Você está na página 1de 10

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS

FACULDADE DE TECNOLOGIA
CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA
CARACTERIZAÇÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS

REAPROVEITAMENTO DE ÓLEO DE FRITURA RESIDUAL PARA OBTENÇÃO


DE BIOPRODUTOS

BRUNA HARA TEIXEIRA

MANAUS – AM
2018
UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS
FACULDADE DE TECNOLOGIA
CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA
CARACTERIZAÇÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS

BRUNA HARA TEIXEIRA

REAPROVEITAMENTO DE ÓLEO DE FRITURA RESIDUAL PARA OBTENÇÃO


DE BIOPRODUTOS

Trabalho apresentado ao curso de graduação em


Engenharia Química da Faculdade de Tecnologia da
Universidade Federal do Amazonas como requisito
para obtenção de notal parcial na disciplina
Caracterização e Tratamento de Resíduos.

Orientadora: Profª. Drª. Ocileide Custódio da Silva

MANAUS – AM
2018
RESUMO

O óleo utilizado na fritura de alimentos é altamente impactante ao meio


ambiente. Diariamente, em milhões de lares brasileiros, este resíduo é descartado de
forma inadequada gerando uma série de problemas, entre eles, o entupimento na rede de
esgoto e a contaminação dos solos e mananciais hídricos. Dessa forma, o presente
trabalho, visou objetivar o estudo de métodos adequados de coleta e transformação do
óleo residual em bioprodutos como forma de conscientização ambiental e um maior
conhecimento da transformação química do óleo de fritura, despertando a educação
ambiental e contribuindo para a preservação do meio ambiente.

Palavras-chave: Óleo residual. Meio ambiente. Bioprodutos.


1 OBJETIVOS

1.1 Objetivo geral

Reutilizar o óleo de cozinha residual para a fabricação de bioprodutos com a


finalidade de sensibilizar a população e contribuir para a melhoria do meio ambiente.

1.2 Ojetivos específicos

• Realizar um estudo de campo de locais interessados em armazenar e coletar


óleo de fritura residual para fins ambientais;
• Desenvolver metodologias para transformar esse resíduo em bioprodutos;
• Oferecer palestras e oficinas de produção dos bioprodutos para os alunos da
comunidade acadêmica e do Ensino Fundamental e Médio;
• Aplicar questionários aos alunos para avaliar o conhecimento adquirido após as
paletras e oficinas realizadas.
2 JUSTIFICATIVA

Quando descartado inadequadamente, o óleo de cozinha usado é considerado um


dos grandes causadores de impacto ambiental. Nos corpos hídricos, em função de
imiscibilidade do óleo com a água e sua inferior densidade há tendência à formação de
películas oleosas na superfície, o que dificulta a troca de gases da água com a atmosfera,
ocasionando diminuição gradual das concentrações de oxigênio, resultando em morte de
peixes e outras criaturas dependentes de tal elemento (PITTA JÚNIOR et al., 2009).
Não obstante a quantidade de óleo descartado ser relativamente pequena seu impacto no
meio ambiente é imenso. Cada litro de óleo despejado no esgosto tem capacidade para
poluir cerca de um milhão de litros de água. Essa quantidade corresponde ao consumo
de uma pessoa durante 14 anos (BOTTURA, 2008).
Outra prática incorreta está associada à descarga dos mesmos nas redes públicas
de esgoto e coletores municipais, podendo provocar grandes problemas de entupimento
e obstrução. O seu encaminhamento para as estações de tratamento contribui
significativamente para o aumento dos níveis de CBO (Carência Bioquímica de
Oxigênio), de CQO (Carência Química de Oxigênio) e SST (Sólidos Suspensos Totais)
nas águas residuais a tratar, dificultando o desempenho e funcionamento eficiente das
estações, devido ao aumento da concentração destes parâmetros conduzirem a um
considerável consumo de energia, implicarem manutenções e limpezas mais frequentes
nos equipamentos de separação de óleos e gorduras associadas a gastos de tempo
(MIGUEL, 2010).
Quando descartado no solo, contribui para a impermeabilização do mesmo e,
consequentemente, para a ocorrência de enchentes no período de chuvas intensas.
Quando em contato com o solo, o óleo residual também entra em decomposição,
causando mau cheiro, promovendo a liberação de gás metano durante o processo de
decomposição, fato este que agrava o efeito estufa.
Alternativas ambientais como a prática de sensibilizar a população local a fazer
a coleta de óleo de cozinha usado, vêm diminuindo os problemas econômicos e
ambientais, evitando a poluição por ele causada quando descartado inadequadamente
nos cursos d’água, solo e também nos esgotos sanitários, prevenindo que se traga
grande nocividade à natureza e à saúde dos seres vivos (SANTOS, 2012).
Uma das alternativas para o reuso do óleo vegetal residual de fritura é a
produção de saponáceos, como sabão em barra, detergente líquido e sabão pastoso. O
óleo residual pode ser matéria-prima também para outros produtos tais como: velas
aromáticas, giz, biodiesel, óleos para engrenagens, glicerina, tintas, etc. Estes produtos
são vantajosos de ponto de vista econômico e ambiental.
A abordagem justificou-se pela relevância do tema e também pela criação de
projetos e programas com o objetivo de retirar um redísuo que é descartado
inadequadamente no meio ambiente, visando o seu reaproveitamento na produção de
outros produtos sustentáveis, contribuindo para a adoção de novas práticas e
consequentemente a redução dos desequilíbrios ambientais, além da conscientização da
comunidade acadêmica.
3 EMENTA

