segundo a Agência Internacional de Energia (2003), a participação do
gás natural no consumo mundial de energia é atualmente da ordem de
16,3%, sendo responsável por cerca de 18,3% de toda a eletricidade
9.3. A GÁS NATURAL
gerada no mundo. A geração de energia elétrica a partir de gás natural é feita pela queima
do gás combustível em turbinas a gás, cujo desenvolvimento é relativa-
No Brasil, as reservas provadas são da ordem de 230 bilhões de m3, dos mente recente (após a Segunda Guerra Mundial). Junto ao setor elétri-
quais 48% estão localizados no Estado do Rio de Janeiro, 20% no Amazo- co, o uso mais generalizado dessa tecnologia tem ocorrido somente nos
nas, 9,6% na Bahia e 8% no Rio Grande do Norte. A produção é concen- últimos 15 ou 20 anos. Ainda assim, restrições de oferta de gás natural,
trada no Rio de Janeiro (44%), no Amazonas (18%) e na Bahia (13%) (ANP, o baixo rendimento térmico das turbinas e os custos de capital relativa-
2003). A participação do gás natural na matriz energética brasileira ainda é mente altos foram, durante muito tempo, as principais razões para o bai-
pouco expressiva, da ordem de 5,6% do consumo final (MME, 2003). xo grau de difusão dessa tecnologia no âmbito do setor elétrico.

129
9 GÁS NATURAL

Nos últimos anos, esse quadro tem-se modificado substancialmente, na mentos térmicos próximos de 60%. Estudos prospectivos indicam rendi-
medida em que o gás natural surge como uma das principais alternativas mentos de até 70%, num período relativamente curto (GREGORY; ROG-
de expansão da capacidade de geração de energia elétrica em vários paí- NER, 1998). Susta e Luby (1997) afirmam que eficiências dessa ordem
ses, inclusive no Brasil. Atualmente, as maiores turbinas a gás chegam a podem ser alcançadas em ciclos de potência que utilizem turbinas a gás
330 MW de potência e os rendimentos térmicos atingem 42%. Em 1999, operando com temperaturas máximas mais elevadas – da ordem de
os menores custos de capital foram inferiores a US$ 200 por kW instala- 1.600°C (atualmente, a temperatura máxima das turbinas atinge
do, em várias situações e faixas de potência (110-330 MW). 1.450°C). Uma alternativa é o uso da chamada combustão seqüencial, em
que há reaquecimento dos gases de exaustão.
Entre as vantagens adicionais da geração termelétrica a gás natural es-
tão o prazo relativamente curto de maturação do empreendimento e a Outros melhoramentos importantes são a redução das irreversibilida-
flexibilidade para o atendimento de cargas de ponta. Por outro lado, as des nas caldeiras de recuperação e a redução das perdas térmicas en-
turbinas a gás são máquinas extremamente sensíveis às condições climá- tre os dois ciclos (das turbinas a gás e a vapor). A redução das
ticas, principalmente em relação à temperatura ambiente, e apresentam irreversibilidades pode ser viabilizada com a geração de vapor em dife-
também alterações substanciais de rendimento térmico no caso de ope- rentes níveis de pressão. Sistemas de maior capacidade têm sido pro-
ração em cargas parciais. jetados para dois ou três níveis de pressão, com a possibilidade de
reaquecimento no nível de pressão intermediária. Já a redução das per-
Apesar dos ganhos alcançados no rendimento térmico das turbinas a das pode ser viabilizada com a diminuição da temperatura dos gases
gás operando em ciclo simples, seu desempenho tem sido prejudicado de exaustão (HORLOCK, 1995).
pela perda de energia nos gases de exaustão. Entre outras tecnologias
empregadas na recuperação dessa energia, destaca-se a de ciclo com-
binado, por meio da geração de vapor e da produção de potência adi-
CENTRAIS TERMELÉTRICAS
cional. Tem-se, assim, uma combinação dos ciclos de turbinas a gás e
turbinas a vapor, por meio de trocadores de calor, nos quais ocorre a
geração de vapor, aproveitando-se a energia dos gases de exaustão da
9.4. A GÁS NATURAL NO BRASIL
turbina a gás. Esse processo ainda pode ser melhorado com a queima Com o esgotamento dos melhores potenciais hidráulicos do país e a cons-
de combustível suplementar, principalmente quando há disponibilidade trução do gasoduto Bolívia – Brasil, o gás natural tornou-se uma alterna-
de combustíveis residuais. tiva importante para a necessária expansão da capacidade de geração de
energia elétrica. Nesse contexto, foi criado o Plano Prioritário de Termelé-
Conceitualmente, os ciclos combinados foram propostos nos anos 60, tricas (PPT), pelo Decreto n° 3.371 de 24 de fevereiro de 2000.
mas apenas nos anos 70 é que as primeiras unidades geradoras, de pe-
quena capacidade (a maioria na faixa de 15 MW a 20 MW), foram cons- Como indicado na Tabela 9.2, em setembro de 2003, havia 56 centrais
truídas e postas em operação. O rendimento térmico nominal das termelétricas a gás natural em operação no Brasil (Figura 9.3), perfazen-
primeiras unidades era apenas da ordem de 40%. Em virtude do aumen- do uma capacidade de geração de cerca de 5.581 MW. Muitas dessas usi-
to da oferta de gás natural e da redução de seus preços, além dos avan- nas estão sendo operadas e construídas (Tabela 9.3) para fim de
ços tecnológicos alcançados, os ciclos combinados têm-se tornado uma autoprodução, atendendo simultaneamente às suas necessidades de ca-
alternativa importante para a expansão da capacidade de geração de lor e potência elétrica (co-geração), como citado no Capítulo 2. A Figura
energia elétrica. 9.4 apresenta a localização dos projetos em construção e apenas outor-
gados, cuja construção não havia sido iniciada até setembro de 2003. A
Atualmente, os ciclos combinados são comercializados em uma ampla fai- localização dos gasodutos existentes, em construção e em análise é apre-
xa de capacidades, módulos de 2 MW até 800 MW, e apresentam rendi- sentada na Figura 9.5.

130
GÁS NATURAL
9

TABELA 9.2 Centrais termelétricas a gás natural em operação no Brasil em setembro de 2003
Nome Potência (kW) Destino Proprietário Município UF
da Usina da Energia
Alto do Rodrigues 11.800 APE Petróleo Brasileiro S/A Alto do Rodrigues RN
Araucária 484.500 PIE U.E.G. Araucária Ltda. Araucária PR
Atalaia 4.600 APE Petróleo Brasileiro S/A Aracaju SE
Bariri 445.500 PIE AES Termo Bariri Ltda. Bariri SP
Bayer 3.840 APE Bayer S/A São Paulo SP
Brahma 13.080 PIE Energyworks do Brasil Ltda. Rio de Janeiro RJ
Camaçari 144.000 SP Companhia Hidro Elétrica do São Francisco Dias d'Ávila BA
Camaçari (Fases I e II) 64.000 PIE FAFEN Energia S/A Camaçari BA
Campos (Roberto Silveira) 30.000 SP Furnas Centrais Elétricas S/A Campos dos Goytacazes RJ
Canoas (Fases I e II) 160.573 PIE Petróleo Brasileiro S/A Canoas RS
Carioca Shopping 3.200 APE-COM Administradora Carioca de Rio de Janeiro RJ
Shopping Centers S/C Ltda.
Casa de Geradores 9.000 PIE Empresa Brasileira de Aeronáutica S/A São José dos Campos SP
de Energia Elétrica F-242
Cesar Park Business Hotel/Globenergy 2.100 APE Inpar Construções e Empreendimentos Guarulhos SP
Imobiliários Ltda.
CINAL/TRIKEM 3.188 APE Trikem S/A Marechal Deodoro AL
Copene 250.400 PIE Petroquímica do Nordeste Camaçari BA
CTE II 235.200 APE-COM Companhia Siderúrgica Nacional Volta Redonda RJ
Eletrobolt 379.000 PIE Sociedade Fluminense de Energia Ltda. Seropédica RJ
Energy Works Kaiser Jacareí 8.592 PIE Energyworks do Brasil Ltda. Jacareí SP
Energy Works Kaiser Pacatuba 5.552 PIE Energyworks do Brasil Ltda. Pacatuba CE
Energy Works Rhodia Paulínia 10.000 PIE Energyworks do Brasil Ltda. Paulínia SP
Energy Works Rhodia Santo André 11.000 PIE Energyworks do Brasil Ltda. Santo André SP
EnergyWorks Corn Products Balsa 10.800 PIE Energyworks do Brasil Ltda. Balsa Nova PR
EnergyWorks Corn Products Mogi 21.400 PIE Energyworks do Brasil Ltda. Mogi Guaçu SP
Eucatex 9.800 PIE Eucatex S/A Indústria e Comércio Salto SP
Globo 5.160 APE-COM foglobo Comunicações Ltda. Duque de Caxias RJ
Ibirité 226.000 PIE Ibiritermo S/A Ibirité MG
Iguatemi Fortaleza 4.794 APE Condomínio Civil Shopping Center Iguatemi Fortaleza CE
IGW/Service Energy 2.825 APE Telecomunicações de São Paulo S/A São Paulo SP
Inapel 1.204 APE Inapel Embalagens Ltda. Guarulhos SP
Juiz de Fora 82.000 PIE Usina Termelétrica Juiz de Fora S/A Juiz de Fora MG
Latasa 5.088 APE-COM Nordeste S/A Cabo de Santo Agostinho PE
Latasa Jacareí 2.560 APE Latas de Alumínio S/A Pedregulho SP
Latasa Santa Cruz 2.240 APE Latas de Alumínio S/A Rio de Janeiro RJ
Macaé Merchant 922.615 PIE El Paso Rio Claro Ltda. Macaé RJ
Metalurgia Caraíba 18.000 APE Caraíba Metais S/A Dias d'Ávila BA

131
9 GÁS NATURAL

Centrais termelétricas a gás natural em operação no Brasil em setembro de 2003 (cont.)


Nome Potência (kW) Destino Proprietário Município UF

Millennium 4.781 APE Millennium Inorganic Chemicals do Brasil S/A Camaçari BA


Modular de Campo Grande 194.000 PIE Tractebel Energia S/A Campo Grande MS
(Willian Arjona)
Nitro Química 12.000 APE Companhia Nitro Química Brasileira São Paulo SP
Paraibuna 2.000 APE Indústria de Papéis Sudeste Ltda. Juiz de Fora MG
Petroflex 25.000 APE Petroflex Indústria e Comércio S/A Duque de Caxias RJ
Ponta do Costa 4.000 APE Refinaria Nacional de Sal S/A Cabo Frio RJ
PROJAC Central Globo de Produção 4.950 APE TV Globo Ltda. Rio de Janeiro RJ
Santa Cruz 600.000 SP Furnas Centrais Elétricas S/A Rio de Janeiro RJ
Souza Cruz Cachoeirinha 2.952 APE Souza Cruz S/A Cachoeirinha RS
Stepie Ulb 3.300 PIE Stepie Ulb S/A Canoas RS
Suape, CGDc, Koblitz Energia Ltda. 4.000 PIE Suape,CGDe,Koblitz Energia Ltda. Cabo de Santo Agostinho PE
Suzano 38.400 APE Companhia Suzano de Papel e Celulose Suzano SP
Termo Norte II 158.200 PIE Termo Norte Energia Ltda. Porto Velho RO
Termo Toalia 5.680 PIE Companhia de Tecidos Norte de Minas João Pessoa PB
Termocabo 48.000 PIE Termocabo Ltda. Cabo de Santo Agostinho PE
Termoceará 220.000 PIE Termoceará Ltda. Caucaia CE
UGPU (Messer) 7.700 PIE Sociedade Brasileira Arlíquido Ltda. Jundiaí SP
Unidade de Geração de Energia -Área II 6.000 APE Cooperativa dos produtores de Cana, Açúcar Limeira SP
e Álcool do Estado de São Paulo
Uruguaiana 639.900 PIE AES Uruguaiana Empreendimentos Ltda. Uruguaiana RS
Vitória Apart Hospital 2.100 APE Vitória Apart Hospital S/A Serra ES
Vulcabrás 4.980 APE-COM Vulcabrás do Nordeste S/A Horizonte CE

132
GÁS NATURAL
9

FIGURA 9.3 Localização das termelétricas a gás natural em operação no Brasil –


situação em setembro de 2003

Fonte: Elaborado com base em dados da AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL. Banco de Informações de Geração - BIG. 2003. Disponível em: www.aneel.gov.br/15.htm.

133
9 GÁS NATURAL

TABELA 9.3 Futuras centrais termelétricas a gás natural Brasil – situação em setembro de 2003
Nome Potência Destino Proprietário Município UF Situação
da Usina (kW) da Energia
Anhanguera 278.290 PIE Tractebel Energia S/A Limeira SP Apenas outorgada
Barreiro 12.900 PIE Central Termelétrica de Cogeração S/A Belo Horizonte MG Construção
Camaçari Ambev 5.256 PIE Companhia Brasileira de Bebidas Camaçari BA Construção
Capuava 271.830 PIE Capuava Cogeração Ltda. Santo André SP Apenas outorgada
Carioba II 1.111.120 PIE InterGen do Brasil Ltda. Americana SP Apenas outorgada
CCBS (Cubatão) 950.000 - Baixada Santista Energia Ltda. Cubatão SP Apenas outorgada
CEG 4.984 APE-COM Companhia Distribuidora de Gás do Rio de Janeiro Rio de Janeiro RJ Apenas outorgada
CENPES-Petrobrás 3.200 APE Centro de Pesquisas e Desenvolvimento Rio de Janeiro RJ Apenas outorgada
Contagem 19.299 APE Magnesita S/A Contagem MG Construção
Coteminas 99.732 PIE Companhia de Tecidos Norte de Minas São Gonçalo do Amarante PI Apenas outorgada
Cuiabá II 529.200 PIE Geração Centro Oeste Ltda. Cuiabá MT Apenas outorgada
DSG Mogi Mirim (Fases I e II) 890.800 PIE D.S.G. Mineração Ltda. Mogi-Mirim SP Apenas outorgada
Eletrobrás (Fases I e II) 500.000 PIE Centrais Elétricas Brasileiras S/A Macaé RJ Apenas outorgada
EnergyWorks Rhodia Ster 10.700 PIE Energyworks do Brasil Ltda. Santo André SP Apenas outorgada
Engevix - Blu 4 11.000 PIE Engevix Engenharia Ltda. Blumenau SC Apenas outorgada
Engevix - Brus 1 7.520 PIE Engevix Engenharia Ltda. Brusque SC Apenas outorgada
Engevix - Limei 1 6.000 PIE Engevix Engenharia Ltda. LImeira SP Apenas outorgada
Engevix - Pinhais 1 3.000 - - - - Apenas outorgada
Engevix-Blu 1 3.000 - - - - Apenas outorgada
Estância Ambev 4.680 - - - - Apenas outorgada
Fortaleza 346.630 PIE Central Geradora Termelétrica Fortaleza S/A Caucaia CE Construção
Iguatemi Bahia 8.310 APE Condomínio Shopping Center Iguatemi Bahia Salvador BA Construção
Jacareí 10.500 PIE Companhia Brasileira de Bebidas Jacareí SP Construção
Jaguariúna 7.902 PIE Companhia Brasileira de Bebidas Jaguariúna SP Construção
Juatuba 5.250 PIE Companhia Brasileira de Bebidas Juatuba MG Apenas outorgada
Klabin Piracicaba 15.045 APE Klabin S/A Piracicaba SP Apenas outorgada
Klotz Corumbá 176.000 PIE Alfred Klotz do Brasil Ltda. Corumbá MS Apenas outorgada
Mato Grosso do Sul Power (Fases I e II) 288.150 PIE El Paso Mato Grosso do Sul Ltda. Campo Grande MS Apenas outorgada
Norte Fluminense 860.200 PIE Usina Terméletrica Norte Fluminense S/A Macaé RJ Construção
Nova Piratininga (Fases I e II) 856.800 PIE Petróleo Brasileiro S/A São Paulo SP Construção
Paracambi (Cabiúnas) 511.200 PIE Usina Termelétrica Paracambi Ltda. Paracambi RJ Apenas outorgada
Paraíba 137.530 PIE Companhia Paraibana de Gás João Pessoa PB Apenas outorgada
Paraíba Ambev 5.256 PIE Companhia Brasileira de Bebidas João Pessoa PB Construção
Paulínia 552.500 PIE D.S.G. Mineração Ltda. Paulínia SP Apenas outorgada
Polibrasil Globenergy 23.080 APE Polibrasil Resinas S/A Mauá SP Apenas outorgada
Praia da Costa 3.646 APE Construtora Sá Cavalcanti Ltda. Vila Velha ES Apenas outorgada
Ribeirão Moinho 357.000 PIE Termo Elétrica Ribeirão Moinho Ltda. Andradina SP Apenas outorgada

134
GÁS NATURAL
9

Futuras centrais termelétricas a gás natural Brasil – situação em setembro de 2003 (cont.)

Nome Potência Destino Proprietário Município UF Situação


da Usina (kW) da Energia

Rio de Janeiro Refrescos Coca Cola 4.800 APE Rio de Janeiro Refrescos Ltda. Rio de Janeiro RJ Apenas outorgada
Riogen Fase I 531.800 PIE Rio de Janeiro Generation Ltda. Seropédica RJ Construção
S. A. V. - Unisinos 4.600 APE S.A.V - Unisinos São Leopoldo RS Apenas outorgada
Salinas Perynas 3.000 APE Companhia Salinas Perynas Cabo Frio RJ Apenas outorgada
Santa Branca 1.112.480 PIE Eletroger Ltda. Santa Branca SP Apenas outorgada
São Gonçalo 210.800 SP Furnas Centrais Elétricas S/A São Gonçalo RJ Construção
Shopping Taboão 3.646 APE TDS Centro Comercial Ltda. Taboão da Serra SP Apenas outorgada
Termoalagoas 143.176 PIE Usina Termoalagoas Ltda. Messias AL Apenas outorgada
Termobahia Fase I 255.000 PIE Termobahia Ltda. São Francisco do Conde BA Construção
Termopernambuco 637.500 PIE Termopernambuco S/A Ipojuca PE Construção
TermoRio 1.162.800 PIE TermoRio S/A. Duque de Caxias RJ Construção
Termosergipe (Fases I e II) 135.000 PIE Termosergipe S/A Carmópolis SE Apenas outorgada
Três Lagoas 465.800 PIE Petróleo Brasileiro S/A Três Lagoas MS Construção
Vale do Açú 347.400 PIE Termoaçu S/A Alto do Rodrigues RN Construção
Valparaíso 260.800 PIE Sociedade Valparaisense de Energia Ltda. Valparaíso SP Apenas outorgada
Viamão Ambev 4.680 APE Companhia Brasileira de Bebidas Viamão RS Apenas outorgada
Fonte: AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA – ANEEL. Banco de Informações de Geração – BIG. 2003. Disponível em: www.aneel.gov.br/15.htm.

135
9 GÁS NATURAL

FIGURA 9.4 Termelétricas a gás natural em construção e projetos apenas outorgados


(construção não-iniciada) no Brasil – situação em setembro de 2003

Fonte: Elaborado com base em dados de AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL. Banco de Informações de Geração - BIG. 2003. Disponível em: www.aneel.gov.br/15.htm.

136
GÁS NATURAL
9

FIGURA 9.5 Representação dos gasodutos existentes, em construção e em análise no Brasil

Fonte: Gasenergia. 2003. Disponível em: www.gasenergia.com.br/portal/port/barraservico/mapa/mapa.jsp. (adaptado)

137
9 GÁS NATURAL

9.5. IMPACTOS SOCIOAMBIENTAIS Segundo a referida fonte, a demanda média de água de uma central ter-
melétrica operando em ciclo a vapor simples é da ordem de 94 m3 por
MWh. No caso de ciclos combinados, o valor é de aproximadamente 40 m3
Apesar das vantagens relativas do gás natural, quando comparado ao pe- por MWh. Esses índices podem variar substancialmente, de acordo com
tróleo e ao carvão mineral, seu aproveitamento energético também pro- a configuração adotada. Em geral, os valores são mais baixos nos siste-
duz impactos indesejáveis ao meio ambiente, principalmente na geração mas de co-geração.
de energia elétrica. Um dos maiores problemas é a necessidade de um sis-
tema de resfriamento, cujo fluido refrigerante é normalmente a água. Em termos de poluição atmosférica, destacam-se as emissões de óxidos de
Nesse caso, mais de 90% do uso de água de uma central termelétrica nitrogênio (NOx), entre os quais o dióxido de nitrogênio (NO2) e o óxido
podem ser destinados ao sistema de resfriamento. Embora existam tecno- nitroso (N2O), que são formados pela combinação do nitrogênio com o
logias de redução da quantidade de água necessária e de mitigação de oxigênio. O NO2 é um dos principais componentes do chamado smog(21),
impactos, isso tem sido uma fonte de problemas ambientais, principal- com efeitos negativos sobre a vegetação e a saúde humana, principal-
mente em relação aos recursos hídricos, em função do volume de água mente quando combinado com outros gases, como o dióxido de enxofre
captada, das perdas por evaporação e do despejo de efluentes (BAJAY; (SO2). O N2O é um dos gases causadores do chamado efeito estufa e
WALTER; FERREIRA, 2000). também contribui para a redução da camada de ozônio (CASA, 2001).

(21) Mistura de fumaça (contendo vários poluentes) e de nevoeiro, que, sob determinadas condições atmosféricas, se forma sobre os grandes centros urbanos e industriais

138
OUTRAS FONTES 10
10.1. INFORMAÇÕES GERAIS
Neste capítulo conclui-se o exame, iniciado no Capítulo 3, das principais fontes energéticas para geração de energia elétrica no
País. As fontes tratadas a seguir possuem restrições que impedem um significativo aumento de sua participação no suprimento
de energia elétrica no Brasil. As restrições podem ser de ordem ambiental – no caso da nuclear – ou decorrentes da relação de
dependência dessas fontes com o setor da economia ao qual estão ligadas – no caso do aproveitamento de gás de alto forno de
siderúrgicas ou do gás de processo de indústrias químicas.

10.2. ENERGIA NUCLEAR


A energia nuclear ou nucleoelétrica é proveniente da fissão do urânio em reator nuclear. Apesar da complexidade de uma usina
nuclear, seu princípio de funcionamento é similar ao de uma termelétrica convencional, onde o calor gerado pela queima de um
combustível produz vapor, que aciona uma turbina, acoplada a um gerador de corrente elétrica (ver Figura 10.1). Na usina nuclear,
o calor é produzido pela fissão do urânio no reator, cujo sistema mais empregado (PWR – Pressurized Water Reactor) é constituído
por três circuitos, a saber: primário, secundário e de refrigeração. No primeiro, a água é aquecida a uma temperatura de aproxi-
madamente 320°C, sob uma pressão de 157 atmosferas. Em seguida, essa água passa por tubulações e vai até o gerador de vapor,
onde vaporiza a água do circuito secundário, sem que haja contato físico entre os dois circuitos. O vapor gerado aciona uma turbina,
que movimenta o gerador e produz corrente elétrica (ELETRONUCLEAR, 2001).

10.2.1. A ENERGIA NUCLEAR NO CONTEXTO DO SETOR ELÉTRICO INTERNACIONAL

Os choques internacionais do petróleo, nos anos 70, e a crise energética subseqüente levaram à busca de fontes alternativas de
geração de eletricidade. Nesse contexto, a energia nuclear passou a ser vista como a alternativa mais promissora, recebendo a
atenção de muitos analistas e empreendedores, assim como vultosos investimentos. Em pouco mais de duas décadas, passou de
uma participação desprezível (0,1%) para 17% da produção mundial de energia elétrica, ocupando assim o terceiro lugar entre as
fontes de geração(22) (ELETRONUCLEAR, 2001). A Tabela 10.1 apresenta a situação do consumo de energia nuclear no mundo.

(22) Nos países da OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico), a geração termonuclear
ocupa o segundo lugar entre as fontes, com 24% da produção, segundo dados de 1997 (Eletronuclear, 2001).

139
10 OUTRAS FONTES

TABELA 10.1 Consumo de energia nuclear FIGURA 10.1 Diagrama esquemático de


no mundo em 2002 uma usina termonuclear

Consumo
TWh Participação
no total

América do Norte 906,10 33,6%

América do Sul e Central 20,90 0,8%

Europa e antiga URSS 1.235,90 45,8%

Oriente Médio - 0,0%

África 12,60 0,5%

Ásia (Pacífico) 520,60 19,3%

Total 2.696,10 100,0%

Brasil 15,10 0,6%


Fonte: BP STATISTICAL REVIEW OF WORLD ENERGY. London: BP, 2003.
Disponível em: www.bp.com/worldenergy.

Não obstante, o futuro da energia nuclear não parece promissor, em


Fonte: ELETROBRAS TERMONUCLEAR - ELETRONUCLEAR. A Energia nuclear: história, princípios de
razão dos problemas de segurança e dos altos custos de disposição dos funcionamento. Rio de Janeiro. 2001. Disponível em:
www.eletronuclear.gov.br/funcionamento.htm.
rejeitos nucleares. Com exceção de poucos países, dentre os quais a
França e o Japão, a opinião pública internacional tem sido sistematica-
mente contrária à geração termonuclear de energia elétrica.
10.2.2. A ENERGIA NUCLEAR NO CONTEXTO DO
SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO
(23)
Além disso, a opção nuclear encontra restrições de ordem econômico-
financeira, como indicado na revista Energy Economist, em dezembro de
1999 (n° 218): “Seu problema é que no mundo liberalizado da eletrici- No final dos anos 1960, o Governo Brasileiro decidiu ingressar na ge-
dade, no qual são favorecidas as tecnologias de geração que viabilizam ração termonuclear, visando a conhecer melhor essa tecnologia e a
plantas de menor capacidade e de construção mais rápida e barata, os adquirir experiências para um futuro supostamente promissor da opção
reatores nucleares, em geral, não atendem a nenhuma dessas condições”. nuclear, a exemplo do que ocorria em vários outros países. Na época,
(BAJAY, WALTER, FERREIRA, 2000). cogitava-se a necessidade de complementação térmica para o suprimen-
to de eletricidade no Rio de Janeiro. Decidiu-se, então, que essa com-
A Figura 10.2 fornece uma visão da produção mundial de energia elétri- plementação ocorresse por meio da construção de uma usina nuclear
ca por usinas nucleares (milhões de tEP), tomando-se como base os (Angra I), com capacidade nominal da ordem de 600 MW, na cidade de
dados de 1998. Como já mencionado, destacam-se os Estados Unidos Angra dos Reis – RJ.
e a França, responsáveis por quase metade de toda a geração ter-
monuclear no mundo. Em seguida vêm o Japão, a Alemanha e a Rússia. A construção de Angra I (657 MW) teve início em 1972. A primeira
No Brasil, a energia nuclear representa apenas cerca 2,3% da capaci- reação nuclear em cadeia ocorreu em março de 1982 e a usina entrou
dade instalada e as expectativas para o futuro são pouco promissoras, em operação comercial em janeiro de 1985. Mas, logo após, inter-
como abordado no próximo item. rompeu suas atividades, voltando a funcionar somente em abril de

(23) O conteúdo deste item baseia-se no documento elaborado pelo conselho Nacional de Política
Energética (CNPE), intitulado O Setor Elétrico Brasileiro - Situação Atual e Perspectivas (CNPE, 2000).

