Você está na página 1de 8

28/4/2010

SEL – 0410 Eletricidade e Magnetismo Indutor

Professor: João Bosco Augusto London Junior


E-mail: jbalj@sc.usp.br

Indutor Princípio de Funcionamento


„ Indutor: um fio enrolado em forma espiral ao redor de Modelo Simplificado
um núcleo (pode ser de ar, ferro ou ferrite)
„ Morfologia e Símbolo - Bobina com “N” espiras
N espiras λ λ = N.φB (Fluxo total enlaçado pelas “N” espiras)
i
Núcleo
+ L –
Espiras „ Experimentalmente verificou-se que λ é diretamente
proporcional a corrente “i” que flui pelo dispositivo
„ O Indutor é um componente que tem a capacidade de „ Para um Indutor Linear
armazenar energia no seu campo magnético
λ = L.i
„ Indutância (L) – é o parâmetro que relaciona o efeito do
campo magnético com a corrente que o produz Sendo L (indutância) a constante de proporcionalidade
„ Unidade é o Henry (H) – Submúltiplos: mH, μH

1
28/4/2010

Princípio de Funcionamento Princípio de Funcionamento


Relação Tensão-Corrente: Relação Tensão-Corrente:
Pela Lei de Faraday – a tensão gerada (induzida) é igual a Pela Lei de Faraday – a tensão gerada (induzida) é igual a
taxa de variação no tempo do fluxo magnético taxa de variação no tempo do fluxo magnético

dλ d ( L.i ) di di v
v= ⇒v= =L ¾ Desconsiderando o sinal negativo que v=L ⇒ di = dt
dt dt dt aparece na equação (Lei de Lenz) dt L
di ¾Para encontrar “i(t)” em função da tensão “v(t)”,
v=L
dt integramos ambos os lados da equação acima entre os
instantes de tempo “t0” e ‘t”:
t
¾ O indutor se opõe a mudança brusca na corrente

i (t ) t 1
1 i (t ) = v ⋅ d (t ) + i (t0 )
∫ di = L t∫ vdt
i ( t0 )
L t0
0

Princípio de Funcionamento Princípio de Funcionamento


Relação Corrente-Tensão: Relação Corrente-Tensão:
t t

∫ ∫
1 1
i(t ) = v ⋅ d (t ) + i(t0 ) i(t ) = v ⋅ d (t ) + i(t0 )
L t0 L t0

Onde:
• Fazendo i(-∞) = 0, uma forma alternativa de expressar a relação
i(t) – representa a corrente acumulada no indutor no intervalo de
tempo entre “t0” e “t” acima é:
i(t0) - é a corrente acumulada no indutor no tempo “t0”, isto é, t


1
acumulada de “-∞” até “t0” i(t ) = v ⋅ d (t )
L −∞

2
28/4/2010

Energia Armazenada em Indutores


„ Armazenada no Campo Magnético
t
Energia Armazenada em Indutores
t t t
⎛ di ⎞
t
di ⎡ i 2 (t ) ⎤
wL (t ) = ∫
−∞
p(t )dt = ∫ v.i (t )dt =
−∞
∫−∞ ⎜⎝ L dt ⎟⎠ .i(t )dt =L−∞∫ dt i(t )dt = ⎢⎣ L 2 ⎦⎥
−∞

Armazenada no campo magnético „ Fazendo i(-∞) = 0, temos:

i 2 (t )
w L (t ) = L ( J o u le )
2

Elemento Passivo

Indutores ligados em Série


i LS
i L1 L2 LN
Associação de Indutores
V V

¾ Sem considerar acoplamento magnético


Circuito equivalente de A
Circuito A (mesma V e i)

∑ Li
N

LS =
i =1

3
28/4/2010

Indutores ligados em Paralelo


i i
i1 i2 iN

V L1 L2 LN V Comportamento de Indutores em CC
LP

Circuito B Circuito equivalente de B


(mesma V e i)

„ Equivalência:


N
1 = 1
LP i =1
Li

Indutor em Regime CC Indutor em Regime CC


„ Em regime Permanente CC (RPCC)
di
v=L i = constante
„ Em regime Permanente CC d
dt
v=0
„ Transitório
„ Indutor em RPCC é um curto circuito

4
28/4/2010

Indutor em Regime CC Indutor em Regime CC


„ Transitório „ Transitório
Corresponde ao período de energização e desenergização de Corresponde ao período de energização e desenergização de
um indutor um indutor