A QUÍMICA DO ÓLEO
ÓLEOS VEGETAIS RESIDUAIS
IMPACTOS AMBIENTAIS
EDUCAÇÃO AMBIENTAL
ROTAS PARA REUTILIZAÇÃO DE ÓLEOS RESIDUAIS
BIOPRODUTOS
4 PROCEDIMENTOS

Na primeira etapa será realizada uma pesquisa de campo para fazer o


levantamento da quantidade de locais interessados em armazenar e coletar óleo residual
de fritura para fins ambientais. Os locais interessados receberão bambonas para o
armazenamento e coleta do óleo.
Na segunda etapa será realizada uma revisão bibliográfica a respeito das
metodologias desenvolvidas para transformação desse resíduo em bioprodutos (por
exemplo: sabão, velas aromáticas, biodiesel, etc) e também serão realizados testes no
Laboratório de Controle de Qualidade para a elaboração das metodologias escolhidas.
Então, serão oferecidas palestras a respeito dos danos ambientais causados pelo
descarte incorreto dos óleos residuais e também oficinas de produção de bioprodutos a
partir deste resíduo, para os alunos da comunidade acadêmica e do Ensino Fundamental
e Médio. Também serão aplicados questionários aos alunos para avaliar o conhecimento
adquirido após as palestras.
5 CRONOGRAMA

ATIVIDADES PERÍODO DE REALIZAÇÃO

VERIFICAR LOCAIS INTERESSADOS EM ARMAZENAR E


MARÇO
COLETAR ÓLEO DE FRITURA RESIDUAL

DISTRIBUIR BAMBONAS PARA ARMAZENAMENTO DO


ABRIL
ÓLEO NOS LOCAIS DE COLETA

REVISÃO DA LITERATURA DAS METODOLOGIAS


DESENVOLVIDAS PARA OBTENÇÃO DE BIOPRODUTOS A MAIO
PARTIR DO ÓLEO RESIDUAL

TESTES NO LABORATÓRIO PARA A ELABORAÇÃO DOS


JUNHO
BIOPRODUTOS

REALIZAÇÃO DA OFICINA OFERECIDA A COMUNIDADE


JULHO
ACADÊMICA/ESCOLA E APLICAÇÃO DO QUESTIONÁRIO

RELATÓRIO FINAL AGOSTO


6 REFERÊNCIAS

BOTTURA JUNIOR, W. Da cozinha para a usina. Biodieselbr. Curitiba, n. 4, p. 16-23,


abr/maio. 2008.

DISCONZI, G. S. Coleta seletiva do óleo residual doméstico: desafios e perspectivas


para um aproveitamento socioambiental e sustentável. Santa Maria, 2014.

FILHO, S. T.; COSTA, A. P. S.; RODRIGUES, I.; SENA, M. F. M.; SILVA, E. R.


Bioprodutos a partir do óleo vegetal residual: vela, giz e massa de modelar. REGET, v.
18, Ed. Especial, Mai, 2014, p. 14-18.

KUNZLER, A. A.; SCHIRMANN, A. Proposta de reciclagem para óleos residuais de


cozinha a partir da fabricação de sabão. Paraná, 2011.

MIGUEL, C. R. Coleta Seletiva para Reciclagem de Óleo Vegetal em Estabelecimentos


Localizados no Município de Florianópolis – ACIF. Estudo de Caso: Programa de
reciclagem de Óleo de Cozinha – REÓLEO. 2010.

OLIVEIRA, G. G. C.; NAKAMURA, A. K. S. Confecção de velas aromatizadas e


coloridas a partir da utilização do óleo vegetal residual como incentivo a educação
ambiental. Revista Online de Extensão e Cultura: REALIZAÇÂO, v. 3, nº 6, 2016, p.
40-50.

PITTA JÚNIOR, O. S. R. et al. Reciclagem do óleo de cozinha usado: uma contribuição


para aumentar a produtividade do processo. 2nd International Workshop - Advances in
Cleaner Production São Paulo: 20 a 22 mai. 2009.

SANTOS, D. V. Disponibilidade e potencial de recolhimento de óleo de cozinha usado


domiciliar no Distrito Federal: Uma avaliação da situação atual e perspectivas para um
aproveitamento socioambiental e sustentável. Brasília, 2012.