140
10
OUTRAS FONTES

FIGURA 10.2 Produção mundial de energia elétrica por usinas nucleares em 1998 (milhões de tEP)

Fonte: Elaborado com base em dados de BP STATISTICAL REVIEW OF WORLD ENERGY. London: BP, 1999. Disponível em: www.bp.com/worldenergy.

1987, operando, porém, de modo intermitente, até dezembro de 10.2.3. RESERVAS, EXTRAÇÃO E BENEFICIAMENTO
1990 (nesse período, operou com 600 MW médios durante apenas 14 DE URÂNIO NO BRASIL
dias). Entre 1991 e 1994, as interrupções foram menores ou menos
freqüentes, mas somente a partir de 1995 a usina passou a ter ope- Com cerca de 30% do território prospectado, o Brasil possui atualmente
ração regular. a sexta maior reserva de urânio do mundo. As reservas nacionais são esti-
madas em 309.200 toneladas. Desse total, 46% estão localizados no
Em junho de 1975, foi assinado com a República Federal da Alemanha Município de Itatiaia, no Ceará, e 33%, no Estado da Bahia, nos municí-
o Acordo de Cooperação para o Uso Pacífico da Energia Nuclear. Em pios de Lagoa Real e Caetité, como indicado na Tabela 10.2.
julho do mesmo ano, foi feita a aquisição das usinas de Angra II e
Angra III, junto à empresa alemã Kraftwerk Union A.G. – KWU, sub- TABELA 10.2 Reservas de urânio no Brasil -
sidiária da Siemens. A construção de Angra II (1.309 MW) teve início situação em janeiro de 2001
em 1976 e a previsão inicial para a usina entrar em operação era
Depósitos Medidas Inferidas Total
1983. Em razão, porém, da falta de recursos, a construção ficou para-
e indicadas
lisada durante vários anos e a operação do reator ocorreu somente em
julho de 2000, com carga de 200 MW a 300 MW. Entre 20 de agos- Lagoa Real e Caetité (BA) 94.000 6.700 100.700
to e 3 de setembro daquele ano, a usina funcionou regularmente, Itatiaia (CE) 91.200 51.300 142.500
com 915 MW médios. A partir de então, operou de modo intermi-
Outros 39.500 26.500 66.000
tente até 9 de novembro, quando passou a funcionar com potência
de 1.365 MW médios. Total 224.700 84.500 309.200
Fonte: INDÚSTRIAS NUCLEARES BRASILEIRAS - INB. 2001. Rio de Janeiro. Disponível em: www.inb.gov.br.

141
10 OUTRAS FONTES

O urânio é um metal branco-níquel, pouco menos resistente que o aço,


FIGURA 10.3 Reservas nacionais de urânio, unidades de
encontrado nas rochas da crosta terrestre. Sua principal aplicação comercial extração, beneficiamento e produção de
é a geração de energia elétrica, como combustível para reatores nucleares elementos combustíveis e usina termonuclear
de potência. Para isso, passa por uma série de estágios e processos, dentre de Angra dos Reis
os quais a mineração, o beneficiamento e a produção do elemento com-
bustível, composto por pastilhas de dióxido de urânio (UO2) (INB, 2001).

O primeiro complexo mínero-industrial de urânio no Brasil foi instalado em


1982, no Município de Caldas, no sul de Minas Gerais (INB, 2001). Segundo
a referida fonte, desde o início de sua operação, a unidade de Caldas pro-
duziu cerca de 1.300 toneladas de concentrado de urânio (U3O8) – o sufi-
ciente para o suprimento de Angra I e de programas de desenvolvimento
tecnológico. Esgotada a capacidade de produção de Caldas, do ponto de
vista da viabilidade econômica, passou-se a explorar a unidade de Lagoa Real,
permanecendo em Caldas apenas o beneficiamento. A produção de elemen-
tos combustíveis é feita em Rezende-RJ, onde há duas unidades produtoras.

A Figura 10.3 apresenta a localização das principais reservas nacionais de


urânio, as unidades de extração, beneficiamento e produção de elemen-
tos combustíveis e as usinas termonucleares de Angra dos Reis, no Estado
do Rio de Janeiro.

10.2.4. ASPECTOS SOCIOAMBIENTAIS

Embora seja a terceira maior fonte geradora de eletricidade no mundo e


evite a emissão de consideráveis quantidades de dióxido de carbono e
outros poluentes, a energia nuclear tem sido vista mais como um perigo
de autodestruição do que uma fonte ilimitada de energia, como esperado
no início do seu desenvolvimento tecnológico. O impacto ambiental de
usinas termonucleares tem sido muito enfatizado nas últimas décadas,
Fonte: ELETROBRAS TERMONUCLEAR - ELETRONUCLEAR. A Energia nuclear: história, princípios de
sendo hoje preocupação de movimentos ambientalistas, tanto em termos funcionamento. Rio de Janeiro. 2001. Disponível em: ww.eletronuclear.gov.br/funcionamento.htm.
globais como regionais. Além de uma remota – mas não desprezível –
possibilidade de contaminação do solo, do ar e da água por radionu- insolação, estratificação e correntes locais, dos efeitos da descarga de águas
clídeos, o aquecimento das águas do corpo receptor pela descarga de de refrigeração. A Usina de Angra I, situada na praia de Itaorna, no municí-
efluentes também representa um risco para o ambiente local. pio de Angra dos Reis, descarrega cerca de 30 m3 /s de água utilizada para a
refrigeração do sistema de geração de energia elétrica no saco de Piraquara
As usinas termonucleares utilizam grandes quantidades de água em seu sis- de Fora, baía da Ilha Grande, no Estado do Rio de Janeiro.
tema de refrigeração, que funciona em paralelo com o circuito de água e
vapor para geração de energia elétrica. A separação desses sistemas impede Os perigos da autodestruição foram bem evidenciados em abril de 1986,
a contaminação dos efluentes por materiais radioativos em condições quando a explosão de um dos quatro reatores da usina nuclear de
rotineiras de funcionamento das usinas. Em regiões costeiras, onde as usinas Chernobyl, na Ucrânia, provocou o mais trágico acidente nuclear da história.
utilizam água do mar para refrigeração, o lançamento dessa água, combina- A nuvem radioativa atingiu proporções gigantescas, cobrindo grande parte
do com outros fatores, como a pluviosidade, a altura da termoclina, cor- do território europeu e atingindo milhões de pessoas. Os danos causados
rentes, marés e regime de ventos, tende a ocasionar alteração na temperatura pelo acidente foram incalculáveis e ainda hoje há sérias conseqüências, entre
natural do corpo receptor. Nesse caso, uma tarefa imprescindível é a sepa- as quais mutações genéticas provocadas pela emissão de material radioativo
ração dos efeitos naturais, como a influência de massas oceânicas de água, e contaminação do solo, da vegetação e de corpos d’água.

142
OUTRAS FONTES
10

EFLUENTE GASOSO, ENXOFRE, Além disso, são termelétricas com importante potencial para co-geração,
GÁS DE ALTO FORNO E
10.3. GÁS DE PROCESSO
como observado no Capítulo 2.

Constam, na Tabela 10.3, os 14 empreendimentos em operação no País


O aproveitamento dessas fontes para geração elétrica ocorre, em geral, que utilizam as referidas fontes, perfazendo 526,48 MW de capacidade
como uma destinação útil de subprodutos ou rejeitos de processos pro- instalada e, na Tabela 10.4, aqueles em construção ou apenas outorgados
dutivos energointensivos, representando um ganho de eficiência e/ou (construção não iniciada) que poderão contribuir com 19,82 MW. A Figura
uma forma de evitar a emissão de efluentes nocivos ao meio ambiente. 10.4 ilustra a distribuição desses empreendimentos no território nacional.

TABELA 10.3 Empreendimentos em operação no Brasil (Efluente Gasoso, Enxofre,


Gás de Alto Forno e Gás de Processo) -situação em setembro de 2003
Usina Potência (kW) Combustível Destino Proprietário Município – UF
da Energia
Açominas 66.340,00 Gás de Alto Forno APE Aço Minas Gerais S/A Congonhas – MG
Ipatinga 40.000,00 Gás de Alto Forno PIE Usina Térmica Ipatinga S/A Ipatinga - MG
Cosipar 4.000,00 Gás de Alto Forno APE Companhia Siderúrgica do Pará Marabá - PA
Brasil Verde 1.200,00 Gás de Alto Forno APE Brasil Verde Agroindústrias Ltda. Conceição do Pará - MG
Cosipa 27.000,00 Gás de Alto Forno APE Companhia Siderúrgica Paulista Cubatão - SP
Usiminas 18.000,00 Gás de Alto Forno APE Usinas Siderúrgicas de Minas Gerais S/A Ipatinga - MG
Negro de Fumo 24.400,00 Gás de Processo PIE Columbian Chemicals Brasil Ltda. Cubatão - SP
Copesul 74.400,00 Gás de Processo PIE Companhia Petroquímica do Sul Triunfo - RS
Fosfértil (Expansão do 24.400,00 Gás de Processo APE Fertilizantes Fosfatados S/A Uberaba - MG
Complexo Industrial Uberaba)
Elekeiroz 11.840,00 Enxofre APE Elekeiroz S/A Várzea Paulista - SP
Serrana 10.700,00 Enxofre APE Fertilizantes Serrana S/A Cajati - SP
Bunge Araxá 11.500,00 Enxofre APE Bunge Fertilizantes S/A Araxá - MG
Protótipo de Irati (Recap) 2.500,00 Efluente Gasoso APE Petróleo Brasileiro S/A São Mateus do Sul - PR
CST 210.200,00 Efluente Gasoso APE Companhia Siderúrgica de Tubarão Serra - ES
Fonte: AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA – ANEEL. Banco de Informações de Geração – BIG. 2003. Disponível em: www.aneel.gov.br/15.htm.

TABELA 10.4 Empreendimentos em construção ou apenas outorgados (Efluente Gasoso,


Enxofre, Gás de Alto Forno e Gás de Processo) - situação em setembro de 2003

Usina Potência (kW) Combustível Destino Proprietário Município – UF Situação


da Energia
Gabriel Passos 9.220,00 Gás de Processo PIE Refinaria Gabriel Passos - PETROBRÁS Betim - MG Construção
João Neiva 3.000,00 Gás de Alto Forno APE CBF Indústria de Gusa S/A João Neiva - ES Apenas outorgado
Mat-Prima 1.200,00 Gás de Alto Forno APE Mat-Prima Comércio de Metais Ltda. Divinópolis - MG Apenas outorgado
Pitangui 4.000,00 Gás de Alto Forno - Rio Rancho Agropecuária S/A Pitangui - MG Apenas outorgado
RVR 1.200,00 Gás de Alto Forno APE Siderurgia e Prudente de Apenas outorgado
Empreendimentos Florestais Ltda. Morais - MG
Siderpa 1.200,00 Gás de Alto Forno - Siderúrgica Paulino Ltda. Sete Lagoas- MG Apenas outorgado
Fonte: AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA – ANEEL. Banco de Informações de Geração – BIG. 2003. Disponível em: www.aneel.gov.br/15.htm.

143
10 OUTRAS FONTES

FIGURA 10.4 Termelétricas atuais e futuras (efluente gasoso, enxofre, gás de alto forno
e gás de processo) - situação em setembro de 2003

Fonte: Elaborado com base em dados da AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA – ANEEL. Banco de Informações de Geração – BIG. 2003. Disponível em: www.aneel.gov.br/15.htm.

144
ASPECTOS
SOCIOECONÔMICOS 11
11.1. INFORMAÇÕES GERAIS
O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil.
Contudo, é ainda muito deficitário em várias regiões, seja pela falta de acesso ou pela precariedade do atendimento. A grande
extensão do território nacional, a distribuição geográfica dos recursos e as peculiaridades regionais são importantes desafios ao pla-
nejamento da oferta e gerenciamento da demanda.

De uma análise detalhada da disponibilidade de recursos energéticos, tecnologias de aproveitamento, projetos em operação e
desenvolvimento e demandas setoriais de energia, resultam as políticas e as diretrizes nacionais do setor de eletricidade. Os três
primeiros itens dessa seqüência foram abordados anteriormente. Este capítulo é dedicado, portanto, ao consumo de energia elé-
trica e seus condicionantes socioeconômicos e demográficos.

11.2. INDICADORES DEMOGRÁFICOS E SOCIOECONÔMICOS


O Brasil possui extensão territorial de aproximadamente 8,5 milhões de km2 e população de 170 milhões de habitantes, o que sig-
nifica uma densidade demográfica de 20 habitantes por km2. Há, porém, forte concentração da população brasileira e de suas ati-
vidades socioeconômicas numa pequena proporção do território nacional. Com 11% do território brasileiro, a região Sudeste
concentra cerca de 43% da população e 56% em termos de compra. Por outro lado, a região Norte corresponde a 45% do ter-
ritório nacional, 8% da população brasileira e apenas 4,5% do poder de compra (ver Tabela 11.1). Verifica-se, ainda, que 28%
da população brasileira vive na região Nordeste, que tem apenas 14,4% do poder de compra.

As concentrações e desigualdades tornam-se ainda mais intensas quando se comparam unidades da Federação (Tabela 11.2). Os
Estados de São Paulo e Rio de Janeiro, com 3,4% do território nacional, concentram 30% da população do país e 45% do seu
poder de compra. Em termos de Produto Interno Bruto, observa-se que os índices per capita variam de R$ 1.402,00 (Maranhão)
a R$ 10.935,00 (Distrito Federal). O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) varia de 0,633 (Alagoas) a 0,844 (Distrito Federal).
A Figura 11.1 ilustra a situação do IDH no País.

145
11 ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS

A Figura 11.2 ilustra a ocupação do território brasileiro segundo o cen- Estados de São Paulo e Rio Grande do Sul, respectivamente.
so demográfico de 2000. De um modo geral, a maioria da população
brasileira se concentra numa faixa do território contígua ao litoral. Nas
regiões Norte e Centro-Oeste, observa-se uma concentração relativa- 11.2.1. ÍNDICES DE ATENDIMENTO
mente forte de pessoas apenas nas capitais dos estados.
A Figura 11.4 ilustra a taxa de eletrificação dos domicílios brasileiros, isto é, a
Também se observa forte tendência de formação de grandes centros ur- proporção de domicílios com energia elétrica, segundo informações do Cen-
banos, inclusive em regiões mais afastadas do litoral. Segundo o censo so Demográfico de 2000. Confrontando-se esse mapa com os anteriores, ve-
demográfico de 2000, dos 5.561 municípios existentes, 31 tinham mais rifica-se que há uma forte correlação entre a taxa de eletrificação residencial
de 500 mil habitantes, representando quase 28% da população brasilei- e os demais indicadores socioeconômicos. De modo geral, verificam-se me-
ra (Tabela 11.3). Mais de 50% dos brasileiros viviam em cidades com lhores índices nas regiões Sul, Sudeste e parte da região Centro-Oeste. Entre
população superior a cem mil habitantes. as regiões com baixos índices de eletrificação, destacam-se a do Alto Soli-
mões, no Amazonas, e grande parte do Estado do Pará, desde a fronteira
A Figura 11.3 ilustra a situação da renda per capita nacional. No interior com Mato Grosso até o Oceano Atlântico. Ainda na região Norte, observam-
do Nordeste, observam-se índices mais próximos da média nacional ape- se índices muito baixos na região central do Acre, no sudoeste do Amazonas
nas em algumas regiões da Bahia, dentre elas a Microrregião de Barrei- e leste do Tocantins. Na região Nordeste, verificam-se várias regiões com bai-
ras, no sudoeste do Estado. Nas regiões Sudeste e Sul, destacam-se os xos índices, entre elas grande parte do Maranhão, Piauí, Ceará e Bahia.

TABELA 11.1 Indicadores socioeconômicos e demográficos – Brasil e suas regiões

Unidade de Área População ** Densidade PIB Índice de Potencial


Federação (km2)* (hab/km2) per capita *** de Consumo (%) ****
Sul 576.410 25.107.616 43,56 7.692 17,33
Sudeste 924.511 72.412.411 78,33 8.774 55,83
Nordeste 1.554.257 47.741.711 30,72 3.014 14,39
Norte 3.853.327 12.900.704 3,35 3.907 4,52
Centro-Oeste 1.606.372 11.636.728 7,24 6.559 7,93
Brasil 8.514.877 169.799.170 19,94 6.473 100,00
(*) Fonte: INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Brasil em números. Rio de Janeiro, 2002.
(**) Resultados do universo. Fonte: INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Censo demográfico de 2000. Rio de Janeiro, 2002.
(***) Produto Interno Bruto per capita (R$/hab) em 2000. Contas Regionais do Brasil 1985-2000, microdados. Fonte: INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Brasil em números. Rio de Janeiro, 2002.
(****) Fonte: ATLAS do Mercado Brasileiro da Gazeta Mercantil. São Paulo: Gazeta Mercantil, 2002.

146
ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS

TABELA 11.2 Indicadores socioeconômicos e demográficos no Brasil


Unidade de Área População** Densidade PIB IDH ****
Federação (km2)* (hab/km2) per capita ***
Acre 152.581 557.526 3,65 3.037 0,692
Alagoas 27.767 2.822.621 101,65 2.485 0,633
Amapá 142.814 477.032 3,34 4.098 0,751
Amazonas 1.570.745 2.812.557 1,79 6.668 0,717
Bahia 564.692 13.070.250 23,15 3.680 0,693
Ceará 148.825 7.430.661 49,93 2.794 0,699
Distrito Federal 5.801 2.051.146 353,58 14.405 0,844
Espírito Santo 46.077 3.097.232 67,22 6.931 0,767
Goiás 340.086 5.003.228 14,71 4.316 0,77
Maranhão 331.983 5.651.475 17,02 1.627 0,647
Mato Grosso 903.357 2.504.353 2,77 5.342 0,767
Mato Grosso do Sul 357.124 2.078.001 5,82 5.697 0,769
Minas Gerais 586.528 17.891.494 30,50 5.925 0,766
Pará 1.247.689 6.192.307 4,96 3.041 0,72
Paraíba 56.439 3.443.825 61,02 2.681 0,678
Paraná 199.314 9.563.458 47,48 6.882 0,786
Pernambuco 98.311 7.918.344 80,54 3.673 0,692
Piauí 251.529 2.843.278 11,30 1.872 0,673
Rio de Janeiro 43.696 14.391.282 329,35 9.571 0,802
Rio G. do Norte 52.796 2.776.782 52,59 3.343 0,702
Rio Grande do Sul 281.748 10.187.798 36,16 8.341 0,809
Rondônia 237.576 1.379.787 5,81 4.065 0,729
Roraima 224.298 324.397 1,45 3.417 0,749
Santa Catarina 95.346 5.356.360 56,18 7.902 0,806
São Paulo 248.209 37.032.403 149,20 9.995 0,814
Sergipe 21.910 1.784.475 81,45 3.310 0,687
Tocantins 277.620 1.157.098 4,17 2.110 0,721
(*) Fonte: INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Brasil em números. Rio de Janeiro, 2002.
(**) Resultados do universo. Fonte: INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Censo demográfico de 2000. Rio de Janeiro, 2002.
(***) Produto Interno Bruto per capita (R$/hab) em 2000. Contas Regionais do Brasil 1985-2000, microdados. Fonte: INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Brasil em números. Rio de Janeiro, 2002.

(*****) Índice de Desenvolvimento Humano IDH-M.É obtido pela média aritmética simples de três índices, referentes às dimensões Longevidade (IDHM-Longevidade),
Educação (IDHM-Educação) e Renda (IDHM-Renda). Fonte: PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO – PNUD. Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil. 2002. Disponível em:
www.pnud.org.br/index.php?lay=inst&id=atla.

147
11 ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS

FIGURA 11.1 IDH 2000 (Elaborado por município)

Fonte: Elaborado com base em dados do PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO – PNUD. Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil. 2002. Disponível em:
www.pnud.org.br/index.php?lay=inst&id=atla.

148
ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS
11

FIGURA 11.2 Distribuição espacial da população brasileira (densidade demográfica – hab/km2)

Fonte: Elaborado com base em dados do INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Censo demográfico de 2000. Rio de Janeiro, 2002.

149
11 ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS

FIGURA 11.3 Renda per capita no Brasil (R$/hab)

Fonte: Elaborado com base em dados do PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO – PNUD. Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil. 2002. Disponível em:
www.pnud.org.br/index.php?lay=inst&id=atla.

150
ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS
11

FIGURA 11.4 Taxa de eletrificação domiciliar em 2000 (por municípios)

Fonte: Elaborado com base em dados do INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Censo demográfico de 2000. Rio de Janeiro, 2002.

151
11 ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS

TABELA 11.3 Distribuição dos municípios e da população brasileira segundo o tamanho das cidades

Unidades da Federação e População residente


classes de tamanho da população Número de
dos municípios (habitantes) municípios Total Urbana Rural
Brasil 5 561 169 799 170 137 953 959 31 845 211
Até 5 000 1 382 4 617 749 2 308 128 2 309 621
De 5 001 até 10 000 1 308 9 346 280 5 080 633 4 265 647
De 10 001 até 20 000 1 384 19 654 828 11 103 602 8 551 226
De 20 001 até 50 000 963 28 831 791 19 132 661 9 699 130
De 50 001 até 100 000 299 20 786 695 16 898 508 3 888 187
De 100 001 até 500 000 194 39 754 874 37 572 942 2 181 932
Mais de 500 000 31 46 806 953 45 857 485 949 468
Fonte: INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Censo demográfico de 2000. Rio de Janeiro, 2002.

O maior deficit de atendimento está na área rural, principalmente nas 11.2.2. CONSUMO DE ELETRICIDADE
regiões Norte e Nordeste (Figura 11.5), o que dificulta a contabilização POR REGIÃO E SETOR DE ATIVIDADE
do contingente de brasileiros que vivem sem o acesso à energia elétri-
ca. A situação da eletrificação na área urbana está ilustrada na Figura No Brasil, o consumo de eletricidade, que era cerca de 213 GWh em 1991,
11.6. A Tabela 11.4 apresenta a evolução da eletrificação domiciliar no chegou a quase 306 GWh em 2000, observando-se uma redução no ano
País, segundo dados dos censos. Para melhorar esse quadro, estão sen- seguinte para 282 GWh (próximo ao patamar de 97), em função de práti-
do implantadas políticas de universalização dos serviços de energia cas de racionalização de consumo durante e depois da ocorrência do ra-
elétrica, nos termos da Lei nº 10.438, de 26 de abril de 2002. cionamento em 2001. A Figura 11.10 ilustra a evolução do consumo nos
últimos anos. Em 2002 e 2003 o consumo atingiu cerca de 289 GWH e
Um indicador fortemente relacionado ao grau de desenvolvimento eco- 291 GWH, respectivamente, como pode ser observado na Tabela 11.5,
nômico de uma região e à taxa de eletrificação é a posse de eletrodomés- que permite ainda uma análise comparativa entre as classes de consumo
ticos. As Figuras 11.7 e 11.8, respectivamente, ilustram a quantidade de e entre as regiões do país. O consumo de energia elétrica para cada Estado
domicílios com televisão e geladeira. da Federação consta na Tabela 11.6.

O grau de difusão e intensidade da iluminação elétrica no Brasil é ilus- Em termos setoriais, destaca-se o setor industrial, responsável por 41,1% do
trado na Figura 11.9, por meio de imagens de satélite (vista noturna do consumo nacional em 2003 (Figura 11.11). Observa-se, porém, uma tendên-
continente sul-americano) produzidas pelo Instituto Nacional de Pesqui- cia de redução de sua participação, que era de 50,4% em 1991. O setor re-
sa Espacial (INPE). sidencial, aquele que mais contribuiu para a racionalização do consumo em
2001, é o segundo maior consumidor de energia elétrica no País.

152
ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS
11

FIGURA 11.5 Taxa de eletrificação domiciliar rural em 2000 (por Estados da Federação)

Fonte: Elaborado com base em dados do INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Censo demográfico de 2000. Rio de Janeiro, 2002.

153
11 ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS

FIGURA 11.6 Taxa de eletrificação domiciliar urbana em 2000 (por Estados da Federação)

Fonte: Elaborado com base em dados do INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Censo demográfico de 2000. Rio de Janeiro, 2002.