„ Circuito de Energização „ Circuito de Energização


-Inicialmente o Indutor está desenergizado: -Inicialmente o Indutor está desenergizado:
S S - t =0, fechamos a Chave “S”
i
- Se não houvesse o Indutor, após o fechamento da
chave a corrente “i” no circuito aumentaria
rapidamente até atingir o valor de regime
permanente (V/R). Por causa do Indutor, entretanto,
vai aparecer uma tensão induzida “vL” que, pela Lei
de Lenz, vai se opor ao aumento de “i”
di
VL = L
dt

Indutor em Regime CC Indutor em Regime CC


„ Transitório „ Transitório
„ Circuito de Energização
Corresponde ao período de energização e desenergização de - O comportamento da corrente no circuito é descrito pelo seguinte gráfico:
um indutor
Tende assintoticamente à IMax
„ Circuito de Energização
-No instante em que ligamos a chave “S”, a corrente sai ‐ Em RPCC – Curto Circuito
de zero e começa a aumentar gradativamente, devido à
S i oposição causada pela tensão induzida no indutor (vL).
Verifica-se, experimentalmente, que essa oposição é
exponencial
-Quando o indutor estiver totalmente energizado, - A partir do gráfico:
teremos: τ é a constante de tempo do circuito
i(t) = IMax . (1- e–t/τ)
V L ( t e n e r g iz a d o ) = 0 → i é c o n s ta n te = I M a x τ = L / R ( Unidade SI Î seg. = H / Ω )
i(t) = V / R . (1- e–t/τ)
V
I M ax =
R

5
28/4/2010

Indutor em Regime CC Indutor em Regime CC


„ Transitório „ Transitório
„ Circuito de Energização „ Circuito de Energização

„ Analisando o Circuito p
para um tempo
p “t” qq após
p o fechamento „ Gráfico ((Tensão de Energização
g ç de um Indutor))
da chave: vL vL-(t) = V. e – t / τ
V − vR (t ) − vL (t ) = 0 → V − R.i (t ) − vL (t ) = 0 V
S
( )
i ⎡V −t ⎤ Tende assintoticamente à zero
V − R ⎢ 1 − e τ ⎥ − vL (t ) = 0
⎣R ⎦
vL-(t) = V. e – t / τ

Equação de Energização de um - Indutor energizado, podemos montar agora um circuito para


Indutor recuperar a energia armazenada no Indutor

Indutor em Regime CC Indutor em Regime CC


„ Transitório „ Transitório
„ Circuito de Desenergização „ Circuito de Desenergização

- Se abrirmos repentinamente a chave “S” S , com o


Indutor energizado, a corrente diminuiria rapidamente
S i S i
gerando, na bobina, uma f.e.m. muito grande. Essa
f.e.m. pode ser suficientemente grande para fazer a
corrente continuar circulando durante um instante
depois que a faca da chave realmente abre o circuito.
A corrente que passa pelo intervalo de ar, entre a faca
e os mordentes da chave, forma um arco elétrico e
queima os contatos do mesmo

6
28/4/2010

Indutor em Regime CC Indutor em Regime CC


„ Transitório „ Transitório
„ Circuito de Desenergização (Correto) „ Circuito de Desenergização (Correto)

L L
V V

R R

Indutor em Regime CC Indutor em Regime CC


„ Transitório „ Transitório
„ Circuito de Desenergização (Correto) „ Circuito de Desenergização (Sem fonte)

L - t =0, fechamos a chave – Processo de


V i
L desenergização do Indutor
R

7
28/4/2010

Indutor em Regime CC Indutor em Regime CC


„ Transitório „ Transitório
„ Circuito de Desenergização (sem fonte) „ Circuito de Desenergização (sem fonte)
O comportamento da corrente no circuito é descrito pelo seguinte gráfico: - Gráfico (Tensão de desenergização de um Indutor)
VL(t) = VLMáx / ⇐ Equação de desenergização de um Indutor
IMax á .e
e–t/τ
Tende assintoticamente à zero
vL
vLMax

Tende assintoticamente à zero

i(t) = IMax . e–t/τ


i(t) = (VLMax / R) . e–t/ τ
Tensão inicial no Indutor

SEL – 0410 Eletricidade e Magnetismo

Professor: João Bosco Augusto London Junior


E-mail: jbalj@sc.usp.br

Você também pode gostar