154
ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS
11

TABELA 11.4 Evolução de eletrificação domiciliar no Brasil

CENSO Condição do domicílio Domicílios População


Total Urbano Rural Total Urbano Rural
1950 Total 10.046.199 3.730.368 6.315.831 51.584.665 18.322.488 33.262.177
Com iluminação elétrica 2.466.898 2.237.710 229.188 12.718.063 11.469.007 1.249.056
Percentual de atendimento 24,6% 60,0% 3,6% 24,7% 62,6% 3,8%

1960 Total 13.497.823 6.350.126 7.147.697 69.222.849 30.594.387 38.628.462


Com iluminação elétrica 5.201.521 4.604.057 597.464 25.485.545 22.271.065 3.214.480
Percentual de atendimento 38,5% 72,5% 8,4% 36,8% 72,8% 8,3%

1970 Total 17.628.699 10.276.340 7.352.359 89.967.148 50.387.125 39.580.023


Com iluminação elétrica 8.383.994 7.768.721 615.273 41.131.060 37.783.389 3.347.671
Percentual de atendimento 47,6% 75,6% 8,4% 45,7% 75,0% 8,5%

1980 Total 25.210.639 17.770.981 7.439.658 117.348.286 79.317.752 38.030.534


Com iluminação elétrica 17.269.475 15.674.731 1.594.744 77.738.884 69.697.278 8.041.606
Percentual de atendimento 68,5% 88,2% 21,4% 66,2% 87,9% 21,1%

1991 Total 34.743.433 27.166.832 7.576.601 145.685.534 110.157.700 35.527.834


Com iluminação elétrica 30.180.139 26.435.326 3.744.813 123.720.313 106.979.253 16.741.060
Percentual de atendimento 86,9% 97,3% 49,4% 84,9% 97,1% 47,1%

2000 Total 44.721.434 37.363.856 7.357.579 168.292.527 137.072.327 31.220.199


Com iluminação elétrica 41.596.986 36.404.466 5.192.521 154.694.718 133.409.117 21.285.601
Percentual de atendimento 93,0% 97,4% 70,6% 91,9% 97,3% 68,2%

Fonte: INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Censo demográfico de 2000. Rio de Janeiro, 2002.

155
11 ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS

FIGURA 11.7 Proporção de domicílios com televisão em 2000 (por municípios)

Fonte: Elaborado com base em dados INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Censo demográfico de 2000. Rio de Janeiro, 2002.

156
ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS
11

FIGURA 11.8 Proporção de domicílios com geladeira em 2000 (por municípios)

Fonte: Elaborado com base em dados INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Censo demográfico de 2000. Rio de Janeiro, 2002.

157
11 ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS

FIGURA 11.9 Vista noturna do subcontinente sul-americano a partir de imagens de satélite

Fonte: INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISA ESPACIAL - INPE. 2000. Disponível em www.cptec.inpe.br. (adaptado).

158
ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS
11

FIGURA 11.10 Evolução do consumo de energia elétrica (GWh) no Brasil, segundo classes de consumo

Fonte: AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL. Superintendência de Estudos Econômicos do Mercado. 2004.

FIGURA 11.11 Evolução da participação (%) das classes de consumo de energia elétrica no País

Fonte: AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL. Superintendência de Estudos Econômicos do Mercado. 2004.

159
11 ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS

TABELA 11.5 Consumo de energia elétrica (GWh) segundo as classes de consumo – Brasil e regiões
2002 2003 2002 2003
Norte 16.910 18.040 Sudeste 157.261 154.114
Comercial 2.359 2.590 Comercial 26.223 27.265
Industrial 8.711 9.298 Industrial 70.117 63.027
Consumo próprio 74 96 Consumo próprio 1.344 1.183
Residencial 3.825 3.957 Residencial 39.940 41.967
Serviços públicos 442 447 Serviços públicos 6.487 6.642
Iluminação pública 475 508 Iluminação pública 4.650 4.937
Poderes públicos 820 899 Poderes públicos 3.894 4.159
Rural 203 243 Rural 4.607 4.934
Nordeste 47.073 49.896 Sul 51.380 51.566
Comercial 6.222 6.784 Comercial 7.589 7.922
Industrial 22.260 22.275 Industrial 21.454 21.127
Consumo próprio 166 189 Consumo próprio 713 465
Residencial 10.878 12.072 Residencial 12.798 13.001
Serviços públicos 1.923 2.047 Serviços públicos 1.309 1.347
Iluminação pública 1.902 2.061 Iluminação pública 1.810 1.825
Poderes públicos 1.594 1.810 Poderes públicos 1.164 1.203
Rural 2.128 2.659 Rural 4.544 4.679
Centro-Oeste 15.937 17.072 Brasil 288.562 290.690
Comercial 3.226 3.449 Comercial 45.616 48.010
Industrial 3.664 3.895 Industrial 126.205 119.621
Consumo próprio 30 30 Consumo próprio 2.327 1.964
Residencial 5.298 5.624 Residencial 72.738 76.620
Serviços públicos 696 717 Serviços públicos 10.856 11.199
Iluminação pública 899 1.001 Iluminação pública 9.737 10.332
Poderes públicos 805 879 Poderes públicos 8.277 8.950
Rural 1.321 1.478 Rural 12.804 13.994

Fonte: AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL. Superintendência de Estudos Econômicos do Mercado. 2004.

160
ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS
11

TABELA 11.6 Consumo de energia elétrica (GWh) por Estados da Federação


ESTADOS 2002 2003
Acre 375 378
Alagoas 1.749 1.957
Amapá 476 485
Amazonas 3.141 3.314
Bahia 8.799 9.403
Ceará 5.500 5.970
Distrito Federal 3.465 3.587
Espírito Santo 6.286 5.693
Goiás 6.436 7.036
Maranhão 8.441 8.077
Mato Grosso 3.308 3.665
Mato Grosso do Sul 2.729 2.784
Minas Gerais 36.098 33.857
Pará 10.658 11.440
Paraíba 2.545 2.793
Paraná 17.851 17.830
Pernambuco 14.135 15.255
Piauí 1.315 1.462
Rio de Janeiro 27.812 26.722
Rio Grande do Norte 2.684 2.944
Rio Grande do Sul 19.678 19.560
Rondônia 1.193 1.275
Roraima 345 354
Santa Catarina 13.825 14.178
São Paulo 87.065 87.847
Sergipe 1.907 2.036
Tocantins 720 794

Fonte: AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL. Superintendência de Estudos Econômicos do Mercado. 2004.

161
162
REFERÊNCIAS
BIBLIOGRÁFICAS

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ABDALAD, R. Perspectivas da geração termelétrica no Brasil e emissões de CO2. 2000. 130 f. Dissertação (Mestrado) - Coppe,
Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2000.

AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA (AIE). Coal Industry Advisory Board: CIAB. Disponível em: <www.iea-coal.org.uk>. Acesso
em: 10 mar. 2002.

_____. Energy technologies for the 21st Century. Paris, 1997. Disponível em: <www.iea.org/techno/index.htm>. Acesso em: 03
mar. 2004.

_____. Key world energy statistics: from the IEA. Paris, 2003.

_____. Nuclear power: sustainability, climate change and competition. Paris, 1998.

_____. World energy outlook 2000. Paris, 2000. 457 p.

AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS (Brasil) (ANA). HidroWeb : sistemas de informações hidrológicas. Disponível em:
<http://hidroweb.ana.gov.br/HidroWeb>. Acesso em: 31 maio 2003.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA (Brasil) (ANEEL). Banco de Informações de Geração: BIG. Disponível em:
<www.aneel.gov.br/15.htm>. Acesso em: 31 maio 2005.

_____. IASC 2003: índice ANEEL de satisfação do consumidor: resultados gerais. Brasília, 2003. Disponível em: <
http://www.aneel.gov.br/arquivos/PDF/RELATORIO_GERAL_IASC_2003_%20VGF.pdf >. Acesso em: 31 maio 2005.

_____. Principais realizações: 1998 - 2000. Brasília, 2000. 51 p.

_____. Superintendência de Concessão e Autorização de Transmissão e Distribuição (SCT). Aviso de instauração do processo adm-
nistrativo de regularização das CERs. Brasília, 2000.

163
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA (Brasil) (ANEEL); AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO (Brasil) (ANP). Perspectivas da termeletricidade no
Brasil: relatório técnico. Brasília, 2000.

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO (Brasil) (ANP). Anuário estatístico da indústria brasileira do petróleo e gás natural. Rio de Janeiro, 2003. Disponível
em: <www.anp.gov.br/conheca/apresenta.asp?id=1>. Acesso em: 31 maio 2005.

AMARANTE, O. A.. et al. Atlas do potencial eólico brasileiro . Brasília: MME; Rio de Janeiro: Eletrobrás, 2001. Disponível em:
<http://www.cresesb.cepel.br/atlas_eolico_brasil/atlas-web.htm>. Acesso em: 29 nov. 2003.

AMERICAN WIND ENERGY ASSOCIATION. Global wind energy market report. Washington, DC, 1999. Disponível em:
<http://www.awea.org/faq/global99.html>. Acesso em: 29 nov. 2003.

ANDREAZZI, M. A. R. Impactos de hidrelétricas para a saúde na Amazônia. Rio de Janeiro: UERJ, [ca. 1993]. (Série Estudos em Saúde Coletiva, n. 78).

ARAÚJO, M. S. M. Relatório de análise do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo: MDL: estudos de caso. Rio de Janeiro: COPPE, UFRJ, 2000. 122 p.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DISTRIBUIDORES DE ENERGIA ELÉTRICA (ABRADEE). Relacionamento cliente x concessionária: direitos e deveres. In:
SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA, 14., 2000, Foz do Iguaçu. Anais... Foz do Iguaçu: ABRADEE, 2000.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE REFRIGERAÇÃO, AR-CONDICIONADO, VENTILAÇÃO E AQUECIMENTO (ABRAVA). Portal Abrava. São Paulo, c2001.
Disponível em: <www.abrava.com.br>. Acesso em: 31 maio 2005.

ATLAS do Mercado Brasileiro. São Paulo: Gazeta Mercantil, n. 5, 2002.

ATLAS Solarimétrico do Brasil. Recife : Editora Universitária da UFPE, 2000.

BAJAY, S. V.; WALTER, A. C. S. Geração descentralizada de energia elétrica. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO SOBRE COGERAÇÃO DE ENERGIA NA
INDÚSTRIA, 1., 1989, Campinas. Anais... Campinas: Unicamp, 1989. p.19-42.

BAJAY, S. V.; WALTER, A. C. S.; FERREIRA, A. L. Integração entre as regulações técnico-eeconômica e ambiental do setor elétrico brasileiro: relatório
técnico - fase 5 : otimização das práticas de planejamento e dos procedimentos regulatórios envolvidos no dimensionamento; construção e operação
de usinas termelétricas. Campinas: UNICAMP, 2000.

BOYLE, G. (Ed.). Renewable energy: power for a sustainable future. Oxford: Oxford University Press, 1996.

BRASIL em números. Rio de Janeiro: IBGE, v. 10, 2002.

BRASIL. Lei nº 9.991, de 24 de julho de 2000. Dispõe sobre realização de investimentos em pesquisa e desenvolvimento e em eficiência energética por
parte das empresas concessionárias, permissionárias e autorizadas do setor de energia elétrica e dá outras providências. Diário Oficial [da] República
Federativa do Brasil, Brasília, DF, 25 jul. 2000. Seção 1, p. 1.

BRASIL. Lei nº 10.295, de 17 de outubro de 2001. Dispõe sobre política nacional de conservação e uso racional de energia. Diário Oficial [da] República
Federativa do Brasil, Brasília, DF, 18 out. 2001. Seção 1, p. 1.

BRASIL. Lei nº 10.438, de 26 de abril de 2002. Dispõe sobre a expansão da oferta de energia elétrica emergencial, recomposição tarifária extraordinária,

164
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

cria o Programa de Incentivo ás Fontes Alternativas de Energia Elétrica (PROINFA), a Conta de Desenvolvimento Energético (CDE), dispõe sobre a uni-
versalização do serviço público de energia elétrica e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 29 abr. 2002.
Seção 1, p. 2.

BRASIL. Ministério de Minas e Energia. Balanço energético nacional - BEN. Brasília: MME, 1982.

_____. Balanço energético nacional - BEN. Brasília: MME, 2003.

_____. Programa de Desenvolvimento Energético de Estados e Municípios - PRODEEM. Brasília: MME, 2003.

BRASIL. Presidência da República. Conselho Nacional de Política Energética. O setor elétrico brasileiro: situação atual e perspectivas. Brasília: MME,
2000.

CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS (Eletrobrás). Atuação SIPOT: estágio de desenvolvimento. Disponível em:
<www.eletrobras.gov.br/EM_Atuacao_SIPOT/estagioDesenvolvimento.asp>. Acesso em: 03 mar. 2004.

_____. Sistema de informação do potencial hidrelétrico brasileiro: SIPOT. Rio de Janeiro, 2003.

CENTRO Brasileiro de Energia Eólica - CBEE. Recife: UFPE, c1999. Disponível em: <www.eolica.com.br>. Acesso em: 31 maio 2000.

CENTRO de Referência em Pequenas Centrais Hidrelétricas - CERPCH. Itajubá: EFEI, [2000]. Disponível em: <www.cerpch.efei.br>. Acesso em: 31 maio
2005.

CENTRO DE REFERÊNCIA PARA A ENERGIA SOLAR E EÓLICA SÉRGIO DE SALVO BRITO (CRESESB). Manual de engenharia para sistemas fotovoltaicos.
Rio de Janeiro: CEPEL, 1999.

CENTRO de Referência para a Energia Solar e Eólica Sérgio de Salvo Brito: CRESESB. Disponível em: <www.cresesb.cepel.br>. Acesso em: 22 abr. 2000.

CENTRO NACIONAL DE REFERÊNCIA EM BIOMASSA (CENBIO). Levantamento do potencial real de excedentes de cogeração no setor sucro alcooleiro:
relatório técnico. Brasília: ANEEL, 2002.

CLEAN Air Strategic Alliance - CASA. Disponível em: <www.casahome.org>. Acesso em: 31 maio 2005.

COELHO, Suani Teixeira et. al. Panorama do potencial de biomassa no Brasil. Brasília: ANEEL, 2002. 75 p.

COLLE, Sérgio (Coord.). Atlas de irradiação solar do Brasil: 1ª versão para irradiação global derivada de satélite e validada na superfície. Brasília: INMET,
1998. 57 p.

CORTEZ, L. A. B.; BAJAY, S. V.; BRAUNBECK, O. Uso de resíduos agrícolas para fins energéticos: o caso da palha de cana-de-açúcar. Revista Brasileira
de Energia, Rio de Janeiro, v. 6, n. 1, p. 66-81, jan./ jun. 1999.

ELETROBRAS TERMONUCLEAR (Eletronuclear). A energia nuclear: história, princípios de funcionamento. Rio de Janeiro, 2001. Disponível em:
<www.eletronuclear.gov.br/funcionamento.htm>. Acesso em: 10 mar. 2002.

EMPRESA Metropolitana de Águas e Energia do Estado de São Paulo - EMAE. Disponível em: <www.emae.com.br>. Acesso em: 13 fev. 2001.

165
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

EUROPEAN WIND ENERGY ASSOCIATION (EWEA); GREENPEACE. Wind force 12: a blueprint to achieve 12% of the world's electricity from wind
power by 2020. London: EWEA, 2004. Disponível em: <http://www.ewea.org/documents/WF12-2004_eng.pdf>. Acesso em: 31 maio 2005.

EVERETT, B. Solar thermal energy. In: BOYLE, G. (Ed.). Renewable energy: power for a sustainable future. Oxford: Oxford University Press, 1996. cap.
2, p. 41-88.

FEITOSA, E. A. N. et al. Panorama do potencial eólico no Brasil. Brasília: ANEEL, 2003. 68 p.

FERRARI, E. L. Utilização de curvas de carga de consumidores residenciais: medidas para determinação de diversidade da carga e carregamento de
transformadores de distribuição. 1996. 140 f. Dissertação (Mestrado) - Escola Politécnica, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1996.

FERREIRA, A.; WALTER, C. S.; BAJAY, S. V. Otimização das práticas de planejamento e dos procedimentos regulatórios envolvidos no dimensiona-
mento, construção e operação de usinas termelétricas: relatório fase 5, convênio Agência Nacional de Energia Elétrica - FUNCAMP. Campinas: NIPE,
UNICAMP, 2000.

FREITAS, M. A. V.; DI LASCIO, M. A.; ROSA, L. P. Biomassa energética renovável para o desenvolvimento sustentável da Amazônia. Revista Brasileira
de Energia, Rio de Janeiro, v. 5, n. 1, p. 71-97, jan./jun. 1996.

FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS. Parque gerador. Disponível em: <http://www.furnas.com.br/portug/institucional/sistema.htm>. Acesso em: 31 maio
2005.

GASNET. O que é gás natural. [S. l.], c1999. Disponível em: <www.gasnet.com.br/menu/default.asp?sub=104#104>. Acesso em: 31 maio 2005.

GE POWER SYSTEMS. General information. Disponível em: <www.gepower.com/hydro>. Acesso em: 03 mar. 2004.

GREEN, M. A. et al. Solar cell efficiency tables: version 16. Progress in photovoltaics: research and applications, Sydney, v. 8, p. 377-384, 2000.

GREGORY, K.; ROGNER, H. H. Energy resources and conversion technologies for the 21st century. Mitigation and Adaptation Strategies for Global
Change, v. 3, n. 2-4, p. 171-229, 1998.

GRUBB, M. J; MEYER, N. I. Wind energy: resources, systems and regional strategies. In: JOHANSSON, T. B. et. al. Renewable energy: sources for fuels
and electricity. Washington, D.C.: Island Press, 1993. cap. 3.

GUSMÃO, M. V. N. et al. Sistemas piloto de eletrificação de localidades ribeirinhas da Amazônia com aproveitamento de energéticos locais. In:
SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA, 16., 2001, Campinas. Anais eletrônicos... [Campinas]: CTEEP; EPTE,
2001. 1 CD-ROM.

HALL, D. O.; HOUSE, J. I.; SCRASE, I. Overview of biomass energy. In: ROSILLO-CALLE, F.; BAJAY, S. V.; ROTHMAN, H. Industrial uses of biomass ener-
gy: the example of Brazil. London: Taylor & Francis, 2000. cap. 1.

HARDER, C. Serving maps on the internet. California: Environmental Systems Research Institute, 1998.

HORLOCK, J. H. Combined power plants: past, present and future. Journal of engineering for gas turbine and power, [New York], v. 117, p. 608-616,
1995.

166
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

INDÚSTRIAS Nucleares Brasileiras - INB. Disponível em: <www.inb.gov.br>. Acesso em: 20 ago. 2001.

INFORME Técnico. Rio de Janeiro: CRESESB, v. 2, n. 1, jun. 1996. Disponível em: <www.cresesb.cepel.br/Publicacoes/informe2.htm>. Acesso em: 31
maio 2005.

INFORME Técnico. Rio de Janeiro: CRESESB, v. 7, n. 7, maio 2002. Disponível em: <www.cresesb.cepel.br/Publicacoes/download/Info7_pag1-20.PDF>.
Acesso em: 31 maio 2005.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Base de informações municipais. Rio de Janeiro, 2000. 1 CD-ROM.

_____ . Censo agropecuário de 2000. Rio de Janeiro, 2002.

_____ . Censo demográfico de 2000: primeiros resultados das amostras. Rio de Janeiro, 2002. 2 v.

_____ . Contagem da população de 2000. Rio de Janeiro, 2002. 1 CD-ROM.

_____. Indicadores de desenvolvimento sustentável: Brasil 2002 . Rio de Janeiro, 2002.

_____ . Estrutura produtiva empresarial de 1994: resultado do censo cadastro. Rio de Janeiro, [ca. 1994]. 1 CD-ROM.

_____ . Malha municipal digital do Brasil. Rio de Janeiro, 2000.1 CD-ROM.

_____ .PPesquisa de orçamentos familiares: POF 1995-1996. Disponível em: <www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/condicaodevida/


pof/default.shtm>. Acesso em: 31 maio 2005.

INSTITUTO DE PESQUISAS APLICADAS (IPEA). A economia brasileira em perspectiva. Rio de Janeiro, 1998. 1 CD-ROM.

INSTITUTO Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE. Disponível em: <http://www.cptec.inpe.br>. Acesso em: 31 maio 2005.

INTERNATIONAL wind energy development: world market update: 1999. Ringkobing: BTM Consult, 2000.

ITAIPU Binacional. Disponível em: <http://www.itaipu.gov.br>. Acesso em: 20 maio 2001.

JOHN, Liana. Óleo de andiroba pode substituir diesel. O Estado de São Paulo, São Paulo, 16 maio 2000. Disponível em: <www.estadao.com.br/cien-
cia/noticias/2000/mai/16/40.htm>. Acesso em: 31 maio 2005.

KOMPAC. Grupo Kompac: energia e meio ambiente: tecnologias limpas para um mundo melhor. Disponível em: <http://www.kompac.com.br>.
Acesso em: 10 fev. 2001.

LA ROVERE, E. L.; MENDES, F. E. Complexo hidrelétrico de Tucuruí: estudo de caso preparado para a Comissão Mundial de Barragens. Rio de Janeiro:
Laboratório Interdisciplinar de Meio Ambiente, 2000.

LUENGO, C. A.; BEZZON, G. Energéticos derivados da biomassa. In: CORTEZ, L. A. B.; LORA, E. S. (Coord.). Tecnologias de conversão energética da
biomassa. Manaus: EDUA, EFEI, 1997. cap. 8.

167
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

MAGNOLI, D.; SCALZARETTO. R. Geografia, espaço, cultura e cidadania. São Paulo: Moderna, 1998. v. 1.

MAGUIRRE, D. J.; GOODCHILD, M. F.; RHIND, D. W. Geographical information systems: principles and applications. London: Longman, 1991.

MEMÓRIA DA ELETRICIDADE. Primeira turbina eólica de Fernando de Noronha. Rio de Janeiro, 2000.

MERCADO ATACADISTA DE ENERGIA (MAE). SINERCOM: Sistema de contabilização e liquidação. Rio de Janeiro, 2004.

NATIONAL AERONAUTICS AND SPACE ADMINISTRATION (EUA) (NASA). Astronomy picture of the day. Washington, DC, 2000. Disponível em:
<http://antwrp.gsfc.nasa.gov/apod/ap001127.html>. Acesso em: 31 maio 2005.

NATIONAL RENEWABLE ENERGY LABORARATORY (EUA) (NREL). Homepage. Disponível em: <http:www.nrel.gov>. Acesso em: 22 abr. 2000.

OPERADOR NACIONAL DOS SISTEMAS ELÉTRICOS (Brasil) (ONS). Mapas do Sistema Interligado Nacional: mapa Brasil, mapas regionais: horizonte
2006. [Rio de Janeiro], 2003. 1 CD-ROM.

_____. Sistema Interligado Nacional. Disponível em: <www.ons.org.br/ons/sin/index.htm>. Acesso em: 31 maio 2005.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Energy statistics yearbook. New York: United Nations, 1992.

PAFFENBARGER, J. Oil in power generation. Paris: IEA, OCDE, 1997.

PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO (PNUD). Atlas do desenvolvimento humano no Brasil. Disponível em:
<http://www.pnud.org.br/atlas/>. Acesso em: 03 mar. 2004.

RAMAGE, J. Hydroelectricity. In: BOYLE, G. (Ed.). Renewable energy: power for a sustainable future. Oxford: Oxford University Press, 1996. cap. 5, p.
183-226.

RAMAGE, J.; SCURLOCK, J. Biomass. In: BOYLE, G. (Ed.). Renewable energy: power for a sustainable future. Oxford: Oxford University Press, 1996.
cap. 4, p. 137-182.

RIBEIRO, C. M. et al. Tecnologia fotovoltaica: uma alternativa real para eletrificação rural no Brasil. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENERGIA, 8., 1999,
Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: COPPE, UFRJ, 1999. v. 3, p. 1501-1525.

RIBEIRO, S. K. et al. Transporte sustentável: alternativas para ônibus urbanos. Rio de Janeiro: COPPE, UFRJ, 2001.

ROSILLO-CALLE, F.; BAJAY, S. V.; ROTHMAN, H. Industrial uses of biomass energy: the example of Brazil. London: Taylor & Francis, 2000.

SANCHEZ, C. G.; LORA E. S.; GÓMEZ, E. O. Gaseificação. In: CORTEZ, L. A. B.; LORA, E. S. (Coord.). Tecnologias de conversão energética da bio-
massa. Manaus: EDUA, EFEI, 1997. cap. 1.

STATISTICAL review of world energy. London: BP, 1999. Disponível em: <www.bp.com/worldenergy>. Acesso em: 03 mar. 2004.

STATISTICAL review of world energy. London: BP, 2003. Disponível em: <www.bp.com/worldenergy>. Acesso em: 03 mar. 2004.

168
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

SUSTA, M. R.; LUBY, P. Combined cycle power plant efficiency: a prognostic extrapolation. Modern Power System, Dartford, p. 21-24, apr. 1997.

TAYLOR, D. Wind energy. In: BOYLE, G. (Ed.). Renewable energy: power for a sustainable future. Oxford: Oxford University Press, 1996. cap. 7, p. 267-
314.

THE INTERNATIONAL JOURNAL ON HYDROPOWER & DAMS. World Atlas & Industry Guide: 2000. [Surrey]: Hydropower & Dams, 2000. 288 p.

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO (USP). Instituto de Eletrotécnica e Energia (IEE). Formação técnica. São Paulo: USP, 2000.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA (UFSC). Laboratório de Energia Solar. Labsolar. Disponível em: <http://www.labsolar.ufsc.br>. Acesso
em: 13 mar. 2000.

VIANELLO, R. L.; ALVES, A. R. Meteorologia básica e aplicações. Viçosa: Universidade Federal de Viçosa, 1991.

WALTER, A. C. S.; NOGUEIRA, L. A. H. Produção de eletricidade a partir da biomassa. In: CORTEZ, L. A. B.; LORA, E. S. (Coord.). Tecnologias de con-
versão energética da biomassa. Manaus: EDUA, EFEI, 1997. cap. 11.

WIND directions. [London]: EWEA, v. 20, may 2000.

WINDPOWER monthly news magazine. [Knebel]: Windpower Monthly, v. 16, 2000.

WINDPOWER monthly news magazine. [Knebel]: Windpower Monthly, v. 19, 2003.

WOBBEN WINDPOWER. Usinas. Sorocaba, c2003. Disponível em: <http://www.wobben.com.br/usinas.htm>. Acesso em: 31 maio 2005.

169
170
ANEXOS

ANEXO 1 Centrais elétricas em operação nos sistemas isolados – situação em outubro de 2003

Usina Município UF Potência (kW) Proprietário Serviço Tipo de Central Fonte


Abunã Porto Velho RO 280,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Afuá Afuá PA 720,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Água Fria Uiramutã RR 48,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Alenquer Alenquer PA 4.190,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Almeirim Almeirim PA 2.200,80 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Alta Floresta Alta Floresta d´Oeste RO 4.400,00 Eletricidade de Rondônia Ltda. SP PCH Hidráulica
Alto Jatapu São João da Baliza RR 5.000,00 Companhia Energética de Roraima SP PCH Hidráulica
Altoé II Cerejeiras RO 1.103,00 Hidroelétrica Altoé Ltda. PIE PCH Hidráulica
Alvarães Alvarães AM 988,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Alvorada d´Oeste Alvorada d´Oeste RO 5.448,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Amaturá Amaturá AM 1.218,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Anajás Anajás PA 960,00 Centrais Elétricas do Pará S/A. SP UTE Óleo Diesel
Anamã Anamã AM 807,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Anori Anori AM 1.566,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Aparecida (UTM I) Manaus AM 130.540,00 Manaus Energia S/A. SP UTE Óleo Diesel
Apuí Apuí AM 2.862,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Araçá Normandia RR 32,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Arara Caapiranga AM 92,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Araras Guajará-Mirim RO 183,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Araras - RO Nova Mamoré RO 20,48 Fundação de Amparo à Pesquisa e Extensão Universitária PIE Solar Solar
Assis Brasil Assis Brasil AC 596,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Atalaia do Norte Atalaia do Norte AM 1.220,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Autazes Autazes AM 3.400,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Aveiro Aveiro PA 580,00 Centrais Elétricas do Pará S/A. SP UTE Óleo Diesel
Axinim Borba AM 80,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel

171
ANEXO 1

Centrais elétricas em operação nos sistemas isolados – situação em outubro de 2003 (cont.)
Usina Município UF Potência (kW) Proprietário Serviço Tipo de Central Fonte
Bagre Bagre PA 960,00 Centrais Elétricas do Pará S/A. SP UTE Óleo Diesel
Balbina Presidente Figueiredo AM 250.000,00 Manaus Energia S/A. SP UHE Hidráulica
Bannach Bannach PA 440,00 Centrais Elétricas do Pará S/A. SP UTE Óleo Diesel
Barcelos Barcelos AM 1.794,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Barreira do Campo Barreira do Campo PA 550,40 Centrais Elétricas do Pará S/A. SP UTE Óleo Diesel
Barreirinha Barreirinha AM 2.016,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Barro Vermelho Rio Branco AC 49.600,00 Centrais Elétricas do Norte do Brasil S/A. SP UTE Óleo Diesel
Batavo Balsas MA 872,00 Companhia Energética do Maranhão SP UTE Óleo Diesel
Bela Vista do São Domingos Costa Marques RO 568,00 Centrais Elétricas de Rondônia S/A. SP UTE Óleo Diesel
Belém do Solimões Tabatinga AM 224,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Benjamin Constant Benjamin Constant AM 3.993,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Beruri Beruri AM 928,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Boa Esperança Presidente Médici RO 260,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Boa Vista do Ramos Boa Vista do Ramos AM 1.674,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Boca do Acre Boca do Acre AM 3.710,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Borba Borba AM 6.810,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Brasiléia Brasiléia AC 5.821,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Brasnorte Brasnorte MT 4.653,60 Centrais Elétricas Matogrossenses S/A. SP UTE Óleo Diesel
Breves II Breves PA 5.025,60 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Buritis/Fernandes Rivero Buritis RO 4.324,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Caapiranga Caapiranga AM 842,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Cabixi Vilhena RO 2.700,00 Cassol Indústria e Comércio de Madeiras Ltda. APE PCH Hidráulica
Cabixi II Comodoro MT 2.800,00 Cassol Indústria e Comércio de Madeiras Ltda. PIE PCH Hidráulica
Cabo Sobral Amajari RR 24,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Cabury (Vila Cabory) Parintins AM 196,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Cachoeira Vilhena RO 10.000,00 Eletrogoes S/A. SP PCH Hidráulica
Cadam Almeirim PA 20.100,00 Caulim da Amazônia S/A APE UTE Óleo Combustível
Calama Porto Velho RO 472,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Calçoene Calçoene AP 1.296,00 Companhia de Eletricidade do Amapá SP UTE Óleo Diesel
Cametá Barreirinha AM 298,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Campinas Manacapuru AM 146,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Campo Novo de Rondônia Campo Novo RO 692,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
de Rondônia
Campos Novos Mucajaí RR 57,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Canabrava do Norte Canabrava do Norte MT 704,00 Centrais Elétricas Matogrossenses S/A. SP UTE Óleo Diesel
Canarana Canarana MT 6.748,00 Centrais Elétricas Matogrossenses S/A. SP UTE Óleo Diesel
Canauanim Cantá RR 10,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Canutama Canutama AM 1.550,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Capixaba Capixaba AC 532,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Caracaraí Caracaraí RR 6.072,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Carauari Carauari AM 4.976,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Careiro da Várzea Careiro da Várzea AM 928,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Castaman I (Enganado) Colorado do Oeste RO 1.844,00 Adelino Castaman e Filhos Ltda. APE PCH Hidráulica
Castaman III Colorado do Oeste RO 1.480,00 Castaman Centrais Elétricas Ltda. APE PCH Hidráulica

172
ANEXO 1

Centrais elétricas em operação nos sistemas isolados – situação em outubro de 2003 (cont.)
Usina Município UF Potência (kW) Proprietário Serviço Tipo de Central Fonte
Castanho Careiro AM 2.324,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Castelo dos Sonhos Altamira PA 1.200,00 Centrais Elétricas do Pará S/A. SP UTE Óleo Diesel
Caviana Manacapuru AM 200,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Centro (Boa Vista) Boa Vista RR 18.800,00 Boa Vista Energia S/A SP UTE Óleo Diesel
Chaves Chaves PA 620,00 Centrais Elétricas do Pará S/A. SP UTE Óleo Diesel
Chupinguaia Vilhena RO 831,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Coaracy Nunes Ferreira Gomes/Macapá AP 67.982,00 Centrais Elétricas do Norte do Brasil S/A. SP UHE Hidráulica
Coari Coari AM 8.631,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Codajás Codajás AM 3.636,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Colniza Cuiabá MT 3.336,00 Centrais Elétricas Matogrossenses S/A. SP UTE Óleo Diesel
Colorado do Oeste Colorado do Oeste RO 9.200,00 Centrais Elétricas de Rondônia S/A. SP UTE Óleo Diesel
Comodoro Comodoro MT 3.425,00 Centrais Elétricas Matogrossenses S/A. SP UTE Óleo Diesel
Conceição da Galera Porto Velho RO 51,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Confresa Confresa MT 1.824,00 Centrais Elétricas Matogrossenses S/A. SP UTE Óleo Diesel
Contão Pacaraima RR 80,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Coprodia Campo Novo MT 6.000,00 Cooperativa Agrícola de Produtores de APE UTE Biomassa
do Parecis Cana de Campo Novo do Parecis Ltda.
Costa Marques Costa Marques RO 1.661,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Cotriguaçu Cotriguaçu MT 1.744,00 Centrais Elétricas Matogrossenses S/A. SP UTE Óleo Diesel
Cruzeiro do Sul Cruzeiro do Sul AC 12.480,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Cucuí São Gabriel AM 360,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
da Cachoeira
Cuiabá Cuiabá MT 529.200,00 Empresa Produtora de Energia PIE UTE Óleo Diesel
Cujubim Cujubim RO 1.111,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Curralinho Curralinho PA 827,20 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Curuá Curuá PA 700,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Demarcação Porto Velho RO 120,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Egídio Juruena MT 2.125,00 Serraria Egídio Ltda. APE-COM UTE Biomassa
Eirunepé Eirunepé AM 5.400,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
El Paso A Manaus AM 50.400,00 El Paso Amazonas Energia S/A. PIE UTE Óleo Diesel
El Paso B Manaus AM 120.000,00 El Paso Amazonas Energia S/A. PIE UTE Óleo Diesel
El Paso D Manaus AM 121.000,00 El Paso Amazonas Energia S/A. PIE UTE Óleo Diesel
Electron (TG) Manaus AM 120.000,00 Centrais Elétricas do Norte do Brasil S/A. SP UTE Óleo Diesel
Engenheiro Darlan Vono Machadinho d´Oeste RO 264,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Envira Envira AM 1.472,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Eólica Fernando de Noronha PE 75,00 Companhia Energética de Pernambuco SP Eólica Eólica
Equador Rorainópolis RR 108,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Estirão do Equador Atalaia do Norte AM 432,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Faro Faro PA 672,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Feijó Feijó AC 1.938,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Feijoal Benjamin Constant AM 180,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Félix Pinto Cantá RR 600,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Fernando de Noronha Fernando de Noronha PE 275,00 CBEE Eólica PIE Eólica Eólica
Fonte Boa Fonte Boa AM 1.468,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel

173
ANEXO 1

Centrais elétricas em operação nos sistemas isolados – situação em outubro de 2003 (cont.)
Usina Município UF Potência (kW) Proprietário Serviço Tipo de Central Fonte
Fortaleza do Abunã Porto Velho RO 333,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Gameleira Confresa MT 2.032,00 Destilaria Gameleira S/A. APE UTE Biomassa
Gaúcha do Norte Gaúcha do Norte MT 1.288,00 Centrais Elétricas Matogrossenses S/A.. SP UTE Óleo Diesel
Guajará Guajará AM 580,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Guajará-Mirim Guajará-Mirim RO 13.314,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Gurupá Gurupá PA 1.675,20 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Hermasa Itacoatiara AM 7.590,00 Hermasa Navegação da Amazônia S/A. APE UTE Óleo Diesel
Humaitá Humaitá AM 9.100,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Iauaretê São Gabriel AM 807,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
da Cachoeira
Ilha Grande Camamu BA 1.577,00 COELBA SP UTE Óleo Diesel
Ipiranga Santo Antônio do Içá AM 288,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Ipixuna Ipixuna AM 1.178,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Iranduba Iranduba AM 9.800,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Isidrolândia Alta Floresta d´Oeste RO 216,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Itacoatiara Itacoatiara AM 9.000,00 BK Energia Itacoatiara Ltda. PIE UTE Biomassa
Itacoatiara Itacoatiara AM 11.840,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Itamarati Itamarati AM 780,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Itapeaçu Urucurituba AM 288,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Itapiranga Itapiranga AM 1.208,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Jacamim Bonfim RR 10,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Jacaré Manacapuru AM 67,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Jacareacanga Jacareacanga PA 960,00 Centrais Elétricas do Pará S/A. SP UTE Óleo Diesel
Jaci-Paraná Porto Velho RO 560,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Japurá Japurá AM 128,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Jari Celulose Almeirim PA 55.000,00 Jari Celulose S/A. PIE UTE Biomassa
Jordão Jordão AC 150,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Juara Juara MT 12.724,00 Centrais Elétricas Matogrossenses S/A. SP UTE Óleo Diesel
Juína Juína MT 13.952,00 Centrais Elétricas Matogrossenses S/A. SP UTE Óleo Diesel
Jundiá Rorainópolis RR 400,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Juruá Juruá AM 900,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Juruena Juruena MT 4.300,80 Centrais Elétricas Matogrossenses S/A. SP UTE Óleo Diesel
Juruti Juruti PA 1.675,20 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Jutaí Jutaí AM 1.214,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Lábrea Lábrea AM 5.790,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Lago Grande Caracaraí RR 24,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Laranjal do Jari Laranjal do Jari AP 6.400,00 Companhia de Eletricidade do Amapá SP UTE Óleo Diesel
Limoeiro Japurá AM 547,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Lourenço Calçoene AP 720,00 Companhia de Eletricidade do Amapá SP UTE Óleo Diesel
Luciara Luciára MT 1.057,60 Centrais Elétricas Matogrossenses S/A. SP UTE Óleo Diesel
Machadinho Machadinho d´Oeste RO 3.257,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Maici Porto Velho RO 51,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Maloca Araçá do Amajari Amajari RR 24,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Maloca Araçá do Uiramutã Uiramutã RR 10,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel

174
ANEXO 1

Centrais elétricas em operação nos sistemas isolados – situação em outubro de 2003 (cont.)
Usina Município UF Potência (kW) Proprietário Serviço Tipo de Central Fonte
Maloca Boca da Mata Pacaraima RR 48,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Maloca da Bala Normandia RR 6,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Maloca da Raposa Normandia RR 56,80 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Maloca do Manoá Bonfim RR 10,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Maloca Flexal Normandia RR 24,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Maloca Guariba Normandia RR 24,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Maloca Malacacheta Cantá RR 65,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Maloca Moscow Bonfim RR 4,80 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Maloca Santa Rosa Pacaraima RR 24,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Maloca São Marcos Boa Vista RR 10,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Maloca Trairão Amajari RR 320,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Maloca Três Corações Amajari RR 320,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Maloca Vista Alegre Boa Vista RR 24,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Manacapuru Manacapuru AM 15.520,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Manaquiri Manaquiri AM 1.094,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Manicoré Manicoré AM 3.886,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Manoel Urbano Manoel Urbano AC 448,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Maraã Maraã AM 930,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Maracanã Normandia RR 56,80 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Marechal Thaumaturgo Marechal Thaumaturgo AC 342,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Mauá (UTM-II) Manaus AM 137.220,00 Manaus Energia S/A. SP UTE Óleo Diesel
Maués Maués AM 5.199,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Melgaço Melgaço PA 624,00 Centrais Elétricas do Pará S/A. SP UTE Óleo Diesel
Mocambo Parintins AM 288,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Monte Alegre Monte Alegre PA 4.188,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Monte Belo Alta Floresta d´Oeste RO 4.000,00 Centrais Elétricas Cassol Ltda. PIE PCH Hidráulica
Monte Dourado Almeirim PA 5.730,00 Jari Celulose S/A. PIE UTE Óleo Diesel
Muaná Muaná PA 1.163,20 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Munguba Almeirim PA 8.752,00 Jari Celulose S/A. PIE UTE Óleo Diesel
Murituba Codajás AM 80,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Mutum Uiramutã RR 72,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Mutum Paraná Porto Velho RO 144,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Napoleão Normandia RR 72,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Nazaré Porto Velho RO 80,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Nhamundá Nhamundá AM 1.550,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Normandia Normandia RR 920,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Nova Bandeirantes Nova Bandeirantes MT 1.177,60 Centrais Elétricas Matogrossenses S/A. SP UTE Óleo Diesel
Nova Brasilândia d´Oeste Nova Brasilândia RO 2.838,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
d´Oeste
Nova Califórnia Guajará-Mirim RO 692,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Nova Conquista Vilhena RO 144,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Nova Esperança Bonfim RR 32,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Nova Esperança do Piriá Nova Esperança do Piriá PA 960,00 Centrais Elétricas do Pará S/A. SP UTE Óleo Diesel
Nova Maringá Nova Maringá MT 1.320,00 Centrais Elétricas Matogrossenses S/A. SP UTE Óleo Diesel

175
ANEXO 1

Centrais elétricas em operação nos sistemas isolados – situação em outubro de 2003 (cont.)

Usina Município UF Potência (kW) Proprietário Destino da energia Tipo de Central Fonte
Nova Monte Verde Nova Monte Verde MT 1.933,60 Centrais Elétricas Matogrossenses S/A. SP UTE Óleo Diesel
Nova Olinda do Norte Nova Olinda do Norte AM 2.776,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Novo Airão Novo Airão AM 1.428,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Novo Aripuanã Novo Aripuanã AM 2.416,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Novo Céu Autazes AM 170,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Novo Progresso Novo Progresso PA 3.970,00 Centrais Elétricas do Pará S/A. SP UTE Óleo Diesel
Novo Remanso Itacoatiara AM 832,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Novo Santo Antônio Novo Santo Antônio MT 516,00 Centrais Elétricas Matogrossenses S/A. SP UTE Óleo Diesel
Óbidos Óbidos PA 4.377,60 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Oeiras do Pará Oeiras do Pará PA 1.008,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Oiapoque Oiapoque AP 3.000,00 Companhia de Eletricidade do Amapá SP UTE Óleo Diesel
Olho d´Água Normandia RR 24,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Oriximiná Oriximiná PA 5.025,60 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Pacaraima Pacaraima RR 1.240,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Pacarana Espigão d´Oeste RO 344,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Palmeiras Atalaia do Norte AM 432,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Panacarica Caracaraí RR 24,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Paredão Alto Alegre RR 32,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Parintins Parintins AM 16.798,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Passarão Boa Vista RR 652,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Pauini Pauini AM 1.150,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Pedras Barreirinha AM 180,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Pedras Negras Costa Marques RO 120,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Petrolina do Norte Caracaraí RR 65,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Pimenta Bueno Pimenta Bueno RO 4.500,00 ROVEMA Veículos e Máquinas Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Pimenta Bueno Pimenta Bueno RO 10.800,00 Centrais Elétricas de Rondônia S/A. SP UTE Óleo Diesel
Pitinga Presidente Figueiredo AM 24.960,00 Mineração Taboca S/A. APE PCH Hidráulica
Pium Bonfim RR 10,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Ponta de Pedras Ponta de Pedras PA 1.499,20 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Portel Portel PA 2.512,80 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Porto Alegre do Norte Porto Alegre do Norte MT 1.982,00 Centrais Elétricas Matogrossenses S/A. SP UTE Óleo Diesel
Porto de Moz Porto de Moz PA 1.008,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Porto Murtinho Porto Murtinho MS 4.500,00 ENERSUL SP UTE Óleo Diesel
Porto Murtinho Costa Marques RO 51,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Porto Walter Porto Walter AC 509,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Pracuúba Pracuúba AP 400,00 Companhia de Eletricidade do Amapá SP UTE Óleo Diesel
Prainha Prainha PA 672,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Querência do Norte Querência MT 2.748,00 Centrais Elétricas Matogrossenses S/A. SP UTE Óleo Diesel
Reman Manaus AM 6.400,00 Petróleo Brasileiro S/A. APE UTE Óleo Combustível
Ribeirão Cascalheira Ribeirão Cascalheira MT 1.800,00 Centrais Elétricas Matogrossenses S/A. SP UTE Óleo Diesel
Rio Acre Rio Branco AC 36.000,00 Centrais Elétricas do Norte do Brasil S/A. SP UTE Óleo Diesel
Rio Branco I Rio Branco AC 28.100,00 Centrais Elétricas do Norte do Brasil S/A. SP UTE Óleo Diesel
Rio Branco II Rio Branco AC 45.550,00 Centrais Elétricas do Norte do Brasil S/A. SP UTE Óleo Diesel
Rio Branco III Rio Branco AC 10.407,00 Centrais Elétricas do Norte do Brasil S/A. SP UTE Óleo Diesel

176
ANEXO 1

Centrais elétricas em operação nos sistemas isolados – situação em outubro de 2003 (cont.)
Usina Município UF Potência (kW) Proprietário Serviço Tipo de Central Fonte
Rio do Ouro Chupinguaia RO 44,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Rio Madeira Porto Velho RO 178.590,00 Centrais Elétricas do Norte do Brasil S/A. SP UTE Óleo Diesel
Rolim de Moura do Guaporé Cerejeiras RO 122,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Rondolândia Rondolândia MT 760,00 Centrais Elétricas Matogrossenses S/A. SP UTE Óleo Diesel
Rorainópolis Rorainópolis RR 2.600,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Rovema São João da Baliza RR 4.800,00 ROVEMA Veículos e Máquinas Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Sacaí Rorainópolis RR 48,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Salvaterra Salvaterra PA 2.200,80 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Samaúma Rorainópolis RR 10,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Samuel Porto Velho RO 216.000,00 Centrais Elétricas do Norte do Brasil S/A. SP UHE Hidráulica
Santa Catarina Porto Velho RO 51,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Santa Cruz do Arari Santa Cruz do Arari PA 960,00 Centrais Elétricas do Pará S/A. SP UTE Óleo Diesel
Santa Cruz do Xingu São José do Xingu MT 624,00 Centrais Elétricas Matogrossenses S/A. SP UTE Óleo Diesel
Santa Isabel do Rio Negro Santa Isabel AM 926,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
do Rio Negro
Santa Lúcia II Sapezal MT 7.600,00 Maggi Energia S/A. PIE PCH Hidráulica
Santa Luzia d´Oeste Alta Floresta d´Oeste RO 3.000,00 Cassol Indústria e Comércio de Madeiras Ltda. APE PCH Hidráulica
Santa Maria das Barreiras Santa Maria PA 750,00 Centrais Elétricas do Pará S/A. SP UTE Óleo Diesel
das Barreiras
Santa Maria do Boiaçú Rorainópolis RR 320,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Santa Maria do Xeruini Caracaraí RR 24,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Santa Rosa dos Purus Santa Rosa do Purus AC 248,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Santa Terezinha Santa Terezinha MT 1.360,00 Centrais Elétricas Matogrossenses S/A. SP UTE Óleo Diesel
Santana Santana AP 126.900,00 Centrais Elétricas do Norte do Brasil S/A. SP UTE Óleo Diesel
Santana do Araguaia Santana do Araguaia PA 3.851,20 Centrais Elétricas do Pará S/A. SP UTE Óleo Diesel
Santana do Guaporé São Miguel do Guaporé RO 264,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Santo Antônio do Içá Santo Antônio do Içá AM 1.612,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
São Carlos Porto Velho RO 333,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
São Félix do Araguaia São Félix do Araguaia MT 2.424,00 Centrais Elétricas Matogrossenses S/A. SP UTE Óleo Diesel
São Francisco São Miguel do Guaporé RO 1.038,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
São Francisco Bonfim RR 184,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
São Francisco do Caracaraí RR 10,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Baixo Rio Branco
São Gabriel da Cachoeira São Gabriel AM 4.676,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
da Cachoeira
São João da Baliza São João da Baliza RR 1.000,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
São José do Rio Claro São José do Rio Claro MT 5.224,00 Centrais Elétricas Matogrossenses S/A. SP UTE Óleo Diesel
São José do Xingu São José do Xingu MT 1.164,00 Centrais Elétricas Matogrossenses S/A. SP UTE Óleo Diesel
São Miguel do Guaporé São Miguel do Guaporé RO 2.007,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
São Paulo de Olivença São Paulo de Olivença AM 2.008,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
São Sebastião Porto Velho RO 120,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
São Sebastião da Boa Vista São Sebastião PA 1.008,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
da Boa Vista
São Sebastião do Uatumã São Sebastião AM 1.004,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
do Uatumã
São Silvestre Alto Alegre RR 120,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel

177
ANEXO 1

Centrais elétricas em operação nos sistemas isolados – situação em outubro de 2003 (cont.)
Usina Município UF Potência (kW) Proprietário Serviço Tipo de Central Fonte
Sapezal Sapezal MT 9.836,00 Centrais Elétricas Matogrossenses S/A. SP UTE Óleo Diesel
Sena Madureira Sena Madureira AC 3.444,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Senador Arnon Afonso Boa Vista RR 147.810,00 Boa Vista Energia S/A. SP UTE Óleo Diesel
Farias de Mello (Floresta)
Seringueiras Seringueiras RO 1.111,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Serra Grande II Cantá RR 48,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Serra Nova Dourada Serra Nova Dourada MT 916,00 Centrais Elétricas Matogrossenses S/A. SP UTE Óleo Diesel
Silves Silves AM 942,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Socó Uiramutã RR 65,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Soure Soure PA 3.756,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Surpresa Guajará-Mirim RO 183,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Surumu Pacaraima RR 212,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Tabajara Machadinho d´Oeste RO 97,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Tabaporã Tabaporã MT 2.400,00 Centrais Elétricas Matogrossenses S/A. SP UTE Óleo Diesel
Tabatinga Tabatinga AM 8.400,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Taiano Alto Alegre RR 240,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Tancredópolis Alvorada d´Oeste RO 312,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Tapauá Tapauá AM 1.550,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Tarauacá Tarauacá AC 2.484,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Tefé Tefé AM 8.700,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Tepequem Amajari RR 48,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Termo Norte I Porto Velho RO 68.000,00 Termo Norte Energia Ltda. PIE UTE Óleo Combustível
Termo Norte II Porto Velho RO 158.200,00 Termo Norte Energia Ltda. PIE UTE Gás Natural
Terra Boa Alvorada d´Oeste RO 232,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Terra Nova Careiro da Várzea AM 50,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Terra Preta Caracaraí RR 24,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Terra Santa Terra Santa PA 1.344,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Tonantins Tonantins AM 1.002,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Tubarão Fernando de Noronha PE 2.314,00 CELPE SP UTE Óleo Diesel
Tuiué Manacapuru AM 144,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Uarini Uarini AM 870,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Uiramutã Uiramutã RR 240,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Urucará Urucará AM 2.098,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Urucumacuã Pimenta Bueno RO 183,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Urucurituba (Tabocal) Urucurituba AM 1.772,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Vale do Anari Machadinho d´Oeste RO 544,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Vila Amazônia Parintins AM 184,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Vila Antônio Campos Cantá RR 24,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Vila Augusto Monte Negro Urucurituba AM 190,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Vila Bittencourt Japurá AM 288,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Vila Brasil Amajari RR 600,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Vila Cachoeirinha Caracaraí RR 57,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Vila Caiambé Tefé AM 178,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Vila Caícubi Caracaraí RR 48,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel

178
ANEXO 1

Centrais elétricas em operação nos sistemas isolados – situação em outubro de 2003 (cont.)
Usina Município UF Potência (kW) Proprietário Serviço Tipo de Central Fonte
Vila Central Cantá RR 280,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Vila da Penha Mucajaí RR 10,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Vila Dona Cota Rorainópolis RR 10,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Vila Extrema Guajará-Mirim RO 838,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Vila Floresta Rorainópolis RR 24,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Vila Itaquera Rorainópolis RR 10,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Vila Milagre Normandia RR 10,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Vila Mutum Uiramutã RR 72,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Vila Remanso Rorainópolis RR 26,40 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Vila Rica Vila Rica MT 4.672,00 Centrais Elétricas Matogrossenses S/A. SP UTE Óleo Diesel
Vila Sacambu Manacapuru AM 172,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Vila São José Caracaraí RR 65,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Vila União Cantá RR 65,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Vila Urucurituba Autazes AM 50,00 Companhia Energética do Amazonas SP UTE Óleo Diesel
Vila Vilena Bonfim RR 64,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Vilhena Vilhena RO 16.750,00 Centrais Elétricas de Rondônia S/A. SP UTE Óleo Diesel
Vista Alegre Porto Velho RO 408,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Vista Alegre Caracaraí RR 160,00 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel
Wartsila Manaus AM 166.360,00 El Paso Rio Negro Energia Ltda. PIE UTE Óleo Combustível
Xapuri Xapuri AC 1.420,00 Guascor do Brasil Ltda. PIE UTE Óleo Diesel
Xumina Normandia RR 14,40 Companhia Energética de Roraima SP UTE Óleo Diesel

Fonte: AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA – ANEEL. Banco de Informações de Geração – BIG. 2003. Disponível em: www.aneel.gov.br/15.htm.

179
ANEXO 2

ANEXO 2 Cooperativas de eletrificação rural existentes no País

Cooperativa Município sede UF Área de Atuação (Municípios informados pelas cooperativas)


COPERCA - Cooperativa de Energia, Telefonia Barbalha CE Abaiara, Altaneira, Aurora, Barbalha, Barro, Brejo Santo, Caririaçu, Crato, Farias Brito, Granjeiro, Jardim, Jati,
e Desenvolvimento Rural do Cariri Ltda. Juazeiro do Norte, Mauriti, Milagres, Missão Velha, Pena Forte, Porteiras
COERCE - Cooperativa de Energia, Telefonia e Quixeramobim CE Banabuiu, Boa Viagem, Choró, Deputado Irapuan Pinheiro, Madalena, Milhã,Mombaça, Pedra Branca,
Desenvolvimento Rural do Sertão Central Ltda. Piquet Carneiro, Quixadá, Quixeramobim, São Luís da Ilharatema, Senador Pompeu, Solonópole
CERPI - Cooperativa de Energia, Telefonia e Tianguá CE Carnaubal, Croatá, Frecherinha, Graça, Guaraçiaba do Norte, Ibiapina, Inhuçu, Ipu, Mucambo, Pacujá,
Desenvolvimento Rural do PlanaLto da Ibiapaba Ltda. Reriutaba, São Benedito, Tianguá, Ubajara, Viçosa do Ceará
COPERVA - Cooperativa de Energia, Telefonia e Sobral CE Acaraú, Alcântara, Bela Cruz, Cariré, Groíacas, Marco, Massapé, Meruoca, Morrinhos, Santana do Acaraú, Sobral
Desenvolvimento Rural do Vale do Acaraú Ltda.

CERVA - Cooperativa de Energia, Telefonia e Redenção CE Acarapé, Aquiraz, Barreira, Cascavel, Chorozinho, Euzébio, Guaiúba, Horizonte, Itaitinga, Maracanaú,
Desenvolvimento Rural do Vale do Acarape Ltda. Maranguape, Pacajus, Pacatuba, Palmácia, Redenção
CERJA - Cooperativa de Energia, Telefonia e Jaguaribe CE Icó, Iracema, Jaguaretama, Jaguaribara, Jaguaribe, Pereiro
Desenvolvimento Rural do Jaguaribe Ltda.

CERBO - Cooperativa de Energia, Telefonia e Iguatu CE Acopiara, Baixio, Cariús, Cedro, Icó, Iguatu, Ipaumirim, Jucas, Lavras, Orós, Pendência, Quixelô, Umari, Várzea
Desenvolvimento Rural da Bacia do Orós Ltda. Alegre
CERMAB - Cooperativa de Energia, Telefonia e Baturité CE Araçoiaba, Aratuba, Baturité, Capistrano, Guaramiranga, Itapiúna, Mulungu, Ocara, Pacoti
Desenvolvimento Rural do Maciço de Baturité Ltda.

COERBA - Cooperativa de Energia, Telefonia e . Russas CE Alto Santo, Aracati, Beberibe, Fortim, Ibicuitinga, Icapuí, Itaiçaba, Jaguaruana, Limoeiro do Norte,
Desenvolvimento Rural do Baixo Jaguaribe Ltda Morada Nova, Palhano, Quixerê, Russas, São João do Jaguaribe, Tabuleiro do Norte
COOPERO - Cooperativa de Energia, Telefonia e Crateus CE Ararenda, Crateus, Hidrolândia, Indepedência, Ipaporanga, Ipueiras, Monsenhor Tabosa, Nova Russas,
Desenvolvimento Rural do Oeste do Ceará Ltda. Novo Oriente, Parambu, Poranga, Quiterianópoles, Tamboril, Tauá
CERCA - Cooperativa de Energia, Telefonia e Itapagé CE Amontada, Apuiarés, Barro Branco, Campinas, Canindé, Caracara, Caridade, Caucaia, General Samapaio,
Desenvolvimento Rural dos Vales do Guarani, Iratinga, Irauçuba, Itapagé, Itapipoca, Itatira, Maritacaca, Paracuru, Paraipaba, Paramoti, Pentecoste,
Curu e Araçatiaçu Ltda. Santa Luzia, São Gonçalo do Amarante, São Joaquim, São Luís do Curu, Tejuçuoca, Trairi, Umirim, Uruburetama
COPERCO - Cooperativa de Energia, Telefonia e Granja CE Barroquinha, Camocim, Chaval, Coreaú, Granja, Maraújo, Martinópole, Senador Sá, Uruoca
Desenvolvimento Rural do Vale do Coreaú Ltda.

CEDHRIL - Cooperativa de Eletrificação e Hidrolândia GO Aparecida de Goiânia, Aragoiânia, Bela Vista de Goiás, Cromínia, Hidrolândia, Piracanjuba
Desenvolvimento Rural de Hidrolândia Ltda.

CEDRAL - Cooperativa de Eletrificação e. Alexânia GO Alexânia, Abadiânia, Corumbá, Santo Antônio do Descoberto, Silvânia
Desenvolvimento Rural de Alexânia Ltda

CERGEO - Cooperativa de Eletrificação Rural da Formosa GO Formosa , Luziânia


Região Geoeconômica de Brasília Ltda.

CERITA - Cooperativa de Eletrificação Itauçu GO Araçu, Inhumas, Itaberaí, Itaguari, Itauçu, Santa Rosa e, Taquaral
Rural da Região de Itauçu Ltda.

CERNE - Cooperativa de Eletrificação Nerópolis GO Anápolis, Damolândia, Inhumas, Nerópolis, Nova Veneza, Petrolina
Rural de Nerópolis Ltda.

CERVAP - Cooperativa de Eletrificação Itumbiara GO Bom Jesus de Goiás, Buriti Alegre, Cachoeira Dourada, Corumbaíba, Inaciolândia, Itumbiara, Marzagão, Panamá
Rural do Vale do Paranaíba Ltda.

CERVAR - Cooperativa de Eletrificação Morrinhos GO Acreúna, Água Limpa, Aloândia, Arizona, Bom Jesus de Goiás, Buriti Alegre, Caldas Novas, Cesarina, Corumbaíba,
Rural do Vale do Rochedo Ltda. Cromínia, Edealina, Edéia, Goiatuba, Indiara, Joviânia, Maripotaba, Marzagão, Morrinhos, Palmeiras, Paraúna,
Piracanjuba, Pontalina, Porteirão, Professor Jamil, Rio Quente, Santa Cruz de Goiás, Tuverlândia, Vicentinópolis
CETERMAGG - Cooperativa de Eletrificação e São Luís de GO Adelândia, Americano do Brasil, Anicuns, Aurilândia, Avelinópolis, Cesarina, Córrego do Ouro, Edéia,
Telefonia Rural do Mato Grosso Goiano Ltda. Montes Belos Fazenda Nova, Firminópolis, Goiás, Indiara, Itapirapuã, Jandaia, Jaupaci, Jussara, iporá, Montes Claros, Mos-
sâmedes, Nazário, Palmeiras de Goiás, Palminópolis, Sanclerlândia, Santa Fé, São Luís de Montes Belos, Turvânia
CETERSUGO - Cooperativa de Eletrificação e Quirinópolis GO Aporé, Cachoeira Alta, Caçu, Gouvelândia, Itajá, Itarumã, Maurilândia, Paranaiguara, Quirinópolis, São Simão
Telefonia Rural do Sudoeste Goiano Ltda.

CETERTRINGO Cooperativa de Eletrificação e Trindade GO Abadia de Goiás, Avelinópolis, Brazabrantes, Campestre, Caturaí, Goiânia, Goianira, Guapó, Nazário, Santa
Telefonia Rural deTrindade e Goiânia Ltda. Bárbara, Santo Antônio, Trindade
CETERVS - Cooperativa de Eletrificação e . Anápolis GO Abadiana, Anápolis, Corumbá de Goiás, Goianápolis, Leopoldo de Bulhões, Ouro Verde, Petrolina, Pirinópolis,
Telefonia Rural do Vale do Santana Ltda São Francisco, Silvânia, Terezópolis
COOPERSAH - Cooperativa de Eletrificação Santa Helena GO Acreúna, Arantina, Castelândia, Lagoa do Bauzinho, Maurilândia, Rio Verde, Riverlândia, Santa Helena de Goiás,
Rural de Santa Helena Ltda. de Goiás Santo Antônio da Barra, Tuverlândia
COTERGO - Cooperativa de Telefonia e Eletrificação Goiânia GO Abadia de Goiás, Aparecida de Goiânia, Aragoiânia, Bela Vista de Goiás, Bonfinópolis, Caldazinha, Campestre,
Rurais da Região Geoeconômica de Goiânia Ltda. Cezarina, Cristianópolis, Edeia, Goianápolis, Goiânia, Guapó, Hidrolândia, Indiara, Leopoldo de Bulhões, Nerópolis,
Palmeiras, Piracanjuba, Santa Cruz de Goiás, São Miguel do Passa Quatro, Senador Canedo, Silvania, Varjão

180
ANEXO 2

Cooperativas de eletrificação rural existentes no País (cont.)

Cooperativa Município sede UF Área de Atuação (Municípios informados pelas cooperativas)


CAERB - Cooperativa Agropecuária e de Barra do Corda MA Barra do Corda, Colina, Esperantinópolis, Fernando Falcão, Grajaú, Itaipava do Grajaú, Jenipapos dos Vieiras,
Energização Rural de Barra do Corda Ltda Mirador, Presidente Dutra, Santa Filomena, São Raimundo dos Doca Bezerra, Tuntum
CERUBE - Cooperativa de Eletrificação e Betim MG Betim, Brumadinho, Caeté, Cidade Industrial, Confins, Conselheiro Lafaiete, Eldorado, Esmeraldas, Florestal, Ibirité,
Desenvolvimento Rural de Minas Gerais Ltda. Igarapé, Juatuba, Justinópolis, Lagoa Santa, Mário Campos, Mateus Leme, Moeda, Nova Lima, Pará de Minas, Pedro
Leopoldo, Ribeirão das Neves, Sabará, Santa Luzia, São Joaquim de Bicas, São José da Lapa, Sarzedo, Venda Nova
CERBEMS - Cooperativa de Energização e Desenvolvimen- Aparecida do MS Aparecida do Taboado, Inocência, Paranaíba
to Rural do Bolsão do Estado de Mato Grosso do Sul Ltda Taboado
CERCAMPO - Cooperativa da Eletrificação Rural da Campo Grande MS Bandeirantes, Campo Grande, Corguinho, Jaraguari, Nova Alvorada do Sul, Ribas do Rio Pardo, Rio Negro,
Grande Campo Grande Ltda. Rochedo, Sidrolândia, Terenos
CERGRAND - Cooperativa de Energização e Dourados MS Angélica, Caarapó, Deodápolis, Douradina, Dourados, Fátima do Sul, Glória de Dourados, Itaporã, Jateí, Juti,
Desenvolvimento Rural da Grande Dourados Ltda Rio Brilhante, Vicentina
COESO - Cooperativa de Energização e Desenvolvi- Aquidauana MS Anastácio, Aquidauana, Dois Irmãos do Buriti, Maracaju, Miranda, Nioaque, Sidrolândia, Terenos
mento Rural do Sudoeste Sulmatogrossense Ltda.

CERGRO - Cooperativa de Eletrificação Rural da Rondonópolis MT Alto Araguaia, Alto Garças, Alto Taquari, Campo Verde, Jaciara, Juscimeira, Rondonópolis,
Região de Grande Rondonópolis Ltda. Santo Antônio do Leverger, São Vicente
CEDAL - Cooperativa de Energização e Alagoinha PB Alagoinha, Alagoa Grande, Araçagi, Caldas Brandão, Cuitegi, Duas Estradas, Guarabira, Gurinhaém, Itapororoca,
Desenvolvimento Agropecuário de Alagoinha Ltda. Jacaraú, Juarez Tavares, Lagoa de Dentro, Mamanguape, Mari, Mulungu, Pilõeszinho, Pirpirituba, Sapé, Serra da Raiz
CERAL - Cooperativa de Energização e Areia PB Areia, Alagoa Nova, Esperança, Lagoa de Rosa, Montadas, Areial, Remígio, Pilões
Desenvolvimento Agropecuário de Areia Ltda.

CERBAL - Cooperativa de Energização e . Bananeiras PB Arara, Araruna, Bananeiras, Barra de Santa Rosa, Belém, Borborema, Cacimba de Dentro, Campo de Santana,
Desenvolvimento Rural de Bananeiras Ltda Casserengue, Cubati, Cuité, Dona Inês, Nova Floresta, Nova Palmeira, Pedra Lavrada, Serraria, Solânea
CERLI - Cooperativa de Eletrificação Rural do Litoral Ltda. João Pessoa PB Alhandra, Conde, João Pessoa, Santa Rita
CERMEP - Cooperativa de Energia e São Bento PB Belém, Bom Sucesso, Brejo do Cruz, Brejo dos Santos, Catolé do Rocha, Jericó, Lagoa, Paulista, Pombal,
Desenvolvimento Rurais do Médio Piranhas Ltda. Riacho dos Cavalos, São Bento
CERMEPA - Cooperativa de Energização e Natuba PB Aroeiras, Barra de São Miguel, Cabeceiras, Itatuba, Natuba, Queimadas, Umbuzeiro
Deenvolvimento Rural de Natuba Ltda.

CERVARP - Cooperativa de Energia e Cajazeiras PB Boa Ventura, Bom Jesus, Bonito de Santa Fé, Cachoeira dos Índios, Cajazeiras, Carrapateira, Conceição, Monte Horebe,
Desenvolvimento Rural do Vale do Rio do Peixe Ltda. Santa Helena, São João do Rio do Peixe, São José de Caiana, São José de Piranhas, Triunfo
CERAI - Cooperativa de Energia, Comunicação e Belo Jardim PE Belo Jardim, Brejo da Madre de Deus, Jataúba, Sanharó, Santa Cruz do Capibaribe, Tacaimbó
Desenvolvimento do Alto Ipojuca Ltda.

CERALPA - Cooperativa de Energia, Comunicação Afogados da PE Afogados da Ingazeira, Brejinho, Carnaíba, Iguaraci, Ingazeira, Itapetim, Quixabá, Santa Terezinha,
e Desenvolvimento do Alto Pajeú Ltda. Ingazeira São José do Egito, Sertânia, Solidão, Tabira, Tuparetama
CERAPE - Cooperativa de Energia, Comunicação Caruaru PE Agrestina, Altinho, Barra de Guabiraba, Bezerros, Bonito, Camocim de São Félix, Caruaru, Gravatá,
e Desenvolvimento do Agreste Pernambucano Ltda Riacho das Almas, Sairé, São Caetano, São Joquim do Monte, Toritama
CERCAL - Cooperativa de Energia, Comunicação Surubim PE Bom Jardim, Casinhas, Cumaru, Feira Nova, Frei Miguelino, João Alfredo, Limoeiro, Machados, Orobó, Passira,
e Desenvolvimento do Vale do Capibaribe Ltda. Salgadinho, Santa Maria do Cambucá, Surubim, Taquaritinga do Norte, Vertentes, Vertentes do Lério
CERMESFRA - Cooperativa de Energia, Comunicação Cabrobó PE Cabrobó, Cedro, Floresta, Itacuruba, Mirandiba, Parnamirim, Petrolândia, Salgueiro, São José do Belmonte, Serrita,
e Desenvolvimento do Médio São Francisco Ltda. Tacaratu, Terra Nova, Verdejante
CERPEL - Cooperativa de Energia, Comunicação Petrolina PE Afrânio, Araripina, Bodocó, Dormentes, Exu, Granito, Ipubi, Lagoa Grande, Moreilândia, Ouricuri, Petrolina,
e Desenvolvimento de Petrolina e Região Ltda. Santa Cruz, Santa Filomena, Trindade
CERSIL - Cooperativa de Energia, Comunicação e Vicência PE Abreu e Lima, Aliança, Buenos Aires, Camaragibe, Camutanga, Carpina, Condado, Ferreiros, Goiana, Igarassu,
Desenvolvimento do Vale do Siriji Ltda. Itamaracá, Itambé, Itapissuma, Itaquitinga, Lagoa de Itaenga, Lagoa do Carro, Macaparana, Nazaré da Mata,
Olinda, Paudalho, Paulista, Recife, São Lourenço da Mata, São Vicente Ferrer, Timbaúba, Tracunhaém, Vicência
CERSOPE - Cooperativa de Energia, Comunicação Garanhuns PE Água Belas, Bom Conselho, Brejão, Caetés, Capoeiras, Correntes, Garanhuns, Iati, Jucati, Lagoa do Ouro,
e Desenvolvimento do Sudoeste Pernambucano Ltda. Paranatama, Saloá, São João, Terezinha
CERTRI - Cooperativa de Energia, Comunicação Triunfo PE Betânia, Calumbi, Custódia, Flores, Santa Cruz da Baixa Verde, Serra Talhada, Triunfo
e Desenvolvimento de Triunfo Ltda.

CERVI - Cooperativa de Energia, Comunicação e Arcoverde PE Alagoinha, Arcoverde, Buique, Ibimirim, Inajá, Itaíba, Manari, Pedra, Pesqueira, Poção, Tupanatinga, Venturosa
Desenvolvimento do Vale do Ipanema Ltda.

CERVUNA - Cooperativa de Energia, Comunicação Canhotinho PE Angelim, Cachoeirinha, Calçados, Canhotinho, Cupira, Ibirajuba, Jupi, Jurema, Lagoa dos Gatos, Lajedo,
e Desenvolvimento do Vale do Rio Una Ltda. Palmeirina, Panelas, Quipapá, São Bento do Una

181
ANEXO 2

Cooperativas de eletrificação rural existentes no País (cont.)

Cooperativa Município sede UF Área de Atuação (Municípios informados pelas cooperativas)


CERP - Cooperativa de Energia, Telefonia Picos PI Alagoinhas, Aroazes, Bocaina, Campo Grande do Piauí, Dom Expedito Lopes, Elesbão Veloso, Francinópolis,
e Desenvolvimento Rural de Picos Ltda. Francisco Macedo, Francisco Santos, Fronteiras, Geminiano, Inhuma, Ipiranga, Itainópolis, Jaicós, Monsenhor Hipólito,
Novo Oriente, Padre Marcos, Paquetá do Piauí, Picos, Pimenteiras, Pio IX, Santa Cruz, Santana do Piauí,
Santo Antônio de Lisboa, São Félix, São João da Canabrava, São João da Varjota, São José, São Julião,
São Luís do Piauí, Simões, Sussuapara, Valença, Várzea Grande, Vera Mendes, Vila Nova do Piauí, Wall Ferraz
CERAL - Cooperativa de Arapoti PR Ventania, Wenceslau Bráz
Eletrificação Rural de Arapoti Ltda.

CERCAR - Cooperativa de Eletrificação Rural e Desenvol- Marechal PR Marechal Cândido Rondon, Mercedes, Pato Bragado, Quatro Pontes
vimento Econômico de Marechal Cândido Rondon Ltda. Cândido Rondon
CERCHO - Cooperativa de . Chopinzinho PR Chopinzinho, Saudade do Iguaçu, Sulina, São João
Eletrificação Rural do Chopinzinho Ltda

CERME - Cooperativa de Medianeira PR Diamante do Oeste, Itaipulândia, Matelândia, Medianeira, Missal, Ramilândia, Santa Helena,
Eletrificação Rural de Medianeira Ltda. São Miguel do Iguaçu,Serranópolis do Iguaçu
CERNOPI - Cooperativa de Santo Antônio PR Abatiá, Bandeirantes, Barra do Jacaré, Guapirama, Jacarezinho, Jundiaí do Sul, Ribeirão do Pinhal,
Eletrificação Rural do Norte Pioneiro Ltda. da Platina Santo Antônio da Platina
CERPA - Cooperativa de Palotina PR Assis Chateaubriand, Maripá, Nova Santa Rosa, Terra Roxa, Palotina
Eletrificação Rural de Palotina Ltda.

ELETRORURAL - Cooperativa de Castro PR Castro, Carambeí, Piraí do Sul


Eletrificação Rural da Colônia Castrolanda Ltda.

CERAL - Cooperativa de Araruama RJ Araruama, Rio Bonito, Saquarema


Eletrificação Rural de Araruama Ltda.

CERCI - Cooperativa de Cachoeiras de Macacu RJ Cachoeiras de Macacu, Itaboraí, Rio Bonito, Silva Jardim, Tanguá
Eletrificação Rural Cachoeiras-Itaboraí Ltda.

CERES - Cooperativa de Eletrificação Rural de Resende Ltda. Resende RJ Barra Mansa, Bocaina de Minas (Estado de Minas Gerais), Formoso (Estado de São Paulo), Itatiaia, Resende
CERSAN - Cooperativa de São Francisco RJ São Francisco de Itabapoana, São João da Barra
Eletrificação Rural Sanjoanense Ltda. de Itabapoana
CERTEF - Cooperativa de Teresópolis RJ Friburgo, Sumidouro, Teresópolis
Eletrificação Rural Teresópolis-Friburgo Ltda.

CERMOL - Cooperativa de Energia, Telefonia Umarizal RN Almino Afonso, Campo Grande, Caraúbas, Frutuoso Gomes, Janduís, Lucrécia, Martins, Messias Targino, Olho
e Desenvolvimento Rural do Médio Oeste Ltda. d’Água dos Borges, Patu, Rafael Godeiro, Riacho da Cruz, Triunfo Potiguar, Umarizal, Viçosa
CERPAL - Cooperativa de Energia e Natal RN Arês, Baía Formosa, Bento Fernandes, Boa Saúde, Bom Jesus, Brejinho, Caiçara do Norte, Caiçara Rio dos Ventos,
Desenvolvimento Rural do Agreste Potiguar Ltda. Canguaretama, Ceará-Mirim, Espírito Santo, Extremoz, Galinhos, Goianinha, Guamaré, Ielmo Marinho, Jardim de
Angicos, João Câmara, Lagoa Dantas, Lagoa de Pedras, Lagoa Salgada, Macaíba, Maxaranguape, Montanhas,
Monte Alegre, Monte das Gameleiras, Natal, Nízia Floresta, Nova Cruz, Parazinho, Parnamirim, Passa e Fica,
Passagem, Pedra Grande, Pedro Velho, Poço Branco, Pureza, Riachuelo, Rio do Fogo, Rui Barbosa, Santa Maria,
Santo Antônio, São Bento do Norte, São Gonçalo do Amarante, São José de Campestre, São José de Mipibu,
São Miguel de Touros, São Paulo do Potengi, São Pedro do Potengi, Senador Eloy de Souza, Senador Georgino
Avelino, Serra Caiada, Serra de São Bento, Serrinha, Taipu, Tibaú do Sul, Touros, Várzea, Vera Cruz, Vila Flor
CERPIL - Cooperativa de Energia Jardim de RN Caicó, Campo Grande (parte), Ipueira, Jardim de Piranhas, Jucurutu, Ouro Branco, Santana do Matos (parte),
e Desenvolvimento Rural do Piranhas Piranhas São Fernando, São João do Sabugi, São José do Seridó (parte), São Rafael (parte), Serra Negra do Norte,
Timbaúba dos Batistas, Triunfo Potiguar (parte)
CERPOL - Cooperativa de Energia e Pau dos Ferros RN Antônio Martins, Coronel João Pessoa, Doutor Severiano, Encanto, Francisco Dantas, Pau dos Ferros, Porta Alegre,
Desenvolvimento Rural do Oeste Potiguar Ltda. Rafael Fernandes, Rodolfo Fernandes, São Francisco do Oeste, São Miguel, Serrinha dos Pintos, Tabuleiro Grande,
Venha Ver
CERSEL - Cooperativa de Energia Currais Novos RN Acari, Bodó, Campo Redondo, Carnaúba dos Dantas, Cerro Corá, Cruzeta, Currais Novos, Equador, Florânia,
e Desenvolvimento Rural do Seridó Jardim do Seridó, Jucurutu, Lagoa Nova, Lajes Pintadas, Ouro Branco, Parelhas, Santa Cruz, Santana do Matos,
Santana do Seridó, São José do Seridó, São Vicente, Tenente Laurentino Cruz
CERTRIL - Cooperativa de Energia e Santa Cruz RN Barcelona, Coronel Ezequiel, Jaçanã, Japi, Lagoa dos Velhos, Lajes Pintadas, Monte das Gameleiras, Ruy Barbosa,
Desenvolvimento Rural do Alto Oeste Ltda. Santa Cruz, São Bento do Trairi, São José do Campestre, São Tomé, Sítio Novo, Tangará
CERVAL - Cooperativa de Energia e Açu RN Açu, Afonso Bezerra, Alto do Rodrigues, Angicos, Carnaubais, Fernando Pedrosa, Galinhos, Guamaré, Ipanguaçu,
Desenvolvimento Rural do Vale do Açu Ltda. Itajá, Jandaíra, Lajes, Macau, Paraú, Pedra Preta, Pedro Avelino, Pendências,
Porto do Mangue, São Rafael, Serra do Mel
CERVAP - Cooperativa de Energia e Mossoró RN Apodi, Areia Branca, Baraúna, Felipe Guerra, Governador Dix Sept Rosado, Grossos, Itaú, Mossoró, Severiano Melo,
Desenvolvimento Rural do Vale do Apodi Ltda. Tibaú, Upanema
COATRON - Cooperativa Agropecuária de Eletrificação, Espigão do Oeste RO Cacoal, Espigão do Oeste, Pimenta Bueno
Telefonia e Desenvolvimento Rural de Rondônia Ltda.

182
ANEXO 2

Cooperativas de eletrificação rural existentes no País (cont.)

Cooperativa Município sede UF Área de Atuação (Municípios informados pelas cooperativas)


CERTHIL - Cooperativa de Energia e Três de Maio Três Marias RS Alegria, Doutor Maurício Cardoso, Horizontina, Independência, Novo Machado, Porto Mauá, São José do Inhacorá,
Desenvolvimento Rural Entre Rios Ltda. São Martinho, Três de Maio, Tucunduva, Tuparendi
CERVALE - Cooperativa de Eletrificação Santa Maria RS Santa Maria, São Martinho da Serra, São Pedro do Sul, Silveira Martins, Toropi
Rural do Vale do Jaguari Ltda.

CRERAL - Cooperativa Regional de Erechim RS Aratiba, Áurea, Barão de Cotegipe, Barra do Rio Azul, Barracão, Benjamin Constant do Sul, Cacique Doble,
Eletrificação Rural do Alto Uruguai Ltda. Campinas do Sul, Carlos Gomes, Centenário, Charrua, Cruzaltense, Entre Rios do Sul, Erebango, Erechim, Erval Grande,
Estação, Faxinalzinho, Floriano Peixoto, Gaurama, Getúlio Vargas, Gramado do Loureiros, Ibiaçá, Ipiranga do Sul,
Itatiba do Sul, Jacutinga, Machadinho, Marcelino Ramos, Mariano Moro, Maximiliano de Almeida, Nonoai, Paim Filho,
Paulo Bento, Quatro Irmãos, Rio dos Índios, Sananduva, Santo Expedito do Sul, São João da Urtiga, São José do Ouro,
São Valentim, Severiano de Almeida, Três Arroios, Trindade do Sul, Viadutos
COOPERNORTE - Cooperativa Regional de Energia Viamão RS Santo Antônio da Patrulha, Viamão
e Desenvolvimento do Litoral Norte Ltda.

COOPERLUZ - Cooperativa de Eletrificação e Santa Rosa RS Alecrim, Campina das Missões, Cândido Godói, Giruá, Guarani das Missões, Porto Lucena, Porto Vera Cruz,
Desenvolvimento da Fronteira Noroeste Ltda. Santa Rosa, Santo Ângelo., Santo Cristo, Senador Salgado Filho, Sete de Setembro, Três de Maio, Tuparendi, Ubiretama
CERTEL - Cooperativa Regional Teutônia RS Arroio do Meio, Barão, Barros Cassal, Boa Vista do Sul, Bom Princípio, Boqueirão do Leão, Canudos do Vale,
de Eletrificação Teutônia Ltda. Capitão, Carlos Barbosa, Colinas, Coqueiro Baixo, Coronel Pilar, Cruzeiro do Sul, Encantado, Estrela, Farroupilha,
Fazenda Vila Nova, Fontoura Xavier, Forquetinha, Garibaldi, Gramado Xavier, Harmonia, Igrejinha, Imigrante,
Lajeado, Maratá, Marques de Souza, Mato Leitão, Nova Bréscia, Paverama, Poço das Antas, Pouso Novo, Progresso,
Putinga, Roca Sales, Salvador do Sul, Santa Clara do Sul, Santa Cruz do Sul, Santa Tereza, São Francisco de Paula,
São José do Herval, São José do Sul, São Pedro da Serra, São Vendelino, Sério, Sinimbu, Taquara, Teutônia,
Travesseiro, Tupandi, Venâncio Aires, Westfália
COSEL - Cooperativa Sudeste de Eletrificação Rural Ltda. Encruzilhada do Sul RS Amaral Ferrador, Encruzilhada do Sul
CERMISSÕES - Cooperativa Regional Caibaté RS Bossoroca, Caibaté, Cerro Largo, Dezesseis de Novembro, Entre-Ijuís, Eugênio de Castro, Garruchos, Guarani das
de Eletrificação Rural das Missões Ltda. Missões, Itacurubi, Itaqui, Jaguari, Jóia, Manuel Viana, Nova Esperança do Sul, Pirapó, Porto Lucena, Porto Xavier,
Roque Gonzales, Salvador das Missões, Santiago, Santo Ângelo, Santo Antônio das Missões, São Borja, São
Francisco de Assis, São Luiz Gonzaga, São Miguel das Missões, São Nicolau, São Paulo das Missões, São Pedro do
Butiá, São Vicente do Sul, Vitória das Missões
COOPERSUL - Cooperativa Regional de Bagé RS Aceguá, Candiota, Hulha Negra, Bagé
Eletrificação Rural Fronteira Sul Ltda.

CRELUZ - Cooperativa de Energia e Pinhal RS Alpestre, Ametista do Sul, Barra do Guarita, Barra Funda, Boa Vista das Missões, Braga, Caiçara, Campo Novo,
Desenvolvimento Rural do Médio Uruguai Ltda. Cerro Grande, Chapada, Condor, Constantina, Coronel Bicaco, Cristal do Sul, Derrubadas, Dois Irmãos das Missões,
Engenho Velho, Erval Seco, Frederico Westphalen, Iraí, Jaboticaba, Lajeado Bugre, Liberato Salzano, Miraguaí,
Novo Barreiro, Novo Tiradentes, Palmeira das Missões, Palmitinho, Pinhal, Pinheirinho do Vale, Planalto, Redentora,
Rodeio Bonito, Sagrada Família, Santa Bárbara, Santo Augusto, São José das Missões, Sarandi, Seberi, Taquaruçu do
Sul, Tenente Portela, Três Passos, Vicente Dutra, Vista Alegre
CERILUZ - Cooperativa Regional Ijuí RS Ajuricaba, Augusto Pestana, Boa Vista do Cadeado, Bozano, Catuípe, Chiapeta, Condor, Coronel Barros, Coronel, Ijuí,
de Energia e Desenvolvimento Ijuí Ltda. Bicaco, Cruz Alta, Eugênio de Castro, Inhacorá, Jóia, Nova Ramada, Santo Ângelo, Santo Augusto, São Valério do Sul
COPREL - Cooperativa de Energia Ibirubá RS Água Santa, Alto Alegre, Boa Vista do Incra, Camargo, Campos Borges, Carazinho, Casca, Caseiros, Chapada,
e Desenvolvimento Rural COPREL Ltda. Charrua, Ciríaco, Colorado, Condor, Coqueiro do Sul, Coxilha, Cruz Alta, David Canabarro, Ernestina, Espumoso,
Estação, Estrela Velha, Fortaleza dos Valos, Gentil, Getúlio Vargas, Ibiaçá, Ibiraiaras, Ibirapuitã, Ibirubá, Ijuí,
Jacuizinho, Jari, Jóia, Júlio de Castilhos, Lagoa de Três Cantos, Lagoa Vermelha, Lagoão, Marau, Mato Castelhano,
Montauri, Mormaço, Muliterno, Não Me Toque, Nicolau Vergueiro, Nova Alvorada, Palmeira das Missões, Panambi,
Paraí, Passo Fundo, Pejuçara, Pontão, Quevedos, Quinze de Novembro, Ronda Alta, Rondinha, Saldanha Marinho,
Salto do Jacuí, Sananduva, Santa Bárbara do Sul, Santa Cecília, Santiago, Santo Ângelo, Santo Antônio do Palma,
Santo Antônio do Planalto, Sarandi, Selbach, Sertão, Soledade, Tapejara, Tapera, Tio Hugo, Tunas, Tupanciretã, Vanini,
Victor Graeff, Vila Lângaro, Vila Maria
CERFOX - Cooperativa de Energia e Fontoura Xavier RS Anta Gorda, Arvorezinha, Barros Cassal, Camargo, Capitão, Casca, Cotiporã, Dois Lajeados, Encantado, Fontoura
Desenvolvimento Rurais Fontoura Xavier Ltda. Xavier, Gramado Xavier, Guaporé, Ilópolis, Itapuca, Montauri, Muçum, Nova Alvorada, Nova Araçá, Nova Bassano,
Nova Bréscia, Paraí, Putinga, Relvado, São Domingos do Sul, São José do Herval, São Valentim do Sul, Serafina Corrêa,
Soledade, Travesseiro, União da Serra, Vanini, Veranópolis, Vila Maria
CELETRO - Cooperativa de Cachoeira RS Agudo, Arroio do Tigre, Barros Cassal, Caçapava do Sul, Cachoeira do Sul, Candelária, Cerro Branco, Dona Francisca,
Eletrificação Centro Jacuí Ltda. do Sul Encruzilhada do Sul, Estrela Velha, Gramado Xavier, Ibarama, Lagoa Bonita, Lagoão, Lavras do Sul, Nova Palma,
Novo Cabrais, Paraíso do Sul, Passa Sete, Pinhal Grande, Restinga Seca, Rio Pardo, Salto do Jacuí, Santa Margarida,
Santa Maria, Santana da Boa Vista, São Gabriel, São Sepé, Segredo, Sobradinho, Tunas, Vila Nova do Sul
CERTAJA - Cooperativa Regional de Energia Taquari RS Barão do Triunfo, Bom Retiro do Sul, Brochier, Brochier do Maratá, Capela de Santana, Cerro Grande do Sul,
e Desenvolvimento Rural Taquari-Jacuí Ltda. Fazenda Vila Nova, General Câmara, Mariana Pimentel, Montenegro, Nova Santa Rita, Passo do Sobrado,
Paverama, Rio Pardo, Santa Cruz do Sul, São Jerônimo, São Sebastião do Caí, Sentinela do Sul, Sertão Santana,
Tabaí, Taquari, Triunfo, Vale Verde
CEESAM - Cooperativa de Benedito Novo SC Benedito Novo
Energia Elétrica Santa Maria Ltda.

183
ANEXO 2

Cooperativas de eletrificação rural existentes no País (cont.)

Cooperativa Município sede UF Área de Atuação (Municípios informados pelas cooperativas)


CEGERO - Cooperativa de Eletricidade de São Ludgero São Ludgero SC Braço do Norte, Orleans, Pedras Grandes, São Ludgero, Tubarão
CEJAMA - Cooperativa de Jacinto Machado SC Jacinto Machado, Praia Grande, Santa Rosa do Sul, Sombrio, Timbé do Sul, Turvo
Eletricidade de Jacinto Machado Ltda.

CERAÇA - Cooperativa de Eletrificação Saudades Saudade SC Bom Jesus do Oeste, Cunha Porã, Cunhataí, Maravilha, Modelo, Nova Erechim, Pinhalzinho, São Carlos, São Miguel
e Desenvolvimento Rural Vale do Araçá da Boa Vista, Saudades, Serra Alta, Sul Brasil, Tigrinhos
CERAL - Cooperativa de Eletrificação Anitápolis SC Anitápolis, Santa Rosa de Lima
Rural de Anitápolis de Responsabilidade Ltda.

CERBRANORTE - Cooperativa de Braço do Norte SC Armazém, Braço do Norte, Gravatal, Orleans, Rio Fortuna, Santa Rosa de Lima
Eletrificação Rural do Braço Norte

CEREJ - Cooperativa de Eletrificação Rural Biguaçu SC Águas Mornas, Angelina, Antônio Carlos, Biguaçu, Canelinha, Governador Celso Ramos, Leoberto Leal, Major Gercino,
do Núcleo Colonial Senador Esteves Júnior Ltda. Nova Trento, Palhoça, Rancho Queimado, Santo Amaro da Imperatriz, São José, São Pedro de Alcântara, Tijucas
CERGAL - Cooperativa de Tubarão SC Jaguaruna, Laguna, Tubarão
Eletrificação Rural de Anita Garibaldi ltda.

CERGAPA - Cooperativa de Eletrificação Grão Pará SC Braço do Norte, Grão Pará, Orleans, Rio Fortuna
Rural de Grão Pará de Responsabilidade Ltda.

CERGRAL - Cooperativa de Eletrificação Gravatal SC Armazém, Capivari de Baixo , Gravatal, Imaruí, Laguna, São Ludgero, Tubarão
Rural de Gravataí de Responsabilidade Ltda.

CERMOFUL - Cooperativa de Eletrificação Morro da Fumaça SC Cocal do Sul, Criciúma, Içara, Morro da Fumaça, Pedras Grandes, Urussanga
Rural de Morro da Fumaça Ltda.

CERPALO - Cooperativa de Paulo Lopes SC Garopaba, Imaruim, Imbituba, Paulo Lopes


Eletrificação Rural de Paulo Lopes Ltda.

CERPRAG - Cooperativa de Praia Grande SC Passo de Torres, Praia Grande, São João do Sul
Eletrificação Rural de Praia Grande Ltda.

CERSAD - Cooperativa de Doutor Pedrinho SC Ascurra, Benedito Novo, Doutor Pedrinho, Rodeio
Eletrificação Rural de Salto Donner

CERSUL - Cooperativa de Turvo SC Araranguá, Ermo, Forquilhinha, Jacinto Machado, Maracajá, Meleiro, Morro Grande , Nova Veneza., Sombrio,
Eletrificação Rural Sul Catarinense Ltda. Timbé do Sul, Turvo
CERTREL - Cooperativa de Eletrificação Treviso SC Criciúma, Nova Veneza, Treviso, Siderópolis (parte do município), Urussanga
Rural Treviso com Responsabilidade Ltda.

COOPERA - Cooperativa Mista Pioneira Forquilhinha SC Forquilhinha, Criciúma, Nova Veneza, Siderópolis, Maracajá
COOPERCOCAL - Cooperativa Mista Cocal do Sul Cocal do Sul SC Cocal do Sul, Criciúma, Lauro Müller (área rural), Morro da Fumaça (área rural), Orleans (área rural), Pedras Grandes
(área rural), Urussanga
COOPERMILA - Cooperativa Mista Lauro Müller Lauro Müller SC Lauro Müller, Orleans, Urussanga
COOPERZEM - Cooperativa de Armazém SC Armazém, São Bonifácio, São Martinho
Eletrificação Rural de Armazém

COORSEL - Cooperativa Treze de Maio SC Armazém, Jaguaruna, Linha Pacheco, Orleans, Pedras Grandes, Sangão., Treze de Maio, Urussanga
Regional Sul de Eletrificação Rural

CERCOS - Cooperativa de Eletrificação e Lagarto SE Lagarto


Desenvolvimento Rural Centro Sul de Sergipe Ltda.

CEDRAP - Cooperativa de Eletrificação e Paraibuna SP Caraguatatuba, Jacareí, Jambeiro, Natividade da Serra, Paraibuna, Redenção da Serra, Salesópolis, Santa Branca,
Desenvolvimento Rural do Alto Paraíba Ltda. São José dos Campos
CEDRI - Cooperativa de Energização e Itariri SP Itanhaém, Itariri, Pedro de Toledo, Peruíbe
Desenvolvimento Rural do Vale do Itariri

CEMIRIM - Cooperativa de Eletrificação e Mogi Mirim SP Artur Nogueira, Conchal, Cosmópolis, Engenheiro Coelho, Espírito Santo do Pinhal, Estiva Gerbi, Holambra, Itapira,
Desenvolvimento da Região de Mogi Mirim Ltda. Jaguariúna, Mogi Guaçu, Mogi Mirim, Santo Antônio de Posse, Aguaí
CERFRA - Cooperativa de Eletrificação e São José da SP Franca, Guará, Ibiraci (Estado de Minas Gerais), Ituverava, Jeriquara, Patrocínio Paulista, Ribeirão Corrente,
Desenvolvimento da Região de Franca Ltda. Bela Vista São José da Bela Vista

184
ANEXO 2

Cooperativas de eletrificação rural existentes no País (cont.)


Cooperativa Município sede UF Área de Atuação (Municípios informados pelas cooperativas)

CERIM - Cooperativa Agrícola, Mairinque SP Mairinque, Alumínio, Araçariguama, Cabreúva, Itu, São Roque, Sorocaba
Mista e de Eletrificação Rural Itu-Mairinque Ltda.

CERIPA - Cooperativa de Eletrificação Itaí SP Arandu, Avaré, Buri, Coronel Macedo, Itabera, Itaí, Itapeva, Itatinga, Paranapanema, Taquarituba
Rural de Itaí-Paranapanema-Avaré

CERIS - Cooperativa de Eletrificação São Lourenço SP Embu-Guaçu, Itapecerica da Serra, Juquitiba, São Lourenço da Serra, São Paulo
Rural da Região de Itapecerica da Serra da Serra
CERMC - Cooperativa de Mogi das Cruzes SP Mogi das Cruzes, Suzano
Eletrificação Rural de Mogi das Cruzes

CERMESO - Cooperativa de Manduri SP Água de Santa Bárbara, Arandu, Cerqueira César, Iaras, Ipauçu, Manduri, Óleo, Piraju, Santa Cruz do Rio Pardo,
Eletrificação Rural da Média Sorocabana Sarutaiá, Timburi, Xavantes, Bernardino de Campos
CERNHE - Cooperativa de Energização Novo Horizonte SP Borborema, Catanduva, Elisiário, Irapuã, Itajobi, Marapoama, Novais, Sales, Tabapuã, Urupês, Novo Horizonte
e Desenvolvimento Rural de Novo Horizonte Ltda.

CEROC - Cooperativa de Osvaldo Cruz SP Adamantina, Iacri, Inúbia Paulista, Lucélia, Parapuã, Pracinha, Rinópolis, Sagres, Salmourão, Osvaldo Cruz
Eletrificação Rural da Região de Oswaldo Cruz

CERPAL - Cooperativa de Eletrificação Palmital SP Campos Novos Paulista, Cândido Mota, Echaporã, Ibirarema, Platina, Ribeirão do Sul, Salto Grande, Palmital
Rural da Região de Palmital.

CERPRO - Cooperativa de Eletrificação Promissão SP Alto Alegre, Avanhadava, Bilac, Braúna, Clementina, Coroados, Guaiçara, Luiziânia., Penápolis, Promissão
Rural da Região de Promissão Ltda.

CERRP - Cooperativa de Eletrificação São José do SP Adolfo, Bady Bassit, Cedral, Guapiaçu, Ipiguá, Jaci, José Bonifácio, Medonça, Mirassol, Mirassolândia,
Rural da Região de São José do Rio Preto Ltda. Rio Preto Nova Aliança, Onda Verde, São José do Rio Preto
CERT - Cooperativa de Tupã SP Arco-Íris, Bastos, Borá, Herculândia, Iacri, Parapuã, Quatá, Quintana, Rinópolis, Tupã
Eletrificação Rural da Região de Tupã

CERVAM - Cooperativa de Energização e Porto Ferreira SP Aguaí, Descalvado, Luis Antônio, Pirassununga, Porto Ferreira, Santa Cruz das Palmeiras, Santa Rita do Passa
de Desenvolvimento Rural do Vale do Mogi Ltda. Quatro, São Carlos
CETRIL - Cooperativa de Ibiúna SP Ibiúna, Mairinque, Piedade, São Roque
Eletrificação e Telefonia Rurais de Ibiúna Ltda.

Fonte: Elaborado com base em dados da AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL. Superintendência de Concessão e Autorização de Transmissão e Distribuição. Aviso de instauração do processo
administrativo de regularização das CERs. 2000.

185
ANEXO 3A ANEXO 3A

ANEXO 3A UHEs em operação – situação em setembro de 2003

Usina Pot. (kW) Município Rio Destino da Energia Proprietário


Agro Trafo 14.040,0 Dianópolis - TO Palmeiras SP Companhia de Energia
Elétrica do Estado do Tocantins
Água Vermelha 1.396.200,0 Indiaporã - SP / Iturama - MG Grande PIE 100% para AES Tietê S/A
(José Ermírio de Moraes)
Alecrim 72.000,0 Miracatu - SP Juquiá-Guaçu APE-COM Companhia
Brasileira de Alumínio
Americana 30.000,0 Americana - SP Atibaia SP Nova 1 Participações S/A
Antas II 16.500,0 Poços de Caldas - MG Antas SP Departamento Municipal
de Eletricidade de Poços de Caldas
Areal 18.000,0 Areal - RJ Preto SP Companhia de
Eletricidade do Rio de Janeiro
Assis Chateaubriand 29.500,0 Ribas do Rio Pardo - MS Pardo SP Empresa Energética
(Salto Mimoso) de Mato Grosso do Sul S/A.
Balbina 250.000,0 Presidente Figueiredo - AM Uatumã SP Manaus Energia S/A.
Bariri (Álvaro de Souza Lima) 143.100,0 Boracéia - SP Tietê PIE AES Tietê S/A
Barra 40.400,0 Tapiraí - SP Juquiá-Guaçu APE-COM Companhia
Brasileira de Alumínio
Barra Bonita 140.760,0 Barra Bonita - SP Tietê PIE AES Tietê S/A
Boa Esperança (Castelo Branco) 225.300,0 Guadalupe - PI / Parnaíba SP Companhia Hidro
São João dos Patos - MA Elétrica do São Francisco
Bracinho 16.500,0 Schroeder - SC Bracinho SP Centrais Elétricas
Santa Catarina S/A
Brecha 12.400,0 Guaraciaba - MG Piranga APE Alcan Alumínio do Brasil Ltda
Bugres 19.200,0 Canela - RS Santa Cruz SP Companhia
Estadual de Energia Elétrica
Cachoeira Dourada 658.000,0 Cachoeira Dourada - MG / Paranaíba SP Centrais Elétricas
Itumbiara - GO Cachoeira Dourada
Caconde 80.490,0 Caconde - SP Pardo PIE AES Tietê S/A
Camargos 46.000,0 Itutinga - MG / Nazareno - MG Grande SP Companhia
Energética de Minas Gerais
Cana Brava 450.000,0 Cavalcante - GO / Minaçu - GO Tocantins PIE Companhia
Energética Meridional
Canastra 44.800,0 Canela - RS Santa Maria SP Companhia
Estadual de Energia Elétrica
Canoas I 82.500,0 Cândido Mota - SP / Paranapanema APE / PIE Companhia Brasileira de
Itambaracá - PR Alumínio / Duke Energy
Internacional, Geração Paranapanema
S/A.
Canoas II 69.930,0 Andirá - PR / Palmital - SP Paranapanema APE / PIE Companhia Brasileira de
Alumínio / Duke Energy
Internacional, Geração Paranapanema
S/A.
Capivara 640.000,0 Porecatu - PR / Taciba - SP Paranapanema PIE Duke Energy Internacional,
(Escola de Engenharia Mackenzie) Geração Paranapanema S/A.
Casca III 12.420,0 Chapada dos Guimarães - MT Casca SP Centrais Elétricas
Matogrossenses S/A.
Chaminé 18.000,0 São José dos Pinhais - PR São João SP Copel Geração S/A
Chavantes 414.000,0 Chavantes - SP / Ribeirão Claro - PR Paranapanema PIE Duke Energy Internacional,
Geração Paranapanema S/A.
Coaracy Nunes 67.982,0 Ferreira Gomes - AP / Macapá - AP Araguari SP Centrais Elétricas
do Norte do Brasil S/A.
Corumbá I 375.000,0 Caldas Novas - GO / Corumbaíba - GO Corumbá SP Furnas Centrais Elétricas S/A.
Curuá-Una 30.300,0 Santarém - PA Curuá-Una SP Centrais Elétricas do Pará S/A.
Dona Francisca 125.000,0 Agudo - RS / Nova Palma - RS Jacuí PIE / SP Companhia Estadual de

186
ANEXO 3A
ANEXO 3A

UHEs em operação – situação em setembro de 2003 (cont.)

Usina Pot. (kW) Município Rio Destino da Energia Proprietário


Energia Elétrica / Dona
Francisca Energética S/A
Eloy Chaves 19.000,0 Espírito Santo do Pinhal - SP Mogi-Guaçu SP Nova 1 Participações S/A.
Emboque 18.000,0 Raul Soares - MG Matipó SP Companhia Força
e Luz Cataguazes-Leopoldina
Emborcação 1.192.000,0 Cascalho Rico - MG / Catalão - GO Paranaíba SP Companhia
Energética de Minas Gerais
Estreito 1.050.000,0 Rifaina - SP / Sacramento - MG Grande SP Furnas Centrais Elétricas S/A.
(Luiz Carlos Barreto de Carvalho)
Euclides da Cunha 108.890,0 São José do Rio Pardo - SP Pardo PIE AES Tietê S/A
Fontes Nova 132.000,0 Piraí - RJ Piraí SP Light Serviços
de Eletricidade S/A.
França 29.500,0 Juquitiba - SP Juquiá-Guaçu APE-COM Companhia
Brasileira de Alumínio
Fumaça 36.400,0 Ibiúna - SP Juquiá-Guaçu APE-COM Companhia
Brasileira de Alumínio
Funil 180.000,0 Lavras - MG / Perdões - MG Grande PIE Companhia Energética
de Minas Gerais /
Companhia Vale do Rio Doce
Funil 30.000,0 Ubatã - BA das Contas SP Companhia Hidro
Elétrica do São Francisco
Funil 216.000,0 Itatiaia - RJ Paraíba do Sul SP Furnas Centrais Elétricas S/A.
Furnas 1.216.000,0 Alpinópolis - MG Grande SP Furnas Centrais Elétricas S/A.
Gafanhoto 14.000,0 Divinópolis - MG Pará SP Companhia
Energética de Minas Gerais
Glória 13.800,0 Muriaé - MG Glória APE Valesul Alumínio S/A.
Governador Bento Munhoz 1.676.000,0 Pinhão - PR Iguaçu SP Copel Geração S/A.
da Rocha Neto (Foz do Areia)
Governador Ney Aminthas 1.260.000,0 Mangueirinha - PR Iguaçu SP Copel Geração S/A.
de Barros Braga (Segredo)
Governador Parigot de Souza 260.000,0 Antonina - PR Capivari SP Copel Geração S/A.
(Capivari/Cachoeira )
Guaporé 120.000,0 Pontes e Lacerda - MT Guaporé APE-COM / PIE Mineração Santa Elina
Indústria e Comércio S/A. /
Tangará Energia S/A.
Guaricana 36.000,0 Guaratuba - PR Arraial SP Copel Geração S/A.
Guilmam-Amorim 140.000,0 Antônio Dias - MG / Nova Era - MG Piracicaba APE Companhia Siderúrgica
de Belgo-Mineira /
Samarco Mineração S/A.
Henry Borden 889.000,0 Cubatão - SP Pedras SP Empresa Metropolitana
de Águas e Energia S/A.
Ibitinga 131.490,0 Ibitinga - SP Tietê PIE AES Tietê S/A.
Igarapava 210.000,0 Conquista - MG / Igarapava - SP Grande APE / PIE / SP Companhia Energética de
Minas Gerais / Companhia
Mineira de Metais /
Companhia Siderúrgica Nacional /
Companhia Vale do Rio Doce /
Mineração Morro Velho Ltda.
Ilha dos Pombos 164.000,0 Além Paraíba - MG / Carmo - RJ Paraíba do Sul SP Light Serviços
de Eletricidade S/A.
Ilha Solteira 3.444.000,0 Ilha Solteira - SP / Selvíria - MS Paraná SP Companhia
Energética de São Paulo
Isamu Ikeda 27.600,0 Monte do Carmo - TO / Balsas Mineiro SP Companhia de Energia
Ponte Alta do Tocantins - TO Elétrica do Estado do Tocantins
Itá 1.450.000,0 Aratiba - RS / Itá - SC Uruguai PIE Itá Energética S/A. /

187
ANEXO 3A

UHEs em operação – situação em setembro de 2003 (cont.)

Usina Pot. (kW) Município Rio Destino da Energia Proprietário


Tractebel Energia S/A.
Itaipu (Parte Brasileira) 6.300.000,0 Foz do Iguaçu - PR Paraná SP Itaipu Binacional
Itapebi 450.000,0 Itapebi - BA Jequitinhonha PIE Itapebi Geração de EnergiaS/A.
Itaúba 512.400,0 Pinhal Grande - RS Jacuí SP Companhia
Estadual de Energia Elétrica
Itiquira ( Casas de Forças I e II ) 156.000,0 Itiquira - MT Itiquira APE Itiquira Energética S/A.
Itumbiara 2.082.000,0 Itumbiara - GO / Tupaciguara - MG Paranaíba SP Furnas Centrais Elétricas S/A.
Itupararanga 55.000,0 Votorantim - SP Sorocaba APE-COM Companhia
Brasileira de Alumínio
Itutinga 52.000,0 Itutinga - MG / Nazareno - MG Grande SP Companhia
Energética de Minas Gerais
Jacuí 180.000,0 Salto do Jacuí - RS Jacuí SP Companhia
Estadual de Energia Elétrica
Jaguara 424.000,0 Rifaina - SP / Sacramento - MG Grande SP Companhia Energética
de Minas Gerais
Jaguari 11.800,0 Pedreira - SP Jaguari SP Nova 1 Participações S/A.
Jaguari 27.600,0 Jacareí - SP Jaguari SP Companhia
Energética de São Paulo
Jauru 110.000,0 Indiavaí - MT / Jauru - MT Jauru APE-COM / PIE Cinco Estrelas Agropecuária
e Participações Ltda. /
Queiroz Galvão Energética S/A.
Juba I 42.000,0 Barra do Bugres - MT / Juba APE Itamarati Norte S/A. -
Tangará da Serra - MT Agropecuária
Juba II 42.000,0 Barra do Bugres - MT / Juba APE Itamarati Norte S/A. -
Tangará da Serra - MT Agropecuária
Jupiá (Eng° Souza Dias) 1.551.200,0 Castilho - SP / Três Lagoas - MS Paraná SP Companhia
Energética de São Paulo
Jurumirim 97.750,0 Cerqueira César - SP Paranapanema PIE Duke Energy Internacional,
(Armando Avellanal Laydner) Geração Paranapanema S/A.
Limoeiro (Armando Salles de Oliveira) 32.000,0 São José do Rio Pardo - SP Pardo PIE AES Tietê S/A.
Luís Eduardo Magalhães (Lajeado) 902.500,0 Miracema do Tocantins - TO / Tocantins PIE CEB Lajeado S/A /
Palmas - TO EDP Brasil S/A. / InvestcoS/A.
/ Paulista Lajeado Energia S/A. /
Rede Lajeado Energia S/A.
Luiz Gonzaga (Itaparica) 1.500.000,0 Glória - BA / Jatobá - PE São Francisco SP Companhia Hidro
Elétrica do São Francisco
Macabu 21.000,0 Trajano de Morais - RJ Macabu SP Companhia de
Eletricidade do Rio de Janeiro
Machadinho 1.140.000,0 Maximiliano de Almeida - RS / Pelotas APE-COM / PIE / SP Alcoa Alumínio S/A. /
Piratuba - SC Camargo Corrêa Cimentos S/A. /
Centrais Elétricas Santa
Catarina S/A. / Cimento Rio
Branco v / Companhia
Brasileira de Alumínio /
Companhia Estadual de Energia Elétrica /
Departamento Municipal
de Eletricidade de Poços de Caldas /
Tractebel Energia S/A. /
Valesul Alumínio S/A.
Manso 210.000,0 Chapada dos Guimarães - MT / Manso PIE / SP Furnas Centrais Elétricas S.A. /
Rosário Oeste - MT Produtores Energéticos de
Manso S/A.
Marechal Mascarenhas de Moraes 476.000,0 Ibiraci - MG / Sacramento - MG Grande SP Furnas Centrais Elétricas S/A.
(Ex-Peixoto)
Marimbondo 1.440.000,0 Fronteira - MG / Icém - SP Grande SP Furnas Centrais Elétricas S/A.
Mascarenhas 104.000,0 Aimorés - MG / Baixo Guandu - ES Doce SP Espírito Santo

188
ANEXO 3A ANEXO 3A

UHEs em operação – situação em setembro de 2003 (cont.)

Usina Pot. (kW) Município Rio Destino da Energia Proprietário


Centrais Elétricas S/A.
Miranda 408.000,0 Indianópolis - MG / Uberlândia - MG Araguari SP Companhia
Energética de Minas Gerais
Moxotó (Apolônio Sales) 440.000,0 Delmiro Gouveia - AL / Santa Brígida - BA São Francisco SP Companhia Hidro
Elétrica do São Francisco
Muniz Freire 25.000,0 Muniz Freire - ES Pardo APE Samarco Mineração S/A.
Nilo Peçanha 380.000,0 Piraí - RJ Piraí SP Light Serviços
de Eletricidade S/A.
Nova Avanhandava (Rui Barbosa) 347.400,0 Buritama - SP Tiête PIE AES Tietê S/A.
Nova Maurício 32.000,0 Leopoldina - MG Novo APE Valesul Alumínio S/A.
Nova Ponte 510.000,0 Nova Ponte - MG Araguari SP Companhia
Energética de Minas Gerais
Palmeiras 24.400,0 Rio dos Cedros - SC dos Cedros SP Centrais Elétricas
Santa Catarina S/A.
Paraibuna 85.000,0 Paraibuna - SP Paraibuna SP Companhia
Energética de São Paulo
Paranapanema 31.500,0 Piraju - SP Paranapanema SP Companhia
Luz e Força Santa Cruz
Paranoá 30.000,0 Brasília - DF Paranoá SP Companhia
Energética de Brasília
Passo Fundo 220.000,0 Entre Rios do Sul - RS Passo Fundo PIE Tractebel Energia S/A.
Passo Real 158.000,0 Salto do Jacuí - RS Jacuí SP Companhia
Estadual de Energia Elétrica
Paulo Afonso I 180.000,0 Delmiro Gouveia - AL / Santa Brígida - BA São Francisco SP Companhia Hidro
Elétrica do São Francisco
Paulo Afonso II 480.000,0 Delmiro Gouveia - AL / Santa Brígida - BA São Francisco SP Companhia Hidro
Elétrica do São Francisco
Paulo Afonso III 864.000,0 Delmiro Gouveia - AL / Santa Brígida - BA São Francisco SP Companhia Hidro
Elétrica do São Francisco
Paulo Afonso IV 2.460.000,0 Delmiro Gouveia - AL / Paulo Afonso - BA São Francisco SP Companhia Hidro
Elétrica do São Francisco
Pedra 23.000,0 Jequié - BA das Contas SP Companhia Hidro
Elétrica do São Francisco
Pereira Passos 100.000,0 Piraí - RJ Lajes SP Light Serviços
de Eletricidade S/A.
Piau 18.012,0 Santos Dumont - MG Piau SP Companhia
Energética de Minas Gerais
Pirajú 70.000,0 Piraju - SP Paranapanema APE-COM Companhia
Brasileira de Alumínio
Porto Colômbia 320.000,0 Guaíra - SP / Planura - MG Grande SP Furnas Centrais Elétricas S/A.
Porto Estrela 112.000,0 Açucena - MG / Santo Antônio APE-COM PIE Companhia de Tecidos Norte
Braúnas - MG / Joanésia - MG de Minas / Companhia
Energética de Minas Gerais / 33,34%
para Companhia Vale do Rio Doce
Porto Góes 24.800,0 Salto - SP Tietê SP Empresa Metropolitana
de Águas e Energia S/A.
Porto Primavera 1.540.000,0 Anaurilândia - MS / Paraná SP Companhia
(Eng° Sérgio Motta) Teodoro Sampaio - SP Energética de São Paulo
Porto Raso 28.400,0 Tapiraí - SP Juquiá-Guaçu APE-COM Companhia
Brasileira de Alumínio
Promissão (Mário Lopes Leão) 264.000,0 Ubarana - SP Tietê PIE AES Tietê S/A.
Rasgão 22.000,0 Pirapora do Bom Jesus - SP Tietê SP Empresa Metropolitana
de Águas e Energia S/A.
Rio Bonito 16.800,0 Santa Maria de Jetibá - ES Santa Maria SP Espírito Santo

189
ANEXO 3A ANEXO 3A

UHEs em operação – situação em setembro de 2003 (cont.)

Usina Pot. (kW) Município Rio Destino da Energia Proprietário


Centrais Elétricas S/A.
Rio do Peixe 18.060,0 São José do Rio Pardo - SP Peixe SP Companhia
(Casa de Força I e II) Jaguari de Energia
Rosal 55.000,0 Bom Jesus do Itabapoana - RJ / Itabapoana SP Rosal Energia S/A.
Guaçuí - ES / São José do Calçado - ES
Rosana 372.000,0 Diamante do Norte - PR / Rosana - SP Paranapanema PIE Duke Energy Internacional,
Geração Paranapanema S/A.
Sá Carvalho 78.000,0 Antônio Dias - MG Piracicaba SP Sá Carvalho S/A.
Salto Caxias 1.240.000,0 Capitão Leônidas Marques - PR Iguaçu SP Copel Geração S/A.
Salto do Iporanga 36.870,0 Juquiá - SP Assungui APE Companhia
Brasileira de Alumínio
Salto Grande 102.000,0 Braúnas - MG Santo Antônio SP Companhia
Energética de Minas Gerais
Salto Grande 73.760,0 Cambará - PR / Salto Grande - SP Paranapanema PIE Duke Energy Internacional,
(Lucas Nogueira Garcez) Geração Paranapanema S/A.
Salto Osório 1.078.000,0 Quedas do Iguaçu - PR Iguaçu PIE Tractebel Energia S/A.
Salto Santiago 1.420.000,0 Saudade do Iguaçu - PR Iguaçu PIE Tractebel Energia S/A.
Samuel 216.000,0 Porto Velho - RO Jamari SP Centrais Elétricas
do Norte do Brasil S/A.
Santa Branca 50.000,0 Jacareí - SP / Santa Branca - SP Paraíba do Sul SP Light Serviços
de Eletricidade S/A.
Santa Cecília 32.000,0 Barra do Piraí - RJ Paraíba do Sul SP para Light Serviços
de Eletricidade S/A.
Santa Clara 60.000,0 Nanuque - MG / Mucuri PIE Companhia
Serra dos Aimorés - MG Energética Santa Clara
São Domingos 12.000,0 São Domingos - GO São Domingos SP Companhia
Energética de Goiás
São Simão 1.710.000,0 Santa Vitória - MG / São Simão - GO Paranaíba SP Companhia
Energética de Minas Gerais
Serra da Mesa 1.275.000,0 Cavalcante - GO / Minaçu - GO Tocantins SP Furnas Centrais Elétricas S/A.
Serraria 24.000,0 Juquiá - SP Juquiá - Guaçu APE-COM Companhia
Brasileira de Alumínio
Sobradinho 1.050.000,0 Juazeiro - BA São Francisco SP Companhia Hidro
Elétrica do São Francisco
Sobragi 60.000,0 Belmiro Braga - MG / Simão Pereira - MG Paraibuna APE Siderúrgica Barra Mansa S/A.
Suíça 30.000,0 Santa Leopoldina - ES Santa Maria SP Espírito Santo
Centrais Elétricas S/A.
Taquaruçu (Escola Politécnica) 554.000,0 Sandovalina - SP / Santa Inês - PR Paranapanema PIE Duke Energy Internacional,
Geração Paranapanema S/A.
Três Irmãos 1.292.000,0 Pereira Barreto - SP Tietê SP Companhia
Energética de São Paulo
Três Marias 396.000,0 Três Marias - MG São Francisco SP Companhia
Energética de Minas Gerais
Tucuruí I e II 8.125.000,0 Tucuruí - PA Tocantins SP Centrais Elétricas
do Norte do Brasil S/A.
Vigário 88.000,0 Piraí - RJ Piraí SP Light Serviços
de Eletricidade S/A.
Volta
Fonte: AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA – ANEEL. Banco de Informações de Geração – BIG. 2003. Disponível em: www.aneel.gov.br/15.htm.

190
ANEXO 3B

ANEXO 3B PCHs* em operação – situação em setembro de 2003


Usina Pot. (kW) Município Rio Destino da Energia Proprietário
Água Suja 1.200,0 Novo São Joaquim - MT Córrego Água Suja APE Eloi Brunetta
Alta Floresta 5.000,0 Alta Floresta d´Oeste - RO Branco SP Eletricidade de Rondônia Ltda.
Alto Araguaia 1.200,0 Alto Araguaia - MT / Araguaia SP Centrais Elétricas
Santa Rita do Araguaia - GO Matogrossenses S/A.
Alto Benedito Novo 2.170,0 Benedito Novo - SC Benedito APE-COM Cooperativa de Energia
Elétrica Santa Maria Ltda.
Alto Fêmeas I 10.650,0 São Desidério - BA Fêmeas SP Companhia de
Eletricidade do Estado da Bahia
Alto Jatapu 5.000,0 São João da Baliza - RR Jatapu SP Companhia
Energética de Roraima
Alto Jauru 21.960,0 Araputanga - MT Jauru PIE Araputanga
Centrais Elétricas S/A.
Alto Paraguai (Pedro Pedrossian) 1.680,0 Alto Paraguai - MT Paraguai SP Centrais Elétricas
Matogrossenses S/A.
Altoé II 1.100,0 Cerejeiras - RO São João I PIE Hidroelétrica Altoé Ltda.
Amorim 1.800,0 Antônio Dias - MG Piracicaba APE Companhia
Siderúrgica de Belgo-Mineira
Anil 2.080,0 Santana do Jacaré - MG Jacaré SP Companhia
Energética de Minas Gerais
Anna Maria 1.560,0 Santos Dumont - MG Pinho PIE CAT-LEO Energia S/A.
Antas I (Pedro Affonso Junqueira) 8.780,0 Poços de Caldas - MG das Antas SP Departamento Municipal
de Eletricidade de Poços de Caldas
Aprovale 1.280,0 Lucas do Rio Verde - MT Cedro APE Associação de Produtores
Rurais do Vale do Cedro
Apucaraninha 10.000,0 Tamarana - PR Apucaraninha SP Copel Geração S/A.
Araras 4.000,0 Varjota - CE Acaraú SP Companhia Hidro
Elétrica do São Francisco
Barra 5.200,0 Candói - PR Jordão APE Trombini
Papel e Embalagens S/A.
Baruíto 18.000,0 Campo Novo do Parecis - MT Sangue SP Global Energia Elétrica S/A.
Barulho 1.320,0 Liberdade - MG Ribeirão do Barulho APE Companhia
de Nickel do Brasil
Batista 2.704,0 Pilar do Sul - SP Turvo PIE Amanary Eletricidade Ltda.
Benjamim Mário Baptista 9.000,0 Manhuaçu - MG Manhuaçu PIE CAT-LEO Energia S/A.
(Nova Sinceridade)
Bicas 1.560,0 Mariana - MG Gualaxo do Norte APE Companhia
Minas da Passagem
Boa Vista I 1.192,0 Turvo - PR Marrecas APE Companhia
Brasileira de Papel
Boa Vista II 9.000,0 Turvo - PR Marrecas APE Companhia
Brasileira de Papel
Braço do Norte II 9.600,0 Guarantã do Norte - MT Braço do Norte SP Eletricidade da Amazônia S/A.
Braço Norte 5.300,0 Guarantã do Norte - MT Braço Norte SP Centrais Elétricas
Matogrossenses S/A.
Brito 2.900,0 Ponte Nova - MG Piranga APE Alcan Alumínio do Brasil Ltda.
Buricá 1.400,0 Independência - RS / Inhacorá - RS Buricá APE Cooperativa de Energia e
Desenvolvimento Rural Entre Rios Ltda.
Cabixi 2.700,0 Vilhena - RO Cabixi APE Cassol Indústria
e Comércio de Madeiras Ltda.

* Ressalta-se que existem mais empreendimentos com características de PCH, os quais foram outorgados anteriormente à Lei nº 9.648, de maio de 1998 e, portanto, não enquadrados nessa categoria.

191
ANEXO 3B ANEXO 3B

PCHs em operação – situação em setembro de 2003 (cont.)


Usina Pot. (kW) Município Rio Destino da Energia Proprietário
Cabixi II 2.800,0 Comodoro - MT Lambari PIE Cassol Indústria
e Comércio de Madeiras Ltda.
Caboclo 4.160,0 Ouro Preto - MG Maynart APE Alcan Alumínio do Brasil Ltda.
Cachoeira 9.900,0 Vilhena - RO Ávila SP Eletrogoes S/A.
Cachoeira 3.680,0 Guarapuava - PR Pequeno APE Companhia
Brasileira de Papel
Cachoeira Bento Lopes 1.400,0 Conceição do Pará - MG Pará APE Companhia Tecidos Santanense
Cachoeira da Fumaça 2.560,0 Jaciara - MT Tenente Amaral APE-COM Usina Jaciara S/A.
Cachoeira do Fagundes 1.840,0 Antônio Carlos - MG Fundo APE Companhia
Têxtil Ferreira Guimarães
Cachoeira do Furado 2.880,0 Taquaraçu de Minas - MG Taquaruçu APE Companhia
(Dona Denise) Siderúrgica de Belgo-Mineira
Cachoeira do Lavrinha 3.010,0 Rianápolis - GO das Almas SP Companhia
(São Patrício) Hidroelétrica São Patrício
Cachoeira do Rio do Rauen 1.600,0 Taió - SC Rauen PIE Heidrich Geração Elétrica Ltda.
Cachoeira do Rosário (Usina Carioca) 1.600,0 Pará de Minas - MG São João APE Companhia Tecidos Santanense
Cachoeira dos Macacos 2.970,0 Perdizes - MG / Sacramento - MG Araguari APE Concrebrás S/A.
Cachoeira dos Prazeres 3.830,0 Ouro Preto - MG Maynard APE Alcan Alumínio do Brasil Ltda.
Cachoeira Poço Preto 4.000,0 Itararé - SP Itararé APE-COM Maringá S/A. -
Cimento e Ferro-Liga
Cajuru 7.200,0 Carmo do Cajuru - MG Pará SP Companhia
Energética de Minas Gerais
Camargo Corrêa (Arrossensal) 1.200,0 Nortelândia - MT Santana PIE Agropecuária e Industrial S/A.
Candói 1.800,0 Candói - PR Caracu APE Santa Clara
Indústria de Pasta e Papel Ltda.
Capão Preto 5.520,0 São Carlos - SP Quilombo/Negro SP Nova 1 Participações S/A.
Capigui 4.470,0 Passo Fundo - RS Capigui SP Companhia
Estadual de Energia Elétrica
Carandaí 1.842,0 Coronel Xavier Chaves - MG Carandaí APE Companhia
Industrial Fluminense
Casca II 3.520,0 Chapada dos Guimarães - MT Casca SP Centrais Elétricas
Matogrossenses S/A.
Castaman I (Enganado) 1.500,0 Colorado do Oeste - RO Enganado APE Adelino Castaman e Filhos Ltda.
Castaman III 1.480,0 Colorado do Oeste - RO Enganado APE Castaman
Centrais Elétricas Ltda.
Catas Altas I 4.000,0 Ribeira - SP Catas Altas APE Orsa Celulose,
Papel e Embalagens S/A.
Catete 2.412,0 Nova Friburgo - RJ Bengalas SP Companhia de
Eletricidade Nova Friburgo
Caveiras 4.290,0 Lages - SC Caveiras SP Centrais Elétricas
Santa Catarina S/A.
Cavernoso 1.300,0 Virmond - PR Cavernoso SP Copel Geração S/A.
Cedros (Rio dos Cedros) 7.400,0 Rio dos Cedros - SC dos Cedros SP Centrais Elétricas
Santa Catarina S/A.
Celso Ramos 5.300,0 Faxinal dos Guedes - SC Chapecozinho SP Centrais Elétricas
Santa Catarina S/A.
Chave do Vaz 1.600,0 Cantagalo - RJ Negro SP Companhia de
Eletricidade do Rio de Janeiro
Chibarro 2.288,0 Araraquara - SP Ribeirão Chibarro SP Nova 1 Participações S/A.

192
ANEXO 3B ANEXO 3B

PCHs em operação – situação em setembro de 2003 (cont.)


Usina Pot. (kW) Município Rio Destino da Energia Proprietário
Chopim I 1.980,0 Itapejara d´Oeste - PR Chopim SP Copel Geração S/A.
Codorna 1.944,0 Nova Lima - MG Marinhos APE Mineração Morro Velho Ltda.
Colorado 1.120,0 Tapera - RS Puitã SP Centrais Elétricas
de Carazinho S/A.
Congonhal 1 1.816,0 Baependi - MG Jacu PIE AES Força
Empreendimentos Ltda.
Coremas 3.760,0 Coremas - PB Piancó SP Companhia Hidro
Elétrica do São Francisco
Coronel Américo Teixeira 5.600,0 Santana do Riacho - MG Riachinho APE Companhia
Industrial Belo Horizonte
Coronel Domiciano 5.040,0 Muriaé - MG Fumaça SP Companhia Força
e Luz Cataguazes-Leopoldina
Corredeira do Capote 1.723,0 Ribeirão Branco - SP Apiaí-Guaçu APE-COM Maringá S/A. -
Cimento e Ferro-Liga
Costa Rica 16.000,0 Costa Rica - MS Sucuriú PIE Costa Rica Energética Ltda.
Cotovelo do Jacuí 3.340,0 Victor Graeff - RS Jacuí APE Cooperativa de Energia
e Desenvolvimento Rural Ltda.
Coxim (Vitor Brito) 400,0 Coxim - MS SP Empresa Energética
de Mato Grosso do Sul S/A.
Cristo Rei 1.800,0 Campo Mourão - PR Ranchinho APE Indústrias
Reunidas Cristo Rei Ltda
Culuene 1.790,0 Paranatinga - MT / Culuene SP Centrais Elétricas
Primavera do Leste - MT Matogrossenses S/A.
D 1.360,0 Nova Lima - MG Capitão do Mato APE Mineração Morro Velho Ltda.
Derivação do Rio Jordão 6.500,0 Reserva do Iguaçu - PR Jordão SP Copel Geração S/A.
Diacal II 5.040,0 Dianópolis - TO Palmeiras PIE Celtins Energética S/A.
Dianópolis 5.500,0 Dianópolis - TO Manoel Alvinho PIE Celtins Energética S/A.
Dona Rita 2.408,0 Santa Maria de Itabira - MG Tanque SP Departamento de Águas e
Energia Elétrica do Estado de Minas Gerais
Dorneles 1.200,0 Passa Tempo - MG Pará APE Ferro Liga Ltda.
Dourados 10.800,0 Nuporanga - SP Sapucaí Mirim SP Nova 1 Participações S/A.
E 1.400,0 Nova Lima - MG Córrego Capitão do Mato APE Mineração Morro Velho Ltda.
E Nova 2.744,0 Nova Lima - MG Capitão do Mato APE Mineração Morro Velho Ltda.
Ernestina 4.960,0 Ernestina - RS Jacuí SP Companhia Estadual de
Energia Elétrica
Ervália 6.970,0 Ervália - MG / Guiricema - MG dos Bagres SP Companhia Força
e Luz Cataguazes-Leopoldina
Esmeril 5.040,0 Patrocínio Paulista - SP Ribeirão Esmeril SP Nova 1 Participações S/A.
Euclidelândia 1.400,0 Cantagalo - RJ Negro SP Companhia de
Eletricidade do Rio de Janeiro
F 3.972,0 Nova Lima - MG Córrego Capitão do Mato APE Mineração Morro Velho Ltda.
Fagundes 4.800,0 Areal - RJ Fagundes SP Companhia de
Eletricidade do Rio de Janeiro
Faxinal l 2.788,0 Aripuanã - MT Aripuanã APE Madeireira Faxinal Ltda.
Flor do Mato 4.800,0 Ponte Serrada - SC Mato APE Celulose Irani S/A.
Forquilha 1.118,0 Maximiliano de Almeida - RS Forquilha SP Companhia
Estadual de Energia Elétrica
Franca Amaral 4.500,0 Bom Jesus do Itabapoana - RJ / Itabapoana SP Companhia de
São José do Calçado - ES Eletricidade do Rio de Janeiro

193
ANEXO 3B

PCHs em operação – situação em setembro de 2003 (cont.)


Usina Pot. (kW) Município Rio Destino da Energia Proprietário
Fruteiras 7.906,0 Cachoeiro de Itapemirim - ES Fruteiras SP Espírito Santo
Centrais Elétricas S/A.
Fumaça 10.000,0 Mariana - MG Gualaxo do Sul APE Alcan Alumínio do Brasil Ltda.
Funil 3.600,0 Ouro Preto - MG Maynart APE Alcan Alumínio do Brasil Ltda.
G 1.440,0 Nova Lima - MG Córrego Capitão do Mato APE Mineração Morro Velho Ltda.
Garcia 8.600,0 Angelina - SC Garcia SP Centrais Elétricas
Santa Catarina S/A.
Gavião Peixoto 4.166,0 Gavião Peixoto - SP Jacaré-Açú SP Nova 1 Participações S/A.
Gindaí 1.280,0 Rio Formoso - PE / Sirinhaém - PE Sirinhaém APE Usina Trapiche S/A.
Granada 14.000,0 Abre Campo - MG Matipó APE-COM CAT-LEO Energia S/A.
Guarita 1.760,0 Erval Seco - RS Guarita SP Companhia
Estadual de Energia Elétrica
Guary 5.400,0 Santos Dumont - MG Pinho PIE CAT-LEO Energia S/A.
Herval 1.520,0 Santa Maria do Herval - RS Cadeia SP Companhia
Estadual de Energia Elétrica
Ijuizinho 3.600,0 Entre-Ijuís - RS Ijuizinho APE Cooperativa Regional
de Eletrificação Rural das Missões
Ijuizinho 1.118,0 Eugênio de Castro - RS Ijuizinho SP Companhia
Estadual de Energia Elétrica
Ilhéus 2.560,0 Barbacena - MG Mortes APE Companhia
Paulista de Ferro Ligas
Indiavaí 28.000,0 Indiavaí - MT / Jauru - MT Jauru PIE Arapucel Indiavaí S/A.
Itaipava 3.880,0 Santa Rosa de Viterbo - SP Pardo PIE Grandview do Brasil Ltda.
Itatinga 15.000,0 Bertioga - SP Itatinga SP Companhia Docas
do Estado de São Paulo
Ituerê 4.040,0 Rio Pomba - MG Pomba APE Valesul Alumínio S/A.
Ivo Silveira 2.500,0 Campos Novos - SC Lajeado Santa Cruz SP Centrais Elétricas
Santa Catarina S/A.
Jaguaricatu I 2.200,0 Sengés - PR Jaguaricatu APE Sengés Papel e Celulose Ltda.
Jaguaricatu II 2.400,0 Sengés - PR Jaguaricatu APE Sengés Papel e Celulose Ltda.
João Baptista de Lima Figueiredo 3.500,0 São José do Rio Pardo - SP / Pardo APE Usina Itaiquara
Tapiratiba - SP de Açúcar e Álcool S/A.
João de Deus 1.548,0 Bom Despacho - MG Lambari APE-COM Companhia Industrial
Aliança Bondespachense
Joasal 8.400,0 Juiz de Fora - MG Paraibuna SP Companhia
Energética de Minas Gerais
Jorda Flor 1.392,0 Pilar do Sul - SP Turvo PIE Amanary Eletricidade Ltda.
Jucu 4.390,0 Domingos Martins - ES Jucu SP Espírito Santo
Centrais Elétricas S/A.
Juína 2.650,0 Juína - MT Aripuanã SP Centrais Elétricas
Matogrossenses S/A.
Júlio de Mesquita Filho 29.072,0 Cruzeiro do Iguaçu - PR Chopim PIE Foz do Chopim
(Foz do Chopim) Energética Ltda.
Jurupará 7.200,0 Ibiúna - SP / Piedade - SP Peixe APE Companhia
Brasileira de Alumínio
Lageado 1.800,0 Lajeado - TO Lageado Grande SP Companhia de Energia
Elétrica do Estado do Tocantins
Lago Azul 2.000,0 Cristalina - GO / Ipameri - GO Ribeirão Castelhano APE Destilaria Lago Azul S/A.

194
ANEXO 3B

PCHs em operação – situação em setembro de 2003 (cont.)


Usina Pot. (kW) Município Rio Destino da Energia Proprietário
Lajes 2.060,0 Wanderlândia - TO Lajes SP Companhia de Energia
Elétrica do Estado do Tocantins
Lençóis 1.680,0 Macatuba - SP Lençóis SP Nova 1 Participações S/A.
Lobo 2.500,0 Itirapina - SP Ribeirão do Lobo SP Elektro Eletricidade
e Serviços S/A.
Luiz Dias 1.620,0 Itajubá - MG Lourenço Velho SP Companhia
Energética de Minas Gerais
Luiz Queiroz 2.880,0 Piracicaba - SP Piracicaba PIE Ferro Ligas Piracicaba Ltda.
Macaco Branco 2.363,0 Campinas - SP Jaguarí SP Companhia Jaguari de Energia
Machado Mineiro 3.050,0 Águas Vermelhas - MG / Pardo PIE Horizontes Energia S/A.
São João do Paraíso - MG
Madame Denise 2.880,0 Taquaraçu de Minas - MG Taquaruçu APE Companhia
Siderúrgica de Belgo-Mineira
Marmelos 4.000,0 Juiz de Fora - MG Paraibuna SP Companhia
Energética de Minas Gerais
Martins 7.700,0 Uberlândia - MG Uberabinha SP Companhia
Energética de Minas Gerais
Marzagão 2.023,0 Sabará - MG Ribeirão Arrudas APE Fertiligas
Indústria e Comércio Ltda.
Mata Cobra 2.880,0 Carazinho - RS da Várzea SP Centrais
Elétricas de Carazinho S/A.
Mello 10.000,0 Rio Preto - MG Santana APE Valesul Alumínio S/A.
Mogi-Guaçu 7.200,0 Mogi Guaçu - SP Mogi-Guaçu PIE AES Tietê S/A.
Monte Alto 7.360,0 Passos - MG São João APE Companhia
Cimento Portland Itaú
Monte Belo 4.000,0 Alta Floresta d´Oeste - RO Saldanha PIE Centrais Elétricas Cassol Ltda.
Mourão I 8.200,0 Campo Mourão - PR Mourão SP Copel Geração S/A.
Neblina 6.468,0 Ipanema - MG Manhuaçu SP Companhia Força
e Luz Cataguazes-Leopoldina
Nova Jaguariaíva 1.050,0 Jaguariaíva - PR Jaguariaíva PIE Champion Eletricidade Ltda.
Oriental 1.250,0 São José da Laje - AL Inhumas PIE Usina Serra Grande S/A.
Paciência 4.080,0 Matias Barbosa - MG Paraibuna SP Companhia
Energética de Minas Gerais
Pacífico Mascarenhas 3.044,0 Santana do Riacho - MG Parauninha APE Companhia Fiação
Tecidos Cedro Cachoeira
Padre Carlos (Ex- PCH Rolador) 7.800,0 Poços de Caldas - MG das Antas PIE DME Energética Ltda.
Paes Leme 1.920,0 Passa-Vinte - MG Bananal PIE AES Força
Empreendimentos Ltda.
Pandeiros 4.200,0 Januária - MG Pandeiros SP Companhia
Energética de Minas Gerais
Paraúna 4.280,0 Gouveia - MG Paraúna SP Companhia
Energética de Minas Gerais
Pari 1.344,0 Cândido Mota - SP Pari SP Empresa de Eletricidade
Vale Paranapanema S/A.
Passo de Ajuricaba 6.200,0 Ijuí - RS Ijuí SP Departamento
Municipal de Energia de Ijuí
Passo do Inferno 1.490,0 São Francisco de Paula - RS Santa Cruz SP Companhia
Estadual de Energia Elétrica
Pau Sangue 1.240,0 Gameleira - PE Serinhaém PIE Zihuatanejo do Brasil
Açúcar e Álcool Ltda.

195
ANEXO 3B

PCHs em operação – situação em setembro de 2003 (cont.)


Usina Pot. (kW) Município Rio Destino da Energia Proprietário
Pery 4.400,0 Curitibanos - SC Canoas SP Centrais Elétricas
Santa Catarina S/A.
Pesqueiro 10.960,0 Jaguariaíva - PR Jaguariaíva PIE Pesqueiro Energia S/A.
Peti 9.400,0 São Gonçalo do Rio Abaixo - MG Santa Bárbara SP Companhia
Energética de Minas Gerais
Piabanha 9.000,0 Areal - RJ Piabanha SP Companhia de
Eletricidade do Rio de Janeiro
Pilar 1.300,0 Pilar do Sul - SP Turvo PIE Amanary Eletricidade Ltda.
Piloto 2.000,0 Paulo Afonso - BA São Francisco SP Companhia Hidro
Elétrica do São Francisco
Pinhal 6.800,0 Espírito Santo do Pinhal - SP Mogi-Guaçu SP Nova 1 Participações S/A.
Piraí 1.350,0 Joinville - SC Piraí SP Centrais Elétricas
Santa Catarina S/A.
Pirapama 1.826,0 Escada - PE Pirapama APE Companhia
Industrial Pirapama
Pitinga 24.960,0 Presidente Figueiredo - AM Pitinga APE Mineração Taboca S/A.
Poço Fundo 9.160,0 Poço Fundo - MG Machado SP Companhia
Energética de Minas Gerais
Ponte 24.000,0 Descoberto - MG / Guarani - MG Pomba PIE CAT-LEO Energia S/A.
Poquim 1.408,0 Itambacuri - MG Poquim SP Companhia
Energética de Minas Gerais
Poxoréo (José Fragelli) 1.200,0 Poxoréo - MT Poxoréo SP Centrais Elétricas
Matogrossenses S/A.
Presidente Goulart 8.000,0 Correntina - BA Correntina SP Companhia de
Eletricidade do Estado da Bahia
Primavera 2.320,0 Poxoréo - MT / das Mortes SP Centrais Elétricas
Primavera do Leste - MT Matogrossenses S/A.
Quatiara 2.600,0 Rancharia - SP do Peixe SP Serviços de Eletricidade S/A.
Rede Elétrica Piquete - 3.340,0 Wenceslau Braz - MG Bicas PIE Indústria de
Itajubá - REPI Material Bélico do Brasil
Rio da Prata 2.135,0 Comodoro - MT Prata PIE Consórcio Simareli / Mazutti
Rio de Pedras 9.280,0 Itabirito - MG Pedras SP Companhia
Energética de Minas Gerais
Rio dos Patos 1.720,0 Prudentópolis - PR dos Patos SP Copel Geração S/A.
Rio Novo 1.280,0 Avaré - SP Novo SP Companhia
Luz e Força Santa Cruz
Rio Piracicaba 9.000,0 Belo Horizonte - MG Piracicaba APE Companhia
Siderúrgica de Belgo-Mineira
Rio Tigre 2.080,0 Guatambú - SC Tigre APE-COM Fábrica Papel
Primo Tedesco S/A.
Rio Timbó 5.080,0 Irineópolis - SC / Porto União - SC Tamanduá APE Companhia
Bom Sucesso de Eletricidade
Rochedo 4.000,0 Piracanjuba - GO Meia Ponte SP Companhia
Energética de Goiás
Ronuro 1.040,0 Paranatinga - MT Ronuro APE Sopave Norte S/A.
Mercantil Rural
Salto 4.240,0 Ouro Preto - MG Maynart APE Alcan Alumínio do Brasil Ltda.
Salto (Salto Weissbach) 12.300,0 Blumenau - SC Itajaí-Açu SP Centrais Elétricas
Santa Catarina S/A.
Salto Belo 4.000,0 Novo São Joaquim - MT Noidore SP Enercoop S/A.

196
ANEXO 3B

PCHs em operação – situação em setembro de 2003 (cont.)


Usina Pot. (kW) Município Rio Destino da Energia Proprietário
Salto Claudelino 2.400,0 Clevelândia - PR Chopim APE Óleos Vegetais Paraná S/A.
Salto Curucaca 7.342,0 Guarapuava - PR Jordão APE Santa Maria
Companhia Papel e Celulose
Salto da Barra 2.000,0 Itapeva - SP Apiaí-Guaçu APE-COM Maringá S/A. -
Cimento e Ferro-Liga
Salto do Leão 1.344,0 Campos Novos - SC / Erval Velho - SC Leão APE Perdigão Agroindustrial S/A.
Salto do Lobo 1.616,0 Botucatu - SP / Itatinga - SP Pardo PIE Companhia Energética
Salto do Lobo Ltda.
Salto do Paraopeba 2.460,0 Jeceaba - MG Paraopeba PIE Horizontes Energia S/A.
Salto do Passo Velho 1.900,0 Xanxerê - SC Chapecozinho PIE Horizontes Energia S/A.
Salto Donner I 1.907,0 Doutor Pedrinho - SC Benedito PIE Cooperativa de
Eletrificação Rural Salto Donner
Salto Forqueta 6.080,0 Putinga - RS / São José do Herval - RS Forqueta APE Cooperativa Regional
de Eletrificação Teutônia Ltda.
Salto Grande 4.550,0 Campinas - SP Atibaia SP Nova 1 Participações S/A.
Salto Mauá 19.550,0 Tibagi - PR Tibagi APE Klabin Fábrica
de Papel e Celulose S/A.
Salto Morais 2.394,0 Ituiutaba - MG Tijuco SP Companhia
Energética de Minas Gerais
Salto Rio Branco 2.400,0 Imbituva - PR / Prudentópolis - PR Patos APE Santa Clara
Indústria de Cartões Ltda.
Salto São Pedro 3.650,0 Pinhão - PR Jordão APE Santa Maria
Companhia Papel e Celulose
Salto Voltão 6.760,0 Xanxerê - SC Chapecozinho PIE Horizontes Energia S/A.
San Juan 3.600,0 Cerquilho - SP Sorocaba APE-COM Ferro Ligas Piracicaba Ltda.
Santa Cecília 2.560,0 Curitibanos - SC Tamanduá não identificado não identificado
Santa Cruz 3.970,0 Barreiras - BA Pedras APE Nelson Ricardo da Cruz
Santa Cruz 1.500,0 Rio Branco do Sul - PR Tacaniça APE Cimento Rio Branco S/A.
Santa Helena 2.240,0 Votorantim - SP Sorocaba APE S/A Indústrias Votorantim
Santa Lúcia 5.000,0 Sapezal - MT Juruena PIE Andre Maggi Participações S/A.
Santa Lúcia II 7.028,0 Sapezal - MT Juruena PIE Maggi Energia S/A.
Santa Luzia D´Oeste 3.000,0 Alta Floresta d´Oeste - RO Colorado APE Cassol Indústria
e Comércio de Madeiras Ltda.
Santa Maria 3.000,0 Itapeva - SP Apiaí-Guaçu APE-COM Maringá S/A. -
Cimento e Ferro-Liga
Santa Rosa 1.528,0 Três de Maio - RS Santa Rosa SP Companhia
Estadual de Energia Elétrica
Santana 4.320,0 São Carlos - SP Jacaré-Guaçu SP Nova 1 Participações S/A.
São Bernardo 6.820,0 Piranguçu - MG São Bernardo SP Companhia
Energética de Minas Gerais
São Domingos (Torixoréo) 2.400,0 Torixoréu - MT São Domingos SP Centrais Elétricas
Matogrossenses S/A.
São João 3.200,0 Itaú de Minas - MG São João APE Companhia
Cimento Portland Itaú
São Joaquim 8.050,0 Guará - SP Sapucaí-Mirim SP Nova 1 Participações S/A.
São Joaquim 1.600,0 Jaguariaíva - PR Capivari SP Copel Geração S/A.
São Jorge 2.300,0 Ponta Grossa - PR Pitangui SP Copel Geração S/A.
São Luiz 1.800,0 Ponte Serrada - SC Irani APE Celulose Irani S/A.

197
ANEXO 3B

PCHs em operação – situação em setembro de 2003 (cont.)


Usina Pot. (kW) Município Rio Destino da Energia Proprietário
São Pedro 2.160,0 Itu - SP Tietê APE Companhia Fiação
e Tecelagem São Pedro
São Sebastião 12.000,0 Arceburgo - MG / Mococa - SP Canoas SP Companhia
Luz e Força Mococa
Sinceridade 1.416,0 Manhuaçu - MG / Reduto - MG Manhuaçu SP Companhia Força
e Luz Cataguazes-Leopoldina
Sobrado 4.820,0 Taguatinga - TO Sobrado PIE Celtins Energética S/A.
Sumidouro 2.120,0 Bom Jesus do Galho - MG Sacramento SP Companhia
Energética de Minas Gerais
Taguatinga 1.800,0 Taguatinga - TO Abreu SP Companhia de Energia
Elétrica do Estado do Tocantins
Tombos 2.880,0 Tombos - MG Carangola SP Companhia de
Eletricidade do Rio de Janeiro
Três Capões 1.268,0 Guarapuava - PR Jordão APE Indústrias de
Madeiras Santa Maria Ltda.
Tronqueiras 8.500,0 Coroaci - MG Tronqueiras SP Companhia
Energética de Minas Gerais
Viçosa (Bicame) 4.500,0 Conceição do Castelo - ES Castelo PIE Castelo Energética S/A.
Vitorino 5.280,0 Itapejara d´Oeste - PR Vitorino PIE Anhambi Agroindustrial Ltda.
Votorantim 3.000,0 Votorantim - SP Sorocaba APE S/A Indústrias Votorantim
Xavier 6.000,0 Nova Friburgo - RJ Grande SP Companhia de
Eletricidade Nova Friburgo
Xicão 1.810,0 Campanha - MG Santa Cruz SP Companhia
Energética de Minas Gerais
Fonte: AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA – ANEEL. Banco de Informações de Geração – BIG. 2003. Disponível em: www.aneel.gov.br/15.htm.

198
ANEXO 3C

ANEXO 3C CGHs em operação – situação em setembro de 2003


Usina Pot. (kW) Município Rio Destino da Energia Proprietário
Águas Termais da Cascata Nazzari 144,0 Erechim - RS / Gaurama - RS Campo APE Nelcy Nazzari
Alegre 700,0 Alegre - ES Ribeirão Alegre SP 100% para Espírito Santo
Centrais Elétricas S/A.
Altoé I 744,0 Cerejeiras - RO Osório COM Hidroelétrica Altoé Ltda.
Areas & Castelani 544,0 Mambaí - GO / Posse - GO Maria Ferreira COM Areas & Castelani Ltda.
Aripuanã 800,0 Aripuanã - MT Aripuanã SP Centrais Elétricas
Matogrossenses S/A.
Armando de Abreu Rios 120,0 Raul Soares - MG Santana APE José Sílvio Soares Rios
Avante 1.000,0 Ibiaçá - RS Ligeiro SP Muxfeldt, Marin & Cia. Ltda.
B 940,0 Nova Lima - MG Capitão do Mato APE Mineração Morro Velho Ltda.
Bagagem 480,0 Natividade - TO Ponte Alta SP Companhia de Energia
Elétrica do Estado do Tocantins
Bainha 320,0 Cantagalo - PR Divisa APE Piquirì Indústria
e Comércio de Papéis Ltda.
Barra d’Ouro 520,0 Água Preta - PE Una COM Hidroelétrica Barra d’Ouro Ltda.
Barro Preto 24,0 Nova Ponte - MG Córrego Barro Preto APE Pedro Redemptor Guidi
Batalha 960,0 Paracatu - MG Ribeirão da Batalha APE Agropecuária Rossato Ltda.
Benedito Alto 954,0 Benedito Novo - SC Benedito COM Hidrelétrica Sens Ltda.
Benfica 1.000,0 Itaúna - MG São João APE Companhia
Industrial Itaunense
Bom Jesus do Galho 360,0 Bom Jesus do Galho - MG Sacramento SP Companhia
Energética de Minas Gerais
Bortolan (José Togni) 715,0 Poços de Caldas - MG das Antas SP Departamento Municipal
de Eletricidade de Poços de Caldas
Boyes 980,0 Piracicaba - SP Piracicaba APE Companhia
Industrial e Agrícola Boyes
Brigadeiro Velloso III 240,0 Novo Progresso - PA Braço Norte APE-COM Campo de
Provas Brigadeiro Velloso
Britos 680,0 Igaratinga - MG São João APE Companhia
Tecidos Santanense
Buriti Queimado 7,2 Buritizeiro - MG Barreirinha APE José Wagner Volpini
Buritis 800,0 Buritizal - SP Bandeira SP Nova 1 Participações S/A.
Cachoeira Alta 302,0 Manhumirim - MG Jequitibá SP Companhia Força
e Luz Cataguazes-Leopoldina
Cachoeira da Onça 900,0 São Gabriel da Palha - ES São José SP Empresa Luz
e Força Santa Maria S/A.
Cachoeira do Oito 240,0 Colatina - ES Pancas SP Empresa Luz
e Força Santa Maria S/A.
Cachoeira Velonorte 160,0 Cachoeira da Prata - MG Ribeirão dos Macacos APE Cachoeira Velonorte S/A.
Cachoeirinha 675,0 Tesouro - MT Batovi APE Inácio Camilo Ruaro
Cafundó 986,0 Júlio de Castilhos - RS / Nova Palma - RS Soturno SP Usina Hidro
Elétrica Nova Palma Ltda.
Cajuru 607,0 Cubatão - SP Cubatão COM Usina
Hidrelétrica Rio Grande Ltda.
Camifra I 50,0 Clevelândia - PR / Honório Serpa - PR Chopim APE CAMIFRA S/A -
Madeiras, Agricultura e Pecuária
Caquende 950,0 Piedade dos Gerais - MG Macaúbas APE Recimap
Indústria e Comércio Ltda.
Caratuva 240,0 Imbituva - PR / Irati - PR Caratuva SP Copel Geração S/A.

199
ANEXO 3C

CGHs em operação – situação em setembro de 2003 (cont.)


Usina Pot. (kW) Município Rio Destino da Energia Proprietário
Cascata das Andorinhas 512,0 Cruz Alta - RS Potiribu SP Companhia
(não consta do contrato) Estadual de Energia Elétrica
Central Mariquita 880,0 Primavera - PE Açude de Mariquita COM Central Energética União Ltda.
Central Pé de Serra 144,0 Primavera - PE Açude de Pé de Serra COM Central Energética União Ltda.
Central Usina I 850,0 Santa Cecília - SC das Antas APE Bonet Madeiras e Papéis Ltda.
Central Usina II 600,0 Santa Cecília - SC Correntes APE Bonet Madeiras e Papéis Ltda.
Congonhal 2 416,0 Baependi - MG Jacu COM AES Força
Empreendimentos Ltda.
Conrado Heitor de Queiroz 800,0 Pontes e Lacerda - MT Seixas COM PCH Conrado Heitor
de Queiroz / Kamamu Ltda ME
Corujão 680,0 Araguaína - TO Lontra SP Companhia de Energia
Elétrica do Estado do Tocantins
Cris 80,0 Boa Ventura de São Roque - PR / Turvo - PR Pedrinho APE Piquirì Indústria
e Comércio de Papéis Ltda.
Diacal I 800,0 Dianópolis - TO Palmeiras SP Companhia de Energia
Elétrica do Estado do Tocantins
Dona Maria Piana 990,0 Flores da Cunha - RS Herval APE Monte Carlo
Indústria de Bebidas Ltda.
Dr. Henrique Portugal 800,0 Santa Rita de Jacutinga - MG Bananal COM AES Força
Empreendimentos Ltda.
Engenheiro Bernardo Figueiredo 1.000,0 Pedreira - SP Jaguari APE-COM Nadir Figueiredo
Indústria e Comércio S/A.
Erna Heidrich 600,0 Taió - SC Ribeirão da Vargem COM Heidrich Geração Elétrica Ltda.
Ester 581,0 Cosmópolis - SP Ribeirão Pirapitingui APE Usina Açucareira Ester S/A.
Fazenda Aquidauana 12,0 Juiz de Fora - MG Ribeirão do Carmo APE Cleber Teixeira de Mello
Fazenda Camargo 100,0 Nortelândia - MT Santana APE Agropecuária e Industrial S/A.
(Arrossensal Agrop. Indúst. S. A.)
Fazenda Figueirão 40,0 Alta Floresta d´Oeste - RO Saldanha APE Antônio Tavares da Silva
Fazenda Galera I 200,0 Nova Lacerda - MT / Pontes e Lacerda - MT Galera APE Césio S. Lemos,
Ceila S. Lemos, Celeida L. Daher,
Celi S. Lemos e Célio S. Lemos
Fazenda Galera IA 770,0 Nova Lacerda - MT / Pontes e Lacerda - MT Galera APE Césio S. Lemos,
Ceila S. Lemos, Celeida L. Daher,
Celi S. Lemos e Célio S. Lemos
Fazenda Magna Mater 7,5 Piatã - BA Gritador APE Roberto Solano de Freitas
Fazenda Nazaré 16,0 Buritizeiro - MG Ribeirão do Gado APE Sante Mário Laruccia
Fazenda Santa Sofia 94,0 Áurea - RS / Getúlio Vargas - RS Arroio Toldo APE Nelcy Nazzari
Fazenda São José 120,0 Rosário Oeste - MT Ribeirão Triste APE Pyrâmid Agropastoril S/A.
Fazenda Tabua 28,0 Buritizeiro - MG Córrego da Onça APE Julio Cesar Rodrigues Milagres
Gibóia 160,0 São José da Laje - AL Canhoto COM Usina Serra Grande S/A.
Guaporé 668,0 Guaporé - RS Guaporé SP Companhia
Estadual de Energia Elétrica
Hacker 400,0 Xanxerê - SC / Xaxim - SC Xanxerê APE Metalúrgica Hacker Ltda.
Hans 294,0 Nova Friburgo - RJ Santo Antônio SP Companhia de
Eletricidade Nova Friburgo
Herval 387,0 Capinzal - SC Lajeado / Herval APE Hachmann
Indústria e Comércio Ltda.
Humaytá 1.000,0 Bonito - PE Humaytá COM Vale Verde
Empreendimentos Agrícolas Ltda.

200
ANEXO 3C

CGHs em operação – situação em setembro de 2003 (cont.)


Usina Pot. (kW) Município Rio Destino da Energia Proprietário
Itapocuzinho 480,0 Jaraguá do Sul - SC Itapocu COM DELMAX -
Papelão e Embalagens Ltda.
Itaquerê I 72,0 Novo São Joaquim - MT Itaqueresinho APE Elói Brunetta
Itaquerê II 112,0 Novo São Joaquim - MT I